Brocos, Modesto (1852 - 1936)
Outros Nomes: Broccos, Modesto Broccos y Gomez, Modesto Broccos, Modesto Brocos y Gomes, Mod...
Nascimento/Morte
1852 - Santiago de Compostela (Espanha) - 9 de fevereiro. Naturaliza-se brasileiro em 1890
1936 - Rio de ...
1896/1900 - Renuncia ao cargo de professor na Enba e viaja para Roma e posteriormente para a
Espanha
1900 - Volta a viver ...
CAVALCANTI, Carlos (org.); AYALA, Walmir, (org.). Dicionário brasileiro de artistas
plásticos. Brasília: MEC : INL, 1973-1...
(org.). Dezenovevinte uma virada no século. Texto Ciça França Lourenço, Ruth Sprung
Tarasantchi, Carlos Alberto Cerqueira ...
1908 - Rio de Janeiro RJ - 15ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba
1909 - Rio de Janeiro RJ - 16ª Exposição Geral de B...
1994 - São Paulo SP - Um Olhar Crítico sobre o Acervo do Século XIX, na Pinacoteca do
Estado
1995 - Campinas SP - Da Marin...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Artistas imp

1,014

Published on

Published in: Travel, Business
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,014
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
3
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Artistas imp

  1. 1. Brocos, Modesto (1852 - 1936) Outros Nomes: Broccos, Modesto Broccos y Gomez, Modesto Broccos, Modesto Brocos y Gomes, Modesto Brocos y Gomez, Modesto Brocos Biografia Modesto Brocos y Gomez (Santiago de Compostela, Espanha 1852 - Rio de Janeiro RJ 1936). Pintor, gravador, ilustrador, desenhista, professor. Inicialmente estuda desenho com o irmão Isidoro, escultor e secretário da Academia de Belas Artes de La Coruña, Espanha. Viaja para a Argentina, por volta de 1870, onde trabalha como ilustrador. Em 1872 vem para o Brasil e, três anos depois, freqüenta como aluno livre os cursos da Academia Imperial de Belas Artes - Aiba, no Rio de Janeiro, é aluno de Victor Meirelles (1832 - 1903) e Zeferino da Costa (1840 - 1915). Em 1877, realiza cursos de aperfeiçoamento em Paris, na École Nationale Superiéure des Beaux-Arts [Escola Nacional Superior de Belas Artes], como aluno de Henri Lehmann (1814 - 1882). Posteriormente freqüenta a Real Academia de Bellas Artes de San Fernando, e o ateliê do pintor Federico Madrazo y Kuntz (1815 - 1894), ambos em Madri. Em 1882, cursa a Academia Chigi, em Roma. Pinta cenas de gênero, retratos e pintura de paisagens. Retornando ao Brasil, assume a cadeira de professor de desenho figurado da Escola Nacional de Belas Artes - Enba, em 1891, a convite do escultor Rodolfo Bernardelli (1852 - 1931), cargo que exerce até seu falecimento. Entre seus alunos estão Quirino Campofiorito (1902 - 1993), Reis Júnior (1903 - 1985) e Sigaud (1899 - 1979). Brocos é autor de livros sobre o ensino artístico: A Questão do Ensino das Belas Artes, 1915 e Retórica dos Pintores, 1933. Destaca-se também pelo incentivo ao desenvolvimento da gravura no país. Em 1952, o Museu Nacional de Belas Artes - MNBA, do Rio de Janeiro, realiza mostra sobre sua produção, em comemoração do centenário de seu nascimento. Comentário Crítico O pintor espanhol Modesto Brocos viaja para a Argentina, por volta de 1870, onde trabalha como ilustrador. Em 1872, passa a residir no Rio de Janeiro. Faz ilustrações para o periódico O Mequetrefe, no qual, como aponta o historiador da arte Teixeira Leite, introduz uma novidade: a intercalação entre desenho e texto. Em 1877, o artista aperfeiçoa-se em Paris, Madri e Roma. Realiza, nesse período, uma de suas mais importantes composições