• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Apostila completa  contabilidade
 

Apostila completa contabilidade

on

  • 5,307 views

 

Statistics

Views

Total Views
5,307
Views on SlideShare
5,307
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
132
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Apostila completa  contabilidade Apostila completa contabilidade Document Transcript

    • CONTABILIDADE para Técnico do BACEN Prof. Marcondes Fortaleza Rua Otávio Rocha, 161, 6º Andar. Fone: (51) 3085-2202
    • ÍNDICE Conteúdo Programático Técnico BACEN 2009.....................................................03 Os 13 assuntos mais cobrados pela CESGRANRIO nos últimos 3 anos ..............03 Todas as contas utilizadas pela CESGRANRIO nos últimos 3 anos .....................04 ---Questões--Aspectos Iniciais ...................................................................................................06 Contas Patrimoniais e de Resultado .....................................................................07 Registros Contábeis, Método das Partidas Dobradas e Lançamentos..................12 Livros Contábeis ...................................................................................................19 Regime de Competência e Regime de Caixa ......................................................20 Operações com Mercadorias ...............................................................................23 Demonstração do Resultado do Exercício ............................................................34 Principais Demonstrações e Critérios de Avaliação do Ativo e do Passivo ...........38 Reservas de Lucros..............................................................................................45 Dividendos............................................................................................................49 Reservas de Capital ............................................................................................51 Fatos Contábeis tirados de provas da ESAF e da CESGRANRIO .......................52 Lei 6.404/76 (artigos 175 a 202) ..........................................................................57 Provisões..............................................................................................................65 Imobilizado, Depreciação, Exaustão .....................................................................70 Folha de Pagamento ............................................................................................75 Desconto de Duplicatas ........................................................................................76 Avaliação de Investimentos ..................................................................................78 DLPA/DMPL .........................................................................................................84 Demonstração do Valor Adicionado......................................................................85 Demonstração dos Fluxos de Caixa .....................................................................88 Gabarito................................................................................................................94 Porto Alegre/RS - 20122
    • EDITAL – TÉCNICO DO BACEN 2009 (Prova realizada em 31-JAN-2010) FUNDAMENTOS DE CONTABILIDADE 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. 11. 12. 13. 14. 15. 16. 17. 18. 19. 20. Teoria e campo de atuação: conceitos, objetivos da informação contábil. Livros Contábeis. Registros contábeis. Método das Partidas Dobradas. Lançamentos. Regime de Competência e Regime de Caixa. Critérios de avaliação do Ativo e do Passivo. O Patrimônio Líquido. Capital subscrito e integralizado. Reservas e provisões. Contas Patrimoniais e Contas de Resultado. Apuração do Resultado. Operações contábeis comuns às empresas comerciais, industriais e de prestação de serviços. Principais Demonstrações Contábeis – estrutura e finalidades: Balanço Patrimonial, Demonstração do Resultado do Exercício, Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido, Demonstração do Fluxo de Caixa (método direto e indireto). Demonstração do Valor Adicionado e as Notas Explicativas às Demonstrações Contábeis. Avaliação de Investimentos pelo método da Equivalência Patrimonial e pelo método do Custo. Critérios de Avaliação de Estoques – métodos PEPS, UEPS e Média Ponderada Móvel. Depreciações do Ativo Imobilizado. Amortizações do Ativo Diferido. Provisão para crédito de liquidação duvidosa. Desconto de duplicata. Os 13 assuntos mais cobrados pela CESGRANRIO de 2009 a 2011: 01º lugar: Operações com Mercadorias 02º lugar: Lei 6.404/76 03º lugar: Contas 04º lugar: Lançamentos 05º lugar: Avaliação de Investimentos (Equivalência Patrimonial x Custo) 06º lugar: Depreciação 07º lugar: Reservas 08º lugar: Fluxo de Caixa 09º lugar: Provisões 10º lugar: Parte Introdutória 11º lugar: DRE 12º lugar: CPC 00 - Estrutura Conceitual Básica 13º lugar: Regime de Caixa x Regime de Competência 3
    • Vamos classificar TODAS as contas utilizadas pela CESGRANRIO nos últimos 3 anos: Descontos concedidos por antecipação de pagamento Descontos incondicionais concedidos Descontos obtidos nos pagamentos a fornecedores Despesa amortização Despesa de água Despesa de água e esgoto Despesa de água e luz Despesa de COFINS Despesa de condomínio Despesa de energia elétrica Despesa de IPI Despesa de salários Despesa de salários e encargos Despesa de transporte Despesa depreciação Despesas administrativas Despesas com ajuste de estoque ao valor de mercado Despesas com vendas Despesas de juros Despesas de juros a vencer Despesas do exercício seguinte Despesas financeiras Despesas gerais Despesas operacionais Despesas pagas antecipadamente Devolução de compras Devolução de vendas Devoluções e abatimento sobre vendas Direitos realizáveis Direitos sobre recursos naturais Disponível Dividendos Duplicatas a pagar Duplicatas a receber Duplicatas descontadas Edificações Empréstimos Empréstimos a controladas Empréstimos a pagar Empréstimos a pagar LP Empréstimos a receber de diretores Empréstimos a sócios Empréstimos e financiamentos a longo prazo Equipamentos Equipamentos de processamento de dados Abatimentos sobre compras Abatimentos sobre vendas Ações em tesouraria Adiantamento a empregados Adiantamento de clientes Adiantamento de fornecedores Adiantamento para viagens Adiantamentos de contratos de câmbio Ágio em participações em coligadas Ajustes de avaliação patrimonial Amortização acumulada Aplicação financeira resgate imediato Aplicações financeiras Aplicações financeiras/títulos CP Bancos Bancos c/ movimento Benfeitorias em propriedades arrendadas Caixa Caixa e bancos Capital Capital a realizar Capital social Capital subscrito COFINS a pagar COFINS a recuperar COFINS sobre vendas Comissão vendedores Comissões e despesas bancárias Contas a pagar Contas a receber Contas a receber (2 anos) Contas a receber LP Créditos a recuperar (2 anos) Créditos em cobrança judicial l. prazo Créditos fiscais a recuperar Custo das mercadorias vendidas Custo dos produtos vendidos Custos de produção Depósitos compulsórios de longo prazo Depósitos judiciais (LP) Depreciação Depreciação acumulada Depreciação e amortização Deságio em participações em coligadas Descontos concedidos Descontos concedidos nos pagamentos de clientes 4
    • Patentes adquiridas Perdas estimadas em créditos de liquidação duvidosa (PECLD) PIS e COFINS sobre vendas PIS sobre as vendas Prejuízo na venda de imobilizado Prejuízos acumulados Prêmio de seguros Prêmios de seguros a apropriar Prêmios de seguros a vencer Produto da alienação de partes beneficiárias e bônus de subscrição Promissórias a pagar Provisão p/ crédito difícil liquidação Provisão p/contingências l. prazo Provisão para ajuste de estoque ao valor de mercado Provisão para contingências Provisão para créditos de liquidação duvidosa Provisão para férias e encargos Provisão para perdas Provisão para perdas prováveis Provisões diversas Receita de serviços Receita de vendas Receitas financeiras Reserva de ágio Reserva de capital – ágio de ações Reserva de contingência Reserva de incentivos fiscais Reserva especial Reserva estatutária Reserva legal Reservas de capital Retenção de lucros Retenção para investimento Reversão da provisão para perdas diversas Salário dos vendedores Salários a pagar Salários e encargos a pagar Terrenos Terrenos para futura instalação Títulos a receber Títulos e valores mobiliários Valores mobiliários Veículos Vendas brutas Estoque de mercadorias Exaustão acumulada Ferramentas Ferramentas longa duração Financiamento de máquinas (LP) Financiamentos Financiamentos bancários de longo prazo Financiamentos estrangeiros LP Financiamentos nacionais LP Fornecedores Fornecedores a pagar Fundo de comércio adquirido Ganho na venda de um equipamento do imobilizado ICMS a recuperar ICMS sobre vendas Imobilizado Imóveis Imposto de Renda e CSLL Impostos a pagar Impostos incidentes sobre vendas Impostos s/ faturamento Incentivos fiscais LP Instalações Intangível Investimentos Investimentos em controladas IPI a recuperar IR e CSLL IRRF a recolher Juros auferidos Juros de mora ativos Juros de mora passivos Juros incorridos Leasing a pagar Máquinas e equipamentos Marcas e patentes Marcas, direitos e patentes industriais Móveis e utensílios Obras civis Obras de arte Obrigações fiscais e trabalhistas Obrigações tributárias e previdenciárias Outras despesas Outras despesas operacionais Outros valores a receber Participação em coligadas Participação partes beneficiárias Participações de empregados a pagar 5
    • 03 (CESGRANRIO/BNDES 2010) O objeto da contabilidade é o patrimônio da entidade e o seu campo de aplicação são as entidades econômico-administrativas, assim chamadas aquelas que, para atingirem seu objetivo, seja ele econômico ou social, utilizam bens patrimoniais e necessitam de um órgão administrativo que pratica atos de natureza econômica necessários a seus fins. Aspectos Iniciais 01 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE ANP 2008) Em contabilidade, patrimônio é definido de forma técnica como o conjunto de bens diretos e obrigações. Nesta acepção contábil, entende-se por bens o conjunto de coisas úteis que Esse é o enunciado de (A) pertençam à empresa e possuam forma física. (A) Sociedade empresária. (B) pertençam à empresa e possuam forma material ou imaterial. (B) Entidade lucrativa. (C) Empresa. (C) pertençam ou não à empresa e possuam forma física. (D) Companhia. (D) satisfaçam as empresas e possuam forma material. (E) Azienda. (E) sejam capazes de satisfazer as necessidades das pessoas e das empresas. 04 (CESGRANRIO/CONTADOR DETRAN 2009) Considere este significado. AC Entidades econômico-administrativas, assim chamadas aquelas que, para atingirem seu objetivo, seja ele econômico ou social, utilizam bens patrimoniais e necessitam de um órgão administrativo que pratica atos de natureza econômica necessários a seus fins. 02 (CESGRANRIO/ANALISTA EPE 2010) Sobre conceitos, objeto, função e objetivos da Contabilidade, analise as afirmações a seguir. I - O principal objetivo da contabilidade consiste em identificar as contas de apuração dos custos e resultados. Este é o enunciado de II - A função administrativa tem por objetivo o controle do patrimônio. (A) azienda. III - O objeto da contabilidade é o patrimônio que compreende apenas a parte positiva do balanço. (C) sociedade em comandita simples. IV - Os bens corpóreos e os incorpóreos são classificados no passivo. (E) empresa individual. Está correto APENAS o que se afirma em 05 (CESGRANRIO/ANALISTA DNPM) A importância da Contabilidade prende-se, principalmente, ao fato de constituir um: (B) organização não governamental. (D) sociedade civil. (A) II. (B) III. (A) conjunto de livros adotados para controlar as operações da empresa. (C) I e III. (D) II e IV. (B) critério de registros ordenados para atender às exigências governamentais. (E) I, III e IV. (C) instrumento que fornece o máximo de informações úteis para a tomada de decisões. (D) relatório utilizado pelo governo para arrecadar os seus impostos. (E) sistema organizado de registro das operações financeiras realizadas pela empresa. www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 6
    • Contas Patrimoniais e Contas de Resultado – O Patrimônio Líquido. Capital Subscrito e Integralizado Estados Patrimoniais 06 (CESGRANRIO/BNDES 2010) Sabendo-se que A = Ativo; P = Passivo e PL = Patrimônio Líquido, na equação patrimonial, ocorrerá situação patrimonial nula quando 09 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE TRANSPETRO) Numa empresa, os bens montam a R$ 20.000,00, os direitos, a R$ 15.000,00 e as obrigações, a R$ 33.000,00. (A) A + P = PL. Assim, a situação líquida da empresa, em reais, é: (B) A + PL = P. (C) A = P + PL. (A) 18.000,00 (D) A = PL. (B) 12.000,00 (E) A = P. (C) 6.000,00 (D) 4.000,00 07 (CESGRANRIO/AUDITOR IBGE 2010) Qual das equações patrimoniais abaixo configura passivo a descoberto? (E) 2.000,00 (A) Ativo = Passivo Exigível + Situação Líquida 10 (CESGRANRIO/TÉCNICO DE SUPRIMENTO PETROBRÁS 2010) Uma empresa apresenta as seguintes contas, em reais, em seu Balanço Patrimonial: (B) Ativo = Passivo (C) Situação Líquida = Passivo Exigível (D) Passivo Exigível = Ativo + Situação Líquida • Capital Social 25.000,00 (E) Situação Líquida = Ativo – Passivo Exigível • Caixa 22.500,00 • Contas a Receber 16.000,00 08 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE FUNASA 2009) Admita que, em uma empresa, todos os seus bens e direitos foram financiados por capital próprio. Com base na equação patrimonial, pode-se afirmar que o estado que revela com maior precisão a situação assumida pelo patrimônio desta empresa é o de Com base apenas nessas informações, afirma-se que o capital de terceiros da empresa, em reais, é (A) 31.500,00 (B) 25.000,00 (C) 18.500,00 (A) existência de riqueza própria. (D) 15.300,00 (B) inexistência de riqueza própria. (E) 13.500,00 (C) má situação patrimonial. (D) propriedade parcial do ativo. (E) propriedade plena do ativo. www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 7
    • 11 (CESGRANRIO/BNDES 2010) Em um determinado exercício social, a empresa apresentou, em reais, os seguintes dados: 14 (CESGRANRIO/AUDITOR JR PETROBRÁS 2011) As contas contábeis de uma Companhia podem ser classificadas como contas patrimoniais e contas de resultado. Capitais de Terceiros Circulantes 350.000,00 Disponíveis Estoques 500.000,00 Imobilizado Observe as contas a seguir. 120.000,00 100.000,00 Investimentos em Controladas Realizáveis a Longo Prazo I – Receitas financeiras II – Custos de produção III – Duplicatas a receber 50.000,00 IV – Fornecedores 130.000,00 V – Empréstimos Considerando exclusivamente as informações acima, nesse exercício, o capital próprio, em reais, é São contas patrimoniais apresentadas em APENAS as (A) 100.000,00 (A) I, II e III. (B) 150.000,00 (B) II, III e IV. (C) 500.000,00 (C) III, IV e V. (D) 550.000,00 (D) I, II, III e V. (E) 900.000,00 (E) I, III, IV e V. 12 (CESGRANRIO/TÉCNICO DE SUPRIMENTO PETROBRÁS DIST 2010) A ocorrência que diminuindo o Ativo ou aumentando o Passivo, é realizada com o objetivo de obter uma fonte de valor que supere a diminuição provocada no Patrimônio Líquido é denominada 15 (CESGRANRIO/CONTADOR TRANSPETRO) O comprometimento de investir uma certa quantia na empresa, assumido pelos sócios ou acionistas, é conhecido, contabilmente, como capital: (A) de risco. (A) Ato administrativo. (B) autorizado. (B) Despesa. (C) nominal. (C) Fato administrativo. (D) próprio. (D) Investimento. (E) subscrito. (E) Receita. 13 (CESGRANRIO/TÉCNICO DE SUPRIMENTO PETROBRÁS DIST 2010) Dentre os itens de demonstrações contábeis abaixo, aqueles que incluem TODOS os grupos de contas cujos saldos aumentam pelas entradas e reduzem pelas saídas são (A) Ativo e Passivo. (B) Ativo e Despesas. (C) Passivo e Patrimônio Líquido. (D) Passivo, Patrimônio Líquido e Receitas. (E) Ativo, Passivo, Patrimônio Líquido, Despesas e Receitas. www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 8
    • 16 (CESGRANRIO/TERMORIO 2009) Três pessoas resolvem abrir uma sociedade por quotas de responsabilidade limitada e concordam em entregar, cada uma, R$ 100.000,00, a título de subscrição das quotas dessa sociedade. Quinze dias depois, cada sócio entrega à sociedade, em dinheiro, o valor de R$ 70.000,00. Considerando exclusivamente informações, é correto afirmar que o 18 (CESGRANRIO/ESPECIALISTA AUDITORIA EXTERNA) O patrimônio da Cia. Y, em 31 dez. 2005, é constituído pelos seguintes elementos e valores, em reais: essas (A) ativo total da sociedade é de R$ 300.000,00. (B) capital de terceiros da sociedade é de R$ 90.000,00. (C) capital social 100.000,00. da sociedade é de R$ (D) capital a integralizar da sociedade é de R$ 90.000,00. (E) capital próprio 170.000,00. da sociedade é de R$ Com base nos saldos apresentados, é correto afirmar que o Passivo Exigível e o Patrimônio Líquido da Cia. Y são, em reais, respectivamente: 17 (CESGRANRIO/ANALISTA CONTÁBEIS CAPES 2008) Considere os dados extraídos do balancete de verificação da empresa Sol & Mar Ltda. em 31.12.2007, em reais. (A) 2.400,00 e 3.800,00 (B) 2.600,00 e 3.800,00 (C) 2.600,00 e 3.900,00 (D) 2.700,00 e 2.900,00 (E) 3.100,00 e 3.900,00 Com base apenas nos dados acima, o Patrimônio Líquido da empresa, apurado no Balanço Patrimonial, em reais, é (A) 43.000,00 (B) 106.000,00 (C) 120.000,00 (D) 124.000,00 (E) 163.000,00 www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 9
    • 19 (CESGRANRIO/TÉCNICO BNDES 2008) A Empresa Irmãos Cabral S/A apresentou o seguinte balancete de verificação em 31.12.2007: 20 (CESGRANRIO/TÉC. EM CONTABILIDADE PETROBRÁS DISTRIB. 2008) A Cia. Atlântica S/A apresentou, em reais, em 31.12.2007, o seguinte balancete de verificação: Elaborando o Balanço, na mesma data, exclusivamente com os dados acima, o valor do Patrimônio Líquido, em reais, foi (A) 138.500,00 (B) 126.500,00 (C) 126.000,00 (D) 124.500,00 (E) 120.650,00 Com base nos dados, pode-se afirmar que as obrigações para com terceiros da Empresa Irmãos Cabral alcançou, em 31.12.2007, o montante, em reais, de (A) 290.200,00 (B) 209.000,00 (C) 120.500,00 (D) 88.500,00 (E) 83.000,00 www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 10
    • 21 (CESGRANRIO/CONTADOR PETROBRÁS 2010) A Companhia Mobilar S.A. apresentou o balanço patrimonial, elaborado em 31/12/2008, reproduzido a seguir. (D) saldo da Reserva de Capital deve ser incorporado ao Capital. (E) Ativo Circulante deve ser Financeiro e Permanente. dividido em 22 (CESGRANRIO/CONTADOR PETROBRÁS 2010) Dados extraídos da contabilidade da Cia. Maracanã S.A. do ramo da indústria de produtos elétricos, em um determinado exercício social, com valores em reais. • Ferramentas 65.000,00 • Instalações 895.000,00 • Máquinas e Equipamentos 674.500,00 • Marcas, Direitos e Patentes Industriais 135.215,00 • Móveis e Utensílios 77.000,00 • Obras de Arte 678.990,00 • Participações Acionárias 715.500,00 • Terrenos p/ Futura Utilização 233.500,00 • Títulos e Valores Mobiliários 450.000,00 • Veículos 145.000,00 Considerando exclusivamente os dados acima e respeitando as determinações da Lei nº 6.404/76, com as alterações das Leis nºs 11.638/07 e 11.941/09, o valor do ativo imobilizado, apurado no balanço patrimonial, elaborado com as informações acima, em reais, é (A) 1.856.500,00. (B) 1.991.830,00. (C) 1.997.715,00. (D) 2.089.500,00. Nos termos da nova redação dada à Lei no 6.404/76 pelas Leis nºs 11.638/07 e 11.941/09, há um equívoco de classificação no balanço apresentado acima. (E) 2.768.495,00. Considerando exclusivamente as informações recebidas, o ajuste a ser feito no Balanço Patrimonial da Companhia Mobilar, de acordo com a atual redação da Lei das Sociedades Anônimas, é que o (A) resultado de Exercícios Futuros deve ser transferido para o Passivo Não Circulante. (B) resultado de Exercícios Futuros deve ser transferido para o Patrimônio Líquido. (C) Realizável a Longo Prazo deve ser somado ao grupo Investimentos. www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 11
    • 26 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE TO) A representação gráfica das contas apresenta dois lados distintos: esquerdo e direito, podendo haver registro dos aumentos num lado da conta e das reduções, no outro. Registros Contábeis, Método das Partidas Dobradas e Lançamentos 23 (CESGRANRIO/TÉCNICO PETROBRÁS 2010) Teoricamente é lícito afirmar que, no método das partidas dobradas, os (A) créditos representam recursos. as aplicações A localização da conta no lado direito ou esquerdo é determinada pela(o): (A) nomenclatura da conta. de (B) natureza da conta. (B) créditos representam as fontes de recursos em todas as contas. (C) origem da conta. (D) utilização da conta. (C) débitos representam as origens de recursos. (D) débitos representam as aplicações recursos só nas contas do ativo. (E) tipo da conta. de 27 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE DO TO) O mecanismo de débito e crédito é consagrado universalmente pelo método das partidas dobradas. Dentre as opções abaixo, a que caracteriza o resultado de um registro a débito é o(a): (E) débitos representam as entradas de recursos nas contas de origem credora. 24 (CESGRANRIO/CONTADOR INEA 2008) A Empresa Mar Aberto Ltda. adquiriu, em março de 2007, da Cia. Morro Azul, R$ 120.000,00 em mercadorias para revenda, a prazo. A Conta Fornecedores a Pagar utilizada nessa transação será considerada, na Empresa Mar Aberto Ltda., como (A) aumento do Ativo e das Receitas. (B) aumento do Ativo e do Resultado Futuro. (C) aumento do Ativo e dos Custos. (D) redução do Ativo e aumento das Despesas. (A) origem de recursos (E) redução do Ativo e das Despesas. (B) aplicação de recursos (C) uma conta de compensação 28 (CESGRANRIO/ANALISTA CONTÁBEIS ANP 2008) Os débitos realizados numa conta implicam aumento de seu saldo quando a conta, exclusivamente, representar: (D) direito a receber de longo prazo (E) passivo financeiro de longo prazo (A) bens, direitos e receitas. 25 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE ANP 2008) Na Conta “T”, utilizada nas explicações e solução de problemas, os débitos são feitos no lado esquerdo da linha vertical e os créditos, no lado direito. (B) bens, direitos e despesas. (C) bens, direitos e obrigações. (D) bens, direitos e parte dos proprietários. (E) receitas, obrigações e parte dos proprietários. A determinação do lado do razonete ou conta “T” a ser utilizado para aumentos ou para diminuições decorre da(o) (A) espécie da conta. (B) função da conta. (C) natureza da conta. (D) funcionamento da conta. (E) tipo da conta. www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 12
    • 29 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE ANP 2008) Com o desenvolvimento da Escola Contábil Americana, o conceito de débito e crédito passou a ser considerado simplesmente como convenção contábil. 32 (CESGRANRIO/TÉCNICO DE SUPRIMENTO PETROBRÁS 2010) Um desfalque de caixa é uma ocorrência que afeta o patrimônio da empresa, uma vez que diminui o (A) Ativo e diminui o Passivo. Assim, débito é a forma como se chama o(a) (B) Ativo e diminui o Patrimônio Líquido. (A) aumento de saldo de uma conta patrimonial. (C) Ativo e aumenta o Passivo. (B) lado direito de uma conta. (D) Patrimônio Líquido e aumenta o Passivo. (C) lado esquerdo de uma conta. (D) liquidação resultado. do saldo de (E) Patrimônio Líquido e diminui o Passivo. uma conta de 33 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE ANP 2008) Do diário da Comercial Lopes, foi retirado o lançamento a seguir, em reais, sem data e histórico. (E) redução de saldo de uma conta ativa. 30 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE FUNASA 2009) A respeito de escrituração, em Contabilidade Geral, analise as seguintes informações: • data da operação; • conta a ser debitada; Tal lançamento indica que a Comercial Lopes • conta a ser creditada; (A) comprou mercadorias a prazo com desconto comercial. • histórico da operação; • valor da operação, em moeda. (B) pagou uma compra de mercadorias a prazo com desconto comercial. Tais informações indicam os (C) pagou uma compra de mercadorias a prazo com desconto financeiro. (A) aspectos das partidas dobradas. (B) componentes do plano de conta. (D) recebeu uma venda de mercadorias a prazo com desconto financeiro. (C) elementos da conta. (D) fundamentos dos razonetes. (E) vendeu mercadorias a prazo com desconto comercial. (E) requisitos de uma partida de diário. 31 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE PETROBRÁS 2010) Uma empresa prestadora de serviços de manutenção predial recebeu antecipadamente de um condomínio residencial um determinado valor para prestar serviços futuros de manutenção no referido condomínio. O registro contábil desse adiantamento, na empresa prestadora de serviços, irá provocar um aumento no (A) ativo e no passivo. (B) passivo e no patrimônio líquido. (C) caixa e no patrimônio líquido. (D) caixa e na receita de serviços. (E) direito a receber e na receita de serviços. www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 13
    • 35 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE PETROBRÁS DISTRIBUIDORA 2008) Observe o lançamento abaixo, em reais, desconsiderando data e histórico. 34 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE PETROBRÁS DISTRIBUIDORA 2008) Em 01.10.2007, oito pessoas resolveram fundar uma empresa de reparos em embarcações denominada Barco Renovado S/A. No mesmo dia, os oito fundadores subscreveram todo o capital social, aprovado no estatuto, constituído por 1.000.000 de ações ordinárias nominativas com o valor nominal de R$ 1,00, cada ação. Móveis e Utensílios a Diversos a Bancos C/Movimento 10.000,00 a Duplicatas a Pagar Este registro contábil representa a Ainda no mesmo dia, os acionistas integralizaram em dinheiro, apenas 20% do capital subscrito. (A) venda de móveis e utensílios, sendo parte recebida em cheque e parte, em direitos a receber. O lançamento contábil para registrar esta integralização é (B) aquisição de imóveis, sendo parte paga em cheque e parte assumindo obrigação de pagar. (A) Acionistas C/ Capital a Capital a integralizar R$ 1.000.000,00 (C) aquisição de móveis e utensílios, sendo parte paga em cheque e parte assumindo duplicatas para pagar no futuro. (B) Capital a integralizar a Acionistas C/ capital R$ 200.000,00 (D) compra de máquinas e equipamentos, sendo parte à vista e parte a prazo. (C) Caixa a Capital integralizado R$ 1.000.000,00 (E) consignação de móveis e utensílios, pagando a taxa em cheque e assumindo a obrigação de pagar no futuro, caso fique com o bem. (D) Caixa a Capital a integralizar 40.000,00 50.000,00 R$ 200.000,00 (E) Diversos a Acionistas C/ Capital Capital a integralizar R$ 800.000,00 Caixa R$ 200,000,00 www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 14
