• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
122949157 oliveirafilho-a-cultura-na-modernidade-tardia
 

122949157 oliveirafilho-a-cultura-na-modernidade-tardia

on

  • 188 views

 

Statistics

Views

Total Views
188
Views on SlideShare
188
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
1
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    122949157 oliveirafilho-a-cultura-na-modernidade-tardia 122949157 oliveirafilho-a-cultura-na-modernidade-tardia Document Transcript

    • A CULTURA NA MODERNIDADE TARDIA: UMA APROXIMAÇÃO FRONTEIRIÇA1 Antônia Sabrina Bezerra 2 José Evaristo de Oliveira Filho 3 RESUMO: Este artigo tem por objetivo propor uma reflexão sobre o conceito de cultura na modernidade tardia. A premissa básica deste trabalho é que a cultura deve ser pensada além dos limites impostos por uma visão disciplinar e, assim como as noções inter-relacionadas de identidade e diferença, que suas definições estejam embebidas de mobilidade intersticial e fronteiriça. PALAVRAS-CHAVE: Cultura. Identidade. Diferença. Modernidade tardia. Fronteiriça. INTRODUÇÃO Um dos livros mais conhecidos e utilizados nos cursos de Ciências Sociais nas Universidades brasileiras é o clássico Cultura: Um Conceito Antropológico (Jorge Zahar Ed.) de Roque de Barros Laraia, cuja primeira edição data de 1986. Há mais de 20 anos este livro tem sido uma referência fundamental e introdutória aos estudos Antropológicos, mas apesar da grande contribuição dessa obra, principalmente pela solidez de seu conteúdo, linguagem clara e exemplos precisos, ela apresenta um pequeno – mas importante – fragmento de uma posição epistemológico-teórica que não pode mais ser defendida consistentemente. Trata-se da apropriação do conceito de cultura com uma exclusividade que não cabe mais na 1 Artigo produzido para fins de avaliação da disciplina “Identidade, cultura e subjetividade” ministrada pelos professores Dra. Geovania da Silva Toscano e Dr. Rosalvo Nobre Carneiro. 2 Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais e Humanas da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. 3 Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais e Humanas da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Bolsista da CAPES.
    • 2 modernidade tardia. O livro aparenta mostrar, desde o seu título, ainda que ao longo do mesmo isso se dê de modo mais sutil, que o conceito de cultura pertence à Antropologia. Laraia apresenta não “o” conceito Antropológico de cultura em contraposição ou justaposição àqueles que são dados por outras disciplinas; antes, ele fala da cultura como sendo um conceito que pertence à Antropologia e, por inferência, compete somente a ela dizer o que é ou não é ‘cultura’. A tentativa de limitar o conceito de cultura a uma disciplina não subsiste diante dos estudos pós-modernos e pós-coloniais desenvolvidos de modo interdisciplinar, que trabalham questões importantes para este tempo como, por exemplo, desterritorialização e multiterritorialidade, ciberespaço e hiperespaço, marginalidade, multiculturalismo, cosmopolitismo etc. Essas e outras noções advindas da Geografia, da História, da Filosofia e das Ciências Sociais, conduzem inevitavelmente à reavaliação do conceito de cultura e, por extensão, das ideias sobre identidade e diferença, rejeitando à tentação de limitar seu conceito a uma disciplina ou teoria específica. Um bom começo para isso seria, possivelmente, que se falasse mais em ‘definições’ (plural e aberto) de cultura ao invés de ‘conceito’ (singular e fechado), e que tais definições esclarecessem que também é preciso falar de culturas, no plural, uma vez que sua realidade extrapola o seu vocábulo singular. É preciso considerar a cultura sem uma amarra disciplinar, ou seja, pensá-la de modo diacrônico e fronteiriço. Considerar a cultura de modo diacrônico significaria interpretar as noções de espaço, lugar e sociedade não como sinônimos obrigatórios de ‘cultura’, mas como possibilidades associadas que se complementam sem perder suas especificidades. É levar em conta as possibilidades dinâmicas e constantes de transformação dos múltiplos e diversos contextos culturais. Pensar a cultura por uma aproximação fronteiriça é considerar que essas e outras noções se