O Centro - n.º 7
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

O Centro - n.º 7

on

  • 2,919 views

Versão integral da edição n.º 7 do quinzenário “O Centro”, que se publica em Coimbra. 05.07.2006. ...

Versão integral da edição n.º 7 do quinzenário “O Centro”, que se publica em Coimbra. 05.07.2006.

Visite outros sítios de Dinis Manuel Alves em www.mediatico.com.pt ,
www.youtube.com/mediapolisxxi, www.youtube.com/fotographarte, www.youtube.com/tiremmedestefilme, www.youtube.com/discover747 ,
http://www.youtube.com/camarafixa, , http://videos.sapo.pt/lapisazul/playview/2 e em www.mogulus.com/otalcanal
Ainda: http://www.mediatico.com.pt/diasdecoimbra/ , http://www.mediatico.com.pt/redor/ ,
http://www.mediatico.com.pt/fe/ , http://www.mediatico.com.pt/fitas/ , http://www.mediatico.com.pt/redor2/, http://www.mediatico.com.pt/foto/yr2.htm ,
http://www.mediatico.com.pt/manchete/index.htm ,
http://www.mediatico.com.pt/foto/index.htm , http://www.mediatico.com.pt/luanda/ ,
http://www.biblioteca2.fcpages.com/nimas/intro.html