    • 37 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE ANP 2008) Analise os razonetes a seguir. 36 (CESGRANRIO/TERMORIO 2009) A Empresa Campina Grande Ltda. recebeu antecipadamente, em janeiro de 2008, por meio de depósito realizado em sua conta corrente bancária, o valor de R$ 12.000,00, referentes ao aluguel de seis meses de um imóvel de sua propriedade. Os registros realizados indicam que a empresa realizou uma compra de material de escritório, sendo metade Que lançamento contábil caracteriza esta operação? (A) Bancos conta movimento 12.000,00 a Aluguéis 12.000,00 recebidos (A) à vista, em cheque, e metade a prazo, para consumo imediato. antecipadamente (B) à vista, em cheque, e metade a prazo. (B) Aluguéis antecipados 12.000,00 (C) à vista, em dinheiro, e metade a prazo. a Receita de aluguéis antecipados 12.000,00 (D) em dinheiro, e metade a prazo de 90 dias. (C) Caixa 12.000,00 (E) em dinheiro, e metade a prazo, para consumo imediato. a Diversos a Aluguéis 9.000,00 recebidos a Amortização 3.000,00 de antecipadamente aluguéis 38 (CESGRANRIO/ASSISTENTE TRANSPETRO) Analise os razonetes a seguir. antecipados (D) Diversos a Aluguéis 12.000,00 recebidos antecipadamente Bancos conta movimento 11.500,00 Despesa Financeira 500,00 Os registros, nos dois razonetes, indicam que a empresa realizou o(a): (E) Diversos a Bancos conta movimento 12.000,00 (A) estorno de vendas indevidas. Aluguéis 11.500,00 (B) encerramento da receita de vendas. recebidos antecipadamente (C) apropriação de receita, pela prestação de serviços. Despesa Financeira 500,00 (D) venda de mercadorias a prazo. (E) venda de mercadorias à vista. www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 15
    • 39 (CESGRANRIO/AUDITOR PETROBRÁS 2011) Uma determinada Companhia adquiriu um empréstimo para pagamento em parcela única, com vencimento programado para 13 meses após a aquisição. No ato da aquisição da quantia e da obrigação do pagamento, o registro contábil foi o seguinte: 41 (CESGRANRIO/TÉCNICO PETROBRÁS BIO 2010) A Empresa Caravelas Ltda. pagou, em março de 2009, R$ 15.000,00 (em dinheiro) correspondentes a 20% do valor de um equipamento adquirido da Indústria Boreal Ltda., que deverá chegar à Empresa Caravelas apenas em junho de 2009. (A) débito em uma conta do Ativo Permanente e crédito em uma conta do Passivo Circulante (Curto Prazo). O registro dessa operação, realizado na Indústria Boreal, foi (A) D:Caixa (B) débito em uma conta de despesa financeira e crédito na conta Bancos. C:Adiantamento de Clientes 15.000,00 (B) D:Caixa (C) crédito na conta Empréstimos a longo prazo e débito de despesa financeira. C:Adiantamento de Fornecedores (D) crédito na conta Bancos e débito na conta Empréstimos a longo prazo. (C) D:Banco Conta Movimento (E) débito na conta Bancos e crédito na conta Empréstimo do passivo não circulante (Longo Prazo). 15.000,00 (D) D:Adiantamento de Fornecedores C:Receita de Venda de Produtos C:Banco Conta Movimento 75.000,00 30.000,00 (E) D:Adiantamento de Fornecedores C:Receita de Serviços 40 (CESGRANRIO/TÉCNICO PETROBRÁS 2011) Uma empresa sediada no Rio de Janeiro envia um funcionário a Fortaleza para resolver uma reclamação de um cliente. 42 (CESGRANRIO/TÉCNICO DE COMERC. PETROBRÁS BIO 2010) Uma empresa recebeu a importância líquida de R$ 20.000,00, referente à quitação de um título em que concedeu um desconto de 20% ao cliente. Com base nessa informação, o lançamento contábil gerado foi Além da passagem aérea e da reserva de hotel adquiridas anteriormente, com o custo de respectivamente R$ 890,00 e R$ 360,00, o funcionário levará, em dinheiro, a quantia de R$ 800,00 para despesas de alimentação e locomoção, entre outras. (A) D - Caixa A empresa deverá registrar essa operação, em reais, no diário, com o seguinte registro simplificado: C - Descontos Concedidos R$ 20.000,00 (B) D - Caixa (A) D: Adiantamento para viagens C: Caixa C - Títulos a Receber 800,00 (C) D - Caixa (B) D: Adiantamento para viagens C: Caixa 2.050,00 C - Títulos a Receber (D) D - Caixa 1.160,00 C - Títulos a Receber 2.050,00 (E) D - Caixa (E) D: Antecipações de salários e ordenados C: Caixa www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 R$ 20.000,00 R$ 25.000,00 R$ 25.000,00 C - Descontos Concedidos R$ 5.000,00 (D) D: Empréstimos a funcionários C: Caixa R$ 20.000,00 D - Descontos Concedidos R$ 5.000,00 (C) D: Adiantamento para despesas C: Caixa 75.000,00 R$ 20.000,00 R$ 20.000,00 D - Descontos Concedidos R$ 4.000,00 800,00 C - Títulos a Receber R$ 24.000,00 Prof. Marcondes Fortaleza 16
    • 43 (CESGRANRIO/TÉCNICO PETROBRÁS 2010) Atente para o seguinte lançamento (sem histórico): Fórmulas de Lançamento 44 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE PETROBRÁS 2008) O registro contábil correspondente à venda de uma máquina usada pela empresa, sem depreciação acumulada, sendo parte recebida à vista e o restante a ser pago pelo comprador em 4 notas promissórias com vencimento para os quatro meses subseqüentes, caracteriza um lançamento de Rio de Janeiro, 23 de novembro de 2009 Diversos a Vendas Brutas 40.000,00 Duplicatas a Receber 35.000,00 Descontos Incondicionais 5.000,00 Considerando, exclusivamente, os elementos acima, afirma-se que o lançamento representa a (o) (A) Ajuste (A) venda de mercadorias à vista com desconto obtido. (B) 1ª fórmula (B) venda de mercadorias parte à vista, parte a prazo. (D) 3ª fórmula (C) 2ª fórmula (E) 4ª fórmula (C) venda de mercadorias a prazo com desconto concedido. 45 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE PETROBRÁS DISTRIBUIDORA 2008) A Empresa Mar Azul Ltda., em 02.03.2007, adquiriu uma loja por R$ 150.000,00, nas seguintes condições: (D) recebimento de vendas de mercadorias com desconto concedido. (E) recebimento de devolução parcial. vendas a prazo com • R$ 20.000,00, em dinheiro; • R$ 30.000,00, com a entrega de um automóvel do Imobilizado; • R$ 100.000,00, com o aceite de uma duplicata do mesmo valor. Ao realizar um único registro contábil desta operação, a Empresa Mar Azul elaborou um lançamento de (A) 1ª fórmula. (B) 2ª fórmula. (C) 3ª fórmula. (D) 4ª fórmula. (E) 5ª fórmula. www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 17
    • Tipos de Fatos Contábeis 46 (CESGRANRIO/TERMORIO 2009) Observe o lançamento abaixo. Diversos a Caixa Fornecedores 48 (CESGRANRIO/TÉCNICO DE SUPRIMENTO PETROBRÁS BIO 2010) A empresa W Ltda., no desenvolvimento de suas atividades, liquidou as obrigações registradas na conta Fornecedores, no montante de R$ 210.000,00 da seguinte forma: 6.000,00 5.800,00 Despesas de Juros 200,00 Esse lançamento é caracterizado como I -Data de pagamento: 23/04/2010 (após o vencimento) - Valor pago: R$ 110.000,00, sendo: (A) de segunda fórmula. (B) de terceira fórmula. (C) fórmula secundária. Valor do título 105.000,00 (D) ato administrativo. Juros exigidos 5.000,00 (E) fato permutativo. Total II -Data de pagamento: 13/05/2010 (antes do vencimento) - Valor pago: R$ 95.000,00, sendo: 47 (CESGRANRIO/TÉCNICO PETROBRÁS DIST 2010) Considere o lançamento abaixo, desconsiderando os elementos data, histórico e valor. Valor do título 105.000,00 Desconto obtido • Diversos (10.000,00) Total • a Caixa 95.000,00 Os fatos contábeis que originaram as situações I e II, acima descritas, são denominados, respectivamente, fatos • Fornecedores a pagar • Juros Passivos (A) modificativo-aumentativo diminutivo. Quanto à classificação, este é um lançamento de (B) modificativo-diminutivo aumentativo. (A) segunda fórmula. (B) terceira fórmula. e e modificativomodificativo- (C) modificativo-diminutivo e permutativo. (C) fórmula complexa. (D) misto-diminutivo e misto-aumentativo. (D) fórmula mista. (E) permutativo e permutativo. (E) fórmula simples. www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 110.000,00 Prof. Marcondes Fortaleza 18
    • Livros Contábeis 53 (CESGRANRIO/TÉCNICO PETROBRÁS 2011) No que se refere ao livro Diário, analise os seguintes itens: 49 (CESGRANRIO/CONSULTOR LEGISLATIVO TO) O diário é classificado, quanto à finalidade e à natureza, como um livro: I – encadernação com folhas numeradas em sequência, tipograficamente; II – forma mercantil; (A) obrigatório e cronológico III – individualização e clareza; (B) obrigatório e sistemático (C) facultativo e cronológico IV –ausência de intervalos em branco ou de entrelinhas; (D) facultativo e sistemático V – termo de Abertura; (E) principal e cronológico VI – termo de Encerramento. São formalidades intrínsecas ao livro Diário APENAS os itens 50 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE PETROBRÁS 2010) De acordo com as Normas Brasileiras de Contabilidade, editadas pelo Conselho Federal de Contabilidade, constituem os registros permanentes da Entidade: (A) I, II e III. (B) I, V e VI. (C) II, III e IV. (D) II, V e VI. (A) Caixa e Razão. (E) III, IV e VI. (B) Caixa e Registro de Duplicatas. (C) Diário e Registro de Duplicatas. (D) Diário e Razão. (E) Caixa, Razão e Registro de Duplicatas. 51 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE PETROBRÁS 2010) Segundo o Código Civil, dentre os chamados livros comerciais, aquele considerado obrigatório, na sociedade empresária, é o livro (A) Razão (B) Caixa. (C) Contas-Correntes. (D) Lalur. (E) Diário. 52 (CESGRANRIO/TÉCNICO PETROBRÁS 2011) Os livros utilizados para o registro de todos os fatos ou eventos contábeis são classificados como livros (A) cronológicos. (B) facultativos. (C) obrigatórios. (D) principais. (E) sistemáticos. www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 19
    • Regime de Competência e Regime de Caixa Informações para responder às questões de nºs 56 e 57. 54 (CESGRANRIO/TERMORIO 2009) Um estudioso buscou em um manual de contabilidade a definição correta de regime de competência, concluindo que é o Em junho de 2007, a empresa Ventilada Ltda. Vendeu R$ 25.000,00 de mercadorias, recebendo durante o mês R$ 15.000,00, restando R$ 10.000,00 a receber, em duas parcelas iguais, uma em julho e outra em agosto de 2007. (A) modelo que apura os resultados, considerando as receitas, os custos e as despesas realmente incorridas no período, mas não realizadas. No mesmo mês de junho, a Ventilada incorreu em despesas diversas que montaram a R$ 18.000,00, pagando 50% no mês, ficando o restante a pagar em julho de 2007. (B) modelo que apura os resultados do exercício, considerando as receitas previstas e as despesas efetivamente pagas. 56 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE PETROBRÁS DISTRIBUIDORA 2008) Considerando, exclusivamente, os dados acima, e respeitando o regime de competência, o resultado da empresa em junho de 2007 foi (C) modelo de análise de variação patrimonial que considera como recebidas as receitas incorridas, ainda que não realizadas, e as despesas pagas, ainda que não incorridas. (D) sistema que, na apuração do rédito do exercício, considera as receitas e despesas nas datas a que se referirem, independente de seus recebimentos ou pagamentos. (A) lucro de R$ 7.000,00. (B) lucro de R$ 6.000,00. (C) lucro de R$ 2.000,00. (E) sistema que, na apuração do rédito do exercício, considera apenas os pagamentos e recebimentos realizados no período. (D) prejuízo de R$ 2.000,00. (E) prejuízo de R$ 3.000,00. 55 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE PETROBRÁS 2008) De acordo com o regime de competência, as receitas e as despesas são consideradas em função do seu fato gerador e não em função dos respectivos recebimentos ou pagamentos. 57 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE PETROBRÁS DISTRIBUIDORA 2008) Considerando, exclusivamente, as informações apresentadas, o resultado da empresa, em junho de 2007, pelo regime de Caixa, foi Assim, se a empresa prestar serviços a terceiros, num determinado mês, com recebimento previsto para o seguinte, no final do mês em que o serviço foi prestado deve ser feito o lançamento (A) lucro de R$ 7.000,00. (B) lucro de R$ 6.000,00. (C) lucro de R$ 2.000,00. (D) prejuízo de R$ 2.000,00. (A) D: Contas a receber (E) prejuízo de R$ 3.000,00. C: Serviços a faturar (B) D: Serviços a faturar C: Receita de serviços (C) D: Serviços a faturar C: Contas a receber (D) D: Serviços a faturar C: Caixa (E) D: Caixa C: Receita de serviços www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 20
    • 58 (CESGRANRIO/TÉCNICO PETROBRÁS 2010) A Alvorada S.A. realizou as seguintes operações, no exercício social de 2009: 60 (CESGRANRIO/TÉCNICO PETROBRÁS DIST 2010) Observe as seguintes operações da Miramar Alimentos Ltda., realizadas em março de 2009: 10/Jun – compra de grande quantidade de material de expediente a prazo - R$ 11.000,00; Aquisição a Prazo de Mercadorias para Revenda R$ 30.000,00 15/Jun – pagamento, em dinheiro, de prêmio de seguro de incêndio, com vigência de 1/jun/2009 a 31/maio/2010 - R$ 6.000,00; Venda de Mercadorias a Prazo R$ 20.000,00 Baixa de Estoques Referentes à Venda acima R$ 16.000,00 20/Jun – requisição de material de expediente para consumo - R$ 2.500,00; Recebimento de Clientes em cheque R$ 15.000,00 15/Jul – pagamento em dinheiro de 50% do material de expediente comprado em 10/jun. Pagamento de Fornecedores em cheque R$ 12.000,00 Considerando única e exclusivamente as operações acima, o total das despesas incorridas no exercício de 2009, pelo regime de competência, em reais, é Venda de Mercadorias à Vista em dinheiro R$ 15.000,00 Baixa de Estoques Referentes à Venda acima R$ 12.000,00 (A) 2.500,00 (B) 3.500,00 Pagamento de Despesa de Condomínio do Mês 1.250,00 (C) 6.000,00 (D) 8.000,00 Aluguel e Provisão de Salários e Encargos do Mês R$ 4.500,00 (E) 17.000,00 Pagamento de Despesa de Energia Elétrica Referente a abril de 2009 R$ 750,00 59 (CESGRANRIO/TÉCNICO PETROBRÁS 2010) Analise as seguintes informações, relativas à empresa Noroeste Ltda. realizadas em janeiro de 2010: Considerando exclusivamente as informações acima e desconsiderando a incidência de qualquer imposto, pelo regime de competência, o resultado operacional da Miramar, em 30 de março de 2009, em reais, foi Dia 5 – pagamento dos salários provisionados em dezembro - R$ 15.000,00; pagamento dos encargos sociais provisionados em dezembro R$ 6.000,00; (A) (2.000,00) (B) 1.250,00 Dia 10 – pagamento antecipado das férias de fevereiro - R$ 3.000,00; (C) 1.000,00 Dia 30 – provisão de salários de janeiro - R$ 20.000,00; provisão dos encargos sociais dos salários de janeiro - R$ 8.000,00; pagamento do aluguel de janeiro - R$ 2.000,00 e de fevereiro - R$ 3.000,00. (D) 750,00 (E) 500,00 Admitindo que a empresa adote o regime de caixa, o valor total das despesas registradas no mês de janeiro, em reais, é (A) 23.000,00 (B) 28.000,00 (C) 29.000,00 (D) 30.000,00 (E) 31.000,00 www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 21
    • 61 (CESGRANRIO/TÉCNICO PETROBRÁS 2011) A Empresa Comercial Caramuru S/A fechou uma operação de seguros com a Seguradora Pacífica S/A, em junho de 2010, por um período de 3 anos, a contar de julho de 2010, pagando antecipadamente R$ 54.000,00. 63 (CESGRANRIO/TERMOAÇU 2008) A Cia. JOTA contratou, em 01.07.2007, um seguro para seu parque fabril, com prazo de cinco anos e vigência imediata, pagando pelo seguro a importância de R$ 39.600,00. Em 31.12.2008, constará no Balanço Patrimonial da Cia. JOTA, no grupo do Ativo Circulante, como despesas antecipadas, o montante, em reais, de A classificação dessa operação no Balanço Patrimonial, a ser extraído em 31/12/2010, deverá ser, em reais, a seguinte: (A) 3.960,00 Prêmios de Seguros a Apropriar no AC e Prêmios de Seguros a Apropriar no LP, respectivamente: (B) 7.920,00 (C) 11.880,00 (A) 27.000,00 27.000,00 (D) 19.800,00 (B) 18.000,00 27.000,00 (E) 27.720,00 (C) 18.000,00 36.000,00 (D) 9.000,00 (E) 64 (CESGRANRIO/TÉCNICO PETROBRÁS 2011) A utilização do regime contábil da competência, no preparo das demonstrações contábeis, determina que essas demonstrações apresentem aos seus usuários algumas informações sobre itens, tais como: 45.000,00 45.000,00 - 62 (CESGRANRIO/AUDITOR IBGE 2010) A Cia. Visão de Futuro S/A, que possui exercício social coincidente com o ano civil, contratou, em 01/11/08, uma apólice de seguro anual para cobertura de incêndio avaliada em R$ 360.000,00, cuja vigência teve início na data da assinatura do contrato. O prêmio cobrado pela seguradora correspondeu a 15% do valor da apólice e foi pago em 30/11/08. Considerando o princípio contábil da competência de exercícios, no balanço patrimonial da Cia. Visão de Futuro S/A, apurado em 31/12/08, a conta Seguros a Vencer apresentou saldo atualizado de I – operações passadas envolvendo o pagamento e o recebimento de caixa e outros recursos financeiros; II – obrigações de pagamento no futuro; III – recursos que serão recebidos no futuro. Atende(m) plenamente apresentado o(s) item(ns) ao conceito (A) I, apenas. (B) II, apenas. (C) I e II, apenas. (A) 13.500,00 (D) II e III, apenas. (B) 36.000,00 (E) I, II e III. (C) 45.000,00 (D) 51.500,00 (E) 54.000,00 www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 22
    • 67 (CESGRANRIO/CONTADOR TJ RO 2008) A Vendola Ltda. apresentou os seguintes Razonetes, em reais, elaborados pelas operações com mercadorias realizadas durante o dia: Operações com Mercadorias Calculando o CMV 65 (CESGRANRIO/REFAP 2007) A Empresa Ferreira & Neves Ltda. apresentou os seguintes dados de estoques de mercadorias, em abril de 2007: Informações adicionais: • • no final do dia foi realizada uma venda de mercadorias no valor de R$ 200.000,00; • na contagem física das mercadorias, feita logo após a entrega das mercadorias vendidas no final do dia, foi apurado o estoque de R$ 22.400,00; • Admita que todos os valores foram suportados pela empresa. Exclusivamente com base nos dados apresentados, qual o CMV (Custo das Mercadorias Vendidas), em reais? sobre as operações foi desconsiderada a incidência de qualquer tipo de imposto; nenhuma outra operação com mercadorias foi realizada nesse dia. (A) 299.000,00 (B) 295.000,00 (C) 294.000,00 (D) 281.000,00 Considerando, exclusivamente, as informações recebidas e a boa técnica contábil, o valor do custo das mercadorias vendidas, em reais, é (E) 263.000,00 66 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE ANP 2008) Analise os seguintes razonetes, relativos às operações com mercadorias realizadas pela Comercial Aguada S/A, em reais, no mês de janeiro / x0. (A) 134.400,00 (B) 136.000,00 (C) 138.400,00 (D) 145.600,00 (E) 158.400,00 Sabendo-se que na contagem física do estoque final foi apurado o valor de R$ 33.600,00, o total dos débitos realizados no razonete da conta Custo das Mercadorias Vendidas, na apuração do custo das vendas, em reais, é (A) 204.000,00 (B) 237.600,00 (C) 243.600,00 (D) 248.400,00 (E) 254.400,00 www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 23
    • 68 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE JÚNIOR TRANSPETRO 2011) Dados extraídos da contabilidade da Comercial ENG Ltda. de • Estoque inicial 98.000,00 R$ • Estoque de mercadorias em 30/09/2010 R$ 72.800,00 • Compras de mercadorias no período R$ 145.000,00 • Vendas realizadas R$ 185.000,00 • Compras realizadas R$ 105.000,00 • Frete pago nas compras R$ 4.000,00 • Devolução de vendas R$ 12.000,00 • Seguro pago nas compras R$ 2.500,00 • Devolução de compras R$ • Descontos 6.800,00 • ICMS incidente nas operações • Devolução de compras R$ 8.500,00 • Abatimento sobre compras R$ 7.100,00 • Estoque final de mercadorias R$ 48.900,00 financeiros mercadorias 69 (CESGRANRIO/TÉCNICO PETROBRÁS 2011) Até 20 de outubro de 2010, uma empresa possuía os seguintes saldos em relação às suas operações: concedidos R$ 4.500,00 18% Entre 21 e 31 de outubro, essa empresa realizou as operações a seguir. • • Devolução de vendas no valor de R$ 2.500,00 • (A) 176.500,00 Venda de Mercadorias no valor de R$ 80.000,00 • Considerando exclusivamente as informações acima, e desconsiderando a incidência de impostos, o custo das mercadorias vendidas no período foi, em reais, de Aquisição de mercadorias para revenda no valor de R$ 45.000,00 ICMS incidente nas operações: 18% O estoque final de mercadorias em outubro foi de R$ 65.110,00. Com base nessas informações e utilizando-se a boa técnica contábil, o custo das mercadorias vendidas apurado em outubro de 2010 foi, em reais, de (B) 178.500,00 (C) 181.000,00 (D) 185.000,00 (E) 192.100,00 (A) 127.000,00 (B) 126.190,00 (C) 124.390,00 (D) 108.600,00 (E) 94.100,00 www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 24
    • 71 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE TRANSPETRO 2011) Dados extraídos das operações da Empresa OPO Ltda. Calculando o Lucro Bruto 70 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE PETROBRÁS 2011) A Comercial Farol Ltda. apresentou, em julho de 2010, os seguintes dados: • Venda de mercadorias R$ 692.000,00 • Devolução de vendas R$ 16.000,00 • Estoque inicial de mercadorias R$ 285.000,00 • Compras de mercadorias no período R$ 376.000,00 • Vendas brutas R$ 256.000,00 • Devolução de compras R$ 15.000,00 • Ei de mercadorias R$ 54.500,00 • Descontos financeiros obtidos R$ 25.400,00 • Compras do mês R$ 117.000,00 • Devolução de compras R$ 12.000,00 • Abatimento sobre vendas R$ 11.000,00 • Abatimento sobre vendas R$ 8.000,00 • Abatimento sobre compras R$ • • Devolução de vendas R$ 10.500,00 Descontos 12.500,00 • Ef de mercadorias R$ 26.900,00 • Abatimento sobre compras R$ 9.000,00 • Estoque final de mercadorias R$ 57.000,00 9.000,00 Desconsiderando-se os efeitos de qualquer tipo de tributação, o lucro bruto apurado em 31/07/2010 na Comercial Farol Ltda., em reais, é de financeiros concedidos R$ Considerando exclusivamente as informações acima, e desconsiderando a incidência de impostos, o lucro bruto do período foi, em reais, de (A) 124.000,00 (A) 72.100,00 (B) 113.900,00 (B) 75.800,00 (C) 104.900,00 (C) 85.000,00 (D) 89.900,00 (D) 86.500,00 (E) 85.400,00 (E) 90.450,00 www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 25
    • 72 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE ANP 2008) Admita que uma empresa comercial que não faz o controle permanente do Estoque de Mercadorias, adotando, em decorrência, o método do Inventário Periódico para apurar o custo das mercadorias vendidas, apresentou as seguintes informações parciais, de um exercício social, em razonetes: 73 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE JR PETROBRÁS 2010) Operações realizadas pela Empresa Comercial Serra Verde Ltda. em maio de 2009: • Compra de Mercadorias Compra de 100 cadeiras R$ 16.000,00 (+) IPI R$ 1.600,00 Valor da Nota Fiscal ICMS destacado na NF R$ 2.720,00 Frete R$ 450,00 Seguros • R$ 17.600,00 R$ 230,00 Venda de Mercadorias Venda de 100 cadeiras R$ 1.265,00 Frete R$ 450,00 Seguros (A) 245.000,00 R$ 3.740,00 PIS/FINSOCIAL Considerando exclusivamente as informações acima, ao final do exercício, o resultado com mercadorias, em reais, é R$ 22.000,00 ICMS destacado na NF Na contagem física das mercadorias, feita no final do exercício social, foi apurado o valor do estoque de R$ 135.000,00. R$ 250,00 Considerando, exclusivamente, as informações acima, o Lucro Bruto obtido nessa operação, em reais, foi (B) 265.000,00 (C) 285.000,00 (A) (D) 295.000,00 735,00 (B) 1.085,00 (E) 305.000,00 (C) 1.185,00 (D) 1.235,00 (E) 1.435,00 www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 26
    • 74 (CESGRANRIO/TÉCNICO DO BNDES 2010) Observe os dados extraídos do balancete de verificação da Companhia Pacífico S.A. Analise as informações a seguir, apresentadas pela Comercial Lunar, para responder às questões de nº 76 e 77. • Venda de Mercadorias R$ 85.000,00 • Devolução de Vendas R$ 5.000,00 • Resultado com Mercadorias R$ 34.000,00 A Comercial Lunar apresentou, em reais, as informações abaixo com relação à comercialização de mercadorias, num determinado período de tempo. • Compras de Mercadorias R$ 40.000,00 Compra de Mercadorias 800.000,00 • Devolução de Compras R$ 3.000,00 Desconto incondicional auferido 8.000,00 • Estoque Final de Mercadorias R$ 2.000,00 Desconto incondicional concedido 6.000,00 Sabendo-se que as compras e vendas estavam sujeitas a 20% de impostos, o estoque inicial de mercadorias era, em reais, de Frete na compra, cobrado pelo vendedor 10.000,00 Frete na 15.000,00 (A) 4.400,00 venda, pago pelo comprador (B) 3.600,00 Seguro na compra, cobrado pelo vendedor 5.000,00 (C) 3.400,00 Venda de Mercadorias 1.000.000,00 (D) 2.400,00 Outras informações referentes unicamente às operações acima. (E) 2.200,00 • 75 • (CESGRANRIO/TÉCNICO PETROBRÁS 2010) Analise os dados parciais dos registros, em reais, da empresa Flores Ltda., referentes a agosto/2009, evidenciados nos razonetes a seguir. As operações estão sujeitas ao ICMS de 18%. O estoque inicial e final de mercadorias é zero. 76 (CESGRANRIO CONTADOR PETROBRÁS BIOCOMBUSTÍVEL 2010) Considerando-se exclusivamente as informações recebidas, o custo das mercadorias vendidas pela Comercial Lunar, em reais, é (A) 649.440,00 (B) 656.000,00 (C) 661.740,00 (D) 663.380,00 Admitindo-se exclusivamente as informações recebidas e que o estoque final de mercadorias estava zerado, afirma-se que o resultado com mercadorias apurado pela empresa Flores, em agosto/09, em reais, é (E) 668.300,00 77 (CESGRANRIO CONTADOR PETROBRÁS BIOCOMBUSTÍVEL 2010) O resultado com mercadorias, apurado pela Comercial Lunar, fundamentado exclusivamente nas operações informadas, em reais, é (A) 4.800,00 (B) 5.300,00 (C) 6.800,00 (A) 151.700,00 (D) 7.300,00 (B) 153.340,00 (E) 9.100,00 (C) 157.560,00 (D) 158.260,00 (E) 159.080,00 www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 27
    • 80 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE PETROBRÁS 2010) A Empresa Comercial Cristais Raros Ltda. realizou as seguintes operações: Ficha de Controle de Estoque 78 (CESGRANRIO TÉCNICO CONTABILIDADE PETROBRÁS 2008) Os dados a seguir foram extraídos da contabilidade da Empresa Comercial Pantanal Ltda.. Considerando-se, exclusivamente, os dados acima, e que a empresa adota como critério de controle dos estoques o primeiro que entra é o primeiro que sai (PEPS), o custo das mercadorias vendidas, em reais, montou a Com base, exclusivamente, nas informações acima, o valor dos estoques existentes na empresa em 28/02/2010, considerando o Método do Custo Médio Ponderado Móvel, foi, em reais, de (A) 420.000,00 (B) 436.000,00 (A) 12.650,00 (C) 440.000,00 (B) 16.432,00 (D) 484.000,00 (C) 18.918,00 (E) 514.000,00 (D) 18.956,00 (E) 25.224,00 79 (CESGRANRIO/TÉCNICO DE SUPRIMENTO DE BENS E SERVIÇOS JÚNIOR PETROBRÁS BIOCOMBUSTÍVEL 2010) Uma empresa apresenta um estoque inicial, em 01/04/2010, de 100 unidades adquiridas a R$ 1,50 a unidade. Em abril de 2010, ocorreram as movimentações a seguir. 81 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE PETROBRÁS 2008) Considere as informações extraídas registros da Empresa América Ltda. dos 1ª) Compra de 100 unidades a R$ 1,80 cada. 2ª) Compra de 100 unidades a R$ 2,00 cada. 3ª) Venda de 250 unidades a R$ 5,00 cada. Pelo método PEPS / FIFO, o estoque final, em 30/04/2010, em reais, foi Se a empresa utiliza o método de avaliação de estoques do custo específico, o custo das mercadorias vendidas em março, em reais, será (A) 75,00 (B) 88,00 (C) 100,00 (A) 1.300,00 (D) 150,00 (B) 1.250,00 (E) 430,00 (C) 1.150,00 (D) 1.100,00 (E) 1.050,00 www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 28