históricas:A Defesa de Lugo, 1886. A convite do escultor Rodolfo Bernardelli (1852 - 1931) retorna ao Brasil para assumir o cargo de professor de desenho figurado da Escola Nacional de Belas Artes - Enba, em 1891. Realiza, em 1892, a tela Engenho da Mandioca, na qual enfoca os costumes da roça, obra que se destaca pelo uso das cores e da luz. O tema rural torna-se constante em sua produção, como emDescascar Goiabas e A Peneirar Café, ambas de 1901. A Redenção de Cam, 1895, um de seus quadros mais famosos, tem, para Teixeira Leite, um caráter alegórico e deve ser compreendido como uma alusão ao progressivo branqueamento da raça negra, dentro do conceito de eugenia em voga no final do século XIX. Enciclopédia Itaú Cultural de Artes Visuais
  2. 2. Nascimento/Morte 1852 - Santiago de Compostela (Espanha) - 9 de fevereiro. Naturaliza-se brasileiro em 1890 1936 - Rio de Janeiro RJ - 28 de novembro Cronologia Pintor, gravador, ilustrador, desenhista e professor s.d. - É retratado pelo pintor Rodolfo Amoedo (1857-1941) s.d. - Membro do Conselho Nacional de Belas Artes, no Rio de Janeiro s.d. - Recebe as primeiras lições de desenho de seu irmão Isidoro, escultor e secretário da Academia de Belas Artes de La Coruña, Espanha ca. 1870 - Vive na Argentina e trabalha como ilustrador da publicação Anales de Agricultura 1872 - Viaja para o Brasil e reside na cidade do Rio de Janeiro. Trabalha inicialmente com gravura em madeira 1875 - Ingressa na Academia Imperial de Belas Artes - Aiba, no Rio de Janeiro, onde é aluno livre de modelo vivo, e freqüenta também as aulas de paisagem de Victor Meirelles (1832-1903) e de desenho de Zeferino da Costa (1840-1915). Atua como ilustrador do periódico O Mequetrefe para o qual realiza desenhos sobre madeira 1877/1879 - Viaja para a França, onde estuda na École National Superiéure des Beaux-Arts [Escola Superior de Belas Artes] em Paris. É aluno de Henri Lehmann (1814-1882), discipulo de Ingres. Têm como colegas os artistas Georges seurat, Sorolla y Bastida e Aman-Jean 1879/1881 - Viaja para a Espanha, onde estuda na Real Academia de Bellas Artes de San Fernando e no ateliê do pintor Federico Madrazo y Kuntz (1815 - 1894) em Madri, Espanha 1881 - Volta a Paris e cursa novamente a École Nationale Superiéure des Beaux-Arts, onde é aluno de Ernest Herbert 1882 - Recebe prêmio de viagem a Roma, pela Academia de Belas Artes de San Fernando, Madri, Espanha 1883/1885 - Freqüenta a Accademia Chigi e o Círcolo Internazionale em Roma, Itália 1890 - Retorna ao Brasil. 1891 - A convite do escultor Rodolfo Bernardelli (1852 - 1931) assume a cadeira de professor de desenho figurado da Escola Nacional de Belas Artes - Enba, no Rio de Janeiro 1892 - Realiza a primeira mostra individual na Enba, onde expõe paisagens, cenas de costumes e retratos, entre eles, os de Artur de Azevedo e de Ramiz Galvão. Nessa exposição apresenta também o quadro Engenho de mandioca, uma de suas obras mais conhecidas. 1895 - O quadro Redenção e Cam é apresentado na Exposição Geral deste ano. Enciclopédia Itaú Cultural de Artes Visuais
