Apresentação XII ENANCIB - Análise de 2,5 anos da Rede Humaniza SUS - Indicadores de acesse e rede

1,051 views

Published on

Published in: Technology
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,051
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
267
Actions
Shares
0
Downloads
5
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Apresentação XII ENANCIB - Análise de 2,5 anos da Rede Humaniza SUS - Indicadores de acesse e rede

  1. 1. Análise da apropriação de espaços online na formação de redes para a promoção da saúde: o desenvolvimento da RedeHumanizaSUS [11] GT 11 – Informação e Saúde Dalton MartinsDoutorando em Ciência da Informação Universidade de São Paulo dmartins@gmail.com Http://daltonmartins.blogspot.com
  2. 2. O que veremos● Sobre a formação do projeto Rede Humaniza SUS;● Sobre alguns resultados possíveis de analisar a partir da formação de redes de usuários e acesso a informação;● Sobre como indicadores de análise de redes e acesso a informação podem utilizados conjuntamente para analisar modos de apropriação de espaços online.
  3. 3. Introdução● A Política Nacional de Humanização (PNH) foi criada em 2003 com o desafio de humanizar as práticas de gestão e de atenção em saúde. A política, de caráter transversal, tem como proposta perpassar todos os níveis de atenção e gestão do SUS, envolvendo gestores, trabalhadores e usuários.● a PNH usa como alicerces de funcionamento a construção de redes e a formação de consultores distribuídos em todo o país, estimulando o envolvimento de diferentes atores nos processos de gestão e acolhimento aos usuários.● Em 2008, a PNH lançou a RedeHumanizaSUS (www.redehumanizasus.net): um espaço web com o objetivo de ser um dispositivo online de catalização e expansão dessa rede na Internet, envolvendo novos atores e desenvolvendo novas práticas.
  4. 4. O problema da PNH● Os consultores atuam de modo regionalizado, organizando e promovendo formações nos dispositivos da política que culminavam em projetos de intervenção nos locais de trabalho;● Grupos de trabalhadores da saúde são organizados em UPs (Unidades de Produção) nos cursos, trabalhando juntos na produção de projetos;● Os cursos acontecem de modo semi-presencial, sendo suportados por uma plataforma de EAD Moodle.● Mas, o que acontece quando acaba o curso? Em que espaço as pessoas continuam podendo se encontrar? O paradigma do EAD não dava conta dessa contínua intervenção....
  5. 5. Objetivo do trabalho● Descrever o processo de concepção da Rede Humaniza SUS enquanto ambiente de rede para a comunidade de humanização da saúde;● Descrever como a rede entre usuários se formou considerando diferenças regionais brasileiras;● Descrever como usuários da rede acessaram conteúdos considerando diferenças regionais brasileiras;● Analisar se há correlação entre os indicadores de análise de rede e de acesso a informação, favorecendo a própria a compreender melhor o que e como ela produz.
  6. 6. Como aconteceu? Ativação da Rede● Para sua construção foi utilizada a metodologia de ativação de redes sociais (Martins, 2011), que tem como objetivo o desenvolvimento de um referencial comum entre o grupo, que permite a apropriação do espaço virtual pelo coletivo e lança mão de uma proposta de compartilhamento e acolhimento completamente alinhada às metodologias da PHN.● Essa metodologia está composta de três fases distintas, precedidas por um período de planejamento, que podem ser descritas como (entre parênteses, o período em que a RHS passou por cada uma das fases): ● 0 - Planejamento (Dez/2007 - Jan/2008) ● 1 – Contexto: Café HumanizaSUS/Pesquisa de Cultura digital (Fev/08) ● 2 - Design participativo (Mar/08-Mai/08) ● 3 - Emergência da Rede (A partir de Jun/2008)
  7. 7. Produção do contexto da rede● Momento em que os atores se encontraram presencialmente para construírem juntos quais eram suas demandas e comprometimentos que podiam estabelecer para se apropriarem e serem promotores de todo o processo de ativação da rede. Contou com a participação de 70 consultores da PNH em um evento em Brasília, realizado em fevereiro de 2008.● Pesquisa online de múltipla escolha desenhada para entender o perfil de uso e conhecimento sobre a Internet do coletivo PNH, contando com a participação de 41 respondentes consultores sobre o conhecimento de internet e cultura digital, que resultou em um documento utilizado para direcionar o projeto.