    • 82 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE PETROBRÁS 2011) No período, a Comércio de Calçados Pé Deti Ltda. apresentou, na sequência, a seguinte movimentação de um dos itens do seu estoque: 83 (CESGRANRIO/TÉCNICO DE SUPRIMENTO DE BENS E SERVIÇOS JÚNIOR PETROBRÁS BIOCOMBUSTÍVEL 2010) A empresa BR S.A. trabalha com um único produto e realizou, na ordem abaixo, as operações a seguir. 1) Compra de 100 unidades a R$ 8,00 cada 1ª) Compra de 10 unidades a R$ 20,00 cada e com destaque de 19% de ICMS. 2) Compra de 100 unidades a R$ 8,50 cada 3) Compra de 100 unidades a R$ 9,00 cada 2ª) Compra de 20 unidades a R$ 30,00 cada e com destaque de 19% de ICMS. 4) Venda de 280 unidades a R$13,00 cada Em função da mudança de estação do ano, o preço atualmente cobrado pelo fornecedor é de R$ 8,20 por unidade. Considerando que não havia estoques anteriores do item e que o critério de atribuição de preços ao estoque utilizado pela firma é o Custo Médio (Média Fixa), uma vez contabilizadas as operações acima, os valores do ‘Estoque Final’ e do ‘Resultado do Período’ são, respectivamente, 3ª) Venda de 15 unidades a R$ 50,00 cada e com destaque de 19% de ICMS. Tendo em vista que essa empresa adota o método Média Móvel, o Custo das Mercadorias Vendidas relativo à 3a operação, em reais, é (A) 283,50 (B) 324,00 (A) R$ 180,00 e R$ 1.270,00 (C) 364,50 (B) R$ 170,00 e R$ 1.260,00 (D) 486,00 (C) R$ 160,00 e R$ 1.250,00 (E) 648,00 (D) R$ 160,00 e R$ 1.400,00 (E) R$ 160,00 e R$ 1.260,00 www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 29
    • 84 (CESGRANRIO/AUDITOR JR PETROBRÁS 2010) A avaliação dos custos dos estoques de uma empresa é um dos aspectos mais importantes dentro da contabilidade empresarial, não só por envolver sanções fiscais, mas também pelo fato de refletir diretamente no resultado da empresa. 85 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE PETROBRÁS 2010) Um dos critérios de avaliação dos estoques é o do preço médio que pode ser calculado por meio de dois métodos distintos: Preço Médio Ponderado Móvel e Preço Médio Ponderado Fixo. Qual a diferença fundamental entre esses dois métodos de cálculo? Para realização dessa avaliação, existem alguns métodos praticados pelo mercado. Preço Médio Ponderado Móvel (A) Atualiza o preço médio a cada saída Atualiza o preço médio em cada aquisição Atualiza o preço médio em cada saída (C) Atualiza o preço médio em cada entrada Atualiza o preço médio apenas no encerrame nto do período (D) Atualiza o preço médio em cada entrada e em cada saída Atualiza o preço médio apenas no encerrame nto do período (E)) De acordo com o estoque da empresa X apresentado acima, conclui-se que a empresa utiliza o método Atualiza o preço médio a cada operação (B) Saldo registrado no estoque da empresa X em 31/12/2009 = R$ 1.050,00. Preço Médio Ponderado Fixo Atualiza o preço médio em cada saída Atualiza o preço médio em cada entrada (A) PEPS (Primeiro que entra, primeiro que sai). (B) UEPS (Último que entra, primeiro que sai). (C) Custeio ABC. (D) Média ponderada móvel. (E) Preço específico. www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 30
    • 89 (CESGRANRIO/REFAP 2007) Uma empresa comercial vendeu todo o seu estoque no exercício anterior. No exercício atual comprou mercadorias no valor de R$ 10.000,00 e vendeu 60% dessas mercadorias por R$ 8.000,00. 86 (CESGRANRIO/REFAP 2007) O uso do Método PEPS (primeiro que entra, primeiro que sai), como critério de avaliação dos materiais, gera: (A) superavaliação no custo do produto fabricado. (B) superavaliação vendidos. no custo dos produtos Admitindo que a empresa só está sujeita ao PIS não cumulativo e à alíquota de 1,65%, o registro contábil, pelo líquido, do lucro na operação, em reais, é: (C) subavaliação no custo do produto. (D) menor lucro tributável. (A) 2.000,00 (E) maior custo dos produtos acabados. (B) 1.967,00 (C) 1.958,00 87 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE PETROBRÁS 2011) Analise as afirmativas abaixo, referentes ao sistema PEPS – sigla da expressão primeiro que entra primeiro que sai. (D) 1.948,00 (E) 1.868,00 I – A utilização do PEPS tende a elevar o resultado econômico da empresa. II – O sistema PEPS considera o custo das mercadorias vendidas como o correspondente ao custo de compra da mercadoria mais antiga remanescente no estoque. III - Normalmente usado para produtos ou mercadorias de valor unitário elevado, o sistema PEPS controla o estoque por unidade comprada ou produzida, determinando o custo específico, real, de cada unidade estocada e dando baixa em cada venda, por unidade. Está correto o que se afirma em (A) I, apenas. (B) II, apenas. (C) III apenas. (D) I e II, apenas. (E) I, II e III. 88 (CESGRANRIO/TERMORIO 2009) A característica básica do inventário periódico é que o (A) valor das compras só é conhecido no final do período. (B) estoque físico só é conhecido no início do período. (C) CMV só é conhecido no final do período. (D) estoque é baixado a cada compra. (E) estoque é baixado a cada venda. www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 31
    • 90 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE JÚNIOR TRANSPETRO 2011) A Comercial Angolana Ltda. comprou mercadorias a prazo, conforme Nota Fiscal emitida pela Moçambique Ltda., no valor de R$ 100.000,00, incidindo 18% de ICMS. 92 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE JÚNIOR PETROBRÁS 2011) A Comercial Mago e Cia. Ltda. adquiriu mercadorias para seu estoque. Considerando a aquisição cujo total da Nota Fiscal foi R$ 12.000,00, incluindo IPI à alíquota de 20% e ICMS de 12%, o lançamento contábil a ser efetuado pela Mago e Cia. foi Vendeu a prazo 80% dessa mercadoria, conforme Nota Fiscal no valor de R$ 112.000,00, incidindo também 18% de ICMS. (A) D: Estoque de Mercadorias (AC) D: ICMS a Recuperar (AC) Considerando-se exclusivamente essa operação, o valor do ICMS a recolher pela Comercial Angolana será, em reais, de C: Fornecedores (PC) 10.800,00 1.200,00 12.000,00 (B) D: Estoque de Mercadorias (AC) (B) 3.168,80 10.800,00 D: Despesa de ICMS (Despesa) (A) 2.160,00 1.200,00 C: Fornecedores (PC) (C) 5.468,80 12.000,00 (C) D: Estoque de Mercadorias (AC) 1.200,00 D: Despesa de IPI (Despesa) (E) 5.760,00 8.800,00 D: Despesa de ICMS (Despesa) (D) 5.664,60 2.000,00 C: Fornecedores (PC) 91 (CESGRANRIO/TÉCNICO PETROBRÁS BIO 2010) Atente para o lançamento a seguir (sem data e histórico). 12.000,00 (D) D: Estoque de Mercadorias (AC) 8.800,00 D: ICMS a Recuperar (AC) 1.200,00 D: Fornecedores a pagar D: IPI a Recuperar (AC) 2.000,00 C: Abatimento sobre compras R$ 12.500,00 C: Fornecedores (PC) Considerando-se exclusivamente a informação acima, o lançamento representa 12.000,00 (E) D: Estoque de Mercadorias (AC) 8.800,00 D: ICMS a Recuperar (AC) 1.200,00 D: Despesa de IPI (Despesa) (A) desconto condicional obtido sobre venda à vista. 2.000,00 C: Fornecedores (PC) (B) abatimento concedido sobre vendas realizadas à vista. (C) abatimento recebido sobre compras realizadas a prazo. 12.000,00 93 (CESGRANRIO/TÉCNICO PETROBRÁS BIO 2010) Uma empresa tributada com base no lucro real adquiriu, em abril do corrente ano, mercadorias para revenda com o seguinte destaque na nota fiscal: ICMS destacado, R$ 125.400,00/ Valor total da Nota Fiscal, R$ 660.000,00. Sabendo-se que a empresa é exclusivamente comercial, os créditos referentes ao PIS e ao COFINS dessa operação, em reais, respectivamente, são: (D) devolução de compras realizadas à vista. (E) devolução de compras realizadas a prazo. (A) 3.900,00 e 18.000,00 (B) 3.900,00 e 19.800,00 (C) 4.290,00 e 19.800,00 (D) 9.900,00 e 45.600,00 (E) 10.890,00 e 50.160,00 www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 32
    • 94 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE PETROBRÁS 2010) Observe os dados extraídos da contabilidade da Comercial Aurora Boreal Ltda., em janeiro de 2010. • Valor das mercadorias vendidas R$ 30.000,00 • ICMS de 18% incluso na operação R$ 5.400,00 • 96 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE JR PETROBRÁS 2010) A Miramar Ltda. possuía em estoque, no início de abril de 2009, 100 calças no valor total de R$ 10.890,00. Durante o mês, adquiriu um lote de 120 calças, diretamente da indústria, sendo o valor global da Nota Fiscal R$ 15.840,00, com o valor do IPI incluso e calculado pela alíquota de 10%. IPI de 10% sobre o valor da operação R$ 3.000,00 • Desconto incondicional concedido R$ 4.000,00 • O valor do ICMS, destacado na nota fiscal, é calculado pela alíquota de 18%. Devolução de vendas R$ 2.500,00 Na contagem física do estoque no final de abril, depois de registradas todas as vendas do mês, foi apurada a existência de 80 calças. Considerando, exclusivamente, as informações acima, o valor da Nota Fiscal emitida por ocasião da venda de mercadorias pela Aurora Boreal, em reais, foi Com base exclusivamente nos dados informados e sabendo-se que a empresa adota o sistema PEPS (Primeiro que Entra Primeiro que Sai) para controlar o estoque, o Custo das Mercadorias Vendidas (CMV) em abril de 2009, em reais, é (A) 26.500,00 (B) 26.950,00 (C) 29.000,00 (A) 15.840,00 (D) 31.450,00 (B) 15.306,00 (E) 31.900,00 (C) 14.826,00 (D) 14.400,00 95 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE PETROBRÁS BIOCOMBUSTÍVEL 2010) A Indústria Rosada de Plásticos, em maio/2010, fez uma venda para um consumidor final, com vencimento para 10/julho/2010, nas seguintes condições: (E) 12.872,00 Valor do material R$ 120.000,00 IPI incidente sobre o material R$ 15.000,00 Desconto para pagamento até 30/junho/2010 R$ 10.000,00 ICMS incidente sobre a operação 18% Considerando-se exclusivamente as informações recebidas, o valor do ICMS destacado na Nota Fiscal, em reais, é (A) 18.900,00 (B) 19.800,00 (C) 21.600,00 (D) 22.500,00 (E) 24.300,00 www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 33
    • 99 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE ANP 2008 - Adaptada) Dados parciais, em reais, extraídos da Empresa Galegos & Filhos Ltda.: Demonstração do Resultado de Exercício 97 (CESGRANRIO/TÉCNICO SUPRIMENTOS PETROBRÁS 2010) Observe os dados, em reais, extraídos da contabilidade da Vaticano Ltda. Venda de Mercadorias 160.000,00 Deduções da Receita 20.000,00 CMV 96.000,00 • Vendas de Mercadorias 120.000,00 Despesas de Vendas 23.000,00 • Despesas Operacionais 23.000,00 Despesas Administrativas 37.500,00 • Outras Despesas 11.000,00 Despesas Financeiras 22.000,00 • Lucro antes do IR 18.000,00 Receitas Financeiras 35.000,00 Considerando-se apenas os dados acima, e desconsiderando a incidência de qualquer tipo de imposto, o montante das despesas operacionais, na Demonstração do Resultado do Exercício, em reais, foi Considerando exclusivamente as informações acima e desconsiderando a incidência de impostos, o custo das mercadorias vendidas, em reais, será (A) 52.000,00 (A) 95.000,00 (B) 66.000,00 (B) 82.500,00 (C) 68.000,00 (C) 60.000,00 (D) 86.000,00 (D) 47.500,00 (E) 97.000,00 (E) 35.000,00 98 (CESGRANRIO/ANALISTA CONTÁBEIS ANP 2008) Dados parciais retirados do Razão da Companhia Sertão S/A, ao final de um mês de operações (em reais): Considerando exclusivamente as informações acima, qual o lucro líquido da Companhia Sertão, em reais? (A) 8.000,00 (B) 6.480,00 (C) 6.180,00 (D) 5.400,00 (E) 2.180,00 www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 34
    • 100 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE JÚNIOR PETROBRÁS 2010) Considerando, exclusivamente, as informações, o resultado operacional monta, em reais, a 102 (CESGRANRIO CONTADOR PETROBRÁS BIOCOMBUSTÍVEL 2010) Informações parciais apresentadas, em reais, pela Companhia Percentual S.A. de capital fechado. Exercício de 2008 Patrimônio Líquido 1.300.000,00 Capital Social 1.500.000,00 Prejuízo Acumulado (200.000,00) Exercício de 2009 Lucro Operacional 1.000.000,00 Provisão para IR 201.000,00 Participações Estatutárias Administradores 10% (A) 1.235.400,00 Empregados 10% (B) 1.140.000,00 Partes Beneficiárias 10% (C) 750.000,00 Considerando-se exclusivamente as informações apresentadas pela Companhia e as determinações da Lei Societária, o Lucro Líquido da Percentual, no exercício social de 2009, em reais, é (D) 745.000,00 (E) 685.000,00 (A) 799.000,00 101 (CESGRANRIO/PROFISSIONAL CONTÁBEIS PETROBRÁS DISTRIB. 2010) Uma empresa apresenta em sua Demonstração dos Resultados, na data do encerramento do balanço, uma conta de despesas com impostos e contribuições no valor de R$ 5.250.000. Se, no passivo circulante, a conta impostos e contribuições a pagar apresenta saldo inicial igual a zero e saldo final de R$ 5.250.000, conclui-se que a (B) 636.671,00 (C) 559.300,00 (D) 499.300,00 (E) 436.671,00 (A) empresa é isenta de impostos e contribuições. (B) empresa não pagou impostos e contribuições no exercício encerrado. (C) conta do superavaliada. passivo circulante está (D) carga tributária é excessiva em relação ao que a empresa é capaz de pagar. (E) empresa sonega impostos e contribuições. www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 35
    • 103 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE PETROBRÁS DISTRIBUIDORA 2008) A Empresa Irmãos Monteiro Ltda. apresentou, em 30.11.2007, o seguinte balancete: Em dezembro de 2007, a empresa realizou as operações a seguir, com valores em reais. • Venda de mercadorias a prazo, por 25.000,00, com baixa de estoque de 20.000,00. • Compra de uma caminhonete usada, por 10.000,00, sendo 3.000,00 à vista, pagos em cheque, e o restante em 5 prestações de 1.400,00. • Aquisição de mercadorias para revenda, a prazo: 30.000,00. • Venda de mercadorias à vista, recebidos em cheque: 12.000,00. Baixa de estoque: 10.000,00. • Pagamento de despesas, em dinheiro: Aluguel e Condomínio 350,00 Energia elétrica 500,00 Transporte 250,00 • Provisão do salário do mês: 5.000,00. Considerando-se, exclusivamente, as informações acima, o lucro operacional da empresa, em reais, em 31.12.2007, foi (A) 9.900,00 (B) 9.800,00 (C) 8.750,00 (D) 7.900,00 (E) 7.850,00 www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 36
    • 104 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE ANP 2008) (C) 83.750,00 (D) 67.500,00 Companhia Castelo dos Vinhos S/A (E) 63.312,00 Balancete Final de verificação dos saldos, em reais, das contas em 31/12/2007 Informações Adicionais, para o fechamento do Balanço em 31/12/2007 Dividendos 63.612,00 propostos Imposto de LALUR):9.563,00 renda pela administração: (calculado no CSLL (calculada no LALUR): 3.687,00 Reserva Legal: 4.188,00 Retenção de Lucros (*): 16.520,00 (*) De acordo com o orçamento de capital da administração, previamente aprovado pela Assembléia Geral (art. 196 da Lei no 6.404/76, com alterações introduzidas pela Lei 11.638/07) Considerando exclusivamente as informações apresentadas e a técnica contábil para elaboração da Demonstração do Resultado do Exercício, o lucro líquido da Companhia Castelo dos Vinhos, na demonstração do Resultado do Exercício, elaborada em 31/12/2007, em reais, é (A) 205.000,00 (B) 137.500,00 www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 37
    • (B) ATIVO: ativo circulante e ativo não circulante, composto por ativo realizável a longo prazo, investimentos, imobilizado e diferido. Principais Demonstrações e Critérios de Avaliação PASSIVO: passivo circulante; passivo não circulante; resultado de exercícios futuros e patrimônio líquido, dividido em capital social, reservas de capital, ajustes de avaliação patrimonial, reservas de lucros, ações em tesouraria e prejuízos acumulados. 105 (CESGRANRIO/CONTADOR PETROBRÁS 2008) Ao fim de cada exercício social, com base na escrituração mercantil da Companhia, a Diretoria fará elaborar as seguintes demonstrações financeiras: (C) ATIVO: ativo circulante e ativo não circulante, composto por ativo realizável a longo prazo, investimentos, imobilizado, diferido e intangível. I - Balanço Patrimonial; II - Demonstração Acumulados; dos Lucros ou Prejuízos III - Demonstração do Resultado do Exercício; PASSIVO: passivo circulante; passivo não circulante; resultado de exercícios futuros e patrimônio líquido, dividido em capital social, reservas de capital, ajustes de avaliação patrimonial, reservas de lucros, ações em tesouraria e lucros e prejuízos acumulados. IV- Demonstração dos Fluxos de Caixa; V - Demonstração do Companhia aberta. Valor Adicionado, se Esse procedimento visa a exprimir com clareza a situação (D) ATIVO: ativo circulante e ativo não circulante, composto por ativo realizável a longo prazo, investimentos, imobilizado e intangível. (A) financeira da Companhia. (B) econômica, patrimonial Companhia. e financeira da PASSIVO: passivo circulante; passivo não circulante e patrimônio líquido, dividido em capital social, reservas de capital, ajustes de avaliação patrimonial, reservas de lucros, ações em tesouraria e prejuízos acumulados. (C) do patrimônio da Companhia e as mutações ocorridas no exercício. (D) do patrimônio e dos resultados auferidos pela Companhia, no exercício. (E) ATIVO: ativo circulante e ativo não circulante, composto por ativo realizável a longo prazo, investimentos, imobilizado, diferido e intangível. (E) patrimonial, o resultado do exercício e a movimentação financeira da Companhia, ocorridas no exercício. PASSIVO: passivo circulante; passivo não circulante e patrimônio líquido, dividido em capital social, reservas de capital, ajustes de avaliação patrimonial, reservas de lucros, ações em tesouraria e lucros e prejuízos acumulados. 106(CESGRANRIO/PROFISSION. PETROBRÁS DISTRIBUIDORA 2010) A Lei nº 11.941/2009 introduziu alterações no texto da Lei nº 6.404/76, principalmente adaptando os padrões contábeis brasileiros aos padrões internacionais dispostos pelos IFRS International Financial Reporting Standards. Uma das alterações importantes foi a definição dos grupos que compõem ativo e passivo, que passaram a ser os seguintes: (A) ATIVO: ativo circulante e ativo não circulante, composto por ativo realizável a longo prazo, investimentos, imobilizado e diferido. PASSIVO: passivo circulante; passivo não circulante e patrimônio líquido, dividido em capital social, reservas de capital, ajustes de avaliação patrimonial, reservas de lucros, reservas de reavaliação, ações em tesouraria e prejuízos acumulados. www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 38
    • 107 (CESGRANRIO/AUDITOR PETROBRÁS 2008) A Lei nº 11.638, sancionada em 28 de dezembro de 2007, alterou dispositivos relativos à elaboração e divulgação das demonstrações financeiras. A principal alteração em relação às disposições para elaboração das demonstrações financeiras foi a 109 (CESGRANRIO/CONTADOR PETROBRÁS AGO2011) A demonstração contábil que tem por objetivo evidenciar o valor da riqueza econômica gerada pelas atividades da empresa como resultante de um esforço coletivo e sua distribuição entre os elementos que contribuíram para sua criação é a demonstração denominada (A) obrigatoriedade da elaboração da demonstração do valor adicionado para todas as companhias e sociedades limitadas. (A) balanço patrimonial (B) balanço social (C) lucros ou prejuízos acumulados (B) liberação da exigência de elaboração da demonstração das origens e aplicações de recursos, passando a ser exigida a demonstração dos fluxos de caixa e, em caso de Companhia aberta, a demonstração do valor adicionado. (D) resultado do exercício (E) valor adicionado 110 (CESGRANRIO/BNDES 2011) A elaboração e divulgação da demonstração do valor adicionado (DVA), para atender aos requisitos estabelecidos no Pronunciamento Técnico CPC 09 e na legislação societária, entre outros aspectos relevantes, deverá (C) decisão pela não-obrigatoriedade da elaboração das demonstrações dos fluxos de caixa, sendo exigida, em caso de Companhia aberta, a elaboração da demonstração das origens e aplicações de recursos. (A) conter a variação ocorrida no capital circulante líquido. (D) liberação da exigência de elaboração da mutação do patrimônio líquido, sendo substituída pela demonstração do fluxo de caixa e pela demonstração do valor adicionado. (B) ser elaborada como base no princípio contábil da competência. (C) ser elaborada com base no princípio contábil da atualização monetária. (E) obrigatoriedade de elaboração das demonstrações do fluxo de caixa e do valor adicionado, facultando à Companhia a elaboração da demonstração dos lucros ou prejuízos acumulados. (D) permitir o cálculo do Produto Interno Bruto do segmento onde atua a empresa. (E) analisar os efeitos do valor econômico agregado sobre a liquidez da empresa. 108 (CESGRANRIO/ANALISTA EPE 2010) A elaboração e a divulgação da Demonstração de Fluxo de Caixa são obrigatórias para todas as companhias de capital aberto e dispensáveis para a maioria das companhias de capital fechado, sendo obrigatórias nesse último caso somente para aquelas companhias que possuam, na data do balanço, em reais, patrimônio líquido (A) igual ou inferior a 1.000.000,00. (B) igual a 1.800.000,00. (C) superior a 2.000.000,00. (D) igual ou superior a 900.000,00. (E) superior a 1.000.000,00 2.000.000,00. www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 e inferior a Prof. Marcondes Fortaleza 39
    • 111 (CESGRANRIO/TERMOAÇU 2008) Segundo a legislação societária, as demonstrações contábeis serão complementadas por notas explicativas necessárias para esclarecimentos da situação patrimonial e dos resultados do exercício. As notas explicativas deverão indicar as seguintes informações: 113 (CESGRANRIO/REFAP 2007) Na constituição de uma sociedade anônima, os acionistas precisam depositar, em dinheiro: (A) 10% do capital integralizado, Econômica Federal. na Caixa (B) 10% do capital subscrito, no Banco do Brasil. (C) 20% do capital integralizado, no Banco do Brasil. (A) ajustes de exercícios anteriores, eventos subseqüentes e investimentos em outras sociedades, quando relevantes. (D) 20% do capital social, na Caixa Econômica Federal. (B) taxa de juros das obrigações a longo prazo, eventos subseqüentes e montante de aplicações financeiras de curto e longo prazo. (E) 20% do capital subscrito, na Caixa Econômica Federal. (C) ajustes de exercícios anteriores, investimentos em outras sociedades, quando relevantes, e montante de depósitos bancários. 114 (CESGRANRIO/AUDITOR JR PETROBRÁS 2010) De acordo com a Lei nº 6.404 de 1976, que dispõe sobre as Sociedades por Ações, anualmente, nos quatro primeiros meses seguintes ao término do exercício social, deverá haver uma assembleia geral ordinária, que possui alguns objetivos, EXCETO (D) eventos subseqüentes, investimentos em outras sociedades, quando relevantes, e montante de aplicações financeiras de curto e longo prazo. (E) montante de aplicações financeiras de curto e longo prazo, investimentos em outras sociedades, quando relevantes, e taxa de juros das obrigações a longo prazo. (A) tomar as contas dos administradores, examinar, discutir e votar as demonstrações financeiras. (B) deliberar sobre a destinação do lucro líquido do exercício e a distribuição de dividendos. 112 (CESGRANRIO/CONT. TRANSPETRO) A Lei das Sociedades por ações estabelece que os ajustes de exercícios anteriores não devem afetar o resultado normal do exercício em curso, determinando, então, que seus efeitos sejam registrados diretamente na conta de lucros ou prejuízos acumulados. (C) eleger os principais fornecedores de produtos e serviços para o próximo exercício. (D) eleger os administradores e os membros do conselho fiscal, quando for o caso. (E) aprovar a correção da expressão monetária do capital social. São tratados como ajustes de exercícios anteriores, somente: (A) efeitos de mudança de critério contábil e retificação de erro. (B) erros ocasionados imprudência. por negligência ou (C) alteração no prazo de vida útil do bem e variação cambial relevante. (D) fraudes detectadas independente. pela auditoria (E) despesas diferidas não amortizadas e custos imputados. www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 40
    • Critérios de Classificação Critérios de Avaliação 115 (CESGRANRIO/TCE RO 2007) No Balanço Patrimonial de uma empresa comercial, a classificação de Contas a Receber, no curto prazo, implica que tais contas devem ser recebidas no prazo máximo de até: 117 (CESGRANRIO/CONTADOR PETROBRÁS 2008) No Balanço, de acordo com a nova redação da Lei nº 6.404/76, dada pela Lei no 11.638/07, as obrigações, encargos e riscos, classificados no Passivo Exigível a Longo Prazo, serão (A) 90 dias, contados da data da operação. (A) ajustados a valor presente. (B) 90 dias, contados da data do Balanço. (C) 365 dias, contados da data da operação. (B) ajustados a valor de mercado. (D) 365 dias, contados da data do Balanço. (C) avaliados a valor de mercado ou custo, o maior dos dois. (E) 400 dias, contados da data da operação. (D) avaliados a valor de mercado ou custo, o menor dos dois. 116 (CESGRANRIO/CONTADOR PETROBRÁS 2008) De acordo com as determinações da Lei nº 6.404/76, com a nova redação dada pelas Leis nº 9.457/97, nº 10.303/01 e no 11.638/07, os direitos que tenham por objeto bens incorpóreos destinados à manutenção da Companhia, ou exercidos com essa finalidade, devem ser classificados no (E) computados pelo valor atualizado até a data do Balanço. (A) Ativo Circulante. (A) custo incorrido na aquisição, deduzido do saldo da respectiva conta de depreciação. 118 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE JÚNIOR PETROBRÁS BIOCOMBUSTÍVEL 2010) Os ativos intangíveis deverão ser avaliados pelo (B) Ativo Realizável a Longo Prazo. (B) custo incorrido na aquisição, deduzido do saldo da respectiva conta de amortização. (C) Ativo imobilizado. (D) Diferido. (C) custo de aquisição, deduzido de provisão para atender às perdas prováveis na realização do seu valor. (E) Intangível. (D) custo de aquisição atualizado conforme disposições legais ou contratuais, ajustado ao valor provável de realização. (E) valor de negociação em ambiente de livre mercado. www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 41
    • 121 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE PETROBRÁS 2010) Uma Sociedade Anônima de capital fechado apresentou as informações a seguir, referentes ao seu passivo 119 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE JÚNIOR PETROBRÁS 2010) Admita que uma Sociedade Anônima fizesse aplicações temporárias em instrumentos financeiros com a intenção de resgate nas respectivas datas de vencimento. • • Empréstimos contraídos em moeda estrangeira, com paridade cambial - R$ 200.000,00 • Tais aplicações devem ser avaliadas pelo Imposto de Renda a pagar com base no resultado do exercício - R$ 120.000,00 Empréstimos com prazo de 8 anos, para financiar o imobilizado - R$ 1.200.000,00 (A) seu valor justo. (B) valor original, atualizado conforme disposições legais ou contratuais, ajustado ao valor provável de realização, quando este for inferior. Considerando as determinações da Lei Societária vigente, pode-se afirmar que a avaliação das situações, informadas acima, será feita, respectivamente, pelo (C) valor original, atualizado conforme disposições legais ou contratuais, ajustado ao valor provável de realização. (A) valor original; conversão em moeda nacional à taxa de câmbio da data do evento; ajuste a valor futuro. (D) custo de aquisição, deduzido de provisão para atender às perdas prováveis na realização do seu valor, ou para redução do custo de aquisição ao valor de mercado, quando este for inferior. (B) valor original ajustado a valor presente; conversão em moeda nacional à taxa de câmbio da data do evento; ajuste a valor de mercado. (E) custo de aquisição, deduzido de provisão para atender às perdas prováveis na realização do seu valor, ou para ajuste do custo de aquisição ao valor de mercado. (C) valor justo; conversão em moeda nacional à taxa de câmbio da data do balanço; ajuste a valor presente. 120 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE JÚNIOR PETROBRÁS 2010) Uma sociedade anônima de capital fechado, atuando no ramo comercial, negocia diariamente com instrumentos financeiros, dentre eles os derivativos. (D) valor original; conversão em moeda nacional à taxa de câmbio da data do balanço; ajuste a valor presente. (E) valor atualizado até à data do balanço; conversão em moeda nacional à taxa de câmbio na data do balanço; ajuste a valor presente. No balanço patrimonial dessa sociedade, esses elementos do ativo devem ser avaliados a valor (A) presente. (B) justo. (C) de emissão atualizado conforme disposições legais. (D) de custo de aquisição ajustado a valor provável de realização, quando este for maior. (E) de custo de aquisição ajustado a valor provável de realização, quando este for menor www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 42