  3. 3. 1896/1900 - Renuncia ao cargo de professor na Enba e viaja para Roma e posteriormente para a Espanha 1900 - Volta a viver na cidade do Rio de Janeiro 1910 - Produz a maquete do frontão da Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro 1911 - Torna- se professor extraordinário da Enba, Rio de Janeiro 1915 - Torna-se professor catedrático da Enba 1915 - Publica A Questão do Ensino de Belas-Artes 1933 - Ocorre a publicação dos livros Retórica dos Pintores e Viagem a Marte ca.1933 - Leciona gravura no Liceu de Artes e Ofícios do Rio de Janeiro 1952 - É realizada exposição em comemoração ao centenário de seu nascimento no Museu Nacional de Belas Artes, no Rio de Janeiro. 1977 - É publicado catálogo de exposição realizada na Bolsa de Arte, no Rio de Janeiro, que traz reproduções de parte de sua produção de retratos, tipos populares e cenas gêneros, e apresenta texto do historiador Quirino Campofiorito. 2007 - O Museu Nacional de Belas Artes - MNBA exibe a mostra Modesto Brocos, um estrangeiro nos trópicos, que reúne cerca de 50 obras do artista, entre pinturas, desenhos, gravuras e documentos, em grande parte inéditos Museu Nacional de Belas Artes - MNBA - Rio de Janeiro RJ Museu Histórico da República - Rio de Janeiro RJ Acervo Biblioteca Nacional - Rio de Janeiro RJ Acervo Pinacoteca do Estado de São Paulo/Brasil - São Paulo SP Acervo Galeria de Arte - Rio de Janeiro RJ Coleção Fadel - Rio de Janeiro RJ Fontes de Pesquisa ARTE no Brasil. São Paulo: Abril Cultural, 1979. BIBLIOTECA Nacional: obras raras. Curadoria Georgina Staneck, Mônica Carneiro Alves; texto Vera Beatriz Siqueira;. Porto Alegre: Margs, 2000. 89 p. il. color. BRAGA, Theodoro. Artistas pintores no Brasil. São Paulo: São Paulo Editora, 1942. 251 p. CAMPOFIORITO, Quirino. História da pintura brasileira no século XIX. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1983. 292 p., il. p&b. color. Enciclopédia Itaú Cultural de Artes Visuais
  4. 4. CAVALCANTI, Carlos (org.); AYALA, Walmir, (org.). Dicionário brasileiro de artistas plásticos. Brasília: MEC : INL, 1973-1980. pt. 1, il. p&b. (Dicionários especializados, 5). DUQUE, Gonzaga. Contemporâneos: pintores e esculptores. Rio de Janeiro: Benedicto de Souza, 1929. 255 p. FREIRE, Laudelino. Um século de pintura: apontamentos para a história da pintura no Brasil: de 1816-1916. Rio de Janeiro: Fontana, 1983. GONZALEZ, Carlos; MARTI, Montse. Pintores españoles en Roma: 1850-1900. 2. ed. Barcelona: Tusquets, 1996. LEITE, José Roberto Teixeira. Pintores espanhóis no Brasil. São Paulo: Espaço Cultural Sérgio Barcellos, 1996. 173 p. il. color. MARTINS, Carlos (coord.). Acervo gravura doações recentes 1982/1984. Rio de Janeiro: MNBA, 1984. 36 p. il. p. b. MODESTO Brocos. Texto Quirino Campofiorito. Rio de Janeiro : Bolsa de Arte, [1977] MOSTRA do Redescobrimento (2000: São Paulo, SP), AGUILAR, Nelson (org. ), SASSOUN, Suzanna (coord. ). Arte do século XIX. Curadoria geral Nelson Aguilar; curadoria Luciano Migliaccio, Pedro Xexéo; tradução Roberta Barni, Christopher Ainsbury, John Norman. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo: Associação Brasil 500 anos Artes Visuais, 2000. 223 p. il. color. MOSTRA do Redescobrimento (2000: São Paulo, SP), ARAÚJO, Emanoel (org.). Negro de corpo e alma. Tradução Christopher Ainsbury, Denise Kato, Doris Hefti, Douglas V. Smith, Eduardo Hardman, Eugênia Deheinzelin, Grant Ellis, H. Sabrina Gledhill, John Norman, Katica Szabó, Lilian Escorel, Regina Alfarano, Ricardo Gomes Quintana, Robert Slenes, Carlos Galvão, Suzanne Oboler, Elitza Bachvarova, Thomas William Nerney; curadoria Emanoel Araújo, Maria Lúcia Montes, Carlos Eugênio Marcondes de Moura; curadoria geral Nelson Aguilar; apresentação Edemar Cid Ferreira. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo: Associação Brasil 500 anos Artes Visuais, 2000. 