124475 s agrupo 4 - definitiva

456 views
319 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
456
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
51
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

124475 s agrupo 4 - definitiva

  1. 1. SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEMSITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM ELABORADA PELOSINTEGRANTES DO FÓRUM GRUPO 4- CURSO: MELHOR GESTÃOMELHOR ENSINO-TURMA 248/2013-DIRETORIA DE ENSINO DESÃO CARLOS-SP.FORAM READAPTADAS AS SITUAÇÕES DE APRENDIZAGEM DOGRUPO PRESENCIAL DE VALQUÍRIA, MARGARETE E IRAÍDESPARA CHEGAR A ESTA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM FINAL DEGRUPO COM ATIVIDADES DE LEITURA E ESCRITA COM BASENO TEXTO : O PRIMEIRO BEIJO, DE ANTÔNIO BARRETO.INTEGRANTES:ANAPAULA ORTIZANAY DE CÁSSIA ALMEIDA VITALIIRAÍDES DE FÁTIMA BOGNI PALERMOMARGARETE APARECIDA GUILARDI SOARESVALQUÍRIA BENVINDA DE OLIVEIRA CARVALHO
  2. 2. Introdução sobre a Prática de Leitura ... o cidadão, para exercer plenamente suacidadania, precisa apossar-se dalinguagem literária, alfabetizar-se nela,tornar-se seu usuário competente, mesmoque nunca vá escrever um livro: masporque precisa ler muitos.(LAJOLO, 2000, p. 106) Ler é sempre colocar questões a umtexto: é um ato voluntário que evocamospreviamente. É por isso que um texto podeser compreendido de diversas maneiras.Pretender que exista uma única forma“correta” de interpretar um poema, umromance ou qualquer outro texto, éimpedir que o leitor coloque as questõesque deseja, que são cabíveis para ele; é,portanto, anular a construção de suaprópria compreensão (BARBOSA,1994, p.118).
  3. 3. ObjetivoDesenvolver habilidades de leitura de textosnarrativos; despertar a sensibilidade para otexto literário; desenvolver a habilidade deinterpretação escrita e produção de texto, esanar defasagens apresentadas no processoensino-aprendizagem constatadas nos alunosdo 9º ano do Ensino FundamentaI, através daavaliação em processo/13.Duração das atividades5 a 8 aulasEstratégias e recursos da aula Apresentar aos alunos as imagens, letrasde músicas e vídeos com tema românticode personagens de novela. Solicitar queobservem com atenção a relaçãoapresentada entre as personagens, eulírico e o tema da canção, cenas do vídeo esua relação com a letra de música; Solicitar que façam o levantamento dehipóteses sobre o tema da aula BEIJO ejustifiquem as hipóteses levantadas.
  4. 4. Habilidades a serem exploradasantes da leitura integral do texto Levantamento do conhecimento préviosobre o assunto; Antecipação do tema ou ideia principal apartir dos elementos paratextuais; Antecipação do tema ou ideia principal apartir do exame de imagens; Explicitação das expectativas de leituraa partir da análise dos índicesanteriores.Habilidades a serem exploradasdurante a leitura integral do texto Esclarecimento de palavrasdesconhecidas a partir de inferência ouconsulta a dicionário; Busca de informações complementarespor meio de consulta a Internet e outrasfontes.
  5. 5. Diálogos intertextuais de diferentesgêneros e variedade linguística emlinguagem verbal e não verbal Texto: CAPÍTULO XIV / O PRIMEIRO BEIJO, do livroMemórias Póstumas de Brás Cubas, de Machado deAssis; Letra da canção “Aquele Beijo” do grupo Nossosentimento; Galeria de fotos retiradas de sites do google.COMPETÊNCIAS E HABILIDADES ARECUPERAR: Organizar em sequência lógica itens deinformação explícita, distribuídos aolongo de um texto; Inferir informação pressuposta ousubentendida em um texto literário, combase na sua compreensão global; Identificar e reconhecer o vocábulo e suasrelações sócio-linguísticas; Inferir opiniões ou conceitospressupostos ou subentendidos em umtexto.
