025 judas
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

025 judas

on

  • 737 views

Judas

Judas

Statistics

Views

Total Views
737
Views on SlideShare
624
Embed Views
113

Actions

Likes
0
Downloads
11
Comments
0

6 Embeds 113

http://kjabrasil.blogspot.com.br 89
http://salmosdocaminho.blogspot.com.br 18
http://kjabrasil.blogspot.com 2
http://kjabrasil.blogspot.in 2
http://www.blogger.com 1
http://kjabrasil.blogspot.pt 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

025 judas 025 judas Document Transcript

  • INTRODUÇÃO JUDAS Autoria Judas era um nome muito comum na Palestina da época de Cristo, como Judas Tadeu, o apóstolo, e Judas Iscariotes, o traidor (Mt 10.3; Mc 3.18; Lc 6.16; At 1.13; Jo 18.2,5). Entretanto, de acordo com a tradição, o autor desta carta é Judas (v.1), o irmão de Jesus Cristo e de Tiago (Mt 13.55; Mc 6.3). Eles próprios jamais usaram o parentesco com o Senhor para reivindicar qualquer privilégio ou atenção especial às suas mensagens. Por essa razão, não mencionaram esse fato em suas cartas e documentos, deixando que outros irmãos se encarregassem desse registro histórico (Jo 7.3-10; At 1.14; 1Co 9.5; Gl 1.19). Referências a essa epístola sagrada são conhecidas desde os primórdios pelos pais da Igreja: Clemente de Roma (96 d.C.), Clemente de Alexandria (155-215 d.C.), Tertuliano (150-222 d.C.) e por Orígenes (185-253 d.C.). Desde o ano 170 d.C., a carta de Judas já fazia parte do Cânon Muratório e era aceita como “autorizada” por Atanásio (298-373 d.C.) e pelo Concílio de Cartago (397 d.C.). Contudo, segundo Jerônimo e Dídimo, alguns críticos de sua época não aceitavam a canonicidade dessa epístola por causa da citação de alguns escritos apócrifos (vv.9,14). Porém, a maioria dos eruditos e teólogos é unânime em reconhecer que um autor sagrado, inspirado pelo Espírito Santo, pode fazer uso de documentos históricos e textos não inspirados com a finalidade de ilustrar ou corroborar com sua argumentação bíblica, sem com isso estar defendendo a inspiração dos docu- mentos ou referências utilizadas. Propósitos O primeiro e grande desejo de Judas era publicar um tratado teológico sobre o tema: “nossa comum salvação” (v.3), porém o Espírito Santo o convenceu a escrever uma vigorosa obra apolo- gética contra os precursores do gnosticismo, filosofia que ganhava cada vez mais força e adeptos entre os cristãos de todo o mundo civilizado da época. Os falsos mestres estavam usando os próprios textos do apóstolo Paulo e outras partes da Bíblia para defender a “plena liberdade” do ser humano de uma perspectiva antinominiana, a fim de darem licença total às manifestações “da carne” (Gl 5.13). Essa confrontação se revela claramente na descrição de Judas acerca dos falsos mestres, destacados como pessoas que “adulteraram a graça de nosso Deus em libertinagem” e que “negam Jesus Cristo, nosso único Soberano e Senhor” (v.4). O gnosticismo (expressão que deriva do grego gnosis – conhecimento), cuja forma filosófica acabada só se consolidou a partir do século II, tem influenciado o pensamento da humanidade até nossos dias, devastando a moral e a fé responsável em Jesus Cristo, o Filho de Deus e nosso único Salvador. Em contraste com a atitude mundana dos falsos mestres, os cristãos devem demonstrar um amor fraternal, altruísta e espiritual. Sempre atentos à maravilhosa graça com que fomos contemplados em Cristo, devemos demonstrar misericórdia para com aqueles que estão enredados por esse modo de pensar e agir, pois talvez, assim, alguns sejam levados à salvação (vv.19-23). Judas finaliza sua obra com uma bela e significativa doxologia (vv.24,25), muito apropriada para todos aqueles que enfrentam as poderosas forças do erotismo e da sedução da carne tão presentes em nosso século. Judas, ainda, demonstra grande conhecimento das tradições e literatura judaicas. Suas dis- cutidas