• Like
Interacção Homem-Máquina (introdução)
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

Interacção Homem-Máquina (introdução)

  • 1,226 views
Published

Apresentação de suporte às aulas da unidade curricular de Interacção Homem-Máquina da Licenciatura em Engenharia Informática da Universidade Lusófona do Porto

Apresentação de suporte às aulas da unidade curricular de Interacção Homem-Máquina da Licenciatura em Engenharia Informática da Universidade Lusófona do Porto

Published in Education , Technology
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
1,226
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
25
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Interacção Homem-Máquina
    Introdução
  • 2. Definição
    [ACM SIGCHI] Human-computerinteractionis a discipline concernedwiththe design, evaluationandimplementationofinteractivecomputingsystems for human use andwiththestudyof major phenomenasurroundingthem
    Os objectivos são:
    tornar os sistemas fáceis de aprender e de utilizar
    contribuir para a eficiência, a eficácia, a utilidade e a segurança dos sistemas
    David Lamas, ULP, 2010
    2
  • 3. Áreas deconhecimento afins
    Informática
    Psicologia cognitiva
    no que respeita ao conhecimento humano e aos processos mentais subjacente
    Psicologia social e organizacional
    explorando a influência de um indivíduo ou de um grupo nas atitudes e comportamentos de outros indivíduos ou grupo
    Ergonomia e factores humanos
    definindo e desenhando artefactos para diferentes ambientes que respeitem as características do Homem
    Linguística
    Inteligência artificial
    na simulação de aspectos do comportamento humano inteligente
    Filosofia, Sociologia, Antropologia,…
    David Lamas, ULP, 2010
    3
  • 4. Motivação
    Cerca de metade do esforço de concepção e desenvolvimento é dedicado ao interface com o utilizador
    O interface com o utilizador é crítica para a aceitação do sistema
    para muitos utilizadores, o interface é o sistema
    Acidentes acontecem por não se dar a devida atenção o interface
    [Neuman, 1991] Lacuna num interface causa erro humano e resulta em queda de avião
    [Leveson, 1993] Aplicação de controlo de aplicação de radiação provocou erro fatal
    David Lamas, ULP, 2010
    4
  • 5. Evolução
    Anos 50
    o interface faz-se directamente com o hardware
    Anos 60 e 70
    o interface faz-se através de linguagens de programação (COBOL, FORTRAN, etc...)
    Anos 80
    o interface faz-se dialogando com o sistema operativo (linha de comando)
    aparecem as primeiras interfaces gráficas
    Anos 90
    o interface faz-se manipulando representações gráficas do sistema (a metáfora mais comum é a secretária)
    Depois de 2000
    o interface torna-se ubíquo (manifesta-se um pouco por todo o lado)
    David Lamas, ULP, 2010
    5
  • 6. Exemplos
    Da interacção com o hardware à manipulação directa
    David Lamas, ULP, 2010
    programação
    física
    6
  • 7. Exemplos
    Da interacção com o hardware à manipulação directa
    David Lamas, ULP, 2010
    7
  • 8. Exemplos
    Da interacção com o hardware à manipulação directa
    David Lamas, ULP, 2010
    8
  • 9. Exemplos
    Da interacção com o hardware à manipulação directa
    David Lamas, ULP, 2010
    9
  • 10. Exemplos
    Da interacção com o hardware à manipulação directa
    David Lamas, ULP, 2010
    10
  • 11. Exemplos
    Da interacção com o hardware à manipulação directa
    David Lamas, ULP, 2010
    11
  • 12. Exemplos
    Da interacção com o hardware à manipulação directa
    David Lamas, ULP, 2010
    o primeiro
    computador
    gráfico
    12
  • 13. Exemplos
    Da interacção com o hardware à manipulação directa
    David Lamas, ULP, 2010
    13
  • 14. Xerox Star
