Estrutura Interna da Terra
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Estrutura Interna da Terra

on

  • 9,892 views

 

Statistics

Views

Total Views
9,892
Views on SlideShare
9,047
Embed Views
845

Actions

Likes
2
Downloads
186
Comments
1

9 Embeds 845

http://geografiageoradical.blogspot.com 412
http://geografiageoradical.blogspot.com.br 386
http://www.slideshare.net 17
http://cie6keditfundamental.jimdo.com 11
http://geografiageoradical.blogspot.pt 9
http://www17.jimdo.com 5
http://www.google.com.br 2
http://geografiageoradical.blogspot.it 2
http://geografiageoradical.blogspot.mx 1
More...

Accessibility

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Estrutura Interna da Terra Presentation Transcript

  • 1. Geografia Física Prof: Cleiton Costa Denez
  • 2.
    • Conteúdos:
    • Origem da Terra e da vida;
    • Tempo geológico;
    • Teoria da Deriva continental;
    • Teoria das placas tectônicas.
  • 3. Explicações para diversificação Creacionismo Ato sobrenatural Geração espontânea Vida matéria bruta Transmutação Uma espécie da origem a outra fixismo
  • 4. Tempo Geológico
  • 5.
    • Geocientístas diferenciam-se dos demais pesquisadores devido à forma como abordam o tempo:
  • 6. História da Terra
    • TEMPO PROFUNDO
    • (Bilhões a várias centenas de anos)
    É como tentar contar uma história de um livro que tem páginas faltando ou que capítulos inteiros foram perdidos
  • 7. Escala de tempo geológico representa a linha do tempo desde a formação da Terra o até presente.
  • 8. Formas de representar o tempo geológico
    • Quadro Estratigráfico Internacional
    • da Comissão Internacional sobre Estratigrafia
    • (2006)
  • 9.
    • Éons Hadeano, Arqueano e Proterozóico: 87% da história da Terra
  • 10.
    • Meses do ano:
    • jan-jun: Éon Arqueano
    • jun-nov: Éon Proterozóico
    • nov-dez: Éon Fanerozóico
    • Início do Cambriano: 18/11 às 09:36h - (18 a 21/11)
    • Primeiros membros do gênero Homo: 31/12 às 19:12h (2Ma)
  • 11. Fósseis Fossiles = extraído da terra
  • 12.  
  • 13.  
  • 14. Conceito É considerado fóssil qualquer indício da presença de organismos que viveram em tempos remotos da Terra. Um fóssil animal forma-se quando as partes moles do corpo se decompõe, mas seu esqueleto é substituído por minerais do solo.( mineralização). Processo semelhante pode ocorrer com troncos de árvores são recobertos de lava, e a sílica substitui a madeira.
  • 15. importância
    • Representa a possibilidade de conhecermos organismos que viveram na Terra em tempos remotos, sob condições ambientais distintas das encontradas atualmente, e que podem fornecer indícios de parentesco com as espécies atuais. Por isso, os fósseis são testemunhos da evolução.
    • Conhecermos a morfologia de espécies extintas, e até seres com características intermediárias.
    • ( Archaeopteryx) = réptil + ave
    • Forte elo sobre a teoria da Transmutação das espécies.
  • 16.  
  • 17.
    • História da Terra
  • 18. Formação da Terra Pré-Cambriano
  • 19. Violenta fase inicial da terra, quando planeta foi bombardeado por meteoritos e a crosta sofreu intenso retrabalhamento
  • 20. Bombardeamento Vulcanismo
  • 21. Formação da Lua
  • 22. Bombardeamento gerou oceano de magma temporário
  • 23. Magma solidificou-se na crosta inicial,resfriamento da Terra
  • 24. Formação dos protocontinentes; Formação dos oceanos (2.5 Ga- já apresentava 90% do volume de água dos oceanos atuais). Mares rasos;
  • 25. Cianobactérias 3.500 Ma primeiros quimiofósseis 3.800 Ma ??????
  • 26. Estruturas laminadas construídas por cianobactérias Atualmente vivem em lagos salinos (e.g., Shark Bay, Australia) / ambientes salinos termais (gêiseres)
  • 27. Mudanças atmosféricas :proteção UV
  • 28. EXPLOSÃO CAMBRIANA (543 a 520 M.a.) PALEOZÓICO - CAMBRIANO Aparecimentos da maioria dos filos animal e protozoa
  • 29.  
  • 30.  
  • 31.  
  • 32.  
  • 33.  
  • 34.  
  • 35.  
  • 36.  
  • 37.  
  • 38.  
  • 39.  
  • 40.  
  • 41.  
  • 42.  
  • 43. Alfred Wegener - 1910 Cientista alemão Livro: A origem dos continentes e oceanos Pangea Teoria da deriva continental
  • 44. Observando a semelhança entre os contornos dos litorais da América, Europa e África, e também: suas estruturas mineralógicas, de fauna e flora. Wegener propôs que a a cerca de 200 milhões de anos, os continentes estariam todos unidos, formando um só bloco continental, o pangéia , cercado por um massa líquida, mar de thethys.