Statistics

Views

Total Views
2,919
Views on SlideShare
2,917
Embed Views
2

Actions

Likes
0
Downloads
5
Comments
0

1 Embed 2

http://www.slideshare.net 2

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

O Centro - n.º 7 Presentation Transcript

  • 1. DIRECTOR J O R G E C A S T I L H O PÚBLICA FRACÇÃO Crónica de televisão por Francisco Amaral PÁG. 24 | Taxa Paga | Devesas – 4400 V. N. Gaia | Autorizado a circular em invólucro de plástico fechado ANO I N.º 7 (II série) De 5 a 18 de Julho de 2006 € 1 euro Co-incineração avança (iva incluído) “O MAIS TARDAR´EM SETEMBRO” – GARANTE MINISTRO DO AMBIENTE PÁG. 2 e 3 Biocant INAUGURADO EM CANTANHEDE na vanguarda da biotecnologia Do futebol ENTREVISTA A FRANCISCO ANDRADE Teste inovador permite saber se é menino ou menina à política PÁG. 8 e 9 Coimbra consome água com qualidade garantida PÁG. 7 PÁG. 4 a 6 DESDE ONTEM NA NET NOS 25 ANOS DA MORTE DESPORTO ASSINE O «CENTRO» Mais Evocação Minibasquete E GANHE OBRA DE ARTE de 300 mil do escritor Futebol livros Carlos Futsal gratuitos de Oliveira Karate PÁG. 3 PÁG. 21 PÁG. 21 PÁG. 15 a 20
  • 2. 2 COIMBRA DE 5 A 18 DE JULHO DE 2006 MINISTRO GARANTE QUE “O MAIS TARDAR José Manuel Alves: um lutador exemplar José Manuel Alves, Presidente da Região de Co-incineração Turismo do Centro, foi a sepultar na segunda- Antevê-se um “Verão quente” no que res- dos diplomas do PCP, CDS-PP e Partido -feira da passada semana (dia 26 de Junho) no peita à co-incineração, pois ela deve estar pres- Ecologista quot;Os Verdesquot; e votar favoravelmen- cemitério de Arega (Figueiró dos Vinhos). Ti- tes a iniciar-se em Souselas. te o projecto de resolução do BE. nha apenas 44 anos, mas um trabalho intenso De facto, o Governo prepara-se para avan- e profícuo desenvolvido, sobretudo, na área do çar com o processo, entrando em litígio com a GOVERNO CONTACTA Turismo, mas relevante também na interven- Câmara Municipal de Coimbra, cujo Presiden- CIMENTEIRAS ção política e cívica. te, Carlos Encarnação, já disse que a autarquia Licenciado em Direito pela Universidade de não emitiria a licença que considera indispensá- O Ministro do Ambiente, Nunes Correia, Coimbra e pós-graduado em Turismo pela vel para que a Cimpor de Souselas inicie a quei- em entrevista que agora concedeu ao “Correio Universidade Católica de Lisboa, foi Presidente ma dos RIP (Resíduos Industriais Perigosos). da Manhã”, questionado sobre a formalização da empresa municipal Figueira Grande Turismo A verdade é que o Primeiro-Ministro, logo do início da co-incineração nas cimenteiras de entre Abril de 2002 e Outubro de 2003. a seguir à tomada de posse, garantiu que iria re- Outão e de Souselas, respondeu: Iniciou a sua actividade profissional na cuperar esse polémico método de que fez “ca- “Tivemos conversas formais com as duas Região de Turismo de Centro pouco depois da valo de batalha” enquanto teve a pasta do Am- cimenteiras portuguesas, a Secil e a Cimpor, conclusão do curso de Direito, vindo a tornar- biente, apesar das opiniões contrárias de repu- que têm o melhor nível tecnológico que existe -se Presidente daquela instituiçãp entre 1993 e tados cientistas (que alertam para o risco que na Europa. Estão perfeitamente preparadas 1997, cargo que reocuparia em 2004, sendo José Manuel Alves em 1993 quando as- tal representa para a saúde pública) e da oposi- para a co-incineração de resíduos. Mas isso agora também Presidente da Agência Regional sumiu a presidência da RTC ção das populações das zonas escolhidas para tem de ser feito de forma regrada e assim está de Promoção Turística Centro de Portugal. o efeito: Souselas (Coimbra) e Outão (Setúbal). neste momento em curso o processo de licen- De Junho de 2003 até Julho de 2004 ocu- na forma optimista de encarar o infortúnio, no E se dúvidas houvesse quanto à sua teimo- ciamento dessas cimenteiras para executarem a pou o lugar de deputado na Assembleia da estoicismo insuperável com que fez questão de sia em levar por diante o processo, elas dissipa- co-incineração”. República, pelo Partido Social-Democrata, de- lidar com a doença, disfarçando sempre o so- ram-se com as afirmações que o Ministro do Aqui levanta-se uma questão jurídica, uma pois de ter integrado a lista do círculo de frimento com o seu cativante sorriso. Ambiente acaba de fazer, garantindo que a co- vez que há quem sustente, como a autarquia de Coimbra nas legislativas de 2002. Tem a Paulinha todas as razões para tanto incineração vai avançar durante o Verão, “o Coimbra, que a Cimpor carece de licença ca- se orgulhar do companheiro que tão cedo par- mais tardar no mês de Setembro”. marária para o efeito, e Carlos Encarnação ga- UMA BREVE NOTA PESSOAL tiu. Devem o Zézito e a Rosarinho crescer Recorde-se que ainda há poucos dias a maio- rante que ela não será emitida. Mas também há muito orgulhosos de um Pai que tanto lhes ria socialista na Assembleia da República rejei- os que referem tal não ser necessário, por não A notícia da morte de José Manuel Alves aí queria e que tantos amigos e admiradores tou os projectos de resolução do PCP, CDS- haver alteração ao que ali é produzido, o ci- está, acima, factual. Mas muito incompleta. soube conquistar – como ficou bem demons- PP, BE e PEV, que recomendavam ao Gover- mento, mas apenas a utilização de um novo Por isso, o jornalista vai deixar, por momen- trado no elevado número de pessoas que qui- no a suspensão da co-incineração até à entrada tipo de combustível, os RIP, nos fornos das ci- tos, essa restritiva condição, para assumir a de seram ir render-lhe uma derradeira homena- em funcionamento dos CIRVER (Centros In- menteiras. amigo e tecer breves considerações sobre o Zé gem. tegrados de Recuperação, Valorização e Elimi- Quanto ao início do processo, Nunes Manel que conheceu, ainda jovem estudante, Penso que para onde o Zé Manel tão pre- nação de Resíduos Industriais Sólidos). Correia declarou, na mesma entrevista: há duas décadas, e com o qual estabeleceu maturamente partiu não deverá ser permitida a Apesar da disciplina de voto imposta aos “Se tudo correr como esperamos, ainda du- amizade que o tempo foi intensificando. caça, seu passatempo predilecto. deputados do PS, o ex-candidato presidencial rante os meses de Verão deverá dar-se início à Uma amizade que sempre permitiu que as Mas quero crer que à sua espera deveria Manuel Alegre optou por se abster na votação co-incineração essencialmente do passivo am- divergências de opinião em diversas matérias, estar o “Boy”, latindo e agitando a cauda em vez de separarem, antes tivessem sido (como fazia quando saíam para as caçadas). E mote para estimulantes trocas de ideias, em gostaria de acreditar que agora andarão os dois TROPA DE SOUSA que nunca houve vencedor e vencido. dando grandes passeios por onde o tempo e o Clínica Geral Acompanhei de perto a actividade pro- espaço nada significam… Medicina Estética fissional do Zé Manel Alves, testemunhei a Jorge Castilho Acupuntura paixão com que se dedicou ao sector do Turismo, o fervilhar de ideias, o turbilhão de VIRGÍLIO CARDOSO projectos, a catadupa de realizações. Laser Yag Vascular (Varizes) CRISTINA FERREIRA Ginecologia / Obstetrícia Uma paixão que se manteve até ao fim, que GINECOLOGIA / OBSTETRÍCIA LUÍSA MARTINS não abrandou quando a grave doença dele se Laser de Depilação definitiva Kromoterapia Director: Jorge Castilho PEDRO SERRA foi apossando de forma tão cruel e injusta (no (Carteira Profissional n.º 99) Laser de Luz Pulsada (Trat. Estética) Florais de Bach dia em que teve de ser transportado para o PODOLOGISTA RENATA MARGALHO Instituto de Oncologia, onde pouco depois fa- Propriedade: Audimprensa Endermologia (LPG) MARIA TERESA PAIS Psicologia Clínica leceu, ainda teve uma reunião de trabalho em Nif: 501 863 109 Pressoterapia MEDICINA DENTÁRIA casa). LUÍS MIGUEL PIRES Sócios: Jorge Castilho e Irene Castilho TÂNIA SOUSA Apesar de estar consciente da extrema gra- Ozonoterapia (Trat. por Ozono) Terapia Ocupacional vidade da sua doença, o Zé Manel, em vez de Inscrito na DGCS sob o n.º 120 930 Dermo Abrasão (Limpeza de Pele) ESTETICISTA Osteopatia se ter revoltado, encarou a situação com uma PAULO SOUSA NUNO CARVALHO espantosa coragem, dizendo que a vida lhe Composição e montagem: Audimprensa - Mesoterapia MASSAGISTA Hipnoterapeuta concedera já quase tudo o que ele desejava – a Rua da Sofia, 95, 3.º 3000-390 Coimbra - Telefone: 239 854 150 Implantes para Rugas (Biopolímeros) começar pela família (a Paula, que de namora- FERNANDO KUNZ JOÃO CALHAU Fax: 239 854 154 da de infância se tornou na companheira da e-mail: centro.jornal@gmail.com Tratamentos por Esteticista OPERADOR LASER Nutricionista vida, e que até ao fim o apoiou com heróica dedicação; o Zézito, em quem o Zé Manel se Impressão: CIC - CORAZE Urbanização da Quinta das Lágrimas, lote 24 R/C revia; e a Rosarinho). Oliveira de Azeméis Santa Clara, 3020-092 Coimbra Telf. 239 440 395-Fax. 239 440 396 O Zé Manel deixou-nos um exemplo raro Tiragem: 10.000 exemplares Telm. 919 992 020 / 964 566 954 / 933 573 579
  • 3. DE 5 A 18 DE JULHO DE 2006 COIMBRA 3 EM SETEMBRO” a suspensão da co-incineração até ao pleno fim de linhaquot;, salientou o deputado social-de- teiro e outras quot;desviarem resíduos que estava funcionamento dos CIRVER. mocrata. previsto serem tratados nos CIRVER”, acusa. quot;A prioridade absoluta deve ser para os O PS esteve, assim, isolado na defesa da co- Os ambientalistas criticam também o facto avança CIRVER, até à fase em que seja verdadeira- mente possível aferir da sua real capacidade de tratamentoquot;, sublinhou a deputada dos Verdes Heloísa Apolónia. incineração, apesar de reconhecer que essa so- lução quot;poderá não ser o caminho mais fácilquot;. Outro diploma do PEV que previa a realiza- ção de um estudo médico sobre os efeitos da de estas empresas poderem entrar no mercado - porque o diploma lhes permite fazer a prepa- ração de combustíveis a partir de resíduos in- dustriais perigosos (RIP), tal como aos CIRV- biental, ou seja, dos resíduos acumulados que Pelo BE, a deputada Alda Macedo insistiu co-incineração para a saúde pública, foi igual- ER - sem terem feito concurso público inter- não podem ser tratados nos CIRVER”. no mesmo ponto, defendendo que o executi- mente rejeitado pela maioria socialista, apesar nacional para tratamento desses resíduos. Quando lhe foi perguntado se os CIRVER vo de José Sócrates só deve admitir dar início de ter contado com os votos favoráveis das res- quot;Essas empresas, para além disso, estariam não podiam resolver o problema dos RIP, sem à co-incineração de resíduos perigosos quan- tantes bancadas e de Manuel Alegre. numa situação de concorrência desleal com os recurso à co-incineração, Nunes Correia sus- do quot;garantir que os CIRVER estão efectiva- CIRVER, uma vez que não estariam sujeitas às tentou: mente a funcionarquot;. QUERCUS PROTESTA inúmeras exigências inerentes ao concurso “A co-incineração é apenas a solução para quot;A solução de co-incinerar os RIP como para os CIRVERquot;, acrescentam no parecer. cerca de 15 por cento dos RIP. Todos os outros fórmula mágica da política de resíduos do país Entretanto, e reforçando o seu propósito, o E adiantam que, ao abrir esta possibilidade, têm formas de tratamento, de valorização, de é uma falácia, já que esta solução virá antes Governo aprovou o novo regime jurídico da quot;o Estado português não está a honrar os reutilização que nós queremos explorar. Mas há contribuir para um maior desequilíbrio no ade- gestão de resíduos que retira aos CIRVER o ex- seus compromissos para com os consórcios uma fracção que só tem duas alternativas: ou é quado tratamento de resíduos, não sendo clusivo da transformação do lixo perigoso das que concorreram aos CIRVERquot;, nomeada- exportada para ser co-incinerada no estrangeiro acompanhada de nenhuma política de redução indústrias em combustível para queimar em ci- mente a obrigatoriedade de instalação de uni- ou é co-incinerada em Portugal. Estamos apos- da produçãoquot;, acrescentou o deputado do menteiras (co-incineração) ou outras instala- dades de tratamento, quot;cuja viabilidade pode tados em levar até ao fim os CIRVER e, simul- PCP Miguel Tiago. ções (incineração). agora ser posta em risco pela concorrência taneamente, o processo de co-incineração que Corroborando os argumentos das bancadas De acordo com o diploma, essas operações das cimenteirasquot;. foi iniciado pelo Primeiro-Ministro José mais à esquerda, o deputado do CDS-PP Antó- de tratamento, “desde que exclusivamente físi- A Quercus considera que quot;esta nova versão Sócrates. Mas isso não quer dizer que seja uma nio Carlos Monteiro alertou ainda para as quot;con- cas”, podem ser realizadas quot;noutras instalações da política do Governo para os RIP é uma pre- causas dele. É uma causa do País”. sequências negativasquot; ao nível do ambiente que devidamente licenciadas para o efeitoquot;. cipitação que pode pôr em perigo todo o edi- terá a queima de resíduos nas cimenteiras sem a Os ambientalistas da Quercus classificaram fício que estava a ser construídoquot; tendo por NOVAS BATALHAS À VISTA sua passagem prévia pelos CIRVER, quot;onde a sua como quot;extremamente preocupantequot; o encami- base os CIRVER e que quot;o próprio Governo perigosidade é drasticamente diminuídaquot;. nhamento de resíduos para co-incineração em considerou fundamentalquot;. A verdade é que esta posição do Governo sistemas paralelos aos centros de tratamento A criação pelo novo diploma de uma continua a ser encarada como teimosia desne- PS REJEITA ESTUDO MÉDICO CIRVER, previsto na nova lei-quadro do sector. Autoridade Nacional dos Resíduos, com as cessária, quer pelas populações que serão afec- A Quercus alerta para os perigos da possi- mesmas funções das do Instituto dos Resíduos tadas, quer por cientistas e pela generalidade da Pelo PSD, o deputado Fernando Antunes bilidade de as cimenteiras (que vão queimar (INR), demonstra para os ambientalistas a extin- oposição parlamentar. voltou a criticar a quot;obsessãoquot; do Primeiro- aqueles resíduos através da co-incineração) en- ção do INR é uma quot;medida sem qualquer sen- No recente plenário da AR a que acima alu- Ministro pela co-incineração, que José Sócrates trarem naquele segmento de mercado. tidoquot;, que quot;não vai trazer nenhum benefícioquot; ao dimos, foram apresentados quatro projectos apresenta quot;como uma solução milagrosaquot;. Com o novo regime quot;fica assim aberta a pos- desempenho do Ministério do Ambiente quot;nem de resolução que recomendavam ao Governo quot;Essa deveria ser sempre uma solução de sibilidadequot; de empresas ligadas ao sector cimen- qualquer tipo de economia ao erário públicoquot;. APENAS 20 EUROS POR UMA ASSINATURA ANUAL! Jornal “CENTRO” Rua da Sofia. 95 - 3.º 3000–390 COIMBRA Assine o jornal “Centro” Poderá também dirigir-nos o seu pedi- do de assinatura através de: telefone 239 854 156 e ganhe valiosa obra de arte fax 239 854 154 ou para o seguinte endereço Nesta campanha de lançamento do jor- nio arquitectónico, de deslumbrantes pai- terá sempre bem informado sobre o que de e-mail: nal “Centro” temos uma aliciante propos- sagens (desde as praias magníficas até às de mais importante vai acontecendo nesta centro.jornal@gmail.com ta para os nossos leitores. serras verdejantes) e, ainda, de gente hos- Região, no País e no Mundo. De facto, basta subscreverem uma assi- pitaleira e trabalhadora. Tudo isto, voltamos a sublinhá-lo, por Para além da obra de arte que desde já lhe natura anual, por apenas 20 euros, para au- Não perca, pois, a oportunidade de rece- APENAS 20 EUROS! oferecemos, estamos a preparar muitas ou- tomaticamente ganharem uma valiosa obra ber já, GRATUITAMENTE, esta magní- Não perca esta campanha promocional, tras regalias para os nossos assinantes, pelo de arte. fica obra de arte, que está reproduzida na e ASSINE JÁ o “Centro”. que os 20 euros da assinatura serão um ex- Trata-se de um belíssimo trabalho da primeira página, mas que tem dimensões Para tanto, basta cortar e preencher o celente investimento. autoria de Zé Penicheiro, expressamente bem maiores do que aquelas que ali apre- cupão que abaixo publicamos, e enviá-lo, O seu apoio é imprescindível para que o concebido para o jornal “Centro”, com o senta (mais exactamente 50 cm x 34 cm). acompanhado do valor de 20 euros (de “Centro” cresça e se desenvolva, dando cunho bem característico deste artista plás- Para além desta oferta, passará a receber preferência em cheque passado em nome voz a esta Região. tico – um dos mais prestigiados pintores directamente em sua casa (ou no local que de AUDIMPRENSA), para a seguinte portugueses, com reconhecimento mesmo nos indicar), o jornal “Centro”, que o man- morada: CONTAMOS CONSIGO! a nível internacional, estando representado em colecções espalhadas por vários pontos do Mundo. Neste trabalho, Zé Penicheiro, com o Desejo receber uma assinatura do jornal CENTRO (26 edições). seu traço peculiar e a inconfundível utiliza- ção de uma invulgar paleta de cores, criou Para tal envio: cheque vale de correio no valor de 20 euros. uma obra que alia grande qualidade artísti- ca a um profundo simbolismo. De facto, o artista, para representar a Nome: Região Centro, concebeu uma flor, com- posta pelos seis distritos que integram esta Morada: zona do País: Aveiro, Castelo Branco, Coimbra, Guarda, Leiria e Viseu. Localidade: Cód. Postal: Telefone: Cada um destes distritos é representado por um elemento (remetendo para respec- Profissão: e-mail: tivo património histórico, arquitectónico ou natural). A flor, assim composta desta forma tão Desejo receber recibo na volta do correio N.º de contribuinte: original, está a desabrochar, simbolizando o crescente desenvolvimento desta Região Assinatura: Centro de Portugal, tão rica de potenciali- dades, de História, de Cultura, de patrimó-
