O MOVIMENTO ARMORIAL



                              BREVE HISTÓRICO


      No dia 18 de outubro de 1970, através de um ...
[...] ao longo de três horas que voaram [...]. Música, sim, mas [...] pintura,
      e história, e pré-história, teatro, p...
maior dimensão do que a concedida às apresentações da Orquestra
propriamente ditas.
O NOME ARMORIAL



      "Armorial", em nosso idioma, era somente substantivo: livro onde vêm
registrados os brasões - uma...
música nordestina: do Barroco ao Armorial”, Recife, 18 de outubro de
      1970)



      Após o lançamento oficial do Mov...
No "Arte armorial", Suassuna já falava em uma certa unidade, uma
identificação entre os trabalhos dos artistas ligados ao ...
Por outro lado, o amadurecimento de Suassuna em direção ao Armorial
passa, necessariamente, por sua poesia. É importante a...
Alguns críticos contrários ao Armorial afirmam que, quando do advento
do Movimento, devido ao respaldo que este possuía da...
tentativas de fazer, em relação ao seu estado, o que o Movimento Armorial
vinha fazendo em relação aos estados nordestinos...
THE ARMORIAL MOVEMENT



                                 BRIEF HISTORY


       On October 18th, 1970, through a concerto...
Scripture, all veiled, hidden in a Suassuna-way in the modesty and
       sympathy we all know”. (Jornal do Commercio, Rec...
THE NAME ARMORIAL



      "Armorial", in the Portuguese language, was only a noun: the book that
carries the coat of arms...
After the official launching of the Movement, and after it had slowly
conquered a significant space in the press of the wh...
artist. In an interview published in Rio de Janeiro’s Correio da Manhã, Suassuna
called the attention to the misunderstand...
in 1961, this poem was published in an anthology organized by Edilberto
Coutinho (Presença poética do Recife, 3.ed., Rio d...
“became armorial” because they wanted to promote their works and, in the
specific case of writers and poets, they wanted t...
the Northeaster States. After the Experimental and Romançal phases, the
Armorial Movement returns to the news with the pha...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Historico movimento armorial

5,781

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
5,781
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
77
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Historico movimento armorial

  1. 1. O MOVIMENTO ARMORIAL BREVE HISTÓRICO No dia 18 de outubro de 1970, através de um concerto da Orquestra Armorial de Câmera, intitulado "Três séculos de música nordestina: do Barroco ao Armorial", e de uma exposição de gravuras, pinturas e esculturas, lançava- se oficialmente, no Recife, o Movimento Armorial. Concerto e exposição aconteceram na igreja barroca de São Pedro dos Clérigos, no bairro de São José, e foram promovidos pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) - através do seu Departamento de Extensão Cultural (DEC) - e pelo Conselho Federal de Cultura. Em 4 de julho de 1971, antes mesmo de o Movimento completar o seu primeiro ano de existência, e antes do lançamento, com enorme sucesso, do Romance d'A Pedra do Reino e o Príncipe do Sangue do Vai-e-Volta, o primeiro romance armorial brasileiro, o Jornal do Commercio do Recife publicava uma extensa entrevista com Ariano Suassuna, sob o título "Sucesso armorial no Sul", na qual o escritor demonstrava a repercussão nacional que o Movimento alcançava. Valendo-se de matérias publicadas em jornais de São