Trabalho Escrito Sobre Cultura De Girassol De MultiplicaçãO
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Trabalho Escrito Sobre Cultura De Girassol De MultiplicaçãO

on

  • 4,199 views

Trabalho Escrito Sobre Uma Cultura De Girassol De MultiplicaçãO

Trabalho Escrito Sobre Uma Cultura De Girassol De MultiplicaçãO

Statistics

Views

Total Views
4,199
Views on SlideShare
4,199
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
43
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Trabalho Escrito Sobre Cultura De Girassol De MultiplicaçãO Trabalho Escrito Sobre Cultura De Girassol De MultiplicaçãO Document Transcript

  • Escola Superior Agrária de Santarém Eng. Produção Animal Girassol de Multiplicação (Helianthus annuus) Docente: Engº João Mendes Discentes: Bárbara Cunha, nº 8007 Cláudia Alago, nº8017 Manuel Biguino, nº 8021 David Quintino, nº 2439 SANTARÉM 2009 Agricultura Geral e Máquinas Agrícolas II
  • Escola Superior Agrária de Santarém Eng. Produção Animal Agradecimentos: Queremos deixar um especial agradecimento a todas as pessoas que se mostraram disponíveis em ajudar na realização deste trabalho, especialmente ao Senhor José Palha, proprietário do terreno, e ao Professor da disciplina de Solos e Fertilidade, António Azevedo. Agricultura Geral e Máquinas Agrícolas II
  • Escola Superior Agrária de Santarém Eng. Produção Animal Índice Pág. 1. Introdução e Objectivos --------------------------------------------- 2 2. Caracterização e identificação da exploração ----------- 3 3. Condições climáticas ------------------------------------------------- 4 4. Características do solo ------------------------------------------------ 5 5. Preparação da cultura ----------------------------------------------- 7 5.1. Mobilização do terreno ----------------------------------------- 7 5.2. Pulverizador de pressão de jacto projectado --------- 8 5.3. Bicos de pulverização ------------------------------------------- 9 6. Sementeira ---------------------------------------------------------------- 11 6.1. Semeador Pneumático ---------------------------------------- 11 6.2. Órgãos dos semeadores -------------------------------------- 11 7. Itinerário técnico da cultura ---------------------------------------- 15 8. Crítica ----------------------------------------------------------------------- 16 9. Conclusão ----------------------------------------------------------------- 17 10. Bibliografia --------------------------------------------------------------- 18 Anexo 1. ----------------------------------------------------------------------- 19 1. Agricultura Geral e Máquinas Agrícolas II
  • Escola Superior Agrária de Santarém Eng. Produção Animal 1. Introdução e Objectivos: O girassol pertence à família das Compositae ou compostas, e tem como nome científico Helianthus annus - o que explica sua imponência e porte majestoso: a palavra Helianthus significa "flor do sol". Os girassóis são plantas originárias das América do Norte e América Central, cultivados pelos povos indígenas para alimentação, tendo aparecido por volta dos anos 1000 a.C. Trata-se de uma planta robusta e muito resistente, que floresce na Primavera e no Verão, mas, em casos em que o clima o permita, pode florescer o ano todo, especialmente sob temperaturas entre 18 e 30 . Dos seus frutos, popularmente chamados sementes, é extraído o óleo de girassol que é utilizado, para a preparação de alimentos. Numa perspectiva mundial, o girassol, ultrapassa os 20 milhões de toneladas anuais de grão. O nosso trabalho teve como objectivo acompanhar a cultura do Girassol de Multiplicação. Para isso foram utilizadas sementes machos e sementes fêmeas. Estas sementes são inicialmente unissexuadas. O objectivo geral neste cruzamento é através de uma linhagem macho e uma linhagem fêmea criar um híbrido, que seja principalmente resistente a pragas e doenças. Porém a semente que resulta deste cruzamento é já bissexuada, não podendo ser aproveitada para novas plantações, pois a lei Espanhola não o permite. Esta lei apenas permite que se faça a sementeira com sementes unissexuadas. As sementes híbridas serão posteriormente aproveitadas para fazer óleo de girassol. No terreno acompanhamos ainda: Mobilização do terreno; Adubação; Aplicação de herbicida; Sementeira. 2. Agricultura Geral e Máquinas Agrícolas II
