UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO – CED
DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO – CIN
Or...
RESUMO
GARRIDO, Isadora dos Santos. Organização da Informação: uma análise
conceitual. Relatório parcial PIBIC/CNPQ/UFSC 2...
SUMÁRIO
1 Introdução ........................................................................................................
4
1 Introdução
Ao tratarmos sobre institucionalização da ciência, abordamos
também o tema relativo ao compartilhamento da ...
5
disciplinas fundamentais da área de Biblioteconomia (JOUDREY, 2002a, p. 93).
De acordo com Robinson e Karamuftuoglu (p. ...
6
Deste mesmo modo, Gleick (2010) entende que “quando estudamos
informação, aprendemos que ela não é uma mera mercadoria a...
7
As formas de organização da informação variaram no tempo,
dependendo dos valores e objetivos tomados como referência
cor...
8
programa Microsoft Access 2003, para melhor visualização dos dados. Esta
base contém dois grandes conjuntos de campos. N...
9
etc). O item 8 nos serviu para registrar atributos não previstos no conceito de
Bräscher e Café.
Como referências metodo...
10
4 Resultados e Discussão
Após o levantamento na base de dados LISA, os itens foram
selecionados e analisados individual...
11
Gráfico 1: Proveniência dos autores de todos os itens recuperados na base LISA
O destaque para as instituições norte-am...
12
4.1 Descrição Física – Catalogação (atributo 1)
Gráfico 2: cronologia da produção recuperada sobre o atributo ‘cataloga...
13
Education for cataloging and the organization of information (HILL, 2002) foram
publicados no periódico Catalogation & ...
14
radicalmente ao uso de novas tecnologias e da Internet, como abordagens
mais flexíveis em favor das mudanças e adaptaçõ...
15
Por fim, o aspecto cosmético da mudança de nome de Catalogação e
Classificação para Organização da Informação foi visto...
16
O artigo referente à 67º edição da IFLA trata o tema de ensino de
classificação no século XXI, em que Oyler (2001) defe...
17
processos técnicos da biblioteconomia quando explica que “o termo controle
bibliográfico inclui os conceitos de organiz...
18
4.4 Descrição de Conteúdo – Resumo (atributo 4)
Apenas Fattahi, em seu artigo que relata o estado-da-arte da OI nos
cen...
19
alimentada pela Internet, atualmente está modelando a formação de
bibliotecas híbridas onde fontes eletrônicas de infor...
20
(2010). Isto ocorreu em grande parte porque a maioria dos autores, ao tratar do
tema de OI, utilizavam-se do conceito d...
21
questão de “cognição distribuída” em que a informação é estudada através da
representação que ocorre no interior da míd...
22
temas de Análise de Assunto, Sistemas para Controle de Vocabulário e
Sistemas de Categorização são analisados em suas p...
23
escopo de livros para qualquer tipo de mídia que contenha
informação;
 O problema da indeterminação em documentos fluí...
24
Foram observadas a força e a consistência das iniciativas norte-
americanas nos livros organizados por Carter (2000) e ...
25
padrões de comportamento na busca por informações, utilização de lingüística
e pragmática na construção de linguagens d...
26
REFERÊNCIAS
ALBRECHTSEN, H. JACOB, E. K. When essence becomes function post-
structuralist implications for an ecologic...
27
CHOWDHURY, G. G. CHOWDHURY, S. Organizing Information: from the shelf
to the web. London: Facet Publishing, 2007. p 228...
28
LARA, M. L. G. O processo de construção da informação documentária e o
processo de conhecimento. Perspectivas em Ciênci...
29
SAUMURE, K. SHIRI, A. Knowledge Organization Trends in Library and
Information Studies: a preliminary comparison of the...
30
APÊNDICE A – Referências dos itens recuperados na LISA
ALBRECHTSEN, H. JACOB, E. K. When essence becomes function post-...
31
BURKE, D. RUPP, N. From Catalogers to Ontologists: Changing Roles and
Opportunities for Technical Services Librarians. ...
32
HIXSON, C. G. GARRISON, W. A. The Program for Cooperative Cataloging
and Training for Catalogers. In: HILL, J. S. Educa...
33
KOVACS, B. DAYTON, N. “If I Knew Then What I Know Now”: UNCG LIS
Graduates’ Perspectives on Cataloging Education. In: H...
34
of information: Pitfalls and the Pendulum. Binghamton: Haworth Press, 2002, p.
233-243.
MUTCH, A. Information: a critic...
35
TAYLOR, A. JOUDREY, D. N. The Information Organization. Westport:
Libraries Unlimited, 2009. 512 p.
______. _______. On...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Organização da Informação: uma análise conceitual (2011)

3,138

Published on

A pesquisa tem por objetivo a análise do conceito de "Organização da Informação" (OI) presente ao longo da história na literatura da área. Caracteriza-se como qualitativa e de caráter exploratório-descritivo. Quanto aos procedimentos técnicos, define-se como pesquisa documental que tem como corpus de análise a literatura registrada na área de Ciência da Informação relativa ao tema-objeto da pesquisa. O levantamento bibliográfico foi realizado na base de dados Library and Information Science Abstracts - LISA e autores clássicos foram identificados pelas referências contidas nos documentos levantados. Para sistematização do material coletado, foi constituída uma base de dados utilizando o aplicativo Microsoft Access 2003. Nos 62 itens que constituíram o corpus da pesquisa, foram encontrados 81 autores oriundos de instituições de vários países, sendo a grande maioria norte-americana. O período mais produtivo sobre o tema OI foi de 2000 e 2002. Na análise do conceito de OI nos itens recuperados, observou-se a presença elevada do atributo 1, que destaca a catalogação como um dos processos de OI. Quanto aos atributos 2 e 3, relativos ao processo de classificação e indexação, notou-se uma menor expressividade nos itens analisados, enquanto que o atributo 4, que trata sobre o processo de resumo, foi verificado apenas em um artigo. Os demais atributos não se manifestaram de forma expressiva no corpus analisado. Conclui-se que há uma predominância do tratamento do processo de catalogação no âmbito do conceito de OI e que a base LISA registra para este tema principalmente publicações de iniciativas norte-americanas.

0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
3,138
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
80
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Organização da Informação: uma análise conceitual (2011)

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO – CED DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO – CIN Organização da Informação: Uma análise conceitual Relatório Parcial da Pesquisa PIBIC (2010/2011) Isadora dos Santos Garrido, bolsista PIBIC Curso de Biblioteconomia Lígia Maria Arruda Café, orientadora Departamento de Ciência da Informação Florianópolis 2011
  2. 2. RESUMO GARRIDO, Isadora dos Santos. Organização da Informação: uma análise conceitual. Relatório parcial PIBIC/CNPQ/UFSC 2010-2011. Florianópolis, 2011. 30 p. A pesquisa tem por objetivo a análise do conceito de "Organização da Informação" (OI) presente ao longo da história na literatura da área. Caracteriza-se como qualitativa e de caráter exploratório-descritivo. Quanto aos procedimentos técnicos, define-se como pesquisa documental que tem como corpus de análise a literatura registrada na área de Ciência da Informação relativa ao tema-objeto da pesquisa. O levantamento bibliográfico foi realizado na base de dados Library and Information Science Abstracts - LISA e autores clássicos foram identificados pelas referências contidas nos documentos levantados. Para sistematização do material coletado, foi constituída uma base de dados utilizando o aplicativo Microsoft Access 2003. Nos 62 itens que constituíram o corpus da pesquisa, foram encontrados 81 autores oriundos de instituições de vários países, sendo a grande maioria norte-americana. O período mais produtivo sobre o tema OI foi de 2000 e 2002. Na análise do conceito de OI nos itens recuperados, observou-se a presença elevada do atributo 1, que destaca a catalogação como um dos processos de OI. Quanto aos atributos 2 e 3, relativos ao processo de classificação e indexação, notou- se uma menor expressividade nos itens analisados, enquanto que o atributo 4, que trata sobre o processo de resumo, foi verificado apenas em um artigo. Os demais atributos não se manifestaram de forma expressiva no corpus analisado. Conclui-se que há uma predominância do tratamento do processo de catalogação no âmbito do conceito de OI e que a base LISA registra para este tema principalmente publicações de iniciativas norte-americanas. Palavras-chave: Organização da Informação; Análise Conceitual; Terminologia.
