• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Por que estudar arte na escola...
 

Por que estudar arte na escola...

on

  • 16,820 views

 

Statistics

Views

Total Views
16,820
Views on SlideShare
16,586
Embed Views
234

Actions

Likes
0
Downloads
81
Comments
0

4 Embeds 234

https://cursosrapidosonline.com.br 90
https://www.xn--cursosonlinedaeducao-7yb1g.com.br 82
https://www.cursosonlinecursos.com.br 57
https://cesbonline.com.br 5

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Por que estudar arte na escola... Por que estudar arte na escola... Presentation Transcript

    • Dorotéia Marra Graduada em Artes Plásticas Pós graduada em Arte e Criatividade Pós graduada em Marketing Artista plástica – pintura, escultura e design Professora de arte e artesanato doromarra@hotmail.com – Doroteia Marra
    • "A Arte está relacionada à história da humanidade e a suas conquistas, à natureza humana e seu simbolismo, à herança cultural dos grupos e ao desenvolvimento individual das pessoas.Despertar a intuição artística, desenvolver as suas formas de expressão e ampliar nossa capacidade de absorvê-la estárelacionado intimamente com o despertar de nossa humanidade". COSTA Cristina, (2004, p.10).
    • Por que levar Arte para a sala de aula?Por que ou para que é que precisamos estudar Arte?
    •  Com certeza você já se fez essas perguntas ou já as ouviu. . . nossos alunos, sempre as têm na ponta da língua. Estudar Arte pra passar no vestibular? Para adquirir cultura? Para conhecer nossa história? A Arte está presente na nossa vida todo o tempo e, na maioria das vezes, nem nos damos conta. Por exemplo: no modelo da camisa, do tênis, no carro novo, na embalagem do café, no perfume, na música tocando no rádio. . . Não é uma delícia ouvir, de repente, aquela música que a gente adora? Essa sensação prazerosa que sentimos ao ouvir uma música, ao contemplar uma obra de arte ou assistir um bom filme é chamada de experiência estética. Uma espécie de prazer da alma. A Arte transforma nossa maneira de ver o mundo. Assim, é preciso aproveitar o que ela pode nos oferecer em termos de conhecimento, de sentimento, de sensações. Estudar Arte é muito bacana e vai ficando cada vez mais interessante se analisarmos seu sentido e suas relações com a História, com a Filosofia, Matemática, Física. . . "Além disso, todos os setores da sociedade procuram pessoas que tenham certo conhecimento geral do mundo e uma sensibilidade aguçada para entendê-lo". COSTA Cristina, (2004,p.12)Para entender a importância da Arte na nossa vida, vamos analisar:
    • A arte-educadora americana Betty Edwards, em seu livro Desenhando com o lado direito do cérebro, nos apresenta uma radiografiamuito interessante sobre nosso cérebro:
    • Hemisfério Esquerdo Hemisfério Direito  Não-verbal: percepção das coisas com Verbal: usa palavras para nomear, uma relação mínima com palavras; descrever e definir;  Sintético: unir coisas para formar Analítico: decifra as coisas de totalidades; maneira sequencial e por partes;  Relaciona as coisas tais como estão nesse Utiliza um símbolo que está no lugar de momento; outra coisa. Por exemplo o sinal + representa a soma;  Analógico: encontra um símil entre diferentes ordens; compreensão das Abstrato: extrai uma porção pequena relações metafóricas; de informação e a utiliza para representar a totalidade do assunto;  Atemporal: sem sentido de tempo; Temporal: se mantem uma noção de  Não-racional: não requer uma base de tempo, uma seqüência dos fatos. Fazer informações e fatos reais; aceita a uma coisa e logo outra, etc.; suspensão do juízo; Racional: extrai