Your SlideShare is downloading. ×
Pratos típicos
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Pratos típicos

12,343
views

Published on

Projetos de comidas típicas da região norte

Projetos de comidas típicas da região norte


0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
12,343
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
84
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. A Região Norte
  • 2.  
  • 3. Professora: Djania e Lucia
  • 4. A Região Norte do Brasil possui a sua própria cultura, que valoriza as tradições de décadas passadas. Não são apenas as florestas que se destacam nessa área, a culinária também é um fator que possui características próprias e causa fascínio nos turistas.
  • 5. A natureza da região influencia no preparo dos pratos, adotando assim uma série de ingredientes naturais típicos do território . A Castanha do Pará , por exemplo, é um produto conhecido em todo o país e aos poucos ganha espaço no mercado internacional. O destaque também fica por conta do Açaí , esse fruto é muito utilizado no preparo de doces e tem um sabor maravilhoso.
  • 6. Entre os pratos típicos da região Norte, temos: pudim de cupuaçu, pato no tucupi e bolo de guaraná. É importante lembrar que a cultura indígena exerce influência na culinária local, explorando a combinação de sabores inusitados .
  • 7. Em se falando de receitas, a culinária da Região Norte tem por base , o peixe . Mas, uma das suas maiores especialidades é o pato no tucupi , presente em todos os grandes restaurantes como a grande marca entre as receitas da região. Este especialíssimo prato se utiliza de um dos animais domésticos mais conhecidos, o pato. Bem, gosto não se discute. Haverá alguém que não goste? As receitas da culinária da Região Norte são apreciadíssimas.
  • 8. Pato no Tucupi O pato no tucupi é um prato brasileiro típico da culinária paraense. É elaborado com tucupi, líquido amarelo retirado da mandioca brava, e com jambu, verdura típica do estado, que possui propriedade anestésica, causando uma leve sensação de tremor na língua. O tucupi e o jambu também estão presentes em outra iguaria paraense à base de camarão chamada tacacá, muito preparado no período do Círio de Nazaré. Pode ser acompanhado por arroz branco ou farinha-d'água de mandioca.
  • 9. Quem não gosta de um pudim de tambaqui , oferecido na maioria dos restaurantes de Manaus ou em grandes cidades da região? As receitas da culinária da Região Norte direcionam as férias dos turistas, aliando a gastronomia aos objetivos de lazer, descanso e diversão.
  • 10. Receitas exóticas da culinária se utilizam do peixe em seus pratos principais e estes são buscados na maior Bacia Hidrográfica do mundo, a Bacia Amazônica , comandada pelo Rio Amazonas , que produz uma das maiores variedades de peixes de água profunda do planeta.
  • 11.  
  • 12.  
  • 13.  
  • 14. Para quem visita alguns locais da Região Norte, curtindo a natureza ou suas festas culturais religiosas, como a mais tradicional e que atrai milhares de turistas, a festa do boi bumbá ,ou se delicia com pratos típicos como a buchada de bode , que é nada mais, nada menos do que o bucho do próprio bode, recheado com os miúdos adicionados do sangue e uma variedade de temperos e muita pimenta. Dizem ser uma delícia!!!
  • 15. Afirmar que o Norte do Brasil é uma Região privilegiada fica difícil, pois as demais regiões brasileiras têm suas qualidades, muito interessantes e dignos de serem divulgados, porém no Norte do país, a natureza está tão presente e oferece uma diversidade de atrações, como trilhas na floresta , a pesca nos rios da Bacia Amazônica; a própria variedade de receitas da culinária da Região Norte . Como o peixe é a matéria prima básica da culinária nortista, não poderíamos deixar de registrar uma das receitas mais simples, que é a de um pacu enfumaçado , apenas temperado com sal e levado à fumaça produzida por folhas secas de palmeira onde permanece pelo período de cinco horas para ser consumido. É outra delicia da culinária da Região Norte!!!
  • 16. A CASTANHA DO PARÁ A Castanha do Pará é a semente da castanheira do Pará, uma árvore da família botânica Lecythidaceae , com tronco de até 4 m de diâmetro e altura de 30 a 45 metros. O fruto é esférico, de 11 a 14 cm de diâmetro, com peso variando entre 700 gramas e 1.500 gramas.
  • 17. É uma fruta típica do norte do Brasil e um dos principais produtos de exportação da Amazônia. Possui alto valor protéico e calórico além de ser rica em selênio, substância que reduz o risco de cânceres como o de pulmão e de próstata e combate os radicais livres, agindo contra o envelhecimento, fortalece o sistema imunológico , atua no equilíbrio da tireóide.