  • 45. Evidências de Wegener - GEOGRÁFICAS : as linhas da costa de alguns continentes encaixam perfeitamente.
  • 46.  
  • 47. - PALEONTOLÓGICAS : Fósseis de glossopteris *
  • 48. - CLIMÁTICAS : Evidências de glaciações há 300Ma
  • 49. Poucos consideraram validas as idéias de Wegener . Um dos poucos que apoiaram o inglês Arthur Holmes, elaborou em 1928, a hipótese da expansão dos fundos oceânicos, baseando-se nos movimentos de convecção do magma na astenosfera. Para Holmes, o movimento circulatório do magma empurraria os continentes. No inicio dos anos 60, a hipótese de Holmes se confirmou, ou seja, provou-se que os assoalhos oceânicos se deslocando a partir das dorsais, que são cordilheiras meso-oceânicas.
  • 50. Anos 50 – Ressurgimento da teoria Com o uso de sonares descobriu-se um ambiente geologicamente mais ativo do que se pensava.
    • Cadeia meso-oceânica
    • maior fluxo térmico
    • forte atividade sísmica e vulcânica
  • 51. Anos 60 Geocronologia- rochas do fundo oceânico eram cada vez mais jovens conforme se aproximavam da dorsal. Por quê?
  • 52. Paleomagnetismo Padrão "zebrado" de anomalias do assoalho oceânico Rochas que guardam um registro magnético do campo vigente em sua formação Minerais ferromagnéticos Vine e Mathews-1963 Bandas de rochas “normais”, alternado com rochas magnetizadas inversamente. Explicação Expansão do assoalho oceânico e Reversões do campo geomagnético Como?
  • 53. Correntes de convecção Astenosfera Litosfera Teoria da tectônica global - Hess
  • 54.  
  • 55.  
  • 56. A partir dessas constatações, chegou-se a conclusão de que não somente os continentes estariam em movimentando e, sim, blocos maiores, pedaços da crosta formados por parte continentais e oceânicas (o fundo ou assoalhos dos oceanos)‏ Com isso a teoria da deriva continental, evoluiu para a chamada teoria de tectônica de placa.
  • 57. Litosfera: espessura variada compartimentada por falhas e fraturas profundas Placas Tectônicas
  • 58. Os movimentos das placas tectônicas
  • 59. diferença de densidade Limites convergentes- colisões 3. continental - continental 1. oceânica - continental 2. oceânica - oceânica
  • 60. Subducção (convergente): processo em que as placas movem-se uma em direção a outra, porém no momento do choque a placa oceânica (mais densa) mergulha em direção ao substrato magmático. Ex: Encontro da placa de Nazca com a Sul Americana, formando a cordilheira dos Andes.
  • 61. 1. oceânica - continental
  • 62.
    • Quanto maior o angulo de mergulho mais próximo será a fossa
    2. oceânica - oceânica
    • Arcos de ilhas
    • fossa
  • 63. Dorsal do Leste-Pacífico Dorsal Meso Atlântica Dorsal do Sudeste Indiano Limites divergentes Dorsais oceânicas ou “montanhas submarinas”
  • 64. Divergentes: processo em que duas placas se afastam. Ex: Placas Sul Americana e Africana. Formação da Dorsal do Atlântico e do próprio oceano atlântico
  • 65. Fragmentação de uma massa continental e desenvolvimento de margens continentais passivas .
    • Formação de oceano pela atividade das dorsais
  • 66. Margens continentais ativas
    • limites de placas convergentes
    • orogênese
  • 67. Margens continentais passivas
    • originam-se na formação de novos oceanos
    • fruto do movimento divergente entre as placas
    • rifteamento - Rift Valley
  • 68. Junção Tríplice no Oriente Médio Rift Valley
  • 69. A placa torna-se mais fria e mais espessa ao se afastar da dorsal, fazendo no limite uma superfície inclinada. Movimentos convergentes e divergentes
  • 70. Falha de San Andreas `` Limites conservativos Deslisamento lateral-FALHAS
  • 71. Colisões: Feições geológicas e associações litológicas
  • 72. Atividade vulcânica
  • 73.
    • Pontos quentes no manto
    • (plumas do manto)
    • Estacionários.
    • formam cordilheiras
    • submarinas por atividade
    • vulcânica.
    • usados para saber a
    • velocidade da placa
    • (datação radiométrica)
    Hot spots
  • 74. hot spot muito profundo e estacionário da placa Pacífica que está em movimento a uma taxa de 10cm/ano Honolulu, Waikiki...
  • 75.
    • Aglutinação e fragmentação dos continentes ocorreram várias vezes na história do planeta
    Dança dos continentes
  • 76.