Your SlideShare is downloading. ×
Turismo e Globalizaçao
Turismo e Globalizaçao
Turismo e Globalizaçao
Turismo e Globalizaçao
Turismo e Globalizaçao
Turismo e Globalizaçao
Turismo e Globalizaçao
Turismo e Globalizaçao
Turismo e Globalizaçao
Turismo e Globalizaçao
Turismo e Globalizaçao
Turismo e Globalizaçao
Turismo e Globalizaçao
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Turismo e Globalizaçao

1,147

Published on

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,147
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
5
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Caderno Virtual de Turismo L DE TU UA NO VIRT ISSN: 1677-6976 Vol. 10, N° 1 (2010) RI SMODER CA O turismo e o sagrado em tempos de globalização: o exemplo de Tindaya-Ilhas Canárias (ES) e de Xique-Xique de Igatu - Bahia (BR) Cyntia da Silva Andrade* Sagrario Martinez Berriel** O turismo e o sagrado em tempos de globalização: o exemplo de Tindaya-Ilhas Canárias (ES) e de Xique-Xique de Igatu - Bahia (BR) Resumo Uma das tendências sociais emergentes no atual contexto da mundialização da cultura é a revitalização do panteísmo: o culto à natureza como manifestação divina e última verdade da nossa existência. O "retorno sagrado" a natureza se interpreta como crítica à Modernidade e reação de esperança ante o risco de que a Terra, como pátria comum de nossa espécie, desapareça. O presente artigo analisa o turismo como mediador deste movimento transnacional de cidadania universal que entende nosso planeta como um lugar sagrado, patrimônio comum da humanidade. O texto busca exemplos em dois lugares, geograficamente distantes, mas interpretados, pela comunidade ou pelos turistas, como um lugar sagrado. Palavras-chave: Cultura; turismo sagrado; globalização. Abstract One of the social emergent trends in the current context of the world culture is the revitalization of the pantheism: the worship to the nature like divine manifestation and last truth of our existence. The "sacred return" to the nature is interpreted as a critique to the Modernity and reaction of hope faced with the risk that the Earth, like common mother land of our species, should disappear. The present communication analyzes the tourism as mediation of this transnational movement of universal citizenship that understands our planet as a sacred www.ivt -rj.net place, common patrimony of the humanity. The text search examples in two places, geographically distant, but interpreted by the community or the tourists, as a sacred place. LTDS Key-words: Culture; sacred tourism; globalization. Cyntia da Silva Andrade e Sagrario Martinez Berriel Laboratório de Tecnologia e Desenvolvimento Social 112
  • 2. Caderno Virtual de Turismo L DE TU UA NO VIRT ISSN: 1677-6976 Vol. 10, N° 1 (2010) RI SMO ER Introdução A próspera e global "indústria" do turismoD CA A primeira exposição universal do século explora este ressurgir da espiritualidade XXI, celebrada no Japão em 2005, teve como cósmica, distante das religiões oficiais, se tema a "Harmonia global" e a "Sabedoria da introduzindo nos espaços e caminhos Natureza". A natureza analisada como um "mágicos" e "sagrados" da Historia. De bem que nos iguala por cima das diferenças Stonehenge as Pirâmides do Egito, passando culturais. A globalização põe em primeiro pelo Caminho de Santiago, existem poucos plano a identidade comum da humanidade, territórios sem fronteiras, que se vislumbram a inevitável e esperançosa consciência de uma ininterrupta geografia sagrada unida que somos partícipes de um planeta que pela magia e o mistério do que é forma parte de um universo, no qual estamos transcendente, ou seja, um valor que vai todos e que não podemos fugir. Ao mesmo além do espaço e do tempo. O turismo e o sagrado em tempos de globalização: o exemplo de Tindaya-Ilhas Canárias (ES) e de Xique-Xique de Igatu - Bahia (BR) tempo, a ecologia nos adverte sobre a Dentro da categoria do mágico e fragilidade da terra ante a agressão humana, sagrado se inclui, com particular e o pensamento científico prospera uma protagonismo, os territórios que ficaram antiga tradição transcendente do virgens por seu distanciamento do mundo conhecimento humano, que expressou a civilizado ou pela dificuldade técnica de Teoria Platônica acerca da harmonia explorar seus recursos. universal: una cosmogonia que coordena o A busca pelo mundo espiritual, muitas microcosmo com o macrocosmo em uma vezes desligado de uma instituição religiosa, única ordem universal. Com base nesta tem provocado uma aproximação maior do correspondência, o astrônomo Kepler homem com a natureza. Em uma paisagem relacionou, para escândalo do pensamento natural, os aspectos que transcendem os racional de sua época, o movimento das elementos puramente físicos estreitam o elo marés na terra com o movimento da lua. entre o homem e o divino. Este artigo busca Atualmente, os cientistas voltam a coincidir* Doutoranda do programa de Turismo Integral, analisar o turismo como mediador desseInterculturalidad y Desarrollo Sostenible da com o principio platônico da harmoniaUniversidad de Las Palmas de Gran Canaria , movimento de retorno à natureza, tomandoEspaña. Possui mestrado em Cultura & Turismo universal e a integração de todas as partespela Universidade Estadual de Santa Cruz - BA/ como exemplo, dois estudos realizados emBrasil (2005) e graduação em Geografia pelaUniversidade Estadual de Feira de Santana - BA/ do mundo. A Teoria do Caos chega, através lugares que apresentam um interesse turísticoBrasil (1993). Tem experiência na área