  • Escola Superior Agrária de Santarém Eng. Produção Animal 2. Caracterização e Identificação da Exploração: Cultura: Girassol de Multiplicação (Helianthus annus); Local: Monte de Santo Isidro (Porto Alto); Nº de hectares semeados: 60 ha (1º pivô) + 30 ha (2º pivô); Figura 1 e 2. Propriedade no Monte de Santo Isidro; Fonte: própria. 3. Agricultura Geral e Máquinas Agrícolas II
  • Escola Superior Agrária de Santarém Eng. Produção Animal 3. Condições Climáticas: O local por nós escolhido localiza-se no Porto Alto, sendo por isso, clima mediterrâneo, pois situa-se na zona do Ribatejo. O clima mediterrâneo caracteriza-se por ter um Inverno moderado e curto, com temperaturas amenas, raramente inferiores a 8ºC.O Verão caracteriza-se como longo, seco e quente. As temperaturas médias mensais oscilam entre os 18ºC e os 25ºC. Porém, a temperatura máxima pode atingir os 40ºC. O índice pluvimétrico (de chuvas) é considerado moderado, pois fica entre 500 e 1.000 mm por ano. As chuvas têm dois picos de intensidade, Outono e Inverno, mesmo com temperaturas baixas. Com as alterações climáticas, o clima tem variado, tendo um inverno frio e seco e uma primavera chuvosa, condicionando as culturas e as sementeiras. Figura 3. Gráfico ilustrativo, com as temperaturas do clima mediterrâneo; Fonte: www.citi.pt 4. Agricultura Geral e Máquinas Agrícolas II
  • Escola Superior Agrária de Santarém Eng. Produção Animal 4. Características do Solo: De acordo com a Carta de Solos de Portugal, este (solo) encontra-se organizado em taxones: Ordem; Subordem; Grupo; Subgrupo; Família. Segundo esta classificação: Família: Solos litólicos não húmicos (de materiais arenáceos pouco consolidados; de arenitos) Solos hidromórficos (de arenitos ou conglomerados argilosos); Textura: grosseira (areia grossa + areia fina) Matéria orgânica: baixa (1%) Capacidade de troca catiónica: baixa (8%-11%) Grau de saturação em bases ( 85%) pH: moderado Porosidade: baixa (23%-32%) Capacidade de retenção de água: baixa (17%-24%) Permeabilidade: baixa Segundo a Carta de Capacidade de Uso do Solo de Portugal: Os solos podem ser do tipo: A, B, C, D e E. O solo por nós estudado tem: limitações do solo na zona radicular (De + Ds); De + Ds - Solo da classe B e C que sofre riscos de erosão e escorrimento superficial, e limitações do solo na zona radicular. 5. Agricultura Geral e Máquinas Agrícolas II
  • Escola Superior Agrária de Santarém Eng. Produção Animal Para além disso, o solo argiloso castanho-acizentado tem pequenos poros, o que faz com que possuam uma fraca capacidade de drenagem e de ventilação. As raízes das plantas têm dificuldade para crescer através desses poros estreitos. Os solos argilosos possuem uma grande capacidade de retenção de água e de nutrientes. Contudo, são difíceis de cultivar: quando estão secos são muito duros e se estiverem molhados são muito viscosos. Na exploração por nós acompanhada, o solo é do tipo argilo-limoso (fig.4). Figura 4. Tipo de solo argilo-limoso; Fonte: própria 6. Agricultura Geral e Máquinas Agrícolas II
  • Escola Superior Agrária de Santarém Eng. Produção Animal 5. Preparação da cultura: 5.1. Mobilização do terreno Para se preparar a cama para a sementeira, foram necessários utilizar duas alfaias:  Grade de discos;  Vibrocultor combinado com grade de gaiolas rolantes. Dia 25 e 30 de Março de 2009 Grade de discos: A grade de discos, como o próprio nome indica, é constituída por discos que, em parte, são semelhantes aos discos da charrua de discos. Podem ser classificadas a nível da sua composição de várias formas, mas a grade de discos usada no terreno é composta por 28 discos e está ligada ao tractor através do sistema hidráulico (fig.5). Figura 5. Modo de ligação da alfaia ao Figura 6. Grade de discos; tractor; Fonte: própria. Fonte: própria. Dia 9 de Abril de 2009 Vibrocultor combinado com grade de gaiolas rolantes (fig.7): O vibrocultor é caracterizado pela grande flexibilidade dos seus dentes, que vibram em todas as direcções, durante o trabalho. O seu dente apresenta a particularidade de ter uma dupla curva em ”S”, que permite trazer á superfície (onde secam) ,sem grande risco de empapamento, plantas infestastes, em particular as que se desenvolvem por rizomas. Os vibrocultores podem funcionar a velocidades elevadas (8 a 12 km/h, conforme as condições) e fazem um trabalho de fragmentação muito intenso. 7. Agricultura Geral e Máquinas Agrícolas II