  3. 3. SUMÁRIO 1 Introdução ....................................................................................................... 4 2 Organização da Informação: alguns conceitos................................................ 5 3 Metodologia..................................................................................................... 7 4 Resultados e Discussão................................................................................ 10 4.1 Descrição Física – Catalogação (atributo 1)........................................... 12 4.2 Descrição de Conteúdo – Classificação (atributo 2) ............................... 15 4.3 Descrição de Conteúdo – Indexação (atributo 3).................................... 16 4.4 Descrição de Conteúdo – Resumo (atributo 4)....................................... 18 4.5 Gera representação da informação que pode usar linguagem para descrição de informação ou documento (Atributos 5, 6 e 7)......................... 18 4.6 Características não previstas no conceito Bräscher e Café (2010) ........ 19 4.7 Itens em conformidade total (todos os atributos) .................................... 21 5 Conclusões.................................................................................................... 23 REFERÊNCIAS................................................................................................ 26 APÊNDICE A – Referências dos itens recuperados na LISA........................... 30
  4. 4. 4 1 Introdução Ao tratarmos sobre institucionalização da ciência, abordamos também o tema relativo ao compartilhamento da linguagem que ocorre por meio da comunicação, enquanto componente social da própria ciência. A terminologia de um domínio científico, seu uso corrente e suas mudanças que ocorrem com o tempo, determinam o nível de maturidade e também a consolidação do domínio de conhecimento em questão. De acordo com Bazi e Silveira (2007), o sistema conceitual (sistema das idéias), juntamente com o social (sistema de atores) constitui uma disciplina científica. Os autores entendem que, para se consolidar, a ciência necessita transmitir seus conhecimentos operacionalizando seus atos comunicativos, garantindo então a circulação, preservação e registro dos conhecimentos científicos (p. 132). Estes atos comunicativos – que ocorrem justamente quando as perspectivas sociais e de cognição influenciam-se mutuamente – são viabilizados principalmente pela linguagem, seja ela natural ou especializada, repercutindo diretamente na organização das estruturas – sociais e científicas. No presente trabalho, foi realizada uma análise terminológica do termo “Organização da Informação” (OI) no contexto da base de dados Library and Information Science Abstracts (LISA), que nos forneceu elementos para o estudo do termo na área de Ciência da Informação, registrado principalmente na literatura internacional. A proposta desta pesquisa apóia-se no estudo realizado anteriormente por Bräscher e Café (2010), em que a autoras compreendem OI principalmente como um processo que envolve a descrição física e de conteúdo dos objetos informacionais. O produto desse processo descritivo é a representação da informação (...) Alguns tipos de representação da informação são construídos por meio de linguagens elaboradas, especificamente para os objetivos da OI. (BRÄSCHER, CAFÈ, 2010, p. 92) A descrição física e de conteúdo envolve processos específicos inseridos na cadeia de informação (ou ciclo de vida da informação) cujos componentes são: criação, disseminação, organização, armazenamento e uso. No que se refere à organização, podemos inferir como processos de OI a catalogação, a classificação, a indexação e o resumo que configuram-se como
  5. 5. 5 disciplinas fundamentais da área de Biblioteconomia (JOUDREY, 2002a, p. 93). De acordo com Robinson e Karamuftuoglu (p. 4, 2010), é assunto da Ciência da Informação (CI) investigar questões de organização da informação e aplicar suas conclusões no design de sistemas e serviços. Nesse processo, encontra- se não somente a OI como a Representação da Informação (RI) descrita por Bräscher e Café como o fim da OI. Podemos perceber, pela literatura internacional, que o tema de “Organização da Informação” apresenta-se consolidado, configurando-se como parte dos estudos da Biblioteconomia e da CI (OLSON, 2006, p. 31; JOUDREY, 2002a), uma vez que já existe uma produção de livros que podemos considerar como didáticos sobre o tema, a saber: Svenonius, 2000; Chowdhury e Chowdhury, 2007 e Taylor e Joudrey 2009. Existe também uma movimentação em determinados programas de pós-graduação internacionais (a Biblioteconomia é oferecida apenas enquanto pós-graduação no exterior) no sentido de expandir o conceito de ‘Organização da Informação’ para além das disciplinas tradicionais de catalogação, classificação e indexação, preparando a aprendizagem também para a criação de produtos e serviços derivados da OI (Vellucci, 1996; Bruce e Middleton, 1996). 2 Organização da Informação: alguns conceitos Muitas tentativas têm sido feitas no sentido de conceituar o termo informação. Na Ciência da Informação, para Le Coadic (2004), a informação “é um conhecimento inscrito (registrado) que comporta um elemento de sentido. É uma inscrição feita graças a um sistema de signos (a linguagem)” (p. 4). O autor entende ainda a informação como produto, substância e matéria, considerando a comunicação como seu principal processo intermediário de transmissão. De modo complementar, Boland (1987) citado por Mutch (1998) enfatiza principalmente o processo de comunicação, compreendendo então que a informação não é uma fonte a ser armazenada como mais um fator de produção. É um significado e pode ser apenas alcançado através do diálogo na comunidade humana. A informação não é uma mercadoria. É a realização de uma qualificação humana. (BOLAND apud MUTCH, 1998, p. 539)
  6. 6. 6 Deste mesmo modo, Gleick (2010) entende que “quando estudamos informação, aprendemos que ela não é uma mera mercadoria a ser possuída por nós. Ela se infiltra em nós; não somos seus donos”. Entendemos então que o conceito de informação não é proprietário de nenhum campo de estudo em específico mas de todos, uma vez que a informação só existe quando tem sentido e significado para seus interlocutores. Uma vez que a produção de conteúdo tem sido crescente, principalmente com a Internet e outras tecnologias de informação e comunicação, o trabalho com a informação – e com sua organização – parece que está apenas começando. Entendemos que não existem definições rígidas de conceitos em se tratando de informação, mas que eles podem ter diferentes abordagens de acordo com as escolas de pensamento de procedência dos autores. No entanto, segundo Lara (2002) “a crença de que a informação era um dado marcou, no universo documentário tradicional, fortemente a história das linguagens documentárias” sendo que uma concepção deste tipo pode ter várias conseqüências perigosas. No âmbito da recuperação, por exemplo, Ferneda (2003) afirma existir diferença entre recuperação de dados e recuperação de informação. A diferenciação entre os termos “dado”, “informação”, “conhecimento” e “competência” foi elaborada por Setzer (1999) e de acordo com o autor “a distinção fundamental entre dado e informação é que o primeiro é puramente sintático e a segunda contém necessariamente semântica (implícita na palavra "significado" usada em sua caracterização)” (p. 3). A informação precisa ser organizada para ir ao encontro de vários objetivos tais como possibilitar facilidade no acesso, aprimoramento da recuperação, visualização e localização, independentemente de os objetos – ou documentos – serem físicos ou digitais. Tendo em vista que a informação é construída e organizada em função de objetivos, Smit (1988) e Lara (2002; 2007) questionam sobre as funções informativas e aspectos de informatividade para a constituição e o entendimento de novos sistemas, independente da tipologia do documento ou objeto informacional a ser analisado. Lara explica a relação da linguagem documentária com a OI, entendendo-a por uma perspectiva pragmática. Segundo a autora,
  7. 7. 7 As formas de organização da informação variaram no tempo, dependendo dos valores e objetivos tomados como referência corroborando à maior ou mais restrita distribuição da informação. (...) tomar a linguagem como base para organização e circulação da informação é fundamental, já que é por meio dela que se realiza a comunicação. (LARA, 2007, p. 148-149) Neste trabalho, utilizamos o conceito de Bräscher e Café (2010, p. 91) para OI em que “o objetivo do processo de organização é possibilitar o acesso ao conhecimento contido na informação“. Para as autoras, a OI envolve objetos (que podem ser físicos ou digitais), diferentemente da OC (Organização do Conhecimento) que envolve a definição de conceitos mais abstratos, filosóficos. Para as autoras, A organização da informação é, portanto, um processo que envolve a descrição física e de conteúdo dos objetos informacionais. (...) Estamos, portanto, no mundo dos objetos físicos, distinto do mundo da cognição, ou das idéias, cuja unidade elementar é o conceito. (BRÄSCHER, CAFÉ, p. 92, 2010). Entre os métodos de OI, tradicionalmente estudados na área de Biblioteconomia, estão os processos de catalogação, classificação, indexação e resumos e seus produtos derivados. 3 Metodologia Com base nos estudos de Gil (2002), a metodologia desta pesquisa é considerada documental e exploratória, sendo feita posteriormente uma análise qualiquantitativa. O levantamento dos documentos foi realizado na base de dados LISA (Library and Information Science Abstracts) no período de setembro a outubro de 2010, adotando-se na estratégia de busca as expressões “Organization of Information” e “Information Organization”. Foram selecionados apenas itens em que os termos encontravam-se no título, no resumo e/ou nas palavras-chave. Também levamos em consideração o modo de indexação da própria base de dados LISA, que nem sempre coincidia com a indexação feita na própria fonte. Depois de selecionados os itens que se aplicavam à pesquisa, a leitura foi feita de modo sistematizado. Foi realizada uma análise de conteúdo interpretativa e as informações selecionadas foram repassadas para uma base construída no
  8. 8. 8 programa Microsoft Access 2003, para melhor visualização dos dados. Esta base contém dois grandes conjuntos de campos. No primeiro deles foram preenchidos os registros da referência bibliográfica, do título da fonte, do ano, do nome dos autores, da instituição e do país. Para a elaboração do segundo conjunto de campos, o conceito de Bräscher e Café (2010) foi desmembrado em seus atributos. Para cada atributo foi previsto um campo para registro do contexto do documento em que se comprovava o uso do atributo. As figuras 1 e 2 mostram os dois conjuntos da base de dados Figura 1: Dados de referência e proveniência dos autores Figura 2: Atributos e contextos encontrados no material selecionado Os atributos de 1 a 4, mostrados na figura 2, referem-se às características relativas aos processos de descrição física e de conteúdo (catalogação, classificação, indexação e resumo). Os itens de 5 a 7 tratam sobre produtos de Representação da Informação (RI), ou seja, linguagens que descrevem a informação ou o documento (taxonomias, tesauros, folksonomias,
