• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Futebol
 

Futebol

on

  • 1,141 views

 

Statistics

Views

Total Views
1,141
Views on SlideShare
1,141
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
13
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Futebol Futebol Document Transcript

    • DESENVOLVIMENTO DE HABILIDADES MOTORAS EM CRIANÇAS JOGADORES DE FUTEBOL. Desenvolvimento de crianças no futebol. Autores: Luiz Felipe de Moraes Silva * Marruan Luis MarianoOrientador Científico: Prof. Ms. Ana Caroline PrioliCurso de Educação FísicaAvenida São Francisco de Assis, 218Jardim São JoséCEP 12916-900Bragança Paulista-SP* E-mail: personaluiz@hotmail.com CREF: 14855-G/MG
    • RESUMOO Brasil é considerado o país do futebol, ou popularmente a “pátria de chuteiras”. Devido estecontexto histórico-cultural que o esporte carrega consigo, é capaz de transformar um simplesgramado em um campo de sonhos onde crianças se transformam em ídolos devido à louca paixãoque move o futebol. Esta revisão bibliográfica visa proporcionar que os profissionais da área deEducação Física compreendam o processo de desenvolvimento motor decorrente de cada faixaetária correspondente no processo de desenvolvimento das crianças praticantes deste esporte.Porque a prática esportiva atualmente tem-se iniciado em idades cada vez mais precoces,acarretando cuidados com os processos de ensino-aprendizagem que influenciam nodesenvolvimento das crianças. Portanto este artigo não traz receitas prontas sobre a metodologiaideal, porém proporciona uma reflexão sobre os aspectos metodológicos no processo de ensino-aprendizagem do futebol que se diferencia de acordo com cada faixa etária. Propondo umametodologia baseada no lúdico de forma a contribuir na formação destas crianças não somentecomo atletas, mas como seres humanos.Palavras-chave: Futebol; Crianças; Desenvolvimento Motor; Metodologia. ABSTRACTBrazil is considered the countrys football, or popularly the “homeland of soccer shoes”. Becausethis historical and cultural context that the sport carries with, it is capable of turning a simple lawninto a field of dreams where children are transformed into idols because of the mad passion thatmove the football. This review aims to provide that health care providers Fitness understand thedevelopment process due to engine each corresponding age group in the process of development ofchildren practicing this sport because the sport practice. Currently has been initiated in ever earlierages, causing care of the teaching-learning processes that influence the development of children.So this article does not bring revenue ready on the methodology ideal, but provides a reflection onmethodological issues in the teaching-learning process of football which differs according to eachage group. Propose a methodology based on playful way of helping in the formation of thesechildren not only as athletes more like humans.Key words: Football; Children; Motor Development; Methodology.
    • 1 1. INTRODUÇÃOVisando o desenvolvimento psicomotor básico da criança e as capacidades motoras complexas, bemcomo o sistema cognitivo e a socialização, procura-se entender a problemática que atualmente osclubes de futebol demonstram em relação ao desenvolver treinamentos específicos de acordo com afaixa etária das crianças.Contudo há de se compreender melhor o processo de ensino aprendizagem do futebol a fim dealcançar uma metodologia adequada. Atualmente o que se vê muito são profissionais de escolinhasde futebol despreparados, atuando como professores de futebol, porém alguns nunca tiveram umapreparação que ao menos lhe de uma noção para importância de