Paulo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul, Suassuna resumia a impressão geral da crítica, logo após a primeira excursão da Orquestra Armorial, que se apresentara em Porto Alegre e no Rio. Suassuna viajou junto com a Orquestra, e mais do que os três concertos apresentados, os encontros com o público foram verdadeiras aulas de cultura brasileira. Com o auxílio de diapositivos, pinturas, gravuras, desenhos e livros de poemas, o escritor apresentava o espetáculo, o Movimento Armorial, suas origens e seus objetivos, suas primeiras realizações e os planos em defesa da cultura brasileira. Dom Marcos Barbosa, presente a uma das apresentações (a realizada na Sala Cecília Meireles, no Rio de Janeiro), afirmava, no dia seguinte: “Aquilo não foi um concerto, mas uma verdadeira aula, curso de cultura, que ninguém percebia estar sendo ministrado naquele instante
  2. 2. [...] ao longo de três horas que voaram [...]. Música, sim, mas [...] pintura, e história, e pré-história, teatro, patriotismo, bairrismo e até Sagrada Escritura tudo disfarçado, escondido suassunamente na modéstia e simpatia que todos nós conhecemos”. (Jornal do Commercio, Recife, 4 de julho de 1971) Por outro lado, referindo-se especificamente à arte armorial, Eurico Nogueira França escreveu, no Correio da Manhã, do Rio de Janeiro: “O forte caráter das composições apresentadas vem mais uma vez descerrar-nos os filões de brasilidade criadora [...] - como os há, também, por exemplo, na dramaturgia do próprio Suassuna, que fez comentários tão interessantes, com ‘slides’, sobre aspectos musicais e não musicais do programa. É mais do que nunca oportuno ressaltar esses veios preciosos, porque a nossa música de concerto, nas suas expressões de vanguarda, tende para manifestações abstratas e não nacionais, sob o pretexto principal de que o nacionalismo está superado nos centros musicais do exterior [...]. Ariano Suassuna, com a naturalidade saborosa e pitoresca de sua fala, passou então a ser o animador da noite, explicando as raízes do movimento armorial e comentando cada uma das peças. [...] Audição de perfeita originalidade, teve rumoroso e merecido sucesso”. (Idem) Podemos dizer que o sucesso da excursão representou o lançamento, em nível nacional, do Movimento Armorial. A partir dela, de fato, o Movimento começou a ser conhecido e divulgado para além das fronteiras do que Suassuna considera o "coração do Nordeste" - Pernambuco, Paraíba e Rio Grande do Norte. A Orquestra contava com músicos e compositores de talento, da categoria de um Jarbas Maciel ou um Clóvis Pereira, seu regente. Mas é preciso dizer que o sucesso desta primeira excursão (bem como o da segunda, no ano seguinte) deveu-se também às apresentações de Ariano Suassuna, homem que sabe, como poucos, prender a atenção de uma platéia, associando erudição à simplicidade e bom-humor. Nas notícias dos jornais da época, é possível perceber que a ênfase dada às apresentações de Suassuna, verdadeiros espetáculos à parte dos concertos, era de igual ou
  3. 3. maior dimensão do que a concedida às apresentações da Orquestra propriamente ditas.
