Metodologia do estudo
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
6,841
On Slideshare
6,841
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
103
Comments
0
Likes
2

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. FICHA TÉCNICA Governador Eduardo Braga Vice-Governador Omar Aziz Reitor Lourenço dos Santos Pereira Braga Vice-Reitor Carlos Eduardo S. Gonçalves Pró-Reitor de Planej. e Administração Antônio Dias Couto Pró-Reitor de Extensão e Assuntos Comunitários Ademar R. M. Teixeira Pró-Reitor de Ensino de Graduação Carlos Eduardo S. Gonçalves Pró-Reitor de Pós-Graduação e Pesquisa Walmir de Albuquerque BarbosaCoordenador Geral do Curso de Matemática (Sistema Presencial Mediado) Carlos Alberto Farias Jennings NUPROM Núcleo de Produção de Material Coordenador Geral João Batista Gomes Projeto Gráfico Mário Lima Editoração Eletrônica Helcio Ferreira Junior Horácio Martins Mário Lima Revisão Técnico-gramatical João Batista Gomes Metodologia do estudo. M593 Metodologia do estudo. / Walmir de Albuquerque Barbosa... [et al]. – Manaus/AM: UEA, 2006. – (Licenciatura em Matemática. 1. Período). 77 p.: il. ; 30 cm. inclui bibliografia e anexo 1. Metodologia. I. Barbosa, Walmir de Albuquerque... [et al]. II.Título. CDU (1997): 001.8 CDD (19.ed.): 001.4
  • 2. SUMÁRIOPalavra do Reitor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 07Unidade I – Universidade e Pesquisa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 09TEMA 01 – Função Científica e Social da Universidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11TEMA 02 – Conhecimento e Fontes de Informação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12TEMA 03 – A Pesquisa e sua formulação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13TEMA 04 – Desafios e Possibilidades da Universidade Brasileira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15Unidade II – Conhecimento e leitura na universidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17TEMA 05 – Tipos de Conhecimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19TEMA 06 – A Leitura como processo de apreensão do conhecimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20TEMA 07 – Modalidades de Leitura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21TEMA 08 – Técnicas de Leitura – Documentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21Unidade III – As dimensões da aprendizagem e o ensino da matemática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23TEMA 09 – Dimensão Biológica do Processo de Aprendizagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25TEMA 10 – Fases da Memória . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25TEMA 11 – A Estrutura do Arquivo Cerebral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26TEMA 12 – Tipos de Memória . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26TEMA 13 – Transtorno da Matemática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28TEMA 14 – Amnésia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28Unidade IV – Metodologia do estudo na universidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31TEMA 15 – O que é estudar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33TEMA 16 – A Diversidade do Conhecimento: Disciplinaridade, Interdisciplinaridade e Transdisciplinaridade . 35TEMA 17 – Fontes de Consulta Usuais e Disponíveis na Universidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38Unidade V – Produção do conhecimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43TEMA 18 – Método de Investigação Científica – A Singularidade,a Abrangência do Conceito, A Classificação e a Aplicabilidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45TEMA 19 – A Pesquisa como investimento de produção do conhecimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48TEMA 20 – Tipologia da Pesquisa e Formato de Estudos Científicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50TEMA 21 – A Monografia de Fim de Curso e a Escolha do Tema . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51TEMA 22 – O Projeto de Pesquisa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52Unidade VI – Técnicas para difusão e divulgação do conhecimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55TEMA 23 – Seminário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59TEMA 24 – Painel . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59TEMA 25 – Mesa Redonda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60TEMA 26 – Fórum . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60TEMA 27 – Congressos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61TEMA 28 – Palestra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61TEMA 29 – Artigo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62TEMA 30 – Relatório . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67Anexos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
  • 3. PERFIL DOS AUTORES Walmir de Albuquerque Barbosa Doutor em Ciência da Comunicação – USP. Ierecê Barbosa Doutora em Educação – UFRN. Pérsida da Silva Ribeiro MikiMestra em Ciências do Meio Ambiente e Sustentabilidade no Amazonas – UFAM. Edilza Laray de Jesus Mestra em Educação Ambiental – FURG (Fundação Universidade do Rio Grande).
