Cadeia de Suprimentos Sustentável

2,615
-1

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
2,615
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
39
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Cadeia de Suprimentos Sustentável

  1. 1. Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos e Sustentabilidade Sustainable Supply Chain Daiane Nogueira Lins São Paulo, 2010 Na última década o tema sustentabilidade está no alvo dos principais projetos daorganização. Esse conceito tornou-se comum em nossas vidas, mas muitas vezes éentendido de forma errônea. Isso decorre do fato de que a maior parte da população, pordesconhecimento dos outros lados desse conceito, o atrela única e exclusivamente àpreservação ambiental. De acordo com o relatório “Our common future”, "desenvolvimento sustentávelé o desenvolvimento que satisfaz as necessidades presentes, sem comprometer acapacidade das gerações futuras de suprir suas próprias necessidades." Para que setorne possível essa forma de desenvolvimento, esse conceito se apóia em três pilares:econômico, social e ambiental. Muitas organizações atêm-se a projetos de cunho ambiental que tragam retornostangíveis, como otimização de processos para redução do consumo de energia oureutilização de materiais que seriam descartados. Por outro lado, projetos sociaiscostumam ter retorno intangível que a médio e longo prazo convertem-se a ativostangíveis; a exemplo temos projetos internos que podem aumentar a motivação dosfuncionários e, consequentemente, aumentar a produtividade ou projetos externos quepodem agregar valores à marca e aumentar venda a medida que o reconhecimento destacresce perante o público. Com os adventos da globalização observa-se que os pontos tradicionais dediferenciação não mais desempenham eficazmente essa função. Qualidade e inovaçãosão características muitas vezes comuns aos concorrentes, por essa razão faz-se
  2. 2. necessário o investimento em novas tendências. Por esse motivo muitas empresas têminvestido na otimização de suas cadeias de suprimentos, com isso elas conseguemmelhorar seus processos e, consequentemente, proporcionam melhores serviços a seusclientes. Segundo Ronald Ballou, logística e cadeia de suprimentos são entendidas comosinônimos, sob sua ótica: “a logística/cadeia de suprimentos é um conjunto de atividades funcionais (transporte, controle de estoques, etc) que se repetem inúmeras vezes ao longo do canal pelo qual as matérias-primas vão sendo convertidas em produtos acabados, aos quais se agrega valor ao consumidor.”Por estar ligada aos processos desde o fornecedor até o consumidor, ações sustentáveispodem ser implementadas em suas diferentes etapas, uma vez que podem trazerexternalidades negatvas ao ambiente. Com uma rápida análise das atividades envolvidas neste processo observamoscomo ele pode trazer grandes impactos. Durante a extração, ocorre a exploração derecursos naturais, na produção e distribuição ocorre a emissão de resíduos e poluentesou desperdício de materiais. Além da questão ambiental é necessário observar a questãosocial envolvida, situações como forma precária ou exploratória de trabalho, semproteção ou suporte adequado sob baixa remuneração, além do descumprimento dalegislação vigente, ainda se fazem comuns em alguns segmentos. Por envolver oconsumidor como integrante da cadeia, suas ações também devem ser consideradas, aeste atribuímos o modo de descarte do produto após o uso. Com o intuito de diminuir possíveis impactos nasceu o conceito de Cadeia deSuprimentos Sustentável, entendido como a “gestão das matérias-primas e serviços defornecedores para o fabricante/prestador de serviço e para clientes, ou processoinverso, com a melhoria dos impactos sociais e ambientais explicitamenteconsiderados.” de acordo com o Business Guide to a Sustainable Supply Chain (GuiaEmpresarial para uma Cadeia de Suprimentos Sustentável), desenvolvido pelo ConselhoEmpresarial da Nova Zelândia para o Desenvolvimento Sustentável, em 2003.