  4. 4. O NOME ARMORIAL "Armorial", em nosso idioma, era somente substantivo: livro onde vêm registrados os brasões - uma palavra ligada à heráldica, portanto. Ariano Suassuna, idealizador do Movimento, passou a empregá-la também como adjetivo. Criou, assim, um neologismo para identificar a arte que defende, uma arte erudita que, baseada no popular, é tão nacional quanto a arte popular, elevando-se à importância desta e conseguindo manter, com ela, uma unidade fundamental para combater o processo de vulgarização e descaracterização da cultura brasileira. A explicação do nome armorial foi legada ao público, pela primeira vez, quando do lançamento oficial do Movimento, através do texto "Arte armorial". Suassuna justifica a escolha do nome através de dois motivos. O primeiro é estético - a beleza da própria palavra. O segundo liga-se à sua visão de que a heráldica, no Brasil, é uma arte eminentemente popular, presente desde os ferros de marcar boi do sertão nordestino, dos estandartes das mais diversas agremiações populares, até as bandeiras e camisas dos clubes de futebol das grandes cidades brasileiras. Aproximar-se dessa heráldica seria, então, aproximar-se de um espírito popular brasileiro. Afirma Suassuna: “Foi aí que, meio sério, meio brincando, comecei a dizer que tal poema ou tal estandarte de Cavalhada era ‘armorial’, isto é, brilhava em esmaltes puros, festivos, nítidos, metálicos e coloridos, como uma bandeira, um brasão ou um toque de clarim. Lembrei-me, aí, também das pedras armoriais dos portões e frontadas do Barroco brasileiro, e passei a estender o nome à Escultura com a qual sonhava para o Nordeste. Descobri que o nome ‘armorial’ servia, ainda, para qualificar os ‘cantares’ do Romanceiro, os toques de viola e rabeca dos Cantadores - toques ásperos, arcaicos, acerados como gumes de faca- de-ponta, lembrando o clavicórdio e a viola-de-arco da nossa Música barroca do Século XVIII.” (Ariano Suassuna, Arte Armorial, texto veiculado juntamente com o programa do concerto “Três séculos de
  5. 5. música nordestina: do Barroco ao Armorial”, Recife, 18 de outubro de 1970) Após o lançamento oficial do Movimento, e tendo este, aos poucos, conquistado um espaço considerável na imprensa de todo o país, notadamente nos jornais, a explicação acerca da escolha do nome armorial foi repetida muitas e muitas vezes, em diversas entrevistas, com uma ou outra alteração. Em algumas ocasiões, em tom de brincadeira, Ariano acrescentava um terceiro motivo que teria influenciado na escolha do nome - a curiosidade que este despertava devido ao desconhecimento do seu significado. Foi assim, por exemplo, em uma entrevista concedida a um jornal do Rio Grande do Sul, em 1971: “Primeiro, porque é bonito. Segundo, porque sendo um nome estranho, o pessoal pergunta como você – ‘o que é?’ - e ouvida a explicação, não esquece mais. Terceiro, porque significa esta palavra a coleção de brasões, emblemas e bandeiras de um povo”. (Correio do Povo, Porto Alegre, 13 de junho de 1971) Quando se fala em um "movimento", pensa-se, logo, em um grupo de intelectuais reunidos para escrever um manifesto, para então, a partir daí, surgirem obras que expressem friamente as reflexões teóricas do grupo. Nada disso pode ser vinculado ao Movimento Armorial. Primeiro porque, neste caso, a arte armorial precedeu o próprio Movimento. De fato, muito antes do lançamento oficial do Movimento, vários artistas, intuitivamente ou não, já trilhavam o caminho que mais tarde seria anunciado como bandeira maior do Armorial, procurando uma arte erudita brasileira que se fundamentasse na cultura popular. Em segundo lugar, apesar de existir, entre os artistas armoriais, uma concordância de visão sobre a direção a ser seguida, existe também a consciência de que os caminhos são inúmeros, todos apontando para a mesma direção. Nunca existiu tolhimento à liberdade criadora de cada um, às expressões particulares de cada artista.