tal cargo (SCAGLIA, 1996).O esporte deve ser ajustado de acordo com a condição técnica, psíquica e física da criança,compatível as suas necessidades e possibilidades, onde nem sempre o que se espera para um melhordesenvolvimento infantil acontece (FILGUEIRA, 2006). Acredita-se que o trabalho com as escolinhas de esportes se realiza por meio de uma práticapedagógica, voltada para um desenvolvimento global de seus alunos, respeitando seus estágios decrescimento e desenvolvimento, físico e cognitivo no qual a escola de esporte, através de suaatividade pedagógica, deve contemplar várias possibilidades, tais como: sociais, intelectuais,motoras, educacionais e também esportivas (SCAGLIA apud. FREIRE, PARLEBÁS, SÉRGIO, PAES,1996). O processo de ensino-aprendizagem do futebol é uma função básica das escolinhas, mas estedesenvolvimento deve ser envolto pelo meio em que o aluno está, ou seja, de acordo com ascapacidades individuais de cada aluno (SCAGLIA, 1996). O presente estudo voltou sua atenção nosentido de captar dentro da literatura sugestões e propostas para cada fase da criança, respeitandoseus limites motores e fisiológicos. 2. OBJETIVOIdentificar as fases de desenvolvimento das crianças, de acordo com a faixa etária e relacioná-lasaos conteúdos que são aplicados no futebol. Entender como ocorre o desenvolvimento dehabilidades motoras fundamentais e especificas em crianças, de modo que ocorra a junção entreteoria e prática no processo de ensino e aprendizagem do futebol, para que haja um melhorentendimento de qual tipo de abordagem metodológica é melhor para o desenvolvimento dascrianças. 2.1. Objetivos EspecíficosMostrar a realidade do futebol;Entender a aprendizagem da criança;Entender o desenvolvimento da criança;Analisar o caráter metodológico do ensino do futebol; 3. DESENVOLVIMENTO 3.1 FutebolSegundo Freire (2003), o esporte é muito importante para as pessoas, cada povo tem seu esporteque é transformando numa paixão nacional, caso do beisebol nos Estados Unidos, hóquei no Canadá,futebol no Brasil. O Brasil e o futebol têm uma relação muito íntima, tanto que alguns imaginamque o Brasil inventou o futebol, mas não, foram os ingleses, os quais tempos depois passaram aapreciar a ginga brasileira. De acordo com alguns cronistas o Brasil é “a pátria de chuteiras”,mesmo com insucessos sociais, o futebol se torna para muitos, alegrias inexplicáveis. No Brasil o futebol é também encarado como uma simples brincadeira. Nota-se pelas regiõesbrasileiras que ainda existem meninos jogando descalço nas ruas, asfaltadas, de terra, pelasquadras de areia, quadras de futsal, enfim faz parte da infância de meninos menos favorecidoseconomicamente (FREIRE, 2003).
    • 2Freire (2003) cita a origem do futebol brasileiro, que nasceu nas cidades, nos chamados campos devárzeas, eram espaços livres em que as crianças brincavam e jogavam futebol, os quais de acordocom o tempo foram desaparecendo devido ao crescimento social, casas, indústrias, entre outros.A história do futebol no Brasil pode ser dividida em duas fases diferentes, a primeira fase por voltade 1894 a 1904 (fase amadora), de 1905 a 1933 (fase do profissionalismo e a fase doreconhecimento internacional) ocorrendo a transferências de jogadores brasileiros para diversospaíses (RODRIGUES, 2004).Em meados de 1930 o futebol brasileiro torna-se uma identidade popular, a partir disso, jornalista ecronistas prestavam mais atenção ao aparecimento de uma forma brasileira, rápida e deimprovisações, de acordo com o que o jogo necessitava. Essa maneira de jogar que apenas osbrasileiros conseguiam aplicar cresceu depois de 1938, os tornando “mestres da bola” (PEREIRA