Processo de trabalho 2 formação da classe operaria - rev. industrial

1,165 views
866 views

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,165
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
11
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Processo de trabalho 2 formação da classe operaria - rev. industrial

  1. 1. PROCESSO DE TRABALHO 2 A FORMAÇÃO DA CLASSE OPERÁRIA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Este conteúdo é baseado em meu entendimento pessoal da matéria relacionada ao curso de Serviço Social – By Dani Rubim – estudante de Serviço Social - 2013
  2. 2. REVOLUÇÃO INDUSTRIAL O contingente pré capitalista de trabalhadores já era em sua maioria artesões e operários manufatureiros. A Grã-Bretanha avançou muito na manufatura e por conseqüência começou a identificar um novo sistema de produção mais ágil, econômico: a industrialização/ automatização Com a implantação de mudanças tecnológicas, sociais e econômicas A manufatura preparou o terreno para o capitalismo industrial. A escassez de mão de obra, o acumulo de capital, a positiva execução da manufatura deram origem à uma pesquisa internas de “como conseguir mais” resultando na Revolução industrial.
  3. 3. REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Mudanças geradas pela Revolução Industrial (1770) PONTO DE VISTA TECNOLOGICO: primeira mudança decisiva foi a aplicação de energia a vapor acionadas por energia humana: nas fabricas (rocas e teares) e transporte (trens e navios a vapor) PONTO DE VISTA ECONOMICO: A Industrialização gerou uma aumento na produtividade que se traduzia num diferencial de custos que podiam alterar o valor final d produto (concorrência). As maquinas eram caras por isso exigia investimento – estava se formando a elite capitalista. PONTO DE VISTA SOCIAL: As maquinas eram caras por isso exigia investimento – estava se formando a elite capitalista definindo socialmente que os detentores dos meios de produção (maquinas) eram a classe dominante.
  4. 4. REVOLUÇÃO INDUSTRIAL A função do homem agora não é mais produzir e sim: ALIMENTAR, VIGIAR, MANTER e REPARAR A MAQUINA QUE TOMOU O SEU LUGAR Homem se torna apêndice da maquina
  5. 5. REVOLUÇÃO INDUSTRIAL A Revolução Industrial teve/tem suas fases:
  6. 6. REVOLUÇÃO INDUSTRIAL NA AGRICULTURA A concorrência por trabalho era acirrada o que facilitava a diminuição do salário Nesse momento podemos destacar a não aceitação da classe trabalhadora ex. ludismo = revolta contra as maquinas. Na agricultura o capitalismo se instalou diante do assalariamento d campesinado. Alem de utilizar ferramentas de origem capitalista: fertilização artificial e implementos mecânicos. Os salários agrários eram mínimos e muitos desses camponeses iam para cidade em busca de emprego.
  7. 7. REVOLUÇÃO INDUSTRIAL A imigração foi outro ponto muito forte na Rev. Ind. Existiam imigrantes de todos os lugares. O capital vai se introduzindo em todos os ramos devido a sua superioridade tecnica: agrario, artesanato dominados pelos produtores autonomos.
  8. 8. REVOLUÇÃO INDUSTRIAL NA AGRICULTURA Adam Smith e David Ricardo e Karl Marx supunham o modelo britânico em 3 classes: Proprietario fundiario; arrendatario capitalismo; e trabalhador assalariado. Surgiram mais modelos na frança: que não leva a expulsao dos camponeses mas sua fixação a terra; e nos estados unidos que não utilizou nenhum dos modelos acima pois seu desenvolvimento foi mutuo tanto nas cidades quanto no campo, os indios foram desapropriados e as terras ao Oeste foram vendidas e transformadas em fazenda com o tempo este campesinado se tornou livre (isento de impostos) separando-o das cidades urbanas assalariadas.

×