Your SlideShare is downloading. ×
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Monografia Dez.2012/Livro Flamengo 2014

1,517

Published on

Published in: Technology, News & Politics
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,517
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
19
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. UNIVERSIDADE POTIGUAR – UnP PRÓ-REITORIA ACADÊMICA ESCOLA DE COMUNICAÇÃO E ARTES CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL - HABILITAÇÃO EM JORNALISMO DANIEL FREIRE PEDROSA FILHO O TORCEDOR DO CLUBE DE REGATAS DO FLAMENGO: A ALEGRIA RUBRO-NEGRA NAS CRÔNICAS DE JOSÉ LINS DO REGO, NELSON RODRIGUES E MÁRIO FILHO NATAL-RN 2012
  • 2. DANIEL FREIRE PEDROSA FILHO O TORCEDOR DO CLUBE DE REGATAS DO FLAMENGO: A ALEGRIA RUBRO-NEGRA NAS CRÔNICAS DE JOSÉ LINS DO REGO, NELSON RODRIGUES E MÁRIO FILHO Monografia apresentada à Universidade Potiguar – UnP como parte dos requisitos para obtenção do Grau de Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo. ORIENTADOR: Profº. Me. Gustavo Bittencourt NATAL-RN 2012
  • 3. DANIEL FREIRE PEDROSA FILHO O TORCEDOR DO CLUBE DE REGATAS DO FLAMENGO: A ALEGRIA RUBRONEGRA NAS CRÔNICAS DE JOSÉ LINS DO REGO, NELSON RODRIGUES E MÁRIO FILHO Monografia apresentada como exigência parcial para a obtenção do grau de Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo, à comissão julgadora da Universidade Potiguar. Aprovado em ______/_____/______ BANCA EXAMINADORA _____________________________________________________ Profº. Me. Gustavo Henrique Ferreira Bittencourt Orientador Universidade Potiguar -UnP _______________________________________________________ Profº. Me. Leonardo Bruno Reis Gamberoni Universidade Potiguar - UnP ________________________________________________________ Profª. Me. Valéria Pareja Credidio Freire Alves Universidade Potiguar - UnP
  • 4. DEDICATÓRIA Este trabalho é dedicado a minha mãe, Gercina, que não se cansa de acreditar na felicidade. Fé em Deus e pensamento positivo que ELE proverá! Como a senhora mesma diz; À memória de meu pai, Daniel. Como queria ter te ajudado a alcançar a cura do alcoolismo; À minha esposa, Valéria, companheira de todos os momentos; Aos meus filhos, Thiago e Yasmim, o amor na forma mais pura. Vocês são o que existe de mais significativo em minha vida, meu tesouro verdadeiro. Pelo Flamengo sempre! Às minhas irmãs, Manuela e Daniela, juntos, somos mais fortes!
  • 5. AGRADECIMENTOS Ao futebol, meu primeiro e permanente amigo. O teu encanto ninguém apaga. Ao Clube de Regatas do Flamengo, minha primeira paixão e amor para a vida inteira. Essas instituições têm vida imaterial pulsante, alimento para a alma. Ao meu maior ídolo, Arthur Antunes Coimbra, sempre Zico, o cara que serve como modelo profissional e pessoal. Obrigado por toda alegria que vocês me proporcionaram. Aos outros inspiradores deste trabalho: Mário Filho, José Lins do Rego e Nelson Rodrigues. O que vocês produziram com qualidade magistral, nada, nem ninguém, conseguirá apagar. Pelo pensamento, encaminho a minha gratidão a vocês. Aos professores que fizeram parte diretamente da produção deste trabalho, sugerindo, apontando, opinando, discutindo e trazendo contribuição. Muito obrigado, Manoel Pereira, professor da fase inicial do projeto e, Gustavo Bittencourt, orientador e grande incentivador. E... aos espíritos de luz, sempre por perto para acudir. Amor e proteção que não cessa!
  • 6. O Flamengo não para porque o Flamengo é uma força em marcha. Seu destino é a eternidade. Gilberto Cardoso
  • 7. RESUMO O trabalho acadêmico tem a proposição de analisar o torcedor de futebol e suas emoções. Como delimitação, tem-se o torcedor do clube de maior torcida do Brasil, o Flamengo. Da consulta profícua a livros, filmes, documentários, programas televisivos, radiofônicos e sítios eletrônicos, veio o aparato para essa produção acadêmica que se dispõe a revisitar a história do clube centenário, o papel de seu torcedor, e a pesquisar o que estes três cronistas, José Lins do Rego, Nelson Rodrigues e Mário Filho, produziram expressivamente abordando o Flamengo e o seu torcedor. Sob a particularidade da hermenêutica que se configura como a interpretação de obras textuais, e tendo o referencial teórico basal do trabalho sustentado em Ruy Castro e Mário Filho com os seus respectivos, “O Vermelho e o Negro” e “Histórias do Flamengo”, o trabalho se desenvolveu. A obra está dividida em quatro capítulos. No primeiro, o futebol, seu surgimento, chegada ao Brasil e a sua representação social, se estendendo ao papel de sua legião de seguidores, o torcedor. Em um segundo momento, o Flamengo, a sua história e a atuação de sua torcida. Em seguida, lançamos olhar sobre o gênero jornalístico-literário, “Crônica”, e à sua especificação, “esportiva brasileira”. Por último, o torcer pelo Flamengo explicitado nas crônicas esportivas de José Lins do Rego, Nelson Rodrigues e Mário Filho. Palavras-chave: Futebol; Torcedor do Flamengo; Crônica esportiva brasileira; Nelson Rodrigues; José Lins do Rego e Mário Filho.
  • 8. ABSTRACT The academic paper has as proposition to analyze football fans and their feelings. As baseline, we have the supporters of the largest football fan club in Brazil, Flamengo. From fruitful books, films, documentaries, television and radio programs and site consultation came the apparatus for this academic paper which proposes revising the history of the century-old club, the role of its supporters, and researching what these chroniclers, José Lins do Rego, Nelson Rodrigues e Mario Filho, expressively produced regarding Flamengo and its fans. Under the particularity of hermeneutics, which constitutes the interpretation of textual works, and taking the theoretical baseline of the sustained work in Ruy Castro and Mario Filho with their respective, "The Red and the Black" and "Stories of Flamengo", the paper was developed. This paper is divided into four chapters. In the first, football, how it started, its arrival in Brazil and its social representation, extending it to the role of its legion of followers, the fans. Following, Flamengo, its history, and its supporters’ participation. Soon after, we look at the journalistic-literary genre, Chronicle, and also at its “Brazilian- sportive” specification. And finally, rooting for Flamengo, explained in the sports chronicles of José Lins do Rego, Nelson and Mario Rodrigues Filho. Keywords: Football, Flamengo Fans; Brazilian-sportive Chronicle; Nelson Rodrigues, José Lins do Rego and Mário Filho.
  • 9. SUMÁRIO INTRODUÇÃO .........................................................................................................................9 1.1 CHEGADA NO BRASIL...................................................................................................16 1.2 O TORCEDOR...................................................................................................................24 2.1 A RIVALIDADE NOS CLÁSSICOS.................................................................................54 2.2 ÍDOLOS..............................................................................................................................60 2.3 TÍTULOS............................................................................................................................62 3.1 CRÔNICA ESPORTIVA BRASILEIRA...........................................................................73 4 O TORCER PELO FLAMENGO NA VISÃO DOS CRONISTAS ESPORTIVOS............79 4.1 A ALEGRIA RUBRO-NEGRA POR JOSÉ LINS DO REGO..........................................83 4.2 A ALEGRIA RUBRO-NEGRA POR NELSON RODRIGUES........................................90 4.3 A ALEGRIA RUBRO-NEGRA POR MÁRIO FILHO...................................................101 REFERÊNCIAS......................................................................................................................116 CRISE EM LARANJÓPOLIS, TRICOLETAS ENTREGAM TUDO DE BANDEJA PARA SEREM ZOADAS PELO FUDEROSÃO: Disponível em:....................................118 DATAFOLHA. Times de preferência. Disponível em: <http://datafolha.folha.uol.com.br/folha/datafolha/tabs/futebol_04012010_tb1.pdf> Acessado em 06 de Maio de 2012...........................................................................................................118
  • 10. 9 INTRODUÇÃO Analisar, descobrir, entender os motivos que levaram o Clube de Regatas do Flamengo a ser propagado como o clube mais amado, de maior torcida do Brasil – e, na contramão, um dos mais odiados - é desafiador e necessário para se fugir do senso comum. Como aceitar as pesquisas que trazem números impressionantes sobre esse torcedor? Institutos de pesquisa detentores de grau de confiabilidade como o Datafolha, Ibope, CNT Sensus, Pluri Consultoria entre outros, atestam: a torcida do Flamengo é a maior do Brasil. Algumas pesquisas indicam, inclusive, ser a maior do mundo. Checar esta afirmação e encontrar o embasamento que desencadeou esse crescimento é um ato de compromisso com a veracidade dos fatos. Fazendo a “leitura” dessas pesquisas chega-se a uma depreensão de que se trata de um verdadeiro fenômeno. E nos leva a uma certeza. O Flamengo é um cube nacional. O título de “mais querido do Brasil” causa natural curiosidade e daí leva à indagação e a uma inquietude que me arrasta para o campo da pesquisa. Como esse clube conseguiu chegar a um patamar de extraordinária altivez? Como a sua torcida se forjou e cresceu em todo o território nacional? Sempre questionei as unanimidades, aquelas construções históricas que são moldadas para serem inquebrantáveis. Acredito que em tudo, em qualquer fato, sempre existe outro viés. Talvez essa característica tenha me levado ao Jornalismo. Talvez não, tenho certeza. Antes de estudar para entender tal condição fui sentir a pulsação e energia desse torcedor. A primeira vez no Maracanã junto daquela massa foi uma experiência extasiante, indescritível, de me deixar embasbacado, arrepiado, com alegria e fascínio que não se comparam a nada neste mundo. O barulho, o colorido, a festa e a sensação de estar diante de uma imensa família, aquela coisa de no momento do gol, quando o abraçar de um estranho, de vários desconhecidos, se estabelece te deixando “perdido”, pela emoção, e, “resgatado”, no propósito da união, de uma união única por ser desinteressada, espontânea, isso tudo magnetiza. Esses elementos ficaram estampados na alma, na memória. O “sentir” àquela torcida, o estar junto a ela, me trazia o que precisava para alcançar satisfação e abria a minha percepção para toda simbologia do grupo, do coletivo, da massa e multidão, agregando valor ao meu posicionamento diante da sociedade. Naquele “meio” eu era mais gente, mais humano, ser social, preenchido, por assim dizer, e aprendia lições que levaria para sempre. Nesta fase ainda, de adolescência, a leitura, o exercício dela habitualmente, me atingiu e a luz do conhecimento irrestrito adentrou meus poros e passou a clarear o meu ser. Pela
  • 11. 10 leitura, o mundo era meu! Quando me deparava com histórias envolvendo o futebol e, mais especificamente, o Flamengo, a sua superação, raça, garra, a alegria rubro-negra, o manto sagrado, sua torcida, essas conotações, eram pontos associativos sempre abordados. Diante desses textos que inflamavam ainda mais o desejo de descobrir os motivos que fortaleceram ao longo do tempo a exaltação a este clube eu me via como um menino na “fantasia” descritiva do real. Era difícil controlar a minha curiosidade, o senso precoce de questionamento, e a obstinação em apurar, em atingir as raias do entendimento das razões para este clube se fazer tão especial. E dentro desse seio da literatura houve um momento mágico, de descoberta. O que senti quando li uma coletânea de crônicas esportivas de Nelson Rodrigues e o que ele falava sobre o Flamengo foi algo como um torpor que tomava conta da alma e revelava um universo futebolístico cheio de poesia e dramaticidade. Aproximava-se do que sentira no Maracanã no meio daquela massa enlouquecida e “embriagada” de paixão. Era a tradução exata. Como era possível aquilo? Até aquele momento só havia conhecido a obra do Nelson Rodrigues, dramaturgo. Ícone neste segmento. Não menos brilhante na crônica esportiva, através dela, ele me arrebatara pra valer. Nelson exclamava ser o Flamengo um fenômeno, uma força da natureza que venta, chove, troveja, relampeja. Que cada brasileiro vivo ou morto já havia sido Flamengo por um instante. Que o seu torcedor era capaz de morrer com o nome Flamengo gravado no coração a ponta de canivete. Para ele, a alegria rubro-negra não se parecia com nenhuma outra. E dizia ainda que se Euclides da Cunha fosse vivo teria preferido o Flamengo à Canudos para contar a história do povo brasileiro. Era muito forte e intrigante. Como um tricolor assumido podia dizer aquelas coisas sobre o rival rubro-negro? O desejo de me aprofundar no quesito Flamengo para compreendê-lo em sua essência, continuava pedindo passagem. Outros compromissos, no entanto, postergavam essa pesquisa. O tempo passou. Na faculdade, ao iniciar o direcionamento para a escolha do tema deste projeto de conclusão, não existia mais dúvida. Havia chegado o momento da pesquisa. Sobre a história do Clube de Regatas do Flamengo, de sua torcida, iria me debruçar. Em um primeiro momento seria só o torcedor do rubro-negro carioca. Precisava, porém, criar uma relação com o jornalismo. Nelson Rodrigues. Surgiu esse nome, esse elo. Para quem possa não saber, Nelson antes de grande dramaturgo foi durante toda sua vida jornalista e cronista esportivo, de mãos cheias. A crônica esportiva, portanto, me daria suporte. Durante as leituras específicas para o trabalho, eis que para a minha surpresa, dois outros nomes me saltam aos olhos, à mente e ao coração. José Lins do Rego – que eu conhecia por “Riacho Doce” e “Fogo
  • 12. 11 Morto” -, e Mário Filho – que somente o identificava como o jornalista que dá nome ao estádio do Maracanã. Os dois, também cronistas esportivos e com uma escrita ímpar, que me fazia “babar”, teriam que ter o merecido espaço. Um, era torcedor ardente do Flamengo. O outro, referendado pesquisador, historiador, defensor do futebol, idealizador e criador de grandes eventos relacionados ao esporte e, de certa forma, ligado também, ao rubro-negro. Este trabalho então, no seu ponto central, a torcida do Flamengo, pode-se dizer é acalentado há anos. Para desenvolvê-lo era necessário expô-lo ao crivo científico. Tive o cuidado de não me deixar levar pela emoção e pelo autossugestionamento. Desprendi-me de qualquer sentimento unilateral que corrompesse os sentidos. Confrontei a produção de vários autores e trabalhei de forma racional, analítica científica – em face de reunir tudo a respeito e criar a minha linha de raciocínio - visando obter resultado satisfatório. Sem ser “xiita”, radical, no sentido de me manter rigorosamente o tempo todo na razão, me permiti, entendendo não ser maléfico para o trabalho, em alguns momentos, fluir no sentimento mais solto, natural, sem, no entanto, fugir da realidade dos fatos. Aqui estão contidas as nuances, as sutilezas históricas, os acontecimentos fortuitos, as interpretações e reinterpretações que ajudarão o leitor a encontrar fundamentos para saber o porquê desse clube, chamado Flamengo, ter uma torcida gigantesca, ímpar e de ser para este seu torcedor, além, do “mais querido do Brasil”, um clube de simbolismo que vai sempre mais além. Mais que uma paixão. É religião. No sentido mais abrangente da palavra, de religar o maior número possível de pessoas à sua causa. O que foi reunido, apresentado neste trabalho, interessa não somente ao torcedor do Clube de Regatas do Flamengo. É de interesse para quem gosta de futebol e, mesmo com sua inclinação para este ou aquele time, pensa sobre o tema e enxerga a história do outro, independente do julgamento que faça. Justifica-se, inclusive, o seu conteúdo aceitável, a uma minoria que não gosta de futebol, isto porque, vai muito além desse aspecto único. Trata de Sociedade, Cultura, História, Comunicação. Trata de gente. Retrata uma instituição que há 118 anos mexe com a emoção do torcedor. Seja amando, ou, odiando, o Flamengo é assunto comum por todos os cantos. Amor, paixão, fracasso, superação, alegria, ousadia, coragem. Sentimentos inerentes ao ser humano. Sorriso e lágrima. Pluralidade. Tudo isso está presente nesse tema. Sobre esses pilares, a história do Clube de Regatas do Flamengo foi erguida. Inserido na Comunicação Social e sendo frequentemente pautado no Jornalismo, o Flamengo, impressiona e qualquer investigação que trate de revelar os motivos para essa massificação do tema Flamengo se faz pertinente.
  • 13. 12 1 FUTEBOL, ESPORTE DE MASSA O futebol, palavra que em sua origem vem a significar alguma coisa do tipo, “chutar bola”, ocupa consistentemente porção considerável do planeta, seja, pela prática do esporte, ou, pela abordagem do assunto e tem lugar de destaque no item predileção das pessoas. Ele se caracteriza como a maior paixão esportiva do planeta. O mecanismo que o rege é intrincado. Um esporte que desperta nas pessoas paixão em doses cavalares necessita de análises profundas para se chegar aos motivos de sua atração. Ele desemboca em um campo minado da complexidade humana. O futebol é retrato, imagem da sociedade. O jogar do campo e da vida são bem semelhantes, acrescenta (JÚNIOR, 2007). Em países onde o futebol é o esporte mais popular – e são muitos – ele vem a ser mais que uma atividade esportiva. É representação da vida, de certa maneira. Perceber essa paixão, reconhecer sua autenticidade, sua profusão é pertinente e na proveitosa tarefa de desconstruir a formatação do esporte visando esmiuçar suas nuances, embarca-se. Sem pré-julgamentos que podem escorregar nas certezas, apreciativas ou depreciativas, e somente com a pretensa missão de se obter o conhecimento, projeta-se o olhar para examinar suas origens e desvendar seus enredos. Posicionando-se como observador dos signos que gravitam na atmosfera do futebol e que o fazem permear o mundo e as relações humanas, chega-se a conclusão de ser o esporte elemento fortemente representativo na sociedade brasileira. Jogando luz sobre os fatos, é certo encontrar apontamentos de significação para essa prática esportiva que consiste em conduzir uma bola com os pés, driblando o oponente e tendo como objetivo central, o assinalar do gol. Entrando de cabeça na simbologia do futebol, chegamos a interpretações esclarecedoras acerca de seu papel social. O futebol tem um dom próprio. Ele faz as minorias, que estão fora da massa, sentirem-se parte da multidão. Também afasta qualquer indivíduo da solidão do sentir-se minoritário, dando-lhe uma identidade. A massa ganha uma personalidade própria, afastando o sentimento de ser apenas mais um. (PEREIRA, 2010, p. 13). Ele funciona como um micro cosmo na estrutura macro social e é detentor de capacidade ímpar de agregar, espalhando enlevo, feitiço, deleite. O futebol explica a sociedade. É uma instituição nacional. Banhado na metáfora, a associação com a vida se faz. A vida não traz paralelos com uma partida de futebol? Certamente. No campo de nossas existências, com as faltas, sofridas e cometidas; as marcações cerradas que impomos; os deslocamentos para fugir do indesejado; as alegrias; tristezas; vitórias e derrotas, glórias e
  • 14. 13 ostracismo, diante desses adventos, nos deparamos com situações que nos impelem a tomar decisões bem projetadas, suprimindo riscos, e conduzindo ao sucesso. O futebol pode ser visto como uma analogia da vida e muito do que ocorre nele traz traços desta vida que fomos escalados a jogar. A experiência futebol parece ser, de fato, uma experiência divertida, o registro da ilusão, aquilo que Benjamin um dia chamou de ‘aura’. O futebol é a prova viva da necessidade de demonstrar afeto e de transformar a realidade num instante. A efemeridade do futebol impressiona ainda mais no momento do gol, em que nada parece fora de lugar. Mas os pilares que sustentam a concepção de espetáculo do futebol vão além das conquistas históricas [...]. (LOYOLA apud FREIRE, 2007, p. 98). E quando surgiu? Como surgiu? Que desejo o inspirou? Quando se busca referências sobre a origem do futebol, histórias diversas saltitam aos nossos olhos e ouvidos. Nenhuma delas com base de registro oficial que ateste a veracidade. Como afirmam muitos estudiosos do assunto, é impossível determinar um momento exato em que o futebol deu o ar de sua graça na história da humanidade. Uma dessas narrativas nos conta que na China, durante o período de 2000 a.C., guerreiros tiveram a ideia macabra de, após derrotarem o inimigo, decepar-lhe o crânio e passar a chutá-lo visando ultrapassar a demarcação de dois paus fincados no chão. Com o tempo se aprimorou essa diversão que passou a ser um exercício militar disciplinador e bastante competitivo, chamado Tsu Chu, que significava morfologicamente “chutar a bola”. Ocorrera uma mudança. E para melhor. Não mais se utilizava a cabeça do inimigo – substituída por bola de couro com enchimento de crina. A primeira forma documentada de futebol que se tem notícia vem da China, com o Tsu Chu, que em chinês significa ‘lançar com o pé’ (tsu) uma bola recheada de couro (Chu). O esporte, criado para fins de treinamento militar, foi desenvolvido por Yang Tsé, integrante da guarda do imperador da dinastia Xia, em 2197 a.C. (UNZELTE, 2009, p. 10). Importado pelos japoneses, no século II a.C., o Tsu Chu mudou de nome, sendo chamado de “Kemari”, palavra japonesa para definir, da mesma forma que no chinês, a prática de “chutar a bola”. No Japão ele deixa de ter um caráter de competitividade e passa a ser um cerimonial. Na América Central, no século 900 a.C., sob o nome de Tlachitli – espetáculo – um suposto antepassado do futebol também é identificado. Ocorria em um pátio que separava dois templos e consistia em não deixar a bola tocar o chão. Ela, a bola, tinha de ser introduzida em aros.
  • 15. 14 [...] os japoneses pretendiam provar que, muito antes de ser regulamentado pelos ingleses, o futebol já era conhecido no oriente, pelo nome de Kemari (Ke = chutar; Mari = bola). [...]. Patrocinado e difundido pelos imperadores Engi e Tenrei, esse tipo de futebol não contava pontos e nele se proibia qualquer contato corporal entre os participantes. (UNZELTE, 2009, p. 12). Na cultura europeia, três atividades vêm a ser mencionadas como centelha inicial do futebol. Na Grécia, o Epyskiros, século IV a.C. Jogado em campo retangular, com bola que tinha no seu interior areia, e com o objetivo de fazer a bola ultrapassar certa demarcação. “Por volta de 850 a.C., Homero havia escrito um livro sobre esse tipo de esporte [...]. O parente mais próximo do futebol era o epyskiros, disputado com os pés, em campo retangular, por duas equipes de nove jogadores”. (UNZELTE, 2009, p. 12). A partir da influência do Epyskiros, surge em Roma, século III a.C., o Haspastum. “Influenciados pelos gregos, os romanos também bateram a sua bolinha. O Haspastum – o jogo da pequena bola”. (CARMONA e POLI, 2006, p. 22). Sua configuração era a de aprimorar o aspecto atlético dos soldados e desenvolver uma estruturação tática. A partir do século I a.C., se desvencilha da exclusiva esfera militar e se populariza. Possivelmente o Haspastum foi introduzido pelas tropas romanas nas ilhas britânicas. Os diferentes jogos com bola praticados na Inglaterra, inclusive o futebol moderno, teriam derivado dele, defendem teóricos. Uma tese dá conta de que em Florença – da fase Renascentista – atribuía-se ao Haspastum a origem de um jogo com bola, praticado desde o século XIV, chamado, Cálcio. Termo consagrado e até hoje proferido pelos italianos para denominar o futebol. O Cálcio possuía características de ser um jogo urbano praticado no principal espaço público da cidade (Piazza Santa Croce); tinha número fixo de jogadores; utilização de uniforme; aplicação de regras; figura do árbitro e posicionamento dos jogadores em certas áreas do campo. Praticado por indivíduos de todas as classes sociais, na segunda metade do século XVI muda de cara. Passa a segregar as camadas mais pobres e torna-se exclusividade da nobreza. Em apontamentos históricos percebe-se o quão apreciado era o esporte. Mesmo com a barreira aristocrática, muita gente punha-se a acompanhar o evento. Existem relatos que estimava em 40 mil, o número de espectadores que acompanhavam cada partida, explicita (CARRILHO, 2010). Outro apontamento discorre sobre uma manifestação esportiva ocorrida na França, século XII, o Soule – do latim Solea (calçado). O Soule viria a ser uma prática com bola, certamente jogada com os pés – associação com “calçado” - e que tinha muitas variações dependendo da região. “As conquistas romanas semearam filhos do Haspastum pelo mundo.
  • 16. 15 Na região da atual França, os habitantes célticos pré-romanos tinham um jogo de bola conhecido como Seault. Do cruzamento das duas tradições surgiu o soule”. (CARMONA e POLI, 2006, p.23). Para maioria dos estudiosos, o futebol moderno teve sua origem na Inglaterra. Caminhando de mãos dadas com a afirmação do poderio e da autoridade britânica pelo mundo, o futebol desempenhou papel de destaque na proliferação desta condição inglesa. A propagação pelo mundo do esporte, o futebol, dentre outros de origem britânica, se deu sustentada por essa ascendência cultural inglesa e na associação à cultura ocidental cristã. O futebol então ligado à Inglaterra faz enxergar nisso uma roupagem que mostra a Revolução Industrial empreendendo no esporte, alguns conceitos marcantes de seu surgimento e influência pelo mundo. Aspectos de um, foram desencadeados no outro. Competição, produtividade, igualdade de chances, supremacia do mais hábil, especialização de funções, quantificação de resultados, fixação de regras. Essas pontuações se aplicam a ambos. Pode-se detectar pelo estabelecimento das regras que a Inglaterra que experimentava um intenso desenvolvimento das instituições, visava à organização da sociedade. Através do fortalecimento das instituições formais e da deflagração de regulamentações se ordenaria bem o jogo social. Instituições servem para reger a própria sociedade. O progresso do capitalismo exigiu um avanço no desempenho das instituições. Para (CARRILHO, 2010), instrumento de demarcação do predomínio britânico pelo mundo, o futebol foi envolvido pelo propósito colonizador de servir, através do chamado cristianismo britânico, entre 1820 e 1900. Como eficaz concepção pedagógica de desenvolvimento da estrutura moral da elite britânica, ao se inserir em outros países, o futebol e a sua aplicação, era de suma importância para proporcionar força ao corpo, consistência ao espírito, rapidez ao raciocínio, disciplina, boas maneiras e desenvolvimento. Incorporando a fundamentação da teoria de Charles Darwin chamada “origem das espécies” e incutindo, primeiro na Inglaterra e depois rompendo fronteiras, a ideia de que, biologicamente, temos uma base comprovada da sobrevivência dos mais fortes, o esporte foi elegendo os seus. A teoria darwinista foi se difundindo nas escolas privadas e nas universidades de Oxford e Cambridge, juntamente com o jogo praticado com bola, desde o século XIV, chamado Football. Mesmo ao passo das interdições oficiais que vieram a ocorrer, em nenhum momento o esporte desapareceu das cidades britânicas. Tamanho foi o interesse pelo football na Inglaterra que, entre 1830 e 1870, cerca de sessenta times já haviam sido registrados. Houve então a
  • 17. 16 necessidade de padronizar, de codificar as regras do esporte, tendo em vista que elas variavam conforme a localidade. Em 1863 foi criada para este propósito, a Football Association. Identificado então como produto made in England, os ingleses enxergavam no futebol condições apropriadas para fortalecer ainda mais a sua imagem por outras terras. Dessa mentalidade, um processo de exportação veio a ocorrer. Países de todos os continentes foram apresentados ao futebol. Ridicularizado no início e não visto com bons olhos – isto fora da Inglaterra, deixar claro - ele solidifica-se como espetáculo atraindo públicos cada vez maiores. O futebol não é um pendor de desligamento das responsabilidades, das obrigações sociais - como alguns afirmam. Tem muito mais elementos construtivos do que destrutivos, benéficos, que maléficos, no seu universo e trabalha na intensidade das emoções. Tanto na questão da razão como na da emoção, encontra-se motivações sólidas e conteúdo consistente para aprofundamento de estudo. Uma das maiores distrações da humanidade, pelo menos entre os homens, o futebol é menos perigoso que o álcool, menos ilusório que a religião e proporciona um senso de comunidade mais estrito que qualquer partido político. As ilusões da lealdade podem se perder ou o êxtase da vitória pode se provar efêmero, mas, ao início de cada novo campeonato, a esperança eterna que ocupa o coração dos fãs do futebol pulsa novamente. Os políticos abusam dessa fé simples, os homens ricos corrompem-na e os cínicos zombam dela, mas o futebol sobreviveu a tudo isso, tornando-se a maior e mais sólida instituição esportiva do mundo. (MURRAY, 2000, pag. 18). Impressionante é observar quão natural e próprio da raça humana é a predisposição, o impulsionamento que se tem, desde a marca inicial da vida, dos primeiros meses de existência, para, sem ninguém ensinar, soltar o pé em uma bola. Ao primeiro sinal de que começa a andar, a criança já esboça o ato de chutar aquele objeto redondo. Essa inclinação existe em todo o ser que estreia em sua vivência neste planeta. No Brasil, o futebol é uma febre que faz bem. Há mais de cem anos se instalou por aqui e desde então sua representação e significação social veio se acentuando cada vez mais. 1.1 CHEGADA NO BRASIL Conjeturas variadas de manifestação inicial do futebol no Brasil são encontradas. Uma linha de observação relata que já no século XVII, os portugueses, que aqui estavam com o propósito de colonizar essas terras praticavam um esporte que era jogado com uma bola de pano e que possuía semelhança com o futebol. Outra versão levantada é a de que marinheiros
  • 18. 17 europeus, mais precisamente ingleses e franceses, teriam jogado as primeiras “peladas” na América do sul, em 1864, em terras brasileiras. Bailam ainda versões de que marinheiros ingleses teriam desembarcado no Rio de Janeiro e realizado uma “pelada”, rachão, em frente à residência da princesa Isabel, no bairro carioca das Laranjeiras. E que em Itu, no interior paulista, padres haviam ensinado o futebol aos seus alunos entre 1872 e 1873. Duas outras explanações argumentam que Mr. Hugh, responsável pela estrada de ferro São Paulo Railway, teria apresentado o futebol a seus funcionários e estimulado sua prática. E que em colégios confessionais e laicos de São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, a prática futebolística já se aplicava desde a década de 1880. O futebol definido por (BYINGTON, 1982, p.21) como “uma prática social que, como tal, expressa a sociedade brasileira, com todas as suas aspirações mais antigas, seus desejos mais profundos e suas contradições mais camufladas”, tem a versão oficializada de chegada ao Brasil por intermédio da figura de um paulistano, filho de engenheiro escocês e de uma brasileira – filha de ingleses. Seu nome, Charles Miller. Ele que fora mandado pelos pais, aos nove anos de idade, para a Inglaterra a fim de completar os estudos, ao retornar, em 1894, traz em sua bagagem uma série de itens associados ao futebol: uniformes, pares de chuteiras, bolas, uma bomba de ar, um livro de regras, além, da obstinação em desenvolver o esporte por aqui. Charles havia jogado futebol na Inglaterra e mostrava talento como jogador. Logo que chegou teve dificuldades para convencer os seus pares – obviamente àqueles que não tinham ido à Inglaterra - a praticar o esporte bretão. Na sua insistência, conseguiu arrastar alguns colegas para um campo de várzea. Sendo sócio do São Paulo Athletic Club – o primeiro clube esportivo da capital paulista – Charles Miller tentou fazer com que os ingleses do clube jogassem uma partida de football. Praticantes do críquete, os sócios descartaram de imediato. Só no ano seguinte, 1895, o São Paulo Athletic adotou o futebol em seu quadro, tendo Miller como principal destaque. O primeiro jogo de futebol que se aproximou das regras oficiais, por assim dizer, ocorreu em São Paulo, em Abril de 1895. Charles Miller foi o responsável em pôr em campo funcionários da Companhia de Gás (The Team of Gaz Company) e da São Paulo Railway – empresa da qual o seu pai era funcionário, cita (GUTERMAN, 2010). É com ares de esporte estritamente elitista que o futebol se instaura na Paulicéia. Tem aceitação forte entre os abastados, mas, logo é visto e descoberto pelo pessoal do baixo escalão social. Queriam ter o direito de praticá-lo também. Em 1898 é fundada a Associação
  • 19. 18 Atlética Mackenzie College, que em tese vem a ser o primeiro time de futebol composto unicamente por brasileiros. Charles Miller e sua importância para o futebol é notória. Todavia, outro nome que não se pode esquecer é o de, Hans Nobiling. Um alemão que muito contribuiu para a organização e disseminação do futebol por terras paulistas. Estabeleceu-se em São Paulo em 1897 e determinado a difundir a prática do futebol fundou o seu próprio time, o Hans Nobiling Team. Fomentou disputas envolvendo os times de até então, o seu, juntamente com o Mackenzie e o São Paulo Athletic. Fundou outro clube, que tinha o nome de Sport Clube Internacional e, em seguida, mais um, o Sport Clube Germânia. [...] Charles Miller não foi apenas o principal responsável pelo aparecimento do futebol em nosso país. Mais que isso, ele tinha o perfeito domínio das regras do futebol naquela época, apitava jogos, além de ser jogador de extrema habilidade técnica (...). Ao chegar ao Brasil, Charles teve mais um motivo para continuar empolgado e divulgando o futebol: ele encontraria aqui o alemão Hans Nobiling, chegado em 1897, vindo de Hamburgo, onde jogava pelo clube Germânia. Juntos, passaram a organizar competições no campo de Rúgbi do São Paulo Athletic e no velódromo, Seguia-se, a partir desse momento, uma série de jogos que reunia os altos funcionários das empresas inglesas e a elite econômica interessada nesse esporte. (CALDAS, 1990, p. 23). No Rio de Janeiro, é oficialmente Oscar Cox – filho de inglês - quem dá o pontapé inicial na introdução do futebol na cidade. Assim como Nobiling, em São Paulo, Cox foi o homem que teve papel relevante na disseminação do futebol por terras cariocas. Oscar ao retornar da suíça, em 1897, após completar os estudos, extasiado pela febre do futebol na Europa, desembarca com uma ideia fixa. Implantar o inglês “football” entre os cariocas e fazer dele o esporte mais admirado da cidade. O estudante tinha 17 anos. Na capital federal nenhum traço do esporte existia e Cox enfrentou enormes dificuldades. Os campos que haviam eram destinados ao Críquete (esporte parecido com o beisebol). Para Oscar Cox aquele espaço era muito diferente do que havia visto na Europa. E as pessoas sequer vislumbravam o que poderia ser o futebol. ‘Football’? Que vinha a ser aquilo? [...] havia um campo. Sim. O clube brasileiro de Cricket tinha um. A coisa, porém, se complicava quando Oscar Cox, balançando a cabeça, dizia que, fora o verde da grama, não existe semelhança alguma entre o campo de cricket e o campo de football. O campo de cricket sendo oval, o de football sendo retangular. (RODRIGUES FILHO apud MARON FILHO e FEREIRA, 1987, p. 14). Encomendando bolas, que vinham da Europa, Oscar Cox estimula a aproximação dos praticantes do críquete e dos seus pares sociais ao novo esporte. A batalha foi árdua. O campo teria que ser aquele mesmo, destinado ao críquete. Faltavam as traves, as redes e inclusive
  • 20. 19 jogadores. Cox quase desanimara, mas incentivado por seu pai e também pelo avô – o pai havia sido um dos fundadores de um clube de críquete, em Niterói, o Rio Cricket and Athletic Association - continuou a acalentar o seu sonho. Levou três anos para fundar o primeiro time carioca de futebol formado só por brasileiros. Brasileiros esses que haviam também ido a Europa e se encantado com o esporte. O time pertencia ao Rio Cricket. O outro clube de críquete da cidade era o Paysandu Cricket Club. O time de futebol do Rio Cricket comandado por Cox, enfrentou outro formado por sócios do clube, praticantes do críquete e do tênis. O placar de 1 a 1 deixou as pessoas meio perplexas. Que esporte era esse que aceitava uma disputa sem um vencedor? O team dos brasileiros devia enfrentar um team de ingleses. Qual o inglês que não dera um chute em uma bola? E aí – era agosto de 1 – bem de manhã cedo, os tenistas do Rio Cricket and Athletic Association tiveram a atenção despertada por umas balizas colocadas nos extremos do campo de Cricket. Eles perguntavam ainda o que era aquilo quando apareceram os jogadores. [...]. (RODRIGUES FILHO apud MARON FILHO e FEREIRA, 1987, p. 15). Mesmo com desconfianças, a primeira experiência foi proveitosa e duas outras partidas foram realizadas. Porém, para se consolidar de verdade era necessário jogar contra os paulistas já mais adiantados na prática do futebol. Cox fez contato com um amigo que havia estudado e praticado futebol com ele na Europa e que morava em são Paulo. Esse amigo estava inserido no movimento futebolístico em São Paulo. Uma resposta positiva se deu e o time do Rio partiu rumo à capital paulista. A receptividade foi muito boa e as partidas bem jogadas. Foram dois jogos. Dois empates. E um bom número de pessoas foi conferir o embate entre cariocas e paulistas. E a gente só precisava de uma coisa. De disputar um macht em São Paulo [...]. Oscar Cox pegou uma folha de papel, molhou a pena e escreveu a carta. Quero que você me responda com urgência se é preciso levar barra de gol e redes. Temos tanto uma coisa como outra. A resposta veio mais animadora do que se esperava. Não precisamos – escrevia René Vanorden, do Esporte Clube Internacional – de nada. Temos campo. Temos barra de gol. Temos rede. Só faltam vocês para um Rio - São Paulo. (RODRIGUES FILHO apud MARON FILHO e FEREIRA, 1987, p. 16). Em 1902, Cox alça voo mais alto e substancial e funda o aristocrático Fluminense Football Club. Mas, o primeiro time de futebol oficial do Rio de Janeiro foi o Rio Football Club, surgido poucos meses antes do Fluminense. Inicialmente Cox seria o seu fundador, mas por divergências deixou o grupo e outro membro se encarregou de firmar o nascimento do clube.