deGeografia, com ênfase em turismo, atuando da ciência, a idênticas conclusões que a baseado nesta temática, como a montanhaprincipalmente temas relacionados ao turismocultural e patrimônio imaterial, atualmente filosofia zen; de fato, a formação do tãoinvestiga o Patrimônio Imaterial na Rota do de Tindaya, localizada na ilha deAçúcar na Macaronesia. Possui artigos conhecido "efeito borboleta" se assemelha apublicados em Congressos, Revistas Fuerteventura, território espanhol e arelacionadas ao turismo. um antigo provérbio oriental que diz: Se cortascyntiand@gmail.com pequena vila de Xique-Xique de Igatu, na** Was born in Fuerteventura (Canary uma folha de uma árvore abalas o universo.Islands). She obtained her doctorate in Chapada Diamantina-BA.Sociology at the Universidad Complutensede Madrid with a thesis on musicians and A crise do pensamento ocidental e dosmusic in a city in the Canary Islands, valores que regem nossa cultura recente, A cultura mundial da Cyntia da Silva Andrade e Sagrario Martinez Berrielsubsequently published as La armonÌa y elritmo de una ciudad; estudio sobre laprofesión, la afición y la vida musical en Las como o racionalismo, o individualismo e o espiritualidadePalmas de Gran Canaria. She has doneextensive doctoral and post-doctoral culto a ciência, entre suas principais Nas sociedades pós-modernas ouresearch at the Centro de InvestigacionesSociológicas (CIS) in Madrid, at the "La manifestações, está produzindo uma reação ultramodernas, ao mesmo tempo em que aSapienza" University in Rome and the Ecoledes Hautes Etudes en Sciences Sociales in oposta que se expressa na sacralização do permanente motivação pelo beneficioParis and has written numerous articles andlectures about the city, cultures, tourism mundo e do território, claramente desperta um profundo interesse pelo sagradoand migration. Since 1994 she is ProfessorTitular at the Universidad de Las Palmas, manifestada na crescente importância da (Maffesoli, 1997; Augé, 1987; Lenoir, 2003), sãoand has participated in conferences andteaching interchange in a number of ecologia e de distintos movimentos místico- incontáveis as provas do renascimento daEuropean universities. Her current researchincludes sociology of music, transurbanism, religiosos associados ao culto da terra.sustainable tourism, and culture in a espiritualidade, inclusive em espaçosglobalized context.sagramartinezberriel@telefonica.net empresariais, pouco ou nada relacionados 113
  • 3. Caderno Virtual de Turismo L DE TU UA NO VIRT ISSN: 1677-6976 Vol. 10, N° 1 (2010) RI SMO ER à questão espiritual. No âmbito da vida social, transcendental da morte. É um amálgamaD CA em alguns locais públicos ou privados, de experiências espirituais onde se combinam proliferam crenças e práticas religiosas com fins prazeres e práticas alternativas de variadas espiritualmente benéficos. O auge da procedências, como a agricultura biológica, sensibilidade espiritual e a combinação de a homeopatia, a magia, o xamãnismo, entre crenças religiosas com finalidades profanas outros. Esta tendência é conhecida como (evitar o stress, eficiência empresarial, "holística" porque integra e supera as autodomínio, entre outras.) são exemplos dos dualidades e incisões que a cultura ocidental fenômenos sociais contemporâneos que fez lei, algo como mente/corpo, natureza/ acompanham ao descrédito da Modernidade cultura e microcosmos /macrocosmos. A busca pela espiritualidade ressurge, Na tradição da disciplina sociológica, estranhamente, em tempos marcados pela Max Weber caracteriza a Modernidade O turismo e o sagrado em tempos de globalização: o exemplo de Tindaya-Ilhas Canárias (ES) e de Xique-Xique de Igatu - Bahia (BR) ciência e pela racionalidade. O massivo pelo triunfo da "racionalidade" e o consumo da música sacra sem uso religioso, o "desencantamento do mundo" e, Nobert uso da meditação com fins lucrativos (cursos Elias pela regulamentação e privatização de liderança empresarial, desenvolvimento das emoções através do ócio, da arte e do integral, entre outros), são algumas das esporte. A realidade social atual prova que inúmeras combinações do sincretismo religioso não há espaço decrescente de religiosidade, que dão lugar a globalização da cultura. Em nem um afastamento de sua prática na vida particular, vale à pena ressaltar o crescimento doméstica. Ao contrario, assistimos a uma do budismo no ocidente, marcado pelo sentido pujante influência da religião no âmbito da ecológico da vida, e o fato de que se trata de vida política mundial (Thomas, 2007), e pode uma filosofia, mais que de uma religião, o que não haver uma religião civil capaz de implica a negação de um Deus e de uma substituir as crenças sobrenaturais. "Igreja". Tudo isso se ajusta ao individualismo O sentimento religioso goza de contemporâneo e ao heterodoxo renovado interesse, é plural e particularmente comportamento religioso e social que sincrético; se afirma, inclusive, que está em caracteriza nosso tempo: voluntário, sem expansão, dada sua capacidade de compromisso e sem obrigação de doutrina ou recriação através de ritos e símbolos como permanência (Lenoir, 2003, Martinez Berriel, 2006). ocorre nas tribos urbanas; em efeito, não são Este fenômeno social, que chamou poucos os deuses que alimenta a juventude. especialmente a atenção sociológica e dos A religiosidade se manifesta em novos contextos meios de comunicação, qualificado como o de ultra-modernidade, como o turismo ou a "retorno do religioso" e o "re-encantamento do arte, porque a secularização, como propõe