  9. 9. 9 etc). O item 8 nos serviu para registrar atributos não previstos no conceito de Bräscher e Café. Como referências metodológicas, também podemos citar os trabalhos de Hope Olson (2006), Saumure e Shiri (2008) e Alvarenga e Silva (2010). Olson fez sua pesquisa direcionada ao periódico Library Quarterly, pesquisando sobre como a área de OI foi explorada pelo periódico dos anos de 1931 a 2004. A autora buscou quais questões de OI foram influenciadas pelo periódico, quais os temas mais discutidos de acordo com a cronologia, quais os artigos e autores mais influentes na área. As pesquisas de Olson e de Alvarenga e Silva foram caracterizadas pelas autoras como análise de conteúdo, tanto quantitativo quanto temático, praticamente um recorte, uma representação do tema de OI em diferentes contextos. Saumure e Shiri (2008) fizeram uma pesquisa semelhante na base de dados Library, Information Science & Technology Abstracts (LISTA), buscando os termos “organização do conhecimento” e “organização da informação”, nos títulos, resumos e descritores fazendo uma diferenciação dos temas abordados nas eras pré e pós-web. No Apêndice A deste relatório, constam as referências bibliográficas de todo o material analisado, sendo que algumas delas também foram utilizadas no referencial teórico por se tratarem de obras de referência, indispensáveis como auxílio na definição do conceito de Organização da Informação. Entre os itens selecionados estão 4 livros (2 livros organizados, em que foram recuperados 40 capítulos e 2 livros didáticos, considerados em sua totalidade), 11 artigos de periódicos e 9 trabalhos apresentados em eventos. Tabela 1 - Material Levantado na Base de Dados LISA Fontes Selecionadas Itens Artigos de Periódicos 11 Artigos Livros 2 Livros Didáticos Livros (Org.) 40 Capítulos Trabalhos Publicados em Anais de Eventos 9 Trabalhos Total: 62 itens
  10. 10. 10 4 Resultados e Discussão Após o levantamento na base de dados LISA, os itens foram selecionados e analisados individualmente. No total, foram analisados 4 tipos de documentos: artigo de periódico, livro didático, livro organizado e trabalho publicado em anais de eventos. Em termos quantitativos, foram selecionados 11 artigos; 2 livros (Svenonius, 2000; e Taylor e Joudrey, 2009), considerados em sua totalidade por se tratarem de livros didáticos; 40 capítulos de 2 livros organizados (Carter, 2000; Hill, 2002) e 9 trabalhos publicados em anais, totalizando 62 itens organizados para a leitura sistemática O material coletado era proveniente de diversos períodos e origens. A tabela 2 nos permite uma melhor visualização do material selecionado para a pesquisa, segundo seu ano de publicação e proveniência. Tabela 2 - Material Levantado na Base de Dados LISA: Anos e Procedência Fonte Itens Anos Procedência Artigos de Periódicos 11 artigos 1996 a 2009 Austrália, Canadá, Estados Unidos, Índia, Inglaterra e Irã. Livros 2 livros didáticos 2000 e 2009 Estados Unidos Livros (Org.) 40 capítulos 2000 e 2002 Estados Unidos Trabalhos Apresentados em Eventos 9 trabalhos 1976, 1998, 1999, 2001 Austrália, Estados Unidos e Inglaterra*. * A procedência dos artigos de anais de eventos da Inglaterra são de autores de diferentes nacionalidades. Na pesquisa, foi encontrado um total de 81 autores, sendo os nomes mais freqüentes Arlene G. Taylor (1 livro e 1 capítulo) e Daniel N. Joudrey (1 livro e 2 capítulos). O período que pode ser considerado o mais produtivo em relação a toda a produção foram os anos de 2000 e 2002, quando da publicação dos livros organizados por Ruth C. Carter – Managing Cataloging and the Organization of Information – e Janet Swan Hill – Education for cataloging and the organization of information. O número de instituições de todos os itens publicados chegou a 43, sendo em sua grande maioria norte- americanas como podemos ver discriminadamente no gráfico 1 a seguir:
  11. 11. 11 Gráfico 1: Proveniência dos autores de todos os itens recuperados na base LISA O destaque para as instituições norte-americanas deve-se ao fato de que o corpus continha 4 livros de autores norte-americanos, sendo 2 obras organizadas especificamente sobre o assunto e duas obras didáticas de referência sobre o tema. Deste resultado, pode-se inferir que exista um maior grau de maturidade em relação as discussões sobre OI neste país. A variedade na nacionalidade dos autores deve-se em grande parte pela relação de trabalhos publicados em Congressos e Eventos. A seguir analisaremos individualmente os atributos do conceito de OI mencionados, caracterizando cada um cronologicamente e quantitativamente. Muitas vezes, os mesmos itens tiveram mais de um atributo. Como os livros didáticos de Svenonius (2000) e Taylor e Joudrey (2009) têm conformidade com todos os atributos, eles serão introduzidos nas estatísticas gerais, no entanto um comentário melhor elaborado será feito no item 4.9. Importante registrar que, muitas vezes, um único item poderia registrar mais de um atributo concomitantemente.
  12. 12. 12 4.1 Descrição Física – Catalogação (atributo 1) Gráfico 2: cronologia da produção recuperada sobre o atributo ‘catalogação’ Os itens que registraram a característica conceitual ‘Descrição Física – Catalogação’ atingiram um total de total de 77,41% (48 itens) de toda a produção recuperada na Base de Dados LISA, sendo considerado este atributo o de maior freqüência. Entre estes itens encontram-se os quatro livros recuperados que tratam de catalogação a partir de diferentes abordagens. Dois livros foram organizados com o total de 40 capítulos que discorrem sobre experiências reais e práticas referentes à catalogação. Os outros dois são didáticos, explanando sobre a OI de forma mais abrangente e teórica. Os livros organizados são estruturados por capítulos (20 capítulos cada), que foram classificados individualmente quando da pesquisa e descobrimos que 97,5%, ou seja, praticamente todos os capítulos abordam direta ou indiretamente o tema de catalogação. Além destes livros, o restante da produção em catalogação concentra-se em artigos de periódicos (7) e um trabalho publicado em anais de evento. Os livros organizados por Ruth C. Carter – Managing Cataloging and the Organization of Information (CARTER, 2000) – e Janet Swan Hill –
  13. 13. 13 Education for cataloging and the organization of information (HILL, 2002) foram publicados no periódico Catalogation & Classification Quarterly, nos anos 2000 e 2002 respectivamente. Para efeito desta pesquisa, foram considerados apenas os registros nos capítulos do livro e desconsiderados os registros nos artigos de periódicos, de forma manter a consistência dos dados. Ambos os livros foram recuperados por possuírem o termo OI em seus títulos e foram organizados de modo a serem efetivamente temáticos: a maioria dos capítulos é de ordem prática, em que os autores compartilham suas experiências em relatos sobre seu trabalho em chefias de departamentos de catalogação, frequentemente em bibliotecas universitárias norte-americanas. Existem, porém em menor freqüência, capítulos que abordam o ensino de OI e a pesquisa de modo geral. Totalizando em 41 autores, com relação à procedência dos capítulos publicados nos dois livros, podemos dizer que a maioria dos autores é de origem norte-americana (85,36%). Autores de outros países como Canadá e México também publicaram, mas com um percentual de 4,87% e em menor escala, autores da África do Sul e Inglaterra, 2,43%. Na tabela a seguir, foram incluídas as instituições com o maior número de autores nos dois livros. Tabela 3 – Relação de autores por instituição Instituições * Autores Harvard University 2 National Autonomous University of México 3 National Library of Canada 2 Northwestern University 2 Pennsylvania State University 4 University of Colorado 5 University of Massachussetts Amherst 2 University of Michigan 2 University of New Mexico 2 University of North Carolina 3 University of Pittsburgh 3 Outras 24 Total 54 * Total de instituições 35 A variedade de opiniões entre os autores dos capítulos dos livros surpreende. Foram encontrados tanto abordagens ortodoxas que se opunham
  14. 14. 14 radicalmente ao uso de novas tecnologias e da Internet, como abordagens mais flexíveis em favor das mudanças e adaptações ao mundo atual. O livro de Carter (2000) tem uma abordagem diferenciada, tratando das experiências dos respectivos autores em bibliotecas nacionais, bibliotecas pelo mundo, bibliotecas especializadas e bibliotecas universitárias. O livro de Hill (2002) tem outra proposta, atentando para a educação em catalogação e OI, com artigos opinativos e com títulos questionadores como “Por que Ensinar Catalogação e Classificação?” e “Por que todo mundo odeia Catalogação?”, e artigos contextualizados e interdisciplinares como educação sobre catalogação para propósitos específicos, bem como alternativas de instrução em catalogação como Ensino à Distância (EAD), treinamentos online de catalogação de fontes da Internet em MARC21 e programas de treinamento e catalogação cooperativos. Dois capítulos escritos por Daniel N. Joudrey chamaram muita a atenção: A New Look at US Graduate Courses in Bibliographic Control (JOURDEY, 2002a) e Textbooks Used in Bibliographic Control Education Courses (JOURDEY, 2002b). Neles, Joudrey traz uma visão complementar sobre o ensino de catalogação nos Estados Unidos, na qual compreende e debate as mudanças por conta dos avanços tecnológicos, entendendo-as como inevitáveis. Pelo menos quatro dos sete artigos de periódicos que registram o atributo de catalogação tratam sobre experiências de trabalhos de catalogadores e especificamente da disciplina de OI. O artigo de Fattahi (2007) relata o estado-da-arte da OI nos centros de informação e bibliotecas iranianos e o histórico de como os serviços e departamentos foram desenvolvidos. Entre os autores anglófonos, encontrou-se uma discussão sobre a mudança de nome de algumas disciplinas como “Catalogação” e “Classificação” para que sejam nomeadas disciplinas de “Organização da Informação”, expandindo o conceito para que os estudantes apliquem seu conhecimento a diferentes situações em áreas correlatas, e requerendo estudos como gestão do conhecimento e arquitetura da informação (Bruce e Middleton, 1996; Vellucci, 1996). O texto de Burke também aborda esta discussão:
  15. 15. 15 Por fim, o aspecto cosmético da mudança de nome de Catalogação e Classificação para Organização da Informação foi visto como ato de valorização dos cursos das instituições ligadas à programas de LIS. Com o advento da World Wide Web, a organização da informação foi considerada importante para muitos campos, enquanto catalogação e classificação permaneceu algo pertinente apenas à comunidade biblioteca. (BURKE, 2004, p. 224-225, Tradução Nossa) Três artigos teóricos (Olson 2006; Saumure e Shiri, 2008 e Albrechtsen e Jacob, 1998) são resultados de pesquisas sobre o tema de OI. Em uma análise geral dos periódicos, percebemos que as discussões e compartilhamento de experiências – sejam elas sobre ensino ou trabalho em departamentos de bibliotecas – ou seja, estudos de ordem prática, são tão influentes quanto as pesquisas teóricas. Um trabalho apresentado em evento menciona brevemente a questão de catalogação inserida no contexto contemporâneo quando as autoras compreendem que “com a proliferação das fontes digitais e o aumento da confiança na tecnologia, precisamos expandir a definição de catalogação para além das práticas tradicionais” (ALBRECHTSEN e JACOB, 1998, p. 207). Nesta seção, com base na análise isolada deste atributo, compreendemos que a catalogação detém uma importante parcela do conteúdo dos materiais recuperados na base LISA. A produção nos anos de 2000 e 2002 é muito expressiva por conta da publicação de dois livros sobre o tema, que abordam questões práticas de catalogação. 4.2 Descrição de Conteúdo – Classificação (atributo 2) Itens com o atributo de Classificação atingiram 17,74% (11 itens) do total da produção recuperada. Nos livros organizados por Carter (2000) e Hill (2002) apenas quatro capítulos abordam além do tema principal de catalogação, concomitantemente o tema de classificação. Apenas o artigo de Martinez Arellano e Yañez Garrido (2000) tratou exclusivamente do assunto de classificação, fazendo uma análise específica dos sistemas de classificação utilizados nas bibliotecas latino americanas, como a Classificação Decimal de Dewey e a Classificação Norte Americana da Biblioteca do Congresso.
