E-Book O Novo Mundo da Gestão de Pessoas DOM Strategy Partners 2012
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

E-Book O Novo Mundo da Gestão de Pessoas DOM Strategy Partners 2012

on

  • 1,304 views

 

Statistics

Views

Total Views
1,304
Views on SlideShare
1,204
Embed Views
100

Actions

Likes
1
Downloads
39
Comments
0

1 Embed 100

http://faeterjbomjesus.com.br 100

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

CC Attribution-NonCommercial-ShareAlike LicenseCC Attribution-NonCommercial-ShareAlike LicenseCC Attribution-NonCommercial-ShareAlike License

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

E-Book O Novo Mundo da Gestão de Pessoas DOM Strategy Partners 2012 E-Book O Novo Mundo da Gestão de Pessoas DOM Strategy Partners 2012 Presentation Transcript

  • E-Book O Novo Mundo da Gestão de Pessoas DOM Strategy Partners | 1
  • A DOM/SP é primeira consultoria 100% nacional focada em estratégia corporativa.Ela foi planejada desde seu nascimento para:  Entregar mais por menos,  Ser mais rápida que a concorrência internacional,  Aplicar rigor intelectual, domínio de melhores práticas, domínio de metodologias internacionais e profundidade de conhecimento setorial,  E ainda sim ser criativa, ágil, comercialmente flexível e deter profundo entendimento dos mercados e da realidade das empresas brasileiras.  Ela foi planejada desde seu nascimento para: E-Book O Novo Mundo da Gestão de Pessoas DOM Strategy Partners | 2
  • SumárioCrise para muitos, oportunidades para os que inovam ....................................................................................................................................................................... 4As Organizações do Conhecimento. O Futuro das Organizações ........................................................................................................................................................ 6Valor Estratégico e Performance Tática: Reconcebendo o Modelo de Gestão de Recursos Humanos ............................................................................................. 8“Não Faça O Que Eu Faço, Faça O Que Eu Digo” ............................................................................................................................................................................... 11A Geração Y e suas Implicações Estratégicas ..................................................................................................................................................................................... 13Como Web 2.0 Vem Influenciando a Relação entre Empresas e Funcionários? ............................................................................................................................... 17Renovação Y ....................................................................................................................................................................................................................................... 24Planejando o Auto-Treinamento. Sua Carreira e seu Futuro Agradecem ......................................................................................................................................... 26As Gerações e a Gestão de Pessoas ................................................................................................................................................................................................... 28Os Talentos como Principal Ativo de Valor Corporativo ................................................................................................................................................................... 32A Importância do Engajamento Pessoal para as Organizações que Aprendem ................................................................................................................................ 34Duas das Competências Mais Críticas dos Mais Competentes ......................................................................................................................................................... 37 E-Book O Novo Mundo da Gestão de Pessoas DOM Strategy Partners | 3
  • Crise para muitos, oportunidades para os que inovamO Brasil viveu, durante muitos anos, períodos de grande turbulên- dos preços das commodities. A verdade é que a economia brasileira crescia poucocia em sua economia, se sujeitando a taxas inflacionários de até 3 quando todo mundo crescia muito e agora, que todos perdem muito, o Brasil per-dígitos, mudanças constantes de moeda e planos econômicos hete- de menos.rodoxos, dentre outros. Agora, nossa realidade faz-se valer dos ca- As políticas macroeconômicas acertadas do governo, aliadas à boa capacidade delos adquiridos pelas duras batalhas travadas na busca pela estabili- gestão em situações adversas de nossos executivos, parecem ter composto umzação e o país consegue operar com umas mínimas de racionalida- bom escudo face às projeções catastróficas alardeadas nos quatro cantos dode e previsibilidade macroeconômicas. mundo.Apesar da grande pujança de seu mercado interno e do fato de es- O desafio estratégico é minimizar os efeitos das variáveis aleatórias, das causali-tar localizado a uma distância razoável do epicentro do terremoto dades que podem afetar negativamente o negócio, e conseguir enxergar oportu-financeiro que abala o mundo desenvolvido, pode-se dizer que, no nidades nas fendas abertas pelo terremoto; afinal enquanto uns choram outrosuniverso corporativo, os efeitos da crise têm sido, em grande parte, vendem lenços.minimizados pela experiência adquirida nos tempos turbulentos deoutrora, quando planejamento e ações de curto prazo era pratica- Criatividade e bom senso são as principais armas para se dissociar da crise. Outrasmente a mesma coisa. ações, como cortes de custos, transformação de dívidas de curto prazo em longo prazo, demissões, racionalização de investimentos e controle de gastos, dentreMesmo com a afirmação de Guido Mantega de que será muito difí- outros, já estão na pauta de praticamente todas as empresas.cil alcançar a taxa de 1% de crescimento econômico em 2009, defato ainda não sentimos um efeito dramático nos níveis de ativida- Nos dias de hoje, os ganhos advindos devem ser suficientes para manter as orga-de como um todo, à exceção de alguns setores fortemente depen- nizações respirando, revestidas de um figurino mais enxuto e eficiente.dentes de exportações, de ampla oferta de crédito ou de variação E-Book O Novo Mundo da Gestão de Pessoas DOM Strategy Partners | Crise para muitos, oportunidades para os que inovam 4
