Conservação Da Biodiversidade (Ecologia)
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Conservação Da Biodiversidade (Ecologia)

on

  • 7,509 views

Trabalho Escrito sobre Conservação da Biodiversidade

Trabalho Escrito sobre Conservação da Biodiversidade

Statistics

Views

Total Views
7,509
Views on SlideShare
7,509
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
166
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Conservação Da Biodiversidade (Ecologia) Document Transcript

  • 1. INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE SANTARÉM CURSO DE LICENCIATURA EM ENGENHARIA DA PRODUÇÃO ANIMAL CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE David Nuno Palma Quintino - #2439 SANTARÉM 2009
  • 2. ÍNDICE 1 – INTRODUÇÃO -------------------------------------------- 1 2 – IMPORTÂNCIA DA CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE -------------------------------------------- 3 2.1 - Introdução à importância da conservação da Biodiversidade --------------------------------------------- 3 2.2 - Interesse humano na Biodiversidade ----------- 4 3 – PRINCIPAIS CAUSAS PARA A PERDA DA BIODIVERSIDADE--------------------------------------------- 6 3.1 - Crescimento da população e aumento do consumo dos recursos naturais------------------------- 6 3.2 – Políticas Inadequadas ----------------------------- 7 3.3 – Efeitos do Comércio Global --------------------- 8 3.4 - Gestão Inadequada dos Recursos -------------- 9 3.5 - Falha dos Sistemas Económicos para Estabelecer o Valor da Biodiversidade -------------- 10 3.6 - Interacção entre as principais causas ---------- 11 4 – MEDIDAS PARA PRESERVAR A BIODIVERSIDADE -------------------------------------------- 12 5 – BIBLIOGRAFIA -------------------------------------------- 19
  • 3. 1 – INTRODUÇÃO Biodiversidade – ou diversidade biológica. Desde que apareceu a vida na Terra que a evolução faz com que surjam novas espécies diferentes à medida que se vão adaptando a novas zonas e a mudanças no clima. As espécies que não se adaptam, extinguem-se. A diversidade biológica tem a ver com a diversidade de ecossistemas, de espécies, de subespécies, de raças de animais (p. ex. os cavalos lusitanos e os árabes), de variedades de plantas (p. ex. de rosas) e até de genes (os genes contêm a informação para as características dos seres vivos p. ex. para a cor dos olhos). Esta diversidade é uma verdadeira riqueza, pois além de ser importantíssima para manter o equilíbrio ecológico, é também graças a ela que podemos obter uma grande variedade de alimentos, medicamentos e de muitas substâncias essenciais à nossa sobrevivência. Porém, algumas pessoas julgam que libertando espécies exóticas fazem aumentar a biodiversidade, o que não é verdade, pois a introdução de espécies pode causar muitos problemas ecológicos e a extinção de outras. (in Glossário do ICNB, 2008) A Terra sofre hoje uma vaga de extinção de espécies comparável à do desaparecimento dos dinossauros: desapareceram 45% dos bosques e 16000 espécies animais vivem ameaçadas.
  • 4. Figura 1: Teoria da extinção dos dinossauros (adaptado de http://news.bbc.co.uk/, 2009) 1 /3 dos anfíbios, ¼ dos mamíferos e 1/8 pássaros estão ameaçados. São 15589 espécies animais e outras 60000 espécies vegetais que se encontram em vias de extinção. Perderam-se 45% dos bosques, assim como 10% dos corais. O domínio do Homo sapiens sobre o planeta Terra desencadeou um processo de desaparecimento de espécies que se desenrola a um ritmo centenas de vezes superior ao natural, um fenómeno comparável ao desaparecimento dos dinossauros, há 65 milhões de anos. Estas são algumas das razões que levaram 1200 peritos e políticos de 30 países diferentes a participar na Conferência Internacional sobre Biodiversidade, da UNESCO em Paris.
  • 5. Figura 2: Homo sapiens dominante (adaptado de: www.h3adlin3.com, 2009)
  • 6. 2 – IMPORTÂNCIA DA CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE 2.1 – Introdução à importância da conservação da Biodiversidade O método convencional para a preservação da biodiversidade enfatizou a criação de parques, reservas e instalações externas como parques zoológicos e jardins botânicos. Embora estes esforços não sejam os ideais para conservar a biodiversidade, este método ajudou a conservar muitas espécies, e pode ajudar a reduzir alguns dos efeitos dos factores de ameaça como a degradação dos habitats, a exploração exagerada de espécies animais e vegetais, a poluição da água e do ar, a introdução de espécies exóticas, a agricultura e desflorestação intensiva, e a alteração climática global. A Global Biodiversity Strategy identificou muitas das principais causas como: o crescimento exponencial da população humana, o aumento do consumo dos recursos naturais, a falta de informação sobre as espécies e ecossistemas, as políticas inadequadas, e causas económicas como os efeitos do comércio global, da gestão inadequada dos recursos, e da falha dos sistemas económicos a estabelecer o valor da biodiversidade. Muitas destas causas ocorrem simultaneamente e estão intrinsecamente ligadas.