    A investigação sobre a sua usabilidade foi extensiva
    As aplicações não surgem ao utilizador
    é documentcentered
    Existem teclas dedicadas para comandos genéricos
    não existem teclas modais
    tais como o ALT, CTRL, OPT, etc.)
    Uma Janela tem a forma de um ícone em grande
    David Lamas, ULP, 2010
    14
  • 15. Exemplos
    Da interacção com o hardware à manipulação directa
    David Lamas, ULP, 2010
    15
  • 16. Exemplos
    Da interacção com o hardware à manipulação directa
    David Lamas, ULP, 2010
    16
  • 17. Exemplos
    Da interacção com o hardware à manipulação directa
    David Lamas, ULP, 2010
    um dos
    primeiros
    computadores
    comerciais
    com uma
    interface
    gráfica
    17
  • 18. Ainda o Xerox Star
    Infelizmente, comoconstatou David Liddle, responsávelpelodesenvolvimento do Xerox Star…
    In later systems, such as the Macintosh and Windows, people did strange things with icons, such as using them to represent an application program.Theuser should never need to operate directly on programs. [...] That was not what happened, because the later designers were retrofitting the Star’s concepts over existing ideas.
    In the Macintosh, they just missed it
    In Windows, they were retrofitting it over DOS
    David Lamas, ULP, 2010
    18
  • 19. Exemplos
    Da interacção com o hardware à manipulação directa
    David Lamas, ULP, 2010
    19
  • 20. Exemplos
    Da interacção com o hardware à manipulação directa
    David Lamas, ULP, 2010
    20
  • 21. Exemplos
    Da interacção com o hardware à manipulação directa
    David Lamas, ULP, 2010
    21
  • 22. Exemplos
    Da interacção com o hardware à manipulação directa
    David Lamas, ULP, 2010
    22
  • 23. Exemplos
    Da interacção com o hardware à manipulação directa
    David Lamas, ULP, 2010
    23
  • 24. Exemplos
    Da interacção com o hardware à manipulação directa
    David Lamas, ULP, 2010
    24
  • 25. Exemplos
    Da interacção com o hardware à manipulação directa
    David Lamas, ULP, 2010
    25
  • 26. Exemplos
    Da interacção com o hardware à manipulação directa
    David Lamas, ULP, 2010
    26
  • 27. Exemplos
    Da interacção com o hardware à manipulação directa
    David Lamas, ULP, 2010
    interfaces
    multi-toque
    27
  • 28. Exemplos
    Da interacção com o hardware à manipulação directa
    David Lamas, ULP, 2010
    28
  • 29. O computador...
    Começou por ser encarado como uma ferramenta
    servia para aumentar a nossa capacidade de produzir
    Mas agora cada vez mais se vê como um assistente
    sem deixar de servir para aumentar, serve cada vez mais também para automatizar
    Deve ser:
    fácil de aprender
    fácil de utilizar
    intuitivo
    produtivo
    David Lamas, ULP, 2010
    29
  • 30. Isto não devia ser necessário...
    David Lamas, ULP, 2010
    30
  • 31. Inovação
    O relatórioda Academia Nacional de Ciências dos EstadosUnidos, revelouem 2003 que…
    a evoluçãodas tecnologias de informaçãotelecomunicaçõesdesde a invençãoemlaboratórios, até se tornaremindústrias de biliões de dólares, demoraemmédia 20 anos
    istosignificaque as tecnologiasquenosirãoafectarsignificativamentenospróximos 10 anosjácáandamháumadécada
    importa, portanto, éaprender a descobri-las!
    Tintaelectrónica
    Smartboards
    David Lamas, ULP, 2010
    31
  • 32. A profissão
    Umcandidatoaespecialistaem interacção Homem-máquinadesercapaz de:
    Identificareresolverproblemas conceptuais
    Descrevereapresentar conceitos,sendocapazdeexplicardeformasustentadaporque sãoadequadasassoluções apresentadas
    Compreenderaspessoasparaasquaisseestáa trabalhar
    Se exceder sistemáticamente,tantona concepçãodealto nível,comona identificaçãoedescriçãodosdetalhes
    David Lamas, ULP, 2010
    32