  16. 16. 16 O artigo referente à 67º edição da IFLA trata o tema de ensino de classificação no século XXI, em que Oyler (2001) defende que “a maioria dos educadores sentem que uma terra firme na teoria e princípios subjacentes na organização da informação irá melhor habilitar aos catalogadores que se adaptem a ambientes de mudanças”. Neste artigo, embora o título do texto seja “O ensino da classificação no século XXI”, o termo ‘catalogação’ é adotado no sentido de classificação. Esta ambigüidade também é verificada em Burke (2004) quando vincula o termo catalogação ao termo classificação, utilizando- os concomitantemente. Outro momento em que este fenômeno lingüístico é observado encontra-se em um capítulo de um dos livros organizados em que é adotado o termo “catalogação” para designar tanto o processo de catalogação quanto o de classificação, como se fossem um único processo (INTNER, 2002, p. 16). Joudrey (2002a, p. 61) faz o mesmo quando opta por utilizar do termo “catalogação” para referir-se a processos como catalogação descritiva, análise de assunto e classificação. Na seção do atributo de classificação, notamos uma menor expressividade na recuperação dos conteúdos, embora o tema ainda seja abordado sempre em conjunto com o tema de catalogação. Foi verificado também que alguns autores utilizam-se majoritariamente do termo "catalogação" para referirem-se a outros temas e processos. 4.3 Descrição de Conteúdo – Indexação (atributo 3) Os itens que registraram o atributo indexação atingiram 12,90% (8 itens) do total de materiais recuperados na base de dados LISA. Nos livros organizados por Carter (2000) e Hill (2002), os capítulos que abrangeram o atributo sobre indexação chegaram a 5% (2). Embora o título do capítulo de Holley (2002) trate basicamente sobre catalogação, a autora também inclui brevemente a indexação ao dizer “catalogação, indexação e máquinas de busca tem um papel no controle da informação, conhecimento sobre catalogação e indexação nos ajuda a compreender suas forças e limitações” (p. 45). Joudrey (2002a), em seu capítulo sobre os cursos americanos de controle bibliográfico, usa um termo geral para explicar todos os
  17. 17. 17 processos técnicos da biblioteconomia quando explica que “o termo controle bibliográfico inclui os conceitos de organização da informação, indexação e resumos, construção de tesauros e todas as formas de catalogação e classificação” (p. 61). Em seu artigo “Índices, indexação e a equipe de processamento técnico – Parte 2: catalogadores”, Weihs (2007) faz uma diferenciação entre catalogação e indexação e acredita que um bibliotecário que tiver “especialização em catalogação combinado com familiaridade com o uso de materiais de pesquisa tem o potencial para ser um bom indexador” (p. 7). Olson (2006) menciona indexação quando descreve as operações geralmente reconhecidas de controle bibliográfico tais como “bibliografia, catalogação, indexação e metadados” (p. 20). De acordo com Fattahi (2007), além dos centros nacionais de informação do Irã praticar a indexação e a criação de resumos, uma das iniciativas mais importantes foi a criação do Farsi Science Citation Index, criado em 2005, uma réplica da estrutura do ISI Science Citation Index que “tem boas características de pesquisa e relatórios relevantes para os periódicos acadêmicos em Farsi e suas citações” (p. 34). Lim (1999) teve seu trabalho classificado no grupo de pesquisa “Classificação e Indexação” na 65º Conferência da IFLA. Compreendemos que o significado de “classificação” muitas vezes em seu trabalho confunde-se com o de “indexação” quando o assunto abordado é sobre “classificação na internet”. Especificamente neste trabalho, o autor tratou do tema de indexação na Internet, analisando as práticas de classificação em máquinas de busca. Nesta seção, compreende-se que a maioria dos itens recuperados revela que o tema de indexação é evidenciado sempre em segundo plano, tratando-se ao mesmo tempo de outros temas relacionados como classificação ou catalogação. Itens que tratem exclusivamente de indexação e seus processos característicos não foram recuperados.
  18. 18. 18 4.4 Descrição de Conteúdo – Resumo (atributo 4) Apenas Fattahi, em seu artigo que relata o estado-da-arte da OI nos centros de informação e bibliotecas iranianos, menciona brevemente como os bibliotecários organizaram os resumos em seu departamento sem, no entanto, descrever o processo com maiores detalhes. (...) o Centro de Documentação Iraniano (IRANDOC) foi criado em 1968 para a melhoria dos serviços de indexação e resumos no Irã através da prestação de serviços de análises de literatura e publicação de bibliografias e fontes de referências para usos acadêmicos. (FATTAHI, 2007, p. 34) Este foi o único artigo encontrado que menciona a descrição de conteúdo através de resumos. Não foram recuperados itens especificamente sobre o tema. 4.5 Gera representação da informação que pode usar linguagem para descrição de informação ou documento (Atributos 5, 6 e 7) Nesta sessão, abordaremos os atributos 5, 6 e 7 conjuntamente devido ao baixo número de itens recuperados que registram estas características. Os livros de Svenonius (2000) e Taylor e Joudrey, (2009) são os principais exemplos do atributo 5 que trata da propriedade da OI de gerar representação da informação (RI), ou seja conjunto de elementos descritivos que representam os atributos de um objeto informacional. Esta propriedade também foi verificada no artigo de Malhan e Rao (2006), em que os autores nos explicam sobre o ambiente de rede de informação e suas implicações para os profissionais da biblioteconomia e CI. Eles compreendem que as mudanças na tecnologia transformaram não só o modo com que os objetos são organizados (por meio do desenvolvimento de websites, avaliação e organização das informações disponíveis na Internet em bibliotecas virtuais), mas também descritos: A Internet deu a luz à novos padrões de organização da informação eletrônica onde documentos eletrônicos são vinculados e arranjados na ordem espacial ao invés do tradicional arranjo hierárquico das informações (...) A revolução da informação eletrônica, principalmente
  19. 19. 19 alimentada pela Internet, atualmente está modelando a formação de bibliotecas híbridas onde fontes eletrônicas de informação co-existem com as fontes impressas de informação, criando assim um melhor centro de informação onde ela não só é disseminada através da aquisição, organização e processamento de fontes impressas, mas também através de outras mídias de comunicação. (MALHAN e SHIVARAMA, 2006, p. 78-79, Tradução Nossa) O atributo 6 referente ao uso de linguagem para descrição da informação encontra-se no artigo de Wichowski (2009) sobre folksonomias, em que explana sobre o uso da representação da informação de modo colaborativo e social na Internet. Mesmo sendo considerado um produto não especializado, a folksonomia encontra seu propósito na criação de redes e comunidades, implementando a curadoria por parte dos usuários de um determinado site em que é aplicada. Para o autor é possível a “indexação social da informação” seja integrada a outros métodos de organização da informação, considerando que a informação, “tanto em unidades singulares e enquanto fenômeno é sujeita aos mesmos princípios básicos da natureza que enfrentam quaisquer outras coisas no mundo: se adaptar ao ambiente em mudança, ou perecer” (Wichowski, 2009, p. 1). O atributo 6 também pode ser verificado em Fattahi (2007) quando o autor nos explica que a Classificação Decimal de Dewey e a Classificação Norte Americana da Biblioteca do Congresso são as mais internacionalmente utilizadas, sendo também amplamente utilizadas nas bibliotecas do Irã. Além disso, “a Biblioteca Nacional do Irã desenvolveu várias expansões para a Classificação da Biblioteca do Congresso e CDD principalmente em áreas sobre assuntos como história iraniana, geografia iraniana, linguagem farsi e literatura, e o Islã“ (p. 31). No que se refere ao atributo 7 que registra o uso de linguagem para descrição do documento, observamos somente o livro de Taylor e Joudrey (2009) quando abordam os temas AACR2, FRBR, RDA na análise sobre metadados. 4.6 Características não previstas no conceito Bräscher e Café (2010) Em relação a todos os artigos, capítulos e livros analisados, 22,58% (14) continham características não-previstas no conceito Bräscher e Café
