A Familia Paula Pessoa

11,887 views
11,554 views

Published on

Familia com Origem na Cidade de Granja, Ceará.

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
11,887
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
44
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

A Familia Paula Pessoa

  1. 1. 1 Daniel Caetano de Figueiredo AFamilia PaulaPessoa(Esboço de Genealogia - 1726-2010) ISBN: 85-87906-16-X Sobral - Ceará 01 Fevereiro de 2010
  2. 2. 2  a Ernesto Saboia de Figueiredo(i.m.) , Maria Figueiredo Mendes (Ia)(i.m) , Antonina Figueiredo Frota (Nena)(i.m) e José Albuquerque de Figueiredo (Zéquinha)(i.m), meus tios; DEDICO ESSE LIVRO  a Antônio de Paula Pessoa de Figueiredo(i.m) e Antônia Ernestina Saboia de Figueiredo (Totonha)(i.m), meus avós paternos; a Deus , o Supremo Arquiteto do Universo, que  a Fernando Antônio Figueiredo Mendes e Franciscoguiou-me as mãos na elaboração deste singelo José Passos Mota, companheiros de mocidade e detrabalho ; vida militar ; ao Dr. Manoel Souza de Sabóia, companheiro e amigo de peraltices infantis desde a meu querido, inesquecível e insubstituível pai, 1965; a Antonio Augusto Seabra Batista e LuizCaetano Saboia de Albuquerque Figueiredo , que Augusto Lima Vieira da Rocha;ensinou - me o amor às Letras e aos Números , àVerdade e à Justiça ;  ao Maestro José Wilson Brasil(i.m.); à Ana Frieda e Caetano Neto , meus filhos  a Antônio Colaço Martins, Magnífico Reitor daqueridos: motivo maior da alegria de minha vida ; Universidade Estadual Vale do Acarau; à Maria Veralucia, minha esposa;  ao Governador Cid Ferreira Gomes, ex-Prefeito de Sobral por dois mandatos e atual Governador do à minha mãe Maria Luiza e às minhas irmãs Sara e Estado do Ceará;Nazira;
  3. 3. 3 ao Deputado Estadual e ex-Reitor da U.V.A. José Jaguaribe(Camocim, 1962), quase vizinho à nossaTeodoro Soares e Maria Norma Maia Soares; casa ; Gerardo "Bujaleco", fal. em Camocim mais ou menos na mesma época do anterior; Caetano Saboia a Evaristo Linhares Lima e Maria Nilsa Brígido de Figueiredo, meu querido e amado pai, falecido emLinhares; janeiro de 1968; Eloá Paula Pessoa, fal. em Fortaleza, 1968 ou 1969; Jairo Santana, meu companheiro de Ainda para Professora Laís Paula Pessoa, Denise Colégio Militar, fal. em 1969, Cel. José AurélioPessoa(Denise Tostes), Ana Maria Pessoa dos Santos, Saraiva Câmara, meu estimado e amigo Professor deSimone dos Santos Pereira, Médico José Rodrigues Matemática no Colégio Militar; Maria FigueiredoPessoa dos Santos (Dr. Pessoa), Francisco José dos Mendes, querida e amada tia Ia ; Cel. ManoelSantos Pereira(Franzé), José Ivo Parente Viana, Felizardo de Paula Pessoa Mendes, meu estimado tioManoel Segismundo Pessoa dos Santos Parente e ex- professor no Colégio Militar ; General HaroldoViana, Joaquina Maria Frota Mont’Alverne Erichsen da Fonseca, meu ex- comandante no(Quinquina), Ana Maria Pires Selvati, Francisca Colégio Militar de Fortaleza(C.M.F); MinistroCarolina de Paula Pessoa, Zenaide Pessoa dos Santos, Henrique Saboia, fal. em 2005; Deocleciano SaboiaDomingos Marques Pereira, Oneide Lopes de Paula de Albuquerque, pai do anterior ; Rosinha Saboia,Pessoa, Dr. Cláudio Aguiar, Celeste Paula Pessoa, esposa do anterior; meus insquecíveis companheirosFrancisco Marinho Vasconcelos Filho e Gabriela de Marinha de Guerra (1972-1974): Paulo SérgioPessoa(Gabí) pelas preciosas informações que estes Espinosa da Silva (Bonitinho), José de Freitas Rocha,me cederam acerca da Família Paula Pessoa. Torezzani Figueiredo, Eraldo Simião da Silva àqueles a quem conhecí, uns com intimidade, outros (Gadão), Nilter Uchoa Vasconcelos, Niltonnão, e cujos os olhos já se fecharam para sempre. Sebastião Mello de Figueiredo (Peninha), ElanoEspero que descansem na Paz do Senhor; Correia Mota(Colosso de Rodes), José Fernandes Del Angelo(03), Marcelo(Bolinha); Almirante Paulo de Aos que se foram antes de mim: desde o primeiro Bonoso Duarte Pinto, Diretor da Escola Naval emmorto que eu vi, quando tinha 7 anos de idade, um 1974, que muito me transmitiu de experiência esenhor que morava na Rua Senador ajudou-me nos difíceis anos de 1974/1976;
  4. 4. 4Vicente Saboia de Albuquerque Martônio Barreto Lima; Ildefonso Cavalcante;Filho(Vicentinho)(1910-1976);Vicente Saboia de Compositor Laerte Melo( companheiro de infância);Albuquerque Netto(Tinho)(*1939; +2000); Médico Régis Ferreira Gomes (Régis Khan); MonsenhorMassillon Saboia de Albuquerque; José Carlos Sabino Loiola; Padre José Mendes Lira; WilsonCoelho Saboia(1955-1988); Maria Lúcia Coelho Oliveira; Médico Cláudio Pessoa( ClaudinhoSaboia; Júlio de Araújo Jorge; Hugo Alfredo; Rodrigues); Felizardo Mendes Parente (Gatão); DonaVileimar Carneiro; Prof. Francisco Maximino Ritinha, esposa do anterior; Dr. Hugo MendesBarreto(Mister Barreto): Dr. Carlos Rolim; Profa. Parente(que foi meu dentista e era muito amigo deMiriam Maia Göerch; Motorista Ariosto da UVA; meu pai); Renato Borges; José Renato Borges (ZéProf. Arry Rocha de Oliveira; Juiz José Olavo Renato); Francisco Borges (Chiquito); Maria deRodrigues Frota ; Sílvio Geraldo Figueiredo Frota; Lourdes Souza Saboia(Dona Lourdes); MiguelHeloisa Saboya de Albuquerque; Maria Saboya de Deroci Carneiro (meu ex-sogro); Cláudio Marinho deAlbuquerque(Maricota); Médico Pneumologista Andrade; Aprígio(morador da fazenda AiuáCarlinhos Thomé de Saboya; José Silvestre Saboia de (Município de Massapê), na época propriedade deAlbuquerque (Zé da Boina); Dr. Zequinha Silvestre; meu pai); Engenheiro Marcos Gurgel; Calú Arruda;Frieda Saboia de Albuquerque; José Figueira Saboia Expedito Quinto(pai do Dr. Zé Arteiro); Wagner dede Albuquerque (Figueirinha); Prefeito Jerônimo Sá Ponte; José Borges de Almeida Monte(ZéMonte)Medeiros Prado; Prefeito José Euclides Ferreira ...e muitos outros que já nos deixaram.Gomes Junior; Prefeito José Parente Prado; Prefeito ....................................Joaquim Barreto Lima; Louro do Othelino; Moço;Enfermeiro Inácio( que atendeu a meu pai em seusderradeiros momentos de vida); Dr. Zé Alverne (queme retirou do útero de minha mãe); Dr. EwertonMontAlverne; Pudenciana Saboia(Nazinha);Evangelina Saboia; Dr. Plínio Pompeu de SaboyaMagalhães; Dona Mariiinha; José Saboia Neto(meupadrinho); Gilberto Saboia Pompeu; Ilton Girão; José
  5. 5. 5 foi mulher de Urias. 7 E Salomão gerou a Roboão; e Roboão gerou a Abias; e Abias Gerou a Asa; 8 E Asa gerou a Josafá; e Josafá gerou a Jorão; e Jorão gerou a Uzias; O Evangelho segundo Mateus 9 E Uzias gerou a Jotão; e Jotão gerou a Acaz; e Acaz gerou a Genealogia de Jesus Cristo Ezequias; 1 LIVRO da geração de Jesus 10 E Ezequias gerou a Manassés; Cristo, filho de Davi, filho de e Manassés gerou a Amom; e Abraão. Amom gerou a Josias; 2 Abraão gerou a Isaque; e 11 E Josias gerou a Jeconias e aIsaque gerou a Jacó; e Jacó gerou a seus irmãos na deportação para Judá e seus irmãos; Babilônia. 3 E Judá gerou, de Tamar, a 12 E, depois da deportação para Perez e a Zerá; e Perez gerou a a Babilônia, Jeconias gerou a Sala- Esrom; e Esrom gerou a Arão; tiel; e Salatiel gerou a Zorobabel; 4 E Arão gerou a Aminadabe; e 13 E Zorobabel gerou a Abiúde; Aminadabe gerou a Naasssom; e e Abiúde gerou a Eliaquim; e Naassom gerou a Salmon; Eliaquim gerou a Azor; 5 E Salmom gerou, de Raabe, a 14 e Azor gerou a Sadoque; e Boaz; e Boaz gerou de Rute a Sadoque gerou a Aquim; e Aquim Obede; e Obede gerou a Jessé; Gerou a Eliúde; 6 E Jessé gerou ao rei Davi, e o 15 E Eliúde gerou a Eleázar; e rei Davi gerou a Salomão da que Eleázar gerou a Matã; e Matã
  6. 6. 6 gerou a Jacó; a sua memória fica entregue ao 16 E Jacó gerou a José, marido esquecimento.de Maria, da qual nasceu JESUS, 6 Também o seu amor, o seu que se chama Cristo. ódio, e a sua inveja já pereceram, 17 De sorte que todas as gera- e já não têm parte alguma parações , desde Abraão até Davi, são sempre, em coisa alguma do que secatorze gerações; e desde Davi até faz debaixo do sol. a deportação para a Babilônia, ......catorze gerações; e desde a depor- ........................................ tação para a Babilônia até Cristo, Capítulo 12 - Eclesiastes catorze gerações; ....... ............... 7 E o pó volte à terra, como o era, e o espírito volte a Deus, que Provérbios o deu.8 Vaidade de vaidades, diz o pregador, tudo é vaidade.24. Melhor é morar só num canto ....... de telhado do que com a mulher 13 De tudo o que se tem ouvido, briguenta numa casa ampla. o fim é: Teme a Deus e guarda os seus mandamentos; porque isto é o ..................... dever de todo o homem 14 Porque Deus há de trazer a Capítulo 9 - Eclesiastes juízo toda a obra, e até tudo o que ...... está encoberto, quer seja bom,5 Porque os vivos sabem que hão quer seja mau. de morrer, mas os mortos não ....... sabem coisa alguma, nem tam-pouco terão eles recompensa, mas
  7. 7. 7  AS PRIMEIRAS VILAS DO CEARÁ  NOMES ANTIGOS DE ALGUMAS CIDADES DO CEARÁ1.a Aquirás - 25 de janeiro de 1700.2.a Fortaleza- 13 de abril de 1726. Acaraú – Porto dos Barcos do Acaraú, Barra do3.a Icó - 04 de maio de 1738. Acaraú, Oficinas, Acaracu.4.a Aracati - 10 de fevereiro de 1748. Alcântaras - Sítio São José, São José dos Alcântaras.5.a Monte Novo - 14 de abril de 1764. Barbalha- Salamanca, Cetama.6.a Crato - 29 de junho de 1764. Bela Cruz- Alto da Genuveva, Santa Cruz.7.a Sobral - 05 de Julho de 1773. Brejo- Brejo de Anapurus.8.a Granja - 27 de junho de 1776. Capistrano - Riachão, Capistrano de Abreu.9.a Quixeramobim - 13 de junho de 1789. Carnaubal – Carnaubal dos Estorgios.*Dados da História da Província do Ceará.(Conforme Chaval- Ibuaçu.Ismar de Melo Torres, in GENEAGRAFIA E Cariré- Lagoa do Mato.HISTÓRICO DE CRATEÚS.) Coreaú- Várzea Grande, Palma. Crateús- Piranhas, Príncipe Imperial. Crato- Missão do Miranda, Aldeia do Brejo, Vila Real do Crato. Granja- Macaboqueira. Ibiapina- São Pedro de Ibiapina. Iguatú - Telha.
