• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Processo de trabalho 2 - feudalismo
 

Processo de trabalho 2 - feudalismo

on

  • 713 views

 

Statistics

Views

Total Views
713
Views on SlideShare
713
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
2
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Processo de trabalho 2 - feudalismo Processo de trabalho 2 - feudalismo Presentation Transcript

    • PROCESSO DE TRABALHO 2 A FORMAÇÃO DA CLASSE OPERÁRIA FEUDALISMO – CORPORAÇÕES - MANUFATURA Este conteúdo é baseado em meu entendimento pessoal da matéria relacionada ao curso de Serviço Social – By Dani Rubim – estudante de Serviço Social - 2013
    • DEFININDO A CLASSE OPERARIA CLASSE OPERARIA = conjunto de pessoas desprovidas de propriedades ou qualquer fonte de renda que não seja a venda da sua força de trabalho.( trabalhadores assalariados). Podemos considerar dois tipos de classes: PEQUENA BURGUESIA = trabalhador autônomo – produz em pequena escala CLASSE OPERARIA = trabalhador assalariado – trabalho em grandes empresas. O sistema dentro da maioria das empresas, hoje, é verticalizada (pirâmide) com subordinados e chefes,
    • FEUDALISMO O modo de produção feudal se baseava na servidão: trabalhador vivia em aldeias e tinham como posse os meios de produção (terra, gado...) mas eram obrigados a entregar aos senhores uma parte de sua produção. Todas as posições eram hierárquicas (clero, senhores feudais, suseranos, reis, vassalos, camponeses) Os servos não podiam abandonar os domínios a não ser que por consentimento dos seus senhores. Guerra, lutas eram comuns principalmente entre os senhores feudais (foi nessa época que houve as Cruzadas)
    • FEUDALISMO Os sobreviventes se tornavam errantes, salteadores. Existiam também artesões, ambulantes nas estradas (contingente humano ao redor da sociedade feudal) Esses “excluídos” povoaram as cidades que surgiram no sec. X na Europa junto com o comercio. Os burgos (cidades livres) foram se enriquecendo com o comercio e ganhando poder militar, alem disso os aristocratas pediam dinheiro a eles o que fazia-os dever favores a esses novos burgueses. Os camponeses fugiam do domínio e excessos dos feudos para as cidades As corporações de oficio já eram destaque nos burgos porem eram fechadas e não aceitavam os camponeses fugitivos.
    • CORPORAÇÕES DE OFICIO Em cada cidade, distrito os mestres, oficiais e aprendizes se organizavam em corporações de oficio com o cuidado para que as técnicas de produção não fossem alteradas Assegurando o “justo preço” de seus produtos. As corporações limitavam o numero de seus membros As corporações e seu sistema se tornaram um obstáculo para os outros produtores e o desenvolvimento da produção. Foi instituído no mundo medieval ligado a tradições e fidelidade, hierarquia social. O fim das corporações se deu pelo aumento do mercado local e de longa distancia alem da criação das manufaturas com seus novos sistemas que aceitavam a concorrência.
    • COMERCIO DE LONGA DISTANCIA Esse mundo foi abalado no sec. XV pela descoberta das vias marítimas da Europa à America e ao Extremo Oriente, que deu novo impulso ao comercio mundial. O que gerou expectativa para o crescimento do capital ( o que influenciou o fim das corporações) O intuito era expandir o seu suprimento de mercadoria para exportação, também porque o mercado interno esta expandindo.
    • COMERCIO LOCAL O mercado interno se expandia principalmente o mercado de panos/tecidos no sec. XVI fora dos limites urbanos. Camponeses eram contratados para serviços de fiação tecelagem e acabamento. Este sistema foi chamado de “putting out” (facção) O mercado fornecia ao camponês local matéria prima e o mercador era pago por este trabalho (em suas horas vagas pois ainda estamos na fase do feudalismo – em declínio) O mercador pegava o tecido já elaborado e vendia ficando com o lucro. Durante o inverno quando a atividade agrícola cessa , boa parte dos camponeses trabalhavam sob contrato para o capital comercial Porem esta não era uma condição capitalista pois os camponeses continuavam na condição de produtores autônomos.
    • FEUDALISMO Os excessos, egoísmos e exploração por parte dos senhores para com os servos gerou uma piora de vida para a população. Houve lutas contra os senhores e seus castelos que foram retalhadas com punições severas, mas em alguns locais da Europa houve a emancipação dos servos devido a essa pressão enquanto em outros esse sistema sobreviveu muito mais tempo Na Inglaterra os senhores reagiam a essa emancipação com o cercamento de terras “enclosoures” = expulsão em massa dos servos e transformação das plantações em pastos para animais. Esses camponeses excluídos se transformaram em parte importante do proletariado manufatureiro Os que ainda eram servos não conseguiam plantar o suficiente para sua subsistência e tinham que apelar para o sistema de facção.
    • MANUFATURA As manufaturas surgem por iniciativa dos antigos mestres das corporações que saíram das cidades e foram para os campos. A primeira forma histórica de produção capitalista foi a manufatura Produziam através de métodos artesanais (sem o uso de maquinas) As tarefas eram divididas entre centenas de pessoas sob a ordem de um empregador. Essa especificação em determinada “parte do todo” gerou o aumento da produção
    • FEUDALISMO Os burgos enquanto pequenos eram igualitários, conforme cresceram com o mercado se tornou visível a desigualdade. As lutas entre a burguesia manufatureira e os artesanatos corporativistas durou muito tempo e gerou varias alianças. Porem as corporações eram excluídas, por opção, da economia o que deu força as manufaturas. As condições de trabalho nas manufaturas não era convidativas mas não era uma opção era necessidade, embora alguns se recusavam a aderir e se tornaram assaltantes, mendigos...