  8. 8. Design colaborativo do ambiente● Realizado em dois momentos distintos: inicialmente com um grupo de 30 consultores, definidos durante o encontro presencial, fundando uma lista de e-mails no Google groups.● A lista tinha dois objetivos principais, em decorrência da ativação da rede: ● 1) funcionar inicialmente como um canal de apoio ao desenvolvimento do site e das ferramentas de comunicação, tendo um grupo preferencial de usuários teste; ● 2) funcionar como um canal de conversação entre os participantes mais ativos da Rede para encaminhar a evolução do projeto, melhorias e políticas de usabilidade.● Foi nesse período inicial de três meses e com a participação desse grupo que foram estabelecidas as normas de funcionamento do site, termos de uso, políticas de publicação (o que vai para a primeira página, quem tem direito a voto etc).
  9. 9. Emergência da rede● Após a conclusão da primeira fase do design participativo do ambiente, foi feito o convite para a participação de todos os profissionais envolvidos com a PNH, e o site foi aberto para cadastro público. Nesse momento, foi feita a diferenciação entre o Coletivo Nacional RHS, composto pelos consultores do grupo inicial e aqueles que haviam participado do período de testes, que possuíam privilégio de voto, e os demais usuários da Rede, que podiam se cadastrar livremente e publicar conteúdo porém não podiam votar nos posts.● Como se dá essa emergência da rede? Como a rede é utilizada e apropriada pelos usuários nas diferentes regiões brasileiras? Que indicadores poderiam nos auxiliar a descrever isso?
  10. 10. A solução da Rede Humaniza SUS● Um projeto que visava juntar consultores, usuários e trabalhadores da saúde para discutir de que modo poderiam continuar atuando em rede, dando suporte ao desenvolvimento de ações de humanização locais;● O projeto vira: ● Um blog coletivo aberto a postagens de por qualquer usuário; ● Um grupo, inicialmente de consultores, votando nos posts para promovê-los a página principal (mínimo 10 votos); ● Uma lista de e-mail de votantes; ● Uma lista de e-mail de editores: apoio na edição de conteúdos, organização das tags, funcionalidades técnicas.
  11. 11. www.redehumanizasus.net Alguns números da rede: → ~ 9.000 usuários; → ~ 2.500 postagens; → ~ 8.000 comentários; → ~40.000 visitas/mês.
  12. 12. Metodologia● A metodologia utilizada para este estudo é uma análise quantitativa de dados coletados pela ferramenta Google Analytics da visitação de usuários ao site, bem como de dados coletados da publicação de postagens e comentários no ambiente de blog coletivo da Rede Humaniza SUS.● Iremos investigar o que houve no site pela perspectiva do acesso ao conteúdo e pela perspectiva da formação de rede entre usuários.● Os indicadores de visitação extraídos no período de fevereiro de 2008 a fevereiro de 2010 da ferramenta Google Analytics, sendo coletados inicialmente por cidades e agrupados posteriormente por estados.
  13. 13. Indicadores de visitaçãovisitas: determina o número total de visitas que ocorrem no período para um determinado estado da federação;cidades: determina o número total de cidades que visitaram o site no período para um determinado estado da federação;média de páginas/visitas: determina a média de páginas/visita acessadas pelos usuários de um determinado estado da federação;média de tempo por visita: determina a média de tempo por visita realizada pelos usuários de um determinado estado da federação.
  14. 14. Indicadores de redenós: determina o número de usuários participantes de cada rede estadual;relações: determina o número de comentários as postagens realizadas em cada rede estadual;densidade: determina o número normalizado de conexões realizadas entre os nós de uma rede em relação ao seu potencial de conectividade máxima, onde todos estariam conectados com todos;centralidade: determina o número normalizado de quão central estão os usuários da rede em relação a estrutura de suas conexões entre si;grau médio de relações: determina o número médio de conexões que os nós da rede possuem;distância geodésica: determina a maior distância existente na rede, ou seja, o número máximo de conexões que é necessário percorrer para que os usuários mais distantes entrem em contato um com o outro.