  8. 8. 8Ipu- Vila Nova do Ipu Grande. Santana do Acarau- Olho d’Água, Curral Velho,Irauçuba- Cacimba do Meio. Licânia, Santana.Itapagé- Riacho do Fogo, São Francisco de Santa Quitéria- fazenda Cascavel.Uruburetama. São Benedito- São Benedito da Ibiapaba.Itapipoca- Imperatriz. São Gonçalo do Amarante- Anacetaba.Jaguaretama – Riacho do Sangue, Frade. Sobral- Caiçara, Vila Distinta e Real de Sobral,Lavras de Mangabeira- Mangabeira, Lavras,São Fidelíssima Cidade Januária do Acaraú.Vicente Ferrer, São Gonçalo das Lavras. Tauá - São José do Príncipe, São João do PríncipeLimoeiro do Norte - Limoeiro. dos InhamunsMarco- Marco, São Manoel de Marco. Tianguá- Chapadinha, Barrocão.Martinópole- Córrego da Angica. Ubajara- Jacaré.Massapê- Massapê, Serra Verde. Uruburetama- Sítio Arraial, Vila de São João deMilagres- Povoação Nossa Sra. dos Milagres, Vila Uruburetama, Arraial.dos Milagres. Viçosa- Vila Viçosa Real,Ibiapaba, Viçosa do Ceará.Mombaça- Maria Pereira.Moraújo - Pedrinhas. *Conforme o Pe. e Historiador João Mendes Lira,Morrinhos- Alto das Flores, Morrinho Alto das em SUBSÍDIOS PARA A HISTÓRIA ECLESIÁSTICAFlores. E POLÍTICA DO CEARÁ, 1984, Rio de Janeiro.Nova Russas- Curtume.Palmácia- Arraial das Palmeiras, Palmácea. Acrescentamos, ainda:Paracuru - Alto Alegre do Parazinho.Pentecostes- Barra da Conceição. Jucás - Vila de São Mateus.Reriutaba- Santa Cruz, Santa Cruz do Norte. Boa Viagem - Povoação de Cavalo Morto.Russas - Russas, São Bernardo do Governador, São Independência - Pelo Sinal.Bernardo de Russas. Groaíras - Riacho dos Guimarães.Saboeiro- Santa Cruz, Caracará(Carcará). Barroquinha - Paço Imperial. Paracurú - Vila de Alto Alegre.
  9. 9. 9Apuiarés - Jacú. Rua Conselheiro Rodrigues Júnior - Rua daCaucaia - Soure. Gangorra.Meruoca - Beruoca. Rua Cel. José Saboia - Rua Velha do Rosário.Massapê - Vila Verdade. Praça Samuel Gomes da Ponte - Praça João Pessoa.*A maioria destas últimas informações foram Rua Cel Joaquim Ribeiro - Rua do Cisco, Rua datransmitidas ao Autor pelo Prof. Universitário Palma.Almino Rocha Filho. R. Conselheiro José Júlio - Rua Augusta, Rua Jacinto  NOMES ATUAIS DE ANTIGAS RUAS E Tercio Gondim. PRAÇAS DE SOBRAL Rua das Dores - Rua do Rio. Rua do Menino Deus - Rua Grande, Rua da Penha,Rua Domingos Olímpio - R. Marquês de Herval, Rua Rua do Negócio.da Aurora, R. Desembargador Moreira da Rocha. Praça da Várzea - Rua Campina da Jurema.Rua Cel. Ernesto Deocleciano - Rua Nova do Praça Duque de Caxias - Praça Imperial, conhecidaRosário, Rua do Campelo. comoPraça do Siebra, Praça do Bosque.Av. Dr. Guarany - Rua da Cruz das Almas, Praça Professor Arruda - Praça da Boa Vista,Boulevard Dom Pedro II. Pracinha do Amor.Av. Dom José - Rua da Vitória, Rua Senador Paula. Praça General Tibúrcio - Praça da Meruoca.Rua Diogo Gomes - Rua dos Cocos.Rua Pe. Fialho - Rua Nossa Senhora do Bom Parto,Rua Santo Antônio.Praça Senador Figueira - Praça da Fortaleza, PraçaDr. João Tomé.Praça Dr. José Saboia - Praça Barão do Rio Branco,Praça do Mercado, Praça da Coluna da Hora.Rua Oriano Mendes - Rua do Oriente.Rua Deolindo Barreto - Rua Maestro José Pedro.
  10. 10. 10 entronização do “Imperador”, que, cingindo à testa sua famosa coroa, empunhava garbosamente o cetro. Era assim paramentado que ele, concluída a cerimônia na Igreja, voltava em cortejo à casa paterna, dando início às danças, que em alguns casos se repetiam todas as noite do período novenal. No dia seguinte ao da derrradeira novena, domingo do Espírito Santo, após a missa, realizava-se OS MENINOS" IMPERADORES "DE SOBRAL o sorteio do “Imperador” para o ano seguinte. (...) A relação nominal dos “Imperadores”, de 1847 a O historiador Alberto Amaral escreveu em sua 1918, que abaixo transcrevo, foi gentilmente enviadaexcelente obra Para a História de Sobral, hoje a meu pedido por S. Exa Revma. D. José Tupinambárarissimamente encontrada : da Frota.(...). "É de 1918 o último "Imperador", extinguindo-se Relação dos meninos “Imperadores” e dos seus pais,uma tradição que em Sobral provinha da primeira a contar do ano em que chegou à freguesia de Sobralmetade do século passado. o Vigário Francisco Jorge de Sousa.Consistia na escolha anual, por sorteio, de um menino 1847 - Rufino, filho do Cel. Rufino Furtado deque presidia simbolicamente as festividades do Mendonça.Divino Espírito Santo. 1848 - José, filho do Maj. Miguel Francisco do Esta escolha, firmada no critério de recair sobre Monte.uma criança cujos pais se credenciavam à 1849 - Francisco, filho do Maj. Joaquim Lopes dosconsideração dos paroquianos, excluia por outro lado Santos.a possibilidade de contemplar mais de um filho do 1850 - Estevão, filho do Capitão Cesário Ferreira damesmo casal. Costa. No primeiro dia da novena de junho consagrada 1851 - João, filho do Major João Antonioao Divino Espírito Santo, tinha lugar na Matriz a Cavalcante. 1852 - não houve.
  11. 11. 111853 - João, filho do Cel. João Thomé da Silva. 1868 -Pedro, filho do Coronel José Gomes Rodrigues1854 - Vicente, filho do Major Sancho Ferreira de Albuquerque.Gomes. 1869 - Vicente, filho do Major Vicente Severino1855 - não houve. Duarte.1856 - Joaquim, filho do Cel. Joaquim Lourenço 1870 - Cesario, filho do Capitão Cesario FerreiraFranca. Gomes.1857 - Emílio, filho do Major Manoel Francisco de 1871 - Vicente, filho do Coronel Francisco Alves daMorais. Fonseca.1858 - José, filho do Capitão Galdino Alves 1872 - Francisco, filho do Conselheiro AntonioCavalcante. Joaquim Rodrigues Junior.1859 -Alfredo, filho do Capitão Manoel Marinho 1873 - João, filho do do Ten. Cel. Antonio ReginoLopes de Andrade. do Amaral.1860 - Petronilho, filho do Major Trajano José 1874 - Antonio, filho do Major João Ferreira daCavalcante. Rocha Frota.1861 - João, filho do Major Frederico Rodrigues 1975 - Joaquim, filho do Major Joaquim RodriguesPimentel. de Albuquerque.1862 - Candido, filho do Comendador João Mendes 1876 - José, filho do Capitão Jacinto Tercio deda Rocha. Oliveira Gondim.1863 - João, filho do Dr. João Felipe Bandeira de 1877 - Julio, filho do Coronel Francisco deMelo. Albuquerque Rodrigues.1864 - não houve. 1878 - José, filho do Major Joaquim da Frota1865 - Diogo, filho do Cel. Diogo Gomes Parente. Vasconcellos.1866 - Thomaz, filho do Dr. Vicente Alves de Paula 1879 - João, filho do Major Antonio Rangel doPessoa. Nascimento.1867 - Felinto, filho do Capitão Antonio Raymundo 1880 - Francisco, filho do Coronel João EvangelistaCavalcante. da Frota.
