Modelos de Negócios Digitais
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Modelos de Negócios Digitais

on

  • 899 views

 

Statistics

Views

Total Views
899
Views on SlideShare
898
Embed Views
1

Actions

Likes
0
Downloads
44
Comments
0

1 Embed 1

https://twimg0-a.akamaihd.net 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Modelos de Negócios Digitais Modelos de Negócios Digitais Presentation Transcript

  • MODELOS DE NEGÓCIOS DIGITAIS Bruno Mori Diogo Dantas Tiago Ueda Vinícius RiosProf. Mateus Cozer – NPA810
  • Agenda e-Business e-Commerce e-Procurement e-Marketplace Produtividade e Internet Economia Digital Shopbots Social Data
  • e-Business Negociaçãofeita pela internet que não envolve necessariamente uma transação comercial. E-CommerceRealização de vendas pela internet, sejam elasrealizadas entre duas empresas (B2B), ou entre umaempresa e um cliente (B2C).
  • e-BusinessPrestação de serviços na web: Ensino a distância Suporte a clientes Serviços de entretenimento Sites de busca Relação cliente x fornecedor
  • e-BusinessVantagens: Desvantagens: • Agilidade da informação • Necessidade de domínio das em tempo real; novas tecnologias e ferramentas; • Transparência, todas as • Ambientes heterogêneos; etapas envolvidas estão disponível; • Incompatibilidade de tecnologias; • Comodidade;
  • e-CommerceCompartilhamento de informações de negócios estruturados ou não, por qualquer meio eletrônico com fornecedores, clientes eoutros parceiros para conduzir e executar transações comerciais, sem levar em conta os setores de atividade, dimensão das empresas interessadas ou o valor da transação.
  • e-CommercePrincipais modelos de negócios digitais Propaganda Venda de bens Controle de assinatura Pagamento único Moeda virtual Bens virtuais Lead generation Produtos de informação White labels Acesso a dados Ecossistema
  • e-Commerce Propaganda
  • e-Commerce Venda de bensVenda de material realizada pelos varejistas da web.
  • e-Commerce Controle de assinaturaNesse modelo de negócio oobjetivo é obter um grandenúmero de visitantes.  Pagamento único Um pagamento único faz você proprietário e proporciona à você um tempo de vida do serviço.
  • e-Commerce Moeda virtualOs usuários precisam dealguma moeda virtual paraprogredir em um jogo ou pararealizar as ações desejadas.  Bens virtuais São objetos comprados virtualmente como presentes ou roupas para avatares em jogos.
  • e-Commerce Lead generationCriação ou geração de interesse do consumidorpotencial. O Facebook fatura em torno US$ 300 milhões por ano somente com propagandas.
  • e-Commerce Produtos de informaçãoUma maneira de aproveitaras informações ou dados quepossuímos, a fim de ganhardinheiro.. White labelsCriar um produto que outraempresa pode colocar suamarca..
  • e-Commerce Acesso a dadosEmpresas que ganham dinheirofornecendo informações.  Ecossistema Exemplo: Uma plataforma, neste caso chamada de lojas de aplicativos, permite os usuários comprar e baixar aplicações que foram desenvolvidas por desenvolvedores de terceiros.
  • e-Commerce
  • e-Commerce
  • e-Procurement CONCEITO:  Utilizando a internet, pode-se realizar uma compra desde materiais para escritório até matéria prima para o processo;  É um método utilizado em B2B, B2C e B2G;  A compra é monitorada desde a solicitação até o momento da entrega;
  • e-ProcurementFonte: http://www.mslsoftware.com/eprocurement.html
  • e-Procurement ALGUNS TIPOS DE E-PROCUREMENT:  Web Based ERP (Enterprise Resource Planning) – Criação, aprovação de pedidos de compras e envio do pedido para o fornecedor;  e-MRO (Maintenance, Repair and Operations) – diferente do Web Based apenas em não ter produto;  e-sourcing – Seleção de novos fornecedores para uma compra específica;*Todos os tipos de e-Procurement utilizam da internet.
