Aula 4.1   biomecânica ocupacional
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share

Aula 4.1 biomecânica ocupacional

  • 14,728 views
Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
  • Muito bom! Me ajudou demais...
    Are you sure you want to
    Your message goes here
No Downloads

Views

Total Views
14,728
On Slideshare
14,728
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
357
Comments
1
Likes
3

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide
  • Ergonomia
  • Ergonomia

Transcript

  • 1. Biomecânica Ocupacional Professor: Daniel Moura Disciplina: Ergonomia Curso: Graduação em Engenharia de Produção
  • 2. Biomecânica ocupacional
    • Estuda as interações entre o trabalho e o homem, do ponto de vista músculo-esquelético, e suas consequências;
    • Analisa basicamente:
      • Posturas no trabalho;
      • Aplicação de forças.
    ERGONOMIA
  • 3. Importância
    • Redução do esforço físico necessário;
    • Diminuição da fadiga excessiva.
  • 4. Tipos de trabalho
    • Trabalho estático: é aquele que exige contração contínua de alguns músculos, para manter uma determinada posição. Ex.: Trabalho em pé;
      • estado de contração prolongado;
      • manutenção de postura.
    • Trabalho dinâmico: é aquele que permite contrações e relaxamentos alternados dos músculos. Ex.: Martelar, caminhar, serrar.
      • alternância entre contração e relaxamento.
  • 5. Dores musculares
    • contração >15% da capacidade máxima:
      • trabalho e repouso;
      • persistência:
        • ↓ força normal;
      • metabólitos;
      • manuseio de cargas;
      • alongamentos excessivos e inflamação do músculo, tendões e articulações;
        • força;
        • posturas;
        • repetições de movimentos;
    Ergonomia Quanto maior a força exercida ou maior a tensão do músculo, mais rapidamente ocorre a fadiga.
  • 6. Traumas musculares
    • esforços repetitivos: ↑ afastamentos;
    Ergonomia
  • 7. Fadiga
    • redução reversível da capacidade do organismo;
    • degradação qualitativa do trabalho:
      • intensidade e duração do trabalho;
      • monotonia;
      • falta de motivação;
      • fatores ambientais e organizacionais;
    Ergonomia
  • 8. Conseqüências ERGONOMIA
    • fatores fisiológicos:
      • ↓ força;
      • ↓ velocidade;
      • ↓ precisão dos movimentos;
      • ↑ dos erros;
      • ↓ do tempo de resposta;
    • fatores psicológicos:
      • disperso;
      • cansaço geral;
      • ↑ irritabilidade;
      • desinteresse;
      • sensibilidade a certos estímulos;
    Ergonomia
  • 9.
    • Sugestões de medidas preventivas contra o trabalho estático:
      • Alternância de postura;
      • Melhoramento da posição de peças e ferramentas;
      • Apoios para as partes do corpo que estão sujeitas ao trabalho estático;
      • Pausas durante a jornada de trabalho.
  • 10. Biomecânica ocupacional
    • postura ideal:
      • envolve a ↓ quantidade de esforço e sobrecarga;
      • uso do corpo com ↑ eficiência;
      • cada atividade  postura ideal;
    • posturas básicas do corpo:
      • posição deitada;
      • posição sentada;
      • posição de pé;
    Ergonomia
  • 11.
    • Projetos inadequados de postos de trabalho
    Quadro 1 - Localização das dores no corpo, provocadas pelas posturas inadequadas. Fonte: Adaptado de IIDA, 1993, p.85 POSTURA RISCO DE DORES Em pé Pés e pernas (varizes) Sentado sem encosto Músculos extensores do tronco Assento muito alto Parte inferior das pernas, joelho e pés Assento muito baixo Dorso e pescoço Braços esticados Ombros e braços Pegas inadequadas em ferramentas Antebraços
  • 12.
    • Do ponto de vista ortopédico e fisiológico, é altamente recomendável um local de trabalho que alterne o trabalho sentado com uma postura de pé, já que os grupos de músculos utilizados nessas posturas não são os mesmos.
  • 13.
    • Características dos movimentos:
      • Precisão: realizados com as pontas dos dedos;
      • Ritmo: movimento suaves, curvos e rítmicos;
      • Movimentos Retos: difíceis e imprecisos;