apresentam de forma intersticial e se interconectam a fim de formar um quadro maior, para além das ambiguidades e arbitrariedades associadas com as noções de cultura, espaço, lugar, identidade, sociedade etc. Este seria, então, o ponto de partida para que se rompa com as classificações convencionais de tais noções. A fim de analisar a cultura em termos fronteiriços é preciso considerar as relações entre espaço e identidade, ambos produtos das relações e interações socioculturais, pois a cultura também está assentada em uma base geográfica. Desse modo, este artigo procurará mostrar como se relacionam essas noções e quais são algumas das implicações de olhar a cultura em conexão com o espaço, a identidade e a diferença.
    • 3 CULTURA, ESPAÇO E IDENTIDADE: UMA TRÍADE INSEPARÁVEL Uma das importantes contribuições de Laraia (2001) foi mostrar que a geografia não determina a cultura do homem. As características geográficas de um território ou de uma região qualquer influenciariam a produção e expressão cultural do homem, mas não seriam determinísticos. Porém, por mais que ele procure mostrar que há, de fato, certa influência do meio físico, o livro se encaminha para o outro extremo, o determinismo cultural, quase como se o homem existisse apenas em uma dimensão espiritual, intocável pela materialidade do meio ambiente. Mas seja qual for a definição de cultura que se apresente é importante que ela considere a relação entre cultura, espaço e identidade; do contrário, não será possível apreender uma ideia de cultura que vá além do convencional, pois é o “meio físicocircundante, os espaços culturais, o local em que o sujeito vive e constrói a sua subjetividade” (GONÇALVES, 2007, p. 28) e, portanto, a sua identidade. A ideia de ‘espaço cultural’ sintetiza bem a interconexão entre cultura, espaço e identidade, uma vez que o espaço não deve ser considerado apenas como o meio físico dado pela natureza, pois este sofre transformação pela presença do homem e, assim, “assume uma dimensão sociocultural que o sujeito internaliza e representa” (Idem). Visto que o espaço não se limita à dimensão física, e por ser constantemente modificado pela intervenção humana, a sua definição vem abraçar tudo aquilo que se possa pensar como espaço, seja cultural, psíquico ou outra categoria qualquer. É com esse espaço todo-inclusivo que o sujeito se identifica quando dele se apropria. Enquanto se apropria de um lugar, o sujeito vai sendo modificado enquanto transforma o próprio lugar do qual se apropriou não apenas física, mas também psicológica e culturalmente (GONÇALVES, 2007). A apropriação do espaço por um sujeito se dá na relação deste com o meio ambiente e com a sociedade em uma extensão simbólica e vivenciada. Assim, a identidade pessoal do sujeito se atrela à sua identidade social a partir do espaço do qual se apropriou. Porém, isso suscita algumas questões: será que a identidade está fixamente anexada a um lugar específico ou é mais um sentimento, uma orientação subjetiva e móvel? Quando um sujeito se apropria de outro espaço ele muda a sua identidade pessoal ou apenas a sua identidade social? E até que ponto se pode diferenciar a identidade pessoal da social? Haveria alguma parte ‘essencial’ de sua identidade que permaneceria inalteradamente vinculada aos espaços apropriados anteriormente ou a mudança na identidade significaria apenas o acúmulo de novas experiências interiorizadas sem o abandono das anteriores? Essas são questões importantes
    • 4 que este artigo não tenta responder, pela limitação do mesmo e pelo seu propósito reflexivo, mas que devem ser consideradas à luz da definição de cultura que for adotada, uma vez que não é possível separar cultura de espaço e de identidade. Se a cultura está estritamente relacionada à ideia de identidade, também está à ideia de diferença. A identidade, sendo relacional, depende do outro para existir, e como tal, é marcada pela diferença, pois é ao se diferenciar do outro que o sujeito cria, percebe e projeta a sua própria identidade. A diferença, então, é estabelecida por uma marcação simbólica em relação às outras identidades, e muito embora essa marcação seja mais bem compreendida quando se trata de identidades nacionais ou étnicas em que a