  • e-Procurement VANTAGENS  Sistema prático e de fácil acompanhamento de um status de pedido;  Reduz custos;  Otimiza o tempo;  Possibilita a integração com sistema de estoque, com possibilidade de gerar pedidos automaticamente.
  • e-Marketplace CONCEITO:  É um Mercado Virtual onde há uma interação entre vendedores, compradores e parceiros;  As integrações podem ser: consulta de produtos, encomendas online, troca de informações, entre outras;  Os tipos de negócios que utilizam são: B2B (ex: econstroi), B2C (ex: Dell); C2C (ex: eBay);  Para o caso de C2C, pode-se visualizar nitidamente os 4P’s do Marketing (Produto, Preço, Propaganda e Ponto de Venda);
  • e-MarketplaceFonte: http://www.itradevan.com/ecommerce.jsp
  • e-MarketplacePONTO DE VENDA PRODUTO PREÇO PROMOÇÃO
  • Produtividade e Internet  VERDADE?Fonte: http://www.google.com.br/search?um=1&hl=pt-BR&biw=1280&bih=929&q=produtividade%20x%20internet&ie=UTF-8&sa=N&tab=Tw
  • Produtividade e InternetFonte: http://www.google.com.br/search?um=1&hl=pt-BR&biw=1280&bih=929&q=produtividade%20x%20internet&ie=UTF-8&sa=N&tab=Tw
  • Produtividade e InternetFonte: http://www.google.com.br/search?um=1&hl=pt-BR&biw=1280&bih=929&q=produtividade%20x%20internet&ie=UTF-8&sa=N&tab=Tw
  • Produtividade e Internet Biografia: Erik Brynjolfsson: • Professor de Gestão da Universidade MIT Sloan School of Management • Diretor do Centro de Negócios Digitais do MIT • Presidente do MIT Sloan Management ReviewSua pesquisa e ensino foca na forma como as empresas podemefetivamente usar a tecnologia da informação (TI) de uma forma geral ea Internet de uma forma particular.Fonte: http://ebusiness.mit.edu/erik/index.html
  • Produtividade e Internet SETE PILARES DA PRODUTIVIDADE “Sete práticas caracterizam empresas altamente produtivas e ajudam a transformá-las em organizações digital.” Erik Brynjolfsson - 2005 A adoção em massa dos computadores resulta na melhor produtividade dos funcionários e indivíduos, mas a forma de uso ainda é decisiva para os resultados.Fonte: Brynjolfsson, Erik "Seven Pillars of Productivity" Optimize, May 05.
  • Produtividade e InternetA inovação em TI por si só não é suficiente – milhares de projetos deTI falham no cumprimento de suas promessas de produtividade. “ O sucesso depende principalmente do investimento que a empresa na própria organização além dos investimentos em novas tecnologias.”A importância de investir em capital organizacional • Relacionamento; • Marca; • Capital intelectual; • Fluxos de movimentação; • Fluxos de informações.Fonte: Brynjolfsson, Erik "Seven Pillars of Productivity" Optimize, May 05.
  • Produtividade e Internet 7 Pilares  Movimento do analógico para o digital;  Acesso as informações;  Capacitação dos funcionários;  Mérito por iniciativa;  Investimento em cultura corporativa;  Recrutamento das pessoas certas;  Investimento em capital humano.Fonte: Brynjolfsson, Erik "Seven Pillars of Productivity" Optimize, May 05.
  • Economia DigitalLivro: Internet e Economia Digital Livro destaca: Aspectos da Internet e as tecnologias digitais que aparentam ser inovações, tanto em termos de práticas econômicas como em conceitos analíticos.Fonte:Internet and Digital Economics Principles, Methods and Applications
  • Economia Digital  Biografia: Eric Brousseau: • Professor de Economia da Universidade de Paris (2000) • Membro do Instituto de Universidade da França (2002) • Diretor da Escola Européia de Nova Economia Institucional ESNIE (2002)Fonte:Internet and Digital Economics Principles, Methods and Applications