  • 4. PALAVRA DO REITORA Licenciatura Plena em Matemática pelo Sistema Presencial Mediado vem reforçar o compromisso doGoverno e da Universidade do Estado do Amazonas de avançar com ousadia na área do ensino que val-oriza os meios tecnológicos. Os recursos utilizados para tal (livro didático, tv e web) são reforçados pela pre-sença de Profes-sores Assistentes para garantir a qualidade necessária e otimizar os efeitos positivos advin-dos dessa ousadia.O grande potencial tecnológico que caracteriza a UEA tem de ser utilizado para a formação de professores,especialmente daqueles que se encontram no interior do Estado, fazendo-os permanecer no seu local deorigem, dando-lhes formação à altura das necessidades regionais e criando condições dignas de trabalho.Toda a experiência significativa acumulada em outros projetos vai contribuir para que o curso de Matemáticacumpra a contento o papel de formar professores com visão diferenciada, colocando em prática uma didáti-ca eficiente, centrada nas necessidades imediatas do homem e do meio que o circunda.As estratégias de ensino-aprendizagem devem ser focadas no aluno. Em função dele é que se lança mãode todos os recursos inovadores, estimulando-o à pesquisa e à conquista de uma vida melhor. Assim, a UEAcumpre a tarefa de formar profissionais autônomos e disciplinados, aptos a absorver e a praticar uma políti-ca educacional que elevará o Estado do Amazonas à posição de vanguarda no âmbito do ensino que ultra-passa as barreiras da sala de aula. Lourenço dos Santos Pereira Braga Reitor da Universidade do Estado do Amazonas
  • 5. UNIDADE IUniversidade e Pesquisa
  • 6. Metodologia do Estudo – Universidade e Pesquisa dades logo após a sua chegada, ainda no século XVI, a exemplo da Universidade de São Marcos no TEMA 01 Peru. Os primeiros cursos avulsos de Direito, Me- dicina e Engenharia só foram criados no Brasil FUNÇÃO CIENTÍFICA E SOCIAL depois de 1808, com a vinda da Família Real e DA UNIVERSIDADE a elevação do Brasil à categoria de Reino UnidoA Universidade é uma instituição tradicional, e seu à Portugal e Algarve. Já a primeira Universidadehistórico tem raízes na Idade Média, por volta do Brasileira vai nascer em Manaus, Amazonas, emséculo XII, quando se fundaram as primeiras esco- 1909, a Universidade Livre de Manaus, seguida dalas superiores com as características que se asse- Universidade do Paraná, Universidade de Minasmelham às que ainda hoje marcam e definem esse Gerais e Universidade do Brasil, hoje Universidadetipo de instituição: centro de saber fundado na li- Federal do Rio de Janeiro.berdade de investigação, na transmissão do co- A Universidade exerce várias funções, dentre elasnhecimento e na busca incessante de universaliza- a de produzir conhecimento, de forma a promoverção do conhecimento produzido. o desenvolvimento da cultura, da ciência, da tec-Nos primórdios (por volta do século XIII), existiam nologia e do próprio ser social através do ensino,dois tipos de Universidade: Universitas magistro- pesquisa e extensão (LUCKESI, p.1995). Não ad-rum, cujo exemplo era a de Paris, sob a autoridade mitimos que ela se transforme numa ilha produto-da Igreja Católica; e a Universitas scholarium, com ra de conhecimento voltada para si, tendo em vistafundação laica, assumida por estudantes ou mo- que os alunos, professores e técnicos são pessoasnarcas sob as responsabilidade do Estado. Com o que vivem contextualizadas num tempo e num es-tempo, sobretudo com o fortalecimento da Igreja paço onde acontece a educação, a política, a his-Católica, essa influência atingiu todo o sistema de tória, a economia, com todos os problemas advin-ensino e somente mais tarde é que as Univer- dos da complexidade sociocultural e ambiental.sidades conquistaram a autonomia. Mesmo sub- Nesse sentido, além de buscar soluções para osmissas a qualquer tipo de autoridade, sempre se problemas presentes por meio da pesquisa, elaorganizaram na forma de corporações de saber – deve procurar estar um passo à frente do seu tem-a comunidade universitária – com ritos e costumes po, trabalhando no sentido de traduzir os conheci-próprios e, em algumas, até formas de defesa con- mentos em qualidade de vida.tra a comunidade externa. Daí sobreviver até hoje Como espaço de produção, reprodução e sociali-a idéia de Comunidade Universitária em oposição zação do conhecimento, o saber nela elaborado éà sociedade abrangente; a