• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
6. Coll. CéSar. Aprender ConteúDos. Paulo Deloroso
 

6. Coll. CéSar. Aprender ConteúDos. Paulo Deloroso

on

  • 6,660 views

 

Statistics

Views

Total Views
6,660
Views on SlideShare
6,525
Embed Views
135

Actions

Likes
2
Downloads
105
Comments
0

4 Embeds 135

http://apeoespitaqua.blogspot.com 64
http://apeoespitaqua.blogspot.com.br 54
http://www.slideshare.net 16
http://apeoespitaqua.blogspot.pt 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    6. Coll. CéSar. Aprender ConteúDos. Paulo Deloroso 6. Coll. CéSar. Aprender ConteúDos. Paulo Deloroso Presentation Transcript

    • COLL, CÉSAR; MARTÍN, ELENA E COLABORADORES APRENDER CONTEÚDOS & DESENVOLVER CAPACIDADES. PORTO ALEGRE: ARTMED, 2004.
    • A partir da concepção psicopedagógica, destaca que a função social da escola, a educação deve em cada momento levar os alunos a um maior grau de desenvolvimento possível. O currículo, as tarefas, as atividades de aprendizagem, as intervenções do professor e em geral, todas as decisões didáticas são valorizadas segundo seu maior ou menor grau de adequação para alcançar este objetivo.
    • Consideram que o papel das capacidades na definição das intenções educativas que regem e orientam a educação escolar devem se centrar na ajuda aos estudantes , para que possam desenvolver as capacidades imprescindíveis para tornarem cidadãos e cidadãs com plenos direitos e deveres, responsáveis, críticos e ativos, em uma sociedade democrática.
      • Basicamente, sugerem três alternativas para definir as intenções:
      • Propor formular as intenções educativas “precisando” os resultados esperados da aprendizagem, isto é, aquilo que o aluno deve ter aprendido até o final do processo educativo.
      • Propor definir as intenções educativas por meio dos “conteúdos” que os alunos devem aprender na escola, por considerar os valores intrínsecos importantes para a formação dos alunos.
      • Por fim, propor estabelecer as “atividades” de ensino e de aprendizagem, das quais os alunos vão participar.
      • A maior crítica a essa proposta é que, de fato as atividades se definem em termos gerais, resultando pouco úteis para orientar o desenvolvimento do currículo.
    • Portanto a meta da educação escolar é desenvolver as capacidades que permitirão que os alunos continuem aprendendo e utilizando o que sabem para viver e conviver com os outros, melhorando o ambiente natural e social de que fazem parte.
    • Os autores, também retomam, aprofundam e ilustram a seleção das áreas, matérias ou áreas de conhecimento que devem se transformar em matérias escolares em cada etapa educativa a partir das capacidades selecionadas e definidas nos objetivos gerais de cada uma delas, sendo que as áreas, as matérias ou as disciplinas que formam o currículo estão a serviço das capacidades definidas nos objetivos gerais da etapa educativa correspondente, é o que se ensina na escola; portanto, se estas não contêm as capacidades que se pretende que os alunos adquiram ou desenvolvam no final da etapa, simplesmente não serão trabalhadas. Por fim, a escola deve se centrar no desenvolvimento e na aquisição das capacidades intelectuais dos alunos e deixar o restante dos aspectos da formação de crianças e jovens nas mãos de outros agentes e cenários educativos como a família, o grupo enfim o meio em que vive. Pois pesquisas e estudos mostram que tanto a escola, a família tem responsabilidades em atender e assistir as nossas crianças e jovens.
    • Outro aspecto importante é o “Trabalho das capacidades na sala de aula” fundamental no planejamento do currículo, essa é a última fase do planejamento do ensino das capacidades e as decisões de avaliação serão tratadas com maior detalhamento, devido a sua complexidade.
    • Para os autores, deste livro, não existe apenas uma maneira de planejar e programar a atividade na sala de aula e que não existem, em termos absolutos, formas de programar melhores do que outras. Qualquer forma de proceder é adequada, desde que o planejamento adquira um nível de concretização explícito ou tácito, que permita guiar a atividade na sala de aula, ou que as atividades promovam entre os alunos a aquisição ou o desenvolvimento das capacidades estabelecidas no Projeto Social Curricular.
