República da Espada
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

República da Espada

on

  • 7,458 views

 

Statistics

Views

Total Views
7,458
Views on SlideShare
7,449
Embed Views
9

Actions

Likes
0
Downloads
85
Comments
0

1 Embed 9

http://www.slideshare.net 9

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    República da Espada República da Espada Presentation Transcript

    • A República da Espada Ideologia Republicana
      • República brasileira  aliança entre o café e a espada.
      • Café  cafeicultores de São Paulo
      • Espada  militares do exército
      • Uma aliança antes de tudo tática, em busca de interesses comuns  o inimigo era o mesmo  o império.
      • vencido o império, aflorou as diferenças, pois o projeto
      • político republicano era bem diferente.
      • Após o 15 de novembro, a instituições estão em
      • processo de gestação, portanto aceitou-se os militares.
      • O contra golpe da monarquia era temido. A espada
      • precisava ficar em punho. (1889 – 1894)
    • Os três projetos de república
      • Uma república liberal  defendida pelos cafeicultores
      • de São Paulo. Organizados no PRP – Partido
      • Republicano Paulista, apoiados por várias oligarquias,
      • Brasil a fora.
      • Nesse momento histórico, São Paulo enriquecido, pretendia uma forma de governo descentralizada em um modelo federativo. “Administrar o que é nosso” derrubando o centralismo do império.
      • A república liberal deveria fundar-se no ideal norte- americano e nos princípios de federação  autonomia aos estados membros e os ideais de John Locke (1704)
      • A soma dos interesses individuais faz o interesse público.
    • Os diferentes projetos republicanos
      • 1889 foi a confluência de alguns sonhos, uma alternativa histórica excepcional para o Brasil, “ a possibilidade de se criar um regime fundado na soberania popular, no exercício pleno da cidadania ampliada”.
      • Seria a primeira grande mudança de regime político após a independência. Pois a monarquia sempre viveu à sombra do poder moderador.
      • A soberania popular só se faz baseada na vontade popular.
      • Vários setores populares sonhavam com a república, mesmo não tendo estes participado da festa.
    • República liberal
      • O seu ideário seria um sistema de livre competição e liberdades individuais, a separação dos três poderes, a instauração de eleições e a separação entre Igreja e Estado.
      • Essa república que nasce no final do XIX, entendia que o poder público era um mero acessório ao poder privado. Esse princípio marcou a (RV) com um caráter de classe, incomparável com os dias atuais.
    • Uma república jacobina
      • Pelo menos na teoria. Os jacobinos foram considerados radicais para o seu tempo histórico, e a república brasileira nascia falando e se espelhando na (RF).
      • Os setores sociais que mais defendiam essas idéias eram os comerciantes, profissionais liberais, setores urbanos intelectualizados.
      • Esses setores rejeitavam a monarquia pelo seu imobilismo, pela sua ligação com o escravismo e principalmente por impedir a participação desse na vida pública  voto censitário
      • Esses setores defendiam as idéias de Rousseau.
    • República positivista
      • Partia da condenação à monarquia, vista como um impedimento à evolução da humanidade .
      • A idéia de progresso alinhavada com a ordem, daí o grande papel do Estado.
      • Uma ditadura republicana  sustentava o ideário positivista.
      • A bandeira positivista estava impregnada de valores como o exercício da disciplina e da obediência ao serviço da pátria.
      • No ideal positivista o Estado e seus líderes protegem os cidadãos.
    • Governo provisório – Deodoro da Fonseca
      • O governo provisório deveria conduzir o país até que a nova constituição fosse redigida. E as células da república organizada  Esse caráter provisório deu a Deodoro o apoio dos cafeicultores de SP.
      • Deodoro se cercou de positivistas, o que desagradava os cafeicultores.
      • Deodoro era um oficial militar ‘troupier’  não tinha grande formação acadêmica, sua experiência era no campo de batalha  acostumado a dar ordens  um verdadeiro autoritário no comando da república.
      • O seu autoritarismo, inviabilizou qualquer tipo de acordo com o grupo dos cafeicultores  a falta de habilidade política teve conseqüências nefastas, para a jovem república.
    • As medidas implementadas por Deodoro
      • Fim da constituição de 1824, e do poder legislativo imperial em todas as suas instâncias.
      • Banimento da família imperial.
      • Separação entre Estado e Igreja.
      • Projeto de naturalização.
      • Convocou eleições para uma assembléia constituinte.
      •  Nomeação de Rui Barbosa para o ministério da fazenda.
      •  Essa medida foi importante, pois o ministro era um industrialista, essa prerrogativa o colocava lado a lado com os positivistas.
      •  Primeira vez na história que o Brasil pensava em se industrializar.
      •  Rui Barbosa emite uma grande quantidade de papel moeda, para investir na indústria, tendo em vista que não temos crédito.
    • O Governo constitucional de Deodoro da Fonseca (1891)
      • Logo após a promulgação da nova constituição as elites davam por encerrada a participação dos militares, criticavam a desastrosa política econômica e apregoavam o retorno dos militares aos quartéis.
      • Os passos seguintes de Deodoro foram catastróficos:
      •  retardou o máximo as eleições;
      •  sabotou de todas as maneiras o candidato dos
      • cafeicultores, Prudente de Morais.
      • Os cafeicultores articularam um candidato a vice, ligado ao exército, cujo o nome foi muito bem aceito entre os deputados eleitores, o marechal Floriano Peixoto.