  6. 6. ATIVIDADES: Levantamento de hipóteses; Linguagem/Vocabulário; Leitura ; Compreensão; Interpretação; Pesquisa; Produção textual.Procedimentos de LeituraOs procedimentos de leitura especificados abaixo estãoembasados, principalmente, no texto de Roxane Rojo:Letramento e capacidades de leitura para a cidadania.Segundo ROJO, “... ser letrado e ler na vida e na cidadaniaé muito mais que isso: é escapar da literalidade dostextos e interpretá-los, colocando-os em relação comoutros textos e discursos, de maneira situada na realidadesocial, é discutir com textos, replicando e avaliandoposições e ideologias que constituem seus sentidos; éenfim, trazer o texto para a vida e colocá-lo em relaçãocom ela. Mais que isso, as práticas de leitura, na vida sãomuito variadas e dependentes do contexto, cada um delesexigindo certas capacidades leitoras e não outras.”Algumas capacidades de compreensão ou estratégiasindicadas por ROJO, também foram seguidas, como:
  7. 7. I-)“Ativação de conhecimentos de mundo: previamenteà leitura ou durante o ato de ler, o leitor estáconstantemente colocando em relação seuconhecimento amplo de mundo com aquele exigido eutilizado pelo autor no texto”;II-) “Antecipação ou predição de conteúdos oupropriedades de textos: o leitor não aborda o textocomo uma folha em branco. A partir da situação deleitura, de suas finalidades, da esfera de comunicaçãoem que ele se dá; do suporte do texto (livro, jornal,revista, out-door, etc); de sua disposição na página; deseu título, de fotos. legendas e ilustrações, o leitorlevanta hipóteses tanto sobre o conteúdo como sobre aforma do texto ou da porção seguinte de texto queestará lendo. Esta estratégia opera durante toda aleitura e é também responsável por uma velocidademaior de processamento do texto, pois o leitor nãoprecisará estar preso a cada palavra do texto, podendoantecipar muito de seu conteúdo. [...].”Estratégias e recursos da aula:1ªEtapa:Apresentar as imagens aos alunos e pedir queobservem com atenção a relação apresentada entre aspersonagens das cenas e o título do texto que irão ler“O Primeiro Beijo”. Solicite que façam olevantamento de hipóteses sobre o tema e justifiquemessas hipóteses levantadas:
  8. 8. A partir do título do texto “O Primeiro Beijo” e as imagenssocializadas, quais as perspectivas de leitura quepodemos obter?1. Como foi sua experiência do primeiro beijo? Comoaconteceu? Com quem? Foi importante?2. Quando você pensa apenas na palavra beijo, queoutras palavras lhe vêm em mente?2ª ETAPA:O professor deve mostrar algumas imagens com tipos debeijos, colocar uma música ambiente e solicitar aosalunos que observem detalhadamente a ação e aspersonagens de cada cena; em seguida deve perguntaraos alunos quais as sensações e emoções conseguiramabstrair e o que interpretaram. A seguir, solicitar quecitem adjetivos que possam classificar cada beijo. (Oprofessor poderá elencar alguns exemplos para facilitaresta etapa)Sugestão de adjetivos:* afetuoso* ardente* delicado* meigo* romântico* carinhoso* amigável* fraterno* insignificante* debochado* intenso* ingênuo
  9. 9. 3ª ETAPA:O Gênero Música e o TemaTarefa:Aluno: Deverá trazer letras de músicas que toquem no temapara socialização e desenvolvimento desta etapa.Professor: Trará a letra da canção “Aquele Beijo” do grupoNosso sentimento, xerocada para os alunos. Fará umaleitura compartilhada, colocará a música para que ouçam e,em seguida, resolverão a atividade proposta:Aquele BeijoGrupo Nosso Sentimento(Composição: Shmuel Pharel)Passei a semana inteira sonhando comAquele beijo e, enfim, chegou a sexta-feira.Estou contando as horas pra te encontrar.Estou cheio de saudade. Veja só o que me fez:Fiz tabuada na aula de Português;Contei história do Brasil na aula de Inglês.Que loucura!Já nem sei mais o que é certo!Estou confundindo MPB com Rock nRoll.Depois do beijo eu nem sei mais o que sou.