mundo" (Lenoir, 2003), pode ser entendido Casanova (2007), é um conceito formado por como uma busca transcendental fora de uma três argumentos que não coincidem Cyntia da Silva Andrade e Sagrario Martinez Berriel experiência institucional das religiões oficiais, simultaneamente e que se combinam de que vem perdendo fiéis, acompanhados de maneiras diferentes nas sociedades: a terapias, ritos e expressões artísticas, baseado decadência de práticas e crenças religiosas, na re- apropriação de convicções mágicas e a privatização da religião e a emancipação religiosas de outras culturas e tempos históricos. das normas e instituições religiosas. No âmbito mais íntimo da vida e no contexto Se seguirmos a trajetória da historia mais universal, proliferam crenças sagradas chegaremos à conclusão de que o para alcançar a paz, a felicidade e a saúde, sentimento religioso nunca nos abandonou assim como encontrar um sentido porque é nossa primeira pele, como seres 114
  • 4. Caderno Virtual de Turismo L DE TU UA NO VIRT ISSN: 1677-6976 Vol. 10, N° 1 (2010) RI SMO ER sociais organizados e separados da natureza. da religião é uma prova de medo, ante aD CA Não é por acaso, que a origem da palavra destruição da natureza, e da esperança em culta, aluda simultaneamente à prática despertar, perante o fracasso da religiosa e ao cultivo da terra, porque, como Modernidade e o egoísmo do mercado, como bem explica Gellner (1992), nas primeiras princípios de regulação da ordem mundial. sociedades não havia distinção entre o Considera-se também, por extensão, que é sagrado e o profano, são as sociedades um indício do ressurgir da autenticidade do agrícolas, com o crescente artifício da cultura Terceiro Mundo, depois da consciência do (o nascimento da doutrina em primeiro lugar), fracasso do processo colonizador e de teorias que permitem que a religião assuma funções do desenvolvimento propostas pelo distantes ao fortalecimento da vida comum. Ocidente, segundo sua visão etnocêntrica. A transação das religiões comuns, baseadas O turismo e o sagrado em tempos de globalização: o exemplo de Tindaya-Ilhas Canárias (ES) e de Xique-Xique de Igatu - Bahia (BR) na idéia de salvação, constitui segundo sua Turismo, transnacionalidade e argumentação, uma das grandes linhas identidade divisórias da história humana. A outra grande Diferentes movimentos sociais da revolução é a que produz quando se Modernidade têm discutido o etnocentrismo concebe a natureza como homogênea e do Ocidente na hora de definir a governada por leis; o mesmo que ocorre com convergência das culturas. Os a Reforma, com a separação de Igreja - nacionalismos, a antropologia e o Estado e, posteriormente, o Iluminismo. Deste romanticismo, destacam como movimentos modo, os princípios do conhecimento e da sociais precursores da diversidade cultural e Fé ficaram divididos em mãos de indivíduos de formas de sabedoria alternativas a e não da coletividade. racionalidade, tais como: os sentimentos, as Ao mesmo tempo em que a moral e o emoções, o amor pela natureza e o conhecimento tornaram independentes, conhecimento mágico. A teoria psicanalista quanto a meios e fins, o mercado assumiu a também destaca o sentido de afirmar o missão de regular absolutamente a racionalismo a uma relação de sociedade. Seguindo Karl Polanyi (2003), a complementaridade com a superstição, de atitude egoísta, abertamente o oposto ao modo que quanto mais se pretenda sentido de comunidade e de transcendência, canalizar e regulamentar a consciência, chega ao topo com a "Grande maior vitalidade adquire o universo Transformação" que ocorre ao final dos séculos inconsciente (Maffesoli, 1996). XVIII na Europa, depois da expansão do Na presente "ultra- modernidade" ou mercado como mecanismo de auto-regulação "pós- modernidade", tanto em referência ao total. Como conseqüência, o mercado que ordenamento político como ao significado tinha ocupado uma posição subordinada à geral de cultura, no mais amplo sentido Cyntia da Silva Andrade e Sagrario Martinez Berriel política, assume controle da sociedade antropológico, é cada vez mais comum conseguindo a motivação permanente para admitir que as sociedades do mundo estejam que o benefício se converta em uma ação unidas e confrontadas por um processo de "natural". Esta mudança fez do homem e da modernização múltiplo e, que a barbárie e terra, mercadorias sujeitas à compra-venda, a civilização não são antagônicas. Não há, sem nenhum sentido de sacralidade, justiça ou portanto, uma única cultura global, nem um responsabilidade comum. modelo de desenvolvimento linear. A Em resumo, a reflexão sobre a história recente e profusa adoção do prefixo TRANS conduz a pensar que o renascimento mundial nas ciências sociais obedece, precisamente, 115
