CURSO:                       O USO PRÁTICO DO                       MOODLE NO ENSINO                       SUPERIORTEXTO 3...
Seção 1. Novos papeis na prática docente                                      Nem tudo o que escrevo resulta numa realizaç...
É a mediação que faz parte da ação docente,           presencial e virtual, a que diretamente influi na aprendizagem.     ...
Reflexão: com base na sua vivência profissional, como você se imagina comoprofessor tutor em ambientes virtuais? O que mud...
 Mostra um interesse genuíno em motivar os estudantes (mesmo os                principiantes e, por isso, talvez numa fas...
2.3. Competências e habilidades essenciais para apoio os estudantes                       Educar é semear com sabedoria e ...
responder às necessidades dos estudantes nos termos em que essesestudantes desejam exprimir-se’. (Thorpe, 2002)Seção 3. O ...
A. Tarefas de caráter pedagógico:   Ajudar cada estudante a planejar sua aprendizagem e o seu envolvimento no   curso.   M...
Realizar relatórios mensais sobre a turma sob sua responsabilidade       Registrar casos particulares de dificuldades peda...
contínuo desempenha um papel importante. Uma aproximação consistente ajuda osestudantes a sentirem que se encontram num am...
3.2.1 O primeiro contato       Imagine que você é um estudante novo na EaD, e que acabou de receber umpacote com materiais...
•   Transmitir-lhes a sua expectativa de que eles se mantenham em contato,               façam perguntas sobre problemas, ...
responderam ao meu último e-mail, 10-12 dias depois vou à pasta "Itens       enviados" do meu software de e-mail, procuro ...
Seção 4. Estratégias pedagógicas para atividades no Moodle        O ambiente Moodle apresenta interfaces de comunicação e ...
objetivo de tolher ou inibir a participação dos sujeitos. Ao contrário: o objetivo é darvoz a todo o grupo, possibilitando...
As mensagens são apresentadas em uma lista e conectadas ao tema principal dediscussão, gerando assim um enlace de comentár...
4.3 Diários       O diário é uma interface normalmente utilizada para os estudantes registrarem ocaminhar do processo pess...
caso também é necessário informar se vai permitir novo envio do texto, informar sedeseja ser informado a cada vez que um e...
máximo três pessoas, para que façam o exercício de produzir coletivamente em umpequeno grupo com colegas com que já tenham...
4.8 Web 2.0: Blogs, Slideshare, Delicious, Google Docs, etc       As ferramentas da Web 2.0, tecnologias emergentes, possi...
Seção 5. Conclusão       A educação e formação de estudantes são atividades específicas, comprometidascom a realização do ...
com os textos adicionais que estão à sua disposição. Não deixe dúvidas pendentes. NoMoodle você tem um canal de acesso à p...
SAIBA MAISSites:          O papel da tutoria em ambientes de Ead          http://www.abed.org.br/congresso2004/por/htm/022...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

TEXTO 3: O PROFESSOR NA PRÁTICA DA DISCIPLINA NO MOODLE

1,628 views
1,478 views

Published on

CURSO:
O USO PRÁTICO DO
MOODLE NO ENSINO
SUPERIOR

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,628
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
14
Actions
Shares
0
Downloads
33
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

TEXTO 3: O PROFESSOR NA PRÁTICA DA DISCIPLINA NO MOODLE

  1. 1. CURSO: O USO PRÁTICO DO MOODLE NO ENSINO SUPERIORTEXTO 3: O PROFESSOR NAPRÁTICA DA DISCIPLINA NO MOODLE PROFESSORA CONTEUDISTA: DÊNIA FALCÃO DE BITTENCOURTObjetivos de aprendizagem Entender os fundamentos de como efetivar uma mediação didática em prol da aprendizagem significativa. Identificar as competências e habilidades necessárias ao professor no processo de apoio à aprendizagem. Conhecer estratégias utilizadas para promover a comunicação e a aprendizagem em ambientes virtuais.Seções de estudo1. Novos papeis na prática docente2. Papeis do professor tutor3. Perfil do professor tutor4. Estratégias pedagógicas para atividades no Moodle5. Conclusão
  2. 2. Seção 1. Novos papeis na prática docente Nem tudo o que escrevo resulta numa realização, resulta mais numa tentativa. O que também é um prazer. Pois nem tudo eu quero pegar. Às vezes, quero apenas tocar. Depois, o que toca às vezes floresce e os outros podem pegar com as duas mãos. (Clarice Lispector)Os processos de mediação pedagógica em cursos baseados nas Tecnologias daInformação e Comunicação propõem dois novos papeis para o professor: O professor autor: também denominado “professor conteudista”, é o organizador dos roteiros de estudo e do conteúdo básico do curso; O professor tutor: pode ser denominado apenas como tutor. Sua principal característica é estar em contato direto com o estudante, colocar em prática o que foi planejado previamente nos roteiros de aprendizagem, realizar a avaliação dos estudantes e apoiar a sua recuperação. Na modalidade a distância esses papeis podem ser desempenhados por profissionaisdiferentes, enquanto no blended-learning (curso híbrido) a figura do professor aindaestá em busca de sua identidade. O papel do professor pode até variar conforme oenfoque metodológico adotado. Mas o certo é que em nenhuma das metodologiaspedagógicas a figura docente foi considerada dispensável ou ultrapassada. Nos espaços de fluxo de educação mediatizada por tecnologias digitais, o professoré essencial como um mediador da aprendizagem do estudante ‘solitário’. Os diversosmeios que existem, cada vez mais sofisticados e eficientes, são apenas auxiliares,facilitadores e atuam como extensões desse professor tutor. O professor se torna umvínculo entre os elementos do sistema de aprendizagem: estudantes, materiais didáticos,comunicação e estrutura organizativa. Sua mais importante tarefa é a de facilitar aaprendizagem dos estudantes. Como afirma Moran (2002, p.1), o professor tem um grande leque de opçõesmetodológicas, de possibilidades de organizar sua comunicação com os estudantes, deintroduzir um tema, de trabalhar com os estudantes presencial e virtualmente, de avaliá-los.
