Do Mito à Razão:
O Nascimento da Filosofia
na Grécia Antiga

13/02/14

Prof. Jorge Freire Póvoas

1
Do Mito à Razão:
O Nascimento da Filosofia na Grécia Antiga
 Há controvérsia a respeito da época em que teria vivido o po...
Do Mito à Razão:
O Nascimento da Filosofia na Grécia Antiga
 O homem vive, portanto, na dependência dos deuses e do desti...
Do Mito à Razão:
O Nascimento da Filosofia na Grécia Antiga
 Mas, é no período arcaico que surgem os primeiros filósofos ...
Do Mito à Razão:
O Nascimento da Filosofia na Grécia Antiga
 É interessante notar que Hesíodo, ao relatar o princípio do ...
Do Mito à Razão:
O Nascimento da Filosofia na Grécia Antiga
 Enquanto o mito é uma narrativa cujo conteúdo não se questio...
Do Mito à Razão:
O Nascimento da Filosofia na Grécia Antiga
 Quando se dá a passagem da consciência mítica para a raciona...
Do Mito à Razão:
O Nascimento da Filosofia na Grécia Antiga
 A teoria do filósofo não constitui um saber abstrato. O próp...
Do Mito à Razão:
O Nascimento da Filosofia na Grécia Antiga
 Enquanto o Senso Comum é fragmentário, incoerente, preso a
p...
Do Mito à Razão:
O Nascimento da Filosofia na Grécia Antiga
 A Filosofia é portanto, conhecimento crítico da realidade, c...
A Visão Mitológica da Tragédia
Na tragédia Édipo-Rei de Sófocles (496 c. 406 a.C. Grécia) Laio, senhor
de Tebas, soube pel...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Introdução à Filosofia - Do Mito à Razão

1,451

Published on

Professor: Jorge Freire Póvoas - Introdução à Filosofia

3

Published in: Education
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,451
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
75
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Introdução à Filosofia - Do Mito à Razão