  • 18. Pode ser consumida in natura, torrada, na forma de farinhas, doces e sorvetes. O óleo da castanha é usado na fabricação de produtos de beleza para o cabelo. A castanha tem uma casca fina, marrom e brilhante. A polpa é branca, farinhenta e saborosa.
  • 19. Blog: www.chacomarroz.blogspot.com “ Bolo de Castanha do Pará” Ingredientes : - 3 ovos inteiros; - 2 copos de açúcar cristal; - 1 copo de óleo (menos 1 dedo); - 2 copos de farinha de trigo; - 1 copo de iogurte natural; - 1 xícara de chá de Castanha do Pará picada; - 1 colher de fermento em pó; *medida copo requeijão Modo de fazer : Bater na batedeira : 3 ovos , açúcar e o óleo . Bater bem. Depois acrescentar a farinha de trigo e o iogurte. Por último o fermento e as castanhas picadas. Untar a forma com manteiga. Misturar açúcar com a canela e polvilhar a forma untada. Despejar a massa. Polvilhar por cima da massa, a canela misturada com o açúcar. Colocar para assar em forno quente. *Forno quente , pré-aquecido ,quando o bolo crescer , abaixar o fogo.
  • 20. Ingredientes para o Bolo de Castanha do Pará: Massa : 1 xícara (200 g) de manteiga 1 xícara de açúcar 3 ovos 1 e 1/2 xícara de farinha de trigo peneirada 1 colher (chá) de baunilha 1 colher (chá) de fermento em pó 1 xícara de castanhas-do-pará moídas 1 xícara de leite licor de sua preferência Recheio : 1 lata de leite condensado 1 xícara de castanhas-do-pará moídas 1 colher (sopa) de manteiga
  • 21. Preaqueça o forno médio (180°). Unte com manteiga e polvilhe com farinha de trigo uma forma redonda de aro removível. Na batedeira, bata a manteiga e o açúcar. Depois vá acrescentando um ovo de cada vez, batendo a cada adição, até obter um creme claro. Junte a farinha, a baunilha e o fermento. Misture as castanhas e o leite. Espalhe a massa na forma e asse por 40 minutos. Deixe esfriar. Desenforme e corte o bolo em três camadas. Umedeça-as com licor e reserve. Para o recheio, misture o leite condensado, as castanhas e a manteiga em uma panela e leve ao fogo médio, mexendo até que o creme se desprenda do fundo da panela. Recheie as camadas do bolo, colocando uma sobre a outra. Decore o bolo com castanhas moídas e/ou em lâminas.
  • 22. Receita de Docinho de Castanha-do-Pará Ingredientes : 1 caixinha de leite condensado; 2 colheres (sopa) de manteiga; 1 xícara (chá) de açúcar; 1 xícara (chá) de castanha-do-pará. Modo de Preparo : Coloque metade da castanha-do-pará no processador e bata até obter uma farofa. Reserve. Com uma faca, corte as castanhas restantes em lascas finas e reserve. Misture em uma panela o leite condensado, o açúcar, a castanha-do-pará e metade da manteiga. Leve ao fogo baixo e cozinhe, sem parar de mexer por 15 minutos. Aumente o fogo e cozinhe, sem parar de mexer, até a massa desgrudar do fundo da panela. Retire do fogo. Unte uma superfície lisa com a manteiga e espalhe a massa, formando um retângulo de 24cm X 21cm. Espere amornar por 5 minutos e corte em 65 pedaços de 2,5cm X 3cm. Disponha-os em forminhas de papel. Se preferir, decore com pedaços de castanha-do-pará. Outros detalhes : Tempo para fazer: 30 minutos Dificuldade e rendimento : Fácil e rende 65 unidades
  • 23. Creme de Cupuaçu Com Castanha-do-Pará Ingredientes : 05 colheres (sopa) de açúcar; 02 latas de leite condensado; 02 latas de creme de leite; 02 latas de polpa de cupuaçu (usar a medida do leite condensado); 05 colheres (sopa) de achocolatado em pó. Modo de Preparo : Derreta o açúcar e coloque no fundo do refratário. Deixe esfriar e, em seguida, faça uma calda grossa de achocolatado em pó e jogue em cima do caramelo frio. Bata no liquidificador o creme de leite, o leite condensado e o cupuaçu. Coloque em cima da calda, com cuidado, deixando a calda cair para os lados. Em cima, cubra com bastante castanha-do-Pará assada e bem picada. Leve ao congelador.