  • 21. 20 Com a criação formal do seu tão acalentado time, o Fluminense, Cox, sente um quê de missão cumprida. O futebol no Rio de Janeiro começa a se fortalecer e a despertar o entusiasmo nas pessoas. Despertar interesse entre todos, sim. Mas a prática do esporte era restrita a pessoas de bom poder aquisitivo, é bom dizer. Lembrando que os esportes populares eram o Remo e o Turfe. Nessa época, o Rio de Janeiro era tocado pelo anseio de modernização e uma grande estruturação urbana, que visava corrigir as deficiências que possuía, foi implantada. O Rio de Janeiro passava, naquela época, por bruscas reformas urbanas que modificavam a disposição geográfica da maior população brasileira da época. De acordo com Mattos (1997) os clubes também fizeram parte desse esforço modernizador e cosmopolita que contagiou o rio na virada do século. A autora recorreu a Needel (1993), que, em seu estudo sobre belle époque, relacionou a criação dos clubes ao desejo de estabelecimento de um convivo social da elite, (DAOLIO, 1997, p.22). Na elite e não no seio da camada mais humilde, o futebol tem o seu desenvolvimento inicial no Brasil. Era amador e nisso residia um traço que era defendido por quem o praticava, o Fair Play. Jogar limpo era necessário. Na arquibancada, o torcedor também deveria se comportar. O futebol serviria como meio de despertar os modos mais refinados, os bons princípios para formar uma classe que serviria de modelo para todo o país. A elite se dedicaria a utilizar aquele esporte para incutir a ideia de que era fundamental prezar pelas boas maneiras para se atingir uma pretensa “civilização”. Esporte de bacharéis num pais caracterizado por gigantesca desigualdade social, esporte de brancos em uma sociedade com marcas ainda expostas do escravismo, esporte associado a ícones do progresso e da industrialização numa economia ainda essencialmente agrária, o futebol tornou-se desde o inicio um dos ingredientes mais importantes dos debates acerca da modernização do Brasil e da construção da identidade nacional. (FRANCO JÚNIOR, 2007, p. 61). Um ponto era bem demarcado. O futebol deveria ser praticado por pessoas de igual condição social e racial. Só pessoas de “boa família” seriam capazes de ter uma conduta adequada, de portar-se com educação. Esse era o pensamento dominante. Sendo assim, só àqueles de famílias abastadas, tradicionais e, aos “brancos”, deveria ser permitida a prática do esporte. Só foi esquecido que era da natural predisposição da figura humana o alcance das vitórias. Não era fácil aceitar derrotas. As partidas foram ficando acirradas e a paixão pelos clubes se aflorando. A elite começou a deixar o fair play de lado. Vez ou outra, as partidas não terminavam bem. Com a inserção “forçosa” dos clubes de menor expressão, notou-se um
  • 22. 21 tratamento diferenciado proporcionado, principalmente, pela imprensa da época, que criticava quando jogadores e torcida de times sem tradição e suburbanos se envolviam em confusões. Cobrando medidas para restringir a participação destes nos eventos de futebol, assim se comportavam. Já quando o ato reprovável partia de um jogador de um time tradicional, um time “grande”, a atitude era outra. A imprensa argumentava que havia sido um relapso, um destempero normal. O tratamento dado aos times da zona sul era bem diferente ao direcionado aos times suburbanos. É isso é o que se deduz da leitura de (PEREIRA, 2000). A grande massa já envolvida pela paixão do esporte, mesmo com a postura excludente desempenhada pelos organizadores, mesmo com o não permitir aos menos favorecidos ter acesso ao esporte, queria estar perto do futebol. Espiavam por entre os muros e do alto de morros as partidas jogadas pelos de boa condição financeira. Tocados pelo encanto e atratividade que o futebol proporcionara, passaram a, em larga escala, correr atrás de uma bola, fosse ela feita de meia, ou de outra composição, em terrenos baldios, nas ruas e praças. Conta (PEREIRA, 2000) que nos primeiros anos do século XX, a capoeira, que era associada aos negros e tida como prática repugnada pelas “famílias da sociedade”, que viam nela um grande “mal” para a cidade, foi discriminada, atacada e repreendida pelas autoridades. Como alternativa para “controlar” as festas que eram as rodas de capoeira, que reunia a camada da população mais pobre pelas ruas, o jogar futebol, entre os menos privilegiados socialmente passou a ser permitido – tendo claros interesses de controle. Ligas suburbanas de futebol começam a surgir. O esporte toma conta dos subúrbios proletários. No que toca à questão da classe operária, um fato que obteve destaque proeminente e serve como síntese para o início da democratização do futebol no Brasil foi a criação de um time por diretores da inglesa, “Companhia Progresso Industrial”, uma fábrica de tecidos, que permitiu ao operariado o acesso à prática do futebol. Esse time é o Bangu Athletic Club. Para a democratização do futebol foi de extraordinário significado a fundação do The Bangu Athletic Club no ano de 1904. Bangu, um subúrbio do Rio de Janeiro, é a sede de uma grande fábrica de tecidos, que mandou vir da Inglaterra os técnicos de que precisava. Os ingleses fundaram o clube com o consentimento da direção da fábrica, que lhes pôs à disposição também um campo situado próximo. Em virtude da distância do subúrbio, entretanto, não foi possível aos ingleses constituírem equipes fechadas chamando os seus compatriotas da cidade. Viram-se obrigados a recorrer aos operários da fábrica, estimulados pela direção esclarecida, que provavelmente soubera que os fabricantes de tecidos ingleses na Rússia fomentavam o futebol entre os turnos para animar sua disposição ao trabalho. (ROSENFELD, 1993, p. 82). Pela facilidade em praticá-lo, o futebol consegue adesão maciça dos pobres, alavancase entre todas as classes sociais. Rompe fronteiras conceituais e começa a cutucar o
  • 23. 22 preconceito. Especialmente, o racial. Mesmo contra a vontade das elites, o interesse pelo futebol jogado em alto estilo pelo negro começa a se fazer presente. Os clubes vão se curvando a este fato e passam a eleger seus atletas pelo talento, fazendo vista grossa para a cor da pele. Ou, maquiando de certo modo, esse traço racial. Podia-se tentar camuflar aquela condição. Friedenreich foi exemplo disso. Sendo o primeiro grande fenômeno negro do futebol brasileiro. Ele foi o autor do gol que deu o primeiro título internacional ao futebol brasileiro, no Sul-Americano de 1919, ocorrido no Rio de Janeiro - cinco anos após a realização da primeira partida do selecionado brasileiro. A euforia era imensa. O Brasil conseguira “bater” Argentina, Uruguai e Chile – que costumavam levar vantagem nos confrontos, principalmente, a Argentina e o Uruguai – e o Rio de Janeiro conseguira realizar uma grande competição esportiva transformando o evento em acontecimento social de imenso destaque. Nascido em 1892 no bairro da Luz, em São Paulo, Friedenreich, sintetizava bem a mestiçagem que é um traço de povo brasileiro. Filho de um comerciante alemão e de uma brasileira, lavadeira e negra, o mulato de olhos verdes possibilitou a abertura, ainda tímida, inclusive, nos jornais, de espaço para se falar sobre o negro. Involuntariamente tinha um hábito que parecia denunciar algo. “Fried procurava ele mesmo esconder como pôde sua condição de mulato, alisando vigorosamente o cabelo antes de entrar em campo” (GUTERMAN, 2010, p. 44). Outro fato racial que se tornou cheio de simbolismos aconteceu em um dos clubes mais tradicionais do Brasil, o Fluminense. Para entrar em campo, um jogador de pele mais escura do clube – contratado junto ao América, em 1914 - chamado, Carlos Alberto, fazia uma sessão de maquiagem para não denunciar sua condição racial. “(...) Carlos Alberto, entrou para a antologia do futebol pelo inusitado: mulato, ele passava pó de arroz no rosto para disfarçar a raça quando jogava pelo Fluminense” (GUTERMAN, 2010, p.44). Desde então, as torcidas adversárias passaram a se referir assim ao clube das Laranjeiras, “pó de arroz”. Com a “indesejada” abertura do futebol elitista ao negro – e por associação ao pobre rompimentos, rupturas se estabeleceram e criações de ligas, de campeonatos que abarcavam clubes ideologicamente diferentes, foram recorrentes. (PEREIRA, 2000) destaca que o futebol já havia se enraizado definitivamente na nossa cultura e se tornado a grande paixão do brasileiro. No Rio de Janeiro, o remo ainda tinha a sua força, mas o futebol já possuía o seu brilho próprio. Depois do surgimento do Vasco da Gama na divisão de elite do futebol carioca, não dava mais para negar a chegada definitiva do negro, do pobre e do trabalhador
  • 24. 23 comum, ao futebol. A aceitação do negro e o “amadorismo marrom”, assuntos estes, ligados ao Vasco da Gama, serão comentados mais adiante. Deve-se considerar o pensamento predominante da sociedade que pregava ser o branco uma raça “pura” e que a mestiçagem que ocorria no Brasil fazia mal e acentuava aspectos depreciativos. O futebol conseguiu servir como meio para a propagação e fortalecimento do contrário. A mestiçagem era nossa marca positiva e dela não poderíamos fugir. Ainda sendo amador, o futebol deixava transparecer uma ponta do profissionalismo. Este aspecto era alimentado pelos patronos dos clubes. Uma das práticas à qual muito se faz referência era o pagamento do “bicho”- um animal de valor que era dado a um atleta ou, mais comumente, rateado entre os atletas. O caminho para a profissionalização estava sendo traçado, era inevitável. O profissionalismo de certa forma demorou a vingar por aqui. Foi no momento em que o Brasil começou a perder jogadores – contratados e remunerados por times de outros países – que ele se estabeleceu de vez. Isto, na segunda metade da década de 1930. O futebol também foi parte importante no fortalecimento da autoestima e da autoafirmação dos imigrantes que para o Brasil vieram se estabelecer. Destacadamente, para os alemães e italianos - em decorrência da primeira e da segunda guerra mundial. E para os portugueses, que eram vistos por aqui com maus olhos e repugnância, em razão da colonização, domínio e exploração das terras brasileiras. Considerável parcela da sociedade tinha certo entrevero e picuinha na relação com os portugueses. Essa antipatia era bem percebida. Através do futebol, os imigrantes conquistaram respeito e melhor perspectiva passou a se apresentar para eles. A união, solidariedade, homogeneidade sentimental - de dirigentes, sócios, jogadores, torcedores - a partir dos seus traços nacionalistas, fortaleceu os imigrantes que, apesar dos pesares, acreditavam ser aqui um lugar bom pra se viver. Começaram a surgir clubes formados por gente nascida em outros países. São exemplos desse processo: o Palestra Itália, em São Paulo e em Minas Gerais – originário de Palmeiras e Cruzeiro, respectivamente. Também, o Juventude, em Caxias do Sul, no Rio Grande do Sul. Todos oriundos da colônia italiana. A colônia alemã fundaria o Coritiba, em Curitiba, no Paraná; o Grêmio, em Porto Alegre, e o Germânia, em São Paulo. Os portugueses, Vasco da Gama e Lusitânia – no Rio -, e Portuguesa de Desportos, em São Paulo. O Galícia, em Salvador, na Bahia, seria fundado por espanhóis. Esses exemplos são de clubes que obtiveram sucesso no futebol, ao passo que, outros, sem destaque no futebol, mas fortes como clubes sociais propriamente, como, o Esporte
  • 25. 24 Clube Sírio, o Monte Líbano, de imigrantes árabes, e, posteriormente, a Hebraica, já nos anos 1950, fundado por Judeus, referendam essa constatação. Impossível não pensar no futebol como fenômeno social, cultural, que ajudou o Brasil a encontrar a sua identidade nacional. Deve-se gratidão ao futebol, por exemplo, pelo fato de ter possibilitado, vencendo a resistência da classe dominante, mostrar, escancarar uma realidade que é própria do Brasil. O Brasileiro é um povo mestiço, fruto da mistura de raças, um povo formado da fusão de negros, mulatos, indígenas e europeus e por isso tão especial. E também por ter contribuído para fazer o brasileiro se sentir especial diante do mundo a partir das conquistas mundiais da seleção. Foi por intermédio do futebol que o brasileiro rasgou, pisou em cima, se libertou do seu “complexo de vira-latas”, criação de Nelson Rodrigues, que via no povo brasileiro uma tendência a se colocar como menor, inferior diante do mundo. Um estádio de futebol é mais do que um simples espaço onde 22 homens correm de um lado para o outro. É o lugar onde, da arquibancada, uma massa heterogênea se torna coesa e irradia vibração. É no estádio de futebol que o torcedor se manifesta na sua mais surpreendente condição humana. É laboratório, divã, palco e consultório da alma de um povo que tem nele, o futebol, o seu santo remédio libertador e que ameniza suas agruras diárias. O futebol tem a capacidade de exacerbar certas condições psicológicas. Uma derrota pode ferir o ego. Pode mexer com o nacionalismo. Ele é imperfeito – os resultados improváveis se estabelecem com certa frequência. O melhor, nem sempre vence. A lógica, vez ou outra, se esconde e talvez, por isso, pela imprevisibilidade, o futebol seja esse elemento fascinante, encantador, cheio de significações psicológicas que levam o torcedor a uma “loucura saudável”. O torcedor é magia. 1.2 O TORCEDOR Sendo um indivíduo que acredita, pela sua inserção na coletividade, ser possível desvirtuar o significado, mudar o rumo, dar vida ao improvável e fazer emergir do seu torcer apaixonado uma energia que “contamina” positivamente o futebol, retransformando a realidade, nessa configuração curiosa, o torcedor salta para uma plataforma de destaque. Torcer é ter a capacidade de alterar a partida que se tem diante dos olhos. O adepto de um time, o torcedor pra valer, crê que pela sua fé e pelo seu estímulo, amplificados e incorporados pela massa, podem colaborar para que seus ídolos absorvam energia, envolvamse de elementos da divindade, abrindo as portas para a vitória.
  • 26. 25 Quando o pensamento individual se infiltra e ganha na adesão de um grupo, de uma massa, energia própria e vai se propagando, seus efeitos geralmente são percebidos. Na simbiose de torcida e jogador, por inúmeras vezes, foi detectada a alteração de uma jogada, de um lance, de uma partida, em razão dessa energia desencadeada. Fazer parte da multidão e perder o controle de nossas emoções e de nosso comportamento, pelo contrário, é aquilo contra o que somos advertidos desde a infância. Em consequência disso, muitos de nós esqueceram (ou jamais souberam) como pode ser prazeroso fazer parte da multidão. [...] As multidões anseiam pelo momento em que sua energia se conecta à dos jogadores e faz a energia deles aumentar. Porque naquele momento, a separação entre a torcida e os jogadores parece desaparecer. Essa comunhão, longe de ser puramente espiritual, pode constituir uma realidade física. Pode ter até uma base biológica bem concreta, nos recentemente descobertos neurônios-espelho, que atuam no córtex pré-motor. Os neurônios-espelho são ativados não apenas quando a pessoa executa uma ação, mas também quando vê alguém a executando. (GUMBRECHT, 2007, p. 150-151-152). Torcida e jogador é algo indissociável. Estão a comungar. Essa parece ser a intenção que se compactua no ato de torcer. Existe na relação torcedor-time-jogador carga de gratidão, nem tanto perceptível assim, em um primeiro momento, mas nítida, ao analisar mais cuidadoso. Essa gratidão não tem uma razão lógica de ser, mas está presente nas entrelinhas do futebol. “[...] de uma longa carreira assistindo a esportes, o que eu ‘ganhei’ foi um forte, embora não muito bem definido, sentimento de gratidão para com os atletas que me proporcionaram momentos de intensidade tão especial”. (GUMBRECHT, 2007, p. 161). Protagonistas do espetáculo do futebol, cada um do seu jeito, jogador e torcida estão juntos e se complementam. Difícil imaginar só uma coisa, ou outra. Os dois querem se mostrar, mutuamente, para afirmar suas forças e sentir o gosto da glória. Nessa relação, involuntariamente, passam a desenvolver uma funcionalidade orgânica, cerebral, psicológica, que merece análise. O verbo “torcer” significa virar, dobrar, encaracolar, entortar etc. O substantivo “torcedor” designa, portanto, a condição daquele que, fazendo figa por um time, torce quase todos os membros, na apaixonada esperança de sua vitória. Com isso reproduz-se muito plasticamente a participação do espectador que ‘co-atua’ motoramente, de forma intensa, como se pudesse contribuir, com sua conduta aflita, para o sucesso de sua equipe, o que ele, enquanto ‘torcida’, como massa de fanáticos que berram, realmente faz. (ROSENFELD, 1993, p. 82). A partir do desenvolvimento, expansão e consolidação do futebol na sociedade brasileira, a torcida foi se tornando mais ativa, passando a ter reconhecimento, e influenciando no rumo dos clubes. A prática de incentivar o time de coração se torna algo sólido e começa a
  • 27. 26 se organizar. Surge então o torcer mais elaborado. Cânticos, instrumentos musicais, uniformes, utilização de fogos, bandeiras, são introduzidos nos estádios. Sim, porque no início se torcia de maneira pudica, comedida. O futebol como sinônimo de esporte da elite precisava pautar o torcer de forma comportada e refinada como se o sujeito estivesse em uma ópera ou coisa assim. A vestimenta dos torcedores era a de trajes finos e elegantes. Não se admitia nenhum grito de incentivo a não ser no máximo um “Aleguá”- significava algo tipo, avante! - ou um “Hip Hip Hurrah!”, seguido do nome do time – cumprimento entusiasmado do torcedor de um clube. E mesmo assim, antes do início das partidas. Esse era o torcedor. As mulheres e seus vestidos e chapéus de imenso glamour. As fitinhas no chapéu – com as cores do time – que as mulheres torcedoras do Fluminense torciam revelando o nervosismo e o encantamento àquele que foi o primeiro goleiro da seleção e arqueiro tricolor, Marcos Carneiro de Mendonça. Notabilizado pela beleza física, por seu jeito pomposo e elegante de se vestir – usava uniforme todo branco e uma fita roxa como cinto - e pelo seu talento em realizar defesas incríveis. Curiosa é a informação trazida por (FRANCO JÚNIOR, 2007, p. 292) de que o uso da palavra “torcer”, inserida na esfera futebolística, segundo conta-se, “[...] vem do hábito de moças simpatizantes do Fluminense contorcer durante as partidas pequenas fitas roxas, semelhantes às usadas, na cintura, pelo goleiro do clube no período de 1914-1922, Marcos Carneiro de Mendonça”. O goleiro, ou, na época, chamado de goalkeeper, foi um estudioso da profissão. Desenvolveu apurado senso de colocação que dificultava o sucesso dos atacantes. Aristocrata, foi defensor ferrenho do futebol amador. Contribuiu também como historiador para o acervo histórico do futebol ao recortar de jornais e revistas tudo o que saía sobre a sua presença em campo nas partidas de futebol. Parte da história do futebol carioca e da seleção brasileira, do período compreendido, entre 1913 e o final da década de 1920, foi guardada, preservada através desses recortes que formataram o “Álbum”, ou “Grande caderno pardo” de Marcos Carneiro de Mendonça. Destacada fonte de estudos sobre o futebol carioca do início do século XX. O torcer, silencioso, passivo, vai com o tempo ficando pelo caminho. Era impossível torcer calado. Sobre essa maneira elaborada de torcer, barulhenta, ativa, colorida, festeira, se descreverá, mais a frente, através da figura de um torcedor que foi referência, o criador da primeira torcida organizada do Brasil. Esse torcer mais intenso, põe em evidência as alterações orgânicas que ocorrem tanto no torcedor, na sua apropriação ativa de torcer, quanto
  • 28. 27 no jogador posto em performance passiva de recebimento do incentivo. Ambos são tomados pela adrenalina gerada pelo corpo. O fluxo sanguíneo aumenta, o funcionamento orgânico se altera. Estar em uma arquibancada torcendo por seu time de coração desencadeia uma série de reações, movidas pela paixão, que se aproximam de alguma coisa, tipo, colocar o pé em outras dimensões. “Quando se considera a imensa carga de sentimentos que se irradia da torcida para os times, entende-se que eles busquem abrigo em esferas sobrenaturais, para se certificarem da estimulação benévola [...]”. (ROSENFELD, 1993, p.103). Poucas coisas nessa vida têm uma representação tão forte quanto o futebol para o torcedor. Ele, o torcedor, acredita que as vitórias no campo descerram uma atmosfera de vitória e de realização pessoal, por poder se sentir fazendo parte de um clube que possui sua representação, seja na rua, no bairro, na cidade, no estado, no país. Descreve Daolio: O que parece é que o torcedor vai ao jogo buscando, muitas vezes, a alegria, a realização ou o sucesso que não conseguiu ter naquele dia ou nos últimos tempos em sua vida. O seu time, assim, pode representar uma parte da vida que dá certo. Como parte do clube, o torcedor tem a ideia de que “meu clube é rico”, “meu clube é vencedor”, “os dirigentes do meu clube são poderosos e eu, torcedor, participo disso”, “participo porque me identifiquei, sou parte, membro, presença”... O clube acaba mediando uma relação desse indivíduo com o sucesso, com a lembrança, com a família, com a sua origem. (DAOLIO, 1997, p.26). Outro aspecto que se observa no ofício do torcedor é a sua “simpatia”, “satisfação”, pelas vitórias difíceis. Aquele jogo no qual o seu time passou sufoco, sofreu para vencer, reagiu no final, ganha um contorno elevado e deixa para esse torcedor uma sensação mais aguçada de superação. “[...] O sentimento de sacrifício está presente no torcer. A vitória suada, o gol no final do jogo, a partida difícil, a briga na arquibancada, a derrota inesperada, etc., trazem uma marca definitiva do fato que se aloja de vez na memória do torcedor”. (DAOLIO, 1997, p.28). O “sentir-se” pertencente a um grupo, a uma instituição, a uma comunidade, torna-se especial também por inferir para aqueles que se agregam, ser isso, uma ligação ao passado, aos costumes e ritos interiorizados e marcados na história de uma dada organização. É o dar continuidade a algo plantado lá atrás e que não pode morrer. É isso o que nos diz Morin. A identidade individual e coletiva afirma-se, não na dependência imediata de cada grupo, como na sociedade primática, mas sim pelo e no conjunto dos fios noológicos que ligam o indivíduo a seu parentesco real e mítico e que dão à cultura sua identidade singular. O nome liga a identidade individual a uma filiação sociocultural: estabelece, ao mesmo tempo, a diferença e a dependência: quando diz “filho de”, tem-se em mente não apenas os genitores, mas também os antepassados, a descendência social. O mito alimenta a recordação, o culto e a presença do
  • 29. 28 antepassado, mantendo-se por isso mesmo, a identidade coletivo-individual. Este tema do antepassado, das origens e da genealogia retorna sempre, obsessivo, nos símbolos, nas tatuagens, nos emblemas, nos adornos, nos ritos, nas cerimônias e nas festas. (MORIN, 1979, p.169). Torcedor, elemento ímpar na atmosfera do futebol. Esse sujeito que tem o afã de acompanhar, impreterivelmente, o seu time, de se sentir como parte da equipe, se doando de corpo e alma na sua função de torcedor. Que pelo seu clube é capaz de esquecer até mesmo o maior dos problemas, de se sobrepor à limitação, seja ela, financeira, física ou de outra ordem qualquer e se fortalecer por intermédio do sagrado, para ele, exercício do torcer. Ele é com toda certeza um grande objeto de estudo. E como seria o futebol sem essas figuras devotadas que encarnam o espírito do amadorismo e o levam até as últimas consequências? Acho que não teria a mesma graça sem eles, que têm suas vidas e problemas, mas que deixam tudo de lado e revelam um amor sem medir esforços, desprovido de preocupações políticas ou financeiras. Pessoas que são a pura paixão por um clube. (ZICO apud MATTOS, 2007, orelha). Na batida apertada do coração dessa massa de brasileiros, esses torcedores, fidedignos, que são, têm suas vidas “verticalizadas” no sentido de serem arrastados pela inebriante experiência do torcer por seu time de coração e, em estágio mais homogêneo, pela seleção, para planos de percepção do mais puro contentamento. São indivíduos que frequentemente são tomados pela confiança em vitórias, êxitos, em uma melhor condição psicossocial em suas vidas, desencadeada pelo sucesso do seu time dentro das quatro linhas. A representação de uma vitória é frondosa para o melhoramento de quesitos da vida desse sujeito. O que ele sente transcende uma compreensão simplória. No feitiço do espetáculo da arquibancada, que “prende” o torcedor ali e, em regra geral, o coloca em uma fecunda alegria e que faz pasmar aquele que nunca se permitiu fazer parte da massa ululante, conjunturas analíticas emotivas são tocantes. Ela nunca tinha pisado no solo sagrado do Maracanã. Estreou num dia de Fla-Flu. Decisão do título carioca de 1995, aquele, do gol de barriga de Renato Gaúcho de barriga. Ela nem viu, na verdade. Porque o que acontecia no gramado não tinha a menor importância. Ela estava extasiada com o espetáculo das arquibancadas. Foi a primeira vez em que vi o que significava, literalmente, alguém ficar boquiaberto. Ficou ao sair do elevador e entrar no corredor para a área das tribunas, ainda antes da borboleta. Como eu sabia que alguma reação haveria, adiantei-me para poder voltar e vê-la de frente. Boquiaberta. Quando se deparou com a multidão, com as cores, com a cantoria ficou paralisada. E boquiaberta. De queixo caído, Vá lá. Ela existe mesmo, se chama Leda e é minha mulher. Poucas vezes antes eu atinha visto daquele jeito, talvez diante da Guernica ou da Pietá. E foi dessas reações absolutamente naturais que dão a dimensão do que é o torcedor, do que é um FlaFlu, do que é o Maracanã lotado. Interpretei, também, como uma homenagem ao
  • 30. 29 meu ofício ou, ao menos, mais uma ficha que caía para compreender o tamanho da paixão. (KFOURI, apud, MATTOS, 2007, contracapa). Tendo esse papel tão marcante no universo do esporte e, especificamente no do futebol, o torcedor não pode ser desprezado. Sua simbologia merece ser levada em conta. Delimita-se essa pesquisa, direcionando luz mais forte, sobre uma torcida em questão. Dita, observada, apresentada, indicada, aferida, por todas as empresas de pesquisa de opinião, como a maior torcida do Brasil. O torcedor do Clube de Regatas do Flamengo vem a ser o recorte. Em algumas pesquisas, a sua torcida chega até mesmo a ser mencionada como a maior do mundo. Conhecendo a história do clube é que se tem condição de encontrar respostas para elucidar a constatação da força, magnitude e, em especial, das razões que proporcionaram o crescimento contínuo de seus seguidores.
  • 31. 30 2 O CLUBE DE REGATAS DO FLAMENGO E SUA TORCIDA Para se chegar a um raciocínio acerca das motivações que determinaram a dimensão e a representatividade do Flamengo e, consequentemente, de sua torcida no cenário esportivo e social é indispensável e tarefa obrigatória uma análise de parte da história do Brasil e do Rio de Janeiro. Vasculhar fatos escancarados, ou aqueles mais sutis, revirá-los, buscando uma nova ótica, é salutar para encontrar fragmentos que nos façam perceber relações que serviram de influência, referência, para o surgimento do clube, para a construção de sua identidade constituída e vieram a determinar a consolidação do clube e de sua torcida no gosto popular. A história do clube, passa pela torcida, ou melhor, tem o ponto central nela. São indissociáveis um do outro. Ao se falar sobre o centenário clube da Gávea, (118 anos), o que logo vem à mente, é o termo: torcida. Até mesmo fora do Brasil, até para os que não são próximos do futebol, quando se toca no nome do Flamengo, a qualificação que logo brota vem a ser, no mínimo esta, uma torcida diferente. O torcedor rubro-negro tem tanto orgulho de si, de seu jeito de ser, que costuma dizer que no seu caso existe, primeiramente, uma torcida e depois um time, escancarando com isso toda sua soberba. É de entendimento comum que uma agremiação, uma instituição, um clube, torna-se grande, um ícone – no quantitativo e no qualitativo – a partir de ações de significada relevância no meio ao qual está instalado e, que vêm essas ações, a recrudescer sua imagem e sua importância como agente e, no caso, entidade social. Em se tratando de clube esportivo então, o terreno que o sustenta é composto por uma camada de paixão. E se neste clube esportivo houver espaço para o futebol, o seu traçado histórico irá se estender tendo como teor a paixão em doses cavalares. Um clube surgido no Rio de Janeiro, bairro do Flamengo, de onde herdou o seu nome. Clube que era, originariamente, um grupo e que ganhou espaço, cresceu e se tornou um colossal agregador social. Nascido de uma provocação, por assim dizer. De um sentimento de desonra, surgido da afronta dos jovens do bairro vizinho de Botafogo aos que freqüentavam a faixa de areia da orla do Flamengo. Aqueles jovens do bairro de Botafogo, já possuidor de um clube de remo, fundado em 1894, e que iam diariamente à praia do Flamengo paquerar as moças de lá, motivaram em parte o surgimento do grupo do Flamengo. Esses remadores botafoguenses chegavam a deixar sua embarcação exposta na praia e se tornavam assim, uma grande atração. As mulheres da praia do Flamengo suspiravam.
  • 32. 31 A partir desse incômodo, afloraria o desejo natural dos jovens da praia do Flamengo se impor, de se afirmarem. É então que um grupo de jovens de classe média do bairro decide partir para o ataque. Revidariam de modo inteligente com uma grande criação. Um clube de remo. Na verdade este fato serviu de pretexto definitivo para os rapazes criarem o grupo de remo do Flamengo. Já eram apaixonados pelo esporte marítimo. O remo era o esporte em voga. O primeiro esporte no Brasil a atrair multidões. O esporte popular. Com relação ao esporte, nesse final do século XIX, o remo era o mais popular do Rio. A Federação Brasileira das Sociedades de remo e os próprios clubes promoviam disputadíssimas regatas na enseada de Botafogo. Para as autoridades e convidados vip, eram montados pavilhões e arquibancadas de madeira. Mas o povo queria ver também. Nas manhãs de domingo, durante as regatas, as avenidas à beira mar eram tomadas pela multidão de curiosos. (...) não havia o termo ‘torcida’, embora os espectadores já se manifestassem a favor de um ou de outro competidor. Os jornais referiam-se ao público como assistência, multidão, plateia. Os homens andavam de terno, gravata e chapéu. Parece que o mundo todo tinha e usava terno, gravata e chapéu. As mulheres também não queriam perder as regatas. Os atletas eram bonitões. As moças se enfeitavam com a melhor roupa, escolhiam o chapéu mais elegante e assistiam eufóricas ao duelo de titãs, travado no braço em pleno mar, entre os atletas do remo. Algumas chegavam a desmaiar de tanta emoção. Os remadores eram como vikings, numa mitológica jornada. (CRUZ e AQUINO, 2007, p. 15). Final do século XIX, 1895. Rio de Janeiro, a capital federal. 700 mil habitantes, aproximadamente. Todos os olhos se voltavam para lá. Era o grande centro do país. Tudo o que acontecia na cidade era copiado. A cidade maravilhosa, sempre irradiadora de tendências, se via envolvida ainda pela atmosfera da proclamação da república, ocorrida seis anos antes. Crescia vertiginosamente – recebia gente de todas as partes do Brasil e do mundo - e convivia com problemas de urbanização e de saúde pública: epidemias de cólera, varíola e febre amarela eram comuns. Concentrava a maior parte da população em poucos bairros. As regiões do centro da cidade, da Praça Mauá, de Santa Tereza, da Lapa, e das praias de Botafogo e do Flamengo, eram o polo habitacional. A chamada Zona Sul era uma faixa de terra perdida. Copacabana, Leblon, Ipanema e adjacências eram lugares praticamente inabitados e que não possuíam o menor valor comercial. No subúrbio, o mesmo acontecia. Pela topografia da cidade e pela não fiscalização do poder público, habitações em morros, essa prática, já era uma realidade. Nestor de Barros, José Agostinho Pereira da Cunha e Mario Espíndola eram grandes amigos. Inseparáveis. Tiveram como paixão, primeiramente, o turfe – outro esporte em evidência na época. Contudo, quando descobriram o remo, o amor foi imediato e largo. Em uma noite de Setembro de 1895, os três, mais Augusto Lopes da Silveira, aprovaram a ideia de fundar um clube de remo que traria pompas ao bairro do Flamengo. Também se livrariam
  • 33. 32 do aluguel do barco, todo domingo, para exercitar o corpo na Baía de Guanabara. Teriam o seu próprio barco. Poderiam assim, ainda, dar o troco nos remadores de Botafogo. Iriam atrair atenção para eles e proteger as garotas do assédio botafoguense. No princípio, haviam até pensado em conter as investidas dos remadores do clube de Botafogo, apelando para a briga – uns bons bofetões dariam jeito – mas, sendo Nestor e seus amigos, estudantes civilizados e de boa família, a ideia foi logo abortada. Ter um barco e disputar em pé de igualdade com os remadores de Botafogo era a melhor opção. Durante a semana, esses três rapazes do bairro do Flamengo estudavam e trabalhavam. Nos domingos, o dia era quase que inteiro junto ao mar. A pausa se dava apenas para a ida a missa, na Matriz da Glória e para o almoço. À noite todos se encontravam no Restaurante Lamas – ponto de artistas, intelectuais e estudantes - reduto inicial rubro-negro, situado no Largo do Machado, a uns três quarteirões da praia do Flamengo. Bem ao lado do Lamas, ficava a estação de bondes. Após reuniões e corriqueiras conversas na caminhada que faziam diariamente até o Largo do Machado, cruzando ruas e residências, iluminadas ainda por grandes lampiões a gás e a óleo de baleia, a decisão foi sacramentada. Faltava só o dinheiro para comprar o barco. Conseguiram juntar certo valor e ao preço de 400 mil réis, cotizados por Mário Espíndola, Felisberto Laport, Nestor de Barros, José Félix da Cunha Menezes, Augusto Lopes e José Agostinho Pereira da Cunha, adquiriram a primeira embarcação chamada, “Pherusa”. Logo depois, viria a “Scyra”. O barco era de segunda mão, explica (RODRIGUES FILHO, 1966). Outra particularidade da cidade nesta época que trouxe surpresa positiva para a população foi a contemplação do Rio de Janeiro, em 1892, com uma inovação no transporte coletivo. A população ainda acostumada ao transporte público sendo feito por bondes, em alguns casos, a vapor, no entanto, em sua maioria, puxados por burros e cavalos, ganha a primeira linha eletrificada de bonde. Estabelecida no bairro do Flamengo – foi a primeira do Brasil e da América do Sul. Essa novidade aproximava ainda mais o carioca do esporte que fascinava a todos, o remo. Na tarde de 17 de Novembro de 1895, surge então o Grupo de Regatas do Flamengo só em 1902 haveria a troca da designação de grupo para clube. Pelo fato de o clima da República ser o que se respirava, de ser a novidade, a nova condição do país – e por ser feriado, propício para comemorações – seus fundadores decidiram antecipar em dois dias a fundação, passando a ser oficialmente o dia 15 de Novembro. Constam 18 nomes como sendo os fundadores: Nestor de Barros, Mário Espíndola, José Agostinho Pereira da Cunha, Napoleão Coelho de Oliveira, Francisco Lucci Collás, José
  • 34. 33 Maria Leitão da Cunha, Carlos Sardinha, Eduardo Sardinha, Desidério Guimarães, George Leuzinger, Felisberto Laport, Maurício Rodrigues Pereira, Emídio José Barbosa, José Félix da Cunha Menezes, Augusto Lopes da Silveira, João de Almeida Lustosa, José Augusto Chaleo e Domingos Marques de Azevedo (o primeiro presidente). Escolheram as cores do uniforme. Azul e ouro – representando, respectivamente, o azul celeste, a cor da Guanabara, e nossas riquezas minerais. Um ano depois mudariam para as cores definitivas, o vermelho e o preto. Era um domingo, e no número 22 da praia do Flamengo - um casarão que possuía no mesmo terreno uma extensão com vários cômodos, casarão este, que era moradia de um dos fundadores, Nestor de Barros, - foi registrada a ata inicial de fundação. Aqueles jovens estudantes que tinham um senso proeminente de inquietação, de perseverança e de contorno revolucionário, ao remo, passariam a se dedicar e por ele, dariam suas vidas. Em 06 de outubro - antes da fundação, portanto - ocorre um fato que contribuiu para a incorporação desse aspecto, dessa característica, ligada até hoje à identidade do clube, a superação. Seria este acontecimento, o primeiro, de inúmeros, que despertaria nas pessoas a admiração pelo Flamengo. Os rapazes, Nestor de Barros, José Félix, José Agostinho, Mário Espíndola, Felisberto Laport, Maurício Rodrigues Pereira e Joaquim Bahia, escolhidos para pegar a baleeira, Pherusa - que havia sido restaurada na praia de Maria Angu, hoje, praia de Ramos - durante a travessia de retorno até a praia do Flamengo, viram a morte bem de perto. Estando o tempo climático desfavorável, com ventos fortes que prenunciavam uma tempestade, os rapazes desprezaram as nuvens escuras que se formavam no céu e ao mar se lançaram. O barco acabou virando e eles como náufragos resistiram bravamente ao infortúnio. (CASTRO, 2001) relata com detalhes. A pherusa podia ser uma beleza, mas era de segunda ou terceira mão, já passara por mar brabo e precisava de reparos. Eles a levaram de bonde a um armador da praia de Maria Angu, na zona norte, que a reformou por dentro e por fora. Dias depois, na tarde de um domingo [...], sete dos rapazes foram buscá-la [...], jogaram-se ao mar, na ponta do caju, içaram a vela e embarcaram, eufóricos, para a travessia que deveria terminar na praia do Flamengo, em frente ao 22. Mas aquela travessia nunca se completou. Pelo menos, não a bordo da pherusa. De repente, quando eles já estavam, longe da costa, na altura da ilha do bom Jesus, o tempo virou: nuvens carregadas cobriram o azul [...], raios e trovões sacudiram o céu, e a chuva caiu com violência. O vento noroeste arrancou a vela, as ondas fustigaram o barco e começaram a abrir buracos no casco [...], viraram a baleeira de quilha para cima e se agarraram a ela. Um deles, Joaquim Bahia, o melhor nadador do grupo, decidiu nadar até a praia em busca de socorro [...], pelas três horas seguintes, os outros rapazes, agarrados a pherusa, gritaram “socorro” [...], noite fechada, quando a morte parecia inevitável e eles já faziam suas orações, uma lancha ouviu seus gritos e veio salvá-los. Içados para o barco e batendo os dentes de frio, eles se lembraram de Joaquim Bahia. (CASTRO, 2001, p.30-31).