  20. 20. 20 (2010). Isto ocorreu em grande parte porque a maioria dos autores, ao tratar do tema de OI, utilizavam-se do conceito de Organização do Conhecimento, que para Bräscher e Café são divergentes. Outros itens também foram considerados apenas relacionados com o tema de OI, mas tiveram como foco um assunto distanciado da Biblioteconomia e CI, voltando-se mais para questões de Filosofia e Cognição. Nos livros organizados de 2000 e 2002, dois capítulos utilizam-se do termo de KO (Knowledge Organization) ao referirem-se a processos de OI. Um deles é o capítulo de Gorman (2002). O outro é o de Holley (2002) quando afirma que compreende que a nomeação de uma disciplina como “Organização do Conhecimento” seria melhor para a aprendizagem dos alunos, pois “prepararia os estudantes para especializarem-se mais tanto em catalogação quanto indexação” (HOLLEY, p. 48). Alguns artigos de periódicos também apresentam idéias que não vão ao encontro do que é proposto por Bräscher e Café. Um deles é o caso de Trickey (1998) que trata sobre a Organização da Informação em rede, em um artigo essencialmente opinativo e Mutch (1998) sobre o uso da Informação nas Organizações, estudando o conceito de informação especificamente e isoladamente, a partir de uma perspectiva mais administrativa, de gestão. Burke e Rupp (2004) defendem o uso da nomenclatura “Organização da Informação” para a criação de uma disciplina mais inclusiva que compreenda mais do que processos técnicos da área de biblioteconomia entendendo que a mudança no nome da disciplina “serve de base para vários tópicos no campo de OI, gestão do conhecimento ou arquitetura da informação” (BURKE, p. 224). A maioria dos itens que se utilizam do conceito de OI de modo não previsto nos estudos de Bräscher e Café, são os artigos do evento que ocorreu no “Second International Conference on Research in Information Needs, Seeking and Use in Different Contexts” na Universidade de Sheffield, em 1998. O artigo de Von Thaden (2007) trata sobre comportamento informacional em que o autor acredita que “o Sistema de Comportamento Informacional Distribuído provê uma estrutura útil para estudar a padronização e organização da informação distribuída no espaço e tempo para atingir um objetivo comum (...)“ (VON THADEN, p. 18). Perry (1998) também aborda a
  21. 21. 21 questão de “cognição distribuída” em que a informação é estudada através da representação que ocorre no interior da mídia ou artefato que simboliza a informação, e o autor utiliza-se de tópicos mais pertinentes à outras áreas tais como antropologia, sociologia, psicologia e teoria organizacional. Foster (1998) utiliza de uma abordagem interpretativa para explicar conceitos do que poderíamos chamar de “filosofia da OI”, ou mesmo conceitos filosóficos, como essencialismo, indeterminação e a questão da autoridade na informação e em seus sistemas. Brézillon e Saker (1998) abordam a Representação do Conhecimento (RC) e a Representação de Contexto em domínios e ontologias. Por fim, Lim (1999), em seu artigo sobre recuperação da informação online, não menciona OI, apenas OC ao explicar sobre a problemática da organização em ambiente virtual. 4.7 Itens em conformidade total (todos os atributos) Entre os livros clássicos recuperados pela pesquisas estão obras como The Organization of Information, de Arlene Taylor e Daniel Joudrey (TAYLOR; JOUDREY, 2009) e The Intellectual Foundations of Information Organization de Elaine Svenonius. (SVENONIUS, 2000). O contexto desses livros é mais abrangente e específico, por se tratarem de obras completas. Consideramos estes itens como “livros didáticos”. Depois do AACR, o livro The Organization of Information é o mais utilizado pelos cursos norte-americanos e o livro de Svenonius também é recomendado. Taylor e Joudrey (2009) abordam em sua obra inúmeros aspectos da OI de um modo amplo e atualizado. O histórico e o desenvolvimento da organização da informação registrada no ocidente são delineados desde seus primórdios, em diferentes contextos (bibliotecas, arquivos, museus, Internet) e as principais ferramentas de recuperação são discutidas. Os autores desmembraram a análise de metadados em três tópicos: a) seus modelos e ferramentas utilizadas; b) seus modos de descrição (interoperabilidade) e c) tipos de acesso e controle de autoridade (AACR2, FRBR, RDA) entre outros. Dois capítulos são dedicados ao estudo de padrões de codificação, como o padrão MARC e as várias linguagens de marcação (HTML, XML, etc). Os
  22. 22. 22 temas de Análise de Assunto, Sistemas para Controle de Vocabulário e Sistemas de Categorização são analisados em suas principais características e pormenores. No final de cada capítulo, há uma seção de literatura recomendada pelos autores onde mais informações podem ser encontradas sobre o tema estudado. A obra, que está em sua terceira edição (2009), permanece atual. Svenonius (2000) trabalha a partir de uma perspectiva filosófica, adotando um quadro de trabalho conceitual, questionando cada uma das partes a serem tratadas em OI: filosofia de sistemas, da ciência e da linguagem. O processo de OI é compreendido como o uso de uma linguagem especial de descrição, chamada linguagem bibliográfica e para ser efetivo deve basear-se em seus fundamentos intelectuais, que consistem de partes como: ideologia formulada a partir de propósitos, formalização dos processos, conhecimento adquirido por pesquisa e problemas chave que precisam ser resolvidos. Para Svenonius O objetivo essencial e definitivo de um sistema para organização da informação, então, é trazer essencialmente informações similares juntas e diferenciar o que não é exatamente semelhante. Designar um sistema para atingir esse propósito é sujeito a várias restrições: deve ser econômico, deve manter continuidade com o passado (...) e deveria e tirar pleno proveito das tecnologias atuais. (SVENONIUS, 2000, p. 11-12, Tradução Nossa) Para a autora, o que dificulta a construção de um sistema bibliográfico, ou seja, um sistema de organização da informação é seu façon de faire, o processo de sua construção, seu modo de fazer. Entre seus questionamentos, podemos identificar que a maior parte dos problemas é a variedade – e a variação – infinita do universo intrigante da informação. Entre os citados pela autora estão:  Sugestão de valor agregado (ou subtraído) quando é feita uma adaptação de obra original, ou re-organizada em outro meio;  Compreensão de que o progresso tecnológico nos coloca problemas tais como a invenção e proliferação de novas mídias, que obrigou os sistemas bibliográficos a ampliar seu
  23. 23. 23 escopo de livros para qualquer tipo de mídia que contenha informação;  O problema da indeterminação em documentos fluídos, inconstantes, como por exemplo, um único frame não é representativo de um filme, uma imagem única não pode descrever com precisão uma informação que é dinâmica;  Classificação diferenciada entre culturas e subculturas, utilização de diferentes linguagens, diferentes convenções de nomeação. Desde a época de Paul Otlet, o Controle Bibliográfico Universal tem sido uma preocupação de muitos estudiosos da área, incluindo filósofos, lingüistas e pesquisadores da informação. Para Svenonius a preocupação com as obras e seu formato “não é simplesmente uma questão filosófica, uma vez que o que é difícil de identificar é difícil descrever e no entanto, difícil organizar” (SVENONIUS, 2000, p. 13). 5 Conclusões A análise geral do levantamento nos revelou: a) Itens com conteúdo de base teórica foram recuperados em menor quantidade; a maioria dos artigos é de ordem prática, relatando experiências reais dos autores em seu local de trabalho ou departamento; b) Há uma maior predominância de artigos sobre catalogação, principalmente no periódico americano Catalogation & Classification Quarterly, devido à publicação dos livros organizados. A seleção procurou, na medida do possível, destacar os registros que traziam a OI como tema central ou alguma aplicação no contexto da OI. Neste último caso, o resumo do artigo em questão deveria nos indicar discussões mais aprofundadas acerca do tema, delimitando sua estrutura.
