• Like
Minha opinião sobre o sistema educacional de base brasileiro
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

Minha opinião sobre o sistema educacional de base brasileiro

  • 222 views
Published

Texto elaborado como exigência a uma atividade da disciplina Fundamentos Históricos e Filosóficos da Educação, componente do curso de Especialização em Docência do Instituto Federal de Mato Grosso do …

Texto elaborado como exigência a uma atividade da disciplina Fundamentos Históricos e Filosóficos da Educação, componente do curso de Especialização em Docência do Instituto Federal de Mato Grosso do Sul.

Published in Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
222
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
0
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Nome: Sidney Roberto de Sousa Disciplina: Fundamentos Históricos e Filosóficos da Educação Prof.º: Me. Anderson Martins Corrêa Síntese: Debates das duas primeiras semanas A prática educacional brasileira vem sido moldada por padrões há muitos anos estabelecidos. Tais padrões, que outrora eram considerados o estado da arte em termos de ensino e aprendizado, são questionáveis quando aplicados à realidade escolar atual. E isto se deve a uma série de fatores. Para entender tais fatores, devemos nos atentar aos reais motivos de se educar um cidadão, desde a sua pré-escola até o fim de sua carreira acadêmica. Analisando do ponto de vista do aluno, em cada ano dos ensinos fundamental e médio o estudante é motivado a se empenhar em prol de sua promoção ao estágio consecutivo, ou seja, ao próximo ano escolar. Assim, ele cursa um ano inteiro de estudos para ser aprovado a cursar o próximo. Isto não chega a ser um problema por si só. A questão é que tal promoção, a princípio, se torna a única motivação estudantil do aluno. Em poucos momentos – ou em nenhum – ele é levado a se questionar dentro do ambiente escolar a respeito dos reais motivos pelo os quais ele dedica boas horas de sua vida em tal ambiente. O problema ainda fica um pouco mais acentuado quando o estudante brasileiro chega ao ensino médio. Geralmente, em tal época de seus estudos ele é levado (direta ou indiretamente) a priorizar sua atenção ao sucesso nas provas de vestibulares que ele, voluntária ou involuntariamente, venha a se prestar. Mais uma vez, estudar em prol de continuar seus estudos. Assim, analisando grosseiramente os anos escolares do ensino fundamental ao médio e todo o seu processo sequencial de “manufatura”, podemos dizer que atualmente o grande objetivo desejado a um aluno de nossa rede escolar é o seu ingresso no ensino superior, para que assim ele possa ter uma profissão e obter sucesso no mercado de trabalho. Novamente, não devemos necessariamente enxergar tal fato como um problema. Mas afinal, quais são os problemas? O macro fator preocupante por trás deste processo como um todo é a conscientização do aluno sobre sua participação em tal processo. Por que estudar? Para quê estudar? Onde (e quando) devo finalizar os meus estudos? A escola brasileira foi elaborada de tal forma a oferecer opiniões pré-formadas sobre tais questionamentos aos seus alunos, não permitindo assim – ou, sob um ponto de vista alternativo, dificultando – que este possa responder por si próprio a estas questões. Agora, analisando o mesmo problema sob o ponto de vista dos educadores, o processo educacional é moldado com base nas grades curriculares. Ter tais grades para guiar seu trabalho costuma ser considerado cômodo para o educador, servindo assim como diretrizes em seu dia a dia escolar. Porém, o fato é que tal comodismo sobrepõe a análise crítica de toda esta estrutura “gradual”. Praticar esta análise se torna necessário em nossas escolas, a fim de promover uma avaliação sobre todo o conteúdo sendo oferecido aos nossos alunos, considerando aspectos como a contemporaneidade, a relevância e a aplicação do conteúdo servido pela grade ao aluno em sua realidade. Mais uma vez, a manufatura vem à tona, aplicando o seu processo de linha de montagem de alunos “plenamente educados”. Mas então, por que insistimos em utilizar os mesmos métodos por anos? A resposta – ou suposição, pegue o que for de seu agrado – mais óbvia é que tal sistema deve ter obtido sucesso em algum ponto da história. Porém, seria radical afirmar que o sistema não possui mais a sua eficácia? Para responder esta pergunta, devemos nos conscientizar que educar é preparar nossos cidadãos brasileiros para uma convivência social saudável, que promova a evolução não somente de nossa tecnologia, manufatura e ciência. Mas também a evolução de seu carácter, anseios e , por fim mas não menos importante, sua dignidade ao se considerar um cidadão brasileiro. Oras, se o preço a ser pago por tais evoluções for composto por mudanças – drásticas ou não – em nossos métodos e sistemas educacionais, por que não pagá-lo? Enfim, é preciso entender que o valor de educar ao próximo não se resume a manter vivas
  • 2. nossas tradições educacionais. Mas também a fazer com que este cidadão próximo a nós tenha plena paixão por sua evolução por meio da educação. Como diria o educador Rubem Alves, “Se fosse ensinar a uma criança a beleza da música não começaria com partituras, notas e pautas. Ouviríamos juntos as melodias mais gostosas e lhe contaria sobre os instrumentos que fazem a música. Aí, encantada com a beleza da música, ela mesma me pediria que lhe ensinasse o mistério daquelas bolinhas pretas escritas sobre cinco linhas. Porque as bolinhas pretas e as cinco linhas são apenas ferramentas para a produção da beleza musical. A experiência da beleza tem de vir antes”.