  • 35. 34 Joaquim Bahia chegando à terra firme – já era noite - não encontrou nenhuma embarcação que pudesse prestar socorro aos amigos. Já com a sensação de que todos haviam sucumbido à força da água do mar, sentiu-se imensamente infeliz e não teve coragem de revelar o ocorrido aos familiares dos companheiros. Os resgatados, pensando que o amigo não havia aguentado nadar por tanto tempo – e por isso o socorro não havia chegado – consumando a sua morte, estavam com remorsos e sem jeito de contar para a família de Joaquim Bahia a desgraça que tinha sucedido. Já socorridos, em prantos, todos atônitos, ficaram sem saber o que fazer. Algumas horas depois, Joaquim Bahia bate na porta da casa de José Agostinho e ouviria da mãe deste que o filho e os outros rapazes – mesmo achando que Bahia não teria sobrevivido - estavam a sua procura pela cidade. No reencontro de Joaquim Bahia com os outros seis remadores, lágrimas e gritos emocionados tomaram conta do Largo do Machado. No dia seguinte, uma publicação curta no jornal sobre o ocorrido. O boca a boca do que havia acontecido é que tomou conta das rodas de conversa dos moradores do bairro e o fato pela cidade se espalhou. Assim, o bairro e a cidade ficaram sabendo do naufrágio e da façanha daqueles rapazes. Uma aura de heroísmo tomou conta do grupo do Flamengo – que na verdade, curiosamente, nem existia ainda. Após passarem por aquele martírio e quase perderem a vida, o fato de terem continuado firmes e, mais comovedor ainda, fortalecidos no propósito de fundar o grupo de regatas, desencadeou admiração. Os rapazes passaram por cima da vontade dos pais que era a de que largassem aquela “aventura”. O 22 da praia do Flamengo, após o clube ser realmente criado, não parou de receber visitas de deslumbrados simpatizantes. Essa obstinação dos rapazes em continuar acreditando no seu ideal não cessara nem quando a Pherusa – que havia sido rebocada depois do naufrágio e iria para conserto - foi roubada. Adquiriram outro barco, a Scyra, e ao mar se puseram a buscar os dias de glória, frisa (CASTRO, 2001). Os primeiros anos do Grupo de Regatas do Flamengo foram difíceis. Derrotas, vexames, um desempenho nada satisfatório. A primeira vitória só viria em 1898. Portanto, três anos após sua fundação. Mesmo com os contratempos, a determinação e a esperança de dias melhores movia aquele grupo. Determinados e com uma mente positivista, viam em cada mínimo avanço obtido e nas escassas vitórias que surgiriam na fase inicial, motivos para comemorar. Importante ressaltar os benefícios do remo na vida social da cidade. Além de atividade física quase que completa e de ser motivo para reunir pessoas, aprimorando assim o convívio social, vale lembrar, que o esporte colaborou para derrubar o estigma que ainda pairava na
  • 36. 35 mente das pessoas sobre o banho de mar. Até a metade do século XIX, o banho de mar acontecia somente em casos de indicação médica para combater certas doenças. Não era uma prática de diversão e lazer. Vista como um lugar impuro, a praia não gozava da simpatia das pessoas. As regatas realizadas na Baía de Guanabara e em toda sua extensão trouxeram em maior escala o povo para junto do mar. Em Sobrados e Mucambos, Gilberto Freyre anota que: As praias, nas proximidades dos muros, dos sobrados do Rio de Janeiro, de Salvador, do Recife, até os primeiros anos de século XIX eram lugares por onde não se podia passear, muito menos tomar banho salgado. Lugares onde se faziam despejos; onde descarregavam os gordos barris transbordantes de excrementos, o lixo e a porcaria das casas e das ruas; onde se atiravam bichos e negros mortos. O banho salgado é costume recente da fidalguia ou da burguesia brasileira que, nos tempos coloniais e nos primeiros tempos da independência, deu preferência ao banho de rio. Praia queria dizer imundície. (1996, p. 195). Emenda (KIDDER e FLETCHER apud LUCENA, 2001, p.25) explicitando como ocorria o banho de mar e trazendo indicativos de que o remo teve papel de destaque na mudança de uma cultura que desprezava o banho de mar como divertimento. “Os banhos de mar, para além de seu caráter profilático, como um passatempo, não teriam sido também uma ação conquistada por aqueles que estavam voltados para a prática dos esportes? Em princípio parece que sim”. A praia do Flamengo dava ao bairro um quê de diferente e de fama. Até, pelo menos, 1920, era a praia que mais atraia pessoas para o banho de mar. Era um lugar que por ser bem situado, passou a ser muito procurado para a habitação por ilustres membros da sociedade. Por outro lado, contava também com parcela considerável de artistas – na época, vistos por certo prisma de “marginalidade”. Eram rotulados de vagabundos e boêmios da cidade. Era como se a praia do Flamengo fosse heterogênea – e era. Por essa reunião de segmentos sociais, o bairro estava um passo a frente de seu tempo. Esse conceito de certa maneira foi incorporado ao clube de remo do bairro. Atestando certo ar de rebeldia, lá na praia do Flamengo, moças ousadas para a época começaram a romper com o pensamento pré-concebido de que o banho de mar seria propício e oportuno somente em casos de finalidade terapêutica e medicinal. Entendiam não ser o mar tão sujo assim, como era propagado. Banhavam-se em um ritual alegre, expondo curvas corpóreas com roupas longas que se ajustavam ao corpo, bem comportadas para os padrões de hoje - que despertavam à atenção dos homens. Quem, pela manhã cedo, das seis as oito horas, passar pela Avenida Beira-Mar, ou por algumas das ruas transversaes (sic) que conduzem à praia do Flamengo, poderá ver nesses trajos summarios (sic) muita senhora e senhorinha que a outra hora do dia
  • 37. 36 ficariam ruborísadas se o vento indiscreto agitasse demais a saia do seu vestido. Esse espetáculo matinal do Flamengo é, com certeza, o mais pittoresco que o Rio offerece aos estrangeiros, e parece que há muitos amadores desse espetáculo, a avaliar pela afluencia dos que se debruçam na muralha do cães para assistir à sahida do mar das nereides e sereias e contemplar aquelle outro ‘footing’, bem mais attrahente que o da tarde e não menos frequentado. (EDMUNDO apud LUCENA, 2001, p. 117). O Rio de Janeiro, na gestão de Pereira Passos (1902-1906), designado prefeito da capital federal pelo presidente da República, Rodrigues Alves, passa por um arrojado projeto de readequação urbanística ostensiva. Avenidas foram criadas, outras, alargadas; morros extintos; muitas casas e prédios derrubados – ficou conhecido como o “bota abaixo” - e uma série de obras estruturais realizadas, tendo como meta a modernização da cidade. Não foi só o aspecto urbanístico que mereceu um plano gestor. A saúde pública também. Uma ação efetiva para a erradicação de doenças que matavam muito, verdadeiras epidemias, como a varíola, peste bubônica, febre amarela e cólera, foi implantada. Sob o comando do sanitarista Osvaldo Cruz, o governo instaura uma campanha de vacinação em massa. A intenção era das melhores, mas a forma utilizada não agradou e causou desconforto. Havia invasão de casas, pessoas na rua eram vacinadas à força. Os agentes de saúde tinham ordens de vacinar todo mundo. O rigor era maior junto aos que moravam em cortiços e nos morros. Contra a ação forçosa do governo, manifestações pesadas espocaram. Este acontecimento, de 1904, ficou conhecido como “A revolta das vacinas”. É durante esse período da administração de Pereira Passos que é erguida a Avenida Central, em 1904. Em 1905, ela é aberta ao tráfego. Tiveram participação decisiva em sua criação, o ministro Lauro Muller e o engenheiro chefe, Paulo de Frontin. Tornou-se um marco na cidade e permitiu o acesso da Praça Mauá até a Avenida Beira-Mar – que era a ligação entre o Centro, contornando o morro da Viúva, no Flamengo, até chegar ao bairro de Botafogo. Em 1912, a Avenida Central muda de nome passando a se chamar, Rio Branco. No endereço da praia do Flamengo, precisamente, no casarão do 22, uma turma que não praticava nenhum esporte, ou, melhor dizendo, o “esporte” que praticavam era sim o ofício das algazarras, molecagens, brincadeiras com teor de insolência, começou a chamar a atenção. Antes de serem classificados de qualquer coisa, eram, acima de tudo, amantes do Flamengo e da vocação do clube de abraçar e acolher a todos. Essa turma criou ali uma “ordem” de engajamento ao clube, chamada República Paz e Amor. No início, era só o Flamengo realizar uma boa regata que a festa estava formada. Quando o Flamengo passou a vencer regatas, aí era uma festa fora do comum que acontecia
  • 38. 37 ali. E as comemorações iam tomando conta das calçadas e formando um bloco de pessoas que arrastavam a sua alegria pelas ruas. Era o carnaval do Flamengo. Com reco-reco e tudo. Um detalhe pitoresco. Ao lado do casarão do 22 existia um convento. E para desatino e “tentação” das freiras, esses rapazes do Flamengo tinham o hábito de se despirem. Chegavam da praia ou de outro lugar que fosse e, sem cerimônia, se libertavam das roupas e pareciam nem estar aí para o mundo. “os rapazes jogavam pelota basca na garagem, fazendo grande algazarra [...] começaram a subir nas árvores para colher frutas, igualmente pelados”. (CASTRO, 2001, p. 36). As freiras tinham que fazer força para não ver aqueles corpos nus. Os vizinhos e transeuntes já conhecendo a fama do local, evitavam o olhar para dentro do casarão. Já precavidos, sabiam que podiam ter alguma surpresa. As madres do convento não tinham simpatia por aqueles rapazes. Faziam de tudo para evitar que as freiras tivessem acesso àquela imagem despudorada. Era um Deus nos acuda. E não adiantava nem acionar a polícia que afirmava não encontrar, em suas incursões pelo 22, ninguém sem roupa. Dentre os que faziam essas peripécias, tinha sempre alguém com ótimo relacionamento junto às autoridades policiais. Só que o destino se encarregou de melhorar o julgamento que se fazia daqueles rapazes. As pessoas puderam perceber que eles possuíam um lado bom, sim. Não era só perversão que imperava ali. A gratidão, a admiração das freiras passou a existir a partir da ajuda providencial que os rapazes concederam às devotadas cristãs. Naquele tempo, o mar chegava bem perto do convento. A praia margeava as casas existindo apenas como delimitação um muro de contenção e a rua. Em 1913, aconteceu uma grande ressaca e o convento foi invadido pela força das águas. As freiras apavoradas não sabiam o que fazer a não ser pedir socorro. Os rapazes do 22 não mediram esforços para ajudar as irmãs do convento. Mas antes que os profanos bagunçassem definitivamente o sagrado coreto das freias, o Flamengo pôde redimir-se dos pecados de seus atletas: numa das grandes ressacas que assolaram a praia no começo do século, o convento ficou isolado pelas águas – não esquecer que, naquela época, o mar chegava bem juntinho ao casario. As freiras correram perigo de vida, e ninguém de fora se mexia para resgatá-las. Pois elas foram salvas pelos remadores do Flamengo (vestidos de camiseta e calção), que as pegaram nos braços e as levaram de barco para lugar seguro. O povo, que já identificava o Flamengo com a alegria de seus rapazes, via-os agora também como heróis. (CASTRO, 2001, p.36). A turma da República Paz e Amor se metia em todas e não aliviava. A Light era a empresa canadense de eletricidade que controlava os bondes do Rio de Janeiro. A população tinha uma antipatia declarada à empresa. Os rapazes do Flamengo já conhecidos pelo senso
  • 39. 38 provocativo, descomedido e sem barreiras para o divertimento, ficavam durante o dia apreciando as mulheres que embarcavam nos bondes, no ponto bem em frente ao 22. Galanteavam elas, sem cerimônia. Faziam brincadeiras com as pessoas e quando encontravam um português, se deliciavam e proferiam uma série de frases de humor. É preciso dizer que eram mestres em fazer sarcasmo sem atraírem ódio. Sabiam como não ser tão agressivos. Por isso, gozavam mais da simpatia do que da repugnância. Em razão desse atrevimento dos rapazes do Flamengo a Light retirou o ponto do 22. Existia uma faixa branca no poste para indicar que ali era ponto de parada dos bondes para embarque e desembarque. Pois bem, a companhia canadense ordenou que aquele ponto fosse desativado e mandou pintar o poste na cor tradicional, descaracterizando o mesmo como ponto de parada. Era só os funcionários da Light irem embora e a turma do Flamengo voltava a pintar de branco o poste. A população já não sabia mais se ali era ou não ponto do bonde. Quando estava pintado de branco, ali ficavam de prontidão a esperar pelo transporte que havia de parar. Após idas e vindas, o impasse continuava e com a cidade toda já sabendo. A Light orientou os motorneiros a, com faixa branca ou não, passarem direto. Uma animosidade se instaurou. Os rapazes do Flamengo então fizeram uma barricada com cavaletes variados. Um motorneiro não conseguiu frear e atingiu a barricada. Grande alvoroço se fez no local. A população podia ter repreendido a atitude daquela turma da República Paz e Amor. Mas, não foi o que aconteceu. Ficaram do lado dos rapazes do Flamengo e exigiram que a Light – chamada de “polvo canadense” - parasse com a picuinha. O ponto de parada dos bondes foi restabelecido e o Flamengo conquistava mais uma “vitória”, é o que nos conta (CASTRO, 2001). O casarão do número 22 com suas instalações em anexo e sempre abarrotado de gente acolheu desde os primórdios do clube, o seu torcedor. Qualquer um que fosse rubro-negro, sem distinção nenhuma de classe social, racial, ou de qualquer ideologia, recebia guarida ali. O clube cresceu se fez grande e permanentemente se preocupou em ter aquele espaço a servir de aposento para os barcos e para o seu torcedor. Mais tarde, o número 22 passaria a ser o 66. Conseguindo ampliar suas instalações, pôde acolher mais pessoas. No curso do século XX aquele endereço 22/66, foi como um coração de mãe. Alguma coisa tipo um grande centro de assistência social rubro-negra. Do seu jeito festeiro, é claro. Juntando atletas, torcedores, simpatizantes, penetras, gente que queria apenas ajudar, ou por ele ser ajudado, o Flamengo escreveu esse capítulo digno de elogio. Até cães, foram acolhidos. Inúmeros “hóspedes” por ali passaram e todos criaram, cultivaram dentro de si um
  • 40. 39 caso de amor que mesmo com o passar do tempo não se apagou. É o Flamengo, talvez, caso único de um clube que permitiu a moradia de seus torcedores em sua sede. Essa história precisa ser conservada. A receptividade do local, sua fama de ser uma algazarra permanente, um lugar sempre de portas abertas, e as histórias inusitadas que dali se revelou, marcaram e colocaram o Flamengo em aproximação e casamento social com o carioca. O espírito despojado, malandro, a nuance de brincar com a vida e rir dela - e de si próprio - desenvolvida por aqueles que lá nos primórdios fizeram da paixão pelo Flamengo o vértice de suas vidas, serviu como ímã que trouxe para a instituição, uma legião de seres desprovidos de certa “normalidade”. Além do Lamas, no início de sua existência, outros dois pontos de encontro do torcedor do Flamengo foram consagrados. Inclusive, vale dizer que o Lamas existe até hoje. Um, foi o Café Rio Branco, no qual, imperava a presença de rubro-negros que se acabavam em discussões homéricas sobre os destinos do clube. Aquela turma vivia o Flamengo 24 horas e a ele se entregavam por inteiro. O outro, a Confeitaria Colombo, local tradicionalíssimo da cidade, que na década de 1940, diariamente era invadida por um grupo de intelectuais, artistas, escritores, empresários, comandados por José Lins do Rego, que se reunia para conversar sobre o Flamengo. Esse grupo por manter proximidade com a política do clube e por seus integrantes serem atuantes personagens, sempre ouvidos nas decisões tomadas por dirigentes, traçava, vislumbrava, articulava caminhos para o sucesso permanente da instituição. Por vezes, esse grupo tinha peso para indicar jogadores a serem contratados, e os que deveriam ir embora do clube. Verbalizavam todo o seu amor ao Flamengo em acalorados bate-papos. Esse grupo ficou conhecido como, “Dragões Negros”. Foi em 1911, bem ao findar do ano, que o futebol passou a fazer parte do clube. E isto ocorreu em decorrência de uma debandada dos jogadores do Fluminense que haviam sido campeões invictos daquele ano. Nove jogadores, insatisfeitos com decisões tomadas pela direção e, inconformados ferrenhamente com a barração de um jogador, Alberto Borgerth, líder e capitão do time, deixariam as cores tricolores. Os jogadores honraram a camisa do Fluminense. Pactuaram que ganhariam o título e depois iriam fundar um novo clube. Borgerth, o pivô de tudo, dá o veredicto: deveriam criar uma seção de futebol no Flamengo. Essa decisão foi tomada em 24 de dezembro de 1911. Em reuniões sucessivas, várias ideias teriam surgido, entre as quais a de fundar um novo clube. Mas a tese vencedora, proposta por Borgerth, foi a de que eles criassem uma seção de futebol no Flamengo (...), havia uma aproximação entre os dois clubes: vários daqueles jogadores já eram sócios e torcedores do Flamengo no remo
  • 41. 40 – ao passo que os remadores do Flamengo torciam pelo Fluminense no futebol. Quem não se empolgou de saída com a ideia foi o próprio Flamengo, que, como todo clube de regatas, não queria se misturar com o futebol. O futebol era elite, não se esqueça, e o Flamengo já era um clube popular. Mas a presença de Borgerth foi decisiva: além de craque do futebol, ele era patrão de remo – e patroava as guarnições do Flamengo. Por causa dele, na noite de natal de 1911, o Flamengo aceitou criar não apenas a seção de futebol, mas todo um departamento de esportes terrestres – o primeiro clube de regatas a ter feito isso. Hoje se especula se Borgerth não teria premeditado tudo: rubro negro de coração e tricolor por circunstâncias, ele poderia ter insuflado a crise no futebol do Fluminense para transferi-lo para o Flamengo. Seja como for, deu certo. (CASTRO, 2001, p.45). A primeira partida do time de futebol ocorre em 03 de Maio de 1912, no campo do América futebol clube, situado à Rua Campos Sales. Vitória sobre o Mangueira por 16 x 2. Este é o placar oficial, entretanto, o pesquisador (ABINADER, 2010) defende que o placar foi na verdade 15 x 2. Alegando não existirem súmulas daquele período para se pesquisar, diz que, o único meio de verificação do placar real é a checagem dos jornais da época. Explica ele que os jornais fizeram uma confusão danada. O Jornal do Comércio, único a detalhar o jogo, gol a gol, atesta o placar: Flamengo 15 x Mangueira 2. A implantação do futebol do Flamengo não gozou da simpatia do pessoal do remo. Para explicitar essa visão meio enviesada do pessoal do remo com o futebol, a exigência foi a de quê o uniforme do futebol tinha de ser diferente do utilizado pelo remo. O primeiro foi o “cobra coral”, com retângulos vermelhos e pretos. O segundo, o “papagaio de vintém”, com as mesmas cores, além do branco, em listras verticais. Só em 1916, depois do bicampeonato do futebol, em 1914 e 1915, o uniforme oficial usado pelos remadores, listras vermelhas e pretas horizontais, seria permitido ao futebol. E como seria o primeiro confronto entre o – de certa forma - criador e criatura? Isso no âmbito do futebol, deixar claro. Flamengo e Fluminense jogaram pela primeira vez em 07 de julho de 1912, no campo do Fluminense, na Rua Pinheiro Machado, em Laranjeiras. Era muito aguardada a partida, visto que, o time do Flamengo era composto de jogadores que meses antes haviam deixado o clube das Laranjeiras, como campeões da cidade. E o time do Fluminense estava desfigurado, com muitos jogadores aspirantes. Pela lógica então, o Flamengo era o favorito. Mas aí a mística do clássico nasce para nunca mais se apagar. Conhecido como o mais charmoso do Brasil, tem nesse confronto inicial, surpreendentemente, a vitória tricolor. Fluminense 3 a 2. O primeiro Fla-Flu não era Fla-Flu. Só muito mais tarde é que Mário Filho inventou e promoveu a abreviação. O Flamengo fez tudo, tudo para ganhar este primeiro jogo. Outro dia, conversei com um velho torcedor, mais velho que o século. E ele, falando fino e baixinho (como uma criança que baixa numa tenda espírita), contou o que foi o nascimento do maior clássico do futebol brasileiro. O Flamengo era o time
  • 42. 41 campeão do Fluminense, sem Osvaldo Gomes. Parece que, na partida, o futebol era um detalhe irrelevante ou mesmo nulo. Os dois times davam a sensação de que jogavam de navalha na liga. E, no entanto, houve um cínico e deslavado milagre: ninguém saiu de maca, ninguém saiu de rabecão. Mas nunca se vira, em campo de futebol, ferocidade tamanha. E o Fluminense venceu. Vejam como, histórica e psicologicamente, esse primeiro resultado seria decisivo. Se o Flamengo tivesse ganho, a rivalidade morreria, ali, de estalo. Mas a vitória tricolor gravou-se na carne e na alma flamengas. E sempre que os dois se encontram é como se o fizessem pela primeira vez. (RODRIGUES apud MARON FILHO e FERREIRA, 1987, p. 24). Em 1920, o primeiro ano de conquistas conjuntas do remo e do futebol nos respectivos campeonatos estaduais. O clube passou a ser chamado de “campeão de terra e mar”. O remo continuava coroando a instituição com grandes realizações. E em uma dessas, de proporção bem acentuada, o clube se via novamente envolvido em moldura de pomposa formatação heroica. A travessia Rio-Santos reafirmou a vocação do clube para grandes feitos. Encarar o mar por dias, tendo uma embarcação que não era nenhuma maravilha e imprópria para tal feito, foi encarado por muitos como uma coisa de louco. Nesse fato, descrito a seguir está presente a inabalável coragem dos atletas rubro-negros. [...] os remadores do Flamengo continuavam capazes das proezas mais surpreendentes. Em janeiro de 1928, dois deles fizeram o então impensável: a travessia Rio-Santos, a bordo de uma baleeira. Os remadores eram João Segadas Viana, diretor de regatas do clube e já então com mais de quarenta anos, e o jovem Antônio Ribeiro, filho do escritor João Ribeiro. A travessia levou nove dias, dos quais 92 horas remando. Mas, na chegada a Santos, eles foram aclamados pelos paulistas. A polícia do porto carioca achou aquilo uma loucura e proibiu que façanhas de gênero fossem tentadas de novo. E, então, em janeiro de 1932, num lance quase suicida, outros três remadores do Flamengo – Angelu, Boca Larga e Engole Garfo – anunciaram que iriam do Rio a Santos numa iole. O desafio agitou a cidade, e a polícia prometeu agir. No dia e no horário marcados para a largada, ela cercou a praia do Flamengo, para decepção da massa que, horas antes, já se concentrava para assistir. Os remadores tapearam a polícia e saíram da praia do Leblon, direto em mar aberto. Durante os primeiros dias e noites, a iole (não por coincidência chamada Flamengo) foi considerada perdida. Sem comunicação com eles, achou-se que Angelu, Boca Larga e Engole Garfo podiam estar morrendo. O jornal dos sports, lançado naquele ano pelo jovem Mario Filho, soltava várias edições diárias sobre o heroísmo dos atletas. [...] dias depois, quando a iole do Flamengo chegou a Santos com todo mundo vivo e apenas três horas de atraso em relação ao tempo previsto, podia-se ouvir o país respirar aliviado. Mais uma vez, os remadores do Flamengo foram aclamados em Santos e, de volta ao Rio pelo cruzador Bahia, desfilaram em carro aberto pela avenida Rio Branco. (CASTRO, 2001, p. 65-67). O futebol do Flamengo – que completou 100 anos de atuação, em 2012 - escreveu os capítulos mais representativos para o seu torcedor. Um dos fatos que talvez mais ajude a entender essa coisa do Flamengo de ser de todos, de ter um número muito significativo de pessoas que o acompanham, seja o evento que remete à falta de campo para treinamento que o
  • 43. 42 clube enfrentou na implantação do futebol. Dessa adversidade brotou uma coisa excepcional. As pessoas se aproximaram do clube, se sentiram parte dele. Queriam acompanhá-lo sempre. Existia uma praça próxima à praia do Russel. E foi nessa praça que o rubro-negro passou a treinar. Lugar aberto, proximidade com as pessoas, era assim, nessas condições, que o clube se preparava para os jogos e as pessoas adoravam aquele contato. “O Flamengo foi quase que compelido a ir para a rua, a espalhar-se”. (RODRIGUES FILHO, 1966, p.13). O pretinho da favela, o bem vestido e educado menino de família rica, os estudantes de instituições públicas e privadas, o jovem e o idoso, todo o tipo de gente, frequentava as praças da cidade, um local democrático. Se na praça tivesse um campo de futebol então, aí a aglomeração era pra valer. Uma vez Alberto Borghert me disse que a popularidade do Flamengo viera dos treinos do campo do Russel. A prefeitura mandara fazer um campo de futebol, com gramado, balizas e tudo, no Russel. Aquele campo dava uma ideia da importância que adquirira o futebol. Era um campo mais para a garotada e não era o único – peguei um em Copacabana, ao lado do túnel, antes da Rua Barata Ribeiro – e não para um time de primeira divisão, como o Flamengo. Mas o Flamengo não tinha campo ainda e era obrigado a treinar em praça pública. [...] os jogadores saíam do 22 [...] onde mudavam de roupa, e vinham pela calçada, as chuteiras rangendo no cimento, até o campo do Russel. A garotada acompanhava o time [...] para Alberto Borghert, ali estava a explicação de tudo. Assim, a falta de campo fez o Flamengo misturar-se com o povo, aproximar-se dele. Os garotos, em busca de ídolos, encontravam-nos bem à mão, o campo do Russel. Podiam tocá-los, com os dedos tímidos, podiam devolver-lhes as bolas [...] e haviam de contar em casa, na escola, que conheciam o Neri, que tinham batido nas costas do Amarante, que tinham apertado a mão do Baiano. (RODRIGUES FILHO, 1966, p.12). Observem as características originárias dos clubes cariocas. O Fluminense é o símbolo da aristocracia e tradição; o Vasco tem laços históricos com a colônia portuguesa e seus abundantes comerciantes; o Botafogo não é oriundo nem da aristocracia, da elite, nem das camadas popularescas. Sua identidade é vaga e regada a misticismos. Já o Flamengo e seu torcedor têm ramificações diversas e bem preenchidas. Apresenta-se como clube de desmedido atrevimento, de vibração, juvenilidade, senso libertário e de coragem, acentuados. Soube transitar entre o viés elitista e o popular e desenvolveu estratégias para se jogar nos braços de qualquer mortal. Carregando essas particularidades, se deixou amar por gente de qualquer variação existencial. Por isso, gerações não param de lhe admirar. O crescimento de sua torcida em todo o território nacional foi pensado e trabalhado, sim. O olhar para fora do Rio de Janeiro era constante. Não bastava ter somente o carioca ao seu lado, o Flamengo sempre quis o Brasil. Seria mais ou menos uma coisa de ter o maior número de pessoas felizes, fazendo parte daquela “Nação” que dava certo. A partir da década de 1930 o crescimento da torcida deslancha. Foi nesse período que o clube começou a
  • 44. 43 trabalhar efetivamente visando atingir e conquistar as grandes massas. De maneira exitosa, o Rádio também foi instrumento de suma importância no desenvolvimento da torcida rubronegra país afora. Pelas “ondas sonoras”, o nome Flamengo foi propagado e atingiu, pela extraordinária aptidão do veículo de comunicação para alcançar cada pedacinho do Brasil, o coração de milhões de brasileiros. O ponto de partida para esta busca é a descrição do espírito de juventude que fundou a República Paz e Amor, na praia do Flamengo, um ato imerso em um sentimento jovial de uma república recém-proclamada no Brasil. Aquele espírito malandro ganhou a simpatia dos cariocas e ali fincou a sinergia com a multidão, já nos primórdios do clube. O Rio de Janeiro, que naqueles tempos era forjado como espelho da brasilidade, projetou essa paixão para todos os cantos do território brasileiro e o fez de uma forma que nenhuma outra paixão nacional até os dias de hoje experimentou. [...] Entre 1936 e 1950 o clube solidifica seu apela popular e mexe com as paixões em nível nacional. Inicialmente, por conta de um bem arquitetado plano estratégico para se tornar o maior do Brasil. Eram tempos em que os jogadores argentinos constituíam figurinhas repetidas dentro de campo no Flamengo, e havia treinador europeu no banco de reservas. O espírito rubro-negro fervia desde o Café Rio Branco até a Confeitaria Colombo. O Flamengo não era a elite rica, nem classe média, nem a camada mais pobre. O Flamengo não representava a zona sul, apesar de estar nela, e jamais foi zona norte. Mas o Flamengo tocava no espírito do Rio de Janeiro – carnavalesco, malandro, descarado, libertino – e com isso penetrou a elite rica, a classe média, a massa, o povão, da zona sul à zona norte. Conquistou o Rio inteiro. A cidade que era a capital federal, que era onde se encontravam os representantes de todos os estados do país, que era o berço do samba, a pérola do Atlântico, onde Hollywood vinha passar suas férias. A alegria festiva das arquibancadas, que a torcida rubro-negro, desde os primórdios, fazia como ninguém, correu o Brasil pelas ondas do rádio, fazendo brasileiros de todos os cantos fantasiarem aquela festa que não era tão comum em seu cotidiano. (PEREIRA, 2010, p. 10-11). A classe social menos favorecida, discriminada historicamente pela sociedade, se aproximou do Flamengo porque encontrou no clube, através do comportamento despojado dos personagens da fase inicial, nas bagunças sadias e travessuras de estudantes que se permitiam estar na rua, junto do povo, afastando qualquer barreira social, certa ligação. Habitando os afastados e pobres subúrbios, as favelas em profusão pela cidade e os rincões de pobreza, essa gente esquecida, aspirava ascender socialmente, enxergando na irreverência – qualidade inerente ao clube - uma forma contundente de sair da invisibilidade. O torcedor do Clube de Regatas do Flamengo acostumou-se a ver o clube em ebulição permanente, porque lá tudo é mais ardente. É certo que nem só de alegrias são os dias do seu torcedor. Nas derrotas, a dor é aguda, o sofrimento pesado. A gozação vem em carga descomunal. No Flamengo se aprende que é preciso encarar as turbulências, confrontá-las com firmeza e, pôr em prática nesses momentos, sua infalível estirpe de sobrepujar com garra impetuosa o que tiver que ser transposto.
  • 45. 44 E o Flamengo é muito mais que o futebol. Sempre foi referência em esportes variados. Remo; Natação; Basquete; Vôlei; Judô; Atletismo; Esgrima, Bocha, Polo aquático; Tênis; Futsal; Ginástica Artística; Tiro; Futebol de areia, Futevôlei. Hoje em dia, praticamente imbatível, no novo esporte, o “showbol” – que reúne ex-jogadores de futebol em campos reduzidos de grama artificial. O Flamengo é um clube esportivo forte que sempre teve no seu quadro e, especialmente, revelou, esportistas de destaque para o cenário esportivo brasileiro. Por participação efetiva em várias modalidades esportivas, conseguiu chegar a pessoas que simpatizavam e tinham predileções por outros esportes além do futebol. Em 1936, o clube começou a construir o seu estádio no bairro da Gávea. Foi na gestão de José Bastos Padilha. Até então, havia sido um clube sem um campo próprio para jogar. Teve, cedido pela família Guinle - tradicional família da sociedade carioca e tricolor - o campo da Rua Paissandu, durante o período de 1915 a 1932. Mas, não tinha aquela coisa de ser seu, de ter construído. Jogou como mandante no campo do Botafogo, em General Severiano; no do Vasco, em São Januário; em Laranjeiras, do Fluminense; em Campos Sales, do América. Desde 1926, o Flamengo corria o risco de ser despejado pela família Guinle da Rua Paissandu. O presidente, Faustino Esposel, começou uma campanha entre os sócios para aquisição de dinheiro visando à construção de um estádio. A prefeitura do Rio de Janeiro ajudou também e indicou, “emprestou”, um terreno na chamada, “Freguesia da Gávea”. Houve resistência dos sócios para a construção do estádio naquele local e, por esse motivo, a obra demorou a ser iniciada. Contrariando algumas pessoas que acreditavam ser aquela região totalmente inadequada para se erguer um estádio, visto que, não existia quase nada por ali - era conhecido como o areal da Gávea -, José Bastos bancou o projeto. Queria mostrar que o Flamengo muito traria de contribuição para o desenvolvimento daquela região, compreendida pelos bairros da Gávea, Leblon e Lagoa, e que teria bônus consideráveis no futuro. A inauguração ocorreu, em 1938, em partida contra o Vasco da Gama. José Bastos Padilha, por sinal, veio a entrar para a galeria de grandes presidentes da história do clube. Além da construção do estádio da Gávea, trabalhou inteligentemente para alcançar as grandes massas, expor o nome Flamengo como sinônimo de brasilidade. Empreendeu, em 1937, ação de grande ousadia que proporcionou ao futebol brasileiro se modernizar. Relata (CASTRO, 2012) que trazendo da Europa um treinador húngaro que era a sensação por lá - Dori Kruschner - uma revolução na forma de se jogar veio a ocorrer. Ele, introduzindo conceitos inovadores como o esquema “WM” – três zagueiros, dois médios de
  • 46. 45 apoio, dois meias de ligação e três atacantes - e os treinamentos táticos, era a síntese da modernidade no futebol. Por ser tão revolucionário, não foi compreendido. E por ter também, mudado de posição o jogador Fausto, um dos grandes nomes do time, a torcida não o aceitou por muito tempo. Bastos Padilha foi o presidente que se esforçou em tornar o clube “o mais popular”, o time com a cara do povo brasileiro. Queria conquistar o torcedor de todo o território nacional. Em uma estratégia ousada levou para o clube, mulatos e negros em larga escala, tendo como pilares, Domingos da Guia (Divino Mestre); Fausto (Maravilha Negra), e Leônidas da Silva (Diamante Negro). Os maiores jogadores do futebol brasileiro na época. Em 1937, Waldemar de Brito, o homem que no futuro descobriria Pelé, também chegou. José Bastos Padilha pode ser visto como um visionário, um homem empreendedor. Juntamente com ele, outros presidentes, como, Fadel Fadel, Gustavo de Carvalho, Faustino Esposel, Hilton Santos, Márcio Braga – o que mais títulos de expressão conquistou – e, certamente, o mais fervoroso entre todos, Gilberto Cardoso, tomaram assento na galeria de grandes dirigentes do Flamengo. Gilberto Cardoso morreu pelo Flamengo: enfarte fulminante aos 49 anos, causado pela alegria de uma vitória rubro-negra no último segundo. E não de uma vitória no futebol, mas no basquete. Mas assim era Gilberto Cardoso: não havia competição em que tomasse parte um atleta do clube a que ele não estivesse presente. Vivia o remo, o basquete, vôlei, a natação, a esgrima, o tiro, o judô, o atletismo, a ginástica olímpica e todos os esportes amadores do Flamengo tanto quanto o futebol. [...] Para ele, que era médico, não havia atleta insignificante no Flamengo: era capaz de sair de casa de madrugada, com chuva, para socorrer um infantil da esgrima que desse um espirro na véspera de uma competição. O basquete era um dos orgulhos do Flamengo nos anos 50. Sob o comando do treinador Kanela [...] seria decacampeão carioca e base da seleção que conquistaria os primeiros títulos internacionais. Mas Gilberto não viveu para ver esse deca do basquete, nem o hexa, nem mesmo o tetra. Morreu exatamente na final do tri, no Maracanãzinho, na partida contra o SírioLibanês, quando o Flamengo foi campeão por um ponto, com a cesta da vitória tendo sido marcada no último segundo. De certa forma, aquele foi também o último segundo da vida de Gilberto Cardoso. A bola caiu, a torcida explodiu, e o seu peito junto com ela. Morreu pouco depois, no pronto-socorro, ao lado do padre Góes e de d. Helder Câmara, outro padre rubro-negro. No dia seguinte, os profissionais e amadores do Flamengo choraram no seu sepultamento – que o clube teve de pagar, porque a família de Gilberto (acredite ou não) não tinha dinheiro. O Maracanãzinho e uma rua do Leblon, perto do clube, têm desde então o nome de Gilberto Cardoso. (CASTRO, 2001, p. 128-129). Ao lado do estádio da Gávea, existiu uma favela com a qual o Flamengo conviveu durante um bom tempo. A favela da praia do pinto interferiu positivamente na relação clubetorcida. Era um orgulho para a comunidade ter no seu quintal o estádio do Clube de Regatas do Flamengo, “o mais querido do Brasil” e celeiro de grandes craques. Da mesma forma, o Flamengo mantinha uma ligação sadia com aquela gente humilde. Se fosse outro clube, não
  • 47. 46 teria aceitado a doação daquele terreno em lugar considerado como “um areal de fim do mundo”, cercado pela favela, que se constituía como uma das maiores do Rio de Janeiro de então. Dessa proximidade, algum fator pode ter vindo a contribuir para a aproximação, ainda maior, do Flamengo ao lema de ser ele, um clube do povo. A favela da praia do pinto conviveu com a rotina do clube rubro-negro até o final de 1960, quando um plano de urbanização da cidade do Rio de Janeiro que previa a remoção de favelas e o encaminhamento de seus moradores para regiões mais afastadas, deu fim à vida daquela comunidade. Além dessa intenção governamental, um incêndio, posto em via de propositalidade, forçou as famílias a deixarem o lugar. O título de “o mais querido do Brasil” que sua torcida abraçou, teve início de uma forma que põe em evidência o ar de malandragem e senso de irreverência, inerente ao carioca, e ao rubro-negro, por associação, que tornou a conquista dessa alcunha ainda mais saborosa por ter envolvido um rival histórico. (PEREIRA, 2010), conta que o Jornal do Brasil, em 1927, realizou um concurso para saber qual era o clube de maior torcida, Vasco ou Flamengo. Esse concurso foi patrocinado por uma importante empresa, a água mineral Salutaris. O vencedor conquistaria a taça Salutaris e seria celebrado como “o mais querido do Brasil”. Os torcedores teriam de depositar os rótulos do produto - preenchidos com o nome do time para o qual torciam - na sede do jornal. O Vasco tinha uma torcida muito volumosa e os comerciantes portugueses com bom poder aquisitivo se mobilizaram. Enchiam sacolas e mais sacolas com os rótulos e tinham a certeza de que sairiam vitoriosos. Os rubro-negros tiveram uma ideia surgida a partir de suas características de criatividade já conhecidas. Disfarçaram-se de portugueses vascaínos, utilizando até o sotaque luso, e se colocaram em frente à portaria do jornal a recolher as sacolas que os portugueses levavam aos montes. Fingiam ajudar. Recolhiam as sacolas e, sorrateiramente, despejavam nos vasos sanitários, no poço dos elevadores, enfim, davam sumiço aos votos que eram para o Vasco. O resultado: o Flamengo vence esmagadoramente. Pelo revestimento que tomou conta da vitória rubro-negra - o uso da picardia –, um carnaval invade a cidade. Já para os vascaínos, revolta. O Vasco denunciou o que havia ocorrido, mas estava sacramentado: Flamengo, o “mais querido do Brasil”. Essa armação ao invés de pesar negativamente contribuiu positivamente e aumentou a popularidade do clube. As pessoas viam nisso ares de imaginação fértil, astuteza, jeito arteiro e matreiro de ser do rubro-negro, que assim, se vingava das artimanhas vascaínas na prática do “amadorismo marrom” e, de certo modo, anulava o poderio econômico dos comerciantes vascaínos.
  • 48. 47 Uh! Uh! Uh! Flamengo é urubu! Com esse grito pejorativo, os torcedores de outros times se acostumaram a rotular o rubro-negro. E o torcedor do Flamengo nem aí para tal zombaria. Exerciam a sua alegria e a reverberavam em seus cânticos incessantes. Exercendo criatividade em todos os instantes, chega o dia em que, orgulhosamente, viriam a assumir esse apelido definitivamente e esse animal passaria a ser o seu mascote. ‘Urubus’, era assim que as torcidas rivais chamavam os torcedores do Flamengo na década de 60. O termo era ofensivo e fazia alusão à grande maioria de adeptos rubro-negros serem afro-descendentes e pobres que compunham a torcida. Mas esse tabu acabou num domingo, 1 de junho de 1969, frente ao botafogo no maracanã. O flamengo não vencia o rival há quatro anos. Nas arquibancadas a torcida do botafogo gritava, como sempre, palavras ofensivas contra o time dos ‘urubus’. O flamengo já não vencia o botafogo há nove jogos. Até que os torcedores Luiz Otavio Vaz, Romilson Meirelles e Victor Elerry resolveram levar um urubu verdadeiro para o estádio e soltá-lo na arquibancada com uma bandeira rubro-negra nas patas. O fato provocou risada entre os torcedores rivais, mas o resultado final favorável ao mengão, 2 x 1, quebrou o tabu e fez com que o urubu tomasse o lugar do Popeye como mascote do Flamengo. (PEREIRA, 2010, p. 183). O Flamengo com o advento do profissionalismo, a cada início de temporada, passou a fazer com mais frequência excursões pelo país, e também ao exterior. Era uma preocupação dos seus dirigentes tornar o clube conhecido entre brasileiros e estrangeiros. E olhem que as viagens duravam dias, semanas, quase sempre por mar. O time principal colocava-se a realizar jogos de exibição onde quer que fosse. Um time de reservas, mesclado com jogadores amadores, representava o clube no início do campeonato regional. Esta ação de excursionar, assim como, a transmissão dos jogos do time, através da mídia de comunicação, o rádio, e sua capacidade espantosa em atingir públicos distantes e, a Rádio Nacional, mais especificamente, com sua abrangência em quase todo território brasileiro, contribuíram para que o Flamengo se tornasse mais e mais conhecido e admirado. Em 1926, um episódio envolvendo a ajuda do Flamengo a um tradicional coirmão da capital paulista, o Paulistano, já mostrava o forte apelo popular do clube rubro-negro. O Paulistano, insatisfeito com o amadorismo marrom, presente também no futebol de São Paulo, bateu de frente com a Associação responsável pela organização do campeonato paulista. Foi punido. Deveria ficar sem jogar. O Flamengo abriu suas portas para que o Paulistano realizasse amistosos em seu campo. E por essa ação, foi castigado pela associação carioca que alegou ter o Flamengo agido de forma errada. Devido à participação da sociedade, uma punição direcionada ao clube, que duraria 1 ano, foi derrubada. Houve um clamor popular pela participação do rubro-negro no campeonato. E o veto caiu. Pelo fato de ter dispensado os seus jogadores, no momento inicial
  • 49. 48 da punição imposta, o Flamengo ficou sem time para disputar o campeonato. Relevante surpresa foi ver gente aos montes se prontificando a servir ao Flamengo. Com um time fraco, inexperiente, montado às pressas, até com ex-jogadores, já aposentados do futebol, o inacreditável aconteceu. Vitória após vitória, o título veio. Só Deus sabe como. É desse evento, da campanha surpreendente e magistral realizada pelo clube, que surge a mística da camisa rubro-negra, “o manto sagrado”, a camisa que joga sozinha. “Onze cabos de vassoura, com a camisa do Flamengo vermelha e preta, ganhariam o campeonato da mesma forma”. (RODRIGUES FILHO, 2003, p.154). Pereira faz sua observação. Em 1927 o Flamengo viveu o primeiro grande exemplo de superação no campeonato carioca. A história começa em São Paulo. Uma briga entre o clube Athletico Paulistano e a Associação Paulista de Sports Athleticos resulta no afastamento do clube do campeonato paulista. O Flamengo resolve ajudar o Athletico Paulista disponibilizando o seu campo, na Rua Paysandu, para que o clube possa realizar amistosos contra equipes argentinas. Mas a Associação Metropolitana de Esportes Athleticos resolve punir os rubro-negros com o afastamento do campeonato carioca, considerando que o clube interferiu na decisão de outra Associação. Vários importantes jogadores, temendo a possibilidade de ficarem sem jogar, abandonam o Flamengo. A superação começou aqui: a justiça popular encarregou-se de recolocar o Fla na disputa do campeonato carioca e o técnico Juan Bertoni iniciou a heróica missão de reconstruir o time. Jogadores veteranos como Nonô ou Moderato juntamse aos reforços Angenor ou Rubens e ao recém-promovido Flavio Costa. Renascido das cinzas, o flamengo conquista o campeonato através de uma campanha heroica. Ficou célebre a história de Moderato que, operado (...) a uma apendicite, jogou a partida decisiva frente ao América com uma cinta no abdômen e ainda marcou o gol da vitoria (2 x 1) que deu o título de campeão carioca de 1927. (PEREIRA, 2010, p. 20). Ao se falar sobre a torcida do Flamengo, um torcedor símbolo vem à tona. Jayme de Carvalho. Esse baiano que chegou ao Rio, em 1927, ainda adolescente, da terra de São Sebastião, nunca mais sairia. Mesmo com as dificuldades iniciais, se sentia acolhido na cidade. Foi vendedor de bala no trem e mascate. Anos depois, iria conquistar um lugar no serviço público. Destacar-se-ia pra valer como torcedor. Foi o torcedor “oficial” do Flamengo e da seleção brasileira durante anos. Logo que chegou ao Rio de Janeiro se aproximou do remo, esporte que já praticava. Todavia, o seu esporte predileto era o futebol. Torcia pelo Fluminense. Um acontecimento, no entanto, o fez mudar de time. Jayme havia ido ao estádio das Laranjeiras acompanhar o treino do tricolor. Foi barrado e percebeu que isto ocorrera porque era mulato e pobre. Sendo clube aristocrático da cidade, o Fluminense tomava algumas medidas no sentido de controlar com rigor o acesso às suas dependências. Jayme se sentiu humilhado. Atravessou a rua e foi para o campo da Rua Paissandu, ali bem perto, onde treinava o Flamengo. Diferentemente do Fluminense, o Flamengo treinava bem à vista do povo, em aprazível estádio cercado por
  • 50. 49 palmeiras. O acesso era liberado a qualquer um. A partir daquele dia, ao Flamengo se doaria por inteiro. Contrai matrimônio, em 1936, com Laura e, no mesmo ano, passa a ser sócio atleta do clube, praticante do remo. Em 10 de outubro de 1942, durante almoço em sua casa, ao qual, tinha convidado um grande amigo, também torcedor do Flamengo, Jayme teve uma ideia. Queria ajudar o time de alguma maneira. No dia seguinte, o Flamengo decidiria o título carioca contra o Fluminense, nas Laranjeiras. Bastava um empate ao rubro-negro para ser campeão. E o que fez Jayme? Comprou duas faixas grandes, uma vermelha, a outra, preta. Pediu para a esposa costurar as duas, juntando-as. E pintou em branco os dizeres, “Avante Flamengo”. Depois do jogo, o plano seria pular, ele e seu amigo, para dentro do campo, comemorando o título, relatam (CRUZ & AQUINO, 2007). Fizeram tudo o que foi planejado. Chegando ao estádio, abriram a faixa bem no meio da torcida. Cada um segurou em uma ponta. Os presentes ao estádio começaram a reclamar sem entender muito bem aquilo que estava acontecendo. Ninguém tinha visto nada parecido. Não existia essa coisa de faixas e bandeiras nos estádios. Cedendo à pressão, decidiram pendurar a faixa no gradil. O Flamengo sagrou-se campeão. Invadiram o campo e deram a volta olímpica segurando a faixa. Das sociais das Laranjeiras surgiram os primeiros aplausos. Os jogadores campeões saíram correndo atrás de Jayme e de seu amigo. O presidente do Flamengo, então, chamou os dois para organizarem a primeira torcida oficial do clube rubronegro. A torcida organizada foi ganhando adeptos. Jayme queria continuar inovando. Como gostava muito de música, resolveu reunir alguns amigos músicos para tocar instrumentos como clarim, trompete, pistom, tambor, durante os jogos do Flamengo. Iam para o estádio com a camisa do clube – na época, ainda era habitual todos irem aos estádios em trajes finos – e se colocavam atrás da baliza do adversário, atormentando a vida dos goleiros. Como não eram músicos profissionais, desafinavam com frequência, o que rendeu o título e, nome definitivo, de charanga. Batizada assim pelo célebre compositor e radialista, rubro-negro roxo, Ary Barroso. “Meu amigo, isso não é um conjunto de música nem aqui nem no caixa-prego. Isso mais parece uma charanga” (BARROSO apud CRUZ & AQUINO, 2007, p.35). Essa charanga transformou-se na Charanga do Jayme e fez história. Foi a primeira torcida organizada e uniformizada do Brasil. Modelo exemplar! Jayme de Carvalho adotou algumas práticas que tiveram significação acentuada e serviram para aproximar torcida e jogador. Atraiu a simpatia dos jogadores, comissão técnica, dirigentes e de grande número de torcedores. Seu lema era o de incentivar o time o tempo
  • 51. 50 todo, sem parar, e, particularmente, os jogadores que estivessem mal. Reprimia os palavrões e o uso de fogos de artifício dentro dos estádios. Criou um sentimento de fraternidade no convívio entre torcedores do clube ao propagar que: “onde se encontrasse outro rubro-negro, ali, terias um amigo”. Foi a copas do mundo como o representante oficial da torcida brasileira. Em 1950, durante toda a copa do mundo do Brasil, embalou a alegria do povo brasileiro no Maracanã. No dia da decisão do campeonato mundial - dia trágico pela inesquecível derrota para o Uruguai -, lá estava Jayme, e, no final da partida, aos prantos, teve forças para conseguir convencer pessoas a não fazerem besteiras. A vida tinha de continuar. Incutiu ideias de solidariedade, respeito, união, organização, dentro do ato de torcer. Era admirado, respeitado por todos os torcedores adversários porque os enaltecia e nunca a eles faltou com respeito. Durante 33 anos, o servidor federal, agente de portaria, se dedicou ao Flamengo. Nunca usou o clube para conseguir nada. Pelo contrário, usou sua vida para dar tudo o que de mais precioso podia destinar ao seu clube de coração. Amor. Deveria ter uma praça ou rua, nas imediações da Gávea ou do Maracanã, os templos consagrados por ele, com o seu nome. Nenhum torcedor foi tão importante quanto o Jayme de Carvalho. Ele conseguia ser reverenciado pelas outras torcidas, jogadores e dirigentes. Ele foi o super-herói rubro-negro, sem capa ou espada, que se alimentava de pão com mortadela nos dias de jogos e, junto com a família, fazia do seu amor pelo Flamengo a sua arma mais poderosa. Ele escreveu uma das páginas mais bonitas da divina história do Clube de Regatas do Flamengo. O Jayme foi tão importante que uniu pretos e brancos, ricos e pobres, flamenguistas e ‘framenguistas’, mas todos com um único objetivo, o de adorar o Flamengo. Essa é a grande força dessa paixão. (CRUZ & AQUINO, 2007, P. 11). Para fazer jus à expressividade do “mais querido do Brasil” e àquela alegria rubronegra, atormentadora dos adversários que, inconscientemente, em segredo, no fundo, no fundo, os faz ter, um pouco que seja, admiração, vejam o que um torcedor de outro time, descreveu ser aquela massa rubro-negra. Esse outro time para o qual esse torcedor do relato torce, é o Fluminense. Sem meias palavras, destaca o seu amor pelo tricolor das Laranjeiras, mas, evidencia aquilo que Nelson Rodrigues sempre pautou em suas crônicas. A grandiosidade, a representatividade fora do comum e o jeito diferente de ser da torcida do Flamengo. Citando a Raça Rubro-Negra – torcida que já chegou a contar com 60 mil sócios e é referência em assunto de torcida organizada - Claudio Lampert, deixa de lado o fanatismo maléfico que cega e impede a observação de aspectos positivos em outro clube e descreve o que vem a ser um jogo contra a torcida do Flamengo. Sim, porque para ele essa torcida joga