at.SOARES, HELAL, SANTORO, 2004).Segundo Soares, Helal e Santoro (2004) com relação a seleção brasileira de 1970, sempre serálembrada pelos jornais como uma seleção de tradição. O futebol brasileiro tem dois pólos que seinterligam em sua história, passado e presente, através de narrativas que são divididas emnarrativas “épicas” e complementares. A narrativa “épica” consiste dos feitos heróicos do passado,jogos e jogadores como Garrincha, Pelé, Zagallo. A narrativa complementar é aquela que misturapassado e presente, ou seja, devido as glórias de antigamente há o estímulo do povo para assistir osespetáculos de hoje. Esses craques da seleção brasileira de 1970 carregam a imagem de “futebolarte”, com suas rápidas improvisações, dribles denominados estilo brasileiro de futebol.O futebol no Brasil é capaz de mover uma nação que se encanta a cada jogada, repleta demovimentos plásticos, nos quais se mostra evidente a versatilidade que cada jogador carregaconsigo, fruto de um país cenário de várias raças. O futebol brasileiro faz parte da vida de cadacidadão, que se sente mais brasileiro ao assistir a seleção jogar. Mesmo o país em meio adificuldades, o campo de futebol se torna também o campo dos sonhos, onde meninos viram heróiscomo em passe de mágica e simples mortais se tornam imortais ao longo da história pelas conquistasobtidas (RENÓ, 1999).Por outro lado, por este esporte ser de alto-nível, sendo considerado um espetáculo universal,torna-se objeto de consumo dos meios de comunicação que visam a parte lucrativa do esporte. OBrasil pode ser considerado o país do futebol e esta paixão ultrapassa as linhas dos gramados,gerando bons lucros através de patrocinadores, que atuam nos meios de comunicação, como atelevisão, que abrangem uma gama grande de telespectadores. Isto faz com que cada vez mais oesporte se torne um grande negócio, que movimenta milhões e expõem os atletas em suas vidaspessoais, a fim de que tudo vire notícia no meio esportivo. O esporte que mais encanta multidões noBrasil se vê influenciado pela mídia, em contra partida vê o futebol como uma caixa registradorasem levar em consideração uma nação apaixonada, que acredita nos milagres deste jogo fantásticoque é o futebol (SANFELICE, 2001).A mídia de forma geral tem dois papéis, um que mostrava para todas as pessoas como é o futebol eo outro papel desempenhado pela mídia é a vantagem financeira através do futebol que, com passardo tempo foi deixando de lado todo processo de aprendizagem motora que pode ser obtido atravésdo futebol (FREIRE, 2003). 3.2 Aprendizagem no futebolO futebol no cenário brasileiro se faz presente há tempos, porém no processo de formação dejogadores o problema central vem sendo que os profissionais não entendem que cada indivíduopossui sua universalidade e seu tempo de resposta ocorrendo à separação entre homem e suanatureza. O esporte proporciona aos seus participantes um conhecimento e domínio sobre o corpo,que permitem que suas vivências sociais modernas sejam construídas através deste corpo. Vivemosem meio a uma sociedade que busca cada vez mais o aperfeiçoamento deste corpo em beneficio doesporte, contudo temos de compreender o processo que abrange a aprendizagem motora de novosmovimentos que a cada momento são criados pelos jogadores de futebol (RODRIGUES, 2004). O processo de aprendizagem faz parte da conduta humana e é proporcionado pelos fenômenos denatureza biológica, sociológica e psicológica. No entanto, no processo de aprendizagem motoraprocura-se entender os mecanismos decorrentes do processo de aquisição de habilidades motoras eos fatores que os influenciam para alcançar determinada meta (BENDA, 2006).