  10. 10. Só tenho a certeza que quero é ser feliz contigo.Esse desejo vai me enlouquecer.Eu não consigo ficar longe de você. Vou te esperar!Quando você chegar no nosso showVou gritar no microfone que eu souO homem mais feliz do mundoPorque ganhei o seu amor(http://letras.mus.br/grupo-nosso-sentimento/551069/)Proposta de atividade:1- Após a leitura da letra da música, questione os alunosse é possível identificar qual é o perfil psicológico eemocional que o eu lírico deixa transparecer nacanção?2- Em caso afirmativo, peça a eles que identifiquem quaistrechos confirmam esta afirmação:3- Os versos 5 e 6 /7 e 8 da canção, demonstram o estadoemocional do eu-lírico. Que estado é esse? Justifique omotivo deste estado:4- Alguém já se sentiu como o eu lírico desta canção?Gostaria de relatar esta experiência?4ª ETAPA :O Tema e o Gênero Comédia RomânticaFormato: TelenovelaGênero:Comédia RomânticaFinalização das etapas de predição e levantamentodehipóteses para trabalharmos os textos principais destaSituação de Aprendizagem:
  11. 11. Sugestão:O professor poderá trazer um vídeo com tema deabertura de novela e apresentar aos alunos o tema emquestão. Fazer alguns comentários sobre o quãoimportante é a escolha de um tema de novela, filmes,teatros e até mesmo livros, bem como a importância daescolha do título que vai aguçar o interesse dointerlocutor pelo(s) assunto(s) que será(ão)abordado(s):O tema beijo já foi estímulo para várias aberturas denovelas, a mais recente foi a novela “Aquele beijo”:(Leia os trechos abaixo retirados do site Wikipédia-aenciclopédia livre).“Aquele Beijo” é uma telenovela brasileira produzida eexibida pela Rede Globo, de 17 de outubro de 2011 a 13 deabril de 2012, em 155 capítulos, substituindo Morde &Assopra e sendo substituída por Cheias de Charme.Escrita por Miguel Falabella, com colaboração de FlávioMarinho, Antônia Pellegrino, Luiz Carlos Goes eAlessandra Poggi3, e com direção-geral de Cininha dePaula, direção de Leandro Neri, Tande Bressane e MarceloZambelli e direção de núcleo de Roberto Talma, é a 79ª"novela das sete" exibida pela emissora.Giovanna Antonelli, Ricardo Pereira, Grazi Massafera,Victor Pecoraro, Herson Capri, Sheron Menezzes, NíveaMaria, Diogo Vilela, Bia Nunnes, Stella Miranda, Fiuk,Maria Maya, Fernanda Souza, Cláudia Jimenez, ElisaLucinda, Bruna Marquezine, Bruno Garcia, Maria Zilda,Elizângela, Juliana Didone, Cynthia Falabella, Leilah
  12. 12. Moreno e Marília Pêra interpretaram os papéis principais,numa trama onde o autor definiu como "uma comédiaromântica" onde homenageia o gênero telenovela, desdeos folhetins mexicanos até os folhetins brasileiros,usando "os preceitos do gênero"(...)
  13. 13. A escolha da Vinheta de abertura :Link para o vídeo com tema da abertura da novela que oprofessor poderá baixar e levar para a sala:http://youtu.be/c8DXOk_JoQgA abertura da telenovela, produzida pelo designer Hans Donnere sua equipe, conta com cenas de beijos célebres das telenovelasda emissora, ao som da canção "Garota de Ipanema", de TomJobim, cantada por Daniel Jobim, neto de Tom, e Xuxa . Aescolha do tema musical foi do diretor, Roberto Talma e a ideiada abertura partiu de Miguel Falabella . Uma ideia similar davinheta de Aquele Beijo já havia sido utilizada na abertura deFinal Feliz, de Ivani Ribeiro, onde mostravam beijos clássicos docinema.No total, a primeira abertura exibia nove cenas, combeijos de novelas como Laços de Família, O Salvador da Pátria,
  14. 14. Locomotivas, O Clone e outras. A segunda abertura estreou em14 de novembro de 2011, substituindo as cenas anteriores pornovas cenas, com beijos de novelas como O Cravo e a Rosa,Insensato Coração, Cordel Encantado, entre outras.Proposta de atividade: Solicitar aos alunos quepreencham a ficha técnica sobre a novela de acordo comas informações acima:Aquele BeijoOrigem: Wikipédia, a enciclopédia livre.Ficha Técnica:Aquele BeijoInformação geralFormato:Gênero:Duração: 60 minutos aproximadamenteCriador(es):País de origem BrasilIdioma original:ProduçãoDire(c)tor(es)Narrador(es) Miguel FalabellaElencoTema de abertura
  15. 15. ExibiçãoEmissora detelevisão originalFormato de exibição 480i (SDTV)1080i (HDTV)Transmissão original 17 de outubro de 2011 - 13 de abril de 2012Nº de episódios 1555ª ETAPA:PROCEDIMENTOS DE LEITURA DO TEXTO :O Primeiro Beijo, de Antônio BarretoA primeira coisa a fazer é situar tipificação do gênerotextual, no caso, gênero literário; o subgênero: narrativo,e dentro do narrativo, o subgênero “crônica”:1. GÊNERO NARRATIVO: subgênero: CRÔNICA –escritura sobre fatos do cotidiano, do banal, do comum,situalização de um acontecimento flash.No texto lido, o uso da palavra literária, da variedade nãopadrão, uso de expressões da oralidade (gírias,expressões científicas como adorno linguístico) eleva anarração da banalidade, do corriqueiro, construindo aliterariedade textual pertinentes aos gêneros.