citações (vv. 9,14), embora não sejam encontradas no AT, estão presentes nos livros deuterocanônicos e históricos da época. p É notável a relação que esta carta de Judas tem com a segunda epístola de Pedro. Ao que tudo indica, 2 Pedro profetizou sobre alguns males que acometeriam a Igreja, procurando prevenir os cristãos sobre tais influências filosóficas perniciosas, que efetivamente ocorreram no tempo de Judas e foram abordadas em sua carta (2Pe 2.1; 3.3; Jd 4,18,19). Como deixou registrado Orígenes: “Apesar de consistir de apenas uns poucos parágrafos, a carta de Judas está repleta de poderosas palavras dotadas de graça celeste”.JD_B.indd 2 10/8/2007, 12:28:08
  • Data da primeira publicação Não há nenhuma evidência história e arqueológica que possa datar a epístola de Judas num tempo posterior à existência dos apóstolos e à sua própria. Judas, Paulo e Pedro não combateram o gnosti- cismo formatado no século II, mas um embrião das idéias libertinas e dicotômicas que questionavam a perfeita humanidade e deidade de Jesus Cristo, como o Filho de Deus e Messias (At 20.29.30; Rm 6.1; 1Co 5.1-11; 2Co 12.21; Gl 5.13; Ef 5.3-17; 1Ts 4.6). Há indicações de que os próprios leitores de Judas chegaram a presenciar algumas das pregações de Pedro e de outros apóstolos (2Pe 3.3). Portanto, podemos concluir que a epístola de Judas começou a circular por volta do ano 75 d.C. Esboço de Judas 1. Judas, irmão de Tiago, líder da Igreja em Jerusalém (v.1) 2. Propósitos da epístola e bênçãos sobre os leitores (vv.2-4) 3. Deus exerceu juízo no passado e o fará no futuro (vv.5-11) 4. Os falsos mestres são sagazes, sedutores e vãos (vv.12-16) 5. Contrastes entre cristãos verdadeiros e falsos (vv.17-23) 6. Doxologia para todos os séculos e Amém! (vv.24,25)JD_B.indd 3 10/8/2007, 12:28:09
  • JUDAS Prefácio e saudação negam Jesus Cristo, nosso único Sobera- 1 Judas, servo de Jesus Cristo e irmão de no e Senhor.4 Tiago, aos que foram convocados, ama- dos por Deus e, o Pai e preservados na fé A punição eterna dos ímpios em Jesus Cristo:1 5 Quero, portanto, recordar-vos, embora 2 Misericórdia, paz e amor vos sejam já estejais bem informados sobre tudo multiplicados.2 isso, que o Senhor libertou um povo do Egito, contudo, mais tarde, destruiu Devemos batalhar pela fé cristã todos os que não creram.5 3 Amados, enquanto me preparava com 6 E, quanto aos anjos que não guardaram grande expectativa para vos escrever acerca sua autoridade e santidade originais, mas da salvação que compartilhamos, senti que abandonaram seu próprio domicílio, Ele era necessário, antes de tudo, encorajar-vos os tem mantido em trevas, presos com a batalhar, dedicadamente, pela fé confiada correntes eternas para o julgamento do aos santos de uma vez por todas.3 grande Dia.6 4 Porquanto, certos indivíduos, cuja con- 7 De maneira semelhante a estes, Sodoma denação já estava sentenciada há muito e Gomorra e as cidades circunvizinhas se tempo, infiltraram-se em vossa congre- entregaram à imoralidade e a todo tipo gação com toda a espécie de falsidades. de depravação sexual. Estando sob o Estas pessoas são ímpias e adulteraram a castigo do fogo eterno, essas cidades nos graça de nosso Deus em libertinagem e servem de exemplo.7 1 Judas é irmão de Tiago (autor da epístola bíblica e líder da Igreja em Jerusalém). E, portanto, irmão de Jesus Cristo. Judas e Tiago eram filhos de José e Maria (Mt 13.55; Mc 6.3). Judas, assim como Jesus, era um nome muito comum na Palestina. É curioso que seus principais homônimos tenham entrado para a história como sinônimos de traição, violência e injustiça: Judas Iscariotes e Barrabás (em aramaico “filho do pai” ou Jesus, em grego – Mc 3.19; Mt 27.16). O autor desta carta não se apresenta como apóstolo, mas “servo” (palavra que no original grego significa “escravo”) do Senhor. Escreve aos “convocados”, aqueles que são atraídos pelo amor de Deus. E assevera que o Senhor sustenta todo o Universo e cuida para que seus filhos sejam pre- servados e alcancem plenamente a herança eterna (Rm 8.28-39; Cl 1.17; Hb 1.3; Jo 3.16; 6.37-40; 17.11,12; 1Pe 1.3-5). 