    • 3 Ao longo da evolução das pesquisas em comportamento motor algumas descobertas foram degrande importância para o processo de aprendizagem motora, como na década de 70 com oaparecimento da abordagem de processamento de informações que enfatizou entender os fatorescognitivos entre estímulo - resposta. Por isto a abordagem de processamento de informaçãoentende o ser humano como um processador de informação, de modo que se realiza o ínicio daoperação quando ocorre um estímulo, que por sua vez é processado em vários estágios tendo como“resultado” a resposta (WRISBERG, SCHMIDT, 2001).Segundo Wrisberg e Schmidt (2001) ao ocorrer o processo de estímulo vindo de uma informaçãoexterna ou ambiental dá-se ínicio então a três fases. Na primeira, a identificação do estímulo, oreceptor do estímulo analisa o conteúdo da informação utilizando uma variedade de fontes parainterpretá-lo, como a visão, audição, contato ou toque. O resultado deste estágio é consideradocomo uma representação da informação ambiental.O segundo estágio, a seleção da resposta, começa após o executante ter absorvido informaçãosuficiente e tem de decidir se alguma resposta deve ser dada. Se ocorrer a decisão pela resposta,seleciona-se o movimento adequado, havendo assim neste estágio uma tradução de várias classesque ocorre entre o estímulo sensorial que foi identificado, é uma das várias formas possíveis deresposta de movimento (WRISBERG, SCHMIDT, 2001).Segundo Wrisberg e Schmidt (2001) o terceiro estágio entende-se como, após a decisão de qualmovimento será feito, esta informação é encaminhada para o processo de programação da resposta,que por sua vez tem como função organizar o sistema motor para produção do movimento desejadopara um melhor desempenho no seu desenvolvimento motor.Porém na década de 80 surgiu a abordagem dos sistemas dinâmicos que é diferente da abordagemanterior e visa à ênfase ecológica para compreender o sistema motor, buscando compreender osprincípios físicos e como eles se interagem com as funções biológicas. Devido a relação no processode aprendizagem motora ser complexa entende–se que a aquisição de habilidades motoras é pornatureza um processo relativamente permanente no comportamento motor humano (TANI, 2005). O processo de aprendizagem motora caracteriza-se por mudança de comportamento pelo qual oaprendiz passa de uma fase inicial (inexperiente) para uma fase final (habilidosa). Este processo sedá devido a evolução na performance, ou seja, um desenvolvimento de forma positiva no seurendimento, que se caracteriza em um processo homeostático (equilíbrio) após várias tentativas,ocorrendo a diminuição no número de erros identificados por meio de feedback (BENDA, 2006). De acordo com o que foi abordado até o momento sobre o processo de aprendizagem motora, osprofissionais que pretendem atuar no cenário do futebol deve compreender que cada faixa etáriapossui suas características de desenvolvimento e atividades, sendo prejudicial a criança ultrapassareste processo (TANI apud. FREUDENHEIM, MEIRA JÚNIOR, CORRÊA, 2004). Portanto, as crianças não podem ser especializadas em determinado movimento, nas escolinhas defutebol só após as crianças terem estabelecido uma base motora sólida é que se deve iniciar otrabalho específico, que no caso, são os fundamentos do futebol (WEINECK, 1999). No início o que deve ocorrer durante a aprendizagem motora da criança, é uma preocupação emnão atropelar nenhuma etapa durante o processo, proporcionando a criança vivenciar umemaranhado de movimentos que posteriormente servirão como base na aprendizagem da técnicaespecífica do futebol (WEINECK,1999). Segundo Benda (2006) a criança até atingir a puberdade não tem a capacidade física adequada asuportar um treinamento de alto nível direcionado à perfeição da prática, devido a este ser operíodo necessário para que a criança crie seu próprio mundo de movimentos com objetivo deaplicá-los de modo correto. Por este motivo durante a aprendizagem do movimento técnico deve seevitar a especialização de forma precoce respeitando a faixa etária de cada criança. Devido aoprocesso de aprendizagem motora relacionar-se com os estímulos oferecidos, que proporcionam aosindivíduos passarem de inexperientes para experientes, a seguir veremos a importância desteestímulo no processo de desenvolvimento motor, para que possamos entender os fatores queinfluenciam este processo contínuo da vida humana. 3.3 Desenvolvimento motor aplicado ao futebolO futebol possui regras universais, porém todos os países entendem o futebol de acordo com suasculturas. No Brasil este modo diferente que os jogadores contextualizam o futebol é que otransforma no que chamamos de “futebol-arte”, devido à capacidade de criação e improvisação que
