CONFIANÇA NO COMÉRCIO ELETRÔNICO E A BOA-FÉ OBJETIVA<br />DENISE ANDRADE GOMESwww.gomesadvogados.com.br<br />
SOCIEDADE OCIDENTAL CONTEMPORÂNEA<br /><ul><li>período de profundas transformações tecnológicas, econômicas e sociais
Revolução Agrícola – compreendida como a primeira revolução tecnológica da humanidade (do nomadismo à sociedade agrícola)
Séculos XV e XVI - novo processo de transformações econômico-sociais caracterizando fenômeno histórico denominado mercanti...
Segunda metade do século XVIII - nova revolução tecnológica, que iria promover intensas alterações econômicas, sociais e p...
Historicamente, a Revolução Informacionaltem início na II Guerra Mundial, quando ocorreram invenções tecnológicas na área ...
Internet – meados da década de 80 nos EUA
Brasil – 1988 – universidades e centros de pesquisa</li></ul>                 1995 – provedores de acesso – pessoas física...
COMÉRCIO ELETRÔNICO<br /><ul><li>Telefone
Fax
Televisão
Internet</li></ul>Para conceituar o que venha a ser comércio eletrônico encontramos certa dificuldade, já que nos dias atu...
Ampliação do conceito de produtos e serviços:<br /><ul><li>E-book</li></ul>                        Serviços acessados, pro...
os contratos eletrônicos;
a proteção do consumidor.</li></li></ul><li>requisitos do e-commerce<br /><ul><li>Informação - (corolário da boa-fé)
Transparência - Dados da empresa que opera virtualmente; Informações sobre produtos e serviços; Lei e ordenamento a que es...
Assinatura eletrônica– com verificação simultânea do ID (Identidade Digital – código do IP, e-mail e CPF)</li></li></ul><l...
<ul><li>Lei de Introdução às normas do Direito Brasileiro </li></ul>Art. 9o  Para qualificar e reger as obrigações, aplica...
No Brasil, o Código de Processo Civil oportuniza, através do disposto no Art. 88 e Art. 90, que ação seja proposta no Bras...
<ul><li>Constituição Federal</li></ul>Art. 5º (...)<br />XXXII- o Estado promoverá, na forma da lei, a defesa do consumido...
Na prática, mesmo que o fornecedor estrangeiro seja condenado pela Justiça brasileira a indenizar um consumidor brasileiro...
TRIBUTAÇÃO PELA RECEITA FEDERAL<br />Regime de tributação simplificada (RTS) <br />valor máximo dos bens a serem importado...
INICIATIVAS REGULATÓRIAS<br />LEI MODELO UNCITRAL - 1996<br />A UNCITRAL (United NationsCommissiononInternational Trade La...
LEGISLAÇÃO NA AMÉRICA LATINA<br />A Colômbia foi o primeiro país a regular a matéria expedindo a Lei n. 527 de 18 de agost...
Equador – 27 de fevereiro de 2002 (Lei n. 67 );<br />Chile – 25 de março de 2002 (Lei n. 19799 );<br />Costa Rica –  30 de...
