Your SlideShare is downloading. ×
Neil Peart e a Jornada do Herói
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Neil Peart e a Jornada do Herói

747
views

Published on

Artigo sobre a vida do baterista Neil Peart (Rush) sob a ótica da Jornada do Herói. …

Artigo sobre a vida do baterista Neil Peart (Rush) sob a ótica da Jornada do Herói.

É a primeira versão, por isso não tem resumo e não foi corrigido.

Published in: Education

1 Comment
0 Likes
Statistics
Notes
  • Os outros dois integrantes do Rush participaram de projetos paralelos durante o tempo de exílio do Neil. Geddy Lee lançou My Favorite Headache e Alex Lifeson lançou Victor.
    No mais, muito bom.
    Saudações,
    Izaias.
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
747
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
6
Comments
1
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1.   1         Neil  Peart  e  a  Jornada  do  Herói   A  vida  do  baterista  do  Rush  sob  a  ótica  da  construção  de  histórias       Luiz  Guilherme  Leite  Amaral   2013       Resumo:        
  • 2.   2   Introdução     Ao  longo  dos  tempos,  independentemente  da  cultura  a  que  se  refira,  histórias  são   criadas   e   seguem   uma   narrativa   muito   parecida.   Foi   o   que   o   mitólogo   norte-­‐ americano  Joseph  Campbell  percebeu  ao  analisar  mitos  de  diferentes  lugares  por   vários  anos.  Com  isso,  compilou  uma  de  suas  obras  mais  fantásticas,  O  Herói  de   Mil  Faces  (1949),  trabalho  de  suma  importância  para  as  áreas  comunicacionais.       No   entanto,   o   que   acontece   quando   uma   pessoa   real   passa   pelos   mesmos   estágios   propostos   por   Campbell?   Poderia   ela   também   elevar-­‐se   de   um   plano   carnal  para  um  plano  mágico?  Bom,  ao  menos  representativamente,  sim.  Imagine   que  seu  ator  preferido  ou  um  amigo  muito  querido  passou  por  etapas  na  vida   que  se  assemelham  com  a  de  alguns  deuses.  Parece  surreal,  mas  acontece.     Em   O   Heróis   de   Mil   Faces,   Campbell   esmiúça   os   elementos   que   compõem   histórias   mágicas   e   os   elementos   que   as   cercam,   como   personagens   e   lugares.   Por  esta  ótica,  não  soa  absurdo  que  Mitra  –  deus  persa  do  ano  1400  a.C.  –  tenha   uma   trajetória   bastante   similar   a   de   Jesus   Cristo.   Também   é   plausível   que   a   história   destes   dois   deuses   tenha   sido   criada   bem   antes   da   data   em   que   eles   apareceram.  E,  mais  uma  vez,  que  será  atribuída  a  outros  deuses  posteriores.       O  que  Campbell  nos  mostra  é  que  existe  um  limite  criativo  em  nossa  espécie  e,   apesar   de   vivermos   cotidianos   diferentes,   alguns   elementos   satisfazem   certas   necessidades.  A  repetição  de  condutas  e  índoles  são  arquétipos;  os  entraves  que   estes   personagens   esbarram   são   suas   jornadas.   E   todas   estas   criações   têm   funções  específicas,  como  tapar  buracos  de  ignorância,  aplacar  a  solidão  e  criar   um  sentido  de  vida  que  nos  torne  mais  fortes.     Vamos  conhecer,  portanto,  o  modelo  de  Joseph  Campbell  para  a  Jornada  do  Herói   baseado  na  síntese  proposta  por  Monica  Martinez  (2008:118-­‐119):     1. A  partida   1.1 O  Chamado  da  Aventura;   1.2 Recusa  do  Chamado;   1.3 O  Auxílio  Sobrenatural;   1.4 A  Passagem  pelo  Primeiro  Limiar;   1.5 O  Ventre  da  Baleia;   2. A  iniciação   2.1 O  Caminho  das  Provas;   2.2 O  Encontro  com  a  Deusa;   2.3 A  Mulher  como  Tentação;   2.4 A  Sintonia  com  o  Pai   2.5 A  Apoteose  