  • Economia Digital A Universalização da Rede: • Origem: Originária na comunidade científica e na comunidade militar americana, tornado assim a Internet e progressivamente foram transferidas para as redes privadas. • Rede Aberta 1985 (Comunidade Científica): Por decisão da National Science Foundation (NSF) decidiu a favor do desenvolvimento de uma rede aberta a toda comunidade científica. • Rede Aberta 1995 (Comunidade Privada): Após a autorização da abertura da rede para redes privadas do governo americano, teve um grande investimento do setor privado na Internet, dando assim uma grande explosão nos serviços on-line .Fonte:Internet and Digital Economics Principles, Methods and Applications
  • Economia Digital Concorrência e Complementaridade: Quando a Internet foi “inventada” os organismos reguladores decidiram não passar por autoridades de normalização (ISO, ITU e IEC) devido a quatro razões principais: Lentidão nas elaborações de normas Compreensão dos padrões da Internet Limitação ao continente Norte Americano até 1998 Ideologia LiberalFonte:Internet and Digital Economics Principles, Methods and Applications
  • Economia Digital  ESTUDO DE CASOInternet x Varejo Convencional “A internet é um mercado quase perfeito, porque a informação é instantânea e os compradores podem comparar ofertas dos vendedores em todo o mundo. O resultado é a concorrência feroz, a diferenciação de produtos diminuindo e desaparecendo a fidelidade à marca.” Robert Kutter Exemplo: Buscapé.Fonte: Frictionless Commerce? A Comparison of Internet and Conventional Retailers. Working Paper
  • Economia Digital  ESTUDO DE CASOInternet x Varejo Convencional Síntese do Estudo Quando: 15 meses (fev 1998 a maio 1999). Produto: Livros e CDs – produtos fisicamente homogêneos. 41 lojas de varejo e internet e varejo tradicional. mais de 8.500 observações de preço. Analise: Níveis de preços, alterações ao longo do tempo e dispersão entrelojas.Fonte: Frictionless Commerce? A Comparison of Internet and Conventional Retailers. Working Paper
  • Economia Digital  ESTUDO DE CASOInternet x Varejo Convencional Resultados Os preços praticados na internet são menores que os praticados no varejo tradicional: • Livros: 15,5% • CDs: 16,1% Considerando • Livros: 9% impostos, transporte e manuseio • CDs: 13%Fonte: Frictionless Commerce? A Comparison of Internet and Conventional Retailers. Working Paper
  • Economia Digital  ESTUDO DE CASOInternet x Varejo Convencional Resultados  Quanto a variação de preços, observou-se maior rigidez no varejo tradicional.  Varejistas online realizam pequenos ajustes de preço em resposta a mudanças na oferta e demanda. Motivos Custos elevados para mudança de etiquetas no produto e prateleiras; Custo com mão-de-obra; Tempo e movimentação.Fonte: Frictionless Commerce? A Comparison of Internet and Conventional Retailers. Working Paper
  • Economia Digital  ESTUDO DE CASOInternet x Varejo Convencional Resultados Dispersão de preços na internet é maior que no varejo convencional. Dispersão média: • Livros: 33% • CDs: 25% Motivos: Confiança na marca permite aumento de preço no e-commerce. Receio de cobranças no cartão de crédito e mercadorias que nunca iráreceber.Fonte: Frictionless Commerce? A Comparison of Internet and Conventional Retailers. Working Paper
  • Shopbots Biografia:• Romero Rodrigues Filho (São Paulo, 1 de outubro de 1977) é um empresário brasileiro, formado em Engenharia Elétrica pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo.• É fundador e presidente do Buscapé.• Aos 21 anos, Romero criou o Buscapé com três colegas de faculdade, Ronaldo Takahashi, Rodrigo Borges e Mário Letelier.• Em 2009, o Buscapé foi vendido para a empresa sul-africana Naspers por US$ 342 milhões.• A primeira ideia do Buscapé surgiu quando Rodrigo Borges procurava por um modelo de impressora na Internet.
  • Shopbots MÉTODO DE COMPARAÇÃO DE PREÇO 1º 2º 3º Filtro por produto1º Produto 2º Preço 3º Lojas