    • Para o autor, a avaliação proporciona informações imprescindíveis para reajustar o processo de ensino e de aprendizagem , a função. Pedagógica (avaliação mediante notas, certificações ou títulos) e de função social, é fundamental a distinção entre as funções e incluir os três tipos de conteúdos. E finalizando, a “ Avaliação integradora ” que seria uma maneira articulada de trabalhar conteúdos de várias áreas curriculares.
    • No que se refere ao desenvolvimento e aprendizagem na educação infantil , os autores trazem questões como podem ser identificadas as diferentes áreas ou as capacidades cognitivas e lingüísticas, motoras, de equilíbrio pessoal, de inserção social e de relação interpessoal e que todas devem ser levadas em conta na elaboração de um projeto educativo e a chave reside na qualidade das experiências educativas propostas às crianças.
    • Para a concepção construtivista do ensino e da aprendizagem escolar: a aprendizagem constitui um motor do desenvolvimento , concebido como um duplo processo de socialização e de construção da identidade pessoal, como o processo pelo qual nos tornamos pessoas únicas no seio de um grupo social, precisamente porque pudemos nos apropriar de seus instrumentos materiais e simbólicos. A partir da concepção construtivista, a proposição de uma atividade auto-estruturadora da criança não se contrapõe à da intervenção diversificada do educador, pelo contrário, assume-se que esta aumenta mediante a interação interpessoal.
    • Em seu artigo 8º, a LOGSE (LEI 1/1990, de 3 de outubro) estabelece que: A educação infantil contribuirá para desenvolver nas crianças as seguintes capacidades: a) Conhecer seu próprio corpo e possibilidade de ação b) Relacionar-se com os outros mediante diversas formas de expressão e de comunicação. c) Observar e explorar seu ambiente natural, familiar e social. c) Adquirir, de uma maneira progressiva, uma autonomia em suas atividades habituais.
    • De forma mais concreta, considera-se que, no final da etapa, as crianças devem ter alcançado os seguintes objetivos: a) Descobrir, conhecer controlar progressivamente o próprio corpo , formando uma imagem positiva de si mesma, valorizando sua identidade sexual, suas capacidades e suas limitações de ação e de expressão e adquirindo hábitos básicos de saúde e de bem estar. b) Agir de forma cada vez mais autônoma em suas atividades habituais, adquirindo progressivamente segurança afetiva e emocional e desenvolvendo suas capacidades de iniciativa e de confiança em si mesmas. c) Estabelecer relações sociais em um âmbito cada vez mais amplo, aprendendo a articular progressivamente os próprios interesses, pontos de vista e aportes com os dos demais. d) Estabelecer vínculos na relação com os adultos e seus pares , respondendo aos sentimentos de afeto, respeitando a diversidade e desenvolvendo atitudes de ajuda e de colaboração .
    • e) Observar e explorar o entorno imediato com uma atitude de curiosidade e cuidado, identificando as características e as propriedades mais significativas dos elementos que o formam e algumas das relações que se estabelecem entre eles. f) Conhecer algumas manifestações culturais de seu entorno, mostrando atitudes de respeito, de interesse e de participação. g) Representar e evocar diversos aspectos da realidade, vividos, conhecidos ou imaginados, e expressá-los mediante as possibilidades simbólicas oferecidas pelos jogos e pelas outras formas de representação e de expressão. h) Utilizar a linguagem oral de forma ajustada às diferentes situações de comunicação habituais para compreender e ser compreendido pelos outros, expressar suas idéias, sentimentos, experiências e desejos, avançar na construção de significados, regular a própria conduta e influenciar os demais. i ) Enriquecer e diversificar suas possibilidades expressivas mediante o uso dos recursos e dos meios a seu alcance, bem como apreciar diferentes manifestações artísticas, próprias de sua idade
    • Para terminar, os autores sugerem uma reflexão sobre a importância das capacidades que a educação infantil deseja promover e que o momento em que o avanço da sociedade da aprendizagem e do conhecimento tem evidenciado que o fundamental não é a informação, mas as habilidades que permitem transformar a informação em saber e continuar gerando novos conhecimentos de forma autônoma