Entrando na cabana

  • 355 views
Uploaded on

 

More in: Spiritual
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
355
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
6
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. MINHA VIDA E A CABANA Reflexões a partir de anseios do coração humano presentes no livro "A Cabana" inesperado. IGREJA PRESBITERIANA DE BARÃO GERALDO Insuportável.Nos domingos de novembro e dezembro, 19 horas Indescritível.
  • 2. 
  • 3. 
  • 4. MINHA VIDAE A CABANA O que conversamos...
  • 5. MINHA VIDA E A CABANA entrando na cabana um cenário incomum "Na varanda, parou de novo. Vozes vinham muito claramente de dentro. Mack rejeitouo impulso súbito de sair correndo, como se fosse algum garoto que tivesse jogado a bola nojardim de um vizinho. "Quem estaria lá dentro?" Fechou os olhos e balançou a cabeça paraver se conseguia apagar a alucinação e restaurar a realidade. Mas quando os abriu, tudocontinuava ali. Estendeu a mão, hesitando, e tocou o corrimão de madeira. Certamenteparecia real. Agora enfrentava outro dilema. O que você faz quando chega à porta de uma casa (...)onde Deus pode estar? Deve bater? Certamente Deus devia saber que Mack estava ali. Talvezsimplesmente devesse entrar e se apresentar, mas isso parecia igualmente absurdo. E comose dirigir a Deus? Deveria chamá-lo de Pai, de Todo-Poderoso ou talvez de Senhor Deus?Seria melhor ajoelhar-se e cair em adoração?
  • 6. MINHA VIDA E A CABANA entrando na cabana um cenário incomum Enquanto tentava estabelecer algum equilíbrio interno, a raiva voltou a emergir.Energizado pela ira, Mack foi até a porta. Decidiu bater com força para ver o que acontecia,mas, no momento em que levantou o punho, a porta se escancarou e diante dele apareceuuma negra enorme e sorridente. Mack pulou para trás por instinto, mas foi lento demais. Com uma velocidadesurpreendente para o seu tamanho, a mulher atravessou a distância entre os dois e oengolfou nos braços, levantando-o do chão e girando-o como se ele fosse uma criançapequena. E o tempo todo gritava seu nome, Mackenzie Allen Phillips, com o ardor dealguém que reencontrasse um parente amado há muito perdido. Por fim colocou-o de voltano chão e, com as mãos nos ombros dele, empurrou-o para trás, como se quisesse vê-lo bem. - Mack, olha só para você! - ela praticamente explodiu - Aí está, e tão crescido! Eu estavaansiosa para vê-lo cara a cara. É tão maravilhoso tê-lo aqui conosco! Minha nossa, como euamo você! - E, ao dizer isso, o abraçou de novo. Mack ficou sem fala. (...)
  • 7. MINHA VIDA E A CABANA entrando na cabana um cenário incomum O cheiro que jorrava e a lembrança que vinha junto o fizeram cambalear. Podia sentiro calor das lágrimas em seus olhos, como se estivessem batendo à porta de seu coração.A mulher percebeu. - Tudo bem, querido, pode deixar que elas saiam... Sei que você foi magoado e que estácom raiva e confuso. Então vá em frente e ponha para fora. É bom para a alma deixar que asaguas rolem de vez em quando, as águas que curam. (...) Mack não sabia direito o que fazer ou dizer. Quem era ela? Enraizado no mesmo lugar,lenta e mecanicamente tirou o casaco. A negra enorme pegou o casaco e ele lhe entregou aarma, que ela segurou com a ponta dos dois dedos, como se aquilo tivesse contaminado. Nomomento em que ela se virou para entrar no chalé, uma mulher pequena, claramente asiática,emergiu de trás da negra. (...)
  • 8. MINHA VIDA E A CABANA entrando na cabana um cenário incomum Sem mexer, olhou para baixo e viu que a mulher estava usando um frágil frasco decristal e um pequeno pincel, como os que vira Nan e Kate usar para maquiagem, e quegentilmente removia algo de seu rosto. Antes que ele pudesse perguntar, ela sorriu e sussurrou: - Mackenzie, todos temos coisas que valorizamos a ponto de colecionar, não é? -A pequena lata relampejou na mente dele. - Eu coleciono lágrimas. (...) Ela parecia quase tremeluzir na luz e seu cabelo voava em todas as direções, apesar denão haver nenhuma brisa. Era quase mais fácil vê-la com o canto do olho do que fixando-adiretamente.
  • 9. MINHA VIDA E A CABANA entrando na cabana um cenário incomum Então olhou para além dela e notou que uma terceira pessoa havia saído do chalé. Destavez era um homem. Parecia do Oriente Médio e se vestia como um operário, com cinto deferramentas e luvas. Estava de pé, tranquilamente encostado no portal e com os braçoscruzados, usando jeans cobertos de serragem e uma camisa xadrez com mangas enroladasacima dos cotovelos, revelando antebraços musculosos. Suas feições eram bastanteagradáveis, mas ele não era particularmente bonito - não se destacaria numa multidão. Masseus olhos e o sorriso iluminavam o rosto e Mack achou difícil desviar o olhar. Mack recuou de novo, sentindo-se um tanto esmagado. - Há mais de vocês? - perguntou meio rouco. Os três se entreolharam e riram. Mack não conseguiu evitar um sorriso. - Não, Mackenzie - riu a negra. - Somos tudo que você tem e, acredite, é mais do que obastante.
  • 10. MINHA VIDAE A CABANA entrando na cabana Olhando para o livro de zacarias
  • 11. MINHA VIDAE A CABANA entrando na cabana Olhando para o livro de zacarias í
  • 12. MINHA VIDA E A CABANA entrando na cabana Olhando para o livro de zacariastrês olhares
  • 13. MINHA VIDA E A CABANA entrando na cabana Olhando para o livro de zacariastrês olhares
  • 14. MINHA VIDA E A CABANA entrando na cabana Olhando para o livro de zacariastrês olhares
  • 15. MINHA VIDAE A CABANA