• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Aula teórico pratica les
 

Aula teórico pratica les

on

  • 2,859 views

 

Statistics

Views

Total Views
2,859
Views on SlideShare
1,596
Embed Views
1,263

Actions

Likes
0
Downloads
0
Comments
0

2 Embeds 1,263

http://bio12profcidalia.wordpress.com 1110
http://bio12profcidalia.com 153

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Aula teórico pratica les Aula teórico pratica les Document Transcript

    • Aula Teórico-PráticaO objectivo desta actividade é a exploração de um caso de uma doente quechega ao médico com determinadas queixas. Ele descobre que ela sofre deLúpus Eritmatoso disseminado (LES), uma doença auto-imune, com umimportante componente inflamatório. O médico foi requisitado para umaurgência no dia em que ela tinha a nova consulta marcada. Cabe-vos agoradar-lhe a notícia e esclarecer todas as dúvidas que ela tem. Mas antes deresponder às suas perguntas têm de pesquisar informação acerca destadoença e interpretar os sintomas e análises que a doente traz. Compreender adoença é essencial para descobrir o tratamento! Para isso, reúnam-se emgrupos de 2 ou 3 pessoas e procurem executar os passos que a seguir sãodescritos. Na próxima aula têm de explicar aos vossos colegas comoresolveram cada um dos pontos. Comuniquem aos vossos colegas tambémoutras informações complementares que achem interessantes. Chegou a horade despertar o Dr. House que há em todos nós… ☺Depois de ler atentamente os dados que lhe são fornecidos, retirados da fichaclínica de um doente real, deve procurar executar os seguintes procedimentos: 1. Verificar se compreende o significado de todos os dados. Não é esperado que já os saiba de antemão mas sim que pesquise, usando as fontes bibliográficas que ache convenientes. Como é obvio, para poder prosseguir para a restante análise é absolutamente essencial que entenda tudo o que lhe foi disponibilizado. Este passo será provavelmente o que mais lhe exigirá mais trabalho de pesquisa, mas não desanime! 2. Rever o sistema imunitário. É indispensável que conheça: a. Quais são as linhas de defesa do organismo b. O que é a inflamação? O que a desencadeia? c. Concorda com a afirmação: “A inflamação é uma espada de dois gumes”. Pista- Tenha em conta a possível acção deletéria da inflamação sobre os tecidos…
    • d. Quais são os “2 braços” da defesa específica? e. O que entende por tolerância? f. Como pode o sistema imunitário distinguir o que nos é próprio do que é estranho ao organismo? Apesar de ser um fenómeno bastante complexo, em que existe com certeza ainda muito a desvendar, procure compreender o que já se sabe acerca deste extraordinário processo.Chegou a hora de dar a notícia à doente. Ela ficou muito assustada. Nãosabe do que se trata, mas pelo nome parece grave… Ela faz váriasquestões, será que consegue dar-lhe uma resposta? Ela conta consigopara perceber o que se passa com ela! 1. O que é o LES? 2. A minha vida vai piorar? O que é que me vai acontecer? 3. Como é que o médico descobriu que eu tinha esta doença? 4. Quais os sintomas de que me queixo que são causados por esta doença? 5. Porquê eu? Por que é que eu fui atacada por esta doença? 6. Vou ser tratada? Posso curar-me? 3. Organizem uma apresentação que contenha aquilo que compreenderam acerca da doença de que sofre esta doente que vos foi apresentada. De que forma responderiam às questões da doente? 4. Procure alargar os horizontes… Conhece outras doenças auto-imunes? Não tem dúvidas acerca de alguma coisa com que se deparou quando estava a pesquisar? Saber mais é sempre gratificante e pode mesmo ajudá-lo a compreender melhor este assunto. Na próxima aula mostre também aos seus colegas tudo o que descobriu e que acha interessante! ☺ Boa Sorte! A Professora: Cidália Aguiar
    • CASO CLÍNICO- Doente, sexo feminino, 45 anos- Desde há 5 anos: - artralgias nas pequenas e grandes articulações com características inflamatórias - Erupções cutâneas diversas (face e após exposição solar) - Episódios febris frequentes - Inflamação ocular repetitiva - fenómeno de Raynaud aquando de exposição ao frio (vasoespasmo das artérias periféricas, anomalia da regulação da circulação periférica)- Últimas semanas: edema facial e das mãos subida da pressão arterial- Médico assistente já tinha pedido exames complementares: Ligeira anemia Insuficiência Renal moderada VS: 85 (velocidade de sedimentação) Parâmetros inflamatórios positivos PCR: 20 Análises do sistema auto-imune ANA 1 / 640 - anticorpos contra proteínas do núcleo das células ADNA + Anticorpo anti-nuclear e Anticorpo contra DNA positivos ASM + Anticorpo contra células do músculo liso positivo C3 e C4 baixos C3 e C4 baixos consumo do complemento Resultados indicam Lúpus activo Ecocardiograma com espessamento e prolapso da Válvula Mitral (acontece com alguma frequência neste tipo de doenças – colagenoses)- Colocou-se a hipótese de Lupus Eritematoso Disseminado, uma doençainflamatória crónica.- Exames complementares: Eritrócitos: 3250.000
    • Hb: 9,5 anemia moderada MGV: 78 diminuído MGH: 28 Limite inferior da normalidade MGHC: 29 Ferro: 30 diminuído CTFF: 320 normal Leucócitos: 7500 normal Plaquetas: 132.000 normal Ferritina: 553 aumentado Ureia: 98 Indicadores de função renal alterados Creatinina: 3- Esfregaço de sangue: - poucos eritrócitos - eritrócitos com forma de roda dentada acantocitose fenómeno que ocorre na Insuficiência Renal Anemia hipoproliferativa por doença inflamatória crónica, onde háalgum consumo de ferro Numa anemia ferropénica o ferro e a ferritina estão baixos, o que não é ocaso. Neste caso: Ferritina elevada sinal de inflamação