  6. 6. No "Arte armorial", Suassuna já falava em uma certa unidade, uma identificação entre os trabalhos dos artistas ligados ao Movimento Armorial. Todos tinham a preocupação de fazer arte partindo das raízes populares da cultura brasileira. Como se tratava de um texto de apresentação, não houve espaço para um esclarecimento maior acerca dessa unidade. Mas, em outras ocasiões, sobretudo quando da divulgação do Movimento na imprensa, Suassuna enfatizou que os participantes do Movimento entendiam essa unidade como conseqüência dos princípios mais gerais em que acreditavam, e não como algo imposto anteriormente à criação, que viesse a comprometer a individualidade do artista. Em uma entrevista publicada no Correio da Manhã, do Rio de Janeiro, Suassuna já chamava atenção para o equívoco que a própria palavra "movimento" poderia sugerir: “É um esforço para encontrar, no Brasil, uma arte que parta de raízes eminentemente populares. Com isso, a pretensão de encontrar uma arte brasileira, latino-americana e universal. O Movimento Armorial não tem uma linha de princípios. É um movimento aberto. Aliás, nós nem gostamos da palavra movimento, porque movimento é quase sempre feito por teóricos, que lançam manifesto e pronto. Nós partimos do trabalho criador. Começamos a criar juntos. Às vezes, isoladamente. Descobrimos, depois, características comuns. Então nos unimos e batizamos o movimento com esse nome, que serve apenas de bandeira nessa busca conjunta de uma arte brasileira”. (Correio de Manhã, Rio de Janeiro, 8 de setembro de 1971) Mesmo tendo sido lançado quando Suassuna já se encontrava em plena maturidade de escritor (com várias peças escritas e amplamente conhecidas, e tendo já concluído sua primeira grande experiência no campo do romance, A Pedra do Reino), é em direção às idéias estéticas do Movimento Armorial que ele parece caminhar desde os seus primeiros poemas baseados no romanceiro popular nordestino. É por isso que, quando questionado sobre o início do Movimento, Ariano retrocede suas origens até 1946, mencionando a publicação desses poemas, já em ligação com os trabalhos de Francisco Brennand, José Laurenio de Melo e Hemilo Borba Filho. Ou seja: Ariano começa a debuxar o projeto estético do Movimento Armorial a partir do seu ingresso na Faculdade de Direito do Recife e das discussões surgidas no grupo do Teatro do Estudante de Pernambuco (TEP).
  7. 7. Por outro lado, o amadurecimento de Suassuna em direção ao Armorial passa, necessariamente, por sua poesia. É importante acrescentar que Suassuna já havia utilizado a palavra "armorial" enquanto adjetivo pelo menos três vezes antes do lançamento do Movimento, em três poemas. O mais antigo deles, datado de 1950, intitula-se “Canto armorial”; trata-se de um longo martelo agalopado, poema com que o autor abre a segunda parte do seu livro O Pasto Incendiado. O segundo poema intitula-se “Canto armorial ao Recife, capital do Reino do Nordeste”. Escrito em 1961, este poema foi publicado numa antologia organizada por Edilberto Coutinho (Presença poética do Recife, 3.ed., Rio de Janeiro, J. Olympio; Recife, FUNDARPE, 1983). Por fim, em 1963, no “Poema de arte velha”, a palavra armorial reaparece não mais em um título, mas num verso, sendo usada para designar um poeta – Francisco Bandeira de Mello, a quem Suassuna dedica o poema. Vejamos a primeira estrofe deste último poema: Bandeira, Poeta-cortesão, Bandeira, poeta Armorial! Ó claro bardo provençal, de galo, Peixe e hierofante, de Fauno bêbado e bacante, do sal do Mar, do Sol do mal. (Ariano Suassuna, Poema de arte velha, Jornal do Commercio, Recife, 14 de abril de 1963) FASES DO MOVIMENTO ARMORIAL Em 1976, em extensa entrevista concedida ao Jornal do Commercio, do Recife, Suassuna já fazia referência a duas fases distintas que, segundo ele, poderiam caracterizar o Movimento Armorial, desde o seu lançamento oficial até aquele momento: a fase de 1970 a 1975, considerada por ele “experimental”, e a fase que era então vivenciada, "atual e nova", denominada de Romançal e iniciada precisamente no dia 18 de dezembro de 1975, com a estréia, no Teatro de Santa Isabel, da Orquestra Romançal Brasileira. (Ariano Suassuna, Movimento Armorial em nova fase criadora, entrevista, Jornal do Commercio, Recife, 25 de julho de 1976).