2 A palavra “paz” (em hebraico: shãlôm), neste contexto, expressa o profundo descanso e bem-estar da alma que emana da verdadeira experiência da graça de Deus, independentemente das circunstâncias momentâneas que todos nós atravessamos (Jo 14.27; 20.19; Gl 1.3; Ef 1.2). 3 Aqui, a expressão grega epagõnizesthai comunica o sentido de “lutar com todas as forças” contra os inimigos da fé e da sã i doutrina, que são manipulados pelo Diabo para atacar as verdades fundamentais da teologia cristã e perverter os incautos (2Tm 3.14). O Evangelho deve ser vivido e pregado sem qualquer adulteração (Gl 1.9). 4 Judas deixa bem claro seu reconhecimento à deidade de Cristo, uma vez que a expressão hebraica “Senhor” se refere ao nome de Deus no AT (Yahweh – Javé), o Único e Todo-Poderoso Deus (Rm 10.9; 2Pe 2.1-3). 5 Três exemplos do juízo divino, registrados na história do AT, demonstram o perigo da delinqüência do indivíduo e do afastamento da sociedade do temor do Senhor. A espiral descendente do pecado é, basicamente, sempre a mesma: falta de fé, abandono da santidade, imoralidade e perdição. O povo de Israel, ao cruzar o deserto rumo a Canaã, duvidou das promessas do Senhor; em conseqüência, todos os adultos daquela geração morreram antes de entrar na terra prometida (Êx 12.51; 32.30-35; Nm 14.29-30). 6 Deus organizou o céu e distribuiu aos anjos áreas de liderança, responsabilidade, autoridade e poder. Alguns anjos se deixaram contaminar pela arrogância e egoísmo. Revoltaram-se contra as ordens de Deus e se transformaram no Diabo (o Inimigo) e seus anjos malignos. Alguns vieram para a terra e estabeleceram seu reino entre os seres humanos. Entretanto, no Dia do Juízo Final, todos os partidários do mal serão destruídos pelo fogo da santidade e da justiça de Deus (Dn 10.20,21; Mt 25.41; 2Pe 2.4). 7 O texto não está afirmando que o pecado das pessoas que viviam em Sodoma e Gomorra foi o mesmo praticado pelos anjos desobedientes. Judas está enfatizando que seja qual for a maldade que campeie pelo Universo e na história não ficará impune aos olhos justos de Deus. A sociedade tende a se afastar da Palavra de Deus, seguindo o caminho da imoralidade e assumindo um estilo andrógeno de vida. O juízo ocorrido no passado foi um prenúncio e exemplo do Dia em que o Senhor derramará “enxo- fre incandescente” e consumirá toda impiedade e impureza moral sobre a terra (Gn 19.5,24; 2Pe 2.10).JD_B.indd 4 10/8/2007, 12:28:09
  • 5 JUDAS 8 Ora, estes, da mesma forma, como Agem como pastores que a si mesmos se alucinados inconseqüentes, não ape- apascentam; vagam como nuvens sem nas contaminam o próprio corpo, mas água, impelidas pelos ventos. São como rejeitam toda autoridade instituída e árvores sem folhas nem fruto, duas vezes caluniam os seres celestiais.8 mortas, arrancadas pela raiz.11 9 No entanto, nem mesmo o arcanjo Mi- 13 São como as ondas bravias do mar, espu- guel, quando argumentava com o Diabo, mando suas próprias indecências; estrelas e batalhava a respeito do corpo de Moi- errantes, para as quais estão preparadas as sés, se atreveu a fazer qualquer acusação mais densas trevas por toda a eternidade. injuriosa contra o inimigo, limitando-se 14 Ora, foi quanto a estes que Enoque, o a declarar: “O Senhor te repreenda!”9 sétimo a partir de Adão, profetizou: “Eis 10 Apesar disto, estes tais, levianamente que vem o Senhor com milhares de mi- difamam tudo o que não compreen- lhares de seus santos,12 dem; e até nas atitudes mais simples que 15 a fim de executar juízo sobre todos, aprendem por instinto, como animais e convencer a todos os ímpios de todas irracionais, se corrompem. as ações