  • 52. 51 junto. Esse relato está disponível no blog do Arthur Muhlenberg, o blogueiro oficial do Flamengo, do site globoesporte.com [...] Ontem o meu filho Daniel começou a descobrir que existem duas coisas nesse mundo. Uma, é o futebol. A outra é o Fla-Flu. Descobriu que esse adversário odiado é mais do que um simples time de futebol. É um time de futebol seguido por uma horda de loucos fanáticos, que se agrupam e fazem gol. Entram em campo e fazem gol. Fazem o segundo, o do empate e o da virada. Numa única tacada ele descobriu o medo e o respeito que se deve ter dessa instituição e desse jogo, clássico de apelido garboso, colorido interminável e lotado de almas fanáticas. É coisa para gente grande. [...] É só nesse dia de Fla-Flu que eu enxergo o contraste que existe entre as patricinhas sem sutiã da torcida tricolor e a tropa de marginais guerreiros da Raça Rubro-Negra e da Torcida Jovem. [...] sempre existiu uma coisa que me deixa perambulando entre o mistério e o pânico. Aliás, não é “coisa” coisa nenhuma. É metafísica. É o Sobrenatural de que tratava Nélson. É perturbante. É aquela massa uniforme pulando do outro lado. 23 minutos, 1×3, e eles não paravam de pular; ninguém saía do seu aperto; ninguém ia embora. Eles nunca vão embora. Eles nunca arredam o pé. Eles não se sentam, não param de gritar. Eles não sossegam. Me perseguem, me sufocam, me habitam os pesadelos e me causam pânico. Quando eu olho para o outro lado é isso que eu sinto. Eles acreditam mais do que os outros. Mais do que eu e todos os outros juntos. E disso, meus caros, eu me borro de medo. Eles jogam com 12. E jogar com 12 deveria ser proibido. [...] Dentro do táxi, uma frase de uma criança de sete anos ficou estalada no meu tímpano: ‘papai, eu tenho nojo deles’. Eu também tenho. É só o que posso dizer hoje. Mas se não fossem eles essa mágica não existiria. (MUHLENBERG, 2010). Em carta do juiz de direito, Eliezer Rosa, dirigida ao seu amigo, João Antero de Carvalho, advogado, jornalista e escritor, na qual, Eliezer, torcedor do América do Rio de Janeiro, demonstra a sua admiração pelo Flamengo, algumas sugestões são apresentadas para que a felicidade tomasse conta do povo. Esta carta foi publicada pela primeira vez no jornal “O DIA”, em 29-06-1969. A carta também faz parte do livro "Uma Nação Chamada Flamengo", de Ivan Alves, lançado em 1989. Em “Crônicas do Futebol Pitoresco”, João Antero revive estas palavras proferidas por Eliezer. [...] Ainda não volvi a mim, à minha calma interior, desde aquele tormentoso domingo em que o Flamengo perdeu para o Fluminense. Não que eu seja flamengo, como você sabe e todo mundo sabe, mas, a verdade é que eu gosto do Flamengo e não sinto prazer, quando ele perde. Nisso de futebol, sou ecumênico, se a palavra tão amável cabe em tal assunto. Gosto de todos os clubes, embora tenha minha religião pelo nosso América. Ouça bem, meu caro Antero: O Flamengo não é somente um clube, uma organização esportiva. O Flamengo é uma religião, uma seita, um credo, com sua bíblia e seus profetas maiores e menores. O Flamengo é um amor, uma devoção, uma eterna comunhão de sentimentos. Por ele muitos deram a vida, alienaram a liberdade, destruíram amizades, arruinaram lares, com homicídios e suicídios. O Flamengo, o flamenguismo, para ser mais exato, é uma cardiopatia. O Flamengo dá febre, dá meningite, dá cirrose hepática, dá neurose, dá exaltação de vida e de morte. O Flamengo é uma alucinação. Deveria ser feita uma Lei Federal que obrigasse o Flamengo a jogar em todo o Brasil, toda semana, e ganhar sempre. Quando o Flamengo vence, há mais amor nos morros, mais doçura nos lares, mais vibração nas ruas, a vida canta, os ânimos se roboram, o homem trabalha mais e melhor, os filhos ganham presentes. Há beijos nas praças e nos jardins, porque a alma está em paz, está feliz. O Flamengo não pode perder. Sua derrota frustra,
  • 53. 52 entristece, humilha e abate. A saúde pública, a higiene nacional, exigem que o Flamengo vença, para bem de todos, para felicidade geral, para o bem-estar nacional. Aqui vai um anteprojeto de Lei: Lei nº... Dispõe sobre normas de saúde pública. Art. 1º O Flamengo jogará semanalmente em todos os Estados da Federação. Art. 2º O Flamengo vencerá todas as partidas. Art. 3º Revogam-se as disposições em contrário. Saiba que esta é uma Lei necessária. Ela deverá vir o quanto antes. Algum dia, ela poderá ser revogada em favor do América. O importante é o precedente legislativo. (ROSA apud CARVALHO, 2004, posfácio). No Campeonato Brasileiro de 2007, o Flamengo terminou a competição na terceira colocação geral, conquistando vaga para a Taça Libertadores da América de 2008. Até aí, nada demais. O Feito ganha em relevância quando se esclarecem as condições em que isto aconteceu. Tal colocação foi conquistada após uma arrancada do Flamengo que entrou para a história, tendo sua torcida papel de destaque. O sítio eletrônico da Federação Internacional de Futebol, a FIFA, destacou o feito. O time passou 13 rodadas na zona de rebaixamento. Tudo parecia nebuloso. O risco de não permanecer na primeira divisão era enorme. Aí houve um pacto da torcida com o time. O torcedor pedia só raça em campo em troca de seu apoio. Com a ajuda de sua torcida, começou uma arrancada incrível do time. Nos jogos no Maracanã, mesmo com o time jogando mal em alguns momentos e sem tantos jogadores de qualidade técnica, a torcida compareceu, jogou junto, empurrou. Assim o time foi subindo na tabela até conseguir terminar na terceira posição – 1 ponto atrás do vice-campeão. Esse feito fez com que as autoridades, de forma justa, prestassem homenagens ao clube. E, mais especificamente, ao seu torcedor, que é o maior patrimônio do Flamengo. Assim, o seu torcedor foi declarado patrimônio cultural carioca. O texto de defesa para a criação da lei que instituía ao clube essa condição pregava que a maior torcida de um time de futebol do Brasil, a do Flamengo - no reconhecimento do futebol como uma paixão nacional merecia todo o crédito e justificaria essa homenagem por indiscutivelmente promover nos estádios cariocas e brasileiros, espetáculos de impressionante alegria. O poder público nas esferas municipal e estadual, e a CBF (Confederação Brasileira de Futebol), entidade máxima do futebol nacional, se curvaram à evidência de ser o torcedor do Flamengo uma instituição, dentro da instituição futebol, de relevada atuação no cenário esportivo e social. Lei e decreto creditam ao torcedor, o título de Patrimônio Cultural Carioca (esfera municipal), sendo o seu dia, o 28 de outubro – dia do padroeiro do clube, São Judas Tadeu. E na esfera estadual, o seu dia é o 17 de novembro, dia da fundação do Clube de Regatas do Flamengo – a data real, mas não oficializada. Em 10 de Outubro de 2007, o presidente Márcio Braga, após ler documento no qual um torcedor-conselheiro solicitava o não mais uso da
  • 54. 53 “camisa 12”, passando esta, a ser exclusivamente do torcedor, entendeu como justíssima a solicitação e acatou o pedido. Determinou, então, que nenhum jogador utilizaria mais a camisa 12. Ela passou a ser da “nação rubro-negra”. A oposição não se conforma, mas não pode fazer nada: o Flamengo é um caso de amor entre milhões e o Brasil. Um dia, quando se mergulhar de verdade nos fatores que, historicamente, ajudaram a consolidar a integração nacional, o Flamengo terá de ser incluído. Durante todo o século 20, ele uniu gerações, raças e sotaques em torno de sua bandeira [...] poucas instituições serão tão abrangentemente nacionais quanto o Flamengo – a Igreja Católica, sem dúvida, é uma delas, e, talvez, o jogo do bicho. E olhe que o Flamengo não promete a vida eterna nem o enriquecimento fácil. Ao contrário, às vezes mata de enfarte e, quase sempre, só dá despesa. Mas uma coisa ele tem em comum com a religião e o bicho: a fé. Essa é a matéria-prima de que as três instituições se alimentam. Mas com vantagem para o Flamengo, porque a Igreja só paga dividendos depois da morte e o bicho tanto pode dar quanto não dar – já o Flamengo costuma pagar seus dividendos espirituais toda quarta e domingo. (CASTRO, 2001, p. 17-18). Não é esse clube apenas um clube de pobre, do povão, do negro. Ele é de todos. Não existem barreiras que separem o Flamengo de quem vive nos ambientes acadêmicos, científicos, com suas teses e dissertações; ou no ponto mais alto da pirâmide social, com seus abastados que moram nos endereços mais suntuosos; ou ainda, entre aqueles que ocupam os cargos mais importantes do país. Dos que vivem na luta frenética do dia a dia da classe média, daqueles que comem feijão, arroz e farinha a semana inteira, nos grotões de pobreza, ou mesmo, dos que na favela precisam todo dia escrever capítulos de superação. O Flamengo é amálgama desses seres. Por isso, o torcedor do Flamengo não se prende em rótulos. Esses seres de diferentes patamares sociais se incorporam no universo do futebol e formam uma massa coesa, a coletividade delirante, que na complexa esfera da paixão encontram alento existencial e, inebriados, por carregarem o orgulho de ser rubro-negros, se fortalecem, para enfrentar os obstáculos impostos pela vida. E, esses seres estão por todos os lados. Segue corroborando (CASTRO, 2001) que no Nordeste e no Norte o número de torcedores rubro-negros é de cair o queixo. Não é um clube regional. Por toda dimensão territorial do Brasil o nome Flamengo está presente. Nascido no Rio de Janeiro, ele pertence ao Brasil. Suas cores se espalham por toda a parte. Em qualquer categoria de atividade profissional, a torcida se faz representar. Entre juízes, desembargadores, delegados, políticos. Junto aos famosos da sociedade e ao cidadão anônimo comum, o espaço do Flamengo é cativo. Seja pedreiro, arquiteto, advogado, jornalista, engenheiro, militar, motorista, atendente de balcão, peão de obra, ou, em qualquer outra profissão que se pense, o nome Flamengo soa
  • 55. 54 mais alto. Nas pesquisas de opinião, os números cravam que o Flamengo detém a maior torcida do Brasil e quiçá do mundo. Oscilando entre 33 e 40 milhões de torcedores. Até entre os adversários o Flamengo é maioria. É, possivelmente, juntamente com o Corinthians, o clube mais odiado do Brasil. A rivalidade sadia é uma das coisas mais sublimes do futebol. O Flamengo se fez grande por ter superado notáveis adversários. E até mesmo por ter sido suplantado por seus adversários em determinadas ocasiões. Encontrou nisso, motivação para ser maior e buscar o aprimoramento. É claro que a derrota, abate, dói, faz sangrar. Mas por outro lado, ela também proporciona a percepção da grandiosidade do clube, quando se repara que a comemoração do adversário que consegue vencê-lo é abundante, ampla e inesquecível para ele, denotando nisso, o quão representativo é o Flamengo. 2.1 A RIVALIDADE NOS CLÁSSICOS Sendo vice-campeão em seu ano de estreia no futebol, 1912, o primeiro título do Flamengo nos gramados, chegaria de certa forma cedo, em 1914. As conquistas de campeonato, o “levantar” de taças é o grande objetivo a ser alcançado. Isto é fato. Todavia, existem partidas isoladas que não valem título nem nada, apenas a pontuação da vitória ou do empate, que por algum fator, entram para a história. Desde o mais longínquo tempo, os eventos nos quais o Flamengo estava presente eram vistos como um acontecimento a não se perder. E dentro dessa perspectiva de “jogos soltos”, os clássicos, especialmente os locais, destacadamente, independem da disputa de título para serem especiais. Tendo o Flamengo essa aptidão para o “conquistar” das pessoas, a forte marca de superação, a sina de ficar mais forte ante as dificuldades e a obstinação em ser referência nacional, já em 1923, houve o dia em que o clube rubro-negro poderia representar o Brasil. Era notória - e sempre foi - a insatisfação do brasileiro com a sua condição histórica na relação com o colonizador. O repúdio a toda exploração portuguesa aqui efetuada, à conduta reprovável de membros da família real diante de nossa cultura e de nossas terras, onde o que interessava eram as riquezas naturais, é fato conhecido. E vencer, superar isso, curar as feridas do passado na relação com Portugal, poderia acontecer por intermédio do futebol e, mais precisamente, pelo Flamengo. E aconteceu. O Clube de Regatas Vasco da Gama, um clube criado pela enorme e fecunda, financeiramente, colônia portuguesa que vivia no Rio, surgiu no Remo, em 1898. No futebol, dá início à sua caminhada vitoriosa, em 1916, após fusão com um clube que já praticava o
  • 56. 55 futebol desde 1914, o Lusitânia que, como o próprio nome denuncia, era português desde a raiz. Diferentemente do Flamengo, o Vasco começou na 3ª divisão e só chegou ao grupo seleto do futebol carioca, em 1923. Já no primeiro campeonato, surpreende, e, vitória após vitória, deixa todos boquiabertos com o seu desempenho. Ocorria que, principalmente, no 2º tempo das partidas, o Vasco atropelava todo mundo. Os jogadores demonstrando fôlego incomum para a realidade do futebol daquele tempo, não tomavam conhecimento dos adversários. Para justificar isso, eis a explicação. Com o futebol sendo elitista e amador, vale a compreensão de que os jogadores dos times pertenciam a famílias tradicionais com recursos financeiros declarados. Quem praticava o esporte era em regra, estudante universitário, médico, advogado, engenheiro, enfim, profissionais de áreas variadas e bem remunerados. Não poderia existir remuneração para jogar futebol, então. Por essa condição, treinavam pouco. Com os primeiros movimentos de defesa do advento do profissionalismo, o Vasco usou de um artifício inteligente para se fortalecer. Os comerciantes portugueses “fingiam” contratar funcionários para os seus estabelecimentos comerciais. Esses funcionários não eram vistos atrás dos balcões, atendendo aos fregueses. Recebiam o salário para, às escondidas, treinarem com afinco e darem a vida pelo Vasco no futebol. Os jovens eram humildes, vindos de famílias pobres e em sua maioria, negros e mulatos. Essa abertura social proporcionada pelo Vasco lhe conferiu a condição de instituição eminentemente democrática e fez sua torcida entre os brasileiros crescer bastante - entre os portugueses, a adesão já era avassaladora – complementa, (RODRIGUES FILHO, 1966). Pois bem. O primeiro campeonato em que Vasco e Flamengo se enfrentariam tinha conotação de autêntica disputa, Brasil versus Portugal. E, só deu Vasco. Jogo após jogo, o time impressionava. O que parecia é que seria o campeão invicto, no seu primeiro ano de 1ª divisão, 1923. Não perdia para ninguém. O Flamengo havia sido derrotado no 1º turno por 3 x 1. No confronto do 2º turno, teria a chance de desbancá-lo. O sentimento antilusitano estava em evidência, em razão da comemoração, no ano anterior de 1922, do centenário da Independência. O jogo foi no estádio das Laranjeiras, o grande palco da época. Durante toda a semana não se falou em outra coisa. O estádio ficou abarrotado. A partida foi um acontecimento social. E o Flamengo exauriu, sabe-se lá de onde, todas suas forças e conseguiu uma vitória épica, 3 x 2. Essa derrota não impediu o título do Vasco, mas, naquele dia, algo bem
  • 57. 56 característico da torcida do Flamengo, o festejar em doses inigualáveis de euforia, agitou a cidade. Entusiasmados, os jornais registraram o fato: ‘Há uma semana que em todos os círculos desta cidade em outra cousa não se falava. O match era motivo de todas as conversas. [...] Mais de 35 mil pessoas, sem exaggero, enchiam as vastas dependências do tricolor, contou ‘O Imparcial’. Jamais, nesta capital, affluiu igual concurrência em jogos de football. [...] Não havia um único lugar no ground. Calculamos em cerce de 55 mil pessoas o número de espectadores verificado hontem, garantiu o ‘Jornal do Comércio. A partida assumiu a proporção de um vultoso acontecimento, que ultrapassou os limites do mundo sportivo, para interessar, fora desse âmbito, à toda a cidade, descreveu o ‘Correio da Manhã’. (ASSAF e MARTINS, 1999, p. 30-31). A festa promovida pela torcida do Flamengo, como sempre, levou o povo para a rua e ganhou cara de carnaval. Saíram pela cidade comemorando o feito e causaram à colônia portuguesa uma grande dor de cabeça. Foram aos principais pontos de reunião dos patrícios e tripudiaram dos gajos; colocaram um tamanco gigante e uma coroa funerária em frente à sede do Vasco; rodearam a estátua de Pedro Álvares Cabral com grande quantidade de cebolas. Comerciantes portugueses ficaram alguns dias sem abrir as portas de seus estabelecimentos comerciais. (CASTRO, 2001, p. 60-61) comenta que “o resultado final, consagrador, foi Flamengo 3 a 2 – uma vitória que converteu muita gente para as sua cores [...], nunca a cidade comemorara tanto o resultado de um jogo”. Dos duelos contra o Botafogo, especificamente, no período da década de 1960, o Flamengo não guarda boas recordações. Era a época em que o clube alvinegro tinha um time fortíssimo, uma verdadeira seleção. Pensar no Botafogo era lembrar de que na ponta direita do time de General Severiano existia um jogador fenomenal chamado, Garrincha. O camisa 7 aterrorizava e colocava no chão qualquer esquema que se propusesse a marcá-lo e conter suas investidas. Quando se fala em futebol arte, espetáculo, Garrincha é um dos maiores nomes do futebol brasileiro e mundial. Um patrimônio nosso. Na década de 1970, precisamente, em 1972, mais vexame. Os rubro-negros foram motivo de chacota para os botafoguenses que tripudiaram sem cessar durante nove anos. E o fato que desencadeou isso, aconteceu justamente no dia do aniversário do Flamengo. Um presente de grego, por assim dizer. Botafogo 6 a 0, em 15 de novembro. Desde esse dia, os rubro-negros passaram a viver ansiando pelo dia de dar o troco. Era questão de honra. Doía demais para todo rubro-negro chegar ao Maracanã e ver na torcida do Botafogo uma faixa que estampava, 6x0. O torcedor do Flamengo se via aturdido diante daquela mensagem
  • 58. 57 provocativo. Era como se em todo o confronto contra o Botafogo o torcedor tomasse um choque em alta voltagem. Ano a ano, a faixa sempre estava lá. O torcedor do Flamengo demonstrando a sua característica de sempre acreditar e apoiar o time comparecia ao Maracanã nos jogos contra o Botafogo esperando que naquele dia houvesse o “lavar da alma”. Houve momentos em que parecia que o grande dia tinha chegado. O Flamengo fazia 3 a 0 e a torcida aos berros pedia, “queremos seis”, “queremos seis”. Era uma fixação para o seu torcedor devolver o escore dos 6 a 0. Até que em 8 de Novembro de 1981 - ano mágico e o maior de todos para o Flamengo -, nesse dia, o time proporcionaria ao seu torcedor a gigantesca alegria de devolver ao Botafogo a goleada sofrida, nove anos antes. E de ver aquela faixa sumir de uma vez por todas. Ao término do 1º tempo, 4 a 0 para o Flamengo. A torcida pressentia que daquele dia não passaria. No segundo tempo, o Flamengo em cima do alvinegro, pressionando, encurralando o Botafogo no seu campo de defesa. Para deixar o torcedor rubro-negro ainda mais nervoso, praticamente, no único ataque do Botafogo no 2º tempo, quase que Jairzinho marca. Se o alvinegro fizesse gol, não teria graça. E tome o Flamengo a atacar. Impaciência, ansiedade, avidez. O torcedor rubro-negro já não se aguentava. Somente por volta dos trinta minutos da etapa final, sai o quinto gol. A partir daí o que se vê no Maracanã é a torcida em polvorosa, gritando, berrando a plenos pulmões “Mais um”, “Mais um”. “Queremos seis”, “Queremos seis”. Parecia reger o time e jogava com ele. 42 minutos. Boa parte da torcida do Botafogo já havia ido embora. A do Flamengo quase enfartava e ninguém arredara o pé, é óbvio. Bola lançada na área alvinegra, a defesa rebate. Andrade acerta um chutaço de fora da área. Flamengo 6 a 0. O Maracanã vem abaixo. O Jornalista Roberto Assaf conta em entrevista ao site “Magiarubronegra.com”, que um amigo seu “enlouquecera” neste dia. No sexto gol do Flamengo, o amigo, se jogou no chão e chorou como uma criança separada dos pais. Saiu do Maracanã e foi a pé até a Praça da Bandeira – uma distância de aproximadamente 3 km - repetindo sem cessar impropérios contra os botafoguenses e aquela “faixa maldita” para os rubro-negros. Estava decretado o fim daquela maldição. De alma lavada, a torcida em êxtase fazia repercutir pelos quatro cantos da cidade a sua alegria. Aquela vitória é de certa forma um título que a torcida carrega e guarda com carinho e emoção até hoje. Vem de uma partida contra o Botafogo também – no último ano da sofrida década de 1960 – um fato marcante. A adoção do urubu como o legítimo e, assumidamente com orgulho, mascote rubro-negro. O público do Maracanã, com 150 mil pessoas, antes do início
  • 59. 58 da partida, teve a surpresa de ver um urubu com uma bandeira do Flamengo amarrada em suas patas, sobrevoando o estádio. A ideia partiu de dois torcedores rubro-negros, Luiz Otávio Vaz Pires e Romílson Meirelles. Quem sabe a assunção do apelido pejorativo de urubu, deflagrado pelos torcedores rivais, não traria sorte? Dito e feito. Vitória inesquecível, Flamengo 2 a 1. Algum tempo depois, o cartunista Henfil, rubro-negro assumido, ajudou, com suas charges e cartuns, a consolidar o urubu como mascote do clube mais popular do Brasil. Flamengo e Fluminense. Fla-Flu. Esse clássico é denominado de “Clássico das Multidões”, por ter reconhecidamente capacidade de reunir grandes plateias. Na primeira metade do século XX, o jogo até era encarado pelos cartolas como uma estratégia, um pretexto para se atrair público. Houve uma época, logo depois da construção do estádio de São Januário – estádio do Vasco da Gama, considerado na época o maior da América do Sul –, isso em 1927, que se marcava um jogo entre o time do Vasco e o Boca Juniors, ou, o River Plate, para ser o evento principal da cidade. Os cartolas de Flamengo e Fluminense, para seus times não ficarem sem o foco, marcavam para o mesmo dia um Fla-Flu, no estádio das Laranjeiras. E o que acontecia? O estádio era tomado por uma multidão. Gente do lado de fora querendo entrar. A arquibancada abarrotada. É claro que a capacidade de São Januário era maior, mas, o que se via nas Laranjeiras era uma multidão do lado fora e que se juntasse com os que estavam dentro do estádio, daria um público, no mínimo, igual ao de São Januário. O clássico é considerado o mais charmoso do Brasil. Uma peculiaridade do confronto é a sua predisposição para o acometimento de lances surpresos e inexplicáveis, que serviu de inspiração para Nelson Rodrigues criar o personagem do “Sobrenatural de Almeida”. Este personagem é a representação daqueles lances espíritas, fora de compreensão, como se houvesse a ação de outro mundo, que Nelson dizia surgir quase sempre para prejudicar o Fluminense. Beleza. O clássico Fla-Flu é isso. Nada se compara ao colorido que se forma quando as equipes entram em campo e o pó de arroz, atirado da arquibancada tricolor, baila pelo ar e serve como maquiagem para o festival de papel picado, bandeiras desfraldadas, sinalizadores que emanam fumaça vermelha e preta, articulados pela torcida do Flamengo. Mantendo relação consanguínea, de certo modo, “clubes do mesmo sangue, carne da mesma carne, irmãos do esporte”, como declara (RODRIGUES FILHO apud MARON FILHO e FERREIRA, 1987, p. 107), Flamengo e Fluminense desde a primeira partida, em 1912, travaram confrontos emocionantes. E não respeitando essa familiaridade, o clássico foi sempre acirrado e de ânimos à flor da pele.
  • 60. 59 Nelson Rodrigues e seu irmão Mário Filho são responsáveis por criar toda uma atmosfera mágica, de grande glamour, que está por trás do clássico. O Fla-Flu é um acontecimento. “[...] Eu queria dizer que o Fla-Flu apaixona até os neutros. Ou por outra: diante do formidável clássico não há neutros, não há indiferentes. [...] Não interessa que seja ou não um grande jogo. Só as partidas medíocres precisam ter qualidade. O Fla-Flu vale emocionalmente”. (RODRIGUES apud MARON FILHO e FERREIRA, 1987, p. 111). O Fla-Flu da Lagoa de 1941, por exemplo, que decidia o campeonato e foi conquistado pelo Fluminense, se assenta sobre carga mítica. O futebol, aliás, por vezes, passeia pelo mítico. Conta-se que as águas da Lagoa Rodrigo de Freitas chegavam bem perto do muro do estádio da Gávea. O empate era do Fluminense. Após está vencendo por 2 a 0, o tricolor cede o empate faltando seis minutos para o final. Diz a lenda – ou não lenda - que daquele momento em diante, os jogadores do Fluminense passaram a chutar a bola em direção a Lagoa. Havia a figura do cronometista. O tempo era interrompido quando a bola saia. Mas o que ficou daquela partida foi esse mito de que a bola por diversas vezes atirada na Lagoa, gerando a paralisação da partida, foi esfriando o jogo e minando o ímpeto dos jogadores e da torcida. E que depois de intermináveis minutos e de inúmeros recomeços, torrou a paciência do árbitro e do cronometista que, sem terem como evitar as interrupções, decidiram encerrar a partida. Houve ainda o Fla-Flu de 1963, 0 a 0. Título do Flamengo. Quase 200 mil pessoas no Maracanã. Jogo emblemático esse, de maior público entre times. Os duelos de 1969, 1983, 1984, 1985 e, aquele Fla-Flu, no centenário do Flamengo, 1995, com o atormentador, para os rubro-negros, gol de barriga de Renato Gaúcho, aos 42 do segundo tempo, e o triste placar de 3 a 2 para Fluminense que frustrou o tão sonhado título no ano do centenário rubro-negro, são outros embates que marcaram. É da lembrança que se tem desse Fla-Flu, de 1995 que brota um acontecimento cercado de emoção aflorada. Daquele dia extrai-se uma cena carregada de beleza. No término do jogo, uma criança com aproximadamente 10 anos, chorava copiosamente no colo do pai. Os dois, rubro-negros. E, naquele momento então, perdedores. O menino, soluçando, pelo choro que lhe tomava conta, perguntou para o pai o porquê daquela derrota no ano do centenário rubro-negro - o Flamengo que jogava pelo empate, levou dois gols, havia conseguido o empate, 2 x 2 e o título já parecia definido. O pai, como um sábio, proferiu o seguinte dizer: “Todos nós precisamos de derrotas para fortalecer o sentido das façanhas conquistadas. O Flamengo é o que é porque aprendeu que as derrotas abrem feridas e que vão existir ao longo da caminhada.
  • 61. 60 A cura se dá pela certeza de saber que o clube é diferente de tudo que existe e que a condição de rubro-negro lhe traz já no dia seguinte o apontamento para dias de alegria”. 2.2 ÍDOLOS Na galeria histórica do Flamengo, um punhado de ídolos permeou a vida do clube. Zico, Dida, Zizinho, Leônidas da Silva, Fausto, Domingos da Guia, Nonô, Jarbas, Rubens, Waldemar de Brito, Borgerth, Píndaro, Biguá, Amado, Valido, Evaristo, Rondinelli, Júnior, Bebeto, Romário, Petkovic. Cada um em seu tempo foi elemento de atração e possibilitou a conquista de novos torcedores. Todos talentosos, mas que sabiam que no Flamengo era preciso se doar cem por cento em campo. Só o talento não bastava. Se o jogador impusesse a raça, “o suar da camisa” em todos os jogos, já estaria marcado no coração do torcedor rubronegro. Zico é tido como ídolo máximo para a grande maioria de torcedores. Foi o craque do time que deu ao Flamengo o título mais importante de sua história: campeão do mundo. O time era uma plêiade de craques. Zico era o regente dessa constelação. Para ter noção do grau de importância do garoto nascido no subúrbio de Quintino, no Rio de Janeiro, na história do clube, vale a nota de que alguns torcedores comemoram duas datas de natal. O dia 25 de Dezembro, e o 3 de Março, nascimento de Zico, o Messias, assim chamado pela torcida. Ele chegou garoto no Flamengo, em 1967, e só saiu, em 1983, para a Udinese da Itália, retornando ao clube, em 1985. Camisa 10 da seleção por longo período, disputou três copas do mundo sem, infelizmente, ter conquistado nenhuma. O melhor jogador de uma seleção que encantou o mundo, a de 1982 – vista por alguns especialistas do futebol como a terceira melhor seleção brasileira de todos os tempos – Zico foi um exemplo de profissional, muito disciplinado e persistente. Jogo do Flamengo com Zico em campo era sinônimo de vitória, futebol arte e estádio lotado. É o maior artilheiro da história do clube. Abandonou os gramados, profissionalmente, em 1989. No seu jogo de despedida em 06 de Fevereiro de 1990, uma terça-feira. No Maracanã com 100 mil pessoas, era possível ver na extinta geral – lugar místico destinado ao torcedor de menor poder aquisitivo – muito torcedor que já era figura marcada daquele espaço chorando copiosamente e em tom imensamente triste pronunciando palavras que traziam em si, conteúdo de orfandade. “Zico você vai deixar a gente! De onde iremos tirar a nossa alegria agora?” Em 1991, foi contratado por um clube japonês, o Kashima Anthlers, para fazer um trabalho de desenvolvimento, de
  • 62. 61 aprimoramento do futebol japonês. Atingiu imenso sucesso e chegou ao posto de técnico da seleção nipônica. Zico no Japão também é ídolo. Dida, o segundo maior artilheiro do clube – ídolo de Zico – jogou no Flamengo de 1953 a 1966. Era o camisa 10 absoluto da seleção durante a segunda metade da década de 1950. Em 1958, às vésperas da copa do mundo, ao se contundir, abriu caminho para um menino de 17 anos que viria a se tornar o craque daquela copa e, posteriormente, o maior jogador de todos os tempos, o rei do futebol, Pelé. Zizinho foi o ídolo da infância de Pelé. Jogou no Flamengo de 1939 a 1950 e ficou conhecido como “mestre Ziza”. Fez parte do time que conquistou o primeiro tricampeonato do clube e sentiu na pele o peso da derrota da seleção na copa de 1950 para o Uruguai, em um Maracanã com 200 mil pessoas. Mesmo com a derrota foi considerado o craque da copa e daquela partida. Jogou na seleção nas décadas de 1940 e 1950 e para muitos entendidos do futebol, depois de Pelé, foi o jogador mais completo do futebol brasileiro. Domingos da Guia vestiu a camisa rubro-negra de 1936 a 1943. Apelidado de “divino mestre”, fazia maravilhas com a bola nos pés. É quase uma unanimidade quando se pergunta quem foi o maior zagueiro de todos os tempos do futebol brasileiro. De estilo extremamente técnico, tinha uma capacidade fora do comum de sair driblando os adversários no seu campo de defesa. Nunca dava chutões. A bola grudava nos seus pés. Juntamente com Leônidas, foi destaque na copa do mundo de 1938, na França, na qual o Brasil foi o terceiro colocado. Romário chegou ao Flamengo em 1995 com o status de ter sido eleito o melhor jogador do mundo do ano anterior. Foi o craque e o principal jogador na conquista do tetra campeonato da seleção brasileira, nos Estados Unidos, em 1994. Contratado junto ao Barcelona da Espanha, onde era ídolo, sua contratação pelo Flamengo foi um grande acontecimento. O torcedor ficou em polvorosa e mesmo com conquistas tímidas de títulos, bem aquém do que o torcedor previa, Romário tem a terceira melhor média de gols da história do clube e se tornou em apenas quatro anos – tempo em que jogou no rubro-negro - o seu 4º maior artilheiro. Em 1998, ao ser cortado da seleção, dias antes da estreia na copa do mundo, realizada na França, a torcida do Flamengo realizou vários protestos e se colocou a favor de Romário e contra Zico – o então diretor técnico da seleção. Zico foi responsável, não pelo corte, erroneamente interpretado desta forma pela torcida, mas pela divulgação do desligamento, que fora acordado por toda a comissão técnica. Outro fato que ajuda a mensurar o que representou Romário para o Flamengo foi a constatação da presença maciça de torcedores em treinamentos, em jogos, amistosos, eventos
  • 63. 62 diversos em qualquer parte do país e até mesmo fora, nos quais Romário estivesse presente. O declínio de vendas da camisa 10 - sempre a mais vendida – também se verificou e a 11 de Romário teve vendas vultosas. Romário declarou certa vez: “Tenho carinho e admiração pela torcida de todos os clubes pelos quais passei. Porém, a torcida do Flamengo é de outro mundo”. Nenhum ídolo, no entanto, teve escala maior de importância para popularização do Flamengo do que Leônidas da Silva. Esteve no Flamengo entre 1936 e 1942. Conquistou muito torcedor, atraiu muita gente para o clube. Levou o povo para junto do Flamengo. Da mesma forma, intelectuais, artistas e políticos se entrelaçaram ao clube da Gávea. Através da figura dele, em 1938, durante a copa do mundo, disputada na França, ao ouvir a narração de Gagliano Neto, estupefata pelas travessuras de Leônidas, José Lins do Rego, que até então não se interessava por futebol, descobriu Leônidas e o Flamengo. Um amor sem comparação envolveu toda a sua alma. Ary Barroso? Babava por Leônidas. Elevado ao posto de ídolo nacional, no final da década de 1930, ele figurava entre os três homens mais representativos do país: Getúlio Vargas, presidente do Brasil. Leônidas da Silva e Orlando Silva – o cantor das multidões. (RODRIGUES FILHO, 2003) continua a destacar que um pedido de Leônidas a Getúlio era prontamente atendido. O chocolate “Diamante Negro” e o cigarro “Leônidas” foram lançamentos inspirados no astro e tiveram grandes proporções de venda. O ídolo rubro-negro era capa de revistas, de jornais e personagem frequente dos programas de rádio – a grande novidade. Aparecia sempre ao lado do presidente da república e de mulheres da sociedade. Recebia milhares de cartas. Era imitado, amado, idolatrado. E como se falava em Leônidas o tempo todo, por associação, o Flamengo também não saia da boca das pessoas. Esse negro revestido de grande glamour foi um caso a parte dentro da história do clube quando se busca explicações para tamanha popularidade. Negro e pobre, ele foi além e tripudiou do destino comum e simples que parecia lhe envolver. Sucesso, fenômeno de verdade, estrela reluzente, craque capaz de realizar jogadas impensadas. Esses adjetivos recaem bem sobre a sua figura. Despontando no modesto Bonsucesso F.C, passou por Vasco, Botafogo, São Paulo, Peñarol, Boca Juniors. No Flamengo, atingiu o seu auge. 2.3 TÍTULOS Além de acontecimentos fortuitos que alavancaram o crescimento de sua torcida e conduziram o Flamengo à condição de clube popular, reside na tríade, jogos, ídolos e títulos,
  • 64. 63 fragmentos que costuram o grau de importância de todo clube e, com o Flamengo, não foi diferente. De cada um desses três tópicos aqui dispostos, emergiram nuances que trouxeram admiração, a reverência, a aceitação por parte das pessoas que, tocadas por exitosa presença do Flamengo dentro e fora de campo, vieram a escolher ele como o clube de seus corações. No tocante a títulos, o que primeiro se deve destacar é a força, a simpatia, o glamour, a referência que foi – e continua sendo – no cenário do futebol brasileiro, o campeonato carioca de futebol. Sempre o futebol do Rio rivalizou com o de São Paulo e se posicionou como palco de alarde, de vertente elogiável e de envolvimento singular com a magnitude cênica do esporte. De 1914, ano do primeiro título, até hoje, 2013, foram 32 títulos estaduais conquistados no futebol profissional pelo Flamengo. Os cinco tricampeonatos estaduais conquistados podem vir a ser considerados como os mais emblemáticos em se tratando da esfera regional. Um ponto, porém, não pode ser esquecido. E certamente essa característica foi herdada dos velhos tempos da República Paz e Amor. É lógico que títulos são e serão sempre importantes, bem como, metas permanentes para os clubes. Todavia, o torcedor do Flamengo nunca ficou muito preso a conquistas de campeonatos para que o seu orgulho se mantivesse em alta. Cada vitória era o que importava. Isso vem do remo e o futebol absorveu. Vitória do Flamengo significava festa e era das “pequenas” alegrias que o torcedor vertia o seu alimento. Dissabores existiram, jejuns de títulos, fracassos, derrotas acachapantes, mas o amor de seu torcedor continuava intacto e, incrivelmente, mais fortalecido. Essa é uma das facetas do seu torcedor. Quando o assunto recai sobre os títulos nacionais, o período da década de 1980 é o mais representativo. Importante frisar que as disputas entre clubes de diferentes regiões do país só teve início em 1959, com o advento de um torneio - que substituía os campeonatos de seleções estaduais - chamado de Taça Brasil. Esta competição tinha formato de disputa que punha em confronto apenas times pertencentes a uma mesma região – instituído assim pela distância nas locomoções. Juntamente com essa Taça Brasil, o torneio Roberto Gomes Pedrosa – antiga Copa Rio-São Paulo – que abriria espaço para a disputa entre os principais clubes do país. Isto ocorreu em 1967. Esse é o embrionário do nosso Campeonato Brasileiro. O Flamengo possui 6 conquistas de Campeonato Brasileiro e 3 de Copa do Brasil. Uma Copa dos Campeões - competição que reuniu representantes das cinco regiões do país e que teve só três edições, de 2000 a 2002. Inúmeros títulos em torneios no exterior. A Copa Mercosul, e os dois mais importantes títulos. O de campeão da Taça Libertadores da América
  • 65. 64 – a maior competição do Continente – e o Mundial Interclubes – que era disputado entre o Campeão Sul-Americano e o campeão Europeu. Isto foi em 1981. É difícil relatar quais foram, tanto os ídolos, como as conquistas que mais se sobressaíram. É certo que cada torcedor tem sua predileção sustentada por razões afetivas e pela memória eletiva. Inegável também é que o Flamengo viveu a sua fase mais produtiva, em termos de títulos, na década de 1980. Há de se considerar a formatação do futebol no Brasil que só ganha mais solidez de disputa a partir da década de 1970. Relacionar os títulos por ordem de importância é difícil, até porque como já dito, cada conquista tem uma singularidade. De forma que todas são especiais. Neste trabalho, apresenta-se parte dessa vasta lista de conquistas. No primeiro título do Flamengo, em 1914, o time era formado pela base da primeira equipe de futebol do clube. O campeonato contou com sete participantes e a campanha rubronegra teve oito vitórias, três empates e uma derrota. O uniforme era o chamado “cobra coral” – listras horizontais vermelha, preta e branca. O artilheiro da equipe foi Riemer com 8 gols. Como remanescentes da criação do futebol no clube: Baena, Píndaro, Nery, Galo, Arnaldo, Amarante, Bahiano e Borgerth. A camisa cobra coral, mesmo com vida curta – dois anos – deu sorte, pois, levou o clube à conquista invicta em 1915. Foi aposentada em 1916, por se parecer com a bandeira da Alemanha – criticada em face da atuação na 1ª guerra mundial. Dos onze jogadores, dez, eram acadêmicos. Cursavam Medicina e Direito. Só um jogador, Galo, não estudava. Em 1927, o título que trouxe à tona a mística da camisa. O Flamengo praticamente sem um time, na base da superação mesmo, levantou o caneco. Moderato foi o grande herói. Jogou uma partida contra o Vasco com uma apendicite em vias de arrebentar, morrendo de dores e no sacrifício. Após a vitória sofrida, Moderato, sai de campo e vai direto para o hospital. Algum tempo depois da cirurgia, em fase de convalescença ainda, entra em campo na final contra o América e, com uma cinta envolvendo desde a região abdominal até a parte pélvica, marca o gol do título. O Flamengo tinha um time bastante limitado e a entrega dos jogadores foi de uma altivez nunca imaginada. Surge a mística da camisa que joga sozinha. Após 12 anos de jejum, vem o título de 1939. Era a gestão de José Bastos Padilha. Leônidas e Domingos da Guia, personagens desse time. Três anos depois, viria o primeiro tricampeonato da história do clube, 1942, 43 e 44. A decisão de 1944 é a mais emblemática e ganhou ares de epopeia. O personagem é o argentino Valido. Em um estádio da Gávea abarrotado, Flamengo e Vasco decidem o título. O Vasco tinha uma equipe brilhante, era um
  • 66. 65 time muito forte – começava a formar o expresse da vitória, esquadrão cruzmaltino que fez história. O Flamengo se superando na raça. O time de São Januário jogava pelo empate. Agustín Valido havia se aposentado em 1943. Virara comerciante a tinha aberto uma gráfica. Durante uma pelada na Gávea, em que jogava o time da gráfica de Valido, o técnico do Flamengo, Flávio Costa - um dos mais expressivos da história do futebol brasileiro - ao ver Valido em campo – havia substituído um funcionário seu - acha que o argentino ainda reúne condições de jogar no time do Flamengo. O convite é feito. Valido tenta demover Flávio da ideia, dizendo não reunir mais condições físicas. No final, alegando amor ao Flamengo acaba aceitando o desafio. Joga a penúltima partida contra o Fluminense e sai de campo com dores musculares absurdas que travaram o seu corpo, tamanho o seu esforço. A partida final contra o Vasco, uma semana depois, reserva a Valido o maior momento de sua carreira. Disposto a não jogar, em razão de ainda se recuperar das dores pelo corpo e de estar com febre, é convocado por Flávio Costa a entrar em campo. Aos 44 minutos do segundo tempo, após cruzamento na área de Vevé, sobe mais do que toda a defesa do Vasco e - em um lance discutido até hoje, segundo alguns, se apoia no zagueiro Argemiro - cabeceia para o fundo das redes. Gol do título e frenesi no estádio da Gávea. Segundo contam alguns livros, Ary Barroso, que narrava à partida, larga o microfone e invade o campo de jogo não se contendo em alegria. Em 1953, 54 e 55, o segundo tricampeonato. O Flamengo com um time chamado de rolo compressor e sob o comando do técnico paraguaio Fleitas Solich – chamado de “El brujo”, pelas proezas que realizava – não toma conhecimento dos adversários. O presidente era Gilberto Cardoso, obstinado em fazer o Flamengo cada vez maior no futebol e forte também no esporte amador. Na partida final de 1955, contra o América – grande força do futebol carioca – pode-se dizer, do Brasil - à época e favoritíssimo – Fleitas decide apostar todas as fichas em um garoto chamado, Dida. O garoto alagoano acaba com a partida. Dida conseguiu com talento admirável conquistar o seu espaço na galeria dos grandes ídolos do clube. O time do Flamengo havia firmado um pacto de conseguir a vitória e o título a todo preço para homenagear o presidente Gilberto Cardoso que havia falecido poucos meses antes, vitimado por um enfarto, acompanhando o seu Flamengo, em uma partida de basquete. Em 1963, contra o Fluminense, naquele que é considerado o jogo com maior público em confronto entre clubes, 177 mil pagantes - sendo que tinha muito mais gente no estádio -, o rubro-negro empata em 0 x 0 e consegue o título daquele ano. Já em 1978 o torcedor é brindado com o início do terceiro tricampeonato do clube e vê o esboço do que seria o maior time do Flamengo de todos os tempos. Após o clube perder o campeonato de 1977, o técnico
  • 67. 66 revolucionário, Cláudio Coutinho, dá o passo inicial para o ciclo vitorioso, comandando a geração de ouro que começava a se formar e que viria a escrever o capítulo de maior brilho na vida do Flamengo. A decisão de 1978 foi contra o Vasco, que jogava pelo empate. O jogo estava 0 x 0. Aos 42 do segundo tempo, escanteio a favor do Flamengo. Rondinelli – o Deus da Raça - sai em disparada do seu campo de defesa, atravessa todo o campo como um raio e salta entre os zagueiros vascaínos para desferir uma cabeçada indefensável, marcando o gol antológico daquela conquista. Essa imagem não sai da cabeça de nenhum torcedor rubro-negro e sempre que é mencionada essa conquista, a emoção ecoa pelo ar. Em 1979, por desmandos políticos da CBF e da Federação de futebol do Rio, são realizados dois campeonatos no mesmo ano. O Flamengo papa os dois. E aquela história de que torcida ganha jogo? Pois bem, em 1981, na decisão do Campeonato Carioca, Flamengo e Vasco decidem em uma melhor de três partidas quem seria o campeão. Em 6 de Dezembro – uma semana antes da decisão do Mundial Interclubes, no Japão – o Flamengo entra em campo para o terceiro jogo decisivo com a corda no pescoço. Havia perdido as duas partidas anteriores. O time rubro-negro – de grande qualidade técnica - estava muito mais preocupado com a decisão do título mundial. Os jogadores também se recuperavam do trauma pela perda de seu comandante, Cláudio Coutinho. Mesmo havendo deixado o clube no final de 1980, gozava de carinho, respeito e admiração de todos. Coutinho morreu uma semana antes do desse jogo final, durante a prática da pesca submarina - mergulho de apneia - nas ilhas Cagarras, no Rio de Janeiro. Para o clube da Gávea era vencer ou vencer. Como tinha o melhor retrospecto durante todo o campeonato, o Flamengo levava vantagem. Se a partida terminasse empatada haveria prorrogação e, se caso fosse, pênaltis. Após o rubro-negro fazer 2 a 0, o Vasco diminui e passa a sufocar. A torcida então entra em campo, literalmente. Ou melhor, um torcedor. Este é, Roberto Pereira, que ficou conhecido celebremente como o ladrilheiro. Ele esfriou a reação vascaína. Os jogadores do Vasco tentavam o tirar a força do campo, com empurrões e sopapos. Os do Flamengo intervieram. O certo é que com o ladrilheiro ou sem ele, era difícil alguma coisa dar errada para o Flamengo naquele ano de 1981. Em 1999, 2000 e 2001, outro tricampeonato. Destaque para o gol de falta em 2001, do sérvio, Dejan Petkovic, aos 44 minutos do segundo tempo, contra o grande arquirrival, o Vasco da Gama. O Flamengo precisava vencer por dois gols de diferença e o Vasco, com um
  • 68. 67 time melhor que o do Flamengo, perdia por 2 x 1. Dessa forma, estava conquistando o título. Isto, até os 43 minutos da etapa final. A torcida cruzmaltina já fazia festa. A do Flamengo implorava aos deuses e ao seu padroeiro, São Judas Tadeu, que mais um golzinho saísse. No momento da cobrança de falta, Petkovic e torcida, em sintonia, são alcançados por uma dessas coisas fascinantes do futebol. A bola vai fazendo uma curva e entra no ângulo, no único espaço entre a mão do goleiro do Vasco, Hélton, e a curvatura da trave com o travessão. Alegria enorme. Desmaios, euforia inflamada, choro, apoteose, delírio. O Maracanã presencia uma tarde inesquecível para o torcedor do Flamengo que carrega na memória, envolvido em papel de seda, este momento. Fechando a série de tricampeonatos, 2007, 2008 e 2009. O time do momento a ser batido: Botafogo de Futebol e Regatas. Nesses três anos, a final se repetiu e o clube da estrela solitária ficou com a incômoda condição de tri vice-campeão. Condição esta, que o Vasco já havia experimentado, em 1999, 2000 e 2001. São os anos que coroam o pentatricampeonato do Flamengo. O goleiro Bruno – preso em 2010, pela participação no homicídio de sua amante -, Fábio Luciano, Obina, Léo Moura, Ronaldo Angelim, Juan, são alguns dos personagens dessas conquistas. O ano de 1980 é o marco inicial das grandes conquistas nacionais. Na final do Campeonato Brasileiro daquele ano, contra o Atlético Mineiro, o Maracanã, com mais de 150 mil pessoas, é palco perfeito para a primeira conquista brasileira do Flamengo. O jogo estava 2 x 2. O Atlético, jogava pelo empate. Aos 37 do segundo tempo, Nunes, chamado de “João danado” por sua insistência em fazer gols decisivos e pela técnica que passava longe dele, limitada, marca o gol do título. Flamengo 3 x 2. E depois vieram as conquistas de 1982, contra o Grêmio, em Porto Alegre – novamente gol de Nunes – e, a de 1983, contra a equipe do Santos, no Maracanã. O público de quase 160 mil pessoas vai ao delírio no apito final. 3 x 0, Flamengo. Depois deste título, nos anos seguintes, o time vai perdendo peças importantes daquele grupo vitorioso. Raul, Zico, Júnior, Nunes – este, ainda em 1983 - e Marinho, deixam o clube. Em 1987, com Zico que havia retornado em 1985 e lutava contra uma séria contusão no joelho - já sem as melhores condições físicas, contudo, ainda brilhante, cirúrgico – o Flamengo levanta o seu quarto título brasileiro. Na partida final no Maracanã, 1 x 0 sobre o Internacional de Porto Alegre. Em 1992, sem Zico, mas com Júnior, o maestro, que havia retornado da Itália em 1989, o quinto título nacional. O adversário foi o Botafogo. Após um 3 x 0 na primeira partida, empate em 2 x 2, na final que sela a conquista. Após 17 anos na fila de espera, vem o título de 2009. O campeonato brasileiro que passou a ser disputado, a partir
  • 69. 68 de 2003, no sistema de pontos corridos - não necessitando ter uma decisão, uma partida final tem o Flamengo como Hexacampeão Brasileiro. Somados a estas conquistas de campeonato brasileiro, os títulos da Copa do Brasil de 1990, 2006, 2013 e da Copa dos Campeões, em 2001, completam os títulos nacionais de maior relevância do rubro-negro. Em 1990, na final da Copa do Brasil, o adversário foi o Goiás. Na partida decisiva, em Goiânia, 0 x 0. E por ter vencido o primeiro jogo por 1 x 0, gol do zagueiro Fernando, o título é consumado. Sob o comando de Jair Pereira, Zé Carlos, Júnior, Renato Portaluppi, Gaúcho, Zinho, estiveram à frente daquele grupo. Na final de 2006, o Vasco decidiu o título com o rubro-negro. Destaque para Obina, e Luisão – que marcaram gols no primeiro jogo da final, - e Juan, no jogo decisivo. Além de nomes como, Renato Abreu, Léo Moura, Ronaldo Angelim e o garoto, Renato Augusto, lançado na reta final da competição pelo técnico Ney Franco. Nos dois jogos, vitória rubronegra, por 2 a 0 e 1 a 0. Na conquista de 2013, o Atlético Paranaense foi o adversário a ser superado na final. O 1 a 1, no primeiro jogo, em Curitiba, e o 2 a 0, no Maracanã, deram o tricampeonato da Copa do Brasil ao Flamengo. O técnico Jayme de Almeida contou com nomes como, Felipe, Hernane, Paulinho, Elias, Wallace, André Santos, Amaral, Léo Moura, Luis Antônio. Pela Copa dos Campeões em 2001, na final, Petkovic, repetiu contra o São Paulo a bela cobrança de falta do título carioca daquele ano. Pelo fato de ter vencido a primeira partida por 5 x 3, no segundo jogo, mesmo com a derrota por 3 x 2 para o tricolor paulista, o título é conquistado pelo Flamengo. A partida foi realizada em Maceió, Nordeste brasileiro, e a “nação rubro-negra” tomou conta do estádio. Parecia uma partida no Rio. É em 1981, o ano mágico. Primeiro, a Libertadores da América. Depois, o Mundial Interclubes, no Japão. O Flamengo passa a ser então o 2º time brasileiro campeão mundial interclubes. Antes, só o Santos de Pelé havia atingido essa condição. Na final da Libertadores, supera em uma melhor de três partidas, o violento time chileno do Cobreloa. Já o título mundial vem com vitória fácil, em uma partida perfeita, uma aula de futebol, contra o time, naquele tempo, mais admirado da Europa, o Liverpool, que tomou um passeio do Flamengo no primeiro tempo, 3 x 0. No segundo, o rubro-negro pôs o time inglês na roda e abriu mão de emplacar uma goleada mais elástica ainda.