  3. 3. É a mediação que faz parte da ação docente, presencial e virtual, a que diretamente influi na aprendizagem. Se nos módulos anteriores vimos o papel do professor autor, o objetivo destemódulo é estudar o papel do professor como tutor, aquele que está em contato diretocom os estudantes, colocando em prática os roteiros de aprendizagem propostos peloprofessor autor. Para isso, o texto está organizado nos seguintes temas: 2. O perfil do professor tutor: 2.1. Atributos de um tutor ideal 2.2. Competências e habilidades essenciais para apoiar os estudantes 3. O trabalho do professor tutor: 3.1. O que faz o professor tutor 3.2. O papel do tutor no apoio aos estudantes 4. Estratégias pedagógicas para atividades no Moodle Os conteúdos apresentados neste módulo logicamente não abrangem todo ovasto conhecimento que envolve o ofício tutor para cursos híbridos ou a distância.Esperamos que seja um ponto de partida para que você possa planejar seu ofício comoprofessor em ambientes virtuais de aprendizagem. Lembre-se de que, para que oprocesso de ensino-aprendizagem tenha sucesso, é preciso bastante motivação,disciplina e persistência. Seção 2. O perfil do professor tutor Eu sou um intelectual que não tem medo de ser amoroso, eu amo as gentes e amo o mundo. E é porque amo as pessoas e amo o mundo, que eu brigo para que a justiça social se implante antes da caridade. (Paulo Freire) Cada tarefa dos estudantes corresponde a uma função e atividade do professortutor, seja estimulando, incentivando, motivando, facilitando, propondo, sugerindo,indicando. Enfim, é uma função que abrange o indivíduo em todas as suas dimensões,baseada na ética, filosofia e compromisso da docência como um todo.
  4. 4. Reflexão: com base na sua vivência profissional, como você se imagina comoprofessor tutor em ambientes virtuais? O que muda? O que permanece?2.2. Atributos de um professor tutor ideal Se bem que a perfeição seja impossível de alcançar, podemos esforçar-nos por atingir o ideal, tanto na tutoria como nos outros aspectos da vida!O que é um tutor ideal? Veja a descrição baseada no feedback de estudantes e detutores: O tutor ideal é um modelo de excelência: é consistente, justo e profissional nos respectivos valores e atitudes. Incentiva, é honesto, imparcial, amável, positivo, respeitador, aceita as ideias dos estudantes, é paciente, pessoal, tolerante, apreciativo, compreensivo e pronto a ajudar. A classificação por um tutor desta natureza proporciona o melhor feedbackpossível, é crucial e, para a maior parte dos estudantes, constitui o ponto central doprocesso de aprendizagem. Este tutor:  Fornece explicações claras acerca do que ele espera, e do estilo de classificação que irá utilizar;  Gosta que lhe façam perguntas adicionais;  ‘Identifica as nossas falhas, mas corrige-as amavelmente’, diz um estudante, ‘e explica porque motivo a classificação foi ou não foi atribuída’;  Tece comentários completos e construtivos, mas de forma agradável (em contraste com um reparo de um estudante: ‘os comentários deixam-nos com uma sensação de crítica, de ameaça e de nervosismo’);  Fornece uma ajuda suplementar para encorajar um estudante em dificuldade;  Esclarece pontos que não foram entendidos, ou corretamente aprendidos anteriormente;  Ajuda o estudante a alcançar os seus objetivos;  É flexível quando necessário;
  5. 5.  Mostra um interesse genuíno em motivar os estudantes (mesmo os principiantes e, por isso, talvez numa fase menos interessante para o tutor);  Escreve todas as correções de forma legível e com um nível de pormenor adequado;  Acima de tudo, devolve os trabalhos atentamente. Assim, parece que o tutor ideal é alguém que trata os respectivos estudantes damesma forma que espera ser tratado. Que é abordável como uma pessoa real (assina oscomentários aos trabalhos, responde imediatamente e sem falhas às mensagens e aostelefonemas) e que fornece comentários completos e encorajadores. Um dos aspectos impulsionadores da aprendizagem é a afetividade, que, maisdo que despertar, mantém o interesse de uma pessoa em algo. A força afetiva é muitomais importante do que se pode perceber numa observação rápida e deve ser mais bemcompreendida e utilizada pelos professores em geral. A empatia é necessária porque, ao captar as incertezas dos estudantes, suasansiedades e inseguranças, a tutoria se aproxima deles e aumenta a possibilidade de umainteração mais eficaz. Se a interação facilita a manifestação das carências e dasvontades, facilita, portanto, também o conhecimento dos aspectos cognitivos eemocionais da aprendizagem, contribuindo para aperfeiçoar as habilidades na resoluçãode problemas em qualquer área do conhecimento. A participação do tutor no acompanhamento da aprendizagem dos estudantes éimportante, também, para estabelecer uma corrente contínua de comunicação, de modoa permitir que a interação não se restrinja aos momentos planejados nos materiaisdidáticos.O que acontece no dia-a-dia da prática educacional é que, apesar de seremutilizados materiais de diferentes tendências pedagógicas, a tutoriacertamente possui autonomia, estilo, forma de compreender como osestudantes aprendem. Assim, mesmo em ambientes mais tecnicistas, épossível fazer-se um trabalho de tutoria numa direção mais construtiva.
