• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
O velho e o novo na arqueologia amazônica. 
 

O velho e o novo na arqueologia amazônica. 

on

  • 341 views

 

Statistics

Views

Total Views
341
Views on SlideShare
341
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
2
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    O velho e o novo na arqueologia amazônica.  O velho e o novo na arqueologia amazônica.  Document Transcript

    • R-EVISTA USP, São Paulo, n.44, p. 86-111, dezembro/fevereiro 1999-200086 EDUARDO GÓES NEVES EDUARDO GÓES NEVES Museu de Arqueologia e Etnologia Universidade de São Paulo E-mail: edgneves@usp.br O VELHO E O NOVO NA ARQUEOLOGIA AMAZÔNICA
    • REVISTA USP, São Paulo, n.44, p. 86-111, dezembro/fevereiro 1999-2000 87 A INTRODUÇÃO Bacia Amazônica é a região brasileira onde a arqueologia foi mais bem suce- dida no estabelecimento de problemas de pesquisa significativos. Tal quadro deve-se ao fato de que há, na Amazônia, uma tra- dição de meio século de pesquisas orientadas a partir de questões antropológicas gerais que de- mandam tratamentos arqueológicos e etnográficos. Não foi esse o caso em outras partes do Brasil, onde a arqueologia permaneceu, em linhas gerais, um empreendimento descritivo sem maiores preocupa- ções históricas ou antropológicas. Os problemas de pesquisa estabelecidos pela arqueologia amazônica são tanto teóricos como metodológicos, tendo implicações diretas para os tipos de reconstituição feitos sobre o passado pré- colonial da região, bem como para outras áreas das terras baixas da América do Sul. Embora pro- fundamente relacionados, esses problemas podem se agrupar em três categorias gerais. Primeiramente há a investigação da inter-re- lação entre variáveis ambientais e processos sociais e culturais. Pesquisas sobre esse tema na Amazônia remontam à década de 40, inicialmente sob uma forte influência da ecologia cultural norte-america- na e do determinismo ecológico, mas atualmente com evidências crescentes para uma crítica de tais premissasdeterministas.Essaperspectivacríticadeve ser entendida como parte de um processo geral de revisão, historicamente orientado, da antropologia ecológica, às vezes chamado de ecologia histórica O presente artigo representa uma versãoligeiramentemodificadade um trabalho originalmente prepa- radoparapublicaçãonolivroLatin American Archaeology: an Insider´s View, editado por Gus- tavo Politis e Benjamin Alberti.
    • R-EVISTA USP, São Paulo, n.44, p. 86-111, dezembro/fevereiro 1999-200088 (Balée1995).Frenteaosproblemasrelacio- nados à ocupação caótica de partes da Ba- cia Amazônica, os resultados de pesquisa feitos com esse foco podem ter conseqüên- cias políticas importantes. Em segundo lugar há o estabelecimen- to de fronteiras étnicas – particularmente lingüísticas – no passado através de vestí- gios arqueológicos, principalmente a cerâ- mica. Este não é um problema exclusivo da arqueologia amazônica sendo, por exem- plo, um tema fundamental da arqueologia na Polinésia (Kirch e Green 1987). No caso das terras baixas da América do Sul, no entanto, vários modelos apresentados para explicar os padrões contemporâneos de distribuição das línguas indígenas têm su- posições explícitas ou implícitas sobre o registro arqueológico da Amazônia. Isso porque nas terras baixas da América do Sul a identificação lingüística serve freqüen- temente como identificação étnica, uma tendência que remonta, no Brasil, às pes- quisasfeitasporvonMartiusnoséculoXIX (von Martius 1982). Finalmente, há a avaliação do impacto da conquista européia sobre os padrões pré-coloniais de organização social e po- lítica na Amazônia. Tal problema é perti- nente para toda a antropologia do conti- nente americano, mas verifica-se mais uma vez que, na arqueologia brasileira, apenas na Amazônia ele foi incorporado à agenda de pesquisas. Nesse caso, a avaliação do impacto da conquista envolve várias per- guntas metodológicas não solucionadas que variam desde diferentes perspectivas sobre pesquisas de campo a diferentes posturas quanto ao uso de analogias etnográficas. Graças a esta situação, a arqueologia amazônicaétratadanormalmentecomoum campo diferenciado nas sínteses de arqueo- logia brasileira. Esse é o caso, por exem- plo, de Arqueologia Brasileira (Prous 1992), a mais completa e melhor obra dis- ponível sobre o tema. Como explicar esse quadro diferenciado? Parte da resposta é histórica: apesar da importância de pesqui- sas localizadas feitas em outros locais, notadamente as pesquisas de Lund em Minas Gerais, a arqueologia brasileira nas- ceu praticamente na Amazônia, durante a segunda metade do século XIX (Barreto 1992; Prous 1992; Mendonça de Souza 1991). Assim, já na década de 70 do século XIX, as primeiras sínteses de arqueologia brasileira apresentavam discussões prolon- gadas sobre o registro arqueológico ama- zônico (Netto 1885). Na década de 80 do mesmo século, monografias inteiras foram escritas com foco em problemas de arque- ologiaamazônica(Hartt1885;BarbosaRo- drigues 1888). Os esforços de pesquisa destes e de outros pioneiros culminaram já no século XX, com a breve porém relevan- te síntese de Nordenskiöld (1930), baseada em grande parte nos trabalhos de campo realizados por Curt Nimuendajú no baixo Amazonas (Linné 1928). A essa precedência histórica, deve-se acrescentar a importância dos trabalhos de Julian Steward e seus colaboradores no Handbook of South American Indians. O trabalho de Steward no Handbook foi im- portante porque estabeleceu modelos ba- seados em premissas ecológicas para a ar- queologia amazônica. Tal tendência, pro- vavelmente lamentada por alguns antropó- logos culturais brasileiros (Neves 1989), foi fundamental para o desenvolvimento da arqueologia na região. De particular interesse para esse trabalho é o conceito de “cultura de floresta tropical”, definido por Steward (1948) e Robert Lowie (1948) no terceiro volume do Handbook. O CONCEITO DE CULTURA DE FLORESTA TROPICAL: O MODELO PADRÃO O conceito de cultura de floresta tropi- cal foi uma categoria tipológica desenvol- vida para descrever os padrões de organi- zação econômica, social e política das po- pulações indígenas da Amazônia e das flo- restas tropicais do leste da América do Sul. Além de tipológico, o conceito é também
    • REVISTA USP, São Paulo, n.44, p. 86-111, dezembro/fevereiro 1999-2000 89 evolutivo, representando aproximadamen- te a categoria de “tribo” dos neo-evolucio- nistas norte-americanos (Feinman e Neitzel 1984). O pensamento de Steward pode ser vis- to como uma mistura de elementos evolucionistas e difusionistas (Roosevelt 1980). Nesse sentido, o desenvolvimento das culturas de floresta tropical foi explica- do como uma combinação de processos adaptativos locais com influências exter- nas. Steward (1948: 885) inicialmente pro- pôs ter sido a área do Circum-Caribe a prin- cipal matriz de influências culturais para as populações da floresta tropical. Posterior- mente, considerou, devido à influência de Rouse (1953) e Meggers e Evans (1957), as terras baixas adjacentes aos Andes ori- entais como outra possível matriz (Steward e Faron 1959: 291). Em ambos os casos, esses modelos estabeleceram uma perspec- tiva que coloca a Amazônia em um contex- to periférico na história pré-colonial da América do Sul (Lathrap 1973a; Roosevelt 1991a), uma perspectiva que de certa for- ma contrariava o conhecimento sobre a arqueologia da região obtido antes da Se- gunda Guerra Mundial (Nordenskiöld 1929, 1930). Uma conseqüência dessa perspectiva periférica foi a definição do conceito de cultura de floresta tropical muito mais pela ausência que pela presença de marcadores culturais–taiscomoarquiteturamonumen- tal e refinamentos na metalurgia (Lowie 1948: 1) – (Myers 1992). Outras caracte- rísticas definidoras incluíam o cultivo de tubérculos, especialmente a mandioca; o desenvolvimento de uma tecnologia efeti- va de navegação ribeirinha; o uso de redes para dormir; a descentralização política, acompanhada pela ausência de formas de religião organizadas ao redor de cultos em templos (Lowie 1948). Dentre essas carac- terísticas, fundamentais para Lowie (1948:2) eram a domesticação de tubércu- los e o desenvolvimento das técnicas de navegação ribeirinha. Essas características explicariam a expansão da cultura de flo- resta tropical por lugares distantes na Ama- zônia e no leste da América do Sul. O foco na utilização dos caminhos fluviais lançou as bases para o estabelecimento do que se tornou um dispositivo explicativo funda- mental na arqueologia amazônica: a distin- ção entre ambientes de várzea e terra firme. Virtualmente toda a arqueologia reali- zada na Amazônia desde os anos 40 foi empreendida sob a influência do conceito de cultura de floresta tropical. No entanto, na antropologia cultural, há cada vez mais elementos para uma crítica das premissas que embasam esse “modelo periférico”, também chamado de standard model (Vi- veiros de Castro 1996). No caso da arqueo- logia percebe-se também uma tendência crescente de avaliação crítica das premis- sas desse modelo. Tal crítica está direcio- nada aos diferentes usos de explanações com bases ecológicas apresentadas pelos arqueólogos que atuam na Amazônia nos últimos cinqüenta anos, principalmente as tentativas de explicar os padrões pré-colo- niais locais de organização política. Porém, a melhor evidência para uma crítica da perspectiva periférica pode ser vista nos resultados de pesquisas recentes que modi- ficam os quadros cronológicos prévios es- tabelecidos para a região. NOVAS PERSPECTIVAS CRONOLÓGICAS A referência cronológica padrão utili- zadanaAmazôniafoipropostaporMeggers e Evans (1961) através da definição de quatro “horizontes” cerâmicos para a flo- resta tropical: “zonado hachurado”, “bor- da incisa”, “policromo” e “inciso e ponte- ado”.Esseshorizontesforamdefinidoscom base na decoração e nos tipos de tempero achados nos 22 complexos cerâmicos en- tão conhecidos na área de floresta tropical. Consistente com a perspectiva periférica, para os quatro horizontes foram designa- das tanto uma origem externa à Amazônia como uma duração cronológica bastante curta (Meggers e Evans 1961: 381-2). Embora posteriormente modificado, prin-
    • R-EVISTA USP, São Paulo, n.44, p. 86-111, dezembro/fevereiro 1999-200090 cipalmente em termos da duração de cada horizonte, agora denominado “tradição”, esse esquema tem sido empregado cons- tantemente durante os anos (Meggers e Evans 1983; Miller et al. 1992; Simões e Kalkmann 1987). No esquema acima descrito, há uma preferência pelo estabelecimento de cro- nologias relativas através da seriação de atributos cerâmicos, principalmente o tem- pero, um método influente ainda emprega- do por alguns arqueólogos ainda ativos nas terrasbaixas(MeggerseEvans1970;Miller et al. 1992). As justificativas para o empre- go desse método estão baseadas em uma sériedepremissasduvidosas:quefragmen- tos decorados representariam uma amostra pequena em uma coleção; que a variabili- dade de técnicas decorativas em determi- nadas indústrias seria muito grande e, fi- nalmente, que superfícies pintadas seriam vulneráveis à erosão (Meggers 1995: 20). Durante os anos, a adesão à perspecti- va periférica e o uso de cronologias rela- tivas contribuíram para o estabelecimen- to de cronologias pouco profundas para a Amazônia (Meggers e Evans 1983). Em- bora essa perspectiva tenha sido criticada a partir dos anos 60 (Lathrap 1968a, 1974, 1977), essa crítica, apesar de inovadora, foi apoiada por poucos dados empíricos. Nos últimos anos, porém, há cada vez mais elementos que apontam para uma ocupa- ção pré-colonial bastante antiga da Bacia Amazônica, chegando pelo menos até a transição entre o Pleistoceno e o Holoceno (Roosevelt et al. 1996). Atualmente, as datas mais antigas para o início da ocupação humana da Amazônia chegam a mais ou menos 10.500 anos AP, resultado das escavações na caverna da Pedra Pintada, localizada próximo à vár- zea do Rio Amazonas, em Monte Alegre, estadodoPará(Rooseveltetal.1996).Pedra Pintada é no momento o sítio mais bem datado da Amazônia, com mais de 50 datas obtidas por diferentes métodos. Juntamen- te com Roosevelt, outros autores encontra- ram evidências, obtidas em áreas