  • As grandes oportunidades de transformação setorial ou de redefi- A indústria automotiva, por exemplo, começa a investir com muito mais ênfase nanição das escalas de liderança em determinadas indústrias, reque- viabilização de carros elétricos, o que é sem dúvida uma disrupção profunda nosrem soluções inovadoras e diferenciadas que dispõem do potencial moldes atuais. A Toyota com 60% da Panasonic, a Nissan associada à NEC e apara alavancar a competitividade da empresa frente a seus concor- Honda à GS Yuasa focam esforços relevantes na pesquisa e aperfeiçoamento derentes, mas com ampla probabilidade de não serem priorizadas e baterias de íon-lítio, no intuito de viabilizar uma frota de carros elétricos em maiorimplementadas neste momento. escala.Entretanto, olhar para um futuro macroeconomicamente não pro- Casos como estes podem fazer parecer que a inovação seja algo fora de contextomissor, ver o que todo mundo vê, mas de uma forma diferente, num cenário recessivo, uma vez que para que se possa gerá-la com efeitos comer-enxergando o que ninguém enxerga, requer que os gestores mo- ciais e financeiros significativos, necessita-se de tempo, recursos e apetite aosdernos busquem, forçosamente, alternativas que não necessaria- riscos suficientes. Por outro lado, também podemos considerar que esse tipo demente fazem parte da pauta para decisão de curto prazo. inovação pode se tornar a grande “sacada” e a grande fonte de receitas e lucros em uma determinada indústria nas próximas décadas. Portanto, inovar visando oInovar, com sucesso, é sempre uma arma estratégica poderosa e, longo prazo, sem esquecer-se de equacionar as variáveis relevantes para gerargeralmente, alavanca para saltos relevantes de crescimento, fatu- resultados no curto prazo parece ser a combinação ideal para momentos de crise,ramento e ganhos de market share. como o atual.Em alguns casos, a inovação pode estar associada à construção de A garantia de sobrevivência evolutiva de uma empresa, associada a uma posiçãorelacionamentos produtivos e comerciais com players complemen- mais privilegiada na cadeia de negócios, será benefício da organização que estivertares, a fim de se promover a criação de produtos e serviços que mais preparada para vir a ser ou a fazer, no futuro próximo, algo que hoje não épodem gerar grandes rupturas nos padrões vigentes de negócios ou não faz, hoje.e/ou estimular novos mercados e hábitos. E-Book O Novo Mundo da Gestão de Pessoas DOM Strategy Partners | 5
  • As Organizações do Conhecimento. O Futuro das OrganizaçõesCada vez mais, o conhecimento (e a inovação), juntamente com a Além da learning organization de Peter Senge (empresa que aprende com o meiomarca e a cultura corporativa (valores, princípios, modelo de ges- e evolui), os conceitos “empresa viva” de Arie de Geus (analogia da empresa comotão, etc) serão os principais ativos realmente próprios e, de certa organismos vivos) e “empresa quântica” de Clemente Nóbrega (analogia com con-maneira, inimitáveis de uma empresa. Isso porque, em grande par- ceitos da física quântica - fractais, sistemas abertos e teoria do caos) são hoje 3te, são os responsáveis por gerar, potencializar ou proteger valor, dos fundamentos mais poderosos para a modelagem das organizações do Séc XXI.resultados, competitividade e reputação. Para nós da DOM Strategy Partners, gerenciamento do conhecimento (GC ou KM)O gerenciamento do conhecimento corporativo parte da premissa significa organizar e sistematizar, em todas as suas relações, relacionamentos eque todo conhecimento existente na empresa, na cabeça das pes- trocas, a capacidade de uma empresa de captar, gerar, criar, analisar, traduzir,soas, nas veias dos processos e no coração dos departamentos, transformar, modelar, armazenar, disseminar, implementar e gerenciar a informa-pertence à empresa. ção que flui por sua organização, tanto interna, quando externa, transformando-a, efetivamente, em conhecimento, distribuindo-a (ou tornando-a acessível) de ma-Para que isso seja verdade factível, deve ter portabilidade; ou seja: neira personalizada para quem de interesse.para ser da empresa, deve transformar-se em pacote, rotina, mo-delo, saindo da cabeça das pessoas e tornando-se utilizável e reuti- As fronteiras das empresas, por premissa, devem ser como membranas, finas,lizável por outras pessoas. Este conhecimento é uma espiral evolu- seletivas, mas abertas, permitindo fluidez e renovação.tiva. Não é finito, imutável, nem pré-determinado. A cada intera- A matéria-prima desse conhecimento estruturado, o que passa por essa membra-ção, colaboração entre diferentes cérebros, evolui. Uma learning na, é a informação. Mas informação, por si só, não é vantagem competitiva. Oorganization, de fato, parte da premissa que todo conhecimento fluxo de informações e o seu alcance passam a ser cada vez mais pré-requisitosdeve estar disponível na empresa, pois esta aprende com sua evo- para as empresa do mundo global, instantâneo, exposto e digital. Mas, comolução. qualquer tesouro, só tem valor para que alcança, sabe e consegue usar. E-Book O Novo Mundo da Gestão de Pessoas DOM Strategy Partners | As Organizações do Conhecimento. O Futuro das Organizações 6
  • Por isso defendemos o modelo quântico de empresa, uma vez que seleção natural do mercado/clientes e se perpetua, como gene egoísta que coope-permite sua total adaptabilidade ao mercado, que é, em primeira ra para ter mais chance de sobreviver.instância, um sistema caótico. Entendemos ser essa a melhor forma A informação aplicada - o conhecimento - passa a ser um ativo da empresa e nãode se permanecer protegido no ambiente competitivo potenciali- mais um suporte à tomada de decisão. A empresa passa então a competir semzado pelos competidores agressivos, pelas pressões, rupturas e fronteiras e sem amarras para captar e disseminar seu conhecimento.inovações do ecossistema e pelas novas tecnologias - o “mundo donetworking, da competição, das redes interligadas”. Cada vez mais, o conhecimento aplicado corretamente, com diferenciação e fina- lidade, passa a ser uma arma indispensável de competição no mercado. É a partirValorizamos o “quântica” porque com esta filosofia a empresa se dele que os paradigmas são quebrados e que surgem as novas tendências, quecomporta como um sistema aberto, inteligente, que troca com o quando antecipadas, geram barreiras competitivas e, portanto, vantagens compe-meio, aprende e desaprende com ele (destruição criativa), respon- titivas aos que primeiro as entenderem, traduzirem e se apoderarem.de, reage. Como disse Peter Drucker, “o conhecimento difere de todos os outros recursosEsta nova organização é capaz de criar complexidades em seu cená- por tornar-se continuamente obsoleto; o conhecimento que importa está sujeito ario competitivo e mudar as regras da competição. Tendo a inovação mudanças frequentes e repentinas”. É assim... mas é isso ou nada!como matriz, consegue se antecipar, adaptar e sobreviver. Passa na E-Book O Novo Mundo da Gestão de Pessoas DOM Strategy Partners | 7
  • Valor Estratégico e Performance Tática: Reconcebendo o Modelo de Gestão de Re- cursos HumanosA crise mundial ocasionada pela ruptura do mercado financeiro foi Quando os modelos atuais, de forma sistêmica, já não são capazes de absorver,apenas o estopim que faltava para colocar em combustão as insa- sintetizar e adequar as novas tendências à sua estrutura, um movimento de revi-tisfações, aspirações e vocações de todos os colaboradores envol- são se faz necessário. Como adequar a forma de atuação de Recursos Humanosvidos nas atividades da empresa - sentimentos estes que apenas se aos seguintes elementos:delineavam nos comportamentos corporativos, mas que agora pas-  Movimentos de consolidação, fusão e aquisição de empresas e suas cultu-sam a fazer parte do dia-a-dia. ras;A crise destruiu as bases da confiança em um modelo econômico  Crescimento de atividades globais e formação de equipes com colaborado-que prometia felicidade em troca de trabalho e colocou em jogo o res e recursos dispersos geograficamente;sistema de crenças e a cultura corporativa de empresas de todos ostamanhos e setores.  Disseminação do trabalho remoto, aumentando a distância do ambiente corporativo (valores e cultura);O que conhecemos no jargão como a “Visão, Missão e Valores”deixará de fazer o mesmo sentido de sempre para o colaborador, o  Empowerment compulsivo conforme a tomada de decisão demanda ins-que impacta diretamente sua produtividade, motivação, satisfação tantaneidade.pelo trabalho... ou seja, níveis de turn over e todos os demais indi-  Presença da Geração Y nas corporações exigindo adequação à novas ten-cadores que gestores, mercados e acionistas acompanham atenta- dências tecnológicas e comportamentais;mente para mensurar a performance do Modelo de Gestão de Re-cursos Humanos da organização. E-Book O Novo Mundo da Gestão de Pessoas DOM Strategy Partners | Valor Estratégico e Performance Tática: Reconcebendo o Modelo de 8 Gestão de Recursos Humanos