  6. 6. 2.3. Competências e habilidades essenciais para apoio os estudantes Educar é semear com sabedoria e colher com paciência. (Augusto Cury) Para atuar em programas presenciais ou não, um docente precisa desenvolvercompetências em quatro grandes áreas, conforme coloca Blandin (1990):  a cultura técnica (domínio mínimo da utilização das tecnologias de informação e comunicação, aplicadas à Educação);  competências de comunicação (trata-se da comunicação interpessoal, que pode ou não ser mediatizada pelo uso de suportes informatizados);  capacidade de trabalhar com método (sistematizando e formalizando procedimentos didáticos e instrucionais);  capacidade de “capitalizar” (apresentar os seus saberes e experiências “traduzidos”, de forma que os outros possam aprendê-los e tirar proveito deles). Quando perguntamos aos educadores, pesquisadores, estudiosos da EaD ‘Quaissão as competências essenciais para uma tutoria eficaz?’, entre várias colocaçõesidentificam-se de forma mais recorrente quatro categorias gerais:  Competências de apoio: ajudar os estudantes a lidarem com questões não relacionadas com o conteúdo, que possam afetar a sua aprendizagem.  Competências de orientação: ajudar os estudantes a compreender o conteúdo e a sua relação com os seus objetivos de aprendizagem.  Competências de capacitação: ajudar os estudantes a desenvolverem e aplicarem processos de aprendizagem com eficiência.  Competências administrativas: servir de elo entre os estudantes e a administração em questões administrativas.‘A interação, especificamente a interação interpessoal, é central em todas asprincipais teorias sobre o apoio ao estudante, porque é a única maneira de
  7. 7. responder às necessidades dos estudantes nos termos em que essesestudantes desejam exprimir-se’. (Thorpe, 2002)Seção 3. O trabalho do professor tutor3.1. O que faz o professor tutor O cotidiano da tutoria demonstra que a escolha de um modelo ou de umprograma de EaD ou Blended Learning é um campo complexo, o que significa que umbom modelo para um grupo pode não ser bom para o outro, pois isto vai depender dosdesejos e expectativas de cada programa. Em função disto, alguns autores pontuam queo desempenho das funções da tutoria não deve ser entendido como uma prática socialdescontextualizada do modelo de cada programa e das expectativas dos sujeitos emformação. Partindo do princípio de que a discussão sobre o papel da tutoria estáintrinsecamente ligada à compreensão que se tem sobre EaD, destaca-se assim, aimportância de se investir na organização e no desenvolvimento do trabalho de tutoria,tendo em vista a perspectiva de Correa (2004) que expõe que o tutor irá, ao participar deum curso na modalidade de educação a distância, interagir com: (1) o ambiente de ensino aprendizagem proposto; (2) os materiais didáticos produzidos pelos especialistas; (3) a organização do tempo/espaço em sua própria instituição; (4) o contexto institucional; (5) o processo de aprendizagem dos estudantes. As funções do professor são delineadas pela instituição, mas também por sua práticaprofissional em si, de forma geral, em todos os modelos e contextos. Pode-se classificaresta prática em três grupos: A) De caráter pedagógico; B) De caráter organizativo e C)De caráter social. Veja a seguir uma análise sucinta de cada um deles:
  8. 8. A. Tarefas de caráter pedagógico: Ajudar cada estudante a planejar sua aprendizagem e o seu envolvimento no curso. Mapear e registrar, conjunta e periodicamente, com cada estudante: os interesses, as necessidades e as habilidades. Estimular os estudantes a elaborarem um plano de estudo (metas, horários de trabalho, cronograma das atividades etc.); Incentivar cada estudante a acompanhar e realizar todo o trabalho solicitado. Organizar, conduzir e acolher grupos de estudos. Incentivar a criação e manutenção de comunidades de interesse online entre os estudantes. Estabelecer um diálogo amigável a fim de facilitar que os estudantes esclareçam seus pensamentos e enfrentem suas contradições e inconsistências. Incentivar a leitura de livros acadêmicos e de literatura em geral. Atuar como mediador, facilitador ou problematizador nas discussões acadêmicas presenciais, sobretudo manter postura acolhedora. Comentar os trabalhos realizados pelos estudantes, incentivando e valorizando todo o esforço empregado no estudo e na resolução de problemas; fornecer um feedback honesto sobre o seu desempenho. Corrigir as avaliações dos estudantes. Ajudar os estudantes a compreender os materiais do curso através das discussões, questões, explicações e exemplos da vida real. Estimular a pesquisa, o pensamento crítico, a criatividade, a busca de explicações às dúvidas e questões levantadas, e a aplicação criativa do que aprenderam.B. Tarefas de caráter organizativo: Estabelecer com cada estudante uma agenda de tempos e realizações. Acompanhar as atividades propostas nas disciplinas, módulos ou blocos. Informar aos professores, coordenadores e aos outros tutores a distância todas as questões pedagógicas referentes a cada estudante como, por exemplo, ausências, afastamentos, dificuldades, alternativas.