  3. 3. Nos processos internos Boks e Stevels desenvolveram um estudo usando comobase a indústria de eletrônicos no qual o Green Supply Chain Management(Gerenciamento Verde da Cadeia de Suprimentos) é avaliado sob três pontos: científico(Scientific green), governamental (Government green) e do consumidor (Customergreen). Sob o ponto científico são determinados os impactos dos produtos, processos esistemas, uma vez que busca traçar um perfil completo do ciclo do produtoconsiderando questões como emissões e potencial tóxico de tais, quantidade de energiae recursos usados, escolha de materiais alternativos, entre outros. A questãogovernamental envolve aspectos geográficos como posição, densidade populacional,disponibilidade de fontes de energia e economia local, ou seja, busca traçar como ogoverno e a sociedade local vão afetar, ou serão afetadas pela empresa. Os autoressalientam que a percepção dos consumidores está diretamente ligada ao emocionalassim, preocupam-se com saúde e segurança, buscando produtos que transpareçam isso. De uma forma geral observamos que as empresas buscam alinhar seus processosàs questões sustentáveis. Apesar da tendência, elas colidem com questões de difíceissoluções, a exemplo temos a modal rodoviária, na qual apesar da eficácia nota-se quemuitas vezes os que dirigem o fazem sob condições de grande desgaste, além dapoluição resultante, ou seja, sob a ótica sustentável ela apresenta grandes falhas,entretanto outras modais não comportam os mesmos produtos ou não o fazem sob omesmo prazo. Por essa razão há uma busca constante por eficácia nos meios detransporte, mas externalidades ainda são inevitáveis e a solução que resta às empresas ébuscar o serviço de transportadoras com melhores práticas operacionais. Mas é importante ressaltar que a busca pela sustentabilidade apenas nosprocessos internos não é suficiente. Deve se considerar todos os integrantes da cadeiabem como suas atitudes, um fornecedor com más práticas acarretará em uma máimagem para a empresa. A exemplo disto temos o caso Nike, que em 1998 viu suasvendas reduzirem drasticamente devido a associação da marca a exploração do trabalhoinfantil. Como consequência a marca teve que se reestruturar adotando uma novafilosofia social, pois na mudança de valores que aquela sociedade estava vivenciandonão se admitia uma empresa que tivesse um fornecedor que usasse o serviço de criançasde forma abusiva.
  4. 4. Apesar das organizações entenderem a importância da escolha de fornecedoressocialmente responsáveis nem sempre se faz possível a identificação de tais empresas.Com o intuito de reconhecê-las desenvolveu-se a ISO (International Organization forStandardization), uma rede dos institutos de padronização nacionais de 163 países, comuma Secretaria Central em Genebra, Suíça, que coordena o sistema. As certificaçõesISO são emitidas às empresas que se adéquam a normas estabelecidas de produção,gestão e atitudes organizacionais. Entre as certificações temos a ISO 9000 - Sistemas de Qualidade, que buscaavaliar a qualidade na especificação, desenvolvimento, produção e serviço pós-venda.Por sua vez o ISO 14000 - Gestão Ambiental, rconhece a busca da organização paraminimizar os efeitos nocivos de suas atividades no meio ambiente. Além dapreocupação ambiental, o ISO 26000 aborda ainda a responsabilidade social e a formaque as empresas contribuem para o desenvolvimento sustentável. É importante entender que essa padronização não está atrelada ao produto. Ospadrões de qualidade e responsabilidade socioambiental são avaliados a partir deprocessos, que podem vir a influenciar na concepção final do produto. Entretanto essascertificações são adotadas por empresas como diferenciação na escolha de seusfornecedores. Na outra ponta da cadeia observamos que muitas atitudes são tomadas com ointuito de conscientizar o consumidor da importância de reciclar, fazer o descartecorreto dos produtos e usá-los em quantidades e proporções certas a fim de evitardesperdícios. Com essa visão a franquia de perfumaria e cosméticos O Boticárioseparou em suas lojas um espaço dedicado ao recolhimento de embalagens vazias, noqual todas as embalagens são encaminhadas a empresas recicladoras. A empresa lançoutambém refis de sua linha de desodorantes com o intuito de reaproveitar as embalagense diminuir o custo para o consumidor. Tendo em vista a limitação dos recursos produtivos há uma percepção daimportância de se reutilizar os materiais após o consumo, ou caso isso seja inviável,encaminhá-los para descarte. Para tanto, vem sendo cada vez mais empregado oconceito de logística reversa, que consiste em fazer com que esse material retorne ao