conclusões baseadas na  Espacial: ver as coisas relacionadas a razão e nos dados; outras e como as partes se unem para formar um todo; Digital: utiliza números;  Intuitivo: realiza saltos de Lógico: extrai conclusões baseadas na reconhecimento, em geral sob padrões ordem lógica. Por exemplo: um teorema incompletos, intuições, sentimentos e matemático ou uma argumentação; imagens visuais; Linear: pensar em termos vinculados a  Holístico: perceber ao mesmo tempo, ideias, um pensamento que segue o concebendo padrões gerais e as estruturas outro e que em geral convergem em que muitas vezes levam a conclusões uma conclusão; divergentes.
    •  Hemisfério Esquerdo  Hemisfério Direito Escrever à mão  Desenhar pintar, fazer Símbolos escultura Linguagem  Relações espaciais Leitura  Figuras e padrões Fonética  Interpretação Localizar de fatos e  Sensibilidade a cores detalhes  Cantar Conversar e recitar  Expressão artística Escutar  Visualizar Associação auditiva  Sentimentos e emoções Seguir instruções  Criatividade
    • Ótimo! Os hemisférios do cérebro funcionam de formas diferentes. . . como assim?Lado esquerdo: Sabemos que as habilidades do lado esquerdo a gente vai aprendendo através de tentativa e erro: o bebê é pequenino, a mãe põe no chão, ele se ergue, cai, tenta de novo. . . até engatinhar. . . daí cai, tenta de novo. . . até andar. . . e assim vamos construindo nossa caminhada = caímos levantamos, falamos errado, consertamos, falamos outra língua, aprendemos uma fórmula matemática. . . Aprendemos por imitação: alguém mostra, diz ou faz alguma coisa, imitamos até aprender. . . Aprendemos pelo ensinamento: alguém explica, a gente ouve, vê, analisa, guarda. . .Lado direito: Para desenvolver as habilidades do lado direito do cérebro é preciso pensar em criatividade, sensibilidade,sensações, sentimentos: Desenhar Ouvir música Dançar Ler. . .É aqui que se percebe a importância da Arte para a Educação do Homem: desde bem pequenininha já é necessário envolver a criança com músicas, histórias, depois oferecer material para desenho, pintura, estimular a dança, a assistir filmes, a ler. . .
    • O que se deve fazer paradesenvolver o lado direito do cérebro?
    •  Tendo como preocupação o modo como se aprende arte (relação entre o fazer artístico, a leitura deste fazer e sua inserção no tempo), a partir de 1982 foi sistematizada uma proposta inglesa e norte-americana (concebida na década de 60), posteriormente vinculada ao Getty Center for Education in the Arts. Até então a arte-educação valorizava quase exclusivamente o desenvolvimento da auto- expressão, da criatividade e da autodescoberta. A criação e a imaginação estão presentes em todas as áreas do conhecimento, não sendo, assim, um objetivo exclusivo de Artes.
    •  A arte dever ser considerada como um corpo organizado de conhecimentos que exige o mesmo tipo de substância e de rigor intelectual esperados das ciências exatas e humanísticas. Para passar a ocupar um lugar mais central num currículo escolar equilibrado, a disciplina Arte necessita de conteúdo próprio e substancial. Com a finalidade de elevar o seu nível de ensino, elaborou-se uma proposta denominada Discipline-Based Art Education (DBAE).
    •  Na construção de conhecimentos em arte, o DBAE valoriza não só a produção artística, mas também as informações culturais e históricas, bem como a análise das obras. Esse modo de ensinar arte baseia- se em senti-la, compreendê-la na sua dimensão histórica, apreciá-la esteticamente, analisá-la e refletir sobre ela com espírito crítico, o que requer as quatro instâncias do conhecimento: a produção, a crítica, a estética e a história da arte.
