O fosso digital de género: novas configurações e novos desafios
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

O fosso digital de género: novas configurações e novos desafios

on

  • 863 views

 

Statistics

Views

Total Views
863
Views on SlideShare
863
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
15
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

O fosso digital de género: novas configurações e novos desafios O fosso digital de género: novas configurações e novos desafios Presentation Transcript

  • Lisboa, 4 de Novembro de 2011Sessão 2: As TIC do ponto de vista do géneroO FOSSO DIGITAL DE GÉNERO: NOVASCONFIGURAÇÕES E NOVOS DESAFIOS José Azevedo, Faculdade Letras, Universidade Porto
  • Pontos prévios• Interesse globalizado de múltiplos actores sociais – governos, universidades, ONG’s– no sentido de estudar o fosso digital (i.e. de encontrar indicadores/índices adequados para o medir, avaliar as suas causas e consequências e acompanhar a sua evolução) e de estruturar intervenções concertadas para o reduzir ou evitar. Conferência Diversidade Digital, Lisboa, 4 2 de Novembro de 2011
  • Dificuldades iniciais• o fosso digital é multidimensional ”, o que dificulta a construção de um modelo de análise a sua medição e compreensão.” (OCDE)• ambiguidades nas análises (por ex. diferentes definições de TIC ou de acesso).• diferenças entre os estudos resultam de todo um conjunto de opções teórico-metodológicas diferenciadas (objectivos, dimensões de análise, indicadores, índices, métodos de amostragem e de recolha de dados diferentes Conferência Diversidade Digital, Lisboa, 4 3 de Novembro de 2011
  • Procedimentos - Amostra• O inquérito administrado a indivíduos que se encontravam em espaços da rede de Espaços Internet e em Centros de Emprego e Formação Profissional das áreas metropolitanas de Lisboa, Coimbra e Porto. 893 inquéritos, dos quais 452 são indivíduos do sexo masculino e 441 do sexo feminino, com idades compreendidas entre os 15 e os 87 anos. Conferência Diversidade Digital, Lisboa, 4 4 de Novembro de 2011
  • Procedimentos- Modelo de análise (dimensões do inquérito)• I – Acesso• II – Abrangência do envolvimento• III – Profundidade• IV – Impacto Social,• V – Apetite [para os não utilizadores]
  • ACESSO• A dimensão de análise do fosso digital mais comum• Num nível 1, a possibilidade que os indivíduos têm de poder aceder fisicamente a uma determinada TIC (em casa, no trabalho, na escola ou noutros locais),• Num nível 2, possibilidade de os indivíduos poderem, efectivamente, usar as TIC de forma eficiente Conferência Diversidade Digital, Lisboa, 4 6 de Novembro de 2011
  • Disponibilidade de acesso à internet em casa Conferência Diversidade Digital, Lisboa, 4 7 de Novembro de 2011
  • Evolução da taxa de utilização da internet segundo género Conferência Diversidade Digital, Lisboa, 4 8 de Novembro de 2011
  • Frase que melhor descreve o uso da internet Conferência Diversidade Digital, Lisboa, 4 9 de Novembro de 2011
  • Abrangência do envolvimento• a abrangência do envolvimento com as TIC diz respeito aos modos de a usar e consumir (comunicação, operações comerciais, visionamento de conteúdos, recurso a serviços públicos online, etc.).• Operacionalizada de duas formas: avaliação dos tipos de actividades específicas realizadas online; e agregação do número de actividades realizadas. Conferência Diversidade Digital, Lisboa, 4 10 de Novembro de 2011
  • Actividades realizadas on-line segundo género Conferência Diversidade Digital, Lisboa, 4 11 de Novembro de 2011
  • Quantidade de actividades realizadas na internet Conferência Diversidade Digital, Lisboa, 4 12 de Novembro de 2011
  • resultadosperfis genderizados de actividades na internet.O perfil mais masculinizado caracteriza-se por um leque mais alargado de actividades, com uma predominância relativa de actividades individualizadas de entretenimento e de consumo de informação.´O perfil mais feminizado é menos diverso e com predominância relativa de dimensões de trabalho e de conexão social. Conferência Diversidade Digital, Lisboa, 4 13 de Novembro de 2011
  • PROFUNDIDADE DO ENVOLVIMENTO• diz respeito aos modos de uso no que se refere às contribuições do usuário,• Conceito operacionalizado de três formas:• Criação de conteúdos• Compreensão das questões relativas à segurança e privacidade de navegação;• Compreensão dos conteúdos em termos de confiança e dimensão crítica.• Conferência Diversidade Digital, Lisboa, 4 14 de Novembro de 2011
  • Taxa de participação em actividades colaborativas por situação laboral Conferência Diversidade Digital, Lisboa, 4 15 de Novembro de 2011
  • Frequências de participação emactividades colaborativas online Conferência Diversidade Digital, Lisboa, 4 16 de Novembro de 2011
  • Preocupação com a origem da informação Conferência Diversidade Digital, Lisboa, 4 17 de Novembro de 2011
  • IMPACTO SOCIAL• impacto na intensidade do contacto com amigos e familiares, e na utilização de informação e serviços locais Conferência Diversidade Digital, Lisboa, 4 18 de Novembro de 2011
  • Grau de implicação da internetpara os relacionamentos sociais Conferência Diversidade Digital, Lisboa, 4 19 de Novembro de 2011
  • conclusões• a dimensão género continua a ser um factor importante na “qualidade” do envolvimento com a tecnologia.• os “significados de género” da Internet revelam-se particularmente no momento da “domesticação”(...)» onde as dimensões sociais, de identidade individual e simbólicas de género interagem com os usos diários desta tecnologia Conferência Diversidade Digital, Lisboa, 4 20 de Novembro de 2011
  • • questões da inter-relação entre género e tecnologia são particularmente reveladoras das nuances que se escondem na leitura dos índices de acesso e uso das TIC.• subtilezas essas que se conseguem captar nas dimensões mais micro das experiências de vida que envolvem as diferentes oportunidades, motivações, necessidades e estratégias. Conferência Diversidade Digital, Lisboa, 4 21 de Novembro de 2011
  • • que se capte a diversidade de vivências efectivamente existentes no acesso e usos das TIC, inerentes a estilos de vida, a motivações e a oportunidades diferentes• implica analisar as mulheres como um grupo heterogéneo Conferência Diversidade Digital, Lisboa, 4 22 de Novembro de 2011
  • Agradeço a atenção. PowerPoint disponível no site doProjecto Inclusão e Participação Digital http://digital_inclusion.up.pt jmpazevedo@gmail.com