  12. 12. 121881 - Fenelon, filho do Capitão Manoel Saboia de 1898 - Cesario, filho do Dr. Vicente Cesario FerreiraCastro. Gomes.1882 - Raimundo, filho do Ten. Cel. João Felipe 1899 - Oscar, filho do Sr. Frederico Bessa .Frota. 1900 - Pedro, filho do Cel. José Ignacio Parente.1883 - João, filho do Maj. Manoel Felizardo Pereira 1901 - Francisco, filho do Dr. João Julio de AlmeidaMendes. Monte.1884 - Eurico, filho do Dr. João Francisco do Monte. 1902 - José, filho do Coronel José Candido de Souza1885 - José, filho do Cel. José Figueira de Saboia e Carvalho.Silva. 1903 - José, filho do Sr. Francisco de Paula Pessoa.1886 - José, filho do Sr. Manoel Arthur da Frota. 1904 - Francisco, filho do Sr. Ernesto Esperidião1887 - Luiz, filho do Sr. José Silvestre Gomes Saboia de Albuquerque.Coelho. 1905 - Thomaz , filho do Sr. Cesario Pompeu1888 - Alexandre, filho do Sr. Alexandre Mendes. Magalhães.1889 - Antenor, filho do Sr. José Vicente Franca 1906 - Antonio, filho do Sr. Antonio Frutuoso Frota.Cavalcante. 1907 - Caetano, filho do Dr. Antonio de Paula Pessoa1890 - Alarico, filho do Cel. Antonio Mont’Alverne. de Figueiredo.1891 - Alfredo, filho do Dr. Alfredo Marinho de 1908 - Edson, filho do Sr. Henrique Severino Duarte.Andrade. 1909 - Nilo, filho do Sr. Domingos Deocleciano de1892 - Sergio, filho do Sr. Adolfo Saboia. Albuquerque.1893 - Não houve. 1910 - Antonio, filho do Sr. Francisco Rodrigues dos1894 - Massillon, filho do Cel. Ernesto Deocleciano Santos.de Albuquerque. 1911 - Ernesto, filho do Dr. José Saboia de1895 - Oscar, filho do Sr. José Porfirio de Paula. Albuquerque.1896 - Não houve. 1912 - Ernesto, filho do Cel Vicente Saboia de1897 - Manoel , filho do Sr. Vicente Adeodato Albuquerque.Carneiro. 1913 - Manoel, filho do Sr. Antonio Rodrigues dos Santos.
  13. 13. 131914 - João, filho do Sr. Francisco Petronilho GomesCoelho.1915 - Humberto, filho do Sr. John Sanford.1916 - José, filho do Sr. Francisco Porfírio da Ponte.1917 - José, filho do Sr. Oswaldo Rangel Parente.1918 – Danilo, filho do Sr. Joaquim da SilveiraBorges.(Conforme Alberto Amaral in Para a História de  BARÕES ANTIGOSSobral, R.J, 1951.) Barão de Aquiraz – Gonçalo Baptista Vieira. Barão de Aracati – José Pereira da Graça. Barão de Aratanha – José Francisco da Silva Albano. Barão de Canindé – Paulino Franklin do Amaral. Barão de Camocim – Geminiano Maia. Barão do Crato – Bernardo Duarte Brandão. Barão de Ibiapina – Joaquim da Cunha Freire. Barão de Messejana – Antonio Candido Antunes de Oliveira. Barão de S. Leonardo – Leonardo Ferreira Marques. Barão de Sobral – José Júlio de Albuquerque Barros. Barão de Studart – Guilherme Studart. Barão de Vasconcelos – Rodolfo Smith de Vasconcelos.
  14. 14. 14 Segundo uma outra indicação veiculada pela tradição oral, consta que a atual rua do Portela é o logradouro mais antigo nas imediações, onde ficava a casa da Fazenda Caiçara. Havia tambem uma lagôa - a única, aliás, nas proximidades - "a lagôa da Fazenda" , assim chamada por fazer parte da estância. Caiçara, vocábulo indigena, quer dizer " cercado velho ".  ORIGENS DA CIDADE DE SOBRAL Na humilde condição de povoado, sem embargo de seu acelerado crescimento, permaneceu Caiçara Escreve Alberto Amaral em seu livro PARA A até o ano de 1773.HISTÓRIA DE SOBRAL: A 5 de julho de 1773 ganhou fóros de Vila, em " DA CAIÇARA A SOBRAL cumprimento da Carta Régia de 22 de julho de 1776 expedida ao Governador de Pernambuco, Manoel da O Capitão Antonio Rodrigues Magalhães e sua Cunha Menezes.mulher Quiteria Marques de Jesus, além da fazenda Não havia especifica menção da Caiçara nessado Macaco, onde moravam, possuiam na mesma Ordem Real. Seu propósito era dar corretivo aosRibeira do Acaraú , povoação da Caiçara, um "sitio" nômades turbulentos que traziam em dasassossego ade 100 braças de terra em quadro. Capitania, "para que se ajuntassem em povoações Perante o tabelião Roque Correia Marreyros, por com mais de cinquenta fogos, repartindo-se entre êlesescritura de 6 de dezembro de 1756, fizeram doação com justa proporção as terras adjacentes, sob penado "sitio" para patrimônio de Nossa Senhora da dos refratários serem considerados inimigos e comoConceição, orago da freguesia da Caiçara. tais punidos severamente". O documento indica as esquinas da antiga Capela Demorou sete anos para que chegasse a vez dacomo pontos de referência para a demarcação da área Caiçara tornar-se Vila.doada. Uma das confrontações rumava da esquina da Mereceu a incumbência de erigi-la o Ouvidorsacristia à ribanceira do Acaraú. Geral e Corregedor da Comarca do Ceará Grande, Dr.
  15. 15. 15João da Costa Carneiro e Sá, que, congratulando-se cidade, lei que tomou o no 229, de 12 de janeiro decom os novos municipes, foi buscar do logar em que 1841, com o seguinte texto:nascera, no concelho ou distrito de Vizeu, ao norte de "Art o 1o - Fica elevada à categoria de Cidade aPortugal, o nome da vila recem-creada : SOBRAL, antiga vila de Sobral, com o titulo de - Fidelissimaou melhor- "Vila Distinta e Real de Sobral". Cidade Januária do Acaraú. Quando à septuagenária Vila foi outorgado o "Arto 2o - Revogam-se as disposições empredicamento de Cidade, os sobralenses contrário."experimentaram uma surpresa e uma decepção. Reconhecido embora à hospitalidade sobralense, O presidente da provincia, José Martiniano de o presidente provincial José Martiniano de AlencarAlencar, estivera um mês antes em Sobral para denunciava por outro lado com seu ato o intuito desufocar a rebelião deflagrada pelas forças que lisonjear a Familia Imperial, na pessoa da Princesaseguiram para combater os balaios. Na noite de 11 de Januária, irmã de D. Pedro II.dezembro de 1840 o grupo sedicioso capitaneado por Os sobralenses, por seu turno, não lhe perdoaramFrancisco Xavier Torres tentou a deposição do a subalternidade, que lhe viria arrebatar o nomepresidente, que se hospedara na casa do Senador batismal da cidade,Francisco de Paula Pessoa, à rua da Vitória, hoje Ante a repulsa unânime da população sobralense,Senador Paula. A hospitaleira mansão, a que o o artigo 2o da referida lei apenas conseguiu subsistirdestino reservara honrosas finalidades, pois veio a ser por um ano.sede do Bispado de Sobral, e readaptada para modelar Ao presidente Alencar sucedeu, na chefia doeducandário, o "Ginásio SantAna", ficou ainda em executivo provincial, o Dr. José Joaquim Coelho,nossa história como "Residência do Govêrno do que, sancionando a lei n.244, de 25 de outubro deCeará", tal qual precede a assinatura do presidente 1842, devolveu à nossa Cidade o nome que pertenciaAlencar na Ordem de 12 de dezembro de 1840, à vila: " A cidade de Januária se denominaráadiando as eleições pelo tempo necessário à doravante Cidade de Sobral."pacificação geral da Provincia. Rio de Janeiro, 10 de maio de 1950. " Um dos seus primeiros atos, de regresso à capital,foi dar andamento à lei elevando a vila à categoria de
  16. 16. 16 Alpheu Ribeiro Aboim........................................1933 Dr. Leocadio de Araujo Júnior....................1934/1935 Ataliba Daltro Barreto..........................................1935 Vicente Antenor Ferreira Gomes................1935/1944 Dr. João de Alencar Mello..........................1944/1945 Dr. Arnaud Ferreira Baltar...................................1945  PREFEITOS DE SOBRAL Randal Pompeu de Saboya Magalhães .......1945/1946 (Desde o advento da República) Dr. João de Alencar Mello...................................1946 Dr. José Gerardo Frota Parente............................1947Dr. Vicente Cesar Ferreira Gomes.......................1890 Ataliba Daltro Barreto................................1947/1948Cel. José Ferreira Gomes.............................1891/1892 Dr. Jacyntho Antunes Pereira da Silva........1948/1951Rosendo Augusto de Siqueira.....................1892/1902 Antonio Frota Cavalcante............................1951/1955Dr. Alfredo Marinho de Andrade................1902/1904 Dr. Paulo de Almeida Sanford....................1955/1959Cel. José Ignacio Alves Parente..................1904/1908 João Germano da Ponte Neto.......................................Cel. Frederico Gomes Parente.....................1908/1912 Pe. José Palhano de Saboia..........................1959/1963Cel. José Candido Gomes Parente...............1912/1914 Cesário Barreto Lima..................................1963/1967Francisco Porfirio da Ponte..................................1914 Jerônimo Medeiros Prado...........................1967/1971Cel. Frederico Gomes Parente.....................1914/1916 Joaquim Barreto Lima(Quinca)...................1971/1973Dr. José Jacome de Oliveira.......................1916/1920 José Parente Prado......................................1973/1977Henrique Rodrigues de Albuquerque..........1920/1923 José Euclides Ferreira Gomes Junior..........1977/1982Antonio Mendes Carneiro....................................1923 Joaquim Barreto Lima................................1983/1988Ernesto Marinho de Albuq..........................1924/1928 José Parente Prado......................................1989/1992Monsenhor Fortunato Alves Linhares..................1928 Francisco Ricardo Barreto Dias.................1993/1994Dr. José Jacome de Oliveira........................1928/1930 Aldenor Façanha Junior..............................1994/1996Arthur da Silveira Borges...........................1930/1932 Cid Ferreira Gomes....................................1997/2000Ten. Floriano Machado........................................1932 Cid Ferreira Gomes....................................2001/2004Dr. Paulo de Almeida Sanford..............................1932 Leônidas de Menezes Cristino....................2005/2008