distantes da várzea amazônica, para o recuo da cro- nologia de ocupação para o início do Holoceno. Esses trabalhos, porém, não fo- ram ainda exaustivamente datados e publi- cados para que se possa avaliá-los em de- talhe. Dentre esses sítios cabe destacar a Gruta do Gavião, situada na Serra dos Carajás, com datas que chegam até 8.140 ± 130 AP (Magalhães 1994) e os sí- tios a céu aberto da fase Itapipoca, na bacia do alto Madeira, em Rondônia (Figura 1), com seqüências que chegam a 8.320 ± 100 AP (Miller et al. 1992). Em suas pesquisas no baixo Amazonas, Roosevelt (1995; Roosevelt et al. 1991) encontrou também os vestígios mais anti- gos para a produção cerâmica nas Améri- cas, sem dúvida a evidência empírica mais importante para a crítica da perspectiva periférica. Na caverna da Pedra Pintada e no sambaqui fluvial da Taperinha (Figura 1), o último situado próximo à cidade de Santarém, Roosevelt escavou cerâmicas datadas em, respectivamente, 7.090 ± 80 BP e 7.580 ± 215 AP (Roosevelt 1995: 123). Essas datas contribuem para a rejei- ção de hipóteses que postulavam uma ori- gem exógena da cerâmica na Amazônia, que teria sido introduzida na região a partir de centros originais localizados no oeste ou noroeste da Amazônia (Meggers 1979: 256; 1987: 161). Antes de Roosevelt, Simões (1981) já havia obtido datas de cerca de 5.500 anos AP para a produção de cerâmica, perten- centes à fase Mina, nos sambaquis do lito- ral do Pará. Talvez por haver sido publica- do em português, esse trabalho não rece- beu muita atenção fora do Brasil. Por outro lado, Roosevelt (1995) mostrou como da- tas antigas para produção cerâmica obtidas pelo laboratório do Smithsonian Institution foram descartadas por Simões e Meggers por não se ajustarem à perspectiva concei- tual desses pesquisadores. Um exame das datas disponíveis para o início da produção cerâmica no norte da América do Sul (Hoopes 1994) revela que os dados obtidos por Roosevelt no baixo Amazonas não são aberrantes (Roosevelt 1995). A existência de complexos cerâ- micos antigos ao longo da várzea amazôni- cajáhaviasidosugeridaporLathrap(1974),
    • REVISTA USP, São Paulo, n.44, p. 86-111, dezembro/fevereiro 1999-2000 91 mas essa hipótese não pôde ser testada anteriormente devido à falta de dados empíricos na Amazônia brasileira. Novas pesquisas nessa área deverão trazer infor- mações adicionais sobre esses complexos. Por exemplo, na bacia do alto Rio Negro, próximo à fronteira do Brasil com a Co- lômbia no noroeste da Amazônia, Neves (1998) identificou cerâmicas não-decora- das temperadas com cariapé e datadas em 3.200 anos AP em uma área adjacente a um antigomeandroabandonadodo RioUaupés (Figura 1). As hipóteses de Lathrap sobre a exis- tência de um centro antigo, durante o Holoceno,dedesenvolvimentoculturalnas áreas de várzea da floresta tropical foram propostas em uma série de trabalhos com foco na arqueologia do norte da América do Sul (Lathrap 1973b, 1973c, 1974). Es- ses trabalhos apontam, dentre outros as- pectos, para evidências sobre antigas redes de comércio (Lathrap 1973a; Myers 1981) e para a presença de elementos de floresta tropical na iconografia dos primeiros com- plexos cerimoniais andinos como Chavín de Huantar (Lathrap 1973b). Em uma dis- cussão sobre as cerâmicas sul-americanas maisantigasconhecidasnosanos70–como Valdivia,BaciadeGuayas,Equador;Puerto Hormiga, bacia do baixo Magdalena, pró- ximoaolitoralcaribenhodaColômbia;fase Alaka, litoral das Guianas – Lathrap (1974) propôs que complexos mais antigos deve- Locais e áreas mencionados no texto: 1. Ilha de Marajó; 2. Caxiuanã; 3. Serra dos Carajás; 4. Santarém/Taperinha/Pedra Pintada; 5. Bacia do alto Xingu ; 6. Área de confluência dos rios Negro e Solimões; 7. Alto Rio Negro; 8. Bacia do alto Madeira; 9. Rio Uacayali; 10. Confluência dos rios Apure e Orinoco (sítio Agüerito). FIGURA 1
    • R-EVISTA USP, São Paulo, n.44, p. 86-111, dezembro/fevereiro 1999-200092 riam ser encontrados ao longo das várzeas da Amazônia central ou do norte do conti- nente. Seu raciocínio era cristalino: as ce- râmicas então conhecidas eram diferentes o bastante umas das outras para que se acei- tasse a hipótese de difusão de um comple- xo para o outro, uma afirmação confirmada por pesquisas adicionais sobre esse proble- ma (Raymond 1995; Raymond et al. 1994). Esta era uma crítica direta à hipótese de Meggers, Evans e Estrada (1965) postu- lando uma migração antiga do Japão para o Equador como sendo responsável pela in- trodução da cerâmica na América do Sul. De acordo com Lathrap, as cerâmicas mais antigas da América do Sul deveriam ser procuradas em áreas de florestas tropicais como a Amazônia ou partes da Colômbia, e não em uma implausível migração marí- tima através do Pacífico. Os trabalhos recentes de Roosevelt confirmam a hipótese de Lathrap, já que indicam que a cerâmica mais antiga das Américas provém do baixo Amazonas, próximo ao centro de origem por ele pro- posto (Roosevelt 1995; Roosevelt et al. 1991). É necessário, porém, que se avalie se essas cerâmicas se difundiram para outras áreas e geraram os outros comple- xos cerâmicos conhecidos, conforme pro- pôs Lathrap. Recentes hipóteses sobre o aparecimento de cerâmica nas Américas tendem a indicar origens múltiplas e não uma difusão de um único centro (Barnett e Hoopes 1995). Além disso, trabalhos recentes na Bacia de Guayas, no Equador (Lamb e Vargas 1995), indicam que a economia das sociedades produtoras de cerâmicas nessa área não se ajusta ao pa- drão de floresta tropical proposto por Lathrap e seus colaboradores (Lathrap, Marcos e Zeidler 1977). Malgrado os ainda pouco numerosos dados disponíveis, as perspectivas variá- veis sobre a antigüidade da ocupação hu- mana e as origens da produção cerâmica na América do Sul indicam que não é mais possível que se continue a focalizar a Amazônia como uma área periférica du- rante todo o processo de ocupação humana do continente. DETERMINISMO AMBIENTAL NA ARQUEOLOGIA AMAZÔNICA A primeira tentativa para avaliar na Amazônia a seqüência de desenvolvimen- to da cultura de floresta tropical esboçada no Handbook foi realizada por Meggers e Evans (1957) em suas importantes pesqui- sas na foz do Amazonas. Tais pesquisas marcaram o início de uma forte influência na arqueologia brasileira que ainda se faz presente (Meggers 1985, 1992a). A foz do Amazonas foi escolhida porque pesquisas anteriores nessa área tinham indicado a ocorrência, na porção oriental da Ilha de Marajó (Figura 1), de grandes aterros arti- ficiais associados a cerâmicas decoradas com sofisticadas técnicas incluindo a policromia, modelado, incisão e excisão. Como essas características se assemelham mais a um padrão arqueológico do tipo circum-Caribe que a um padrão de floresta tropical, esta situação parecia ser uma ano- malia dentro do quadro proposto por Steward para as terras baixas. A sucessão cultural proposta por Meggers e Evans para a Ilha de Marajó foi composta por cinco fases, definidas com base na análise cerâ- mica. Sua interpretação da fase Marajoara, associada aos aterros e à cerâmica polícroma, atendeu às expectativas apre- sentadas no Handbook: o registro arqueo- lógico foi explicado como o correlato de um processo de “decadência” cultural, cau- sado por fatores ambientais, de uma supos- ta população exógena que apresentava ini- cialmente um padrão de organização polí- tica do tipo cacicado que se transformou em um padrão do tipo floresta tropical menos complexo (Meggers e Evans 1957). Como conseqüência do uso de cronologias relativas,MeggerseEvansacreditaramque o processo de decadência dos construtores de aterros da fase Marajoara tinha sido re- lativamente rápido, um indicador da força dos fatores limitantes ambientais atuantes na Amazônia. As evidências da foz do Amazonas fo- ram também influentes no desenvolvimen-
    • REVISTA USP, São Paulo, n.44, p. 86-111, dezembro/fevereiro 1999-2000 93 to de uma hipótese geral que relacionava fatoresambientais,principalmenteopoten- cial agrícola, a variáveis que fixariam limi- tes à emergência da complexidade social (Meggers1954:821).Aquestãofundamen- tal nesse caso está relacionada ao entendi- mento dos padrões de mobilidade dos as- sentamentos, um ponto que está no cerne desseedeoutrosusossubseqüentesdoracio- cínio ecológico na antropologia amazônica (Gross1975;Lathrap1968a;Meggers1971). Tal perspectiva interpreta os padrões de mobilidadecontemporâneosdassociedades indígenas na Amazônia como uma resposta adaptativa à suposta escassez de recursos naturais, como, por exemplo, proteína ani- mal (Lathrap 1968a; Gross 1975) ou fertili- dade do solo (Meggers 1971). Padrões contemporâneos de mobilida- de entre os índios da Amazônia, porém, são melhor explicados através de outros fato- res que não unicamente os ecológicos. Já na década de 50, o estudo detalhado de Carneiro (1957) sobre a agricultura entre os índios Kuikuru da bacia do alto Xingu indicou a possibilidade de cultivo de uma mesma área por até noventa anos. Desse modo, a alta mobilidade dos assentamen- tos deve ser entendida a partir de modelos que incorporem outras variáveis tais como relações de parentesco ou disputas políti- cas no nível local (Neves 1995a). Há que se considerar também que padrões contem- porâneos de mobilidade dos assentamen- tossãoumarespostaàpressãoexercidapelo ritmo desordenado de ocupação contem- porânea da Amazônia (Beckerman 1979; Roosevelt 1989). Finalmente, trabalhos posteriores na Ilha de Marajó mostraram que a duração da fase Marajoara foi muito maior que o inici- almente sugerido por Meggers e Evans (1957).Roosevelt(1991b)obtevedatasque situam o início dessa fase no século IV d.C. e seu fim ao redor do século XIII d.C. Não se sabe ainda com clareza, no entanto, quais eram as atividades produtivas relacionadas à fase Marajoara. Brochado (1980) apre- sentou um modelo hipotético pressupondo a agricultura intensiva de cereais e tubér- culos em campos elevados naturais – anti- gos terraços pleistocênicos – no leste da Ilha de Marajó. Tais terraços seriam, as- sim, funcionalmente semelhantes aos cam- pos de cultivo elevados artificiais encon- trados em outras áreas da América do Sul, como, por exemplo, llanos Mojos na Bolí- via (Denevan 1966; Erickson); o litoral da Guiana Francesa (Rostáin 1991) ou a área de Barinas na Venezuela (Spencer e Redmond 1992). O modelo de Brochado não foi ainda testado, embora a pesquisa de Roosevelt (1991b) no Teso dos Bichos e outros ater- ros de Marajó tenha sido até o momento a iniciativa mais sistemática de recuperação de dados paleobotânicos na arqueologia brasileira. Roosevelt visava recuperar evi- dências de cultivo intensivo de milho du- rante a fase Marajoara, já que suas pesqui- sasanterioresnomédioOrinoco(Roosevelt 1980) estabeleceram uma correlação posi- tiva entre o crescimento dos assentamen- tos da fase Corozal e a introdução de milho, uma evidência posteriormente confirmada por análises de isótopos de carbono em ossoshumanos(vanderMerweetal.1981). Como Brochado (1980), Roosevelt (1987, 1991b, 1992) tem como premissa que a fase Marajoara seria o correlato ar- queológico de um cacicado. Os resultados preliminares das pesquisas no Teso dos Bichos (Roosevelt 1991b) não trazem, no entanto, evidências conclusivas sobre o cultivo intensivo, ou mesmo esporádico, do milho na Ilha de Marajó durante a fase Marajoara(Roosevelt1992:76).Nessecaso é plausível supor que o cultivo de tubércu- los, ao invés apenas do cultivo de cereais, tenha sido uma atividade produtiva funda- mental para os cacicados da Amazônia pré- colonial. Assim, pode-se refutar a hipótese de Roosevelt (1992: 76) que propôs que o padrão de cultivo de mandioca atualmente característico dos índios amazônicos seria um “retorno” a um padrão antigo, caracte- rístico do formativo, resultado do contato europeu. Heckenberger (1996: 91), por exemplo, mostrou, através de analogias etnográficas, que no alto Xingu (Figura 1) populações que cultivavam mandioca ocu- param, no final do primeiro milênio d.C.,