559 p. il. color. MOSTRA Rio Gravura: catálogo geral dos eventos. Curadoria Rubem Grilo; texto Rubem Grilo, Paulo Sérgio Duarte, Agnaldo Farias, Wilson Coutinho; tradução Stephen Berg. Rio de Janeiro: Prefeitura Municipal, 1999. 231 p. il. p. b. color. MUSEU Nacional de Belas Artes. Curadoria Rubem Grilo; texto Wilson Coutinho, Rubem Grilo, Anna Bella Geiger, Aldo Bonadei, Anna Maria Maiolino, Dionísio del Santo, Eduardo Sued, Lívio Abramo, Sérgio Fingermann, Aldemir Martins, Glênio Bianchetti, Manoel Messias, Marcelo Grassmann, Walter Marques, Mário Gruber. Rio de Janeiro: MNBA, 1999. 135 p. il. p. b. color. O RETRATO na coleção da Pinacoteca. Texto Aracy Amaral. São Paulo: Pinacoteca do Estado, 1976. 20 p. il. p. b. PERFIL da Coleção Itaú. Curadoria e texto Stella Teixeira de Barros. 1998 São Paulo: Itaú Cultural, 1998. 256 p. il. color. PINACOTECA DO ESTADO (SÃO PAULO, SP). Pinacoteca do Estado (São Paulo, SP) (org.). Dezenovevinte uma virada no século. Texto Ciça França Lourenço, Ruth Sprung Enciclopédia Itaú Cultural de Artes Visuais
  5. 5. (org.). Dezenovevinte uma virada no século. Texto Ciça França Lourenço, Ruth Sprung Tarasantchi, Carlos Alberto Cerqueira Lemos, Maria Inez Turazzi, Anna Carboncini, Maria Cristina Castilho Costa. São Paulo: Pinacoteca do Estado, s.d. 126 p. il. p. b. color. [Quadro Cronológico]. PINTURA Brasil Século XIX e XX: obras do acervo Banco Itaú. Texto Aracy Amaral, Frederico Morais. São Paulo: Instituto Cultural Itaú, 1989. 84 p. 44 il. color. PONTUAL, Roberto. Dicionário das artes plásticas no Brasil. Texto Mário Barata, Lourival Gomes Machado, Roberto Pontual, Carlos Cavalcanti, Flávio Mota, Aracy Amaral, Walter Zanini, Ferreira Gullar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1969. 559 p., il. p&b., color. REIS JÚNIOR, José Maria dos. História da pintura no Brasil. São Paulo: Leia, 1944. 409 p., il. p&b. RUBENS, Carlos. Pequena história das artes plásticas no Brasil. São Paulo: Nacional, 1941. 388 p., il. p&b. ZANINI, Walter (org.). História geral da arte no Brasil. São Paulo: Fundação Djalma Guimarães : Instituto Walther Moreira Salles, 1983, 1106p., il. color. 2v. Exposições Coletivas 1876 - Rio de Janeiro RJ - 24ª Exposição Geral de Belas Artes, na Aiba 1882 - Paris (França) - Salão Oficial de Belas Artes 1887 - Madri (Espanha) - Coletiva 1894 - Rio de Janeiro RJ - 1ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba 1895 - Rio de Janeiro RJ - 2ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba - medalha de ouro 1896 - Rio de Janeiro RJ - 3ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba 1897 - Rio de Janeiro RJ - 4ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba 1898 - Rio de Janeiro RJ - 5ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba 1900 - Rio de Janeiro RJ - 7ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba 1901 - Rio de Janeiro RJ - 8ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba 1902 - Rio de Janeiro RJ - 9ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba 1903 - Rio de Janeiro RJ - 10ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba 1904 - Rio de Janeiro RJ - 11ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba 1905 - Rio de Janeiro RJ - 12ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba 1906 - Rio de Janeiro RJ - 13ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba 1907 - Rio de Janeiro RJ - 14ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba - medalha de prata Enciclopédia Itaú Cultural de Artes Visuais