  16. 16. Leitura de Superfície:Os alunos devem fazer uma leitura silenciosa,circulando vocábulos que lhes sejamdesconhecidos para socialização, após a leituracompartilhada.Texto: Meu Primeiro BeijoAutor: Antônio BarretoÉ difícil acreditar, mas meu primeiro beijo foi num ônibus,na volta da escola. E sabem com quem? Com o CulturaInútil! Pode? Até que foi legal. Nem eu nem ele sabíamosexatamente o que era "o beijo". Só de filme. Estávamosvirgens nesse assunto, e morrendo de medo. Masaprendemos. E foi assim...Não sei se numa aula de Biologia ou de Química, o Cultatinha me mandado um dos seus milhares de bilhetinhos:" Você é a glicose do meu metabolismo.Te amo muito!
  17. 17. Paracelso"E assinou com uma letrinha miúda: Paracelso. Paracelsoera outro apelido dele. Assinou com letrinha tãominúscula que quase tive dó, tive pena, instinto maternal,coisas de mulher... E também não sei por que: resolvi daruma chance pra ele, mesmo sem saber que tipo de lanceia rolar.No dia seguinte, depois do inglês, pediu pra meacompanhar até em casa. No ônibus, veio com o seguintepapo:- Um beijo pode deixar a gente exausto, sabia? - Fiz carade desentendida.Mas ele continuou:- Dependendo do beijo, a gente põe em ação 29 músculos,consome cerca de 12 calorias e acelera o coração de 70para 150 batidas por minuto. - Aí ele tomou coragem epegou na minha mão. Mas continuou salivando seusperdigotos:- A gente também gasta, na saliva, nada menos que 9 mgde água; 0,7 mg de albumina; 0,18 g de substânciasorgânica; 0,711 mg de matérias graxas; 0,45 mg de sais epelo menos 250 bactérias...Aí o bactéria falante aproximou o rosto do meu e,tremendo, tirou seus óculos, tirou os meus, e ficamos nosolhando, de pertinho. O bastante para que eu descobrisseque, sem os óculos, seus olhos eram bonitos eexpressivos, azuis e brilhantes. E achei gostoso aquelecalorzinho que envolvia o corpo da gente. Ele beijou apontinha do meu nariz, fechei os olhos e senti suarespiração ofegante. Seus lábios tocaram os meus.Primeiro de leve, depois com mais força, e então nosabraçamos de bocas coladas, por alguns segundos.
  18. 18. E de repente o ônibus já havia chegado no ponto final e játínhamos transposto , juntos, o abismo do primeiro beijo.Desci, cheguei em casa, nos beijamos de novo no portãodo prédio, e aí ficamos apaixonados por vária semanas.Até que o mundo rolou, as luas vieram e voltaram, otempo se esqueceu do tempo, as contas de telefoneaumentaram, depois diminuíram... e foi ficando nisso.Normal. Que nem meu primeiro beijo. Mas foiinesquecível!(BARRETO, Antonio. Meu primeiro beijo. Balada doprimeiro amor. São Paulo: FTD, 1977. p. 134-6).Proposta de atividade:Solicitar aos alunos que façam uma leitura sobre o texto,em grupos de quatro integrantes; em seguida questionara respeito do que entenderam abordando os elementos danarrativa (enredo, foco narrativo , personagens, tempo ,espaço, narrador, conflito etc)Após a atividade anterior e leitura compartilhada do texto,o professor deve propor a atividade de compreensão einterpretação do texto para uma avaliação contínua daaprendizagem:Compreensão e interpretação de texto1) Qual o momento em que aconteceu o primeiro beijo dapersonagem?a) Durante a aula de Química;b) Durante a aula de Biologia;c) Nas aulas de Biologia e Química;d) No ônibus, na volta da escola;e) No portão do prédio, onde morava a narradora.