    • R-EVISTA USP, São Paulo, n.44, p. 86-111, dezembro/fevereiro 1999-200094 grandes aldeias, com quase 1 km de diâme- tro, cercadas por valas defensivas. Além disso, pelo menos no leste da Amazônia, o milho tende a ser cultivado por sociedades com alto padrão de mobilidade, normal- mentesobpressão,devidoàinvasãodesuas terras (Balée 1994; Viveiros de Castro 1992) porque essa planta necessita de um período de cultivo menor que a mandioca. Se o raciocínio determinista foi intro- duzido na Amazônia por um trabalho que correlacionavapotencialagrícolaapadrões de organização social e política (Meggers 1954), foi justamente um trabalho em pedologia (Smith 1980) que ofereceu uma das críticas mais poderosas contra o determinismo ambiental: a chamada “eco- logia histórica” (Balée 1994, 1995). Smith (1980) discutiu os processos de formação das chamadas terras pretas de índio, solos comsedimentosbastanteescurosecomalta fertilidade encontrados em muitas áreas da Amazônia, normalmente associados a sí- tios arqueológicos. Previamente caracteri- zadas como formações naturais (Falesi 1974), as terras pretas têm as mesmas ca- racterísticas físicas dos latossolos amazô- nicos mas propriedades químicas bastante diferentes:pHsmaisbásicos;maioresquan- tidades de húmus, nitrogênio, fósforo e cátions trocáveis (Pabst 1991). Depois de Smith (1980), pesquisas ar- queológicas e pedológicas têm trazido evi- dência para uma origem antrópica para as terras pretas. Esse parece ser o caso das ter- raspretasdeAraracuara,no RioCaquetá,na Amazônia colombiana (Eden et al. 1984) e na área de Caxiuanã (Figura 1), no baixo Amazonas (Kern 1996). Em Açutuba e ou- tros locais no baixo Rio Negro, perto de Manaus, encontrou-se também uma corre- lação positiva entre terras pretas e sítios ar- queológicosbastantegrandesedensos,com seqüências de ocupação que vão desde o princípio do primeiro milênio a.C. até o sé- culo XVI d.C. (Heckenberger et al. 1998). Embora a correlação positiva entre sí- tios arqueológicos e terras pretas tenha sido estabelecida, ainda são debatidos os meca- nismos responsáveis pela formação desses sedimentos. Smith (1980:556) sugeriu que a acumulação de resíduos orgânicos, prin- cipalmente os carvões de fogueiras domés- ticas, resultantes de ocupações pré-coloni- ais de longa duração, seria o principal ele- mento causador. Em Araracuara propôs-se que a variação da cor do sedimento nos sítios arqueológicos com terras pretas está associada a padrões diferentes de uso do solo (Herrera et al. 1992: 102). É provável, porém, que terras pretas não sejam só o resultado de ocupações contínuas de longa duração. Mais uma vez em Araracuara, há evidências de que sedimentos aluviais fo- ram também acrescentados à matriz de solo no processo de formação das terras pretas (Herrera et al. 1992: 102) Pesquisassobreoritmodeformaçãodas terras pretas estão ainda em andamento. Smith (1980: 564) sugeriu inicialmente que cerca de dez anos de ocupação contínua seriam necessários para a formação de um centímetro de terras pretas. Em Açutuba, há evidências preliminares que associam o escurecimento dos sedimentos ao advento dacerâmicapolícromadafaseGuaritadata- do no local entre 970 e 1440 d.C. (Heckenberger et al. 1998). Tais dados pre- liminares indicam que, na Amazônia cen- tral, sítios arqueológicos com terras pretas resultaram de fato de décadas, se não sécu- los,deocupaçãocontínua,evidênciaadicio- nal de que o padrão de mobilidade dos as- sentamentos amazônicos pré-coloniais era menos intenso que o atualmente verificado. As evidências crescentes para uma ori- gem antrópica das terras pretas têm uma implicação importante para a arqueologia amazônica: mostra que a paisagem ama- zônica, como nós a conhecemos hoje, não é só um produto da natureza, mas também da cultura, resultante de milênios de ma- nejo humano, uma observação já feita por outros autores para o resto do continente americano (Adams 1994; Denevan 1992a; Stahl 1996). Do mesmo modo que a pedologia e a arqueologia, pesquisas em etnobotânica indicam que o manejo ambiental, consci- ente ou inconsciente, entre os índios ama- zônicos contemporâneos, aumenta, ao in- vés de reduzir, a diversidade ecológica,
    • REVISTA USP, São Paulo, n.44, p. 86-111, dezembro/fevereiro 1999-2000 95 como é o caso dos Ka’apor do Maranhão (Balée 1994: 136). Balée e Moore (1994) mostraram como o manejo de plantas é uma atividade muito antiga entre os Ka’apor e outros grupos falantes de línguas da famí- lia Tupi-Guarani através da comparação de nomes de plantas em cinco línguas Tupi- Guarani faladas por grupos atualmente habitantes de áreas ecológicas diferentes. Entre esses idiomas, os nomes para plantas intensivamente manejadas (domesticadas e semidomesticadas) têm taxas mais altas de semelhança que os nomes para plantas não domesticadas (Balée e Moore 1994: 371), uma indicação de que os nomes para plantas intensivamente manejadas nesses idiomas são palavras cognatas derivadas de um idioma falado há cerca de dois mil anos (Balée 1994: 138). No caso dos Ka’apor, o manejo de plan- tas está relacionado ao cultivo de mandio- ca em roças “de toco” ou “de coivara”. Nesse sentido, mudanças paisagísticas são conseqüências imprevistas das atividades produtivas corriqueiras (Balée 1994: 139). Há, porém, exemplos de transformação deliberada da paisagem por índios amazô- nicos. Entre os Kayapó, Posey (1986) veri- ficou a formação deliberada de ilhas de plantas contendo recursos naturais. Os Kayapó não são, no entanto, habitantes tra- dicionais da floresta tropical, já que se ins- talaram nessas áreas há mais ou menos duzentos anos (Verswijer 1992). Assim, é interessante notar que suas práticas de manejo podem ter se desenvolvido origi- nalmente nas áreas de cerrado do Brasil centralqueocupavamanteriormente.Sefor esse o caso, há elementos para se apoiar a hipótese de que as paisagens de cerrado do Brasil também foram transformadas inten- sivamente devido ao manejo humano (Flowers 1994). Entre os Nukak, um grupo forrageiro da Amazôniacolombiana,Politis(1996,1997) encontrou evidências de que o manejo de plantas como palmeiras aumenta a diversi- dade ecológica dos ambientes por eles ocu- pados. O dados sobre os Nukak também são importantes porque indicam a possibi- lidade de sustento de uma sociedade forrageira na floresta tropical sem a prática da agricultura, ao contrário do que foi pro- posto por Headland e Bailey (1991). As datas pré-cerâmicas antigas obtidas por Roosevelt em Pedra Pintada (Roosevelt et al. 1996) apontam para a mesma direção, já que as reconstituições paleoecológicas dis- poníveis mostram que o baixo Amazonas era coberto por uma floresta tropical densa no final do Pleistoceno (Adams e Faure 1997). Em Pedra Pintada, dados sobre as atividades produtivas mostram uma eco- nomia diversificada baseada na coleta de diferentes espécies vegetais, assim como na pesca e na coleta. Os resultados dessas pesquisas indicam que, na Amazônia, a natureza não oferece necessariamente um limite contra o cresci- mentodemográficoouaemergênciadacom- plexidadesocial,jáqueanaturezaéparcial- mente um produto da ação humana e não uma variável externa totalmente indepen- dente. Tal constatação é sugestiva o sufici- ente para lançar dúvidas ao determinismo ambiental extremo que caracteriza as pes- quisas arqueológicas realizadas na Amazô- nia sob a influência de Meggers. Essas evidências também fortalecem as críticas ao determinismo ecológico propos- tas por Lathrap (1968a, 1973, 1974, 1977) nasquaisasvárzeasamazônicasteriamsido centros importantes para a domesticação inicial de plantas e o início da produção cerâmica (Lathrap 1970a:104; 1977: 716). Nessaperspectiva,aflorestatropical,oupelo menospartesdela,forneceuestímuloparao estabelecimento de formações sociais po- pulosas, estáveis e sedentárias (Lathrap 1968a, 1968b, 1970a, 1973, 1974, 1977). A hipótese de Lathrap derivou de uma discussão dos diferentes potenciais de sub- sistência das áreas de várzea e terra firme na Amazônia (Lathrap 1968a, 1968b), uma perspectiva posteriormente adotada por outrosarqueólogosquetrabalharamnaárea (Meggers 1971; Roosevelt 1991). Seguin- do Lowie (1948) e Steward (1948), Lathrap destacou a importância das adaptações flu- viais na floresta tropical, principalmente em termos da grande e contínua disponibi- lidade de proteína animal – peixes, mamí-
    • R-EVISTA USP, São Paulo, n.44, p. 86-111, dezembro/fevereiro 1999-200096 feros,répteiseaves(Lathrap1968a,1968b, 1970a). Tal concentração estável de recur- sos teria favorecido o crescimento demográfico de populações sedentárias, le- vando eventualmente à competição por recursos com dois possíveis resultados: a colonização de outras áreas de várzea ou a ocupação das áreas de terra firme mais pobres em recursos. Devido ao foco na Amazônia central como o centro de origem para a colonização de outras áreas da flo- resta tropical e áreas adjacentes, o modelo difusionista de Lathrap foi chamado “car- díaco“ (Carneiro 1971). As premissas desse modelo foram aplicadas por Lathrap (1977) em sua pro- posta de que todos os sistemas agrícolas do Novo Mundo teriam derivado de um siste- ma antigo de cultivo de mandioca centrado nas várzeas da Amazônia e norte da Amé- rica do Sul. Tal sistema por sua vez teria derivado de uma migração transatlântica pleistocênica de populações africanas para a América do Sul, que teriam sido respon- sáveis pela introdução da cabaça (Lagenaria siceraria) no continente. Nes- se modelo, o crescimento populacional nessas comunidades sedentárias, encora- jado pelo acesso contínuo à proteína ani- mal, conduziria eventualmente à coloniza- ção de áreas ribeirinhas em toda a América neotropical (Lathrap 1977:738). Junto com essaexpansão,sistemasdecultivode“quin- tal” se tornariam mais complexos e eventu- almente incorporariam várias espécies ve- getais de importância econômica – maté- rias-primas, venenos, alimentos, medica- mentos e alucinógenos. Seguindo Carl Sauer, Lathrap (1977: 739) sugeriu que o cultivo de mandioca teria sido incorporado cedo a esse sistema, resultando em sua domesticação há 5.000 anos. Para Lathrap (1977: 740) o início do cultivo de mandio- ca teria marcado o início de uma “revolu- ção neolítica” nas Américas. Embora o modelo neolítico de Lathrap tenha apresentado alguns cenários implau- síveis, trabalhos recentes embasam algu- mas de suas premissas. Assim, há evidên- cias crescentes para uma ocupação pleis- tocênica da América do Sul (Dillehay et al. 1992; Prous 1992, 1995), inclusive a Bacia Amazônica (Roosevelt et al. 1996). Do mesmomodo,osjámencionadosestudosde manejo indicam um padrão de cultivo do tipo “quintal” entre diferentes grupos ama- zônicos como, por exemplo, os Kayapó (Flowers 1994; Posey 1986) e os Ka’apor (Balée1994).Finalmente,dadosdo Valedo Casma, litoral central do Peru (Ugent et al. 1986) – longe, portanto, de qualquer centro plausível de domesticação de mandioca –, mostram que a mandioca já era consumida nessa região há quase 4.000 anos. O modelo de Lathrap é baseado na pre- missa de uma diferença drástica entre am- bientes de várzea e terra firme que ainda não foi testada. O modelo recente de Denevan (1996) oferece uma alternativa a essa dicotomia quando contempla padrões de uso combinado de recursos fluviais e de ambientes terrestres na Amazônia. Dados preliminares obtidos na área de confluên- cia dos rios Negro e Solimões (Neves e Bartone 1988) tendem a apoiar esse mode- lo, mas pesquisas adicionais em áreas dis- tantes das várzeas amazônicas são neces- sárias para seu teste. A partir dos anos 70, outra forma de argumento determinista foi introduzida na arqueologia amazônica. Nesse caso, uma série de modelos foram apresentados com o objetivo de correlacionar padrões no re- gistro arqueológico com variáveis paleoambientais (Meggers 1977, 1979, 1982, 1987, 1990, 1991, 1992b, 1993-95, 1995; Meggers e Danon 1988; Meggers et al. 1988; Miller et al. 1992; Simões 1977). O Pronapaba – Programa Nacional de Pes- quisas Arqueológicas na Bacia Amazônica (Simões 1977) foi desenvolvido justamen- te com esse objetivo, mas a ausência de publicação detalhada dos dados obtidos impedequeseusresultadospossamserava- liados no momento. O uso inicial de dados paleoambientais feito por Meggers (1977, 1979) baseou-se na chamada “teoria dos refúgios” (Withmore e Prance 1987), desenvolvida para explicar a distribuição de espécies na Amazônia como conseqüências de episó- dios de aridez no Pleistoceno e Holoceno.