  17. 17. 17Leônidas de Menezes Cristino....................2009/2012 alguém dizia: “Aquele ali? Ele não vai nem prá pista...” Sobral possuia três cinemas: Cine Alvorada, Cine Rangel - de bonita arquitetura e que, infelizmente, não foi preservado- e Cine São João, sendo que os dois primeiros eram os mais movimentados. A diversão dos meninos de minha idade, em SOBRAL DE MINHA INFÂNCIA 1965, 1966 e 1967, era jogar futebol nas praças, tomar banho no Rio Acaraú, muitas vezes pescando Nossa querida cidade sempre foi muito agradável piabas usando farinha dentro de uma garrafa de vidroe hospitaleira para os seus habitantes nativos, ou da qual fora retirado(quebrado) o fundo e assistir aomesmo para aqueles que a elegeram por morada. O cinema; brincar de espadas feitas de madeira, ou depovo de Sobral é antes de tudo um povo amigo, "esconde e esconde" era também muito apreciado.pacato e ordeiro. Minha geração não teve a infelicidade de conviver Quando menino, lembro-me de uma Sobral que com estes "agitos" malfadados dos adolescentes depossuia poucas ruas com asfalto, diferente da cidade hoje, nem com a violência que atualmente faz parteque encontramos hoje em dia. Na década de 60 as do cotidiano. Éramos amigos próximos uns dosruas Cel. José Saboia, Ernesto Deocleciano, trechos outros, e a diferença de classes sociais não era tãoda Av. Dom José e uma ou duas travessas no centro gritante como nos dias atuais, caracterizada pelada cidade, já possuiam revestimento asfáltico, e eram infame exclusão social, causa de quase todas asas únicas ruas de Sobral com estas características. mazelas que nos atingem.Além delas, existia asfalto na pista que dá acesso à Não tínhamos, felizmente, contato algum com asSerra da Meruoca, assim mesmo até uma certa altura, drogas, estando esta praga restrita aos marginais queou seja, até antes do início da subida da Serra. Como muitas vezes iam fumá-la no morro do Alto doa chamada pista ficava distante do centro da cidade, Cristo. É verdade que pitar um cigarro(Continental,após os trilhos, quando alguém queria menosprezar BB, Minister, Hollywood) dava às mocinhas a falsa idéia de que estávamos amadurecendo, já quase
  18. 18. 18adolescentes, portanto mais ajuizados( em muitas das O casario de Sobral era muito bonito, e emboravezes, um ledo engano...). continue a sê-lo, muitos prédios foram Éramos bem servidos na área de educação, aliás, criminosamente demolidos. Se tal fato não houvessemuito bem servidos. Existiam boas escolas, ocorrido, ainda hoje poderíamos desfrutar do prazerdestacando-se o Colégio Sobralense, de gloriosas de ver o velho casario de nossos antepassados etradições e pelos bancos do qual passaram muitos dos mostrá-lo aos nossos filhos. O prédio do Cine Rangelfilhos ilustres de Sobral; tínhamos o Colégio era de uma arquitetura fabulosa; o mesmo aconteciaEstadual, com um bom nível de ensino e também o com a "casa dos leões", onde residia a família do Dr.Colégio Dr. Ribeiro Ramos, que ficava na Praça do Fábio Saboia; subindo um pouco, e já atrás dosHotel Municipal e era denominado Escolas Reunidas Correios, podíamos encontrar várias casas muitoDr. João Ribeiro Ramos; o Colégio Santana, de bonitas com azulejos portuguêses nas paredes;grande tradição, era outra escola de destaque; Infelizmente estas construções foram destruídas pelatínhamos também o Patronato, que funcionava no ganância, pela insensibilidade e pela ignorânciamesmo local de hoje e o Colégio Prof. Arruda, entre peculiares àqueles que não possuem formaçãoos que eu me recordo. cultural adequada, o que nos faz lembrar do perigo de A Fábrica de Cimento passou a existir a partir dos " darmos pérolas aos porcos".meados da década de 60, e lembro-me bem de alguns As festas de Carnaval eram memoráveis. QuandoEngenheiros e Técnicos estrangeiros que a vieram ainda menino, lembro-me de dois blocos marcantes emontar. que praticamente monopolizavam o carnaval A Fábrica de Tecidos, que desempenhou papel sobralense: refiro-me aos Contras e aos Abutres.Osvital para o desenvolvimento de Sobral e que foi que integraram estes blocos eram mais velhos que osfundada por Ernesto Deocleciano, citado neste meninos de minha geração: devem ter hoje em diatrabalho, ainda emitia seus suspiros de esperança: idade superior a 55 anos.refiro-me ao apito da citada fábrica, se não me Outro fato que marcou minha infância e que meengano por volta das 5 horas da manhã e depois às 17 causava medo, era ver na rua o carro preto que levavahoras. os mortos para o cemitério e que era chamado de "funeral". Porém, mesmo o carro citado, apesar de
  19. 19. 19lúgubre, trouxe-me ensinamento importante e válido, devastada pelo desmatamento. Existiam muitosqual seja o de pensar na brevidade desta existência, pássaros, os cajueiros e as mangueiras eramevitar o mal e procurar fazer, se possível, apenas o frondosos e na serra ainda fazia bastante frio, quebem. começávamos a sentir logo quando a subíamos. Hoje Vizinho ao Cine Alvorada, de inesquecíveis em dia, a perniciosidade característica da mente dosmatinês, ficava o Bar Crepúsculo, de um lado, e, do que só visam auferir lucros, de preferência fáceis,outro, a Livraria Feira do Livro. Atravessando a rua conseguiu reduzir a vegetação da Serra da Meruoca atínhamos a sempre tradicional Padaria Princesa do um monte de arbustos. As árvores grandes e antigas,Norte e, quase vizinho a esta, a lanchonete Serve que o tempo levou anos e anos para formar, foram emBem, que pertencia ao Sr. Bismarck e fazia sua maioria derrubadas por pessoas irresponsáveis:sanduíches(americano, principalmente) maravilhosos. chamam a isto de "progresso". Andando na mesma calçada da Princesa do Norte, Nos idos de 1965, 1966 e 1967, entre as minhasem direção ao Rio Acaraú, encontrávamos o Bar recordações, lembro-me da Loja O Conrado(Praça daAntárctica, do João Sales, mas a idade não nos Coluna da Hora); da Coluna da Hora; do Prédio ondepermitia freqüentá-lo, ainda. Onde hoje fica o Focus se localizava a antiga Rádio Tupinambá, na mesmaStudio, atrás da Igreja do Rosário, loja que revela praça; do Beco do Cotovelo, no mesmo sefotografias, se encontrava a mercearia do Dico, que localizando a Livraria Zé Osmar; da Loja Ciclorama,era muito sortida, e lembro-me bem ainda de como, de José Randal de Mesquita, na qual meu paiquando criança, empezinhava o meu pai em busca de comprou uma bicicleta Caloi (marca Pelé por causabombons. da Copa do Mundo de 1966); do Cine Alvorada, doPelo que me consta, o Dico, que era homem de Cine Rangel, da Livraria Feira do Livro; daposses, perdeu o dinheiro em campanhas políticas. Mercearia do Dico; da Lanchonete Serve bem, do seuRecordo-me muito bem dele, pois era fornecedor e Bismark; do Cemitério São José; do Hotel Municipal;amigo de meu pai. E também de seus filhos Sérgio e da Estação Ferroviária; do Monturo Público(mais ouPaulo, a quem chamavam de Paulo do Dico. menos onde se localiza a atual Rodoviária-em 2008); As temporadas na Serra da Meruoca eram muito do Clube da AABB; da Serra da Meruoca, bastanteboas. Naqueles idos de 1960, a Serra ainda não fora arborizada, fria e cheia de flores e de passarinhos,
  20. 20. 20bem como de sagüis; da Princesa do Norte; da Praçada Meruoca, à época repleta de residencias; doColégio Patronato; da Igreja do Patrocínio; da casaque montava ou fabricava Sandálias Havaianas; doDepósito de sal do Luis Carlos de Paula Pessoa;Recordo-me, ainda, do Cabo Lira (da Polícia Militar)que policiava os bancos e a Cidade....É bem verdadeque, antigamente, existiam muitos ladrões a menos do SOBRAL DE MINHA MOCIDADEque hoje em dia (2008)....mas é que, roubar, semprefoi uma característica humana, intrisecamente A Sobral de minha mocidade pouco se diferenciouhumana, daí....O Cabo Lira faleceria em 2006 ou da de minha infância. Estudei de 1968 a 1971 no2007, ainda o reencontrei no Beco do Cotovelo, Colégio Militar de Fortaleza, contudo, vinha a Sobralpouco antes de sua (dele) morte...Coisas da vida. todas as vezes em que me encontrava de férias,Existia, na década de 1960, A Lanchonete Santa ficando hospedado na casa do Sr. Aurélio Ponte.Edwiges. Descendo a Rua Cel. José Saboia, do lado No início da década de 70, Sobral tinha,direito, já quase chegando a Avenida Dom José. basicamente, dois locais onde a sua juventudeComo esquecer os seus bolos “Luis Felipe”, comidos divertia-se, acompanhada, na maioria das vezes, pordepois das seções do Cine Rangel, próximo a ela, na seus pais.mesma rua? Tínhamos o Restaurante O Chicão, no Início da...e por aí vão as recordações de nossa infância. atual Rua Oriano Mendes, que possuía uma boite familiar, e para onde ia a maioria daqueles que queriam se divertir aos sábados. Na Sexta-feira, dançava-se no Restaurante Entre- Rios, que pertencia ao saudoso "Pintinho" e ficava perto da Ponte da Tubiba. Ambos os locais eram muito agradáveis.
  21. 21. 21 Muita gente passava as férias na Serra da Meruoca, Falar de minha mocidade sem citar os “locaisneste tempo ainda bastante frondosa, mas já notava- suspeitos” seria hipocrisia de nossa parte. Entre osse, aqui ou acolá, o crime cometido por alguns conhecidos locais de divertimentos não muito sadios,inconscientes, que a desmatavam, para fazerem existiam o “Trem”, conjunto de casas de taipa queplantações de café. ficava defronte o Clube do B.N.B., alinhadas uma Sobral era muito tranquila, inexistindo, junto a outra. Depois foi citado conjunto de casaspraticamente, a violência. A violência existente era demolido, mas o certo é que por volta do ano 2000aquela considerada “normal”, fruto de desavenças ainda funcionava. Existia o “Cabaré da Dozinha”;pessoais, do uso imoderado de bebidas. perto do Quartel da Polícia Militar existiam casas Realizavam-se as tertúlias nas casas de família, isto simples onde moravam mulheres que teimam emdurante o período de férias e os rapazes e moças taxar de “vida fácil”. Não imagino vida mais difícilcomportavam-se dignamente. do que aquela onde a mulher vende seu próprio corpo Durante a Páscoa tínhamos a derrubada do Judas, para sobreviver.na Praça da Várzea, onde estava localizada a casa doex-Deputado Chico Figueiredo, já falecido. Namesma praça já existia o Bar do Enoque, quefunciona no mesmo local ainda hoje em dia. Final de ano íamos à famosa festa do Derby ClubeSobralense, dia 31 de dezembro. O clube ficavasuperlotado e tínha-se de usar paletó para entrar nomesmo. Do início, às 22 horas, até meia-noite, ouvia-se e dançava-se músicas da época, ou antigas. Meia-noite em ponto, o crepitar de fogos anunciava maisum ano vindouro, cheio de esperança; cantava-se oHino Nacional e, após isto, começava o Carnaval, queia até 5 ou 6 horas da manhã.