  8. 8. Alguns críticos contrários ao Armorial afirmam que, quando do advento do Movimento, devido ao respaldo que este possuía da UFPE, através do DEC, muitos artistas do Recife "viraram armoriais", porque queriam ver seus trabalhos divulgados ou, no caso específico dos poetas e escritores, publicados pela editora universitária. Não há dúvida de que isto ocorreu, como ocorreria com qualquer outro Movimento. É por isso que a fase de 1970 a 1975 é considerada por Suassuna como “experimental”. Referindo-se a ela, Suassuna reconhece os adesismos, mas considera o resultado geral bastante positivo: [...] na primeira fase, eu tive que começar várias coisas de qualquer maneira, fechando deliberadamente os olhos para certos adesismos, improvisações, artificialismos e equívocos, algumas vezes graves. [...] Bastaria o aparecimento de Antônio José Madureira, do Quinteto Armorial e da Orquestra Romançal Brasileira para justificar todo o resto do trabalho. Não esquecer, por outro lado, que Gilvan Samico prestigiou o Movimento, que se engrandeceu com seu nome, respeitado por todo mundo. O tempo vai depurando tudo: uns, deixam o Movimento porque, de fato, nunca se interessaram verdadeiramente pela Cultura brasileira; outros porque, mais sensíveis às modas e às críticas, resolveram tomar outros caminhos; outros porque têm o temperamento mais solitário; e assim por diante. (Idem). A fase Romançal revelar-se-ia como uma das mais fecundas do Movimento. O trabalho da Orquestra Romançal, o lançamento do Balé Armorial (origem do atual Balé Popular do Recife) e a estréia de Antônio Carlos Nóbrega de Almeida como teatrólogo, com o espetáculo A Bandeira do Divino, podem ser caracterizados como alguns marcos desta fase. Como se não bastasse, dois acontecimentos salutares demonstrariam o equívoco daqueles que não conseguiam vislumbrar as propostas do Movimento fora do Nordeste: em Brasília, é lançado A guerra do reino divino (Editora CODECRI, 1976), trabalho de história em quadrinhos de Jô Oliveira, baseado n' A Pedra do Reino, e cujos desenhos seguiam de perto as propostas da gravura e da pintura armoriais; no campo da música, Renato Andrade, mineiro de Abaeté, lança o elepê A fantástica viola de Renato Andrade na música armorial mineira (São Paulo: Chantecler, 1977), expondo os primeiros resultados de suas
  9. 9. tentativas de fazer, em relação ao seu estado, o que o Movimento Armorial vinha fazendo em relação aos estados nordestinos. Após as fases Experimental e Romançal, o Movimento Armorial volta às manchetes através da fase Arraial, iniciada durante a gestão de Ariano Suassuna na Secretaria de Cultura de Pernambuco, durante o terceiro Governo de Miguel Arraes.
  10. 10. THE ARMORIAL MOVEMENT BRIEF HISTORY On October 18th, 1970, through a concerto of the Armorial Chamber Orchestra, entitled “Three centuries of Northeastern music: from Baroque to Armorial”, and an exhibition of prints, paintings and sculptures, the Armorial Movement was officially launched, in Recife. Both concerto and exhibition took place in the baroque church of São Pedro dos Clérigos, in the neighborhood of São José, and were sponsored by the Federal University of Pernambuco (UFPE) – through its department of Cultural Extension (DEC) – and by the Federal Council of Culture. On July 4th, 1971, even before the first year of the Movement, and before the release – with enormous success – of the Romance of the Kingdom’s Stone and the Prince of Come-and-go Blood, the first Brazilian Armorial novel, the newspaper Jornal do Commercio, in Recife, published an extensive interview with Ariano Suassuna, entitled "Sucesso armorial no Sul" (“Armorial Success in the South”), in which the writer demonstrated the national repercussion reached by the Movement. Quoting materials published in newspapers from São Paulo, Rio de Janeiro and Rio Grande do Sul, Suassuna synthesized the general impression of the critics soon after the first tour of the Armorial Orchestra to Porto Alegre and Rio de Janeiro. Suassuna had traveled with the Orchestra and the encounters with the public – far beyond the three concertos – were true lessons on Brazilian culture. With the help of diapositives, drawings and poem books, the writer presented the spectacle, the Armorial Movement, its origins and goals, its first accomplishments and their plans pro Brazilian culture. Don Marcos Barbosa, present in one of the presentations (the one held at Cecília Meireles hall in Rio de Janeiro) stated in the following day: “That was not a concerto, but a true lesson, a culture course that nobody noticed it was being given at that moment […] throughout three hours that went very fast […]. Music, yes, but […] painting, and history, and pre-history, theater, patriotism, regionalism and even the Holy
