Your SlideShare is downloading. ×
  • Like
Planejamento escolar 2011
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Now you can save presentations on your phone or tablet

Available for both IPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Planejamento escolar 2011

  • 4,816 views
Published

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
  • legal
    Are you sure you want to
    Your message goes here
No Downloads

Views

Total Views
4,816
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3

Actions

Shares
Downloads
60
Comments
1
Likes
1

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. DIRETORIA DE ENSINO ITAQUAQUECETUBA Orientação técnica Planejamento 2011 Equipe da oficina pedagógica
  • 2. Doras e Carmosinas Fernanda Montenegro
    • Há momentos em que os anos vividos nos obrigam a olhar em volta e fazer uma revisão das nossas perdas e dos nossos danos. Se hoje estou sendo agraciada com a mais alta condecoração de nosso país, é porque sou resultado de muitas influências e convivências. Centenas de companheiros e personagens me formaram, me educaram e estão comigo sempre. Não me refiro só a minha família de sangue, mas principalmente à minha família de opção...
    • Mas existe o antes. A infância. E – por que não? – o período da minha educação primária. Acho que é aí que tudo começa. Ao trabalhar o mundo da professora Dora de Central do Brasil , lá na infância é que fui buscar, na minha memória, as primeiras professoras que me alfabetizaram. Credenciadas, respeitadas, prestigiadas professoras primárias da minha infância. Professoras de escolas públicas que eu frequentei, no subúrbio do Rio.
  • 3.
    • Eu me lembro especialmente com muito carinho de Dona Carmosina Campos de Meneses, que me alfabetizou. E, mais do que isso, que me ensinou a ler, o que é um degrau acima da alfabetização. Naquele tempo, as professoras ainda se chamavam Carmosinas, Afonsinas, Ondinas. Busquei na memória a figura de Dona Carmosina para me aproximar da professora Dora (para mim, personagem não é ficção). E vi como seria trágico se a minha tão prestigiada e amada Dona Carmosina viesse a se transformar, por carências existenciais e sociais, numa endurecida e miserável Dora. Foi essa visão de tantas perdas que me deu o emocional da cena final do filme quando Dora escreve “tenho saudade de tudo”.
    • Saudade é uma palavra forte e uma forma profunda de chamamento, de invocação. Entre Carmosina e Dora lá se vão 60 anos. Penso que minha vocação de atriz foi sensibilizada a partir das leituras em voz alta, leituras muito exigidas, cuidadas, orgânicas, que nós alunos fazíamos usando os livros de Português do antigo curso primário. As primeiras coisas que decorei na vida foram dois poemas que Dona Carmosina mandou (é essa a palavra: mandou) que decorássemos nas férias de Dezembro: “ Meus oito anos” de Casimiro de Abreu e “Canção do Exílio” de Gonçalves Dias. Na volta das férias naquele ano de 1937, eu, mesmo tímida, envergonhada e
  • 4.
    • encantada declamei: “Oh! Que saudades que eu tenho da aurora da minha vida, da minha infância querida que os anos não trazem mais. Que amor, que sonhos, que flores, naquelas tardes fagueiras, à sombra das bananeiras debaixo dos laranjais”. Essas bananeiras e esses laranjais não eram licença poética. Os subúrbios de nossas cidades ainda não tinham sofrido essa degradação ambiental que infelizmente se fez presente com o passar dos anos. Vi muitos Brasis entre esses meus oito anos, os oito anos do poeta e essas duas mulheres: Carmosina e Dora. Vejo essa passagem de tempo, claro, com alegrias e ganhos mas também com muitas perdas e dor. Sou atriz e confesso a minha deformação profissional: esse sentimento de perdas, essa nostalgia me ajudaram a resgatar o emocional dessa desprotegida e amarga Dora ao intuir que dentro dessas Doras desiludidas existe sempre uma Carmosina à espera de um ombro e de um socorro.
    • Senhor Presidente, nesta nossa confraternização de artistas e autoridades como não lembrar o milagre que a educação e a cultura produzem em todo ser humano. É este, me parece, o espírito que nos une aqui, neste espaço, e por estarmos diante da mais alta autoridade do nosso país, que é Vossa Excelência, a herança cultural da reivindicação artística e social se apresenta... Mas, Vossa Excelência é um democrata e um professor, por isso peço a Vossa Excelência me dar o direito de não resistir, mesmo