    • 4nossos atletas possuem. O futebol profissional é marcado pela busca ao alto rendimento, visando acapacidade dos jogadores de suportar esforços. Para que este processo não seja desencadeador devários problemas posteriores aos atletas, necessita-se compreender o processo de desenvolvimentomotor que ocorre ao longo desta profissão que move multidões de apaixonados (RODRIGUES, 2004).O ato de movimentar-se faz parte de nossas vidas, da inabilidade para a habilidade e, novamente,para a inabilidade na idade avançada (SANTOS, DANTAS, OLIVEIRA apud. KRETCHMAR, 2004). Aindaque o significado de ficar em pé pela primeira vez e a dificuldade em levantar-se no final da vidasejam diferentes. O desenvolvimento motor enfoca o estudo das mudanças qualitativas equantitativas de ações motoras do ser humano ao longo de sua vida. Estas mudanças ocorrem desdeo momento de sua fecundação até o momento da morte (SANTOS, DANTAS, OLIVEIRA, 2004).Devido desenvolvimento motor sofrer a contínua alteração no comportamento ao longo da vida, epor tornar possível a interação entre as necessidades da tarefa, a biologia do indivíduo e ascondições do ambiente. Esta área do comportamento motor visa analisar como ocorre o processo dedesenvolvimento de habilidades motoras desde componentes genéticos e os resultados da interaçãodos fatores endógenos e exógenos no processo de capacidades motoras, não apenas com apreocupação de observar e descrever mudanças no comportamento motor ao longo da vida do serhumano, mas também buscando esclarecer como ocorrem estas mudanças (GALLAHUE, OZMUN,2005).Partindo do princípio que habilidades denominadas básicas são vistas como o alicerce para aaquisição de habilidades motoras especializadas, o ser humano modifica suas ações em razão doambiente, e a modificação deste ambiente, conseqüentemente, muda as ações do indivíduo,estimulando-o a novas, e assim sucessivamente. Sendo assim, o educador físico, como atua sobrecorpo em movimento, deve dar total atenção ao estudo e a perspectiva das experiências motoras decada indivíduo fundamentando estes estudos com relação a dados motores, mas sem esquecer asemoções embutidas nos movimentos. O profissional de Educação Física deve assim associar a suaprofissão, a ligação de que o ambiente e as emoções são partes essenciais do desenvolvimentomotor (SANTOS, DANTAS, OLIVEIRA, 2004).Segundo Santos, Dantas e Oliveira (2004) o processo de desenvolvimento motor por si só, como umato contínuo ao longo da vida humana, sofre estímulos que o modifica, tendo como base estepressuposto, a seguir visaremos entender o processo maturação que ocorre em cada faixa etária noprocesso de desenvolvimento de habilidades motoras em crianças. 3.4 Desenvolvimento de habilidades motoras em criançasO futebol vem cada vez mais despertando nas crianças a vontade de se tornarem profissionais. Istose deve, ao processo de transformação que o esporte mais popular do país sofre, ao ser colocadonos meios de comunicação como vitrine para o sucesso. Em muitos casos os clubes e treinadoresvisando este sucesso financeiro ultrapassam os processos de desenvolvimento motor da criança, afim de se obter uma resposta imediata no que se refere ao lucro que gira no esporte, no qual atransição de criança a ídolo nacional ocorre algumas vezes em um período muito curto (ALCÂNTARA,2006).Na infância o desenvolvimento motor se caracteriza pelas inúmeras aquisições de habilidadesmotoras, que proporcionam a criança o domínio sobre o corpo. Estas habilidades motoras básicasservem como base para as habilidades motoras específicas então se entende a importância dodesenvolvimento de habilidades motoras iniciais adquiridas na 1º e 2º infância. Contudo, fatorescomo as restrições da tarefa ao organismo e meio são fatores que exercem influência sobre aaquisição de habilidades por parte da criança (SANTOS, DANTAS, OLIVEIRA, 2004).O processo de desenvolvimento motor da criança conta com três aspectos, à seqüência que nãoindica apenas aquilo que a criança pode aprender mais as suas necessidades; a velocidade, quevaria de criança para criança; e a interdependência entre as mudanças de habilidades simples paraas complexas. Portanto, ao realizar o estímulo á aquisição de habilidades motoras deve-se levar emconsideração o processo adaptativo da criança para que a elaboração de combinações motoras nasatividades sejam elaboradas da melhor forma (SANTOS, DANTAS, OLIVEIRA, 2004).No futebol devido à variação na formação das categorias, às diferenças de faixas etárias, idademental, idade óssea, idade morfológica, sexual, torna-se fácil identificar que existem exercícios eatividades diferentes para cada grupo a serem trabalhados. Portanto, para as crianças parti-se do
