Your SlideShare is downloading. ×
Unidade 5 -  Gestão de Operações
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Unidade 5 - Gestão de Operações

8,609

Published on

0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
8,609
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
238
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. GESTÃO DE OPERAÇÕES Professor: Daniel Moura Disciplina: Sistemas de Produção Curso: Graduação em Engenharia de Produção
  • 2. INTRODUÇÃO A gestão de operações preocupa-se com as atividades de projeto, planejamento e controle dos sistemas de manufatura, transporte, suprimento e serviço;
  • 3. Input Recursos a serem transformados Materiais informações Consumidores Estratégia de produção Objetivos estratégicos da produção Papel e posição competitiva da Produção`` Ambiente INPUT Instalações Pessoal Input Recursos de transformação Planejamento e controle MelhoriaProjeto OUTPUT Bens e Serviços Ambiente
  • 4. NATUREZA DO PLANEJAMENTO E CONTROLE OBJETIVO: garantir que os processos ocorram de acordo com padrões esperados de forma a suprir os clientes de produtos e serviços previstos , ou , garantir o suprimento de serviços e produtos de acordo com a demandae produtos de acordo com a demanda PLANEJAMENTO: plano elaborado envolvendo a previsão dos diferentes recursos de entrada, sua conversão ou transformação e os resultados esperados. CONTROLE: processo necessário no sentido de verificar eventuais alterações na realização dos planos.
  • 5. Independentemente de se tratar de um sistema de manufatura, transporte, suprimento, ou serviço, as áreas da gestão de operações de sistemas de produção podem ser categorizadas em três “principais”: a programação, o estoque eem três “principais”: a programação, o estoque e a capacidade.
  • 6. PROGRAMAÇÃO A programação origina-se na previsão de vendas, ou nelas próprias, dependendo de como trabalhe o sistema, com o objetivo de que se estabeleça a ordem de prioridades e a seqüência de operações.operações. De acordo Monks (1987), o propósito da previsão é usar a melhor informação disponível para dirigir atividades futuras em direção às metas da empresa. As boas previsões permitem aos gerentes planejar níveis adequados de recursos, como pessoas, matéria-prima, capital, estoque e inúmeras outras variáveis.
  • 7. Previsão econômica: este método diz respeito a estimativas de vendas pelos membros da equipe de marketing que estão em contato com as condições presentes e futuras no mercado; Previsão estatística: a partir de dados históricos, técnicas estatísticas são empregadas para projetartécnicas estatísticas são empregadas para projetar dados do passado no futuro.
  • 8. Como definições importantes da área de programação têm-se os prazos de entrega para os itens fabricados e comprados e a seqüência das operações a serem realizadas, através das seguintes etapas:seguintes etapas: Roteiro: seqüência do processo produtivo; Aprazamento: estabelecimento de datas de início e fim de cada atividade; Emissão de ordens: implementação do plano de produção, emitindo a documentação necessária para o início das operações (compra, fabricação e montagem) e liberando-as quando os recursos estiverem disponíveis (Tubino, 1997).
  • 9. PRINCIPAIS PROBLEMAS RELACIONADOS À ÁREA DE PROGRAMAÇÃO Ocorrência de filas; Perda de mercado; Estocagem de saídas.Estocagem de saídas.
  • 10. GESTÃO DE ESTOQUES O que é Estoque? É a acumulação armazenada de recursos materiais em um sistema de transformação; Todas operações mantêm estoque... Hotel;Hotel; Hospital; Cozinha industrial; Loja de varejo; Distribuidor de autopeças; Manufatura de linha branca; Fabricante de jóias.
  • 11. GESTÃO DE ESTOQUES A finalidade do estoque em qualquer sistema de produção é de “alimentar o fluxo produção- venda, de forma contínua e uniforme, evitando as interrupções” (Machline, 1990).
  • 12. Por que existe Estoque?
  • 13. TIPOS DE ESTOQUE Estoques de entrada (matérias-primas, insumos etc.): proteger de flutuações de suprimento a função de produção. As maneiras e facilidades com que isto poderá ser alcançado serão influenciadas pela estrutura do restante doinfluenciadas pela estrutura do restante do sistema;
  • 14. Estoques intermediários (materiais e produtos em processo): garantir as flutuações no âmbito do processo. Corresponde aos estoques de componentes de montagens de cada produto acabado. A origem deste tipo de estoque estáacabado. A origem deste tipo de estoque está relacionada com a existência de um período de permanência dos componentes no sistema, enquanto ocorre a sua montagem. Os esforços no sentido de reduzir este tipo de estoque deverão focalizar principalmente o tempo de produção (“lead time” de produção);