  • 70. 69 3 A CRÔNICA Fazer crônica é se permitir pôr um dos pés, ou os dois, na seara da fantasia, do extraordinário, que repousa nas entrelinhas de uma vida ou de uma situação. É ter o olhar apurado, o ouvido notavelmente captador e uma alma solta e liberta. Crônica é sentimento. É captação do que é – está - escondido e o trazê-lo à tona. É sustentar o real em camadas de fantasia que não atuam, necessariamente, interferindo no descaracterizar da realidade. Fazer crônica é desenvolver relação imaginária, de pegar na mão do leitor e levá-lo para passear. A influência da Literatura no Jornalismo é algo que se sustenta já há muito tempo. O jornalismo, que surgiu da necessidade natural e incontrolável do homem de falar, de contar, de interagir - a isso chamamos de Comunicação - e pelo anseio de vencer o medo do desconhecido, é rico instrumento de comunicabilidade e informação. Da necessidade de falar, emerge outra. A de escrever. Assim, as primeiras páginas da comunicação impressa deram o ar de sua graça. Ganhando, conquistando gradualmente espaço no qual podiam falar da sutileza dos fatos e reinventar a escrita, os escritores e jornalistas se viram diante de uma perspectiva na qual a crônica teria espaço cativo conquistando os leitores. Mas como ela surgiu? Em que período? Desde a idade média a crônica recebe menção. Existem relatos de que no século XV, em Portugal, a arte de escrever crônica já era utilizada. Um pouco da história dela. O ano de 1418 é considerado o início, em Portugal, do humanismo, época de transição da Idade Média para o Renascimento. E o marco desse início foi a nomeação de Fernão Lopes como guarda-mor da torre do tombo. Essa torre era um arquivo de documentos e de velhas escrituras do Reino, e a tarefa do arquivista seria apenas conservá-los. Será, no entanto, muito mais: em 1434, por ordem do então rei D. Duarte, Fernão Lopes é também nomeado cronista-mor do Reino, com a obrigação de (...) fazer o registro dos feitos dos antigos reis de Portugal até o reinado de D. Duarte. E de que esse registro era chamado de “caronyca”, ou seja, crônica. (BENDER e LAURITO, 1993, p. 11-12). É efetivamente pelo folhetim que a porta se abre para o entrelaçamento entre Literatura e Jornalismo. Essa “fusão” teve início na França, no século XIX. A inserção dos escritores na esfera jornalística trouxe ganhos consideráveis em vários aspectos. Pela publicação nos jornais de narrativas literárias, que prendiam a atenção dos leitores, veio a acontecer o aumento das vendas. O livro era caro. O jornal, algo pouco mais acessível para a grande população. Com o aumento das vendas, os jornais puderam baratear o seu preço final e atraíram cada vez mais novos leitores. Por outro lado, os escritores passaram a ser muito mais
  • 71. 70 conhecidos e têm seus ganhos financeiros melhorados. E por fim, os anunciantes seriam beneficiados, também. Pela lógica, teriam que pagar mais por seus anúncios, mas, em contrapartida, abocanhariam um público maior e poderiam explorar novas fatias da população, consequentemente, podendo ter seu produto muito mais vendido. É isso o que nos aponta (PENA, 2008). Pela narrativa envolvente e segmentada em capítulos, o folhetim gerou muito interesse. Um recurso pontual – “o plot” (ponto de virada) - criador de uma situação de elevada carga de mistério que tocava a curiosidade das pessoas, fazendo, em seguida, o corte brusco, arrastando a sua continuidade para o dia seguinte, levava as pessoas ao consumo diário para acompanhar a trama. “[...] A ação era sempre interrompida no momento culminante. A hora do beijo, a descoberta do assassino ou o flagrante do marido". (PENA, 2008, p.29). O termo crônica tem sua origem na palavra grega, Chronikós, que vem a significar “tempo”. Durante o período medieval os cronistas utilizavam o gênero para relatar acontecimentos marcantes e enaltecer reis. Quando de sua chegada ao Brasil, encontrou solo fértil para se disseminar. O potencial da crônica é gigantesco e na apropriação dela o que não se pode dizer diretamente ganha abordagem poética, sendo "trabalhada" e colocada para vias de compreensão através da aplicação de recurso do eufemismo literário. A crônica, no sentido em que o termo é comumente usado hoje para designar um texto jornalístico que aborda os mais diversos assuntos, nasceu de um filão que começou no século XIX, na França, e que se transplantou com sucesso para o Brasil. Esse filão era chamado de folhetim (do francês feuilleton). (...) era um espaço livre no rodapé do jornal, destinado a entreter o leitor e a dar-lhe uma pausa de descanso em meio à enxurrada de notícias graves e pesadas que ocupavam – como sempre ocuparam – as páginas dos periódicos. Com o tempo, a acolhida do público com relação a esse espaço foi aumentando, e o folhetim passou a ser um chamariz para atrair leitores. (BENDER e LAURITO, 1993, p. 15). A crônica como gênero jornalístico tem característica de possuir um texto curto, tendo o propósito de proporcionar uma leitura breve e de servir como uma pausa, um suspiro, sobre as notícias de maior peso, como as de Economia, Política, Polícia, etc. Nomes marcantes do gênero como os franceses, Balzac, Victor Hugo e Alexandre Dumas; os ingleses, Charles Dickens e Walter Scott; o russo Dostoievski; os brasileiros, Machado de Assis, José de Alencar, João do Rio, Olavo Bilac, Coelho Neto, Lima Barreto, entre outros, por intermédio de suas construções literárias no jornalismo, souberam informar eficazmente de modo agradável.
  • 72. 71 O folhetim teve papel relevante na democratização da Cultura. É certo que ajudou também a despertar o interesse pela alfabetização entre os “marginalizados sociais”. O acesso à leitura foi estimulado pelas histórias sequenciais bem contadas. Com o engajamento em uma escrita de teor crítico, denunciativo das explorações sociais, os escritores proporcionaram o despertar para a realidade capitalista. Exemplo claro disso enxerga-se na figura de Charles Dickens, que na Inglaterra, foi o precursor da escrita folhetinesca delativa. Relatando a precariedade das condições de trabalho e o analfabetismo imperante entre operários ingleses, suas denúncias, contribuíram para a implantação de políticas de redução do analfabetismo e para alguma melhoria nas condições de trabalho. No Brasil, inicialmente, a crônica, posicionada no rodapé das páginas de jornal, era somente desdobramento das traduções originárias do francês. Em momento seguinte, já se passou a escrever alguma coisa que abordasse nossos aspectos, nossos traços sociais, mas a roupagem de característica francesa ainda era perceptível. Não demorou muito para que nossos autores imprimissem uma escrita, na qual, assuntos de nossa realidade fossem abordados e esmiuçados. Manuel Antônio de Almeida, José de Alencar, Machado de Assis, são nomes que impuseram suas marcas, iniciando uma produção folhetinesca com estilos próprios. Estudiosos da crônica literária brasileira assinalam o seu nascimento com o marco de 2 de dezembro de 1852, data em que Francisco Otaviano inaugura no jornal do comercio, do RJ, a seção, a semana, ou seja, os folhetins literários do romantismo. [...] Convém notar que, mesmo antes da assinalada data de 1852, ainda na década de 40, já o comediógrafo Martins Pena, em folhetins do mesmo jornal do comercio, exercia a função de crítico dos espetáculos líricos da corte. [...] nesses folhetins, ele extrapolava a mera apreciação das operas levadas à cena, entremeando não só digressões pessoais como intervenções hilariantes e de fina ironia, que podem ser interpretadas como embriões das crônicas de humor [...]. (BENDER e LAURITO, 1993, p. 29). Durante o período do Modernismo, duas correntes de estilo se revezavam nas preferências dos leitores. Pelo lado conservador, Coelho Neto e Humberto de Campos; do lado renovador, Paulo Barreto (João do Rio) e Lima Barreto. O Rio de Janeiro e toda sua efervescência era o grande centro do país e ali se reuniam os mais célebres cronistas. Durante a belle époque carioca, a crônica retratou com maestria este período. Surge nessa época uma referência de cronista que rompia com aquela coisa de escrever trancafiado em redações, abordando temas que passavam distante da realidade das pessoas. Dando lugar ao relato de andanças suas pelas ruas históricas, como a Rua do Ouvidor e a Avenida Central, e pondo em
  • 73. 72 vias de conhecimento as dificuldades enfrentadas pela população mais carente dos morros e cortiços, esta era a forma de escrita utilizada por Paulo Barreto, o João do Rio. O grande cronista da cidade e o grande João da época, no entanto, vem a ser o inquieto andarilho do rio e digno representante da belle époque carioca, com suas rodas boemias e cafés e as ideias efervescentes do pós-primeira grande guerra: João do rio, ou seja, o jornalista, contista e cronista Paulo Barreto. Assumindo o pseudônimo que o popularizou, Paulo Barreto representa a corrente renovadora da crônica pré-modernista, que tira o cronista do gabinete ou da redação do jornal e o leva às ruas, transformando em reportagem de campo os flagrantes, depoimentos e impressões dos mais variados aspectos da vida urbana. João do rio não só fez a crônica leve e mundana da vida social do rio de seu tempo, como também registrou e denunciou os contrastes de uma cidade em que conviviam a beleza da paisagem e as mazelas sociais, como a insalubridade, o vicio e a miséria. (BENDER e LAURITO, 1993, p. 35). Machado de Assis, notável cronista, jornalista, fez um paralelo entre a crônica e a História. “A história é uma castelã muito cheia de si e não me meto com ela. Mas a minha comadre crônica, isso é que é uma velha patusca, tanto fala como escreve, fareja todas as coisas miúdas e grandes, e põe tudo em pratos limpos”. (ASSIS apud NEVES, 2001, p. 21). A crônica se identificou tanto com o jeito brasileiro de ser, com o perfil de jornalistas e escritores da terra tupiniquim, que a ideia que se fazia era a de que a crônica seria um fenômeno concebido pelo brasileiro. Alguns estudiosos afirmam que no Brasil a crônica ganhou roupagem especial. Um jeito único de ser. E é no Rio de Janeiro que ela encontrou melhor acolhimento. Pela quantidade, constância, estilo e qualidade dos cronistas do Rio de Janeiro, ela, a crônica, passa a ser apontada como produto cem por cento carioca. É isto o que destaca (MOISÉS, 1982). O cronista imerge nas pulsações cotidianas. Alguns pautaram a sua escrita na descrição de particularidades de certos círculos sociais até então inacessíveis pelo desprezo lançado a eles. Como exemplo, as histórias da vida nas favelas, dos fatos informais dos gabinetes políticos, dos crimes, dos rituais das doutrinas religiosas. Isso foi importante para fortalecer o grau de interesse do leitor pela crônica. Na descoberta do Brasil, conta-se que esse feito foi relatado por meio de uma crônica. Existia na época o costume de as embarcações dos desbravadores terem um contador de histórias, o sujeito que ficaria responsável pelo armazenamento dos fatos em linhas escritas. Este sujeito devia ser fidedigno ao que acontecia. Os portugueses sentiam necessidade e precisavam forçosamente descrever para o rei tudo o que havia por aqui. A pré-história literária brasileira começa com uma crônica. Isso, dizem os estudiosos. Com efeito, crônica, no velho sentido da palavra, é a carta de Pero Vaz
  • 74. 73 de Caminha, o escrivão da armada de Pedro Álvares Cabral, que relata ao rei D. Manuel os lances da descoberta do Brasil em 1500. Como a carta só chegaria ao destinatário tempos depois do evento, os acontecimentos relatados no momento mesmo da descoberta já se constituíam, por si, um registro do passado. Nesse sentido, Caminha comporta-se como um cronista à moda do quinhentismo português. No entanto, comporta-se também como um cronista no sentido atual da palavra – o de flagrador do tempo presente – na medida em que o seu relato é contemporâneo dos acontecimentos que narra. Caminha é o cronista do cotidiano do descobrimento, ou seja, do ‘hoje’ de 1500. (BENDER e LAURITO, 1993, p. 12). Livros conhecidos tiveram inicialmente suas publicações em jornais, através dos folhetim–romance: O Guarani, de José de Alencar; Memórias de um Sargento de Milícias, de Manuel Antônio de Almeida; O Ateneu, de Raul Pompéia; O Triste Fim de Policarpo Quaresma, de Lima Barreto. Nelson Rodrigues, na década de 1940, ressuscitou o gênero. O escritor - sob o pseudônimo de Susana Flag - publicou folhetins na imprensa carioca, entre 1944 e 1947, nos Diários Associados. E como esquecer “A vida como ela é”, publicada no jornal Última Hora, durante as décadas de 1950 e 1960? Esse modelo de crônica, chamado de folhetim faz sucesso até hoje e, estrondosamente, conquistou outra mídia, a televisão. Como instrumento que pelo seu modelo atrativo é capaz de fazer o leitor enxergar uma “outra verdade” que repousa sobre todo e qualquer aspecto do cotidiano, assim, a crônica pode ser entendida. O cronista examinando o que vai ser descrito se aprofunda de tal maneira que afronta o real formalizado e, descobrindo novos horizontes que não deixam de ser facetas de outras da realidade, sai do convencionalismo e revela um universo ainda não perceptível, defende (SÁ, 2002). Em se tratando de futebol, a aproximação com a crônica foi coesa, salutar, significantemente valorosa. Aconteceu o aguçamento sobre os fatos, revelando toda a poética e dramaticidade do esporte. Por intermédio das crônicas esportivas o entendimento de que o futebol é uma instituição nacional, foi claramente propagado e defendido. A crônica esportiva brasileira colaborou para o exacerbar da paixão do torcedor e para a compreensão de ser este ato, o de torcer, um grande exercício social. 3.1 CRÔNICA ESPORTIVA BRASILEIRA A crônica esportiva no Brasil tem registros esparsos de existência datados do final do século XIX. É no início do século XX que passa a ser perceptível nos periódicos brasileiros e, principalmente, nos do Rio de Janeiro. Mas não a crônica da forma que se conhece hoje em dia. Era bem diferente. O que existia nos jornais era na verdade um reduzidíssimo espaço
  • 75. 74 destinado à informação - geralmente posterior ao evento em si – minguada e com um estilo que prezava pela escrita rebuscada e uso de vasta terminologia de origem inglesa. A compreensão do que era escrito, o interesse, ocorria somente entre os letrados. O povo passava longe daquele curto espaço destinado aos eventos esportivos. A abordagem fria não traduzia a atmosfera do evento em si. Os esportes de destaque eram o Turfe, o Remo, o Críquete, o Ciclismo e o Atletismo, que recebiam abordagem tímida e inexpressiva na imprensa. Inicialmente, encontrou em nomes como Olavo Bilac, Coelho Neto e João do Rio uma base para que viesse a se constituir como ferramenta eficaz de defesa do esporte. Posteriormente, o futebol iria se inserir definitivamente na imprensa. Esse rol de cronistas seria alargado e a crônica esportiva viria a conquistar definitivamente o seu lugar. Na década de 1900 com o futebol no Brasil em início de sua construção histórica, com o surgimento dos primeiros campeonatos regionais, a crônica esportiva, ainda incipiente, quase não falava sobre o esporte. E quando falava, era só para informar sobre o placar de partidas já realizadas e nada mais. Já na década de 1910, os periódicos começaram a informar, diariamente, os locais e horários de treinamento das equipes e das partidas que seriam realizadas. Abordagem relativa a estádios, ao público presente, também vinha a ocorrer. Portanto, já havia certo avanço, uma conquista inicial. A crônica já não se resumia a noticiar o resultado das partidas já ocorridas. Entre o final da década de 1920 e durante toda a década de 1930, a crônica esportiva e a inserção do futebol na sociedade já era uma realidade. As redações começam a ganhar jornalistas interessados em trabalhar na editoria de Esportes. Passa-se a enxergar o futebol como assunto que, se melhor explorado, poderia trazer ganhos ao veículo de comunicação. Muito disso se deve ao jornalista Mário Filho. Figura precursora que acreditou ser o esporte e, com maior vigor, o futebol, um instrumento de transformação social, com grande poderio para encantar e proporcionar esfuziantes alegrias, tendo caráter extremamente sadio. Vale destacar também a atuação do paulista, Thomaz Mazzoni, cronista que na década de 1920, começou efetivamente a trabalhar no jornalismo esportivo paulistano e que em livros e artigos registrou muita coisa importante. Desta mentalidade de Mário Filho, a crônica esportiva brasileira é reinventada, tornando o futebol exponencial assunto de valor-notícia. Trazendo para a redação esportiva talentosos profissionais da diagramação e da fotografia e inovando nas construções textuais e de imagens, revolucionou a crônica esportiva brasileira por completa. É na década de 1940 que a crônica esportiva se estabelece, conquista de vez o leitor e demarca o seu lugar nos impressos.
  • 76. 75 Mário Filho inventou uma nova distância entre o futebol e o público. Graças a ele, o leitor tornou-se tão próximo, tão íntimo do fato. E, nas reportagens seguintes, iria enriquecer o vocabulário da crônica de uma gíria irresistível. E, então, o futebol invadiu o recinto sagrado da primeira página [...]. Tudo mudou, tudo: títulos, subtítulos, legendas, clichês. Abria-se a página de esporte e lá vinha o soco visual: o crioulão do Flamengo enchendo a página [...]. O jogador aparecia em pleno movimento, crispado no seu esforço. E as figuras plásticas, elásticas, acrobáticas davam às páginas tensão e dramatismo. E, com isso, o diretor, o secretário e o gerente descobriram futebol e o respectivo profissional. O cronista esportivo começou a mudar até fisicamente. Por outro lado, seus ternos, gravatas e sapatos acompanharam a fulminante ascensão social e econômica. (RODRIGUES, 2007, p. 75). Ele foi o primeiro jornalista a se preocupar, a querer dar voz e espaço ao jogador, ao torcedor de futebol. Seu enfoque não recaía somente sobre as circunstâncias comuns de uma partida de futebol. Ia muito além. Tratava o futebol como espetáculo e os seus agentes, os do campo e os da arquibancada, alcançaram prestígio e ganharam visibilidade. Seus anseios, suas vidas, com vitórias e derrotas e a intensidade desesperada, de ambos, jogador e torcedor, esses fragmentos, saltaram para as páginas dos jornais. Promoveu muitas ações que visavam defender, promover a prática esportiva entre o povo. Estimulou as disputas sadias e ajudou a levar públicos consistentes para os estádios de futebol porque fez o torcedor enxergar a sublimidade do esporte. Promoveu inúmeros concursos/sorteios para trazer maior apelo às partidas. Mário desenvolveu, revigorou a crônica esportiva brasileira e teve a preocupação de não deixar no esquecimento a narrativa dos acontecimentos do futebol brasileiro, ocorridos, no início do século XX. Resgatou essas histórias e inseriu-as em livros e crônicas, gravando para a posteridade as primeiras manifestações do futebol carioca e brasileiro. [...] Mário Filho é, sem dúvida, o maior nome da imprensa brasileira ligada ao futebol. Para muitos ele é o verdadeiro criador da imprensa e da crônica esportiva brasileira. Na direção das páginas de esporte de A Manhã (1927), A Crítica (1928 e 1929) e O Globo (1931 a 1942), e como proprietário de O Mundo Esportivo (1931 e 1932) e do Jornal dos Sports (1936 a 1966). Mário Filho revolucionou a imprensa esportiva brasileira, ampliando enormemente seus espaços, colocando os jogadores no centro da cena, publicando entrevistas, biografias e fotos dos atletas em ação, ao invés de poses em terno e gravata, etc. Em seus textos, Mário Filho forjou a linguagem da crônica de futebol e abalou os costumes linguísticos de toda a imprensa esportiva. Os clubes passaram a ser chamados por seus nomes populares, o jargão futebolístico, até então falado em inglês, foi abrasileirado e o futebol ganhou um tratamento lírico, dramático e humorístico que até então era inédito. Além do trabalho em jornais, Mário Filho publicou vários livros, entre eles o clássico O negro no futebol brasileiro, considerado uma das obras mais importantes da literatura futebolística brasileira. (CASTRO, 1996, p. 122).
  • 77. 76 O brasileiro sendo um ser que respira futebol, que se alimenta dele, que tem esse esporte cravado em suas entranhas, se alicerça nele, e parece sentir-se mais resistente na vida por levar para esta, lições absorvidas do futebol que parecem auxiliar na formatação de sua compleição social, psíquica e sentimental. Na crônica, encontra o seu repouso diário, a sua historiadora mais confiável e agente estimulador das emoções. Pensa também assim, (ANTUNES, 2004, p.40): “O futebol foi utilizado pelos cronistas como uma possibilidade de observar e discutir o estilo emocional dos brasileiros, que pensavam a sua comunidade nacional por meio do futebol”. O também jornalista, Nelson Rodrigues, irmão de Mário Filho, logo foi tocado pela possibilidade de fazer o seu texto primoroso beber da fonte da crônica esportiva e assim tê-la como sua companheira. Contraiu com ela, uma relação intensa e muito produtiva que enriqueceu a “vida” do futebol brasileiro e de seu torcedor. E Mário Filho intensificou em Nelson esse gosto pela crônica esportiva. Com uma escrita que enxergava um jogo diferente, mas que era o jogo real – mais amplo - que unia elementos do campo com os da vida, Nelson conseguiu em cheio seduzir os leitores. As crônicas de futebol de Nelson Rodrigues são mais do que um exemplo desse processo pelo qual o texto cronístico torna-se um lugar privilegiado para a construção e cristalização dos sentidos que o imaginário coletivo brasileiro atribui aos acontecimentos, personagens e instituições do mundo do futebol. Nelson Rodrigues foi, ao lado de Mário Filho, um dos grandes artífices da mitologia futebolística brasileira. Talvez porque suas crônicas, extravagantes, polêmicas e tão apreciadas pelo público, sejam aquelas em que a interpretação do futebol se faz de forma mais radicalmente livre da objetividade jornalística. Nas crônicas de Nelson revela-se, para além dos aspectos objetivos, que ele chamava de ‘termos chatamente técnicos, táticos e esportivos’ toda uma outra dimensão do futebol: as interferências do sobrenatural, o dramatismo dos grandes jogos, o lirismo do estilo dos craques, e todo um mundo particular em que os acontecimentos, personagens e instituições do universo futebolístico tornam-se signos de um universo mais amplo, que é a própria vida do homem. (SILVA, 1997, p. 40). Ao passo precursor dado por Mário Filho, os empresários, donos de jornais, enxergaram que o futebol era um grande “negócio” e que precisavam permanentemente estimular a especialização dos profissionais que iriam fazer a cobertura dos eventos esportivos para melhor descrevê-los. (COSTA, 2001) comenta que a editoria de Esportes, antes, um ofício para iniciantes começa a passar por uma reestruturação e os profissionais são selecionados a dedo – os melhores – para aprenderem sobre o assunto futebol, trazendo qualidade àquele espaço. Os profissionais da imprensa teriam que ter conhecimento de regras, estudar a história do futebol e de seus personagens, se aprofundar nos fatos e implicações sociais deste esporte em nossa cultura.
  • 78. 77 Aos jovens cronistas esportivos de hoje pode parecer incrível que um dia as páginas dedicadas ao futebol por nossos jornais fossem tão sem vida. Os noticiários dos clubes não passavam de burocráticos boletins, o relato dos eram desprovidos de qualquer emoção, tratava-se o futebol como hoje se tratam as corridas de cavalo: colocações, tempos, nomes dos jóqueis, dos proprietários, pules, tudo em forma de fichas. E a emoção onde ficava? Os principais personagens das páginas esportivas de antigamente, quando acontecia de se trocar, números por nomes eram os “cartolas” e não os craques. Como se estes não passassem de coadjuvantes no apaixonante drama do futebol. As coisas eram realmente assim. Quer dizer, antes de Mário Filho entrar em campo. Não há qualquer exagero em se dizer que Mário é o pai da moderna crônica esportiva brasileira, aquele que descobriu no futebol uma fonte permanente de histórias admiráveis, das quais heróis eram os jogadores. Hoje pode parecer obvio que assim seja, mas há 40,50, anos, o papel de Mário foi de fato pioneiro, para não dizer revolucionário. Inventando a mitologia do futebol, ele reinventou a crônica. Do que este o negro no futebol brasileiro é um (e talvez o mais eloquente) exemplo. (MÁXIMO apud RODRIGUES FILHO 2003, p.15). Ao se estudar a história da crônica esportiva no Brasil perpassa-se por célebres nomes que souberam colocar o futebol em patamar de destaque nas páginas de jornal. Através das crônicas, que recriavam, aguçavam, que faziam fluir o encanto, a magia do futebol e o seu papel destacado no cotidiano da vida da hoste de amantes, a cada dia maior, o insondável passou a ser descoberto. São ícones da crônica esportiva brasileira, entre vivos e mortos, figuras como Armando Nogueira, João Saldanha, Luiz Mendes, Sócrates, Juca Kfouri, João Máximo, Teixeira Heizer, Fernando Calazans, Ruy Carlos Ostermann, Henrique Pongetti, Sandro Moreyra, Sérgio Porto, Tostão. Os que não oficiosamente tinham o compromisso diário da escrita sobre futebol, mas que, por vezes e vezes, como amantes que eram do esporte, não se privaram a passear pela crônica esportiva, como, Paulo Mendes Campos, Rubem Braga, Carlos Drummond de Andrade. E os de hoje, Luis Fernando Veríssimo, com maior freqüência, e, Nelson Motta, Arthur Dapieve, Nando Reis, só para citar alguns, que, esporadicamente, fazem questão de exercitar a escrita esportiva. Todos, dignos de reconhecimento. Demarcando o assunto da crônica esportiva brasileira no tocante à aproximação com o torcedor do clube de maior torcida do país, o trajeto leva às crônicas de José Lins do Rego, Nelson Rodrigues e Mário Filho, escritores prodigiosos que souberam com primazia, talento ímpar, descrever o torcedor do Clube de Regatas do Flamengo. Revestindo esse torcedor de posição altiva, de aura peculiar de carregada e incomparável satisfação que o arrebata e o faz bradar com orgulho e alegria insofismável ser ele, torcedor do clube de maior torcida do Brasil, assim, o torcedor rubro-negro é apresentado. Oportuno apresentar uma crônica de João
  • 79. 78 do Rio, codinome do cronista Paulo Barreto, onde ele exclama repleto de gratidão ao Flamengo, por ser esse clube, já em 1916, uma referência em esportes na cidade. [...] O clube de regatas do Flamengo tem, há vinte anos pelo menos, uma dívida a cobrar dos cariocas. Dali partiu a formação das novas gerações, a glorificação do exercício físico para a saúde do corpo e a saúde da alma. Fazer sport há vinte anos ainda era para o Rio uma extravagância. [...] o clube de regatas do Flamengo foi o núcleo de onde irradiou a avassaladora paixão pelos sports. O Flamengo era o parapeito sobre o mar. [...] Rendamos homenagem às regatas do Flamengo! [...] é este club que inaugura hoje o seu campo de jogos. Haverá acontecimento maior? O Rio está todo inteiro ali [...]. O campo do Flamengo é enorme. Da arquibancada eu via o outro lado, o das gerais, apinhado de gente, a gritar, a mover-se, a sacudir os chapéus. [...]. Eu procurava conhecidos. Estava todo o Rio. [...] venceu o Flamengo num score de 4 x 1... à porta quinhentos automóveis buzinavam, bufavam, sirenavam. E as duas portas do campo golfavam para frente do Guanabara mais de seis mil pessoas arrasadas da emoção paroxismada do Foot-ball. (JOÃO DO RIO apud SEVCENKO, 1998. p.513-519). Os três cronistas citados foram inseridos no panteão dos grandes representantes do gênero no Brasil. Sob a ótica deles, a história, o papel esportivo e social do Clube de Regatas do Flamengo, e a fulguração de sua torcida, em especial, são analisados, interpretados e postos em evidência. O Flamengo tem como sua representação mais exata, o seu torcedor que é proclamado como o seu décimo segundo jogador, ou, por certo prisma, o primeiro jogador, metaforicamente falando.
  • 80. 79 4 O TORCER PELO FLAMENGO NA VISÃO DOS CRONISTAS ESPORTIVOS A crônica esportiva brasileira e o Flamengo, mutuamente, potencializaram-se e foram agraciados pela força expositiva, de um e do outro, tornando-se mais consumidos com a aproximação estabelecida. A crônica ajudou a espalhar os grandes feitos do clube e contribuiu para, de certa forma, tornar o clube mais admirado e amado. O Flamengo deu aos veículos de comunicação, de todos os segmentos e, em particular, ao impresso, no caso os jornais, amplas vendagens. Infundado é relutar em aceitar que, desde sempre e, em pleno século XXI, os meios de comunicação sejam corporações que assentam a sua preocupação sobre quesitos econômicos, financeiros e de lucro. Não tem para onde fugir. Isto é fato. É a lei da sobrevivência de mercado. Não só nisso, é verdade, mas, esse aspecto não pode jamais ser ignorado. Pensar dentro desse paradigma é normal e aceitável. A mídia busca por notícias vendáveis, essa é a máxima. Porém, nem por isso, se deve desacreditar os meios de comunicação e vir a pensar em descompromisso com a verdade. O Flamengo se reveste de grandes histórias, sólidas, atraentes e reveladoras de seu “estado existencial”. Por isso teve, tem e sempre terá espaço na mídia.
  • 81. 80 O clube sempre foi elemento de repercussão. De amplitude nacional. As suas façanhas, a torcida apaixonada e festeira, as personalidades que ao Flamengo se entregaram de corpo e alma, as vitórias, os dramas superados, tudo isso, determinou a exposição constante do clube na imprensa esportiva. Além, é claro, do fato de os veículos de comunicação terem percebido o melhor de todos os aspectos, comercialmente falando, quando o assunto é o Flamengo. A torcida do clube em escala desdobrada, alargada, múltipla, extensa, numerosa ao extremo. Ali, teriam um vasto e potencial consumidor. Ao estudar o Clube de Regatas do Flamengo e o tratamento dado a ele pela crônica esportiva brasileira, verifica-se que o tema, Flamengo, – formatado na união instituiçãotorcida – aqueceu, arrefeceu e germinou com força dentro do jornalismo esportivo. Pelo traço simples, mas não superficial, inteligente, evocativo, de plena vazão à voz da alma, comum ao estilo de escrita da crônica, o Clube de Regatas do Flamengo encontrou um fabuloso canal permitidor da formação constante de novas fatias de torcida. No período das décadas de 1930 e de 1940, o que se viu foi a crescente exploração de qualquer viés noticioso que fizesse menção ao Flamengo pelos veículos de comunicação, pela Literatura, Música, Cinema, Rádio, Televisão e por aí vai. Na mídia impressa, três exponenciais cronistas esportivos, José Lins do Rego, Nelson Rodrigues e Mário Filho, se apropriaram com maestria do espaço entregue a eles nos maiores jornais do país e brilhantemente souberam desenvolver o assunto Flamengo e seu torcedor. Em jornais como, O Globo, Última Hora, Jornal dos Sports, Correio da Manhã. Na revista Manchete Esportiva, soltaram ao vento sua verve jornalístico-literárias em produções de notável valor. Pelo desejo comum de propiciar a captação da importância do futebol como meio de se chegar ao âmago de nossa identidade nacional, foram atuantes e incisivos na valorização da autoestima de nosso povo. Pela lisura de caráter, além do status natural alcançado, escreviam o que queriam, do jeito que convinha, para apresentar suas percepções mais verdadeiras. Nunca aceitaram interferência no que vieram a produzir. Impuseram paixão em tudo o que se propunham a descrever e como baluartes da escrita penetrante e inteligente, exaltaram, não só o Flamengo, mas todo o futebol brasileiro, o nosso escrete verde e amarelo, pondo o sentimento de brasilidade em estágio altivo de orgulho e de extremada necessidade absortiva para que o povo começasse a se perceber no rumo do sentido de ser uma potência no mundo. Foram contundentemente estimuladores da aceitação por todos de nossas características, constituídas pelo traço significativo da mestiçagem, da fusão de raças, que torna o brasileiro diferente, positivamente falando.
  • 82. 81 Torcedor assumido do Flamengo, José Lins do Rego escreveu, por longos anos no “Jornal dos Sports”. Por período mais curto, no “A Manha”, de Apparício Torelly, - o Barão de Itararé. Na coluna, “Esporte e vida”, deu vida a crônicas recheadas de exaltação ao clube rubro-negro que patenteavam todo o seu sentimento de amor vigoroso. Não confundir esse jornal, “A Manha” – que foi um dos mais populares jornais de humor do país – com o jornal, “A Manhã”, de Mário Rodrigues. José Lins foi um examinador social e se aprofundou na compreensão dos motivos que levavam o torcedor a tão vibrante postura diante de seu time do coração. Lógico, pegou o torcedor do Flamengo para recorte de análise. Crítico contumaz dos que enxergavam o futebol como algo “menor”, e o ofício de torcer como uma insanidade desnecessária, soltava, vociferava sua insatisfação contra estes. Não tinha papas na língua. Se a crítica era ao Flamengo então, a resposta vinha como uma defesa acalorada da instituição rubro-negra, sob a qual, segundo ele, repousavam traços de brasilidade mais pura. “O Flamengo começou como uma brincadeira de rapazes para se transformar na grandeza dos nossos dias, no clube que é a soma de todas as qualidades e defeitos do brasileiro”. (REGO, 15.11.1947, JORNAL DOS SPORTS). Por doze anos suas crônicas permearam as páginas de cor rósea do Jornal dos Sports. Os críticos sempre diminuíram a relevância das crônicas esportivas dentro da obra de José Lins, classificando essa produção como uma distração desinteressante. Existia preconceito dos letrados com o futebol. O escritor paraibano dizia se realizar escrevendo crônicas de futebol. “A um escritor muito vale o aplauso, a crítica de elogios, mas a vaia, com a gritaria, as laranjas, os palavrões, deu-me a sensação da notoriedade verdadeira. Verifiquei que a crônica esportiva era maior agente de paixão que a crítica literária ou o jornalismo político”. (REGO apud COUTINHO, 1995, p. 39). Para o cronista a relação entre o Flamengo, o Nordeste brasileiro e a identidade nacional, era uma constatação e, em cima dessa premissa, ele construía seus enredos saborosos de louvação ao clube de seu coração. Nelson Rodrigues, o cronista dramático, afeito a evocações de místicas condições da existência humana, ia fundo em suas considerações sobre o futebol brasileiro encontrando no grande espetáculo das arquibancadas e naquele do campo de jogo, heróis em suspenso, que exalavam fragmentos da alma humana. Ele enxergava outro jogo. O jogo verdadeiro das emoções, com as alegrias, dramas e traumas que formam o terreno da psicologia humana e que transita pelo universo do futebol. Conseguia descrever um lance, uma partida, um personagem, com embelezamento e poesia, instigantes.