  • 4. 4 ENTREVISTA DE 5 A 18 DE JULHO DE 2006 FRANCISCO ANDRADE FALA DA SUA CARREIRA NO FUTEBOL E DOS “As freguesias devem pensar Primeiro o futebol. Depois bol é uma prova evidente disso mesmo, a política. Sempre o futebol. pois todas as áreas do treino requerem uma Em conversa com o “Centro”, equipa de trabalho. É preciso que as pesso- Francisco Andrade desfiou as tenham presente que só se atinge a pleni- variados aspectos da seu percurso, tude pela negativa, a senilidade, quando se no desporto-rei e na política, chega ao fim do dia e se conclui que não se enquanto Presidente da Junta aprendeu nada. Isso é que é mau. As pesso- de Freguesia de Santo António as que sabem tudo já chegaram ao limite do dos Olivais. Tanto num caso seu saber. E são limitadas. Aqueles que cada como noutro “com muita vez mais aprendem com todos - e tanto se pode aprender aquilo que deve ser utilizado entrega, de alma e coração” como aquilo que deve ser desprezado - são os que têm possibilidades de continuar a António José Ferreira evoluir. Eu, humildemente, digo que quan- do sentir que já não aprendo com ninguém, O futebol evoluiu muito… desisto. Terei que recuar no tempo e falar em al- Há aquela frase do Prof. Teotónio gumas modificações a nível mundial. Hou- Lima, que diz que “quem deixou de ve uma época em que a técnica era o factor aprender deve deixar de ensinar”… principal e todo o treino nela incidia. De- Claro. Quem não tem capacidade para pois a força e as qualidades motoras impu- aprender, também não tem para ensinar. seram-se à parte técnica. O futebol precisa- Francisco Andrade continua a ser um estudioso do futebol Como diz o Dr. Abel de Andrade “quem só va de mais virilidade, mais luta e as pressões de medicina sabe, nem de medicina sabe”. e marcações passaram a exigir preparação gos se imporiam também no futebol actual. muito estudo sobre estas coisas do fute- O que quer dizer que uma pessoa não pode física diferente, que se sobrepôs à técnica. Hoje são oferecidas melhores condi- bol. Continua a ser um estudioso? saber só de uma coisa e ficar convencido Hoje estamos numa encruzilhada em que a ções aos jogadores? Eu sou prelector nacional de todos os que já sabe tudo. Hoje os treinadores têm técnica de novo avulta, mas acompanhada Sim, sobretudo nas condições materiais - níveis e há quatro anos que sou o director que ser polivalentes e ter a humildade de de perto pela preparação física. Cada vez como as botas, as bolas, a relva, etc, - além de tecnico-táctica do curso por onde têm aprender um pouco de todas as áreas, atra- mais a metodologia de treino tem no rigor de apoio médico, psicológico, social. Tudo passado todos os treinadores da SuperLiga vés de uma aprendizagem diária, tendo uma e na especialização o grande trunfo. Agora, isto faz com que o jogador viva numa redo- - entre outros o Mourinho, o Peseiro, o que dominam melhor. mais do que a duração, importa a qualidade ma, alvo de maior cuidado e atenção. Por Couceiro, o Carvalhal, o Ulisses, o Pontes. Hoje o treinador tem uma série de do treino. E tanto a técnica como o traba- exemplo, hoje uma lesão cura-se em meta- E sou também prelector da UEFA. Desde colaboradores, fundamentais para o tra- lho físico, e ainda a parte psicológica, são balho que desenvolve… “Por mais que se queira tornar o futebol factores fundamentais no treino. Aliás, há Antigamente o treinador não tinha gran- quem afirme, e eu concordo, que o futebol de literatura nem grandes apoios científicos numa ciência oculta, ele está cada melhorou muito no aspecto da concentra- no treino, mas imitava os outros e a sua ção, no treino e na própria competição, exi- acção incidia naquilo que lhe passavam. vez mais dependente da habilidade gindo que durante o tempo de jogo não Depois passou-se à fase analítica, com o existam períodos de descuido. É preciso treinador a rodear-se de outros indivíduos e da capacidade humana” que haja uma concentração total e isso tre- nas várias áreas, nomeadamente física, mé- ina-se tal e qual se treinam todas as outras dica, etc. Até que se chegou à fase síntese, a componentes. actual, onde um chefe de equipa coordena Antigamente já existiam grandes tudo o resto e em que os responsáveis pelas executantes… de do tempo e algumas já não são normais, que deixei o futebol virei-me para a forma- diversas áreas discutem com o responsável Costumo dizer que a técnica (do Cruyff, porque há a possibilidade de serem contro- ção de treinadores e tenho que estar a par máximo aquilo que se está a trabalhar. Só do Eusébio) não mudou. O que mudou foi ladas, nomeadamente as que tinham a ver da evolução que se verifica aos mais varia- assim se pode ter um domínio concreto de o espaço e o tempo. Hoje as marcações, as com o material desportivo ou com a satura- dos níveis. Em seis anos visitei oito países, todas as áreas do treino, exigindo-se ao trei- pressões, limitam o espaço e o tempo que o ção do treino. Mas uma coisa é certa, por seis europeus e dois sul-americanos, em co- nador principal que domine um pouco de jogador tem para jogar. Antigamente quem mais que queiramos tornar o futebol numa lóquios sobre futebol promovidos pela cada uma delas mas respeitando o trabalho recebia a bola tinha poucos jogadores à ciência oculta, ele está cada vez mais depen- UEFA. A minha preparação continua, julgo dos seus colaboradores, que o são na sua volta, quando os tinha, o que dava tempo dente da habilidade e da capacidade huma- eu, a estar em dia. Apesar de desligado do plenitude e não como os adjuntos de anti- para que dominasse a bola, a passasse, etc. na. E os treinadores não devem entrar ape- campo, não me descuido na evolução da ci- gamente, os “chega-camisolas”. Hoje a aglomeração é tal que exige que os nas pelo ensino por via do computador ou ência do treino. A formação acompanhou a evolução jogadores tenham uma velocidade de reac- dos catálogos, mas sim pela experiência É cada vez mais importante aprender do futebol? ção muito maior. É esta a grande diferença feita, pela vivência e pelo conhecimento em conjunto? Há uma grande confusão sobre o que é do futebol. Quanto ao resto não mudou prático do jogo. Sem dúvida. Na vida ninguém faz nada formação. A formação é nas Escolas, muito, pelo que os grandes jogadores anti- Tudo o que já referiu pressupõe sozinho, seja em que área for, e hoje o fute- Infantis e Iniciados e depois a especializa- BRIOSA MOTIVA PREOCUPAÇÃO E ALEGRIA “A Académica parou no tempo” A pergunta é inevitável: como vê, hoje, tado desportivo, esquecendo tudo o resto. crer. Até porque há quem ignore que, hoje, pelo clube, até porque há jogadores com a “sua” Académica? Alegria por ver que se mantém na SuperLiga e grande parte dos clubes portugueses, de pri- grande valia a nível nacional que teriam muito A “minha” Académica vejo-a com um que continua a ser o clube mais representativo meiro ou segundo plano, têm jogadores uni- gosto em vir jogar para Coimbra e aqui termi- misto de preocupação e alegria. Preocupação da região. E porque continua a “arrastar-nos” e versitários e com habilitações académicas ele- narem o seu curso. Claro que receberiam o porque continua a depender muito dos factores a fazer-nos sofrer ano após ano. vadas. Claro que não pode ser como antiga- seu vencimento, que não seria tão elevado do dia-a-dia e não tem um plano, um projecto O estatuto de “atleta-estudante” não mente, quando os jogadores vinham para a como o de alguns que cá aparecem, que nin- de estruturação que permita, amanhã, benefici- passa de um mito ou continua a fazer Académica para estudar, a troco de uma pe- guém conhece de lado nenhum, mas vêm ga- ar do trabalho realizado. A Académica parou no sentido? quena bolsa. Hoje terá que ser diferente, mas nhar milhares e milhares, sem terem rendi- tempo e vive unicamente na procura do resul- Não é tanto um mito como se quer fazer é um campo que está muito mal aproveitado mento desportivo nem académico.
  • 5. DE 5 A 18 DE JULHO DE 2006 ENTREVISTA 5 NOVOS DESAFIOS QUE ENCONTROU NA POLÍTICA cada vez mais nas pessoas” ção nos Juvenis e nos Juniores. Isso quer mentos pontuais, que lhe indicará um ou que sejam realmente marcantes, muito por Hoje há cerca de 150 idosos na ginás- dizer que os clubes que assumem esta res- outro jogador. O que não pode acontecer, culpa própria, pois rodearam-se de elemen- tica e 81 na hidroginástica. Temos tam- ponsabilidade têm que ter um projecto, nunca, é que o treinador não conheça se- tos do exterior, que não têm nada a ver com bém as excursões promovidas pela Junta uma ideia base daquilo que pretendem, no- quer os jogadores e vá apenas pelo que diz o jornalismo, nem com o futebol, e que e que costumam reunir mais de três deze- meadamente em relação à subida dos joga- o empresário. Quando se permite que abandalharam um pouco o tratamento que nas de pessoas, para além de todas as ac- dores a seniores. Não se pode ter camadas sejam os empresários a colocar os jogado- é dado à modalidade. tividades sociais. Isto porque eu penso jovens a pensar nos resultados no imediato, res nos clubes, com determinados fins, Fala-se demasiado em aspectos exte- que as autarquias não podem pensar ape- mas sim que os jogadores estão a ser for- acontece muitas vezes que esses empresá- riores ao treino e ao jogo… nas na obra do betão e no limpar valetas. mados paras serem o viveiro do futebol sé- rios acabam por ter mais poder na equipa Que não têm nada a ver com futebol. E Também aí melhorámos de um trabalha- nior. Ora isto exige que em cada escalão do que o próprio treinador, que fica preso confunde-se muito a simpatia ou a antipatia dor para onze, mas as freguesias devem haja treinadores com capacidade, primeiro às condições que deixou criar. Numa equi- que se tem por determinada pessoa e trans- pensar cada vez mais nas pessoas, dando para o desenvolvimento da criança, respei- pa com seis ou sete jogadores do mesmo mite-se isso cá para fora. inclusivamente todo o apoio em alguns tando a sua idade cronológica e biológica, e empresário, este acaba por ter mais força do Luís Filipe Scolari, por exemplo… problemas que não passam por nós, mas depois, já na especialização, tendo em conta que o treinador. É preciso ter essa sensibili- Fizeram-se comentários sobre o Scolari sim pela Câmara, mas em relação aos que um júnior deve ter respostas para que dade e há treinadores que não a têm. que são completamente ridículos. Na vida o quais podemos funcionar como elo de li- que conta são os currículos e não tem currí- gação, abrindo as portas necessárias. Em “Costumo dizer que sou um político culo quem quer mas quem o tem. E o Scolari suma, mostrar às pessoas que, na fregue- tem! Não venha agora um indivíduo qual- sia, têm sempre alguém a quem podem por acidente e deixarei de fazer aquilo quer dizer o contrário, porque leu uns livros recorrer. encomendados na Alemanha ou em França e Privilegia o contacto pessoal com os que faço no dia em que as pessoas já está convencido de uma superioridade e de cidadãos? um conhecimento que na realidade não tem. Sem dúvida. Quando aqui cheguei havia pensarem que estou aqui pela carreira uma reunião mensal com a população e PRÓXIMO DAS PESSOAS hoje recebo, por dia, uma média de 15, 20 política” pessoas. E sinto que estamos cada vez mais Depois do futebol, a política… próximos das populações e que as pessoas Só aceitei concorrer a Presidente da Junta encontram na freguesia a resposta para da Freguesia de Santo António dos Olivais muitos problemas. possa ser um sénior em potência (o Pélé foi E a relação futebol/comunicação so- depois de impor algumas condições que jul- A política e os cargos que lhe estão campeão mundial com idade júnior). Para cial… guei impossíveis de serem aceites, entre as inerentes deviam tender precisamente isto é necessário que os treinadores tenham Hoje a Comunicação Social rodeou-se quais escolher as pessoas para a minha lista e para resolver os problemas das pessoas. conhecimentos. Mas é preciso que se tenha de alguns comentadores que não têm nada estar completamente independente no exer- Mas nem sempre assim acontece… em conta que, para fazer um bom trabalho a ver com futebol nem com jornalismo. cício da minha função, sem confundir autar- É um problema humano. Há pessoas na formação, os clubes têm que oferecer Alguns comentadores, ainda por cima bem quia com política. Aceites estas condições, o que quando estão em lugares que julgam condições. Se não têm possibilidade de ter pagos, não têm o mínimo conhecimento do meu trabalho tem-se baseado na minha ma- importantes, tornam-se também “impor- 100 formandos, que tenham apenas 50. O futebol. Podem ter nas suas áreas, da guitar- neira de estar e no constante querer de que tantes”. Eu acho que estes lugares que, de que eu defendo é que, em paralelo, tenham ra, do teatro, do cinema, da medicina, etc, as coisas melhorem. Se hoje melhoro algo, facto, têm alguma importância, devem tor- uma formação virada para a alta competi- mas não têm do futebol. Mas convencem- tenho que continuar a dedicar-me para que nar-se cada vez mais próximos de quem ção, aberta aos melhores e com boas condi- se que são uns “experts” do futebol e estão esses melhoramentos tenham continuidade. deles precisa. Trata-se sobretudo de um fac- ções de trabalho, e outra para a criança, tipo a mexer com toda a estrutura da modalida- É isso que tenho feito, sempre insatisfeito e tor de humanidade e de respeito pelo pró- lúdica, que o governo e as autarquias deve- de, o que faz com que se tenha perdido um a procurar responder às situações que vão ximo. Se eu estiver numa situação de poder rão apoiar, e que não tem como objectivo pouco do respeito em relação ao que anti- surgindo. Estou aqui de corpo inteiro e julgo ajudar, terei que estar disponível para o principal o alto rendimento mas sim a for- gamente acontecia com os comentários dos que alterei alguma coisa nesta freguesia, no- fazer. Um indivíduo não tem o direito de se mação da criança. São duas coisas separa- verdadeiros jornalistas. Recordo que, há meadamente a maneira de trabalhar, que tornar superior só porque está numa das. Os clubes têm que perceber isto, mas anos, os jornalistas desportivos eram consi- hoje é diferente. Câmara ou numa Junta, ou até no Governo. parece-me que poucos ainda o fizeram. derados os “monstros” do futebol, porque O seu trabalho é reconhecido pelas Bem pelo contrário, deve estar mais próxi- O êxito do Sporting no futebol juve- eram homens que sabiam da modalidade e preocupações sociais e pelo bem estar nil terá a ver com o facto de ter sido o em cujo trabalho, algumas vezes, o treina- das pessoas, nomeadamente as mais (Continua na página seguinte) primeiro a melhorar as condições de dor se apoiava. Hoje há poucos jornalistas idosas… trabalho? Para mim, neste momento, o Sporting é o clube que está mais próximo daquilo que eu penso que deve ser a formação. Tem tido grandes proveitos do trabalho sério que tem vindo a realizar, comparável ao que fez o Ajax, na Holanda, o Lille, em França, Três livros e o Barcelona, em Espanha. TERRENO “MOVEDIÇO” publicados O futebol actual é rodeado de toda “Cacos da Vida de um Treinador“, “Peças de um Puzzle” e “Nada uma estrutura empresarial… Cientifico”. São títulos dos três livros da autoria de Francisco Andrade, Esse é um terreno muito “movediço“. que assim explica esta faceta da sua vida: “Tenho a felicidade de ter um Hoje o futebol é uma indústria que combi- neto que me ocupa os fins de tarde. É o meu ‘anti-stress‘. Depois há na a parte do campo, do treino e do jogo, momentos de vazio, muitas vezes apagados pelo computador. Escrevo com toda uma envolvência exterior onde sem saber bem para que efeito e tenho muita coisa que nunca foi pu- estão os empresários, a imprensa, etc. No blicada. Mas quando começam a ter alguma forma decido publicar, so- que respeita aos empresários, por exemplo, bretudo como um desabafo daquilo que sinto e como um sinal de que o treinador não pode, nunca, abdicar de ter estou vivo. Até ao momento escrevi três livros sobre futebol, que re- um conhecimento real dos jogadores que flectem a minha maneira de estar e de pensar, sem entrar no ‘sub- pretende, criando no clube um departa- mundo’ da modalidade, tão do agrado das pessoas. Quando achar que mento de detecção para saber onde estão é a altura certa darei a conhecer toda essa parte do futebol, que a esses valores, de modo a poder escolher minha vivência durante 38 anos permitiu conhecer. Também já pensei com critérios sérios. Claro que precisará escrever um livro sobre a área política. Fica para mais tarde”. sempre da ajuda do empresário, em mo-
  • 6. 6 ENTREVISTA DE 5 A 18 DE JULHO DE 2006 ACADÉMICA E UNIÃO NOS MELHORES MOMENTOS DA CARREIRA Francisco Andrade Alegria e tristeza ao “Centro” Elegemos três grandes momentos na car- te, tinha que seguir a minha carreira, até por- reira de Francisco Andrade, que o próprio que tinha decidido ser treinador profissional”. (Continuado da página anterior) tem denotado algum espírito crítico em assim comentou. Passagem por clubes da 1ª Divisão: “Tive relação à falta de apoio dos governantes Académica de 1969: “Foi uma altura em vários convites para treinar equipas da 1ª mo, porque deve defender o povo que o para determinadas áreas do fenómeno que o futebol driblou a política. Vivíamos Divisão. O Belenenses, o Setúbal, o Chaves, elegeu. desportivo… num país tremendamente fechado, com bas- neste caso havendo até um episódio engraça- Portanto defende menos acção polí- Sou muito crítico porque acho que há res- tantes complicações, e Coimbra, através dos do, porque eu disse que só iria se tivesse um tica e mais política de acção… ponsabilidades do Governo, das Câmaras e seu futebol, deu a conhecer ao país o que se avião para me vir buscar todos os dias. É cu- Costumo dizer que sou um político por das próprias Juntas. Atentemos no exemplo estava a passar. Um jogo de futebol serviu rioso, mas eu fiz sempre a minha vida em acidente e deixarei de fazer aquilo que faço da toxicodependência. Não podemos só para outros fins, que não só o jogo. Mas tam- Coimbra, mesmo quando estive no Boavista, no dia em que as pessoas pensarem que pensar em resolver o problema depois de ele bém em termos futebolísticos foi uma final no Tomar, no Salgueiros, etc. Vinha dormir a estou aqui pela carreira política. Para mim o já estar consumado. Não! Devíamos sim ter brilhante, que perdemos no prolongamento, Coimbra, mesmo com as estradas que havia. mais importante é ser útil e sentir que não dado condições para que os jovens não caís- contra uma equipa muito forte e que era Tinha a minha mulher e um filho a crescer e estou longe das pessoas. Sabem onde me sem nessa vida. E a formação desportiva e campeã nacional. A oito minutos do fim es- punha-se sempre a questão se mais uns tos- encontram e que estou sempre pronto para social é fundamental para prevenir e evitar távamos a ganhar 1-0! Hoje as pessoas não tões e a fama que pudesse ganhar seriam mais ajudar a resolver os problemas. Quando essas situações. Mas parece que há quem dão o devido valor, mas em 69 a Académica importantes do que a família. Tudo isto limi- deixar de ser assim, não contem comigo veja o contrário e só goste de gastar dinhei- estava muito mais próxima do Benfica do tou o meu ‘voo‘, porque recusei muitos con- porque eu não estarei disponível. ro depois de os factos terem ocorrido. Do que está hoje, por exemplo, em relação ao vites de clubes mais longínquos, da 1ª Divisão, Como está a zona abrangida pela meu ponto de vista poderíamos resolver Boavista. A Académica, nesse tempo, era um optando sempre por outros da região, e co- Junta de Freguesia de Sto. António dos muitos dos maus problemas dos nossos jo- valor a nível nacional e mundial, porque tinha meçou a constar que o Francisco Andrade Olivais em termos de desporto? vens se lhes déssemos condições sociais e os seus princípios e a sua maneira de viver e não saía de Coimbra ou que só o fazia de dez Temos muitos jovens a praticar despor- desportivas para se desenvolverem. Eu vejo de estar, que eram realmente sui generis”. em dez anos. Comecei a receber menos con- to em várias áreas, o que é óptimo. Pena isso também na terceira idade. Temos pesso- Subida do União de Coimbra: “Depois de vites. Mas tenho a noção, e perdoem-me a que não existam melhores condições de as idosas que aderiram à ginástica e que hoje sair da Académica tive duas subidas muito imodéstia, que nos anos 70 era dos treinado- trabalho. O Olivais, por exemplo, precisa de nos dizem que deixaram de ir aos hospitais marcantes; a do União e a do Espinho. Mas a res em Portugal mais assediados pelos clubes, um novo pavilhão e a zona norte da fregue- com a frequência com que iam antigamente, subida do União teve mais peso porque foi logo depois do Pedroto e do Mário Wilson. sia de uma piscina. São fundamentais novos o que quer dizer que este deve ser o cami- em Coimbra e porque, no mesmo ano, a Aca- Por vezes as pessoas admiram-se porque é espaços de treino. Então sim, eu diria que a nho. Mas para tudo isto os apoios são fun- démica desceu pela primeira vez à 2.ª Divisão. que, então, apareci depois no Nacional e no freguesia estaria bem em termos desporti- damentais. Sou um crítico muito grande Recordo esses tempos com muita saudade, Marítimo. Eu tinha uma irmã na Madeira e vos. Ainda tenho fé que essas obras se ve- quando se fala em desenvolvimento despor- ainda que tenha que dizer que vivi uma enor- decidi fazer essa experiência, embora ao fim nham a concretizar. tivo só na teoria, mas depois na prática não me alegria pela subida do União, mas uma de um ano normalmente voltasse a Coimbra. Em algumas intervenções públicas aparecem as condições… grande tristeza pela descida da Académica. Depois fui seleccionador nacional da Guiné, Hoje não tem esse peso, mas naquele tempo com um contrato de três meses, mas acabei sair da Académica para o União era algo mar- por ficar mais de um ano, pois as coisas cor- cante e, para algumas pessoas, não foi uma si- reram bem e o Governo não quis deixar-me tuação muito pacífica. Tenho uma grande ad- sair. Até que um dia decidi que só treinava miração pelo União por isso mesmo, porque equipas de perto de Coimbra e estive sete respeitou sempre a minha condição de acade- anos no Lousanense, onde terminei a minha mista. Mas eu também respeitei muito o carreira. Tudo isto identifica a minha maneira clube, porque fiz o que faria em qualquer lado, de estar, porque não sei estar nas coisas a brin- entregando-me de alma e coração. Saí da Aca- car, seja no que for. Quando me entrego, en- démica porque fui dispensado e, naturalmen- trego mesmo, de alma e coração“. LOJAS DE ÓPTICA Espaço Moderno Atendimento Personalizado Facilidades de Pagamento Comparticipação Imediata