      • Terminações: posicionamentos precisos, com acompanhamento visual, são difíceis e demorados. Devem ser terminados com um posicionamento mecânico, como um botão.
  • 14. Aplicação de Forças
    • As forças humanas são resultantes de contrações musculares;
    • adaptadas às capacidades do operador nas condições operacionais;
      • medida na posição exata de instalação;
      • postura corporal do trabalhador;
      • tipo de deslocamento efetuado;
      • resistência da alavanca;
      • trabalhadores experientes  ↓ gasto energético;
            • ex.: implantação de uma alavanca;
    Ergonomia
  • 15. Aplicação de forças
    • Fatores que influenciam:
      • força para empurrar e puxar
      • alcance vertical
      • alcance horizontal
        • braços: pouca resistência em manter cargas estáticas;
        • tempo não deve ser > 1 a 2 min;
    Ergonomia postura antropometria sexo atrito peso altura tempo peso altura tempo
  • 16. Levantamento de carga
    • Classificação:
      • levantamento esporádico de cargas:
        • capacidade muscular do trabalhador;
      • levantamento repetitivo:
        • duração do trabalho;
        • capacidade energética e física do trabalhador;
      • partes do corpo mais comprometidas:
        • coluna e joelhos;
    Ergonomia Força para movimentos não repetitivos (Kgf) MULHERES HOMENS 95% 50% 5% 95% 50% 5% Força das pernas 15 39 78 39 95 150 Força dos braços 7 20 36 20 38 60 Força do dorso 10 24 58 21 50 105 As mulheres possuem aproximadamente metade da força dos homens
  • 17. Ergonomia
  • 18. Recomendações para transporte e manuseio de cargas. Fonte: IIDA, 1993
  • 19. Toda a carga sobre a coluna vertebral deve ser colocada na direção do seu eixo (vertical), para se evitar componentes de forças perpendiculares ao mesmo. Fonte: IIDA, 1993
  • 20. Pausas no trabalho
    • manutenção da qualidade da produção;
    • tipos de pausa:
      • voluntárias;
      • mascaradas;
      • necessárias ao trabalho;
      • obrigatórias ao trabalho;
    Ergonomia A introdução de pausas curtas, preestabelecidas, ↓ pausas mascaradas e voluntárias
  • 21. Pausas
    • Rendimento;
      • introdução de pausa  ↑ intensidade;
      • adia o surgimento da fadiga e a ↓ produtividade;
    • Trabalho pesado:
      • pausas obrigatórias...
      • cuidado com pausas voluntárias!
    • Trabalho de carga média:
      • uma em cada um dos turnos;
    Ergonomia Alimentação Contato social Prevenção de fadiga
  • 22. Pausas
    • Trabalhos ritmados:
      • 3 a 5 min/h:
        • ↓ fadiga;
        • ↑ potencial de atenção;
    • Aprendizado:
      • pausas freqüentes;
      • dosadas conforme dificuldade;
    Ergonomia
  • 23. Métodos de avaliação
    • Spreadsheets/softwares:
      • RULA ( Rapid Upper Limb Assessment ): método de análise para avaliar a exposição de indivíduos a posturas, forças e atividades musculares que podem contribuir para o surgimento de desconfortos físicos;
      • REBA ( Rapid Entire Body Assessment ): método de avaliação de posturas;
    ERGONOMIA
  • 24.
      • OWAS: tem o objetivo de analisar posturas de trabalho;
      • Equação de NIOSH: permite calcular os limites para o levantamento de cargas.
      • Condições para aplicação Elevação feita com suavidade, isto é, sem movimentos bruscos
      • Condições térmicas e visuais favoráveis
      • Boas condições mecânicas - piso plano e sem obstruções oferecendo boa aderência ao calçado
  • 25.
    • Não deve-se aplicar NIOSH:
    • em tarefas de elevação de objetos com uma só mão, na posição de sentado ou agachado, ou ainda elevações em espaços confinados que obriguem a posturas desfavoráveis
    • não contempla a elevação de pessoas, de objetos muito quentes ou frios, sujos ou contaminados
    • Não inclui circunstâncias imprevistas
    • Se o ambiente físico for desfavorável (temperatura ou umidade relativa inferiores aos intervalos 19º a 26ºC ou 35% a 50% )
    • Não estão incluídas tarefas que impliquem elevações rápidas de objetos (>15 elev./min)