    • 122 (CESGRANRIO/ANALISTA EPE 2010) De acordo com a legislação vigente, dispõe o art. 183, da Lei nº 6.404/76, que, no balanço, os elementos do ativo serão avaliados pelo seguinte critério: 124 (CESGRANRIO/CONTADOR PETROBRÁS 2010) O Artigo 183 da Lei nº 6.404/76, das Sociedades Anônimas, com a nova redação dada pela Lei nº 11.941/09, determina como os elementos do ativo devem ser avaliados no Balanço Patrimonial. Entre os critérios relacionados, foi introduzido o do valor justo. Esse critério deve ser utilizado (A) elementos do ativo decorrentes de operações de longo prazo, pelo valor de aquisição, atendendo ao princípio da prudência, ainda que haja efeito relevante. (A) nas aplicações em instrumentos financeiros, inclusive derivativos. (B) estoques de mercadorias fungíveis destinadas à venda não poderão ser avaliadas pelo valor de mercado,mesmo quando esse for o costume mercantil aceito pela técnica contábil. (B) nas aplicações em direitos e títulos de créditos classificados no ativo circulante ou no realizável a longo prazo. (C) para avaliar os direitos que tiverem por objeto mercadorias e produtos do comércio da Companhia. (C) direitos classificados no imobilizado, pelo custo de aquisição, deduzido do saldo da respectiva conta de depreciação, amortização ou exaustão. (D) quando se tratar de aplicações destinadas à negociação ou disponíveis para venda. (D) direitos classificados no intangível, pelo valor de mercado deduzido do saldo da respectiva conta de depreciação. (E) quando se tratar de investimentos em participação no capital social de outras sociedades. (E) direitos que tiverem por objeto mercadorias e produtos do comércio da companhia, assim como matérias-primas, produtos em fabricação, fornecedores e bens em almoxarifado, pelo custo de aquisição ou produção, deduzido de provisão para ajustá-lo ao valor de mercado, quando este for superior. Teste de Recuperabilidade 125 (CESGRANRIO/PETROBRÁS DISTRIB.2010) Uma empresa industrial tem, na data do encerramento do balanço, um imobilizado assim composto: 123 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE JÚNIOR PETROBRÁS 2010) Uma sociedade anônima de capital aberto, por questões operacionais, possui pequenos investimentos em participações no capital social de outras sociedades de capital aberto, que não quer vender, apesar de sua irrelevância. Custo de aquisição = R$ 120.000.000,00 Depreciação acumulada = R$ 40.000.000,00 Considerando-se que a empresa identificou, através de uma projeção de seus negócios, que o valor de recuperação desse imobilizado até o final de sua vida útil será de R$ 50.000.000,00, qual o valor, em reais, da provisão para impairment, entendida como a parcela do ativo que não será recuperada? No balanço, tais investimentos devem ser avaliados pelo custo de aquisição (A) ajustado ao valor presente. (A) 30.000.000,00 (B) ajustado ao valor de mercado. (B) 40.000.000,00 (C) ajustado ao valor mais provável de realização pela cotação das ações na data do balanço da investidora. (C) 50.000.000,00 (D) 70.000.000,00 (D) deduzido de provisão para perda provável de realização ou redução ao valor de mercado sempre que este for menor. (E) 80.000.000,00 (E) deduzido de provisão para perda provável de realização, comprovada como permanente. www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 43
    • Ajuste a Valor Presente 127 (CESGRANRIO/CONTADOR PETROBRÁS 2011) A Companhia Máquinas Pesadas Supimpa S/A vendeu um equipamento pesado nas seguintes condições: 126 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE PETROBRÁS 2010) A Deliberação CVM 564/08 aprova o Pronunciamento Técnico CPC 12 do Comitê de Pronunciamentos Contábeis – sobre o Ajuste a Valor Presente (AVP). • • C – Receita de Venda do Bem (B) D – Caixa Tabela das taxas de desconto a 10% ao ano: Considerando-se o disposto no CPC 12 – Ajuste a Valor Presente –, o valor da receita da Companhia Supimpa, apurado no mesmo dia da venda desse equipamento, em reais, é (A) 4.090.905,00 80.000,00 (B) 4.500.000,00 D – Notas Promissórias a Receber 120.000,00 C – Juros a Apropriar Juros na data da operação: 10% ao ano • O registro contábil a ser realizado pelo vendedor, nos termos da orientação do anexo da Deliberação CVM 564/08, na data da operação, em reais, é (A) D – Caixa Entrada 20% e o restante em 3 parcelas anuais iguais e sucessivas • Sob o enfoque técnico acima, admita que uma empresa faça a venda de um bem por R$ 200.000,00, sendo R$ 80.000,00 em dinheiro e R$ 120.000,00 representados por 3 promissórias anuais de R$ 40.000,00 cada uma, e que, na data da operação, a taxa de juros seja de 18% ao ano. Feito o AVP dos fluxos futuros, foi apurado o valor arredondado de R$ 86.970,00. Valor da venda: R$ 22.500.000,00 (C) 19.421.100,00 33.030,00 (D) 20.454.525,00 166.970,00 (E) 22.500.000,00 80.000,00 D – Notas Promissórias a Receber 120.000,00 C – Receita de Venda do Bem (C) D – Caixa D – Juros a Valor Presente C – Receita de Venda do Bem (D) D – Caixa 200.000,00 80.000,00 6.970,00 86.970,00 80.000,00 D – Notas Promissórias a Receber 86.970,00 C – Receita de Venda do Bem (E) D – Caixa 166.970,00 80.000,00 D – Notas Promissórias a Receber 86.970,00 D – Desconto a Valor Presente 33.030,00 C – Receita de Venda do Bem 200.000,00 www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 44
    • Ajustes de Avaliação Patrimonial Reservas de Lucros 128 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE PETROBRÁS 2011) A conta Ajustes de Avaliação Patrimonial foi introduzida na contabilidade brasileira através da Lei nº 11.638, de 28 de dezembro de 2007. 129(CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE TRANSPETRO 2011) A legislação societária estabelece que as sociedades anônimas devem constituir reserva legal, especificando o percentual de constituição, os limites a serem observados e a forma de sua utilização. As declarações abaixo atendem plenamente ao conceito da conta ajuste de avaliação patrimonial, EXCETO: Nos termos da lei societária, a empresa pode utilizar a reserva legal no caso de (A) Como regra geral, os valores registrados nessa conta deverão ser transferidos para o resultado do exercício à medida que os ativos e passivos que lhes deram origem forem sendo realizados. (A) integralizar o capital social ou compensar prejuízos. (B) integralizar o capital social ou aumentar o capital social. (B) Exemplo de valores a serem registrados nessa conta são as variações de preço de mercado dos instrumentos financeiros, quando destinados à venda futura. (C) compensar prejuízos ou pagar prêmios de debêntures. (C) Essa conta não corresponde a uma conta de reserva, uma vez que seus valores não transitam pelo resultado. (E) aumentar o capital social ou compensar prejuízos. (D) Destina-se a receber as contrapartidas de aumentos ou diminuições de valor atribuído a elementos do ativo e do passivo, em decorrência de sua avaliação a valor justo, enquanto não computadas no resultado do exercício, obedecendo ao regime de competência. 130 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE PETROBRÁS 2010) Admita as seguintes informações parciais apresentadas pela Companhia Florida S.A., antes do encerramento do balanço, em 31 de dezembro de 2009: (D) aumentar o capital social ou resgatar ações próprias. • Capital subscrito: 4.800.000,00; • Capital a realizar: 200.000,00; • Reserva Legal: 880.000,00; • Reservas de Capital: (E) Por tratar-se de uma conta que registra as contrapartidas de receitas e despesas decorrentes das variações de preço de ativos e passivos da entidade, seu saldo, ao final do período, deve ser encerrado contra a conta de resultado. 440.000,00; • Lucro Líquido do exercício: 2.400.000,00. Considerando somente as informações acima e as determinações da Lei das Sociedades Anônimas, a Reserva Legal proposta pela administração, em reais, é (A) 40.000,00 (B) 60.000,00 (C) 80.000,00 (D) 110.000,00 (E) 120.000,00 www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 45
    • 131(CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE PETROBRÁS 2011) O art. 193 da Lei nº 6.404/1976 trata da Reserva Legal e delimita que: • • 133(CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE PETROBRÁS 2011) As reservas estatutárias são constituídas, por determinação do estatuto de uma companhia, para a destinação de uma parcela dos lucros do exercício. o Limite Obrigatório ocorre quando o saldo da conta atingir 20% do valor do Capital Social. Para cada reserva estatutária, a empresa terá de estabelecer os seguintes critérios em seu estatuto: o Limite Facultativo ocorre quando o saldo da conta, antes da constituição referente ao exercício em curso, somado ao montante das reservas de capital, atingir 30% do Capital Social. (A) definir sua finalidade de modo preciso e completo; fixar os critérios para determinar a parcela anual do lucro líquido a ser utilizada; e estabelecer seu limite máximo. No que diz respeito à reserva legal, atendem plenamente à legislação societária as afirmativas abaixo, EXCETO: (B) definir a parcela dos prejuízos a serem absorvidos; evidenciar as contas que serão utilizadas para efetivar as reservas; e segregar os valores que serão aplicados em reservas dos dividendos propostos. (A) Quando nenhum dos dois limites for atingido, a empresa será obrigada a constituir a reserva. (B) Se o limite obrigatório for atingido antes de calculado o valor da reserva legal do exercício, a empresa não poderá constituir a reserva. (C) definir a finalidade de cada reserva; evidenciar as parcelas de lucros a serem absorvidas; estabelecer seu limite máximo; e determinar a forma de reversão. (C) Se o limite obrigatório for atingido no processo de constituição da reserva, a empresa não poderá constituí-la em valor superior a 20% do Capital Social. (D) definir as parcelas de lucros a serem absorvidas; fixar os limites de utilização; e estabelecer a forma de reversão. (D) Se o limite obrigatório não for atingido, mas o facultativo sim, a empresa poderá decidir por constituir ou não a reserva. (E) determinar os critérios para o estabelecimento das reservas; avaliar os resultados do exercício que devem ser absorvidos; fixar os limites de utilização; e estabelecer a forma de reversão. (E) Se o limite obrigatório não for atingido mas o facultativo sim, a empresa não poderá constituir a reserva. (A) Reserva de capital. 134(CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE PETROBRÁS 2010) A destinação que tem por objetivo compensar, em ano futuro, a diminuição do lucro em função de perda julgada provável e cujo valor pode ser estimado é a reserva (B) Reserva estatutária. (A) de alienação de parte beneficiária. (C) Reserva legal. (B) de lucros a realizar. (D) Reserva para contingências. (C) estatutária. (E) Retenção de lucro. (D) legal. 132 (CESGRANRIO/CONTADOR PETROBRÁS 2010) A reserva que tem objetivo, forma de cálculo e limite máximo de constituição determinados em documento societário é a (E) para contingências. www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 46
    • 135 (CESGRANRIO/CONTADOR PETROBRÁS 2011) A Indústria Famosa S/A recebeu do governo federal, em dinheiro, subvenção governamental para a implantação de unidade fabril em um ente da Federação, considerado estratégico pelo Executivo Federal, para o desenvolvimento sustentado da região. 137 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE PETROBRÁS 2010) A Companhia Salvador S.A. apresentou as informações a seguir, antes da distribuição do resultado do Exercício encerrado em 30 de dezembro de 2009. • • Admita que exista a necessidade de que essa subvenção não seja distribuída ou de qualquer forma repassada aos sócios (acionistas), sendo sua retenção considerada indispensável. Lucro Líquido do exercício - 400.000,00 Valores inclusos no Lucro Líquido do exercício Ganho nos investimentos avaliados pela equivalência patrimonial: R$ 200.000,00 Vendas a prazo com vencimento em 2010: R$ 50.000,00 O registro contábil dessa retenção da subvenção governamental, desconsiderando as formalidades do lançamento, é o seguinte: Vendas a prazo com vencimento em 2011: R$ 80.000,00 • Dividendos omissos no estatuto • Reserva legal - saldo incorporado ao capital, no Balanço de 2008 A administração quer incluir na proposta de distribuição do resultado a constituição da Reserva de Lucros a Realizar. Considerando, exclusivamente, as informações recebidas e as determinações da Lei Societária, a Reserva de Lucros a Realizar a ser constituída, em reais, é 136(CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE PETROBRÁS 2011) O objetivo da constituição da Reserva de Lucros a Realizar, previsto na Lei nº 6.404/76 com as alterações inseridas pela Lei nº 11.638/07, é (A) 80.000,00 (A) não distribuir dividendos obrigatórios sobre a parcela de lucros ainda não realizada financeiramente pela companhia, quando tais dividendos excederem a parcela financeiramente realizada do lucro líquido do exercício. (B) 70.000,00 (C) 40.000,00 (D) 30.000,00 (E) 25.000,00 (B) dar cobertura a perdas ou prejuízos potenciais não repetitivos, ainda não incorridos, mediante segregação de parcelas dos lucros, que seriam distribuídas como dividendos. (C) permitir a proteção ao credor segregando parcelas dos lucros, que seriam distribuídos em forma de dividendos, quando há incerteza sobre a realização de créditos a receber ainda não incorridos. (D) permitir o resgate de partes beneficiárias registradas na reserva de capitais, desde que as reservas de lucros constituídas no exercício sejam inferiores ao valor das partes beneficiárias vincendas no exercício. (E) dar cobertura a perdas ou despesas cujo fato gerador já ocorreu, sem que tenha havido ainda o correspondente desembolso ou perda, havendo necessidade de efetuar o registro em função do regime de competência. www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 47
    • 138 (CESGRANRIO/CONTADOR PETROBRÁS 2008) A Nova redação da Lei nº 6.404/76, dada pela Lei nº 11.638/07, estabelece as seguintes reservas de lucros: 140 (CESGRANRIO/CONTADOR PETROBRÁS 2011) O artigo 189 da Lei nº 6.404/76, consolidada até 2009, determina que do resultado do exercício serão deduzidos, antes de qualquer participação, os prejuízos acumulados e a provisão para o Imposto sobre a Renda. Já no parágrafo único, informa a ordem obrigatória em que o prejuízo do exercício deva ser absorvido. Essa ordem é estabelecida da seguinte forma: I - Reserva Legal II - Reserva Estatutária III - Reserva para Contingências IV- Reserva de Incentivos Fiscais V - Reserva de Lucros a Realizar (A) lucros acumulados, reservas de lucros e reserva legal. VI - Retenção de Lucros (B) reservas de lucros e reserva legal. A Lei estabelece, igualmente, que o saldo das reservas de lucros não poderá ultrapassar o capital social, EXCLUINDO desse total APENAS as reservas identificadas acima como (C) reservas de lucros, reservas de capital e reserva legal. (D) reserva legal, reservas de lucros e capital social. (A) I, II e III (E) reserva legal, reservas de lucros e reservas de capital. (B) I, III e V (C) II, III e IV (D) III, IV e V (E) IV, V e VI 139 (CESGRANRIO/CONTADOR PETROBRÁS 2008) Quando o total das reservas de lucros, de acordo com o determinado pela Lei nº 6.404/76, com nova redação dada pela Lei nº 11.638/07, atingir o limite do capital social, compete à Assembléia deliberar sobre a aplicação do excesso, somente, para (A) aumento do capital social, pagamento de dividendos e investimento em ativos imobiliários. (B) aumento de capital social, integralização do capital social e investimento em participações societárias. (C) integralização do capital social, pagamento de dividendos e aplicação em novos ativos. (D) integralização de capital social, aumento do capital social e pagamento de dividendos. (E) integralização de capital social, aumento do capital social, pagamento de dividendos e investimento em novos ativos. www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 48
    • 141 (CESGRANRIO/CONTADOR TRANSPETRO 2011) Na elaboração do Balancete final, uma companhia, antes do Balanço de 31 dezembro 2009 e da destinação do resultado apurado no exercício de 2009, levantou o seguinte Patrimônio Líquido, fundamentando-se nos saldos das contas registrados no razão: Dividendos 142(CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE PETROBRÁS 2010) Admita as seguintes informações da Sociedade Anônima antes do cálculo dos dividendos. Patrimônio Líquido (em R$) Capital Social • Lucro líquido do exercício: R$ 2.000.000,00 • 10.000.000,00 Proposta para constituição das seguintes Reservas, no exercício findo: Reserva Legal 800.000,00 Reserva Estatutária 450.000,00 - Legal; R$ 100.000,00 Retenção de Lucros 300.000,00 - Estatutária: R$ 150.000,00 Reserva de Ágio 250.000,00 - Para Contingências: R$ 200.000,00 • No resultado do exercício findo em 2009, a companhia apurou um prejuízo de R$ 1.000.000,00. Dividendo no estatuto – 20% Considerando exclusivamente as informações acima e as determinações da Legislação Societária, os dividendos mínimos propostos, em reais, são Com base exclusivamente nas informações recebidas e nas normas estabelecidas pela Legislação Societária, sem necessidade de fazer ajustes nos valores a qualquer título, no Balanço Patrimonial, de 31 de dezembro de 2009, as reservas da empresa serão evidenciadas com os valores (saldos), em reais, (A) 310.000,00 (B) 330.000,00 (C) 340.000,00 (D) 380.000,00 (E) 400.000,00 www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 49
    • 143(CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE PETROBRÁS 2010) Uma companhia de capital fechado, que só emitiu ações ordinárias, apresentou as seguintes informações parciais apuradas por ocasião do fechamento do balanço de 2009: 144 (CESGRANRIO CONTADOR PETROBRÁS BIOCOMBUSTÍVEL 2010) A Bola S.A. apresentou as seguintes informações parciais: 2008 Patrimônio Líquido Capital Subscrito.............4.000.000,00 Exercício 2008 (-) Capital a Realizar.......(1.500.000,00) • Dividendos omissos no estatuto Reserva Legal.....................480.000,00 Exercício 2009 2009 • Lucro do Exercício/09 = 1.048.000,00 Lucro Líquido 1.000.000,00 • Reserva Legal constituída no exercício Legal = 48.000,00 Exercício: R$ Reserva Estatutária (constituída em 2009): R$ 400.000,00 Estatutária = 200.000,00 • do Introdução do dividendo no estatuto, por deliberação da assembléia do percentual mínimo de dividendo obrigatório, estabelecido na Lei Societária Dividendos obrigatórios estatuto: 50% fixados Admita que o valor do lucro não distribuído foi o fundamento para a apresentação de um orçamento de capital, de igual valor, aprovado pela Assembléia Geral. Considerando as determinações da Lei Societária com relação ao pagamento de dividendos e, para efeito de cálculo, exclusivamente os dados e as informações acima, os dividendos de 2009, propostos pela administração da companhia, em reais, são O valor da Reserva Legal e dos Dividendos, respectivamente, em reais, é (A) 20.000,00 e 290.000,00 (A) 200.000,00 (B) 20.000,00 e 490.000,00 (B) 250.000,00 (C) 30.000,00 e 285.000,00 (C) 262.500,00 (D) 50.000,00 e 275.000,00 (D) 400.000,00 (E) 50.000,00 e 475.000,00 (E) 500.000,00 www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 no Prof. Marcondes Fortaleza 50
    • 148 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE PETROBRÁS 2010) A Comercial Formiga S.A., de capital fechado, apresentou as informações parciais, a seguir, referentes ao exercício social de 2009, antes da elaboração do balanço. Reservas de Capital 145 (CESGRANRIO/CONTADOR 2008) Analise atentamente elementos: PETROBRÁS os seguintes • Valor da contribuição do subscritor de ações, emitidas sem valor nominal, que ultrapassou a importância destinada à formação do capital social - R$ 200.000,00 • Valor do prêmio cobrado no lançamento de debêntures - R$ 100.000,00 • I - contribuição do subscritor de ações que ultrapassa o valor nominal; Valor da alienação de partes beneficiárias - R$ 50.000,00 II - prêmio recebido na emissão de debêntures; III - produto da alienação de bônus de subscrição; IV- produto da alienação de partes beneficiárias; V - subvenções para investimentos. Nos termos da Lei nº 6.404/76, com a nova redação dada pela Lei nº 11.638/07, são reservas de capital APENAS os itens No balanço de 2009, elaborado pela Comercial Formiga, considerando exclusivamente as informações recebidas, o valor das reservas de capital, em reais, é (A) II e III (B) II e IV (A) 50.000,00 (C) I, II e V (B) 100.000,00 (D) I, III e IV (C) 200.000,00 (E) I, III e V (D) 250.000,00 (E) 350.000,00 146 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE TRANSPETRO 2011) As contribuições denominadas reservas de capital NÃO (B) registram ágio na emissão de ações. 149(CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE PETROBRÁS 2010) Admita que uma Sociedade Anônima tenha informado o seguinte: (C) transitam pelos resultados. • Valor nominal da ação - R$ 2,00; (D) absorvem prejuízos. • Ações subscritas - 800.000 ações ordinárias; (E) resgatam partes beneficiárias. • Valor de cada ação subscrita - R$ 2,20; (A) são transferidas para o capital. • Capital a realizar - R$ 200.000,00; 147 (CESGRANRIO/CONTADOR PETROBRÁS 2011) Quando se deseja registrar o valor excedente entre o preço de subscrição e o valor nominal das ações, que os acionistas pagam à Companhia, tal valor deve ser registrado em conta de • Capital autorizado - R$ 2.000.000,00. Considerando as informações acima e as determinações da Lei das Sociedades Anônimas, afirma-se que o Capital Social da Companhia, em reais, é (A) 1.400.000,00 (A) capital social. (B) 1.600.000,00 (B) capital subscrito. (C) 1.560.000,00 (C) reserva de capital. (D) 1.760.000,00 (D) reserva de incentivos fiscais. (E) 1.800.000,00 (E) ajustes de avaliação patrimonial. www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 51
    • 150 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE PETROBRÁS 2011) Uma Sociedade Anônima de capital aberto emitiu 10.000 ações, cada uma com valor nominal de R$ 10,00. Finalizada a venda dos títulos, o valor pago pelos subscritores foi de R$ 11,00 para cada ação. FATOS CONTÁBEIS -Treinamento- Fatos envolvendo apenas contas do ATIVO/PASSIVO Considerando exclusivamente os dados apresentados, o lançamento contábil, em reais, de acordo com a legislação vigente, a ser feito pela empresa é 01. pagamento a fornecedores R$ 4.200,00 (A) D: Banco conta Movimento (AC)110.000,00 C: Capital Social (PL) 110.000,00 (B) D: Banco conta Movimento (AC)110.000,00 C: Capital Social (PL) 02. pagamento de um título no valor de 3.000,00 100.000,00 C: Res. de Capital–Ágio de Ações (PL) 10.000,00 (C) D: Banco conta 110.000,00 C: Capital Social (PL) Movimento 03. depósito de R$ 25.000,00 no Banco da Praça (AC) 100.000,00 04. pagamento de empréstimos a curto prazo R$ 150,00 C: Res. de Lucros–Ágio de Ações (PL) 10.000,00 (D) D: Banco conta Movimento (AC) 110.000,00 C: Capital Social (PL) 100.000,00 05. pagamento de empréstimos a longo prazo R$ 900,00 C: Ajustes de Avaliação Patrimonial (PL) 10.000,00 (E) D: Banco conta Movimento (AC) 110.000,00 C: Capital Social (PL) 100.000,00 06. pagamento de R$ 12.000,00 de hipotecas de longo prazo C: Receitas Financeiras (Receita Operacional) 10.000,00 07. compra a vista de veículos para o ativo imobilizado R$ 2.700,00 08. compra a prazo (160 dias) de móveis para o escritório R$ 1.650,00 09. compras de máquinas industriais a longo prazo R$ 1.500,00 www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 52
    • 10. compra a prazo de máquinas para o próprio uso, no valor de R$ 15.000,00 21. empréstimos tomados a longo prazo R$ 1.200,00 11. aquisição de móveis e utensílios à vista, pagos em dinheiro, por R$ 2.000,00 22. empréstimos tomados a curto prazo R$ 143,00 23. depósitos bancários R$ 900,00 12. firma comprou mercadorias a vista por R$ 1.400,00 24. vendas de móveis e utensílios usados: três unidades por R$ 1.500,00, a prazo 13. compra de mercadorias a prazo R$ 90.000,00 25. venda de ações de coligadas por R$ 6.000,00, recebendo em cheque 14. compra de bens para revender: cem unidades por R$ 21.000,00, a prazo 26. compra de mercadorias pagando um terço como entrada 15. compra de mercadorias isentas de tributação por R$ 1.200,00, aceitando duplicatas 16. aquisição de dois computadores completos a prazo, por R$ 20.000,00 por 15.000,00 27. compras de mercadorias por 20 mil, com entrada de R$ 4 mil e duplicatas 17. recebimento de clientes R$ 3.000,00 28. compra de móveis para venda, por R$ 2.200,00, pagando uma entrada de 20% e o restante a prazo 18. recebimento de duplicata no valor de R$ 100,00, em dinheiro 19. empréstimos concedidos coligadas R$ 300,00 a 29. compra de máquinas por R$ 5.000,00, pagando entrada de 20% empresas 30. compra de móveis para uso, por R$ 6.000,00, aceitando duplicatas, sendo dois terços com vencimento a longo prazo 20. recebimento de empréstimos concedidos aos sócios R$ 450,00 www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 53
    • 31. compra a prazo de máquinas para uso por 1.000,00 pagando 40% de entrada 40. pagamento em dinheiro de aluguel condomínio da sala comercial – R$ 1.500,00 e 41. pagamento de juros do mês corrente no valor de R$ 400,00 32. aquisição de uma sala comercial por R$ 50.000,00, sendo 20% pagos à vista, através de cheque, e o restante em 8 prestações de R$ 5.000,00 42. pagamento de despesas com vendas R$ 1.320,00 33. compra de mesas por R$ 300,00, sendo 40% para vender e 60% para usar, pagando R$ 100,00 e aceitando duplicatas 43. pagamento antecipado de uma despesa de R$ 100,00 Fatos envolvendo RECEITAS Fatos envolvendo DESPESAS 44. vendas de mercadorias a vista R$ 15.000,00 34. provisão do salário do mês: 5.000,00 45. vendas de mercadorias por R$ 10 mil, pagos a vista 35. registro de impostos do mês, no valor de 120,00, para recolhimento posterior 46. venda de bens destinados a venda: oitenta unidades por R$ 19.000,00, a vista 36. ocorrência de uma despesa de R$ 160,00 para pagamento futuro 47. vendas de mercadorias por R$ 18 mil, com entrada de R$ 8 mil e duplicatas 37. empresa registrou a conta de luz do mês (R$ 80,00) para pagamento no mês seguinte 48. venda, a vista, de mercadorias por R$ 50.000,00, com lucro de 30% sobre as vendas 38. registro do aluguel do mês no valor de R$ 300,00 para pagamento posterior 49. firma prestou serviços a vista por R$ 800,00 39. pagamento do aluguel do mês no valor de 28,00 www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 54