  • 7. DE 5 A 18 DE JULHO DE 2006 REPORTAGEM 7 Águas de Coimbra GARANTIA PASSA A SER ENVIADA AOS CONSUMIDORES OPINIÃO com muita qualidade Renato Ávila Márcia Arzileiro A partir do corrente mês de Julho os cli- entes da empresa Águas de Coimbra (AC) Ao fechar a porta vão receber directamente em suas casas o Foi este o último ano de muitas escolas espa- resultado das análises de controlo da água lhadas por milhentas aldeias do nosso país. da rede pública. Passam assim a saber que a A sentença de morte correu célere por mon- água que consomem é de qualidade. tes e vales como se fosse edital no encalço de A empresa faz colheitas diárias de água criminosos. em diferentes locais da rede. O crime destas escolas terá sido, porventura, Até chegar à torneira do cliente, a água o de acender a luz da cultura e do saber a inú- tem de percorrer cerca de 1600/1700 km meras gerações de portugueses esquecidos por de canalizações. Daí que, se não fosse sub- esse Portugal profundo, a anos-luz das mentes metida a uma avaliação durante todo esse do Terreiro do Paço. percurso, o seu nível de qualidade poderia O delito dessas aldeias terá sido a teimosia de deteriorar-se. ficar. De resistir ao camartelo do poder duma Mas a Empresa garante a qualidade da economia excluidora e desumanizada. água que chega a cada consumidor.. Um Portugal marginal de cidadãos margi- Para isso, além das recolhas diárias para nais ora chegados ao ajuste de contas da histó- análise, procedem a algumas medidas habi- ria, ditado pelas leis dum pretenso e oblíquo tuais; como limpeza e conservação dos re- progresso e duma tirânica e escravizante tecno- servatórios, para além de análises constan- logia. tes e adição de produtos que, não sendo Por mais razões que sejam aduzidas, por prejudiciais à saúde, asseguram que a água mais poderosos que sejam os cifrões, o facto, se mantém em boas condições para o con- em si, é incontestável. Está aí à vista de todos. sumo. Num país de altíssima percentagem de analfa- A informação da qualidade da água, e de Uma das responsáveis pela qualidade da água que Coimbra consome betos e iliteratos fecham-se milhares de escolas todos os problemas inerentes a ela, é feita ao como se de galinheiros se tratasse perante o longo do seu percurso através da Telegestão ANÁLISES ENGLOBAM lise, a água vai para a sala das filtrações, avanço arrasador dos aviários. Com a mesma (um seviço que, como o próprio nome indi- 53 PARÂMETROS onde são separados todos os itens para aná- indiferença. A mesma estultícia pseudoprogres- ca, funciona com informação à distância. Em lise; e de seguida para a incubação, onde sista. cada ponto da rede existem técnicos da AC, Uma vez no LCQAC a água vai ser ana- fica até à leitura dos resultados, leitura essa Os direitos dos cidadãos não têm preço. que procedem à recolha da água e informam lisada dentro de 53 parâmetros físico-quí- feita na sala de picagens. É o último sítio Não se vendem. ao Laboratório de Controlo da Qualidade da micos e microbiológicos. por onde passa; é aí que se faz a leitura dos Estão, todavia, a ser negociados o direito à Águas de Coimbra (LCQAC), de forma a As amostras de água passam por alguns resultados de todos os parâmetros, e onde saúde, o direito à educação, o direito à seguran- haver uma rápida e eficaz intervenção sem- laboratórios onde são dados os primeiros se fica a saber se a água está em condições ça e bem estar, o direito ao acesso aos bens da pre que seja detectada alguma anomalia. passos, como por exemplo a identificação de ser consumida. civilização... As aldeias do Portugal profundo Esta empresa está encarregada da quali- de materiais presentes na água, Tomando A empresa privilegia a recolha de amos- morrem porque lhes têm sido sempre sonega- dade, mas também de todo o trabalho en- como exemplo o cálcio, este vai ser identi- tras em escolas, hospitais e cafés, onde co- dos, “mercantilizados”, esses direitos. volvente. É da sua competência, por exem- ficado e posteriormente o valor quantitati- lhem diariamente cerca de 400 amostras. Pela extrema presteza e inqualificável insen- plo, fazer a análise das águas residuais (nor- vo dessa substância vai ditar se a água está A empresa presta também serviços para sibilidade com que o processo se vem desenvol- malmente resultantes de desperdícios), re- dentro dos parâmetros normais para o con- o exterior. Por exemplo, a empresa Águas vendo, é bem possível que os nossos políticos e colhendo-as essas e transformando-as em sumo humano. de Coimbra é responsável pelo controlo da governantes jamais tenham meditado sobre o água de qualidade. Passado o procedimento normal de aná- qualidade das águas das piscinas, onde assunto. fazem recolhas de água semanais, para ga- No pensar dos nossos dirigentes, parece ser rantir que reúnem condições que não afec- absolutamente razoável e compreensível que tem a saúde dos utentes. crianças de meia dúzia de anos deixem de ma- Os resultados das análises feitas pelo drugada o afago do lar e o ambiente calmo e fa- LCQAC são submetidos de seguida à acre- miliar das suas escolinhas para mergulharem na ditação pelo Instituto Regulador de Águas e confusão da grande escola que não está mini- Resíduos que, como afirma Jorge Temido, mamente preparada estrutural e psicologica- administrador da Águas de Coimbra, “ é a mente para os receber e os compensar de tão entidade que nos supervisiona”. violenta alteração de suas vidas. No entender da O laboratório da Águas de Coimbra está nossa política massa cinzenta, a lata dimensão acreditado desde 2002 e é sujeito a avalia- da escola extingue-se quando a última criança ções constantes. ultrapassa os umbrais do portão. De referir que periodicamente vêm tam- Por mais que nos zurzam os miolos, jamais bém amostras de água de Inglaterra, para engoliremos a teoria de que não se pode fazer serem analisadas pelo LCQAC no prazo de bom trabalho escolar com menos de uma dúzia quinze dias, com o intuito de avaliar a qua- de alunos e de que as escolas não servem para lidade técnica da empresa. mais nada a não ser para ensinar crianças. De Como acima referimos, a informação que este encerramento, frio e apressado, não é que antes era apresentada por meio de edi- norteado por razões economicistas e de que tais na Câmara Municipal de Coimbra, passa estão asseguradas razoáveis condições logísticas agora a ser enviada semestralmente ao con- e pedagógicas de compensação educativa. sumidor; para que este fica ao corrente da Por mais alegações que faça a titular da pasta, qualidade da água que sai da torneira. esta política está quanto a nós, perspectivada ao Sublinhe-se, por último, que estes relató- contrário – primeiro encerra-se e depois se vê. rios periódicos estarão ao dispor de qualquer Seja talvez por isso que nunca apareça um pessoa, através da Internet, no site da AC. dos habituais corta-fitas em cada sessão de tão Aspecto do Laboratório de Controlo da Qualidade da Águas de Coimbra Basta ir a www.aguasdecoimbra.pt. sinistro acto – o colocar do cadeado.
  • 8. 8 REPORTAGEM DE 5 A 18 DE JULHO DE 2006 Biocant na vanguarda INAUGURADO EM CANTANHEDE PELO PRESIDENTE DA REPÚBLICA da biotecnologia em Portugal O Biocant é o primeiro parque gica de um homem que soube ler correcta- especializado em biotecnologia mente os sinais dos tempos”, afirmou. de Portugal. Situado Recorde-se que Jorge Catarino avançou, em em Cantanhede, o centro 1998, com um Plano Estratégico de Desen- de inovação em biotecnologia volvimento Económico e Social, documen- to em que constava a urgência de colocar o integra várias empresas e uma enfoque do processo de desenvolvimento equipa de 25 investigadores económico do Concelho na ciência e na – assim fixando profissionais tecnologia. qualificados que, de outro modo, No seguimento do seu discurso, Cavaco provavelmente acabariam Silva defendeu também o reforço da inte- por ir para o estrangeiro. racção entre universidades e empresas, ci- tando relatórios da OCDE que registam a Em actividade desde Setembro fraca relação entre as duas entidades. Neste de 2005, o Biocant Park foi sentido, o Chefe de Estado aproveitou a recentemente inaugurado pelo ocasião para se dirigir aos empresários, lem- Presidente da República, brando que, para “vencerem num mundo que enalteceu o projecto global”, devem “apoiar o trabalho desen- e a iniciativa da autarquia, volvido nos centros de investigação”. Considerando, no entanto, que isso co- realçando a sua importância meça a acontecer, o Presidente louvou o para o país. projecto do Biocant – que evidencia já uma transformação –, dizendo que o parque é Flávia Diniz “uma visão que nos conduz a um futuro promissor”. Foi na sequência do seu Roteiro para a Cavaco Silva na inauguração do Biocant Ciência – Biotecnologia e Biociências, que, A INVESTIGAÇÃO no passado dia 20 de Junho, Aníbal Cavaco EM PORTUGAL volvimento de projectos de qualidade e das da Bairrada. São projectos que implicam Silva inaugurou o Biocant Park. Paragem próprias empresas. uma labuta morosa, durando por vezes um fundamental num percurso que englobou Com efeito, o panorama da investigação Foi também neste sentido que Carlos ou mais anos, mas que têm objectivos con- diversas instituições de ciência e tecnologia científica em Portugal parece estar a mudar, Faro, director científico do Biocant, apelou cretos, com vista à melhoria do bem-estar e do país, dado tratar-se o Biocant do único graças à criação de condições que possibili- ao empreendedorismo, “para que os douto- qualidade de vida das populações. centro de investigação e desenvolvimento tam o desenvolvimento de trabalhos cientí- rados que estão no estrangeiro regressem Relativamente às empresas, encontram- em biotecnologia de Portugal. ficos, e que trazem de volta ao país profis- ao país”, integrando o tecido empresarial se já instaladas no Biocant oito empresas: a Durante a sessão de apresentação, reali- sionais altamente qualificados, que se viram nacional. Para ele, Portugal possui recursos Biognosis, a Biocant Ventures, a Crioesta- zada no auditório do edifício-sede do obrigados a transpor as fronteiras do país de qualidade, o que é necessário é criar con- minal, a GeneBox, a GeneLab, a Gene Pre- Biocant Park – onde estiveram presentes para aí iniciarem as suas carreiras na área da dições que nos aproximem do nível estran- Dit, a Haloris Nanotecnologias e a Vector representantes das principais instituições investigação. geiro e que “nos podem tornar mais com- Pharma. O que se pretende é criar no universitárias e científicas portuguesas, in- Actualmente, “estão a criar-se infra-es- petitivos”. Biocant um “cluster” de empresas e institu- vestidores, empresários e gestores –, o truturas e oportunidades de emprego, ições I&D de excelência no centro de Presidente da República frisou o facto de como tem sido demonstrado no Roteiro do A BIOTECNOLOGIA Portugal, conforme explicou João Moura, Portugal dever apostar na ciência e na in- Presidente”, afirma Paula Gomes, investi- APLICADA À REALIDADE valorizando assim a região e o país. vestigação, porque “inovação e conheci- gadora no Biocant, acrescentando, porém, Recentemente, foi concluído o edifício- mento são cada vez mais palavras que estão que “devia haver mais investimento público Localizado na zona industrial de Canta- sede do Biocant Park, agora inaugurado ligadas com o sucesso”. Cavaco Silva subli- e privado”. Esta é uma questão recorrente nhede, o Biocant, ou Centro de I&D (In- pelo Presidente da República. nhou também a necessidade de as autar- quando se fala de investigação científica. vestigação e Desenvolvimento), está a fun- quias “reajustarem as suas prioridades”, Apesar de “o panorama global ser anima- cionar desde Setembro, com os mais avan- BIOCANT PARK elogiando o município de Cantanhede por dor”, o emprego de verbas é ainda escasso, çados laboratórios de Biotecnologia Mole- AINDA EM EXPANSÃO demonstrar reconhecer “que é muito im- como afirma Conceição Egas, investigado- cular, de Biologia Celular, de Genómica e portante ter bem presente a mudança que ra e coordenadora de projectos no Biocant: de Microbiologia, constituindo um impor- Inaugurado que está o edifício-sede do se passa no mundo”. “não há financiamento continuado, o que tante contributo para o progresso do país Biocant Park, a acção deste parque concen- O lançamento do projecto do Biocant atrasa o desenvolvimento”. na área tecnológica e científica. Nele estão tra-se agora nos projectos futuros. Entre ficou a dever-se em grande parte a Jorge É preciso, pois, investir mais na investi- em estudo diversos projectos, desenvolvi- eles, contam-se a construção de dois novos Catarino, anterior Presidente da Câmara gação, para aquisição de infra-estruturas e dos diariamente por um grupo de 25 inves- edifícios para empresas de biotecnologia, Municipal de Cantanhede, como João equipamentos tecnológicos avançados, mas tigadores, em colaboração com empresas e laboratórios de investigação e um centro de Moura, o actual autarca, fez questão de as- também no capital humano: os investigado- universidades nacionais e internacionais. formação pós-graduada em biociências. sinalar na inauguração do novo edifício do res. Isto, porque a existência de profissio- Entre os trabalhos em curso, destacam- Para os mais pequenos, está a ser criado Biocant Park. “O que vamos ver aqui hoje nais com grau académico elevado é essen- se a previsão da predisposição genética para um Centro de Ciência Júnior, que deverá deve-se, em primeiro lugar, à visão estraté- cial para a capacidade de inovação e desen- a doença cardíaca miocardiopatia hipertró- estar concluído em Setembro. Compor-se-á fica (que – pensa-se – terá vitimado o fute- de um conjunto de laboratórios, onde as bolista Feher), um inibidor para o tratamen- crianças poderão elas próprias proceder a to e prevenção da doença de Alzheimer e experimentações e, desta forma, começar a um microship para diagnóstico precoce do contactar com a realidade científica. cancro do colo do útero. Contam-se ainda O Biocant Park resulta de uma iniciativa um estudo de compostos bioactivos que pioneira do município de Cantanhede, em poderão ser usados na prevenção da cárie, a parceria com as Universidades de Coimbra análise da interacção rolha-vinho, para de- e de Aveiro, associações representativas da terminar alterações nas propriedades antio- região e instituições bancárias. Representa xidantes do vinho tinto, engarrafado com um investimento que ascende a 13 milhões diferentes tipos de rolhas, e a melhoria do de euros, financiado em cerca de 50 por processo de produção do vinho da região cento por fundos comunitários.
  • 9. DE 5 A 18 DE JULHO DE 2006 REPORTAGEM 9 Teste inovador permite dizer REVELADO NA INAUGURAÇÃO DO LABORATÓRIO DA CRIOESTAMINAL Livro de Vasco Paiva se é menino ou menina “Na outra margem do tempo” é o título do livro da autoria de Vasco Paiva, que vai ser apre- sentado depois de amanhã (sexta-feira, dia 7), pelas 18 horas, na Casa Municipal da Cultura de Coimbra, estando a apresentação a cargo de Manuela Cruzeiro (investigadora do Centro de Vai ser brevemente lançado um teste inova- Documentação 25 de Abril da Universidade de dor, não invasivo, de determinação do sexo Coimbra). dos bebés a partir das oito semanas de gravi- Editado pela “Campo das Letras”, o livro é dez. Isso mesmo foi anunciado pelo Presiden- assim definido: te do Conselho de Administração da empresa “São estórias, umas vividas, outras contadas, Crioestaminal, Raul Santos, na cerimónia de muitas partilhadas. Alguns dos nomes são reais, inauguração do seu novo laboratório, no Bio- outros nem tanto.São perfis de pessoas simples cant, em Cantanhede. que viveram, amaram, lutaram. São homens e “A Genelab [entidade criada pela Crioesta- mulheres com sentimentos, grandezas e fraque- minal na área do diagnóstico molecular] irá lan- zas. O indivíduo também conta. Afinal as pe- çar muito em breve um serviço inovador no quenas estórias de cada um, juntas às outras, mercado português e europeu, o qual irá per- também fazem parte da grande História”. mitir efectuar a determinação do sexo dos Vasco Paiva, natural de Matosinhos, reside bebés a partir das oito semanas de gravidez, re- há muitos anos em Coimbra. Tem 55 anos, é duzindo-se assim drasticamente o tempo ne- engenheiro florestal, e é colaborador do “Cen- cessário para se saber o sexo fetal”, revelou tro” (tal como já antes fora, durante vários anos, Raul Santos. colaborador do “Jornal de Coimbra”). Partici- De acordo com Raul Santos, o novo méto- pou activamente na luta antifascista. Foi dirigen- do de determinação do sexo dos fetos surge te associativo na Faculdade de Ciências da no âmbito de um projecto de investigação na Universidade do Porto e do Movimento da Ju- área do diagnóstico pré-natal não invasivo, de- Raul Santos, Presidente da Crioestaminal, com João Moura e Fernando Regateiro ventude trabalhadora. Aderiu ao PCP em 1969, senvolvido em parceria com a Clínica Univer- tendo passado à clandestinidade em 1972. sitária de Genética da Faculdade de Medicina vasivo, a Genelab irá também dedicar-se ao di- nais do sangue do cordão umbilical, conside- Manteve-se como funcionário clandestino até da Universidade de Coimbra. agnóstico de doenças infecciosas, genéticas e rando “ser expectável e possível” a sua utiliza- ao 25 de Abril. Quer antes quer depois da revo- “Este teste é efectuado recorrendo a uma oncológicas. ção terapêutica futura. lução, participou em diversos organismos diri- pequena amostra de sangue da grávida e a téc- Na sessão foram também oradores como o “Acreditamos ou não que os cientistas pos- gentes do PCP. Tem colaboração dispersa por nicas de biologia molecular que permitem de- director científico do Biocant Park, Carlos Faro, sam ser capazes de desenvolver um conjunto várias publicações. tectar material genético do bebé que circula no o presidente da Sociedade Portuguesa de Célu- de terapias em que ter as células guardadas sangue materno a partir das primeiras semanas las Estaminais e Terapia Celular (SPCE-TC), possa ser útil? Com o que é expectável hoje e de gestação”, adiantou Raul Santos, acrescen- Rui Reis, e o presidente da Administração Re- com o que é possível daqui a 20 anos, penso OPINIÃO O referendo tando que “a determinação precoce do sexo gional de Saúde do Centro, Fernando Regateiro. que sim”, afirmou Rui Reis. fetal pode ter interesse clínico, nomeadamente, Em declarações à agência Lusa à margem No novo laboratório da Crioestaminal, nas doenças ligadas ao sexo”. Para além do diagnóstico pré-natal não in- da sessão, o presidente da SPCE-TC defendeu as vantagens da congelação de células estami- podem ser guardadas 60 mil amostras de célu- las estaminais. ao aborto Gostaria de transmitir algumas reflexões sobre o REFERENDO AO ABORTO. Criopreservação de células estaminais LABORATÓRIO DE REFERÊNCIA Sou um dos muitos que, conscientemente, se abstiveram de votar no último referendo. já é possível em Portugal Eu e outros entendemos que é uma matéria de consciência e, por isso, não referendável. É verdade que sempre pensámos que o SIM ganharia e por isso não tivemos preocupação de maior. Criopreservar células estaminais é agora opreservar células estaminais, que podem forto da recolha ou a redução da probabilida- Hoje constatamos que faz parte de uma falsa possível em território nacional, graças à inau- mais tarde ser utilizadas no tratamento de do- de de infecção e do risco de rejeição. guerra direita/esquerda (seja isso o que for). guração, na passada quarta-feira, dia 28 de enças. Ainda de acordo com Raul Santos, o labo- O aborto não tem a ver com essas questões. Junho, de um laboratório especializado, no As células estaminais, presentes no sangue ratório de criopreservação de células estami- Tem a ver sim com filhos que ainda não têm Biocant Park. “Um laboratório de topo a do cordão umbilical do recém-nascido, têm a nais foi construído tendo em conta “os mais possibilidades de serem assumidos, que vêm nível mundial”, segundo Raul Santos, direc- capacidade de se diferenciar em diversos rigorosos padrões internacionais”, de forma demasiado tarde para que a família ainda os tor-geral da Crioestaminal, a empresa respon- tipos celulares, auto-renovar e dividir indefini- a garantir “os mais elevados padrões de segu- possa assumir (sem estragarem o núcleo famil- sável pelo serviço. Para ele, o laboratório “es- damente, formando diferentes tipos de teci- rança e qualidade”. iar), ou têm malformações que a família não tará em condições de acolher células estami- dos. Deste modo, podem ser utilizadas quan- A Crioestaminal foi distinguida pela quali- está em condições de suportar sem ferir de nais de outros países” e “constitui uma opor- do é necessária a sua reposição, muitas vezes dade do seu projecto, em Maio de 2004, com morte o seu núcleo. tunidade de posicionar o país, através do danificados por doenças, como é o caso das o prémio Jovem Empreendedor, promovido Só quem passou por alguma destas situações Biocant, como um pólo de referência na área leucemias. Estas células – refere-se numa pela Associação Nacional dos Jovens e teve que decidir, poderá avaliar a violência ín- da biotecnologia”. nota da empresa – constituem uma alternati- Empresários; e, dois anos depois, pelo carác- tima suportada em cada caso, que provocaram Envolvendo um investimento de 1 milhão va ao transplante de células estaminais da me- ter inovador da empresa, com o prémio marcas fortes durante toda a sua vida. de euros em infra-estruturas e tecnologia de dula óssea, apresentando diversas vantagens, Coimbra Inovação e Excelência, promovido Creio que bastará uma alteração ao Código ponta, este laboratório irá permitir isolar e cri- como, por exemplo, a diminuição do descon- pela Câmara Municipal de Coimbra. Penal para resolver definitivamente a situação. Se enveredarmos por campanhas políticas, vamos ter que aguentar com a demagogia es- túpida dos dois lados... VINICULTURA Enochip: o primeiro produto gerado no Biocant Teremos também que abrir os serviços hos- pitalares sem hipócritas objecções de consciên- cia (muitas vezes é-se objector no Hospital, mas Chama-se Enochip e é o primeiro produ- sector vinícola português e que, assegura adegas. Ao identificar a microflora vínica, é não na Clínica) to desenvolvido pelos cientistas do Biocant. Carlos Faro, “já suscitou o interesse de inves- possível conhecer quais os microorganismos E as mulheres, mais que feridas e violentadas Nove meses após a criação do Centro de tigadores internacionais”, nomeadamente (leveduras) responsáveis pela fermentação de nesta sua decisão, são católicas, agnósticas, de I&D, foi concebido um microship que per- França e Espanha. um bom vinho e compará-los com a micro- direita, de esquerda, de classes altas, médias e mite detectar microorganismos associados à Trata-se, mais concretamente, de uma tec- flora de um vinho de menor qualidade. baixas. fermentação do vinho, auxiliando os enólo- nologia de diagnóstico molecular avançada, O Enochip foi desenvolvido pelo Biocant Desta vez, se houver referendo, por os gos na produção de vinhos de qualidade. que permite monitorizar todos os microor- em colaboração com a Adega Cooperativa de políticos quererem lavar as mãos como Pilatos, Uma descoberta que promete revolucionar o ganismos indesejáveis existentes nas vinhas e Cantanhede. irei votar SIM PELA DESPENALIZAÇÃO. Rui Lucas