  • 24. ARROZ COM CASTANHAS DO PARÁ INGREDIENTES : 02 XÍCARAS DE CHÁ DE ARROZ; 04 XÍCARAS DE CHÁ DE ÁGUA; 02 COLHERES DE SOPA DE ÓLEO; 01 CEBOLA PICADA; SAL TEMPERADO A GOSTO; 01 XÍCARA DE CHÁ DE CASTANHA DO PARÁ, EM LASCAS.
  • 25. PREPARO DO ARROZ : LAVE BEM O ARROZ, ESCORRA E RESERVE. COLOQUE A ÁGUA PARA FERVER. PIQUE A CEBOLA EM PEDAÇOS BEM PEQUENOS, COLOQUE ÓLEO NUMA PANELA E LEVE AO FOGO PARA ESQUENTAR. QUANDO ESTIVER BEM QUENTE JUNTE A CEBOLA.E MEXA BEM. QUANDO SECAR COMPLETAMENTE, E ANTES DE COMEÇAR A GRUDAR NA PANELA, DESPEJE A ÁGUA FERVENTE E MISTURE BEM. TEMPERE COM SAL, ABAIXE O FOGO E DEIXE COZINHAR ATÉ A AGUA SECAR ESPERE SECAR TOTALMENTE. EM SEGUIDA FRITE O BAYCON E REFOGUE AS CASTANHAS. ENVOLVA O ARROZ COZIDO QUENTE E SIRVA.
  • 26. Informações sobre o Cupuaçu , características, vitaminas, benefícios e propriedades.
  • 27. CLASSIFICAÇÃO CIENTÍFICA Reino : Plantae Divisão : Magnoliophyta Classe : Magnoliopsida Ordem : Malvales Família : Malvaceae Subfamília : Sterculioideae Gênero : Theobroma L. Espécie : T. grandiflorum
  • 28.
    • INFORMAÇÕES
    • A árvore que produz o cupuaçu chama-se cupuaçuzeiro ou cupuaçueiro. Esta árvore pode chegar a 15 metros de altura.
    • É uma fruta típica da região da floresta amazônica.
    • A casca deste fruto é de consistência dura e lisa. Sua cor é castanho-escuro, quase preta.
    • A época desta fruta é de janeiro a maio.
    • Possui sementes em sua parte interna, que são envoltas numa polpa branca de sabor ácido.
  • 29.
    • Esta fruta é muito utilizada para a fabricação de sucos, sorvetes, geléias, vinhos e licores.
    • O sabor do cupuaçu á azedo, porém muito suave.
    • Esta fruta é rica em proteínas, cálcio e fósforo.
    • Com relação às vitaminas, possui vitamina A, B1, B2 e C.
    • Além das vitaminas e sais minerais, esta fruta é rica em pectina.
  • 30. Pudim de cupuaçu Ingredientes : 1 xícara(s) (chá) de leite de coco; 10 unidade(s) de ovo; 1 kg de açúcar União; 1 xícara(s) (chá) de polpa de cupuaçu; 2 xícara(s) (chá) de farinha de trigo; 200 gramas de manteiga. Preparação : Bata no liquidificador o cupuaçu com o leite de coco e os ovos. Na batedeira, bata o açúcar com a manteiga e um pouco da mistura do liquidificador. Depois, junte a farinha de trigo. Misture tudo e coloque em uma fôrma de buraco no meio, com 26 cm de diâmetro e caramelizada. Leve para assar em forno quente (200ºC), pré-aquecido, em banho-maria, por 2 horas e 30 minutos ou até que, enfiando um palito, ele saia limpo.  Rendimento : 8 porções
  • 31. AÇAÍ Nome científico : Euterpe olearacea Mart . Pequeno, redondo e de cor azul-noite, quase negro, o açaí pode ser considerado a pérola da Amazônia. O açaizeiro faz parte da família das palmáceas . Esta palmeira brasileira é uma planta que se desenvolve próxima aos ribeirões, rios, igapó, várzea e nas matas de terra firme, e com menos frequência, em terrenos mais afastados e locais pantanosos.
  • 32. Ocorre predominantemente na região Norte, principalmente nos estados do Pará, Amapá, Maranhão e Tocantins . Palmeira delgada e alta que pode atingir uma altura de 20 a 25 metros. O açaizeiro apresenta farta perfilhação e alcança, no estado nativo, a 20 palmeiras por "touceira" (das quais pelo menos três em produção). Produz, cada uma, entre 6 e 8 cachos com 2,5 kg cada um, representando de 15 a 20 quilos de frutos por palmeira (em duas safras) e de 12 a 25 toneladas de frutos/ha/ano. Os troncos são lisos, roliços, longos, de cor clara, sem espinhos.