  9. 9. Realizar relatórios mensais sobre a turma sob sua responsabilidade Registrar casos particulares de dificuldades pedagógicas e encaminhá-las aos profissionais competentes e professor. Tarefas de caráter social: Criar ambiente agradável e acolhedor para a aprendizagem dos estudantes. Atuar como coordenador e incentivador à participação individual e coletiva. Criar condições para que os estudantes estabeleçam parcerias com outros colegas ao sugerir grupos com afinidades temáticas. Estabelecer e fortalecer vínculos com cada estudante. Motivar os estudantes para estar presente no ambiente online. Evitar que um estudante se ausente por mais de uma semana do ambiente. Atender prontamente às solicitações recebidas dos estudantes. Zelar, discutir e incentivar abordagens, ideias e comportamentos éticos.Como você pode ver, são muitas as atribuições e responsabilidades do professor tutor. Ocerne do seu trabalho está em apoiar a aprendizagem dos estudantes. Como se prepararpara este desafio? É o que vamos ver no próximo tópico.3.2 O papel dos tutores no apoio aos estudantes A função principal do homem é a ação. Em decorrência, o pensamento verdadeiro não conflitará com os fins práticos da vida. Todas as crenças se medirão pelos seus resultados. (William James) O processo educativo tem como base a comunicação e o tutor deve estarpresente nos momentos vivenciados pelos estudantes. Um dos aspectos fundamentais dotutor é estabelecer uma relação junto aos estudantes que preze pelo clima cordial,humano, provocador (problematizador), que auxilia nas dúvidas no processo deaprendizagem, analisa e responde aos trabalhos acadêmicos realizados, sempremotivando os estudantes em suas tarefas e objetivos. O papel dos tutores em apoiar os estudantes envolve também interações menosformais e busca incentivar os estudantes a prosseguir seus esforços ao longo de umespaço de tempo. Quer seja iniciado pelos tutores ou pelos estudantes, o contato
  10. 10. contínuo desempenha um papel importante. Uma aproximação consistente ajuda osestudantes a sentirem que se encontram num ambiente de aprendizagem seguro, em queeles podem fazer perguntas, revelar as suas incertezas, e explorar novas dimensões dosseus estudos. Os tutores: ‘[...] consistentemente solidários, genuínos, abertos e respeitantes, geralmente desenvolvem um relacionamento mais aberto e de maior confiança com os estudantes, e facilitam aos estudantes a oportunidade de desenvolverem relacionamentos mais abertos e de confiança uns com os outros; o resultado é normalmente um clima de colaboração e de permuta no processo de aprendizagem’. (Poonwassie, 2001) Exemplo: Veja o feedback de um estudante da EaD para um tutor: Prezado Professor, ‘Muito obrigado pelo seu apoio e orientação durante o período do curso, sem os quais eu não teria sido capaz de concluir os meus trabalhos. Houve alturas em que eu passava semanas sem fazer os meus trabalhos, devido a exigências decorrentes das minhas obrigações, e os seus e-mails ajudaram-me sempre a reencontrar o caminho. Nem imagina como eu apreciei os seus e-mails. (Participante no Writing Effectively for UNHCR) De que forma as técnicas de apoio do tutor fizeram a diferença para este estudante da EaD? Veja que é possível confirmar a importância do apoio aos estudantes: • Mantendo o contato • Estando disponível para ajudar • Respondendo às perguntas. • Ajudando a resolver problemas que impeçam a aprendizagem • Identificando quando os estudantes precisam de um apoio adicional. O depoimento acima mostra a importância do contato do tutor para apersistência e para o sucesso da experiência do estudante em cursos a distância, fatocomprovado também por estudos (SSRG, 2002).
  11. 11. 3.2.1 O primeiro contato Imagine que você é um estudante novo na EaD, e que acabou de receber umpacote com materiais para um curso, ou que experimentou entrar no site do curso. Quaissão as dúvidas sobre o curso ou sobre o processo da EaD? Como é que pode obterresposta para as suas perguntas, e quem irá responder? Exemplo Comentário de um estudante sobre o valor do primeiro contato: ‘Fiquei sabendo que a minha candidatura ao curso tinha sido aceita quando recebi em casa um grande embrulho. Abri-o logo, mas não sabia por onde começar quando vi o material. Foi como que ter recebido um daqueles móveis num kit do gênero ‘monte você mesmo’, sem instruções claras. Fiquei preocupado durante vários dias, praticamente sem que tivesse feito alguma coisa; foi então que recebi uma mensagem da minha tutora. Na mensagem, ela apresentou-se, disse-me algumas coisas sobre o curso, e perguntou-me se eu queria perguntar alguma coisa. Foi como que se alguém tivesse me lançado uma corda para me rebocar. A partir daí já consegui orientar-me no curso. Em muitos programas de EaD não existe um equivalente claro à “data de início”que existe no ensino presencial. Alguns estudantes não sabem quando começar aestudar, mesmo que isso venha indicado nos materiais do curso. Eles esperam quealguém lhes diga quando devem começar. Os estudantes podem não estar cientes de que são responsáveis por iniciar osseus próprios estudos. Mesmo que exista no curso uma boa seção introdutória queexplique como programar os estudos e começar a trabalhar, é importante contatar osestudantes antes de iniciar o curso para: • Estabelecer uma comunicação. • Superar qualquer barreira de comunicação. • Dizer-lhes quando é hora de começar os estudos • Indicar-lhes que você está disponível para responder a questões.