  19. 19. 2) Como foi o primeiro beijo para personagem? Justifique:3) Qual é o foco narrativo do texto?a) 1ª pessoa com narrador personagem;b) 3ª pessoa com narrador onisciente;c) 3ª pessoa com narrador observador;d) 3ª pessoa com narrador intruso.3) Encontre no texto de Antônio Barreto os seguinteselementos que marcam:a)situação inicial:b)conflito :c)desfecho:4) Qual a figura de linguagem usada na frase “Você é aglicose do meu metabolismo...”a) Metáfora;b) Hipérbole;c) Comparação;d) Prosopopeia;e) Pleonasmo.5) O texto lido apresenta expressões que pertencem àvariedade não padrão da língua. Retire trechos quejustifiquem a afirmativa e transforme-os em variedadepadrão.6) Com que intenção o autor fez uso dessa variedadelinguística não padrão no texto lido?
  20. 20. 7) A que gênero textual pertence o texto lido?a)Crônica;b) Poema;c) Narrativa de aventura;d) Artigo de divulgação científica;e) Notícia;8) O texto correspondeu às suas expectativas prévias deleitura? Justifique:DIALOGANDO COM O TEXTO:Rojo diz que um texto está sempre em diálogo com outrostextos; assim, esta atividade centra-se na correlação quese pode estabelecer de um texto com o outro,principalmente no sentido temático: os textos de Barretoe Machado se tornam intertextos por dialogarem entre si.Os alunos devem estar atentos aos conhecimentosprévios que os tornam competentes para tais correlações.Leia o texto abaixo do autor Machado de Assis, enquantofaz a leitura silenciosa, vá anotando os vocábulos quedesconhecem para posterior socialização, durante aleitura compartilhada:Professor: (Passar uma cópia do texto abaixo para osalunos e seria interessante levar uns bonequinhos com ospersonagens centrais para ilustrar a cena e facilitar acompreensão no momento da leitura compartilhada)
  21. 21. CAPÍTULO XIV / O PRIMEIRO BEIJO(Este trecho do texto foi retirado do livro MemóriasPóstumas de Brás Cuba de Machado de Assis)Tinha dezessete anos; pungia-me um buçozinhoque eu forcejava por trazer a bigode. Os olhos, vivos eresolutos, eram a minha feição verdadeiramentemáscula. Como ostentasse certa arrogância, não sedistinguia bem se era uma criança, com fumos dehomem, se um homem com ares de menino. Ao cabo,era um lindo garção, lindo e audaz, que entrava navida de botas e esporas, chicote na mão e sangue nasveias, cavalgando um corcel nervoso, rijo, veloz, comoo corcel das antigas baladas, que o romantismo foibuscar ao castelo medieval, para dar com ele nas ruasdo nosso século. O pior é que o estafaram a tal ponto,que foi preciso deitá-lo à margem, onde o realismo oveio achar, comido de lazeira e vermes, e, porcompaixão, o transportou para os seus livros.Sim, eu era esse garção bonito, airoso, abastado; efacilmente se imagina que mais de uma dama inclinoudiante de mim a fronte pensativa, ou levantou paramim os olhos cobiçosos. De todas porém a que mecativou logo foi uma... uma... não sei se diga; este livroé casto, ao menos na intenção; na intenção écastíssimo. Mas vá lá; ou se há de dizer tudo ou nada.A que me cativou foi uma dama espanhola, Marcela, a“linda Marcela”, como lhe chamavam os rapazes dotempo. E tinham razão os rapazes. Era filha de um