    • REVISTA USP, São Paulo, n.44, p. 86-111, dezembro/fevereiro 1999-2000 97 Desde então, porém, as premissas dessa teoria foram criticadas (Colinvaux 1987; Whitten 1979). De fato Meggers tem, em suas publicações mais recentes, se distan- ciado de explicações baseadas nas premis- sas da teoria de refúgio (Meggers 1992b, 1993-95, 1995; Meggers e Danon 1988), sem abandonar o foco em mudanças ambientais como fatores limitantes na Amazônia. Assim, hiatos na seqüência arqueológi- ca da Ilha de Marajó foram correlaciona- dos por Meggers e Danon (1988) a interva- los áridos, deduzidos da palinologia, ao redor de 2.800 a 2.000 anos AP. Tal inter- pretação foi estendida para explicar hiatos no mesmo período em seqüências arqueo- lógicasdediferentesáreastaiscomoLlanos de Mojos (terras baixas da Bolívia); Lago Silves/baixo Uatumã (Amazônia central) e o baixo Xingu (Meggers 1995: 31). Esses hiatos foram interpretadas por Meggers como respostas a intervalos áridos gerados por episódios do tipo El Niño-Southern Oscillation (Enso), que teriam ocorrido no litoral Pacífico da América do Sul. Perota eBotelho(1992)utilizaramomesmoracio- cínio para interpretar o registro dos sam- baquis fluviais parcialmente submersos do baixo Xingu. Uma vez que essas interpre- tações são baseadas em materiais inéditos ou parcialmente publicados pelo Prona- paba, é necessário que se espere pela publi- cação dos dados completos do projeto para que se possa avaliá-las. Uma possibilidade alternativa seria a investigação de respos- tas semelhantes no registro arqueológico de áreas na América do Sul que suposta- mente também sofreram episódios secos como conseqüência de fenômenos de Enso antigos (Meggers 1995: 32). A compreensão da interação dinâmica entre variáveis ambientais e dinâmicas so- ciais na Amazônia pré-colonial é ainda um problema não resolvido. Parece claro, no entanto, que modelos deterministas sim- plessãoinsuficientesparaexploraressepro- blema. Descola (1986, 1994) e Reichel- Dolmatoff (1971, 1976) já mostraram em suas etnografias que, entre alguns grupos indígenas da Amazônia, prevalece uma ideologia “homeostática” que fornece me- canismos de controle que regula os padrões de uso de recursos naturais. Tal ideologia poderá ser instrumental na explicação dos intervalos aparentemente longos de estabi- lidade que se verificam no registro arqueo- lógico da Amazônia sem que se utilize o determinismo ambiental ortodoxo como recurso. MODELOS LINGÜÍSTICOS EM ARQUEOLOGIA AMAZÔNICA: A IDENTIFICAÇÃO DE FRONTEIRAS ÉTNICAS PELA ARQUEOLOGIA Donald Lathrap e alguns de seus estu- dantes (Brochado 1984; Lathrap 1970a; Lathrap e Oliver 1987; Noelli 1996; Oliver 1989) são os proponentes mais importan- tes de modelos baseados em dados lingüísticos na Amazônia. Baseado nas premissas do “modelo cardíaco”, Lathrap apresentou uma hipótese geral para a dis- tribuição de línguas indígenas (1970a: 68- 83) propondo que os dois troncos lingüísticos mais difundidos das terras bai- xas, Arawak e Tupi, tiveram uma origem comum na Amazônia central ao redor de 5.000 anos AP. Tal hipótese foi baseada na correlação dos supostos locais de origem dessas protolínguas com a distribuição de complexos cerâmicos nas terras baixas, em oposição aos modelos lingüísticos predo- minantes na década de 60, que reconheci- amumaorigemnaAmazôniaocidentalpara esses troncos lingüísticos (Noble 1965). O modelo de Lathrap foi criticado por lin- güistas(Migliazza1982;Urban1992,1996) e arqueólogos que trabalharam nas terras baixas. Evans (1971), por exemplo, apon- tou para os problemas conceituais envolvi- dos na correlação entre língua e cultura material, uma objeção posteriormente re- petida por outros arqueólogos atuantes na Amazônia (Meggers e Evans 1973; Roosevelt 1992). É verdade, no entanto, que alguns dos proponentes dessas críticas
    • R-EVISTA USP, São Paulo, n.44, p. 86-111, dezembro/fevereiro 1999-200098 acabaram por modificá-las, já que suas publicações posteriores postulam uma cer- ta correspondência entre língua e cultura material (Meggers e Evans 1981). O modelo arqueológico-lingüístico de Lathrap gerou dois trabalhos de amplo es- pectro que tentaram aplicar suas premissas em um contexto mais amplo (Brochado 1984; Oliver 1989). Brochado (1984) or- ganizou dados dispersos para fundamentar a hipótese de uma origem na Amazônia central, há mais ou menos 2.500 anos AP, para as línguas proto-Guarani e proto-Tu- pinambá da família lingüística Tupi-Gua- rani. O correlato arqueológico dos falantes dessas protolínguas seriam as cerâmicas da subtradição Guarita da Tradição Polícroma da Amazônia (Brochado 1984: 321). O modelo de Oliver (1989) pode ser vis- to como um espelho do modelo de Brocha- do. Apesar das sugestões iniciais de Bro- chado (1984), Brochado e Lathrap (1982), Lathrap (1970a) e Rouse (1985, 1986), to- das elas baseadas em revisões da literatura, não houve, até o final da década de 80, ten- tativas de correlação entre supostas ocupa- ções proto-Arawak e complexos cerâmicos naAmazônia,particularmentenobaixo Rio Negro.Oliverrealizouessatarefacomode- senvolvimento de um modelo geral para a expansãodaslínguasArawakedacerâmica polícromadaAmazôniacentralparaonorte da América do Sul. Oliver sugeriu que, por volta de 6.000 anos AP, populações falantes de línguas proto-Arawak ocupavam a Amazônia cen- tral. Dessas populações ancestrais um gru- po teria se expandido em direção à bacia do alto Rio Negro Superior, envolvendo a expansão do que Oliver (1989: 487) deno- minou “Tradição Polícroma Antiga da Amazônia”. Um correlato arqueológico dessa expansão poderia, por exemplo, ser encontrado nas cerâmicas polícromas de 5.700 anos AP encontradas no sítio de Agüerito (Figura 1), situado na confluên- cia dos rios Apure e Orinoco, na Venezuela central(Zucchi,TarbleeVaz1984).Lathrap e Oliver (1987) sugeriram serem essas as cerâmicas polícromas mais antigas conhe- cidas nas Américas (Oliver 1989: 487). O raciocínio de Oliver é um desenvol- vimento da hipótese de Brochado e Lathrap (1982) propondo o surgimento de cerâmi- cas com decoração polícroma na Amazô- nia central há cerca de 6.000 anos AP (Lathrap e Oliver 1987). O registro arqueo- lógico do Rio Negro não tem, no entanto, sustentado essas hipóteses até o momento: trabalhos preliminares não têm mostrado evidências de cerâmicas polícromas com datas tão antigas no alto e baixo Rio Negro (Heckenberger et al. 1998; Neves 1997; Zucchi 1991, 1993). No alto Rio Negro, a decoração polícroma está ausente nos com- plexos cerâmicos mais antigos da região, datados em cerca de 3.200 e 2.500 anos AP (Neves 1997, 1998). No baixo Rio Negro, as seqüências arqueológicas indicam que a cerâmica Guarita, o complexo polícromo mais antigo da área, só surge ao redor do final do primeiro milênio d.C., muito pos- teriormenteaosugeridoporLathrap,Oliver e Brochado (Heckenberger et al. 1998). Finalmente, há os problemas adicionais trazidos pela identificação das cerâmicas antigas do baixo Amazonas (Taperinha e Pedra Pintada): estas cerâmicas são tempe- radas principalmente com areia (Roosevelt 1995), ao contrário do sugerido por Bro- chado e Lathrap, que os complexos antigos deveriam ser temperados com cauixi. Os dados preliminares acima expostos colocam dois problemas gerais aos mode- los de Lathrap, Brochado e Oliver. Primei- ramente, sugerem que se deve procurar outro correlato arqueológico para as supos- tas migrações Arawak desde o Rio Negro até o Caribe. Em segundo lugar, questio- namashipótesesgeraisdeLathrap(1970a), Brochado (1984), Rouse (1985) e Oliver (1989), que sugerem uma origem na Ama- zônia central para os troncos lingüísticos Arawak e Tupi. Tentativas de correlação entre o regis- tro arqueológico e dados lingüísticos fo- ram também realizadas por Meggers nos anos 70 e no início dos anos 80, em várias contribuições inovadoras que visavam ex- plicar a distribuição de línguas indígenas na Amazônia com base na já mencionada teoria dos refúgios florestados (Meggers
    • REVISTA USP, São Paulo, n.44, p. 86-111, dezembro/fevereiro 1999-2000 99 1977, 1979, 1982) ou em supostos episó- dios de mudanças climáticas no passado (Meggers 1987). Trabalhos lingüísticos (Migliazza 1982) trouxeram apoio às hipó- teses apresentadas nesses trabalhos, mas a própria relutância de Meggers e Evans (Evans 1971) em aceitar correlações entre língua e cultura material torna difícil o tes- te dessas hipóteses. O problema da correlação entre padrões arqueológicos e lingüísticos nas terras bai- xas da América do Sul é uma tarefa neces- sária mas problemática. Necessária porque aidentificaçãolingüísticaétradicionalmen- te utilizada como um índice para identifi- caçãoétnicanaantropologiadaregião.Par- tindo-se da premissa que a pesquisa em arqueologia pré-colonial no Brasil tem a tarefa de realizar história indígena (Neves 1995b), é quase impossível escapar do em- prego de critérios de identificação basea- dos na lingüística. Por outro lado, se o es- tabelecimento dessas correlações é menos problemáticoemcontextosinsulares,como no Caribe e na Polinésia (Kirch e Green 1987; Rouse 1986, 1992), em outras partes do mundo, esse permanece um dos proble- mas metodológicos básicos da arqueologia (Blench e Spriggs 1997) à medida que a disciplina se distancia cada vez mais dos dogmas do processualismo. Os registros etnográficos e etno-histó- ricos das terras baixas são ambíguos sobre essa questão. Há dados indicando a exis- tência de sistemas multiétnicos regionais em diferentes áreas da Amazônia e do nor- tedaAméricadoSul.Osdadosetnográficos provêm de áreas localizadas principalmen- te nas periferias das fronteiras de coloniza- ção no Brasil e seus países vizinhos, como a bacia do alto Rio Negro (Jackson 1983); a bacia do alto Xingu (Galvão 1979; Heckenberger 1996); o planalto das Guianas (Butt-Colson 1973; Riviére 1984; Thomas 1972); a bacia do Ucayali (Erikson 1992; Kästner 1992); a bacia do Orinoco (Arvelo-Jiménez e Biord 1994). A historio- grafia indica casos em que esses sistemas foram totalmente desmantelados durante o período colonial em áreas onde atualmente poucas, ou nenhuma, sociedades indígenas sobreviveram: as Antilhas menores e o li- toral caribenho da América do Sul (Dreyfuss 1993; Farage 1991; Whitehead 1988, 1990, 1993); o Rio Solimões (Porro 1993, 1994, 1996; Sweet 1974); os llanos daColômbiaeVenezuela(Arvelo-Jiménez e Biord 1994; Biord 1985; Morey e Morey 1975), dentre outras regiões. Sistemas regionais têm algumas carac- terísticas comuns: são multiétnicos e multi- lingüísticos; seus limites são fluidos; a integraçãointra-sistemaéconstruídaaolon- go de diferentes vínculos, como comércio, casamento e guerra. Tais sistemas variam com o passar do tempo em termos da com- posiçãoétnicaepadrõesdeintegraçãointer- na, dentro da base estrutural provida por padrões de casamento, comércio e guerra. A visibilidade arqueológica de sistemas regionais na Amazônia ainda não foi ava- liada, embora alguns estudos preliminares tenham sido feitos para avaliar sua antigüi- dade e desenvolvimento (Heckenberger 1996; Neves 1998). Ainda é difícil no momento apresentar uma fórmula geral de identificaçãoarqueológicadetaissistemas, se realmente tal fórmula existe, já que a aceitação acrítica de correlações positivas entre, por exemplo, complexos cerâmicos e línguas indígenas apresenta muitos pro- blemas metodológicos. É certo que a visi- bilidade arqueológica potencial desses sis- temas deve variar, já que depende em parte do tipo de bens trocados, bem como da in- tensidade e da variabilidade desses padrões de troca. Na bacia do alto Xingu, por exem- plo, grupos locais, que falam diferentes idiomas,sãoregionalmenteintegradosatra- vés de redes de troca que incluem também vasilhames cerâmicos (Basso 1973). Nes- se caso as cerâmicas são produzidas ape- naspelasmulheresWaurá–falantesdeuma língua Arawak – mas as cerâmicas Waurá são as únicas consumidas no alto Xingu. As aldeias da região têm o mesmo plano geral circular, com malocas, localizado em suas periferias. Desse modo, sem o recurso dos dados etnográficos, arqueólogos pode- riam interpretar o registro do alto Xingu – do modo como essas sociedades são orga- nizadashoje–comooprodutodeumaúnica