  11. 11. Scripture, all veiled, hidden in a Suassuna-way in the modesty and sympathy we all know”. (Jornal do Commercio, Recife, July 4th, 1971) On the other hand, specifically referring to the armorial art, Eurico Nogueira França wrote in Rio de Janeiro’s Correio da Manhã: “The strong character of the compositions shown once more comes to unveil to use the richness of a creative brasility […] – like we have, also, for instance, in dramaturgy Suassuna himself, who made very interesting commentaries, with slides, about the musical and non-musical aspects of the program. More than never it’s worthwhile to mention these precious sources, because our concerto music, in its avant-garde expressions, tends to abstract and non-national manifestations, under the main pretext that nationalism is not valued in foreign musical centers […]. Ariano Suassuna, with the picturesque and flavorful quality of his speech, was the night’s showman, explaining the roots of the armorial movement and commenting each one of the pieces. […] A perfectly original concerto, with a resounding and well-deserved success”. (Idem) We can say that the tour’s success represented the launching of the Armorial Movement in a national level. In fact, after this tour the Movement began to be known and disseminated beyond the borders of what Suassuna considers to be the “heart of the Northeast” - Pernambuco, Paraíba and Rio Grande do Norte. The Orchestra counted with talented musicians and composers, such as Jarbas Maciel and Clóvis Pereira, its conductor. But we must remember that the success of this first tour (as well as of the second one, a year later) was also due to Ariano Suassuna’s presentations, a man with the rare gift of keeping the attention of an audience, associating erudition to simplicity and good humor. From the newspaper clips of the epoch it is possible to notice that the emphasis given to Suassuna’s presentations, true spectacles in their own, was equal or even greater than the emphasis given to the presentations of the Orchestra itself.
  12. 12. THE NAME ARMORIAL "Armorial", in the Portuguese language, was only a noun: the book that carries the coat of arms – therefore a word related to heraldic. Ariano Suassuan, idealizer of the Movement, began to employ it as well as an adjective. In this way he created a neologism to identify the kind of art he defends, an erudite art that, based on popular traditions, Is as national as popular art, rising up to its importance and being able to keep with it a fundamental unity in order to combat the process of vulgarization and decharacterization of Brazilian culture. The explanation of the name armorial was given to the public for the first time in the occasion of the official launching of the Movement, through the text “Armorial Art”. Suassuna identifies the choice of the name through two motives. The first one is aesthetical – the beauty of the word itself. The second one is connected to his view of heraldic, that in Brazil it would be an eminently popular art, present in the irons to mark cattle in the Northeaster backlands, in the standards of the most diversified popular associations, and even in the shirts and flags of the soccer teams of the large Brazilian cities. To approach this heraldic would mean to approach a Brazilian popular spirit. Says Suassuna: “The, half joking, half seriously, I started to say that such poem or such standard of Parading Horses was “armorial”, that is, it shinned with pure, festive, clear, metallic and colorful enamels, like a flag, a coat of arms or the sound of the trumpet. I also remembered the armorial stones found in the facades and gates of Brazilian baroque, and started to employ the term to the Sculpture I dreamt for the Northeast as well. I found out the name “armorial” also served to qualify the “songs” of the Romanceiro, the viola and rabeca tunes of the Cantadores (Singers) – archaic and sharp tunes as a knife’s edge, reminding the clavichord and the arch viola of our 18th century baroque music”. (Ariano Suassuna, Arte Armorial, text distributed along the program of the concert “Three centuries of Northeastern music: from Baroque to Armorial”, Recife, October 18th, 1970).