  22. 22. hortelão das Astúrias; disse-mo ela mesma, num diade sinceridade, porque a opinião aceita é que nascerade um letrado de Madri, vítima da invasão francesa,ferido, encarcerado, espingardeado, quando ela tinhaapenas doze anos.Cosas de España. Quem quer que fosse, porém, o pai,letrado ou hortelão, a verdade é que Marcela nãopossuía a inocência rústica, e mal chegava a entendera moral do código. Era boa moça, lépida, semescrúpulos, um pouco tolhida pela austeridade dotempo, que lhe não permitia arrastar pelas ruas osseus estouvamentos e berlindas; luxuosa, impaciente,amiga de dinheiro e de rapazes. Naquele ano, morriade amores por um certo Xavier, sujeito abastado etísico, — uma pérola.Vi-a pela primeira vez, no Rocio Grande, na noite dasluminárias, logo que constou a declaração daindependência, uma festa de primavera, umamanhecer da alma pública. Éramos dois rapazes, opovo e eu; vínhamos da infância, com todos osarrebatamentos da juventude. Vi-a sair de umacadeirinha, airosa e vistosa, um corpo esbelto,ondulante, um desgarre, alguma coisa que nuncaachara nas mulheres puras. — Segue-me, disse ela aopajem. E eu segui-a, tão pajem como o outro, como sea ordem me fosse dada, deixei-me ir namorado,vibrante, cheio das primeiras auroras. A meiocaminho, chamaram-lhe “linda Marcela”, lembrou-meque ouvira tal nome a meu tio João, e fiquei, confessoque fiquei tonto.Três dias depois perguntou-me meu tio, em segredo,se queria ir a uma ceia de moças, nos Cajueiros.Fomos; era em casa de Marcela. O Xavier, com todosos seus tubérculos, presidia ao banquete noturno, emque eu pouco ou nada comi, porque só tinha olhos
  23. 23. para a dona da casa. Que gentil que estava aespanhola! Havia mais uma meia dúzia de mulheres, —todas de partido —, e bonitas, cheias de graça, mas aespanhola... O entusiasmo, alguns goles de vinho, ogênio imperioso, estouvado, tudo isso me levou afazer uma coisa única; à saída, à porta da rua, disse ameu tio que esperasse um instante, e tornei a subir asescadas.— Esqueceu alguma coisa? perguntou Marcela de pé,no patamar.— O lenço.Ela ia abrir-me caminho para tornar à sala; eu segurei-lhe nas mãos, puxei-a para mim, e dei-lhe um beijo.Não sei se ela disse alguma coisa, se gritou, sechamou alguém; não sei nada; sei que desci outra vezas escadas, veloz como um tufão, e incerto como umébrio.Depois da leiturae discussão em sala de aula durante aleitura compartilhada propor aos alunos as seguintesquestões:Estudo da Língua:1- Pedir aos alunos que procurem as palavras que nãoconseguiram entender:I)Procure o significado das palavras que vocêdesconhece.II)Quanto à linguagem do capítulo podemos afirmarque:a) os períodos são longos;b) os períodos são curtos;
  24. 24. c) o vocabulário não é usual;d) as frases ou expressões são da linguagem cotidiana;e)no texto prevalece a variedade linguística padrão.III)- Há elementos de ligação (coesão) explícitos , clarosno texto? Justifique.IV)- Há elementos de ligação (coesão), implícitos,subentendidos? Justifique com alguns trechos quecomprovem sua resposta em caso afirmativo.Compreensão e interpretação do texto:1-Quais as personagens do texto e suas características?2-Que tipo de narrador há no texto:a) Personagemb) Oniscientec) Observadord) Intruso3-Qual o foco narrativo?a) 1ª pessoa b) 3ª pessoa2- Analise o uso das reticências no trecho: “De todasporém, a que me cativou logo foi uma... uma... não seise diga; este livro é casto, ao menos na intenção écastíssimo.” Pode-se dizer que o efeito de sentidocriado pelo autor é:a) demonstrar que não lembrava quem era a moçab) expressar dúvida sobre quem era a moçac) expressar hesitação quanto ao uso de uma palavraque não fosse castad) expressar uma certeza sobre quem era a moça