  • 10. 10 OPINIÃO DE 5 A 18 DE JULHO DE 2006 FILATELICAMENTE Opel na Alemanha tinha por principal objecti- vo evidenciar a sua solidariedade com os seus A REMODELAÇÃO “Freitas do Amaral sai pela porta grande colegas portugueses da Azambuja”. porque foi uma mais-valia política para o Elisa Ferreira Governo e para o País. Sai por razões intei- JN 25/JUN/06 ramente explicitadas. Só por maldade pura se pode fazer insinuações perversas a esse PS VOA BAIXINHO respeito. itações “O PS voa baixinho, na esperança de que os As soluções de Sócrates para substituir este João Paulo decibéis do Mundial abafem o ruído destes e peso-pesado da política nacional não oferecem Simões de outros aviões, escapando ao radar parla- também contestação. Luís Amado conhece mentar. Se a guerra no Iraque e as mentiras que bem o Ministério dos Negócios Estrangeiros e a embrulham têm desferido fundos golpes na os dossiês ali existentes. É um homem discre- O SELO to, que sabe trabalhar em equipa e julgo que a Notas Técnicas opinião pública mundial relativamente à políti- ca, por cá a imagem das instituições vai tam- sua escolha é inteiramente acertada. bém sendo sujeita a uma incessante erosão”. A outra aposta de Sócrates é igualmente Joana Amaral Dias certeira. Nuno Severiano Teixeira será sempre Pequeno e frágil rectângulo de papel, um excelente ministro da Defesa. Essa é uma DN 26 JUN 06 impresso de um lado e gomado do ou- área que conhece bem e da qual nunca se afas- tro, o papel é feito a partir de uma pasta O RETRATO DO TIO SAM tou. É conhecido o seu pensamento em maté- branqueada de fibras vegetais, que se es- “Tio Sam foi ao fotógrafo e ficou mal no SERVIR O ESTADO ria de defesa nacional, que, aliado ao bom retrato. Um estudo de opinião realizado junto “Civil service: é assim que os saxónicos de- palham em camadas finas e regulares de 17 mil pessoas em 15 países diferentes reve- signam a administração e o funcionalismo pú- senso e inteligência de que sempre deu provas, sobre uma rede. Depois de solidificar, é la que a imagem dos EUA no mundo está cada blico. E fazem bem pois disso se trata, servir ajudarão a prosseguir a reformatação das tratado e reduzido às dimensões deseja- vez pior. O estudo, da responsabilidade de um o Estado que serve os cidadãos, servir os ci- Forças Armadas e a sua intervenção nos dife- das. Incorporam-se na pasta fios de seda, instituto norte-americano, prestigiado e inde- dadãos destinatários do Serviço Público. Uma rentes cenários internacionais. A saída de estes, não sendo dissolvidos nem bran- pendente, o Pew Research Institute, mostra lógica inatacável que a semântica não deixa Freitas do Amaral, longe de provocar uma queados, aparecem distintamente no que pelo quarto ano consecutivo, desde a guer- esquecer. crise, gera assim uma maior coesão no ra no Iraque, há uma degradação consistente e Em Portugal, nem lógica, nem semântica. Governo, pelo perfil dos novos ministros, e papel acabado. não diminui a expectativa de uma boa governa- Textura. Se a rede onde é depositada a progressiva da imagem americana por todo o Estado-Patrão, funcionários empregados, ca- mundo. Incluindo os aliados mais fiéis. Na dernos reivindicativos, carreiras, progressões, ção nessas áreas. pasta for uniformemente entrelaçada, não Quer se queira quer não, o Governo é agora deixa marcas e obtém-se um papel “não Europa, entre 2002 e 2006, a opinião favorável salários. Um festival de argumentos para os aos EUA caiu drasticamente: em França de 63 que - não é o meu caso - advogam o sumiço mais forte.” texturado”. Se, pelo contrário, é constituí- Emídio Rangel para 39%, na Alemanha, de 61 para 37%, em do Estado e dos seus empregados. da por fios regularmente dispostos, o de- Espanha de 38 para 23% e até, na incondicio- É isso que ressalta da contenda entre a mi- Correio da Manhã 30/JUN/06 senho formado por estes transmite-se à nal Inglaterra, de 83 para 56%. No mundo is- nistra da Educação e os sindicatos. pasta, ficando o papel “texturado”. Do lâmico, com a excepção do Paquistão, o pano- A ministra, ao que parece, quer rever este O C(H)ORO DOS TRIBUNAIS mesmo modo passam à pasta as configu- rama é semelhante. Na Indonésia, baixou de sistema de Educação, péssimo na sua concep- Ao fim de 185 páginas de arguição densa, a rações de peças que se incorporem na 61 para 30% e na própria Turquia, aliado tradi- ção, péssimo na sua voragem de recursos, pés- citação de casos precedentes relevantes rede, conseguindo-se assim o papel filigra- cional e membro da NATO, a opinião favorá- simo nos seus resultados. (Yamashita, Ex Parte Yeger, Councilman, Ex nado. vel desceu de 30 para 12%. Na Rússia, de 61 Os sindicatos, ao que parece, querem que Parte Quirin, Lindh, Johnson vs. Eisentrager, e Nos nossos selos usaram-se dois tipos para 43%. Mas nas potências emergentes, a todos os professores cheguem a titulares, dezenas de outros), o Supremo Tribunal de papel texturado: o avergoado ou estri- Índia e a China, embora os dados sejam mais todos os professores caibam na quota de exce- Federal dos EUA infligiu a primeira derrota ju- recentes, a tendência é positiva. lentes (grau máximo da avaliação) e todos os rídica à administração Bush, na chamada ado que, quando vistos contra a luz, mos- “guerra contra o terrorismo”. tra uma pauta de linhas paralelas e ponti- Mas, mais importante do que isso, é que a professores que estejam cansados do exercício opinião pública internacional pensa que o directo da docência se mantenham (sabe-se lá O caso Hamdan contra Rumsfeld (5/184), nhado em losangos, com linhas cruzadas mundo está mais perigoso por causa da guerra onde…) em funções com todas as regalias”. resultante de um recurso de decisão do formando losangos regulares. Todos os do Iraque. Com excepção dos EUA e da Índia, Maria José Nogueira Pinto Tribunal de Círculo do Distrito de Columbia, restantes são texturados. em todos os outros países esta tendência é DN 23/JUN/06 não se pronuncia sobre o tratamento dos pre- Acabamentos. Conforme o fim a que clara. Mesmo em Inglaterra, cujas tropas com- sos de Guantanamo (embora explique que aos se destina, podem dar-se vários tipos de batem ao lado das tropas americanas no O EXEMPLO detidos se aplica, por exemplo, o 3.º artigo acabamento ao papel. Um dos mais so- Iraque, 60% dos inquiridos acham que o “(…) o futebol português é de uma exce- comum da Terceira Convenção de Genebra), fisticados consiste em revesti-lo de uma mundo está mais perigoso por causa do com- lência (hoje, um dos quatro melhores do nem impõe uma solução para o campo, mas camada de gesso obtendo-se o chamado bate que travam. Ficámos, ainda, a saber que Mundo) que só perde, em Portugal, para a pro- explica claramente que o presidente da União papel porcelana, cuja superfície brilhan- na Europa e no Japão nove em cada dez pes- dução de rolhas de cortiça. Todas as outras não pode, sozinho e de forma unilateral, esta- soas ouviram falar de Guantánamo e de Abu profissões, de jornalista a políticos, de serra- belecer “comissões militares especiais”, para te permite uma impressão nítida. julgar “prisioneiros inimigos combatentes”. Tocado por uma ponta de prata, fica Ghraib. Mais do que nos próprios EUA, onde lheiros a agricultores, além da gratidão devida, apenas três quartos sabem o que é.” deviam pensar no exemplo que está ali”.” A decisão apertada (cinco contra três) obri- marcado de negro. Nuno Severiano Teixeira gará a Casa Branca a sugerir ao Congresso um Ferreira Fernandes (In: Catálogo de Selos e Postais, Afinsa, 2004) DN 24/JUN/06 CM 02/JUL/06 novo ‘pacote’ legislativo sobre o assunto. Ou, (Continua) sem tribunais militares legais, a manter no BANDEIRAS CRUZADAS limbo os mortos-vivos de Cuba. O que tem custos para todos.” ”Pelo menos até agora, este Mundial de fu- GLOBALIZAÇÃ0 tebol tem permitido, felizmente, imagens de FUTEBOLÍSTICA CARTÓRIO NOTARIAL DE A. NUNES DA COSTA Gaveto à Av. Fernão de Magalhães, n.º 136, 1.º, salas E, F e G tolerância e camaradagem que nos fazem acre- Nuno Rogeiro “O resultado da globalização futebolística é CM 02/JUL/06 3000-171 Coimbra - Tel: 239832258 Fax: 239832160 ditar que talvez o mundo pudesse ser um espa- Segunda publicação ço bastante mais interessante do que de facto verem-se países pobres, como México, Ucrânia JUSTIFICAÇÃO NOTARIAL é. Em torno de uma bola e duas dezenas e ou Brasil, ou miseráveis, como Equador, Gana SANTA COMBA E A PJ meia de quot;heróisquot;, as emoções, as esperanças e e Angola, fazerem boa figura entre os grandes, “No caso de Santa Comba, o facto de ser EXTRACTO enquanto superpotências, como os EUA e um ex-guarda do projecto Escola Segura não os sonhos aproximam-nos enquanto seres hu- CERTIFICO, narrativamente, para efeitos de publicação, manos. Confesso, por exemplo, que nunca es- Japão, ficam para trás. Isto acontece porque os pode levar a questionar nem os restantes guar- que por escritura de vinte e seis de Maio de dois mil e seis, teve nos meus planos fazer quot;a ondaquot; com ira- melhores jogadores de todas as equipas, de das nem o projecto em si como já alguns suge- quaisquer nacionalidades, jogam nos campeo- iniciada a folhas duas, do livro número “dez-A”, de notas para escrituras diversas, deste Cartório, Luís Manuel nianas e iranianos num estádio alemão, nem riram. É já um trabalho testado com mais de Cardoso de Meneses de Almeida, casado com Maria de deste sair a trocar bandeiras e a tirar fotografi- natos dos países ricos graças à liberdade co- uma década, e com sucesso, e, por outro lado, mercial. Imagine que era assim na produção... Fátima Cristino Teixeira Dias Cardoso Meneses Almeida, sob o regime de comunhão de adquiridos, natural da freguesia as de grupo com eles; como também não os milhares de polícias e guardas envolvidos da Sé Nova, concelho de Coimbra, residente na Avenida deixo de achar emocionante ver gente equipa- É verdade que no dito campeonato do nesta actividade mostraram a importância da mundo existe um peso desmedido, quase me- Marnouco de Sousa, número vinte e oito, freguesia da Sé Nova, cidade e concelho de Coimbra, JUSTIFICOU PELA da com as cores do Brasil ou da Alemanha e de polícia de proximidade no que à escola diz res- USUCAPIÃO, a aquisição dos seguintes imóveis, como seu bem próprio: bandeira portuguesa em punho… tade, da Europa. Mas isso também é indicativo peito para segurança das nossas crianças e res- a) Prédio urbano, sito na Avenida Marnouco e Sousa, Talvez por tudo isto, não foi de particular de uma lição económica. Cada produto é espe- tantes utentes das unidades escolares. Nem cífico, e o poder global das economias é irrele- freguesia da Sé Nova, cidade e concelho de Coimbra, com- posto de casa de habitação de cave, garagem, rés-do-chão surpresa a minha primeira reacção quando, ao uma andorinha faz a Primavera nem este caso e primeiro andar, com a área coberta de duzentos e vinte e abrir um e-mail enviado por um colega depu- vante num sector particular. Os EUA não gos- dramático pode ser objecto de generalizadas tam de futebol e não contam aqui, tal como cinco metros quadrados e área descoberta de trezentos e noventa metros quadrados, que confronta do norte com tado socialista alemão do Parlamento Euro- desconfianças. Maria Amélia Albergaria Nunes, sul com Avenida Marnouco peu, me deparei com fotografias onde uma não riscam em tantos mercados individuais. Um último sublinhado. Estes crimes cos- Portugal, apesar de pequeno, domina a produ- e Sousa, nascente com Carriço e poente com João Duarte de Oliveira, não descrito na Conservatória do Registo Predial multidão levantava no ar bandeiras alemãs cru- tumam ser de grande dificuldade no que res- competente, inscrito na matriz urbana respectiva sob o arti- go 1413, com o valor patrimonial de € 102.170,63, proprieda- zadas com bandeiras portuguesas, assim mistu- ção global de cortiça e hóquei em patins e é re- peita à actividade da investigação criminal. A de perfeita pelos meios normais. rando as cores dos dois países. No entanto, levante na de azeite e futebol. Muitas análises PJ conseguiu um trabalho de grande nível ao apressadas da globalização, confundindo di- DE CONFORMIDADE COM O ORIGINAL não era de futebol que se tratava: grandes pai- resolver o caso sem que se tivesse instalado Coimbra e Cartório Notarial de A. Nunes da Costa, em néis explicitavam que a enorme manifestação mensão com impacto, caem neste erro, atri- o pânico na região. E que a Justiça não tenha buindo aos países grandes um papel que não um de Junho de dois mil e seis. ocorrida no passado dia 20 em Russelsheim, piedade!”. A colaboradora do Notário, perto de Frankfurt, com a participação de mais têm. Maria Lisete Carreira João César das Neves Francisco Moita Flores (“Centro”, edição nº 7, de 5/07/06) de 5 000 trabalhadores da maior fábrica da DN 16/JUN/06 CM 26/JUN/06
  • 11. DE 5 A 18 DE JULHO DE 2006 PUBLICIDADE 11
  • 12. 12 MUNDIAL DE FUTEBOL DE 5 A 18 DE JULHO DE 2006 O Diário Gaúcho sonhava com “a hora do troco” o Diário de Santa Maria colocava Marianne empunhando a bandeira verde e amarela, “rumo à vitória, Brasil”. O Jornal de Santana Catarina (Blumenau) jurava mesmo: “Os franceses vão tomar um banho de bola”. Afinal, só deu França. C’est fini, era a manchete com lágrimas da Tribuna de Santos. O Jornal da Cidade (Bauru) exibiu o placard da ignomínia: França 1 x Brasil nada – “Franceses fazem brasileiros chorar novamente”. O Agora, de Vitória, chamou “vexame” à derrota. O carioca Lance oferecia bigode para recortar. Faltou vestir a camisa, titulava ao lado de foto de Ronaldinho Gaúcho com as costas amostra. C’est fini, desesperava o Bom Dia, de Bauru. Nunca o nome do jornal terá destoado tanto como no passado sábado. Só que o mundo não acaba. O Brasil continua em jogo, agora com Scolari. “Só resta torcer para Felipão”, lembra outro Bom Dia, agora o de São José do Rio Preto. “Vai que é tua, Felipão!” – grita o Hoje, de Cascavel. É hoje, é já daqui a pouquinho. Vai que é tua, Felipão, gritamos nós também. Por… Por… Portugoaaal…!, seguindo o Koran Tempo, de Jakarta, Indonésia. Selecção FRONTPAGE MISTER Dinis Manuel Alves
  • 13. DE 5 A 18 DE JULHO DE 2006 MUNDIAL DE FUTEBOL 13 Coimbra em festa 1 de Julho de 2006 Fotos de Dinis Manuel Alves
  • 14. 14 COIMBRA DE 5 A 18 DE JULHO DE 2006 Depois de provas de selecção realizadas, antecipadamente, por ACIC foi um êxito quinze provadores experientes, observando e pontuando as dife- rentes características das 223 amostras a concurso, em represen- Encerrou no passado domingo a CIC (Feira Comercial e rasse o prestígio de outros tempos, como comprova a opinião de tação de sessenta e um produtores, foram atribuídas 16 medalhas Industrial de Coimbra), pela primeira vez realizada no Estádio muitos dos expositores e o elevado número de visitantes. de Ouro, dez a vinhos Generosos (V.L.Q.P.R.D.), uma a um Cidade de Coimbra. Do vasto programa da CIC destacamos, pela sua importância, vinho Branco (Verde) e cinco a vinhos Tintos. E a verdade é que este novo local permitiu que a CIC recupe- o Concurso de Vinhos realizado logo no dia de abertura. Apesar da Grande Medalha de Ouro não ter sido atribuída, foram distinguidos cinquenta vinhos, das várias categorias, com a medalha de Prata, provando que esta edição primou pela qualida- de dos vinhos apresentados. A sessão incluiu uma palestra, sobre a história do vinho, por Paulino Mota Tavares, intitulada “O Discurso sobre o Vinho - O Vinho sobre o Discurso”, com citações bíblicas e de antigos filó- sofos, falando sobre os benefícios desta bebida, quando utilizada com moderação. A ACIC está, pois, de parabéns pela organização desta VIII edição do Concurso de Vinhos, e pela organização da CIC em termos globais. Ernesto Ferreira Festival de fogo de artifício O Festival Internacional de Design e Inovação Pirotécnica, que decorre em Coimbra desde 24 Junho, apresentou anteontem (segunda-feira) um espectáculo de fogo de artifício integrado nas Festas da Cidade e da Rainha Santa Isabel. O espectáculo esteve a cargo do designer pirotécnico Luís do Espiritu Santo García, de Espanha, tendo como tema “Coimbra - cidade com tradição e inovação”. O designer espanhol, que agora recorrer a tecnologia de ponta para os seus espectáculos, desde 1960 que participa em concursos de renome internacional, conseguindo êxitos em Espanha, França, Itália, China e Portugal, entre outros países. O Festival Internacional de Design e Inovação Pirotécnica in- cluiu já espectáculos nas noites de 24 de Junho, 1 e 3 de Julho, terminando no próximo sábado, dia 8. Junto às margens do Rio Mondego, com a participação de designers pirotécnicos interna- cionais, provenientes de vários países, o público tem aplaudido os deslumbrantes efeitos de luz e cor que os especialistas pirotéc- nicos projectam nos céus da cidade. Feira Popular no Choupalinho Está já a funcionar no Choupalinho (até ao próximo dia 16), a Feira Popular de Coimbra, inaugurada pelo presidente da Câmara Municipal. Em declarações ao “Centro” o presidente da Junta de Fregusia de Santa Clara, José Simão, afirmou: “Toda esta realização foi conseguida com o empenho e espírito de missão dos trabalhadores da Junta de Freguesia e do seu Executivo. A Associação de Festas da Cidade de Coimbra e da Rainha Santa Isabel participou nesta grande organização apenas com a colocação do palco da Câmara e mais nada”.