  13. 13. After the official launching of the Movement, and after it had slowly conquered a significant space in the press of the whole country, specially the newspapers, the explanation about the choice of the name armorial was repeated many times in several interviews, with small changes. In some occasions, joking, Suassuna added a third reason for choosing the name – the curiosity it brought up due to its unknown meaning. For instance, in a 1971 interview to a Rio Grande do Sul newspaper, Suassuna states: “First, because it is beautiful. Second, because it is a strange name. People ask ‘what is it?’, and once heard the explanation, they don’t forget it. Third, because this word means a collection of coat of arms, emblems and flags of a people”. (Correio do Povo, Porto Alegre, June 13rd, 1971) When one thinks of a “movement”, at once one imagines a group of intellectuals gathered to write a manifesto, or to conceive works able to coldly express the theoretical beliefs of the group. None of this can be said of the Armorial Movement. Firstly because, in this case, armorial art preceded the movement itself. Indeed, much before the official launching of the Movement, several artists, whether intuitively or not, were already paving the path that later would be announced as the Armorial movement’s main flag, seeking for a Brazilian erudite art that was based on popular culture. Secondly, in spite of the Armorial artists agreed on the general path to be followed, there was as well the awareness that there are many paths, all of them pointing to the same direction. Never the creative freedom of each artist, they particular way of expression, was constrained in any way. In the text “"Arte armorial", Suassuna already mentioned a certain unity, an identification among the works of the artists related to the Armorial Movement. All of them were concerned in producing art departing from the popular roots of Brazilian culture. Since it was simply a presentation text, there was no enough room for a further clarification about this unity. But in other occasions, especially when the Movement was disseminated through the press, Suassuna stressed that its participants understood this unity as a consequence of the general principles they believe in, and not as something previously imposed on their creation and that would compromise the individuality of each
  14. 14. artist. In an interview published in Rio de Janeiro’s Correio da Manhã, Suassuna called the attention to the misunderstanding that the word “movement” could induce: “It is an effort to find in Brazil an art that comes from eminently popular roots. With this, the ambition of finding a Brazilian, Latin-American and universal art. The Armorial Movement doesn’t have a line of principles. It’s an open movement. Actually, we don’t really like the word movement, because a movement is generally done by theoreticians, who launch a manifesto. We depart from the creative work. We started to create together. At times, alone. Then, later, we found common characteristics. So we joined each other and baptized the movement with this name, which is only a flag in this common search for a Brazilian art”. (Correio de Manhã, Rio de Janeiro, September 8th 1971) In spite of the Armorial Movement was launched when Suassuna was already enjoying his full maturity as a writer (with several plays written and amply known, and having already concluded his first major experience as a novelist, the Romance of the Kingdom’s Stone), is in direction to the aesthetical ideas of the Movement that he seemed to move since his first works based on the tradition of popular Northeastern poems (Romanceiro Popular Nordestino). That’s why, when questioned about the beginning of the movement, Ariano goes back to 1946, mentioning the publication of these poems, already connected with the works of Francisco Brennand, José Laurenio de Melo and Hemilo Borba Filho. That is: Ariano starts to conceive the Armorial Movement’s aesthetical project since his enrollment at the Law School of Recife and the discussions of the group of the Student Theater of Pernambuco (Teatro do Estudante de Pernambuco) (TEP). On the other hand, Suassuana’s maturation towards the Armorial Movement necessarily passes through his poetry. It’s important to add that Suassuna had already employed the word “armorial” as an adjective at least three times before the launching of the Movement, in three poems. The older of them, from 1950, is entitled “Armorial song” (“Canto armorial”), a poem that opens the second part of his book O Pasto Incendiado (The Field in Fire). The second poem is called “Armorial song to Recife, the capital of the Northeastern kingdom” (“Canto armorial ao Recife, capital do Reino do Nordeste”.) Written