  • 5.
    • porque acredito que estamos numa concordância de vontades. Senhor Presidente, precisamos urgentemente de muitas, muitas Carmosinas e, se possível, nenhuma Dora. Vossa Excelência tem o poder para transformar as Doras em Carmosinas. O país lhe deu esse poder. Eu tenho um sonho que certamente é também um sonho de Vossa Excelência e de muitos, muitos, muitos brasileiros. Eu tenho um sonho (parodiando o notável reverendo americano) que um dia, realmente, todas as desesperadas Doras serão resgatadas desses ônibus perdidos que atravessam esse nosso sertão de miséria e que a elas será dado nem que seja uma parcela daquele reconhecimento e respeito social das professoras Carmosinas da minha infância. Doras com visão de futuro, com autoestima, economicamente ajustadas. Professoras Doras inventivas, confiantes, confiantes no seu magistério, para que possam ser amadas como seres humanos e (por que não?) como personagens também. Muito amadas e lembradas por todos os Vinicius e todos os Josués de nosso país. Mesmo assim prefiro as Carmosinas... Que Dora compreenda e me perdoe. Vale a troca. Para o fortalecimento de nossa educação, da nossa cultura, vale a pena, Senhor Presidente, se a nossa alma, isto é, se a realização do sonho de todos nós, se essa realização não for pequena. Faço de Dora e Carmosina minhas companheiras neste meu agradecimento. Ignorá-las seria desprezar a minha infância e a realidade da minha, não digo velhice, mas da minha madureza.
  • 6. A Dimensão do Planejar na Escola
    • Planejamos a todo momento mas precisamos exercitar o registro
    • Para isso necessitamos de estratégias básicas que envolvem diagnósticos, indicadores que consideram o contexto em que estão inseridas e tenham um objetivo claro
    • O papel das instituições de ensino quanto ao atendimento das expectativas de aprendizagem é permanente e crescente, eis aqui nosso desafio e a importância da correta dimensão
  • 7. Proposta Pedagógica Planejamento 2011
  • 8. Proposta Pedagógica
    • A LDB determinou que os estabelecimentos de ensino tivessem a incumbência de elaborar e executar sua proposta pedagógica (art.12º) e também que "os docentes incumbir-se-ão de: I – participar da elaboração da proposta pedagógica do estabelecimento de ensino..." (art.13). No 14º da lei em xeque, ainda pode-se ler, (LDB 9.394/96);
  • 9. Proposta Pedagógica
    • Proposta Pedagógica e Autonomia se interrelacionam
    • Para Azanha, (1998, p.03), " a autonomia da escola numa sociedade democrática é, sobretudo, a possibilidade de ter uma compreensão própria das metas da tarefa educativa numa democracia".
    • Envolve as possibilidades de fazer escolhas visando um trabalho educativo eticamente responsável.
  • 10. Autoavaliação
    • Processo
    • Potencialidades e fragilidades
    • Prioridades
    • Metas / Objetivos
    • Instrumento de avaliação
  • 11. Proposta Pedagógica
    • Integração Escola - Comunidade
    • Preceitos:
    • garantia de acesso e permanência do aluno na escola;
    • Gestão democrática;
    • Valorização dos profissionais da educação;
    • Qualidade do ensino;
    • Currículo.
  • 12. Proposta Pedagógica
    • Desenvolvimento da Proposta Pedagógica :
    • Sistema Educacional;
    • Ambientes;
    • Recursos materiais e tecnológicos;
    • Atendimento diferenciado;
    • Enriquecimento curricular.
  • 13. Proposta Pedagógica
    • Dessa forma,
    • “ escola não é uma ilha, está inserida em uma comunidade e sofre as influências do contexto sócio-político e econômico. A escola é uma instituição com uma função social, um papel político e uma tarefa educativa.” Fonte: http://www.webartigos.com/articles/18794/1/PROJETO-PEDAGOGICO-E-AUTONOMIA-DA-ESCOLA/pagina1.html#ixzz1CvFi344H
  • 14. Plano de Gestão
    • Para garantir os objetivos e metas da Unidade Escolar é no planejamento que o Plano gestão precisa ser avaliado, revisado e atualizado com adendos e anexos.
  • 15. Regimento Escolar
    • É o documento administrativo e normativo de uma unidade escolar que, fundamentado na proposta pedagógica, estabelece a organização e o funcionamento da escola e regulamenta as relações entre os participantes do processo educativo.
