Construção de alvenaria de tijolo cerâmico maciço

8,445
-1

Published on

Published in: Engineering
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
8,445
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
176
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Construção de alvenaria de tijolo cerâmico maciço

  1. 1. Construção de alvenaria de tijolo cerâmico maciço COMPONENTES DE LIGAÇÃO PROCESSO DE EXECUÇÃO E DETALHES CONSTRUTIVOS 1. Tijolos Maciços São blocos comum deverão ser executados conforme o étodo de blocos de concreto, sempre começando pelos cantos não esquecendo de sempre obedecer o prumo de pedreiro para seu alinhamento vertical. Porque devemos sempre começar primeiramente a levantar os blocos pelos cantos ? As vezes não percebemos mais sua importância se dá devido ao levantamento restante da parede sem preocupações de prumo e horizontalidade como mostrado na figura abaixo Alvenaria é toda obra constituída de elementos como pedras naturais, tijolos ou blocos de concreto, ligados ou não por argamassa. As alvenarias de tijolos de argila são utilizadas basicamente em paredes de vedação ou como paredes portantes em pequenas estruturas, além de blocos de fundação, muros de arrimo e colunas, além de obras estruturais como arcos e abóbadas, como se utilizava na antiguidade. Neste tópico vamos enfatizar o tijolo maciço de argila que o tipo mais utilizado em nossa região. O uso de alvenaria com bloco de argila, mais conhecido com tijolo maciço,
  2. 2. está em desuso. Ele tem perdido espaço para alvenarias como o bloco cerâmico e o de cimento. Essa situação decorre devido às suas dimensões, causa da baixa produtividade da mão-de-obra na execução dos serviços. Fato de consumirem mais blocos por m2, mais argamassa de assentamento e mais mão-de-obra de execução. As paredes feitas com tijolo maciço se diferenciam pela espessura e pela maneira com que os tijolos são assentados. Assim, temos as espessuras de ½ tijolo, 1 tijolo, 1 ½ tijolo e até de 2 tijolos ou mais. Para cada largura de parede é feito um tipo de amarração dos tijolos. A intenção é desencontrar as juntas, com isto atingir maior resistência ao cisalhamento e melhorar o comportamento geral da alvenaria quando recebe as cargas. Desta forma, a parede fica mais resistente com as juntas devidamente amarradas. O tijolo maciço pode ser assentado da seguinte forma: Execução Para executar com qualidade uma alvenaria de tijolo maciço pode se utilizar o mesmo fundamento de execução de outros tipos de alvenaria como de bloco cerâmico e de cimento. As ferramentas básicas são o escantilhão, o prumo de pedreiro e da linha. A argamassa de assentamento tem seu traço composto por cimento, cal e areia no traço 1: 2: 8. A sua função básica é solidarizar a alvenaria, transmitindo e uniformizando a tensões entre os tijolos, absorvendo pequenas
  3. 3. deformações e manter a estanqueidade da edificação. ELEVAÇÃO DA ALVENARIA: Paredes de tijolos maciços Depois de, no mínimo, um dia da impermeabilização, serão erguidas as paredes conforme o projeto de arquitetura. O serviço é iniciado pêlos cantos (Figura 4.8) após o destacamento das paredes (assentamento da primeira fiada), obedecendo o prumo de pedreiro para o alinhamento vertical (Figura 4.9) e o escantilhão no sentido horizontal (Figura 4.8). Os cantos são levantados primeiro porque, desta forma, o restante da parede será erguida sem preocupações de prumo e horizontalidade, pois estica-se uma linha entre os dois cantos já levantados, fiada por fiada. A argamassa de assentamento utilizada é de cimento, cal e areia no traço 1:2:8.