  •  Institucionalização do Funcionário 2.0, que utiliza as ferra-  Atividades de Folha de Pagamento mentas e ambientes virtuais (Blogs, Foruns, Wikis, etc) para  Processos de Admissão e Demissão ganhar poder e influência.  Processos de Treinamento e CapacitaçãoPoucas empresas foram hábeis em metabolizar e replicar em formade modelo e práticas de recursos humanos – exceto às que já nas-  Gestão de Benefíciosceram com tais elementos impregnados em seu DNA. Buscando  Processos Médicos e Gestão de Epidemiasorganizar a complexidade que seria encadear de forma criativa efuncional tais elementos, trazemos uma abordagem que distingue  Etc.duas naturezas de práticas de Recursos Humanos: RH como Capital Intelectual 1. RH como Shared Services: Atividades de característica pro-  Construção da Cultura Corporativa cessual, recorrente e de baixo valor agregado, com visão de curto prazo. Atividade prioritária no dia-a-dia de recursos  Proteção da Visão e dos Valores Corporativos humanos.  Gestão da Performance através da Geração de Conhecimento 2. RH como Capital Intelectual: Atividades de característica es-  Estratégias de Remuneração, Incentivo e Bonificação tratégico-tática para a geração e proteção de valor e criação de ativos intangíveis e obtenção de ganhos de competitivi-  Políticas de Recursos Humanos e Conhecimento dade no médio e longo prazo - atividades deixadas em se-  Processos de Avaliação de pessoas de forma precisa e profunda. gundo plano na maioria das empresas.  Fornecimento de um modelo para identificar e desenvolver os talentos emEm outras palavras: termos de liderança.RH como Shared Services E-Book O Novo Mundo da Gestão de Pessoas DOM Strategy Partners | Valor Estratégico e Performance Tática: Reconcebendo o Modelo de 9 Gestão de Recursos Humanos
  •  Preenchimento do pipeline de liderança como base de um maior expertise (ou eventualmente incorporando a função RH shared services à plano sólido de sucessão. área de operações ou shared services propriamente dita). Porém, duas áreas dis- tintas de recursos humanos, uma com a visão tática e a outra com o chapéu estra-  Etc. tégico, poderiam gerar desalinhamento entre discurso e prática. Nessa equação, oPor terem naturezas diferentes e, portanto, processos, atividades, elemento Governança é o que define o sucesso da atuação separada-integrada.modelo de governança, de mensuração e avaliação com regras e Certamente este não é o único caminho. A solução funcional, ou seja, reorganizardiretrizes específicas, a área de Recursos Humanos precisa se reor- as atividades na própria área, com a criação de núcleos específicos e colaborado-ganizar em torno destes 2 novos focos de atuação. res com convocatória e atribuição para desempenhar cada atividade tende a cau-Separar cada grupo de práticas é premissa para evoluir cada grupo sar menos stress corporativo, porém deixaria aberta a possibilidade de as práticasde prática através de direcionamentos específicos e obter os bene- de geração e proteção de valor de recursos humanos serem deixadas de lado nofícios decorrentes. Já definir a forma da separação é o desafio. calor do dia-a-dia.A decisão natural seria criar duas áreas (arquitetura) de recursos E você? Concorda com essa tese que apresentamos? Em sua opinião, qual seria ahumanos, cada qual desenvolvendo as atividades nas quais possui melhor abordagem para o novo modelo de Gestão de Recursos Humanos? E-Book O Novo Mundo da Gestão de Pessoas DOM Strategy Partners | 10
  • “Não Faça O Que Eu Faço, Faça O Que Eu Digo”Em uma época onde a Sustentabilidade dita o tom do debate sobre biente, das tendências de mercado, comportamento do consumidor, movimenta-como os negócios devem ser conduzidos, pensar a estratégia cor- ções de concorrentes e demais variáveis que servem de insumo para uma análiseporativa sob sua ótica é uma boa forma de encontrar novas opor- de composição de cenários estratégicos e identificação de oportunidades e amea-tunidades e caminhos para a evolução de empresas na relação com ças deve considerar e envolver a realidade tática e operacional da empresa.seus públicos de interesse. Dois dos principais expoentes internacionais do pensar estratégico, Gary Hamel eA Sustentabilidade – como conceito de realizar todo e qualquer C.K. Prahalad não só endossam esta tese como enfatizam a importância do pen-processo de forma cíclica, reduzindo perdas, ineficiências e resí- sar-implementar estratégico como algo integrado.duos – possui como um de seus principais ícones o ciclo da recicla- Gary Hamel é professor de gestão estratégica e internacional da London Businessgem. School e C.K. Prahalad é um dos principais pensadores sobre estratégia corporati-Em analogia, a gestão de empresas tem no PDCA (Plan, Do, Check, va.Act) de Deming e Juran seu mantra essencial. Ao aplicarmos a lógi-ca desta metodologia golden-standard ao processo de “Estratégia” Hamel e Prahalad se conheceram em 1977 na Universidade de Michigan e no finaltemos que o P = Planejamento da Estratégia, D = Implementação da da década de 80, após muitos embates e disputas intelectuais, publicaram um dasEstratégia, C = Revisão da Estratégia e o A = Plano de Ação para obras-prima sobre o tema: Competindo pelo Futuro.Correção/Potencialização da Estratégia. Em outras palavras, não há O livro parte de questionamentos contemporâneos da década de 80 sobre umaEstratégia sem a realização integrada desses 4 passos. suposta crise da estratégia corporativa: Por que a teoria estratégica tradicionalEstratégia é sinônimo tanto do “pensar” estratégico quanto do “re- não corresponderia à realidade? Por que tantas empresas norte-americanas gi-alizar” de forma estratégica. Assim, a estratégia não está dissociada gantescas, estrategicamente competentes, foram superadas por empresas nova-de sua implementação: o processo de análise do macro e microam- tas e desafiadoras, sem recursos, em sua maior parte japonesas? E-Book O Novo Mundo da Gestão de Pessoas DOM Strategy Partners | “Não Faça O Que Eu Faço, Faça O Que Eu Digo” 11