  • Escola Superior Agrária de Santarém Eng. Produção Animal Ao vibrocultor, está ligado, efectuando uma operação combinada, a grade de gaiolas rolantes. É composta por um quadro que suporta um ou dois eixos, em torno dos quais giram livremente tambores constituídos por barras ou varões dentados ou providos de pontas. São muito eficazes na destruição de torrões e no nivelamento do terreno, o que justifica o seu emprego na preparação da cama de sementeira. Figura 7. Vibrocultor combinado com grades de gaiolas rolantes; Fonte: própria. Dia 22 de Abril de 2009 Herbicida Prowl Neste dia a operação realizada foi o tratamento com Herbicida Prowl, com a finalidade de distribuir, sob a forma de um jacto de finas gotículas e com maior precisão possível, uma calda sobre o solo. Conforme o funcionamento, os pulverizadores classificar-se por: Pulverizadores mecânicos Pulverizadores mecânicos Pulverizadores térmicos Pulverizadores de pressão 5.2. Pulverizador de pressão de jacto projectado (fig.8) Neste tipo de pulverizador a calda é submetida, através da acção de uma bomba, a pressão variável, passando assim por uns orifícios calibrados denominados bicos de pulverização. A queda brusca de pressão do filete líquido, ao entrar na atmosfera provoca a pulverização, fazendo-se o transporte das gotas devido à energia cinética de que vinham providas à saída dos bicos. 8. Agricultura Geral e Máquinas Agrícolas II
  • Escola Superior Agrária de Santarém Eng. Produção Animal Este tipo de pulverizador é constituído por: depósito, bomba, sistema de regulação do débito e rampa de pulverização, que vem munida de diversos bicos ligados à bomba por uma tubagem flexível. 5.3. Bicos de pulverização É a peça (ou conjunto de peças) de precisão, cuja funcionalidade é realizar a pulverização do líquido, por pressão, através de um pequeno orifício calibrado. Em alguns bicos este orifício existe numa peça intermutável, denominada pastilha, que é constituído por um material muito duro, podendo assim modificar-se o débito do bico por substituição da pastilha. Existem vários tipos de bicos para pulverizadores de pressão, sendo os mais utilizados os de câmara de turbulência, fenda e de espelho. Figura 8. Pulverizador de 11 metros, a espalhar o herbicida Prowl; Fonte: própria. Figura 9. Pulverizador a encher o depósito com o herbicida Prowl; Fonte: própria. 9. Agricultura Geral e Máquinas Agrícolas II
  • Escola Superior Agrária de Santarém Eng. Produção Animal Dia 30 de Abril de 2009 Herbicida (Unimog) (fig. 10) Neste dia a operação realizada foi a passagem no terreno de herbicida e infestante de solo. Esta operação foi necessária para matar eventuais pragas, que se pudessem ter desenvolvido até então, visto que a passagem do primeiro herbicida já se tinha dado à algum tempo. Assim teríamos uma sementeira “saudável”. Esta máquina tem a particularidade de conter um GPS (fig. 11), sendo este uma mais valia para o operador, que não necessita, por isso, de efectuar previamente os cálculos para a distribuição dos produtos, de modo a que este não fique sobreposto. Figura 10. Herbicida (Unimog); Fonte: própria. Figura 11. GPS; Fonte: própria. 10. Agricultura Geral e Máquinas Agrícolas II
  • Escola Superior Agrária de Santarém Eng. Produção Animal 6. Sementeira: Dia 27 de Abril e 7 de Maio de 2009 6.1. Semeador Pneumático Com um semeador pneumático semearam-se as sementes machos (fig.12) no dia 27, e fêmeas (fig.13) e machos novamente dia 7. Este tipo de semeador tem um sistema de aspiração de ar, que faz aderir as sementes aos orifícios de um disco de distribuição (fig. 16), perfurado à volta e com movimentos de rotação em torno de um eixo horizontal. Por efeito da aspiração, duas ou mais sementes ficam “coladas” a cada orifício na zona da depressão. Esta zona tem dimensões inferiores às dos grãos a semear. As sementes ao serem transportadas pelo movimento de rotação do disco, chegam ao nível de um sector regulável, que elimina os grãos a mais, ficando apenas uma semente aderente a cada orifício, a qual acaba por cair no fundo do rego, quando atinge uma zona na parte inferior do semeador, onde acaba a depressão. As vantagens destes semeadores em relação aos mecânicos, consistem na realização de uma sementeira de precisão, com sementes de tamanhos diferentes e de diversas espécies (milho, girassol, ervilha, sorgo, soja, beterraba, etc), a maior velocidade. A desvantagem é que o seu preço é mais elevado. 6.2. Órgãos dos semeadores Em geral os semeadores possuem órgãos comuns. Eles são: Tremonha; Tubos condutores da semente; Socos ou discos de enterramento; Riscadores (fig. 6); Apagadores de rodadas; Dispositivos de cobertura das sementes. 11. Agricultura Geral e Máquinas Agrícolas II