  6. 6. 1908 - Rio de Janeiro RJ - 15ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba 1909 - Rio de Janeiro RJ - 16ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba 1910 - Rio de Janeiro RJ - 17ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba 1911 - Rio de Janeiro RJ - 18ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba 1911 - São Paulo SP - Primeira Exposição Brasileira de Belas Artes, no Liceu de Artes e Ofícios 1912 - Rio de Janeiro RJ - 19ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba 1913 - Rio de Janeiro RJ - 20ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba 1914 - Rio de Janeiro RJ - 21ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba 1915 - Rio de Janeiro RJ - 22ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba 1916 - Rio de Janeiro RJ - 23ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba 1917 - Rio de Janeiro RJ - 24ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba 1927 - Rio de Janeiro RJ - 34ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba Exposições Póstumas s.d. - Nova York (Estados Unidos) - Exposição inaugurada no Roerich Museum com outros pintores dos séculos XIX e XX 1948 - Rio de Janeiro RJ - Retrospectiva da Pintura no Brasil, no MNBA 1950 - Rio de Janeiro RJ - Um Século da Pintura Brasileira: 1850-1950, no MNBA 1954 - Rio de Janeiro RJ - A Europa na Arte Brasileira, no MNBA 1958 - Rio de Janeiro RJ - O Trabalho na Arte, no MNBA 1976 - São Paulo SP - O Retrato na Coleção da Pinacoteca, na Pinacoteca do Estado 1980 - São Paulo SP - A Paisagem Brasileira: 1650-1976, no Paço das Artes 1984 - Rio de Janeiro RJ - Doações Recentes 82-84, no MNBA 1984 - São Paulo SP - Tradição e Ruptura: síntese de arte e cultura brasileiras, na Fundação Bienal 1985 - São Paulo SP - 100 Obras Itaú, no Masp 1986 - São Paulo SP - Dezenovevinte: uma virada no século, na Pinacoteca do Estado 1989 - Fortaleza CE - Arte Brasileira dos Séculos XIX e XX nas Coleções Cearenses: pinturas e desenhos, no Espaço Cultural da Unifor 1989 - São Paulo SP - Pintura Brasil Século XIX e XX: obras do acervo do Banco Itaú, na Itaugaleria Enciclopédia Itaú Cultural de Artes Visuais
  7. 7. 1994 - São Paulo SP - Um Olhar Crítico sobre o Acervo do Século XIX, na Pinacoteca do Estado 1995 - Campinas SP - Da Marinha à Natureza Morta 1999 - Rio de Janeiro RJ - Mostra Rio Gravura: Gravura Moderna Brasileira: acervo Museu Nacional de Belas Artes, no MNBA 1999 - Rio de Janeiro RJ - O Brasil Redescoberto, no Paço Imperial 2000 - Porto Alegre RS - Biblioteca Nacional: obras raras, no Margs 2000 - São Paulo SP - Brasil + 500 Mostra do Redescobrimento, na Fundação Bienal 2001 - São Paulo SP - Trajetória da Luz na Arte Brasileira, no Itaú Cultural Textos críticos "Sua técnica é européia, aprendida na Itália e na Espanha. O desenho é correto, posto que algo frio: nota-se uma preocupação de ordem documental incompatível com o espírito do século XX. (...) Broccos não é um inovador, quer na gravura, quer muito menos em pintura: sua audácia maior constituiu em fazer uso de um meio expressivo praticamente desconhecido em nosso país, subordinando-o, contudo, à lição dos antecessores (na obra sobre exame é flagrante a ascendência de Eugene Delacroix), e cautelosamente evitando olhar para o futuro". José Roberto Teixeira Leite PONTUAL, Roberto. Dicionário das artes plásticas no Brasil. Apresentação de Antônio Houaiss. Textos de Mário Barata et al. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1969. Enciclopédia Itaú Cultural de Artes Visuais

×