  • Hamel e Prahalad argumentaram que a verdadeira diferença era O raciocínio de Hamel e Prahalad parece óbvio, de tão lógico, mas o senso comumque “essas empresas haviam conseguido criar formas inteiramente tende a associar o desenvolvimento de uma estratégia ao resultado de um pensarnovas de geração e fortalecimento de diferenciais competitivos e individual ou reservado à alta hierarquia corporativa, competência de executivos-reescreveram radicalmente as regras do jogo”. intelectuais-filósofos que, discutindo conceitos de negócio abstratos e complexos, isolados da realidade operacional do dia-a-dia, ditam regras, políticas e diretrizesOs gerentes dessas empresas tinham maior capacidade de previsão de ação com pouca ou nenhuma aderência para a real implementação.do que os gerentes tradicionais. Imaginaram produtos, serviços eaté setores inteiros que não existiam, para depois os criar. Esses Por este motivo, estratégias de sucesso passam por envolver a realidade tática egerentes não estavam apenas realizando benchmarkings e anali- operacional no PDCA da Estratégia através da interação e co-construção com ossando a concorrência a fim de serem iguais ou melhores do que os executivos, colaboradores e funcionários dos níveis hierárquicos gerenciais, tantomelhores do mercado, mas sim estavam criando um novo mercado na definição de objetivos e metas estratégicas quanto, no caminho inverso, dano qual poderiam não só dominar a posição como criar barreiras de análise de aderência e adequação estratégica dos planos de ação operacionais.entrada que neutralizassem a ameaça de competidores externos. O alcance de objetivos superiores através de um PDCA estratégico eficiente seHamel e Prahalad estavam falando de estratégias destrutivas que inicia, se dissemina e se perpetua quanto maior for o vínculo entre teoria e práti-foram concebidas por gerentes (!) através de insights e análises ca, entre o que é pensado e prometido com o que é realizado e percebido.derivadas de profunda experiência e conhecimento de “como as Estratégia sem implementação não passa de filosofia do “não faça o que eu faço,coisas acontecem no dia-a-dia” faça o que eu digo”. Para uma estratégia de sucesso não há o que se dizer a não ser “Walk the Talk”. E-Book O Novo Mundo da Gestão de Pessoas DOM Strategy Partners | 12
  • A Geração Y e suas Implicações EstratégicasNunca antes uma geração exerceu tanta influência nas estratégias  Representam cerca de 20% da população brasileira (40 milhões) e outrosorganizacionais e no mercado de trabalho como a Geração Y. Orga- 210 milhões no restante do mundo em desenvolvimento.nizações e economias inteiras serão influenciadas de maneira inédi-  Começaram a entrar no mercado de trabalho em 2005 e assim continuarãota pelas transformações, aspirações e motivações trazidas à medida até 2018. Daqui para frente, as empresas terão cada vez mais membrosque essa geração se torna adultas (e ser adulto também significa dessa geração em suas folhas ou contratos de pagamento (e posições deser cidadão, consumidor, força de trabalho e líder). liderança).Nesse artigo buscaremos apontar as principais implicações estraté-  É tida por alguns como a geração na história, e em todo mundo, com ogicas da emergência da Geração Y como consumidora (ou seja, im- maior nível de escolaridade e formação e com maior flexibilidade de con-pactos no Marketing/Branding e Relação com Stakeholders) e tam- ceitos e, portanto, menor nível relativo de preconceitos.bém como força de trabalho (ou seja, impactos na Gestão do Traba-lho e Recursos Humanos).  Cresceram com disponibilidade tecnológica e acesso instantâneo a infor- mações e foram os primeiros a adotar tecnologias como redes sociais, re-Sugerimos a leitura do artigo “Dossiê Y: Breve Manual de Compre- definindo a forma de pessoas se relacionarem entre si e com a tecnologia.ensão da Geração Y”* para maximizar a compreensão desse artigo São, portanto, o maior grupo de internautas da Web.(ver links abaixo).  Apresentam expectativas sobre as questões de responsabilidade socialMas antes, vejamos alguns dados sobre a Geração Y: corporativa, ambiental e trabalhista mais próximas ao comportamento de membros de uma ONG do que de qualquer outro grupo. Isso se reflete em  Já são considerados como o maior segmento em diversos suas demandas e ações enquanto funcionários, políticos, empresários e setores da economia mundial (volume de compras e quanti- consumidores. dade de consumidores). E-Book O Novo Mundo da Gestão de Pessoas DOM Strategy Partners | A Geração Y e suas Implicações Estratégicas 13
  • Gerindo a Geração Y – Entrevista com Tammy Erickson ( especialita em RH e articulista da Harvard Business Review) – Duração 10 min.A formação histórica e cultural dessa geração contribui para expectativas em relação ao equilíbrio vida pessoais e trabalho absolutamente diferentes das ge-rações anteriores.Abaixo os principais impactos na Gestão do Trabalho e Recursos Humanos: E-Book O Novo Mundo da Gestão de Pessoas DOM Strategy Partners | A Geração Y e suas Implicações Estratégicas 14
  • Por outro lado, os hábitos e expectativas de consumo destes indivíduos estão mais relacionados à experiência e envolvimento/participação social do que aoproduto em si. A importância real está no conteúdo e no valor desta experiência. E, além disso, esperam que as organizações assumam mais responsabilidadenas grandes questões mundiais.Todas essas perguntas e suas respostas adjacentes se relacionam a algo maior. Como preparar a organização para o futuro? Onde estará o valor no futuro?Como serão as organizações do futuro? E, ainda mais importante como tudo isso se relaciona?E, por compreender isso é que temos atuado como uma das principais vozes no País a defender a idéia de Intangíveis**. Estamos convictos de que “mesmosmodelos X variáveis diferentes = conta que não fecha”.Entre em contato conosco para saber mais sobre nossas metodologias e soluções: contato@ec-corp.com.br . E-Book O Novo Mundo da Gestão de Pessoas DOM Strategy Partners | A Geração Y e suas Implicações Estratégicas 15
  • Sugestões de leitura:* http://www.domsp.com.br/midia/ultimos-artigos/dossie-y-breve-manual-de-compreensao-da-geracao-y/?searchterm=gera%C3%A7%C3%A3o%20y** http://www.domsp.com.br/midia/noticias/intangiveis-o-verdadeiro-oceano-azul-das-empresas-1/?searchterm=o%20verdadeiro%20oceano%20azul*** http://www.e-consultingcorp.com.br/midia/ultimos-artigos/anywhere-office E-Book O Novo Mundo da Gestão de Pessoas DOM Strategy Partners | A Geração Y e suas Implicações Estratégicas 16
  • Como Web 2.0 Vem Influenciando a Relação entre Empresas e Funcionários? Como Web 2.0 Vem Influenciando a Relação entre Empresas e Funcionários?E-Book O Novo Mundo da Gestão de Pessoas DOM Strategy Partners | Como Web 2.0 Vem Influenciando a Relação entre Empresas e 17 Funcionários?
  • A Web teve impactos sensíveis na alteração do comportamento de  Sejam positivas, sejam negativas, todas estas participações têm impacto nadiversas relações corporativas em voga. Para as funções de Recur- credibilidade e alinhamento interno e já surgem diversos cases de susten-sos Humanos (RH) não poderia ser diferente. O mercado consumi- tação e degradação desses pilares a partir dessas redes sociais internas,dor e a própria concorrência vem forçando as empresas a participar  As transações online se fixaram definitivamente e hoje são um meio essen-das tais Redes Sociais e dos novos recursos que a Web 2.0 vem dis- cial de agilizar e integrar empresas e colaboradores, desde questões maisponibilizando. Por outro lado, as empresas incorporaram em seu diretas, como salários e colaborações em grupos de projetos, até clubes deecossistema digital interno uma série de funcionalidades que mu- fidelidade e mercados colaborativos internos. Estes recursos estão se ex-daram a maneira das pessoas/funcionários trabalharem e se relaci- pandindo, hoje já se fala em M-commerce, TV-commerce e Social-onarem. commerce via redes sociais.Por isso, pode-se dizer que a Web2.0 vem reescrevendo as regras Dessa forma, os times de RH precisam estar preparados para isso:de gestão e governança internas nas companhias, pois:  Definindo políticas, modelos de gestão e operação alinhados à cultura cor-  Coloca o digital no mapa Multicanal das Relações Empre- porativa e, ao mesmo tempo, transformando o digital e a colaboração em sas-Funcionários lentes internas de atuação e decisão,Definitivamente, os novos canais digitais, online e colaborativos  Suportando processos nestes ambientes novos, integrando equipes e ti-estão no radar das novas estratégias corporativas. Não se pode mes, co-construindo projetos e soluções e, portanto, sendo capaz de en-mais ignorar estes ambientes como recursos de relacionamento, tender e ativar gatilhos e skills,transações e comunicação com os funcionários.  Incorporando aos processos de recrutamento e seleção uma rotina siste-Seja em ambientes próprios, seja em ambientes públicos ou ainda mática de checagem de capacidade de interação com estes meios, hoje in-em ambientes de terceiros, é fundamental se estimular a colabora- contornáveis, tanto na atração de talentos, via comunicação, como no mo-ção e o engajamento a partir destes ambientes: nitoramento e categorização de oportunidades. E-Book O Novo Mundo da Gestão de Pessoas DOM Strategy Partners | Como Web 2.0 Vem Influenciando a Relação entre Empresas e 18 Funcionários?