  • 5. Caderno Virtual de Turismo L DE TU UA NO VIRT ISSN: 1677-6976 Vol. 10, N° 1 (2010) RI SMO ER a afirmação da simultaneidade e contínua mundial para fazer frente tanto aosD CA mudança das identidades múltiplas, frente à problemas transnacionais de mercado de idéia de progresso, reinterpretada pelo trabalho, ambientais e de justiça paradigma da evolução. internacional, como os desmandos que O turismo é uma ferramenta importante sofrem as minorias nacionais não no processo de interculturalidade nas reconhecidas (Kymlikca, 1999; Beck, 2006). O sociedades atuais, promovendo e cosmopolitismo é especialmente um projeto beneficiando a fluidez que gera a universal de cidadania defendido pelas multiplicidade de culturas e níveis de elites da globalização, "a cosmocracia" desenvolvimento. O turismo e os movimentos (Ducros, 2001), um grupo profundamente migratórios, assim como as comunicações e os transcultural de mentalidade e de negócios, diminuem as fronteiras territoriais e concepção de vida, formado por forasteiros O turismo e o sagrado em tempos de globalização: o exemplo de Tindaya-Ilhas Canárias (ES) e de Xique-Xique de Igatu - Bahia (BR) culturais, reais ou imaginárias, erguidas ao de vocação e turistas compulsivos de um longo do processo de civilização, o que não mundo que, desde sua posição econômica quer dizer, como adverte Canclini (2007), que e cultural, se converteu em um "pequeno a humanidade tenha optado por ser planeta". Mas é também um projeto que nômade, eliminando o sentido da participa junto a estes grupos "des- territorialidade. Também não quer dizer, que territorializados" que governam o mundo, os com essa nova situação, tenham cientistas, os intelectuais e os artistas desaparecido as polaridades que acostumados por seus conhecimentos e enfrentam o mundo e que fazem formas de trabalho, a estar por cima das desigualdades de intercâmbios dentro dele. limitadas e fragmentadas parcelas que Ao contrario, na agitada mudança de estabelece o "velho" ordenamento político e paisagem e mestiçagem que instaura a intelectual da Modernidade. globalização, são visíveis dois pólos de As diretrizes ideológicas da referência identitária em manifesto a cosmopolítica têm como fundamento os situação de violência (Appadurai, 2003). acordos que fizeram possível em 1945, à De um lado, os movimentos nacionais e criação das Nações Unidas e da UNESCO. locais, as "minorias" decididas a não cair na Suas propostas expressadas em distintas assimilação da cultura global e aferradas a reuniões internacionais, como o Fórum idéia de "comunidade" - entendido como Universal das culturas celebrado em solidaria e integrada ao território, com língua Barcelona no ano de 2004, giram em torno à e passado comum, expressada em múltiplas idéia central de promover uma ocasiões em movimento extremista de "pureza "globalização ética", responsável com as étnica". Por outro lado, os defensores da diferenças religiosas, ideológicas, étnicas e democracia cosmopolita, as elites históricas, que estabeleça uma "cultura da Cyntia da Silva Andrade e Sagrario Martinez Berriel transnacionais que aduzem a falsa paz". Seguindo com esta argumentação, o integridade da maioria dos estados antropólogo francês, Edgar Morin escreveu democráticos e a submissão e a falta de para UNESCO (1999) um ensaio sobre os defesa das minorias não reconhecidas em seus princípios básicos da "boa" e "nova" respectivos estados. educação, com a idéia de "Civilizar a Terra" como casa e jardim de todos, assumindo as Desde a expectativa cosmopolita se identidades étnicas e nacionais, ao mesmo expõe a obsolência e ausência de tempo, em identidade comum da legitimidade do Estado- nação, assim como, humanidade. Desde sua perspectiva ética, a necessidade de construir uma ordem 116
  • 6. Caderno Virtual de Turismo L DE TU UA NO VIRT ISSN: 1677-6976 Vol. 10, N° 1 (2010) RI SMO ER destaca distintos movimentos sociais que también el sentimiento reconfortante deD CA representam uma alternativa de mudança e una totalidad que trasciende esos destinos esperança para a humanidade, como o -o en la cual se funden-, el sentimiento de la ecologismo, a defesa do quantitativo frente intuición panteísta o materialista del "nada à uniformidade generalizada, a resistência a se pierde, nada se crea". vida prosaica puramente utilitária, a De fato, um dos atributos do espaço resistência ao consumismo, a econômica social é a condição do sagrado. As pessoas solidária distante da tirania onipresente do se prolongam no espaço que habitam e nas dinheiro, e a ética da paz e da espiritualidade paisagens que refletem em imagem, tanto a contra a violência. vida social que suporta como a nudez O rosto amável da globalização e sua derivada da ausência da atividade promessa de democracia telemática mundial humana. O sentido de identidade está O turismo e o sagrado em tempos de globalização: o exemplo de Tindaya-Ilhas Canárias (ES) e de Xique-Xique de Igatu - Bahia (BR) não parecem, em termos reais, profundamente relacionado com a contrabalancear os males da economia pertinência ou identificação com o lugar, que mundial. Transcorridos quase vinte anos da goza de sentimentos compartidos e Conferencia das Nações Unidas - "RIO 92", qualidades transcendentais. onde se definiram o conceito de A identificação do espaço sagrado no desenvolvimento sustentável, agora qual "as pessoas escolhem e elegem os lugares ampliado na idéia de "desenvolvimento que possuem campo de forças e valores que humano sustentável", segue sendo evidente elevam o homem acima de si mesmo, que o que não pode ter desenvolvimento sem transporta para um meio distinto daquele no violência humana e ambiental. Desfrutar da qual transcorre sua existência" (Rosendhal, diversidade das paisagens e dos modos de 1999, p.227), quase sempre decorre de um vida que lhes sustentam, sem cair na estudo com base religiosa. Mas o sagrado mercantilização da cultura e da destruição também está presente nas formas naturais, da natureza, pode se considerar uma nas construções históricas, testemunhas de metáfora ao "Turismo Responsável". uma força cultural. O sagrado aqui, não passa Turismo, religião e espaço necessariamente do ponto de vista religioso, sagrado mas essencialmente pela própria Vale à pena perguntar, que tem em consistência da natureza como mediadora comum a religião e o