  • 15. Estoques de saída (produto acabado): garantir as flutuações relativamente ao produto acabado. Esses estoques facilitam a relação da empresa com o seu mercado porquanto mantém em nível adequado a disponibilidade de bens,adequado a disponibilidade de bens, proporcionando a indispensável obediência aos prazos estabelecidos para a entrega.
  • 16. “Vantagens” na formação de estoques Atender aos clientes com demandas variáveis (imediatas ou sazonais); Proteger contra erros de suprimento, faltas e estoque esgotado; Facilitar a produção de bens diferentes nasFacilitar a produção de bens diferentes nas mesmas instalações; Fornecer um meio de obter e manusear materiais em lotes econômicos e ganhar descontos por quantidades; Fornecer um meio de proteção contra as incertezas de entregas e preços futuros, tais como greves, aumento de preço e inflação.
  • 17. PRINCIPAIS PROBLEMAS RELACIONADOS À ÁREA DE ESTOQUES Custos; Programação; Controle.
  • 18. CAPACIDADE DE UMA OPERAÇÃO Nível máximo e potencial de uma operação (quantidade de trabalho) na unidade de tempo; Estabelecida para um período de tempo futuro; Objetivo: manter a produção balanceada (equilibrada) Combinação de recursos Demanda Capacidade disponível da organização
  • 19. Medidas de capacidade: insumos ou produtividade
  • 20. Medidas de Capacidade Usando medidas de produção Instituição Medida de capacidade Siderúrgica Toneladas de aço/mês Refinaria de petróleo Litros de gasolina/diaRefinaria de petróleo Litros de gasolina/dia Montadora de automóveis Número de carros/mês Companhia de papel Toneladas de papel/semana Companhia de eletricidade Megawatts/hora Fazenda Toneladas de grãos/ano
  • 21. Medidas de Capacidade Usando medidas de insumos Companhia aérea Número de assentos/vôo Restaurante Números de refeições/dia Teatro (ou cinema) Número de assentosTeatro (ou cinema) Número de assentos Hotel Número de quartos (hóspedes) Hospital Número de leitos Escola Números de vagas
  • 22. DECISÕES SOBRE CAPACIDADE Avaliação da capacidade existente Previsões de futuras necessidades de capacidade Formas de alteração da capacidadeFormas de alteração da capacidade Formas de alteração da demanda Capacidade x desempenho Como incrementar capacidade Como obter capacidade adicional
  • 23. UTILIZAÇÃO DA CAPACIDADE Exemplo: Capacidade de projeto = 24 h/dia x 7 dias /sem. = 168 h / sem. Perdas de tempo = planejadas e não planejadas No exemplo = 59 h/sem + 58 h/sem. = 117 h/sem.No exemplo = 59 h/sem + 58 h/sem. = 117 h/sem. Capacidade efetiva = 168 – 59 = 109 h/sem. Capacidade real = 168 – 117 = 51 h/sem. Utilização = 51 / 168 = 0,304 ou 30,4% da capacidade de projeto. Eficiência = 51 / 109 = 0, 468 ou 46,8 % da capacidade efetiva ou possível de ser usada
  • 24. CAPACIDADE E PROGRAMAÇÃO Uma capacidade em excesso, inevitavelmente origina baixa produtividade dos recursos, enquanto uma capacidade inadequada compromete a qualidade do produto e do prazo.produto e do prazo. Como a capacidade do sistema é um reflexo da natureza e quantidade de recursos disponíveis no sistema, ajustes em curto prazo são geralmente difíceis.
  • 25. Relação Capacidade x Programação Acomodação de longo prazo
  • 26. CAPACIDADE E ESTOQUES Decisões com respeito à capacidade do sistema irão afetar a gestão de estoques, tanto através de sua influência na escolha ou na conveniência do uso de estoques, como também na maneira da forma de utilidadetambém na maneira da forma de utilidade desses estoques.
  • 27. A relação da capacidade com os estoques se opera numa perspectiva de curto prazo, na medida em que estes buscam regular eventuais desbalanceamentos. Importa observar que as acomodações (programação e estoque) se dão de maneira a buscar a menor conseqüência possível para a estrutura.
  • 28. RECURSOS VARIÁVEIS DE AJUSTE PARA A CAPACIDADE Tempo de uso das instalações: horários de trabalho Horas extras e tempo ocioso Tamanho da força de trabalho ou quantidade de m.O. Contratação e demissão de pessoal Horas extras e tempo parcialHoras extras e tempo parcial Trabalho de M.O. temporária Obs: restrições legais; sindicais; éticas; fadiga; aprendizagem Estoques quando possível Subcontratação à outras empresas Obs: disponibilidade no mercado; conflitos mercadológicos; conflitos técnicos e de qualidade.
  • 29. POLÍTICA DE ALTERAÇÃO OU COMPENSAÇÃO DA DEMANDA Trata-se de encontrar alternativas que variem a demanda ou que utilizem os recursos de capacidade de forma a minimizar os custos operacionais no período de planejamento agregado. Promoção de preços diferenciadosPromoção de preços diferenciados Propaganda dirigida Promoção na baixa da sazonalidade Produtos complementares sazonais Sorvetes x chocolates Panetone x colomba Ofertas de outros atrativos

×