      • Surpreendentemente Peixoto foi o mais votado entre todos os candidatos. (foi eleito vice.)
    • Novo governo, velhos erros
      • Governo provisório  “ditadura consentida”
      • Governo constitucional  período de legalidade, o governo deveria se submeter ao congresso, controlado pelos cafeicultores.
      • Os choques foram inevitáveis, eclodiu a primeira grande crise política na república brasileira.
      • Velhos erros  Deodoro nomeia o barão de Lucena como ministro da fazenda.  o barão era ligado a monarquia e gerou descontentamento no exército, último reduto de Deodoro.
      • Essa nomeação gerou uma grande ira nos cafeicultores.  cresceu a oposição no congresso e Deodoro decreta estado de sítio.
    • A reação das oligarquias
      • Vária frentes se formaram contra Deodoro.
      • Prudente de Moraes, Campos Sales e outros escapam da prisão  articulam uma ação com o respaldo de MG, PE, RG esse último pegando em armas.
      • O exército rompe com Deodoro e apóia o marechal Floriano Peixoto.
      • O ultimo suspiro de Deodoro se deu diante da greve da Central do Brasil, primeira grande greve política da história do Brasil.
      • Ao mesmo tempo a marinha se revolta e aponta os canhões de seus navios para a cidade do RJ.
      • Renúncia de Deodoro.
    • O governo de Floriano Peixoto (1891-1894)
      • Apoiado por muitos, devido ao autoritarismo de Deodoro  uma ameaça à república.
      • O enigmático e silencioso Floriano  “ A Esfinge”
      • Um presidente popular  e com grandes inimigos.
      • Floriano se mostrou um político hábil  uniu em torno de si republicanos radicais e positivista.
      • Como um bom militar usou do autoritarismo, dentro dos limites da constituição.
      • Para agradar setores tão opostos, tomou medidas de cunho sociais/populares e modernizadoras.
      • Ganhou também o apoio dos cafeicultores  republicanos liberais.
      • Floriano  a volta a normalidade  o congresso restabelecido e governadores trocados.
    • Medidas econômicas e populares de Floriano
      • Reduziu os preços dos alugueis populares.
      • Demoliu cortiços, construções populares, suspendeu a cobrança do imposto sobre a carne e combateu a especulação.
      • Eram medidas inéditas em um Brasil arcaico  O Brasil de Floriano era o RJ  parecia um estranho no resto do Brasil.
      • Floriano era um paternalista, e como tal excluía o povo.
      • As classes subalternas não possuíam um projeto político próprio  fruto do paternalismo.
      • “ Paternalismo  combinado à sujeição agradecida, um estilo governamental que seria muito aprimorado posteriormente, esvaziando qualquer ação política de maior envergadura e duração.” (característica da República Velha)
    • A economia no governo Floriano
      • Grande estímulo a indústria  linha de crédito
      • As leis alfandegárias foram revistas  protecionismo.
      • Combate à inflação, a falta de crédito, e o descontrole econômico-financeiro.
      • Sofreu com a oposição financeira  exerceu o nacionalismo exacerbado em pronunciamentos e atos.
      • Agradou a xenofobia republicana radical.
      • A xenofobia contribuiu para a unidade da jovem nação brasileira, escamoteando as desigualdades e as diferenças sócio-políticas.
      • O apoio que tinha dos cafeicultores era frágil, e dependia das condições econômicas.
    • A oposição a Floriano
      • Argumento da inconstitucionalidade de seu governo. Ele não poderia governar, pois Deodoro só permaneceu no poder 9 meses, o que iria contra a constituição.
      • Uma parte do exército, se respaldando nesse argumento pediu seu afastamento e realização de novas eleições.
      • A reação do presidente foi pronta e dura como manda o regimento militar  afastamento e cadeia para os insubordinados.
      • O positivismo no Rio Grande do Sul.
    • A oposição do Rio Grande
      • Crise política do RG respinga em Floriano
      •  Júlio de Castilhos (positivista) X Partido Federalista
      •  Apoio de Floriano a Júlio de Castilho provocou reações em grupos opositores ao governo federal. Os federalistas defendiam um regime central forte, com um regime parlamentarista.
      • Maragatos X “pica-paus”  Revolução federalista ganhou outro colorido com a revolta da armada em setembro de 1893.
      • A marinha sublevou-se na baia de Guanabara, repetindo a revolta de 1891.
      • Esse ato encorajou os federalistas do RG, que avançaram rumo ao Paraná e Santa Catarina.
    • O fim da República da Espada
      • Floriano derrota a marinha e os federalistas no RG, enquanto aproxima-se as eleições.
      • Os paulistas, fieis ao presidente, preparavam o seu sucessor, naquela que foi a primeira eleição através do voto direto da república brasileira.
      • O republicano histórico Prudente de Morais, foi escolhido candidato dos cafeicultores  iniciava-se aí, o primeiro governo civil da rep. brasileira.
      • O governo de prudente significou o fim da república da espada.
      • Foi a vitória também do projeto paulista, de uma república liberal.
      • Como hipótese mais aceita dentro da historiografia, para explicar a derrota de positivistas e radicais jacobinos, está a ausência de uma base de classe significativa para viabilizá-lo.
      • O republicanismo radical também sucumbiu diante da falta de apoio.
    • O projeto vitorioso
      • Venceu, a república liberal dos cafeicultores paulista.
      • Mas essa república não vai ser nada democrática, se compararmos, com o seu modelo norte-americano.
      • No Brasil essa república perpetuou a injustiça social e os privilégios de uns poucos.
      • E no mais, a essência de uma república é o voto, e esse era para poucos no Brasil.
      • Inaugura-se com Prudente de Morais a república oligárquica controlada pelos cafeicultores. O povo continua à margem do processo. Ora subserviente, ora violento.