  • 3.   3   2.6 A  benção  última   3. O  Retorno   3.1 A  Recusa  do  Retorno   3.2 A  Fuga  Mágica   3.3 O  Resgate  com  Auxílio  Externo   3.4 A  Passagem  pelo  Limiar  do  Retorno   3.5 Senhor  de  Dois  Mundo   3.6 Liberdade  para  Viver     Apesar  deste  esquema  completo  para  a  jornada  do  herói,  ainda  há  remodelagens   que  servem  para  diferentes  meios  de  comunicação.  Christopher  Vogler,  analista   de  roteiros  da  Walt  Disney  Company,  transportou  esta  estrutura  para  o  cinema  e   incorporou  alguns  novos  elementos  além  de  fazer  as  devidas  readaptações  em   outros.  Conta-­‐nos,  novamente,  Monica  Martinez:     Vogler  sugere  adaptações  importantes:  em  primeiro  lugar,   rebatiza   o   personagem   central   da   história,   chamado   de   herói   por   Campbell,   de   protagonista;   em   segundo,   estabelece   um   elenco   de   co-­‐atores   de   inspiração   arquetípica  que  acompanha  o  protagonista  em  seu  desafio;   além  disso,  simplifica  o  método  das  12  etapas  dividindo-­‐o   na  estrutura  convencional  de  roteiro  de  três  atos”  (p.  119).     O   trabalho   de   Vogler   em   cima   do   livro   de   Campbell   resultou   em   uma   jornada   mais  enxuta  e  com  dinâmica  bastante  diferente  –  talvez  tanto  para  saciar  algum   apelo   mercadológico   quanto   para   realmente   contar   uma   boa   história.   Assim,   temos  agora  o  seguinte  modelo:     Primeiro   Ato:   Mundo   Comum,   Chamado   à   Aventura,   Recusa   do   Chamado,   Encontro  com  o  Mentor,  Travessia  do  Primeiro  Limiar;     Segundo  Ato:  Testes,  Aliados  e  Inimigos,  Provação  Suprema  e  Recompensa;     Terceiro  Ato:  Caminho  de  Volta,  Ressurreição,  Retorno  com  o  Elixir.     Além   disso,   Vogler   também   introduz   novos   personagens   secundários:   mentor,   guardião  do  Limiar,  arauto,  camaleão,  pícaro  e  sombra.       Há  ainda  a  estruturação  adaptada  para  o  jornalismo,  idealizada  pelo  pesquisador   Edvaldo   Pereira   Lima   no   final   dos   anos   1990.   Quando   no   Núcleo   de   Epistemologia  da  Escola  de  Comunicações  e  Artes  da  Universidade  de  São  Paulo,   Pereira   Lima   consegue   utilizar   uma   estrutura   para   o   Jornalismo   Literário   e,   assim,  agrega  uma  nova  maneira  de  construir  histórias:  
  • 4.   4     Com   o   objetivo   de   torná-­‐la   mais   funcional   em   termos   jornalísticos,  Pereira  Lima  sintetiza  a  Jornada  do  Herói  em   oito  etapas:  Cotidiano,  Recusa,  Desafios,  Caverna  Profunda,   Desafios,  Recompensa  e  Retorno.  O  pesquisador  sugere  um   elenco   de   co-­‐atores   mais   definido   que   o   sugerido   por   Vogler,  propondo  a  terminologia  de  Inimigo  e  Adversários   (enquanto  o  primeiro  é  a  principal  força  motriz  que  testa  o   herói,  os  segundos  são  competidores  que  tentam  bloquear   seu  caminho).  (MARTINEZ:2008,  120).     Deve-­‐se  lembrar,  porém,  que  todas  as  três  estruturas  não  são  auto  excludentes.   