  • Demanda a formalização de Códigos de Conduta em ambientes sociais/digitais, a fim de mitigar os riscos advindos da utilização dessas mídiasEm paralelo, estes recursos sociais (que são essencialmente colabo- entre vida pessoal e profissional e abrindo ao “mercado” as entranhas corporati-rativos) mudaram os hábitos e colocaram recursos colaborativos vas e seus segredos.e/ou de compartilhamento de todos os formatos disponíveis na A orgia atual pela utilização destes recursos, somada à imaturidade dos emprega-ponta do mouse de qualquer usuário simples de um computador. dos no seu uso, tem feito com que diversos excessos fossem cometidos por funci-Desta maneira, praticamente qualquer um (e isso só piora com os onários nestes ambientes, compartilhando publicamente situações de trabalhorecursos de dispositivos móveis) tem a possibilidade de colocar que deveriam ficar restritas, ou expondo de maneira excessiva suas vidas particu-para o mundo suas opiniões, fotos e vídeos, quebrando a fronteira E-Book O Novo Mundo da Gestão de Pessoas DOM Strategy Partners | Como Web 2.0 Vem Influenciando a Relação entre Empresas e 19 Funcionários?
  • lares criando situações de difícil solução, ou ainda respondendo publicamente por suas empresas, mesmo sem te convocatória para tal.Fortalece a necessidade de se redefinir as regras de segurança e as responsabilidades da empresa e dos colaboradoresAdicionalmente, estes recursos ainda podem permitir que dados De maneira global, mesmo que representando crime com pena bem definida, ae/ou informações criticas do ambiente de trabalho vazem (literal- Web é um caminho de flexibilização das Regras de Segurança da Informação quemente) para o domínio público. De maneira complementar, estas as empresas demoraram tanto a conseguir dominar e que, a partir de agora, sãofuncionalidades viabilizam a transferência para uso pessoal de do- alvos fáceis da contra governança.cumentos que deveriam ser da empresa. E-Book O Novo Mundo da Gestão de Pessoas DOM Strategy Partners | Como Web 2.0 Vem Influenciando a Relação entre Empresas e 20 Funcionários?
  • Ademais, a Web 2.0 vem incrementando a forma como os candida- tos se relacionam com as empresas e vice-versa, pois possibilitam:A submissão da candidatura online e ter capacidade de utilizar ferramentas digitaisPraticamente nenhuma empresa recebe mais currículos em papel. plodiram as oportunidades e o mercado para sites especializados em divulgaçãoEm todos os sites de grandes empresas, fica disponível um formulá- de currículos, redes de conexão de profissionais e ferramentas de exposição dario para preenchimento dos campos básicos de um currículo. Ex- experiência pessoal.A utilização de E-Learning E-Book O Novo Mundo da Gestão de Pessoas DOM Strategy Partners | Como Web 2.0 Vem Influenciando a Relação entre Empresas e 21 Funcionários?
  • O formato de transmissão de conhecimento também evoluiu. Todo ção e interação. Por conseqüência, não seria muito diferente em ambiente corpo-tipo de formação, da mais técnica ou operacional à mais abstrata e rativo que, até se apoiando nestas instituições, desenvolveram universidades cor-acadêmica, encontra em ambientes digitais os suportes necessários porativas e programas específicos e interativos de transmissão tanto de conheci-para formatação e verificação de conhecimento. mento interno, quanto de formação e evolução pessoal para seu corpo de empre- gados.Antes visto com certo desprezo, hoje existem cursos em universi-dades de grande prestígio no formato online. Estes ambientes per-mitem altíssimo grau de multiplicação de conhecimento, colabora- E-Book O Novo Mundo da Gestão de Pessoas DOM Strategy Partners | Como Web 2.0 Vem Influenciando a Relação entre Empresas e 22 Funcionários?
  • Transformam a vida online em parte ativa do currículo de cada candidatoPor fim, mas não menos importante, se por um lado os ambientes maneira positiva, como transformarem em um enorme risco para ambos.2.0 são um risco para as empresas, por outro também são um palco A Web é o vidro da vitrine onde cada um expõe o produto que lhe convêm. Pontode exposição para os candidatos. As equipes de RH usam extensa- a menos para as empresas que precisam, hoje em dia, colocar a vitrine na mãomente as Mídias Sociais para conhecer melhor seus proponentes. dos seus empregados. Ponto a mais para os empregados e consumidores que ree-A Web 2.0, com suas Redes Sociais, é um palco repleto de riscos e quilizaram as relações de força e liberdade com as empresas. Que ninguém atireoportunidades para empresas e empregados utilizarem tanto de pedras! E-Book O Novo Mundo da Gestão de Pessoas DOM Strategy Partners | 23
  • Renovação YA vida se traduz em ciclos de alternância de polaridades. A história vistas. Ao contrário de uma revolução à força, que gera desgaste e atrito, a evolu-está aí para mostrar que impérios se erigem e sucumbem, movi- ção deste mesmo mindset ocorrerá de forma natural e fluida, por substituição dosmentos sociais declinam e emergem. Que o mal substitui o bem profissionais inaptos a compreender os desafios e oportunidades por aqueles queque o precedeu e que o sucederá recorrentemente. Que a vida nas- nasceram, cresceram e aprenderam a lidar, com espontaneidade, com o novoce morre e renasce em gerações, perpetuamente. contexto, sob novos conceitos.Trazendo este raciocínio universal para a perspectiva limitada aos Novos conceitos como a compreensão da dinâmica dos relacionamentos humanosnegócios, a renovação desencadeada pela Geração Y parte da pre- e, por paralelismo, corporativos, de forma sistêmica e em perspectiva de redes,missa que as ações que trouxeram resultados com maior freqüên- que derivam claramente da evolução e disseminação da Internet e de suas comu-cia e intensidade na geração passada tendem a não ter a mesma nidades temáticas e de relacionamento.perspectiva de sucesso, pois o contexto de sua aplicação muda, Se uma empresa é um conjunto de colaboradores com um objetivo comum, damudou e continuará a mudar em uma recorrência cada vez mais mesma forma é uma rede, porém com características que potencializam e apro-acentuada. Em outras palavras, a entrada de novas gerações no fundam o alcance de tais objetivos - uma vez que a crença de seus participantesmundo dos negócios trará, naturalmente, a renovação de crenças, tende a ser genuína por emanar de contextos abertos que fomentam a auto iden-valores e premissas tomadas como verdadeiras em decorrência do tificação, o senso de pertencimento e incentivam a pro atividade.processo constante de experimentação. No contexto das redes, cada profissional escolhe quais os líderes e expoentes irãoConforme talentos e colaboradores diferenciados performam traje- seguir e se conectar nos temas de seu interesse. E considerando a tendência detórias meteóricas de ascensão profissional, as crenças e valores que descentralização do capital e sua consequente disseminação através das redes,residem na essência do mindset de estratégia e gestão das empre- desenvolver novos modelos de negócio vencedores - que irão irrigar e drenar osas de hoje são diretamente confrontadas por novos pontos de E-Book O Novo Mundo da Gestão de Pessoas DOM Strategy Partners | Renovação Y 24