  15. 15. Resultados - visitação Média de Média de Estados Cidades Visitas páginas/visitas tempo/visita AC 2 143 1,29 124,62 AL 10 6370 1,47 157,44 AM 6 2466 0,65 128,16 AP 2 349 2,11 250,16 BA 34 19046 88,64 1948,3 CE 9 18486 2,46 4632,77 DF 2 13637 4,04 292,14 ES 14 7072 1,99 149,85 GO 12 6709 1,39 66,1 MA 6 4813 2 140,29 MG 54 35851 140,38 2896,88 MS 7 1008 304,82 210,5 MT 8 4366 2,2 145,97 PA 19 4959 1,13 262,06 PB 9 7331 1,31 220,72 PE 4 9313 1,78 230,99 PI 4 5732 2,12 155,19 PR 18 12839 2,7 243,79 RJ 30 27724 53,97 125,57 RN 14 20066 2,79 187,49 RO 4 2360 2,98 175,3 RS 46 22173 154,41 17959 SC 37 13816 2,03 172,01 SE 2 2162 2,27 132,24 SP 115 73544 40,01 3961,85 TO 5 758 3,08 155,2
  16. 16. Resultados - redeRede de relacionamentoentre usuários: postagens e comentários
  17. 17. Resultados - rede Grau médio das DistânciaEstados Nós Relações Densidade Centralidade relações geodésica AC 1 0 0 0 0 0 AL 4 0 0 0 0 0 AM 8 1 0,02 0,07 0,25 1,00 AP 1 0 0,00 0,00 0,00 0,00 BA 16 0 0,00 0,00 0,00 0,00 CE 37 98 0,07 0,25 5,30 3,00 DF 26 22 0,03 0,15 1,69 3,00 ES 13 0 0,00 0,00 0,00 0,00 GO 3 0 0,00 0,00 0,00 0,00 MA 6 0 0,00 0,00 0,00 0,00 MG 31 21 0,02 0,16 1,35 3,00 MS 18 10 0,03 0,14 1,11 2,00 MT 9 4 0,06 0,19 0,89 1,00 PA 7 0 0,00 0,00 0,00 0,00 PB 3 1 0,17 0,25 0,67 1,00 PE 6 0 0,00 0,00 0,00 0,00 PI 44 49 0,03 0,17 2,23 3,00 PR 30 3 0,00 0,05 0,20 2,00 RJ 22 1 0,00 0,02 0,09 1,00 RN 58 5 0,00 0,03 0,17 2,00 RS 138 368 0,02 0,18 5,33 6,00 SC 33 9 0,01 0,09 0,55 3,00 SP 138 84 0,00 0,10 1,22 5,00 RR 3 0 0,00 0,00 0,00 0,00
  18. 18. Resultados – Rede RS
  19. 19. Resultados – Rede SP
  20. 20. Resultados – Correlação de indicadores de visitação e rede Indicadores Indicadores de Coeficiente de Web Rede Pearson Nós 0,76 Relações 0,33 Densidade -0,04 Visitas Centralidade 0,23 Grau médio de relações 0,27 Distância geodésica 0,65 Nós 0,77 Relações 0,38 Cidades Densidade -0,11 Centralidade 0,16 Grau médio de relações 0,21 Distância geodésica 0,62 Nós 0,3 Relações 0,35 Média de páginas Densidade 0,04 Centralidade 0,28 Grau médio de relações 0,3 Distância geodésica 0,38 Nós 0,75 Relações 0,98 Média de Tempo Densidade 0,07 Centralidade 0,39 Grau médio de relações 0,77 Distância geodésica 0,69
  21. 21. Conclusão● A Rede Humaniza SUS surge como um braço de extensão dos modos de fazer redes na política de humanização da saúde, gerando efeitos que puderam ser apresentados ao longo deste artigo na análise dos indicadores de acesso e de formação de redes entre seus usuários.● A rede tem sido acessa majoritariamente pelos maiores estados brasileiros, porém tem sido apropriada como espaços de conversação online por seus usuários de forma diferente.● O papel de estados como RS, CE e PI tem mostrado efeitos importantes de formação de redes e articulação entre seus usuários. Já o papel de SP, apesar de intenso no número de acessos, mostra uma rede com menor potencial de articulação e características mais centrais.
  22. 22. Conclusão● Em uma futura pesquisa, pretendemos investigar quais são os fatores sociais e políticos que poderiam contribuir em ampliarmos nosso entendimento sobre como esses estados atuam na política, fomentando e promovendo redes por dentro do próprio ambiente da RHS.● A correlação entre indicadores nos mostrou que diferentes efeitos de formação de redes podem ser sentidos nos modos como os usuários estão utilizando a plataforma. ● Os indicadores de acesso podem dar pistas dos diferentes tipos de apropriação da rede que podem estar ocorrendo na relação entre os usuários. ● Os indicadores de rede, por sua vez, também podem nos dar pistas de diferentes modos de apropriação dos conteúdos por parte de seus usuários em relação.● É fato que mais estudos analisando a relação entre esses indicadores precisariam ser feitos para podermos chegar a conclusões mais amplas, no entanto, a experiência da RHS nos indica que as estratégias de participação online produzem efeitos sensíveis no modo de apropriação dos conteúdos e na forma de estabelecer relações.
  23. 23. Análise da apropriação de espaços online na formação de redes para a promoção da saúde: o desenvolvimento da RedeHumanizaSUS [11] GT 11 – Informação e Saúde Dalton MartinsDoutorando em Ciência da Informação Universidade de São Paulo dmartins@gmail.com Http://daltonmartins.blogspot.com

×