  • Escola Superior Agrária de Santarém Eng. Produção Animal Figura 12. Sementes machos; Figura 13. Sementes fêmeas; Fonte: própria. Fonte: própria. Figura 14. Semeador Pneumático com 10 corpos, estando apenas a funcionar os 2 do meio, dia 27 de Abril (sementeira macho); Fonte: própria. 12. Agricultura Geral e Máquinas Agrícolas II
  • Escola Superior Agrária de Santarém Eng. Produção Animal Figura 15. Sementeira macho, com auxílio do riscador; Fonte: própria. Figura 16. Sistema de aspiração de ar; Fonte: própria. 13. Agricultura Geral e Máquinas Agrícolas II
  • Escola Superior Agrária de Santarém Eng. Produção Animal Figura 17. Modo de ligação da alfaia ao tractor; Fonte: própria. Figura 18. Semeador Pneumático de 10 corpos, todos a funcionar, dia 7 de Maio (sementeira fêmea + macho); Fonte: própria. 14. Agricultura Geral e Máquinas Agrícolas II
  • Escola Superior Agrária de Santarém Eng. Produção Animal 7. Itinerário técnico da cultura: (Operações realizadas até 15/05/2009) Data Operação Produto Unidade Quantidade Custo/ Custo/ Unidade ha Dez-08 Gradagem Hora 0.7 30.00 € 21.00€ Dez-08 Subsolagem Hora 1.1 40.00€ 44.00€ 25-Mar-09 Gradagem Hora 0.7 30.00€ 21.00€ 30-Mar-09 Gradagem Hora 0.7 30.00€ 21.00€ 7-Abr-09 Adubação Hora 0.3 20.00€ 6.00€ (lanço) 7-Abr-09 Adubação Adubo Kg 200 0.49€ 98.00€ 7-24-24 9-Abr-09 Vibrocultor Hora 0.5 20.00€ 10.00€ 22-Abr-09 Herbicida Ha 15.00€ 0.00€ Tractor 22-Abr-09 Herbicida Prowl Lt 5 9.27€ 46.35€ Tractor 27-Abr-09 Sementeira Ha 1 72.00€ 72.00€ (Machos) 30-Abr-09 Herbicida Ha 9.00€ 9.00€ Unimog 30-Abr-09 Herbicida Dual 1.25 36.01€ 45.01€ Unimog Gold Afalom 1 14.02€ 14.02€ Pyrenex 2.5 7.00€ 17.50€ 7-Mai-09 Sementeira Ha 3 (Fêmeas) Total Ha 424.88€ Tabela 1. Operações e custos até dia 15 de Maio de 2009. Notas: A sementeira é fornecida sem custos pela empresa multiplicadora; O valor da sementeira inclui os machos e as fêmeas; As operações só começaram a ser acompanhadas pelo grupo a partir de 25- Mar-09. 15. Agricultura Geral e Máquinas Agrícolas II
  • Escola Superior Agrária de Santarém Eng. Produção Animal 8. Crítica: Segundo o conhecimento por nós adquirido até agora nas aulas de AGMA II, sobre culturas e respectivo modo de cultivo, damos a nossa opinião crítica sobre a cultura por nós acompanhada. Do nosso ponto de vista, deveria ter sido feita uma rega a seguir à sementeira com as sementes machos, pois estas não germinaram devido à falta de água, mantendo-se no mesmo estado de quando foram semeadas. Houve assim um maior gasto de sementes e a nível económico, a sementeira ficou mais dispendiosa. Na nossa opinião seria apenas isso a mudar, visto que, foi uma cultura muito bem estruturada a todos os níveis, tendo falhado apenas nessa parte. Ficámos surpreendidos positivamente, pelo facto de haver um GPS no tractor (Unimog), pois facilita bastante o trabalho do operador, visto que não tem que efectuar previamente os cálculos que seriam necessários realizar sem a ajuda do mesmo. 16. Agricultura Geral e Máquinas Agrícolas II
  • Escola Superior Agrária de Santarém Eng. Produção Animal 9. Conclusão: Com este trabalho conseguimos ter uma perspectiva mais prática/realista de todos os processos necessários para o cultivo do girassol. Nestes meses em que acompanhamos a cultura do girassol podemos ter acesso a todas as mobilizações que se efectuaram no terreno, bem como todos os gastos nesses trabalhos. Foi bastante enriquecedor para nós, na medida em que pusemos em prática tudo aquilo que aprendemos nas aulas teóricas e práticas. 17. Agricultura Geral e Máquinas Agrícolas II
  • Escola Superior Agrária de Santarém Eng. Produção Animal 10. Bibliografia: BRIOSA, F. (1989). “Glossário Ilustrado de Mecanização Agrícola”, Fotogravura União Lda. MENDES, J. (2007). “Agricultura Geral e Máquinas Agrícolas II”, Escola Superior Agrária de Santarém. 18. Agricultura Geral e Máquinas Agrícolas II