  22. 22. 22 a U.V.A- por falta de verbas- e o Colégio Estadual Dom José Tupinambá da Frota deixavam, no início de 1990, muito a desejar. Porém, logo as coisas começaram a melhorar: o Colégio Sobralense passou a ser dirigido pelo Geo- Studio e, apesar do excessivo amor ao dinheiro demonstrado por seus donos, ávidos de lucro, melhorou bastante. A Universidade Estadual Vale doSOBRAL DE MINHA MATURIDADE(1990-2008) Acaraú deu um passo gigantesco quando o Prof. José Teodoro Soares e o Prof. Evaristo Linhares Lima assumiram, respectivamente, a Reitoria e a Vice- Reitoria e, em parceria com o Governo do Estado do Ceará, começaram a trabalhar no soerguimento da Após residir 22 anos distante de meu Torrão Instituição. A UVA é hoje reconhecida além dasNatal, minha querida Sobral, para cá retornei em fronteiras do Ceará, deixando de ser a Universidadejaneiro de 1990 com a finalidade de lecionar no amadora que foi um dia - não por causa de suaColégio Geo-Studio, que aqui se instalara naquele direção, que foi exemplarmente exercida peloano. Cônego Sadoc de Araújo, mas sim, por falta de Encontrei uma Sobral muito motificada, sobre a verbas- para tornar-se um centro de estudosqual buscarei tecer alguns comentários. profissional. Foram promovidos inúmeros concursos, Muita coisa mudara, algumas, infelizmente, para que muito melhoraram o desempenho do corpopior. O Carnaval de Clubes, com exceção do "Bal docente; cursos foram criados: Geografia, Física,Masquê", praticamente acabara- a população preferia, Química, Biologia, Administração, Computação,como ainda hoje, viajar para Camocim ou Parnaíba; o Zootecnia, Direito e Medicina(os dois últimos emBloco dos Sujos ainda trazia- como hoje- alegria ao parceria com a Universidade Federal do Ceará), entrecarnaval; na área da política, Sobral estagnara por outros.completo; na área da educação o Colégio Sobralense,
  23. 23. 23Na política, após o troca-troca diário de Prefeitos, drogas, crimes e violência, os motéis de prazeresSobral melhorou quando assumiu a Prefeitura o então sujos e passageiros, e a outras mil mazelasDeputado Cid Ferreira Gomes: foram promovidos impublicáveis.concursos e moralizada a administração. Gangs se formaram, contribuindo, assim, para oEm termos de industrialização, instalaram-se algumas aumento da criminalidade.fábricas na cidade, sendo a Grendene- de sapatos- a As Igrejas, outrora aos domingos cheias demaior delas. pessoas em busca de fé, se mostram vazias.O Museu foi reformado com a ajuda da UVA e de Concluindo: se ocorreram mudanças positivas,Órgãos Governamentais da Alemanha e o Solar dos igualmente outra mudanças vieram para pior, a nossoFigueiredo, que encontrei caindo aos pedaços em ver. Devemos compreender, porém, que Sobral faz1990, foi reconstruído, sendo obedecidas as suas parte de um País que agoniza: o Brasil. E, em assimcaracterísticas originais, e transformado na Casa de sendo, as coisas não poderiam se passar de formaCultura de Sobral. diferente por aqui, visto que estamos inseridos neste Contudo, a violência, como em todo o Brasil, contexto social dramático.aumentou muito. Surgiram problemar de drogase outras mazelas graves.A cidade foi asfaltada de forma incorreta, asfaltando-se até mesmo travessas pequenas- o que édesnecessário. Tal fato em muito contribuiu para quea média de temperatura aumentasse: já não sentimos,hoje em dia, à noite, o "friozinho" que fazia outrora. Com relação às diversões noturnas, as serestas, asromânticas tertúlias, as festas elegantes nos ClubesSociais cederam lugar, infelizmente, aos "badalos"dos inferninhos, às bandas horrorosas de nomesimcompreensíveis, bandas estas, quase todas,mercenárias e alienantes, que só fazem apologia de
  24. 24. 24 Alves fornecia, às vezes, marmitas lá pra casa. Eu tinha um galo e uma galinha de estimação. Subir o Alto do Cristo era uma aventura. Saía de casa e ia para a escola onde estudava, à pé; Minha escola ficava na Praça Senador Figueira, e minha professora era Dona Carolina, creio que de Paula Pessoa. Daqueles a quem esta sociedade, muitas vezes hipócrita, taxa por loucos, recordo-me muito bem doSOBRAL- e outras cidades, e outros “causos”...- DE Cibamba – com seu tradicional óculos escuros-, doMINHAS RECORDAÇÕES Homem é Homem, do Poeta, da Mutamba. É claro que os loucos ricos eram escondidos à sete chaves:poderiam comprometer seus familiares? Certamente. Recordo-me de muitas passagens de minha vida. Em minha época de adolescente, da descoberta dasUmas boas, outras nem tanto. Depois de uma certa coisas boas da vida, idade muito perigosa, recordo-idade as recordações assumem um papel muito me dos locais de diversões fáceis. Existia umimportante em nossas vidas. conjunto de casas, muito pobres, próximas ao Quartel Em 1965 voltamos de trem de Camocim para da Polícia Militar, em Sobral. Por algumas ocasiões,Sobral. Tocava muito, à época, a música “xô, xô, xô, 1970, por aí, cheguei a freqüenta-lo com pessoas,xô...casaca de couro”. Fomos morar numa casa perto hoje ilustres Médicos ou Advogados. Não citarei osda Estação Ferroviária; esta casa pertencia a Luis nomes destas pessoas por uma questão de ética,Carlos Barbosa de Paula Pessoa, que era amigo de depois por saber que eles devem renegar o seumeu pai, apesar da diferença de idade, meu pai muito passado, o que jamais o fiz.mais idoso. Perto de nossa casa morava o Raimundo Existia o Rei das Águas, local que o Dr. JoãoAlves, pai do Daniel Alves, com quem eu estudei nas Conrado Cavalcante da Ponte chamava, em tom deEscolas Reunidas Dr. Ribeiro Ramos. Seu Raimundo gozação, de “Water’s King”, e que era, também,
  25. 25. 25conjunto de casas com mulheres simples, que ficava casa de Gilberto, salvo engano, casado com adefronte ao Clube do BNB, na saída de Sobral para Hercília; a casa do Melquíades Maia, pai do EvandroFortaleza, em indo para a Capital, do lado Direito. e da Irnes, entre outros; a casa da Maria Linhares; a Falando com o Heuser Hortmann, em 2008, no Bar casa de meu pai, Caetano, que era de propriedade dodo Dermeval, a quem eu não via há quase 36 Conrado; a casa do Senhor Renato Borges; a casa doanos(creio tê-lo visto em 1971 ou 1972, se não me Abdelmoumen Melo, pai do Laerte Melo; a casa dofalha a memória), contou-me ele acerca de algumas Dr. Plínio Pompeu, na esquina.obras que o pai, Dr. Hortmann, fizera, comoengenheiro, em Sobral: construção da sede daAAB.B, montagem do painel da Festa de Jubileu de SOBRAL- O QUE FALARAM OU ESCREVERAMDom José, em 1955; uma das reformas do Teatro ACERCA DA PRINCESA DO NORTE.São João (Governo do Zé Prado), pavimentação daAvenida Dr. Guarany. Dr. Hortmann, que foi casado Escreveu Ernesto Figueiredo em se livro De Sobral acom Dona Vita, foram os pais de Jandira, ex-esposa Tuiuti:de Fernando Aragão, e Euser(Eusão). Começamos,então, no bar do Dermeval, a relembrarmos as “O MENDIGO –pessoas que moravam nas casas que ficavam, à A seca que se verificava em 1932, como asépoca, atrás do Hotel Municipal; Hotel este que anteriores, havia escorraçado o homem do campodepois foi o Forum Dr. José Saboya de Albuquerque para a cidade.e que, atualmente(fev de 2008) está abandonado, Sobral. Conhecida como o “pai da pobreza”, desdenovamente. épocas imemoriais, atraía grande número deNa Avenida Lúcia Saboya, indo no sentido do Rio retirantes, chegando ao ponto de a PrefeituraAcaraú, encontrávamos(idos de 1968): a casa da Municipal, sob a intervenção do Tenente Florianoesquina, ocupada pelas tias do Arnau Cavalcante; a Machado, ver-se obrigada a concentra-los nocasa do Sr. Ildefonso Cavalcante; a casa do Dr. “Prado”, antiga sede do Derby Club Sobralense, oHortmann; a casa do Zé Monte(José Borges de qual, segundo sua história, foi fundado em 1871.Almeida Monte); a casa de Dona Lourdes Saboia; a