  5. 5. seu ciclo produtivo ou para o de outra indústria como insumo, reaproveitando produtos(ou parte deles), embalagens e materiais. Esse processo é de fundamental importância,pois evita que produtos como óleo, pilhas, baterias, eletrodomésticos, entre outros,sejam descartados de forma incorreta. A empresa de tecnologia Hewlett-Packard (conhecida como HP) implantou em2002 um programa de logística reversa com o intuito de coletar produtos e suprimentosde sua marca. A empresa faz grandes investimentos nessa área e está implantando 55centros de serviços no país, e além do recolhimento de produtos ela ainda investe emdesign para o meio ambiente. Este visa a concepção de produtos sob três aspectos:eficiência energética na fabricação e uso; impacto dos materiais no ambiente e maiorvalor no fim da vida útil, e desenho para desmontagem, prevendo a identificação ereciclagem dos componentes. Empresas que adotaram práticas sustentáveis obtêm os mais variadosbenefícios. Além da redução de emissão de produtos tóxicos no ambiente oudesperdício de matéria-prima, ocorre uma considerável redução de custos emdecorrência do reaproveitamento de materiais e otimização dos processos. Benefíciosintangíveis também devem ser considerados, como melhoria da percepção do mercadopara com a empresa, motivação dos colaboradores e aumento da competitividade daempresa. Outro ponto importante a se ressaltar é que uma empresa sustentável acaba porinfluenciar toda sua cadeia produtiva, pois esta exigirá de seus fornecedores práticascondizentes, da mesma forma instruirá seu consumidor ao consumo adequado. É inegável que os investimentos em sustentabilidade cresceramexponencialmente nas organizações dos mais diversos setores, mas deve-se ressaltar quenenhuma jamais atingiu a sustentabilidade plena. Pode ser que em um futuro próximo,com o avanço tecnológico e a melhoria das condições sociais, esse estado seja atingido,ou pode-se conceber no conceito uma natureza utópica. Mas qual premissa se faráverdadeira é algo que não se pode identificar no curto prazo, por isso nos cabe buscarformas de integrar a sustentabilidade a nosso dia-a-dia. Em linhas gerais o conceito de sustentabilidade nasceu da necessidade demudança das condições sócio-ambientais que se vivenciava, e vem buscando caminhospara melhorar a sociedade de uma forma geral, bem como a forma que esta interage
  6. 6. com o meio no qual está inserida. Mesmo que adotado tardiamente na tentativa dereverter erros passados ou retroceder/minimizar o avanço de danos irreversíveis, oconceito de sustentabilidade vem mostrando resultados além dos esperados e trazconsigo a promessa de uma sociedade idealizada por gerações.Referências BibliográficasBOKS C.; STEVELS A. Essential perspectives for Design for Environment - Experiencesfrom electronics industry , International Journal of Production Research, 2007SIMCHI-LEVI, David; KAMINSKY, Philip; SIMCHI-LEVI, Edith, Cadeia de Suprimentos -Projeto e Gestão, Ed. Bookman São Paulo, 2000BALLOU, Ronald, Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos/Logística Empresarial - 5ªEdição, Editora Bookman, São Paulo, 2004World Commission on Environment and Development - Our Common Future: BrundtlandReport - http://worldinbalance.net/intagreements/1987-brundtland.phpRede da Sustentabilidade http://www.sustentabilidade.org.brConselho da Nova Zelândia para o Desenvolvimento Sustentável - Business Guide to aSustainable Supply Chain - A Practical Guide -2003 http://www.nzbcsd.org.nz/supplychain/SupplyChain.pdfJohnny C. Ho; Maurice K. Shalishali; Tzu-Liang; David S. Ang, artigo: Opportunities inGreen Supply Chain Management -2009 http://www.coastal.edu/business/cbj/pdfs/articles/spring2009/ho_shalishali_tseng_ang.pdfDuber-Smith - The GreenImperative http://www.icosamag.com/_webapp_1076762/SustainabilityPurdue University - College of Technology, GREEN POWER TO THE SUPPLYCHAIN http://www.tech.purdue.edu/it/GreenSupplyChainManagement.cfm

×