    • 5referencial que estas não são adultos em miniatura, e seu acréscimo motor e psicológico acompanhao processo de desenvolvimento (GALLAHUE, OZMUN, 2005).Desde o nascimento, o bebê trava uma constante luta para sobreviver, onde nos primeiros estágiossua única forma de interação com o ambiente se dá através do movimento que basicamente sedivide em estabilidade, locomoção e manipulação (GALLAHUE, OZMUN, 2005).Considerando que o processo de aquisição de habilidade na primeira infância é invariável, partindodo princípio que o ritmo de criança para criança é diferente. Devemos considerar que o fator dematuração neural não é o único influenciador no processo de desenvolvimento motor que consistetambém, em um sistema auto–organizado que envolve a tarefa, o ambiente e o indivíduo(GALLAHUE, OZMUN, 2005).Após o momento em que a criança observa a execução do movimento do colega, a criança partepara tentar a imitação, sendo que se ela executar o movimento com êxito serve como um estímuloou “porta” para que a mesma tente cada vez mais desenvolver o ato motor. Portanto, deve-seconsiderar que a aprendizagem se baseia na transgressão do básico para o sofisticado por tratar-sede movimento humano, com isso a metodologia aplicada deve ser bem avaliada (WRISBERG,SCHMIDT, 2001).As crianças são quanto ao seu desenvolvimento imaturas e, por isso, faz-se necessário estruturarexperiências motoras significativas e apropriadas para seus níveis desenvolvimentistas particulares.Com isso, ao entender que as crianças não são adultas em miniaturas, e seu processo dedesenvolvimento de habilidades motoras é diferente em cada faixa etária, estabelece-se aimportância de adequar a metodologia a cada faixa etária, compreendendo as necessidades de cadacriança. Metodologia esta que deve ser adaptada ao decorrer do processo de ensino-aprendizagemdo futebol como será aprofundado no tópico a seguir (GALLAHUE, OZMUN, 2005). 3.5 Metodologia de ensino do futebolHistoricamente, de uma forma geral, o futebol cresceu muito, rompendo barreiras e setransformando em um fenômeno social grandioso que inclusive é objeto de estudo de outras áreasde conhecimento como, Sociologia, Antropologia, entre outras (NETO, 1995).De acordo com Santos (2006), na prática do futebol, a técnica consiste na execução de habilidadesfundamentais do jogo, que podem ser aprimoradas quanto mais cedo pelas crianças para estasdesenvolverem suas técnicas. Existem outros tipos de treinamentos para a iniciação, oaprimoramento e desenvolvimento da técnica: recepção, domínio e condução de bola; drible efinta; passe; chute; cabeceio; e goleiro. Os principais fundamentos são: Domínio, passe, drible,chute e cabeceio.O coletivo é considerado um excelente exercício de competição, pois oferece uma intensidade e umaprimoramento da técnica muito parecido de um jogo real de futebol. Para ser melhor aproveitado,o coletivo deve ser utilizado nos primeiros estágios de iniciação do futebol, pois a fixação doselementos técnicos é essencial no processo de aprendizagem (SANTOS at. FRISSELLI, MONTOVANI,2006).De acordo com Freire (2003) o futebol é uma enorme brincadeira. Porque não aprender essabrincadeira com técnicas lúdicas e prazerosas? Ao contrário das formas tradicionais e mecanicistas.O jogo é a forma lúdica para a realização de atos sem compromissos objetivos (SANTOS apud.SCAGLIA, 2006).O jogo em si demonstra ser um fator fundamental no processo de ensino-aprendizagem devido a suafunção motivacional e é o melhor indicador da evolução dos atletas (SANTOS at. GARGANTA, 2006).O futebol no Brasil se desenvolveu em torno de quatro brincadeiras: bobinho, controle, repetida epelada. Sendo que em cada região tem algumas diferenciações no nome. Cada uma destasbrincadeiras exercita uma habilidade motora, adaptada da forma que acredita ser melhor. Talvezpor isso seja fácil praticar o futebol, por sua diversidade. A pelada, por exemplo, reúne todas asoutras brincadeiras para formar o futebol, ela desenvolve bastante a inteligência para um jogo defutebol, existem lugares que ela é chamada de baba, racha, entre outros nomes (FREIRE, 2003). De acordo com Freire (2003), o bobinho (os atletas em círculo, onde um deles se encontra no meiodo círculo e quando o mesmo toca a bola mudando seu trajeto ocorre á troca com o atleta queerrou o passe) não apenas acontece no Brasil como também já ultrapassou a fronteira. É umexcelente método de treino para um dos mais importantes fundamentos, o passe. O futebolbrasileiro não gosta muito deste fundamento, mas obrigatoriamente o faz e faz bem.