cultura assume uma posição grandemente influente de diferenciação, ela não se resume a esses tipos de identidade. Assim, “as formas pelas quais a cultura estabelece fronteiras e distingue a diferença são cruciais para compreender as identidades. A diferença é aquilo que separa uma identidade da outra, estabelecendo distinções, frequentemente na forma de oposições” (WOODWARD, 2007, p. 41). O problema é que, sendo a marcação da diferença um elemento-chave em qualquer sistema classificatório e, portanto, inerente aos sistemas compartilhados de significações que se entende antropologicamente por ‘cultura’, a diferença tende a ser construída muito mais por um viés negativo do que positivo, ou seja, ao invés de ressaltar a diversidade, a diferença marca o território simbólico pela exclusão e marginalização daqueles que não têm a mesma cultura ou a mesma identidade cultural. Uma vez que a marcação da diferença restringe os sujeitos a fronteiras préestabelecidas, seguindo de modo contrário ao movimento que se dá na modernidade tardia, que é o de caminhar fronteiriçamente, é preciso deixar de pensar a cultura como um perímetro demarcador da diferença e percebê-la mais como uma “espécie de crítica imanente ou desconstrução”, um “tipo de autodivisão bem como de autocura através da qual os nossos eus fragmentados e sublunares não são abolidos, mas aperfeiçoados a partir de dentro por uma mais ideal espécie de humanidade” (EAGLETON, 2003, p. 19). Portanto, considerada como autocura, a cultura precisa lidar constantemente com o aspecto negativo da diferença, e isso deve ocorrer não de forma unilateral, mas recíproca e toda-inclusiva. Isso significaria pensar a cultura, por exemplo, não somente como crítica utópica ao ideal de “civilização”, mas também como modo de vida, criação artística, cultivo do espírito etc. Significaria também fazer as pazes entre a “alta” e a “baixa” cultura, entre as culturas “erudita”, “de massa” e “popular” como sendo mutuamente necessárias à completitude cultural das sociedades. Significaria também olhar a cultura para além das convenções de nacionalidade, etnia e
    • 5 afinidades, e obter uma percepção móvel e fronteiriça que não anexa os indivíduos a culturas de modo automático e sincrônico; pelo contrário, considera a criatividade dos indivíduos e suas possibilidades históricas de produção de mudanças culturais em seus respectivos contextos. Repensar a cultura a partir de suas relações com o espaço, a identidade e a diferença é apenas um dos caminhos a percorrer para compreendê-la como uma multicolorida tapeçaria humana. Outro caminho seria aquele em que a cultura é considerada à luz da modernidade tardia e da globalização, como veremos a seguir. A CULTURA SOB A DEPENDÊNCIA VEXATÓRIA DA MODERNIDADE TARDIA E DA GLOBALIZAÇÃO O tempo presente tem sido considerado por muitos, entre outros termos, como sendo a ‘pós-modernidade’. Aqui prefere-se usar o termo ‘modernidade tardia’ para identificar esse tempo que se caracteriza pela liquidez das relações em todas os espaços e níveis de interação social. A modernidade tardia exibe uma constante sensação de insegurança e flexibilidade que se reflete na incerteza e transitoriedade das identidades sociais, culturais, sexuais e todas as suas demais classificações e tipologias possíveis. A modernidade tardia é o “admirável mundo novo das oportunidades fugazes e das seguranças frágeis” no qual não há espaço para identidades sólidas e inegociáveis (BAUMAN, 2005, p. 33). As identidades flexíveis e voláteis deste tempo resultam em grande medida da dependência vexatória da cultura em relação à modernidade tardia e à globalização, incluso suas “forças descontroladas” e “seus efeitos cegos e dolorosos” (BAUMAN, 2005, p. 95), que Santos (2001) irá chamar de “perversidade sistêmica”, pois em sua concepção, “para a grande maior parte da humanidade a globalização está se impondo como uma fábrica de perversidades” (p. 19), uma vez que o contínuo estímulo ao consumo favorece o enriquecimento das corporações multinacionais em detrimento do aprofundamento das diferenças locais em termos socioeconômicos. Na modernidade tardia, a cultura, sendo um elemento constituinte e constituidor da identidade, se encontra indissociável das condições de produção material e, sendo também reificada como tudo mais, é constantemente levada a fazer parte do mercado de bens e serviços como uma plena opção de consumo e não como uma expressão do pensamento crítico. O resultado disso tem sido, então, a produção em massa de identidades prontas,