  • 15. DE 5 A 18 DE JULHO DE 2006 DESPORTO 15 DAVID MATEUS CAPITANEOU EQUIPA DE CAMPEÕES “Foi uma época fantástica” David Mateus é o “capitão” da equipa de futsal da AAC/OAF, ACADÉMICA CONQUISTOU A TAÇA NACIONAL DE JUNIORES EM FUTSAL que recentemente se sagrou campeã nacional de Juniores. Em conversa com o “Centro” realça que a união existente Briosa equipa no grupo de trabalho esteve na base do sucesso António José Ferreira Foi uma época vitoriosa… O objectivo fundamental foi alcançado. O “Distrital” foi muito fácil. Apenas con- sentimos um empate e somámos vitórias em todos os outros jogos. No “Nacional” ressentimo-nos dessa situação, devido à falta de competitividade até aí verificada. A David Mateus dada altura sentimos algumas dificuldades, porque não tínhamos muitos jogadores, e supõe que se trata de uma equipa com foi muito importante a vinda de três juvenis, “alma”… decisivos na conquista do título. Começá- É verdade. Tivemos uma força anímica mos mal, com uma derrota em Aveiro, mas fantástica e um colectivo muito forte, que A Taça é da Briosa! Depois da “dobra- e, ao cabo de um jogo emotivo e marca- depois rectificámos, vencendo os restantes nos permitiu sempre superar as dificulda- dinha” a nível distrital, a equipa de futsal do por constante incerteza no resultado, jogos. Passámos à meia final, onde defron- des nos momentos decisivos. No jogo com da AAC/OAF venceu agora a Taça Na- acabaram por garantir a conquista do tí- támos o Pombal em dois jogos fantásticos. o Freixieiro, por exemplo, estivemos quase cional de Juniores. No jogo decisivo, que tulo nacional. Cá cedemos um empate a quatro mas lá fi- sempre em situação de desvantagem e ape- venceu por 8-6, os “estudantes” foram Na foto, os novos campeões nacionais. zemos um grande jogo, ganhámos 5-1 e nas conseguimos os dois golos de vanta- muito apoiados pelo público de Coimbra. Primeiro plano: Filó, André, João, Jorge, passámos à final. Com o Freixieiro, no Por- gem nos últimos minutos do jogo. A amiza- Depois da derrota no terreno do Frei- David, Ricardo Oliveira, Bruno Figueiredo to, perdemos 4-3 mas depois cá, com um de existente entre todos ajudou muito a que xieiro, por 4-3, no jogo da segunda mão e Hugo (treinador de guarda-redes). Se- público fantástico, conseguimos ganhar 8-6. tivéssemos um grupo mentalmente muito só a vitória por mais de um golo interes- gundo plano: Ladeira (director), Ricardo Em suma, foi uma época fantástica, em to- forte. Além de uma equipa éramos muito sava à equipa de futsal júnior da AAC/ (director), Júlio (seccionista), Simões (secci- dos os aspectos, fruto de termos um grupo amigos e tudo isso foi muito importante. O /OAF. Com o Pavilhão Jorge Anjinho onista), Russo, Marco, Joel, Bruno Ro- muito unido. Foi espectacular! treinador era novo mas conseguiu unir o bem composto, os pupilos de Rui Ber- drigues, Jorge, Rui, Houssein, João Paulo grupo. Mérito dele, e também dos jogado- nardes realizaram uma excelente exibição (director) e Rui Bernardes (treinador). Em que momento sentiram que a res, dos directores, enfim de todo o grupo conquista do título podia ser mesmo de trabalho. Trata-se de uma equipa que uma realidade? tem vindo a trabalhar bem ao longo dos úl- mento do futsal na região e no país? futebol, creio que é hoje a segunda modali- Para mim o momento decisivo foi a vitó- timos quatro anos, sempre com o mesmo Apesar de durante o “Distrital” ser mais dade em Portugal. ria por 5-1, em Pombal. Nesse jogo de- objectivo. Há quatro anos fomos vice-cam- difícil termos público, pois jogamos às 11 monstrámos uma força incrível. Pouca peões nacionais. Perdemos na final com o da manhã de domingo, quando chegam as O que espera do futuro? gente esperava que ganhássemos lá, mas fi- Sporting. Nos últimos dois anos fomos às fases decisivas vê-se muita gente nas banca- Em termos pessoais consegui alcançar o zemos um jogo brilhante e começámos a meias-finais, em ambos os casos eliminados das. O futsal está a chamar cada vez mais título que tanto queria. Para o ano sou séni- ter consciência de que poderíamos conse- pelo Pombal. E este ano fomos campeões gente e, neste caso concreto, o público foi or e o ano de transição é sempre complica- guir um feito único para Coimbra e para a nacionais! Portanto tem sido um trabalho simplesmente fantástico e teve um papel do, mas vou trabalhar para jogar muito Académica. muito bem desenvolvido pela Académica e muito importante na conquista do título. A tempo. Sei que é difícil, porque a Aca- que este ano permitiu recolher frutos. “Mancha Negra”, por exemplo, veio assistir démica tem excelentes jogadores, mas vou Partiram sempre para o segundo jogo ao jogo. Há cerca de sete anos que jogo fut- trabalhar para aprender tudo o que puder e em situação de desvantagem, o que pres- A adesão do público reflecte o incre- sal e sinto que evoluiu imenso. Depois do dar o máximo pela equipa. “ACREDITAR NO FUTSAL 3” TEVE LUGAR EM VILA VERDE Goleada solidária Futsal e solidariedade vol- taram a estar de mãos da- das. O jogo “Acreditar no Futsal 3” teve por palco o Gimnodesportivo de Vila Verde e opôs a equipa local à Selecção Jornal Futsal 2006. Sob a arbi- tragem de José Monteiro e Luís Marques, os visi- tantes levaram a melhor por expressivos 10-1, com golos de Rui Mo- reira (1), Pipe (2), Zé João (1), André Matos (1), Tiago Teixeira (1) e Luisi- nho (4). Tó Marques marcou para os locais
  • 16. 16 DESPORTO Memória e futuro DE 5 A 18 DE JULHO DE 2006 VI Torneio Dr. Valdemar Pinho repetiu êxito dos anteriores Memória e futuro. Duas palavras quete funciona de forma articulada com os que estiveram de mãos dadas outros escalões de formação do Olivais. no decorrer do VI Torneio Este ano procurámos levar as equipas se- Internacional de Minibasquete niores às escolas, de modo a haver uma Dr. Valdemar Pinho, organizado base de recrutamento maior. Deparámo- nos com algumas dificuldades, devido à or- pelo Olivais Coimbra. Memória ganização das próprias escolas, nomeada- porque, com esta prova, o clube mente no que respeita aos horários, mas recorda um dos seus mais mesmo assim conseguimos interagir com carismáticos dirigentes, cerca de 500 ‘miúdos‘, de ambos os sexos“. desaparecido em 2001; Sobre o êxito do torneio, o Coordenador futuro porque a excelência do Minibasquete do Olivais frisa que “o clube tem uma vantagem, que é a de ter da organização e os jovens muita gente disponível para trabalhar. Com talentos que evoluíram dentro a boa vontade das pessoas, coordenação e do campo, deixam prever o sucesso dedicação, consegue-se fazer o trabalho que nos tempos mais próximos está à vista. É o caso deste torneio, que fun- Luís Gonçalves João Cortez Vaz ciona com o trabalho de muitas pessoas, al- António José Ferreira gumas sem nunca terem jogado basquete, “Felizmente que o Olivais começou a fo- paragens dos campeonatos e aproveitando mas porque têm cá os filhos ou já tiveram. Com duas equipas, o Colégio Leonés foi a mentar estes convívios, salutares e de máxi- para lembrar pessoas que já deram e conti- São de uma dedicação extrema“. principal atracção do VI Torneio Internacional ma importância para o desenvolvimento do nuam a dar o seu contributo ao Olivais“. Sobre o homenageado, João Cortez Vaz lem- de Minibasquete Dr. Valdemar Pinho, tanto modalidade e em especial do Minibasque- Relativamente ao Prof. Valdemar Pinho, bra que “foi uma referência para o basquetebol mais que se trata de um dos melhores clubes te”. São palavras de Luís Gonçalves, actual Luís Gonçalves entendeu ser elucidativo re- distrital. Dedicou-se ao Olivais e trouxe-lhe alma de formação do basquetebol espanhol. Igual- Director Técnico do clube, que endereça os cordar a sua última intervenção pública, ao nível da formação de base. Entretanto desa- mente presentes, para além das equipas anfitri- parabéns “a toda a ‘massa humana’ interve- quando afirmou que quot;pelo Olivais vive-se, pareceu, mas esta boa gente do Olivais todos os ãs (Minis Femininos, Minis A, Minis B e niente na organização”. Do plano de traba- ama-se e sofre-sequot;. anos faz esta festa em memória do Valdemar, Bambis), estiveram Académica, Anadia, Cha- lho que gizou para a próxima época, e por- Sempre atarefado, nomeadamente pelo que faz muita falta. Obviamente mais à família musca, Ginásio, Grupo PT e Sangalhos (2 que “é essencial aumentar o nível e quanti- constante contacto que mantém com atle- do que a nós, mas também ao clube, porque era equipas), perfazendo cerca de 150 atletas que dade de jogos realizados pelas nossas equi- tas e pais, fundamental neste escalão, João uma pessoa com uma alma e uma dedicação encheram o Pavilhão Eng. Augusto Correia de pas”, faz parte precisamente “continuar Cortez Vaz concedeu breves minutos ao enorme e com um grande poder de relaciona- alegria e entusiasmo (e basquete). com este tipo de torneios, preenchendo as “Centro” para explicar que “o Minibas- mento com os outros”. Sementes de verde Pinho Grande parte destes “miúdos” (e pais), solveria este e outros eventuais proble- que encheram o Pavilhão Eng. Augusto mas, mesmo daqueles mais graves, sem- Correia de alegria e entusiasmo, não sa- pre com apelo ao diálogo e com base no berão quem foi Valdemar Pinho. Tê-lo- poder de relacionamento com todos os iam conhecido, se cá estivesse, desde logo que o rodeavam. Teriam podido consta- pela forma acolhedora como, à entrada tar que era uma pessoa respeitada e de do pavilhão, receberia e daria as boas vin- quem se gostava. E com quem se apren- das às comitivas visitantes, sempre com dia. Talvez não se tivessem apercebido da aquele sorriso. Tê-lo-iam visto várias sua grandeza, porque não era Homem vezes parado a olhar para o campo, a sor- dessas coisas. rir, admirando as jogadas mais belas e vis- Mesmo não o tendo conhecido, estes tosas (era sobretudo desta forma que via “miúdos” (e pais) sabem agora que o o basquete). Tê-lo-iam visto pelo pavi- Prof. Valdemar foi um dos maiores diri- lhão, durante os dois dias da prova, aten- gentes do Olivais, lançando as sementes to aos mais diversos pormenores da orga- para que o clube atingisse, ainda no seu nização e a conversar com sócios, pais, tempo mas sobretudo nos dias de hoje, o Os actuais Iniciados apadrinharam a “subida” dos futuros companheiros treinadores e atletas. Vê-lo-iam mais estatuto de um dos “grandes” do basque- sério, argumentativo, “irritado” mesmo tebol português. E que o seu trabalho, fe- se, pelo meio, alguém se tivesse “metido” lizmente, tem seguidores. Que vivem, com o “seu” Olivais. Atentos, teriam amam e sofrem pelo Olivais. visto a lealdade e serenidade com que re- António José Ferreira Carlos Ângelo reconheceu o apoio dado Carlos Ângelo com os capitães de equi- Em acção alguns elementos da equipa responsável pelas refeições por Francisco Andrade pa do Olivais e do Colégio Leonés
  • 17. DE 5 A 18 DE JULHO DE 2006 DESPORTO 17 Depoimentos Grande dinamizador “Não tive o prazer de conhecer o Dr. Valdemar Pinho mas sei que foi decidido dar-lhe o nome do tor- neio como forma de o homenagear pelo trabalho que fez na formação do Olivais. Foi ele o grande dinamiza- dor do Minibasquete e foi com ele que se iniciou esta fase de maior sucesso. Damos grande importância a este tipo de torneios, porque são uma forma de dar Carlos Ângelo jogo aos ’miúdos’ e de se divertirem e se sentirem bem Presidente do Olivais no basquete e no Olivais”. Homem com H grande A equipa de Minis Femininos do Olivais, treinada por Rafaela Santos “Desde a primeira edição que o número de equipas e atletas e o alto nível de organização deste torneio o colo- caram no Calendário Nacional da FPB. Reflecte a aposta do clube na formação. Tive o privilégio de conhecer o Prof. Valdemar poucos dias após ter chegado ao clube. Era um homem com H grande, um lutador e tinha uma sensibilidade fora do comum. Sabia o nome de todos os atletas. Numa altura em que o Olivais atravessava uma das Carlos Gonçalves Ex. Presidente do Olivais fases mais difíceis da sua longa história, como Presidente da Direcção aguentou o ‘barco’ praticamente sozinho”. Grande festa “Conheci muito mal o Dr. Valdemar Pinho mas o que ele transmitia deve ser o lema de todos nós. Este torneio é uma grande festa para os ’garotos’, que nunca deve deixar de se realizar. Enquanto puder ajudar vou estar por aqui”. João Cortez Vaz com os Minis B do Olivais Maria João Branco Dirigente do Olivais Homenagem merecida “O Dr. Valdemar Pinho foi um dos grandes impul- sionadores do basquete no Olivais e em Coimbra. Todas as homenagens são merecidas. O torneio em si é muito interessante e já se vêem bons valores em campo. Organizações deste género são muito importantes para a modalidade”. José Manuel Almeida Dirigente da ABC Jogar e divertir Os Minis A com o treinador Paulo Cordeiro “Esta iniciativa é muito ‘fixe’. Convivemos com mui- tas pessoas, umas que não conhecíamos, outras que já não víamos desde o ano passado. O Minibasquete é mais para jogar e divertir, não é troféus nem a preocu- pação de ganhar, mas também há o problema de elas serem melhores do que nós e perdermos por uns quan- tos. Não sei quem era o Dr. Valdemar Pinho”. Diana Santos Jogadora do Olivais Fazer amigos “É um torneio engraçado, que o Olivais organiza há seis anos, e em que jogamos contra várias equipas. É bom para os Minis jogarem mais vezes e terem mais prática de jogo. O convívio também é muito importante pois fazemos novos amigos. Sei que o Dr. Valdemar Pinho foi um antigo presidente do Olivais e que foi muito importante para o Mini- José Marques Os Bambis do Olivais posaram a rigor para a foto do “Centro” basquete”. Jogador do Olivais
  • 18. 18 DESPORTO DE 5 A 18 DE JULHO DE 2006 ISABEL LEMOS ACREDITA NA EVOLUÇÃO DO BASQUETEBOL CONIMBRICENSE “Há clubes a fazer um Dezanove clubes, 1070 atletas. soas hoje tendem a dizer que a modalidade modalidade, de facto, é frequente nadores a trabalhar sem São estes os números que contrastam não está bem. É evidente que já tivemos reportar-se ao que o basquete já serem pagos. A men- com a visão menos optimista daqueles mais equipas no topo e mais atletas do que foi em Coimbra. Mas está cá a talidade era essa e a que não perdem oportunidade agora, mas foi algo esporádico e penso que, trabalhar! Outro exemplo inte- sociedade assim per- para evocar os tempos de glória em número de jogadores e de prática fede- ressante é o Sr. José Manuel Al- mitia e as pessoas, se rada, estamos relativamente bem. Gostáva- meida, que foi internacional há calhar, não precisavam do basquetebol conimbricense. mos de ter mais, mas dentro do que são as cerca de 50 anos e que é hoje tanto do dinheiro. Que existiram, de facto. A Directora dificuldades do dirigismo actual e do que é o Coordenador Distrital de Actualmente há Técnica Regional da Associação ter um clube a funcionar, penso que esta- Minibasquete. Outras pesso- modalidades que con- de Basquetebol de Coimbra (ABC), mos bem e que há clubes a fazer um bom as que vamos encontrando seguem pagar muito Isabel Lemos, reconhece que trabalho e um grande esforço para manter a não têm esse espírito. Dizem bem, casos do ténis, da a modalidade no distrito já viveu modalidade. Gostaria também de referir que as coisas não estão bem, natação e da gi- que muitas das iniciativas que levamos a mas não têm vontade nástica, mas tempos de maior fulgor mas efeito seriam impensáveis sem o apoio das de vir trabalhar, co- acredita que os melhores caminhos autarquias do distrito. Actualmente as Câ- laborar. estão de novo a ser trilhados maras de Coimbra, Cantanhede, Figueira da Foz, Montemor-o-Velho e Penacova são Mas concorda António José Ferreira aquelas com quem mais trabalhamos, mas que se perdeu al- também outras como Mira, Lousã e Arganil. guma qualida- Como está o basquete em Coimbra? de no trabalho Os saudosistas e aqueles que conhece- Os saudosistas a que se referiu assu- que é realiza- ram o basquete de Coimbra noutros tem- mem uma posição meramente derrotis- do? pos dizem que estamos mal. Não vou tanto ta ou continuam a contribuir de alguma Sim, em re- por aí, até porque tento sempre ter uma forma para a evolução da modalidade? lação há cerca visão optimista das coisas e acho que não Há um pouco de tudo. Aqui na de duas déca- estamos assim tão mal. Mas a forma como Associação, por exemplo, temos a trabalhar das atrás, quan- o desporto é visto e tratado pela política e connosco um dos grandes nomes do bas- do as pessoas fa- pela própria sociedade não é de forma ne- quete de Coimbra, o Eng., Adriano Baga- ziam volunta- nhuma a que merece. E o basquete vai in- nha, que é o actual Coordenador de Está- riado e portan- cluído nisso. Neste país o futebol é uma gios de Nível I. É uma pessoa muito exi- to tínhamos os coisa e o resto do desporto é outra. Como gente e tem dado um apoio importante aos bons trei- o basquete foi, em tempos, uma referência jovens treinadores que estão a começar. muito forte no distrito de Coimbra, as pes- Quando conversamos sobre estas coisas da PROGRAMA “PASSO A PASSO” REÚNE OS MAIS CAPAZES Jogador inteligente Os grupos de Iniciados, femininos e masculinos, que integraram o programa “Passo a Passo” da Associação de Basquetebol de Coimbra Além do trabalho com as diversas selec- sação de que ao fim de um estágio eles já es- de e potencial. Encontram-se de mês a mes, capaz de responder ao que o jogo lhe exige ções, a Federação e as Associações têm tavam a perceber o que o treinador queria, com treinos de duas horas, intervalando e não o domínio de técnicas sem contexto. vindo a criar outros momentos de treino estavam a interligar-se e a formar um pouco com o estágio da selecção. Definimos os Por exemplo, procuramos trabalhar o con- para os atletas de elevado potencial. Foi mais do que a simples soma das partes, mas temas mais importantes que queremos tra- ceito de criar vantagem, que eles vão perce- nesse contexto, precisamente, que a ABC isso acabava por se perder uma vez que só balhar, de forma a que depois os levem para bendo enquanto treinam, colocando a tóni- lançou o programa “Passo a Passo”, assim se voltavam a encontrar meses depois. O a selecção e também a darmos uma ideia aos ca não só no gesto técnico mas também no explicado por Isabel Lemos: “Normal- ‘Passo a Passo’ surgiu na sequência dessa re- clubes daquilo que para nós é o mais impor- objectivo com que o executam. Ao fim de mente só conseguíamos trabalhar com as flexão. Trata-se de um programa que não tante trabalhar nestes escalões. A nível técni- dois anos de ‘Passo a Passo’ estamos satis- selecções nas férias e, ao longo da época, pensa apenas na selecção, mas onde conse- co escolhemos o lançamento e alguns con- feitos e se apenas o fazemos no escalão de eram raros os contactos que tínhamos com guimos reunir mais vezes os ‘miúdos’ que, ceitos que têm a ver com a ideia de trabalhar Iniciados é porque não temos verbas para o os ‘miúdos‘. Ficávamos sempre com a sen- em cada momento, mostram maior qualida- o jogador para que seja inteligente, criativo e estender aos Cadetes“.