  • 83. 82 Era frequentador assíduo do Maracanã. Todo domingo, depois do almoço, era programa obrigatório à ida ao estádio. Soube fazer uma “leitura” antológica do torcedor do Flamengo. Mesmo sendo o Fluminense o seu time do coração, não se privava de tecer observações profundas que destacavam o jeito único de ser do torcedor rubro-negro. Colocou o clube em grau de extremada excepcionalidade. Sua produção de crônicas esportivas que tinham o Flamengo com adjetivação valorosa, despejadas nos jornais, O Globo, Jornal dos Sports, Última Hora, e na revista Manchete Esportiva, tem chance acentuada de ter contribuído para a conquista de novos torcedores para o Clube de Regatas do Flamengo. Notabilizado pela implantação de uma “nova crônica esportiva”, pelos interesses em registrar histórias do futebol e em desenvolver eventos esportivos, para todos os gostos, Mário Filho foi outro cronista salutar para a construção da imagem destacada do Flamengo e de seu torcedor. Para o povo de uma cidade imensamente esportiva, o Rio de Janeiro, foi inegavelmente, esmerado artífice de grandes eventos e fomentador de emoções. Defensor do esporte e da acessibilidade das pessoas à sua prática acreditava que era possível encontrar a felicidade, alcançar o bem estar, por intermédio da prática esportiva. Mais ainda, pelo futebol. Entendia que através do futebol o cidadão comum poderia encontrar significados que seriam úteis para a vida inteira. Incentivou a população a acompanhar de perto o futebol. Fosse pela leitura da editoria de Esportes, ou pela ida ao estádio, o cidadão deveria se deixar levar por essa paixão. Aproximou do povo, os ídolos dos clubes e da seleção. O torcedor pôde os conhecer melhor. Trabalhou como talentoso “promoter” do futebol e do esporte, por assim dizer. Teve a preocupação de preservar a história do futebol brasileiro do início do século XX. Reuniu em livros boa parte dela. Presenteou o Flamengo com uma obra prima, o livro “Histórias do Flamengo”, item raro, valioso, de inestimável relevância para o clube e seu torcedor. Foi autor também de um livro exponencial que revela a inserção, contra todas as forças da sociedade, do negro no futebol brasileiro. Esse livro é algo tipo, “Casa Grande e Senzala” da nossa literatura esportiva. “O Negro no futebol brasileiro”, é livro referência para estudiosos do futebol e de suas inflexões nas esferas, social e racial. Torcedor do Flamengo, ele não assumia esta condição em público. Talvez, por ter sido habilidoso e fino, um gentleman, no trato com as pessoas ligadas ao futebol, independente do clube para o qual torciam. Pensava ser necessário não se declarar torcedor deste ou daquele time, a fim de preservar o bom relacionamento com todos. Mário, era bem discreto. Escreveu livros que abordaram o universo do futebol: Copa Rio Branco 32, Histórias do Flamengo, O Negro no futebol brasileiro, Romance do Football. Utilizou uma metodologia de contar
  • 84. 83 histórias que era pautada na sustentação de suas lembranças e na busca do relato oral de quem havia vivenciado o tema proposto. E aí confrontava essas informações com as de livros, com os registros históricos – com tudo o que existia em arquivos - e voltava a ouvir seus entrevistados. Acreditava que deste modo, a sua produção seria mais fiel, representativa e reveladora. 4.1 A ALEGRIA RUBRO-NEGRA POR JOSÉ LINS DO REGO José Lins do Rego é sinônimo de Nordeste, Brasil, Paixão, Povo, Literatura e Flamengo. Nascido em um engenho açucareiro na cidade de Pilar, em 03 de Junho de 1901, esse paraibano é reconhecidamente um dos maiores escritores de nosso país. No recurso de rememorar sua infância, descreveu com primor o auge e o declínio dos engenhos e usinas de cana de açúcar do nordeste brasileiro. O traço regionalista foi sempre marcante na sua produção literária. Sua escrita era de uma espontaneidade admirável. Produziu em larga escala, com qualidade reverenciada, e seu nome figura na lista de notáveis da Academia Brasileira de Letras. Foi defensor da consciência de que vinha a residir na nossa mestiçagem valor profundo, que tornava o nosso povo diferente de todos os outros. Criado nos engenhos do avô materno, na Paraíba, conviveu desde cedo com o sentimento de solidão. Foi uma criança triste. Perdeu a mãe cedo - nove meses após ter nascido - e seu pai o abandonou, após a morte de sua progenitora. O avô destinara as filhas para cuidar da criança. Tia Maria foi a primeira. A saúde fragilizada por crises frequentes de asma também o manteria recluso. Nesse período, sua maior diversão era se juntar aos filhos das serviçais para brincar e tomar banho de rio. Formou-se em Direito, em Recife, no ano de 1923. Contudo, o ofício que gostava mesmo era o da escrita literária. Após morar em Minas Gerais e Maceió, ocupando cargos de promotor público e fiscal de bancos, respectivamente, chega ao Rio de Janeiro, em 1935, para assumir a função de fiscal do imposto. Na cidade maravilhosa viveria, em definitivo. Três anos após a sua chegada ao Rio, durante a copa do mundo da França, em 1938, que acompanhou pelo Rádio, como em um desabrochar, se apaixona avidamente pelo futebol e, mais ainda, pelo Clube de Regatas do Flamengo. O ídolo da seleção brasileira, Leônidas da Silva, jogava no Flamengo. Seu arrastamento ao Flamengo seria de tal magnitude que chegou a ter participação na vida do clube como dirigente. No entanto, foi como torcedor, colaborador efetivo,
  • 85. 84 dedicadíssimo, que ele ficou conhecido na história do clube. Era celebrado pelo torcedor do Flamengo por, sendo um homem letrado, da elite intelectual, ter feito da arquibancada o seu lugar predileto. Marcado por romances consagrados como Menino de Engenho, Doidinho, Banguê, Água mãe, O Moleque Ricardo, Riacho Doce, Fogo Morto, entre tantos outros, inegável foi sua contribuição para a crônica esportiva brasileira. Nelas, a pujança sentimental, a veemência da escrita, o raciocínio fervilhante e a paixão, em mais alto grau, pairaram sem cessar. Foi autêntico ao extremo e sobre elas derramou, sem receios ou pudores, todo o pendor clubístico e o seu ufanismo comovente. O Flamengo foi tratado, aclamado, revelado, exaltado em larga escala em suas produções. Dizia que sua vida sem o Flamengo era um vazio só. “Graças ao Flamengo, cheguei a compreender muitas coisas, inclusive a aproximar-me ainda mais de Deus [...] O Flamengo sempre me fez tão alegre que chego a me confessar triste de não ser Flamengo há mais tempo”. (REGO, apud COUTINHO, 1984, p.45). Com destreza, com propriedade, laureou a torcida rubro-negra com seus escritos. Possuía sensibilidade aberta e gostava de estar no meio do povo. Foi o cronista-torcedor, sem disfarces, e entregue à paixão pelo Flamengo. Era capaz de qualquer coisa pelo clube. Detestando a utilização da fala difícil dos bacharéis, sua preocupação era conseguir tocar o coração do povo. Deu as costas à escrita rebuscada e com uma linguagem que o povo entendia facilmente, viu suas ideias fluírem e a torcida rubro-negra endeusá-lo. Amava tanto o Flamengo que chegava a passar mal durante os jogos, sendo, em dado momento, proibido pelos médicos de acompanhar futebol. Claro que esse conselho entrou por um ouvido e saiu pelo outro. Só nos últimos dias de vida, internado no Hospital dos Servidores do Estado do Rio de Janeiro, é que teve de se controlar pra valer. Ocupou a cadeira de número 25 da Academia Brasileira de Letras. Passou a ser membro, a partir de 1955. Conviveu pouco tempo naquele ambiente que não era muito do seu feitio e no qual em sua posse já havia criticado o comportamento frio da intelectualidade. Faleceu dois anos após entrar para o círculo acadêmico, em 1957, aos 56 anos de idade. Consta como causa mortis, cirrose do fígado, síndrome hepatorrenal e acidose urêmica. Foi sepultado no cemitério São João Batista, no Rio de Janeiro, no mausoléu da Academia Brasileira de Letras. Uma enorme bandeira do Flamengo envolveu o caixão e não foi mais retirada. Seguiu com Zé Lins. Durante todo o tempo em que ficou internado - aproximadamente quatro meses esteve ao seu lado, o amigo e poeta, Thiago de Melo, chamado por José Lins do Rego,
  • 86. 85 carinhosamente, de “seu De Melo”. No documentário, “O Engenho de Zé Lins”, do diretor Vladimir Carvalho, Urca Filmes, 2007, o poeta declara que o cronista recebia visitas diárias. O povo ia visitá-lo, as autoridades, artistas e intelectuais. Thiago de Melo conta que em alguns momentos barrava o acesso das pessoas para não expor muito a saúde já debilitada do amigo. Quando Zé Lins descobria que o amigo havia proibido o acesso de qualquer torcedor do Flamengo, o mais humilde que fosse, ficava possesso, enfurecido e brigava, exclamando: “como que você pôde impedir que um irmão rubro-negro entrasse para me dar um abraço?” Esse era José Lins do Rego, o intelectual que assumia, orgulhava-se, em ser do povo e que era o mais ardoroso defensor e representante “coroado” do Clube de Regatas do Flamengo e de sua torcida. Era o Flamengo. [...] Todas as cordas do meu coração se afrouxaram como se num cabo-de-guerra um dos lados cedesse, de repente. Senti-me capaz do grito da vitória e podia abrir o peito no desabafo total. [...]. Então eu pude ver a cidade na alegria maior. As estrelas faiscavam no céu e uma lua cortada ao meio aparecera bem em cima da praça de esportes, uma lua que jamais esquecerei porque viera de propósito, para beijar os heróis da contenda. E com as estrelas e a lua, a doce música carioca baixou dos morros, das praias, das ruas, para louvar aos que lhes eram amigos do coração. Era o Flamengo no mastro da vitória, no convívio do povo que é ele próprio. [...]. Por toda parte o povo na efusão de uma alegria maciça, de uma alegria capaz de fazer esquecer as desgraças do mundo e as incertezas do Brasil. Há no Flamengo esta predestinação para ser, em certos momentos, uma válvula de escape às nossas tristezas. Quando nos apertam as dificuldades. Lá vem o Flamengo e agita nas massas sofridas um pedaço de ânimo que tem a força de um remédio heróico. Ele não nos enche a barriga, mas nos inunda a alma de um vigor de prodígio. [...]. Não há exageros naquela hora. Por todo o Brasil, dos territórios aos confins do Rio Grande, havia gente assim como aqueles que batiam nos tambores com o coração lavado de júbilo pela glória daquela noite. Flamengo! [...]. (REGO apud COUTINHO, 1984 p.12). José Lins do Rego nesta crônica expressa o seu sentimento profundo e toda sua devoção ao Flamengo. Retrata o cenário que envolveu a cidade após uma vitória do clube. Ele reverbera a voz do torcedor. Detalha a deslumbrante característica do “torcer” pelo Flamengo e põe em evidência a alegria rubro-negra. Para ele, o Flamengo era capaz de mexer com a funcionalidade orgânica de seu corpo. Com sua admirável capacidade descritiva, apresenta poeticamente as particularidades daquele dia de vitória e o que o Flamengo podia ocasionar, fazer brotar, em qualquer ponto da capital carioca. Quiçá do Brasil. As estrelas, a lua, o clima, a pulsação da cidade, tudo para o cronista, ganha contornos especiais nas vitórias do Flamengo Tece comentário sobre a capacidade do torcedor rubro-negro de se reinventar, de redobrar as suas forças nos momentos de dificuldade. Expressa o amor incontido de seu torcedor e sentencia que ao clube esse torcedor credita a obtenção de um tipo de felicidade
  • 87. 86 inexplicável. A reunião de gente, o clube perto do povo, a mistura, o entrelaçamento, esses aspectos, explicitam a psicologia do seu torcedor. Parece que o gostar do Flamengo, o amar, melhor dizendo, se sobrepõe a qualquer dificuldade e fortalece a conduta alegre e inabalável de seu seguidor, sendo o Flamengo capaz de, como um remédio, curar as eventuais deficiências existenciais. Salientando os eventos em que o Flamengo saía a excursionar pelo Brasil - já em 1914, dois anos após a implantação do futebol, essa iniciativa foi descerrada -, Zé Lins, carinhosamente chamado assim pelos amigos, oportunamente apresenta uma faceta que tem relação direta com a popularidade do clube e o grande número de seus torcedores Brasil afora. Para dimensionar essa iniciativa do clube, pertinente se faz informar que naquela época as viagens duravam dias, eram longas e muito cansativas, mas o Flamengo não se privava de jogar em outros estados e tinha o interesse claro em atrair a simpatia do público de fora do Rio de Janeiro. Volta o Flamengo de uma grande campanha ao norte. Vitorioso em campos baianos, pernambucanos e rio-grandenses. A grande torcida rubro-negra, espalhada pelos quatro cantos do Brasil, teve a oportunidade de aplaudir a flâmula gloriosa que é um autêntico troféu nacional. Clube algum, neste Rio de Janeiro, poderá fazer o que faz o Flamengo, por onde andar. Isto é, ser em campo, nas pelejas que trava, não um clube de fora, mas um clube da própria terra que pisa. E se na Bahia joga com qualquer time local, haverá uma torcida flamenga para os aplausos aos rubro-negros. E o mesmo acontecerá em Recife, em Porto Alegre, em Belém. Porque por toda parte há o Flamengo. E isto dói em muita gente mordida de inveja. Mas que continue a doer. (REGO, 2002, p. 85). A potência e o alastramento sem fronteiras do torcedor rubro-negro são comentados. Zé Lins pontua ser o Flamengo um clube nacional, impressionando por onde passa. O fato é que mesmo pertencendo à outra torcida, deve-se considerar os números formais divulgados que apontam para a expressividade do tamanho da torcida do Flamengo em todo o território nacional. No Norte e Nordeste então, nem se fala. Além de Brasília, Goiás, Paraná, Santa Catarina, Minas Gerais, Espírito Santo, onde o clamor pelo clube é atestado. Para os que fazem força em não compreender essa máxima de volume e de especialidade - essa constatação de ter o Flamengo torcedores por todos os lados - e se alimentam da inveja, a única alternativa que sobra é: viver na dor de não aceitação da grandeza do Flamengo. Assim comenta Zé Lins. No fragmento desta crônica que vem a seguir, o autor de “Água-Mãe” – romance tendo o futebol inserido como pano de fundo - se apresenta com enorme emoção por estar sendo homenageado pelo clube que tanto ama. Pouco depois de sua chegada ao Rio, o caso de amor com o Flamengo brotou e esse sentimento se consolidou como uma das grandes alegrias
  • 88. 87 de sua vida. Além de sócio, o cronista participou ativamente da vida política do clube e se manifestava assumidamente como torcedor arraigado. Servir ao Flamengo era o seu lema. O meu amigo Raul Dias Gonçalves quis me fazer sócio proprietário do Flamengo e, generosamente, à boa forma lusa, deu-me de presente um título. Muito obrigado ao caro amigo Raul. Sou-lhe mais uma vez grato. Respondendo, porém, ao pequeno discurso do presidente Orsini, que me passava às mãos a honrosa dádiva, eu lhe disse: ‘meu querido presidente, antes de ser sócio proprietário que hoje sou, já era sócio escravo do Flamengo. E escravo quero continuar a ser. (REGO, 2002, p. 105). Veneração manifesta ao rubro-negro, euforia incontida toma conta de Zé Lins. Sentimento de plena realização ocorre, após a vitória sobre a equipe inglesa do Arsenal – considerado um dos melhores times do mundo. Era 1949. A partida aconteceu em São Januário. Placar: 3 x 1 para o rubro-negro. Era grande, não só a torcida do Flamengo, mas também, a do Vasco que torcia obviamente para o fracasso do seu maior rival. Foi nesta partida que estreou vestindo as cores rubronegras, o goleiro paraguaio, García, um dos grandes da história do clube. Além de destacar a raça do time e a presença fidelíssima de sua vasta torcida, Zé Lins demonstra ufanismo afirmando que o futebol brasileiro tinha sim, muita expressividade. Meus amigos e meus inimigos, em futebol tudo está acabado. A vitória do Flamengo lavou o meu coração de todas as mágoas, de todos os recalques, de todas as amargas derrotas. Agora só existe a vitória de domingo, a maravilhosa vitória do meu amado Flamengo sobre os donos do futebol do mundo. Revejo, um a um, os detalhes do combate vigoroso. Revejo o primeiro gol, como uma punhalada no coração, mas ao golpe mortal reagiu o Flamengo, como leão na selva. Todo o time recuperou os sentidos para mostrar que não temia a violência do gol dos primeiros minutos. A bravura do Flamengo atendeu a sua grande torcida. E a nossa rapaziada foi para o campo e mostrou que a nossa glória é aquela do hino, é lutar, é combater até o fim. Os que foram ao campo à espera de uma derrota, e muitos foram com essa disposição ao estádio do Vasco, devem ter voltado de cara amarrada. O Flamengo, como o Vasco, mostrou que há futebol aqui por estas terras cálidas do Brasil. (REGO, 2002, p. 110). Visceral, profundo, paixão em estado bruto. Expressando todo o arrebatamento que o clube da Gávea lhe proporcionava, José Lins do Rego o parabeniza por mais um ano de existência. Embevecido pelo orgulho tremendo de ser Flamengo e por se colocar como um irrestrito torcedor, desprezando qualquer ação visando o seu posicionamento no pedestal da fama como homem suntuoso socialmente, ele espalhava sua convicção de ser o Flamengo um clube exemplo de exuberância, de espírito radiante, de brio forte, que propiciava ao seu torcedor se sentir especial. Para ele, o clube deixava transparecer para quem quisesse saber que se fizera grande porque soubera conquistar todo e qualquer cidadão. O Flamengo “se
  • 89. 88 abriu”, fazendo vista grossa para quesitos como, raça, classe social. O Flamengo queria sim, a pluralidade e multiplicação irrestrita. Mais um ano do meu querido Flamengo. Amo-o como um dos mais ardentes amores de minha vida. E por ele este meu coração de 50 anos bate no peito com as 120 pulsações dos minutos apertados da torcida. Sinto-o na angústia e não me amargo com isso. Aí está a minha paixão incontida, o meu maior arrebatamento de homem, confundido na multidão. E é por tanto amor que me dói a injustiça dos que não sabem conter as malignidades e se concentram contra um clube sem arrogância, tão camaradesco, sem bobagens, tão largado nas exuberâncias. Mais um ano do meu Flamengo. E ele cada vez mais no coração do povo brasileiro. Não queremos maior troféu nem maior glória. (REGO, 2002, p. 134). No aniversário de comemoração pelo cinquentenário do clube, uma crônica celebrativa da data é produzida por Zé Lins e o que se vê é a colocação do sentimento rubronegro como algo incontrolável e de natural manifestação pela “simples” existência do clube da Gávea. Nela, pontua ser o Flamengo uma instituição nacional que congrega muita gente em torno de sua aura garrida e acolhedora. Frisa que o seu torcedor mesmo com derrotas e perda de títulos se compraz pela glória maior de poder ter o Flamengo em todos os dias de sua vida. “Faz hoje 50 anos o grande Flamengo. Muita gente me pergunta por que sou flamengo. E a muita gente eu tenho dito que sou flamengo como sou romancista: pela força de meus bons instintos. Há no Flamengo uma grandeza de alma que me atrai. Não é um clube de regatas ou de football: é uma instituição nacional. Há todo o Brasil no Flamengo, todas as raças, todos os credos, todas as classes, todas as paixões generosas. Sou assim flamengo pelos meus impulsos e pelas minhas reflexões. Sou flamengo de corpo e de alma, a todas as horas, em todos os instantes. O que me domina no Flamengo é a sua extraordinária universalidade. É o clube do povo. Do povo que vai de Mário de Oliveira, homem de muitos milhões, ao ‘Vai na bola’, o mais pobre dos homens. É por isto que não há os que rasgam carteira no meu clube. Há os que choram e morrem de paixão pelas nossas derrotas e os que cantam pelas suas glórias, que são muitas. 50 anos de glórias, 50 anos de vitórias. Podem dizer tudo o que quiser, podem encher o mundo com todos os campeonatos e todas as faixas. Há o Flamengo e enquanto existir o flamengo não há glória maior e pendão mais soberbo.”(REGO, JORNAL DOS SPORTS, 15 de NOVEMBRO de 1945, p. 3). Em excursão que o rubro-negro realizou, em 1951, à Escandinávia e à Europa, Zé Lins foi escolhido pelo presidente do Flamengo, Gilberto Cardoso, para chefiar a delegação. Detalhe, o Vasco com um time formidável, o chamado “Expresso da vitória” – metade da década de 1940 até 1952 - que havia sido a base da seleção brasileira na trágica copa do ano anterior no Brasil, tinha sido o time convidado e recusou o convite para excursionar pela Europa. Azar do Vasco!
  • 90. 89 Os gringos então convidaram o Flamengo e o clube como adorava se apresentar em qualquer lugar do planeta, de imediato, aceitou. Essa viagem para Zé Lins era muito representativa. Com o seu fervor patriótico e sua paixão ao clube da Gávea - que era naquele momento, representante legítimo do Brasil - destacou, que se sentia como se fosse o chefe de uma missão diplomática. “Vamos levar à Europa uma autêntica força nacional, gente de fibra e gente com a melhor classe do nosso ‘assocation’. Não perderam os suecos com a substituição. O Flamengo dará, lá fora, uma demonstração capaz de orgulhar as cores do Brasil”. (REGO, 1951, apud, ANTUNES, 2004, p. 90). Na seara do entendimento do que vem a ser o torcedor rubro-negro, Zé Lins se derrama em belas palavras que acentuam a representatividade do Flamengo na vida de seu torcedor. Para ele, destacado torcedor que era, o prazer, a alegria de ser rubro-negro estava acima de qualquer coisa. Independente de ser intelectual, homem letrado, dirigente, de qualquer cargo ocupado, de sua condição social, o seu maior orgulho era assumir sua condição de torcedor e poder, no meio da massa se atirar. O amor pelo clube estava no seu DNA. Inexplicavelmente, o sentimento ficara adormecido até os seus 37 anos de idade. Tenho o Flamengo no sangue (não fosse este vermelho como uma de nossas cores), e desde que me chamam para o seu serviço, não sou mais do que o seu escravo. Admirável paixão que nos arrasta aos entusiasmos mais extremos e às tristezas profundas, mas paixão que nos ajuda a viver, que nos congrega em torcidas que não temem a chuva e o sol, que se sobrepõem aos nossos interesses particulares, para ser somente um flamengo, um simples homem de arquibancada, disposto a tudo. Sou grato ao Flamengo, e por ele darei tudo o que puder. (REGO, 1951, apud, ANTUNES, 2004, p. 90). Ainda na excursão de 1951, o cronista discorre sobre detalhes que ocorreram em partida realizada no território francês. O torcedor daquelas terras havia ficado encantado com o futebol apresentado pelo Flamengo e com a postura dos jogadores que se puseram a saudar a torcida local, no início e no final da partida, denotando reverência ao público. O clube nesta excursão à Europa jogou na Suécia (sete vezes), Dinamarca, Portugal, França. Teve atuações magistrais. 10 jogos. 10 vitórias. Bom lembrar que esta excursão vitoriosa, realizada alguns meses após a sofrida e de triste lembrança para o brasileiro, copa do mundo de 1950, serviu, para acariciar o ego do brasileiro, exorcizar o fantasma da perda do título mundial, em pleno Maracanã, e para fazer vislumbrar o futebol brasileiro conquistando definitivamente o mundo em pouquíssimo tempo. Chego da Suécia convencido de que o football é hoje produto tão valioso quanto o café, para as nossas exportações. Vi o nome do Brasil aclamado em cidades longínquas do norte, vi em Paris aplausos a brasileiros, com mais vivo entusiasmo. Disse-me o querido Ouro Preto: ‘Só Santos Dumont foi tão falado pela imprensa
  • 91. 90 desta terra, sempre distante de tudo que não é europeu, quanto os rapazes do Flamengo’. E, de fato, os milhares de franceses que permaneceram, no estádio, mesmo com o término da partida, aplaudindo os nossos rapazes, queriam demonstrar uma quente admiração por essa turma de atletas que tinham feito uma exibição primorosa. E a nossa bandeira tremulava no mastro do estádio, naquela noite esplêndida e primavera. O football brasileiro deu aos mil brasileiros, que ali estavam, a sensação de que éramos os primeiros do mundo. Para mim, mais ainda, porque ali estava o meu Flamengo, de todos os tempos. (REGO, 1951 apud ANTUNES, 2004, p. 92-93). Tendo ocupado cargo de destaque até mesmo na extinta CBD (Confederação Brasileira de Desportos), ratificando assim ter sido um homem dedicadíssimo ao futebol, José Lins do Rego não media esforços para servir ao seu clube de coração e ao seu país. Não tinha pudores, abria a sua alma. Varreu para bem longe a hipocrisia se apresentando como era de verdade. Paixão desenfreada. Decerto, foi traído por ela em algumas ocasiões que lhe geraram situações desconfortáveis. Mas não estava nem aí. Para ele, o Flamengo fazia bem e isso era o que interessava. Seja torcedor de qualquer time, vale o aplauso a esse homem, amante do futebol e do torcedor. Corajoso, sincero, transparente, autêntico, intenso, despido de vaidades, Zé Lins foi mestre no uso da palavra. Fosse, nas crônicas nacionalistas, fosse, naquelas sobre o rubronegro, era parcial mesmo e ponto final. Evitando o senso clubístico, podemos separar as crônicas nacionalistas e sentir nelas a envergadura exalada pelo profundo sentimento pátrio de Zé Lins. Por intermédio de analogias feitas com a seleção, ele desejava incutir na população a idéia definitiva de sua condição especial de povo, de raça. Se era para falar do Flamengo, varria pra longe a imparcialidade. E sobre imparcialidade, uma frase célebre: “Só acredito na isenção do sujeito que declarar que a própria mãe é uma vigarista. Ninguém fará isso, porque ninguém é imparcial”. Eis que a porta se abre e dela surge o mestre Nelson Rodrigues, autor dessa pérola. Em uma crônica, dentre tantas, lineares e qualitativas, que compõem sua larga obra, ele profere essa pérola e diz ter ouvido isso de um sujeito na rua e que, desde então, passou a carregar essa certeza pela vida inteira. 4.2 A ALEGRIA RUBRO-NEGRA POR NELSON RODRIGUES Cerca de três meses após o surgimento do Departamento de Esportes Terrestres do Clube de Regatas do Flamengo, diga-se Futebol, vinha a este mundo, em Recife, capital pernambucana, Nelson Rodrigues. O pai, Mário Rodrigues, jornalista ativo, polêmico, de língua afiada – apesar de ser gago – e detentor de retórica e texto destemidos. Devido a
  • 92. 91 conflitos políticos, Mário Rodrigues deixa a família em Recife e parte para o Rio de Janeiro. Corria o ano de 1912. Entre idas e vindas, em 1916, se estabelece de vez na cidade maravilhosa. Sua esposa, Maria Esther, desembarca neste mesmo ano de 1916 na capital federal com seus seis filhos, Milton, Roberto, Mário Filho, Nelson, Stella e Joffre – a lista de filhos chegaria a catorze. A infância de Nelson Rodrigues foi vivida no subúrbio carioca de Aldeia Campista, hoje acampado, pelos bairros da Tijuca, Maracanã, Andaraí. Na rua de nome “Alegre”, Nelson teve suas primeiras experiências marcantes de menino. Aos treze anos de idade começa a trabalhar no jornal de seu pai. No “A Manhã”, Nelson estreou na seção policial e cobrindo as tragédias, cercadas de todo o teor sombrio da compleição humana, já cedo, impressionava pela escrita fulgurante que ia fundo nas motivações e tocava nos meandros do comportamento humano descabido. Percebendo ele que geralmente os crimes ocorriam motivados por sexo e dinheiro, com desenvoltura, invade o submundo trágico e passa a relatar os assuntos mais “escondidos”, pela sociedade. Descreve os crimes passionais, os pactos de morte entre casais apaixonados, com senso agudo de interpretação. Depois de algum tempo é “promovido”. Sai da editoria de Polícia e passa a escrever um artigo semanal. No final de 1929, já trabalhando no jornal “Crítica” - também de seu pai que havia, por endividamento, em decorrência de postura perdulária, perdido para o seu sócio o controle do “A Manhã”, em 1928 - sua vida sofre um grande revés com o assassinato de seu irmão, Roberto. Poucos meses depois, no início de 1930, o pai também vem a falecer em face de problemas de saúde, agravados certamente pela perda do filho, Roberto. É no jornal “Crítica” que Nelson, por intermédio do irmão Mário Filho, começa a ter contato com as crônicas de futebol na editoria de Esportes. Mário Filho por sinal foi quem tocou, comandou, juntamente com Milton, – outro irmão, o mais velho - o jornal, após a morte do pai. A família Rodrigues perde a empresa jornalística – durante a revolução de 30. Não por incompetência dos filhos de Mário Rodrigues, mas sim, pela postura crítica desenvolvida pelo pai ao longo dos anos contra determinados grupos políticos. Os homens de Getúlio Vargas depredaram e incendiaram a sede do jornal. Todo o dinheiro ganho pela família – que era guardado em um cofre na sala de Mario Rodrigues – foi perdido. Os Rodrigues enfrentaram momentos dificílimos. Sem recursos financeiros, a família vai morar em uma casa menor. Só conseguem se alimentar porque se desfazem de quase todos os móveis da casa. Sem ter mais o que vender, chegam a passar fome. Maria Esther, a viúva, teve que tirar forças lá do fundo, para driblar as dificuldades e sustentar uma penca de filhos.
  • 93. 92 Por causa das questões políticas, atreladas à figura do pai, Nelson, Mário, Milton e Joffre – os que efetivamente já trabalhavam - tiveram dificuldade em conseguir emprego. Mesmo com o talento dos filhos de Mário Rodrigues já reconhecido, os donos de jornais temiam por contratá-los imaginando represálias que sofreriam do governo. O jornal “O Globo”, através de seu diretor-chefe, Roberto Marinho, foi quem abriu as portas à família Rodrigues, em 1931. Torcedor ferrenho do Fluminense, Nelson escreveu inicialmente sobre futebol, em 1936, no Jornal dos Sports. No entanto, a escrita de forma mais efetiva e regular, só no início da década de 1950, no jornal Última Hora. Ao se falar em Nelson Rodrigues, o mais difícil é definir em que área ele foi melhor. Era expert, dotado de categoria extraordinária para escrever, fosse como, cronista, escritor, jornalista, dramaturgo. É o responsável pelo surgimento do Teatro Moderno Brasileiro. Irreal é falar em Teatro no Brasil, sem mencionar por associação, Nelson Rodrigues e suas criações teatrais da estirpe de Vestido de noiva, Bonitinha, mas ordinária, A mulher sem pecado, Toda nudez será castigada, O Beijo no asfalto, Boca de ouro, Dorotéia, Senhora dos afogados, entre muitas outras. Algumas destas ganharam adaptações para as telas de cinema. A dama do lotação é uma das maiores bilheterias do cinema nacional de todos os tempos. Nelson era de um profissionalismo, de um talento, fora de série. Escrevia com naturalidade, parecia ser o ofício da escrita algo muito normal para ele. Por isso, concebia com espantosa rapidez os seus textos. Escrever era o seu oxigênio. Não conseguia ficar distante da escrita nem por um dia sequer e teve como companheira efetiva, a máquina datilográfica. Só deu um tempo na sua produção, durante os períodos em que ficou internado em razão da tuberculose. Em suas obras, a tragédia estava sempre presente. Certamente ela, a tragédia, adentrou a esfera profissional pelo fato de ter marcado, acompanhado e se mostrado, insistentemente, por toda a vida de Nelson. O criador do teatro moderno também é referência quando o assunto é a crônica esportiva brasileira. Suas crônicas falavam do futebol como sendo um grande palco onde a paixão humana lindamente desfilava e encenava atos desconcertantes. Para ele, no futebol encontrava-se uma força existencial, significados múltiplos, representações ululantes esclarecedoras, que iam muito além do nulo sentido percebido pelos “idiotas da objetividade”termo consagrado por ele para designar àqueles que falavam, escreviam sobre futebol, suplantando a emoção, apagando a magia, a “graça” que se assentava sobre o esporte. Ele usava o futebol para falar de gente. Do sentimento humano.
  • 94. 93 Faleceu em 1980, aos 68 anos, vitimado por problemas respiratórios – desenvolvidos pela tuberculose que teve de aturar e carregar desde cedo – e por complicações cardíacas. Deixou uma obra vastíssima e de qualidade irrepreensível. A genialidade de Nelson Rodrigues atravessa o tempo. A interpretação e reinterpretação, sobre o futebol, riquíssima por sinal, através da figura de Nelson, ficou rasa, sem aquele brilho intenso e a crônica esportiva brasileira nunca mais foi a mesma depois da saída de cena Nelson Rodrigues. No ano de 2012, o ano de seu centenário de nascimento, a surpresa positiva se deu pela reedição de várias de suas publicações. De todos os clubes que abordou em suas crônicas, o Flamengo tinha lugar cativo, corriqueiro, especialíssimo e era o clube descrito como possuidor de força apelativa fora de série, e sua torcida como a “alegria em essência”. Direcionava ao Flamengo uma visão de que alguma coisa tipo um feitiço estava contido no vermelho e preto de seu uniforme, que nadava nas raias da extraordinariedade e que repousava sobre o clube uma inclinação a ser envolvido, arrastado para grandes façanhas. [...] Mas eis o mistério do Flamengo: – a derrota o transfigura, a derrota o viriliza. [...] o Flamengo é o time inaufragável. A goleada recente, em vez de afogá-lo, de asfixiá-lo, pelo contrário: – serviu-lhe de insuperável afrodisíaco. [...]. Duzentas mil pessoas viram o espasmo do time rubro-negro diante de cada “goal”. [...] não tenhamos dúvidas: – o Flamengo humilhado é imbatível. [...] o jogo de ontem, acima de tudo, foi uma noite de amor. De Chamorro a Zagalo, todos tinham um pouco ou, antes, todos tinham muito de Gilberto Cardoso. Cada jogador rubro-negro foi, ontem, um jovem Gilberto Cardoso, com a mesma sofrida, exasperada fidelidade ao clube. Sim amigos: – Gilberto Cardoso deu a vida pelo Flamengo. E ontem, se fosse preciso, o Flamengo morreria pelo tricampeonato. (RODRIGUES, Última Hora, 1956, p.28). Sempre indo fundo nas análises que fazia, potencializava significados e era comovedora a carga dramática despejada nas crônicas esportivas. Neste trecho apresentado acima, Nelson faz menção ao tricampeonato do Flamengo, conquistado em 1955. A tão alardeada característica do clube de se revestir da raça, da garra e da superação, manifesta-se. Nelson diz que o Flamengo sempre que é ferido volta muito mais forte. Detalhe: o campeonato de 1955 só teve o seu término em 1956. A final foi contra o América. Foram três jogos. No primeiro, vitória rubro-negra, 1 x 0. No segundo, o América impusera ao Flamengo uma humilhante derrota, 5 x 1. Diante do revés, o sonho do tricampeonato rubro-negro parecia ter ficado distante. Mas aí surge essa pontuação feita por Nelson de ser o Flamengo, ferido, uma entidade indomável. No terceiro e último jogo o Flamengo consegue devolver a goleada sofrida. O placar de 4 x 1 a seu favor é o resultado do último ato. O título é dedicado a Gilberto Cardoso, presidente do clube que havia falecido no
  • 95. 94 final de 1955. Vale a ressalva de que América e Bangu eram duas forças do futebol carioca. Hoje, para tristeza do futebol, vivem em ostracismo e não encontram forças para reagir. Inflamando o discurso de ser o Flamengo um clube, um time de futebol, com uma torcida que dá cria, que não para de crescer, que deve ser admirado pela sua fúria, no sentido de ímpeto, de entrega, de sempre ir adiante, Nelson frisa que o torcedor rubro-negro ama o clube com amor voltaico lá em cima, pesado, e que tem uma alegria que não existe outra igual. Para ele o Flamengo mesmo diante do Santos de Pelé, não precisava se curvar. O fato de ser Flamengo, só por isso, já bastava para estar acima de qualquer clube que fosse. Vejamos: [...] Éramos 130 e tantos mil caronas, gratíssimos e deslumbrados. Por outro lado, o jogo valia a pena, íamos ver o Santos, que voltou a ser o melhor time do mundo; e o Flamengo, o clube que é apenas Flamengo, e repito: basta-lhe ser eternamente Flamengo e só. [...] E quê dizer do Flamengo? Cada brasileiro é um pouco rubronegro. [...] Antes de prosseguir, porém, eu queria dizer duas palavras sobre a brutal euforia flamenga. Supõe-se que todas as alegrias se parecem. Mas na verdade é que a alegria rubro-negra não se parece com nenhuma outra. Não sei se é mais funda, ou mais dilacerada, ou mais santa. Só sei que é diferente. [...] nada se comparou à pura, total, monstruosa alegria rubro-negra. Sujeitos subiam pelas paredes como lagartixas profissionais. Outros queriam se pendurar nos lustres. Mas eu pergunto: – foi justa a vitória Flamenga? Mais do que justa. [...]. Ora, o Flamengo nasceu em 1911, ou 1912, sei lá. Era o tempo do Kaiser, de Mata Hari, tempo em que as senhoras tinham tais quadris que precisavam se pôr de perfil para atravessar as portas. Mas o que eu queria dizer é que desde então, o Flamengo tem sido o clube das reações furiosas. Muitas vezes, parece agonizar em campo, e, de repente, eis que se levanta dos seus estertores deslumbrantes [...]. (RODRIGUES, 1964, p.18). O tricolor Nelson Rodrigues fazia questionamentos a respeito dos motivos reais que levaram ao desligamento de nove jogadores do Fluminense de 1911, para fundarem o futebol do Flamengo. Como aceitar que o seu clube, ou melhor, que jogadores que envergaram a camisa do seu Fluminense, tenham tido a ideia de dar vida a uma instituição social de destaque singular? Imaginava que o Flamengo poderia nem mais existir hoje, ou ser, na melhor das hipóteses, um clube social qualquer, comum, se não fosse a inserção do futebol em seu quadro esportivo. Desde então, o clube se revestiu de brilho, força, e sedimentou sua condição no cenário social e esportivo. Para ele os dois clubes, Flamengo e Fluminense, mantinham relação estreita, tinham vínculos, e disso, benefícios consideráveis haviam trazido ao futebol brasileiro. Ao mesmo tempo em que sofria com a existência do Flamengo, tinha em maior escala estima, sentia-se orgulhoso por saber que o seu Fluminense exercera participação, de alguma forma, nesse processo criativo. Não se esquivava de opinar e expressar a condição diferenciada que acreditava ter o torcedor do Flamengo. Se apropriando de personagens conhecidos da obra do
  • 96. 95 autor que era uma de suas influências, no caso, o russo, Dostoiévski, ele cita os irmãos Karamazov, para fazer uma analogia entre Flamengo e Fluminense. [...] era o Fluminense, sempre Fluminense. Até que, um dia, não foi o Fluminense. Imagino que o leitor esteja fazendo a impaciente pergunta: - ‘E o Flamengo?’. Hoje, o Rubro-Negro, por onde vai, arrasta multidões fanatizadas. Há quem morra com o seu nome gravado no coração, a ponta de canivete. [...] o Flamengo nem sempre foi Flamengo. Cada brasileiro, vivo ou morto, já foi Flamengo por um instante, por um dia. Vale a pena voltar a 1911, ou 12, não sei. Como eu dizia, o Flamengo era ainda Fluminense. Eu disse que o Flamengo era ainda Fluminense e já retifico. Antes do futebol, o Rubro-Negro foi remo ou, melhor dizendo, foi ‘domingo de regatas’. Até que, um dia, houve uma dissidência no Fluminense. Eu gostaria de saber que gesto, ou palavra, ou ódio deflagrou a crise. Imagino bate-bocas homicidas. E não sei quantos Tricolores saíram para fundar o Flamengo. Hoje, nos grandes jogos, o estádio Mário Filho é inundado pela multidão rubro-negra. O Flamengo tornou-se uma força da natureza e, repito, o Flamengo venta, chove, troveja, relampeja. Eis o que eu pergunto: - os gatos pingados que se reuniram, numa salinha, imaginavam as potencialidades que estavam liberando? Há um parentesco óbvio entre o Fluminense e o Flamengo. E como este gerou no ressentimento, eu diria que os dois são os irmãos Karamazov do futebol brasileiro. (RODRIGUES apud MARON FILHO e FERREIRA, 1987, p. 12). A mística da camisa do clube da Gávea é descrita de forma tão cativante que o sujeito vai acreditando nela. A simbiose entre time e torcida é observada no trecho a seguir. Para Nelson, as cores, vermelha e preta, envolvendo aquele distintivo do clube estampado na camisa formavam uma “peça” que possuía extremada aptidão para seduzir e gerar sintonia na captação de energia, de forças que se materializavam sobre ela. Qualquer adversário ficaria absorto com insigne feitiço, ponderava Nelson, não economizando alegorias. Na via dessa descrição emblemática houve momentos, sim, – como aquele de 1927 quando o clube com um time de amadores e veteranos sem condições físicas, conseguiu conquistar o campeonato em que o Flamengo, com times medíocres, entrava em campo e, como se ocorresse um feitiço mesmo, a garra exauria dos poros dos jogadores, o suor encharcava a camisa e a lógica saia de campo fazendo o adversário, superior, travar. O Flamengo joga, hoje, com a mesma alma de 1911. Admite, é claro, as convenções disciplinares que o futebol moderno exige. Mas o comportamento interior, a gana, o élan são perfeitamente inaturais. Essa fixação no tempo explica a tremenda força rubro-negra. Note-se: não se trata de um fenômeno apenas do jogador. Mas do torcedor, também. Aliás, time e torcida completam-se numa integração definitiva. O adepto de qualquer outro clube recebe um gol, uma derrota, como uma tristeza maior ou menor, que não afeta as raízes do ser. O torcedor rubro-negro, não. Se entra um gol adversário, ele se crispa, ele arqueja, ele vidra os olhos, ele agoniza, ele sangra como um césar apunhalado. Também é de 911 (sic), da mentalidade anterior à primeira grande guerra, o amor às cores do clube. Para qualquer um, a camisa vale tanto quanto uma gravata. Não para o Flamengo.para o Flamengo, a camisa é tudo. Já tem acontecido várias vezes o seguinte: - quando o time não dá nada, a camisa é içada, desfraldada, por invisíveis mãos. Adversários, juízes, bandeirinhas tremem, então, intimidados, acovardados, batidos. Há de chegar talvez o dia em que o
  • 97. 96 Flamengo não precisará de jogadores, nem de técnicos, nem de nada. Bastará a camisa, aberta no arco. E diante do furor impotente do adversário, a camisa rubronegra será uma bastilha inexpugnável. (RODRIGUES apud MARON FILHO e FERREIRA, 1987, p. 103). Ary Barroso, autor da clássica, “Aquarela do Brasil”, era outro notável personagem do meio artístico a torcer pelo Flamengo. Ele é retratado por Nelson como um sujeito tomado de amor infindo pelo clube, impulsivo e autêntico. Aponta os motivos que levaram o artista ao Flamengo. Além de célebre compositor, Ary era narrador de futebol. Sem constrangimento, modificava o tom de voz, a empolgação, dependendo se o Flamengo atacava, ou, se sofria a investida do adversário. As oscilações, inflexões na voz, não deixavam dúvidas para qual time torcia. Tinha o hábito de durante as narrações tocar sua gaitinha. E chegava a torcer descaradamente nos ataques do seu time. Estando o adversário em vias de marcar um gol, ele utilizava a expressão, “não quero nem ver”, indicando todo o seu sofrimento ao iminente perigo de gol do adversário que poderia “ferir” as redes do seu amado Flamengo. Nesse aspecto de parcialidade, foi parecido com José Lins do Rego. Conta-se que Ary Barroso no auge do sucesso havia recebido um convite de Walt Disney para trabalhar em Hollywood. Um brasileiro trabalhando em Hollywood? Não era para qualquer um. Ary ficou na dúvida. Pensou em ir. Quando se deu conta de que iria ficar longe do Flamengo, recusou sem titubear, e por aqui continuou bem perto do seu amor. Ari Barroso tornou-se ‘speaker’ de futebol por causa do Flamengo. Num gol do Flamengo a gaitinha do Ari chegava a gargalhar. Era para isso que a usava, embora, algumas vezes, tivesse que tocá-la mais baixo, sem entusiasmo, num gol do outro clube. E Ari Barroso fora tricolor. Em Álvaro Chaves, sentia-se em casa, até o dia em que, depois de uma derrota, vieram chamá-lo, como se não tivesse acontecido nada, para distrair os sócios, ao piano, num chá-dançante. Naquele momento o compositor da Aquarela do Brasil descobriu que era Flamengo desde criancinha. Pretextos não faltavam para quem quisesse ser flamengo. O amor do povo pelo Flamengo, como que secreto, desabrochou com a força de uma primavera. Deu para aparecer flamengo por todo lado. Parecia uma praga. (RODRIGUES apud MARRON FILHO e FERREIRA, 1987, p. 107). Um gol de placa foi marcado pelo presidente rubro-negro José Bastos Padilha, durante a sua gestão, de 1933 a 1938. Padilha este, que vem a ser o avô do hoje aclamado diretor de cinema, José Padilha, conhecido pelo sucesso do filme campeão de bilheteria, “Tropa de Elite”. O propósito de consolidar o Flamengo como sendo o time da massa, do povo, foi estrategicamente pensado, orquestrado e posto em prática com toda solidez nesses cinco anos em que esteve à frente do clube. Funcionou em cheio. A partir da gestão de Padilha, se havia dúvida quanto à adoração do clube pelo povo, essa dúvida se esvaiu. Os três maiores
  • 98. 97 jogadores do Brasil, negros, famosos, que eram jogadores da seleção, vestindo a camisa do Flamengo, era tudo. Estratégia muito feliz. Enquanto o Fluminense trazia para Álvaro Chaves os grandes jogadores do futebol paulista, quase todos brancos, muitos com nome italiano, o Flamengo levava para a Gávea os grandes jogadores do futebol carioca, todos, pretos, Fausto dos Santos, Leônidas da Silva, Domingos da Guia, brasileiros até no nome. E se o Flamengo ia a São Paulo era para buscar um Arthur Friedenreich, mulato, um Valdemar de Brito, preto [...]. O Flamengo queria ser o clube mais popular, mais querido do Brasil, não podia deixar o preto de fora. Indo em busca do preto, o Flamengo ia ao encontro do gosto do povo, escolhendo Fausto, Leônidas e Domingos, já escolhidos pelo povo, como ídolos. Fazendo a sua transfusão de popularidade. Muita gente ficou Flamengo por causa disso, entendendo mais o Flamengo na rua, fazendo o seu carnaval, do que o Fluminense trancado no palácio de Álvaro Chaves. (RODRIGUES apud MARON FILHO e FERREIRA, 1987, p. 61-62). Fazendo menção à diferença entre o torcer pelo Flamengo e por outro time, deixando qualquer um perplexo por sua franqueza, exortava a conduta especial desenvolvida pela torcida do Flamengo e fazia ressalvas e reprovações ao modo de torcer da torcida do seu clube, o Fluminense. Reconhecia essa excepcionalidade do rubro-negro, todavia, era ao tricolor das laranjeiras que se doava, amava. Fazia questão de estampar isso. Deixava claro que a admiração ao outro não incompatibilizava e não anulava o seu amor ao Fluminense. Sem a “cegueira” da rivalidade depreciativa, derramando elogios ao time rubro-negro e à sua conduta como agremiação esportiva, Nelson era visionário, sincero, transparente, inteligência ao extremo. Mesmo quando fazia críticas - sabia fazê-las, era muito perspicaz - e sendo assim, atraia a admiração, não da unanimidade, é claro, que para ele era burra e desinteressante, mas de parcela considerável da população. E claro, dos tricolores, e de toda a massa rubro-negra. [...] o povo sentiu-se Flamengo. Gente de todas as classes ia para o campo como para uma batalha de confete, como uma festa de São João. Armando barraquinhas na arquibancada, levando clarins para a geral. Nada de confete. Confete estava bom para a torcida do Fluminense. O time do Fluminense aparecia, recebia uma chuva de confete. A torcida do Fluminense querendo vencer a torcida do Flamengo com confete, com serpentina, com balões de borracha, desses coloridos, de soprar. Muito bonito: aparecia uma bandeira imensa do Fluminense, de balões de borracha. O que não impedia a vaia do outro lado. O torcedor do Flamengo, da geral, da arquibancada, enfiava dois dedos na boca, fiau. Ou então gritava pó de arroz. A vaia, o torcedor do Fluminense aguentava. Para isso, tinha o seu clássico uh! Uh! Não aguentava era o pó de arroz. Um grito de pó de arroz partia, dela, um grito de pó de carvão partia, de cá. O torcedor do Fluminense querendo dizer que preferia ser pó de arroz a ser pó de carvão. Podia preferir, mas se ofendia com aquele pó de arroz. O torcedor do Flamengo não, nem se incomodava com o pó de carvão. Orgulhava-se dos pretos que vestiam a camisa rubro-negra. Até mesmo dos que tinham sido escorraçados dos outros clubes, como Leônidas. (RODRIGUES apud MARON FILHO e FERREIRA, 1987, p. 61-62).