  12. 12. • Transmitir-lhes a sua expectativa de que eles se mantenham em contato, façam perguntas sobre problemas, mantenham o seu calendário de estudos, entreguem trabalhos, participem em tutoriais ou outras atividades, etc. Uma mensagem típica para os estudantes poderia ser: ‘Bem-vindo ao curso sobre Tutoria Eficaz. O meu nome é Jane Smith, e sou a sua tutora. Espero que neste momento já tenha recebido os seus materiais para o curso (ou acessado o site do curso), e tenha tido oportunidade de explorar o seu conteúdo. (Se ainda não recebeu os materiais ou não acessou o site, por favor contate [nome do responsável pelo curso] no endereço ..., e envie-me uma cópia da sua mensagem). Sugiro que comece por conhecer o plano geral do curso, e que leia a introdução. Anote as suas dúvidas sobre como seguir o curso. Por favor, responda-me para que eu saiba que recebeu a minha mensagem e que está pronto para começar o curso. Quando me contatar, poderá colocar- me quaisquer questões adicionais. Lembre-se que a data de início do curso é (data), e que por essa altura já deveremos ter estabelecido contato. ’ A sua primeira comunicação irá definir o tom para futuras interações. O estilodepende do contexto, do meio (ambiente virtual de aprendizagem, telefone, carta, e-mail) e da natureza do curso. Em algumas situações, você poderá transmitir algo da suaprópria personalidade; noutras, poderá precisar ser mais formal e profissional, massempre amistoso e positivo. Ao contatar um estudante, anote a data e o propósito docontato.3.2.2 Manter o contato A maioria dos estudantes irá responder depois de você ter iniciado o contato. Éimportante que eles compreendam que o contato não é um evento esporádico, mas umprocesso contínuo. Alguns estudantes não respondem à mensagem de contato, o que deixa o tutorinseguro quanto à situação. Veja como o tutor pode acompanhar os estudantessilenciosos e manter o contato com eles: ‘Documento toda a minha correspondência com os estudantes (data do meu último e-mail e se eles responderam ou não). Para aqueles que não
  13. 13. responderam ao meu último e-mail, 10-12 dias depois vou à pasta "Itens enviados" do meu software de e-mail, procuro o último e-mail que enviei a esse estudante, e depois lhe reenvio a mensagem. Incluo também uma nova mensagem. Não se acanhe em contatar os estudantes com frequência, por receio deincomodá-los. Se um estudante responder à sua mensagem de boas-vindas, e não voltara contatá-lo, ele poderá ter partido do princípio de que a sua mensagem foi uma meracortesia, e que a partir daí ficaria entregue a si próprio durante o resto do curso. Umestudante descreve o que sentiu pela falta de contato: ‘Eu teria apreciado alguma outra interação. Há mais de 30 anos que eu não fazia um trabalho para classificação, e demorei cerca de 15 horas para fazê-lo (depois de o redigir pela terceira vez). Espero que o próximo seja menos desencorajador. (SSRG 40/2002) Uma mensagem do tutor para manter o contato pode ser algo simples como: ‘Olá. Espero que esteja achando a Unidade 2 interessante e útil para os seus objetivos pessoais. Não hesite em me contatar se tiver alguma questão que queira colocar ou algum comentário a fazer sobre a Unidade. A experiência do estudante num curso divide-se em várias etapas, e o tutorprecisa adaptar as suas comunicações em conformidade. Estas etapas vão desde umentusiasmo inicial ou apreensão, passando pela ansiedade do primeiro trabalho (epossivelmente ansiedade em posteriores trabalhos e exames) e ao longo de todo o curso.3.2.3. Registro do seu trabalho e de suas observações ao longo do processo Registrar cotidianamente o seu trabalho com os estudantes constrói a memóriado curso e será útil para a realização de sínteses avaliativas ao final de cada período.Para isso, você pode utilizar os instrumentos disponíveis no ambiente virtual deaprendizagem, para registrar os encontros, as dificuldades e os avanços observados noscontatos presenciais ou nas comunicações a distância. O principal fruto desses relatóriosé uma avaliação correta do processo de ensino-aprendizagem, identificando pontosfrágeis e demandas de aperfeiçoamento.