turismo? Que forma de da comunicação entre as formas espaciais êxtase comparte? Algumas das mais e os significados nela projetados, da sua evidentes concordâncias têm a ver com simples presença e o despertar de emoções argumentos como, a evasão do tempo real, ligadas a um processo sagrado e até mesmo a crença no extraordinário e a fusão espiritual Cyntia da Silva Andrade e Sagrario Martinez Berriel místico. Neste sentido, entende-se o espaço com o meio ambiente e com os que místico (Andrade, 2005) como o lugar das participam do mesmo ritual. Marc Auge (2003, representações espirituais, das experiências p.45-46), privilegiado analista do turismo, vem vividas, da contemplação com o divino expressando com notável clareza o sentido proporcionado por um estado de espírito. "Na espiritual da viaje como "contemplar unas geografia mítica, o espaço sagrado é o ruinas no es hacer un viaje en la historia, espaço real por excelência, pois, para o sino vivir la experiencia del tiempo, del mundo arcaico o mito é real, porque ele tiempo puro...al espectáculo de la perpetua relata as manifestações da verdadeira renovación de la naturaleza puede unirse realidade: o sagrado" (Eliade, 1996, p.36). O 117
  • 7. Caderno Virtual de Turismo L DE TU UA NO VIRT ISSN: 1677-6976 Vol. 10, N° 1 (2010) RI SMO ER sagrado, representado por objetos ou significados históricos, a capacidade humanaD CA símbolos, acrescenta novos valores sem de levantar altares se manifesta por cima prejudicar sua real essência. dos fatos, inclusive em contextos situados nas A análise de Rodrigues (2002, p.79) antípodas da tradição. As provas de compactua com a idéia da comunhão de religiosidades se manifestam em espaços e todos os sentidos, onde o real não é apenas o "novas" situações como os sermões de que o olhar materializa e que "o real não se "telepredicadores", o templo-museu de Lady correlaciona sempre e diretamente à Di ou as cruzes comemorativas nas estradas. imagem que se faz e que nomeamos de Transcender é uma das práticas básicas paisagem. Na maior parte das vezes, esta da religião, que se vê transferido ao turismo. não corresponde apenas aos elementos que Fugir do tempo mortal e tocá-lo, como afirma a constituem, mas também às variadas Augé (2003), em um relato mítico, com heroísmo O turismo e o sagrado em tempos de globalização: o exemplo de Tindaya-Ilhas Canárias (ES) e de Xique-Xique de Igatu - Bahia (BR) leituras que fazemos da interação desses e aventuras incluídas, para assim permanecer elementos, de acordo com o nosso repertório incólume na memória e no imaginário popular. cultural e social, com as nossas experiências, Criar história e personagens inesquecíveis, em expectativas e valores, repercutindo os uma sociedade que, ao mesmo tempo nossos sonhos e símbolos". devora as tradições e a memória, é um A convicção de que o meio físico exerce caminho delicado seguido por algumas uma influencia na constituição física e moral empresas turísticas. do homem individual e social, não é só uma O renovado interesse pelo teoria que goza de uma dilatada tradição transcendental, democratizado e no pensamento social. É também um comercializado pela "indústria" turística, tem conhecimento comum da realidade que sido objeto comum da arte e das religiões. conduz as pessoas a viajarem. O determinismo Edmund Burke (1757) em seu ensaio: geográfico é, até um ponto de vista social, "Indagación filosófica sobre el origen de las inquestionável que está na base do ideas acerca de lo sublime y lo bello", ao planejamento territorial e urbano de todos os explorar as paixões que evocam a mente espaços criados ou imaginados para fazer humana, o harmonioso e o desmesurado, realidade à vida social em sua plenitude. A sugeriu que as imagens sublimes, busca do lugar ideal é uma metáfora contínua arrebatadoras e pavorosas, por sua da incansável mobilidade humana, onde se imensidade incontrolável, causam uma coincidem turistas e imigrantes arriscando suas mistura embriagadora de terror e prazer. vidas para chegar à "terra prometida". O Robert Macfarlane (2005, p.183) escreveu paraíso, em suas variadas concepções, é um recentemente um ensaio, na primeira pessoa, jardim generoso que satisfaz sem muito esforço sobre o culto a montanha e os sentimentos as mais variadas necessidades humanas, mas despertados quando diz: Cyntia da Silva Andrade e Sagrario Martinez Berriel para chegar até ele tem que fazer uma "Nada se movía. Parecía un inmenso travessia cheia de adversidades. O turismo receptáculo de espacio y quietud en el cual tem feito desse profundo sentimento humano, por un instante sentí deseos de sumergirme não só um negócio senão uma ideologia: (…) Las grandes alturas amplían el campo promover a Paz Universal conhecendo e visual: la vista desde la cumbre otorga poder, tolerando outras culturas. pero, por otra parte, también lo anula. La Ainda que a ultra- modernidade seja propia identidad se ve reforzada por el produtora de "não lugares" (Augé, 1987), alcance de la visión, y al mismo tiempo se porque cria espaços de trânsitos carentes de siente atacada…, amenazada de 118