  24. 24. 24 Foram observadas a força e a consistência das iniciativas norte- americanas nos livros organizados por Carter (2000) e Hill (2002). Toda a discussão sobre OI e expansão do conceito para além das disciplinas de catalogação, indexação e classificação é feita pelos norte-americanos que influenciaram diretamente o discurso de outros países anglófonos. Os bibliotecários norte-americanos, que trabalham em universidades geralmente como chefias em setores de catalogação, publicam artigos para trocarem experiências de trabalho em suas instituições. Nem todos os artigos são práticos, alguns são bastante opinativos e com abordagens às vezes extremamente divergentes: enquanto alguns autores são ortodoxos e privilegiam as técnicas biblioteconômicas como se fossem encerradas em si mesmas, outros autores compreendem as mudanças e pensam em novas formas de OI. A discussão é muito fomentada e valorizada nos EUA. Muitos autores entendem que é preciso desenvolver não apenas a parte técnica, mas também a parte teórica, principalmente referente ao ensino e aprendizagem. Além do “saber fazer” é preciso saber pensar em modos de organização da informação para o futuro e como isso se insere na profissão do bibliotecário. Em relação aos periódicos, a maioria dos autores é dos Estados Unidos e os atributos mais freqüentes são catalogação (54,54% - 6 itens); características não previstas (36,36% - 4 itens); classificação e indexação (27,27% - 3 itens cada) e elementos descritivos (18,18% - 2 itens). Notamos a iniciativa de dois periódicos estrangeiros (de língua não-inglesa) da área de Ciência da Informação com autores da Índia e do Irã. Em relação aos documentos recuperados provenientes de eventos, o Second International Conference on Research in Information Needs, Seeking and Use in Different Contexts que aconteceu pela Universidade de Sheffield na Inglaterra em 1998, reuniu autores europeus, em sua maior parte. Acredita-se que os artigos foram recuperados pois integravam um grupo de trabalho específico da conferência nomeado Information Organization. Apesar de os artigos serem em sua grande maioria teóricos, nem todos se inserem nos processos de OI estudados especificamente na área de biblioteconomia e Ciência da Informação, mas em outros contextos e outras abordagens mais interdisciplinares como estudos sobre cognição distribuída,
  25. 25. 25 padrões de comportamento na busca por informações, utilização de lingüística e pragmática na construção de linguagens de classificação, ontologias, análise de domínios e outras formas de representação do conhecimento. A partir da presente pesquisa, foi possível obter uma compreensão mais ampla sobre as discussões e articulações que têm sido feitas em relação ao tema de Organização da Informação no cenário internacional. Posteriormente, esta pesquisa será formatada em artigo e submetida para apreciação a um periódico da área de Ciência da Informação. O benefício da Iniciação Científica revelou-se de modo a orientar a estudante em seu percurso de interesse no assunto, refletindo-se também em uma maior bagagem de leitura para que desenvolva projetos correlatos como o trabalho de conclusão, que levantará o assunto de OI em teses e dissertações em Ciência da Informação no Brasil.
  26. 26. 26 REFERÊNCIAS ALBRECHTSEN, H. JACOB, E. K. When essence becomes function post- structuralist implications for an ecological theory of organizational classification systems. Organization of Information in context. Second International Conference on Research in Information Needs, Seeking and Use in different contexts. (Proceedings…) 13/15 August 1998. Sheffield, UK, ed. T. D. Wilson and D.K. Allen, London, Taylor Graham, 1998, p. 519-534. ALVARENGA, L. SILVA, D. L. Organização e Representação do Conhecimento na Ciência da Informação: revisão de literatura. Tendências da Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação, Brasília, v. 3, n. 1, p. 47-84, jan./dez. 2010. Disponível em: <http://inseer.ibict.br/ancib/index.php/tpbci/article/view/27/57>. Acesso em: 12 nov 2010 BAZI, R. E. R.; SILVEIRA, M. A. A. Constituição e institucionalização da ciência: apontamentos para uma discussão. Transinformação, Campinas, v.19, n.2, maio/ago 2007. p. 129-137. Disponível em: <http://revistas.puc- campinas.edu.br/transinfo/viewarticle.php?id=253>. Acesso em: 13 jan 2009. BOLAND, R. J. The In-Formation of Information Systems. In: R. J. Boland & R. A. Hirschheim. Critical Issues in information systems research. Chichester: John Wiley, p. 363-380. apud MUTCH, A. Information: a critical realist approach. Organization of Information in context. Second International Conference on Research in Information Needs, Seeking and Use in different contexts. (Proceedings…) 13/15 August 1998. Sheffield, UK, ed. T. D. Wilson and D.K. Allen, London, Taylor Graham, 1998, p. 535-551. BRÄSCHER, M.; CAFÉ, L. Organização da Informação ou Organização do Conhecimento? In: Temas de Pesquisa em Ciência da Informação no Brasil. São Paulo: Escola de Comunicação e Artes/USP, 2010. p. 87-103 BREZILLON, P. SAKER, I. Modeling context in information seeking. Organization of Information in context. Second International Conference on Research in Information Needs, Seeking and Use in different contexts. (Proceedings…) 13/15 August 1998. Sheffield, UK, ed. T. D. Wilson and D.K. Allen, London, Taylor Graham, 1998, p. 480-493. BRUCE, C. MIDDLETON, M. Teaching and learning information organisation: the Queensland University of Technology experience. Cataloguing Australia, v. 22, n.1-2, 1996, p. 34-47. BURKE, D. RUPP, N. From Catalogers to Ontologists: Changing Roles and Opportunities for Technical Services Librarians. The Serials Librarians, v. 46, n. 3, 2004, p. 221-226. CARTER, R. C. Managing Cataloging and the Organization of Information: Philosophies, Practices and Challenges at the Onset of the 21st Century. Binghamton: Haworth Press, 2000.
  27. 27. 27 CHOWDHURY, G. G. CHOWDHURY, S. Organizing Information: from the shelf to the web. London: Facet Publishing, 2007. p 228. FATTAHI, R. Information Organization in Iranian Libraries and Information Centers: trends and developments. Iranian Journal of Information Science & Technology, v. 5, n. 1, 2007, p. 29-40. FERNEDA, E. Recuperação da informação: análise sobre a contribuição da ciência da computação para a ciência da informação. São Paulo: USP, 2003. 147p. Tese (Ciências da Comunicação); Escola de Comunicação e Arte da Universidade de São Paulo. Disponível em <http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/27/27143/tde-15032004- 130230/publico/Tese.pdf> Acesso em: 25 mar 2010 FOSTER, J. On the interpretative authority of information systems. Organization of Information in context. Second International Conference on Research in Information Needs, Seeking and Use in different contexts. (Proceedings…) 13/15 August 1998. Sheffield, UK, ed. T. D. Wilson and D.K. Allen, London, Taylor Graham, 1998, p. 506-518. GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002. GLEICK, J. The Information Palace. The New York Review of Books. Disponível em: <http://www.nybooks.com/blogs/nyrblog/2010/dec/08/information-palace/> Acesso em: 9 dez 2010 GORMAN, M. Why Teach Cataloguing and Classification? In: HILL, J. S. Education for cataloging and the organization of information: Pitfalls and the Pendulum. Binghamton: Haworth Press, 2002, p. 1-13. HILL, J. S. Education for cataloging and the organization of information: Pitfalls and the Pendulum. Binghamton: Haworth Press, 2002. HOLLEY, R. P. Cataloging: An Exciting Subject for Exciting Times. In: HILL, J. S. Education for cataloging and the organization of information: Pitfalls and the Pendulum. Binghamton: Haworth Press, 2002, p. 43-52. INTNER, S. S. Persistent Issues in Cataloging Education: Considering the Past and Looking Toward the Future. In: HILL, J. S. Education for cataloging and the organization of information: Pitfalls and the Pendulum. Binghamton: Haworth Press, 2002, p. 15-29. JOUDREY, D. N. A New Look at US Graduate Courses in Bibliographic Control. In: HILL, J. S. Education for cataloging and the organization of information: Pitfalls and the Pendulum. Binghamton: Haworth Press, 2002a. p. 59-101. _______. Textbooks Used in Bibliographic Control Education Courses. In: HILL, J. S. Education for cataloging and the organization of information: Pitfalls and the Pendulum. Binghamton: Haworth Press, 2002b. p. 103-120.