  1. 1. Do Mito à Razão: O Nascimento da Filosofia na Grécia Antiga 13/02/14 Prof. Jorge Freire Póvoas 1
  2. 2. Do Mito à Razão: O Nascimento da Filosofia na Grécia Antiga  Há controvérsia a respeito da época em que teria vivido o poeta Homero e até se ele realmente teria existido (séc. IX a.C).  É costume atribuir-lhe a autoria de dois poemas épicos (epopéias): a Ilíada, que trata da guerra de Tróia e Odisséia que relata o retorno de Ulisses a Ítaca, após a guerra de Tróia.  As epopéias tiveram função didática importante na vida dos gregos porque transmitiam os valores da cultura por meio das histórias dos deuses e ante-passados, expressando uma determinada concepção de vida. Por isso, desde cedo as crianças decoravam passagens dos poemas de Homero.  As ações heróicas relatadas nas epopéias mostram a constante intervenção dos deuses, ora para auxiliar um protegido seu, ora para perseguir um inimigo. O homem homérico é presa do Destino (Moira), que é fixo, imutável e não pode ser alterado. 13/02/14 Jorge Freire Póvoas 2
  3. 3. Do Mito à Razão: O Nascimento da Filosofia na Grécia Antiga  O homem vive, portanto, na dependência dos deuses e do destino, faltando a ele a nossa noção de vontade pessoal, de livre-arbítrio. Mas isto não o diminui diante dos outros. Ao contrário, ter sido escolhido pelos deuses é sinal de valor e em nada tal ajuda desmerece a sua virtude.  A virtude do homem se manifesta pela coragem e pela força, sobretudo no campo de batalha, mas também na assembléia como no discurso, pelo poder de persuasão.  Hesíodo é outro poeta que teria vivido por volta do final do século VIII e princípios do VII a.C., que produz uma obra chamada Teogonia de (teo: deus; gonia: origem) que reflete ainda a preocupação com a crença nos mitos e relata as origens do mundo, dos deuses, e as forças que surgem como: Gaia (Terra), Urano (Céu), Cronos (Tempo). 13/02/14 Jorge Freire Póvoas 3
  4. 4. Do Mito à Razão: O Nascimento da Filosofia na Grécia Antiga  Mas, é no período arcaico que surgem os primeiros filósofos gregos, por volta de fins do século VII a.C. e durante o século VI a.C.  Alguns autores costumam chamar de “milagre grego" a passagem do pensamento mítico para o pensamento crítico racional e filosófico.  Algumas novidades surgidas no período arcaico ajudaram a transformar a visão que o homem mítico tinha do mundo e de si mesmo.  São elas: a invenção da escrita, o surgimento da moeda, a lei escrita, o nascimento da pólis (cidade-estado), todas elas tornando-se condição para o surgimento do filósofo.  Os primeiros filósofos viveram por volta do século VI a.C. e, mais tarde, foram classificados como pré-socráticos (a divisão da filosofia grega se centraliza na figura de Sócrates). 13/02/14 Jorge Freire Póvoas 4
  5. 5. Do Mito à Razão: O Nascimento da Filosofia na Grécia Antiga  É interessante notar que Hesíodo, ao relatar o princípio do mundo e dos deuses, refere-se a sua gênese e de como as preocupações dos primeiros pensadores levam à elaboração de uma cosmologia, já que eles procuram a racionalidade do universo.  Mas, como seria possível emergir do Caos um "cosmos" ou seja, como da confusão inicial surgiu o mundo ordenado? Os pré-socráticos procuram o princípio (a arché) de todas as coisas. Buscar a arché é explicar qual é o elemento constitutivo de todas as coisas.  Já podemos observar a diferença entre o pensamento mítico e a filosofia nascente: os filósofos divergem entre si e a Filosofia se distingue da tradição dogmática dos mitos oferecendo uma pluralidade de explicações possíveis. Assim justificamos a perspectiva comumente aceita da ruptura entre mythos e logos (razão). 13/02/14 Jorge Freire Póvoas 5
  6. 6. Do Mito à Razão: O Nascimento da Filosofia na Grécia Antiga  Enquanto o mito é uma narrativa cujo conteúdo não se questiona, a Filosofia problematiza e, portanto, convida à discussão. Enquanto no mito a inteligibilidade é dada, na Filosofia ela é procurada.  A Filosofia rejeita o sobrenatural, a interferência de agentes divinos na explicação dos fenômenos. Ainda mais: a Filosofia busca a coerência interna, a definição rigorosa dos conceitos, o debate e a discussão, racional.  Na nova abordagem do real caracterizada pelo pensamento filosófico, podemos ainda notar a vinculação entre Filosofia e Ciência. O próprio teor das preocupações dos primeiros filósofos é de natureza racional, de maneira que, na Grécia Antiga, o filósofo é também o homem do saber científico. Só no século XVII as Ciências encontram seu próprio método e separam-se da Filosofia, formando as chamadas Ciências Particulares. 13/02/14 Jorge Freire Póvoas 6