  26. 26. 26 Ali se reuniram a miséria e a doença. Verificava-se “azucrinando” o Ministro José Américo no sentido dediariamente uma elevada quantidade de mortes, com urgência abrir frentes de trabalhos.especialmente entre os velhos e crianças. Em meados de abril ou maio, o carregamento Diante da calamidade, o sobralense, sob a liderança chega a Camocim e ali o Ramos Fontenele faz ode D. José Tupinambá da Frota, cerrou fileiras a fim reembarque em trem cargueiro expresso, o qual chegade melhorar a situação de seus infelizes irmãos. a Sobral num fim de tarde. Infelizmente os recursos angariados na cidade era O carregamento é armazenado num depósito natal qual uma gota d’água no mar, conforme o dizer de Praça da Santa Casa. Foi efetuado durante toda aJuliano Leite, pois a nossa economia, alicerçada na noite , sob a superintendência e invejável dedicaçãopecuária e agricultura, frustradas naquele ano, não de José Fabião de Vasconcelos e Antônio Félixpermitia larguezas de dádivas, pois todo mundo Ibiapina, homens que nasceram para prestar favores.estava com a “corda no pescoço”. Para maior comodidade e segurança dos trabalhos, Contudo, as Comissões de Amparo aos Flagelados Oriano Mendes mandou iluminar o local e prorrogourealizavam milagres para sustentar aquele povão, o fornecimento de energia elétrica até ao amanhecer,comprando a crédito no Armazém de Francisco pois naquele tempos a luz se apagava às dez horas daRomano da Ponte e na Farmácia de Jonas Monte, noite, a não ser em casos excepcionais.enquanto vinham os recursos pedidos às autoridades Naquela noite, constituía diversão ir espiar ogovernamentais e aos sobralenses ilustres do Rio de descarregamento.Janeiro. No Prado, o programa de assistência aos retirantes As providências do governo, como sempre, não sofria solução de continuidade, por maiores quetardavam, porém um telegrama do sobralense Vicente fossem as dificuldades.Sabóia, comunicando haver conseguido da Dava gosto ver as filhas de Sobral, sem diferençaCompanhia de Navegação “Ita” um cargueiro com de posição social, irmanadas no trabalho dedestino ao Porto de Camocim, trazendo gêneros de distribuição de alimentos e tratamento dos doentes eprimeira necessidade e remédios, deu grande alento. crianças. Vicente comunica ainda haver remetido uma Também em quase todas as casas confeccionavam-ordem de cinqüenta contos de réis e que estava se roupas para os flagelados, os quais chegavam
  27. 27. 27cobertos de trapos que mal davam para cobrir as alistado voluntariamente com quinze anosvergonhas. incompletos, logo no começo de 1865. O tecido necessário era fornecido por Da. O velho soldado responsabilizava o regimeChiquinha Saboia, proprietária da Fábrica Sobral, republicano implantado em 15 de novembro de 1889cuja razão social era Viúva Ernesto & Saboia. por tudo de ruim que acontecia no Brasil. Depois de muita demora, vem ordem do governo Reclamava contra a carestia e o atraso depara o início de obras da Estrada de Ferro, o pagamento de sua “micha” pensão militar, a qualfornecimento gratuito de passagens para quem para ser recebida era necessário dar incômodo ao seudesejasse trabalhar na Amazônia e a abertura do procurador, o senhor Antônio Pereira de Menezes.”voluntariado para compor os célebres batalhõesprovisórios, a fim de brigarem contra uma revolução Em seu livro Sobral – Cidade de Cenas Fortes ,que estava havendo em São Paulo. escreve o Autor Lustosa da Costa, à página 132: Ficaram em Sobral apenas os incapazesfisicamente e como alguns destes que não queriam se “José Saboya –submeter às ordens usadas no Prado, perambulavam José Saboya (1871-1950) formou-se pelapelas ruas pedindo esmolas, fazendo concorrência aos Faculdade de Direito de Recife. Ainda jovemnossos tradicionais mendigos, que eram os seguintes: estudante, salvou a vida de dois náufragos do navio O megalomaníaco André, que dizia serem as Bahia, em que viajava, o qual, à noite, colidiu com oenchentes do Rio Acaraú função direta da micturição Piabanha, gesto de bravura que lhe rendeu calorosasde suas irmãs que moravam nas nascentes do rio; o homenagens. Juiz de 1892 a 1936, reinou absoluto naapocalíptico Zé-Querereis, que pregava o fim do cidade, até que foi aposentado compulsoriamente pormundo; o desaforadíssimo João Pé de Burro, que dispositivo inserido na Constituição do Estado, com opor tudo se zangava; a irreverente Bibiana, cujo objetivo expresso de afasta-lo do cargo e esvaziar-lhelinguajar era impróprio aos ouvidos das senhoras e a tremenda influência política que exercia na região.senhoritas e, por fim, o respeitável Romaco Pereira Casado com dona Sinhá Saboya, filha do Dr.Homem, veterano da Guerra do Paraguai, tendo se Paulinha, precocemente falecido no Rio como deputado federal, neta do Senador Paula Pessoa, “o
  28. 28. 28senador dos bois”, durante cinqüenta anos foi o ...(...) Ainda menino, presenciei a última polêmicahomem mais importante de Sobral. Reunia o poder que, apoiado pelos genros Plínio Pompeu e Joséeconômico, porque era dono de uma fábrica de Maria Alverne, travou com o bispo e o padre Sabinotecidos e de 16 fazendas de gado, no Ceará e no Loyola, pelo Correio da Semana. ”Piauí, herdadas do pai e do sogro, e o poder político,porque, com mão forte, controlava a Justiça, gozandoda segurança da vitaliciedade de magistrado, e oPartido Republicano Conservador, depois PSD e, porfim, UDN. Esteve quase sempre de cima, até mesmo no curtoperíodo de Franco Rabelo, apesar de seu pai haver O QUE FALARAM OU ESCREVERAM ACERCAsido vice-presidente do Estado, no primeiro período DA FAMÍLIA PAULA PESSOA:em que o comendador Nogueira Accioly, foi alçadoao poder. Conheceu a oposição depois da eleição de * Coluna Tirada do Baú, de Marciano Lopes,Menezes Pimentel ao Governo do Estado, em 1935, publicada no Jornal “Diário do Nordeste” do diadecidida na Assembléia Legislativa do Estado pelo 5 de fevereiro de 2001:“Smith and Wesson” de seu ex-liderado, Chico “(...)3. Nos anos sessenta, já reconhecido como oMonte, que passou a ser, desde então, até o fim do maior incorporador de Fortaleza, José Alcy SiqueiraEstado Novo, dono da bola e das camisas de Sobral . desejou adquirir o secular sobrado da heráldicaAntes, seu partido, o PSD, enfrentou violenta família Paula Pessoa, na Rua Barão do Rio Branco,resistência do bispo e do clero, sendo chamado, do local onde agora está uma unidade das Lojasalto dos púlpitos e no silêncio dos confessionários, de Americanas. Ele pretendia demolir o casarão e erguerPartido sem Deus. um moderno edifício no lugar. Ao receber o José Saboya sempre teve relações difíceis com a emissário de Alcy com a proposta de compra, Donaimprensa de sua terra. Quando rompe o Século XX, Eloah de Paula Pessoa, última habitante do sobrado,está em guerra com Álvaro Otôni,de A Cidade...(...) ofendida em seus brios mas aparentando a fleugma característica dos bem-nascidos, respondeu, calma e
  29. 29. 29tranqüilamente: "José Alcy Siqueira? Nunca ouvi Na rua Major Facundo, recordo-me da casa defalar nele. Quem é? Imagina um desconhecido Efrem Gondim, ao lado do Palace Hotel que elepretender comprar esta augusta moradia. Pois diga a comandava. Daí, até a Liberato Barroso não haviamesse senhor que esta casa não está à venda. Nunca mais residências. O mesmo ocorria com a Ruaesteve. E diga mais. Para ele derrubar esta casa e Floriano Peixoto, que tinha casa de morar lá próximoconstruir em desses monstrengos que estão ao Passeio Público, o restante era dominado peloaparecendo por aí, só passando sobre o meu cadáver". Comércio e só a partir da Travessa Liberato BarrosoO sobrado só foi demolido após a morte da solteirona voltava a contar com residências. A partir da Ruaconvicta e juramentada que já na década de sessenta Senador Pompeu, na direção Oeste tudo eraainda saía à rua vestida à moda antiga, com "peitilho" residência, salvo alguma padaria, vidraçaria oude renda, chapéu e luvas.(...)” pensões familiares. À tarde, a partir das quatro horas, eram comuns as chamadas "rodas de calçadas" que se*Jornal Diário do Nordeste do dia 12 de janeiro de prolongavam até a noite.2002: Sinais de uma Fortaleza provinciana, pura e “(...)Moradias no centro - - - Conheci casas de recatada, sem violência, ao contrário, plena deresidências em pleno Centro de Fortaleza, inclusive pudores. Como as donzelas da época.”nas ruas Barão do Rio Branco, Major Facundo, eFloriano Peixoto. Na Barão do Rio Branco, apenas oquarteirão entre as travessas Guilherme Rocha eLiberato Barroso era totalmente comercial, pois notrecho entre as travessas São Paulo e GuilhermeRocha ainda pontificavam três moradias, inclusive oheráldico Solar da ilustre família Paula Pessoa. Apartir da Travessa Liberato Barroso, na direção Sul,haviam mais residências do que pontos comerciais, omesmo ocorrendo nas ruas Major Facundo e FlorianoPeixoto do quarteirão correspondente.