  • que cada rede tem de melhor - é o grande desafio que os partici- Imagine o seguinte cenário: em 10 anos, 2020, quando a grande maioria da mão-pantes desta nova economia enfrentarão com cada vez mais inten- de-obra será formada por profissionais de perfil Y, provavelmente não teremos asidade. mesma necessidade (ou possibilidade) de estar diariamente em um mesmo local, no mesmo período. A flexibilidade trazida pela comunicação e presença anywhereA grande diferença é que a nova geração, a Geração Y, tem mais vai romper definitivamente com o conceito de espaço e tempo: o tempo será ochances de ter em seu poder as respostas para estas novas e intri- sempre e o espaço qualquer um, desde que seja possível se conectar com os de-gantes questões. Porém, engana-se quem pensa que a Geração Y só mais.prosperará em função de seu domínio dos meios, canais, ambientese veículos digitais, instantâneos, interativos e interconectados. Mas a essência deste cenário futuro não é tecnológica, mas sim humana, e exigirá novos formatos de relacionamento pautados em graus elevados de credibilidade eA nova geração traz, em sua personalidade, virtudes que se expres- reputação, para só assim reduzir a demanda pelo contato pessoal (quem sabe atésam em modelos de atuação e tomada de decisão, como os que o antigo termo “fio de bigode”, utilizado para tratar da idoneidade e da firmeza daintegram os pilares econômico, social e ambiental e a visão 360º palavra dos negociantes, volte à moda). Para uma geração que aprendeu a se so-dos diversos stakeholders e seus pontos de vista envolvidos em cializar de forma remota, isto não parece ser um problema, em tese. Mas podedeterminada situação. Adicionalmente, novas propostas, objetivos ser...e missões – hoje alocadas no cluster de metas impossíveis, utópicasou loucas – que empresas e indivíduos passarão cada vez mais a se Por estas e outras questões, a revolução nos negócios que a Geração Y trará écomprometer e se responsabilizar, fogem do horizonte de visão e daquelas que faz os inaptos (independente de idade e geração) se sentirem velhosda compreensão de “onde” é possível se chegar (lembrando que o e os destinados entusiasmados com os desafios a serem superados. O que não élema “shoot on the moon” se mantém em aplicação). nenhuma novidade. É a vida. E-Book O Novo Mundo da Gestão de Pessoas DOM Strategy Partners | 25
  • Planejando o Auto-Treinamento. Sua Carreira e seu Futuro AgradecemQuando falamos de treinamento somos remetidos à ideia do trei- É realmente muito bom quando uma empresa oferece treinamento aos seus fun-namento corporativo que as empresas costumam oferecer aos seus cionários porque os estimula a adquirir novas habilidades e os permite conhecerfuncionários. Mas e, além disso... aonde podemos chegar? melhor sobre o mercado em que atuam, sobre técnicas e metodologias, sobre tendências, etc. Mas se a empresa não oferece raros treinamentos internos ouMuitas empresas, atentas às necessidades de formação, capacita- nem mesmo incentiva os colaboradores a participarem de eventos externos rela-ção e evolução qualitativa de seus colaboradores, criaram rotinas cionados à área, você não deve deixar isto afetar a sua carreira profissional.de financiamento, subsídio e até premiação com cursos, seminá-rios, palestras, pós-graduções e MBAs externos, quando não orga- O profissional completo é aquele que consegue oferecer à empresa conhecimen-nizam tudo isso dentro de casa mesmo, inclusive com as chamadas tos adquiridos ao longo da carreira e que consegue extrair da empresa novas ex-universidades corporativas. Mas e você? Se a empresa na qual você periências que o farão crescer profissionalmente. É preciso eliminar o pensamentotrabalha não tem o treinamento como foco no momento ou então de que tudo vai cair em nossas mãos e passarmos a resolver nossos problemas,não vê valor nesta atividade, a pergunta é: O que você está fazendo pois somos, de fato e de direito, responsáveis pela nossa carreira.para se diferenciar no mercado? Por este e outros motivos, precisamos nos questionar o que estamos realmentePodemos dizer que o profissional de hoje é muito mais receptivo do fazendo para alavancar nosso futuro. E é aí que entra a questão do auto treina-que ativo, ou seja, ele espera muito mais da empresa do que a em- mento pessoal. O que é o treinamento pessoal? Nada mais é que um treinamentopresa pode realmente oferecer a ele. É preciso enxergar que os planejado e custeado por cada profissional, que independe exclusivamente datempos mudaram e que para o profissional se diferenciar dentro da visão-condução de terceiros. É o profissional com sua carreira e seus objetivos deprópria empresa em que trabalha - e no mercado, em geral - ele vida.precisa correr atrás da sua carreira mais rapidamente do que seus É mais difícil planejar um treinamento pessoal? Com certeza, principalmente por-competidores correm atrás de suas carreiras – e da carreira dele! que há custos envolvidos e a chance de erros ou adoção de caminhos, modelos eE-Book O Novo Mundo da Gestão de Pessoas DOM Strategy Partners | Planejando o Auto-Treinamento. Sua Carreira e seu Futuro Agradecem 26
  • metodologias erradas é grande. Afinal, o único responsável é você rer outro risco – mais letal ainda – de se estar ultrapassado no mercado de traba-mesmo! Mas é um risco que precisa ser assumido para não se cor- lho e perder boas oportunidades. E-Book O Novo Mundo da Gestão de Pessoas DOM Strategy Partners | 27
  • As Gerações e a Gestão de PessoasA gestão de pessoas torna-se mais complexa a cada geração. Os Quais os contextos do ambiente e as tendências de cada época? Quais os princi-modelos de gestão de pessoas estão intimamente ligados às atitu- pais desafios e as soluções encontradas? Há muito com o que aprender olhandodes da sociedade em relação ao trabalho, à evolução do arcabouço para trás.jurídico-trabalhista e também às tendências sociais e tecnológicas Mas antes, um breve olhar sobre as gerações nascidas desde a Segunda Guerrade cada tempo. Mundial.Como a atividade tem se desenvolvido desde os babyboomers atéos dias atuais? E-Book O Novo Mundo da Gestão de Pessoas DOM Strategy Partners | As Gerações e a Gestão de Pessoas 28
  • E-Book O Novo Mundo da Gestão de Pessoas DOM Strategy Partners | As Gerações e a Gestão de Pessoas 29
  • E-Book O Novo Mundo da Gestão de Pessoas DOM Strategy Partners | As Gerações e a Gestão de Pessoas 30
  • De forma geral, visto estes quadros extremamente resumidos e No entanto, desde os babyboomers uma revolução vem ocorrendo e novas for-longe de serem exaustivos, pode-se perceber que a gestão de re- mas de se organizar e motivar têm sido utilizados para incrementar a produtivida-cursos humanos percorreu um longo caminho desde os dias de de e, mais recentemente, a criatividade e colaboração dos funcionários. Essa revo-Henry Ford, quando se pensava que pessoas relativamente sadias, lução de modo algum terá um fim.sob orientação de supervisores, eram o necessário para manter as À medida que a própria sociedade evolui e novas teorias vão sendo desenvolvidas,linhas de produção funcionando. dogmas serão questionados e novos modelos de gestão terão que ser moldados, para que as organizações humanas continuem evoluindo. E-Book O Novo Mundo da Gestão de Pessoas DOM Strategy Partners | 31