  • 16. Cadernos do Gestor
    • O Caderno do Gestor foi desenvolvido para Professores Coordenadores e apresenta situações que versam sobre currículo, planejamento e avaliação.
    • O objetivo:
    • Subsidiar o Coordenador em suas práticas, para implementar o currículo estadual, organizar sua crítica e construir a Proposta Pedagógica que representa a identidade da sua escola em particular.
  • 17. Manual de Proteção Escolar e Promoção da Cidadania e Normas Gerais de Conduta Escolar
    • Documentos que fazem parte integrante do Sistema de Proteção Escolar, criado em 2009 pela SEE, e que orientam e apoiam a equipe escolar em questões referentes à cidadania e convivência social solidária, justa e responsável.
  • 18. Currículo Planejamento 2011
  • 19. Currículo
    • 4º ano de implementação do Currículo Oficial do Estado de São Paulo;
    • Referencial básico comum para orientar o percurso da aprendizagem dos alunos em todas as disciplinas básicas do EF e EM;
    • Relaciona competências e habilidades, conteúdos e processos a serem desenvolvidos;
    • Material de apoio para docentes e alunos;
  • 20. Currículo
    • A lógica e as concepções que norteiam o Currículo Oficial do Estado de São Paulo
    • Situações de Aprendizagem (comparação com o livro didático/ uso do livro para complementar conteúdos, tendo em vista competências e habilidades)
    • Conteúdos: factuais, conceituais, procedimentais e atitudinais. (Lerner, Zabala, Coll)
    • Modalidades organizativas – (articulação entre as áreas do conhecimento/ Organização do tempo pedagógico)
    • Atividades Permanentes: criar hábitos, construir atitudes. Ex: roda de leitura, leitura em voz alta, uso do dicionário
    • – Situações Independentes: Sistematização. Ex: Pontuação.
  • 21. Currículo
    • Projetos/Programas (previstos)
    • Cadprojetos : 3 eixos – Implementação do Currículo, Temas Transversais e Saresp (Práticas Pedagógicas)
    • Apoio à Continuidade de Estudos/DAC
    • Jornada e Olimpíada de Matemática –OBMEP
    • Olimpíada de Língua Portuguesa – Escrevendo o Futuro – Cenpec
  • 22. Currículo
    • Agita Galera (agosto)
    • Saresp – Dia para Estudos e Discussão (agosto)
    • Cultura e Currículo
    • Recuperação Paralela (ao longo do ano)
    • Replanejamento no início do 2º. semestre
  • 23. Currículo
    • Saresp ( novembro)
    • Reunião de Setor – Supervisores e PCOP’s
    • Concursos de Redação (DS/ TV Diário...)
    • Orientações Técnicas de Formação
    • EJA
    • Sala de Leitura
    • Futuridade
    • Ler e Escrever
  • 24. Currículo
    • http://www.rededosaber.sp.gov.br/apoiocurriculo
    • “ É necessário sair da ilha para ver a ilha”. J. Saramago
    • “ Adaptar o currículo é diferente de otimizá-lo”
  • 25. Saresp Planejamento 2011
  • 26. SARESP Sistema de Avaliação de Rendimento Escolar do Estado de São Paulo – é uma avaliação externa da Educação Básica, realizada desde 1996 pela Secretaria da Educação do Estado de São Paulo – SEE/SP. O Saresp tem como finalidade produzir informações consistentes, periódicas e comparáveis sobre a situação da escolaridade básica na rede pública de ensino paulista, visando orientar os gestores do ensino no monitoramento das políticas voltadas para a melhoria da qualidade educacional.
  • 27. Desde 2007, os resultados da avaliação do Saresp em Língua Portuguesa e em Matemática são passíveis de comparação com aqueles da avaliação nacional (Saeb/Prova Brasil) e aos resultados do próprio Saresp ano após ano. Dessa maneira, as informações fornecidas pelo Saresp permitem aos responsáveis pela condução da educação, nas diferentes instâncias, identificar o nível de aprendizagem dos alunos de cada escola nas séries e habilidades avaliadas, bem como acompanhar a evolução da qualidade da educação ao longo dos anos.
  • 28. MATRIZES DE REFERENCIA PARA A AVALIAÇÃO Indicadores do que os alunos devem minimamente aprender em cada área do conhecimento, em cada etapa da escolarização. A matriz representa um recorte dos conteúdos do currículo e também privilegia algumas competências e habilidades a eles associadas. PROPOSTA CURRICULAR Referência comum a todas as escolas da rede, descreve o elenco das metas de aprendizagem desejáveis em cada área, estabelecendo os conteúdos disciplinares a serem desenvolvidos em cada ano ou ciclo e o que se espera que os alunos sejam capazes de realizar com esses conteúdos, expresso na forma de competências e habilidades claramente avaliáveis.