  14. 14. Seção 4. Estratégias pedagógicas para atividades no Moodle O ambiente Moodle apresenta interfaces de comunicação e gerenciamento deinformações que podem ser utilizadas pelo professor tutor para mediar as atividades,tanto na modalidade presencial quanto a distância. Estas interfaces ampliam o espaçopara discussão dos conceitos que são trabalhados nas disciplinas, permitindo que sejamestabelecidas práticas colaborativas de aprendizagem. Vamos destacar aqui algumas ferramentas e explorar as perspectivaspedagógicas para as atividades da disciplina: 4.1 Chats 4.2 Fóruns de Discussão 4.3 Diários 4.4 Tarefa 4.5 Wiki – Escrita colaborativa 4.6 Glossário 4.7 Perfil Extra Moodle: ferramentas denominadas de 4.8 Web 2.0: Blogs, Slideshare, Delicious, Google Docs, etc4.1 Chats Esta ferramenta é bastante conhecida e utilizada nas comunidades deaprendizagem. Existem vários canais que possibilitam a realização de encontros online,inclusive criando salas particulares para a realização das atividades. No Moodle o tutorpode criar salas de bate papo, ativando a edição e escolhendo Chat na lista de atividadesda seção à qual o bate papo irá pertencer. Será aberta uma janela para personalização dochat.Perspectivas pedagógicas: A realização dos chats com objetivos pedagógicos deve estabelecer algumasregras que serão construídas junto com o grupo, para possibilitar a participação detodos, bem como o atendimento das demandas dos usuários. Essas regras não têm o
  15. 15. objetivo de tolher ou inibir a participação dos sujeitos. Ao contrário: o objetivo é darvoz a todo o grupo, possibilitando a construção coletiva do conhecimento e evitando asensação de que se está imerso em uma torre de Babel, onde cada um fala uma línguadiferente. É muito importante que o tutor estabeleça, antes do “Chat”, questões quenortearão as discussões. Esses questionamentos devem estar relacionados com osconteúdos e conceitos que deseja discutir com os estudantes. Antes de finalizar o “Chat”, é fundamental fazer uma breve sistematização doque foi discutido, consolidando assim os objetivos de cada “Chat”. Os “Chats” tambémsão utilizados para criar espaços de socialização entre estudantes e tutores,principalmente em cursos totalmente a distância, com o objetivo de fortalecer o vínculoentre os sujeitos do processo de ensinar e aprender. Veja algumas orientações que podem ser úteis na prática: Lembre aos estudantes, com antecedência, a temática proposta para o chat. Inicie o bate-papo deixando claras as regras para a discussão. Defina claramente data, horário e como será a participação dos estudantes. Evite conversas paralelas e “fuga” do foco de discussão. Estimule os estudantes a realizarem a reflexão teórica proposta. Conduza o grupo a realizar todas as etapas do debate: apresentações, trocas de ideias e conclusão.4.2 Fóruns de Discussão O fórum de discussão é um espaço criado para a realização de discussões sobreuma determinada temática. Assemelha-se a uma lista de discussão, com a diferença deque os usuários têm acesso a todas as mensagens postadas, separadas por temas,metaforizando a concepção de árvore do conhecimento construída por Michel Authier ePierre Lèvy (1995). Assim, os fóruns de discussão se constituem em uma área onde os participantesdo curso podem realizar discussões assíncronas, ou seja, podem enviar mensagens arespeito de um determinado assunto, independentemente de outros usuários estaremconectados ao ambiente.
  16. 16. As mensagens são apresentadas em uma lista e conectadas ao tema principal dediscussão, gerando assim um enlace de comentários e respostas que nos permiteidentificar as conexões existentes entre as mensagens postadas.Perspectivas pedagógicas A ferramenta de fórum de discussão pode ser utilizada sob diferentesperspectivas pedagógicas, a depender do seu contexto didático. Os fóruns devem sermecanismos pautados pela liberdade de expressão. Isso faz com que o estudante sinta-seà vontade em participar, entendendo que é um espaço de construção de conhecimento,onde ele pode perguntar, argumentar e até mesmo errar. Devemos encará-lo como osdiálogos realizados na sala de aula, em que o professor dispara questões e estimula osestudantes a expressarem suas opiniões, corroborando ou contradizendo seus colegas.Contudo, como na sala de aula presencial, o professor ou tutor deve conter abusos,estipular limites e fomentar a participação dos mais tímidos. Pontuamos, a seguir,algumas orientações sobre a postura que o tutor deve assumir na administração defóruns de discussão: Esclarecer dúvidas quanto à dinâmica do fórum. Garantir a discussão proposta. Estimular os estudantes para o aprofundamento teórico proposto e também para a aprendizagem colaborativa. Mediar discussões de forma a permitir ampla participação. Sistematizar as ideias principais discutidas ao finalizar o fórum. Elaborar questões abertas e provocativas, que possam ser facilmente interpretadas e que estimulem a participação dos estudantes. Utilizar uma linguagem clara, não muito extensa nem demasiadamente acadêmica. Realimentar as discussões de forma equilibrada, para que os participantes encontrem espaço para interagir entre si. Cuidar para que as discussões possam ampliar as ideias, podendo com isso gerar subtemas, mas sem perder o foco, para que não ocorra uma pulverização de questões desarticuladas.