malignas que cometeram, e de 11 Ai deles! Porquanto trilharam o cami- todas as palavras insolentes que os peca- nho de Caim, ávidos pelo lucro se joga- dores incrédulos proferiram contra Ele”. ram no erro de Balaão, e foram tragados 16 Tais pessoas vivem murmurando e se pela morte na rebelião de Corá.10 queixando, dominados por seus próprios 12 Estas pessoas participam de vossas reu- desejos impuros. A sua boca proclama niões e celebrações fraternais, banquete- arrogância, e usam de adulação para ando-se convosco, sem o menor pudor. conquistar seus objetivos.13 8 Esses pagãos e ímpios eram conhecidos como “sonhadores”, expressão cujo sentido original se refere às pessoas “alucinadas” ou “fora da realidade”, por causa do efeito moral devastador que suas “fantasias” provocavam em suas atitudes e estilo de vida. As pessoas que se afastam do Senhor e são controladas pelo homossexualismo, ou por qualquer tipo de droga, são iludidas pela idéia do prazer de se “estar ausente” da realidade. Por isso, são levados a desenvolver um comportamento absolutamente antagônico ao Senhor e sua Palavra; tornam-se especialistas na arte de mentir e rejeitam a toda autoridade instituída a partir de Deus, seus servos, e dos membros da própria família. Alguns gnósticos primitivos (apóstatas), havendo descambado para a prostituição e o homossexualismo, tornaram-se antinomistas (libertinos), e desenvolveram uma teoria filosófico-religiosa que negava a influência das ações realizadas por meio do corpo sobre o espírito humano (v.19). 9 Judas faz menção a uma tradicional obra judaica, chamada “Assunção de Moisés” (Dt 34.6; Zc 3.2), apenas para ilustrar sua exposição teológica, assim como fizeram Paulo (At 17.28), Menandro (1Co 15.33) e Epimênides (Tt 1.12). 10 Judas cita mais três exemplos do tipo de atitude insana e pecaminosa, que leva à terrível (os “ais” de Jesus) destruição final (Mt 23.13-29). O caminhar de Caim foi constituído de egoísmo, ódio, inveja e homicídio (Gn 4.3,4; Nm 22.1-35; 1Jo 3.12). O erro de Balão foi deixar-se dominar pela cobiça e imoralidade (2Pe 2.15; Cl 3.5; Ap 2.14). Corá representa a insubordinação e a revolta contra toda a ordem estabelecida por Deus. Comportamento de parte da liderança cristã de sua época que, apostatando da fé, estava dividindo a Igreja (Nm 16.1-35; 3Jo 9,10). 11 O motivo da urgência e prioridade dessa mensagem (v.3) é que os mestres hereges estavam se infiltrando nas festas e cele- brações cristãs, comuns entre os membros da igreja primitiva, com o propósito de disseminar seus ensinos libertinos e promíscu- os, questionando a liderança cristã apostólica e se impondo como novos líderes do conhecimento transcendental (gnose), ainda que suas vidas não demonstrassem qualquer manifestação do fruto da justiça (Cl 2.19-23). Judas usa uma série de metáforas para evidenciar que tais pessoas agiam como lobos pastoreando ovelhas para saciar suas próprias vontades animalescas (2Pe 2.13; Ez 34.8-10; Is 57.20). Entretanto, assim como as chamadas “estrelas cadentes” (meteoritos e cometas), que surgem com brilho e magnificência, tais mestres do mal logo serão incinerados e se desintegrarão nas trevas eternas. 12 Judas, a exemplo do que fizera no v.9, cita uma obra tradicional no judaísmo com a finalidade de esclarecer seu ponto doutrinário. Se observarmos a linhagem de Sete, considerando Adão como primeiro, Enoque é o sétimo e o autor da obra apócrifa (Enoque 1.9) que leva seu nome (Gn 5.18-24; 1Cr 1.1-3). Não confundir com outro Enoque, da descendência de Caim (Gn 4.17). Entretanto, o que Enoque revela em seu livro, já havia sido profetizado por autores bíblicos (Dn 7.9-14; Zc 14.1-5). Judas aplica essas citações ao glorioso retorno de Jesus Cristo e à condenação final de todos os ímpios (2Ts 1.6-10; Dn 4.13-17; 1Ts 1.7; 1Ts 3.13). 13 Uma característica marcante desses falsos profetas e mestres é que sempre estão descontentes, críticos, lamuriantes e jamais expressam sincera gratidão a Deus pelo que são e o que possuem (Ef 5.20; Cl 3.16-17; 1Ts 5.18). Além disso, são movidos pela ganância, e seu humor só melhora em função de seus interesses pessoais, quando não poupam adulações àqueles deJD_B.indd 5 10/8/2007, 12:28:10