  • 33. O açaí tem um antioxidante excelente para a saúde. A polpa do açaí contém alto teor energético, e a divulgação de suas propriedades nutritivas possibilitou a abertura de novos mercados de consumo em outras regiões do país, tornando-se uma nova e ecologicamente correta, fonte de renda para as populações nativas. O cultivo e manejo do açaizeiro é ecologicamente adequado para as condições de solo úmido das várzeas do Estuário Amazônico .
  • 34. A palmeira pode ser utilizada para a extração do palmito (a partir da estipe ), e produção de frutos, utilizados na fabricação do "vinho do açaí", que é um dos principais alimentos das populações ribeirinhas. Dos frutos maduros, é extraída a polpa que é consumida na forma de sucos, creme, licor, geléia, mingau, sorvetes e doces.
  • 35. Estudos revelam que a polpa de Açaí da Amazônia contém : Uma formidável concentração de antioxidantes que ajudam a combater o envelhecimento prematuro, contendo um volume 10-30 vezes maior de antocianinas (antioxidantes roxos) se comparado ao vinho tinto. A antocianina é conhecida por suas potentes propriedades terapêuticas entre os quais inclui-se o tratamento de retinopatia diabética e de doença fibrocística da mama em seres humanos. Entre os potenciais efeitos fisiológicos das antocianinas incluem-se agentes radioprotetores, químioprotetores, vasoprotetores e antiinflamatórios.
  • 36. A principal antocianina no Açaí é a cianidina-3 glucosídeo. A cianidina-3 - glucosídeo é comprovadamente 3.5 vezes mais forte do que Trolox (análogo da vitamina E). Uma sinergia de gorduras monoinsaturadas (saudáveis), fibras alimentares e fitoesteróis, que contribuem para o sistema cardiovascular e a saúde do trato digestivo. Um complexo essencial quase perfeito de aminoácidos juntamente com valiosas substâncias minerais, vitais à adequada contração e regeneração musculares.
  • 37. Fitoesteróis valiosos. Os Esteróies são componentes de membranas de células vegetais que oferecem inúmeros benefícios ao organismo humano, entre eles, a redução da colesterolemia. Os esteróis vem atualmente sendo usados no tratamento de sintomas associados à hiperplasia benigna da próstata. Provas preliminares sugerem que beta-sitosterol (o esterol predominante no Açaí) possa ajudar na prevenção da fraqueza imunológica resultante de grave estresse físico. Boa fonte de fibras, o açaí contém 2.0 gramas de fibra alimentar em uma porção. As fibras promovem um sistema digestivo saudável. Acredita-se que o baixo teor de fibras na dieta americana seja fator que contribui para a alta incidência de câncer e de doenças cardíacas. Fibras solúveis podem ajudar a reduzir o colesterol sangüíneo; e acredita-se que fibras insolúveis possam ajudar a reduzir o risco de desenvolvimento de certos tipos de câncer.
  • 38. 60% Oléico (Ômega 9), ácido graxo monoinsaturado essencial, que auxilia na redução dos níveis do LDL (colesterol ruim) enquanto mantém os do HDL (colesterol bom). 12% Linoléico (Ômega 6), ácido graxo poliinsaturado essencial, que comprovadamente reduz os níveis tanto do LDL quanto do HDL. Ácidos graxos ajudam no transporte e absorção de vitaminas lipossolúveis, Vitaminas A, E, D, e K . A taxa de ácido graxo do Açaí assemelha-se à do azeite de oliva, a qual se acredita seja um fator que contribui para a baixa incidência de doença coronariana nas populações mediterrâneas. FONTE: site Amazon Mania
  • 39. O principal produto oriundo do fruto é uma bebida de consistência pastosa, denominada açaí. A consistência pastosa da bebida é devido aos elevados teores de amido (9,30%) e pectina (0,67%) encontrados na parte comestível do fruto. São necessários de 2,5 quilos de frutos maduros para a produção de um litro de suco de açaí.