  17. 17. 4.3 Diários O diário é uma interface normalmente utilizada para os estudantes registrarem ocaminhar do processo pessoal de aprendizagem, ou para construir um texto que seráressignificado durante toda a disciplina. Apenas o tutor e o estudante têm acesso ao diário, que é uma ferramentaindividual. O tutor deve dar feedback ao que o discente registrou, levantandoquestionamentos ou simplesmente avaliando as reflexões postadas pelos estudantes,acompanhando avanços e recuos peculiares ao processo de aprendizagem.Perspectivas pedagógicas O diário se constitui em uma interface rica para os estudantes registrarem suasangústias, medos e avanços em relação ao processo de construção de conhecimento. Oaprendiz vai compreendendo, elaborando e internalizando suas aprendizagens, que sãomutantes e em um processo de metamorfose são transformadas e ressignificadas. Para o tutor, esses registros permitem acompanhar o caminhar do estudante,configurando-se assim, como um instrumento eficaz da avaliação formativa. Embora a trajetória da construção do conhecimento seja um processo único esingular, a ferramenta Diário permite que o professor, além de acompanhar os registrosdos estudantes, possa também registrar os seus feedbacks, elemento fundamental parafavorecer a ressignificação de conceitos por parte dos discentes, além de fortalecer aautoestima, na medida em que se sente escutado e valorizado enquanto sujeito.4.4 Tarefa Nesta ferramenta o tutor pode registrar as tarefas que deverão ser realizadaspelos estudantes durante a disciplina. As tarefas podem apenas apresentar o enunciadocom as orientações do que fazer, como, por exemplo: “Prezado estudante, faça a leitura do texto 01”, caracterizando uma tarefaoffline. Ou ainda pode trazer o registro de uma tarefa que deve ser postada no ambienteda disciplina em dia e horário pré-determinados, caracterizando uma tarefa online. A terceira possibilidade é “Texto online”. Esta opção possibilita que o estudanteproduza o texto no próprio ambiente Moodle, não necessitando anexar o arquivo. Neste
  18. 18. caso também é necessário informar se vai permitir novo envio do texto, informar sedeseja ser informado a cada vez que um estudante postar o texto e, por fim, se permitiráinserir comentários na frase.Perspectivas pedagógicas As tarefas se constituem em uma atividade que possibilitam ao estudante sedefrontar com o não saber, mobilizando-o, assim, a buscar resolver os problemas e/ouquestões propostos pelo tutor. Pode ser utilizada, quando o tutor quer investigar o nívelde conhecimento já construído pelo discente sobre determinado assunto.4.5 Wiki – Escrita colaborativa No “wiki” os usuários podem incluir, excluir, alterar e colocar observações nosparágrafos que vão sendo construídos coletivamente. O tutor irá acompanhar toda aprodução do grupo através do histórico. Produzir um texto coletivo se constitui em umgrande desafio que deve ser vivenciado. Assim, tutores e estudantes podem contribuir,interferir e mudar o texto, que deve assumir a forma de um caleidoscópio e setransforma a cada movimento.Perspectivas pedagógicas O Wiki se constitui em uma rica interface para exercitar a possibilidade deconstruir coletivamente com autonomia e cooperação. Contudo, os estudantes, demaneira geral, encontram grandes dificuldades em produzir coletivamente,considerando que não fomos educados para isso. Tal dificuldade se apresenta naprodução do texto que assume muitas vezes a forma de uma colcha de retalhos, já queos estudantes tendem a incluir parágrafos sem efetivar a ligação entre eles, não sesentem à vontade para interferir no texto do outro e quando o fazem podem melindrar ocolega que postou a mensagem inicial. Dessa forma, trabalhar com essa interface se constitui um grande desafio. Otutor deve estar atento para mediar essa produção, implicando os estudantes,incentivando a produção coletiva. Em algumas circunstâncias, as dificuldades dos estudantes podem até inibir aparticipação no texto coletivo. Neste caso, o ideal é criar grupos de trabalho com no
  19. 19. máximo três pessoas, para que façam o exercício de produzir coletivamente em umpequeno grupo com colegas com que já tenham algum tipo de afinidade.4.6 Glossário Esta ferramenta é bastante eficaz para criação de um banco de dados com termosespecíficos de cada área, levando os estudantes a pesquisar e construir juntos ossignificados para as terminologias e conceitos fundamentais da disciplina.Perspectivas pedagógicas A mediação do glossário como uma construção coletiva possibilita aosestudantes a utilização de conceitos como classificação, seriação, inclusão, organização,análise e síntese, essenciais para o desenvolvimento do raciocínio lógico matemático. A atividade com o glossário pode ser iniciada na primeira unidade e, durantetoda a disciplina, os estudantes podem ir construindo e ressignificando suas inserçõesconceituais e terminológicas.4.7 Perfil Esta interface é fundamental para facilitar o processo de comunicação entreestudantes e tutores. É através do Perfil que estes sujeitos registram seus dados pessoaisque estarão disponíveis para todo o grupo, permitindo que sejam estabelecidos vínculosa partir das afinidades de interesses. Portanto, é importante que os usuários não sejammuito sucintos ao preenchê-lo, mas registrar aspectos que julga importante as pessoassaberem.Perspectivas pedagógicas O preenchimento do perfil é fundamental em um curso a distância, poispossibilita mapear um pouco sobre os desejos e interesses do grupo, permitindointervenções mais contextualizadas com as demandas dos sujeitos aprendentes.
