• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Esperanças docentes
 

Esperanças docentes

on

  • 345 views

 

Statistics

Views

Total Views
345
Views on SlideShare
342
Embed Views
3

Actions

Likes
0
Downloads
0
Comments
0

1 Embed 3

http://leageo-ufes.blogspot.com 3

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Esperanças docentes Esperanças docentes Presentation Transcript

    • Esperanças docentes... marisavalladares
    • ...A esperança é solidária, mesmo quando solitária... ... E persevera contra a descrença de quem não mais acredita...
      • ... o esperançar de cada pessoa nasce e se fortalece a partir do que se aprende no trato com o outro na história de cada um de nós, e, por isso, a esperança traz consigo a polifonia do mundo...
    • A esperança tem urgência... ...Embora seja paciente...
    • ...a esperança movimenta o esperançar, verbo que se conjuga vigorosamente, em silêncio ou com barulho, quando se acredita na humanidade, quando se aposta na vida...
    • ...A esperança justifica a educação, uma das maiores alavancas da esperança...
    • ...aprendemos a esperançar quando, ao recusarmos jeitos contra a vida de pessoas e contra a natureza...
    • ...e não permitimos que tal presente se alastre no passado e no futuro canibalizando-os, como nos alerta Boaventura (1996).
    • “ seria uma contradição se, inacabado e consciente do inacabamento, primeiro, o ser humano não se inscrevesse ou não se achasse predisposto a participar de um movimento constante de busca e, segundo, se buscasse sem esperança.”
    • No duelo entre a esperança e o desencanto que se instala no mundo nestes tempos, enquanto o horror brota do chão, impregna e suja ares, mares, florestas e toda a espécie de vida...
    • ...a esperança não se deixa vencer...
    • A esperança vinga entre o pranto e a dor, escorregando em lágrimas que prometem não esquecer para mudar, que regam o chão do hoje, preparando-o para o frutificar de um amanhã diferente...
    • Ela enfrenta e se instala entre canhões e fuzis, pela mão de crianças...
    • A importância da narrativa docente é esperança de colar o viver e o agir.
    • Cumpre narrar o que fazemos e partilhar esperanças na perspectiva de que utopia é apenas o que não se concretizou ainda.
    • Contar histórias possíveis - e aparentemente utópicas –fortalece memórias que se tornam reservas de esperança nas sociedades, entre grupos sociais subjugados, maltratados, mas rebeldes no desejo de mudança.
    • Como traduzir isto na sala de aula?
    • ... não há receitas mas continuamos, teimosamente, a tentar, dia após dia, dor sobre dor, alegria somada a outra...
    • Há pistas...
      • Lutar pela condição de professora-pesquisadora, pela autoridade de saber...
    • Se abandonamos a pieguice, não podemos colocar no lugar um amor engajado, sério mas alegre?
      • Se optamos pelo ensino laico, que tal manter a fé no bem, a esperança na paz, a solidariedade no conviver?
    • ...juntar esperança e conhecimento para trançar diferentes modos de (vi)ver a vida, ler o mundo, querer o futuro...
    • quando o dia fica nublado, os girassóis se viram uns para os outros, buscando forças no companheiro...
    • “ Dá-me, Senhor, a constância das ondas do mar, para que a cada recuo eu tenha forças para voltar...” ...Esperancemos...