A Europa, através do direito comunitário, já possui algumas regulamentações, como a Diretiva 2000/31 ou Diretiva do Comérc...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Boa fé objetiva e comércio eletrônico

1,946

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,946
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
18
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Boa fé objetiva e comércio eletrônico

  1. 1. CONFIANÇA NO COMÉRCIO ELETRÔNICO E A BOA-FÉ OBJETIVA<br />DENISE ANDRADE GOMESwww.gomesadvogados.com.br<br />
  2. 2. SOCIEDADE OCIDENTAL CONTEMPORÂNEA<br /><ul><li>período de profundas transformações tecnológicas, econômicas e sociais
  3. 3. Revolução Agrícola – compreendida como a primeira revolução tecnológica da humanidade (do nomadismo à sociedade agrícola)
  4. 4. Séculos XV e XVI - novo processo de transformações econômico-sociais caracterizando fenômeno histórico denominado mercantilismo ou a etapa de surgimento do capitalismo comercial
  5. 5. Segunda metade do século XVIII - nova revolução tecnológica, que iria promover intensas alterações econômicas, sociais e políticas, inicialmente, na Europa e, em continuação, em todo o resto do mundo - Revolução Industrial - em meados do século XIX - o avanço das tecnologias de comunicação, com a expansão das redes telegráficas e o surgimento do telefone </li></li></ul><li><ul><li>Séc. XX - substituição da sociedade industrial pela denominada sociedade da informação ou do conhecimento ou, ainda, sociedade digital
  6. 6. Historicamente, a Revolução Informacionaltem início na II Guerra Mundial, quando ocorreram invenções tecnológicas na área da microeletrônica – como o chip, o microprocessador e o software –, que possibilitaram a criação e o desenvolvimento dos primeiros computadores pessoais, mais conhecidos como PC (personalcomputers).</li></li></ul><li>INTERNET – meio revolucionário de comunicação<br /><ul><li>1969 – sistema de defesa americano – projeto militar (guerra fria)
  7. 7. Internet – meados da década de 80 nos EUA
  8. 8. Brasil – 1988 – universidades e centros de pesquisa</li></ul> 1995 – provedores de acesso – pessoas físicas e jurídicas (Ministério das Comunicações publicou a Norma n. 4, que regula o uso de meios de rede pública de telecomunicações para o provimento e utilização de serviços de conexão à Internet)<br />Atividade bastante recente. Mais recente que o Código de Defesa do Consumidor (Lei n. 8.078, de 11 de setembro de 1990).<br />
  9. 9. COMÉRCIO ELETRÔNICO<br /><ul><li>Telefone
  10. 10. Fax
  11. 11. Televisão
  12. 12. Internet</li></ul>Para conceituar o que venha a ser comércio eletrônico encontramos certa dificuldade, já que nos dias atuais em algum momento as transações comerciais passarão por algum meio eletrônico.<br />
  13. 13. Ampliação do conceito de produtos e serviços:<br /><ul><li>E-book</li></ul> Serviços acessados, produtos virtuais<br /><ul><li>MP3</li></ul>Novas indagações:<br /><ul><li>a oferta e a publicidade eletrônica;
  14. 14. os contratos eletrônicos;
  15. 15. a proteção do consumidor.</li></li></ul><li>requisitos do e-commerce<br /><ul><li>Informação - (corolário da boa-fé)
  16. 16. Transparência - Dados da empresa que opera virtualmente; Informações sobre produtos e serviços; Lei e ordenamento a que está submetido o contrato de compra e venda; Clausula de arbitragem ou Foro específico.
  17. 17. Assinatura eletrônica– com verificação simultânea do ID (Identidade Digital – código do IP, e-mail e CPF)</li></li></ul><li>Participantes virtuais não são limitados pela territorialidade<br /><ul><li>Os direitos dos consumidores virtuais são os mesmos que no mundo real – no Brasil a legislação aplicável é a mesma.</li></ul>Qual seria a legislação aplicável nas relações comerciais entre fornecedor e consumidor de nacionalidades distintas?<br />
  18. 18. <ul><li>Lei de Introdução às normas do Direito Brasileiro </li></ul>Art. 9o  Para qualificar e reger as obrigações, aplicar-se-á a lei do país em que se constituírem.<br />§ 1o  Destinando-se a obrigação a ser executada no Brasil e dependendo de forma essencial, será esta observada, admitidas as peculiaridades da lei estrangeira quanto aos requisitos extrínsecos do ato.<br />§ 2o  A obrigação resultante do contrato reputa-se constituída no lugar em que residir o proponente.<br />Art. 17.  As leis, atos e sentenças de outro país, bem como quaisquer declarações de vontade, não terão eficácia no Brasil, quando ofenderem a soberania nacional, a ordem pública e os bons costumes.<br />