    • R-EVISTA USP, São Paulo, n.44, p. 86-111, dezembro/fevereiro 1999-2000100 “cultura”. A distribuição de um único esti- locerâmiconessaáreaprovê,poroutrolado, um indicador material para o sistema regio- nal, mesmo se, com base nos restos cerâ- micos, não seja possível identificar os dife- rentes grupos étnicos atualmente incorpo- rados a esse sistema. Heckenberger (1996) demonstrou a antigüidade pré-colonial do sistema do alto Xingu, provendo também uma reconstrução de seu desenvolvimento histórico, inclusive o processo de agrega- ção de grupos étnicos diferentes. O alto Rio Negro é outro caso famoso de sistema multilingüístico na Amazônia (Jackson 1983). Neves (1998) demonstrou a antigüidade pré-colonial desse sistema utilizando dados arqueológicos e a tradi- ção oral indígena. Diferente do caso do alto Xingu, há no alto Rio Negro uma di- ferença básica entre os padrões decorati- vos da cerâmica produzidos pelo grupos Baniwa (Arawak), com decoração pinta- da em vermelho e vermelho sobre branco, e as cerâmicas produzidas pelos diferen- tes grupos Tukano, com decoração resis- tente em negro. Considerando-se, porém, que há mais de dez diferentes línguas Tukano faladas na área, as cerâmicas não funcionam como indicadores precisos de limites étnicos neste caso. Os casos relatados indicam que tentati- vas de correlação entre língua e cerâmica na Amazônia deverão ser realizadas atra- vés de pesquisas regionais, com a chamada “abordagem histórica direta”, em áreas onde há continuidade histórica entre popu- lações indígenas contemporâneas e seus antepassados. No momento atual, é difícil aceitar modelos gerais baseados em tais correlações,apesardassugestivasconexões espaciais,temporaisecronológicasporeles propostas. A AVALIAÇÃO DO IMPACTO DO CONTATO EUROPEU NA AMAZÔNIA O problema da avaliação do impacto da conquista européia sobre padrões pré-co- loniais de organização social e política na Amazônia foi recolocado na agenda de debates da região por Roosevelt (1989). Embora Lathrap e seus discípulos, nota- velmente Myers (1973, 1981), já tivessem chamado a atenção para as transformações resultantes da conquista, esses autores es- tavam melhor familiarizados com dados do alto Amazonas, que representa uma porção relativamentepequenadabacia.Roosevelt, por sua vez, teve acesso a áreas no baixo Amazonas que permaneceram virtualmen- te fechadas para os pesquisadores não ali- nhadosaosparadigmasteóricosdeMeggers e Evans (Roosevelt 1992b, 1996). A hipótese principal de Roosevelt é baseada em um fato bem conhecido dos familiarizados à antropologia amazônica: um breve exame da distribuição das socie- dades indígenas contemporâneas na região mostra que a maioria das áreas de várzea do baixo e médio Amazonas não são mais ocupadas por populações indígenas nume- rosas. A única exceção no Brasil são os Tikuna do alto Solimões, cuja ocupação inicial nessa área remonta provavelmente ao século XVIII (Nimuendajú 1982; Porro 1996). Desse modo há que se ter cautela na utilização de padrões indígenas atuais de organização social, política e econômica na Amazônia na explicação da diversidade de padrões que prevaleciam antes do sécu- lo XVI (Roosevelt 1989). A crítica de Roosevelt (1989) foi dirigida ao modo como Meggers (1971) empregou analogias etnográficas para exemplificar o suposto poder de fatores limitantes ambientais atuando na Amazô- nia. As utilizações feitas por Meggers des- se tipo de analogia modificaram-se ao lon- go dos anos (Meggers e Evans 1979). Em sua forma atual, estão baseadas na premis- sa metodológica de que uma fase arqueoló- gica seria o correlato de uma comunidade localpré-histórica(Meggers1990;Meggers e Evans 1980). Esta é uma diferença marcante dos trabalhos iniciais de Meggers e Evans (1957) que mostravam uma recusa explícita em correlacionar fases com quais- querformasdeorganizaçãosocial(Meggers 1990, 1991, 1992b, 1993-95, 1995). Os procedimentos de campo emprega-
    • REVISTA USP, São Paulo, n.44, p. 86-111, dezembro/fevereiro 1999-2000 101 dos no estabelecimento dessas analogias estão baseados na escavação, em níveis ar- tificiais, de poços teste. As cerâmicas obti- dassãoclassificadasemseriaçõesvisandoa definição das fases. As fases cerâmicas de- finidas para os níveis dos poços teste são então comparadas à cerâmica dos mesmos níveis obtida em outros poços teste no mes- mosítio.Seessesníveiscontiveremcerâmi- cas pertencentes a fases diferentes, assume- se então que elas representam ocupações diferentes. É desse modo que Meggers ex- plica a formação dos grandes sítios arqueo- lógicos encontrados ao longo das várzeas amazônicas (Heckenberger et al. 1998; Hilbert 1968; Myers 1973; Neves e Bartone 1998).Seguindoesseraciocínio,otamanho desses sítios de grande porte não seria correlatoaotamanhodosassentamentospré- coloniais, já que representam reocupações sucessivas dos mesmos locais por popula- ções que residiam em aldeias pequenas (Meggers 1995: 27). O argumento de Meggers é problemáti- co porque ignora a possibilidade de varia- bilidade interna da cerâmica durante uma mesma ocupação, ao mesmo tempo em que ignora o fato de que vários fatores naturais e antrópicos estão ativamente envolvidos nosprocessosdeformaçãodesítiosarqueo- lógicos na floresta tropical (DeBoer e Lathrap 1979; DeBoer et al. 1996). Além disso, mesmo que se aceitem as premissas deste argumento, a avaliação independen- te dos dados não pode ser feita, já que ne- nhum perfil de escavação ou descrição da composição de vestígios por nível foi ain- da apresentada pelo Pronapaba. As evidên- cias são freqüentemente apresentadas de forma incompleta, de modo que apenas “casos exemplares” são mostrados, perma- necendo inédita a grande quantidade de da- dosgerados,masnuncapublicados,poresse programa nos últimos vinte anos (Meggers et al. 1988; Miller et al. 1992). A nova utilização feita por Meggers do conceito de fase permitiu a apresenta- ção de modelos de movimentação de al- deias nos casos em que dados regionais são disponíveis. Novamente, o objetivo é mostrar que os assentamentos pré-coloni- ais amazônicos eram pequenos, pouco densos e de curta duração. O procedimen- to, nesse caso, é também baseado no uso de seriações, mas como se apresentam poucas datas absolutas não há certeza so- bre a duração do processo de movimenta- ção de aldeias ou mesmo sobre a duração de cada ocupação individual (Meggers 1995: 28). Finalmente, esses supostos pro- cessos são comparados a processos con- temporâneos de movimentação de assen- tamentos através de dados obtidos com grupos indígenas contemporâneos como os Kayapó, Akawaio ou o Jivaro (Meggers 1993-95, 1995). Assim, dados sobre os Akawaio, um grupo assentado no planalto das Guianas, são empregados para expli- car o registro arqueológico do baixo Tocantins, uma área onde a disponibili- dade potencial de proteína animal, repre- sentada pela fauna aquática, é muito maior que no planalto das Guianas. Da- dos sobre a movimentação de aldeias dos Kayapó, apresentados por Verswijver (1978), são também constantemente em- pregados. Publicações posteriores desse autor, no entanto, mostram que os Kayapó não podem ser reconhecidos como uma população amazônica tradicional (Verswijver 1992: 337). Eles são, na re- alidade, uma população com uma longa história de adaptação a áreas de cerrado que penetrou no sudeste amazônico nos últimos dois séculos (Flowers 1994). Gru- pos indígenas do cerrado, como foram os Kayapó, são conhecidos pelo seu alto pa- drão de mobilidade sazonal, incluindo ex- pedições de longa duração. Além disso, a forte pressão da expansão da sociedade nacional sobre as terras indígenas como as dos Kayapó é parcialmente responsá- vel pelos processos de divisão e mobili- dade de assentamentos verificados entre eles. Como sempre, Meggers explica es- ses exemplos de mobilidade com um ar- gumento ecológico, como a baixa capa- cidade de suporte do meio ambiente. Tais analogias não são, no entanto, pertinen- tes porque são comparadas áreas com características ecológicas bastante dife- rentes (Meggers 1995: 33).
    • R-EVISTA USP, São Paulo, n.44, p. 86-111, dezembro/fevereiro 1999-2000102 As observações acima apresentadas in- dicam que é correta a crítica de Roosevelt (1989), mas não há no momento elemen- tos arqueológicos pouco ambíguos para testar a hipótese de Meggers sobre a for- mação dos grandes sítios arqueológicos da várzea amazônica. Os poucos relatos feitos pelos cronistas europeus que des- creveram a Amazônia nos séculos XVI e XVII (Porro 1996) foram usados por Roosevelt (1987, 1989, 1991a) e outros (Denevan 1992a; Guapindaia 1993; Porro 1996; Sweet 1974) para indicar a existên- cia de grandes e densos assentamentos nessas áreas. Essas informações devem, no entanto, ser checadas por dados arqueo- lógicos sobre o tamanho, a densidade e a duração dos sítios para que essas narrati- vas possam ser avaliadas de maneira inde- pendente. No baixo Rio Negro, próximo às várzeas da Amazônia central, dados pre- liminares apontam para ocupações bastan- te densas, estáveis e de longa duração no sítio de Açutuba (Figura 1), que apresenta profundos depósitos de terra preta an- tropogênica; alta densidade de restos cerâmicos (por exemplo, mais de 8.000 fragmentos em um único corte de 100 x 150 x 130); área de ocupação com no mínimo 90 hectares e uma seqüência de ocupação que durou desde o princípio do primeiro milênio a.C. até o século XVI d.C. (Heckenberger et al. 1998). Na mes- ma área de pesquisa, ao menos dois outros sítios com dimensões análogas foram tam- bém preliminarmente identificados (Ne- ves e Bartone 1998), mas apenas traba- lhos posteriores poderão confirmar essas impressões iniciais e verificar a validade do modelo de Meggers bem como as in- terpretações dos primeiros cronistas. A avaliação dessas hipóteses, por sua vez, ajudará a compreender outra questão teórica aberta pela arqueologia amazônica: a determinação da organização política das sociedades pré-coloniais tardias da região. Desde os meados dos anos 80, Roosevelt (1987, 1989, 1991b, 1992) tem afirmado que algumas dessas sociedades teriam sido politicamente organizadas em um padrão do tipo cacicado. Embora tal hipótese já tenha sido proposta anteriormente por Myers (1973), coube novamente a Roosevelt a oportunidade de acesso a da- dos indisponíveis a pesquisadores durante muitos anos, principalmente na região da foz do Amazonas. Da mesma maneira que Lathrap e Meggers,Roosevelt(1991a,1993:265)tra- balha com a premissa de que as áreas de várzea proviam condições ecológicas fa- voráveis para o desenvolvimento da com- plexidade social na Amazônia pré-coloni- al. No caso das sociedades de construtores de aterros de Marajó, Roosevelt sugeriu, com base em dados históricos e arqueoló- gicos de suas escavações de Teso dos Bi- chos, que esta e outras sociedades da vár- zea amazônica teriam sido cacicadas com as seguintes características comuns: cen- tralização política com territórios grandes, às vezes com dezenas de milhares de me- tros quadrados; guerra expansionista; or- ganização social hierárquica; tributação; agricultura intensiva e exploração de fauna aquática;sofisticadascerâmicaspolícromas e inciso-ponteadas; incidência de icono- grafia antropomorfa na decoração dos vasilhames (ver Schaan 1997 para outra interpretação desse fenômeno); comércio extenso; sepultamentos em urnas funerá- rias; fabricação de ídolos cerâmicos e líticos; grandes adensamentos populacio- nais, incluindo assentamentos com milha- res de indivíduos; arquitetura monumen- tal, incluindo tesos, campos de cultivo ele- vados, diques e outros tipos de aterros com diferentes funções: controle hidráulico, agricultura, habitação, transporte e defesa (Roosevelt 1992: 71). Os dados preliminares obtidos por Roosevelt (1991b) em Teso dos Bichos (1991b) aparentemente apóiam esse mo- delo, apesar de não terem sido completa- mente publicados. É assim necessário que se espere pelos resultados adicionais para que possa ser devidamente avaliado. Este é o caso, por exemplo, dos materiais ós- seos. Os dados disponíveis indicam ca- racterísticas interessantes, como defor- mação fronto-occipital em alguns crânios masculinos; variabilidade na composição
