Your SlideShare is downloading. ×
APH Dea
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

APH Dea

12,403
views

Published on


0 Comments
5 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
12,403
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
432
Comments
0
Likes
5
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. CORPO DE BOMBEIROS DOIS IRMÃOS ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR - DEA PAQP 2008 - INSTRUTOR TENENTE MAICÁ
  • 2. REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR (RCP) Reanimação cardiopulmonar é o conjunto de manobras realizadas para restabelecer a ventilação pulmonar e a circulação sangüínea, tais como, respiração artificial e compressão cardíaca externa. CORRENTE DA VIDA
  • 3. REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR (RCP)
    • CAUSAS:
    • Doenças do pulmão;
    • Trauma;
    • Obstrução de vias aéreas por inconsciência (queda da língua em contato com as partes moles da boca);
    • Obstrução de vias aéreas por corpo estranho (OVACE);
    • Acidente Cardiovascular (AVC);
    • Overdose por drogas;
    • Afogamento;
    • Inalação de fumaça;
    • Edema da glote e laringite;
    • Choque elétrico;
  • 4. REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR (RCP)
    • Constatado inconsciência: solicitar atendimento de emergência
    • Liberar vias aéreas superiores
    • Verificar a respiração
    • Inspecionar a cavidade oral e efetuar 2 ventilações, boca a boca ou com qualquer meio de barreira (protetor)
    • Verifique pulso carotídeo
    • Se ausente:
    • Efetuar 30 compressões torácicas
  • 5.
    • DETERMINAR A INCONSCIÊNCIA
    • Tocando nos ombros
    • Chamando a vítima
  • 6. LIBERAÇÃO DE VIAS AÉREAS TRAÇÃO MANDIBULA
  • 7. LIBERAÇÃO DE VIAS AÉREAS TRACIONAMENTO
  • 8. LIBERAÇÃO DE VIAS AÉREAS CÂNULA DE GUEDEL
  • 9. VENTILAÇÃO BOCA-BOCA BOCA-NARIZ AMBÚ-MASCARÁ
  • 10. VERIFICAÇÃO DE PULSO
  • 11. POSICIONAMENTO
    • Paciente no chão ou maca dura,em decúbito dorsal.
    • Se possível elevar os membros inferiores.
  • 12. Posicionamento das mãos
  • 13.  
  • 14. PONTO DE COMPRESSÃO
  • 15. PONTO DE COMPRESSÃO
  • 16. COMPRESSÃO TORÁCICA EXTERNA (CTE)
  • 17.  UM SOCORRISTA: 02 respirações artificiais e 30 compressões cardíacas.  DOIS SOCORRISTAS: 02 respirações artificiais e 30 compressões cardíacas. MANOBRAS
  • 18. DEA (desfibrilador externo automático) DEA é um aparelho que incorpora um sistema de análise de ritmo e um sistema de aviso de choque para vítimas de parada cardíaca . O DEA avisa sobre o choque indicado para cada paciente e o operador deve tomar a decisão final de deflagrá-lo.
  • 19. As normas internacionais para ressuscitação cardio-pulmonar (RCP) e cuidados cardiovasculares de emergência concluem que a ressuscitação cardio-pulmonar precoce é o melhor tratamento de parada cardíaca até a chegada de um DEA e de uma unidade de suporte avançado de vida.Por isso jamais deixe de prestar socorro só porque irá chegar um DEA. A cadeia de sobrevivência inclui uma série de ações criadas para reduzir a mortalidade associada à parada cardíaca. A RCP precoce desempenha um papel fundamental na cadeia de sobrevivência, que inclui os seguintes tópicos: 1)Reconhecimento precoce de parada cardio-respiratória; 2)RCP precoce; 3)Desfibrilação precoce quando indicada e; 4)Suporte avançado à vida precoce. A RCP precoce pode prevenir que a fibrilação ventricular evolua para assistolia, Papel do DEA na Cadeia de Sobrevivência
  • 20. AÇÕES QUE INTEGRA RCP E DESFIBRILAÇÃO
  • 21.
    • DETERMINAR A INCONSCIÊNCIA
    • Tocando nos ombros
    • Chamando a vítima
  • 22. RESPIRAÇÃO
    • Manejo:
    • Elevação do mento (Chin Lift) 1 mão
    • Tração da mandíbula (Jaw Thrust) 2 mãos
    • Uso de cânula orofaríngea (pacientes inconsciente)
    • * Nunca Hiper-Extender
  • 23. RESPIRAÇÃO CORRETO - Pescoço em leve extensão INCORRETO - flexão do pescoço INCORRETO - Hiperextensão do pescoço Posicionamento