  19. 19. No Brasil, o Código de Processo Civil oportuniza, através do disposto no Art. 88 e Art. 90, que ação seja proposta no Brasil ou perante um Tribunal estrangeiro. A competência dos tribunais brasileiros é reforçada pelo disposto no Art. 101, I do Código de Defesa do Consumidor, que autoriza o consumidor brasileiro a acionar, em território nacional, o fornecedor estrangeiro.<br />
  20. 20. <ul><li>Constituição Federal</li></ul>Art. 5º (...)<br />XXXII- o Estado promoverá, na forma da lei, a defesa do consumidor;<br />Portanto a defesa do consumidor pertence a categoria de direitos constitucionais fundamentais e, além disso, o art. 170, V, da CF, erige a defesa do consumidor à condição de princípio da ordem econômica.<br />Porém:<br />Ar. 1º da Lei de Introdução às normas do Direito Brasileiro, em seu § 1º estipula que: “nos Estados, estrangeiros, a obrigatoriedade da lei brasileira, quando admitida...”. Trata-se de uma questão de validade e eficácia extraterritorial da lei brasileira.<br />
  21. 21. Na prática, mesmo que o fornecedor estrangeiro seja condenado pela Justiça brasileira a indenizar um consumidor brasileiro, a sentença só produzirá efeitos no país estrangeiro depois de observados os requisitos previstos na legislação estrangeira para sua internalização. Há que se observar que o juiz brasileiro não pode, por exemplo, determinar a penhora de bens sem que haja autorização do país estrangeiro. <br />Assim, as demandas contra fornecedores estrangeiros, além de dispendiosas, carecem, muitas vezes, de efetividade. <br />
  22. 22. TRIBUTAÇÃO PELA RECEITA FEDERAL<br />Regime de tributação simplificada (RTS) <br />valor máximo dos bens a serem importados neste regime é de US$ 3,000.00 (três mil dólares americanos);<br />60% (sessenta por cento) sobre o valor dos bens constante da fatura comercial;<br />Isenções<br />Remessas no valor total de até US$ 50.00 (cinqüenta dólares americanos) estão isentas dos impostos , desde que sejam transportadas pelo serviço postal, e que o remetente e o destinatário sejam pessoas físicas;<br />Medicamentos, desde que transportados pelo serviço postal, e destinados a pessoa física, sendo que no momento da liberação do medicamento, o Ministério da Saúde exige a apresentação da receita médica.<br />livros, jornais e periódicos impressos em papel não pagam impostos (art. 150, VI, "d", da Constituição Federal);<br />
  23. 23. INICIATIVAS REGULATÓRIAS<br />LEI MODELO UNCITRAL - 1996<br />A UNCITRAL (United NationsCommissiononInternational Trade Law), comissão especial da ONU – serve de diretriz para todos os países a fim de que regulamentem o comércio eletrônico. A Uncitral determina que o uso da tecnologia de encriptação confere ao documento eletrônico o mesmo grau de segurança dos documentos escritos e, portanto, com o mesmo tratamento no tocante ao valor probatório. Vários ordenamentos já adotaram o modelo, como o americano, o alemão, o francês, o argentino e o colombiano.<br />
  24. 24. LEGISLAÇÃO NA AMÉRICA LATINA<br />A Colômbia foi o primeiro país a regular a matéria expedindo a Lei n. 527 de 18 de agosto de 1999, por meio da qual define e regulamenta o acesso e o uso da transmissão de dados, do comércio eletrônico e assinaturas digitais, estabelecendo as entidades de certificação e, ainda, dá outras disposições.<br />Peru – 28 de março de 2000 (Lei n. 27269);<br />Uruguai – 29 de junho de 2000 (Lei n. 17.243)<br />Venezuela – 28 de fevereiro de 2001 (Lei n. 1204);<br />Panamá – 31 de julho de 2001 (Lei n. 43);<br />Argentina – 14 de novembro de 2001 (Lei n. 25.506); <br />
  25. 25. Equador – 27 de fevereiro de 2002 (Lei n. 67 );<br />Chile – 25 de março de 2002 (Lei n. 19799 );<br />Costa Rica – 30 de agosto de 2005 (Lei n. n. 8.454);<br />Bolívia – agosto de 2007<br />Há alguns países que ainda não possuem regulamentação específica em matéria de comércio eletrônico, e atualmente contam apenas com projetos de leis, como no caso do Brasil (em 11 de junho de 2010 o Comitê Gestor da Internet aprovou o texto da Carta de Princípios do Comercio Eletrônico) e Paraguai.<br />
