• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Aspectos técnicos de iluminação
 

Aspectos técnicos de iluminação

on

  • 2,150 views

Aspectos técnicos da iluminação para estúdio e externas

Aspectos técnicos da iluminação para estúdio e externas

Statistics

Views

Total Views
2,150
Views on SlideShare
2,150
Embed Views
0

Actions

Likes
2
Downloads
126
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Aspectos técnicos de iluminação Aspectos técnicos de iluminação Presentation Transcript

    • Aspectos Técnicos da Iluminação
      MSc.Dorneles Daniel Barros Neves
    • Estruturada aula
      Trêsetapas
      Ajustesnafonte de iluminação
      Ajustespara o registrodailuminação
      Esquemas de Iluminação
    • Qual o objetivodailuminação?
      O objetoousualuzrefletida?
      Permitirque a câmeraregistreseuambiente
      Funçõesestéticas
      Criação de emoções
      Alegria
      Suspense
      Simulardiaounoite
    • Daluzpara o pixel
      O CCD (charged-coupled device) transforma o brilho e a intensidadedaluzemimpulsoselétricos.
    • Intensidade
      A intensidade de umaluzpode ser medida de duasmaneiras:
      Watts: medida de intensidade de um dispositivo de iluminação
      Luxou Foot-Candle: medida de intensidade de luzincidente
    • Fotômetro
    • Qualidadeda Luz
      Luz duraoudireta
      Iluminaumaárearelativamentepequena
      Possui um facho de luzbemdefinido
      Sombrasdensas e bemdefinidas
    • Qualidadeda Luz
    • Qualidadeda Luz
      Luz difusa
      Iluminaumaárearelativamentegrande
      Facho de luzabrangente
      Sombrassuaves e poucodensas
    • Qualidadeda Luz
    • Qualidadeda Luz
      Falloff
      “é a velocidadeque a intensidadedaluzdiminui”
      Zettl
      É a transição de umaáreailuminadaparaumaáreaescura
    • Qualidadeda Luz
    • Equipamento de estúdio
    • Spot
      Produzluzdirecional com o fachobemdefinido
      Luz direcional (dura)
      Iluminaumaárearelativamentepequena
      Sombrasdensas e bemdefinidas
    • Spot
      Tipos de equipamentos
      Spotlight Fresnel
      Spotlight Elipsoidal
    • flood
      Do inglês: dilúvioouinundação
      Luz difusa
      Iluminaumaárearelativamentegrande
      Produzluzdifusa com o fachoabrangente
      Sombrassuaves e poucodensas
    • flood
      Tipos de equipamentos
      Scoop
      Refletorem “V”
      Fluorescente
    • Acessórios
      Suportes de tetosfixos e móveis
      Barn Doors
      Rebatedores
      Gelatinas
      Cookies
    • Acessórios
    • Características
      Vantagens
      Sistemaelétricoadequado
      Sistema de suporte de teto
      Limitações
      Alto consumo de energia
      Movimentação
    • Dimmer
      É um sistema de suporte e gerenciamento de iluminação
      “com um dimmer é possívelmanipularcadaluz, ou um grupo de luzes, paraqueimaremdeterminadaintensidade, desdedesligadasatésuapotênciamáxima” Zettl
    • Dimmer
    • Características
      Vantagens
      Permiteprogramar e salvaresquemas de iluminaçãoemsuamemória
      Facilita o gerenciamento de diversasfontes de luz
      Limitações
      Aodiminuir a voltagem as lâmpadastendem a ter a suatemperatura de coralterada
    • Equipamento de externas
    • Spot
      Spots com lentes
      “Tem o seufacho de luzfocadoporlentesaoinvés de um refletor” John Jackman
      Spots abertos
      “permitemajustar o focomovendo a lâmpadaparafrenteouparatrás. Quandonafrentegera um fachomaisabrangente, quandoatrástorna-se um fachomaisdefinido.” John Jackman
    • Spot
      Tipos de equipamentos
      Spot aberto
      Fresnel portátil
    • Flood
      Essetipo de iluminação é preferívelemambientesexternosemrelaçãoaosraiosbemdefinidos de umaluz spot
      “externasprecisam de o máximo de luzuniforme com o mínimo de instrumentos e o mínimo de consumo de energia” Zettl
    • Flood
      Tipos de equipamentos
      Refletorem “V”
      Softbox
      LED
    • Luz naCâmera
      Existemalgunsmodelos de lumináriasquepodem ser embutidassobre a câmera
      São relativamentepequenas
      Podem ser alimentadaspelabateriadacâmeraououtrasbateriasexternas
      Produzemumailuminaçãoplana (flat)