    •  Aqui no Brasil, a professora Ana Mae Barbosa adaptou a teoria DBAE ao nosso contexto, denominando-a Proposta Triangular por envolver três importantes vertentes: o fazer artístico, a leitura da imagem (obra de arte) e a história da arte. Diz Ana Mae (1991, p. 10): "O que a arte na escola principalmente pretende é formar o conhecedor, fruidor e decodificador da obra de arte (...). A escola seria a instituição pública que pode tornar o acesso à arte possível para a vasta maioria dos estudantes em nossa nação (...)".
    • Fazer artístico História da arteLeitura da imagem
    •  História da arte - contextualizaçãoÉ importante conhecer tudo oque se fez atéhoje em matéria de Arte para se poder criarum espírito crítico a respeito.Seja através de uma linha cronológica outemática, a história é primordial para seconstruir uma cultura geral sobre o próprioser humano, pois é através da arte que seconhece, realmente, a natureza humana
    •  Leitura da imagem – apreciaçãoNo processo de educação do olhar e em todo oprocesso de ensino/aprendizagem, a postura doeducador na mediação de leituras de imagens devesempre partir de uma abordagem problematizadorainstigando o olhar, a reflexão, respeitando asinterpretações e julgamentos dos educandos, oeducador não é dono do saber e da verdade e deveestimular e respeitar a autonomia dos educandos.
    •  Fazer artístico – práticaCom o fazer artístico, espera-se proporcionaruma vivência, além da experiência, durantetoda a produção, tornando o processo deensino/aprendizagem completo e significativopara os educandos, aplicando na prática osconceitos estéticos e poéticos abordadosdurante a leitura e contextualização.
    •  ALVES, Rubem. A Escola com que Sempre Sonhei sem Imaginar que Pudesse Existir. Campinas: Papirus Editora, 2004. CLAXTON, Guy. Criative-se: Um Guia Prático Para Turbinar o Seu Potencial Criativo. I . São Paulo: Editora Gente, 2005. COSTA, Cristina. Questões de Arte: o belo, a percepção estética e o fazer artístico. São Paulo: Moderna, 2004. COSTELLA, Antonio f.. Para Apreciar a Arte. São Paulo: Editora Mantiqueira, 1997. CUMMING, Robert. Para Entender a Arte. São Paulo: Editora Ática, 1996. EDWARDS, Betty. Desenhando Com o Lado Direito do Cérebro. Rio de Janeiro: Ediouro Publicações SA, 1998. HERCULANO-HOUZEL, Suzana. O Cérebro em Transformação. Rio de Janeiro: Objetiva, 2005. KNELLER, George F. Arte e Ciência da Criatividade. São Paulo: IBRASA, 1978. MARTINS, Mirian Celeste Ferreira Dias. Temas e Técnicas em Artes Plásticas. São Paulo: ECE Editora, 1987. MICKETHWAIT, Lucy. Para a Criança Brincar com Arte. São Paulo: Editora Ática, 1997. NACHMANOVITCHY, Stephen. Ser Criativo. São Paulo: Sunnus, 1993. NEWBERY, Elizabeth. Como e Por Que se Faz Arte. São Paulo: Editora Ática, 2001. OSTROWER, Fayga. Criatividade e Processos de Criação. Petrópolis: Vozes, 1997. PROENÇA, Graça. História da Arte. São Paulo: Editora Ática, 2007. SENAC. DN. Elementos da Forma / Luiz Fernando Perazzo; Másiova T. Valença. Rio de Janeiro: Ed. Senac Nacional, 1997 STEINER, Rudolf. Arte e Estética Segundo Goethe. São Paulo: Antroposófica, 1998.
    •  http://mercadoetico.terra.com.br/arquivo/aprendend o-com-o-lado-direito-do-cerebro/ http://www.blogflaviopereira.com.br/leitura- dinamica-e-memorizacao/treinar-o-cerebro/ http://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/2573/2/UL FBA_TES375.pdf http://literatura.moderna.com.br/literatura/arte/icon es/pablo/proposta http://andersonbenelli.blogspot.com.br/2011/02/refl exoes-sobre-abordagem-triangular.html artesdoroteia.blogspot.com.br