  4. 4. Figura 4.8 - Detalhe do nivelamento da elevação da alvenaria Figura 4.9 - Detalhe do prumo das alvenarias Podemos ver nos desenhos (Figura 4.10; 4.11; 4.12) a maneira mais prática de executarmos a elevação da alvenaria, verificando o nível e o prumo. 1o – Colocada a linha, a argamassa e disposta sobre a fiada anterior, conforme a Figura 4.10. Figura 4.10 - Colocação da argamassa de assentamento 2o - Sobre a argamassa o tijolo e assentado com a face rente à linha, batendo e acertando com a colher conforme Figura 4.11.
  5. 5. Figura 4.11 - Assentamento do tijolo 3o - A sobra de argamassa é retirada com a colher, conforme Figura 4.12. Figura 4.12 - Retirada do excesso de argamassa Mesmo sendo os tijolos da mesma olaria, nota-se certa diferença de medidas, por este motivo, somente uma das faces da parede pode ser aparelhada, sendo a mesma à externa por motivos estéticos e mesmo porque os andaimes são montados por este lado fazendo com que o pedreiro trabalhe aparelhando esta face. Quando as paredes atingirem a altura de 1,5m aproximadamente, deve-se providenciar o primeiro plano de andaimes, o segundo plano será na altura da laje, se for sobrado, e o terceiro 1,5m acima da laje e assim sucessivamente.
  6. 6. Os andaimes são executados com tábuas de 1"x12" (2,5x30cm) utilizando os mesmos pontaletes de marcação da obra ou com andaimes metálicos. No caso de andaimes utilizando pontaletes de madeira as tábuas devem ser pregadas para maior segurança do usuários. Amarração dos tijolos maciços Os elementos de alvenaria devem ser assentados com as juntas desencontradas, para garantir uma maior resistência e estabilidade dos painéis (Figuras4.13; 4.14; 4.15). Podendo ser: a - Ajuste comum ou corrente, é o sistema mais utilizado (Figura 4.13) Figura 4.13 - Ajuste corrente (comum) b - Ajuste Francês também comumente utilizado (Figura 4.14) Figura 4.14 - Ajuste Francês c - Ajuste Inglês, de difícil execução pode ser utilizado em alvenaria de tijolo aparente (Figura 4.15).
  7. 7. Figura 4.15 - Ajuste Inglês ou gótico Formação dos cantos de paredes É de grande importância que os cantos sejam executados corretamente, pois como já visto, as paredes iniciam-se pêlos cantos. Nas Figuras 4.16; 4.17; 4.18; 4.19 e 4.20 mostram a execução de diversos cantos de parede nas diversas modalidades de ajustes. Figura 4.16 - Canto em parede de meio tijolo no ajuste comum Figura 4.17 - Canto em parede de um tijolo no ajuste francês
  8. 8. Figura 4.18 - Canto em parede de um tijolo no ajuste comum Figura 4.19 - Canto em parede de espelho Figura 4.20 - Canto em parede externa de um tijolo com parede interna de meio tijolo no ajuste francês Pilares de tijolos maciços
  9. 9. São utilizados em locais onde a carga é pequena (varandas, muros etc...). Podem ser executados somente de alvenaria ou e alvenaria e o centro preenchido por concreto (Figura 4.21) Figura 4.21 - Exemplo depilares de alvenaria Empilhamento de tijolos maciços Para conferir na obra a quantidade de tijolos maciços recebidos, é comum empilhar os tijolos de maneira como mostra a Figura 4.22. São 15 camadas, contendo cada 16 tijolos, resultando 240. Como coroamento, arrumam-se mais 10 tijolos, perfazendo uma pilha de 250 tijolos. Costuma-se, também, pintar ou borrifar com água de cal as pilhas, após cada descarga do caminhão, para não haver confusão com as pilhas anteriores. Figura 4.22 - Empilhamento do tijolo maciço