Uma  determinada  passagem  em  uma  história  pode  ser  contemplada  no  esquema   de  Joseph  Campbell  e  não  no  de  Christopher  Vogler  ou  de  Edvaldo  Pereira  Lima  e   assim   por   diante.   Neste   estudo,   estamos   utilizando   a   estrutura   de   Vogler   combinada  com  a  de  Campbell  já  que  na  biografia  de  Neil  Peart  identifica-­‐se  tais   eventos  e  suas  correlações  com  a  Jornada  do  Herói.     A  Jornada  de  Neil  Peart     Mundo  Comum     Neil  Elwood  Peart  nasceu  em  Hamilton,  Canadá,  aos  12  de  Setembro  de  1952,  e   cresceu   em   um   rancho   em   Port   Dalhousie,   Ontário.   Sua   vida   era   resumida   à   leitura  de  livros  dos  mais  variados  gêneros  e  o  estudo  de  música,  já  que,  apesar   de  alguns  trabalhos  esporádicos  em  funções  tediosas,  seu  intuito  era  ser  músico   profissional.     Foi   em   sua   pré-­‐adolescência   que   Peart   revelou   seu   gosto   pela   música   quando   adquiriu   um   rádio   transistor   e   passou   a   acompanhar   bandas   do   Canadá   e   Estados  Unidos.  Sua  paixão  pela  bateria  cativou  seus  pais,  que  lhe  deram  uma   bateria  aos  14  anos  de  idade.  Deste  período  em  diante,  Neil  Peart  deixa  a  escola   para  dedicar-­‐se  inteiramente  à  música     Este  é  o  Mundo  Comum  descrito  por  Vogler,  onde  apresenta-­‐se  o  lugar  onde  o   herói   vive,   bem   como   seu   cotidiano,   para   que   se   crie   um   contraste   com   a   aventura  que  ele  fará  ao  longo  da  história.  Se  a  rotina  de  shows  e  gravações  é  um   mundo   especial   e   almejado,   no   Mundo   Comum   Peart   começa   sua   preparação,   ainda  que  seja  somente  uma  aposta,  para  toda  a  carreira  que  virá  adiante.     Enquanto  tal  preparação  acontece,  a  banda  Rush  já  começa  a  dar  seus  primeiros   passos.  Geddy  Lee  e  Alex  Lifeson,  dois  amigos  de  infância  que  estudam  na  mesma   escola   também   desenvolvem   suas   aptidões   musicais.   Tanto   Geddy   Lee   quanto  
  • 5.   5   Alex   Lifeson   vêm   de   famílias   judaicas   polonesas   refugiadas   de   campos   de   concentração.  Por  conta  de  estudarem  na  mesma  escola  e  o  gosto  pela  música,   tornaram-­‐se   amigos   inseparáveis   logo   nos   primeiros   momentos   em   que   se   cruzaram  no  colegial.  Quando  eles  se  unem  definitivamente  para  criar  o  Rush,   tinham  como  baterista  John  Rutsey.     O  Chamado     Rutsey  era  da  mesma  escola  e  também  morava  no  subúrbio,  como  Lee  e  Lifeson.   Apesar  de  ser  um  bom  baterista  para  sua  idade,  era  diabético,  o  que  se  tornava   um  problema  em  potencial  por  conta  do  hábito  de  beber  tão  comum  entre  jovens   de  sua  idade  –  e  ainda  mais  com  bandas.     Os   primeiros   shows   começaram   bem,   mas   após   um   tempo   ele   começou   a   prejudicar  a  qualidade  sonora  da  banda  em  função  de  sua  condição.  Se  o  Rush   queria  dar  um  passo  além,  Rutsey  teria  que  ficar  para  trás,  ainda  mais  quando   eles  estavam  prestes  a  assinar  com  a  Moon,  sua  primeira  gravadora.   Em  uma  tarde,  os  empresários  do  Rush,  vão  à  loja  de  peças  de  tratores  onde  Neil   Peart  trabalhava  com  o  pai,  pois  ouviram  falar  deste  baterista  que  tinha  como   influência   lendas   da   bateria   como   Buddy   Rich   e   Gene   Krupa.   