  25. 25. 3- O texto que você leu pertence à tipologia narrativa,trata-se de um capítulo da obra Memórias Póstumas deBrás Cubas, do autor Machado de Assis. A que gênerotextual pertence este texto dentro da tipologia em queestá inserido?4- Situar o aluno no tempo e no espaço em que foi escritaa obra Memórias Póstumas de Brás Cubas (poderásolicitar previamente apoio ao professores de História eGeografia para esta atividade, numa propostainterdisciplinar), solicitando que pesquisem o contextohistórico e social da época, e faça comparações com asociedade atual, principalmente no que tange à questãovalores e costumes relacionados ao tema:Professor (Sugestão de pesquisa): Pesquisar o site:http://oriodeantigamente.blogspot.com.br/search/label/PRA%C3%87AS%20E%20AVENIDAS%20DO%20RJ paraconhecer mais sobre os locais citados no texto:A atual Praça Tiradentes teve origem, nos idos do Séc.XVII, no desmembramento do então chamado Campo deSão Domingos. Em 1690 chamava-se Rocio Grande, emclara alusão ao Largo do Rocio lisboeta; mais tarde,passou a Campo dos Ciganos, devido à chegada, dePortugal, de um grupo desses nômades, e que alimontaram, por algum tempo, suas barracas. A partir de1747, com a construção da Capela de NªSª da Lampadosa,passou a ser conhecida como Campo da Lampadosa. Em1808, passou a ser o Campo do Polé, graças à instalação,no local, de um pelourinho. Em 1821, passou a serchamada Praça da Constituição; D. Pedro, assumindo oposto de Príncipe Regente, jurou fidelidade à ConstituiçãoPortuguesa de uma das varandas do Real Teatro São Joãoque ficava onde, hoje, encontra-se o Teatro João Caetano.Finalmente, em 1890, ao aproximar-se o centenário damorte de Joaquim José da Silva Xavier, passou a ter o
  26. 26. nome de Praça Tiradentes, pela proximidade do localonde se acredita ter sido enforcado o protomártir daIndependência.No centro da praça, o monumento a Pedro I, mandadoerigir por Pedro II, foi inaugurado em 1862. Apresenta oImperador a cavalo, fardado de general, segurando com amão esquerda as rédeas, enquanto com a direita exibe aConstituição de 1824.(Há quem acredite tratar-se dascartas recebidas às margens do Ipiranga.)(Presente)
  27. 27. (Passado)5) O texto lido correspondeu às suas expectativas préviasde leitura? Justifique:Análise Intertextual – Dialogando com os textos:(Retome a leitura do texto de Antônio Barreto, Machadode Assis e a letra de música “ Aquele beijo”):1. Quais são as personagens? É possível identificar algumtraço da personalidade dessas personagens passíveis decomparação com as personagens do texto de AntônioBarreto? Em caso afirmativo, explique.2. Na letra da canção e no texto de Machado: É possívelpressupor alguma manifestação de emoção entre aspersonagens que possam ser comparadas com aspersonagens do texto “O primeiro Beijo” de AntônioBarreto?3. O espaço e o tempo em que acontecem os fatos, no textode Machado, é o mesmo em que acontecem no texto de
  28. 28. Antônio Barreto?Justifique com passagens do texto, sepossível.4. Qual é o principal acontecimento que envolve aspersonagens do texto de Machado e da canção? Esteacontecimento é igual ou semelhante ao acontecimentodo texto de Antônio Barreto, lido anteriormente?Justifique:5. Em sua concepçãoem qual dos dois textos trabalhadossobre o tema beijo realmente aconteceu um beijo? Comovocê imagina que foi este beijo nos dois contextos?Justifique:6. O beijo relatado pelo eu lírico, na letra da música “AqueleBeijo”, pode ser comparado em algum momento ao beijorelatado pela personagem do texto de Antônio Barreto?Justifique com passagens do texto:7. Qual linguagem dos dois textos pode ser comparada coma linguagem da canção “Aquele Beijo”? Por quê? Em que seassemelham?8) Qual a diferença do texto de Machado de Assis com o deAntônio Barreto? E o que eles possuem em comum?Sugestões que podem ser ampliadas:a) Os beijos retratados nos dois textos são iguais?Expliqueb) A linguagem é a mesma? Explique.c) O tempo e o espaço são semelhantes? Justifique.d) É possível comparar a época, gostos e costumes nosdois textos? Discorra sobre:e) Como era o beijo no século XIX? E nos dias de hoje?