  • 99. 98 Essa particularidade que o Flamengo possui – e que lhe faz muito escarnecido - de atrasar salários e coisas do tipo, de ser devedor, por assim dizer, foi sabiamente tratada por Nelson que encontrava nisso similaridade do clube com o brasileiro. Atesta-se assim que esse comportamento do clube de ser “irresponsável” e inadimplente financeiramente vem de época distante. Sempre o clube seguiu uma linha conceitual de pagar salários acima da média. E por isso, em alguns momentos, não resistiu ao peso de suas obrigações financeiras. Como os adversários procuram todo e qualquer motivo para atacá-lo, para zombar e caçoar dele, essa premissa de ser mau pagador se instaura ao menor indicativo de que um mês de salário está atrasado. É um prato cheio para gozações. Interessante observar que muitos são os clubes que enfrentam esse problema no final do mês. No entanto, quando se trata de Flamengo, tudo ganha contornos maiores, proporções gigantescas. Sendo esta realidade financeira – de viver com uma “corda no pescoço” - uma situação muito próxima do brasileiro, o Flamengo serve de espelho para boa parte da população, revelando, não só suas virtudes, mas seus defeitos também. Além da questão financeira, o torcedor do Flamengo era retratado por Nelson como um ser que na individualidade podia até não assustar, não representar muita coisa, mas era na coletividade que passava a vigorar e se manifestar como fenômeno, capaz das mais admiráveis e inacreditáveis realizações. Clube irritante, o Flamengo: De vez em quando, há quem cochiche pelas esquinas: ‘O Flamengo deve’. Eu ouço e calo. Entre parênteses, sou o admirador enternecido de todos os que devem, seja gente, seja clube. De resto, olhemos o território nacional, em toda a sua extensão. Difícil encontrar um brasileiro sem dividas. Insisto: - um brasileiro sem divida é o que há de mais utópico, inexequível e, mesmo, indesejável. Que clube ou pessoa poderia atirar no Flamengo a primeira pedra? Ninguém. Nós vivemos e sobrevivemos à base das dívidas que contraímos, com uma espontaneidade tão amorável e tão brasileira. Além disso, porém, o Flamengo é irritante por outros motivos. Um deles, é a sua torcida. Uma vez, eu estava no maracanã, em tarde de vitória rubro-negra. À saída, eu vi passar a multidão flamenga. Virei-me para um amigo próximo e rosnei-lhe: - ‘Foi essa turma que fez a Revolução Francesa’. Talvez um rubro-negro, individual e isoladamente, seja um ser como qualquer outro. Mas quando se incorpora à torcida do clube, não sei que toque, que retoque o transfigura. Os rubro-negros quando se juntam são, de fato, irresistíveis. Deem-lhes um 14 de julho e eles derrubarão bastilhas a pontapés. O Flamengo também é irritante por causa de sua tremenda popularidade. [...] De fato, nenhum clube é amado por tantos. E se, na verdade, deve como dizem, sejamos justos: - suas dívidas acrescentam-lhe um traço, a mais, de inenarrável simpatia. (RODRIGUES, 2007, p. 188-189). Criador do termo, “o óbvio ululante” – uma referência àquelas manifestações encharcadas pelos sentimentos profundos da alma, atestando sentido real às ações, que estão por ali com feitio vivo, para todo mundo ver, e inexplicavelmente, ocultadas ou forçosamente
  • 100. 99 não vistas pelos boçais - Nelson Rodrigues no trecho a seguir se despede do amigo José Lins do Rego. Em crônica escrita uma semana após a morte de Zé Lins, a homenagem mais que justa a uma figura que soube como poucos, labutar na palavra de modo a fazer sê-la como semente. E que amou o futebol e o Flamengo. Nelson e também Mário Filho usavam com frequência os exemplos de José Lins do Rego, do presidente Gilberto Cardoso – e até mesmo de um Ary Barroso - para fazer um retrato perfeito do que era o torcedor rubro-negro. Se doando, servindo ao clube em tempo integral sem nada dele querer a não ser a sua existência. Inteligentíssima a cutucada dada nos escritores que desacreditavam o futebol, que o criticavam, sem nada dele entender. Geralmente, o bom escritor brasileiro não acredita em futebol, é um desconfiado do futebol. E conta-se o caso daquele poeta que, levado à força para um jogo, apontava o campo, aos berros: - ‘Que é aquilo? Que é aquilo?’ Foi socorrido e descobriu-se que ‘aquilo’ era a bola. Zé Lins não pertencia a esse tipo de intelectual [...] e fez-se íntimo do esporte que é a paixão do povo. E não ia para o campo com a displicência superior de quem se coloca muito acima da plebe ululante, da plebe alvar. Absolutamente. Ele torcia tanto ou mais que qualquer torcedor ignaro. E ninguém mais passional, ninguém com maior capacidade de se entregar à torcida, como se um gol do Flamengo fosse a coisa mais transcendente do mundo. Sim, amigos: - quem o conheceu sabe que ele vivia cada gol, cada pênalti, cada falta, direi mais, cada lateral. [...] Era algo de patético, de inesquecível. Nas perpétuas, na tribuna de honra, ou, anonimamente, nas arquibancadas, ele fazia um esforço físico e emocional maior do que o dos jogadores em campo. [...] Havia entre ele e o torcedor anônimo, o torcedor pé-rapado, o torcedor borra-botas, uma confiança, quase carinho. Para a multidão, não era o ‘doutor’, nem mesmo o escritor, mas o Zé Lins. [...] o torcedor rubro-negro estava habituado ao seu riso imenso. Nas vitórias do time, valia a pena ouvi-lo rir. Era uma gargalhada como não houve outra na terra: - de violento sotaque nordestino, mas tão pessoal, tão dele, tão inalienável. Normalmente, seria um triste. Mas que alegria rubro-negra quando o quadro vencia! O Flamengo mandou pôr sua bandeira à meio pau. Mas essa manifestação oficial não foi tudo. O que importa é a dor, ou espanto, ou a incompreensão do torcedor diante do grande homem que deixou de rir. E sempre que o Flamengo vencer lá estará o silêncio da gargalhada que não se escutará nunca mais. (RODRIGUES, 2007, p. 274). O torcedor de futebol é enaltecido como o mais fervoroso integrante do espetáculo. A energia avassaladora, resistente, a dramaticidade colhida da arquibancada, a entrega desmedida do torcedor ao seu papel dentro de uma partida de futebol, tem delineamento genial traçado por Nelson. O do Flamengo é expresso como aquele que se eleva ao grau maior de veneração ao clube. Não é só nas vitórias que ele atinge o patamar do mais sublime sentimento. Na derrota, o sentimento é intenso da mesma forma. Ele arranca a pele, sangra nas entranhas e sente sua alma chorar, contudo, tem a destreza de logo se reequilibrar, se recompor, e continuar a caminhada, ainda mais fortalecido. [...] O torcedor está em primeiro lugar. O leitor pode perguntar: - ‘E o craque?’ Eu sei que o craque é uma figura de alta transcendência. Mas não há santo sem devoção
  • 101. 100 e o torcedor é, justamente, o devoto, o crente fidelíssimo do jogador. Portanto, andou bem Antero de Carvalho quando pôs o torcedor no coração da ópera futebolística. [...] O futebol tem o apelo, o patético, o dramatismo da ópera. Pode parecer, aos menos esclarecidos, que só o craque molha a camisa. Doce e ledo engano. O torcedor faz um esforço físico muito mais pesado. Uma vitória, ou uma derrota, pode assassinar o desgraçado que torceu. Lembro-me de uma cena que me parece antológica. Era a finalíssima Bangu x Flamengo. [...] O Estádio Mário Filho era um mar, uma flora de bandeiras flamengas. [...]. No primeiro minuto o rubronegro fica com dez. [...]. A colossal torcida emudeceu. [...] Mas o Flamengo, ainda assim, luta, ferozmente. [...] O Flamengo perdeu o jogo e o bicampeonato. Mas o que eu queria dizer era o seguinte: - ao meu lado, estava um enorme crioulão flamengo – plástico, lustroso, ornamental. Daria um espetacular escravo núbio num filme de Cecil B. De Mille. Pois a frustração derrubou o gigante. Ele desabou como um fuzilado. Aos meus pés, arquejava como se aquilo fosse a dispneia pré-agônica. Por aí é que se vê que o torcedor vive mais o lance do que o craque. Nas suas reações tempestuosas, ele dá arrancos triunfais de cachorro atropelado; ou sobe pela parede como uma lagartixa profissional. (RODRIGUES, prefácio, apud, CARVALHO, 2004). Talvez a grande simpatia de Nelson pelo rubro-negro tenha se dado pelo fato de ter sido o Flamengo o time do coração de seu irmão, Joffre, que faleceu em 1936, aos 21 anos, acometido pela tuberculose. O Flamengo arcou com todas as despesas do enterro, não deixou faltar nada. O jornalista Joffre Rodrigues frequentava o clube e todos sabiam de seu carinho pelo rubro-negro. Nelson sofreu muito com a perda do irmão. Sentia-se, de alguma forma, responsável pelo ocorrido. Acreditava ter transmitido a tuberculose para Joffre. O sentimento de culpa já havia rondado a cabeça de Nelson. O assassinato do irmão, Roberto, na redação do jornal do pai, Crítica, em 1929, deixou sequelas em Nelson. Roberto morreu no lugar do pai, Mário Rodrigues, que era o alvo da jornalista e escritora, Sylvia Seraphim Thibau. Nelson estava na redação de Crítica, ao lado dos irmãos, e achava que ele poderia ter ido, no lugar de Roberto, atender àquela mulher que adentrou o ambiente dizendo querer falar com Mário Rodrigues. Sylvia se sentia prejudicada pela publicação da notícia de seu desquite – assunto proibido na época - motivado por suposta traição dela. Mário Rodrigues não estava e, tomando a iniciativa de recebê-la, na sala do pai, Roberto covardemente foi atingido com um tiro. Nelson tinha amor ilimitado, exagerado, tocante e puro pelos irmãos. Agora, quem mais o inspirava, aquele a quem ele via como ídolo, com quem sonhava ser igual, diante do qual se sentia pequeno, tamanha era sua admiração, este, era Mário Filho. A relação dos dois era contemplativa, altruísta e mutuamente assistida por declarações de carinho. A paixão pelo futebol os mantinha ainda mais unidos. Era ponto aglutinador.
  • 102. 101 4.3 A ALEGRIA RUBRO-NEGRA POR MÁRIO FILHO Corria o ano de 1908. Aos três dias do mês de Junho, em Recife, Pernambuco, estreava para a vida, Mário Rodrigues Filho. Aos oito anos de idade – o terceiro dos catorze filhos do casal Mário Rodrigues e Maria Esther – na companhia da mãe e dos irmãos, chega ao Rio de Janeiro. Com dezessete, vai trabalhar no jornal de seu pai, “A Manhã”. Já em um prenúncio de seu dom de controlador, coordenador e gestor, vai tomar conta de toda parte gerencial-financeira da empresa do pai. Contrariando o que era o desejo do seu progenitor que sonhava ver Mário Filho trabalhando como repórter na cobertura de fatos políticos, se envereda pela editoria de Literatura. Pouco tempo depois, já no jornal Crítica, assume a editoria de Esportes, que era desprezada por todos. “a menos importante do jornal” (CASTRO, 1992, p.59). O Jornalista e escritor teve a trajetória profissional ligada, em paralelismo com a do irmão, Nelson Rodrigues. Começaram juntos no jornal do pai e durante toda a vida, um esteve presente na vida do outro. Ousado, visionário, carismático, empreendedor, com gosto acentuado pela literatura e pelo futebol, acreditava ser possível converter a editoria de Esportes em algo bastante atraente. Rompendo com paradigmas editoriais, insere o futebol em plano de destaque. Começa a operar grande transformação. Se o assunto é crônica esportiva como a conhecemos hoje - o seu precursor é Mário Filho. O pai da crônica esportiva brasileira. Reconhecidamente o primeiro jornalista a “brigar” por espaço maior do futebol nas páginas de jornal, reinventou a forma de se falar sobre o esporte. Extraiu o linguajar frio, as construções frasais que tornavam difícil para o povo o entender do que era exposto na página esportiva - que se fazia incompreensível pelo uso repleto de terminologias inglesas, usadas para definir jogadores, torcedores, técnicos, lances, posições. O “football”, até então escrito assim, dá passagem ao “futebol”. Toda a abordagem, a formatação, o conceito, são modificados. Quando no final da década de 1920 entrevistou o goleiro do Fluminense e da seleção brasileira, Marcos Carneiro de Mendonça, que depois de uma parada estava voltando ao futebol, Mário Filho instituiu um marco na crônica esportiva brasileira. Começava ali, a implantar uma revolução. A entrevista tinha uma descritiva com viés humanizado e ocupava quase que a página inteira do jornal. Tratamento diferenciado também foi dado à fotografia. Os jogadores até então apareciam nos jornais como em um retrato 3x4. A angulação se tornou mais reveladora. Essa ação inovadora iria conquistar muitos leitores.
  • 103. 102 Mário Filho lançou um jeito novo de enfocar os jogadores de futebol, colocados em um patamar de artistas. Fazia questão de entrevistá-los esmiuçando detalhes da vida, da conjuntura humana, dos anseios, sonhos e frustrações. Era uma radiografia do atleta, na qual se observava um lado que ia além da mera atuação esportiva. Se apropriando do artifício de realizar entrevistas em tom de informalidade, usando como ponto de encontro um famoso café da época, o Nice, bem ao lado do jornal O Globo - onde trabalhava - Mário, conseguia colher a informação que quisesse. O torcedor – visto como o artista da arquibancada – também ganhou novo tratamento. Foi dimensionado, retratado em proporção ampliada de conteúdo, coisa nunca imaginada até então, e ganhou espaço no jornal. Era o seu objetivo “Ouvir corações dos jogadores, 'medir a fé dos teams em choque', 'debruçar-se diariamente na alma da torcida" (SILVA, 2006, p.111). Houve melhorias na repaginação, gerando diagramação criativa, inserção de títulos, subtítulos, legendas e o aprimoramento da fotografia. O paradigma de escrita tornou-se muito mais atraente. Esse processo iniciou-se, timidamente, no “A Manhã”; passou pelo jornal Crítica, e se instaurou de vez no O Globo, em 1931. Aí se cristalizou de vez e outros jornais passaram a seguir o modelo inovador de Mário Filho. Em 1936, já como dono do lendário e, por suas mãos, consagrado, Jornal dos Sports, Mário Filho gozava de bastante respeitabilidade. Escreveu crônicas esportivas de formidável qualidade. Livros dedicados exclusivamente ao futebol. Mário Filho desenvolveu ações que visavam estimular a prática do esporte por toda a população – o acesso das pessoas ao esporte deveria ser possibilitado a qualquer custo. Lutou muito por isso. Promovia, incentivava a ida do torcedor aos estádios para incentivar seus times. Um dos primeiros jornais do Brasil integralmente dedicado ao esporte foi criação sua, “O Mundo Esportivo”, em 1931. Apesar de ter vida curta – oito meses - foi por meio dele que Mário lançou o primeiro concurso de escolas de samba, dando início ao grande evento, o desfile das escolas de samba do Rio de Janeiro, que toma conta da Sapucaí nos dias de hoje. Promoveu competições que se tornaram grandes eventos da cidade do Rio de Janeiro, dentro dos mais variados esportes. Em 1956, trouxe uma guarnição mundial de remo da Universidade de Cambridge e colocou meio milhão de pessoas na Lagoa Rodrigo de Freitas. “Só um homem da imaginação e da audácia de Mário Filho poderia lembrar-se de trazer a guarnição de Cambridge”. (RODRIGUES, 2007, p. 110). Era só o futebol entrar em recesso e lá vinha Mário com a promoção de outros eventos esportivos. Eram disputas de Remo, Natação, Boxe, Jiu-Jítsu, Automobilismo.
  • 104. 103 Da mente brilhante dele surgiu a ideia de aproveitar as belezas naturais do Rio usandoas como cenário para a realização de uma competição automobilística. O Circuito da Gávea, como ficou conhecido, foi inesquecível, um marco. Após a primeira edição, em 1933, que não tivera grande adesão popular, Mário Filho observou as falhas e viu que havia faltado a promoção do evento. A partir da etapa seguinte, a adesão foi imensa. “O Globo” chegou a tirar sete edições no dia do evento, em 1934. “[...] a partir de 1935, o ‘Circuito da Gávea’ entrou para valer no calendário esportivo brasileiro. No ano seguinte, o duelo Von Stuck x Pintacuda levaria mais de duzentas mil pessoas à Gávea". (CASTRO, 1992, p.133). Idealizador e maior defensor da construção do estádio do Maracanã, – que por sinal leva o seu nome - Mário Filho lutou pela profissionalização do futebol e semeou o acirramento sadio entre paulistas e cariocas quando deu vida, de forma regular, ano a ano, ao Torneio Rio-São Paulo, em 1950. Em 1967, começou a ter a participação de times de outros estados e passou a se chamar Torneio Roberto Gomes Pedrosa. O campeonato brasileiro de hoje é originário do Torneio Rio-São Paulo. Organizou a Copa Rio, realizada em 1951 e 1952 – que reunia os campeões do Rio e de São Paulo contra times campeões de outros países. A Copa Rio, infelizmente, teve somente duas edições, devido ao custo gigantesco para trazer equipes de fora, mas trouxe grande alegria ao torcedor brasileiro. Foi o prenúncio da competição hoje conhecida como Mundial de Clubes da FIFA. Outro marco foi a criação e promoção de competições populares como os Jogos da Primavera, (1947), “Uma olimpíada carioca reunindo atletas dos clubes e colégios, algo que mobilizasse a juventude e a atraísse para o esporte” (CASTRO, 1992, p. 224). Os Jogos Infantis, (1951), e o Torneio de Pelada do Aterro do Flamengo (década de 1960). Sim, ele criava, desenvolvia, organizava e conseguia - com pouca ajuda financeira, praticamente sozinho, por intermédio de seu jornal – tornar esses eventos bem sucedidos. O jornalismo esportivo tem em Mário Filho o seu expoente, o homem revolucionário, empreendedor, vanguardista. O grande memorialista. Na construção de uma “nova” crônica esportiva, no desenvolvimento e aprimoramento da imagem de jogadores, torcedores e dirigentes, a lembrança de Mário Filho é pertinente. Ele trouxe para o conhecimento a realidade da vida destes, que não estavam imunes aos aspectos dificultosos comum à existência de todos, com suas histórias patéticas, tocantes, que eram contadas de modo poetizado e exacerbado – um dos recursos da crônica – trazendo à tona alegrias, dramas e flagelos. Jogadores que morreram miseráveis, abandonados e esquecidos como aconteceu com Jaguaré e Fausto, servem como exemplo. Mário Filho levantou o véu que escondia o lado
  • 105. 104 obscuro das relações, o tratamento nada respeitoso direcionado aos negros, por parte dos dirigentes de clubes e pela sociedade que, por vezes, assolava a vida de personagens do futebol. Uma analogia com a Semana de Arte Moderna, de 1922, pode ser feita utilizando-se a figura de Mário Filho para referendar sua relevância, no concernente ao esporte no Brasil e à crônica esportiva. Ele sozinho quebrou as correntes estabelecidas e deu vida nova ao jornalismo esportivo brasileiro. Defendeu uma editoria de Esportes pomposa, espaçosa, verdadeiramente noticiosa e cativante, que pudesse revelar, propriamente, nuances de vida. Sua contribuição para que o futebol se desenvolvesse como espetáculo de massas, é indiscutível. Promoveu – não criou, faz-se essa ressalva - a célebre sigla Fla-Flu que tornou o embate, Flamengo e Fluminense, cercado de misticismo e o lançou ao plano configurativo de clássico mais charmoso do futebol brasileiro. Por ter durante todo o tempo incentivado, estimulado, despertado nas pessoas o posicionamento de se exercitarem no ato de torcer comparecendo aos estádios de futebol, recebeu a alcunha de “O Criador de Multidões”. Faleceu em 16 de Setembro de 1966. Uma trombose gerada por problemas cardíacos interrompeu uma jornada de aproximadamente 40 anos de significativa produção. O Rio de Janeiro, cidade que o acolhera aos oito anos de idade, perdia aquele que soubera como ninguém proporcionar grandes alegrias e emoções ao seu povo. “Mário Filho teve adeus de rico e pobre. Milhares de pessoas, desde o representante do presidente da república (...) até o mais humilde torcedor carioca, estiveram ontem no Jornal dos Sports para a última despedida”. (JORNAL DOS SPORTS, 17 set. 1966). Por gozar de prestígio perante todas as rodas da sociedade, manteve aproximação com dirigentes de todos os clubes, políticos, ministros de Estado e com os presidentes Getúlio Vargas e Juscelino Kubitschek. Era um diplomata, uma eminente figura do futebol. Achava que não podia desapontar a ninguém. Por isso tinha muito cuidado quando falava sobre os clubes. Não escreveu muitas crônicas que abordassem o Flamengo de forma apaixonada, mas deixava sempre transparecer a sua estima pelo rubro-negro, pontuando o seu valor histórico. Na verdade o livro “Histórias do Flamengo” serve como a mais representativa homenagem ao clube do seu coração. Era imenso o orgulho de Mário Filho com este livro. E, interiormente, no seu íntimo, sorria e fazia sua festa a cada vitória do rubro-negro. Essa alegria que se vê hoje em dia no torcedor do Flamengo já existia há muito tempo. É Mário Filho quem diz [...] E Jaime de Carvalho correndo de um lado para outro, avisando todo mundo. A torcida do Flamengo irá a pé, da Gávea até à sede do clube, como um rancho, a
  • 106. 105 estação primeira, a caminho da praça onze. [...] O torcedor do Flamengo tinha era de se espalhar, de sambar, de pular, de puxar cordão, alegrando todas as ruas, fazendo escancarar todas as janelas. [...]. A multidão encheu a praça. Os lotações fonfonavam. De longe se viam os bondes carregados de gente. [...] Jaime de Carvalho deu o sinal, todos a caminho. E a multidão movimentou-se, cantando e dançando. Os automóveis e os bondes passavam na frente do bloco do Flamengo. Havia gente que saltava para engrossar a multidão, entrar no brinquedo. As janelas se abriam: Jaime de Carvalho tinha certeza que elas iam se abrir. Abriam e enfeitavam-se de sorrisos. Havia flamengos em toda parte: a cidade era do Flamengo. Garotos corriam na frente do bloco [...]. (RODRIGUES FILHO, 1966, p. 237-238). Observa-se a reverência feita por Mário àquele que foi um símbolo de torcedor – do Flamengo e da seleção brasileira. Criador da primeira torcida organizada do Brasil, a “Charanga do Flamengo”, em 1942, Jayme de Carvalho, foi um dos maiores personagens da arquibancada e nesse ofício de torcedor se sentia “nas nuvens”. Essa comemoração apresentada por Mário Filho, diz respeito a uma vitória sobre o Vasco. Ele diz que havia torcedor do Flamengo por todos os cantos. Os bondes não davam vazão para transportar o torcedor rubro-negro. Com alegria proporcional ao tamanho daquela gente rubro-negra, a massa cantava, dançava, gritando o nome “mengo” em uma caminhando que ia da Gávea, estádio do Flamengo, até a sua sede na praia do Flamengo. Um trajeto considerável. E vai além ao adentrar em uma esfera até de religiosidade para dimensionar o amor que une o clube ao seu torcedor. O Flamengo era um caminho para a vida, um caminho para a morte, um caminho para Deus. São imperscrutáveis os desígnios da Providência. O Flamengo, que obrigara, certa vez, um colégio de freiras a se mudar, era o mesmo que numa hora de aflição ia se ajoelhar ao pé do altar se São Judas Tadeu. (RODRIGUES FILHO, 1966, p. 42). O cronista se apropria da máxima de ser o Flamengo o clube mais amado do Brasil para expressar o seu ponto de vista sobre o papel desempenhado pelo torcedor de futebol. Com Mário Filho, esse sujeito que vive para o seu clube na frequência altíssima da emoção, do amor, da fidelidade irrestrita, passou a ter visibilidade. Sua atuação foi valorizada. Seu papel na atmosfera do futebol foi analisado, captado e redimensionado. Mário Filho entendeu existir nessa relação com o clube de coração, sentidos bem definidos para a vida de qualquer torcedor. Ninguém discute que o Flamengo seja o clube mais popular do Brasil. Quem é Flamengo prefere dizer o mais querido. Está certo. Escolhe-se um clube como se escolhe uma mulher. Para toda a vida ou até que Deus separe. É mais difícil deixar de amar a um clube do que a uma mulher. Qualquer um de nós conhece, de ouvir falar nem se fala, mas de conhecer mesmo, mais bígamos ou polígamos do que torcedores que mudaram de clube. Ou que traíram, mesmo em pensamento. Talvez
  • 107. 106 porque o clube nunca se entrega a um torcedor. O torcedor é que se entrega ao clube ou ao amor do clube. Também pode ser porque o sex-appeal do clube não se desgasta com os anos. Daí que exija, sempre, um amor como de lua-de-mel, violento, absorvente, exaustivo. Não leva à tísica, mas dá enfarte. Muito médico, hoje, proíbe futebol a torcedores que têm de fazer dieta de amor. Podem amar o clube, mas de longe, por assim dizer de memória, num amor suave, pacificado. Geralmente se ama sem saber por quê. Tantos caminhos levam ao amor que é quase impossível apontar um como a rota dos descobridores. Isto é verdadeiro, tanto em relação a uma mulher, como a um clube. E mais em relação a um clube do que a uma mulher, já que nenhuma mulher é tão variadamente amada como um clube. Nem mesmo uma Brigitte Bardot, mais desejada do que amada. (RODRIGUES FILHO, 1966, p. 7). Difícil encontrar jornalista que tenha se interessado tanto em ir fundo na história esportiva e social para descobrir as razões do Flamengo ter se tornado esse clube de torcida gigantesca, tão abusada, presunçosa e de enorme soberba. (RODRIGUES FILHO, 1966, p. 8) diz, “O Flamengo era um clube de remo de sessenta sócios, se tantos, poucos pagando a mensalidade, e sem um campeonato. Mas tinha a vaidade, de Grande da Espanha”. Esse jeito de ser do seu torcedor, na compreensão de Mário Filho reside no aspecto de ser o Flamengo muito mais que um clube esportivo e de futebol. É um estado de espírito, uma ideologia, um objetivo comum do seu torcedor, de bastar à existência do clube para o seu prazer ser contínuo. Ele se esmera no “ser flamengo” e disso extrai motivações para sua vida. O torcedor rubro-negro carrega a certeza de que sendo Flamengo ele se faz solto na vida, brincando com as emoções, hidratando sua alegria, não se intimidando ante os desafios e acreditando na vida. O Flamengo para o seu torcedor, o faz forte e importante. O Clube e sua torcida desenvolveram talento para se autopromoverem. O Flamengo usou todos os recursos da sedução que possuía. Como um Don Juan, cada conquista que fazia tornava-o ainda mais irresistível. Não havia um dia em que os jornais não publicassem uma grande notícia do Flamengo. As vezes para que se falasse nele, ou não se deixasse de falar nele, o Flamengo contratava um jogador para um match. Apresentava tal estardalhaço que a gente acabava achando mesmo que se tratava de uma celebridade ignorada. Por culpa nossa. Nenhum clube em tempo algum explorou tanto a publicidade. Os muros das avenidas, as paredes dos edifícios, enchiam-se de cartazes: uma vez Flamengo, sempre Flamengo. Preparava, assim, um concurso de slogans. Só para crianças. O que acontecia era que toda a família ficava pensando no Flamengo. Numa frase, e caprichada, sobre o Flamengo. A imaginar coisas bonitas para o Flamengo. Para virar Flamengo era um passo. O garoto, o pai, a mãe. O resultado foi que o Flamengo ficou cheio de slogans: o Flamengo ensina a amar o Brasil, sobre todas as coisas; onde encontrares um Flamengo encontrarás um amigo; ser Flamengo é ser forte na adversidade. [...] aparecia na pista um escafandrista, de escafandro autêntico, pesadão, como se carregasse pés de chumbo. Trazia um cartaz: Flamengo, até debaixo d’água. Logo depois se ouvia um barulho de motor de avião. Olhava-se para cima e via-se descer um pára-quedas trazendo uma galinha morta com as cores do Fluminense. E charangas tocavam o Flamengo, Flamengo, tua glória é lutar. De tarde, por causa do Flamengo, o Fla-Flu era um carnaval; de noite, um São João. O Flamengo trazia as festas mais populares para o futebol. (RODRIGUES FILHO, 1966, p.30-31).
  • 108. 107 O neto de Mário Filho, Mário Rodrigues Neto, contou no programa especial sobre o centenário do clássico Fla-Flu, exibido no canal SPORTV, em Julho de 2012, que em certa ocasião percebeu que o avô torcia mesmo para o Flamengo. Em um jogo no Maracanã contra o Botafogo, em 1955, estavam os dois, lado a lado, na tribuna de imprensa. O Flamengo marca um gol. Mário Neto viu no gol do Flamengo o avô pular, vibrar muito, dar saltos de alegria. Ao passar de alguns segundos, o cronista se deu conta que o neto estava ali e rapidamente se recompôs. Gostava de ser discreto. Permaneceu durante todo o resto do jogo com uma alegria diferente. Meio sem jeito, falou que torcia fervorosamente daquela forma porque sabia que se o Flamengo vencesse, a venda de jornal no dia seguinte seria muito boa. Na verdade, ele não queria que o garoto soubesse que, no fundo, no fundo, era o Flamengo o time do seu coração, time que havia o conquistado, pois, nascera em uma família cheia de tricolores. E seguiu desconfiado de que o neto fosse abrir a boca mais cedo ou mais tarde. Daí concluiu: era melhor “comprá-lo”. No dia seguinte, ao acordar, o menino levou um susto. Tinha uma bicicleta no seu quarto e um papel pequeno colado nela, escrito: "Fiz minha parte." A bicicleta era a parte dele, Mário Filho. A parte do neto seria não contar para ninguém o que presenciara no Maracanã no dia anterior. Outro acontecimento que entrega para qual time torcia Mário Filho foi relatado por Castro (1992). Em um Fla-Flu, de 1959, logo na entrada do Maracanã, Mário Neto havia pedido para o avô uma bandeira do Fluminense – torcia “forçado” por influência da família para o tricolor, só passando a torcer pelo Flamengo algum tempo depois. Mário Filho comprou, mas, forçou o neto a levar uma do Flamengo também. Detalhe: a do Flamengo era muito maior que a do Fluminense. O Flamengo perdeu o jogo por 2 x 0 e Mário Filho, triste, amuado, não deixou, na volta para casa, o neto balançar a bandeira do Fluminense pela janela do carro. O Maracanã em jogos do Flamengo era festa do início ao fim. Não havia jogo em que a sua torcida não comparecesse em número maciço. Mário Filho ia ao estádio em jogos de todos os times. Mas, nos jogos do clube da Gávea “fazia força” para ser aquele sujeito que era conhecido por se manter em postura estritamente polida. Por ser figura “diplomática do futebol” e que, como ele mesmo dizia, procurava manter-se sem aproximação com um clube específico para que alcançasse a fidedignidade do que escrevia sobre futebol e atingisse a pretensa imparcialidade, Mário era cortejado por todos. Na hora da decisão ele foi Flamengo, o Flamengo de tua glória é lutar, o clube e o time da bandeira, da legenda; do samba, da marcha; da anedota, de tudo que é Flamengo [...] E não se pode isolar essa vitória do Flamengo ao campo. Ela também
  • 109. 108 nasceu e se fez nas gerais e nas arquibancadas, nas cativas, nas numeradas e nas perpétuas. Desde cedo que se viam a caminho do Maracanã automóveis, bandeiras do Flamengo já desfraldadas. O estádio estava como na Copa do Mundo. E tudo aquilo, as bandeiras, a charanga, a cuíca roncando, os tambores chorando, os pandeiros rindo, podia trabalhar nos nervos dos jogadores. Os jogadores do Flamengo pisaram o campo como autuados; tinindo, como se diz. Onde, depois de longa, de quase interminável campanha do tri, só pode ter sido no Flamengo, na mística da camisa, na outra mística que agora nasce dos calções negros, de luto por Gilberto Cardoso. Porque desde o primeiro momento se sentiu que eles estavam dispostos a tudo, esquecidos de si mesmos, pensando só no Flamengo, que era para eles o sinônimo de vitória. [...] Então é que a multidão tirou o lenço do bolso para a revoada da vitória do Flamengo. É que a charanga não parou mais de tocar. É que os foguetes deram para assoviar. Das arquibancadas soltaram serpentinas, das gerais chuveiros que se curvavam, lá em cima, como girassóis, e pareciam olhar a festa cá embaixo para se abrirem e se despetalarem como rosas de fogo. Era o carnaval do Flamengo que nascia e que ia tomar conta da cidade. E chegava como o são-joão, com a grande vitória do Flamengo [...]. Havia gente no bar do estádio também chorando e beijando a bandeira do Flamengo. Ninguém perguntava que horas eram. Era a vigília da vitória, do tricampeonato do Flamengo. Ali, embaixo das rampas do Maracanã, nas ruas, por todo o caminho de volta. Até crianças nas filas, à beira das calçadas, senhoras, os flamengos que tinham ficado de fora e que agora queriam gritar Flamengo, à passagem do Flamengo, ou de tudo o que lembrasse o Flamengo. Os carros com bandeiras do Flamengo, os carros sem nada, só com gente dentro, mas que traziam alguma coisa da vitória. Os gritos de Flamengo eram como filas de sons ao longo das ruas e das avenidas. E mesmo quase de manhã, a gente acordava com um Flamengo! ‘Era a vitória continuando, não acabando mais’. (RODRIGUES FILHO, 1956, p. 38). Na emblemática, arrojada e refinada revista Manchete Esportiva, de propriedade de Adolpho Bloch - grande empresário da Comunicação - Mário Filho, que foi um dos seus idealizadores e era quem coordenava, dirigia a revista, além de escrever crônicas, reconstitui o clima que tomou conta de jogadores e torcida na final do tricampeonato de 1955. Relembra que naquele dia o time jogou com a alma, pela necessidade de se homenagear Gilberto Cardoso – presidente falecido meses antes, acometido por um infarto na final do campeonato de basquete conquistado pelo Flamengo, com uma cesta nos últimos segundos. Pontua que os jogadores se desdobraram em campo e que a cidade foi tomada por ampla festa. Jornais da época registraram que após o jogo, torcedores do Flamengo saíram do Maracanã e foram a pé até o cemitério São João Batista, em Botafogo, colocar a faixa de campeão no túmulo Gilberto Cardoso, comemorando “junto” ao presidente rubro-negro. A frase de Nelson Rodrigues sentencia a importância de Mário Filho para o Flamengo, para o futebol, para o esporte e para a vida social do Brasil: “Meu Deus, eu gostaria de dar uma ideia da extensão, dinamismo e profundidade de sua obra. Mas antes preciso dizer que Mario Filho era um desses homens fluviais que nascem de raro em raro. Disse fluvial e explico: imaginem um rio que banhasse e fertilizasse várias gerações”, (RODRIGUES apud MARON FILHO e FERREIRA, 1987, p. 137).