  20. 20. 4.8 Web 2.0: Blogs, Slideshare, Delicious, Google Docs, etc As ferramentas da Web 2.0, tecnologias emergentes, possibilitam um ambientepara o trabalho colaborativo e estímulo à escrita, provendo uma comunicação mais ricae dinâmica. Os blogs, o slideshare, a Wikipédia, os podcasts, o Delicious, o RSS,são apenas alguns exemplos de ferramentas que fazem parte da variedade de sistemasdisponíveis hoje na Web 2.0. Há uma ampla variedade de ferramentas disponíveis, que o professor podeutilizar em suas práticas didáticas, tais como: softwares para criação de redes sociais(Blogs, FaceBook); aplicativos para edição colaborativa (Blogs, Wikis, Podcasts,Google Docs); aplicativos de comunicação online (Skype, VoIp, Google Talk);aplicativos para acesso a vídeos (YouTube); aplicativos para bookmark social(Delicious); aplicativos que permite aos usuários da internet se inscreverem em sites quefornecem "feeds", se inscrever em sites e acompanhar atualizações (RSS) Desta maneirao utilizador pode permanecer informado de diversas atualizações em diversos sites semprecisar visitá-los um a um. Estas ferramentas, quando o Moodle é configurado aberto, podem facilmenteserem agregadas ao conjunto das demais funções do ambiente, enriquecendo depossibilidades a prática educativa.O Moodle se constitui, hoje, em um ambiente rico de potencialidadespedagógicas e, a cada ano, a comunidade mundial que é responsável pelodesenvolvimento do ambiente cria novas interfaces para promover diferentespossibilidades de aprendizagem. O importante é explorar as interfacesidentificando aquelas que mais se adequam aos seus objetivos. As interfaces mais utilizadas foram apresentadas nesta seção. O objetivo não é setornar um receituário, e sim sinalizar um olhar diferenciado para as possibilidadespedagógicas deste ambiente.
  21. 21. Seção 5. Conclusão A educação e formação de estudantes são atividades específicas, comprometidascom a realização do sujeito em todas as perspectivas de vida: humana, social,profissional, política, tecnológica, ética e crítica da sociedade. Por mais que mudem aspráticas, os meios, a ação do professor permanece como fundamental para apoiar osprocessos de aprendizagem. Este texto procurou mostrar as especificidades da ação doprofessor na mediação pedagógica em ambientes virtuais de aprendizagem. Iniciamos com a reflexão dos novos papeis que o professor vem assumindo naeducação mediatizada por tecnologias digitais. Um desses papeis é o do professor tutor,aquele que está em contato direto com os estudantes. A Seção 2 enfocou a definição e o perfil do professor tutor. Embora existamdiferentes definições, elas apontam para três características do trabalho do professortutor: desempenhar uma ação social, atuar como mediador do processo de aprendizageme promover a autonomia do participante. Estudamos as qualidades do professor tutor,entre elas a de possuir uma clara concepção de aprendizagem e estabelecer relações deempatia com os seus interlocutores. Entre os atributos, você viu que a afetividade é umdos fatores importantes no relacionamento de tutor e estudante. O tutor ideal é alguémabordável como uma pessoa real, que reflete sobre a ação dos estudantes e conseguefornecer comentários completos e encorajadores. Para finalizar, vimos as competênciasessenciais e as habilidades exigidas para realizar o apoio aos estudantes, bem como oslimites da ação do tutor. A Seção 3 do texto procurou mostrar o que faz o professor tutor. Você viu que astarefas da tutoria podem ser classificadas em três aspectos: pedagógico, organizativo esocial. Concentramos no papel do tutor em apoiar os estudantes, mostrando, comexemplos e depoimentos, algumas estratégias que podem ser utilizadas neste trabalho.Para concluir esta seção, apresentamos algumas estratégias pedagógicas que podem serpensadas em atividades no Moodle. Desejamos que os novos conhecimentos e reflexões tenham sido significativospara você e que possam ser agregados à sua prática. Não esgotamos aqui as reflexõesnecessárias, seu conhecimento deve ser solidificado de forma coletiva e cooperativa. Para tanto convidamos você a participar das discussões do Fórum, fazer asatividades avaliativas que estão publicadas no Moodle do curso e aprofundar os estudos
  22. 22. com os textos adicionais que estão à sua disposição. Não deixe dúvidas pendentes. NoMoodle você tem um canal de acesso à professora, que está à disposição para ajudar emqualquer dúvida. Após estes últimos encaminhamentos você poderá considerar terminada estaetapa. Desejamos muito sucesso em todas as experiências que você vier a colocar emprática como professor, seja em sala de aula quanto nos ambientes virtuais.
  23. 23. SAIBA MAISSites: O papel da tutoria em ambientes de Ead http://www.abed.org.br/congresso2004/por/htm/022-tc-a2.htm A importância do tutor no processo de aprendizagem a distancia http://www.rieoei.org/deloslectores/947Barros.PDF O papel do tutor na Educação a Distância http://www.timaster.com.br/revista/artigos/main_artigo.asp?codigo=1170Livros: KENSKI, Vani. Tecnologias e Ensino presencial e a distância. Campinas, SP: Papirus, 2003. P. 91-97. KENSKI, Vani Moreira. Educação e Tecnologias: o novo ritmo da informação. Campinas, SP: Papirus, Coleção Papirus Educação, 3ª edição. 2007.

×