  • 8. Caderno Virtual de Turismo L DE TU UA NO VIRT ISSN: 1677-6976 Vol. 10, N° 1 (2010) RI SMO ER insignificancia por las grandiosas panorámicas histórico-artistico, pela Direção Geral de BelasD CA de tiempo y espacio que se nos abren desde Artes e Arquivos (ES), se permitiu a exploração la cumbre de una montaña". dos seus recursos minerais a uma empresa Viajar é essencialmente um caminho privada. O crescente interesse científico, para conhecer outros lugares e culturas, mas cultural e paisagístico da montanha gerou, ao mesmo tempo para um anos mais tarde, um plano especial por parte autoconhecimento. Indagar em um terreno do governo, de proteção a zona que passou desconhecido e domesticado por emoções a proibir a exploração mineira e estimular a externas, tem sido e é, um dos principais criação de um espaço protegido. objetos da arte, assim como dos movimentos Figura1: Montanha de Tindaya místicos e religiosos que perseguem superar as necessidades da matéria e do principio de O turismo e o sagrado em tempos de globalização: o exemplo de Tindaya-Ilhas Canárias (ES) e de Xique-Xique de Igatu - Bahia (BR) individualidade, forçando os limites físicos e psíquicos da nossa existência. O turismo e o sagrado em dois estudos: - Tindaya (ES) e Igatu (BR). Montanha de Tindaya , ilha de Fuerteventura-Espanha Localizada na Ilha de Fuerteventura, uma das sete ilhas do arquipélago de Canárias- Espanha, a montanha de Tindaya Fonte: Berriel, 2005 (Figura 1), ou a "a montanha das bruxas", A proposta, idealizada pelo escultor como é popularmente conhecida, era um Eduardo Chillida, era de transformar a lugar sagrado para os povos primitivos da ilha, montanha de Tindaya, em um monumento "los majos". No final dos anos 70 foram (Figura 2), com a intenção de explorar uma encontrados numerosos rastros arqueológicos, paisagem de aspecto enigmático. Para as ordenados segundo uma deliberada autoridades políticas locais, o projeto tinha cosmogonía mágico-religiosa, fato que o interesse econômico de expandir a estimulou o governo a buscar meios de saturada oferta de sol e praia local criando proteger o lugar para estudos e, conseqüente um novo estimulo cultural. Chilida1 justificou conservação do patrimônio arqueológico seu projeto, quase como uma resposta encontrado. Ademais dos valores culturais e intuitiva onde dizia: ecológicos, a montanha possuía outro interesse não menos apreciado: a traquita, Hace años tuve una intuición, que Cyntia da Silva Andrade e Sagrario Martinez Berriel uma pedra ornamental muito valiosa, sinceramente creí utópica. Dentro de una principalmente para fins arquitetônicos, onde montaña crear un espacio interior que o próprio aeroporto da ilha está ornamentado pudiera ofrecerse a los hombres de todas com essa pedra. las razas y colores, una gran escultura para la tolerancia. Un día surgió la Esta extração descontrolada posibilidad de realizar la escultura comprometia a estrutura física da montanha enTindaya, en Fuerteventura, la montaña e colocava em risco seu valor cultural. Em donde la utopía podía ser realidad. La1 Disponivel em http://www.eduardo- 1983, praticamente ao mesmo tempo em quec h i l l i d a . c o m / P r o y e c t o - escultura ayudaba a protegerTindaya.143+M52087573ab0.0.html. a montanha foi declarada MonumentoAcesso em. 20 de Julio de 2009. 119
  • 9. Caderno Virtual de Turismo L DE TU UA NO VIRT ISSN: 1677-6976 Vol. 10, N° 1 (2010) RI SMO ER la montaña sagrada. El gran espacio apesar das boas intenções, o impasseD CA creado dentro de ella no sería visible desde segue sem resolver nos campos políticos fuera, pero los hombres que penetraran en e jurídicos da ilha. su corazón verían la luz del sol, de la luna, Figura 3: Parque Natural de Tindaya dentro de una montaña volcada al mar, y al horizonte, inalcanzable, necesario, inexistente(...). Figura 2: Esquema da Montanha de Tindaya, proposto por Chillida. O turismo e o sagrado em tempos de globalização: o exemplo de Tindaya-Ilhas Canárias (ES) e de Xique-Xique de Igatu - Bahia (BR) Fonte: Berriel, 2005 Concebido como um templo à Tolerância tem sido um exemplo do oposto. Para seus detratores, a escultura é um atentado ecológico e a montanha deve ser considerada, por si mesma, um monumento livre de especulação. Para seus defensores, a obra de arte ressaltará o valor da natureza e gerará una próspera economia local (Martinez Berriel, 2007). Este é um dilema que, certamente, os aborígenes não queriam deixar como legado junto com todo o patrimônio arqueológico de Tindaya. Fonte: http://www.eduardo-chillida.com/ Xique-Xique de Igatu-BA (Brasil) Proyecto-Tindaya.143+M52087573ab0.0.html. Pertencente ao município de Andaraí, O elevado custo econômico da obra, na Chapada Diamantina (BA), o distrito de a incerteza sobre a viabilidade de sua Xique-Xique, hoje conhecido como Igatu execução sem destruir a montanha e o (figura 4), é um lugar que vem despertando Cyntia da Silva Andrade e Sagrario Martinez Berriel suposto desvio de verbas por parte do o imaginário de quem se aventura a governo local e regional, tem convertido o conhecer. Com sua história baseada na projeto artístico em um debate político de exploração do garimpo, as construções grande transcendência, enquanto a difícil, ou herdadas, são recursos culturais, utilizados impossível, neutralidade da arte e sua pela atividade turística. intervenção social. Esse projeto visava O turismo em Igatu passou a ser proteger o espaço natural (Fig.3) da desenhado no início na década de 90, exploração de pedreiras de rochas como efeito da decadência da atividade ornamentais que destruía a montanha e, do garimpo na década de 50, veio 120