  • 40. Bebida extraída do pequeno fruto do açaizeiro que produz cachos com dezenas de caroços (frutos) redondinhos. De cor arroxeada, a bebida é assim extraída : colocam-se os caroços do açaí de molho na água para amolecer a casca fina que os reveste. Em seguida os caroços são amassados com água em alguidar de barro ou máquina própria, coando-se então a mistura em peneiras especiais para que se obtenha um líquido roxo, espesso e de sabor característico incomparável. Toma-se gelado com açúcar, farinha de tapioca ou farinha-d'água. Há quem o aprecie sem açúcar. É nutritivo e refrescante. É também delicioso no preparo de sorvetes, licores, mousses, etc.
  • 41. Quem foi ao Pará, Parou. Bebeu açaí , Ficou!
  • 42. Açai , o maná da Amazônia Sem dúvida, o açaí é uma das palmeiras mais típicas do Pará, onde, seguramente, tem o seu indigenato. Sua maior ocorrência é no estuário do Rio Amazonas, mormente em terrenos de várzea, nos igapós e, também, em terra firme, sendo encontrada, muitas vezes, em formações quase puras ocupando, por isso, ao lado do miriti (ou buriti) o primeiro lugar na exótica e exuberante paisagem amazônica.
  • 43. Conheça os teores nutricionais e a utilidade dos subprodutos do açaizeiro Do açaizeiro praticamente nada se perde. É uma palmeira que tem multiplicidade de usos. De seus frutos, como já vimos, é extraído um suco altamente energético, muito consumido pela população paraense, mas que, atualmente, vai tendo parte de sua produção exportada para os Estados do Sul / Sudeste do Brasil, bem como para o Nordeste e, mais recentemente, para os Estados Unidos. O palmito, muito elogiado por sua leveza, é quase todo exportado. 95% de todo o palmito produzido no Brasil provêm do açaizeiro, sendo o Pará o principal produtor nacional. Apesar da preocupação dos ecologistas, os cultivos racionais do açaizeiro estão surgindo graças ao interesse entre os agricultores tradicionais e grupos empresariais, pelas excelentes perspectivas existentes no mercado brasileiro e no Exterior.
  • 44. O açaí é uma palmeira do norte do Pará É conhecido pelos indígenas como "içá-çai", a fruta que chora. Sendo típico da Amazônia, espalha-se por toda a região...
  • 45. Açaí com Peito de Frango Ingredientes : 1 peito de frango assado na chapa; 1 colher (de sopa) de margarina; 1 colher (de sopa) de amido de milho; 250 ml de açaí (+ grosso, concentrado) sal a gosto; 1 colher (de chá) de salsa e manjericão desidratados. Modo de Preparo : Derreta a margarina e adicione o amido de milho, para que se faça a base do molho. Após dissolver completamente a margarina coloque o açaí lentamente. Não deixe ferver. Acrescente o sal. Retire a panela do fogo e coloque as ervas desidratadas. Cubra todo o peito de frango com molho de açaí e está pronto para servir.
  • 46. Torta de Açaí Ingredientes: Massa : 120g de manteiga 50g de farinha de trigo 25g de castanha do Pará moída 50g de glaçúcar 150g de farinha de trigo 1 ovo pequeno. Recheio : 300g de pêra cozida em água, limão e açúcar 300g de polpa de açaí 500g de creme de leite fresco 7 ovos 175g de açúcar 1 colher de sopa de essência de baunilha.
  • 47. Modo de Preparo Massa : Fazer uma massa doce com os ingredientes da massa, seguindo pela seqüência. Colocar a massa para gelar. Depois de bem gelada, forrar uma fôrma de fundo removível e colocar o recheio. Recheio : Depois de cozer a pêra, bater junto com o açaí e misturar bem com os ingredientes restantes. Levar para assar em forno moderado, pois se trata de um recheio muito líquido e delicado. É aconselhável desenformar no dia seguinte ou quando estiver bem fria.
  • 48. Pirarucu O pirarucu (Arapaima gigas) é um peixe que é encontrado geralmente na bacia Amazônica, mais especificamente nas áreas de várzea , onde as águas são mais calmas . Costuma viver em lagos e rios de águas claras e ligeiramente alcalinas com temperaturas que variam de 24° a 37°C, não sendo encontrado em zona de fortes correntezas e águas ricas em sedimentos. Este peixe é um dos maiores de água doce do mundo, e conhecido também como o bacalhau da Amazônia . Seu nome vem de dois termos indígenas: pira , "peixe", e urucum , "vermelho", devido a cor de sua cauda.