    • 56. quitação, por via bancária, de uma duplicata no valor de R$ 600,00, com acréscimo de 10% relativos a juros 50. registro de serviço realizado para recebimento a prazo, no valor de 52,00 51. prestação de serviços por recebendo, no ato, apenas 40% R$ 400,00, 57. ao quitar uma dívida em duplicatas no valor de R$ 2.000,00, a empresa foi compelida a pagar multa e juros de mora de R$ 100,00 Pagando com desconto 52. pagamento de duplicatas de R$ 70.000,00, obtendo desconto de 12% Recebendo com juros 58. a empresa recebeu uma duplicata no valor de R$ 30.000,00, com acréscimo de juros de 10% por atraso no pagamento em relação ao vencimento original 53. empresa resolveu antecipar o pagamento de uma dívida de R$ 5.000,00, ainda não vencida, para aproveitar o desconto de 10% oferecido pelo fornecedor 59. recebimento de créditos no valor de R$ 16.000,00, com juros de 8% 60. recebimento de duplicatas de 2.000, com juros de R$ 400,00 54. pagamento de dívidas de R$ 6.000,00 com descontos de 15%, em cheque Pagando com juros Recebendo com desconto 55. quitação de duplicatas no valor de R$ 1.100,00, com juros de 10% de seu valor www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 61. recebimento de títulos de R$ 120.000,00, concedendo desconto de 8% Prof. Marcondes Fortaleza 55
    • 62. recebimento de títulos de R$ 4.000,00, com descontos de 15%, em dinheiro 70. firma pagou 40% do aluguel de R$ 600,00, registrando o restante para pagamento no mês seguinte 63. recebimento, em cheque do Banco S/A, de uma duplicata, no valor de R$ 500,00, com desconto de 5% Capital Social 71. aumento do capital social em R$ 5.000,00 para integralização futura Diversos 64. recebimento de receitas do mês no valor de R$ 12.000,00 72. aumento do capital social em R$ 4.000,00, com realização em dinheiro 65. recebimento do aluguel do mês no valor de 38,00 73. firma recebeu capital social de R$ 1.100,00, em dinheiro 66. contabilização de R$ 230,00 de juros vencidos mas não recebidos no exercício 74. integralização do capital social, sendo R$ 150,00 em dinheiro, R$ 1.200,00 em mercadorias e R$ 600,00 em móveis e utensílios para o escritório 67. empresa pagou a conta de luz vencida no mês passado, no valor de R$ 95,00 68. apropriação de uma despesa antecipadamente no valor de R$ 150,00 paga 69. registro de aluguel de R$ 120,00, pagando no ato apenas 40% www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 56
    • pressuposto de assembleia-geral. LEI 6.404/76 - Atualizada aprovação pela § 4º As demonstrações serão complementadas por notas explicativas e outros quadros analíticos ou demonstrações contábeis necessários para esclarecimento da situação patrimonial e dos resultados do exercício. CAPÍTULO XV Exercício Social e Demonstrações Financeiras SEÇÃO I Exercício Social o Art. 175. O exercício social terá duração de 1 (um) ano e a data do término será fixada no estatuto. § 5 As notas explicativas devem: (Redação dada pela Lei nº 11.941, de 2009) I – apresentar informações sobre a base de preparação das demonstrações financeiras e das práticas contábeis específicas selecionadas e aplicadas para negócios e eventos significativos; (Incluído pela Lei nº 11.941, de 2009) Parágrafo único. Na constituição da companhia e nos casos de alteração estatutária o exercício social poderá ter duração diversa. SEÇÃO II II – divulgar as informações exigidas pelas práticas contábeis adotadas no Brasil que não estejam apresentadas em nenhuma outra parte das demonstrações financeiras; (Incluído pela Lei nº 11.941, de 2009) Demonstrações Financeiras Disposições Gerais Art. 176. Ao fim de cada exercício social, a diretoria fará elaborar, com base na escrituração mercantil da companhia, as seguintes demonstrações financeiras, que deverão exprimir com clareza a situação do patrimônio da companhia e as mutações ocorridas no exercício: III – fornecer informações adicionais não indicadas nas próprias demonstrações financeiras e consideradas necessárias para uma apresentação adequada; e (Incluído pela Lei nº 11.941, de 2009) I - balanço patrimonial; IV – indicar: (Incluído pela Lei nº 11.941, de 2009) II - demonstração dos lucros ou prejuízos acumulados; a) III - demonstração do resultado do exercício; e IV – demonstração dos fluxos de caixa; e (Redação dada pela Lei nº 11.638,de 2007) V – se companhia aberta, demonstração do valor adicionado. (Incluído pela Lei nº 11.638,de 2007) os principais critérios de avaliação dos elementos patrimoniais, especialmente estoques, dos cálculos de depreciação, amortização e exaustão, de constituição de provisões para encargos ou riscos, e dos ajustes para atender a perdas prováveis na realização de elementos do ativo; (Incluído pela Lei nº 11.941, de 2009) b) os investimentos em outras sociedades, quando relevantes (art. 247, parágrafo único); (Incluído pela Lei nº 11.941, de 2009) § 1º As demonstrações de cada exercício serão publicadas com a indicação dos valores correspondentes das demonstrações do exercício anterior. c) o aumento de valor de elementos do ativo o resultante de novas avaliações (art. 182, § 3 ); (Incluído pela Lei nº 11.941, de 2009) § 2º Nas demonstrações, as contas semelhantes poderão ser agrupadas; os pequenos saldos poderão ser agregados, desde que indicada a sua natureza e não ultrapassem 0,1 (um décimo) do valor do respectivo grupo de contas; mas é vedada a utilização de designações genéricas, como "diversas contas" ou "contas-correntes". d) os ônus reais constituídos sobre elementos do ativo, as garantias prestadas a terceiros e outras responsabilidades eventuais ou contingentes; (Incluído pela Lei nº 11.941, de 2009) e) a taxa de juros, as datas de vencimento e as garantias das obrigações a longo prazo; (Incluído pela Lei nº 11.941, de 2009) § 3º As demonstrações financeiras registrarão a destinação dos lucros segundo a proposta dos órgãos da administração, no www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 sua f) o número, espécies e classes das ações do capital social; (Incluído pela Lei nº 11.941, de 2009) Prof. Marcondes Fortaleza 57
    • g) as opções de compra de ações outorgadas e exercidas no exercício; (Incluído pela Lei nº 11.941, de 2009) § h) os ajustes de exercícios anteriores (art. 186, § o 1 ); e (Incluído pela Lei nº 11.941, de 2009) i) os eventos subsequentes à data de encerramento do exercício que tenham, ou possam vir a ter, efeito relevante sobre a situação financeira e os resultados futuros da companhia. (Incluído pela Lei nº 11.941, de 2009) § 4º As demonstrações financeiras serão assinadas pelos administradores e por contabilistas legalmente habilitados. o § 5 As normas expedidas pela Comissão de o Valores Mobiliários a que se refere o § 3 deste artigo deverão ser elaboradas em consonância com os padrões internacionais de contabilidade adotados nos principais mercados de valores mobiliários. (Incluído pela Lei nº 11.638,de 2007) o § 6 A companhia fechada com patrimônio líquido, na data do balanço, inferior a R$ 2.000.000,00 (dois milhões de reais) não será obrigada à elaboração e publicação da demonstração dos fluxos de caixa. (Redação dada pela Lei nº 11.638,de 2007) o § 6 As companhias fechadas poderão optar por observar as normas sobre demonstrações financeiras expedidas pela Comissão de Valores Mobiliários para as companhias abertas. (Incluído pela Lei nº 11.638,de 2007) o § 7 A Comissão de Valores Mobiliários poderá, a seu critério, disciplinar de forma o diversa o registro de que trata o § 3 deste artigo. (Incluído pela Lei nº 11.941, de 2009) Escrituração SEÇÃO III Art. 177. A escrituração da companhia será mantida em registros permanentes, com obediência aos preceitos da legislação comercial e desta Lei e aos princípios de contabilidade geralmente aceitos, devendo observar métodos ou critérios contábeis uniformes no tempo e registrar as mutações patrimoniais segundo o regime de competência. Balanço Patrimonial Grupo de Contas Art. 178. No balanço, as contas serão classificadas segundo os elementos do patrimônio que registrem, e agrupadas de modo a facilitar o conhecimento e a análise da situação financeira da companhia. § 1º No ativo, as contas serão dispostas em ordem decrescente de grau de liquidez dos elementos nelas registrados, nos seguintes grupos: § 1º As demonstrações financeiras do exercício em que houver modificação de métodos ou critérios contábeis, de efeitos relevantes, deverão indicá-la em nota e ressaltar esses efeitos. o § 2 I – ativo circulante; e (Incluído pela Lei nº 11.941, de 2009) A companhia observará exclusivamente em livros ou registros auxiliares, sem qualquer modificação da escrituração mercantil e das demonstrações reguladas nesta Lei, as disposições da lei tributária, ou de legislação especial sobre a atividade que constitui seu objeto, que prescrevam, conduzam ou incentivem a utilização de métodos ou critérios contábeis diferentes ou determinem registros, lançamentos ou ajustes ou a elaboração de outras demonstrações financeiras. (Redação dada pela Lei nº 11.941, de 2009) II – ativo não circulante, composto por ativo realizável a longo prazo, investimentos, imobilizado e intangível. (Incluído pela Lei nº 11.941, de 2009) § 2º No passivo, as contas classificadas nos seguintes grupos: serão I – passivo circulante; (Incluído pela Lei nº 11.941, de 2009) II – passivo não circulante; e (Incluído pela Lei nº 11.941, de 2009) I – (revogado); (Redação dada pela Lei nº 11.941, de 2009) III – patrimônio líquido, dividido em capital social, reservas de capital, ajustes de avaliação patrimonial, reservas de lucros, ações em II – (revogado). (Redação dada pela Lei nº 11.941, de 2009) www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 o 3 As demonstrações financeiras das companhias abertas observarão, ainda, as normas expedidas pela Comissão de Valores Mobiliários e serão obrigatoriamente submetidas a auditoria por auditores independentes nela registrados. (Redação dada pela Lei nº 11.941, de 2009) Prof. Marcondes Fortaleza 58
    • tesouraria e prejuízos acumulados. (Incluído pela Lei nº 11.941, de 2009) prazo maior, observado o disposto no parágrafo único do art. 179 desta Lei. (Redação dada pela Lei nº 11.941, de 2009) § 3º Os saldos devedores e credores que a companhia não tiver direito de compensar serão classificados separadamente. Resultados de Exercícios Futuros (Revogado pela Lei nº 11.941, de 2009) Ativo Patrimônio Líquido Art. 179. As contas serão classificadas do seguinte modo: Art. 182. A conta do capital social discriminará o montante subscrito e, por dedução, a parcela ainda não realizada. I - no ativo circulante: as disponibilidades, os direitos realizáveis no curso do exercício social subseqüente e as aplicações de recursos em despesas do exercício seguinte; § 1º Serão classificadas como reservas de capital as contas que registrarem: a) a contribuição do subscritor de ações que ultrapassar o valor nominal e a parte do preço de emissão das ações sem valor nominal que ultrapassar a importância destinada à formação do capital social, inclusive nos casos de conversão em ações de debêntures ou partes beneficiárias; II - no ativo realizável a longo prazo: os direitos realizáveis após o término do exercício seguinte, assim como os derivados de vendas, adiantamentos ou empréstimos a sociedades coligadas ou controladas (artigo 243), diretores, acionistas ou participantes no lucro da companhia, que não constituírem negócios usuais na exploração do objeto da companhia; b) o produto da alienação de partes beneficiárias e bônus de subscrição; III - em investimentos: as participações permanentes em outras sociedades e os direitos de qualquer natureza, não classificáveis no ativo circulante, e que não se destinem à manutenção da atividade da companhia ou da empresa; c) (revogada); (Redação dada pela Lei nº 11.638,de 2007) (Revogado pela Lei nº 11.638,de 2007) d) (revogada). (Redação dada pela Lei nº 11.638,de 2007) (Revogado pela Lei nº 11.638,de 2007) IV – no ativo imobilizado: os direitos que tenham por objeto bens corpóreos destinados à manutenção das atividades da companhia ou da empresa ou exercidos com essa finalidade, inclusive os decorrentes de operações que transfiram à companhia os benefícios, riscos e controle desses bens; (Redação dada pela Lei nº 11.638,de 2007) § 2° Será ainda registrado como reserva de capital o resultado da correção monetária do capital realizado, enquanto não-capitalizado. o § 3 Serão classificadas como ajustes de avaliação patrimonial, enquanto não computadas no resultado do exercício em obediência ao regime de competência, as contrapartidas de aumentos ou diminuições de valor atribuídos a elementos do ativo e do passivo, em decorrência da sua avaliação a valor justo, nos casos previstos nesta Lei ou, em normas expedidas pela Comissão de Valores Mobiliários, com base na competência o conferida pelo § 3 do art. 177 desta Lei. (Redação dada pela Lei nº 11.941, de 2009) VI – no intangível: os direitos que tenham por objeto bens incorpóreos destinados à manutenção da companhia ou exercidos com essa finalidade, inclusive o fundo de comércio adquirido. (Incluído pela Lei nº 11.638,de 2007) Parágrafo único. Na companhia em que o ciclo operacional da empresa tiver duração maior que o exercício social, a classificação no circulante ou longo prazo terá por base o prazo desse ciclo. § 4º Serão classificados como reservas de lucros as contas constituídas pela apropriação de lucros da companhia. Passivo Exigível § 5º As ações em tesouraria deverão ser destacadas no balanço como dedução da conta do patrimônio líquido que registrar a origem dos recursos aplicados na sua aquisição. Art. 180. As obrigações da companhia, inclusive financiamentos para aquisição de direitos do ativo não circulante, serão classificadas no passivo circulante, quando se vencerem no exercício seguinte, e no passivo não circulante, se tiverem vencimento em www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Critérios de Avaliação do Ativo Prof. Marcondes Fortaleza 59
    • quando houver efeito relevante. (Incluído pela Lei nº 11.638,de 2007) Art. 183. No balanço, os elementos do ativo serão avaliados segundo os seguintes critérios: o § 1 Para efeitos do disposto neste artigo, considera-se valor justo: (Redação dada pela Lei nº 11.941, de 2009) I - as aplicações em instrumentos financeiros, inclusive derivativos, e em direitos e títulos de créditos, classificados no ativo circulante ou no realizável a longo prazo: (Redação dada pela Lei nº 11.638,de 2007) a) das matérias-primas e dos bens em almoxarifado, o preço pelo qual possam ser repostos, mediante compra no mercado; a) pelo seu valor justo, quando se tratar de aplicações destinadas à negociação ou disponíveis para venda; e (Redação dada pela Lei nº 11.941, de 2009) b) dos bens ou direitos destinados à venda, o preço líquido de realização mediante venda no mercado, deduzidos os impostos e demais despesas necessárias para a venda, e a margem de lucro; b) pelo valor de custo de aquisição ou valor de emissão, atualizado conforme disposições legais ou contratuais, ajustado ao valor provável de realização, quando este for inferior, no caso das demais aplicações e os direitos e títulos de crédito; (Incluída pela Lei nº 11.638,de 2007) c) dos investimentos, o valor líquido pelo qual possam ser alienados a terceiros. d) dos instrumentos financeiros, o valor que pode se obter em um mercado ativo, decorrente de transação não compulsória realizada entre partes independentes; e, na ausência de um mercado ativo para um determinado instrumento financeiro: (Incluída pela Lei nº 11.638,de 2007) II - os direitos que tiverem por objeto mercadorias e produtos do comércio da companhia, assim como matérias-primas, produtos em fabricação e bens em almoxarifado, pelo custo de aquisição ou produção, deduzido de provisão para ajustá-lo ao valor de mercado, quando este for inferior; 1) o valor que se pode obter em um mercado ativo com a negociação de outro instrumento financeiro de natureza, prazo e risco similares; (Incluído pela Lei nº 11.638,de 2007) III - os investimentos em participação no capital social de outras sociedades, ressalvado o disposto nos artigos 248 a 250, pelo custo de aquisição, deduzido de provisão para perdas prováveis na realização do seu valor, quando essa perda estiver comprovada como permanente, e que não será modificado em razão do recebimento, sem custo para a companhia, de ações ou quotas bonificadas; 2) o valor presente líquido dos fluxos de caixa futuros para instrumentos financeiros de natureza, prazo e risco similares; ou (Incluído pela Lei nº 11.638,de 2007) 3) o valor obtido por meio de modelos matemático-estatísticos de precificação de instrumentos financeiros. (Incluído pela Lei nº 11.638,de 2007) IV - os demais investimentos, pelo custo de aquisição, deduzido de provisão para atender às perdas prováveis na realização do seu valor, ou para redução do custo de aquisição ao valor de mercado, quando este for inferior; o § 2 A diminuição do valor dos elementos dos ativos imobilizado e intangível será registrada periodicamente nas contas de: (Redação dada pela Lei nº 11.941, de 2009) a) depreciação, quando corresponder à perda do valor dos direitos que têm por objeto bens físicos sujeitos a desgaste ou perda de utilidade por uso, ação da natureza ou obsolescência; V - os direitos classificados no imobilizado, pelo custo de aquisição, deduzido do saldo da respectiva conta de depreciação, amortização ou exaustão; VI – (revogado); (Redação dada pela Lei nº 11.941, de 2009) b) amortização, quando corresponder à perda do valor do capital aplicado na aquisição de direitos da propriedade industrial ou comercial e quaisquer outros com existência ou exercício de duração limitada, ou cujo objeto sejam bens de utilização por prazo legal ou contratualmente limitado; VII – os direitos classificados no intangível, pelo custo incorrido na aquisição deduzido do saldo da respectiva conta de amortização; (Incluído pela Lei nº 11.638,de 2007) VIII – os elementos do ativo decorrentes de operações de longo prazo serão ajustados a valor presente, sendo os demais ajustados www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 c) exaustão, quando corresponder à perda do valor, decorrente da sua exploração, de Prof. Marcondes Fortaleza 60
    • negócios. (Incluído pela Lei nº 11.941, de 2009) direitos cujo objeto sejam recursos minerais ou florestais, ou bens aplicados nessa exploração. Correção Monetária o § 3 A companhia deverá efetuar, periodicamente, análise sobre a recuperação dos valores registrados no imobilizado e no intangível, a fim de que sejam: (Redação dada pela Lei nº 11.941, de 2009) (Revogado pela Lei nº 7.730, de 1989) I – registradas as perdas de valor do capital aplicado quando houver decisão de interromper os empreendimentos ou atividades a que se destinavam ou quando comprovado que não poderão produzir resultados suficientes para recuperação desse valor; ou (Incluído pela Lei nº 11.638,de 2007) Art. 186. A demonstração de lucros ou prejuízos acumulados discriminará: SEÇÃO IV Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados I - o saldo do início do período, os ajustes de exercícios anteriores e a correção monetária do saldo inicial; II - as reversões de reservas e o lucro líquido do exercício; II – revisados e ajustados os critérios utilizados para determinação da vida útil econômica estimada e para cálculo da depreciação, exaustão e amortização. (Incluído pela Lei nº 11.638,de 2007) III - as transferências para reservas, os dividendos, a parcela dos lucros incorporada ao capital e o saldo ao fim do período. § 1º Como ajustes de exercícios anteriores serão considerados apenas os decorrentes de efeitos da mudança de critério contábil, ou da retificação de erro imputável a determinado exercício anterior, e que não possam ser atribuídos a fatos subseqüentes. § 4° Os estoques de mercadorias fungíveis destinadas à venda poderão ser avaliados pelo valor de mercado, quando esse for o costume mercantil aceito pela técnica contábil. Critérios de Avaliação do Passivo § 2º A demonstração de lucros ou prejuízos acumulados deverá indicar o montante do dividendo por ação do capital social e poderá ser incluída na demonstração das mutações do patrimônio líquido, se elaborada e publicada pela companhia. Art. 184. No balanço, os elementos do passivo serão avaliados de acordo com os seguintes critérios: I - as obrigações, encargos e riscos, conhecidos ou calculáveis, inclusive Imposto sobre a Renda a pagar com base no resultado do exercício, serão computados pelo valor atualizado até a data do balanço; SEÇÃO V Demonstração do Resultado do Exercício II - as obrigações em moeda estrangeira, com cláusula de paridade cambial, serão convertidas em moeda nacional à taxa de câmbio em vigor na data do balanço; Art. 187. A demonstração do resultado do exercício discriminará: I - a receita bruta das vendas e serviços, as deduções das vendas, os abatimentos e os impostos; III – as obrigações, os encargos e os riscos classificados no passivo não circulante serão ajustados ao seu valor presente, sendo os demais ajustados quando houver efeito relevante. (Redação dada pela Lei nº 11.941, de 2009) II - a receita líquida das vendas e serviços, o custo das mercadorias e serviços vendidos e o lucro bruto; III - as despesas com as vendas, as despesas financeiras, deduzidas das receitas, as despesas gerais e administrativas, e outras despesas operacionais; Critérios de Avaliação em Operações Societárias (Incluído pela Lei nº 11.941, de 2009) IV – o lucro ou prejuízo operacional, as outras receitas e as outras despesas; (Redação dada pela Lei nº 11.941, de 2009) Art. 184-A. A Comissão de Valores Mobiliários estabelecerá, com base na o competência conferida pelo § 3 do art. 177 desta Lei, normas especiais de avaliação e contabilização aplicáveis à aquisição de controle, participações societárias ou www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 V - o resultado do exercício antes do Imposto sobre a Renda e a provisão para o imposto; Prof. Marcondes Fortaleza 61
    • VI – as participações de debêntures, empregados, administradores e partes beneficiárias, mesmo na forma de instrumentos financeiros, e de instituições ou fundos de assistência ou previdência de empregados, que não se caracterizem como despesa; (Redação dada pela Lei nº 11.941, de 2009) CAPÍTULO XVI Lucro, Reservas e Dividendos SEÇÃO I Lucro Dedução de Prejuízos e Imposto sobre a Renda VII - o lucro ou prejuízo líquido do exercício e o seu montante por ação do capital social. Art. 189. Do resultado do exercício serão deduzidos, antes de qualquer participação, os prejuízos acumulados e a provisão para o Imposto sobre a Renda. § 1º Na determinação do resultado do exercício serão computados: Parágrafo único. o prejuízo do exercício será obrigatoriamente absorvido pelos lucros acumulados, pelas reservas de lucros e pela reserva legal, nessa ordem. a) as receitas e os rendimentos ganhos no período, independentemente da sua realização em moeda; e b) os custos, despesas, encargos e perdas, pagos ou incorridos, correspondentes a essas receitas e rendimentos. Participações Art. 190. As participações estatutárias de empregados, administradores e partes beneficiárias serão determinadas, sucessivamente e nessa ordem, com base nos lucros que remanescerem depois de deduzida a participação anteriormente calculada. o § 2 (Revogado). (Redação dada pela Lei nº 11.638,de 2007) (Revogado pela Lei nº 11.638,de 2007) SEÇÃO VI Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos Parágrafo único. Aplica-se ao pagamento das participações dos administradores e das partes beneficiárias o disposto nos parágrafos do artigo 201. Demonstrações dos Fluxos de Caixa e do Valor Adicionado (Redação dada pela Lei nº 11.638,de 2007) Lucro Líquido Art. 188. As demonstrações referidas nos incisos IV e V do caput do art. 176 desta Lei indicarão, no mínimo: (Redação dada pela Lei nº 11.638,de 2007) Art. 191. Lucro líquido do exercício é o resultado do exercício que remanescer depois de deduzidas as participações de que trata o artigo 190. I – demonstração dos fluxos de caixa – as alterações ocorridas, durante o exercício, no saldo de caixa e equivalentes de caixa, segregando-se essas alterações em, no mínimo, 3 (três) fluxos: (Redação dada pela Lei nº 11.638,de 2007) Proposta de Destinação do Lucro Art. 192. Juntamente com as demonstrações financeiras do exercício, os órgãos da administração da companhia apresentarão à assembleia-geral ordinária, observado o disposto nos artigos 193 a 203 e no estatuto, proposta sobre a destinação a ser dada ao lucro líquido do exercício. a) das operações; (Redação dada pela Lei nº 11.638,de 2007) b) dos financiamentos; e (Redação dada pela Lei nº 11.638,de 2007) SEÇÃO II Reservas e Retenção de Lucros c) dos investimentos; (Redação dada pela Lei nº 11.638,de 2007) Reserva Legal Art. 193. Do lucro líquido do exercício, 5% (cinco por cento) serão aplicados, antes de qualquer outra destinação, na constituição da reserva legal, que não excederá de 20% (vinte por cento) do capital social. II – demonstração do valor adicionado – o valor da riqueza gerada pela companhia, a sua distribuição entre os elementos que contribuíram para a geração dessa riqueza, tais como empregados, financiadores, acionistas, governo e outros, bem como a parcela da riqueza não distribuída. (Redação dada pela Lei nº 11.638,de 2007) www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 § 1º A companhia poderá deixar de constituir a reserva legal no exercício em que o saldo dessa reserva, acrescido do montante das Prof. Marcondes Fortaleza 62