  10. 10. Cortes em tijolos maciços O tijolo maciço permite que seja dividido em diversos tamanhos, o que facilita no momento da execução. Podemos dividi-lo pela metade ou em 1/4 e 3/4 de acordo com a necessidade (Figura 4.23). Figura 4.23 - Corte do tijolo maciço Paredes com bloco de concreto São paredes executadas com blocos de concreto vibrado. Com o desenvolvimento dos artigos pré-moldados, se estendem rapidamente em nossas obras. O processo de assentamento é semelhante ao já descrito para a alvenaria de tijolos maciços. As paredes iniciam-se pêlos cantos utilizando o escantilhão para o nível da fiada e o prumo. A argamassa de assentamento dos blocos de concreto é mista composta por cimento cal e areia no traço 1:1/2:6. Vantagens: - peso menor - menor tempo de assentamento e revestimento, economizando mão-de-obra. - menor consumo de argamassa para assentamento. - melhor acabamento e uniformidade. Desvantagens: - não permite cortes para dividi-los. - geralmente, nas espaletas e arremates do vão, são necessários tijolos comuns. - difícil para se trabalhar nas aberturas de rasgos para embutimento de canos e conduítes. nos dias de chuva aparecem nos painéis de alvenaria externa, os desenhos dos blocos. Isto ocorre devido à absorção da argamassa de assentamento ser diferente da dos blocos.
  11. 11. Os blocos de concreto para execução de obras não estruturais têm o seu fundo tampado (Figura 4.24) para facilitar a colocação da argamassa de assentamento. Portanto, a elevação da alvenaria se dá assentando o bloco com os furos para baixo. Figura 4.24 - Detalhe do assentamento do bloco de concreto O assentamento é feito em amarração. Pode ser junta a prumo (somente quando for vedação em estrutura de concreto). A amarração dos cantos e de parede interna com externa se faz utilizando barras de aço a cada três fiadas ou utilizando um pilarete de concreto no encontro das alvenarias (Figura 4.25): Figura 4.25 - Detalhe de execução dos cantos Tijolo maciço cerâmico para alvenaria Segundo a NBR 7170 (1983) - Tijolo maciço cerâmico para alvenaria , tijolo maciço é definido como um componente de alvenaria em forma de paralelepípedo retângulo que possui todas as
  12. 12. faces planas e preenchidas de material. As dimensões nominais dor tijolos podem ser de ALVENARIA Angelo Just da Costa e Silva 6 (19x9x57)cm e (19x9x90)cm. Durante o processo de fabricação o material é queimado a temperaturas entre cerca de 650ºC a 800ºC. No tocante à resistência à compressão, a norma cl assifica os tijolos maciços em A, B e C, cujos valores mínimos devem ser de 1,5MPa, 2,5MPa e 4,0MPa, respectivamente, não sendo apresentados, neste caso, critérios de aceitação quanto à absorção de água. A produtividade da execução do tijolo maciço é baixa, no entanto as suas pequenas dimensões permitem uma maior precisão de nivelamento e prumo. 1.1.3. Tijolo maciço de solo cimento Segundo a NBR 8491 (1983) - Tijolo maciço de solo cimento , este material é definido como tijolo cujo volume não é inferior a 85% do se u volume total aparente, constituído por uma mistura homogênea, compactada e endurecida de solo (o qual não deve apresentar matéria orgânica em teores prejudiciais), cimento Portla nd, água e, eventualmente, aditivos. Podem ser classificados em tipo I e II, com dimensõe s de (20x9,5x5)cm e (23x11x5)cm, respectivamente (comprimento, largura e altura). No tocante às especificações técnicas, estes tijolos devem apresentar teores de absorção de água médio e individual não superiores a 20% e 22% , respectivamente, e resistência mínima à compressão média e individual de 2,0MPa e 1,7MPa, respectivamente. Neste caso, cada 25.000 blocos ou fração superior a 10.000 unidades constituem um lote do qual se deve retirar, ao acaso, uma amostra de 13 tijolos para determinação da resistência à compressão e absorção de água.

×