  • Shopbots CLIQUE$ O que é um clique? O clique contabilizado acontece quando o consumidor (internauta) clica em alguma oferta de sua empresa, sendo levado para outra página, (página com endereços e telefones de sua empresa). O que é CPC (Custo-Por-Clique)? CPC é o custo que você paga por clique único. A empresa que investir o valor mais alto de CPC estará listando suas ofertas sempre na 1ª posição nas páginas de resultado.
  • Shopbots CLIQUE$ Quais as vantagens de ser o 1º no Ranking? É um espaço nobre onde o usuário verifica as especificações e detalhes de sua empresa. A Logomarca de sua empresa aparece nos resultados tornando sua empresa ainda mais conhecida Como são contabilizados os cliques? Se um consumidor clicar 10 x seguidas em uma mesma oferta de sua empresa, só contabilizamos um Clique Único. Se um consumidor clicar em sua oferta e depois de uma hora clicar na mesma, serão contabilizados 2 Cliques Únicos. Se um consumidor clicar em uma oferta de sua empresa e em seguida clicar em uma outra de categoria diferente serão contabilizados 2 cliques.
  • Shopbots BALANÇO E-COMERCE BRASILEIROHouve um crescimento no faturamento de 26% no ano de 2011 em relação a 2010 e um aumento de 37% de pessoas comprando pela internet. Crescimento médio anual de faturamento nos últimos anos foi de 43,5%. Fatores externos como a crise na Europa e E.U.A afetaram a economia.
  • Shopbots PRINCIPAIS ACONTECIMENTOS DO ANO Em 2011 o Tíquete médio foi 6,5% menor do que 2010. (Queda justificada pelo falo que em 2010 houve Copa do Mundo) Em 2011 , dos 9 milhões dos novos consumidores 61% vieram da classe C
  • Shopbots CATEGORIAS MAIS VENDIDAS E EVOLUÇÃO 2012 Produtos de maior valor agregado continuara em alta (eletrodomésticos, equipamentos de informática). Boas facilidades de compra para linhas brancas e eletrônicos.Já as categorias de Saúde, beleza e Medicamentos apresentaram um média maior do que o mercado, devido o amadurecimento do setor.
  • Social dataBiografia:Andreas WeigendEx-cientista chefe da Amazon. Atualmente leciona naUniversidade de Stanford sobre dados sociais, e dirigeo Laboratório de Dados de Social.Possui especialização em tecnologias sociais e móveis,e no comportamento do consumidor: estuda aspessoas e os dados que elas criam
  • Social dataDesde a sua criação, a Amazon é uma empresa que se baseianos dados dos usuários, coletando e registrando decisões decompra e promovendo recursos, como análises de produtos deusuários que ajudam as pessoas a fazer uma melhor decisãopara si.O Facebook tem um feedback constante sobre a maneiracomo ele pode projetar seus serviços para que as pessoaspermaneçam o maior tempo possível utilizando-os.Essencialmente, o Facebook pode influenciar o modo comoessas interações se desenvolvem através da escolha dedados sociais que eles escolhem para priorizar.
  • ReferênciasDÚVIDAS
  • Referências BRYNJOLFSSON, E.; SMITH, M. Frictionless Commerce? A Comparison of Internet and Conventional Retailers. Working Paper. 1999b. ORLIKOWSKI, W. The Truth is Not Out There: An Enacted View of the “Digital Economy”. On-line MIT.. Eric Brousseau et Nicolas Curien (ed.), "Internet and Digital Economics", Cambridge University Press, 2007. Pp. 1-114; 311-345. http://www.weigend.com/teaching/ http://www.ebitempresa.com.br http://veja.abril.com.br/noticia/economia/procon-suspende-por-72-horas- vendas-dos-sites-americanas-com-submarino-e-shoptime http://pcworld.uol.com.br http://www.buscapecompany.com/pt/ Brynjolfsson, Erik "Seven Pillars of Productivity" Optimize, May 05. http://www.e-commerce.org.br/artigos/e-procurement.php https://institucional.me.com.br/produtos/e-procurement/ TOMPKINS, A. E-Procurement. 1 ed. Califórnia: Tompkins Associates Monograph Series, 2001. NEIVA, Sílvia Beatriz. A escolha de softwares de E-Procuremen: uma análise multicritério, 2006 www.nepp.org.uk www.idea.gov.uk/knowledge/eprocurement