  26. 26. A Europa, através do direito comunitário, já possui algumas regulamentações, como a Diretiva 2000/31 ou Diretiva do Comércio Eletrônico. O Brasil já sugeriu ao Comitê Jurídico Internacional da Organização dos Estados Americanos (OEA) a inclusão do tema “Proteção ao consumidor no comércio eletrônico” no âmbito de uma Convenção Interamericana de Direito Internacional Privado (CIDIP - VII), mas a proposta ainda vem sendo debatida pelos estados membros. <br />
  27. 27. PRINCÍPIO DA BOA-FÉ<br /><ul><li>Direito Romano - advém da fides e da bonafides;
  28. 28. Séc. XIX - a obrigatoriedade dos contratos que abrigava a máxima pacta sunt servanda restringiu o princípio da boa-fé ao aspecto subjetivo;
  29. 29. Código Civil de 1916 - boa-fé subjetiva;
  30. 30. Constituição Federal de 1988 - bases na justiça social e na dignidade humana, embora silente quanto à boa-fé objetiva, esta emana dos princípios da livre iniciativa e da solidariedade;
  31. 31. Código de Defesa do Consumidor, principalmente em seus arts. 4º, inc. III e 51, inc. IV, ficou insculpida a boa-fé como cláusula geral;
  32. 32. Código Civil de 2002 – art. 113: “ Os negócios jurídicos devem ser interpretados conforme a boa-fé e os usos do lugar de sua celebração”</li></li></ul><li>Contratual<br />CDC, art. 4º, III Extracontratual<br />Boa-fé objetiva<br />Pré-contratual<br />A boa-fé objetiva deixa de ser um conceito meramente ético, transmudando-se em conceito jurídico e econômico, graças à função social do contrato, à livre iniciativa e aos direitos do consumidor.<br />
  33. 33. Despersonalização<br />Comércio eletrônico Desmaterialização<br />Comércio tradicional Desterritorialização <br /> Ausência de regulamentação legal própria para a defesa dos consumidores<br />
  34. 34. Boa–fé Objetiva<br />significado de uma determinada cláusula;<br /> ambiguidade entre duas ou mais regras constantes de um instrumento contratual;<br />papel limitador da atuação da vontade das partes contratantes;<br />Art. 187 do CC – função de controle;<br />Art. 422 do CC – função integrativa da boa-fé objetiva<br />
  35. 35. PRINCÍPIO DA CONFIANÇA NO COMÉRCIO ELETRÔNICO<br />Confiar é acreditar (credere), é manter, com fé (fides) e fidelidade, a conduta, as escolhas e o meio; confiança é aparência, informação, transparência, diligência e ética no exteriorizar vontades negociais.<br /><ul><li>Novo paradigma para o comércio eletrônico;
  36. 36. É preciso confiar em todos os processos e procedimentos decorrentes do meio eletrônico;
  37. 37. Meta na realização das expectativas legítimas do consumidor também no negócio jurídico do comércio eletrônico</li></li></ul><li><ul><li>Adequação, qualidade e segurança razoável dos produtos e serviços, de forma a evitar danos à saúde e prejuízos econômicos para o consumidor e terceiros vítimas;
  38. 38. Melhorar a qualidade de vida, melhorando a qualidade dos produtos e dos serviços que são colocados à disposição do consumidor.</li></ul>EM SÍNTESE<br />Em conformidade com o princípio da inalteralibilidade do Direito existente sobre obrigações contratuais, a legislação sobre comércio eletrônico não implica uma modificação substancial do atual direito das obrigações e contratos.<br />
  39. 39. O comércio eletrônico se difere do comércio tradicional porque nesse há a despersonalização, desmaterialização, desterritorialização e atemporalidade dos contratos, porém, os requisitos de validade dos contratos eletrônicos são os mesmos para os contratos tradicionais, quais sejam: duas ou mais pessoas, a vontade livre de contratar manifestada e a capacidade civil para o ato.<br />Oprincípio da boa-fé objetiva deve nortear as relações comerciais, pois, como dito anteriormente é um princípio geral de caráter universal, independentemente do meio utilizado para a concretização comercial, assim como o princípio da proteção à confiança é espécie do gênero boa-fé objetiva, transmudando-se em sede de direito do consumidor, na proteção à legítima expectativa do mesmo.<br />
  40. 40. Por fim, cumpre ressaltar que os mesmos princípios adotados no Código de Defesa do Consumidor vale para qualquer tipo de comércio, notadamente o princípio da boa-fé objetiva e da proteção à confiança por serem considerados princípios universais.<br />
  41. 41. CONFIANÇA NO COMÉRCIO ELETRÔNICO E A BOA-FÉ OBJETIVA<br />DENISE ANDRADE GOMESwww.gomesadvogados.com.br<br />
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×