ApresentaçãO Gerenciamento De Riscos
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

ApresentaçãO Gerenciamento De Riscos

on

  • 981 views

 

Statistics

Views

Total Views
981
Views on SlideShare
978
Embed Views
3

Actions

Likes
1
Downloads
15
Comments
0

1 Embed 3

http://www.slideshare.net 3

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

ApresentaçãO Gerenciamento De Riscos ApresentaçãO Gerenciamento De Riscos Presentation Transcript

  • rupeando.blogspot.com
    • Nosso blog/tema: RUP
    • Estudo de Caso: PUBLIX
    • RSGR – Planos de Contigência
    ESCOPO DA APRESENTAÇÃO
    • Nosso blog/tema: RUP
    Gestão de Riscos segundo o RUP Conteúdo do Blog Postagem comentada
  • Gestão de Riscos segundo o RUP No RUP a identificação dos riscos mais críticos do projeto é base para a definição dos marcos do cronograma. Os riscos que afetam os objetivos do projeto e a sua exeqüibilidade devem ser abordados primeiro na fase de Concepção. Na fase de Elaboração são mitigados os riscos técnicos, enquanto que na fase de Construção são tratados os riscos pertinentes à performance de desenvolvimento e qualidade. Finalmente, os riscos associados à implantação são resolvidos na fase de Transição. No plano de projeto de iterações, nas fases de Concepção e Elaboração os objetivos da iteração são definidos com base nos riscos, que por sua vez, vão definir os casos de uso, cenários, algoritmos e outros elementos que serão trabalhados.  • Concepção: foco no tratamento dos riscos relacionados aos casos de negócio. •Elaboração: foco principalmente nos riscos técnicos, examinando-se os riscos de arquitetura e, se necessário, revisando-se o escopo do projeto à medida que seus requisitos tornam-se melhor compreendidos. •Construção: foco nos riscos de “logística” e na obtenção da conclusão da maior parte do trabalho. •Transição: foco nos riscos associados com a logística de entrega do produto a seu usuário. RESUMO
  • Publix - Gestão de Processos para a Administração Pública. Migrar a versão atual desktop, arquitetura cliente-servidor sedimentada e bem aceita pelos usuários para arquitetura WEB com a mesma qualidade, eficiência, facilidade de uso e inovações.
    • Estudo de Caso
  • O QUE É O PUBLIX ? Sistema integrado idealizado para suprir a instituição pública com uma ferramenta de Gerenciamento de Processos e de Informações tomando como base a legislação vigente, notadamente, a Constituição Federal, a Lei 8.666/1993 (Licitações e Contratos da Administração Pública), a Lei Complementar 101/2000 (Lei de Responsabilidade Fiscal) e suas atualizações, bem como as determinações do Tribunal de Contas do Estado.
  • PRODUTO - ESCOPO
  • TABELA DE RISCOS Risco Probabilidade Impacto RMMM Categoria Saída de membros estratégicos da equipe. 30% CATASTRÓFICO RSGR-001 PESSOAL Não liberação de recursos financeiros dentro do prazo previsto. 60% CATASTRÓFICO RSGR-002 NEGÓCIO Equipe mantenedorea do Sistema Atual possui pouca experiência no desenvolvimento WEB. 40% CRÍTICO PESSOAL Problemas de suporte a vários bancos de dados (SQL Server 2000, SQL Server 2005, Oracle, PostrgreSQL). 30% CRÍTICO TECNOLOGIA Especificação insuficiente de novos requisitos. 20% CRÍTICO PROCESSO Membros da equipe do projeto sem dedicação exclusiva. 30% CRÍTICO PESSOAL Não cumprimento do prazo de entrega. (Deadline próxima) 40% CRÍTICO TAMANHO Inadequação da Plataforma .NET ao cenário final. 10% CRÍTICO TECNOLOGIA Inadequação das interfaces de usuário atuais a nova arquitetura de desenvolvimento (WEB). 50% CRÍTICO TECNOLOGIA Falta de produtividade do modelo utilizado – (API, bibliotecas, framework, processo) 40% CRÍTICO TECNOLOGIA Reprovação do usuário na interação com o novo ambiente (WEB) 50% CRÍTICO RSGR-003 CLIENTE Mudanças na legislação vigente 20% CRÍTICO NEGÓCIO Complexidade das Regras de Negócio 30% CRÍTICO NEGÓCIO Ameaça de produtos Concorrentes 40% CRÍTICO NEGÓCIO Custo do Produto Final viável. 30% CRÍTICO TAMANHO Inadequação do framework NHibernate. 10% MARGINAL TECNOLOGIA Inadequação da ferramenta de gestão de Projeto escolhida. 20% MARGINAL TECNOLOGIA Alinhamento com as necessidades reais dos Cliente 20% MARGINAL CLIENTE
    • RSGR – Planos de Contigência
    Risco: RSGR-001 Prob: 30% Impacto: Catastrófico Descrição: Saída de membros estratégicos da equipe Estrategia de redução: Reuniões constantes para divulgação de conhecimento. Melhoria das condições de trabalho. Incentivos, gratificações e participação nos resultados. Documentação do projeto atualizada. Execução compartilhada das atividades. Plano de contigência: Durante o aviso prévio do membro, fazer com que este transmita os conhecimentos para um colaborador ou substituto. Pessoa responsável: Luiz Eduardo
    • RSGR – Planos de Contigência
    Risco: RSGR-002 Prob: 60% Impacto: Catastrófico Descrição: Não liberação de recursos financeiros . Estrategia de redução: Acompanhar o processo de liberação do financiamento junto a FAPITEC/FINEP. Plano de contigência: Procurar outras fontes de recursos financeiros para execução do projeto. Em último caso paralisar o projeto e aguardar a liberação dos recursos. Pessoa responsável: Diego Martins.
    • RSGR – Planos de Contigência
    Risco: RSGR-003 Prob: 30% Impacto: Crítico Descrição: Reprovação do usuário na integração com o novo ambiente (WEB). Estrategia de redução: Disponibilizar treinamento, manuais de ajuda e suporte por chat. Acrescentar novas funcionalidades no sistema que venham a compensar as perdas de interação na aplicação WEB. Plano de contigência: Tornar a interface de usuário mais interativa possível, utilizando para isso a tecnologia AJAX e outros recursos. Pessoa responsável: Diego Martins