Nas   palavras   de   Glen  Peart,  pai  de  Neil1:     Um  Corvette  branco  não  estaciona  numa  loja  de  peças  para   tratores   numa   fazenda   com   tanta   regularidade.   Então   os   empresários   entraram   e   perguntaram-­‐me   se   poderiam   levar   Neil   para   almoçar   e   fazer   um   teste   com   a   banda   à   tarde.  (...)     O  Chamado  à  Aventura  acontece  neste  momento  em  que  o  Corvette  chega  na  loja   de   peças.   Diante   disso,   a   vida   de   Neil   Peart   se   modificaria   para   sempre   e   ele   deixaria   de   vez   o   Mundo   Comum.   Independentemente   do   risco,   era   como   se   agora  ele  estivesse  predestinado  a  isso.     O  Encontro  com  o  Mentor     Na   mesma   fala   anterior,   Glen   Peart   evidencia   sua   participação   nesta   etapa   da   Jornada  do  Herói:     Neil  perguntou-­‐me  se  ele  poderia  ir  e  então  eu  disse:  bem   antes  de  mais  nada  teremos  que  falar  com  sua  mãe.  Mas,   pelo  que  eu  sei,  isso  é  tudo  o  que  você  quis  na  sua  vida,  e                                                                                                                   1  Documentário  Rush:  Beyond  The  Lighted  Stage,  2010.  
  • 6.   6   nós   sempre   teremos   a   loja   de   peças   automotivas   aqui,   então,  eu  acho  que  você  deve  ir.     Ter  seus  pais  como  incentivadores  foi  a  chave  para  que  Neil  Peart  ingressasse  em   sua  jornada.  Àquela  época  ele  tocava  na  banda  J.R.  Flood  e  tinha  um  estilo  muito   “inglês”   de   tocar   pela   influência   massiva   que   o   The   Who   causava   em   sua   vida   musical.       Seus  pais  o  viam  como  uma  pessoa  “esquisita”,  segundos  eles  próprios,  porque   Peart   lia   absolutamente   tudo   que   caía   em   suas   mãos.   Sua   curiosidade   com   o   mundo   era   tão   grande   que   ele,   inclusive,   aprendeu   a   tricotar,   apenas   para   aprender  como  se  fazia  isso.     Pela  Jornada  do  Herói,  o  Mentor  é  o  pai  de  Neil  Peart,  que  lhe  dá  a  benção  para  ir   com  os  empresários  ao  encontro  de  Lee  e  Lifeson.       Teste     Assim,  Neil  Peart  pegou  o  Ford  Pinto  de  sua  mãe,  colocou  sua  bateria  no  porta-­‐ malas  e  seguiu  para  a  audição  que  faria  com  o  Rush.  Geddy  Lee  e  Alex  Lifeson   lembram  desse  momento:     LEE:  Encostou  um  Ford  Pinto  onde  faríamos  a  audição  e   deste  carro  desceu  um  garoto  magro  e  de  cabelos  curtos.   Minha   primeira   impressão   foi   a   de   que   ele   era   meio   desengonçado.     LIFESON:   Pensei:   este   cara   não   é   legal   o   suficiente   para   tocar   nesta   banda!   Então   Neil   começou   a   tocar   e   literalmente   tirou   merda   daquela   bateria2 !   Ele   tocava   como   Keith   Moon   (The   Who)   e   John   Bonham   (Led   Zeppelin)  ao  mesmo  tempo...     LEE:   Eu   fiquei   estarrecido   a   partir   do   momento   que   ele   começou   a   tocar.   Ele   fazia   aquelas   tercinas...   Ele   era   tão   bom!     Após  alguns  minutos  de  discussão,  o  Rush  resolve  contratá-­‐lo  para  iniciar  a  turnê   que  haviam  programado.                                                                                                                     2  No  original,  “he  pounded  the  crap  out  of  those  drums!”,  Documentário  Rush:   Beyond  the  Lighted  Stage,  2010.  