  28. 28. 28 LARA, M. L. G. O processo de construção da informação documentária e o processo de conhecimento. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 7, n. 2, p. 127-139, jul./dez. 2002. Disponível em: <http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/pci/article/view/399/216> Acesso em: 10 dez 2010 ____. A construção da informação no universo da linguagem na contemporaneidade. In: LARA, M.L.G. de; FUJINO, A. ; NORONHA, D. P. (Org.). Informação e contemporaneidade: perspectivas. 1 ed. Recife; São Paulo: Néctar; PPGCI-ECA/USP, 2007, v. 1, p. 149-163. Disponível em: <http://www.pos.eca.usp.br/sites/default/files/file/cienciaInformacao/informacao Contemporaniedade.pdf> Acesso em: 11 abr 2011. LE COADIC, Y-F. A ciência da informação. Brasília: Briquet de Lemos/Livros, 1996. LIM, E. Southeast Asian Subject gateways: examination of their classification practices. Classification and Indexing. 65th IFLA Council and General Conference. (Proceedings…) 20/28 August, Bangkok, Thailand, 1999, p. 1-8. MALHAN, I. V. RAO, S. The networked information environment: implications for education of library and information professionals. Malaysian Journal of Library & Information Science, v.11, n.1, 2006, p. 75-88 MARTINEZ ARELLANO, F. F. YAÑEZ GARRIDO, O. A. Classification Systems Used in Latin American Libraries. In: CARTER, R. C. Managing Cataloging and the Organization of Information: Philosophies, Practices and Challenges at the Onset of the 21st Century. Binghamton: Haworth Press, 2000, p. 123-136. MUTCH, A. Information: a critical realist approach. Organization of Information in context. Second International Conference on Research in Information Needs, Seeking and Use in different contexts. (Proceedings…) 13/15 August 1998. Sheffield, UK, ed. T. D. Wilson and D.K. Allen, London, Taylor Graham, 1998, p. 535-551. OLSON, H. A. Codes, Costs, and Critiques: The Organization of Information in "Library Quarterly", 1931-2004. Library Quarterly, v. 76, n.1, 2006, p. 19-35. OYLER, P. G. Teaching Classification in the 21st Century. Classification and Indexing. 67th IFLA Council and General Conference. (Proceedings…) August, 2001, p. 16-25. PERRY, M. Process, representation and taskworld. distributed cognition and the organisation of information. Exploring the contexts of information behaviour. Second International Conference on Research in Information Needs, Seeking and Use in different contexts. (Proceedings…) 13/15 August 1998. Sheffield, UK, ed. T. D. Wilson and D.K. Allen, London, Taylor Graham, 1998, p. 552 – 567. ROBINSON, L. KARAMUFTUOGLU, M. The nature of information science: changing models”. Information Research, v. 15, n. 4, 2010. Acesso em: 19 dez 2010 Disponível em: <http://informationr.net/ir/15-4/colis717.html>
  29. 29. 29 SAUMURE, K. SHIRI, A. Knowledge Organization Trends in Library and Information Studies: a preliminary comparison of the pre- and post-web eras. Journal of Information Science, v. 34, n. 5, 2008, p. 651-666. SETZER, V. W. Dado, informação, conhecimento e competência. São Paulo: Universidade de São Paulo, Departamento de Ciência da Computação. Disponível em: <www.ime.usp.br/~vwsetzer/dado-info.html>. Acesso em: 22 mai 2008. SMIT, J. W. A perspectiva interdisciplinar da informação no contexto da Ciência da Informação. Congresso Brasileiro de Arquivologia, 12, João Pessoa,15-19 jun. 1998. SVENONIUS, E. The Intellectual Foundations of Information Organization. Cambridge: The MIT Press, 2000. 255 p. TAYLOR, A. JOUDREY, D. N. The Information Organization. Westport: Libraries Unlimited, 2009. 512 p. TRICKEY, K. V. Information Organization on the web? It is basically about respect and trust. Library Review, v. 47, n. 2, 1998, p. 135-137. VELLUCCI, S. L. Future Catalogues: essential colleagues or anachronisms? College and Research Libraries News, v. 57, n. 7, jul./aug. 1996, p 442-3. VON THADEN, T. L. Building a foundation to study distributed information behaviour. Information Research, v. 12, n. 3, 2007, p. 1-20. WEIHS, J. Indexes, Indexing, and the Technical Services Staff Part 2: Cataloguers. Technicalities, v. 27, n. 2, p. 6-8, 2007. WICHOWSKI, A. Survival of the fittest tag: Folksonomies, findability, and the evolution of information organization. First Monday, v. 14, n. 5, 2009, p. 1-11.
  30. 30. 30 APÊNDICE A – Referências dos itens recuperados na LISA ALBRECHTSEN, H. JACOB, E. K. When essence becomes function post- structuralist implications for an ecological theory of organizational classification systems. Organization of Information in context. Second International Conference on Research in Information Needs, Seeking and Use in different contexts. (Proceedings…) 13/15 August 1998. Sheffield, UK, ed. T. D. Wilson and D.K. Allen, London, Taylor Graham, 1998, p. 519-534. AHRONHEIM, J. MARKO, L. Exploding Out of the MARC Box: Building New Roles for Cataloging Departments. In: CARTER, R. C. Managing Cataloging and the Organization of Information: Philosophies, Practices and Challenges at the Onset of the 21st Century. Binghamton: Haworth Press, 2000, p. 217-225. ARSENAULT, C. LEIDE, J. E. Format Integration and the Design of Cataloging and Classification Curricula. In: HILL, J. S. Education for cataloging and the organization of information: Pitfalls and the Pendulum. Binghamton: Haworth Press, 2002, p. 189-201. BANACH, P. CARLSON JR, M. Cataloging at the University of Massachusetts Amherst Library. In: CARTER, R. C. Managing Cataloging and the Organization of Information: Philosophies, Practices and Challenges at the Onset of the 21st Century. Binghamton: Haworth Press, 2000, p. 227-239. BEDNAR, M. et al. Pursuing the Three Ts: How Total Quality Manegement, Technology and Teams Transformed the Cataloging Department at Penn State. In: CARTER, R. C. Managing Cataloging and the Organization of Information: Philosophies, Practices and Challenges at the Onset of the 21st Century. Binghamton: Haworth Press, 2000, p. 241-279. BÉNAUD, C-L. et al. Flexibility in the Management of Cataloging. In: CARTER, R. C. Managing Cataloging and the Organization of Information: Philosophies, Practices and Challenges at the Onset of the 21st Century. Binghamton: Haworth Press, 2000, p. 281-298. BREZILLON, P. SAKER, I. Modeling context in information seeking. Organization of Information in context. Second International Conference on Research in Information Needs, Seeking and Use in different contexts. (Proceedings…) 13/15 August 1998. Sheffield, UK, ed. T. D. Wilson and D.K. Allen, London, Taylor Graham, 1998, p. 480-493. BRISCOE, G. SELDEN, K. Cataloging @ 2000: Over 100 Years of Change. In: CARTER, R. C. Managing Cataloging and the Organization of Information: Philosophies, Practices and Challenges at the Onset of the 21st Century. Binghamton: Haworth Press, 2000, p. 177-195. BRUCE, C. MIDDLETON, M. Teaching and learning information organisation: the Queensland University of Technology experience. Cataloguing Australia, v. 22, n.1-2, 1996, p. 34-47.
  31. 31. 31 BURKE, D. RUPP, N. From Catalogers to Ontologists: Changing Roles and Opportunities for Technical Services Librarians. The Serials Librarians, v. 46, n. 3, 2004, p. 221-226. BURNETT, P. P. Emerging from the Bibliographic wilderness: Catalogue Automation in the Bodleian Library, University of Oxford. In: CARTER, R. C. Managing Cataloging and the Organization of Information: Philosophies, Practices and Challenges at the Onset of the 21st Century. Binghamton: Haworth Press, 2000, p 51-72. CONDRON, L. Management by Action: How We’re Embracing New Cataloging Work at Tufts. In: CARTER, R. C. Managing Cataloging and the Organization of Information: Philosophies, Practices and Challenges at the Onset of the 21st Century. Binghamton: Haworth Press, 2000, p. 299-313. CROSBY, E. Technical Services in Twenty-First Century Special Collections. In: CARTER, R. C. Managing Cataloging and the Organization of Information: Philosophies, Practices and Challenges at the Onset of the 21st Century. Binghamton: Haworth Press, 2000, p. 167-176. ELLETT, R. An Evaluation of the Effectiveness of OCLC Online Computer Library Center’s Web-Based Module on Cataloging Internet Resources Using the Anglo-American Cataloging Rules and MARC21. In: HILL, J. S. Education for cataloging and the organization of information: Pitfalls and the Pendulum. Binghamton: Haworth Press, 2002, p. 311-338. FATTAHI, R. Information Organization in Iranian Libraries and Information Centers: trends and developments. Iranian Journal of Information Science & Technology, v. 5, n. 1, 2007, p. 29-40. FERRIS, A. M. Cataloging Internet Resources Using MARC21 and AACR2: Online Training for Working Catalogers. In: HILL, J. S. Education for cataloging and the organization of information: Pitfalls and the Pendulum. Binghamton: Haworth Press, 2002, p. 339-353. FETZER, A. Validity claims: assigning contextual information. Organization of Information in context. Second International Conference on Research in Information Needs, Seeking and Use in different contexts. (Proceedings…) 13/15 August 1998. Sheffield, UK, ed. T. D. Wilson and D.K. Allen, London, Taylor Graham, 1998, p. 494-505. FOSTER, J. On the interpretative authority of information systems. Organization of Information in context. Second International Conference on Research in Information Needs, Seeking and Use in different contexts. (Proceedings…) 13/15 August 1998. Sheffield, UK, ed. T. D. Wilson and D.K. Allen, London, Taylor Graham, 1998, p. 506-518. GORMAN, M. Why Teach Cataloguing and Classification? In: HILL, J. S. Education for cataloging and the organization of information: Pitfalls and the Pendulum. Binghamton: Haworth Press, 2002, p. 1-13.
  32. 32. 32 HIXSON, C. G. GARRISON, W. A. The Program for Cooperative Cataloging and Training for Catalogers. In: HILL, J. S. Education for cataloging and the organization of information: Pitfalls and the Pendulum. Binghamton: Haworth Press, 2002, p. 355-365. HOERMAN, H. L. Why does everybody hate Cataloging? In: HILL, J. S. Education for cataloging and the organization of information: Pitfalls and the Pendulum. Binghamton: Haworth Press, 2002, p. 31-41. HOLLEY, R. P. Cataloging: An Exciting Subject for Exciting Times. In: HILL, J. S. Education for cataloging and the organization of information: Pitfalls and the Pendulum. Binghamton: Haworth Press, 2002, p. 43-52. HOPKINS, J. The Community of Catalogers: Its Role in the Education of Catalogers. In: HILL, J. S. Education for cataloging and the organization of information: Pitfalls and the Pendulum. Binghamton: Haworth Press, 2002, p. 375-381. HSIEH-YEE, I. Cataloging and Metadata Education: Asserting a Central Role in Information Organization. In: HILL, J. S. Education for cataloging and the organization of information: Pitfalls and the Pendulum. Binghamton: Haworth Press, 2002, p. 203-232. HILL, J. S. What Else Do You Need to Know? Practical Skills for Catalogers and Managers. In: HILL, J. S. Education for cataloging and the organization of information: Pitfalls and the Pendulum. Binghamton: Haworth Press, 2002, p. 245-261. INTNER, S. S. Persistent Issues in Cataloging Education: Considering the Past and Looking Toward the Future. In: HILL, J. S. Education for cataloging and the organization of information: Pitfalls and the Pendulum. Binghamton: Haworth Press, 2002, p. 15-29. JOUDREY, D. N. A New Look at US Graduate Courses in Bibliographic Control. In: HILL, J. S. Education for cataloging and the organization of information: Pitfalls and the Pendulum. Binghamton: Haworth Press, 2002. p. 59-101. _______. Textbooks Used in Bibliographic Control Education Courses. In: HILL, J. S. Education for cataloging and the organization of information: Pitfalls and the Pendulum. Binghamton: Haworth Press, 2002. p. 103-120. KGOSIEMANG, R. T. Role Changes: Cataloguing, Technical Services and Subject Librarianship at the University of Botswana Library. In: CARTER, R. C. Managing Cataloging and the Organization of Information: Philosophies, Practices and Challenges at the Onset of the 21st Century. Binghamton: Haworth Press, 2000, p. 91-109. KOH, G. S. Innovation in Standard Classroom Instruction. In: HILL, J. S. Education for cataloging and the organization of information: Pitfalls and the Pendulum. Binghamton: Haworth Press, 2002, p. 263-287.