    • de lucros proposta, deverá compreender todas as fontes de recursos e aplicações de capital, fixo ou circulante, e poderá ter a duração de até 5 (cinco) exercícios, salvo no caso de execução, por prazo maior, de projeto de investimento. reservas de capital de que trata o § 1º do artigo 182, exceder de 30% (trinta por cento) do capital social. § 2º A reserva legal tem por fim assegurar a integridade do capital social e somente poderá ser utilizada para compensar prejuízos ou aumentar o capital. § 2º O orçamento poderá ser aprovado na assembleia-geral ordinária que deliberar sobre o balanço do exercício. Reservas Estatutárias Art. 194. O estatuto poderá criar reservas desde que, para cada uma: o § 2 O orçamento poderá ser aprovado pela assembleia-geral ordinária que deliberar sobre o balanço do exercício e revisado anualmente, quando tiver duração superior a um exercício social. (Redação dada pela Lei nº 10.303, de 2001) I - indique, de modo preciso e completo, a sua finalidade; II - fixe os critérios para determinar a parcela anual dos lucros líquidos que serão destinados à sua constituição; e Reserva de Lucros a Realizar III - estabeleça o limite máximo da reserva. Art. 197. No exercício em que o montante do dividendo obrigatório, calculado nos termos do estatuto ou do art. 202, ultrapassar a parcela realizada do lucro líquido do exercício, a assembleia-geral poderá, por proposta dos órgãos de administração, destinar o excesso à constituição de reserva de lucros a realizar. (Redação dada pela Lei nº 10.303, de 2001) Reservas para Contingências Art. 195. A assembleia-geral poderá, por proposta dos órgãos da administração, destinar parte do lucro líquido à formação de reserva com a finalidade de compensar, em exercício futuro, a diminuição do lucro decorrente de perda julgada provável, cujo valor possa ser estimado. o § 1 Para os efeitos deste artigo, considerase realizada a parcela do lucro líquido do exercício que exceder da soma dos seguintes valores: (Redação dada pela Lei nº 10.303, de 2001) § 1º A proposta dos órgãos da administração deverá indicar a causa da perda prevista e justificar, com as razões de prudência que a recomendem, a constituição da reserva. I - o resultado líquido positivo da equivalência patrimonial (art. 248); e (Incluído pela Lei nº 10.303, de 2001) § 2º A reserva será revertida no exercício em que deixarem de existir as razões que justificaram a sua constituição ou em que ocorrer a perda. II – o lucro, rendimento ou ganho líquidos em operações ou contabilização de ativo e passivo pelo valor de mercado, cujo prazo de realização financeira ocorra após o término do exercício social seguinte. (Redação dada pela Lei nº 11.638,de 2007) Reserva de Incentivos Fiscais (Incluído pela Lei nº 11.638,de 2007) Art. 195-A. A assembleia geral poderá, por proposta dos órgãos de administração, destinar para a reserva de incentivos fiscais a parcela do lucro líquido decorrente de doações ou subvenções governamentais para investimentos, que poderá ser excluída da base de cálculo do dividendo obrigatório (inciso I do caput do art. 202 desta Lei). (Incluído pela Lei nº 11.638,de 2007) o § 2 A reserva de lucros a realizar somente poderá ser utilizada para pagamento do dividendo obrigatório e, para efeito do inciso III do art. 202, serão considerados como integrantes da reserva os lucros a realizar de cada exercício que forem os primeiros a serem realizados em dinheiro. (Incluído pela Lei nº 10.303, de 2001) Retenção de Lucros Limite da Constituição de Reservas e Retenção de Lucros Art. 196. A assembleia-geral poderá, por proposta dos órgãos da administração, deliberar reter parcela do lucro líquido do exercício prevista em orçamento de capital por ela previamente aprovado. Art. 198. A destinação dos lucros para constituição das reservas de que trata o artigo 194 e a retenção nos termos do artigo 196 não poderão ser aprovadas, em cada exercício, em § 1º O orçamento, submetido pelos órgãos da administração com a justificação da retenção www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 63
    • prejuízo da distribuição obrigatório (artigo 202). do Dividendo Obrigatório dividendo Art. 202. Os acionistas têm direito de receber como dividendo obrigatório, em cada exercício, a parcela dos lucros estabelecida no estatuto ou, se este for omisso, a importância determinada de acordo com as seguintes normas: (Redação dada pela Lei nº 10.303, de 2001) Limite do Saldo das Reservas de Lucro (Redação dada pela Lei nº 11.638,de 2007) Art. 199. O saldo das reservas de lucros, exceto as para contingências, de incentivos fiscais e de lucros a realizar, não poderá ultrapassar o capital social. Atingindo esse limite, a assembleia deliberará sobre aplicação do excesso na integralização ou no aumento do capital social ou na distribuição de dividendos. (Redação dada pela Lei nº 11.638,de 2007) I - metade do lucro líquido do exercício diminuído ou acrescido dos seguintes valores: (Redação dada pela Lei nº 10.303, de 2001) a) importância destinada à constituição da reserva legal (art. 193); e (Incluída pela Lei nº 10.303, de 2001) Reserva de Capital Art. 200. As reservas de capital somente poderão ser utilizadas para: b) importância destinada à formação da reserva para contingências (art. 195) e reversão da mesma reserva formada em exercícios anteriores; (Incluída pela Lei nº 10.303, de 2001) I - absorção de prejuízos que ultrapassarem os lucros acumulados e as reservas de lucros (artigo 189, parágrafo único); II - o pagamento do dividendo determinado nos termos do inciso I poderá ser limitado ao montante do lucro líquido do exercício que tiver sido realizado, desde que a diferença seja registrada como reserva de lucros a realizar (art. 197); (Redação dada pela Lei nº 10.303, de 2001) II - resgate, reembolso ou compra de ações; III - resgate de partes beneficiárias; IV - incorporação ao capital social; V - pagamento de dividendo a ações preferenciais, quando essa vantagem lhes for assegurada (artigo 17, § 5º). III - os lucros registrados na reserva de lucros a realizar, quando realizados e se não tiverem sido absorvidos por prejuízos em exercícios subseqüentes, deverão ser acrescidos ao primeiro dividendo declarado após a realização. (Redação dada pela Lei nº 10.303, de 2001) Parágrafo único. A reserva constituída com o produto da venda de partes beneficiárias poderá ser destinada ao resgate desses títulos. SEÇÃO III Dividendos § 1º O estatuto poderá estabelecer o dividendo como porcentagem do lucro ou do capital social, ou fixar outros critérios para determiná-lo, desde que sejam regulados com precisão e minúcia e não sujeitem os acionistas minoritários ao arbítrio dos órgãos de administração ou da maioria. Origem Art. 201. A companhia somente pode pagar dividendos à conta de lucro líquido do exercício, de lucros acumulados e de reserva de lucros; e à conta de reserva de capital, no caso das ações preferenciais de que trata o § 5º do artigo 17. o § 2 Quando o estatuto for omisso e a assembleia-geral deliberar alterá-lo para introduzir norma sobre a matéria, o dividendo obrigatório não poderá ser inferior a 25% (vinte e cinco por cento) do lucro líquido ajustado nos termos do inciso I deste artigo. (Redação dada pela Lei nº 10.303, de 2001) § 1º A distribuição de dividendos com inobservância do disposto neste artigo implica responsabilidade solidária dos administradores e fiscais, que deverão repor à caixa social a importância distribuída, sem prejuízo da ação penal que no caso couber. o § 3 A assembleia-geral pode, desde que não haja oposição de qualquer acionista presente, deliberar a distribuição de dividendo inferior ao obrigatório, nos termos deste artigo, ou a retenção de todo o lucro líquido, nas seguintes § 2º Os acionistas não são obrigados a restituir os dividendos que em boa-fé tenham recebido. Presume-se a má-fé quando os dividendos forem distribuídos sem o levantamento do balanço ou em desacordo com os resultados deste. www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 64
    • sociedades: (Redação dada pela Lei nº 10.303, de 2001) Provisões I - companhias abertas exclusivamente para a captação de recursos por debêntures não conversíveis em ações; (Incluído pela Lei nº 10.303, de 2001) 151 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE JÚNIOR PETROBRÁS 2011) Considere as seguintes afirmativas atinentes ao balanço patrimonial: II - companhias fechadas, exceto nas controladas por companhias abertas que não se enquadrem na condição prevista no inciso I. (Incluído pela Lei nº 10.303, de 2001) • • Existem Passivos que também devem ser registrados, apesar de não terem data fixada de pagamento ou mesmo não conterem expressão exata de seus valores. • § 4º O dividendo previsto neste artigo não será obrigatório no exercício social em que os órgãos da administração informarem à assembleia-geral ordinária ser ele incompatível com a situação financeira da companhia. O conselho fiscal, se em funcionamento, deverá dar parecer sobre essa informação e, na companhia aberta, seus administradores encaminharão à Comissão de Valores Mobiliários, dentro de 5 (cinco) dias da realização da assembleia-geral, exposição justificativa da informação transmitida à assembleia. No Passivo, não somente são lançadas obrigações definidas, certas e suportadas por documentação que não deixe dúvidas quanto ao valor e data prevista para pagamento. No exigível, deve ser contabilizada a totalidade das obrigações, encargos e riscos conhecidos e calculáveis. As afirmativas acima estão relacionadas ao conceito de (A) Reservas de Capital (B) Reservas de Lucros § 5º Os lucros que deixarem de ser distribuídos nos termos do § 4º serão registrados como reserva especial e, se não absorvidos por prejuízos em exercícios subseqüentes, deverão ser pagos como dividendo assim que o permitir a situação financeira da companhia. (C) Provisões (D) Patrimônio Líquido (E) Reservas de Capital e Patrimônio Líquido 152 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE JR TRANSPETRO 2011) Uma das principais características da constituição de uma provisão e sua diferenciação da constituição de uma reserva de lucros é que a provisão o § 6 Os lucros não destinados nos termos dos arts. 193 a 197 deverão ser distribuídos como dividendos. (Incluído pela Lei nº 10.303, de 2001) (A) pode gerar ou não uma despesa. *** (B) é constituída antes da apuração do resultado. (C) implica somente o aumento do passivo. (D) diz respeito à distribuição do resultado já obtido. (E) tem como contrapartida a débito uma conta patrimonial. www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 65
    • 155 (CESGRANRIO/PROFISSIONAL CONTÁBEIS PETROBRÁS DISTRIBUIDORA 2010) A composição dos saldos de estoques no encerramento do balanço da Cia. Fixus é a seguinte: 153 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE JR PETROBRÁS 2012) Em termos técnicoconceituais, provisão para contingências e reservas para contingências não podem ser confundidas, uma vez que as mesmas decorrem de razões técnicas diferenciadas. A diferença básica entre elas reside no fundamento técnico de a (A) provisão atender à formalização de direito potencial futuro. (B) provisão cobrir perdas ou despesas a incorrer, já desembolsadas. Com base nas informações apresentadas, o valor da provisão para perdas com a desvalorização dos estoques será, em reais, de (C) provisão cobrir perdas ou despesas incorridas, a desembolsar. (D) reserva cobrir desembolsar. despesas incorridas a (A) 5.200.000,00 (E) reserva cobrir perdas já incorridas e já desembolsadas. (B) 3.000.000,00 (C) 2.800.000,00 (D) 2.200.000,00 154 (CESGRANRIO/CONTADOR PETROBRÁS 2010) Dados extraídos da contabilidade da Companhia Frizomar S.A. sobre as mercadorias destinadas à venda em 31/12/2008: (E) 1.200.000,00 Considerando-se exclusivamente as informações acima, o valor das avaliações dos estoques em 31/12/2008, em reais, será (A) 57.450,00 (B) 55.250,00 (C) 53.250,00 (D) 51.320,00 (E) 51.230,00 www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 66
    • 156 (CESGRANRIO/PROFISSIONAL CONTÁBEIS PETROBRÁS DISTRIBUIDORA 2010) Determinada empresa comercial, no encerramento do balanço, apurou seus estoques, assim como o valor líquido realizável de cada produto, entendido como a diferença entre o valor de venda no mercado e o de todas as despesas necessárias à realização da venda. O quadro a seguir representa, em reais, essas informações. 157 (CESGRANRIO/PETROBRÁS DISTRIB. 2010) A Spartacus S.A. apresenta, no encerramento de seu balanço de 2009, os seguintes ativos financeiros: Ações de Cias. Abertas Considerando-se essas informações, o valor do ajuste ao valor de mercado, em reais, será (A) 2.000.000,00 (B) 1.500.000,00 (C) 1.300.000,00 (D) 1.200.000,00 (E) 1.000.000,00 Considerando-se os dados apresentados, a composição do estoque na data do balanço, de acordo com os critérios de avaliação previstos pela Lei no 6.404/76, é www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 67
    • 158 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE JÚNIOR 2011) Admita a seguinte descrição: 159 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE JÚNIOR PETROBRÁS 2010) A Comercial Ltda., no levantamento do Balanço do exercício social, encerrado em 31 de dezembro de 2009, realizou o seguinte lançamento, sem considerar os elementos data e histórico: A Comercial Natural S/A adquiriu, em janeiro de 2008, com intenção de permanência, 2% das ações ordinárias da Comercial Vistosa S/A, por R$ 100.000,00. Provisão para Créditos de Difícil Liquidação A Natural não tem nenhuma influência significativa na Comercial Vistosa. a Resultado do exercício............. R$ 20.140,00 Esse lançamento indica que a Comercial fez o registro contábil de Em fevereiro/2009, a Natural recebeu da Comercial Vistosa dividendos no valor de R$ 5.000,00. (A) constituição da provisão. Em outubro de 2009, o valor de mercado das ações da Comercial Vistosa possuídas pela Natural foi estimado em R$ 80.000,00, em decorrência da perda de um contrato de fornecimento de material para a União. A perda de valor das ações considerada definitiva para todos efeitos. (B) baixa de duplicata considerada incobrável. (C) baixa de duplicata quitada no vencimento. (D) reversão do saldo da provisão não utilizado. (E) duplicata recebida depois de baixada por incobrável. foi os 160 (CESGRANRIO/PROF. CONT. PETROBRÁS 2010) A composição das Contas a Receber de Clientes na data do balanço de determinada empresa apresenta as seguintes características: Considerando-se a descrição acima, as determinações normativas e legais e a não incidência de qualquer tipo de imposto nessa situação, a perda do valor do investimento será registrada pela Natural (em reais, sem data nem histórico) com o seguinte lançamento: (A) Outras Despesas 15.000,00 a Investimentos / Comercial Vistosa 15.000,00 (B) Outras Despesas 15.000,00 a Provisão para Perdas Prováveis 15.000,00 (C) Outras Despesas 20.000,00 a Investimentos / Comercial Vistosa 20.000,00 Considerando que as perdas históricas representam uma probabilidade de não realização dos recebíveis, a provisão para devedores duvidosos, em reais, é (D) Outras Despesas 20.000,00 a Provisão para Perdas Prováveis 20.000,00 (E) Provisão para Perdas Prováveis 20.000,00 (A) 2.960.000 a Investimentos / Comercial Vistosa 20.000,00 (B) 2.860.000 (C) 2.760.000 (D) 2.660.000 (E) 2.560.000 www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 68
    • 161 (CESGRANRIO/CONTADOR TRANSPETRO 2011) Com as modificações introduzidas na contabilidade brasileira, algumas contas sofreram mudança de nomenclatura. Dentre essas contas, a tradicional PDD (Provisão para Devedores Duvidosos) foi modificada, e passou a ser chamada de Provisão para Créditos de Difícil Liquidação (PCDL). Mais recentemente passou a ser chamada, temporariamente, de Perdas Estimadas em Créditos de Liquidação Duvidosa (PECLD). Apesar dessas alterações de nomenclatura, a sistemática de funcionamento continua sendo a mesma. Tendo em vista os aspectos técnicos da constituição de provisão para atender a perdas estimadas de créditos de liquidação duvidosa, analise a situação a seguir. 162 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE JÚNIOR TRANSPETRO 2011) Uma empresa produz componentes para televisores LCD. Para conquistar o mercado, ela oferece aos seus clientes uma garantia de um ano para o funcionamento dos componentes que vende. 2009 163 (CESGRANRIO/PROFISSIONAL CONTÁBEIS PETROBRÁS DISTRIBUIDORA 2010) No encerramento do balanço de determinada empresa, existem processos trabalhistas iniciados no exercício e ainda pendentes de decisão judicial, mas que o Departamento Jurídico tem como líquida e certa a perda, estimando que o desembolso ocorrerá num prazo superior a 2 anos. Devido a esse procedimento, ela deve registrar o valor provável a ser gasto com essa garantia na conta (A) Reserva para contingências (B) Reserva para garantia (C) Reserva para eventos subsequentes (D) Provisão para contingências (E) Provisão para garantias Duplicatas a Receber Classe C R$ 100.000,00 Constituição PECLD Classe C R$ 15.500,00 2010 Baixa de Duplicata Classe C por falência da empresa R$ 4.500,00 Recebimento de duplicatas Classe C R$ 95.500,00 Contabilmente, quando reconhecida a perda? Considerando-se exclusivamente as informações recebidas e que a empresa adota a sistemática da reversão da provisão, o lançamento que atende a essa metodologia, em reais, é (A) Débito: PECLD 4.400,00 Crédito: Duplicatas a Receber 4.500,00 (B) Débito: Crédito: (B) No ano anterior ao desfecho da ação judicial. (C) No encerramento do balanço, através da constituição de uma provisão para perda em ação trabalhista, a ser registrada no passivo não circulante. (D) Somente após o pagamento do valor relativo à ação judicial. PECLD 11.000,00 Outras Receitas Operacionais 11.000,00 (D) Débito: ser (A) No momento do desfecho da ação judicial, ou seja, quando ficar consignada a obrigação de desembolsar o valor ação. Outras Despesas Operacionais 11.000,00 PECLD 11.000,00 (C) Débito: Crédito: deverá Outras Despesas Operacionais 15.500,00 PECLD 15.500,00 Crédito: (E) Débito: Crédito: (E) Quando faltarem apenas 3 meses para o desfecho da ação. PECLD 15.500,00 Outras Receitas Operacionais 15.500,00 www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 69
    • 166 (CESGRANRIO/TÉCNICO DE SUPRIMENTO DE BENS PETROBRÁS 2010) A loja Saquarema Ltda. adquiriu, em 01/10/2009, um balcão por R$ 24.000,00. Sabendo-se que não foi considerado o valor residual e que a taxa de depreciação relativa a móveis e utensílios é de 10% ao ano, o valor da despesa de depreciação desse balcão, pelo método das quotas constantes, referente ao exercício a se encerrar em 31/12/2009, em reais, será Imobilizado/Depreciação/Exaustão 164 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE JR PETROBRÁS 2012) Observe as contas apresentadas abaixo. • Equipamentos de Informática • Ferramentas • Instalações (A) 600,00 • Obras de arte (B) 800,00 • Terrenos (C) 1.000,00 • Veículos (D) 1.800,00 Dentre elas, as únicas que NÃO sofrem depreciação são (E) 2.400,00 (A) ferramentas e instalações 167 (CESGRANRIO/TÉCNICO PETROBRÁS DISTRIBUIDORA 2010) A Copal S.A. comprou a prazo, para seu próprio uso, uma máquina nas seguintes condições: (E) obras de arte e equipamentos de informática • Valor faturado pelo vendedor, conforme nota fiscal: R$ 200.000,00; 165 (CESGRANRIO/CONTADOR PETROBRÁS 2011) Uma empresa comercial apresentou as seguintes informações relativas a um bem material classificado no Balanço Patrimonial no Ativo Não Circulante Imobilizado: • Frete, pago pelo vendedor: R$ 20.000,00; • Gastos com instalação: R$ 80.000,00. (B) ferramentas e veículos (C) terrenos e equipamentos de Informática (D) terrenos e obras de arte Outras informações máquina: • Valor Residual Considerando-se exclusivamente as informações recebidas, o valor depreciável deste ativo imobilizado, em reais, é Depreciação constantes; • 800,00 Não houve recuperação do utilização de incentivo fiscal. mesma das quotas Valor residual: R$ 50.000,00; • 1.500,00 à Vida útil estimada: 10 anos; • Custo reconhecido do ativo 6.000,00 Depreciação Acumulada referentes pelo método ICMS nem Considerando-se exclusivamente as informações recebidas e a boa técnica contábil, ao final do primeiro ano de vida útil, o saldo contábil da máquina, em reais, é (A) 3.700,00 (B) 4.500,00 (C) 5.200,00 (D) 5.700,00 (A) 23.000,00. (E) 6.000,00 (B) 25.000,00. (C) 225.000,00. (D) 255.000,00. (E) 257.000,00. www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 70
    • 168 (CESGRANRIO/TÉCNICO CASA DA MOEDA 2009) A Cia. Gama S/A adquiriu uma máquina por R$ 250.000,00. Como a máquina deverá ser utilizada em regime de três turnos, o valor da depreciação anual pelo método linear, em reais, deverá ser 170 (CESGRANRIO/CONTADOR TRANSPETRO 2011) Uma indústria que trabalha apenas em turno único evidenciou, no Ativo Não Circulante de seu Balanço de 31 dez. 2009, uma máquina operatriz, como segue: (A) 25.000,00 (C) 50.000,00 Imobilizado Máquinas e Equipamentos Máquina operatriz Bill R$ 5.520.000,00 (-) Depreciação Acum.(R$ 1.020.000,00) (D) 52.500,00 Especificações técnicas da máquina Bill (E) 55.333,33 Prazo da capacidade operativa da máquina Bill 10 anos 169 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE JR TRANSPETRO 2011) A Comercial RRR S/A adquiriu uma nova máquina, para seu imobilizado, nas seguintes condições: Capacidade produtiva total no prazo operativo 6.000.000 unidades • entrada de R$ 50.000,00, no ato da operação, em cheque; Departamento de produção Produção em 2010 468.000 unidades • 9 parcelas semestrais de R$ 8.000,00 cada uma; Departamento financeiro Valor residual da máquina R$ 420.000,00 • máquina registrada no imobilizado da RRR pelo valor original de R$ 120.000,00, e depreciação acumulada de R$ 60.000,00, entregues ao vendedor como parte do pagamento, pelo valor acordado entre as partes, de R$ 20.000,00; Considerando-se que: (B) 46.666,67 • • Outras informações dos técnicos da indústria, referentes à máquina operatriz Bill • • nenhum tipo de imposto incide sobre os valores informados; • pagamento diretamente à transportadora do frete, pelo carreto da máquina, do armazém do vendedor até às instalações do comprador, de R$ 15.000,00; não há restrição alguma contra a utilização de qualquer método de depreciação; a indústria adotou o método de Depreciação de Unidades Produzidas. O valor da depreciação da máquina operatriz Bill, apurado em 2010 por essa indústria, em reais, é pagamento do seguro sobre o frete acima, de R$ 3.000,00. (A) 318.240,00 Admitindo-se a inexistência de impostos nas operações realizadas, o valor da máquina a ser registrado no Ativo Não Circulante/Imobilizado, em reais, é (B) 397.800,00 (C) 430.560,00 (D) 510.000,00 (A) 100.000,00 (E) 552.000,00 (B) 137.000,00 (C) 142.000,00 (D) 157.000,00 (E) 160.000,00 www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 71
    • 173 (CESGRANRIO/REFAP 2007) Uma máquina, adquirida pela Cia. Enluarada, é utilizada para extrair minério. Por essa razão, o desgaste da máquina é muito elevado. Em virtude de tal fato, a forma adotada de depreciação dessa máquina é o método de unidades produzidas. A máquina custou R$ 12.000.000,00 e sua capacidade estimada é de extrair 100 toneladas. Sabendo-se que, no mês de abril de 2007, o volume de minério extraído foi 850 quilos, qual o valor da depreciação do mês, em reais? 171 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE ANP 2008) Ramos & Ramos Ltda., empresa varejista de hortifrutigranjeiros, em geral, comprou por R$ 200.000,00 um veículo para fazer a entrega de suas mercadorias aos clientes. Passados 5 anos da aquisição, com o veículo totalmente depreciado, a empresa deve (A) arbitrar internamente um novo valor para o veículo e fazer a depreciação. (B) manter o veículo no Ativo Permanente, com o valor simbólico de R$ 1,00. (A) 783.333,33 (C) dar baixa no veículo, por estar totalmente depreciado. (B) 733.833,83 (D) dar baixa no veículo somente quando ele for vendido. (D) 120.000,00 (C) 708.333,33 (E) 102.000,00 (E) baixar o veículo quando este for tirado de circulação. 174 (CESGRANRIO/ANALISTA INSS 2005) A Cia. Gama, empresa de extração de areia, utiliza uma máquina que, por problemas de corrosão, tem sua depreciação alocada em função da matéria-prima processada. A máquina foi adquirida por R$ 850.000,00 e tem vida útil limitada ao processamento de 500.000.000 Kg de matéria-prima. Num determinado período, a empresa retirou 2.000.000 Kg de areia lavada e 500.000 Kg de areia de frigir, tudo processado pela mesma máquina. 172 (CESGRANRIO/EPE 2007) A Cia. Liberdade adquiriu um veículo no dia 10 de março de 2005, por R$ 72.000,00, colocando o mesmo à disposição da diretoria na data da compra. O montante registrado na conta Depreciação Acumulada, em 31 de agosto de 2006, considerando o método da soma dos dígitos para depreciação desse veículo, em reais, foi: (A) 21.600,00 (B) 29.200,00 Pelo método de depreciação das unidades produzidas, o valor da depreciação do período, em reais, será de: (C) 32.000,00 (D) 33.600,00 (A) 42.500,00. (E) 43.200,00 (B) 14.705,88. (C) 5.888,23. (D) 4.250,00. (E) 3.400,00. www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 72
    • 175 (CESGRANRIO/CONTADOR PETROBRÁS FEV2011) Uma máquina, adquirida em segunda mão pela Companhia Lourival S/A, está evidenciada no Balanço Patrimonial, ao final do primeiro ano de sua utilização, da seguinte forma: 176 (CESGRANRIO/TÉCNICO DE SUPRIMENTO E LOGÍSTICA JR PETROBRÁS DISTRIBUIDORA 2010) A Salina Mineradora S.A apresentou as seguintes informações relativas à extração de minério de ferro de uma jazida explorada por ela: Ativo Não Circulante • Capacidade estimada da mina (possança): 1.200.000 toneladas de minério. • Valor pago por esta mina: R$ 12.000.000,00 à vista e R$ 6.000.000,00 para pagamento, de uma só vez, em Mar/2011. pela • Valor das máquinas utilizadas para extrair o minério: R$ 240.000,00. A máquina foi vendida por R$ 60.000,00, exatamente no dia seguinte ao do encerramento do terceiro ano de sua utilização. • Valor dos equipamentos de mineração: R$ 360.000,00. • Em 2009 - minério de ferro extraído da mina: 126.000 toneladas. Imobilizado Máquina................. R$ 125.000,00 (–) Depre. Acum..... (R$ 50.000,00) Informações adicionais Companhia Lourival: • • apresentadas Utilização da máquina: Considerando-se as informações acima, o valor da quota de exaustão de 2009, em reais, é 1º ano - regime de três turnos 2º ano - regime de dois turnos 3º ano - regime de turno único. (A) 1.260.000,00 • Método de depreciação: quotas constantes. (B) 1.323.000,00 • Valor residual da máquina: 0 (zero). (C) 1.890.000,00 Considere as informações recebidas e a boa técnica teórico-conceitual aplicável ao caso e desconsidere a incidência de qualquer tipo de imposto. Nesse contexto, o resultado apurado na venda da máquina, em reais, é (D) 1.915.200,00 (E) 1.927.800,00 (A) ganho de 12.500,00 (B) ganho de 47.500,00 (C) ganho de 60.000,00 (D) perda de 52.500,00 (E) perda de 65.000.00 www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 73
    • 177 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE JÚNIOR PETROBRÁS 2010) A Comercial Alvorada S.A. vendeu por R$ 600.000,00 para a Comercial Capital S.A. um equipamento de seu ativo imobilizado depois de usá-lo durante 4 anos. 178 (CESGRANRIO/ANALISTA FINEP 2011) Uma companhia de capital fechado, por ocasião do levantamento de seu balanço, apurou os seguintes saldos parciais nas contas do razão: Direitos sobre recursos naturais..R$ 90.000,00 Ferramentas longa duração........R$ 60.000,00 Sabe-se que: • • Fundo de comércio adquirido......R$ 30.000,00 a vida útil original do equipamento é 10 anos. a Comercial Capital utilizou o equipamento no regime de turnos, sendo, no 1º ano, turno único e no 2º ano, dois turnos. • • Patentes adquiridas.....................R$ 50.000,00 Considerando-se exclusivamente as informações recebidas, o total do Ativo Não Circulante/Imobilizado, em reais, é a Comercial Capital adota o método das quotas constantes para calcular a depreciação do seu imobilizado. (A) 80.000,00 (B) 110.000,00 a legislação fiscal do imposto de renda recomenda um tratamento especial para o cálculo da depreciação dos bens usados, adquiridos para o imobilizado. (C) 120.000,00 (D) 140.000,00 (E) 150.000,00 Nesse contexto, qual o saldo contábil, em reais, do equipamento, evidenciado no Balanço Patrimonial da Comercial Capital, elaborado ao final do seu segundo ano? 179 (CESGRANRIO/CONTADOR PETROBRÁS BIO 2010) A Comercial de Máquinas Pesadas S.A. vendeu uma máquina nas seguintes condições: entrada R$ 500.000,00 e mais duas parcelas anuais iguais e sucessivas no valor de R$ 968.000,00 cada uma. (A) 150.000,00. (B) 250.000,00. (C) 350.000,00. Admita a inexistência de impostos e que a taxa de juros para a empresa, na data da venda, seja de 10% ao ano. (D) 360.000,00. (E) 450.000,00. O valor da receita de venda da máquina a ser contabilizado no ato da venda, em reais, é (A) 500.000,00 (B) 1.468.000,00 (C) 2.180.000,00 (D) 2.268.000,00 (E) 2.436.000,00 www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 74