  • 7.   7   Travessia  do  Primeiro  Limiar     Esta  etapa  da  Jornada  do  Herói  revela  o  total  comprometimento  do  nosso  herói   com  sua  aventura.  O  chamado  foi  feito  e  ele  passou  pelo  teste,  e  agora  vai  entrar   em  uma  nova  experiência,  tal  como  nos  ensina  Joseph  Campbell.  É  importante   ressaltar,  contudo,  que  este  estágio  é  um  caminho  sem  volta,  já  que  o  retorno  ao   Mundo  Comum  seria  insustentável  para  o  herói  e,  consequentemente,  para  toda  a   narrativa.     O  primeiro  show  nos  Estados  Unidos  aconteceu  duas  semanas  após  o  teste  de   Neil   Peart.   Ele   teve   que   aprender,   neste   período,   por   volta   de   20   músicas   complexas  e  altamente  inspiradas.  No  entanto,  sua  paixão  pela  literatura  fez  com   que  ele  também  contribuísse  para  a  banda  com  letras  sofisticadas,  enquanto  Lee   e   Lifeson   auxiliariam   “musicando”   [jargão   da   música]   estas   letras.   Sebastian   Bach,   vocalista   da   banda   Skid   Row,   lembra   que   “o   Rush   introduziu   frases   em   francês   no   rock,   coisa   impensável   para   garotos   que   mal   entendiam   livros   em   inglês”.     Seu  estilo  agressivo  na  bateria  colaborou  muito  para  as  composições  anteriores   do  Rush,  criando  uma  atmosfera  rítmica  extremamente  complexa  e,  por  vezes,   até   incompreensível   para   os   ouvidos   mais   leigos.   Além   dos   shows   que   começavam  a  lotar  cada  vez  mais,  a  banda  começou  a  gravar  discos.  O  primeiro,   Fly  By  Night,  de  1975,  foi  muito  aceito  pela  crítica  e  impulsionou  o  Rush  para   shows  ainda  mais  frequentes.  Já  o  segundo,  Caress  of  Steel,  também  de  1975,  foi   muito   mal   recebido.   Apesar   disso,   a   banda   não   se   abalou   o   apostou   na   genialidade  que  pairava  sobre  os  músicos.       O  Caminho  das  Provas     Assim,  o  Rush  começou  a  excursionar  pelo  mundo.  Foi  para  a  Inglaterra  onde  a   banda  começara  a  ser  conhecida  por  toda  a  Europa  e  começara  a  conquistar  uma   legião  de  fãs.  Durante  esta  permanência  na  Grã-­‐Bretanha,  a  banda  gravou  o  disco   Farewell  to  Kings,  em  1977.     Nesta  fase,  o  Rush  fazia  por  volta  de  300  shows  por  ano.  E,  durante  quatro  anos,   a  banda  grava  cinco  discos,  um  trabalho  que  exige  muito  de  todos  eles.  Enquanto   no  começo  eles  abriram  shows  para  Uriah  Heep  e  Kiss  –  bandas  cujos  integrantes   tornaram-­‐se   muito   amigos   –   nesta   fase   eles   tinham   shows   solos   e   lotavam   estádios  e  casas  de  shows.     O  Caminho  das  Provas   é   onde   Neil   Peart   é   severamente   testado   em   função   da   proficiência   que   exibiu.   Pois   uma   coisa   é   tocar   esporadicamente   em   escolas;  