  • 29. COMPETÊNCIAS COGNITIVAS DO SUJEITO
    • Grupo I – Competências para observar
    • Grupo II – Competências para realizar
    • Grupo III – Competências para compreender
  • 30. Habilidades
    • As habilidades possibilitam inferir, pela Escala de Proficiência adotada, o nível em que os alunos dominam as competências cognitivas, avaliadas relativamente aos conteúdos das disciplinas em cada série ou ano escolar. Os conteúdos e as competências (formas de raciocinar e tomar decisões) correspondem, assim, as diferentes habilidades a serem consideradas nas respostas às diferentes questões ou tarefas das provas.
  • 31. Htpc Planejamento 2011
  • 32. O papel do Professor Coordenador no processo pedagógico das escolas
    • Uma primeira questão deve ser levantada:
    • Lembrar-se de que desempenham um novo papel que já não é o de professor, ainda que esteja ligado por laços de afetividade aos colegas. Seu papel passa a ser bem diferente, voltado para a orientação, gerenciamento e cobrança de resultados. É assim que deve ser compreendida as funções do Professor-Coordenador pelo Corpo Docente.
  • 33. O papel do Professor Coordenador no processo pedagógico das escolas
    • Estimular o trabalho em equipe;
    • Buscar melhores resultados;
    • Acompanhar todo o processo educacional;
    • Atuar sobre as recuperações;
    • Estimular uma contínua análise dos resultados;
    • Organizar HTPC .
  • 34. HTPC
    • Relevante será para o Professor-Coordenador organizar, previamente, a pauta das HTPCs, que se constituirá em prática eficiente para evitar improvisações, provocando críticas da parte dos envolvidos, colocando em cheque seu trabalho, mormente quando alguns professores realizam a HTPC a contragosto.
  • 35. HTPC
    • Cada escola tem uma maneira diferente de lidar com seus HTPCs, mas o essencial é se organizar para discutir como os alunos estão se desenvolvendo e como os professores têm lidado com isso em sala de aula. Precisam pensar coletivamente em que materiais utilizar, que apoio vão precisar, que tipo de estudo e formação. O HTPC serve para analisar problemas que os docentes enfrentam no cotidiano e entender como equacioná-los.
  • 36. HTPC
    • Sugestão de Organização de pauta:
    • Leitura (texto bem escrito);
    • Retomada do encontro anterior (leitura do relatório reflexivo ou ata)
    • Formação: A partir de uma situação-problema (currículo, proposta pedagógica, concepções, disciplina, projetos...) propor aos professores leituras, debates ou estudos de temas diversificados...
  • 37. HTPC
    • ( Importante: o PC, neste momento, deve funcionar como mediador )
    • Projetos / Cotidiano da escola (quando houver a necessidade)
    • Recados (quando houver)
    • Registro: Deve ser reflexivo, ou seja, ir além da pauta.É importante registrar as discussões do grupo e a conclusão a que chegaram sobre cada item .
    • ...
  • 38. ATIVIDADE EM GRUPO Em grupos com 8 componentes, desenvolvam uma pauta para o Planejamento a partir dos estudos desenvolvidos, os materiais oferecidos pela SEE e os materiais já preparados pela Unidade dentro dos campos: *Proposta Pedagógica * Currículo * Avaliação
  • 39. Equipe da oficina pedagógica
    • ADRIANA SILVESTRE DA SILVA - Arte
    • ANA CRISTINA DE SOUSA COSTA - Ciclo I
    • BENEDITO A DE CAMARGO FILHO - Tecnologia
    • CINTIA SOUZA BORGES DE CARVALHO - Educação Especial
    • EULÁLIA SILVANIA LEAL DE MORAES - Língua Portuguesa
    • INES SENA RAMOS SANTANA - Matemática
    • LIDIANE RODRIGUES DE SOUZA - Matemática/Física
    • LILIAN DE MELLO MARTINS - Inglês
    • MARCIO ERNANES LUIZ - Geografia
    • NÚBIA FERREIRA DE MELO - Língua Portuguesa
    • OZIEL ALBUQUERQUE DE SOUZA - Matemática Ciclo I
    • RONALDO SPINOLA NUNES - Tecnologia
    • ROSE RIBEIRO BARBOSA - Educação Física
    • SÉRGIO ANTÔNIO CÂNDIDO - Química
    • SERGIO BUZELIN DA COSTA - Filosofia
    • TANIA SOUZA DE LUNA – Ciclo I