    • 182 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE JR PETROBRÁS 2011) Uma empresa do ramo atacadista adota a política de pagar os salários de seus empregados mediante crédito em conta-corrente bancária, em duas etapas: Folha de Pagamento 180 (CESGRANRIO/TERMORIO 2009) A Empresa Ouro Negro Ltda. costuma antecipar 40% do valor da folha de pagamento no dia 15 de cada mês, mediante transferência de sua conta bancária, para as contas correntes dos empregados. O lançamento contábil que caracteriza esta operação é: • • (A) Despesa de Salários primeira etapa, correspondente a 40% dos salários, feita na segunda semana de cada mês; segunda etapa, até ao 5o dia útil do mês seguinte. Sabendo-se que, em outubro/2009, a folha de pagamentos dessa empresa totalizava R$ 500.000,00 e, considerando-se única e exclusivamente as informações recebidas, o registro do adiantamento do salário de outubro, pelo regime de competência, em reais, foi a Diversos a Caixa a Adiantamento a empregados (B) Despesa de salários a Salários a pagar (A) Adiantamento a Empregados 200.000,00 (C) Adiantamento a empregados a Banco conta Movimento a Bancos conta movimento (B) Despesa de Salários (D) Salários a pagar 200.000,00 a Banco conta Movimento a Diversos (C) Salários a Pagar a Banco conta movimento (D) Despesa de Salários (E) Salários a pagar 300.000,00 500.000,00 a Salários a Pagar a Banco conta movimento 200.000,00 300.000,00 a Banco conta Movimento a Adiantamento a empregados 200.000,00 500.000,00 (E) Despesa de Salários 500.000,00 a Adiantamento a empregados 200.000,00 181 (CESGRANRIO/TÉCNICO DE SUPRIMENTO DE BENS PETROBRÁS 2010) Um adiantamento de salário concedido ao empregado deve ser contabilizado da seguinte forma: a Salários a pagar 300.000,00 (A) D: Adiantamento a Empregados C: Salários a Pagar (B) D: Salários a Pagar C: Caixa ou Bancos Conta Movimento (C) D: Caixa ou Bancos Conta Movimento C: Despesa de Salários (D) D: Adiantamento a Empregados C: Caixa ou Bancos Conta Movimento (E) D: Salários a Pagar C: Adiantamento de Salário www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 75
    • 183 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE JÚNIOR PETROBRÁS 2011) Os encargos sociais, as contribuições ao INSS e o FGTS, calculados com base na folha de pagamentos da empresa, ainda não pagos, devem ser lançados na conta Encargos Sociais a Pagar e FGTS a Recolher. Desconto de Duplicatas 184(CESGRANRIO/TÉCNICO ADMINISTRATIVO DNPM) A Cia. Gama descontou, no Banco X, R$ 90.000,00 em duplicatas a receber, pagando no ato 3% de juros. A parcela do INSS a pagar deve incluir (A) a contribuição retida empregados, apenas. dos salários Considerando-se somente as informações acima, o registro desta operação, no Livro Diário, em reais, foi: dos (A) Duplicatas Descontadas (B) o encargo de responsabilidade da empresa, apenas. a Diversos (C) o valor do encargo da empresa junto à contribuição devida pelo empregado, retida pela empresa. a Duplicatas a Receber 87.300,00 a Despesas Bancárias 2.700,00 90.000,00 (B) Diversos (D) os valores de responsabilidade da empresa estimados na folha de pagamentos, a serem ajustados quando da quitação da guia de recolhimento. a Duplicatas Descontadas Bancos Conta Mov. 87.300,00 Despesas de Juros (E) os valores retidos dos salários, por estimativa, na folha de pagamentos, a serem ajustados quando da quitação da guia de recolhimento. 2.700,00 90.000,00 (C) Bancos Conta Movimento a Duplicatas Descontadas 90.000,00 (D) Diversos a Duplicatas Descontadas Duplicatas a Receber 90.000,00 Despesas de Juros 2.700,00 92.700,00 (E) Caixa a Diversos a Duplicatas Descont. 90.000,00 a Duplicatas a Receber www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 2.700,00 92.700,00 Prof. Marcondes Fortaleza 76
    • 185 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE JÚNIOR PETROBRÁS DISTRIBUIDORA 2010) A empresa Mussolini & Irmãos Ltda. realizou um desconto de duplicatas no Banco Itramericano S.A. no montante de R$ 120.000,00, pagando, no ato, juros de R$ 3.600,00. Desconsiderando-se a data e o histórico, o registro contábil único deve ser feito pelo seguinte lançamento: a Bancos Conta Movimento 123.600,00 Com base, exclusivamente, nas informações acima, o lançamento desta operação, sem data e histórico, realizado na Empresa Panamá no dia do crédito do valor líquido, em reais, feito pelo Banco em sua conta corrente, é 120.000,00 Despesas de Juros 3.600,00 (B) Diversos a Bancos Conta Movimento 120.000,00 Duplicatas Descontadas O Banco propôs a cobrança de juros simples de 2,4% ao mês e despesas de cobrança de 0,10% sobre o montante dessas duplicatas. A empresa aceitou as condições do Banco, e o valor líquido da operação foi creditado, pelo Banco, na sua conta corrente. (A) Diversos Duplicatas Descontadas 186 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE PETROBRÁS DISTRIBUIDORA 2008) A Comercial Panamá levou ao Banco da Matriz, para serem descontadas, 10 Duplicatas a Receber, com vencimento para 25 dias, no montante de R$ 250.000,00. 116.400,00 Despesas de Juros a Vencer 3.600,00 (C) Diversos a Caixa 120.000,00 Duplicatas Descontadas 116.400,00 Despesas de Juros a Vencer 3.600,00 (D) Diversos a Duplicatas Descontadas 120.000,00 Banco Conta Movimento 116.400,00 Despesas de Juros a Vencer (E) Banco conta Movimento 3.600,00 120.000,00 a Diversos a Duplicatas Descontadas 116.400,00 a Despesas de Juros www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 3.600,00 Prof. Marcondes Fortaleza 77
    • 187 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE FUNASA 2009 - Adaptada) Analise o lançamento a seguir, sem data e histórico, feito por uma empresa, em reais, para registrar a operação na data de sua realização. Banco Conta Movimento Sociedades Coligadas, Controladoras e Controladas 5.000,00 Despesas Bancárias CAPÍTULO XX 44.000,00 Juros Passivos a Vencer Avaliação de Investimentos 1.000,00 a Duplicatas Descontadas Art. 243. O relatório anual da administração deve relacionar os investimentos da companhia em sociedades coligadas e controladas e mencionar as modificações ocorridas durante o exercício. 50.000,00 Considerando exclusivamente este registro contábil, o Ativo da empresa, em reais, no Balanço levantado no mesmo dia do registro da operação, foi aumentado em § 1º São coligadas as sociedades nas quais a investidora tenha influência significativa. (Redação dada pela Lei nº 11.941, de 2009) (A) 1.000,00 § 2º Considera-se controlada a sociedade na qual a controladora, diretamente ou através de outras controladas, é titular de direitos de sócio que lhe assegurem, de modo permanente, preponderância nas deliberações sociais e o poder de eleger a maioria dos administradores. (B) 5.000,00 (C) 6.000,00 (D) 44.000,00 (E) 50.000,00 § 3º A companhia aberta divulgará as informações adicionais, sobre coligadas e controladas, que forem exigidas pela Comissão de Valores Mobiliários. § 4º Considera-se que há influência significativa quando a investidora detém ou exerce o poder de participar nas decisões das políticas financeira ou operacional da investida, sem controlá-la. (Incluído pela Lei nº 11.941, de 2009) o § 5 É presumida influência significativa quando a investidora for titular de 20% (vinte por cento) ou mais do capital votante da investida, sem controlála. (...) Art. 247. As notas explicativas dos investimentos a que se refere o art. 248 desta Lei devem conter informações precisas sobre as sociedades coligadas e controladas e suas relações com a companhia, indicando: (Redação dada pela Lei nº 11.941, de 2009) I - a denominação da sociedade, seu capital social e patrimônio líquido; II - o número, espécies e classes das ações ou quotas de propriedade da companhia, e o preço de mercado das ações, se houver; III - o lucro líquido do exercício; www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 78
    • IV - os créditos e obrigações entre a companhia e as sociedades coligadas e controladas; V - o montante das receitas e despesas em operações entre a companhia e as sociedades coligadas e controladas. Parágrafo único. Considera-se relevante o investimento: a) em cada sociedade coligada ou controlada, se o valor contábil é igual ou superior a 10% (dez por cento) do valor do patrimônio líquido da companhia; b) no conjunto das sociedades coligadas e controladas, se o valor contábil é igual ou superior a 15% (quinze por cento) do valor do patrimônio líquido da companhia. (B) detenha até 15% das ações preferenciais da investida, embora não exerça nenhuma influência. (C) mantenha participação permanente de até 20% das ações preferenciais da investida. (D) tenha, pelo menos, 10% das ações ordinárias da investida. 190 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE JR PETROBRÁS 2011) A Lei nº 6.404/76, no art. 243, § 1º, defende que as sociedades coligadas são aquelas “nas quais a investidora tenha influência significativa”, afirmando ainda, no § 4º que essa influência existe quando “a investidora detém ou exerce poder de participar nas decisões das políticas, financeiras ou operacional da investida, sem controlá-la”. 188 (CESGRANRIO/TÉCNICO ADMINISTRAÇÃO TERMORIO 2009) A Indústria Alvorada S/A possui 4.000 quotas da Empresa Monteiro & Filhos Ltda.. Como a Alvorada não tem interesse em se desfazer dessa participação, o montante correspondente às 4.000 quotas deverá ser registrado como Ativo A referida Lei dispõe, ainda, que a influência é presumida quando a investidora, sem ter o controle da investida, tiver um investimento que represente 20% ou mais do (A) Circulante/Valores Mobiliários. a (A) possua, no mínimo, participação de 10% no capital da investida. (E) tenha influência significativa na investida. *** (B) Não Circulante/Ativo Realizável Prazo/Valores Mobiliários. 189 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE PETROBRÁS BIO 2010) De acordo com a Lei das Sociedades por Ações (consolidada até dez/2009), são consideradas coligadas as sociedades nas quais a investidora Longo (A) capital votante da investida. (C) Não Circulante/Investimentos/Participações Societárias. (B) capital total da investida. (D) Não Circulante/Ativo Realizável a Longo Prazo/Participações Societárias temporárias. (D) patrimônio líquido da investida. (C) capital social realizado da investida. (E) patrimônio líquido da própria investidora. (E) Não Circulante/Ativo Realizável a Longo Prazo/Participações em controladas e coligadas. www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 79
    • 191 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE JR PETROBRÁS 2010) Uma investidora possui as seguintes participações acionárias: Observe a relação de Investimentos da Cia. Pacífica S.A., extraída de suas demonstrações financeiras, para responder as questões de nº 192 e 193. I - 20% do total das ações emitidas na forma da lei pela Comercial Carbono S.A., de capital aberto, quando de sua constituição em 2008; I – Participação de 80% do capital social votante da Cia. Morgana S.A. II - 100% das ações da Polpuda de Sucos S.A., em fase de venda firme e irrevogável; II – Obras de arte III - 50% das ações ordinárias da Marcos do Papel S.A.; III – Terrenos para futura expansão da fábrica IV – Aplicações temporárias em ouro IV - 60% das ações preferenciais da Orestes do Vidro S.A., com influência na administração. V – Participação de 7% no capital votante da empresa Frangolindo Ltda. Considerando as determinações da Lei das Sociedades Anônimas, em vigor, serão avaliadas pelo Método da Equivalência Patrimonial, APENAS VI – Participação de 65% nas ações ordinárias da Cia. Petrolina S.A. VII – Participação de 8% no capital social da empresa Transnordestina Ltda. (A) I e II. Informação adicional: Todas as participações acionárias são de caráter permanente. (B) II e III. (C) III e IV. (D) I, II e III. 192 (CESGRANRIO/TÉCNICO PETROBRÁS DISTRIBUIDORA 2010) Considerando-se exclusivamente a relação de investimento oferecida, os investimentos classificados no grupo Investimentos do Ativo Não Circulante, avaliados pelo método de custos, são APENAS (E) I, III e IV. (A) II e III. (B) II, III e IV. (C) I, V, VI e VII. (D) II, III, V e VII. (E) I, II, IV, V e VI. 193 (CESGRANRIO/TÉCNICO PETROBRÁS DISTRIBUIDORA 2010) Considerando-se exclusivamente a relação de investimentos oferecida, o(s) investimento(s) classificado(s) no grupo Investimentos do Ativo Não Circulante, avaliado(s) pelo método de equivalência patrimonial, é (são) APENAS (A) I e II. (B) I e VI. (C) III, V e VII. (D) IV, VI e VII. (E) I, V, VI e VII. www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 80
    • 194 (CESGRANRIO/TÉCNICO CASA DA MOEDA 2009) Os métodos de avaliação de investimentos são dois: custos e equivalência patrimonial. Quais os investimentos que só podem ser avaliados pelo método de custo? Itens Valores em R$ Participação permanente de 51% no capital votante da Cia São Mateus e (D) Participações em sociedades coligadas, participação em sociedades controladas, ágio ou deságio de investimentos e provisão para perdas permanentes. 877.886,00 Participação permanente de 9% no capital da Cia São Bartolomeu (B) Imóveis de renda, obras de arte, pedras preciosas e participações em sociedades coligadas. 2.345.678,00 Participação permanente de 66% no capital da Cia São Cristóvão (A) Finor, obras de arte, terrenos para futuras instalações e participações em sociedades controladas. (C) Finam, ouro físico, pedras preciosas participações em sociedades controladas. 195 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE PETROBRÁS BIO 2010) Dados extraídos do Balancete de Verificação da Companhia São Lourenço S.A. em junho de 2009: 915.345,00 Terrenos para futuras instalações (E) Obras de arte, terrenos para futuras instalações, imóveis para renda e participações em fundos de investimentos. Obras de arte 268.560,00 1.212.309,00 Imóveis de renda 766.602 Participações permanentes em fundos de investimento 112.670 Considerando-se exclusivamente as informações acima, o total dos investimentos, que será avaliado pelo Método do Custo, monta, em reais, a (A) 3.275.486,00 (B) 3.162.816,00 (C) 2.508.884,00 (D) 2.396.214,00 (E) 2.360.141,00 www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 81
    • 196 (CESGRANRIO/ANALISTA EPE 2010) Segundo o disposto na legislação pertinente, considera-se relevante, para fins de registro em notas explicativas, o investimento no conjunto das sociedades coligadas e controladas, se o valor contábil em relação ao patrimônio líquido é 198 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE JR PETROBRÁS 2011) No balanço encerrado em dezembro/2008, a Comercial Belezoca S/A, depois da avaliação do investimento pelo método da equivalência patrimonial, apresentou a seguinte informação de sua participação societária de 30% no capital da Comercial (A) igual a 8%. Lindeza S/A: (B) maior que 10% e menor que 15%. Ativo / Não Circulante / Investimentos (C) igual ou superior a 15%. Coligadas / Comercial Lindeza R$ 150.000,00 (D) no mínimo igual a 5%. (E) igual ou menor que 10%. Em 2009, a Comercial Lindeza distribuiu R$ 80.000,00 de dividendos e informou um Patrimônio Líquido de R$ 600.000,00 depois da proposta da distribuição do resultado do exercício. 197 (CESGRANRIO/BNDES 2011) Uma companhia possui participação permanente na empresa Delta, adquirida em 2009. No exercício de 2010, esse investimento apresentou as seguintes características: Dados adicionais: • • O patrimônio líquido da Lindeza é constituído, somente, por capital e reservas de lucros. • O capital social da Lindeza está totalmente integralizado. • Considerando exclusivamente os dados acima e sabendo que em 2010 não houve chamamento de capital novo, o valor contábil final correspondente ao investimento da investidora será, em reais, de Em 2009, a Belezoca manteve a mesma participação no capital da Lindeza. Nenhuma operação foi realizada entre as duas companhias. Considerando-se exclusivamente as informações acima e as normas vigentes, a Comercial Belezoca, na avaliação do investimento pelo método da equivalência patrimonial, apurou uma receita de equivalência patrimonial, em reais, de (A) 3.070.000,00 (B) 3.220.000,00 (C) 3.570.000,00 (D) 3.920.000,00 (A) 24.000,00 (E) 4.070.000,00 (B) 30.000,00 (C) 54.000,00 (D) 80.000,00 (E) 180.000,00 www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 82
    • 199 (CESGRANRIO/ANALISTA EPE Considere a operação a seguir. 2010) 200 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE JR TRANSPETRO 2011) As participações societárias adquiridas com intenção de permanência são classificadas no Ativo Não Circulante/Investimentos. Admita que: A Cia. Ordem e Progresso, após a apuração do seu resultado, efetuou o pagamento de dividendos no valor de R$ 100.000,00 à sua controladora, a Cia. Cruzeiro do Sul. • Gomes S/A, de capital fechado - No balanço de 31 dez. 2009 tem registrado seu único investimento, feito de forma voluntária, no Ativo Não Circulante/Investimentos, pelo valor de R$ 45.000,00, correspondentes à participação de 2% nas ações da Lona S/A. Ciente de que a Cia. Cruzeiro do Sul avalia a sua participação societária na controlada pelo método da equivalência patrimonial, o lançamento contábil para registro do fato na escrituração da companhia investidora corresponde, em reais, a - O balanço de 30 dez. 2010 continua tendo somente aquela participação societária registrada no Ativo Não Circulante/Investimento. (A) D: Receita não operacional C: Disponível ..........................100.000,00 (B) D: Disponível C: Investimentos .....................100.000,00 Não tem nenhuma administração da Lona S/A. (C) D: Receita de dividendos influência na - Não tem qualquer intenção de vender o investimento e mantém a mesma quantidade de ações que tinha em 2009. C: Investimentos .....................100.000,00 (D) D: Investimentos C: Equivalência patrimonial.....100.000,00 - Avalia o investimento pelo método do custo. (E) D: Receita operacional • Lona S/A, de capital fechado C: Equivalência patrimonial.....100.000,00 - Patrimônio Líquido, em 31 dez. 2009: R$ 2.250.000,00 - Lucro auferido em 2010: R$ 500.000,00 - Dividendos 400.000,00 propostos em 2010: R$ - Não fez nenhum aumento de capital a qualquer título. Com as informações recebidas e a boa técnica contábil, desconsiderando a possibilidade de qualquer incidência tributária, o valor deste investimento, no balanço da Gomes S/A, em 30 dez. 2010, em reais, é de (A) 37.000,00 (B) 44.800,00 (C) 45.000,00 (D) 47.000,00 (E) 55.000,00 www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 83
    • 201 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE PETROBRÁS 2010) A Sociedade Anônima Bastos S.A., que tem uma participação societária na Sociedade Anônima Lemos S.A., avaliou seus investimentos pelo método do custo e prestou as seguintes informações: 202 (CESGRANRIO/CONTADOR TRANSPETRO 2011) Em 2 de janeiro de 2008, a Companhia Norte, de capital fechado, comprou, por razões estratégicas e com intenção de permanência, um lote de 240.000 ações de um acionista da Companhia Sul, também de capital fechado. A Cia. Norte pagou R$ 672.500,00 à vista, o que a tornou coligada, por não ter qualquer influência na administração da Cia. Sul. Balanço 2008: ATIVO NÃO CIRCULANTE INVESTIMENTOS PARTICIPAÇÃO AVALIADA CUSTO Lemos S.A. 300.000,00 Nas Demonstrações Contábeis da Cia. Sul, elaboradas em 31 de dezembro de 2007, foram apuradas as seguintes informações: PELO Nota Explicativa no 20 - A Cia. Sul emitiu 1.200.000 ações, todas ordinárias e de uma só classe. Exercício/ 2009 Dividendos Recebidos da Lemos S/A, 15.000,00 PATRIMÔNIO LÍQUIDO Valor Patrimonial das Ações da Lemos S.A. na data do balanço 200.000,00 Capital Social R$ 3.000.000,00 Reserva Legal R$ 540.000,00 Considerando exclusivamente as informações acima, o lançamento, sem data e histórico, feito pela companhia Bastos S.A. para reconhecer a perda com seu investimento, foi Reserva Estatutária R$ 260.000,00 Com base somente nos dados e nas informações recebidas, bem como na Lei Societária com relação ao assunto, o lançamento correto da operação feito na Cia. Norte, em reais, é (A) Perdas com Investimentos 115.000,00 a Participação Avaliada pelo Custo / Lemos S.A. 115.000,00 (A) Participação em Coligadas 672.500,00 (B) Perdas com Investimentos 100.000,00 a Caixa a Participação Avaliada pelo Custo / Lemos S.A. 100.000,00 (B) Participação em Coligadas 600.000,00 Ágio em 72.500,00 (C) Perdas com Investimentos 115.000,00 a Provisão 115.000,00 para Perdas / Lemos S.A. em Coligadas 672.500,00 (C) Participação em Coligadas 652.000,00 para Perdas / Lemos Ágio em 20.500,00 S.A. a (E) Perdas com Investimentos 85.000,00 a Provisão 85.000,00 Participações a Caixa (D) Perdas com Investimentos 100.000,00 a Provisão 100.000,00 672.500,00 para Perdas / Lemos Caixa Participações em Coligadas 672.500,00 (D) Participação em Coligadas 708.000,00 S.A. a Deságio em Participação em Coligadas 35.500,00 a Caixa 672.500,00 (E) Participação em Coligadas 760.000,00 a Deságio em Participação em Coligadas 87.500,00 a www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Caixa 672.500,00 Prof. Marcondes Fortaleza 84
    • 203 (CESGRANRIO/CONTADOR PETROBRÁS 2010) A Companhia São Tiago S.A. pagou R$ 80.000.000,00 por 60% do total de ações do capital social da Companhia Tomé S.A., que possuía patrimônio líquido de R$ 140.000.000,00, na mesma data. Considerando que esse investimento deve ser avaliado pelo método de equivalência patrimonial, afirma-se que, nessa operação, ocorreu um (A) do Valor Adicionado. (A) ágio de R$ 4.000.000,00. (B) do Lucro ou Prejuízo Acumulado. (B) deságio de R$ 4.000.000,00. (C) do Resultado do Exercício. (C) deságio de R$ 6.000.000,00. (D) dos Fluxos de Caixa. (D) registro no investimento de R$ 56.000.000,00. (E) das Variações Patrimoniais. DLPA/DMPL 204 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE JR PETROBRÁS 2011) A demonstração estabelecida pela legislação societária, que pode ser substituída por outra, tendo como finalidade apresentar a destinação do resultado do exercício, é a demonstração (E) registro no investimento de R$ 60.000.000,00. 205 (CESGRANRIO/TÉCNICO PETROBRÁS DISTRIBUIDORA 2010) A variação das reservas de lucros ocorrida entre um exercício e outro, mostrando, ainda, as origens das mesmas, é evidenciada na demonstração denominada (A) Mutações do Patrimônio Líquido. (B) Lucros e Perdas. (C) Mutações do Resultado do Exercício. (D) Balanço Social. (E) Fluxos de Caixa. 206 (CESGRANRIO/CONTADOR TRANSPETRO 2011) Segundo a Legislação Societária atualizada até 2010, na Demonstração de Mutações do Patrimônio Líquido, os ajustes de exercícios anteriores NÃO devem afetar (A) o patrimônio líquido anterior (B) o resultado abrangente total (C) o resultado normal do presente exercício (D) os ajustes de avaliação patrimonial (E) as reservas de lucros www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 85
    • 207 (CESGRANRIO/ANALISTA CASA DA MOEDA 2009) Dados sobre o patrimônio líquido da sociedade anônima de capital aberto, no balanço de 31/12/2007. 1.750.000,00 (-) Capital a Realizar (750.000,00) Reserva legal 180.000,00 Reserva Estatutária 150.000,00 208 (CESGRANRIO/ANALISTA EPE 2010) De acordo com a legislação pertinente, “o valor da riqueza gerada pela Companhia, a sua distribuição entre os elementos que contribuíram para a geração dessa riqueza, tais como empregados, financiadores, acionistas, governo e outros, bem como a parcela da riqueza não distribuída” serão identificados em qual demonstrativo contábil? Admita as seguintes situações ocorridas no decorrer de 2008: • integralização do capital pelos acionistas; • incorporação das reservas estatutárias ao capital; • lucro do exercício de 2009 – 500.000,00; • reserva legal constituída – 25.000,00; • retenção de 75.000,00; • dividendos propostos – 400.000,00. lucros para investimento Art.188, II: “demonstração do valor adicionado – o valor da riqueza gerada pela companhia, a sua distribuição entre os elementos que contribuíram para a geração dessa riqueza, tais como empregados, financiadores, acionistas, governo e outros, bem como a parcela da riqueza não distribuída.” PATRIMÔNIO LÍQUIDO: Capital Subscrito Demonstração do Valor Adicionado – (A) Balanço Patrimonial. (B) Demonstração do Resultado do Exercício. (C) Demonstração Acumulados. Elaborada a DMPL, o total da coluna Capital Realizado Atualizado, em reais, é de Lucros ou Prejuízos (A) 1.750.000,00 (D) Demonstração de Origem e Aplicações de Recursos. (B) 1.900.000,00 (E) Demonstração do Valor Adicionado. (C) 2.180.000,00 (D) 2.250.000,00 209 (CESGRANRIO/CONTADOR PETROBRÁS 2010) A Demonstração do Valor Adicionado (DVA) evidencia o(a) (E) 2.500.000,00 (A) quanto de riqueza uma empresa adicionou, de que forma essa riqueza foi distribuída e o quanto ficou retido na empresa. (B) valor adicionado originado das operações, os recursos oriundos das atividades de financiamento e o saldo de caixa resultante no final do período. (C) montante de riqueza que uma empresa adicionou, o quanto dessa riqueza foi distribuída para os agentes e acionistas e os lucros retidos pela empresa sem destinação específica. (D) receita adicionada pela empresa deduzida das despesas operacionais, exceto a financeira, e o total de lucros retidos em forma de reservas. (E) riqueza adicionada pela empresa, a distribuição dos dividendos realizada e a variação do patrimônio líquido no exercício. www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 86
    • 210 (CESGRANRIO/CONTADOR REFAP 2007) Na demonstração do valor adicionado, a diferença entre a receita de bens e serviços e os materiais e serviços adquiridos de terceiros corresponde à(ao): 212 (CESGRANRIO/BNDES 2009) afirmar que valor adicionado é a(o) Pode-se (A) diferença entre o valor dos bens, serviços e utilidades vendidos por uma entidade e o respectivo valor dos insumos adquiridos de terceiros. (A) geração bruta de caixa. (B) geração operacional de caixa. (B) diferença entre a receita gerada pela empresa e o resultado obtido antes de encargos financeiros, depreciação, amortização, exaustão, imposto de renda e resultados não operacionais. (C) lucro bruto. (D) valor adicionado a distribuir. (E) valor adicionado bruto. (C) riqueza gerada pela empresa, representada pelo custo de oportunidade multiplicado pelo patrimônio líquido deduzido dos valores que transitam em resultado e não representam entrada de caixa. 211 (CESGRANRIO/CONTADOR TRANSPETRO 2011) A Demonstração do Valor Adicionado (DVA) é formada, basicamente, por duas partes, sendo que, na primeira parte, deve apresentar a riqueza criada pela entidade, incluindo, em seu detalhamento, a receita de vendas de mercadorias, produtos e serviços. (D) soma de todos os valores recebidos pela empresa, deduzidos dos impostos incidentes e dos encargos de depreciação, amortização e exaustão. As vendas de produtos pelas empresas industriais devem ser demonstradas na DVA pelo valor da(s) (E) conjunto de valores obtidos pela empresa, seja através de venda de produtos, seja através de ingressos de fontes diversas, deduzidos de impostos e encargos financeiros. (A) receita bruta ou do faturamento bruto (B) vendas menos o ICMS e o IPI a recuperar (C) vendas menos o ICMS a recuperar (D) vendas menos o IPI a recuperar (E) vendas líquidas www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 87
