Your SlideShare is downloading. ×
Minha opinião sobre o sistema educacional de base brasileiro
Minha opinião sobre o sistema educacional de base brasileiro
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Minha opinião sobre o sistema educacional de base brasileiro

280

Published on

Texto elaborado como exigência a uma atividade da disciplina Fundamentos Históricos e Filosóficos da Educação, componente do curso de Especialização em Docência do Instituto Federal de Mato Grosso do …

Texto elaborado como exigência a uma atividade da disciplina Fundamentos Históricos e Filosóficos da Educação, componente do curso de Especialização em Docência do Instituto Federal de Mato Grosso do Sul.

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
280
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Nome: Sidney Roberto de Sousa Disciplina: Fundamentos Históricos e Filosóficos da Educação Prof.º: Me. Anderson Martins Corrêa Síntese: Debates das duas primeiras semanas A prática educacional brasileira vem sido moldada por padrões há muitos anos estabelecidos. Tais padrões, que outrora eram considerados o estado da arte em termos de ensino e aprendizado, são questionáveis quando aplicados à realidade escolar atual. E isto se deve a uma série de fatores. Para entender tais fatores, devemos nos atentar aos reais motivos de se educar um cidadão, desde a sua pré-escola até o fim de sua carreira acadêmica. Analisando do ponto de vista do aluno, em cada ano dos ensinos fundamental e médio o estudante é motivado a se empenhar em prol de sua promoção ao estágio consecutivo, ou seja, ao próximo ano escolar. Assim, ele cursa um ano inteiro de estudos para ser aprovado a cursar o próximo. Isto não chega a ser um problema por si só. A questão é que tal promoção, a princípio, se torna a única motivação estudantil do aluno. Em poucos momentos – ou em nenhum – ele é levado a se questionar dentro do ambiente escolar a respeito dos reais motivos pelo os quais ele dedica boas horas de sua vida em tal ambiente. O problema ainda fica um pouco mais acentuado quando o estudante brasileiro chega ao ensino médio. Geralmente, em tal época de seus estudos ele é levado (direta ou indiretamente) a priorizar sua atenção ao sucesso nas provas de vestibulares que ele, voluntária ou involuntariamente, venha a se prestar. Mais uma vez, estudar em prol de continuar seus estudos. Assim, analisando grosseiramente os anos escolares do ensino fundamental ao médio e todo o seu processo sequencial de “manufatura”, podemos dizer que atualmente o grande objetivo desejado a um aluno de nossa rede escolar é o seu ingresso no ensino superior, para que assim ele possa ter uma profissão e obter sucesso no mercado de trabalho. Novamente, não devemos necessariamente enxergar tal fato como um problema. Mas afinal, quais são os problemas? O macro fator preocupante por trás deste processo como um todo é a conscientização do aluno sobre sua participação em tal processo. Por que estudar? Para quê estudar? Onde (e quando) devo finalizar os meus estudos? A escola brasileira foi elaborada de tal forma a oferecer opiniões pré-formadas sobre tais questionamentos aos seus alunos, não permitindo assim – ou, sob um ponto de vista alternativo, dificultando – que este possa responder por si próprio a estas questões. Agora, analisando o mesmo problema sob o ponto de vista dos educadores, o processo educacional é moldado com base nas grades curriculares. Ter tais grades para guiar seu trabalho costuma ser considerado cômodo para o educador, servindo assim como diretrizes em seu dia a dia escolar. Porém, o fato é que tal comodismo sobrepõe a análise crítica de toda esta estrutura “gradual”. Praticar esta análise se torna necessário em nossas escolas, a fim de promover uma avaliação sobre todo o conteúdo sendo oferecido aos nossos alunos, considerando aspectos como a contemporaneidade, a relevância e a aplicação do conteúdo servido pela grade ao aluno em sua realidade. Mais uma vez, a manufatura vem à tona, aplicando o seu processo de linha de montagem de alunos “plenamente educados”. Mas então, por que insistimos em utilizar os mesmos métodos por anos? A resposta – ou suposição, pegue o que for de seu agrado – mais óbvia é que tal sistema deve ter obtido sucesso em algum ponto da história. Porém, seria radical afirmar que o sistema não possui mais a sua eficácia? Para responder esta pergunta, devemos nos conscientizar que educar é preparar nossos cidadãos brasileiros para uma convivência social saudável, que promova a evolução não somente de nossa tecnologia, manufatura e ciência. Mas também a evolução de seu carácter, anseios e , por fim mas não menos importante, sua dignidade ao se considerar um cidadão brasileiro. Oras, se o preço a ser pago por tais evoluções for composto por mudanças – drásticas ou não – em nossos métodos e sistemas educacionais, por que não pagá-lo? Enfim, é preciso entender que o valor de educar ao próximo não se resume a manter vivas
  • 2. nossas tradições educacionais. Mas também a fazer com que este cidadão próximo a nós tenha plena paixão por sua evolução por meio da educação. Como diria o educador Rubem Alves, “Se fosse ensinar a uma criança a beleza da música não começaria com partituras, notas e pautas. Ouviríamos juntos as melodias mais gostosas e lhe contaria sobre os instrumentos que fazem a música. Aí, encantada com a beleza da música, ela mesma me pediria que lhe ensinasse o mistério daquelas bolinhas pretas escritas sobre cinco linhas. Porque as bolinhas pretas e as cinco linhas são apenas ferramentas para a produção da beleza musical. A experiência da beleza tem de vir antes”.

×