  • JUDAS 6 Exortação à perseverança da fé 22 E demonstrai compaixão para com 17 Vós, entretanto, amados, lembrai-vos alguns que não possuem essa certeza, das palavras anteriormente proferidas pe- 23 assim como salvai a outros, arreba- los apóstolos de nosso Senhor Jesus Cristo, tando-os do fogo; e a outros, ainda, 18 os quais vos alertavam: “Nos últimos ajudai com misericórdia e temor, re- tempos, haverá zombadores que seguirão pugnando até a roupa contaminada as suas próprias e ímpias vontades”.14 pela carne.17 19 Estes são os que provocam divisões entre vós, os quais são dominados pelas Glória a Deus por sua proteção p p ç paixões de suas próprias almas e não têm 24 Àquele que é poderoso para vos im- o Espírito.15 pedir de cair e para vos apresentar sem 20 Vós, porém, amados, edificai-vos na máculas e com grande júbilo, perante a santíssima fé que tendes, orando no sua glória,18 Espírito Santo.16 25 ao único Deus, nosso Salvador, sejam 21 Conservai-vos no amor de Deus, glória, majestade, poder e autoridade, aguardando confiantemente a misericór- por intermédio de Jesus Cristo, nosso dia de nosso Senhor Jesus Cristo para a Senhor, antes de todas as eras, agora e vida eterna. para todo o sempre! Amém. quem acreditam poder obter alguma vantagem. Essa é uma cilada muito perigosa, a qual todos os pastores e líderes cristãos, especialmente, estão freqüentemente expostos (1Tm 3.3; 1Pe 5.3; v.11). 14 Judas, em sua época, já advertia a Igreja quanto ao cumprimento da profecia dos apóstolos sobre o surgimento de ondas doutrinárias heréticas e vãs filosofias; e que esses eventos funestos no meio da Igreja não deveriam pegar os crentes desprevenidos (At 20.29; 1Tm 4.1; 2Tm 3.1-9; 2Pe 3.3). 15 Os próprios gnósticos dividiram-se em três grupos: os “mundanos”, materialistas; os “sensuais”, ligados à psicologia do comportamento; e os “espirituais” (que acreditavam ter alcançado o estágio mais desenvolvido do saber). Judas vence os heréticos usando a própria maneira debochada com a qual eles apreciavam atacar os princípios bíblicos (v.10) e desfecha a argumentação, alertando-os para o fato de que, ao contrário de pertencerem a uma “elite espiritual”, nem sequer tinham o Espírito de Deus, ou seja, estavam completamente perdidos (Rm 8.9; Hb 6.4,6; 2Pe 2.20). 16 Embora esta epístola trate prioritariamente de combater os heréticos (pretensos cristãos que apostataram da verdade e tentam corromper os fiéis), Judas dedica uma palavra de encorajamento aos crentes, asseverando que o próprio Senhor cuida pessoalmente de cada um de seus filhos, em sua luta diária e caminhada cristã, preservando-lhes a fé e o amor (Rm 8.26-39; Gl 4.6; Ef 6.18). 17 A expressão original em grego sugere uma operação de socorro muito arriscada, como “tirar alguém da beira da destruição”. 7 Para realizar esse ministério com sucesso, correndo o perigo de sermos tragados pelo pecado, o exercício da misericórdia deve ser praticado sob a vigilância do temor a Deus e sem fazer qualquer concessão à carne: em trajes limpos (Zc 3.1-4; 2Pe 2.1-22). 18 Judas conclui sua “mensagem de guerra” aos hereges e exaltação à fidelidade dos cristãos com uma proclamação formal de louvor a Deus, chamada “doxologia” (em grego dovxa “doxa – glória”), e que – a exemplo de Paulo – exalta o maravilhoso poder do Senhor em preservar todos aqueles que nele depositam confiança (Rm 16.25; Ef 3.20). A expressão “apresentar”, aqui, deriva do termo grego stesai, cujo sentido é “colocar de pé” (2Pe 3.14; 1Pe 1.19).JD_B.indd 6 10/8/2007, 12:28:10