    • 6 Freire (2003) relata que brincava muito de repetida, em outras cidades chamadas de rebatida, quedesenvolve o chutar, driblar e a defender. “Jogava-se com uma meta improvisada, dois jogadorescontra dois. Uma dupla realizava os chutes a gol a outra defendia”. Se a bola fosse rebatida pelogoleiro os quatro disputavam a bola (os dois para fazer o gol, os outros dois para evitá-lo) valia maisdo que se a bola entrasse direto no gol (FREIRE, 2003).Já o controle é uma brincadeira que exige muita habilidade, pois a brincadeira consiste em nãodeixar a bola cair no chão antes dos três passes, no mínimo e fazer o gol. Caso os dois jogadoreserrem ao total de três vezes quem errou por último vai para o gol, essa brincadeira também échamada de três dentro três fora de acordo com a região. Existem outros tipos de brincadeiras,porém estas eram ou são mais utilizadas, além de malabarismos com a bola, entre outros (FREIRE,2003).De acordo com Santos (2006), esse método de aplicar os jogos e brincadeiras é a forma maisprazerosa de aprender as técnicas do futebol. Além do que o aluno aprenderá a cooperar, a terrespeito com o próximo, ser solidário e ético, ou seja, o aluno possa ser um agente no processoensino-aprendizagem.Devido às escolinhas de esportes terem como função proporcionar aos seus participantes um outroaspecto além dos fundamentos específicos de cada modalidade, ela como qualquer outra entidadeonde se envolve um processo de ensino-aprendizagem dá ênfase ao papel social que vai além dosgramados, que abrange o desenvolvimento da criança como um todo (SCAGLIA, 1996).Segundo Scaglia (1996) não cometendo grandes erros de especialização precocemente aos alunos,seu processo de desenvolvimento terá sido menos afetado e como conseqüência terá menosseqüelas. O profissional da área da Educação Física utilizando-se de uma prática pedagógica emmeio à ludicidade irá proporcionar aos alunos uma melhor capacidade de contextualizar oaprendizado obtido no campo de futebol, beneficiando em sua qualidade de vida. Evita-se também,que as escolinhas de futebol sejam apenas um seleiro de craques e em somente o lucro, fazendocom que o dinheiro se torne secundário em relação ao bem estar que o esporte pode proporcionaraos alunos. 4. CONSIDERAÇÕES FINAISDevido à presente revisão bibliográfica ter abordado o futebol e o seu contexto, no qual se envolveos processos de desenvolvimento motor e sua relação no processo de aprendizagem relativo a cadafaixa etária específica, conclui-se que devido ao aspecto cultural do futebol no Brasil, sendointitulado o país do futebol, aspectos relacionados ao processo de desenvolvimento de habilidadesmotora e cognitiva que o esporte em si proporciona aos seus praticantes, devem ter como principalbase à faixa etária na qual se encontra os atletas, para que o processo metodológico se encaixe nasnecessidades de cada período.No Brasil, as crianças que jogam ou praticam o futebol são vistas como jogadores, independente desua faixa etária. Isto se deve à história que o