  30. 30. 30 Dr. Cláudio Nogueira à Rua Senador Paula, hoje Avenida Dom José. Atualmente a Academia Sobralense tem os seguintes titulares para as suas quarenta cadeiras: Evaristo Linhares Lima(1); José Ferreira Portela Neto(2); José Ribamar Coelho(3); Francisco Jerônimo Torres(4); Francisco Sampaio Sales(5); Maria Dias Ibiapina(6); Ataliba Araújo Moura(7); Raimundo Nonato Arcanjo(8); Almino Rocha  A ACADEMIA SOBRALENSE DE LETRAS Filho(9); Pe. Jairo Linhares Ponte(10); José Maria Soares(11); Pe. João Mendes Lira(12); José Gerardo Escreveu Marcos da Cruz em sua coluna semanal Frota Parente(13) (vaga); Francisco de AssisDAQUI E...DACOLÁ, publicada no jornal O Vasconcelos Arruda (14); Cônego Francisco SadocNoroeste do dia 22 de janeiro de 2000: " Fundada a 3 de Araújo(15); Maria das Graças Teixeira Pontes(16);de maio de 1922 por um grupo de eminentes João Edson Andrade(17); João Ribeiro Ramos(18);sabralenses, amantes das Letras, dentre os quais o Dr. Vicente Abdias Fernandes(19); José EuclidesJuiz Municipal e eloquente orador, Dr. José Clodoveu Ferreira Gomes Júnior(vaga)(20); João Alvesde Arruda Coelho e mais os sócios a seguir: 1.Pe. Teixeira(21); Mons. Sabino Guimarães Loiola(22);Leopoldo Pinheiro Fernandes; 2. Dr. Cláudio Dr. Francisco Antônio Tomaz Ribeiro Ramos(23);Nogueira; 3. Dr. Lauro Meneses; 4. Jornalista Expedito Gerardo de Vasconcelos(24); Dr. JoséCraveiro Filho; 5. Pe. Fortunato Alves Linhares; 6. Teodoro Soares (25) ; Maria Leilah Cabral AraújoProf. Paulo Aragão; 7. Dr. Benjamim Hortêncio; 8. Monte Coelho(26); Tereza Maria Ribeiro RamosDr. Atualpa Barbosa de Lima; 9. Dr. Luiz Viana; 10. Fonteles(27); Maurício Mamede Moreira(28)(vaga);Dr. Ruy de Almeida Monte; 11. Antônio Oriano Gizela Nunes da Costa(29); Gerardo RodriguesMendes. Albuquerque(30); Cônego Joviniano Loiola Foi o seu primeiro Presidente o Pe. Leopoldo Sampaio(31)(vaga); Dom Walfrido TeixeiraFernandes, e a primeira reunião foi na residência do Vieira(32); Edson Luis Rodrigues de Almeida(33);
  31. 31. 31Francisco José Soares(34); Raimundo Aristides Escreveu inúmeros artigos em revistas especializadasRibeiro(35); Raimundo Rodrigues Pinto(36); Mons. na área de educação.Tibúrcio Gonçalves de Paula(37); Francisco O Professor Evaristo é hoje Vice-Reitor daSantamaria MontAlverne Parente(38); Dr. Thomaz Universidade Vale do Acaraú-UVA, sediada naCorrêa Aragão(39)(vaga); Pe. José Linhares cidade de Sobral-Ceará. É Presidente da AcademiaPonte(40)." Sobralense de Estudos e Letras. ................................ BIOGRAFIA RESUMIDA DE ALGUNS (2)José Ferreira Portela Neto nasceu em Sobral em ACADÊMICOS 2 de abril de 1932, filho de Romão Ferreira da Ponte(1) Evaristo Linhares Lima, filho de Cícero Ribeiro e de Maria Amélia da Ponte. Foi funcionário doLima e de Ana Linhares Figueiredo. Banco do Nordeste do Brasil(1958) e do Banco doCursou Filosofia no Seminário de Fortaleza; Brasil S.A (1958 a 1985). Atualmente é professorbacharelou-se em Direito e é licenciado em Letras concursado da Universidade Estadual Vale doClássicas. Acaraú.Possui os seguintes Títulos de Pós-Graduação: ................................Especialista em Educação para a América Latina; (3) José Ribamar Coelho nasceu em Sobral a 9 deUniversidade de Brasília; DEA em Sociologia, janeiro de 1934, sendo filho de José Antenor CoelhoUniversidade René Descartes-Paris V- Sorbonne- e de Mariana Júlia. Funcionário aposentado do INSS,Paris-França. é empresário do setor gráfico, sendo sócio daFoi Professor Titular da Universidade do Estado do Tipografia Lux Ltda.Ceará, Professor do Liceu e do Colégio Estadual ................................Justiniano de Serpa; Coordenador do Departamento (5) Francisco Sampaio Sales nasceu na Meruocade Ciências da Universidade do Estado do Ceará e filho de Gabriel Francisco de Sales e Maria Sampaioassumiu outros importantes cargos no Estado. Centro Sales. É Professor Universitário e Engenheirode pesquisas Educacionais da Universidade de São Operacional, além de radialista. Durante muitos anosPaulo. Tese de Mestrado/ UNB(Universidade de fez o programa radiofônico Ao Cair da Tarde, deBrasília)-1976. grande audiência na zona Noroeste do Estado,
  32. 32. 32dedicado à Música Popular Brasileira.Atualmente vários outras publicações que muito contribuíramdesempenha importantes funções da Universidade para o aprimoramento cultural do povo sobralense.Vale do Acaraú. ................................ ................................ (14) Francisco de Assis V. Arruda, natural de(12) Padre João Mendes Lira nasceu em Sobral no Sobral (CE), nascido a 18 de novembro de 1948, filhodia 23 de janeiro de 1925 e faleceu em 2005. Fez de Francisco Linhares Arruda e de Maria de Jesusseus primeiros estudos na Escola Elvira, nome de Vasconcelos Arruda. Engenheiro Agrônomo,uma senhora que viera do Amazonas. Estudou, em formado pela Faculdade de Agronomia do Nordeste,seguida, com o Professor Luis Felipe. Segundo em Areia - PB, em 1975.palavras do próprio Pe. Lira : "Elvira era uma Em 1982, concluiu o urso de Mestrado emprofessora muito dedicada e em sua escola haviam Nutrição Animal, pela Faculdade de Agronomia dotrês classes: além da Professora Elvira tinha Dona Ceará. Ainda neste mesmo ano foi eleito vereador doBenvinda e o Sr. Luis Felipe. Município de Sobral, pelo Partido DemocráticoDepois de frequentar a Escola Superior do Sr. Luis Social (PDS), com 1.200 votos, sendo o terceiro maisFelipe, recebi o "Diploma" para frequentar a Escola votado, ocupando posteriormente a vice-presidênciaModêlo do sr. Pintinho. no período de 1984-1986.Assim me preparei para o Exame de Admissão. Em 1985, assume a Chefia Geral do CentroDepois fui aprovado no Seminário Diocesano, onde Nacional de Pesquisa de Caprinos (Embrapa-me formei..." Caprinos), sediado em Sobral (CE), permanecendo noPadre Lira foi durante muitos anos Professor do cargo até 1988. Representou o Ministério daColégio Sobralense. Homem culto, simples e Agricultura em Santiago-Chile, numa Reunião daquerido, publicou diversas obras, entre as quais FAO, para o Desenvolvimento da Caprinocultura dospodemos citar: Subsídios para a História Eclesiástica Países da América do Sul. Posteriormente, em 1977,e Política do Ceará, Sítios Arqueológicos representou a Empresa Brasileira de PesquisaEncontrados na Região centro-Norte do Ceará, e Agropecuária, nos Estados Unidos, na Reunião do SMALL RUMINANT COLABORATIVE
  33. 33. 33PROGRAM, convênio que vinha administrandoatravés do Centro Nacional de Pesquisa de Caprinos. (16) Cônego. Francisco Sadoc de Araújo, nasceuNo mesmo ano foi convidado pela Universidade de em Sobral a 17 de dezembro de 1931, filho deOklahoma-USA, para proferir palestra sobre Galdino Orlando de Araújo e Rita Albuquerque deDesenvolvimento da Caprinocultura no Brasil. Em Araújo.1989, foi liberado pela EMBRAPA para realizar o Concluiu os estudos secundários no Seminário deCurso de Doutorado na Escuela Técnica Superior de Sobral, o curso de Filosofia no Seminário deIngenieros Agrónomos da Uniersidad Politécnica da Fortaleza e o bacharelado e mestrado em Teologia naMadrid, España, defendendo tese em 1993,. Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma. Foi Membro da Academia Sobralense de Estudos e ordenado sacerdote na Basílica de São Paulo, emLetras, cadeira nº 14, que tem por patrono Justiniano Roma, a 25 de fevereiro de 1956.de Serpa. Ao retornar ao Brasil, passou a residir no Seminário Como estudioso em Genealogia, vem de Sobral como professor e, depois, como reitor. Foidesenvolvendo pesquisa na área desde 1970, com as o fundador e primeiro reitor da Universidade Estadualprincipais famílias da Ribeira do Acaraú. Publicando Valre do Acaraú- UVAseu primeiro trabalho em 1980 sobre a Genealogia Residiu em Olinda, Pernambuco, durante cinco anos,dos Arrudas, com 150 páginas. Em seguida, publicou quando dirigiu o Instituto de Filosofia e Teologia daa segunda edição ampliada e melhorada sobre o título Arquidiocese de Olinda e Recife e exerceu o oficio dede GENEALOGIA SOBRALENSE - OS capelão na ilha de Fernando de Noronha.ARRUDAS, editado pela IOCE, com 360 páginas. Nomeado postulador da causa de canonização doEm 1993, publica o segundo volume da Coleção Padre Ibiapina, tem-se dedicado ao trabalho de"GENEALOGIA SOBRALENSE - OS GOMES acompanhar o processo junto ao Vaticano.PARENTE". TOMO I, II e III impressos pela IOCE. Desde 1996, reside em Sobral exercendo a função deEm 1998, publica o quarto volume OS FERREIRA pároco da Paroquia do Cristo Ressuscitado.DA PONTE - TOMO I e em preparo os tomos I, II e Genealogista e profundo entendedor do assunto,III dos Ferreira da Ponte. Padre Sadoc- como é chamado carinhosamente- ................................ publicou, entre outros livros; Cronologia Sobralense-
  34. 34. 345 volumes(1974-1990); A Ciência Criadora(1976); Internacional de Administração Pública deHistória da Culura Sobralense(1978); Estudos Paris(1970).Ibiapanos(1979); História Religiosa da É Reitor da Universidade Estadual Vale do Acaraú,Meruoca(1979); Ceará: Homens e Livros(1981); Vice-Presidente do Conselho de Educação do Ceará,Traços Biográficos de Dom José Tupinambá da Professor Adjunto da Universidade Federal do CearáFrota(1982); Dicionário Biográfico de Sacerdotes e Membro da Academia Cearense de CiênciasSobralenses(1985); História Religiosa de Guaraciaba Sociais.do Norte(1988) e Padre Ibiapina, Peregrino da Foi Professor Adjunto da FundaçãoCaridade- entre outros. Universidade Federal do Piauí, Chefe de Gabinete doÉ, também, membro da Academia Cearense de Reitor da UFPI, Assessor de Planejamento do ProjetoEstudos e Letras, Sócio do Instituto do Ceará, do Rondon do Ministério do Interior, Subchefe deInstituto Genealógico Brasileiro e do Colégio Gabinete do Ministério da Educação e Cultura,Brasileiro de Genealogia. Membro do Conselho Nacional do Serviço Social do MEC, Representante do Ministério da Educação e ................................ Cultura junto ao Conselho Curador da U.F.C., Reitor da Universidade Regional do Cariri, Presidente do (25) José Teodoro Soares é natural de Reriutaba- Conselho de Reitores do Ceará(CRUC).Ceará, onde nasceu a 28 de dezembro de 1940. Filho Tem uma produção literária refletida em 15 livrosde Agrípio Teodoro Soares e de Maria Palmira editados e vários artigos publicados em Jornais doSoares., é casado com a Dr.a Maria Norma Maia Brasil e no exterior.(Transcrito do Jornal O NoroesteSoares. de 18/03/2000 por ocasião da outorga do troféu Bacharel em Direito e Filosofia, Licenciado em Mandacaru ao ilustre homenageado, ocasião em queCiências Políticas pelo Instituto de Estudos Poliíticos fizeram também juz à citada comenda os senhoresda Universidade de Paris(1968), e em Ciências Dom Aldo Paggotto (Bispo de Sobral); Ciro FerreiraSociais pelo Instituto Católico de Paris no mesmo Gomes, ex-Governador do Ceará e político deano;, Mestre em Administração Pública pelo Instituto renome nacional e Sérgio Ricardo de Oliveira, Empresário e fundador do Noroeste ).