  • 7. 2.2 – Interesse humano na Biodiversidade 2.2.1 – A biodiversidade como alimento O ser humano inclui na sua alimentação um pequeno número de espécies (cerca de 7000) e a agricultura moderna só utiliza cerca de 30 destas espécies. Nem sempre foi assim, o homem inicialmente alimentava-se apenas de espécies silvestres e lentamente foi as seleccionando para potenciar a sua produtividade. Esta selecção provocou um grande impacto ambiental, afectando inclusivamente a biodiversidade, por exemplo: muitas espécies sofreram mutações genéticas, através do melhoramento animal, que comprometem a sua reprodução, estando ela dependente da ajuda do Homem; outras perderam o vigor, a variabilidade genética e por isso ficaram fragilizadas e dificilmente sobrevivem no meio natural. Figura 3 – Biodiversidade (adaptado de: www.mass.gov, 2009)
  • 8. 2.2.2 - A biodiversidade como fármaco Inúmeras espécies, em todos os reinos, são utilizadas com fins terapêuticos, uma vez que muito poucos dos princípios activos podem ser obtidos sinteticamente a partir de substâncias minerais. 2.2.3 - A biodiversidade como matéria-prima O Homem obtém inúmeros produtos orgânicos para o fabrico de inúmeros objectos, como por exemplo: látex, borracha, geles, óleos, resinas, alcalóides, etc... 2.2.4 – A biodiversidade como objecto de prazer, ócio e turismo As paisagens naturais constituem um recurso que pode desenvolver o comércio e a economia. Existem mesmo países que estão dependentes dos recursos naturo-turísticos. 2.2.5 – Conservação ética da Biodiversidade Muitas pessoas consideram que a biodiversidade é um bem comum a todos os seres, e que ninguém tem o direito de por um ser em perigo de extinção, nem de privar as gerações actuais e futuras de desfrutar da natureza.
  • 9. 3 – PRINCIPAIS CAUSAS PARA A PERDA DE BIODIVERSIDADE 3.1 - Crescimento da população e aumento do consumo dos recursos naturais A população mundial aumentou para mais do triplo no século XX, e vai continuar a aumentar continuamente nos próximos 50 anos, especialmente nos países desenvolvidos. Com isto, o consumo de alimentos também aumenta: a população utiliza ou destrói cerca de 40% das espécies produtoras. A este ritmo, os recursos renováveis da Terra estão a ser rapidamente consumidos: a provável duplicação da população mundial nos próximos 50 anos vai fortalecer estas pressões. O tema da população não é apenas uma questão de números, mas também de padrões e níveis de consumo dos recursos naturais. O comum habitante de uma nação industrializada usa 15 vezes mais papel, 10 vezes mais aço, e 12 vezes mais combustível do que uma pessoa de um país em desenvolvimento. O crescimento da população e o aumento do consumo dos recursos naturais afecta a biodiversidade de duas maneiras: criam pressão para converter habitats de vida selvagem em terras urbanas e para a agricultura, e produzem resíduos que poluem os habitats e envenenam a vida selvagem. Esta tendência pode perder-se através da estabilização da população, do uso de recursos mais eficientes, da reciclagem, e do controlo da poluição.