esporte carrega consigo. Portanto, cabe a cadaprofissional da área de Educação Física que tem como objetivo trabalhar com este esporte,delimitar os aspectos do desenvolvimento motor, físico e cognitivo de acordo com cada idade dacriança, para que estes processos sejam respeitados e não ultrapassem em nenhum momento aslimitações de cada faixa etária, para que não acarrete danos no processo de desenvolvimento dascrianças como um todo. 5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICASALCÂNTARA, H. A magia do futebol. Estudos Avançados, vol.20, n. 57, 2006.BENDA, R. N. Sobre a natureza da aprendizagem motora: mudança e estabilidade... e mudança.Rev. bras. Educ. Fís. Esp., São Paulo, v.20, set. 2006.FILGUEIRA, F. M. Aspectos físicos, técnicos e táticos da iniciação ao futebol. Revista Digital, 2006.FREIRE, J. B. Pedagogia do Futebol. Campinas: Autores Associados. Coleção Educação Física eEsportes, São Paulo, 2003. 98 p.
    • 7GALLAHUE, D. L.; OZMUN, J. C. Compreendendo o desenvolvimento motor: bebês, crianças,adolescentes e adultos. 3ª ed. São Paulo. Editora: Nadine J. Kann. Phorte, 2005. 585p.NETO, V. M. Uma experiência de ensino do futebol no currículo de licenciatura em Educação Física.Revista Movimento, Escola de Educação Física da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, vol.2,n.2, 1995.OLIVEIRA, O. R. F.; OLIVEIRA, K. C. C. F. Desenvolvimento motor da criança e estimulação precocemotor. Fisioweb, 2006. Disponível em: < http://www.wgate.com.br >.RENÓ, I. M. Futebol, clãs e nação. Scielo: Rio de Janeiro, v.43, n.1, 2000.RODRIGUES, F. X. F. Modernity, discipline and soccer: a sociological analysis of the social productionof soccer players in Brazil. Sociologias, vol. n. 11, 2004.SANFELICE, G.R. Futebol, espetáculo e mídia: reflexões, relações e implicações. Características evalores veiculados em programas esportivos de televisão. Revista Comunicação, Movimento e Mídiana Educação Física. v.6, n.7. Santa Maria: UFSM, 2001.SANTOS, V. P. A metodologia do ensino do futebol no Programa Segundo Tempo. Universidade deBrasília: Especialista em Esporte Escolar, abr. 2006.SANTOS, S.; DANTAS, L.; OLIVEIRA, J. A. Desenvolvimento motor de crianças, de idosos e de pessoascom transtornos na coordenação. Rev. paul. Educ. Fís., São Paulo, v.18, ago. 2004.SCAGLIA, A. J. Escolinha de futebol: uma questão pedagógica. Revista Motriz, Vol 2. Nº 1, 1996.SOARES, C. L. HELAL. SANTORO. Educação física: raízes européias e Brasil. Educaçãocontemporânea educação especial. 3ª ed. Campinas: Autores Associados, 2004.TANI, G. Comportamento Motor: Aprendizagem e Desenvolvimento. 1ª ed. Rio de Janeiro. Editora:Guanabara Koogan, 2005. 333 p.TANI, G.; FREUDENHEIM, A. M.; MEIRA JÚNIOR, C. M..; CÔRREA, U. C. Aprendizagem motora:tendências, perspectivas e aplicações. Rev. paul. Educ. Fís., São Paulo, v.18, ago. 2004.WEINECK, J. Treinamento Ideal. 9ª ed., Barueri: Manole, 1999.WRISBERG, A.C.; SCHMIDT, R.A. Aprendizagem e performance motora. 2ª edição, Rio Grande do Sul:Porto Alegre, 2001.