  7. 7. Do Mito à Razão: O Nascimento da Filosofia na Grécia Antiga  Quando se dá a passagem da consciência mítica para a racional, aparecem os primeiros sábios, sophos. Um deles, chamado Pitágoras (séc. VI a.C.), que também era matemático, usou pela primeira vez a palavra filosofia (philos-sophia), que significa "amor à sabedoria".  É bom observar que a própria etimologia mostra que a Filosofia não é puro logos, pura razão: ela é a procura amorosa da verdade..  Para Platão, a primeira virtude do filósofo é admirar-se. A admiração é a condição de onde deriva a capacidade de problematizar, o que marca a Filosofia não como posse da verdade, mas como sua busca.  Para Kant, filósofo alemão do século XVIII, "não há Filosofia que se possa aprender; só se pode aprender a filosofar". Isto significa que a Filosofia é sobretudo uma atitude, um pensar permanente. É um conhecimento instituinte, no sentido de que questiona o saber instituído. . 13/02/14 Jorge Freire Póvoas 7
  8. 8. Do Mito à Razão: O Nascimento da Filosofia na Grécia Antiga  A teoria do filósofo não constitui um saber abstrato. O próprio tecido do seu pensar é a existência e seus acontecimentos. Por isso a Filosofia se encontra no seio mesmo da história. No entanto, está mergulhada no mundo e fora dele: eis o paradoxo enfrentado pelo filósofo. Isso significa que o filósofo inicia a caminhada a partir dos problemas da existência, mas precisa se afastar deles para melhor compreendê-los, retornando depois a fim de dar subsídios para as mudanças.  Na ordem do saber estipulada por Platão, o homem começa a conhecer pela forma imperfeita da opinião (doxa), depois passa ao grau mais avançado da ciência (episteme), para só então ser capaz de atingir o nível mais alto do saber filosófico.  Na medida em que somos seres racionais e sensíveis, estamos sempre dando sentido às coisas. Ao “pensar espontâneo” do homem comum, costumamos chamar de Senso Comum e a compreensão crítica da realidade chamamos de Senso Crítico. 13/02/14 Jorge Freire Póvoas 8
  9. 9. Do Mito à Razão: O Nascimento da Filosofia na Grécia Antiga  Enquanto o Senso Comum é fragmentário, incoerente, preso a preconceitos e dogmático, o Senso Crítico ou Reflexão Filosófica é radical, rigorosa e de conjunto.  É radical no sentido de "fundamento, base“ pois busca explicitar os conceitos fundamentais usados em todos os campos do pensar e do agir.  No Senso Crítico o filósofo deve dispor de um método claramente explicitado a fim de proceder com rigor, garantindo a coerência e o exercício da crítica. Mesmo porque o filósofo não faz afirmações apenas, precisa justificá-las com argumentos, por ter rigor nas suas afirmações.  As Ciências são particulares, porque abordam "recortes" da realidade, mas ainda sim se distinguem de outras formas de conhecimento como a magia, por exemplo. Já a Filosofia é de conjunto, porque examina os problemas sob a perspectiva universal, relacionando os diversos aspectos entre si. 13/02/14 Jorge Freire Póvoas 9
  10. 10. Do Mito à Razão: O Nascimento da Filosofia na Grécia Antiga  A Filosofia é portanto, conhecimento crítico da realidade, como da ideologia, enquanto forma ilusória de conhecimento que visa a manutenção de privilégios.  Atentando para a etimologia do vocábulo grego correspondente à verdade (a-létheia “desnudar”), vemos que a verdade é pôr a nu aquilo que estava escondido,  Aí reside a vocação do filósofo: o desvelamento do que está encoberto pelo costume, pelo convencional, pelo poder.  Finalmente, a Filosofia exige coragem. Filosofar não é um exercício puramente intelectual. Descobrir a verdade é ter a coragem de enfrentar as formas estagnadas do poder que tentam manter o status.  É aceitar o desafio da mudança ou seja, saber para transformar. 13/02/14 Jorge Freire Póvoas 10
  11. 11. A Visão Mitológica da Tragédia Na tragédia Édipo-Rei de Sófocles (496 c. 406 a.C. Grécia) Laio, senhor de Tebas, soube pelo oráculo que seu filho recém-nascido haveria um dia de assassiná-lo, casando-se em seguida com a própria mãe. Por isso, Laio antecipa-se ao destino e manda matá-lo, mas suas ordens não são cumpridas, e a criança cresce em lugar distante. Quando adulto, Édipo consulta o oráculo e ao tomar conhecimento do destino que lhe fora reservado, foge da casa dos supostos pais para evitar o cumprimento daquela sina. No caminho desentende-se com um desconhecido e o mata. Esse desconhecido era, sem que Édipo soubesse, seu verdadeiro pai. Entrando em Tebas, casa com Jocasta, viúva de Laio, ignorando ser sua mãe. E assim se cumpre o destino... 13/02/14 Jorge Freire Póvoas 11
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×