  • 19. DE 5 A 18 DE JULHO DE 2006 DESPORTO 19 bom trabalho” o mesmo não se passa no basquete. Os clu- para que a formação dos atletas seja um outro… O importante nestes escalões é tra- a ver com despesas de transportes das equi- bes optam então por treinadores muito processo contínuo e coerente. A outra balhar a pensar no atleta, no seu percurso. pas e com as arbitragens. Tenho algum re- novos para os escalões mais jovens, o que questão tem a ver com a necessidade de ceio que essas dificuldades aumentem e conduz ao decréscimo de qualidade que na conseguirmos atrair para os escalões jovens A escassez de momentos competiti- condicionem o objectivo de aumentar o nú- realidade se verifica. As pessoas tendem ce- os treinadores mais experientes e vocacio- vos é outro dos problemas do basquete- mero de praticantes. do demais a pensar que já têm muita segu- nados para este trabalho. Isto pode ser difí- bol em Coimbra? rança nas coisas e dentro dos clubes, nor- cil, dadas as dificuldades a nível de remune- Depende com quem nos comparamos. Mensagem que gostaria de deixar malmente, não há uma estrutura de coorde- ração, contudo é preciso continuar a procu- Há 20 anos não havia ‘Distrital’ de Iniciadas para os leitores do “Centro”, nomeada- nação técnica que resolva os problemas que rá-los. Por fim é também necessário que os e este ano tivemos seis equipas. Claro que mente para aqueles que acompanham vão surgindo. Onde estamos com mais dé- dirigentes assumam as suas funções com se olharmos para Aveiro, por exemplo, ve- mais de perto o basquetebol? fice de qualidade de trabalho é nos Cadetes, maior profissionalismo. Se estão “dentro” rificamos que tem cerca de 20 equipas e O mais fácil é seguirmos o rumo da so- tanto masculino como feminino, que é um devem estar ao seu melhor nível, criar con- outro tipo de competição. Mas Viseu, Leiria ciedade actual e fecharmo-nos um pouco escalão muito importante em termos desta dições de trabalho, acompanhar as necessi- e Santarém têm menos do que nós. Nos es- em nós, tentando resolver os nossos pro- perspectiva do desporto que vai caminhan- dades dos técnicos, orientar para o respeito calões de Iniciados e Cadetes, sobretudo, blemas sozinhos. Por outro lado, o mais do para o rendimento. Nos Iniciados creio de valores éticos e desportivos, não descu- gostaríamos de ter uma maior estabilidade. fácil também é estar de fora e criticante. que estamos a trabalhar relativamente bem. rar a qualidade… Têm surgido algumas ideias e a nível nacio- Neste contexto, a mensagem que posso dei- nal está a ser discutida a possibilidade de re- xar é dizer que acredito no desporto como Será necessário introduzir mais algu- Mas a vontade de ganhar deve ser in- formulação das competições, de modo a re- via muito importante para que o ser huma- ma exigência ao nível do treino… cutida desde o início? Ou não? solver estes problemas de Associações com no sinta sucesso em estar na vida, em vários Sim. Tenho a certeza que sim, nomeada- A questão não é quanto a mim essa, por- poucas equipas. Não é fácil, por causa das papéis, não só no de atleta ou de treinador. mente nos escalões de Iniciados e Cadetes. que todos os que lidam com estes jovens at- deslocações, apesar de sermos um país pe- É um espaço muito importante e um bom São anos decisivos. Os treinadores estão letas sabem que eles querem sobretudo ga- queno. Temos conversado com Aveiro, que caminho, que deve fazer parte da vida das muito preocupados com os resultados e nhar. O que é importante é educar os atletas tem algumas equipas mesmo no sul do dis- pessoas. O basquete foi a modalidade onde não conseguem pensar no jogador como para que percebam que o mais importante trito e que poderiam proporcionar-nos uma comecei e é aquele onde tenciono continu- um desportista que vai evoluir a médio ou não é ganhar a todo o custo, e que o seu em- competição bem mais interessante. Por ou- ar a trabalhar, seja em que papel for. O que longo prazo. Pensa-se muito no curto prazo penho e vontade devem estar focalizados em tro lado, onde vemos que as Câmaras Mu- posso dizer às pessoas é que acreditem tam- e no resultado imediato, o que pode inibir a trabalhar bem para poderem melhorar em nicipais partilham do mesmo objectivo, bém no desporto, nomeadamente no bas- progressão dos atletas. Esta exigência pode cada dia, e que é o fruto desse trabalho que temos incentivado o aparecimento de no- quetebol, e que na medida do possível con- ser conseguida de várias formas. Uma delas lhes vai trazer a principal vitória, o serem vos clubes. Neste momento estamos a tribuam para o crescimento da modalidade, é fundamental para se dar um passo em progressivamente jogadores mais completos, apostar em Mira e Arganil, embora perce- procurando adaptar-se ao tempo em que vi- frente, que é a existência de coordenadores com mais argumentos para utilizarem nos bendo que se trata de um processo difícil. vemos. A solução para os problemas do técnicos em todos os clubes. Eles devem ter jogos. A vitória só por si, especialmente no Também gostávamos que a Naval voltasse desporto em geral, e do basquete em parti- um papel fundamental na estruturação dos que se refere a escalões de formação, não a ter formação e todos os anos temos feito cular, é termos a capacidade de compreen- conteúdos de treino e na orientação das nos diz grande coisa, diz-nos que uma equi- tentativas nesse sentido. Mas não é fácil, até der o contexto em que estamos e termos formas de trabalho, bem como no acompa- pa tem melhores jogadores que outra, ou porque a principal dificuldade que eu vejo vontade de trabalhar, ainda assim, para que nhamento dos treinadores mais jovens, que um treinador foi mais esperto que o no prosseguir da actividade dos clubes tem as coisas sejam melhores. CAMPO DE TREINO ESTÁ A DECORRER EM COIMBRA A técnica ao serviço da táctica O Pavilhão Multidesportos de Coimbra está a ser palco do 2º Campo de Treino da ABC. Isabel Lemos lembra que se trata de uma iniciativa que surgiu “pela primeira vez no ano passado e a ideia inicial era fazer dele um prolongamento do trabalho do ‘Passo a Passo’ e das selecções e, portanto, ser um grupo relativamente fechado e que reunisse os atletas que haviam estado con- nosco ao longo do ano e, eventualmente, permitir a entrada de mais alguns interessa- dos que não tivéssemos seleccionado. Entretanto compreendemos que não iría- mos ter a quantidade de ‘miúdos’ que pre- tendíamos e abrimos o campo a todos os atletas federados e vagas para o desporto Escolar, até porque interessa-nos manter esta ligação. Em termos de trabalho tínha- mos dois objectivos: que todos compreen- dessem a filosofia de desenvolver o jogador inteligente e de utilizar a técnica ao serviço do acto táctico, procurando que fosse um campo divertido e onde eles se sentissem bem; outro objectivo foi tentar integrar treinadores dos vários clubes do distrito, nomeadamente os mais jovens, de modo a Participantes no Campo de Treino ouvem atentamente as indicações dos treinadores que pudessem trabalhar connosco todas as Gostámos do modelo utilizado e este ano des alterações. Tivemos que aceitar dez ex- dada a grande procura, o que para nós é um questões que consideramos importantes. partimos para ele logo de início, sem gran- cedentes ao número inicialmente previsto, excelente sinal“.
  • 20. 20 DESPORTO DE 5 A 18 DE JULHO DE 2006 DEPOIS DA SUBIDA DE DIVISÃO, O TÍTULO NACIONAL HOJE ÀS 20 HORAS, EM MUNIQUE Olivais é campeão Portugal e França disputam lugar na final Portugal e França vão voltar a defrontar-se em meias-finais, mas pela primeira vez num Campeonato do Mundo, quando se encontrarem hoje (quarta-feira), pelas 20 horas, em Munique, de- pois de dois encontros em Europeus de memória amarga para os lusos. No total dos 21 jogos que opuseram portugueses e gauleses, cujo saldo é amplamente favorável aos franceses, os dois únicos confrontos oficiais aconteceram nas meias-finais dos campeonatos europeus de 1984 e de 2000, e em ambos a França se sagrou cam- peã. Dos pés de Michel Platini e Zinedine Zidane, os dois maiores executantes da história do futebol, resultaram os golos que afas- taram Portugal. O segundo, com retirada anunciada para o fim do Mundial, vai reencontrar Portugal em Munique. Há 22 anos, no Europeu francês, Portugal cruzou-se com os anfitriões em Marselha e depois do 1-1 no tempo regulamentar, com Jordão a responder ao tento inaugural de Domergue, o avançado portu- guês colocou a equipas das quot;quinasquot; em vantagem no prolonga- mento, mas o francês voltou a nivelar (2-2). O golpe decisivo teve assinatura de Platini, que afastou Portugal e lançou a França para a final, em que venceria a Espanha. O Olivais venceu o Campeonato Coimbra, os novos campeões foram verdadeiramente Passados 16 anos, num Europeu co-organizado por Bélgica e Nacional 2. Depois de garantida imparáveis e cedo consumaram a fatal diferença no Holanda, Bruxelas foi palco do reencontro luso-francês e Nuno a subida de divisão, a equipa marcador (100-91 foi o resultado final). Gomes deu vantagem à equipa então orientada por Humberto de Frederico Portugal manteve-se Esta época já por duas vezes o Olivais espreitara a Coelho, mas Thierry Henry forçou o tempo extra. na senda das vitórias e sagrou-se conquista de um título nacional, fruto das presenças na Então, Zidane, na transformação de uma grande penalidade campeã nacional “Final 4” da Taça de Portugal feminina e na Fase Final por mão de Abel Xavier, reenviou a França, então campeã do da Taça Nacional de Juniores Femininos, mas foi desta Mundo, para uma nova final, em que viria a derrotar a Itália. António José Ferreira que acabou por consegui-la através da equipa sénior Mais recentemente, Portugal e França disputaram apenas um masculina, cujo grupo de trabalho é constituído pelos particular, em Saint-Denis, a 25 de Abril de 2001, do qual a selec- Foi em Torres Vedras que a equipa sénior masculi- seguintes elementos: Frederico Portugal (Jogador/ ção lusa saiu esmagada por quatro golos de Wiltord, Silvestre, na do Olivais selou uma época vitoriosa, na qual colec- /Treinador que substituiu Miguel Barbosa no coman- Henry e Djorkaeff. cionou diversos êxitos, entre os quais a subida de divi- do técnico, em finais de Abril passado); Ruben Ribeiro, A última vitória portuguesa remonta a 26 de Abril de 1975, são e o título do Campeonato Nacional 2. Na grande Nuno Januário, Tiago Cardoso, André Duarte, André num particular disputado em Paris, em que Nené e Marinho sela- final o adversário foi o Basket de Queluz, equipa ori- Marça, Luís Fernandes, Tiago Pina, Miguel Bento, ram o 2-0 favorável aos lusos, num dos escassos cinco triunfos de unda de uma zona com pergaminhos na modalidade e Vasco Azenha, João Rosado, Guilherme Quintela, Portugal contra 15 dos gauleses, num historial de 21 jogos que re- que valorizou sobremaneira, pela réplica oferecida, o Ricardo Santos, Carlo Ferreira e Bruno Santos (Joga- gista um empate. triunfo do conjunto olivanense. No final dos 40 minu- dores); Paulo Matamouros e João Correia (Seccio- tos o empate a 88 pontos dava conta do equilíbrio ve- nistas); Alfredo Silva (Director); André Nogueira e rificado, mas no prolongamento, muito apoiados por Paulo Cortesão (Fisioterapeutas); Carlos Gonçalves cerca de centena e meia de adeptos que viajaram de (até 22 de Março) e Carlos Ângelo (Presidentes). BREVES Académica “arrancou” a meio-gás Sport Conimbricense homenageou atletas Os trabalhos da equipa de futebol da Académica de Coimbra para a temporada que se aproxima arrancaram a meio-gás, na passada se- gunda-feira, com a realização de exames médicos a sete atletas, na sua grande maioria portugueses: os guarda-redes Eduardo e Pedro Roma, o defesa esquerdo Vítor Vinha, os médios Dionattan e Sarmento e os avançados Ito e Fausto. Uma vez que o técnico Manuel Machado está de férias até ao primeiro treino, agendado para 10 de Julho, este início de temporada será feito a quot;conta-gotasquot;, pois o trabalho quot;a doerquot; terá apenas início na próxima semana. Para re- forço do plantel que vai “atacar” a SuperLiga 2006/2007, depois da quot;vassouradaquot; imposta pelo novo treinador, estão confirmadas ape- nas sete entradas: Douglas (ex-Mineiros/Brasil), Gonçalo (ex- Tourizense), Paulo Sérgio (ex-Moreirense), Kaká (ex-Grémio de Jaciara/Brasil), Hélder Barbosa (emprestado pelo FC Porto) e Alexandre (ex-Corinthians de Alagoano/Brasil). Novo “record” para Francis Obikwelu O português Francis Obikwelu conseguiu a melhor marca eu- ropeia do ano nos 100 metros, com 10,03 segundos, ao vencer a prova do meeting de atletismo de Atenas, reunião em que também participaram Rui Silva e Inês Monteiro. Obikwelu, campeão em Munique 2002, reforçou assim o favoritismo para defender o título nos Campeonatos da Europa, marcados para Agosto em AJF monstrar o reconhecimento pelo feito alcançado pelos Gotemburgo, na Suécia. Com a nova marca, o atleta português su- seus atletas, homenageando-os num jantar realizado no perou bem o seu melhor registo de 2006, 10,14, feitos em Doha a 12 Entre a comitiva portuguesa de Karate Shukokai, que bar do Pavilhão da Palmeira. Perante cerca de três deze- de Maio, e passou para a frente da lista europeia do ano, batendo os no mês passado brilhou no Mundial da Finlândia, figu- nas de participantes, entre os quais directores, familiares 10,07 do britânico Dwain Chambers. A marca de Obikwelu é tam- raram cinco atletas do Sport Club Conimbricense: Ema e amigos do clube, aos atletas foi oferecida uma placa em bém a sétima melhor mundial do ano e esta vitória permite-lhe pas- Lopes e Carlos Marques (medalhas de ouro), André bronze com o emblema do Sport Conimbricense. sar para o terceiro lugar do quot;World Athletics Tourquot;, logo atrás dos Henriques, Ricardo Carvalho e Miguel Silva (medalhas Registe-se a presença de João Madeira, secretário do Ve- co-recordistas mundiais Asafa Powell (Jamaica) e Justin Gatlin de bronze). A Direcção do clube fez questão de de- reador de Desporto da Câmara Municipal de Coimbra. (Estados Unidos).
  • 21. DE 5 A 18 DE JULHO DE 2006 CULTURA 21 UM DOS MAIS DESTACADOS ESCRITORES CONTEMPORÂNEOS DESDE ONTEM NA INTERNET Evocando Carlos de Oliveira Mais de 300 mil livros gratuitos Mais de 300 mil obras em formato Raul M. Marques (Lusa) “‘Cantata’, escreve Magalhães, afirma uma digital podem ser descarregadas gra- tomada de consciência verbal que ultrapassa tuitamente desde ontem (terça-feira, Gândara foi o centro do seu mundo fic- os estreitos cânones do movimento neo-rea- dia 4 de Julho), no âmbito da Feira cional, o neo-realismo modelou, pelo lista que ele próprio ajudara a formar”. Mundial do Livro Electrónico, um nú- menos numa primeira fase, a sua produção Em “Cantata”, prossegue, as palavras mero 10 vezes superior ao dos volu- na ficção e na poesia, mas Carlos de Oli- aparecem “jogadas num modo novo, as da mes existentes numa biblioteca média. veira está acima de confinamentos regionais atenção ao mundo organizado”, são pala- A iniciativa, que tem como principais ou ideológicos. A sua obra é moderna e vras “que se preocupam com o discurso impulsionadores o Projecto Gutenberg universal. verbal, ao mesmo tempo que surgem como (provavelmente o mais antigo “site” da Completaram-se no passado dia 1 de declaração no real”. Internet) e a World eBook Library (uma Julho 25 anos sobre a morte, aos 59 anos, Esta “cura de excessos” detectável na das maiores bibliotecas digitais), assinala deste que é um dos maiores escritores por- evolução da escrita poética de Carlos o 35.º aniversário da colocação do pri- tugueses do século XX. Oliveira teria ficado a dever-se à “presença” meiro eBook “online”, a Declaração da Nascido em Belém do Pará, Brasil, em do prosador que ele também era. “Foi – es- Independência dos Estados Unidos, e 10 de Agosto de 1921, Carlos de Oliveira, creve Magalhães – como se o prosador que tem como objectivo “reduzir a ignorân- Carlos Alberto Serra de Oliveira de seu o também poeta vinha sendo impedisse os cia e o analfabetismo”. nome completo, veio ainda criança para excessos poéticos antigamente presentes”. O fundador do Projecto Guten- Portugal. A família – o pai era médico – Curiosamente (é ainda o autor de “Alta berg, Michael Hart, colocou pela pri- fixou-se na Gândara, região que viria a dar- noite em alta fraga” a referi-lo), a prosa de meira vez uma obra na Internet a 4 de lhe o cenário de vários títulos de ficção. Carlos de Oliveira “acabaria por ser conta- Julho de 1971 e, desde então, o núme- Fez estudos liceais em Cantanhede e de- giada pelos efeitos da poesia”, o que se ro de textos gratuitos à disposição dos pois em Coimbra, cidade onde se licenciou Carlos Alberto dee Oliveira torna evidente, sobretudo, em “Finisterra: internautas não parou de aumentar. em Ciências Histórico-Filosóficas. paisagem e povoamento”, para muitos um “Os nossos projectos assentam na Nos anos 40, colaborou nas revistas poesia, em três livros centrais da produção dos livros inaugurais da moderna novelísti- premissa de que qualquer pessoa no Altitude, Seara Nova e Vértice. poética portuguesa do século passado – ca portuguesa. mundo deverá poder aceder a uma bi- O seu primeiro livro, aos 21 anos, é de “Sobre o lado esquerdo” (1968), António José Saraiva e Óscar Lopes, na blioteca pública global gratuita”, afir- poesia, “Turismo” (1942). O segundo – o “Micropaisagem” (1969) e “Entre duas me- sua “História da Literatura Portuguesa”, mou John Guagliardo, fundador da seu primeiro de ficção – “é Casa na Duna”, mórias” (1971) – e, na prosa, em apontam como uma das “principais obses- World eBook Library. no ano seguinte. “Finisterra: paisagem e povoamento” sões” de toda a obra de Carlos de Oliveira A Feira Mundial do Livro Electró- Logo desde estes títulos de estreia se de- (1978). o “apreender a geometria submersa da rea- nico, com duração prevista de um tecta na escrita poética e ficcional de Carlos De “Entre duas memórias”, um outro lidade”. mês, até 4 de Agosto, disponibiliza de Oliveira aquela que seria uma sua poeta, Gastão Cruz, diria algum tempo de- Com os livros já citados, completam a obras em mais de 100 línguas, que in- “marca” pessoal: a procura da palavra es- pois: “É a verdadeira cúpula de todo o edi- bibliografia de Carlos de Oliveira: cluem quase todos os autores clássi- sencial, o rigor, a depuração. fício poético de Carlos de Oliveira, o mais Na poesia, “Mãe pobre” (1945), cos e um amplo leque de temáticas. Permanentemente insatisfeito, do que avançado e definitivo que em poesia se fez “Colheita perdida” (1948), “Descida aos in- Entre os mais de 50 títulos em lín- são prova as revisões e as correcções cons- entre nós”. fernos” (1949), “Terra de harmonia” (1950) gua portuguesa, encontram-se “Os tantes a que submetia os textos já publica- O poeta, crítico e ensaísta literário e “Trabalho poético” (1977-1978), que re- Lusíadas”, de Luís de Camões, várias dos, o escritor evolui no sentido de uma es- Joaquim Manuel Magalhães, num livro em colhe toda a obra poética anterior. obras de Camilo Castelo Branco, in- crita cada vez mais elaborada, que gradual- que analisa livros e poetas contemporâneos Na ficção, “Alcateia” (1944), “Pequenos cluindo “Amor de Perdição”, Eça de mente se liberta do lastro “imposto” pelo – “Os dois crepúsculos” – observa que a burgueses” (1948), “Uma abelha na chuva” Queiroz (“A Cidade e as Serras”, “A modelo neo-realista, mas permanece aten- ruptura de Carlos de Oliveira com o mode- (1953). Relíquia” e “As Farpas”, com Rama- ta, sempre, à pulsação da terra e do homem. lo neo-realista ocorre, na sua poesia, com Na crónica, “ O aprendiz de feiticeiro” lho Ortigão), Florbela Espanca (“Li- Essa procura incessante culminará, na “Cantata”, de 1968. (1971). vro de Mágoas”), Cesário Verde (“O Livro de Cesário Verde”), António Nobre (“Só”), Júlio Dinis (“Uma Almedina abre livraria inovadora em Coimbra Família Inglesa”), Almeida Garrett (“Frei Luís de Sousa”) e Fernão Lopes A Livraria Almedina abriu há dias, em Coimbra, uma loja que inau- (“Chronica de el-rei D. Pedro I”). gura uma “nova geração” de estabelecimentos do grupo nos quais, Para aceder a estas obras, o inter- segundo a empresa, se conjugarão “o saber, a cultura e o lazer”. nauta não suporta quaisquer custos, à Além de zonas para venda de livros e discos, a loja Almedina semelhança do que normalmente Estádio, integrada no complexo comercial do Estádio Cidade de acontece no “site” do Projecto Guten- Coimbra, tem espaços de lazer (cafetaria, bar e esplanada), ocupando berg, mas ao contrário do que é fun- uma área total de 500 metros quadrados. cionamento habitual da World eBook Esta primeira livraria da nova opção comercial do grupo, que teve Library, que cobra cerca de seis euros origem em Coimbra, disporá de um fundo de livros jurídicos e das ci- pelo acesso aos textos que alberga. ências sociais e humanas, “organizado em torno das editoras Almeida Todos os anos, durante um mês, a e 70”, refere uma nota da Almedina. World eBook Library e o Projecto A cerimónia de inauguração do espaço, cujo projecto é da autoria Gutenberg pretendem aliar-se até do arquitecto Manuel Aires Mateus, contou com a presença de diver- conseguirem disponibilizar, na Feira sas entidades oficiais e de figuras ligadas à cultura. Mundial do Livro Electrónico de Especializado na área dos livros de Direito, desde a fundação, o 2009, um milhão de livros gratuitos grupo Almedina dispõe já de dez livrarias, distribuídas por Lisboa, em formato digital. Braga, Coimbra, Funchal e São Paulo (Brasil). Livraria Almedina