  15. 15. in 1961, this poem was published in an anthology organized by Edilberto Coutinho (Presença poética do Recife, 3.ed., Rio de Janeiro, J. Olympio; Recife, FUNDARPE, 1983). Finally, in 1963, in the poem “Poem of an old art” (“Poema de arte velha”), the word armorial reappears no longer in the title, but in a line, being used to designate a poet --– Francisco Bandeira de Mello, to whom Suassuna dedicates the poem. Let’s see the first stanza of this last poem: Bandeira, courtesan poet, Bandeira, armorial poet, O clear Provencal bard Of roosters, fishes and hierophants, Of drunken fauns and bacchantes Of the sea’s salt, of the evil’s sun. (Ariano Suassuna, “Poema de arte velha”, Jornal do Commercio, Recife, April 14th, 1963) PHASES OF THE ARMORIAL MOVEMENT In 1976, in an extensive interview to Recife’s Jornal do Commercio, Suassuna already made reference to two distinctive phase that, according to him, could characterize the Armorial Movement since its official launching to that date: the phase from 1970 to 1975, which he considered as “experimental”, and the phase of the time, “actual and new”, denominated Romançal and started precisely on December 18th 1975, with the debut of the Orquestra Romançal Brasileira (Brazilian Romançal Orchestra), at the Santa Isabel theater. (Ariano Suassuna, Movimento Armorial em nova fase criadora, interview, Jornal do Commercio, Recife, July 25th, 1976). Some critics antagonistic to the Armorial Movement state that, when the Movement emerged, due to the sponsorship it enjoyed from the Federal University of Pernambuco (UFPE) through its DEC, many artists in Recife
  16. 16. “became armorial” because they wanted to promote their works and, in the specific case of writers and poets, they wanted their work to be published by an University press. No doubt it has happened, like it happened with any other Movement. That’s why the phase from 1970 to 1975 is considered by Suassuna by “experimental”. Referring to it, Suassuna admits the new adepts, but considers the general result quite positive: […] during the first phase, I had to start several things in any possible way, deliberately closing my eyes to certain adhesions, improvisations, artificialism and mistakes, some of them quite severe. But the appearance of Antônio José Madureira, of the Armorial Quintet and of the Brazilian Romançal Orchestra would be enough to justify the whole work. Let’s not forget that Gilvan Samico honored the movement, which became greater with his name, and respected throughout the world. Time takes care of everything: some left the Movement because they really never cared that much to Brazilian culture; some, more sensitive to criticism and fashions, decided to trail other paths; others because are more solitary in nature; and so forth. (Idem). The Romançal phase would be one of the most prolific of the Movement. The work of the Romançal Orchestra, the foundation of the Armorial Ballet (origin of the present day Popular Ballet of Recife) and the debut of Antônio Carlos Nóbrega de Almeida as a teatrologist, with the spectacle A Bandeira do Divine (The Holy Standard), may be characterized as some highlights of this phase. Not only that, but two salutary events demonstrated the mistake of those who were unable to visualize the Movement’s proposals outside the Northeast: in Brasília was published A guerra do reino divino (The war of the holy kingdom) (Editora CODECRI, 1976), a cartoon work by Jô Oliveira, based on The Kingdom’s Stone, with drawings closely following the proposals of armorial painting and engraving; in music, Renato Andrade, born in Abaeté (Minas Gerais), releases the LP A fantástica viola de Renato Andrade na música armorial mineira (The fantastic viola of Renato Andrade in Minas Gerais’ armorial music) (São Paulo: Chantecler, 1977), exhibiting the first results of his attempts of producing in relation to his State (Minas Gerais) that which the Armorial Movement was doing in relation to
  17. 17. the Northeaster States. After the Experimental and Romançal phases, the Armorial Movement returns to the news with the phase Arraial (Country camp or festivity), which began during Ariano Suassuna’s term at the Secretariat of Culture of Pernambuco, during Miguel Arraes’ third term as State Governor.

×