  • Os Talentos como Principal Ativo de Valor CorporativoTornou-se senso comum dizer que a evolução humana dos últimos O ponto ótimo dessa relação se dá tanto pelo tipo de modelo cultural construído –50 anos dificilmente se compara com outros momentos históricos em quais premissas este se baseia -, como compreende a natureza humana e suasem termos da quantidade e qualidade do conhecimento e das ino- aspirações e comportamentos, quão alinhada com os aspectos relevantes da iden-vações desenvolvidas, sejam elas nas relações humanas ou nos tidade de cada indivíduo, de sua sociedade e país, dentre outros. A integração emeios, ambientes e experiências que a suportam, especialmente correlação do modelo cultural com o modelo de negócio da empresa é fator de-quando falamos de tecnologias. terminante.Tanta evolução e crescimento curiosamente contrasta com a utili- Porém, não basta possuir um amplo arcabouço conceitual, teórico, filosófico ezação de ferramentas de gestão de desempenho, performance, antropológico se a matéria viva que faz o modelo cultural existir, ou seja, os funci-resultados e valor de recursos humanos dos mesmos 50 anos atrás. onários da empresa, não tiverem o perfil (identidade), maturidade e competênciasOu seja, o ser humano, em seu papel profissional, acompanhou a necessárias.evolução dos modelos de negócio e modelos culturais; porém tal Um elemento não vive sem o outro: não há empresa apenas com modelo culturalevolução aconteceu de forma paralela e independente. aperfeiçoado e funcionários não identificados, que o encaram como um sonho ouMas, curiosamente, a aderência entre os valores pessoais dos fun- utopia descolada da realidade – ou pior, como discurso vazio e até hipócrita – ecionários de uma empresa e sua cultura corporativa (visão, missão, nem funcionários competentes e profissionais sem vínculos culturais e crençasvalores, etc) é fator crítico para o sucesso atual das corporações. que os uma e oriente.Quanto maior este alinhamento, maior a capacidade da empresa Assim como o Capital Humano é a base para todos os ativos ditos intangíveis dede gerar engajamento, energia e motivação de seus funcionários uma determinada companhia, o perfeito encaixe e sincronicidade entre Talentos eem atingir um determinado objetivo, por mais ambicioso ou “im- Modelo de Gestão de Pessoas é a base para a construção de todo e qualquer valorpossível” que este possa parecer em um primeiro momento. E-Book O Novo Mundo da Gestão de Pessoas DOM Strategy Partners | Os Talentos como Principal Ativo de Valor Corporativo 32
  • de uma empresa. Tal valor seja tangível ou intangível, em última Um modelo de Gestão do Valor dos Talentos, que considere variáveis como novosinstância, é o objetivo maior de qualquer organização com fins lu- modelos de trabalho, alinhamento de valores empresa-funcionário, transparênciacrativos. e comunicação eficaz, mensuração de performance, associação de ganhos empre- sa-funcionário, multiplicidade de papéis, maximização do uso do conhecimento,Conforme as empresas evoluem na compreensão de seu papel e desenvolvimento de redes colaborativas, dentre outros, não é mais um ideal ouimpacto no entorno de negócios, a Sustentabilidade - como o con- tendência a ser avaliada.ceito que representa e traduz a compreensão sistêmica (da empre-sa e consequentemente do funcionário) sobre si mesmo como insti- Ao contrário, esses itens devem, cada qual a seu modelo, profundidade e formato,tuição/indivíduo, em relação aos seus diversos papéis e em seus de acordo com a cultura, mercado e estratégia corporativa, ser tratado como ve-relacionamentos, sejam eles clientes, fornecedores, acionistas ou tor fundamental para a competitividade da empresa e sua evolução como organi-demais funcionários – assume claramente o papel fundamental de zação social e produtiva.potencializar este valor corporativo e de seus talentos. E-Book O Novo Mundo da Gestão de Pessoas DOM Strategy Partners | 33
  • A Importância do Engajamento Pessoal para as Organizações que AprendemAtualmente, muito se fala nos diferenciais ou vantagens competiti- possuir as capacidades necessárias e um arsenal de conhecimento prévio acercavas proporcionadas pela gestão do conhecimento, pela enorme do tema ou assunto para aproveitá-las, certamente os melhores resultados nãoquantidade, variedade e facilidade de acesso a informações, pelas serão alcançados.redes digitais, colaboração, interação e outras formas de se adquirir O processamento humano de dados e informações sob um racional próprio (po-maior capacidade competitiva pelo investimento em sistemas, pla- rém adquirido, aprendido de diversas formas ou formatos) é que produz o conhe-taformas e modelos de gestão e organização destes ativos do Co- cimento de valor. A capacidade de utilizar o conhecimento em prol da competiti-nhecimento. vidade para as empresas não reside somente em modelos de gestão, bancos deSem tirar o valor intrínseco de cada um deles, assim como da im- dados, ferramentas, ambientes ou qualquer outro “device” que não o próprio serportância e vantagens em se desfrutar de ambientes, redes e fer- humano.ramentas que proporcionem níveis de relacionamento, troca de Todo este ferramental (tecnológico, digital) fundamentado ou não em processosdados, informações e/ou análises, há outro fator que faz toda a estruturados de gestão da informação e do relacionamento facilitam o acesso,diferença, antecedendo e acompanhando todos os momentos do assim como podem promover uma grande aceleração no uso e beneficiamentouso conhecimento nas empresas, assim como no processo de inte- dos dados e informações vindas dos diferentes ambientes, o que produz conheci-ração entre pessoas: a capacidade de aprender. mento agregado; porém, não se constituem no todo necessário para que umaUma pessoa pode até receber mais informações e se relacionar organização torne-se uma empresa que aprende ou uma Learning Organization,melhor graças à tecnologia da informação, à massificação do acesso segundo conceito criado por Peter Senge.a ambientes digitais colaborativos, à mobilidade proporcionada por “A pessoa consegue realmente aprender algo mais com uma informação novadispositivos conectados a Web e outros benefícios, mas, se não quando já sabe muito a respeito de um assunto (Peter Senge).” E-Book O Novo Mundo da Gestão de Pessoas DOM Strategy Partners | A Importância do Engajamento Pessoal para as Organizações que 34 Aprendem
