O rim
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

O rim

on

  • 580 views

 

Statistics

Views

Total Views
580
Slideshare-icon Views on SlideShare
580
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
19
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    O rim O rim Presentation Transcript

    • Denise Damasceno Batista Graduanda em Nutrição Estácio FIB
    • Órgão par, tem a forma de um grão de feijão, localizado extraperitonealmente no retroperitônio.  Altura: 10 a 13 cm  Largura: 5 a 7 cm  Peso: 120 a 180 g  Profundidade: 2,5 a 3 cm
    • 1. MANUTENÇÃO DO EQUILÍBRIO HÍDRICO Mantêm constante a quantidade de água do organismo em cerca de 60 a 70% do peso (58% adulto jovem). 2. MANUTENÇÃO DO EQUILÍBRIO ELETROLÍTICO Manter dentro de uma faixa estreita de normalidade a concentração de diversos eletrólitos (Na, K, P, Ca, Mg, etc.) no líquido extracelular. 3. MANUTENÇÃO DO EQUILÍBRIO ÁCIDO-BÁSICO Juntamente com os rins e os pulmões, manutenção do pH do líquido intracelular, extracelular e fluídos biológicos dentro de valores muito estreitos e rígidos (sangue:7.35-7.45).
    • 4. EXCREÇÃO DE CATABÓLITOS Eliminação de uma série de substâncias resultantes do catabolismo orgânico de proteínas, lipídeos e carboidratos. 5. FUNÇÃO REGULADORA HORMONAL Os rins secretam diversas substâncias que agem como hormônios reguladores do funcionamento do organismo. Dentre estes: • Eritropoetina • Renina (sistema Angiotensina – Androsterona) • Vitamina D ativa (1,25 diidroxicolecalciferol) → Importância na saúde e no crescimento da criança e do adolescente.
    • Unidade Referencial do Rim: Estrutura microscópica capaz de eliminar resíduos do metabolismo do sangue, manter o equilíbrio hidroeletrolítico e ácido-básico do corpo humano, controlar a quantidade de líquidos no organismo, regular a pressão arterial e secretar hormônios, além de produzir a urina.
    • Porção proximal do ureter no rim que é dilatada em forma de funil, conduzindo a urina para o ureter.
    • A sua função é propelir a urina do rim até à bexiga por meio de contração por peristalse (em ondas) da sua camada de músculo liso.
    • Reservatório temporário para o armazenamento da urina capacidade média da bexiga urinária é de 700 – 800 ml
    • Tubo que conduz a urina da bexiga para o meio externo.
    •  Incapacidade dos rins de filtrar o sangue, que gera um acúmulo de substâncias tóxicas no organismo  Pode ser aguda ou crônica  Aguda: rápida redução da função renal  Crônica: perda gradual desta função
    • Insuficiência Renal Aguda (IRA) é a redução aguda da função renal em horas ou dias. Refere-se principalmente à diminuição do ritmo de filtração glomerular, porém ocorrem também disfunções no controle do equilíbrio hidroeletrolítico e ácido-básico. Podem ocorrer alterações hormonais, como a deficiência de eritropoietina e de vitamina D1-3(D).
    • IRA pré-renal: ↓ Fluxo Sanguíneo (vasoconstrição ou ↓ pressão perfusão renal causada por uma série de eventos, como desidratação - vômito, diarreia, queimadura, febre), uso de diuréticos e IC. → É rapidamente reversível se corrigida a causa. IRA renal: Ocorre por fatores intrínsecos ao rim e é classificada de acordo com o principal local afetado (vasculares, glomerulares, tubulares isquêmicas, tubulares tóxicas, nefrite intersticial, pielonefrite).
    • IRA pós-renal: Obstrução do Fluxo Urinário Obstrução ureteral (cálculos, coágulos). Obstrução colo vesical (hiperplasia próstata). Obstrução uretral (cálculos). → A reversibilidade se relaciona ao tempo de duração da obstrução.
    • Fase Inicial: começa a partir do período de exposição à drogas nefrotóxicas ou a um insulto isquêmico. Sua duração é variável e depende do causador. O volume urinário pode estar normal ou diminuído, porém o rim começa a perder a capacidade adequada de excreção de compostos nitrogenados. Fase Oligúrica: é também variável em grau de duração. É definida a oligúria quando há um volume urinário inferior a 500mL/dia. O sedimento urinário pode conter hemácias, leucócitos e células epiteliais isoladas ou em cilindro, havendo também uma pequena perda de proteínas.