  • 8.   8   outra  completamente  diferente  é  fazer  tantos  shows  profissionais  por  ano.  Esta   metamorfose   engrandecia   tanto   Neil   quanto   seus   próprios   companheiros   de   banda,  que  a  cada  nova  criação  tornavam-­‐se  cada  vez  mais  complexos.     O   álbum   2112,   de   1976,   é   tanto   uma   resposta   às   más   críticas   quanto   um   dos   grandes  momentos  de  superação  criativa  da  banda.  Este  álbum,  particularmente,   tem  uma  das  composições  mais  emblemáticas  –  e  que  dá  o  nome  ao  álbum  -­‐-­‐,   2112,  uma  faixa  de  20  minutos  e  33  segundos.     A  Apoteose     Outras  grandes  composições  fizeram  de  Neil  Peart  por  muitos  anos  o  baterista   mais  respeitado  do  mundo:  La  Via  Strangiatto  (1978);  Tom  Sawyer  (1981);  YYZ   (1981);   Time   Stand   Still   (1987),   entre   outras.   Peart   diz   que   muitas   músicas   refletem   o   que   ele   ouve   em   determinadas   épocas   da   sua   vida   e   que,   por   isso,   passeia   por   estilos   diferentes   como   reggae   (por   ser   fã   do   The   Police)   e   blues   (pela  influência  dos  seus  primeiros  anos  como  baterista).     Isso  eleva  a  banda  a  um  nível  de  musicalidade  impressionante.  Mesmo  dividindo   a  crítica,  é  inegável  o  respeito  que  Neil  Peart  tem  como  baterista  do  Rush.  Uma   das  fases  mais  controversas,  contudo,  é  quando  a  banda  passa  a  utilizar  muitos   instrumentos   eletrônicos,   como   teclados   e   sintetizadores.   Houve   uma   ruptura   até   mesmo   por   parte   dos   fãs,   que   se   dividiram   entre   ouvir   apenas   as   composições  mais  antigas  e  os  que  prestigiaram  a  nova  fase  da  banda.     Morte     Após  a  gravação  do  álbum  Test  for  Echo,  de  1997,  a  filha  de  Neil  Peart,  Selena   Taylor,  morre  em  um  trágico  acidente  de  carro.  Dez  meses  após  esta  perda,  sua   esposa,  Jacqueline  Taylor,  morre  em  decorrência  de  um  câncer.     Já   no   funeral   de   sua   filha,   antes   mesmo   de   sua   segunda   perda   familiar,   Peart   disse   para   o   considerarem   aposentado.   Tamanho   golpe   haveria   afetado   sua   musicalidade  a  ponto  de  não  querer  mais  sentar  atrás  do  seu  instrumentos.  Alex   Lifeson   concorda   com   a   dor   desta   fase   e   diz   que   “por   uns   três   anos,   nem   encostou  em  sua  guitarra  e  mal  queria  ouvir  música”.     A  fase  da  Morte  na  Jornada  do  Herói  funciona  como  uma  suspensão  brusca  do   cotidiano,   onde   muito   deve   ser   reavaliado.   Não   se   trata   necessariamente   da   morte  do  próprio  herói  ou  de  algum  co-­‐ator  –  como  neste  caso  –  mas  pode  se   referir  também  à  morte  de  algo  simbólico  ou  que  de  alguma  forma  interrompa  a   trajetória.  Por  conta  deste  choque,  o  herói  recorre  ao  Ventre  da  Baleia.    