  • 10. Caderno Virtual de Turismo L DE TU UA NO VIRT ISSN: 1677-6976 Vol. 10, N° 1 (2010) RI SMO ER corroborar com a economia local, O fato de ligar Igatu a Machu Pichu geraD CA impulsionado não somente pelas paisagens uma interpretação com base econômica, uma naturais, mas pelo apelo cultural e místico da nova forma de atração, como pode responder região. A beleza da região atrai turista e aos desejos intimamente ligados a experiência também novos moradores que buscam, além espiritual de cada um. O místico em Igatu está dos atrativos naturais, os valores místicos que representado em quatro dimensões: na força vêm sendo alvo de visitações constantes. A geológica (rios, cristais, rochas), na força cultural imagem do meio natural pode ter grande (história do garimpo), na experiência individual importância no comportamento espacial das (pessoas sensitivas, místicas) ou apenas pelo pessoas, interferindo na mudança e no modo apelo turístico (processo de comunicação do de repensar valores ao longo do tempo. produto Igatu) (Andrade, 2005). Xique-Xique, para os antigos moradores, e Banhar-se nas águas de Igatu, que O turismo e o sagrado em tempos de globalização: o exemplo de Tindaya-Ilhas Canárias (ES) e de Xique-Xique de Igatu - Bahia (BR) Igatu, para os novos moradores e turistas, não por acaso significa "água boa" numa aparece como um lugar em que se pode sentir tradução indígena, representa uma a "energia mística" da Chapada, uma vila reposição de energia, como forma de "lavar" muito simples, com casinhas de pedras e muita pensamentos ruins. Representações e estória para se contar. Figura 4: Toca de garimpeiro e a entrada da vila. Fonte: Andrade, 2005 Muito da paisagem de Igatu, está interpretações de lugares considerados foco atrelada a uma realidade que pouco de concentração de energia da natureza. O pertence à vida local. Comparada espaço místico (Fig.5), em Igatu foi desvelado principalmente pelas agências de viagens e por meio de paisagens naturais e culturais absorvida pelo olhar externo, com a cidade envolvidas, segundo entrevistados3 em uma de Machu Pichu, pela paisagem residual que aura de energia fundamentada nas histórias vividas além da própria geografia local. Cyntia da Silva Andrade e Sagrario Martinez Berriel lhe é característica, a vila vem atraindo muita gente em busca da "Machu Pichu Baiana", O místico se descortina na paisagem ou da "Cidade Fantasma"4 , onde a atmosfera de Xique-Xique de Igatu por meio das mística paira no ar e na imaginação de muitos. memórias do garimpo e histórias Tal analogia com o destino Machu Pichu no contemporâneas que atestam tal realidade Peru, cidade conhecida pelo mistério de suas pertinente ao espaço intimo, deflagrado por3 Para essa investigação, foramentrevistados antigos e novos moradores construções, durante a civilização Inca, por Bacherlard (1998). Dentre os moradores, osda vila, sobre o espaço místico local.4 O termo cidade fantasma se refere ao volta do século XVI - o místico envolto em suas mais antigos vêem o místico representado naconjunto arquitetônico de ruínas, que coma decadência do garimpo apresentou uma ruínas é atrativo junto a todo o cenário força do garimpo. Os moradores mais recentesevasão da população local, abandonadosuas casas. misterioso exalado pelo lugar. aliam também a presença cultural e a 121
  • 11. Caderno Virtual de Turismo L DE TU UA NO VIRT ISSN: 1677-6976 Vol. 10, N° 1 (2010) RI SMO ER energia das águas e dos cristais de rocha, que esses lugares adquiram umD CA além de uma energia muito pessoal valor especial. provocada pelo lugar. Duendes, forças A importância desse fenômeno cultural espirituais, a força da natureza, são é uma força que compensa o incontrolável representações de um espaço místico que avanço da urbanização, assim como das instiga a paisagem de Igatu, presente no comunicações, que ameaça as culturas imaginário das pessoas, que se revela como locais. A valorização da dimensão sagrada atrativo até mesmo entre os mais céticos. do espaço é um importante estímulo para a Neste contexto, o espaço místico pode se economia turística mundial, não isenta de revelar tanto em formas espaciais conflitos sociais. Neste sentido, o turismo alcançando sua concretude ou permanecer sagrado pode promover um sentimento confinada a sua estrutural subjetividade. positivo de cidadania universal a favor da O turismo e o sagrado em tempos de globalização: o exemplo de Tindaya-Ilhas Canárias (ES) e de Xique-Xique de Igatu - Bahia (BR) Figura 5: O espaço místico de Xique-Xique de Igatu, Andaraí-BA. Fonte: Andrade, 2005. A busca do mundo espiritual, o preservação e o respeito da paisagem como transcender através de lugares com suposta patrimônio comum da humanidade, sempre aura sagrada, mística, fortalece o processo e quando essa intervenção esteja de aproximação do homem com a natureza. respaldada por um prévio planejamento, O olhar lançado sobre o lugar reflete uma respeitoso com o significado espiritual do interpretação de sentimentos. Uma leitura território, diminuindo, assim, os impactos poética do espaço, fundamentada na negativos da atividade turística. subjetividade de cada um. O Parque Natural da Montanha de Tindaya e a exploração com cunho artístico Considerações finais da "montanha sagrada dos aborígenes" de O "retorno ao sagrado" e a exaltação Fuerteventura, figura como um exemplo da Cyntia da Silva Andrade e Sagrario Martinez Berriel da natureza como um bem maior, evoca a difícil relação entre o material e o sagrado, necessidade de nos inserirmos também como tangenciando uma relação de discordância natureza e não somente como a força maior entre a cultura e o turismo. Freqüentemente, de domínio sobre ela. A natureza como casa os territórios sagrados vivem submetidos a e não como propriedade a disposição das duas forças opostas: em um extremo, se explorações desmedidas, se apresenta como situam os que vêem o turismo como uma uma característica comum da cultura global. oportunidade de crescimento e Neste contexto, as ruínas e os lugares mais desenvolvimento local e do outro lado, os secretos, inclusive os mais inóspitos da terra, que querem a estrita preservação do onde ainda é possível sentir o silêncio, faz com território. A população que vive nestes 122