    • REVISTA USP, São Paulo, n.44, p. 86-111, dezembro/fevereiro 1999-2000 103 química do colágeno; baixa incidência de patologias; estatura média superior à dos índios amazônicos contemporâneos (1991b: 58). Roosevelt reconhece, porém, que o tamanho relativamente pequeno das amostras de Marajó e a falta de documen- tação detalhada permitem apenas algumas observações não conclusivas (1991b: 58). O mesmo pode ser dito sobre determi- nação dos padrões de assentamento. No- vamente, embora exista evidência de va- riabilidade nos padrões do uso do espaço em Marajó – um indicador potencial de hierarquia ou especialização econômica – os dados sobre esse tema não estão ainda completamente disponíveis (Roosevelt 1991b: 36-7). Um nível de ocupação no Teso dos Bichos revelou mais de vinte vestígios de malocas, orientadas no senti- do leste-oeste (Roosevelt 1991b: 37, 333- 7). A localização das malocas foi inferida através da evidenciação de fornos – con- juntos de estruturas de barro queimado de formato côncavo, embora sem vestígios de carvões (Roosevelt 1991b: 288-9, e Ca- pítulo 5). Essas estruturas foram interpre- tadas como fogões com base na compara- ção com dados etnográficos da Indonésia e do Marajó contemporâneo (Roosevelt 1991b: 290). A ocorrência de malocas foi deduzida pela analogia com as malocas documentadas etnograficamente no noro- este da Amazônia. Conforme as palavras de Roosevelt (1991b: 334-5), no entanto, escavações adicionais serão necessárias para determinar a forma, o tamanho, e a orientação das habitações Roosevelt (1991b: 289, 341-2) produ- ziu, também com base em analogias etnográficas, estimativas populacionais para essas aldeias de malocas, assumindo uma população de mais ou menos 50 pes- soas por maloca, resultando em 1.000 indi- víduos por período de ocupação: 50 habi- tantes em 20 malocas. Tais estimativas são plausíveis:Prous(1992:481)chegouauma estimativa de 2.000 habitantes para o con- junto de aterros de Camutins, também lo- calizadonaIlhadeMarajó,baseadoemuma nova análise dos dados primários providos porMeggerseEvans(1957).Grandesagre- gadospopulacionaisnãoconstituemneces- sariamente uma condição prévia para o desenvolvimento de hierarquias. Dados populacionais para, por exemplo, o Brasil central e oriental indicam também assenta- mentos com várias centenas de habitantes. Há registros, para os Tupinambá, de al- deias com uma média de quatro a oito malocas e população de 500 até 2.000 ou 3.000pessoasporaldeia(Fausto1992:384), sem, no entanto, evidências de uma organi- zação política do tipo cacicado. A avaliação do status político das so- ciedades marajoaras também depende da compreensão das atividades ligadas à construção dos aterros. Dada a duração da fase Marajoara – mais ou menos 900 anos, de 400 a 1300 d.C. – é importante que se estabeleça se os montículos foram construídos em episódios a curto ou lon- go prazo. Roosevelt (1991b: 333) mostrou que, durante as ocupações relacionadas à subfase Pacoval, a construção dos ater- ros foi realizada para a retenção de pare- des ou o apoio de plataformas. Não está claro, assim, se foram estruturas monu- mentais construídas à custa de grande mobilização de trabalho em intervalos de tempo relativamente curtos. Dada a du- ração da subfase Pacoval, é plausível su- gerir que a construção de aterros era ape- nas uma atividade regular para impedir o desmoronamento dessas estruturas (Roosevelt 1991b: 246). A presença de aterros não deve ser vista isoladamente como correlata a um tipo de organização política hierárquica ou centra- lizada, já que é necessário que as formas de mobilização de trabalho envolvidas na construção dessas estruturas sejam com- preendidas (Kristiansen 1991: 22). Alguns dossambaquisdeSantaCatarina,porexem- plo, como Garopaba do Sul, tinham dimen- sões estimadas em 400 x 100 x 30 m (Prous 1992: 207), mas ninguém os considerou relacionados a cacicados, pelo menos até o momento. Desse modo, os dados arqueológicos atualmente disponíveis para o leste de Marajó não indicam de maneira clara que o
    • R-EVISTA USP, São Paulo, n.44, p. 86-111, dezembro/fevereiro 1999-2000104 registro arqueológico da fase Marajoara corresponda a cacicados. O conceito de cacicado tem uma aplicação ainda difícil na Amazônia devido à grande diversidade de formações sociais que ali existiam antes da conquista, bem como à base ainda in- completa de dados. A simples correlação de elementos materiais – como a constru- ção de aterros ou arquitetura complexa – com formações sociais do passado pode ser muito rígida e incapaz de explicar a dinâ- mica dessas sociedades (Drennan 1995). Assim sendo, são necessários estudos com perspectivas diacrônicas de longa duração antes que se resolva aplicar rótulos do tipo “tribo” ou “cacicado”. A hipótese geral de Roosevelt sobre as transformações políticas trazidas pela conquista tem o mérito de estimular pes- quisas com o objetivo de avaliar, sob uma perspectiva arqueológica, o impac- to do contato em diferentes áreas da Amazônia, já que a conquista não foi um processo uniforme, mas a combina- ção de ações de agentes com diferentes interesses em diferentes períodos (Myers 1990). Do mesmo modo, esta hipótese geral precisa incorporar os tipos varia- dos de resistência ou ajustes encontra- dos pelos índios amazônicos para lidar com o avanço europeu. Assim, no alto Rio Negro, Neves (1998) não encontrou diferenças significativas entre o tamanho e a densidade dos sítios arqueológicos pré-coloniais e as malocas descritas na etnografia até meados do sécu- lo XX, ao contrário do alto Xingu onde Heckenberger (1966) encontrou uma dife- rençasignificativaentreosregistrosarqueo- lógico e etnográfico. CONCLUSÕES Os temas aqui discutidos indicam que os esquemas explicativos disponíveis para a arqueologia amazônica são, de diferentes maneiras,aindabastanteinfluenciadospelo paradigmateóricoapresentadoporSteward e seus colaboradores no Handbook of South American Indians.Tal influência pode ser percebida, por exemplo, nas repetidas ten- tativas de procurar fatores únicos, normal- mente variáveis ambientais, para explicar processos sociais no passado pré-colonial amazônico. Algumas das evidências acima discuti- das apontam, por outro lado, para diferen- tes bases para uma arqueologia amazônica mais independente da herança do Handbook.Primeiramente,háaconstatação de que as formações sociais amazônicas pretéritas e contemporâneas têm uma ma- triz regional que inclui – pelo menos como é atualmente conhecido – a circulação das pessoas e bens por áreas às vezes extensas, incluindoumarazoáveldiversidadelingüís- tica, econômica e ecológica. Tais sistemas regionais não devem no entanto cor- responder a organizações políticas do tipo cacicado. Em segundo lugar, um quadro ecoló- gico mais complexo tem emergido para a Amazônia durante os últimos anos (Moran 1993). Há, assim, evidências de uma di- versidade ecológica maior que o previa- mente considerado. As conseqüências são importantes para a arqueologia, porque, como vimos, modelos explicativos na ar- queologia amazônica estiveram sistema- ticamente baseados em premissas ecoló- gicas. Deve-se considerar também os tra- balhos recentes em ecologia histórica (Balée 1989, 1994, 1995; Smith 1980), que indicam que as sociedades indígenas da Amazônia não são vítimas passivas de supostas limitações ambientais, mas que, ao contrário, exerceram uma influência criativa e modificadora sobre o meio am- biente. Conseqüentemente, pode-se supor que o que é visto atualmente como flores- ta “primitiva” na Amazônia seja de fato paisagens culturais resultantes do manejo humano milenar. Tais fatores têm impli- cações importantes porque apresentam um quadro substancialmente diferente do “modelo padrão” ortodoxo para as terras baixas da América do Sul (Viveiros de Castro 1996), ao mesmo tempo em que colocam novas questões para a arqueolo- gia brasileira.
    • REVISTA USP, São Paulo, n.44, p. 86-111, dezembro/fevereiro 1999-2000 105 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Adams, C. 1994 As florestas virgens manejadas. Boletim do Museu Paraense Emilio Goeldi, série Antropologia, 10(1): 3-20. Adams, J. e Faure, H. 1997 Preliminary Vegetation Maps of the World since the Last Glacial Maximum: An Aid to Archaeological Understanding. Journal of Archaeological Science, 24: 623-47. Arvelo-Jiménez, N. e Biord, H. 1994 The Impact of Conquest on Contemporary Indigenous Peoples of the Guiana Shield: The System of Orinoco Regional Interdependence. In: Roosevelt, A. (ed.), Amazonian Indians from prehistory to the present: anhropological perspectives, pp. 55-78. University of Arizona Press, Tucson. Balée, W. 1994 Footprints of the Forest. Ka’apor Ethnobotany – the Historical Ecology of Plant Utilization by an Amazonian People. Columbia University Press, New York. ________. 1995 Historical Ecology of Amazonia. In: Sponsel, L. (ed.), Indigenous peoples and the future of Amazonia: an ecological anthropology of an endangered world, pp. 97-110. University of Arizona Press, Tucson. Balée, W. e Moore D. 1994 Language, Culture, and Environment: Tupí-Guaraní Plant Names Over Time, In: Roosevelt, A. (ed.), Amazonian Indians from prehistory to the present: anhropological perspectives, pp. 363-80. University of Arizona Press, Tucson. Barbosa Rodrigues, J. 1888 O Muiraquitã. Tipografia do Amazonas, Manaus. Barreto, M. 1992 História da pesquisa arqueológica no Museu Paraense Emílio Goeldi. Boletim do Museu Paraense Emilio Goeldi, nova série, Antropologia, 8, 2: 203-94. Basso, E. 1973 The Kalapalo Indians of Central Brazil. Holt, Rinehart and Winston, New York. Beckerman, S. 1979 The abundance of protein in Amazonia: A reply to Gross. American Anthropologist, 81: 533-60. Biord-Castillo, H. 1985 El contexto multilingüe del sistema de interdependencia regional del Orinoco. Antropologica, 63-4: 83-101. Blench, R. e Spriggs, M. (eds.) 1997 Archaeology and Language I. Theoretical and Methodological Orientations. Routledge, London. Brochado, J. 1980 The social ecology of the Marajoara chiefdom. Master’s thesis, University of Illinois. ________. 1984 An Ecological Model of the Spread of Pottery and Agriculture into Eastern South America. Ph.D. Dissertation, University of Illinois. Brochado, J. e Lathrap, D. 1982 Chronologies in the New World: Amazonia (manuscrito não publicado). Butt-Colson, A. 1973 Inter-tribal trade in the Guiana Highlands. Antropologica, 34: 1-69. Carneiro, R. 1957 Subsistence in Social Structure: An Ecological Study of the Kuikuru Indians. Ph.D. Dissertation, Department of Anthropology, University of Michigan. ________. 1970 A Theory of the Origin of the State. Science, 169: 733-8. ________. 1971 Review of “The Upper Amazon”. American Journal of Archaeology, 75: 237-9. Colinvaux, P. 1987 Amazon diversity in light of the paleoecological record. Quaternary Science Reviews, 6: 93-114. DeBoer, W. e Lathrap D. 1979 The making and breaking of Shipibo-Conibo ceramics. In: Kramer, C. (ed.), Ethnoarchaeology: implications of ethnography for archaeology, pp. 102-38. Columbia University Press, New York. DeBoer, W., Kintigh, K. e Rostoker, A. 1996 Ceramic seriation and site reoccupation in Lowland South America. Latin American Antiquity, 7(3): 263-78. Denevan, W. 1966 The Aboriginal Cultural Geography of the Llanos de Mojos of Bolivia. University of California Press, Berkeley. ________. 1992a The Pristine Myth: The Landscape of the Americas in 1492. Annals of the Association of American Geographers, 82(3): 369-85. ________. 1992b Native American Population in 1492: Recent Research and Revised Hemispheric Estimate. In: Denevan, W. (ed.), The Native Population of the Americas in 1492, second edition, pp. xvii-xxxviii. University of Wisconsin Press, Madison. ________. 1996 A Bluff Model of Riverine Settlement in Prehistoric Amazonia. Annals of the Association of American Geographers, 86(4): 654-81. Descola, P. 1986 La Nature Domestique: Symbolisme et praxis dans l’écologie des Achuar. Foundation Singer- Polignac/Edition de la Maison des sciences de l’homme, Paris. ________. 1994 Homeostasis as a Cultural System: the Jivaro case. In: Roosevelt, A. (ed.), Amazonian Indians from prehistory to the present: anthropological perspectives, pp. 203-24. University of Arizona Press, Tucson. Dillehay, T.; Ardila, G.; Politis, G.; e Beltrão, M. 1992 Earliest Hunters and Gatherers of South America. Journal of