  • 9.   9   Ventre  da  Baleia     Neil  Peart  deve  conter  seus  demônios,  e  o  faz  afastando-­‐se  da  banda  por  um  ano   inteiro.   A   saída   que   encontrou   para   internalizar   suas   dores   foi   viajar   com   sua   motocicleta  pela  costa  oeste  canadense  até  o  México.  Por  este  período,  enviava   cartões  postais  aos  seus  colegas  de  banda  utilizando  pseudônimos  que  só  eles   conheciam.     Por  estar  exilado  do  seu  cotidiano,  a  análise  de  sua  biografia  suscita  uma  dúvida:   seria   seu   Mundo   Comum   a   vida   de   turnês   e   gravações   ou   sua   infância   e   adolescência  no  Canadá?  O  quanto  Neil  Peart  precisava  estar  envolvido  com  a   música  para  entender  seu  espaço  no  mundo?  Fãs  têm  um  viés  egoísta  em  sua   admiração   por   seus   heróis.   Por   mais   que   não   queiram   se   livrar   deles,   há   de   entender  que  a  fase  do  Ventre  da  Baleia  é  necessária  em  determinados  aspectos.     Por  isso,  a  banda  parou.  Nenhum  dos  integrantes  se  envolveu  em  outros  projetos   tampouco  quiseram  substituir  Neil  Peart.  “Não  existe  o  Rush  sem  qualquer  um   dos   seus   integrantes”,   afirma   Geddy   Lee   no   documentário   Beyond   the   Lighted   Stage,  de  2010.  Todos  assumem  que  foi  inevitável  que  Peart  se  afastasse  para   colocar  a  cabeça  no  lugar.     Resgate  com  auxílio  externo     Quando  Neil  Peart  termina  seu  período  sabático,  tanto  os  empresários  da  banda   Rush  quanto  seus  integrantes  cogitam  um  retorno.  Segundo  as  palavras  de  Alex   Lifeson,  “estávamos  pensando  sobre  haver  a  possibilidade  de  tentarmos  talvez   abrir  a  possibilidade  de  quem  sabe  talvez  em  algum  momento  talvez  voltarmos  a   tocar”.    Este  excesso  de  tato  também  representava  o  medo  de  atrapalhar  todo  o   processo  pelo  qual  Peart  estava  passando.  Apesar  de  ser  sempre  “o  novo  cara”  da   banda,  ele  era  tão  importante  quanto  os  outros  dois.     Após  uma  série  de  longas  conversas,  a  banda  resolve  retornar,  mas  não  antes  de   Neil  Peart  voltar  a  estudar  música.  Devido  ao  seu  excessivo  uso  de  metrônomos   durante  a  fase  mais  “eletrônica”  do  Rush,  ele  ganhou  muita  precisão  musical,  mas   perdeu   um   pouco   da   naturalidade   que   lhe   era   peculiar   nos   primeiros   anos.   Assim,  começou  a  fazer  aulas  com  o  baterista  Freddie  Gruber,  um  dos  maiores   professores  de  bateria  do  mundo.     Durante   as   aulas,   o   que   eles   menos   fizeram   foi   tocar.   Durante   as   sessões,   dançavam   e   conversavam   sobre   movimentos   e   respiração.   Gruber   consegue   fazer  uma  ponte  muito  estreita  entre  tocar  bateria  e  praticar  natação  ao  defender   que  o  mais  importante  são  os  movimentos  que  acontecem  antes  de  executar  uma  
  • 10.   10   nota.   “Se   você   simplesmente   bate   os   braços   dentro   d’água,   não   está   nadando,   porque  não  há  respiração  nem  inteligência  de  movimentos”.     Este  Resgate  com  o  auxílio  externo  é  o  que  traz  um  novo  co-­‐ator  para  a  narrativa.   Esta  presença  é  de  suma  importância  para  que  o  herói  possa  retornar  à  aventura   com   o   mesmo   ânimo   que   começou,   ainda   que   agora   ele   almeje   objetivos   distintos.  Após  ser  aclamado  o  melhor  do  mundo,  na  fase  da  Apoteose,  agora  Neil   Peart   queria   explorar   sensações   diferentes   e   retomar   um   estilo   que   havia   se   perdido  durante  o  Caminho  das  Provas.  Freddie  Gruber  surge  exatamente  para   guiá-­‐lo  neste  novo  desafio.     Passagem  pelo  Limiar  do  Retorno     O  retorno  de  Neil  Peart  é  celebrado  com  a  gravação  do  disco  Vapor  Trails,  de   2002.  Desde  1997,  sua  vida  já  havia  mudado:  ele  se  casara  com  Carrie  Nuttall,   fotógrafa  e  amiga  do  fotógrafo  oficial  da  banda,  Andrew  McNaughtan.  