  35. 35. 35 Apóstolo da Educação, revolucionou a Educação Estudou no Seminário de Sobral e depois foi para oSuperior Cearense, mormente a da Zona Noroeste do Seminário Maior de Fortaleza, onde concluiu osestado. Pode ser considerado insubstituível em sua Cursos de Filosofia e Teologia. Foi Reitor doárea de atuação. Seminário Diocesano de Sobral e possui ................................ especialização em Psicologia Profunda, pela Universidade de Munique, Alemanha Ocidental.(39) Thomaz Corrêa Aragão nasceu em Ipu-Ce a De volta ao Brasil, assumiu a direção do tradicional16/08/1910, sendo seus pais o Cel. Auton Aragão e Colégio Sobralense, onde exerceu com tal zêlo aDa. Adalgisa Correia Aragão. administração, que o Colégio Sobralense chegou a ser Iniciou o seu Curso de Humanidades no Colégio considerado um dos melhores Colégios de todo oCearense do Sagrado Coração, em Fortaleza-Ce, em Estado do Ceará, ao lado do Colégio Militar de1924, terminando-o em 1929. Concluído referido Fortaleza e do Colégio Cearense, ambos estescurso, o Dr. Thomaz seguiu para a cidade do Rio de situados na Capital Alencarina.Janeiro, onde concluiu o Curso de Medicina . De 1970 a 2003 assumiu a Direção da Santa Casa de Veio, então, residir em Sobral, onde montou Misericórdia de Sobral, transformando-a, também,moderno consultório. em um Hospital Modêlo, tendo sido, este nosocômio,Dr. Thomaz faleceu em idade avançada, tendo, antes, considerado a melhor de todas as Santas Casas dodado enorme contribuição para a Medicina Mundial, Brasil.ao identificar e estudar o agente patogênico Graças a sua credibilidade e probidade, Padre Zétransmissor da grave moléstia conhecida por Calazar, conseguiu trazer para Sobral o Hospital do Coração,transmitida aos humanos por cães doentes. único do gênero não apenas no Estado, mas também ................................ na região Nordeste. Eleito Deputado Federal por diversos quadriênios,(40) Padre José Linhares Ponte nasceu em Sobral quando a população chegou a transformá-lo no maisa 21/10/1930, sendo filho de Francisco Jacinto votado do Ceará, Padre José Linhares Ponte honrou eFerreira da Ponte e de Maria Amália Linhares. honra a Terra que lhe serviu de berço e na qual caminhou seus primeiros passos.
  36. 36. 36Figura ímpar, a história lhe reservará papel (...)A presente lista, concluída em outubro deprepoderante tanto na área de Educação, quanto na de 1950, embora restrita aos Bacharéis, Médicos,Saúde, para desconsolo de seus injustos e insensíveis Engenheiros e Sacerdotes, tem por fim patentear queperseguidores políticos. Sobral continua detendo a primazia."...................................................................................... Segue portanto, abaixo, a relação de Bacharéis,............. Médicos, Engenheiros e Sacerdotes sobralenses, com o respectivo ano de formatura, o que certamente constitui-se em excelente fonte de consulta. I - BACHARÉIS Acacio Aragão de Souza Pinto;Adolpho Pompeu de LISTA ALFABÉTICA DE BACHARÉIS, Arruda; Alberto Magno da Rocha(1892); Alfredo MÉDICOS, ENGENHEIROS E SACERDOTES Severino Braga Duarte(1883); Alfredo Tacito da SOBRALENSES Rocha Pagé(1893); Alvaro Ottoni do Amaral(1897); (ATÉ 1950) Antenor Franca Cavalcante; Antonio Adolpho Coelho de Arruda(1885); Antonio Eliseu Hollanda Cavalcante(1886); Antonio Firmo Figueira de Segundo Alberto Amaral em Para a História de Saboia(1853); Antonio Frederico de Andrade(1874);Sobral, "Um jornal de Aracaty, no principio da Antonio Frutuoso Frota Filho(1928); AntonioRepública, estampou uma lista de todos os Ibiapina(1879); Antonio Joaquim Rodriguesaracatyenses formados, proclamando a glória de ser, Junior(1857); Antonio José Leal; Antonio de Paulano interior do Ceará, "a cidade que contava maior Pessoa Figueiredo; Antonio Plutarcho Rodriguesnúmero de filhos ilustres". Lima(1881); Antonio Regino do Amaral Filho(1894); Indireta resposta lhe deu, em 1892, "A Ordem", Antonio Sabino do Monte(1870); Bento Fernandesde José Vicente, publicando relação dos sobralenses Barros(1853); Carlos de Paula Pessoa(1919);formados, em número bastante superior, com o que Custodio Celso de Saboya e Silva; Diogo Parentereinvidicou para Sobral o primeiro lugar. Xerez(1915); Domingos Gonçalves Cearense(1870); Domingos José Pinto Braga; Domingos Olympio
  37. 37. 37Braga Cavalcante(1873); Edgard Catunda Gondim; Vasconcellos(1889); João Evangelista da Silva Frota;Edgard Miranda de Paula Pessoa; Edson Pimentel João Filipe da Cunha Bandeira de Mello(1852); JoãoSeverino Duarte(1922); Ernesto Miranda Saboya de Ferreira de Almeida Guimarães(1869); João FigueiraAlbuquerque(1930); Esmerino Gomes Parente(1855); Linhares; João Firmino de HollandaEugenio Marinho de Saboya e Silva; Filipe Bandeira Cavalcante(1867); João Julio de Almeidade Mello; Francisco Cicero Coelho de Arruda(1891); Monte(1885); João Lima Rodrigues(1890); JoãoFrancisco Domingues da Silva(1835); Francisco Miranda de Paula Pessoa; João Paulo Barbosa Lima;Furtado de Mendonça; Francisco Gomes João Pedro da Cunha Bandeira de Mello(1879); JoãoParente(1867); Francisco Gomes Parente Sobrinho; Peregrino Viriato de Medeiros; João Thomé da SilvaFrancisco Moacyr de Saboya Santos; Francisco de Junior(1864); Joaquim Frota Vasconcellos(1893);Oliveira Memoria(1889); Francisco Ponte; Francisco Joaquim Gondim de Albuquerque Lins(1926);Pothier Rodrigues Lima(1874); Francisco Prado; Joaquim Miranda de Paula Pessoa(1889); JorgeFrancisco Rodolpho do Amaral(1908); Francisco Pessoa Mendes(1941); José Alfredo Coelho deSeverino Duarte(1888); Francisco Urbano da Silva Arruda; José Antonio Pereira Ibiapina(padre)(1832);Ribeiro(1853); Galdino de Arruda Gondim; Galdino José Archanjo Figueira de Mello Castro(1842); JoséCatunda Gondim; Henrique Domingues da Silva; Austregesilo Rodrigues Lima(1863); José Barreto deIgnacio Ferreira de Almeida Magalhães(1866); Araujo(1939); José Camillo Linhares deJeronymo Macario Figueira de Mello(1851); Albuquerque(1886); José Candido da SilvaJeronimo Martiniano Figueira de Mello(1832); Franca(1864); José Clodoveu de ArrudaJeronymo da Silva Frota(1892); Jeronymo de Coelho(1908); José Daltro Barreto(1940); JoséXerez(1889); João Adolpho Ribeiro da Silva(1868); Deusdedit Mendes(1936); José Furtado deJoão Baptista de Vasconcellos(1939); João Baptista Mendonça(1869); José Gerardo Frota Parente; JoséFigueira Lima; João de Albuquerque Gomes da Frota(1866); José Gonçalves deRodrigues(1862); João Capistrano Bandeira de Moura(1858); José Getúlio da Frota Pessoa(1905);Mello(1833); João Carlos Pereira Ibiapina(1837); José Gonçalves Viriato de Medeiros; José Julio deJoão Domingues da Silva(1836); João Edmundo de Albuquerque Barros(1861); José Maria da CruzOliveira Gondim; João Evangelista da Frota Andrade(1940); José Maria MontAlverne(1933);
  38. 38. 38José Miramar Ponte; José Moreira da Rocha(1890); Pessoa(1850); Vicente Alves Rodrigues deJosé Olavo Rodrigues Frota(1920); José Potyguara da Albuquerque(1869); Vicente Coelho de Arruda;Silva; José Saboya de Albuquerque(1891); José Vicente de Arruda Gondim; Vicente Cesario FerreiraSylvestre Monte Coelho; José Thomé da Silva(1865); Gomes(1868); Vicente Ferreira de ArrudaJosé Wilson de Vasconcellos; José Xrez(1887); Julio Coelho(1914); Vicente Liberalino de Albuquerque;Santa Cruz Oliveira; Justiniano Raymundo da Silva Virgilio Augusto de Moraes(1867).Freire(1881); Justino Domingues daSilva(Padre)(1849); Justino Lopes Freire; JuvencioAlves Ribeiro da Silva(1856); Ladislau Acrisio de II - MÉDICOSAlmeida Fortuna(1858); Leocadio AndradePessoa(1850); Levino Pinto Brandão(1861); Lucrecia Adalberto Rodrigues de Albuquerque; Agenor GomesPinho; Luiz Antonio Vieira Lima; Luiz Gonzaga da Frota(1939); Alberto Saboya Viriato de Medeiros;Coelho de Arruda(1900); Luiz Lopes Teixeira Moura Antonio Custodio de Azevedo; Antonio DominguesJunior(1850);Mozart Catunda Gondim; Pedro Alvaro da Silva; Antonio Guarany MontAlverne(1935);Rodrigues de Albuquerque(1883); Pedro Araujo Antonio Ibiapina Filho(1930); Antonio FranciscoMadeira; Pedro Gomes da Frota(1883); Raymundo Rodrigues de Albuquerque; Antonio MontAlverneEdson Pimentel Duarte; Raymundo Furtado de Ferreira Gomes(1938); Antonio Raymundo Gomes daAlbuquerque Cavalcante(1859); Raymundo Frota; Cesario Ferreira Gomes; Edson Lima; ErnestoJustiniano Freire; Raymundo Leopoldo Coelho de Vicente Saboya de Albuquerque; Euclydes Pontes;Arruda; Raymundo Monte Coelho; Raymundo Francisco Alves Pontes(1842); Francisco DonizettiOrestes de Aguiar; Rufino Furtado de Mendonça; Gondim(1923); Francisco de Paula PessoaTancredo Halley de Alcantara(1938); Teophilo Figueiredo(1862); Francisco Peregrino Viriato deFidelis de Paula(1891); Theotonio Santa Cruz Medeiros(1872); Francisco de Paula Rodrigues;Oliveira; Thomaz Antonio de Paula Pessoa(1858); Genserico Aragão de Souza Pinto; Heitor da SilvaThomaz Miranda de Paula Pessoa(1894); Thomaz de Frota; Helvecio Monte Coelho; JarbasPaula Pessoa Rodrigues(1892); Trajano Viriato de Ibiapina(1936); João Marinho de Andrade(1883);Medeiros(1863); Vicente Alves de Paula João Pedro Figueira de Saboya(1884); José

×