  29. 29. Tarefa:Pesquisar em grupo de 4 pessoas, na Internet, contos oucrônicas, cujo tema seja o beijo. e retomar as 3ª e 4ªetapas desta sequência didática. Fazer uma análise dasprincipais ideias. Depois comparar com o capítulo deMemórias Póstumas de Brás Cubas - Machado de Assis, everificar diferenças e semelhanças.Avaliação:(Além da avaliação contínua do aproveitamento dosalunos durante o desenvolvimento sistemático destaSituação de Aprendizagem, cujo objetivo foi sanar asdificuldades apresentadas nas competências ehabilidades checadas durante a avaliação em processo, échegado o momento de reavaliar se houve progresso ounão nestas competências e habilidades leitoras eescritoras).Produção de texto:
  30. 30. Propostas:Agora é a sua vez de colocar suas habilidades leitoras eescritoras em prática. Após finalizar esta Situação deAprendizagem, chegou a hora da avaliação. Você iráproduzir um texto e escolher uma das seguintespropostas:1- Reescrever a história sob a sua perspectiva,mantendo-se fiel ao enredo;2- Dar continuidade ao texto de Machado de Assis edescrever como você imagina que foi o primeiro beijode Brás Cubas e Marcela, considerando a época emque a obra está inserida, conforme pesquisado ecomentado anteriormente;3- Escrever um relato de experiência contandosobre oseu primeiro beijo, caso já tenha vivido estaexperiência; ou como imagina que esta será, casoainda não tenha vivenciado. Neste caso, não esqueçade mencionar quais são as suas expectativas paraeste momento tão especial.Instruções:1- Escreva de 15 a 30 linhas,2- Não se esqueça de criar um título coerente,3- Faça uma ilustração adequada ao texto (poderá seruma foto, colagem ou um desenho a mão livre)
  31. 31. E... Um grande beijo a todos!CONSIDERAÇÕES FINAISAcreditamos que o trabalho do professor como orientadorda leitura e da produção textuais seja mais facilitado pormeio desta sequência didática apresentada. È necessáriodeixar claro aos alunos que o ato de ler um texto é o atode ler o mundo, e o mundo exige olhar profundo paracompreendê-lo. Daí os vários passos que incluem a leiturae a interpretação de um primeiro texto, que por sua vez jásuscita o sentido dialógico que pode direcionar-se aoutros textos, como as fotos aqui expostas, a letra demúsica, a novelística nacional e inúmeras outraspossibilidades de leituras que ampliem a compreensão doaluno.A riqueza dos múltiplos gêneros textuais vai conduzir osalunos ao domínio dos significados textuais, em nível deprofundidade, apoderando-se, inclusive de ideologiastextuais. Portanto, confluirão os textos, os intertextos, osdiscursos (ideológicos) de cada texto, assim como seusinterdiscursos. Esse entrecruzamento é de umaexcelência, que é quase impossível que os alunos não
  32. 32. passem a se exercitar assim a cada texto lido em aula oufora dela, pela vida.O subsídio dos textos de Dolz e Rojo alicerçaram estaproposta de trabalho textual em sala de aula, sem osquais, as estratégias pedagógicas não seriam tãoeficientes.“Só assim a alfabetização cobra sentido. É aconsequência de uma reflexão que o homem começa afazer sobre sua própria capacidade de refletir. Sobre suaposição no mundo. Sobre o mundo mesmo. Sobre o seutrabalho. Sobre seu poder de transformar o mundo. Sobreo encontro das consciências. (...) nos parece válido otrabalho da alfabetização, em que a palavra seja entendidapelo homem na sua justa significação: como uma força detransformação do mundo.” (Paulo Freire, 1975, p. 142)REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:ASSIS, Machado de. “O primeiro beijo” In: Memórias Póstumas deBrás Cubas. Disponívelem:<http://www.spectroeditora.com.br/fonjic/machado/romances/cubas/14.php> Acesso em 18 de fevereiro de 2013.BARRETO, Antônio. “Meu primeiro beijo”. In: Balada do PrimeiroAmor. São Paulo: FTD, 1977. p. 134-136. Disponível em:http://portaldoprofessor.mec.gov.br/fichaT%C3%A9cnicaAula.html?aula=22430, Acesso em 01/03/2013.DOLZ, Joaquim e SCHNEUWLY, Bernard e colaboradores. Gênerose progressão em expressão oral e escrita – elementos parareflexões sobre uma experiência suíça (Francófona). In: Gênerosorais e escritos na escola. Campinas: Mercado das Letras, 2012.p. 35-60.ROJO, Roxane. Letramento e capacidades de leitura para a
  33. 33. cidadania in Curso EaD/EFAP: Leitura e escrita em contextodigital, 2012 – Programa Práticas de leitura e escrita nacontemporaneidade. Disponível em: http://efp-ava.cursos.educacao.sp.gov.br/Content/328167,90D/Assets/conteudo_curso/modulo_01/unidade_04/rojo_2004.pdf%C2%A0Acesso%20em%204/3/2013 /Paulo Freire, 1975, p. 142/ LAJOLO, 2000 , p.106/ BARBOSA,1994, p. 118).Sites diversificados de internet:http://pt.wikipedia.org/wiki/Aquele_Beijohttp://letras.mus.br/grupo-nosso-sentimento/551069/http://youtu.be/c8DXOk_JoQghttps://www.google.com.br/search?q=imagens+de+beijo&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ei=UBPBUbyVGYXQ9gS1qYHYBQ&ved=0CAcQ_AUoAQ&biw=883&bih=472

×