    • Luz naCâmera
    • Acessórios
      Tripés
      Geradores de energia
    • Acessórios
      Rebatedores
      Barn Door
    • Características
      Vantagens
      Portabilidade
      Podemvariar de durasparadifusas com facilidade
      Limitações
      Dependem do sistemaelétricodisponívelnalocação
      Menorintensidadeque as luzes do estúdio
    • AJUSTES e Calibragem
    • Contraste
      É a comparação entre a áreamaisclara e a maisescuradaimagem
      É medido a partirdaluzrefletida
      Determina-se a taxa de contraste
      Diferentesmídiasreproduzemdiferentestaxas de contraste
      OlhoHumano 1000:1
      Película 250:1
    • Contraste
      Emgeraloslimites de contrastesestãoem 7,5 IRE e 100 IRE* paraalémdesteslimitesjáháinformaçãosendoperdida.
      *Institute of Radio Engineers
    • Contraste
      Pode ser ajustado:
      Alterando a intensidade das fontes de iluminação
      Alterandooselementosmaisreflexivos
      Ajustando a exposição
    • Exposição
      Ajustando a exposiçãopodemos:
      Diminuir a exposição: as áreasmaisclarassão sub-expostas, masperde-se informaçãonasáreasmaisescuras
      Aumentar a exposição: as áreasmaisescurasficammelhordefinidas, masintensifica-se o brilhoemáreasmaisclaras
    • Temperatura de Cor
      Nãopossuirelação com a temperaturadalâmpadanem com a temperaturapsicológicadacor
      A variação de cor de umaluz
      Kelvin (K)
      Corpo Negro
      Cor fria e cor quente
    • Escala Kelvin
      Maior a temperatura
      Maispróximo dos tons de azul
      Menor a temperatura
      Maispróximo dos tons de vermelho
    • Balanço de Branco
      É precisodizerpara o sensor o que é branco
      Indicando a temperatura de cordailuminaçãoutilizada
      Apontandoparaumasuperfíciebrancaparacalibrar o sensor fotoelétrico
    • Equilíbrio de cores
      Trabalhando com fontes de diferentestemperaturas de cor
      Pode-se usargelatinasazuisouâmbarparaequilibar as cores
      Pode-se ajustar o dimmer paracorrigir a temperatura de cor das lâmpadas
      Uso de cores dominantes
      Esperarpelahoracerta
    • Esquemas de Iluminação
    • Direção
      As posiçõesque as fontes de iluminaçãoassumememrelação à câmerapermitemlançar e/oucontrolarsombras, e contribuipara a ilusão de profundidade
    • Luz chave
      É a principal fonte de iluminação
    • Luz chave
      É a principal fonte de iluminação
    • Luz de fundo
      A luz de fundopermiteseparar a figura do fundo
    • Luz de fundo
      A luz de fundopermiteseparar a figura do fundo
    • Luz de preenchimento
      Emposiçãoopostadaluzchave a luz de preenchimento tem o objetivo de diminuir a densidade das sombrascriadaspelaluzchave
    • Luz de preenchimento
      Emposiçãoopostadaluzchave a luz de preenchimento tem o objetivo de diminuir a densidade das sombrascriadaspelaluzchave
    • Luz de set
      Ilumina o plano de fundoou set. Geralmente assume a mesmadireçãodaluzchave.
    • Luz de set
      Ilumina o plano de fundoou set. Geralmente assume a mesmadireçãodaluzchave.
    • Iluminaçãoplana (flat)
      A luzchavefica no eixodacâmera/assunto.
    • Iluminaçãoplana (flat)
    • Sol comoluzChave
      Para suavizar as sombrascriadaspelo sol um rebatedorpode ser utilizadocomoluz de preenchimento
    • Sol comoluz de fundo
      Quandocapturandoimagens contra o sol utiliza-se umaluz de preenchimentoourebatedorparasuavizar as sombras
    • Conclusão
    • Conclusão
      “o controle das propriedadestécnicas e estéticasdaluz é umadiferença entre a produção de imagememnívelamador e profissional. Esteja-se construindoumaconfiguração de iluminação num estúdiooutendo o olho e a paciênciaparacapturar a luz natural perfeita, a iluminação é umaciência e uma arte quelevaanos de práticaparadominar”
      Roberts-Breslin
    • Bibliografia
      BONÁSIO, Valter. Televisão: Manual de Produção e Direção. Leitura. 2002
      JACKMAN, John. Lighting for Digital Video and Television. Elsevier. 2010.
      ROBERTS-BRESLIN, Jan. Produção de Imagem e Som. Campus. 2009
      ZETTL, Herbert. Television Production Handbook. Wadsworth. 2009
    • slideshare
      www.slideshare.net/dodaneves