As  sessões   de   ensaio   e   a   posterior   gravação   do   álbum   fizeram   com   que   Neil   Peart   readquirisse  a  confiança  que  tinha  antes  do  Ventre  da  Baleia  e  pudesse,  enfim,   expressar-­‐se  musicalmente.     No  entanto,  sua  personalidade  contida  e  extrema  timidez  fizeram  com  que  ele   não  participasse  de  sessões  de  fotos  e  autógrafos.  Para  Peart,  conhecer  pessoas   novas  é  algo  extremamente  difícil:     Meu   problema   é   timidez,   não   empáfia.   Eu   não   me   sinto   confortável   perto   de   estranhos   como   os   outros   rapazes   [Lee   e   Lifeson].   Qualquer   tipo   de   adulação,   para   mim,   é   simplesmente  errado3.     Ele   tomou   esta   atitude   também   para   que   não   precisasse   responder   perguntas   sobre  o  trágico  evento  de  sua  vida,  que  cumpre  a  etapa  da  Morte  na  Jornada  do   Herói.     Liberdade  para  Viver     Agora  a  banda  Rush  está  de  volta.  Ao  entrar  na  fase  Liberdade  para  Viver,  Neil   Peart  pode  colher  os  louros  de  seus  quase  40  anos  de  carreira  como  músico.  E   novos   sabores   entram   na   sua   vida,   como   excursionar   pela   América   do   Sul   e   a   Ásia  –  uma  das  maiores  audiências  do  Rush  é  no  show  de  São  Paulo,  com  público   de  mais  de  60  mil  pessoas.                                                                                                                   3  Adaptação  do  diálogo  original  contido  no  documentário  Rush:  Beyond  the   Lighted  Stage.  
  • 11.   11     Apesar   de   agora   dedicar-­‐se   integralmente   ao   Rush,   Neil   Peart   também   dá   sequência   à   sua   carreira   de   escritor   e   também   faz   aparições   especiais   em   determinado  eventos.  Em  uma  aparição  no  programa  “The  Colbert  Report”,  de   Robert   Colbert,   em   2010,   a   banda   voltava   a   fazer   algo   que   não   fazia   há   pelo   menos   20   anos:   aparecer   na   televisão.   O   estilo   humoroso   inconfundível   de   Colbert  rendeu  perguntas  como:  “vocês  já  tocaram  uma  música  tão  longa  que,  ao   final  dela,  sentiram-­‐se  influenciados  pelo  que  fizeram  no  início  dela  mesma?”.     Considerações     A  vida  de  Neil  Peart  é  uma  música  tão  bonita  e  intensa  quanto  as  letras  que  ele   mesmo   escreve.   Não   há   como   não   se   emocionar   diante   de   uma   figura   tão   emblemática   e   que   imprime   tanta   vivacidade   no   que   faz.   Se   a   crítica   era   tão   pesada   no   início   da   carreira,   principalmente   pela   voz   de   Geddy   Lee   –   que,   no   início,  fora  confundida  com  a  de  Robert  Plant  –  hoje  é  unânime  a  importância  do   Rush  no  cenário  musical.     É  notório,  também,  como  uma  pessoa  de  carne  e  osso  cumpre  estágios  de  um   sistema  utilizado  para  criar  fantasias  e  histórias.  Enquanto  Christopher  Vogler   analisava   acirradamente   o   trabalho   de   Joseph   Campbell   para   aumentar   o   faturamento   da   Disney,   Peart   vivia   cada   fase   da   Jornada   do   Herói   com   naturalidade   e,   talvez,   sem   mesmo   se   preocupar   que   estivesse   caindo   em   estereótipos  e  arquétipos.     Hoje,  Neil  Peart  acumula  uma  fortuna  de  US$  22  milhões4.                                                                                                                     4  http://music.msn.com/music/article.aspx?news=754433  
  • 12.   12   Referências:     1. MARTINEZ,   Monica,   Jornada   do   Herói:   estrutura   narrativa   mítica   na   construção  de  histórias  de  vida  em  jornalismo,  Revista  Comunicare,  vol.  5,   num.  2,  2005;     2. Documentário  Rush:  Beyond  the  Lighted  Stage,  2010;     3. http://en.wikipedia.org/wiki/Neil_Peart,   acessado   em   17   de   Maio   de   2013.