  • 49. Esta espécie de peixe possui características biológicas e ecológicas bem distintas: De grande porte, sua cabeça é achatada e ossificada, com um corpo alongado e escamoso. Pode crescer até três metros de comprimento e pesar cerca de 250 kg , possui dois aparelhos respiratórios, as brânquias, para a respiração aquática e a bexiga natatória modificada, especializada para funcionar como pulmão , no exercício da respiração aérea , obrigatória principalmente durante a seca, ocasião em que os peixes formam casais, procuram ambientes calmos e preparam seus ninhos, reproduzindo durante a enchente; é papel do macho proteger a prole por cerca de seis meses.
  • 50. Os filhotes apresentam hábito gregário, e durante as primeiras semanas de vida, nadam sempre em torno da cabeça do pai, que os mantém próximos à superficie, facilitando-lhes o exercício da respiração aérea. Apesar de ser uma espécie resistente, suas características ecológicas e biológicas o tornam bastante vulnerável à ação de pescadores. Os cuidados com os ninhos, após a desova expõe os reprodutores à fácil captura com redes de pesca ou arpão. Durante o longo período de cuidados paternais, a necessidade fisiológica de emergir para respirar ocorre em intervalos menores, ocasião em que os peixes são pescados.
  • 51. O abate dos machos nestas circunstâncias e também a longa fase de imaturidade sexual dos filhotes, conhecidos como "bodecos" onde seu peso varia entre 30 e 40 quilos, propicia na captura destes por predadores naturais como as piranhas, fazendo assim com que o sucesso reprodutivo da espécie seja diminuído. O Pirarucu não apresenta dimorfismo sexual externo , salvo quando em época de reprodução, que apresenta diferenças nas colorações de suas escamas.
  • 52. Tucunaré Tucunaré do indígenta Tucun=árvore e Aré=amigo (amigo da árvore), (Cichla spp.) é uma espécie de peixe presente nos rios da América do Sul, em especial do Brasil, também conhecida como tucunaré-açu, tucunaré-paca, tucunaré-pinima, tucunaré-pitanga, tucunaré-vermelho ou tucunaré-pretinho. Os tucunarés são peixes de médio porte com comprimentos entre 30 centímetros e 1 metro. Todos apresentam como característica um ocelo redondo no pedúnculo caudal.
  • 53. Os tucunarés são sedentários e vivem em lagos, lagoas, rios e estuários, preferindo zonas de águas lentas ou paradas. Na época de reprodução formam casais que partilham a responsabilidade de proteger o ninho, ovos e juvenis. São peixes diurnos que se alimentam de qual quer coisa pequena que se movimenta e outros peixes e até pequenos crustáceos. Ao contrário da maioria dos peixes da Amazônia, os tucunarés perseguem a presa até conseguir o sucesso. O tucunaré é um peixe popular em pesca desportiva. A espécie C. orinocensis foi introduzida em Singapura com este mesmo propósito, mas com consequências trágicas para a fauna endémica da região.
  • 54. Pirão Pirão é um prato tradicional das culinárias do Brasil e de Angola feito à base de farinha de mandioca. É um prato originado da culinária dos indígenas brasileiros. A farinha de mandioca não serve para o preparo de pão assado, a não ser, quando misturada com a farinha de trigo. De forma pura, a farinha de mandioca é utilizada em pratos como: farofa, beijus, sopas, mingaus e pirões.
  • 55. O pirão é uma papa de farinha de mandioca feita quando se mistura esta com água ou caldo quente. No Brasil o pirão pode ser preparado com diferentes tipos de caldos. O pirão mais comum é feito com a mistura da farinha de mandioca com a água em que foram cozidos peixes, formando uma papa viscosa que é comida como acompanhamento do prato principal.
  • 56. Tacacá Tacacá é uma iguaria da região amazônica brasileira, em particular do Acre, Pará, Amazonas, Rondônia e Amapá. É preparado com um caldo fino de cor amarelada chamado tucupi, sobre o qual se coloca goma, camarão e jambu. Serve-se muito quente, temperado com sal e pimenta, em cuias.
  • 57. O tucupi e a tapioca (da qual se prepara a goma), são resultados da massa ralada da mandioca que, depois de prensada, resulta num líquido leitoso-amarelado. Após deixá-lo em repouso, a tapioca fica depositada no fundo do recipiente e o tucupi, na sua parte superior. Sua origem é indígena e, segundo Câmara Cascudo, deriva de um tipo de sopa indígena denominada mani poi. Câmara Cascudo diz que “Esse mani poí fez nascer os atuais tacacá, com caldo de peixe ou carne, alho, pimenta, sal, às vezes camarões secos.”.