    • R-EVISTA USP, São Paulo, n.44, p. 86-111, dezembro/fevereiro 1999-2000106 World Prehistory, 6(2): 145-204. Drennan, R. 1995 Chiefdoms in Northern South America. Journal of World Prehistory, 9(3): 301-40. Dreyfuss, S. 1983-84 Historical and political anthropological interconnections: the multi-linguistic indigenous polity of the ‘Carib’ islands and the mainland coast from the 16th to the 18th century. Antropologica, 59-62: 39-55. ________. 1993 Os Empreendimentos Coloniais e os Espaços Políticos Indígenas no Interior da Guiana Ocidental (entre o Orenoco e o Corentino) de 1613 a 1796. In: Viveiros de Castro, E.; Carneiro da Cunha, M. (eds.), Amazônia: Etnologia e História Indígena, pp. 19-41. Núcleo de História Indígena e Indigenismo – USP, São Paulo. Eden, M.; Bray, W.; Herrera, L. e C. McEwan, L. 1984 Terra Preta soils and their archaeological context in the Caquetá Basin of Southeast Colombia. American Antiquity, 49(1): 125-40. Erickson, C. 1995 Archaeological methods for the study of ancient landscapes of the Llanos de Mojos in the Bolivian Amazon. In: Stahl, P. (ed.), Archaeology in the lowland American Tropics: current analytical methods and applications, pp. 66-95. Cambridge University Press, Cambridge. Erikson, P. 1992 Uma singular pluralidade: a etno-história pano. In: Carneiro da Cunha, M. (ed.), História dos Índios no Brasil, pp. 239-52. Companhia das Letras/Fapesp/SMC, São Paulo. Evans, C. 1971 Review of “The Upper Amazon”. American Anthropologist, 73: 1.414-6. Evans, C. e Meggers, B. 1968 Archaeological Investigations on the Rio Napo, Eatern Ecuador, Smithsonian Contributions to Anthropology, vol. 6. Smithsonian Institution Press, Washington. Falesi, I. 1974 Soils of the Brazilian Amazon. In: Wagley, C. (ed.), Man in the Amazon, pp. 201-29. University Press of Florida, Gainesville. Farage, N. 1991 As Muralhas dos Sertões. Os povos indígenas no Rio Branco e a colonização. Paz e Terra, Rio de Janeiro. Fausto, C. 1992 Fragmentos de história e cultura Tupinambá: da etnologia como instrumento crítico de conhecimento etno-histórico. In:Carneiro da Cunha, M. (ed.), História dos Índios no Brasil, pp. 381-96. Companhia das Letras/ Fapesp/SMC, São Paulo. Feinman, G. e Neitzel, J. 1984 Too Many Types: An Overview of Sedentary Prestate Societies in the Americas. Advances in Archaeological Method and Theory, vol. 7. Flowers, N. 1994 Subsistence Strategy, Social Organization, and Warfare in Central Brazil in the Context of European Penetration. In: Roosevelt, A. (ed.), Amazonian Indians from prehistory to the present: anthropological perspectives, pp. 249-69. University of Arizona Press, Tucson. Galvão, E. 1960 Áreas culturais indígenas do Brasil: 1900/1959. Boletim do Museu Paraense Emilio Goeldi, NS, Antropologia, 8. Guapindaia, V. 1993 Fontes Históricas e Arqueológicas sobre os Tapajó: A Coleção “Frederico Barata” do Museu Paraense Emílio Goeldi. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Pernambuco. Hartt, C. 1885 Contribuições para a etnologia do vale do Amazonas. Arquivos do Museu Nacional, vol. 6. Headland, T. e Bailey, R. 1991 Introduction: Have Hunter-Gatherers Ever Lived in Tropical Rain Forest Independently of Agriculture? Human Ecology, 19, 2. Heckenberger, M. 1996 War and Piece at the Shadow of Empire: sociopolitical change in the Upper Xingu of Southeastern Amazonia, AD 1250-2000. PhD. Dissertation, University of Pittsburgh. Heckenberger, M.; Neves, E. e Petersen, J. 1998 De Onde vêm os modelos?: a arqueologia da origem dos Tupi e Guarani. Revista de Antropologia/USP. Herrera, L.; Bray, W. e McEwan, C. 1980-1981 Datos Sobre la Arqueología de Araracuara (Comisaría del Amazonas Colombia). Revista Colombiana de Antropologia, XXIII: 185-251. Herrera, L.; Cavelier, I.; Rodríguez, C. e Mora, S. 1992 The technical transformation of an agricultural system in the Colombian Amazon. World Archaeology, 24(1): 98-113. Hilbert, P. 1968 Archäologische Untersuchungen am Mittlern Amazonas. Dietrich Reimer Verlag, Berlin. Hoopes, J. 1994 Ford Revisited: A Critical Review of the Chronology and Relationships of the Earliest Ceramic Complexes in the New World, 6,000-1,500 BC. Journal of World Prehistory, 8,1: 1-49. Jackson, J. 1983 The Fish People: Linguistic and Exogamy and Tukanoan Identity in Northwest Amazonia. Cambridge University Press, Cambridge. Kästner, K.-P. 1992 Historisch-ethnographische Klassification der Stämme des Ucayali-Beckens (Ost-Peru). IKO Verlag, Frankfurt. Kern, D. 1996 Geoquímica e Pedogeoquímica de Sítios Arqueólogicos com terra Preta na Floresta Nacional de
    • REVISTA USP, São Paulo, n.44, p. 86-111, dezembro/fevereiro 1999-2000 107 Caxiuanã (Portel-Pará). Dissertação de Doutorado, Universidade Federal do Pará. Kirch, P. e Green, R. 1987 History, Phylogeny and Evolution in Polynesia. Current Anthropology 28: 421-46. Kristiansen, K. 1991 Chiefdoms, states, and systems of social evolution. In: Earle, T. (ed.), Chiefdoms: Power, Economy, and Ideology, pp. 16-43. Cambridge University Press, Cambridge. Lamb, J. e Vargas, P. 1995 The Many Contexts of Early Valdívia Ceramics. In: Barnett, W e Hoopes J. (eds.), The Emergence of Pottery. Technology and Innovation in Ancient Societies, pp. 157-68. Smithsonian Institution Press, Washington. Lathrap, D. 1968a Aboriginal occupation and changes in river channel on the Central Ucayali, Peru. American Antiquity 33(1): 62-79. ________. 1968b The “Hunting” Economies of the Tropical Forest Zone of South America. In: Lee, R. e DeVore, I. (eds.), Man the Hunter, pp. 23-9. Aldine, Chicago. ________. 1970a The Upper Amazon. Thames and Hudson, London. ________. 1970b Review of Archäologische Untersuchungen am Mittlern Amazonas, by P. Hilbert. American Antiquity 35(4): 499-501. ________. 1973a Summary or Model Building: How Does One Achieve a Meaningful Overview of a Continent’s Prehistory. American Anthropologist, 75: 1.755-67. ________. 1973b The antiquity and importance of long-distance trade relationships in the moist tropics of Pre- Columbian South America. World Archaeology, 5(2): 170-85. ________. 1973c Gifts of the cayman: some thoughts on the subsistence basis of Chavín. In: Lathrap, D. e Douglas, J. (eds.), Variation in Anthropology, pp. 91-105. Illinois Archaeological Survey, Urbana. ________. 1974 The Moist Tropics, the Arid Lands, and the Appearance of Great Art Styles in the New World. In: King, M. e Traylor, I. (eds.), Art and Environment in Native North America, pp. 115-58. Texas Tech University Museum, Lubbock. ________. 1977 Our Father the Cayman, Our Mother the Gourd: Spinden Revisited or a Unitary Model for the Emergence of Agriculture in the New World. In: Reed, C. (ed.), Origins of Agriculture, pp. 115-58. The Hague, Mouton. Lathrap, D. e Oliver, J. 1987 Agüerito: el complejo policromo mas antiguo de America en la confluencia del Apure y el Orinoco (Venezuela). Interciencia, 12: 274-89. Lathrap, D., Marcos, J. e Zeidler, J. 1977 Real Alto: An Ancient Ceremonial Center. Archaeology, 30(1): 2-13. Lathrap, D., Gebhart-Sayer, A. e Mester, A. 1985 The Roots of the Shipibo Art Style: Three Waves on Imiriacocha or There Were “Incas” Before the Incas. Journal of Latin American Lore, 11: 31-119. Linné, S. 1928 Les recherches archéologiques de Nimuendajú au Brésil. Journal de la Société des Américanistes de Paris 20: 71-92. Lowie, R. 1948 The Tropical Forests: An Introduction. In: Steward, J. (ed.), Handbook of South American Indians, vol. 3, pp. 1-56. Bureau of American Ethnology, Smithsonian Institution, Bulletin 143, Washington, DC. Magalhães, M. 1994 Arqueologia de Carajás: A presença pré-histórica do homen na Amazônia. Companhia Vale do Rio Doce, Rio de Janeiro. Meggers, B. 1954 Environmental Limitation on the Development of Culture. American Anthropologist, 56: 801-23. ________. 1971 Amazonia: Man and Culture in a Counterfeit Paradise. Aldine, Chicago. ________. 1977 Vegetational fluctuation and prehistoric cultural adaptations in Amazonia: some tentative correlations. World Archaeology 8(3): 287-303. ________. 1979 Climatic Oscillation as a Factor in the Prehistory of Amazonia. American Antiquity, 44(2): 252-66. ________. 1982 Archaeological and Ethnographic Evidence Compatible with the Model of Forest Fragmentation. In: Prance, G. (ed.), Biological Diversification in the Tropics, pp: 483-96. Columbia University Press, New York. ________. 1985 Advances in Brazilian Archaeology, 1935-1985. American Antiquity, 50 (2): 364-73. ________. 1987 The Early History of Man in Amazonia. In: Whitemore, T. e Prance, G. (eds.), Biogeography and Quaternary History in Tropical America, pp. 151-74. Clarendon Press, Oxford. ________. 1990 Reconstrução do Comportamento Locacional Pré-Histórico na Amazônia. Boletim do Museu Paraense Emilio Goeldi, NS, Antropologia, vol.6 (2): 183-203. ________. 1991 Cultural Evolution in Amazonia. In: Rambo, A. e Gillogly, K. (eds.), Profiles in Cultural Evolution. Papers from a Conference in Honor of Elman Service, pp. 191-216. Museum of Anthropology, University of Michigan, Ann Arbor. ________. 1992a Cuarenta años de colaboración. In: Meggers, B. (ed.), Prehistoria Sudamericana: Nuevas
    • R-EVISTA USP, São Paulo, n.44, p. 86-111, dezembro/fevereiro 1999-2000108 Perspectivas, pp. 13-26. Taraxacum, Washington, DC. ________. 1992b Prehistoric Population Density in the Amazon Basin. In: Verano, J. e Ubelaker, D. (eds.), Disease and Demography in the Americas, pp. 197-205. Smithsonian Institution Press, Washington, DC. ________. 1993-95 Amazonia on the Eve of European Contact: Ethnohistorical, Ecological, and Anthropological perspectives. Revista de Arqueología Americana, 8: 91-115. ________. 1995 Judging the Future by the Past: The Impact of Environmental Instability on Prehistoric Amazonian Populations. In: Sponsel, L. (ed.), Indigenous peoples and the future of Amazonia: an ecological anthropology of an endangered world, pp. 15-43. University of Arizona Press, Tucson. Meggers, B. e Evans, C. 1957 Archaeological Investigations at the Mouth of the Amazon. Bureau of American Ethnology, Bulletin no 167, Washington. ________. 1961 An Experimental Formulation of Horizon Styles in the Tropical Forest of South America, In: Lothrop, S. (ed.), Essays in Pre-Columbian Art and Archaeology, pp.372-88. Harvard University Press, Cambridge. ________. 1970 Como Interpretar a Linguagem da Cerâmica: Manual para Arqueólogos. Smithsonian Institution, Washington, DC. ________. 1973 A reconstituição da pré-história amazônica, algumas considerações teóricas. Publicações Avulsas do Museu Paraense Emilio Goeldi, no 20: 51-69. ________. 1979 An Experimental Reconstruction of Tarumã Village Succession and Some Implications. In: Margolis, M. e Carter, W. (eds.), Brazil: Anthropological perspectives, pp. 39- 60. Columbia University Press, New York. ________. 1980 Un Método Cerámico para el Reconocimiento de Comunidades Pre-Históricas. Boletín del Museu del Hombre Dominicano, Año IX, 14: 57-73. ________. 1983 Lowland South America and the Antilles, In: Jennings, J. (ed.), Ancient South Americans, pp. 287-335. W. H. Freeman, San Francisco. Meggers, B. e Danon, J. 1988 Identification and Implications of a Hiatus in the Archaeological Sequence on Marajó Island, Brazil. Journal of the Washington Academy of Sciences, 78(3): 245-53. Meggers, B.; Evans, C. e Estrada, E. 1965 Early Formative period of coastal Ecuador: the Valdivia and Machalilla phases. Smithsonian Contributions to Anthropology, vol. 1. Meggers, B.; Dias, O.; Miller, E. e Perota, C. 1988 Implications of archaeological distributions in Amazonia. In:Vanzolini, P. e Heyer, W. (eds.), Proceedings of a Workshop on Neotropical Distribution Patterns, pp. 275-94. Academia Brasileira de Ciências, Rio de Janeiro. Mendonça de Souza, A. 1991 História da Arqueologia Brasileira. Pesquisas (Antropologia), 46. Migliazza, E. 1982 Linguistic Prehistory and the Refuge Model in Amazonia. In: Prance, G. (ed.), Biological Diversification in the Tropics, pp: 497-519. Columbia University Press, New York. Miller, E. et al. 1992 Arqueologia nos empreendimentos hidrelétricos da Eletronorte; resultados preliminares. Eletronorte,Brasília. Mora, S.; Herrera, L.; Cavelier, I. e Rodríguez, C. 1991 Cultivars, Anthropic Soils and Stability: a preliminary report of archaeological research in Araracuara, Colombian Amazon. Pittsburgh, University of Pittsburgh Latin American Archaeology Reports, no 2. Moran, E. 1993 Through Amazonian Eyes. University of Iowa Press, Iowa City. Morey, R. e Morey, N. 1975 Relaciones comerciales en el pasado en los llanos de Colombia y Venezuela. Montalban n. 4: 533-64. Myers, T. 1973 Toward the Reconstruction of Prehistoric Community Patterns in the Amazon Basin. In: Lathrap, D. e Douglas, J. (eds.), Variation in Anthropology, pp. 233-52. Illinois Archaeological Survey, Urbana. ________. 1981 Aboriginal Trade Networks in Amazonia. In: Francis, P.; Duke, P. e Kense, F. (eds.), Networks of the Past, pp. 19-30. University of Calgary Archaeological Association, Calgary. ________. 1990 Sarayacu: Ethnohistorical and Archaeological Investigations of a nineteenth-century Franciscan Mission in the Peruvian Montaña. University of Nebraska Studies, new series, no 68. ________. 1992 Agricultural limitations of the Amazon in theory and practice. World Archaeology, 24(1): 82-97. Netto, L. 1885 Investigações sobre a Arqueologia Brasileira. Arquivos do Museu Nacional, vol. 6. Neves, E. 1995a Village Fissionning in Amazonia: A Critique of Monocausal Determinism. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo, IV. ________. 1995b Os índios antes de Cabral: Arqueologia e História Indígena no Brasil. In: Lopes da Silva, A. e Grupioni, L. (eds.), A temática indígena na escola, pp. 171-92. MEC/Mari/Unesco, Brasília.