  • 10. 3.2 - Políticas Inadequadas As políticas governamentais desenhadas para encorajar alguns sectores, como a agricultura florestal, podem ter como consequência a destruição da biodiversidade. Por exemplo, políticas que atribuem prémios a administradores que “melhoram” ou limpam os terrenos, uma vez que estas actividades podem resultar na destruição da biodiversidade. Em Botswana, o governo subsidia a fundo perdido os agricultores para limparem, lavrarem, semearem e vedarem até 10 hectares de cultura. As leis de países modernos são geralmente incompatíveis com os restantes sistemas de propriedades comunitárias, tais como Cree of Canada, em que caçadas e ajuntamentos são estritamente regulamentados para benefício de um grupo a longo prazo. Uma simples falha de coordenação entre as agências governamentais devido ao excesso de responsabilidades pode resultar na perda de biodiversidade. Por exemplo, uma agência ambiental pode ser multada por mandar parar a desflorestação, enquanto que o ministério da agricultura para tentar aumentar a exportação de colheitas, subsidia os agricultores para desbravarem as terras. Figura 4 – importância economia > ambiente, utilização de combustíveis fósseis. (adaptado de www.bloombiz.ro, 2009)
  • 11. 3.3 - Efeitos do Comércio Global A dependência comercial da economia mundial tem versões muito elevadas para formar economias nacionais baseadas em comparações vantajosas e especializações. Nos países desenvolvidos, que dependem excessivamente das comodidades agrícolas para rendimentos na exportação, estas pressões levaram os agricultores a plantar em grande escala espécies com grande exigência nos mercados mundiais – café e bananas, por exemplo. Com o declínio do número de espécies de colheitas, reduz-se também o sistema complexo de capacidade de carga que evoluiu com os sistemas agrícolas tradicionais. A evolução destes sistemas agrícolas tem dependido dos biomas com grande biodiversidade. A cultura de variedades mais bem adaptadas tem sido trocada por variedades mais produtivas que entram em conflito com a biodiversidade local e assim muito do conhecimento da história natural de vários locais tem-se perdido.
  • 12. 3.4 - Gestão Inadequada dos Recursos As pessoas que dependem de prémios proporcionados pelas terras e recursos bióticos, têm um elevado interesse em manter a produtividade desses recursos. Mas as comunidades locais normalmente não controlam tais fontes, têm pouco a dizer na sua gestão, e têm de pagar os custos pelo seu uso insustentável. A inadequação em quem gere os recursos versus quem recebe os seus benefícios pode ser encontrada entre ricos e pobres, homens e mulheres, e entre vários grupos étnicos. Globalmente, existem desajustes entre os países mais ricos que têm a tecnologia e capacidade financeira para desenvolver e explorar os recursos naturais, e os países mais pobres onde os recursos existem. Por exemplo, um fármaco bem sucedido para a leucemia infantil tem sido extraído da espécie “rosy periwinkle” originária de Madagáscar, mas nem $1 dos $100 milhões investidos anualmente neste processo entra na economia do país de origem. A maioria dos países em desenvolvimento encontram-se em dívidas pesadas para com os países industrializados, os quais limitam a possibilidade de investirem na conservação dos seus recursos naturais.
  • 13. 3.5 - Falha dos Sistemas Económicos para Estabelecer o Valor da Biodiversidade Os mercados tendem a subvalorizar a biodiversidade, daí promoverem (directa ou indirectamente) a sua depleção. Ironicamente, a biodiversidade produz e suporta imensos benefícios para a sociedade, mas isto é quase tudo totalmente ignorado no valor da economia nacional porque é difícil de avaliar. Quando os mercados subvalorizam a biodiversidade, políticas e subsídios podem encorajar a actividades destrutivas ou insustentáveis. Por exemplo, a Indonésia subsidiou o uso de pesticidas no esforço para aumentar as colheitas, mas o envenenamento resultante causou a perda de predadores de insectos benignos e várias espécies de peixe, e também de vidas humanas. Noutros países, subsidiar a irrigação desencorajou os agricultores de adoptarem medidas de conservação da água práticas e económicas. Investigadores têm registado que as pessoas estão mais receptivas às práticas sustentáveis se tiverem garantias que não perdem o direito às suas propriedades. Quando os direitos de propriedade estão mal definidas, existem poucos incentivos para os proprietários de terrenos utilizarem práticas sustentáveis que possam preservar a biodiversidade.
  • 14. 3.6 - Interacção entre as principais causas As principais causas descritas acima não actuam isoladas, mas tendem a actuar umas com as outras. Por exemplo, a exigência do mercado mundial de camarão encoraja os governos a criar políticas e subsídios para empresas privadas investirem em viveiros de camarão. Na Ásia, a produção de camarão de viveiro em 1990 aumento aproximadamente sete vezes desde 1982. Os danos ambientais causados por este crescimento, principalmente nos mangais, têm sido elevados. No arquipélago das Filipinas perderam-se cerca de 70% dos mangais existentes nos últimos 15 anos e por consequência, deixou de existir a protecção disponibilizada pelos mangais, contra os ventos e ondas destruidoras, a maternidades de muitas espécies de peixe que são comercializadas. Além disso, os viveiros de camarão provocam o recuo-o de massas de água, bem como poluição (excesso de limo, resíduos orgânicos, pesticidas, químicos e organismos patogénicos) que têm sido despejados nos mangais. Simultaneamente, os custos do desaparecimento destes habitats prejudicam as populações locais que dependem destes ecossistemas para a obtenção de alimento e de outros recursos naturais existentes nos mangais.