  • 22. 22 MÚSICA DE 5 A 18 DE JULHO DE 2006 INICIATIVA DA ALLIANCE FRANÇAISE DE COIMBRA Distorções Festa da Música juntou mais de um milhar de pessoas José Miguel Nora A Alliance Française de Coimbra cele- josemiguelnora@gmail.com brou a chegada do Verão com a 1ª Festa da Música em Coimbra, uma maratona musi- Apesar de todos os holofotes estarem cen- cal de 8 horas, onde desfilaram mais de 20 trados na prestação da selecção nacional no grupos, compostos por pessoas de todas as Mundial de Futebol da Alemanha, ainda não é idades, que tocaram, cantaram e encanta- hoje que vou escrever sobre algumas dessas te- ram o público. máticas, apesar de recomendar o excelente Estima-se em mais de um milhar o nú- “Three Lions”, da autoria dos animadores de mero de pessoas que assistiram e participa- televisão, Frank Skinner e David Baddiel, acom- ram nesta festa inédita em Coimbra, que panhados dos Lightning Seeds e que tem servi- decorreu no terraço da sede da Alliance do de banda sonora da selecção inglesa. Française (na Rua Pinheiro Chagas), e que Nos últimos tempos temos assistido à es- proporcionou desde a música clássica até treia de diversos filmes sobre a vida e obra de ao foclore, passando por outros géneros, grandes ícones da música moderna, verdadeiros como o jazz e o fado. ídolos de uma gera- Pela festa passaram também alguns dos ção e que acabam apoiantes da iniciativa, como o Governador por ser personagens Civil de Coimbra, a Vice-Reitora e o Pró- incontornáveis dos Reitor da Cultura da Universidade de último quarto do sé- Coimbra, o Vereador da Cultura da Câmara culo XX. Tudo co- Municipal de Coimbra, o Director do meçou com “The Conservatório de Música de Coimbra, o Last Days” de Gus Director da FNAC Coimbra. Van Sant – galardoa- Quando chegou a meia noite, Alain Didier, do na edição de 2005 Director da Alliance Française de Coimbra Coimbra completou 57 anos de existência. E a Allaince Française de Coimbra con- do Festival de Cine- (que é também o Delegado-Geral da Alliance Foi criada, em 1959, pelo poeta Eugénio de tinua a desenvolver uma notável acção, ma de Cannes -, que Française em Portugal), agradeceu a todos os Castro e um grupo de amigos, com o intui- sendo reconhecida como uma das mais di- nos relata os últimos dias da vida do ex- participantes e ao público que por ali passou to de divulgar a língua e a cultura francesas, nâmicas, mesmo a nível internacional, não Nirvana, Kurt Cobain, seguindo-se, em ao longo de oito horas, congratulando-se o que tem vindo a fazer, ininterruptamente, só pelos cursos que ministra, mas igual- Fevereiro deste ano (actualmente já disponível com o facto da iniciativa ter tido tanto êxito. ao longo de todos estes anos. mente pelas iniciativas de índole cultural em formato DVD), “Walk The Line”, título de De tal forma que anunciou ficar desde já mar- Para se avaliar da importância do traba- que promove. um tema da autoria do malogrado Johnny Cash cada a 2.ª Festa da Música de Coimbra para o lho ali desenvolvido, basta dizer que pela Mais informações sobre esta Festa ou e que serve de título à “biografia cinematográfi- início do Verão do próximo ano. Alliance Française de Coimbra passaram, sobre a instituição, podem ser procuradas ca” do mesmo. Aproveitou ainda para lembrar que no ao longo destes 57 anos, mais de 30 mil alu- na Internet, em www.alliancefr.pt - site da Na semana passada, fui ver ao cinema “Sto- dia 22 de Junho a Alliance Française de nos de diversas idades. Alliance Française em Portugal. ned”, que tal como o primeiro filme que enu- merei, relata a vida de um dos membros daqui- lo que os “media” denominaram de “Clube dos NO PRÓXIMO DOMINGO, NO CAE 27”, mais propriamente, um dos fundadores dos Rolling Stones, Brian Jones. A longa metra- “Concertos para Bebés” na Figueira da Foz gem mostra-nos um Brian Jones a usufruir até à exaustão da máxima, “Sexo, Drogas e Rock N´Roll”, que acaba por ser determinante quer na sua ascenção, mas sobretudo na sua “que- da”, dada a extravagância da sua vida, em que o álcool e as drogas assumiam uma importância preponderante, branqueando, no final da sua vida, toda a sua veia artística e o seu enorme po- tencial criativo, chegando, mesmo, a levar ao seu despedimento da “mais notável banda de rock n´roll de sempre” pela boca do próprio Mick Jagger (na sua única fala do filme). Mas o filme, realizado por Stephen Woolley, deixa no ar a ideia de que o artista teria sido assassinado pelo seu empregado, Frank Thorogood, pelo facto de este não ter recebido as remunerações devi- das pelos trabalhos efectuados na casa do artis- ta, mas, também, pela sua adição às drogas pro- vocada pelo convívio com o ex-Rolling Stone, algo que nunca foi comentado pela banda britâ- nica, ficando para a história como um suicídio. Para concluir recomendo o nova colectânea dos portugueses GNR, “ContinuAcção, O Me- lhor Vol.3”, que reúne alguns dos melhores da Dois “Concertos para Bebés” vão re- seus promotores, “uma janela aberta para o Uma experiência feita de cumplicidades e banda de Rui Reininho, mas que não repete ne- alizar-se, no próximo domingo (dia 9 de mundo dos sons e das emoções, numa de emoções, onde os sons e os silêncios a nhum dos temas já incluídos em anteriores co- Julho) no Centro de Artes e Espectáculos fascinante viagem ao lado verdadeiro e real todos vão surpreender, numa tarde de Verão lectâneas da banda, contendo 12 temas nunca (CAE) da Figueira da Foz. da música, guiada mão na mão pelos músi- onde se celebra, em família, a festa da Música”. editados anteriormente em CD, assim como Depois do êxito em Portugal e de duas cos e pelas educadoras”. E acrescentam: Os concertos decorrem no Anfiteatro dois novos temas, entre os quais a “cover” de digressões europeias, os “Concertos para “Os concertos têm como matriz a Exterior do CAE, iniciando-se um às 16h30 “Inferno” de Roberto Carlos. Bebés” estão de volta para mais uma apre- chamada música clássica, mas desen- e o outro às 18 horas. Só é permitida a en- sentação no CAE. volvem-se num alinhamento recheado de trada de 60 bebés por sessão (30 bebés dos PARA SABER MAIS: Projecto experimental e pioneiro no temas tradicionais, de pop-rock, e de im- 0 aos 18 meses + 30 bebés a partir dos 18 - http://www.stonedthemovie.co.uk domínio da produção musical para a infân- provisações vocais/instrumentais com a meses até 5 anos). Cada bebé deverá ser a- - http://www.gnr-gruponovorock.com/ cia, estes concertos constituem, segundo os participação de todo o público. companhado apenas por um adulto.
  • 23. DE 5 A 18 DE JULHO DE 2006 INTERNET 23 IDEIAS DIGITAIS dos, colocada na rede em 1971 pelo fundador do Projecto O termo Podcasting nasce do fenómeno dos weblogs e do Gutenberg, Michael Hart. Os ebooks disponibilizados res- sistema de agregação RSS. Significa a publicação de ficheiros peitam os direitos de autor, pelo que ou têm autorização áudio, vídeo ou outro suporte multimédia, e permite aos utili- dos próprios autores ou os direitos de autor das obras já zadores subscreverem um feed rss (protocolo de agregação de expiraram. Em português estão garantidos alguns clássicos conteúdos) e automaticamente receberem novos conteúdos. como Camões, Almeida Garrett, Florbela Espanca, Eça de Inês Amaral Queiroz, António Nobre, entre outros. Lusocast Docente do Instituto endereço: http://www.lusocast.com/ | categoria: Superior Miguel Torga Links relacionados: podcast http://www.gutenberg.org/ – Projecto Gutenberg http://worldlibrary.net/ – World eBook Library BLITZ Feira Mundial do Livro Electrónico endereço: ESTREIA ONLINE http://worldebookfair.com/ | categoria: literatura NETEMPREGO A revista “Blitz” nasceu no mês de Junho, fruto de uma reformulação do “velhinho” jornal. O novo suporte chega às bancas na última sexta-feira de cada mês e custa 2.5 €. O Estreia.Online é o espaço ideal para saber tudo sobre Na Internet, a Blitz tem presença assegurada no endereço a Sétima Arte. As estreias em Portugal, as últimas notícias http://blitz.aeiou.pt. O site acompanha a política editorial sobre o estado da arte, o cartaz dos principais cinemas do da revista, servindo como um complemento já que apre- país e outros conteúdos estão disponíveis neste site da rede senta informação actualizada ao longo do mês em que a AEIOU. nova edição em papel está a ser preparada. O Estreia Online é emagazine que oferece ainda as si- O novo site da Blitz traz notícias, artigos de fundo (des- O NetEmprego é o nome do portal de emprego lança- nopses e fichas técnicas dos principais filmes em cartaz e a tacando os temas de capa da revista), entrevistas, retrospec- do recentemente pelo Governo português. O site tem estrear, críticas de elevada qualidade e informação com ac- tivas, um guia, uma agenda e notas sobre os futuros lança- como propósito facilitar o acesso à procura e oferta de em- tualização contínua, fugindo à tradicional “rota tablóide” mentos musicais. Para além de música, há também conteú- prego em Portugal, apresentando também oportunidades de muitos sites sobre cinema. dos sobre filmes, livros, jogos, gadgets e Internet. Este site de emprego fora de portas. tem ainda como objectivo promover a interacção entre a Em destaque estão as ofertas de emprego para a Links relacionados: comunidade de leitores da Blitz. Assim, os visitantes têm à Administração Pública, o acesso a informações para a cria- http://www.aeiou.pt/ – AEIOU sua disposição um fórum e um sistema de comentários em ção do próprio emprego, a ligação aos centros de emprego cada artigo publicado. Para breve está prevista uma ferra- espalhados pelo país, notas sobre como procurar emprego Estreia.Online menta de publicação de artigos dos utilizadores. e apoios existentes. Para quem procura emprego já estão endereço: http://www.estreia.online.pt/ | categoria: registadas mais de 2500 oportunidades. As entidades que cinema Blitz pretendem recrutar encontram no site mais de 60 mil cur- endereço: http://blitz.aeiou.pt/ | categoria: música rículos. Uma nota apenas para assinalar que o portal está optimizado para o software Internet Explorer, o que numa lógica de acessibilidade impede alguns utilizadores de con- TRAVEL BLOG sultarem esta página. FEIRA MUNDIAL DO LIVRO ELECTRÓNICO NetEmprego endereço: http://www.netemprego.gov.pt / | catego- ria: emprego LUSOCAST O Travel Blog é um diário de bordo de viagens comuni- tário, onde cada utilizador se pode registar e, gratuitamen- A Feira Mundial do Livro Electrónico começa a 4 de Ju- te, criar um blog sobre as suas viagens. lho e vai decorrer durante um mês na Internet. Disponíveis O espaço é bastante interactivo permitindo seleccionar para serem descarregados gratuitamente estão cerca de 330 entradas realizadas a partir de algum ponto do mundo, lo- mil livros electrónicos, em mais de 100 línguas. A feira é or- calizar blogs e/ou bloggers em qualquer canto do planeta, ganizada pelo Projecto Guteberg e pela World eBook comentar as entradas dos membros da comunidade nos Library, com o patrocínio de várias entidades e organiza- seus blogs individuais, participar num fórum com áreas te- ções que promovem a leitura gratuita na web. A World máticas, e consultar um guia para viajar. eBook Fair tem como propósito promover a leitura e redu- O Lusocast é um directório de podcasts e videocasts lu- zir o analfabetismo. sófonos. Neste espaço é possível aceder a ligações onde Travel Blog A feira assinala este ano o 35º aniversário do primeiro estão armazenados programas de áudio ou vídeo, realiza- endereço: http://www.travelblog.org/ | categoria: via- ebook – a Declaração da Independência dos Estados Uni- dos por profissionais ou utilizadores comuns. gens, blogs
  • 24. 24 T E L E V I S ÃO DE 5 A 18 DE JULHO DE 2006 PÚBLICA FRACÇÃO aqui todos a remar para o mesmo lado, para levar a selecção ao título mundial». Assim, o Entre 12 e 18 de Junho, foram emitidas 425 notícias sobre o Campeonato do Mundo, o E a RTP? Nuno Santos, director da RTP, depois de que é que distingue um jornalista de um que corresponde a 28,7 por cento do total. ser conhecida a decisão da ERC, foi chama- adepto? Apenas o facto de escrever, falar Vistas pelo lado da duração, equivalem a do à Assembleia da República para fazer ou aparecer na televisão? Há adeptos que 39,7 por cento do tempo total dos serviços um balanço do actual Serviço Público. O também escrevem, falam ou aparecem e noticiosos nas estações de televisão portu- que disse ele a propósito das chamadas de não são jornalistas. Há-de haver mais algu- guesas de sinal aberto. atenção aos operadores privados? Rigoro- Francisco Amaral ma diferença... No entanto, as estações de A SIC foi o canal que mais notícias deu samente isto: «Ao tornar melhor a televisão Docente da ESEC televisão não querem que esta diferença se e que mais tempo ocupou. A audiência das portuguesa, isso vai tornar o trabalho da note. Jornalistas, adeptos (mais ou menos peças futebolísticas, por sua vez, parece ter RTP ainda mais difícil, obrigando a aumen- Ainda a “bola” conhecidos), técnicos e outros tantos figu- ido para a RTP1, ainda que, em geral, os ín- tar o nível de qualidade da oferta, que já é É verdade que isto só acontece de qua- rantes, sentam-se à mesma mesa e já nin- dices dessas audiências não sejam particu- muito diversificada e dirigida a diferentes tro em quatro anos. “Isto” é o Campeonato guém sabe quem tem responsabilidades jor- larmente relevantes em qualquer dos canais. públicos”. Um discurso que revela assim, do Mundo de Futebol. Não é um evento nalísticas ou não. No final do jogo Portugal Quanto aos conteúdos, foi a SIC que abertamente, aquilo que não é suposto ser qualquer. O futebol, graças à televisão, ul- – Inglaterra, o jornalista Rui Orlando, da mais excessos cometeu. Aquela estação uma preocupação dos canais públicos: a trapassou largamente a sua dimensão. As SportTV, que não estava lá para comentar levou à prática o desígnio que se atribui a concorrência. grandes massas sempre foram atraídas por (para isso contava com o técnico Toni), Salazar, juntando à reportagem da ida à Esperam-se agora os relatórios circuns- este jogo, mas muitos sectores da popula- achou por bem, apanhando boleia da eufo- missa do seleccionador Scolari, imagens tanciados da ERC sobre o “Serviço Pú- ção estavam longe de se interessarem por ria, desancar naqueles que “ ... em Portugal, dos equipamentos dos jogadores com uma blico”, mas há muitas dúvidas sobre a acei- ele. A televisão globalizou-o e o caso da crian- tão mal tratam o futebol, culpando-o de Nossa Senhora em primeiro plano. tação da RTP1 (e a 2: a médio prazo?) ça vestida com uma camisola da selecção tudo e usando-o como saco de pancada”. como ‘serviço público’, nem aceitar que o portuguesa, encontrada a vaguear após o Sem querer negar a existência de bons ERC autoriza renovação canal diga que está a cumprir o Contrato de tsunami no sudeste asiático, é um exemplo jornalistas desportivos, e é bom lembrar das licenças à SIC e TVI Concessão com o Estado. Um dos mais an- paradigmático. que em Portugal alguns dos melhores tigos estudiosos do fenómeno televisivo em Em Portugal, sempre houve um encanto foram justamente jornalistas de jornais des- O Conselho Regulador da Entidade Re- Portugal, o Prof. Francisco Rui Cádima, já especial pelo futebol, mas a massificação do portivos, o certo é que este tipo de profissio- guladora para a Comunicação Social (ERC), levantou as principais objecções e elas, para interesse público e a sua utilização como nais cresceram como cogumelos, havendo- assim mesmo, num documento de 102 pá- além de verdadeiras, são devastadoras: narcótico social, deu-se especialmente de- -os às dezenas nas grandes redacções, mas ginas, explica por que resolveu renovar as li- “a obsessão audimétrica/comercial da pois das vitórias do Benfica na Taça dos sem serem verdadeiramente nem jornalis- cenças atribuídas à SIC e TVI por mais 15 RTP1; Campeões Europeus, em 1961 e 62, culmi- tas, nem desportivos. Imagino-os durante anos. Quer dizer, até 2022, e muito embora - a não subordinação das grelhas a estu- nando com o eternamente recordado 3.º horas a coligir dados sobre os jogadores, o se tenha verificado “um cumprimento dos qualitativos estruturados em função da lugar no Mundial de 1966. historial das provas, procurando aqueles pa- pouco satisfatório” dos compromissos as- missão e das atribuições e competências Não terá sido por acaso que as coisas se ralelismos que eu, enquanto adepto, tam- sumidos por aquelas estações, as coisas fi- enunciadas no Contrato de Concessão; passaram assim. A televisão, que no nosso bém faço. “Nunca ganhámos à X... em dias carão como estão. O que levará aquelas em- - a duração dos telejornais e a sua utiliza- País apenas surgiu em 1957, iniciou a con- de sol, “ desde 1984 que temos umas con- presas a mudar seja o que for, se o seu com- ção em práticas de contraprogramação; quista do público na década de 60. Até aí, a tas a ajustar...”. Enfim, qualquer coisa se- portamento “pouco satisfatório” lhes pro- - as práticas miméticas e burocráticas na rádio era o meio mais utilizado e outras me- melhante à crença que os adeptos da porcionou esta renovação? informação, jornalismo ‘sentado’, subservi- mórias mais longínquas ficam-se pelos Académica tinham quando o Municipal era A ERC aponta os erros e espera (?) cor- ente, etc.; sons. Antes das vitórias futebolísticas, era sobrevoado por uma avioneta. Se fosse à recções. Vejam-se então os aspectos de in- - a falta de aprofundamento sobre as rea- no hóquei em patins que conseguíamos ser hora do jogo, era derrota pela certa. cumprimento. lidades críticas do país, nomeadamente na dos melhores do mundo. Essas jornadas No meio desta euforia futebolística, tal- Da SIC: área da Educação, onde não parece haver “gloriosas” sobre rodas chegavam a todo o vez fique mal perguntar isto, mas lá vai: por Diminuição progressiva do número de sequer um editor especializado no Telejor- lado. Através dos relatos radiofónicos de cada dez jornalistas desportivos, quantos ‘jornais informativos’: quatro em 1990; três nal, ao contrário do futebol onde parece Artur Agostinho e, sobretudo, do carismá- haverá especializados em Educação? em 1999; dois em 2005; haver uma equipa completa; tico relator desportivo que foi Amadeu José Desaparecimento de «programas espe- - a submissão editorial à agenda política de Freitas, em alguma coisa éramos, final- cializados” no campo da reportagem nacio- e protocolar, à agenda do futebol, à actuali- mente, melhor que os outros. Amadeu leva- Os excessos nal e internacional, da entrevista e do deba- dade trágica e à catástrofe e a tudo o mais va o seu rigor ao ponto de relatar um jogo É também a televisão que tem mostrado te com autonomia relativamente aos blocos que ‘vende’; de hóquei em patins sem mencionar a pala- os excessos. As 500 mil pessoas nas ruas de informativos das 13h00 e das 20h00, em - o défice de debate democrático no co- vra “stick”. “Stick”, embora seja a designa- Paris, os distúrbios em Marselha, os dois claro incumprimento dos compromissos mentário político; ção comum para o objecto com que, no hó- emigrantes portugueses baleados em assumidos em 1999; - a fidelização horizontal e vertical do quei, se empurra a bola, não é uma palavra França, os ingleses a provocar desacatos na Eliminação do ‘flash’ informativo diário, prime time; portuguesa. Pois aquele locutor utilizava Alemanha. Mas a televisão é ela própria um contemplado no projecto de 1999; - a consequente ‘monocultura’ assente sempre o termo português: aléu. “Adrião excesso futebolístico. Quarenta por cento Emissões destinadas a públicos infantis em concursos; conduz a bola com a ponta do aléu...”. do tempo dos noticiários televisivos dedica- remetidas para horários pouco adequados, - o défice de diversidade e de pluralidade Irrepetível. dos ao Mundial de futebol será razoável? E de Segunda a Sexta e desaparecidos da gre- de géneros televisivos; Não se pense que o sentimento patrióti- o que quererá dizer aqui, neste contexto, lha de programas em 2006; - a inexistência de magazines sobre as co (e neste caso o termo é exagerado), se “razoável”? São perguntas a propósito de Programação cultural com presença re- artes, o património, a língua e a cultura por- ficou pelos “tempos antigos”. Neste dados recentes da Marktest relativos ainda, duzida na grelha e emitida em horários de tuguesa; Mundial da Alemanha, já houve jornalistas e apenas, à primeira semana do Mundial, audiência diminuta. - a inexistência regular de programas de que, em directo, disseram “«(...) estamos quando os entusiasmos ainda estava frios. Da TVI: divulgação e de formação para a cidadania; Emissões destinadas a públicos infantis - a inexistência regular de documentá- remetidas para o fim-de-semana. O com- rios; promisso assumido em 1999 envolvia a - a inexistência de cinema e teatro portu- emissão de programas infantis nas manhãs guês; TAC RESSONÂNCIA MAGNÉTICA de Segunda a Domingo e nas tardes dos - a inexistência das outras artes do palco ‘dias úteis’; portuguesas, de programas eruditos, etc., Programação cultural ‘esporádica’ e emi- - a ausência de programas infantis e juve- MEDICINA NUCLEAR tida em horários de audiência reduzida. nis à semana”. DENSITOMETRIA ÓSSEA COIMBRA Edifício Diaton Apesar de o projecto de 1999 não contem- Enquanto não houver coragem para al- Urb. Espírito Santo, Lote 2 plar programação cultural, assumia-se terar este estado de coisas, continuaremos a Calçada do Gato – 3000 COIMBRA Telef. 239 487 130/1 como um projecto com preocupações de ter noites de S. João com música “brasugue- Fax 239 487 139 natureza cultural; sa” e o inebriante cheiro a alho que nos e-mail: info@diaton-coimbra.com.pt Site: www.diaton.pt Ausência de ‘programas especializados afasta cada vez mais da longínqua e mila- no campo da reportagem nacional e inter- grosa Finlândia. nacional, da entrevista e do debate’, autó- nomos em relação aos blocos informativos MEDICINA NUCLEAR das 13h00 e das 20h00, em claro incumpri- DENSITOMETRIA ÓSSEA mento dos compromissos assumidos em LEIRIA 1999; Hospital St.º André, EPS Eliminação do flash informativo diário R. das Olhalvas Telef. 244 835 942 contemplado no projecto de 1999. Fax 244 835 945