    • REVISTA USP, São Paulo, n.44, p. 86-111, dezembro/fevereiro 1999-2000 109 ________. 1997 Dados sobre a arqueologia do Rio Negro. Trabalho apresentado no IX Congresso da Sociedade de Arqueologia Brasileira, Rio de Janeiro. ________. 1998 Paths in Dark Waters: Archaeology as Indigenous History in the Upper Rio Negro Basin, Northwest Amazon. Dissertação de Doutorado, Department of Anthropology, Indiana University. Neves, E. e Bartone, R. 1998 Preliminary results of an archaeological survey in the central Amazon. Trabalho apresentado na 63a Reunião da Society for American Archaeology, Seattle. Neves, W. 1989 Teorias de determinismo ecológico na Amazônia: um caso de marginalidade da comunidade científica nacional. In: Neves, W. (ed.), Biologia e Ecologia Humana na Amazônia: Avaliação e Perspectivas, pp. 59-76. Museu Paraense Emilio Goeldi, Belém. Nimuendajú, C. 1982 Mapa Etno-Histórico do Brasil e Regiões Adjacentes. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísitica,Brasília. Noble, G. K. 1965 Proto-Arawakan and its descendants. Indiana University Publications in Anthropology and Linguistics, 38. Indiana University, Bloomington. Noelli, F. 1996 As hipóteses sobre o centro de origem e rotas de expansão dos Tupi. Revista de Antropologia/USP 39(2): 7-53. Nordenskiöld, E. 1929 The American Indian as an Inventor (The Huxley Memorial Lecture for 1929). The Journal of the Royal Anthropological Institute of Great Britain and Ireland, vol. LIX: 273-309. ________. 1930 L’archéologie du bassin de l’Amazone. Les Éditions G. van Oest, Paris. Oliveira, A. 1988 A Amazônia: modificações sociais e culturais decorrentes do processo de ocupação humana (séc. XVII ao XX). Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, NS, Antropoplogia, 4: 65-115. Oliver, J. 1989 The Archaeological, linguistic and etnohistorical evidence for the expansion of Arawakan into Northwestern Venezuela and Northeastern Colombia. Dissertação de Doutorado, Department of Anthropology, University of Illinois. ________. 1991 Donald Lathrap: approaches and contributions to New World archaeology. Antropologica, 75- 6: 5-60. Pabst, E. 1991 Critérios de distinção entre terra preta e latossolo na região de Belterra e os seus significados para a discussão pedogenética. Boletim do Museu Parasense Emilio Goeldi, NS, Antropologia, 7(1): 5-19. Perota, C. e Botelho, W. 1992 Les “Sambaquis” de Guará et des variations climatiques pendant l’Holocene. In: Prost, M. (ed.), Évolution des Littoraux de Guyane et de la Zone Caraïbe Méridionale Pendant le Quaternaire. Editions de l’ORSTOM, Paris. Politis, G. 1996 Moving to produce: Nukak mobility and settlement patterns in Amazonia. World Archaeology, 27(3): 492-511. ________. 1997 Nukak. Instituto Amazónico de Investigaciones Científicas – SINCHI, Bogotá. Porro, A. 1993 As Crônicas do Rio Amazonas. Notas etno-históricas sobre as antigas populações indígenas da Amazônia. Vozes, Petrópolis. ________. 1994 Social Organization and Political Power in the Amazon Floodplain: The Ethnohistorical Sources. In: Roosevelt, A. (ed.), Amazonian Indians from prehistory to the present: anthropological perspectives, pp. 79- 94. University of Arizona Press, Tucson. ________. 1996 O Povo das Águas: Ensaios de Etno-história Amazônica. Vozes, Petrópolis. Posey, D. 1986 Manejo de Floresta Secundária, Capoeiras, Campos e Cerrados (Kayapó). In: Ribeiro, B. (coord.), Suma Etnológica Brasileira, Vol. I, Etnobiologia, pp. 173-85. Vozes/Finep, Petrópolis. Prous, A. 1992 Arqueologia Brasileira. Editora da Universidade de Brasília, Brasília. ________. 1995 Archaeological analysis of the oldest settlements in the Americas. Brazilian Journal of Genetics, (18) 4: 689-99. Raymond, J. S. 1995 From potsherds to pots: a first step in constructing cultural context from tropical forest archaeology. In: Stahl, P. (ed.), Archaeology in the lowland American Tropics: current analytical methods and applications, pp. 224-42. Cambridge University Press, Cambridge. Raymond, J. S.; Oyuela-Caycedo, A. e Carmichael, P. 1994 Una comparación de las tecnologías de la ceámica temprana de Ecuador y Colombia. In: Shimada, I. (ed.), Tecnología y Organización de la Producción Cerámica Prehispanica en los Andes. Pontificia Universidad Católica del Peru, Fondo Editorial, Lima. Reichel-Dolmatoff, G. 1971 Amazonian Cosmos. University of Chicago Press, Chicago. ________. 1976 Cosmology as Ecological Analysis: A view from the Rain Forest. Man 11,3: 307-18. Rindos, D. 1984 The Origins of Agriculture. Academic Press, New York.
    • R-EVISTA USP, São Paulo, n.44, p. 86-111, dezembro/fevereiro 1999-2000110 Rodrigues, A. 1985 Evidence for Tupi-Carib Relationships. In: Klein, H. e Stark, L. (eds.), South American languages: Retrospect and prospect, pp. 371-404. University of Texas Press, Austin. ________. 1986 Línguas Brasileiras: Para o conhecimento das línguas indígenas. Edições Loyola, São Paulo. Roosevelt, A. 1980 Parmana: Prehistoric maize and manioc subsistence along the Amazon and Orinoco. Academic Press, New York. ________. 1987 Chiefdoms in the Amazon and Orinoco. In: Drennan, R. e Uribe, C. (eds.), Chiefdoms in the Americas, pp. 153-85. University Press of America, Lanham. ________. 1989 Resource management in Amazonia before the Conquest. Advances in Economic Botany 7: 30-62. ________. 1991a Determinismo ecológico na interpretação do desenvolvimento social indígena da Amazônia. In: Neves, W. (ed.), Origens, Adaptações e Diversidade Biológica do Homem Nativo da Amazônia, pp. 103-41. Museu Paraense Emílio Goeldi, Belém. ________. 1991b Moundbuilders of the Amazon: Geophysical Archaeology on Marajó Island, Brazil. Academic Press, San Diego. ________. 1992 Arqueologia Amazônica. In: Carneiro da Cunha, M. (org.), História dos Índios no Brasil, pp. 53- 86. Companhia das Letras/Fapesp/SMC, São Paulo. ________. 1993 The Rise and Fall of the Amazonian Chiefdoms. L’Homme, 126-8, XXXIII (2-4): 255-82. ________. 1994 Amazonian Anthropology: Strategy for a New Synthesis, In: Roosevelt, A. (ed.), Amazonian Indians from prehistory to the present: anthropological perspectives, pp. 1-29. University of Arizona Press, Tucson. ________. 1995 Early Pottery in the Amazon. Twenty Years of Scholarly Obscurity. In: Barnett, W. e Hoopes, J. (eds.), The Emergence of Pottery. Technology and Innovation in Ancient Societies, pp. 115-31. Smithsonian Institution Press, Washington. Roosevelt, A. (ed.) 1994 Amazonian Indians from prehistory to the present: anthropological perspectives. University of Arizona Press, Tucson. Roosevelt, A. et al. 1991 Eighth Millennium Pottery from a Prehistoric Shell Midden in the Brazilian Amazon. Science 254: 1.621-4. ________. 1996 Paleoindian Cave Dwellers in the Amazon: The Peopling of the Americas. Science, 272: 373-84. Rostáin, S. 1991 Les Champs Surlevés Amérindiens de la Guyane. Cayenne, Centre Orstom de Cayenne. Rouse, I. 1953 The circum-Caribbean theory, an archaeological test. American Anthropologist 55(2): 188-200. ________. 1985 Arawakan phylogeny, Caribbean chronology, and their implications for the study of population movement. Antropologica, 63-4: 9-21. ________. 1986 Migrations in Prehistory: Inferring Population Movements from Cultural Remains. Yale University Press, New Haven. ________. 1992 The Tainos: rise and decline of the people who greeted Columbus. Yale University Press, New Haven. Rouse, I. e Cruxent, J. 1963 Venezuelan Archaeology. Yale University Press, New Haven. Schaan, D. 1997 A Linguagem Iconográfica da Cerâmica Marajoara. Editora da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. Simões, M. 1977 Programa Nacional de Pesquisas Arqueológicas na Bacia Amazônica. Acta Amazonica 7(3): 297-300. ________. 1981 Coletores-pescadores ceramistas do litoral do Salgado (Pará). Boletim do Museu Paraense Emilio Goeldi, Nova Série, no 78: 1-31. Simões, M. e Kalkmann, A. 1987 Pesquisas arqueológicas no Médio Rio Negro (Amazonas). Revista de Arqueologia 4(1): 83-116. Smith, N. 1980 Anthrosols and Human carrying Capacity in Amazonia. Annals of the Association of American Geographers, 70(4): 553-66. Sorensen Jr., A. 1967 Multilingualism in the Northwest Amazon. American Anthropologist 69: 670-84. Spencer, C. e Redmond, E. 1992 Prehispanic chiefdoms of the Western Venezuelan Llanos. World Archaeology, 24(1): 134-57. Stahl, P. e Zeidler, J. 1990 Differential bone-refuse accumulation in food preparation and traffic areas on an early Ecuadorian house floor. Latin American Antiquity 1(2): 150-69. Steward, J. 1948 Culture Areas of the Tropical Forests. In: Steward, K. (ed.), Handbook of South American Indians, vol. 3, pp. 883-903. Bureau of American Ethnology, Smithsonian Institution, Bulletin 143, Washington, DC. Steward, J. e Faron, L. 1959 Native Peoples of South America. McGraw-Hill, New York. Sweet, D. 1974 A rich realm of nature destroyed: the Middle Amazon valley, 1640-1750. Dissertação de Doutorado,
    • REVISTA USP, São Paulo, n.44, p. 86-111, dezembro/fevereiro 1999-2000 111 University of Wisconsin. Thomas, D. 1972 An indigenous trade system of Southeast Estado Bolivar, Venezuela, Antropologica, 33: 3-37. Ugent, D.; Pozorsky, S. e Pozorsky, T. 1986 Archaeological Manioc (Manihot) from Coastal Peru. Economic Botany 40: 78-102. Urban, G. 1992 A história da cultura brasileira segundo as línguas nativas. In: Carneiro da cunha, M. (org.), História dos Indios no Brasil, pp. 87-102. Companhia das Letras/Fapesp/SMC, São Paulo. ________. 1996 On the geographical origins and dispersion of tupian languages. Revista de Antropologia/USP 39, 2: 61-104 Van der Merwe, N.; Roosevelt, A. e Vogel, J. 1981 Isotopic evidence for prehistoric subsistence change at Parmana, Venezuela. Nature, vol. 292: 536-8. Verswijver, G. 1978 Séparations et migrations des Mekrãgnoti, groupe Kayapó du Brésil Central. Bulletin de la Société Suisse des Américanistes, no 42: 47-59. ________. 1992 The Club-Fighters of the Amazon. Warfare among the Kaiapó Indians of Central Brazil. Rijksuniversitet,Gent. Viveiros de Castro, E. 1996 Images of Nature and Society in Amazonian Ethnology. Annual Review of Anthropology, 25: 179-200. Von Martius, C. 1982 O Estado de Direito entre os Autóctones do Brasil. Itatiaia/Edusp/Belo Horizonte/São Paulo. Wallace, A. R. 1905 Travels on the Amazon and Rio Negro. Ward, Lock and Co, London. Whitehead, N. 1990 Carib Ethnic Soldiering in Venezuela, the Guianas, and the Antilles. Ethnohistory, 37, 4: 357-85. ________. 1993 Ethnic Transformation and Historical Discontinuity in Native Amazonia and Guayana, 1500- 1900. L’Homme, 126-8, XXXIII (2-4): 285-305. ________. 1994 The Ancient Amerindian Policies of the Amazon, the Orinoco, and the Atlantic Coast: A Preliminary Analysis of their Passage from Antiquity to Extinction. In: Roosevelt, A. (ed.), Amazonian Indians from prehistory to the present: anthropological perspectives, pp. 33-53. University of Arizona Press, Tucson. ________. 1995 The Historical Anthropology of Text: the interpretation of Ralegh’s Discoverie of Guiana. Current Anthropology, 36(1): 53-74. Whitten, R. 1979 Comments on the History of Holocene Refugia in the Culture History of Amazonia. American Antiquity, 44(2): 238-51. Wüst, I. 1994 The Eastern Bororo from an Archaeological Perspective. In: Roosevelt, A. (ed.), Amazonian Indians from prehistory to the present: anthropological perspectives, pp. 315-42. University of Arizona Press, Tucson. Zucchi, A. 1991 Las migraciones Maipures: diversas líneas de evidencias para la interpretación arqueológica. America Negra, 1: 113-38. ________. 1993 Datos recientes para un nuevo modelo sobre la expansión de los Grupos Maipures del Norte. America Negra, 6: 131-48. Zucchi, A.; Tarble, K. e Vaz, J. 1984 The Ceramic Sequence and New TL and C-14 Dates for the Agüerito Site of the Middle Orinoco, Venezuela. Journal of Field Archaeology, 11: 155-80.