    • Fase Diurética: pode ser marcada por uma rápida elevação do volume urinário. A magnitude da diurese independe do estado de hidratação do paciente e representa uma incapacidade do túbulos regenerados em reabsorver água. Como consequência, a concentração plasmática de Ur e Cr continua a aumentar. Diálise pode ser necessária.
    • Fase de recuperação funcional: ocorre após vários dias de diurese normal, com redução gradual da Uréia e da Creatinina plasmática. Em certa de 30% dos doentes, ocorre discreta depressão da filtração glomerular, que pode persistir.
    • ELETRÓLITOS E ÁGUA • Balanço de água: ↑ na fase diurética, ↓na fase oligúrica. • Balanço de sódio: ↑ na fase oligúrica: HAS e IC, ↓ na fase diurética. • Balanço de potássio: A hipercalemia é a principal causa que leva a óbito na IRA, que pode causar efeitos na excitabilidade neuromuscular e toxicidade cardíaca. • Balanço de cálcio e fósforo: a hipocalcemia é o achado mais frequente no desequilíbrio do balanço de Ca. → Espasmos musculares, acentuação dos efeitos cardiotóxicos de hipercalemia podem estar presentes.
    • Presença real de dano renal ou redução das funções renais por um período igual ou superior a 3 meses, independente da sua etiologia. Anormalidades estruturais e funcionais no rim ↑ de 3 meses acompanhadas ou não da ↓ da função renal ou Taxa de Filtração Glomerular (TGF) < 60mL/ min por mais de 3 meses. Doença Renal Crônica NKF/DOQI – National Kidney Foundation/Clinical Practices Guidelines for Chronic Kidney Diseases.
    • Principais causas: glomerulonefrite crônica, a HAS grave, o DM, a pielonefrite crônica, os processos renais obstrutivos crônicos (ex. cálculos renais), o LES, etc. Principais alterações Sistema hematológico: anemia, sangramentos Sistema cardiovascular: pericardite, ICC, edema, hipertensão, miocardite.
    • Principais alterações Sistema nervoso: ↓ nível de consciência até o coma, distúrbios do sono, fadiga, convulsões, alterações do comportamento, flapping, demência, cefaléia, irritabilidade muscular; Sistema gastrintestinal: soluços, anorexia, náuseas, vômitos, HDA, epigastralgia, salivaç ão, hálito urêmico, diarréia; Sistema respiratório: Pleurite, EAP Sistema musculoesquelético: Doença óssea
    • Pele: prurido, coloração amarelo-palha, palidez; Sistema Imunológico: imunodepressão, → incidência de neoplasias, remissão de doenças imunes. Sistema endócrino: intolerância a glicose, hiperlipidemia, infertilidade, retardo do crescimento, hipogonadismo, amenorréia. Sistema Urológico: Impotência. Principais alterações
    • A capacidade de excreção e regulação da água corporal, de minerais e de compostos orgânicos é a função mais importante do rim. Sem a função excretória, pacientes raramente sobrevivem mais que 4 a 5 semanas e com frequência, menos que 10 dias, sobretudo na presença de hipercatabolismo. Se essa função é substituída por um procedimento dialítico, os pacientes podem sobreviver por anos mesmo na ausência das funções endócrinas e metabólicas Consequências
    • → Visa o controle da sintomatologia urêmica ─ Doenças correlatas ao hiperparatireoidismo ─ DEP ─ Alterações metabólicas Existência ou não de procedimentos dialíticos associados.
    • Restrição Protéica (tratamento conservador): • TFG ↑ 60mL/min: não necessita de restrição • TFG ↓ 60mL/min: 0,6g/KgP/dia (↓50 a 60% PTNAVB) • TFG ↓ 25mL/min: 0,6g/KgP/dia ou 0,3g/KgP/dia + 0,3g/KgP/dia de aminoácidos essenciais ou aminoácidos essenciais + cetoácidos.
    • Energia (tratamento conservador): : 35Kcal/KgP/dia 30Kcal/KgP/dia: (obesos ou ↑ 60 anos) ↑ 35Kcal/KgP/dia: DEP Consumir alimentos com ↑ energia e ↓ PTN.
    • Restrição Protéica (tratamento dialítico): • 0,94 a 1g/KgP/dia (pacientes em HD) • 1,2g/KgP/dia: promover o balanço nitrogenado neutro ou positivo (pacientes em HD) • 1,2g/KgP/dia: ↓ risco de balanço nitrogenado negativo. (50 a 60% PTNAVB)
    • Energia (tratamento dialítico): : 35Kcal/KgP/dia: balanço nitrogenado neutro 30Kcal/KgP/dia: (↑ 60 anos) Pacientes em CAPD: subtrair a energia proveniente da glicose absorvida do dialisato (cerca de 60% do total da glicose infundida)