  33. 33. 33 KOVACS, B. DAYTON, N. “If I Knew Then What I Know Now”: UNCG LIS Graduates’ Perspectives on Cataloging Education. In: HILL, J. S. Education for cataloging and the organization of information: Pitfalls and the Pendulum. Binghamton: Haworth Press, 2002, p. 145-164. KRIEGSMAN, S. Catalog Training for People Who Are Not Catalogers: The Colorado Digitization Project Experience. In: HILL, J. S. Education for cataloging and the organization of information: Pitfalls and the Pendulum. Binghamton: Haworth Press, 2002, p. 367-374. LEE-SMELTZER, K.-H. Cataloging in Three Academic Libraries: Operations, Trends, and Perspectives. In: CARTER, R. C. Managing Cataloging and the Organization of Information: Philosophies, Practices and Challenges at the Onset of the 21st Century. Binghamton: Haworth Press, 2000, p. 315-330. LIM, E. Southeast Asian Subject gateways: examination of their classification practices. Classification and Indexing. 65th IFLA Council and General Conference. (Proceedings…) 20/28 August, Bangkok, Thailand, 1999, p. 1-8. LÓPEZ, C. G. Technical Processes and the Technological Development of the Library System in the National Autonomous University of Mexico. In: CARTER, R. C. Managing Cataloging and the Organization of Information: Philosophies, Practices and Challenges at the Onset of the 21st Century. Binghamton: Haworth Press, 2000, p. 73-90. MALHAN, I. V. RAO, S. The networked information environment: implications for education of library and information professionals. Malaysian Journal of Library & Information Science, v.11, n.1, 2006, p. 75-88. MARTINEZ ARELLANO, F. F. YAÑEZ GARRIDO, O. A. Classification Systems Used in Latin American Libraries. In: CARTER, R. C. Managing Cataloging and the Organization of Information: Philosophies, Practices and Challenges at the Onset of the 21st Century. Binghamton: Haworth Press, 2000, p. 123-136. MCKEEN, L. PARENT, I. The National Library of Canada: Organizing Information for the New Millennium. In: CARTER, R. C. Managing Cataloging and the Organization of Information: Philosophies, Practices and Challenges at the Onset of the 21st Century. Binghamton: Haworth Press, 2000, p 19-32. MEI MAH, Y. Cataloging Plus: Philosophy and Practice at a Small College Library. In: CARTER, R. C. Managing Cataloging and the Organization of Information: Philosophies, Practices and Challenges at the Onset of the 21st Century. Binghamton: Haworth Press, 2000, p. 331-342. MILLER, D. R. Bibliographic Access Management at Lane Medical Library: Fin de Millennium Experimentation and Bruised-Edge Innovation. In: CARTER, R. C. Managing Cataloging and the Organization of Information: Philosophies, Practices and Challenges at the Onset of the 21st Century. Binghamton: Haworth Press, 2000, p. 139-166. MUGRIDGE, R. L. FURNISS, K. A. Education for Authority Control: Whose Responsibility Is It? In: HILL, J. S. Education for cataloging and the organization
  34. 34. 34 of information: Pitfalls and the Pendulum. Binghamton: Haworth Press, 2002, p. 233-243. MUTCH, A. Information: a critical realist approach. Organization of Information in context. Second International Conference on Research in Information Needs, Seeking and Use in different contexts. (Proceedings…) 13/15 August 1998. Sheffield, UK, ed. T. D. Wilson and D.K. Allen, London, Taylor Graham, 1998, p. 535-551. OLSON, H. A. Codes, Costs, and Critiques: The Organization of Information in "Library Quarterly", 1931-2004. Library Quarterly, v. 76, n.1, 2006, p. 19-35. OYLER, P. G. Teaching Classification in the 21st Century. Classification and Indexing. 67th IFLA Council and General Conference. (Proceedings…) August, 2001, p. 16-25. OUDERKIRK, J. P. Staff Assignments and Workflow Distribution at the End of the 20th Century: Where we were, Where we are, and What We’ll Need to Be. In: CARTER, R. C. Managing Cataloging and the Organization of Information: Philosophies, Practices and Challenges at the Onset of the 21st Century. Binghamton: Haworth Press, 2000, p. 343-355. PERRY, M. Process, representation and taskworld. distributed cognition and the organisation of information. Exploring the contexts of information behaviour. Second International Conference on Research in Information Needs, Seeking and Use in different contexts. (Proceedings…) 13/15 August 1998. Sheffield, UK, ed. T. D. Wilson and D.K. Allen, London, Taylor Graham, 1998, p. 552 – 567. SAYE, J. D. Where Are We and How Did We Get Here? or, The Changing Place of Cataloging in the Library and Information Science Curriculum: Causes and Consequences. In: HILL, J. S. Education for cataloging and the organization of information: Pitfalls and the Pendulum. Binghamton: Haworth Press, 2002, p. 121-143. SAUMURE, K. SHIRI, A. Knowledge Organization Trends in Library and Information Studies: a preliminary comparison of the pre-and post-web eras. Journal of Information Science, v. 34, n. 5, 2008, p. 651-666. STAMM, A. L. The End of an Era Builds New Team Spirit: Team Playing at Its Best. In: CARTER, R. C. Managing Cataloging and the Organization of Information: Philosophies, Practices and Challenges at the Onset of the 21st Century. Binghamton: Haworth Press, 2000, p. 357-372. SVENONIUS, E. The Intellectual Foundations of Information Organization. Cambridge: The MIT Press, 2000. 255 p. SWANEKAMP, J. Cataloging at Yale University in 2000: Challenges and Strategies. In: CARTER, R. C. Managing Cataloging and the Organization of Information: Philosophies, Practices and Challenges at the Onset of the 21st Century. Binghamton: Haworth Press, 2000, p. 373-385.
  35. 35. 35 TAYLOR, A. JOUDREY, D. N. The Information Organization. Westport: Libraries Unlimited, 2009. 512 p. ______. _______. On Teaching Subject Cataloging. In: HILL, J. S. Education for cataloging and the organization of information: Pitfalls and the Pendulum. Binghamton: Haworth Press, 2002, p. 223-243. TRICKEY, K. V. Information Organization on the web? It is basically about respect and trust. Library Review, v. 47, n. 2, 1998, p. 135-137. TURVEY, M. R. LETARTE, K. M. Cataloging or Knowledge Management: Perspectives of Library Educators on Cataloging Education for Entry-Level Academic Librarians. In: HILL, J. S. Education for cataloging and the organization of information: Pitfalls and the Pendulum. Binghamton: Haworth Press, 2002, p. 165-187. VELLUCCI, S. L. Future Catalogues: essential colleagues or anachronisms? College and Research Libraries News, v. 57, n. 7, jul./aug. 1996, p 442-3. VONDRUSKA, E. M. Information Resource Management: Transitions and Trends in an Academic Law Library. In: CARTER, R. C. Managing Cataloging and the Organization of Information: Philosophies, Practices and Challenges at the Onset of the 21st Century. Binghamton: Haworth Press, 2000, p. 197-213. VICKERY, B. C. The Organization of Information Using Computers. Aslib Computer Applications Group Conference. (Proceedings…) 19/20 May 1975. London, UK, ed. M. Bidmead. London, Aslib, 1976, p. 25-32. VON THADEN, T. L. Building a foundation to study distributed information behaviour. Information Research, v. 12, n. 3, 2007, p. 1-20. WEIHS, J. Indexes, Indexing, and the Technical Services Staff Part 2: Cataloguers. Technicalities, v. 27, n. 2, p. 6-8, 2007. WILDER, S. J. Demographic Trends Affecting Professional Technical Services Staffing in ARL Libraries. In: HILL, J. S. Education for cataloging and the organization of information: Pitfalls and the Pendulum. Binghamton: Haworth Press, 2002, p. 53-57 WIGGINS, B. Managing Cataloging and Cataloging Operations – 2000 and Beyond at the Library of Congress. In: CARTER, R. C. Managing Cataloging and the Organization of Information: Philosophies, Practices and Challenges at the Onset of the 21st Century. Binghamton: Haworth Press, 2000, p 3-17. WICHOWSKI, A. Survival of the fittest tag: Folksonomies, findability, and the evolution of information organization. First Monday, v. 14, n. 5, 2009, p. 1-11. YONTZ, E. When Donkeys Fly: Distance Education for Cataloging. In: HILL, J. S. Education for cataloging and the organization of information: Pitfalls and the Pendulum. Binghamton: Haworth Press, 2002, p. 299-310.

×