    • 213 (CESGRANRIO/CONTADOR BNDES 2004) Observe a seguinte Demonstração do Resultado do Exercício, com valores em reais: 214 (CESGRANRIO/TERMOAÇU 2008) Analise a demonstração de resultado a seguir, apresentada pela empresa Natal S.A. em dezembro de 2007. Composição das Despesas Administrativas (em reais): – Ordenados e Salários ................ 26.400 – Serviços de Terceiros................... 7.920 – Materiais de Consumo.................. 5.104 – Depreciação.................................. 3.696 – Impostos e Taxas............................. 880 *1 O ICMS incluído nas compras monta a R$ 55,00. *2 Remuneração de vendedores = R$ 70,00; Frete e Propaganda = R$ 80,00; Provisão para Devedores Duvidosos = R$ 30,00. *3 Gastos de pessoal = R$ 60,00; Despesas tributárias = R$ 10,00; Gastos diversos = R$ 30,00. Total ........................................... 44.000 Tendo em vista o Demonstrativo do Valor Adicionado – DVA, pode-se afirmar que ficou para o Governo a quantia, em reais, de: Com base apenas nos dados apresentados, o Valor Adicionado a Distribuir pelos fatores de produção monta, em R$ mil, a (A) 26.400,00 (A) 325 (B) 27.456,00 (B) 345 (C) 46.640,00 (C) 355 (D) 96.800,00 (D) 375 (E) 108.240,00 (E) 400 www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 88
    • 215 (CESGRANRIO/EPE 2007) Determinada empresa comercial apresentou os seguintes dados referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2006: Demonstração dos Fluxos de Caixa 216 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE JR PETROBRÁS 2011) A única demonstração contábil a ser elaborada pela entidade, sem a utilização do regime de competência, é a demonstração (A) do resultado do período (B) do resultado abrangente do período (C) do valor adicionado do período (D) dos fluxos de caixa do período (E) das mutações do patrimônio líquido do período 217 (CESGRANRIO/CONTADOR TRANSPETRO 2011) Investimentos de altíssima liquidez, que são passíveis de conversão imediata em uma quantia conhecida de dinheiro com risco insignificante de alteração de valor, sob o enfoque da elaboração da Demonstração dos Fluxos de Caixa, constituem o(s) *1 O ICMS destacado na compra de mercadorias montou a R$ 48. *2 Composição: Provisão para devedores duvidosos – R$ 13; Frete e propaganda – R$ 25; Comissões de Vendedores (Pessoas Físicas, empregados da empresa) – R$ 52. *3 Composição: Despesas de pessoal – R$ 35; Despesas com tributos – R$ 8; Despesa com depreciação – R$ 12; Despesas com infraestrutura (Energia, Telefone, Gás e outros) R$ 25. (A) numerário (dinheiro) a mão (B) fluxo das operações (C) fluxo dos financiamentos (D) fluxo dos investimentos (E) equivalentes de caixa 218 Considerando apenas os dados informados, o Valor Adicionado Total a distribuir da empresa analisada, em milhares de reais, será: (A) 210 (A) fixo e variável. (B) 227 (B) direto e indireto. (C) 247 (C) circulante e permanente. (D) 257 (D) simples e complexo. (E) 305 www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 (CESGRANRIO/TÉCNICO PETROBRÁS DISTRIBUIDORA 2010) Os fluxos de caixa operacional, de financiamento e de investimento podem ser apurados pelos métodos (E) dinâmico e estático. Prof. Marcondes Fortaleza 89
    • 219 (CESGRANRIO/TÉCNICO CASA DA MOEDA 2009) A Demonstração do Fluxo de Caixa (DFC) pode ser elaborada por dois métodos: direto e indireto. O método indireto também é conhecido como o método do(a) (A) Fluxo de operações 222 (CESGRANRIO/BNDES 2009) O Artigo 188 da Lei das Sociedades Anônimas, com as alterações das Leis no 11.638/07 e no 11.941/09, determina que a demonstração do fluxo de caixa indicará as alterações ocorridas, durante o exercício, no saldo de caixa e equivalentes de caixa, segregando essas alterações em, no mínimo, três fluxos. (B) Ajuste a valor presente Os equivalentes de caixa acima citados podem ser identificados como (C) Equivalente de caixa (A) investimentos de altíssima liquidez, prontamente conversíveis em uma quantia conhecida de dinheiro, que apresentam risco insignificante de alteração de valor. (D) Reconciliação (E) Caixa virtual (B) aplicações financeiras realizadas no mercado primário de ações, por um prazo de até 90 dias, contados a partir da data de desembolso dos títulos. 220 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE PETROBRÁS BIO 2010) A demonstração do fluxo de caixa foi introduzida na Lei das Sociedades por Ações pela Lei no 11.638/2007. A Lei determina que essa demonstração apresente as alterações ocorridas durante o exercício, no saldo de caixa e equivalentes de caixa, segregando-se essas alterações em, no mínimo, três fluxos: (C) desembolsos de caixa subjacentes, realizados com a intenção de revenda dos títulos adquiridos no mercado secundário. (D) classificação de pagamentos e recebimentos, realizados na Bolsa de Valores ou através de corretoras de valores, por mecanismos de compra e venda no pregão de títulos públicos e privados. (A) resultado do exercício, ajustes patrimoniais e recursos intransitivos em resultado. (B) origens de recursos, aplicações de recursos e variações do capital próprio. (E) investimentos de liquidez instantânea, conversíveis em quantia de dinheiro facilmente estimável e que apresentam risco insignificante de resgate. (C) lucro ajustado, capital circulante e aplicações permanentes. (D) operações, financiamentos e investimentos. (E) transações correntes, passivos funcionamento e inversões sazonais. de 223 (CESGRANRIO/CONTADOR PETROBRÁS 2010) Considere as informações extraídas da Demonstração do Fluxo de Caixa (DFC) da Companhia Sacopã S.A., com dados em reais. 221 (CESGRANRIO/BR DISTRIBUIDORA 2008) Na elaboração dos fluxos de caixa, o conceito de caixa é ampliado, envolvendo o caixa puro, dinheiro em mão e em conta corrente bancária e as aplicações em equivalentes de caixa. Como equivalentes de caixa podem ser consideradas as aplicações financeiras resgatáveis até • de Recursos aplicados nas investimentos 22.000,00 atividades de • Recursos oriundos operacionais 27.000,00 • (B) 3 meses da data da emissão. atividades • (A) 3 meses da data da aplicação. Recursos oriundos das financiamentos 53.000,00 Saldo de caixa no início do exercício social 10.000,00 das atividades Considerando exclusivamente as informações acima, o saldo de caixa no final do exercício social, em reais, será (C) 6 meses da data da aplicação. (D) 6 meses da data da emissão. (E) 12 meses da data da aplicação. (A) 55.000,00 (B) 58.000,00 (C) 68.000,00 (D) 102.000,00 www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 (E) 109.000,00 Prof. Marcondes Fortaleza 90
    • 224 (CESGRANRIO/BNDES 2011) Dados extraídos das demonstrações financeiras da Cia. Morumbi S/A: 226 (CESGRANRIO/CONTADOR PETROBRÁS BIO 2010) De acordo com o pronunciamento técnico CPC 03, na demonstração de fluxos de caixa, as mudanças no tamanho e na composição do capital próprio e no endividamento da entidade resultam de Do Balanço Patrimonial (A) atividades de financiamento. (B) atividades de investimento. (C) atividades operacionais. (D) equivalentes de caixa. Da Demonstração do Fluxo de Caixa (E) fluxos de caixa. 227 Com base exclusivamente nas informações acima, a variação líquida do caixa (equivalente de caixa) apurada na demonstração do fluxo de caixa extraído em 2010 foi, em reais, de (A) 56.632,00 (B) 45.981,00 (CESGRANRIO/ANALISTA CASA DA MOEDA 2009) A Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC), de acordo com a Lei das sociedades anônimas, tem que evidenciar as alterações ocorridas no saldo de caixa e equivalentes, segregando-as em, no mínimo, três fluxos: das operações, dos financiamentos e dos investimentos. Pode-se afirmar, corretamente, que as atividades operacionais se relacionam com (C) 35.330,00 (D) 32.481,00 (A) transações que aparecem na demonstração de resultados. (E) 24.151,00 (B) aplicações de altíssima liquidez prontamente convertidas em dinheiro. 225 (CESGRANRIO/CONTADOR PETROBRÁS 2011) Conforme entendimento da legislação vigente e das normas emanadas pelo CFC (Conselho Federal de Contabilidade), oriundas dos Pronunciamentos Técnicos do CPC (Comitê de Pronunciamentos Contábeis), os juros pagos pela entidade durante o exercício, tratados como despesas e registrados na demonstração do resultado do exercício (DRE), deverão também ser (C) ativos de longo prazo utilizados na produção de bens e serviços. (D) empréstimos de credores e investidores da entidade. (E) obtenção de recursos dos donos com o aporte de capital novo. 228 (CESGRANRIO/EPE 2007) A Cia. Gama apresenta as seguintes informações, em reais, para a elaboração do seu fluxo de caixa em 31/12/2006: (A) classificados como atividades operacionais e divulgados através da demonstração do fluxo de caixa. Estoque no início do exercício 2.400,00 (B) segregados das despesas financeiras e apresentados como variação de débito na DRE. Estoque Final 2.700,00 Custo das mercadorias vendidas 4.500,00 (C) tratados como reduções dos lucros acumulados na demonstração de mutações do patrimônio líquido. Fornecedores no início do exercício 1.500,00 Fornecedores no final do exercício 2.000,00 (D) incluídos no grupo de eventos subsequentes e registrados no balanço patrimonial. (E) incluídos como divulgados na agregado. A Demonstração de Fluxo de Caixa, pelo método direto, evidencia como valor pago a fornecedores, em reais, o montante de: insumos de terceiros e demonstração de valor www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 (A) 500,00 (B) 2.800,00 (C) 4.300,00 (D) 4.800,00 (E) 6.300,00 Prof. Marcondes Fortaleza 91
    • Dados para resolução da questão 229. A Companhia Drica S/A apresentou as seguintes demonstrações contábeis, em milhares de reais: 229 (CESGRANRIO/CONTADOR PETROBRÁS 2008) Em 2006, na Demonstração do Fluxo de Caixa (DFC), elaborada pelo método direto, o valor pago a fornecedores, no fluxo das atividades operacionais, em reais, é a) 1.181.000,00 b) 3.283.000,00 c) 4.723.000,00 d) 3.478.000,00 e) 2.983.000,00 www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 92
    • 230 (CESGRANRIO/TÉCNICO DE CONTABILIDADE FUNASA 2009) A Companhia Comércio do Planalto S/A apresentou as peças contábeis a seguir. Demonstração do Resultado do Exercício - Elaborada em 31/12/2008. (em mil reais) Vendas líquidas 1.622.600 (-) CMV (1.195.600) (=) Lucro bruto 427.000 (-) Despesas Operacionais (409.920) Lucro Líquido 17.080 • Todas as compras de mercadorias foram realizadas a prazo. • Desconsidere a incidência de qualquer tipo de impostos. Considerando exclusivamente os dados das peças contábeis acima, o valor pago aos fornecedores, no exercício social de 2008, apurado na elaboração do fluxo de caixa, pelo método direto, em reais, foi (A) 1.154.350,00 (B) 1.162.600,00 (C) 1.195.600,00 (D) 1.228.600,00 (E) 1.236.850,00 www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 Prof. Marcondes Fortaleza 93
    • GABARITO 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade BACEN 2012 E A E A C E D E E E D B E C E D C A E E A A B A C B C B C E A B C D C A B B E A A C C D B B B D A D 51 52 53 54 55 56 57 58 59 60 61 62 63 64 65 66 67 68 69 70 71 72 73 74 75 76 77 78 79 80 81 82 83 84 85 86 87 88 89 90 91 92 93 94 95 96 97 98 99 100 E D C D B A B C C B B C B E D B B D A B C D E D D C B B C D E B B D C C D C B A C A E C E B C B D C 101 102 103 104 105 106 107 108 109 110 111 112 113 114 115 116 117 118 119 120 121 122 123 124 125 126 127 128 129 130 131 132 133 134 135 136 137 138 139 140 141 142 143 144 145 146 147 148 149 150 B B B C C D B C E B A A B C D E A B B B E C E D A A C E E A E B A E E A B D D A C C B B D C C D A B 151 152 153 154 155 156 157 158 159 160 161 162 163 164 165 166 167 168 169 170 171 172 173 174 175 176 177 178 179 180 181 182 183 184 185 186 187 188 189 190 191 192 193 194 195 196 197 198 199 200 C B C D B C E D D C C E C D C A E C E B E D E D B C C E C C D A C B D A D C E A C D B E A C D C B C 201 202 203 204 205 206 207 208 209 210 211 212 213 214 215 216 217 218 219 220 221 222 223 224 225 226 227 228 229 230 D E B B A C B E A E A A E B D D E B D D A A C B A A A C E D Prof. Marcondes Fortaleza 94
    • 233 CASA DO CONCURSEIRO **Questões Extras** 231 (CESGRANRIO/AUDITOR PETROBRÁS 2011) De acordo com a Lei nº 11.638/07, as Companhias de capital aberto deverão apresentar suas demonstrações financeiras em consonância com os padrões internacionais de contabilidade. Uma das mudanças geradas pela padronização internacional e exigida pela CVM, é que, no encerramento do exercício social, a conta de lucros e prejuízos acumulados (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE JR PETROBRÁS 2011) Analise as afirmativas abaixo sobre as normas para escrituração do Livro Diário. I – A escrituração do Livro Diário será completa, em idioma e moeda corrente nacionais e em forma mercantil. II – A escrituração do Livro Diário deve ter indicativo inequívoco do regime de contabilização adotado pela entidade. III – A escrituração do Livro Diário deve apresentarse com individuação e clareza, por ordem cronológica de dia, mês e ano. (A) não poderá ser modificada para acertos entre contas. IV – A escrituração do Livro Diário deve apresentarse sem intervalos em branco, nem entrelinhas, borrões, rasuras, emendas e transportes para as margens. (B) não deverá apresentar saldo positivo. (C) deverá ser compatível com o patrimônio líquido da Companhia. Está correto o que se afirma em (D) deverá estar de acordo com o volume de operações da Companhia. (A) I e II, somente. (E) terá o saldo revertido para a reserva legal. (B) I e III, somente. (C) I, II e IV, somente. (D) I, III e IV, somente. 232 (CESGRANRIO/BNDES 2011) De acordo com os dizeres do pronunciamento técnico CPC 26, que trata de apresentação das demonstrações contábeis, aprovado pela Deliberação CVM nº 595/09 com as alterações introduzidas pela Deliberação CVM nº 624/10, as demonstrações contábeis são uma representação estruturada das posições (E) I, II, III e IV. 234 • espera-se que seja liquidado durante o ciclo operacional normal da entidade; • deve ser liquidado no período de até doze meses após a data do balanço; ou • (A) patrimonial e financeira e do desempenho da entidade (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE JR PETROBRÁS 2011) Considere os seguintes critérios de classificação de contas no balanço patrimonial: a entidade não tem direito incondicional de diferir sua liquidação durante pelo menos doze meses após a data do balanço. (B) patrimonial e econômico-financeira da entidade (C) patrimonial e econômica da entidade (D) econômica e financeira da entidade (E) econômica e do desempenho da entidade Tais critérios dizem respeito ao (A) Ativo Circulante (B) Ativo Não Circulante (C) Passivo Circulante (D) Passivo Não Circulante (E) Patrimônio Líquido + Questões Recentes 1 Prof. Marcondes Fortaleza
    • 235 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE JR PETROBRÁS 2011) No balanço patrimonial, a diferença entre o valor dos ativos e o dos passivos representa o Patrimônio Líquido, que é o valor contábil pertencente aos acionistas ou sócios. 237 (CESGRANRIO/CONTADOR JR PETROBRÁS 2011) A Tucupi Mineradora S/A concedeu, na venda realizada para a GRS Minerais Ltda., um desconto de 5% sobre o valor da duplicata, caso a GRS a pague até um determinado dia específico, antes do seu vencimento. O Patrimônio Líquido das sociedades por ações é dividido em Capital Social, Ajustes de Avaliação Patrimonial, Ações em Tesouraria, À luz da legislação societária vigente e das normas emanadas pelo Conselho Federal de Contabilidade, ocorrendo o efetivo pagamento da duplicata, no dia determinado, o valor correspondente ao desconto concedido deve ser classificado na demonstração do resultado do exercício da Tucupi no grupo de (A) Reservas de Capital, Reservas Estatutárias e Lucros Acumulados. (B) Reservas de Capital, Reservas de Lucros e Prejuízos Acumulados. (C) Reservas de Capital, Reservas Contingências, e Lucros Acumulados. (A) abatimentos sobre vendas para (B) ajustes de instrumentos financeiros (C) despesas com vendas (D) Reserva Legal, Reservas para Contingências, e Prejuízos Acumulados. (D) despesas financeiras (E) Reserva Legal, Reserva de Lucros a Realizar e Prejuízos Acumulados. (E) receitas financeiras 238 (CESGRANRIO/CONTADOR JR PETROBRÁS 2011) Segundo a Lei nº 6.404/1976 com as alterações das Leis nº 11.638/2007 e nº 11.941/2009, o grupo do Ativo Não Circulante deverá conter os subgrupos do Ativo Realizável a Longo Prazo, Investimentos, Imobilizado e Intangível. 236 (CESGRANRIO/CONTADOR JR PETROBRÁS 2011) Nos termos do Pronunciamento Conceitual Básico do CPC que dispõe sobre a Estrutura Conceitual para a Elaboração e Apresentação das Demonstrações Contábeis, essas demonstrações retratam os efeitos patrimoniais e financeiros das transações e outros eventos, agrupando-os em classes de acordo com as suas características econômicas, sendo essas classes chamadas de elementos das demonstrações contábeis. No subgrupo Intangível deverão ser classificados (A) os direitos que tenham por objeto bens corpóreos destinados à manutenção das atividades da companhia ou da empresa, inclusive os decorrentes de operações que transfiram à companhia os benefícios, riscos e controle desses bens. Os elementos diretamente relacionados à mensuração da posição patrimonial e financeira são APENAS os seguintes: (B) os direitos incorpóreos realizáveis após o término do exercício seguinte, que não constituírem negócios usuais na exploração do objeto da companhia. (A) ativo e passivo (B) ativo, receitas e despesas (C) ativo, passivo, receitas e despesas (C) os direitos que tenham por objeto bens incorpóreos destinados à manutenção da companhia ou exercidos com essa finalidade, inclusive o fundo de comércio adquirido. (D) ativo, passivo e patrimônio líquido (E) passivo e patrimônio líquido (D) bens e direitos que possam gerar benefícios futuros mensuráveis através de avaliações periódicas realizadas através do método de fluxo de caixa descontado. (E) bens e direitos decorrentes de operações de longo prazo que precisem ser ajustados a valor presente, sempre que representarem investimento relevante. + Questões Recentes 2 Prof. Marcondes Fortaleza
    • 239 (CESGRANRIO/CONTADOR JR PETROBRÁS 2011) O artigo 189 da Lei nº 6.404/1976 com as alterações das Leis nº 11.638/2007 e 11.941/2009, determina que do resultado do exercício serão deduzidos, antes de qualquer participação, o(s) 241 (A) Regime de caixa (A) imposto de renda e a contribuição social sobre o lucro (B) Regime de competência (C) Autonomia patrimonial (B) dividendos das ações preferenciais (D) Fato administrativo (C) dividendos obrigatórios (E) Ato permutativo (D) prejuízos acumulados e a provisão para o Imposto sobre a Renda (E) prejuízos acumulados obrigatórios (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE JR TRANSPETRO 2011) Quando na apuração do crédito do exercício são considerados apenas os pagamentos e recebimentos realizados no período, essa apuração é reconhecida como e os 242 dividendos 240 (CESGRANRIO/ANALISTA FINEP 2011) O artigo 177 da Lei nº 6.404/1976, referente à sociedade por ações, consolidada até 2010, afirma: (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE JR TRANSPETRO 2011) Uma empresa do tipo call center adquiriu 20 cadeiras novas para uso do setor de atendimento aos clientes por R$ 1.600,00, quantia a ser paga em 8 parcelas mensais. A conta credora do registro contábil dessa operação deverá ser classificada no item A escrituração da companhia será mantida em registros permanentes, com obediência aos preceitos da legislação comercial e desta Lei e aos princípios de contabilidade geralmente aceitos, devendo observar métodos ou critérios contábeis uniformes no tempo e registrar as mutações patrimoniais segundo o regime de competência. (A) Investimentos / Móveis e Utensílios (B) Imobilizado / Móveis e Utensílios (C) Passivo Não Circulante (D) Passivo Circulante (E) Ativo Não Circulante / Móveis e Utensílios No parágrafo 3º desse artigo da Lei, é determinado, ainda, que as demonstrações financeiras das companhias abertas deverão observar as normas expedidas pela(o) 243 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE JR TRANSPETRO 2011) Capital a integralizar corresponde à(ao) (A) diferença entre o capital próprio e o capital de terceiros. (A) Comissão Financeira Nacional (B) Comissão de Valores Mobiliários (B) diferença entre o capital subscrito e o capital integralizado. (C) Conselho Federal de Contabilidade (D) Comitê de Pronunciamentos Contábeis (C) soma do capital integralizado. (E) Instituto Brasileiro de Contadores – IBRACON subscrito com o capital (D) valor que os sócios efetivamente entregaram à sociedade. (E) montante que os sócios prometeram entregar à sociedade. + Questões Recentes 3 Prof. Marcondes Fortaleza
    • 244 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE JR TRANSPETRO 2011) Na evolução da contabilidade existiram escolas que desenvolveram estudos especializados no campo da teoria das contas, com destaque para as escolas Personalista, Materialista e Patrimonialista. 246 • Estoque final de mercadorias R$ 68.900,00 mercadorias no período R$ Considerando exclusivamente as informações acima, e desconsiderando a incidência de qualquer imposto, o Resultado com Mercadorias (RCM) da empresa no período foi, em reais, de (C) patrimoniais e de resultado (D) ativas, passivas e de resultado de Venda de mercadorias no período R$ 138.500,00 • (B) integrais e diferenciais (E) ativas, passivas, diferenciais Compras de 76.415,00 • (A) ativas e passivas Estoque inicial de mercadorias R$ 89.435,00 • Nos termos da escola Patrimonialista, as contas são classificadas como (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE JR TRANSPETRO 2011) Dados extraídos da contabilidade da Comercial AAA Ltda. (A) 96.950,00 patrimônio líquido e (B) 89.435,00 (C) 68.900,00 245 (D) 65.950,00 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE JR TRANSPETRO 2011) A Lei Societária Brasileira (Lei nº 6.404/76), que teve sua redação amplamente modificada em 2007 e 2009, estabelece que, ao final de cada exercício social, a diretoria fará elaborar, com base na escrituração mercantil, as demonstrações financeiras das sociedades por ações, conhecidas na prática por sociedades anônimas ou companhias. (E) 41.550,00 Sob o enfoque da nova redação da legislação societária, qual a demonstração financeira em que uma companhia de capital aberto agrupa as contas de forma a facilitar o conhecimento e a análise da sua situação financeira? (A) Balanço patrimonial (B) Demonstração do valor adicionado (C) Demonstração do resultado do exercício (D) Demonstração dos fluxos de caixa (E) Demonstração acumulados + Questões Recentes dos lucros ou prejuízos 4 Prof. Marcondes Fortaleza
    • 247 (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE JR PETROBRÁS 2011) Considere os livros de escrituração enumerados a seguir. 250 (CESGRANRIO/AUDITOR JR PETROBRÁS 2011) A Lei nº 11.638/07 alterou, revogou e inseriu novos dispositivos à Lei nº 6.404/76, que dispõe sobre as sociedades por ações, trazendo implicações diretas no campo societário e contábil e, de modo indireto, no tributário. Em relação à elaboração das demonstrações financeiras, uma das principais alterações foi a I – Apuração do Lucro Real (LALUR) II – Contas-Correntes III – Controle de Contas a Receber IV – Registro de Duplicatas (A) exclusão da obrigatoriedade da elaboração da demonstração do valor adicionado. São considerados livros sistemáticos e obrigatórios APENAS os (A) (B) inclusão da obrigatoriedade da elaboração da demonstração dos lucros ou prejuízos acumulados. I e II. (B) I e III. (C) I e IV. (D) II e III. (E) II e IV. 248 (C) inclusão da obrigatoriedade da elaboração das demonstrações de liquidez financeira. (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE JR PETROBRÁS 2011) As informações sobre o desempenho da empresa são fornecidas, basicamente, pela demonstração (D) substituição da elaboração da demonstração do valor adicionado pela elaboração da demonstração das origens e aplicações de recursos. (A) do Valor Adicionado. (E) substituição da elaboração da demonstração das origens e aplicações de recursos pela elaboração da demonstração de fluxo de caixa. (B) do Lucro ou Prejuízo Acumulado. (C) do Resultado do Exercício. (D) dos Fluxos de Caixa. (E) das Mutações do Patrimônio Líquido. 249 251 (CESGRANRIO/AUDITOR JR PETROBRÁS 2011) No final de cada exercício social, as sociedades por ações devem elaborar e divulgar algumas demonstrações contábeis de acordo com a legislação societária e com os princípios fundamentais de contabilidade. Dentre as demonstrações obrigatórias, tem-se o Balanço Patrimonial, cuja finalidade é (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE JR PETROBRÁS 2011) Analise os tipos de contas a seguir. I – Ágio na emissão de ações II – Ganhos com variação cambial em ativos de longo prazo (A) evidenciar os negócios sociais e os principais fatos administrativos ocorridos no exercício. III – Reserva especial de ágio na incorporação (B) apresentar a posição financeira e patrimonial da Companhia em determinada data. IV – Doações e subvenções para investimentos V – Alienação de partes beneficiárias (C) apresentar o resultado final da Companhia, evidenciando, entre outros resultados, receitas, despesas e lucro líquido. VI – Alienação de bônus de subscrição De acordo com toda a legislação em vigor para as sociedades anônimas, as contas passíveis de serem classificadas como reserva de capital, em seu balanço patrimonial, são APENAS as citadas em (D) demonstrar como ocorreram as movimentações de disponibilidades em determinado período de tempo. (E) informar o valor da riqueza criada pela Companhia em determinado período e a forma de sua distribuição. (A) I, II, III e IV. (B) I, II, III e V. (C) I, II, III e VI. (D) I, III, V e VI. (E) II, III, IV e V. + Questões Recentes 5 Prof. Marcondes Fortaleza
    • 252 (CESGRANRIO/AUDITOR JR PETROBRÁS 2011) Quando uma empresa adquire um veículo para uso em suas operações, o registro contábil desse veículo deve ser realizado em uma conta do 254 (A) Patrimônio Líquido. (B) Passivo Circulante. (C) Ativo Circulante. (CESGRANRIO/TÉCNICO CONTABILIDADE PETROBRÁS BIO 2010) Segundo o CPC 27, aprovado pela Deliberação CVM nº 583, o valor pelo qual um ativo pode ser negociado entre partes interessadas, conhecedoras do negócio e independentes entre si, com ausência de fatores que pressionem para a liquidação da transação ou que caracterizem uma transação compulsória é denominado (D) Ativo Permanente. (A) Valor justo. (E) Lucro Operacional. (B) Valor de mercado. (C) Custo de reposição. (D) Custo de oportunidade. 253 (CESGRANRIO/AUDITOR JR PETROBRÁS 2011) Anualmente, a Assembleia Geral Ordinária deverá deliberar sobre a destinação do lucro líquido do exercício e a distribuição de dividendos. Dentre as obrigatoriedades definidas por lei para distribuição do lucro, tem-se a destinação da reserva legal, que deve ser (E) Ganhos de escala. (A) constituída de acordo com a decisão dos acionistas. (B) definida pelo estatuto social quando a lei for omissa. (C) 5% do lucro líquido do exercício, não excedendo 20% do capital social. (D) 10% do lucro líquido antes da apuração do imposto de renda. (E) 20% do lucro operacional líquido. + Questões Recentes 6 Prof. Marcondes Fortaleza