  • 12. Caderno Virtual de Turismo L DE TU UA NO VIRT ISSN: 1677-6976 Vol. 10, N° 1 (2010) RI SMO ER territórios "sacralizados, teme o ostracismo BECK, U. La mirada cosmopolita o la guerraD CA de suas vidas limitadas por normas de es la paz, Barcelona, Paidós, 2006. proteção ambiental. CANCLINI, N. García "Sobre objetos O espaço sagrado de Xique-Xique de sociológicamente poco identificados", Igatu foi sinalizado na própria força da Clausura del IX Congreso español de natureza, na visão da população local e sociología, (en línea) http:// recriado na comparação da vila com Machu www.acscongres.org/interface/images/ Pichu. Tal referencia tem levado turistas, a pdf/NestorGarciaClausura.pdf. (Consulta: criarem uma imagem deturpada da história 18 de octubre), 2007. local, apesar da concordância de que existe CASANOVA, J. "Reconsiderar la uma "aura mística" no lugar. Tal intervenção secularización: Una perspectiva mediática, na venda do destino com imagem comparada mundial", (en línea) Revista O turismo e o sagrado em tempos de globalização: o exemplo de Tindaya-Ilhas Canárias (ES) e de Xique-Xique de Igatu - Bahia (BR) que não corresponde a sua historia real, Académica de Relaciones desconecta a paisagem do lugar que Internacionales, 7, disponible en: http:// realmente esta inserida, ou seja, quem vai a www.relacionesinternacionales.info. Igatu, muitas vezes, está indo visitar a "Machu (Consulta: 12 enero 2008), 2007 Pichu baiana", um discurso que já está presente DUCLOS, D. "La nascita dell iperborghesia". nos guias locais, erroneamente preparados. De En Martinotti, G. (ed.), La dimensione todo modo, a vila segue atraindo turistas e metropolitana. Milán. Mulino,1999. novos moradores além de pessoas que ELIADE. Mircea. Imagens e Símbolos: ensaios buscam desvendar o "mistério" local. sobre o simbolismo mágico-religioso. São Paulo: Martins Fontes, 1996. Referencias bibliográficas GELLNER, E. El arado, la espada y el libro. México, Fondo de Cultura Económica, 1992 AGENDA de principios y valores del Fórum KYMLICKA, W. Ciudadanía multicultural, Universal de las Culturas (Barcelona 2004), Barcelona, Paidós, 1996. en Revista de Occidente, 266-267, (julio- MACFARLANE, R. Las montañas de la mente. agosto), 2003, pp. 20-25. Historia de una fascinación, Barcelona, ANDRADE, C. "E no meio do caminho tinha una Alba ed., 2005. pedra: Cultura, Turismo e o Místico na MAFFESOLI, M. Elogio de la razón sensible. paisagem de Xique-Xique de Igatu". Una visión intuitiva del mundo Dissertação de mestrado do programa de contemporáneo. Barcelona, Paidós, 1997. Cultura e Turismo. Depto. de Economia, _______. No fundo das aparências. Tradução Universidade Estadual de Santa Cruz, de Bertha Halpern Gurovitz. Petrópolis, RJ: Ilheus-BA, 2005. Vozes, 1996. APPADURAI, A. "La nueva lógica de la MARTÍNEZ BERRIEL, S. "Arte y conflicto social violencia", en Revista de Occidente, 266- Cyntia da Silva Andrade e Sagrario Martinez Berriel en el siglo XXI". Libro de actas del XVI 267, (julio-agosto), 2003. pp. 67-82, congreso Nacional de Historia del Arte: "La AUGÉ, M. Los no lugares. Una antropología multiculturalidad en las Artes y en la de la sobremodernidad, Barcelona, Arquitectura", Anroart, ULPGC, pp. 103-112, Gedisa, 1987. Tomo II, 2006. _____, M. El tiempo en ruinas, Barcelona, _______, S. "El turismo sagrado; la montaña Gedisa, 2003. mágica de Tindaya". Comunicación en el BACHELARD. G. A poética do espaço . IX Congreso español de sociología, 2007. São Paulo: Martins Fontes, 1998. MORIN, E.Siete saberes para la educación (Coleção Tópicos). 123
  • 13. Caderno Virtual de Turismo L DE TU UA NO VIRT ISSN: 1677-6976 Vol. 10, N° 1 (2010) RI SMO ER del futuro, (en línea) http:// WEBER, M. La etica protestante y el espirituD CA www.scribd.com/doc/362952/Morin- del capitalismo. Península, Barcelona, Edgar-Los-siete-saberes, Unesco. (Consulta: 1994. 12-10-2007), 1999. YAZIGI. Eduardo. A alma do lugar: turismo, POLANY, K. La gran transformación. Los orígenes planejamento e cotidiano em litorais e políticos y económicos del mundo. México, montanhas. São Paulo: Contexto, 2001. Fondo de Cultura Econômica, 2003. RODRIGUES. G.S.C. A geografia das representações: um estudo das paisagens do parque nacional da serra da canastra - MG. GEOUSP _ Espaço e Tempo, São Paulo, nº 11, 2002. pp.69-84. O turismo e o sagrado em tempos de globalização: o exemplo de Tindaya-Ilhas Canárias (ES) e de Xique-Xique de Igatu - Bahia (BR) ROSENDHAL. Zeny. Sagrado e o Espaço. In: SANTOS Aldeci et al (org.). Geografia Agricultura e Meio Ambiente. São Cristovão, Cronologia do processo editorial: SE: NPGEO/UFS, 1999. Recebimento do artigo: 19-jan-2009 THOMAS, S.M. Afrontando seriamente el Envio ao parecerista: 27-abr-2009 Recebimento do parecer: 25-mai-2009 pluralismo religioso y cultural: El Envio para revisão do autor: 08-jul-2009 Recebimento do artigo revisado: 27-jul-2009 renacimiento mundial de la religión y la Aceite: 10-ago-2009 transformación de la sociedad internacional, (en línea) Revista Académica de Relaciones Internacionales, 7, disponible en: http:// www.relacionesinternacionales.info. (Consulta: 12 enero 2008), 2007. Cyntia da Silva Andrade e Sagrario Martinez Berriel 124

×