  • 15. 4 - MEDIDAS PARA PRESERVAR A BIODIVERSIDADE 4.1 - Criação de uma rede de espaços protegidos Reservas da Biosfera, Parques Nacionais, Parques Naturais, etc., cujo objectivo prioritário seria a conservação dos ecossistemas. 4.2 - Protecção da variabilidade genética Tanto em sistemas naturais como fora destes, por exemplo em jardins botânicos ou em parques zoológicos. Nestes meios pode-se levar a cabo o reforçamento de espécies que correm risco de desaparecer. As variedades silvestres possuem os recursos genéticos necessários para resistir a enfermidades e pragas, uma vez que são menos produtivas do ponto de vista de obtenção de alimentos, pois têm características imprescindíveis para a sobrevivência de algumas espécies. Se se perde diversidade genética a probabilidade de obter variedades resistentes diminui. 4.3 - Criação de bancos de genes e sementes de espécies com risco de desaparecer para garantir a sua sobrevivência Esta medida, gerou uma série de interesses económicos que são incompatíveis nos países subdesenvolvidos.
  • 16. 4.4 - Estudos sobre o estado dos Ecossistemas Este tipo de estudos leva-se a cabo tendo em conta alguns indicadores ambientais e ecológicos. 4.5 - Promoção de ecoturismo Com o objectivo de consciencializar a população de que as actividades de ócio e desfrute da Natureza são compatíveis com a sua conservação. Figura 5 – Ecoturismo (adaptado de: www.homemdocerrado.com, 2009) 4.6 - Repovoamento de habitats Nalguns casos em que seja necessário aumentar o número de indivíduos de uma espécie numa região (p. ex. quando ela está em perigo de desaparecer de
  • 17. lá) podem ser libertados seres da mesma espécie, mas provenientes de outros locais. Antes de se fazer um repovoamento há que realizar estudos, para se ter a certeza que o repovoamento resulta e não provoca desequilíbrios ecológicos. (in Glossário do ICNB, 2008) 4.7 - Vigilante da natureza Profissionais que vigiam, fiscalizam e fazem a monitorização do ambiente e dos recursos naturais (como a água, a flora e a fauna). Se visitares uma Área Protegida é natural que encontres um Vigilante da Natureza, pois eles também dão informações às pessoas para que elas contribuam para a defesa do ambiente. (in Glossário do ICNB, 2008) Figura 6 – vigilante da natureza (adaptado de: www.onecall.com, 2008)
  • 18. 4.8 - Desenvolvimento de listas de políticas e leis ambientais Criação de leis que proíbem a comercialização de espécies em perigo de extinção que incluem listas de espécies ameaçadas e a criação de leis que são estabelecidas segundo princípios de precaução, como a criação de corredores ecológicos. 4.8.1 – Princípios de precaução Para aplicar estes princípios tem que se compreender o contexto e a razão da origem do problema. Como em maior parte das comunidades a prioridade é o desenvolvimento económico, criam leis e políticas que favorecem esta prioridade e, são por isso, muitas vezes são incompatíveis com a conservação do ambiente. Tem-se verificado que a ciência e o conhecimento humano em geral, não pode fornecer dados definitivos sobre a previsão de todos os factores de degradação do ambiente, e por vezes quando se obtêm, os danos já são grandes demais e tornam-se irreversíveis, por isso, “mais vale prevenir que remediar” aplicando medidas de precaução. Existem várias e compreensivas análises disponíveis para o aumento brusco na aplicação de princípios de precaução nas leis e políticas ambientais (Sadeleer, 2003; Douma, 2003; Freestone, 1999; Freestone e Hey, 1996; Hohmann, 1994; O’Riordan e Cameron, 1994). O princípio só surgiu no meio internacional no final dos anos 70, numa conferência sobre a poluição marinha no Mar do Norte. Até à altura, o controlo da poluição marinha dependia do conhecimento científico assimilado sobre o ambiente marinho, havendo ausência de provas científicas de que emissões seriam poluentes, e portanto sem bases para o realizar o controlo.