    • 6 construídas de acordo com as tendências de mercado e leiloadas através dos mais variados meios de comunicação e propaganda, transmitindo aos indivíduos mais desatentos a falsa ideia de serem diferentes quando na verdade eles estão apenas dividindo, na formação de suas identidades, os mesmos “elementos que a sociedade fornece” (MANZINE-COVRE, 1996) desigualmente a todos. Assim, talvez, o maior desafio que se apresenta à cultura na modernidade tardia seja realmente o de curar a si mesma, uma vez que ela está impregnada dos vícios advindos da globalização, ou seja, da “estetização dos bens de consumo, da política como espetáculo, do estilo de vida consumista, da centralidade da imagem e da integração definitiva da cultura na produção geral de bens” (EAGLETON, 2003, p. 45). No entanto, há vozes esperançosas, que contemplam a globalização não apenas pelo seu lado perverso, mas também em sua possibilidade de prover meios para mudanças que beneficiem aqueles que até então foram excluídos de seus benefícios ou aqueles que têm sido explorados sem piedade pelas forças econômicas globais. Bauman (2005) fala da globalização como um caminho sem volta, mas que é possível ela transmutar-se de maldição em bênção, uma vez que Todos nós dependemos uns dos outros, e a única escolha que temos é entre garantir mutuamente a vulnerabilidade de todos e garantir mutuamente a nossa segurança comum. Curto e grosso: ou nadamos juntos ou afundamos juntos. Creio que pela primeira vez na história da humanidade o auto-interesse e os princípios éticos de respeito e atenção mútuos de todos os seres humanos apontam na mesma direção e exigem a mesma estratégia (p. 95). Para que haja essa transmutação da globalização e, assim, seja anulado ou, pelo menos, atenuado o seu caráter perverso, faz-se necessário colocar as forças globais e seus efeitos destruidores “sob o controle popular democrático” a fim de que sejam “forçadas a respeitar e observar os princípios éticos da coabitação humana e da justiça social” (BAUMAN, 2005, p. 95). Se isso irá acontecer de fato, ou não, somente o futuro poderá dizer; no momento, somente se pode contar com a certeza do otimismo e da esperança. CONSIDERAÇÕES FINAIS Este artigo propôs uma forma de pensar a cultura para além das fronteiras disciplinares, considerando-a não como patrimônio de uma dada Ciência, mas sim como uma característica universal da humanidade e, portanto, digna de ser considerada a partir da
    • 7 diversidade móvel que caracteriza as culturas na modernidade tardia. Assim, uma vez que a cultura de um povo é dinâmica e mutável, pelo menos em alguns aspectos, a aproximação das Ciências Humanas à cultura também deveria manter-se nessa mesma orientação, ou seja, ao invés de ficar confinada a uma dada fronteira teórica ou disciplinar, que a cultura seja estudada ali entre os limites, de maneira fronteiriça, permitindo assim que se transite facilmente entre os saberes, a fim de se obter uma visão maior do comportamento, das apropriações, das identidades, das diferenças e da diversidade do ser humano. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BAUMAN, Zygmunt. Identidade: entrevista a Benedetto Vecchi. Tradução de Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2005. GONÇALVES, Teresinha Maria. Cidade e poética: um estudo de psicologia ambiental sobre o ambiente urbano. Coleção educação em ciências. Ijuí: Ed. Unijuí, 2007. LARAIA, Roque de Barros. Cultura: um conceito antropológico. 14ª ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2001). MANZINI-COVRE, Maria de Lourdes. No caminho de Hermes e Sherazade: cultura, cidadania e subjetividade. Taubaté: Vogal Editora, 1996. SANTOS, Milton. Por uma outra globalização: do pensamento único consciência universal. 6ª ed. Rio de Janeiro: Record, 2001. TERRY EAGLETON, Terry. A ideia de cultura. Lisboa: Temas e Debates, 2003. WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. 7ª ed. Petrópolis: Vozes, 2007.