  • Quanto mais uma pessoa conhece de algo, maiores serão as possi- presa que seu desenvolvimento e aprendizado tragam resultados positivos acababilidades de análises, agregações e variações de resultados em seu por promover um clima de cooperação e sentimento de participação que tende aprocesso de interação com este algo. Na medida em que a capaci- promover melhores resultados para todos os envolvidos.dade de aprendizagem de uma empresa é fundamentalmente asso- Em uma empresa, a aprendizagem está relacionada aos seus grandes desafios,ciada à capacidade de aprendizagem de seus colaboradores, de seu metas e objetivos e a maior parte das pessoas é motivada a aprender por estarcapital humano e intelectual, passamos a lidar com aspectos mais comprometida com a visão e abordagens corporativas para o atendimento dossubjetivos e personalizados a características individuais, e, princi- objetivos propostos.palmente, o engajamento com causas e valores profissionais e pes-soais que gerem uma aprendizagem em consonância com seus da Para Peter Senge, se as pessoas acharem que o único objetivo da empresa é ga-companhia e do indivíduo. nhar dinheiro, provavelmente deixarão de assumir qualquer compromisso. To- mando-se como referência seu livro “A Quinta Disciplina”, o autor propõe que se aAinda segundo Peter Senge “as organizações que aprendem são companhia conseguir o engajamento das pessoas, seu próximo passo é fomentaraquelas nas quais as pessoas aprimoram continuamente suas capa- a capacitação para as cinco disciplinas de aprendizagem no modelo de gestão docidades para criar o futuro que realmente gostariam de ver surgir.” aprendizado, a saber: domínio pessoal, modelos mentais, visão compartilhada,O aprendizado sempre acontece quando as pessoas estão de frente aprendizado em equipe e pensamento sistêmico.a questões essenciais ou se vêem diante de desafios que lhes moti- “A primeira disciplina é o domínio pessoal. Significa aprender a expandir as capa-vam. Neste aspecto, as empresas têm um importante papel a de- cidades pessoais para obter os resultados desejados e criar um ambiente empre-sempenhar, principalmente no que tange ao compartilhamento sarial que estimule todos os participantes a alcançar as metas escolhidas;e/ou construção de sua visão, missão e valores corporativos, assimcomo na comunicação da importância e contribuição de cada uma A segunda disciplina, que chamo de modelos mentais, consiste em refletir, escla-das áreas e pessoas para o atingimento dos objetivos propostos. recer continuamente e melhorar a imagem que cada um tem do mundo, a fim de verificar como moldar atos e decisões;A prática diária de ações e atitudes que deixem clara a importânciaque cada um tem e o quanto é importante a pessoa e para a em- E-Book O Novo Mundo da Gestão de Pessoas DOM Strategy Partners | A Importância do Engajamento Pessoal para as Organizações que 35 Aprendem
  • A terceira disciplina, visão compartilhada, é estimular o engaja- ender as forças e inter-relações que modelam o comportamento dos sistemas. “Émento do grupo em relação ao futuro que se procura criar e elabo- essa quinta disciplina que permite mudar os sistemas com maior eficácia e agirrar os princípios e as diretrizes que permitirão que esse futuro seja mais de acordo com os processos do mundo natural e econômico.”alcançado; O aprendizado ocorre em todas as empresas, independentemente de sua localiza-A quarta disciplina, aprendizado em equipe, está em transformar ção, setor ou ramo de atividade. O que existe são empresas que possuem níveisas aptidões coletivas ligadas a pensamento e comunicação, de ma- diferentes de maturidade organizacional, repercutindo diretamente na utilizaçãoneira que grupos de pessoas possam desenvolver inteligência e como diferencial competitivo de seus ativos intelectuais. Muito mais do que pro-capacidades maiores do que a soma dos talentos individuais; ver informações e dados de forma estruturada e organizada, a real diferença do conhecimento corporativo se tangibiliza na capacidade e na qualidade da utiliza-E, finalmente, a quinta disciplina, pensamento sistêmico, é criar ção e agregação de valor a ele, pela empresa e, principalmente, pelos seus colabo-uma forma de analisar e uma linguagem para descrever e compre- radores. E-Book O Novo Mundo da Gestão de Pessoas DOM Strategy Partners | 36
  • Duas das Competências Mais Críticas dos Mais CompetentesExiste uma fórmula única para o sucesso profissional? Certamente profissionais. Estes temas são respectivamente o Coaching e a Andragogia.que não. No entanto, existem inúmeras listas com várias compe- Antes de iniciarmos, é importante saber que temos como premissa que um profis-tências que seriam comuns as pessoas de sucesso. sional de alta performance é aquele capaz de entregar simultaneamente (dentreO objetivo deste artigo não é compilar ou analisar mais uma destas outras coisas) o seguinte:listas com atributos, comportamentos ou competências desejáveis Resultados superiores para a empresa epara se alcançar o sucesso profissional. Formação de outros profissionais de alta performance.No entanto, é salutar fomentar a discussão sobre 2 temas que nosparecem importantes nos debates acerca da alta performance deSem mais delongas, vamos aos 2 temas:1. Os Mais Competentes praticam Coaching sistematicamente Resultados são alcançados por meio de pessoas. E quanto mais brilhantes, moti- vadas e preparadas estas pessoas forem, melhores serão seus resultados. E-Book O Novo Mundo da Gestão de Pessoas DOM Strategy Partners | Duas das Competências Mais Críticas dos Mais Competentes 37
  • Desta forma, o indivíduo que se assume como um coach dos de- ticulares de ensino e aprendizagem de adultos. Embora este fato pareça óbvio,mais membros de sua equipe está contribuindo para a alta perfor- somente no início do século passado passou a ser um tema de estudos recorren-mance em suas 2 dimensões; ou seja, em resultados superiores e tes. O tema está amparado em alguns princípios:formação de novos profissionais também competentes. Auto-conceito e motivação para aprender – Os adultos precisam saber por queA razão disto é que o coaching promove o autoconhecimento, a eles estão sendo ensinados e precisam estar envolvidos no planejamento de suamaturidade e a evolução dos indivíduos por meio do aprendizado e instrução.da elaboração de metas. O coaching torna-se ainda mais importan- Independência – Adultos têm restrições a situações em que percebem que os ou-te quando associado ao tratamento sistemático das causas-raiz dos tros estão impondo sua vontade sobre eles.problemas de desempenho de um profissional. Experiência – A capacidade de utilizar a experiência pessoal (inclusive erros) dos2. Os Mais Competentes reconhecem que adultos diferentes adultos – discussões em grupo, simulação, estudos de caso – serão mais eficazesaprendem de forma diferente (Andragogia) do que as técnicas de transmissão “professor x aluno”.Como derivada do coaching, não podemos deixar de falar da an- Prontidão – Adultos são mais interessados em aprender as tarefas que têm rele-dragogia. Este ramo do conhecimento estuda as características par- vância imediata para seu trabalho ou vida pessoal. E-Book O Novo Mundo da Gestão de Pessoas DOM Strategy Partners | Duas das Competências Mais Críticas dos Mais Competentes 38
  • Além dos benefícios em nível individual, os executivos que reco- Desta forma, estas pessoas irão reagir de encarar a situação em questão de umanhecem os aspectos da andragogia são capazes de motivar, treinar forma mais aberta, positiva e flexível e, principalmente, serão capazes de se con-e direcionar suas equipes com maior eficácia. Isto se dá pelo fato centrar mais nos problemas do que nas situações.de que o estilo andragógico mostra aos liderados que suas experi- Naturalmente, esta discussão não é exaustiva (e nem se propõe a ser) e, em razãoências são valorizadas. disto, convidamos nossos leitores a compartilhar suas opiniões e experiências na seção de comentários. E-Book O Novo Mundo da Gestão de Pessoas DOM Strategy Partners | Duas das Competências Mais Críticas dos Mais Competentes 39
  • Os artigos deste e-book fazem parte da série de artigos disponibilizados nas newsletters da DOM Strategy Partners (www.domsp.com.br). Os textos são produzidos pelos analistas do SRC (Strategy Research Center) do Grupo ECC e por seus sócios e consultores. Fale conosco pelo email contato@ec-corp.com.br Os artigos deste e-book, assim como todo seu conteúdo, está sob licença Creative Commons E-Book O Novo Mundo da Gestão de Pessoas DOM Strategy Partners | Duas das Competências Mais Críticas dos Mais Competentes 40