  • 110. 109 CONSIDERAÇÕES FINAIS Toda história é tradução seletiva de aspectos que transitam na dualidade Bem e Mal. A história oficial é o atestado definitivo, ostensivo, de uma pessoa ou de determinado evento. Ela fica para sempre. Pela pesquisa, é possível se chegar a outras possibilidades adormecidas. Novos ângulos de interpretação, nuances escondidas. Por esses outros direcionamentos, pelo reenquadramento da história, colhe-se resíduos valiosos. Na verdade, por vezes, esses resíduos tendem a potencializar, ou, em alguns casos, diminuir um dado acontecimento. O certo é que as reinterpretações históricas são válidas, importantes e quase sempre não desmentem em um todo, a história constituída. A história do Clube de Regatas do Flamengo é marcada por heroísmo, rebeldia, persistência, superação, irreverência, astúcia e aproximação com as camadas populares. Isto é fato. O crescimento rápido, de certa forma, maciço e ininterrupto de sua torcida, intriga. Esse crescimento rompeu fronteiras estaduais e o fez um clube nacional. O colossal desenvolvimento e o senso de “especialidade” creditado a essa torcida foi o viés escolhido nesse trabalho. Encontrar razões que levassem a compreensão dessa conquista de ser a maior torcida do Brasil, e associar essa massificação do torcedor do Flamengo ao olhar, ao crivo, ao
  • 111. 110 posicionamento da crônica esportiva brasileira, a meta estabelecida. Nos fragmentos das crônicas expostas nesse trabalho detectam-se traços fortes, largos, de altivez, de corpulência da massa e desse senso de diferenciação que toma conta do torcedor do Clube de Regatas do Flamengo. Com riqueza de detalhes os três cronistas selecionados, José Lins do Rego, Nelson Rodrigues e Mário Filho, descreveram o Rio de Janeiro do século XX e suas peculiaridades. Trouxeram a tona fatos que vieram a contribuir no forjar inicial da imagem do clube de Regatas do Flamengo. Resgataram histórias, com suas sutilezas, que ajudam a entender o resultado final, o Flamengo sendo clube popular, o de maior torcida do Brasil. Identificaram a tal da “alegria rubro-negra”, a alegria que não cessa, e a presunção de seu torcedor, para corroborar a tese de ser o torcedor do Flamengo um fenômeno. Alguns dirão: existe exagero na descritiva da imagem do clube. Pode ter ocorrido, sim. Contudo, essa transcrição dos fatos não pode em hipótese alguma ser enxergada como irrealidade, teoria ficcional, criação infundada. A Crônica se utiliza desse recurso de potencializar, de exacerbar a escrita, mas não se apresenta nisso o “passar” distante da verdade. Sua intenção, primeiramente, é a valoração do fato. Nenhuma pessoa em sã consciência atacaria o talento, o compromisso com a verdade - com o que acreditavam ser a verdade -, a ilibada postura profissional e o grau de intelectualidade, sem contar a obra sólida dessas personalidades da Literatura e da crônica esportiva do Brasil. Infere-se, não ter existido premeditação de conquistar com as crônicas escritas torcedores para o clube rubro-negro. A alma desses cronistas é que se manifestava livremente, sem ter nenhum intento de conquista, a não ser a conquista do prazer dos leitores pela leitura de suas crônicas. O desejo era o de abrir passagem para o sentimento da paixão. Agora, que, naturalmente, pelo excepcional traço atrativo da escrita, pelas frases e orações comovedoras que evocavam o Flamengo, pelo enlevo que proporcionavam, pela paixão intensa empregada, pelas ações empreendidas de “promoção” do clube, pode ter a crônica deles, realmente, acertado em cheio o coração daqueles torcedores indecisos, arrastando-os para o Clube de Regatas do Flamengo. Disso não se pode duvidar. É de ordem natural que mudanças ocorram e que o mundo nos apresente novas tecnologias, novas tendências, novas realidades que induzam a um novo olhar, a um novo modo de vida. O novo sempre vem. Entretanto, o novo não destrói nunca o que ficou como marca no tempo e sim se alicerça, se alimenta, ganha contornos e é moldado pela interferência, influência, ou, referência, do que ocorrera e se instituíra em outros tempos. Saudosismo é bom, sim. Diferente do que muitos pensam. Lembrar, reviver, flertar com o
  • 112. 111 passado é um exercício que devemos fazer para não esquecer a história que se ergueu no ontem e que o hoje se encarrega de ratificar. O futuro terá páginas rabiscadas de elementos do passado. Importante é manter a mente aberta para aceitar o que é de cada tempo e ter a certeza de que pela fusão do ontem com o hoje serão geradas as tendências do futuro. É assim. Nessa marcha evolutiva, é preciso se colocar. O futebol mudou, os costumes mudaram. A crônica esportiva também. Impressiona a rapidez com que a novidade bate à porta da humanidade. Mídias, tecnologias, invenções, adaptações impressionantes e frenéticas, atualizações que ocorrem em um piscar de olhos. Notícias que chegam de todos os cantos com uma velocidade estonteante. A Informação relevante? A pretensa verdade? Continua a pulsar teimosamente – não cessará nunca - nos escamoteios de uma imprensa nem sempre tão correta e por vezes perdida, distante do seu propósito principal de ser aliada, defensora, expoente da verdade e comprometida com o bem estar social. Este é um processo continuado, por isso, sem fim. E o aprimoramento, uma necessidade. O que não muda é o amor desses seres que se debruçam, se atiram, se entregam às maravilhas do futebol. O garoto, do mais humilde ao cercado de riquezas, continua a sonhar com o dia em que pisará o gramado de um estádio de futebol, vestido com a camisa do seu clube de coração e, quem sabe, da seleção brasileira, caracterizando-se como um autêntico “profissional da bola”. Se não conseguir esse status de profissional, a simples “pelada” em um campo de grama sintética – sim, é triste pensar que não existem mais campos de terra – já será um deleite para ele, que já em um instante sequente será o adolescente e, sem perceber, o adulto que pela vida caminhará. O futebol continuará exercendo seu papel de aglutinador, capacitador das relações humanas, caminho para o alívio das tensões e lente formatada de passionalidade que revelará nuances do ser humano e do meio social. Torcer será sempre um ato encharcado de paixão. Não mudará. O sentimento a um clube de futebol, nessa premissa passional permanecerá brotando. Ele não cessa. Seja em estádios, bares, na rua, no colégio, no trabalho, na praia, em casa, o coração do torcedor continuará batendo mais forte quando o seu time estiver em ação. Pode ser no bairro chique de classe alta, naqueles que reúnem a classe média ou nas favelas com seus becos em profusão, nessas delimitações sociais, o torcedor desfraldará sua camisa e não se privará da entrega emocional ao seu time. Essa ação do torcer independe de classe social, de cor, raça, credo, das opções de vida que se faça. Ainda será possível se deparar com o indivíduo que no domingo, após uma semana de trabalho intenso, acorda cedo, toma café, come o pãozinho com margarina, “fila” o jornal -
  • 113. 112 mais especificamente, o espaço destinado ao futebol – e sintoniza a estação de rádio que sobre esportes fala. Que vai pra rua sentir o clima das discussões sobre futebol. Que não se esquiva de bater bola com o(s) filho(s) e que com todo esforço proporciona à família o almoço especial de domingo – especial por ter no lugar do ovo frito, um frango, ou uma carne de 2ª qualidade; um refrigerante no lugar de um copo d’água. Esse sujeito que no adentrar da tarde, sai em disparada com o coração agitado, batendo a mil por baixo da camisa do clube. E de mãos dadas com o(s) filho(s) – pelo dinheiro escasso, às vezes faz rodízio, pois, não dá pra levar todos e, vez ou outra, mais ainda se aperta, para levar a esposa - caminha até o ponto de ônibus ou à estação ferroviária. Tudo na maior dificuldade. E Para onde esse sujeito segue? Para um estádio de futebol. Vai acompanhar o seu time, ser o 12º jogador, torcer, apoiar, berrar, xingar, cantar, sorrir e chorar. Receber o que nenhum dinheiro consegue comprar, a emoção do futebol. Passará a tarde inteira sem comer. Comer pra quê, se a satisfação da alma parece fazer esquecer uma pretensa fome? Ali, no templo, o estádio de futebol, ele se alimenta da transfusão de energia, se realiza. Absorve lições estabelecidas pela partida que o ajudarão de alguma forma ao longo da semana. No estádio, ele será tocado por uma série de sensações que o fará se sentir completo. Céu e inferno oscilarão naquela atmosfera. Se for contemplado pela pujança de um gol do seu time, embevecido na comemoração, algo sublime, que em nenhum outro lugar poderá ocorrer, o tocará. Será abraçado sem pudores por um desconhecido, um estranho, que pode ser diferente dele em tudo, mas que, estará intimamente ligado a ele na fascinante e tocante arte de torcer pelo time que os une. Se este torcedor então pertencer ao clube mais popular, o de maior torcida do país e um ícone do futebol mundial como é o caso do Flamengo, aí então será a glória! O torcedor do Flamengo é surpreendente. Que torcedor seria tão tripudiado pelos adversários e encontraria sentido em se divertir com isso? Que torcedor ridicularizado com adjetivos pejorativos, seria capaz de enxergar nisso um positivo significado? Urubu, favelado, analfabeto, vagabundo, marrento, assim os rubro-negros são rotulados pelos adversários. Contudo, sempre põem um olhar irreverente sobre essas designações. Que torcedor teria criatividade tão acentuada para criar modismos e mesmo, ou melhor, principalmente, nos momentos difíceis, acharia motivos para se colocar por cima, destacando suas qualidades e promovendo ações de caráter marqueteiro? Que torcedor é capaz de encher estádios – ou parte representativa deles - de Norte a Sul, de Leste a Oeste, de Nordeste a Noroeste, de Sudeste a Sudoeste desse extensivo país? De ter aptidão em fazer
  • 114. 113 festa carregando a “bandeira” do desbunde e que impressiona por saber tão bem “brincar” com seus problemas? A torcida do Flamengo é patrimônio de uma cidade. Por que não de um país? É patrimônio do futebol. É fenômeno. Estudar esse fenômeno – dentro de outro, no caso, o futebol – é salutar. Desamarrado dos laços e dos nós clubísticos que prendem e por vezes cegam, analisar o torcedor do Clube de Regatas do Flamengo é exercício relevante e pertinente no tocante ao quesito, “estudo de massas”. Seria maravilhoso estudar as particularidades do torcedor de qualquer outro time. De todos, se extraem histórias relevantes. Mas no tracejado do perfil do torcedor do Flamengo reside pluralidade cintilante, disforme, e por isso única, que demarca com traços fortes a influência exercida por uma cidade decantada no mundo todo, outrora capital do Brasil, fonte de modismos, tendências, o coração do país, sobre o torcedor desse clube. E vice-versa. Sobre esta torcida não pairam dúvidas de que daqui a 500 anos ela continuará em crescente estágio a enfeitiçar multidões e a servir para a crônica esportiva como alavanca de soberbas histórias propiciadoras de audiência e de grandes vendagens. Contextualizando o trabalho na produção de três mestres da crônica esportiva brasileira do século XX, o torcedor desse clube nascido no final do século XIX como um grupo de remo, foi retratado e as razões que definiram a sua personalidade analisada. Pelo histórico de vida e, principalmente, da obra, Nelson Rodrigues, Mário Filho e José Lins do Rego, têm autoridade para se apropriarem do assunto. Tendo eles adentrado na esfera do futebol, sabendo-se o que o futebol representa no país, a sua influência sobre a vida do torcedor, pelo esmerado ofício da escrita, magistral, comum aos três, ratificaram o dimensionamento dado à peculiaridade ímpar do torcedor do Flamengo e o retrataram em escala pomposa. Por intermédio de suas crônicas resgataram, esclareceram, explicitaram sutilezas, que deram coerência a compreensão da grandiosidade da torcida do Flamengo. Assim sendo, a escolha do tema, em escala de relação com a crônica esportiva, ganha justificada concretude. A crônica esportiva, o jornalismo esportivo, certamente, devem muito ao talento desmedido dessa tríade de admiráveis comunicadores. O Flamengo do mesmo modo deve reverenciar esses profissionais. Pelo traço de cada um dos cronistas, o clube da Gávea viu o seu nome se fazer mais fulgurante e se espalhar entre todas as classes sociais. A escrita apaixonante sobre o Flamengo tocou profundamente o coração do torcedor. Movidos pelo apego imaterial, de se proverem pela emoção, pelo sentimento penetrante e pela necessidade salvadora e vital da escrita, souberam falar sem pieguice sobre o
  • 115. 114 torcedor. Vasculhando cada pequeno detalhe dos fatos e se apropriando de uma rica estilística embelezadora capaz de espremer até do mais sofrido e horrendo momento de dor do torcedor, sublimidade, tiraram do limbo fragmentos especialíssimos, revigorantes, que atuam na manutenção do amor do torcedor ao Clube de Regatas do Flamengo. A mídia impressa foi o veículo pelo qual levaram ao leitor, ainda mais ao leitor rubronegro, em espetaculares crônicas, assertivas sobre a representatividade do clube na esfera esportiva e social. Pelos jornais Crítica, O Globo; Jornal dos Sports; Última Hora, Correio da Manhã, A Manha. Através da saudosa revista Manchete Esportiva. Pelos livros, em menor escala produtiva sobre o assunto, o torcedor do Flamengo foi descrito com palavras revestidas de poesia. Inesquecível foi esse tempo em que essa produção se alinhavou. E feliz é o país que preserva a memória e obra de seus artistas. O Brasil...??? Se hoje existem bons cronistas esportivos? Sim, sem dúvida. O diferencial é que os cronistas de hoje – com algumas raras exceções - não são da rua. Não batem pé pelas praças, botequins e nem sequer vão a uma arquibancada sentir a atmosfera desses lugares. Vivem trancafiados em salas de redação ou em seus escritórios, longes, da grande massa, os torcedores. Conseguir captar sentimentos, encontrar angulações de abordagens que sejam capazes de surpreender, deve ser a meta. Não desprezar o intricado comportamento do homem, da figura humana, na sua qualidade de “estar” jogador e de ser torcedor - porque essa posição é para a vida inteira - é outro ponto que precisa ser trabalhado para uma aproximação entre as gerações. Que nomes como Renato Maurício Prado, Juca Kfouri, Tostão, Fernando Calazans, Mauro Beting, Ruy Carlos Ostermann, João Máximo, Teixeira Heizer, entre outros, consigam, através do ponto central de seus talentos, certamente, produzir qualitativamente a partir da assimilação de inspirações e da conexão com a obra, com os anseios e o pensamento, de Nelson Rodrigues, Mário Filho e José Lins do Rego. Deixando-se levar por essa influência, acréscimos, farão aos seus textos, despertando no leitor o interesse ávido e excelso pela crônica esportiva. Aos cronistas vindouros, que se abasteçam desse manancial – que seja ele preservado jorrando o que há de mais visceral, comovedor e inteligente sobre a ligação natural da figura humana com o esporte e, mais especificamente, com o futebol e que saibam reverberar pela escrita e pela oralidade, a beleza, o estado vivaz e perene da produção destes mestres. Os resultados colhidos pela metodologia da hermenêutica e seu aspecto caracterizado pela desconstrução e posterior construção com novas vigas ou com, pelo menos, vigas
  • 116. 115 restauradas, apontam para a realidade da paixão, do amor e do consumo de emoções que revestem o futebol. Conclui-se que o Clube de Regatas do Flamengo e seu torcedor, pautado com regularidade na crônica esportiva, desde a primeira metade do século XX, é assunto que “rende”, é pródigo e tema cingido de atração. O estudo sistemático da cultura popular, de massas, do universo do futebol, da paixão, do amor do torcedor por seu clube não pode ser desprezado. A partir da década de 1990, surgiram núcleos, cátedras, grupos de estudiosos com currículos invejáveis, que começaram a estender horizontes e produzir teses, dissertações, trabalhos acadêmicos, escrever livros, nos quais, o espetáculo do futebol e a complexidade do campo de jogo e da arquibancada foram analisados, esmiuçados e os resultados, reveladores, colocados ao alcance do conhecimento de todos. Continuar estimulando pesquisas desse tipo, sem sombra de dúvidas, irá contribuir para que se venha a entender melhor essa faceta do ser humano de se agarrar as paixões com ímpeto incontrolável. Entender o futebol, o papel social do clube e de sua torcida, o abordar do tema pela imprensa, é tarefa relevante. Que pela leitura do que se produz sobre o tema futebol, seja retratando time A, B ou C, o respeito pelas diferenças venha a se instaurar e se consiga aceitar os créditos que precisam também ser direcionados ao outro. Que seja possível enxergar no outro, a sua importância. A exaltação a um clube ganha mais consistência quando se reconhece que outros clubes detêm bonitas histórias e que pelas disputas equilibradas, pelo sucesso, pela vitória obtida diante de um adversário forte se adquire mais representatividade, contribuindo isso para o espetáculo cada vez mais esclarecedor da formatação psicossocial do ser humano, desfraldado nos estádios de futebol pelos amantes do futebol. Ao se ter esse entendimento, naturalmente, produções nessa área serão mais frequentes. Que este trabalho consiga tirar as pessoas da condição de antipatia, de enxergarem o futebol como simplesmente um esporte comum, reles, onde vinte e dois jogadores se digladiam dentro de quatro linhas. Que demova o falho entendimento de que o amor de um torcedor por seu clube é algo repreensível e contraindicado. O futebol é, senão o maior, um dos maiores pretextos para o deleite da alma. Que se tenha esse diagnóstico. O futebol, o ato de torcer, é terreno fértil. Que é o foco sobre o tema seja adequado para se ter a observação mais clara. Na leitura dessas linhas, que os mais distantes do futebol sintam-se tocados e abram o seu campo de visão e de entendimento, reconhecendo o papel social do esporte. Já para os que
  • 117. 116 são amantes do futebol - em especial aos que ao Flamengo se atiram em paixões sutis ou vorazes - que continuem a vasculhar a história a fim de colher informação relevante e que não se esquivem de desenvolver relatos escritos, registros de suas impressões, contemplando os traços heroicos de um clube solidificado por sua torcida que nasceu para ir sempre adiante. Uma vez Flamengo, sempre Flamengo! REFERÊNCIAS ABINADER, Marcelo. Uma viagem a 1912: surge o futebol do Flamengo. Rio de Janeiro: Águia Dourada, 2010. ALENCAR, Edigar de. Este Rio querido. Rio de Janeiro: F. Alves, 1982. A NAÇÃO RUBRO-NEGRA. Disponível em: <http://anacaorubronegra.blogspot.com.br> Acessado em 11 de Setembro de 2012. ANTUNES, Fátima Martin Rodrigues Ferreira. “Com brasileiro não há quem possa!”: Futebol e identidade nacional em José Lins do Rego, Mario Filho e Nelson Rodrigues. São Paulo: Ed. Unesp, 2004. AQUINO, Wilson; CRUZ, Claudio. Acima de tudo rubro negro: o álbum de Jayme de Carvalho. Rio de janeiro: editora ao livro técnico, 2007. ASSAF, Roberto; MARTINS, Clóvis. Flamengo x Vasco: o clássico dos milhões. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1999.
  • 118. 117 BENDER, F.; LAURITO, I. A crônica: história, teoria e prática. São Paulo: Scipione, 1993. BLOG DO ALEX TEIXEIRA. Disponível em: <http://blogdoalexteixeira.blogspot.com.br> Acessado em 06 de Julho de 2012. BYINGTON, C. A riqueza simbólica do futebol. São Paulo: Revista Psicologia atual, v.5, n.25, p.20-32, 1982. CALDAS, Waldenyr. Pontapé inicial: memória do futebol brasileiro. São Paulo: Ibrasa, 1990. CANELADA. Disponível em: <http://canelada.com.br> Acessado em 06 de Julho de 2012. CARMONA, Ledio; POLI, Gustavo. Almanaque do futebol. Rio de Janeiro: Casa da palavra, 2006. CARRILHO, Felipe Dias. Uma janela para o Brasil. São Paulo: Nova Espiral, 2010. CARVALHO, João Antero de. Crônicas do Futebol Pitoresco. Rio de Janeiro: Editora Brasil, 2004. CARVALHO, Joaquim Vaz de. (org.) Flamengo, uma emoção inesquecível. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1995. CARVALHO, Vladimir; CARVALHO Walter. O Engenho de Zé Lins. Direção: Vladimir Carvalho. Fotografia: Walter Carvalho. Brasil. Urca Filmes, 2007. DVD (90 min.). CASTRO, Ruy. O vermelho e o negro: pequena grande história do Flamengo. Rio de janeiro: editora DBA, 2001. CASTRO, Ruy. O vermelho e o negro: pequena grande história do Flamengo. Rio de janeiro: Companhia das Letras, 2012. ________. (org.) A sombra das chuteiras imortais: crônicas de futebol Nélson Rodrigues. São Paulo: companhia das letras, 1993.
  • 119. 118 COSTA, Andréia C. Barros. Bate-bola com a crônica: o futebol, o jornalismo e a literatura brasileira. 2001. Projeto Experimental do Curso de Comunicação Social. Faculdade de Comunicação – Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2001. COUTINHO, Edilberto. Zelins, Flamengo Até Morrer. Rio de Janeiro: Ed. Fundação de Amparo à Pesquisa do RJ, 1984. CRISE EM LARANJÓPOLIS, TRICOLETAS ENTREGAM TUDO DE BANDEJA PARA SEREM ZOADAS PELO FUDEROSÃO: Disponível em: < http://globoesporte.globo.com/platb/arthurmuhlenberg/2010/09/17/crise-em-laranjopolistricoletas-entregam-tudo-de-bandeja-para-serem-zoadas-pelo-fuderosao/> Acessado em 10 de Jun. 2012. DA MATTA, Roberto. Carnaval, malandros e heróis. Rio de Janeiro: Zahar, 1979. _______. (org.) Universo do Futebol. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1982. DAOLIO, Jocimar. Cultura: educação física e futebol. Campinas: editora da Unicamp, 1997. DATAFOLHA. Times de preferência. Disponível em: <http://datafolha.folha.uol.com.br/folha/datafolha/tabs/futebol_04012010_tb1.pdf> Acessado em 06 de Maio de 2012. DNA RUBRO NEGRO. Disponível em: <http://dnarubronegro.com.br> Acessado em 01 de Outubro de 2012. ESPN. Disponível em: <http://ESPN.com.br> Acessado em 01 de Outubro de 2012. ESPORTES O POVO. Disponível em: <http://esportes.opovo.com.br> Acessado em 07 de Outubro de 2012. FAVELA TEM MEMÓRIA. Disponível em: <http:// favelatemmemoria.com.br> Acessado em 07 de Julho de 2012. FIFA. Disponível em: <http://pt.fifa.com> Acessado em 05 de Maio de 2012. FOER, Franklin. Como o futebol explica o mundo: um olhar inesperado sobre a globalização. Rio de Janeiro: Zahar, 2005.
  • 120. 119 FLA ESTATÍSTICA. Disponível em: <http://Flaestatística.com.br> Acessado em 07 de Julho de 2012. FLA HISTORIAS. Disponível em: <http://Flahistorias.blogspot.com.br> Acessado em 08 de Agosto de 2012. FLAMENGO. Disponível em: <http://Flamengo.com.br> Acessado em 12 de Dezembro de 2011. FLAMENGO NET. Disponível em: <http://Flamengonet.blogspot.com.br> Acessado em 11 de Julho de 2012. FLA NOTICIAS CRF. Disponível em: <http://Flanoticiascrf.blogspot.com> Acessado em 02 de Abril de 2012. FLUMINENSE. Disponível em: <http:// Fluminense.com.br> Acessado em 17 de Janeiro de 2012. FRANCO JUNIOR, Hilário. A dança dos Deuses: futebol, cultura, sociedade. São Paulo: Companhia das Letras, 2007. FREIRE, Alexandre (org.) Preto no branco. Ensaios sobre o Clube Atlético Mineiro: o galo entre a razão e a paixão. Belo Horizonte, 2007. FREYRE, Gilberto. Sobrados e Mucambos. Universidade do Texas: Ed. Massangana, 1996. FUTEBOL PITORESCO. Disponível em: <http://joaoanterodecarvalho.com.br/pag_futebol_pitoresco.html> Acessado em 10 de Junho de 2012. GALEANO, Eduardo. Futebol ao sol e à sombra. Porto Alegre: L&PM, 2012. GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Guanabara, 1989. GLOBO ESPORTE.COM. Disponível em: <http://Globoesporte.com> Acessado em 05 de Abril de 2012.
  • 121. 120 GUMBRECHT, Hans Ulrich. Elogio da Beleza Atlética. São Paulo: Companhia das Letras, 2007. GUTERMAN, Marcos. O Futebol explica o Brasil: uma história da maior expressão popular do país. São Paulo: Contexto, 2010. HOLLANDA, Bernardo Borges Buarque de. O descobrimento do futebol: modernismo, regionalismo e paixão esportiva em José Lins do Rego/ Bernardo Borges Buarque de Hollanda; orientadora: Margarida de Souza Neves; coorientador: Ricardo Benzaquen de Araújo. – Rio de Janeiro: PUC, Departamento de História, 2003. HELAL, R.; SOARES, A. J.; LOVISOLO, H. A invenção do país do futebol: mídia, raça e idolatria. Rio de Janeiro: Mauad, 2001. HISTÓRIA ANO A ANO DO FLAMENGO. Disponível <http://www.flaestatistica.com/historia.htm> Acessado em 10 de Junho de 2012. em: HOLANDA, Bernardo Borges Buarque de. ABC de José Lins do Rego. Rio de Janeiro: José Olympio, 2012. KOWALSKI, Marizabel. Por que Flamengo? Tese de Doutoramento. Rio de Janeiro: Universidade Gama Filho, 2002. Disponível em: < http://www.efdeportes.com/efd107/porque-flamengo.pdf> Acessado em 11 de Abril de 2012. LANCE. Disponível em: <http:// Lancenet.com.br> Acessado em 22 de Janeiro de 2012. LANCE ACTIVO 2.0. Disponível em: <http:// lanceactivo.com.br> Acessado em 08 de Setembro de 2012. LUCENA, Ricardo. O esporte na cidade. Campinas: Autores Associados, 2001. MAGIA RUBRO-NEGRA. Disponível em: <http://magiarubronegra.com.br> Acessado em 08 de Setembro de 2012. MANSUR, Carlos Eduardo; RIBEIRO, Luciano Cordeiro. Meu maior prazer: histórias de uma paixão. Belo Horizonte: Ed. Leitura, 2009. MARON FILHO, Oscar; FERREIRA, Renato. (Org.). Fla-Flu... e as multidões despertaram! Rio de Janeiro: Ed. Europa, 1987.
  • 122. 121 MATTOS, Claudia. Cem Anos de Paixão: Uma Mitologia Carioca no Futebol. Rio de Janeiro: Rocco, 1997. MATTOS, Hilton. Heróis do cimento: o torcedor e suas emoções. Rio de Janeiro: Revan, 2007. MOISÉS, Massaud. A criação literária. 10. ed. São Paulo: Cultrix, 1982. MORIN, Edgar. O enigma do Homem para uma nova antropologia. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1979. MUNDO ESTRANHO. Editora Abril. Disponível em: <http://mundoestranho.abril.com.br/materia/qual-e-a-maior-torcida-do-mundo> Acessado em 06 de Dezembro de 2011. MUSEU VIRTUAL DO FLAMENGO. Disponível em: <http://www.flaestatistica.com> Acessado em 04 de Abril de 2012. NEVES, Margarida de Souza. História da Crônica. In Cronistas do Rio. Rio de Janeiro. José Olympio, 2001. MURRAY, Bill. Uma história de futebol. São Paulo: Ed. Hedra, 2000. O GLOBO. Disponível em: <http://oglobo.globo.com> Acessado em 03 de Outubro de 2012. PENA, Felipe. Jornalismo Literário. São Paulo: Contexto, 2008. PEREIRA, L. A. de M. Footballmania: uma história social do futebol no Rio de Janeiro, 1902-1938. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2000. PEREIRA, Luis Miguel. Bíblia do Flamengo: as sagradas escrituras do mengão. São Paulo: Almedina, 2010. PEREIRA, Marcel Queiroz. A Nação: como e por que o Flamengo se tornou o clube com a maior torcida do Brasil. Rio de Janeiro: Maquinária, 2010.
  • 123. 122 PESQUISA CNT/SENSUS. Disponível em: <http://www.cnt.org.br/Imagens%20CNT/PDFs %20CNT/pesquisa%20CNT%20Sensus/2008/sint90.pdf> Acessado em 09 de Novembro de 2012. PESQUISA IBOPE. Disponível em: <http://www.ibope.com.br/ptbr/conhecimento/relatoriospesquisas/Lists/RelatoriosPesquisaEleitoral/OPP%2023103%20%20Rede%20Globo%20-%20Torcidas%20de%20futebol.pdf> Acessado em 09 de Novembro de 2012. PESQUISA MARCA FLAMENGO. Disponível em: <http://www.flamengo.com.br/site/conteudo/detalhe/95/marca-flamengo> Acessado em 09 de Novembro de 2012. PESQUISA PLURI CONSULTORIA. Disponível em: <http://www.pluriconsultoria.com.br/noticia.php?id=325 > Acessado em 09 de Novembro de 2012. PESQUISA RANK BRASIL. Disponível em: <http://www.rankbrasil.com.br/Recordes/Materias/0IgY/Flamengo_Tem_A_Maior_Torcida_ Do_Brasil> Acessado em 09 de Novembro de 2012. PESQUISA SUPER ABRIL. Disponível em: <http://super.abril.com.br/blogs/superlistas/as7-maiores-torcidas-do-pais/ > Acessado em 09 de Nov. de 2012. POLETTO, J. História, memória, ficção. Revista Eletrônica de Letras do DACEX, Curitiba, n. 6, 2003. Disponível em <www.cefetpr.br/deptos/dacex/revista.htm>. Acessado em 8 de Abril de 2012. RAMADAN, M. Ivonete B. Crônicas de futebol: um subgênero. Pesquisa de Campo: Revista do Núcleo de Sociologia do Futebol/Uerj. Rio de Janeiro, n. 5, p. 45-68, 1997b. REGO, José Lins do. Seleção. CASTRO, Marcos de. (Org.). Flamengo é puro amor: 111 crônicas escolhidas. Rio de Janeiro: José Olympio, 2002. REGO, José Lins do. Jornal dos Sports. Rio de Janeiro, 15 de Nov. 1945. _________. Poesia e Vida. Rio de Janeiro: Universal, 1945. RIO QUE PASSOU. Disponível em: <http://Rioquepassou.com.br>Acessado em 05 de Outubro de 2012.
  • 124. 123 RODRIGUES FILHO, Mário. Histórias do Flamengo. Rio de Janeiro: Distribuidora Record, 1966. ___________. Revista Manchete Esportiva. Rio de Janeiro, 11 de Abr. 1956. __________. O Negro no futebol brasileiro. Rio de Janeiro: Mauad, 2003. RODRIGUES, Nelson. O berro impresso das manchetes. Rio de Janeiro: Agir, 2007. __________. A cabra Vadia: novas confissões. Rio de Janeiro: Agir, 2007. __________. A sombra das chuteiras imortais. O Globo. Rio de Janeiro, 2 de maio de 1964. __________. Jornal Última Hora. Rio de Janeiro, 1956. ROSENFELD, Anatol. Negro, macumba e futebol. São Paulo: editora Perspectiva, 1993. SÁ, Jorge de. A crônica. 6 ed. São Paulo: Ática, 2002. SÃO JOSÉ DOS CAMPOS. Disponível em: <http://saojosedoscampos.com.br>Acessado em 09 de Setembro de 2012. SEVCENKO, Nicolau. A capital irradiante: técnica, ritmos e ritos do Rio. In: História da vida privada no Brasil - volume 3. São Paulo: Companhia das Letras, 1998. SILVA, Marcelino Rodrigues da. Mil e uma noites de futebol: o Brasil moderno de Mário Filho. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2006. _________. O Mundo do futebol nas crônicas de Nélson Rodrigues. Dissertação. Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal de Minas Gerais. Universidade Federal de Minas Gerais, 1997.
  • 125. 124 SPORTV REPORTER. Disponível em: <http:// http://sportv.globo.com/site/programas/sportv-reporter> Acessado em 11 de Setembro de 2012. STIGGER, Marco Paulo. Esporte, lazer e estilos de vida: um estudo etnográfico. Campinas. Ed. Autores associados, 2002. TORCEDORES. Disponível em: <http://joaoanterodecarvalho.com.br/pag_torcedores.html > Acessado em 10 de Junho de 2012. UNZELTE, Celso Dario. O livro de ouro do futebol. Rio de Janeiro: Sinergia: Ediouro, 2009. ZICO NA REDE. Disponível em: <http://Ziconarede.com.br> Acessado em 03 de Outubro de 2012.
  • 126. 125 ANEXOS
  • 127. 126 ANEXO A - Primeiro uniforme do ainda Grupo de Regatas do Flamengo. Fonte: Lance Activo 2.0! ANEXO B - Nas regatas, o início de uma história gloriosa Fonte: Sport Ilustrado/Memória Biblioteca Nacional
  • 128. 127 ANEXO C - Ata de Fundação do Grupo de Regatas do Flamengo. Fonte: blogdoalexteixeira. blogspot.com.br ANEXO D - Domingos Marques, o primeiro presidente. Fonte: Livro, “Flamengo, uma emoção inesquecível”, de Joaquim Vaz de Carvalho, 1995. Foto cedida pela família.
  • 129. 128 ANEXO E - Casarão onde o Grupo de Regatas do Flamengo foi fundado. Praia do Flamengo, 22. Fonte: Fonte: Flamengonet.blogspot.com.br ANEXO F - Remadores do Flamengo, tudo pelo clube. Fonte: Livro “O Vermelho e o Negro, pequena grande história do Flamengo”. Ruy Castro, 2012. ANEXO G – A primeira sede social e garagem do Remo, na praia do Flamengo, 22. Já depois da reforma realizada na década de 1920. Fonte: Flamengo.com.br
  • 130. 129 ANEXO H - Campo da Praça do Russel, aberto ao público, onde o Flamengo treinou no início do futebol no clube. Fonte: rioquepassou.com.br ANEXO I - Estádio da Rua Paissandu. Local onde o Flamengo mandou seus jogos de 1915 a 1932. Fonte: esportes.opovo.com.br ANEXO J - Estádio da Gávea. Inaugurado em 1938 Fonte: Sport Ilustrado/ Memória Biblioteca Nacional
  • 131. 130 ANEXO L - Favela da Praia do Pinto, à direita. À esquerda, estádio da Gávea. Fonte: favelatemmemoria.com.br/Arq uivo Nacional/Jornal Correio da Manhã. ANEXO M - Alberto Borgerth. O articulador do surgimento do Futebol no Flamengo. Fonte: Flamengo.com.br ANEXO N – 1ª camisa, “Papagaio Vintém”. Fonte: Livro “A Nação”, de Marcel Pereira, 2010
  • 132. 131 ANEXO O - O 2º uniforme, “Cobra Coral”, 1914. Fonte: anacaorubronegra.blogspot.com ANEXO P - Já com a camisa tradicional, listas vermelhas e pretas na horizontal. Fonte: Flahistorias.blogspot.com.br
  • 133. 132 ANEXO Q - José Lins do Rego. O cronistatorcedor em ação no Maracanã. Fonte: capa do livro “O ABC de José Lins do Rego”, de Bernardo Borges Buarque, 2012. ANEXO R – Zé Lins com o Flamengo em todos os momentos Fonte: O Globo, “Segundo Caderno. Rio de Janeiro, 17 de abril de 2001, p. 1. Acervo do autor. ANEXO S - Divulgação do filme: O Engenho de Zé Lins. Vladimir Carvalho, Urca Filmes, 2007.
  • 134. 133 ANEXO T - Nelson Rodrigues no seu ofício sagrado. Fonte: Livro, “Fla Flu e as multidões despertaram”, de Oscar Maron Filho e Renato Ferreira, 1987. ANEXO U - Nelson e os filhos no Maracanã. Fonte: Arquivo de família cedido ao site do Fluminense/ Fluminense.com.br ANEXO V - Nelson e Mário Filho, talentosos irmãos. Fonte: Globoesporte.com
  • 135. 134 ANEXO X - Jornalista Mário Filho. O Criador de Multidões. Fonte: Livro “Fla Flu e as multidões despertaram” de Oscar Maron Filho e Renato Ferreira, 1987. ANEXO Z - Mário Filho e José Lins do Rego. Ligados ao Flamengo. Fonte: Livro “Com Brasileiro não há quem possa”, de Fátima Martin Rodrigues, 2004. ANEXO AA - O Criador de Multidões, Mário Filho. Fonte: Globoesporte.com
  • 136. 135 ANEXO AB - Jayme de Carvalho, criador da 1ª torcida organizada do Brasil, a Charanga do Flamengo. Fonte: Livro, “O Álbum de Jayme de Carvalho”. Cláudio Cruz, 2010. Anexo AC ANEXOad - O time do Flamengo excursionando vitoriosamente pela Europa em 1951. Fonte: Flamengo.com.br
  • 137. 136 ANEXO AD - Flamengo exaltado nos veículos de comunicação Fonte: Diário Carioca 1928/Memória Biblioteca Nacional
  • 138. 137 ANEXO AE - Jornal Crítica de Mário Rodrigues. No jornal do pai, Nelson e Mário, nessa época, ainda não haviam mergulhado de cabeça no futebol. Fonte: Crítica 1929/Memória Biblioteca Nacional
  • 139. 138 ANEXO AF – A crônica esportiva muda a partir de Mário Filho. “Páginas com vida”, marca empreendida por Mário Filho no Caderno de esportes de O Globo. Fonte: Livro “Mil e uma noites de Futebol”, de Marcelino Rodrigues, 2006.
  • 140. 139 ANEXO AG: Crônica “O Criador de Multidões”. Fonte: Livro “Fla-Flu... e as multidões despertaram! MARON FILHO, Oscar; FERREIRA, Renato. (Org.). 1987.
  • 141. 140 ANEXO AH – Flamengo, sempre presente nas crônicas de Nelson. Fonte: Última Hora/Memória Biblioteca Nacional
  • 142. 141 ANEXO AI - Nelson Rodrigues e a representação pungente do que vem a ser o torcedor do Flamengo Fonte: Última Hora/Memória Biblioteca Nacional
  • 143. 142 ANEXO AJ – Mão primorosa, apurada, de Mário Filho. Fonte: Globo Sportivo 1949/Memória Biblioteca Nacional
  • 144. 143 Anexo AL: Livro “Poesia e Vida” de José Lins do Rego (1945)
  • 145. 144 ANEXO AM – Aniversário de 47 anos do Clube de Regatas do Flamengo. Fonte: Globo Sportivo, 1942/Memória Biblioteca Nacional.
  • 146. 145 ANEXO AN – A partir deste pedido de um conselheiro, o presidente Márcio Braga decide que a Camisa 12 passa a ser exclusiva do Torcedor do Flamengo. Fonte: globoesporte.com ANEXO AO - Decreto: Torcida do Flamengo: Patrimônio Cultural. Fonte: globoesporte.com
  • 147. 146 ANEXO AP - Pesquisa Lance-Ibope/2010. Fonte: Lancenet.com ANEXO AQ - Pesquisa Datafolha, 2010 Fonte: canelada.com.br ANEXO AR - Pesquisa Ibope, 2010. Fonte: saojosedoscampos.com.br
  • 148. 147 ANEXO AS - Pesquisa coloca Flamengo como maior torcida do mundo; Corinthians é a quarta Por ESPN.com.br VIPCOMM Torcida do Flamengo é a maior do mundo, aponta estudo A maior torcida do Brasil agora ganhou o status de também maior torcida do mundo. Pelo menos é o que aponta um levantamento feito pela agência argentina de marketing Gerardo Molina/Euromericas divulgado nesta segunda-feira no jornal “Cronista”. Segundo a pesquisa, o clube carioca tem 39,1 milhões de torcedores, superando Chivas e América, ambos do México, que têm 33,8 mi e 29,4 mi, respectivamente. Outro time brasileiro que aparece entre os cinco primeiros colocados em termos de torcida foi o Corinthians, que figura na quarta colocação do ranking, com 28 milhões. Dos clubes europeus, o primeiro a aparecer na lista é a atual campeã italiana, Juventus, com 26,3 milhões de torcedores, ocupando o quinto lugar. O estudo foi divulgado nesta segunda e reuniu diversas pesquisas realizadas nos principais países do mundo, como Brasil, Argentina, México, Espanha, Alemanha, Itália, Inglaterra, Portugal, França, Holanda e Japão. De acordo com a agência Gerardo Molina/Euromericas, consultorias da própria empresa viajaram a todos esses lugares para fazer o levantamento, o que diminui a margem de erro do ranking. O levantamento ainda aponta o Boca Juniors como o time de maior torcida da Argentina, com 46,8% dos torcedores do país, enquanto no Brasil, quem lidera essa estatística é o Flamengo, que conta com 25% do apoio entre todos os brasileiros. Veja quais são os cinco times com maior torcida no mundo, de acordo com a agência Gerardo Molina/Euromericas: 1° Flamengo (Brasil) - 39,1 milhões 2° Chivas (México) - 33,8 milhões 3° América (México) - 29,4 milhões 4° Corinthians (Brasil) - 28 milhões 5° Juventus (Itália) - 26,3 milhões
  • 149. 148 ANEXO AT - Nelson Rodrigues, ao lado de Zico, vestindo o “Manto Rubro Negro”. Fonte: Ziconarede.com.br ANEXO AU - Torcida do Flamengo. Fonte: dnarubronegro.com.br
  • 150. 149 ANEXO AX - Esse escudo simboliza todos os outros esportes do clube. Fonte: Flaestatística.com.br ANEXO AV - Escudo do Remo. Fonte: Flaestatística.com.br O Flamengo possui dois hinos. O oficial, também chamado de "marchinha", foi criado em 1920 com letra e música de Paulo Magalhães, que atuou como goleiro da equipe em quatro partidas entre 1918 e 1919, gravado em 1932 pelo cantor Castro Barbosa e registrado em 1937 no Instituto Nacional de Música. Este hino foi cantado pela primeira vez em 15 de novembro de 1920, vigésimo quinto aniversário do clube, no estádio da Rua Paysandu, no jogo C.R.Flamengo 1x1 Palmeiras (RJ). O HINO OFICIAL - FLAMENGO TUA GLÓRIA É LUTAR !!! Autor: Paulo Magalhães Flamengo, Flamengo, Tua gloria é lutar, Flamengo, Flamengo, Campeão de terra e Mar (bis) Saudemos todos, Com muito ardor, o pavilhão do nosso amor, Preto e encarnado, Idolatrado, Dois mil campeões, Do vencedor. Flamengo, Flamengo, Tua gloria é lutar, Flamengo, Flamengo, Campeão de terra e Mar, Que tão lindo é, Flamengo, Flamengo, Tua gloria é lutar, Flamengo, Flamengo, Campeão de terra e Mar. Lutemos sempre com valor infindo Ardentemente com denodo e fé Que o futuro ainda será Mais lindo, Que o teu presente Que tão lindo é, Flamengo, Flamengo, Tua gloria é lutar, Flamengo, Flamengo, Campeão de terra e Mar.
  • 151. 150 O segundo hino, considerado o popular, com letra e música de Lamartine de Azeredo Babo, compositor, cantor, revistógrafo, humorista e produtor. Nasceu no dia 10/1/1904, Rio de Janeiro, RJ e morreu na mesma cidade no dia 16/6/1963, vítima de enfarte. Em 1942, houve a criação do programa "Trem da Alegria", que se tornaria um dos programas mais famosos do Brasil, tendo sido apresentado em diversas emissoras de rádio. Foi neste programa que surgiu o desafio para Lamartine compor um hino para cada um dos grandes clubes do Rio (América - seu time de coração, Flamengo, Vasco Fluminense e Botafogo). Ao final, ele consegue compor os hinos de todos os grandes clubes do Rio, porém o do Flamengo foi aquele que conquistou indiscutível gosto popular. O programa contava com a participação do "Trio de Osso", integrado por Héber de Bôscoli, Iara Sales e Lamartine, e seguiu no ar até 1956, ano de falecimento de Héber de Bôscoli. O hino do clube foi gravado pela primeira vez por Gilberto Alves em 1945. Sem dúvida é o mais conhecido e o que canta as glórias do clube, cujo refrão é "Uma vez Flamengo, sempre Flamengo". O HINO POPULAR - "UMA VEZ FLAMENGO, SEMPRE FLAMENGO !!! Autor: Lamartine Babo Uma Vez Flamengo Sempre Flamengo Flamengo sempre eu hei de ser É o meu maior prazer, vê-lo brilhar Seja na terra, seja no mar Vencer, vencer, vencer Uma vez Flamengo, Flamengo até morrer Na regata ele me mata, me maltrata, me arrebata de emoção no coração Consagrado no gramado Sempre amado Mais cotado nos Fla-Flus É o ai Jesus Eu teria um desgosto profundo Se faltasse O Flamengo no mundo Ele vibra, ele é fibra, muita libra, já pesou Flamengo até morrer, eu sou. Consagrado no gramado Sempre amado Mais cotado nos Fla-Flus É o ai Jesus Eu teria um desgosto profundo Se faltasse O Flamengo no mundo Ele vibra, ele é fibra, muita libra, já pesou Flamengo até morrer, eu sou ANEXO AZ – Os 2 hinos do Flamengo Fonte: Flamengo.com.br/ flanoticiascrf.blogspot.com

×