  • 24. VENTILAÇÃO BOCA-BOCA BOCA-NARIZ AMBÚ-MASCARÁ
  • 25. VERIFICAÇÃO DE PULSO
  • 26.
    • NÃO HÁ PULSO!!!!!!!!
    • Inicie o ciclo de RCP
    • Este ciclo se quebra com a chegada
    • do DEA.
    • Passos do DEA:
    • Ligue o aparelho, conecte os cabos, fixe as pás ao tórax despido da vitima;
    • Pressione o botão “ Análise “ ou aguarde análise automática;
    • Se receber a mensagem “choque não indicado”, retorne para o inicio do ABCD, fornecendo RCP e analisando a cada minuto.
    • Se o choque estiver indicado, afaste todos e pressione “Choque” , repita a seqüência análise-choque por até três vezes.Após três vezes proceda como choque não indicado.
  • 27. .ABC se não houver pulso .Realizar RCP até um DEA ser ligado .Pressione “analizar” Desfibrilar até 3 vezes se necessário No caso de FV/TV persistente (200j, 200-300j, 360j). CHECAR PULSO PULSO AUSENTE PULSO PRESENTE RCP por 1 minuto Checar pulso, se ausente Pressione “analizar” Desfibrile até 360j Repetir 3 vezes RCP por 1 minuto Checar pulso, se ausente Repetir sequencias de 3 choques sucessivos com até 360j. Retorno da circulação espontânea Avaliar sinais vitais Manter vias aéreas Encaminhar ao Suporte Avançado
  • 28. POSIÇÃO DOS ELETRODOS A posição do eletrodo para desfibrilação e cardioversão torna-se um aspecto muito importante. Os eletrodos devem ser colocados em uma posição tal que possam maximizar o fluxo da corrente através do miocárdio. A colocação recomendada é ântero-apical (esternal). O eletrodo anterior é colocado á direita da parte superior do esterno, abaixo da clavícula e o eletrodo do ápex é colocado á esquerda do mamilo, sendo que seu centro deve estar na linha médio-axilar. Muito cuidado com excesso de gel nas pás que não são fixas ao corpo, pois ele pode ser um condutor de choque elétrico para o operador do DEA e provocar queimaduras na vitima.
  • 29. Orientações Pediátricas A parada cardíaca na faixa etária pediátrica é raramente causada por FV. Portanto, a desfibrilação quase nunca é importante em procedimentos de ressuscitação pediátrica e certamente não deve ter prioridade sob os procedimentos de desobstrução das vias aéreas. A recomendações é de que ao DEA, atualmente disponíveis, não devem ser usadas em paradas cardíacas de recém-nascido, porque estes aparelhos não oferecem os níveis baixos de energia necessários, para uma desfibrilação em pacientes pediátricos. E para crianças com mais de 8 anos, a recomendação é de seguir os procedimentos operacionais padrões. Geralmente as paradas cardíacas em crianças ocorre após uma parada respiratória a qual na maioria das vezes acontecem por obstrução das vias aéreas, estes casos costumam resolver-se com o suporte respiratório e desobstrução das vias aéreas. Mas se for necessário a desfibrilação recomenda-se 2j/kg, podendo duplicar essa energia em caso da primeira desfibrilação der negativa. As pás devem ser colocadas longe das estruturas ósseas pois elas são más condutoras de energia, e deve haver uma distância de 2,5 á 5 cm entre as pás.
  • 30. Orientações DEA
    • Se possível sempre posicionar o DEA a esquerda da vítima, próximo a cabeça.
    • Ter sempre o cuidado de não haver água nem perto do aparelho e nem da vítima.
    • Estar sempre com as cargas e baterias de DEA carregadas pois você nunca saberá quando irá precisar.
    • Ter sempre pás extras.
    • Nunca se desvie dos passos do DEA
    • Jamais tome uma decisão contraria ao aparelho.
    • Certifique-se sempre da vitima estar imóvel ao iniciar o procedimento de analise.
    • Jamais utilize um DEA dentro de um veiculo em movimento.
    • Nunca use as pás sob roupas, por mais finas que elas sejam.
  • 31. Quando podemos parar o RCP com ou sem DEA:
    • Quando a vítima apresentar batimentos cardíacos
    • Quando chegar ajuda especializada
    • Quando não tivermos mais condições físicas
  • 32. ESTEJA SEMPRE PRONTO A AJUDAR