  • 19. “Aceitar que, em vista para proteger o Mar do Norte de possível poluição causada por algumas das mais perigosas substâncias, é necessário recorrer a uma aproximação de precaução que poderá requerer à realização de acções para controlar as emissões de tais substancias mesmo antes de se estabelecer empiricamente a ligação entre estas e a poluição.” (II Conferencia do Mar do Norte, Artigo 7). 4.9 - Acesso à informação sobre biodiversidade O acesso e a partilha de informação é essencial para a conservação da biodiversidade. Contudo, os trabalhadores de países em desenvolvimento, com um largo espectro de biodiversidade, raramente têm acesso à informação e têm também pouco interessem em partilhar a informação por eles obtidos.
  • 20. Figura 7 – distribuição da biodiversidade (adaptado de www.cultivate-int.org, 2009) 4.9.1 – Iniciativas de livre acesso à informação As iniciativas de livre acesso são uma excelente oportunidade para fazer a informação sobre a biodiversidade do mundo acessível a qualquer pessoa, a qualquer hora e em qualquer lugar. As novas tecnologias de informação revelaram-se uma ferramenta muito poderosa para a divulgação de informação e têm capacidade para a fazer circular cada vez mais longe, a uma velocidade cada vez maior. A internet teve um tremendo impacto nas publicações e comunicações científicas, uma vez que deu a cientistas e investigadores a oportunidade de contribuírem para o conhecimento global. Para superar a barreira digital entre estudantes de países desenvolvidos e de países, é necessário um sistema de acesso livre à
  • 21. informação que possa ser acedido por jornais, arquivos, repositórios e bases de dados que operam segundo os princípios de acesso livre. Hoje é bem sabido que a informação sobre os recursos bióticos de uma nação, é crucial para uma gestão de recursos eficiente e sustentável (PCAST, 1998). Dados e informação sobre a biodiversidade é essencial num largo espectro de estudos científicos, tais como: definição de nichos ecológicos e sua evolução, filogenia, codificação de ADN, educação ecológica, controlo ambiental, gestão de recursos naturais, etc... Embora apenas 1.8 milhões das estimadas 10-12 milhões espécies estejam cientificamente descritas até hoje, os dados e a informação associada a estas espécies é imenso. A biodiversidade do mundo está concentrada nas zonas tropicais, constituídas maioritariamente por países subdesenvolvidos. Países em desenvolvimento como a Índia, a China, o Brasil e regiões subdesenvolvidas como a África podem ser consideradas “armazéns de biodiversidade” com taxa e diversidade de espécies únicas. (Peterson, Vieglais, Siguenza, & Silva, 2003). Ironicamente, a informação disponível nestes “armazéns de biodiversidade” é existente em publicações académicas na forma de jornais de países desenvolvidos. Notoriamente os publicadores importantes de países desenvolvidos como a Elsevier, a Harvard University Press e a Blackwell acabam por perder o mérito e direitos de autor devido a fornecer informação de livre acesso a todos (Agosti, 2005).
  • 22. Fluxograma 1: funcionamento de um sistema de informação aberta (adaptado de Data Science Journal, Volume 5, 05 June 2006)
  • 23. 5 – BIBLIOGRAFIA BEAUD, M. e C.; BOUGUERRA M. L. (1995) – Estado do Ambiente no Mundo. Lisboa: Instituto Piaget. 647 pp. JEFFRIES, M. (1997) – Biodiversity and Conservation. London: Routledge. 208 pp. PARTIDÁRIO, M.; JESUS, J. (1999) – avaliação do impacte ambiental. Caparica: Centro de Estudos de Planeamento e Gestão do Ambiente. 589 pp. Bibliografia On-line AGÊNCIA PORTUGUESA DO AMBIENTE (2008) – Disponível em: http://www.apambiente.pt/. Consulta efectuada em 29 de Dezembro de 2008. AMBIENTE ONLINE (2009) – Disponível em: http://www.ambienteonline.pt/. Consulta efectuada em 5 de Janeiro de 2009. AMBIENTUM (2009) – Disponível em: http://www.ambientum.com/. Consulta efectuada em 5 de Janeiro de 2009. CODATA (2008) Data Science Journal – Disponível em: http://dsj.codataweb.org/. Consulta efectuada em 29 de Dezembro de 2008. INSTITUTO PARA LA CALIDAD TURÍSTICA ESPAÑOLA (2009) – Disponível em: http://www.icte.es/. Consulta efectuada em 5 de Janeiro de 2009. MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL (2008) – Disponível em: http://www.maotdr.gov.pt/. Consulta efectuada em 29 de Dezembro de 2008. WIKIPÉDIA (2009) – Disponível em: http://www.wikipedia.pt. Consulta efectuada em 5 de Janeiro de 2009.