idéia de extensão uni- utilizado socialmente em processos econômicos,versitária para designar as ações extramuros da políticos e culturais ou pelo domínio social e tecno-universidade. lógico de certos segmentos sobre as sociedades ePara nós, brasileiros, a maior referência como ber- sobre a natureza, daí destacarmos a função cientí-ço de universidade é a Universidade de Coimbra, fica e social da Universidade. Porém é na tensãoem Portugal, nascida no fim do século XIII, onde entre sua vocação social e científica que ela seestudaram muitos brasileiros, desde os tempos do transforma, transformando a sociedade. E é a par-Brasil Colônia, gerando entre nós uma tradição ba- tir da realidade concreta que podemos considerarcharelesca que dura até hoje, mais ligada às clas- os seus atuais desafios.ses dominantes, às elites econômicas e políticas Segundo Boff (1997), o desafio que se levanta àsdo País, em todos os tempos. Universidades de forma urgente é a sua contri-No Brasil, o governo colonial proibiu os estudos buição efetiva na construção do Brasil como naçãosuperiores sob a alegação de concorrência e tam- soberana, repensada nos quadros da nova cons-bém temeroso da contribuição do ensino superior ciência planetária e do destino comum do sistema-para a formação de pessoas que pudessem criti- terra, sendo co-parteiras de uma cidadania nova, acamente promover um possível desejo libertário. co-cidadania que articula o cidadão com o estado,Ao contrário disso, nas colônias espanholas, os o cidadão com o outro, o nacional com o mundial,jesuítas conseguiram fundar as primeiras universi- a cidadania brasileira com a cidadania terrena, aju- 11
  • 7. UEA – Licenciatura em Matemáticadando, assim, a moldar o devenir humano. Buar- preciso que o universo inteiro se arme para es-que (1994) afirma que a universidade tem um magá-lo: um vapor, uma gota de água, bastampapel permanente: gerar saber de nível superior para matá-lo. Mas, mesmo que o universo o es-para viabilizar o funcionamento da sociedade. Es- magasse, o homem seria ainda mais nobre dose papel se manifesta de forma diferente, con- que quem o mata, porque sabe que morre e aforme o tipo de sociedade que se deseja. vantagem que o universo tem sobre ele; o uni- Nos Estados Unidos, a universidade desempe- verso desconhece tudo isso.” (Pascal). nhou uma função-chave na construção da so- Somos seres que fazemos questionamentos exis- ciedade de consumo, na defesa da potência tenciais, e buscamos, historicamente, interpretar a econômica e militar norte-americana. Na África nós mesmos e ao mundo em que vivemos, atri- do Sul, a universidade branca serviu, compe- buindo-lhes significados. As representações signi- tentemente, para viabilizar a elevação do nível ficativas da realidade são chamadas de conhe- de vida dos brancos e manter o sistema do cimento. Luckesi et al (1995) ressaltam que o apartheid funcionando. Em países da Europa, as universidades são instrumentos de dinâmica da conhecimento é o entendimento do mundo que economia. Por meio do mercado, elas conse- se transforma em suporte poderoso da condução guem oferecer mão-de-obra e pesquisas para da ação, que ocorre no constante processo ação- consumidores e empresas. Em Cuba, com prio- reflexão, reflexão-ação, concordando com Freire ridades definidas pelo Estado, a universidade (1983). tem por papel solucionar os problemas de edu- O conhecimento é resultante da própria vivência e cação e saúde das massas, produzir conheci- apresenta-se como representação da realidade. mento para uma nação acuada. No Brasil, como De acordo com Lakatos e Marconi (2002), pode certamente na Rússia de hoje, a universidade ser classificado em diversos tipos co-mo o mítico, não dispõe de um projeto, nem de prioridades o popular, o religioso e o científico. definidas pela sociedade (BUARQUE, 1994, p.217).A partir deste quadro geral, podemos avaliar osdesafios que se colocam às Universidades. Elasnão podem ser reduzidas a macroaparelhos de re-produção da sociedade discricionária e a fábricasformadoras de quadros para o funcionamento dosistema imperante. Boff (1997) ressalta: “[...] nanossa história pátria, foram sempre também umlaboratório do pensamento contestatório e libertá-rio.” Isso constitui sua missão histórica permanen-te que deve ser atualizada hoje de forma urgente,dada a urgência de buscarmos a resolução dos O conhecimento científico é o que é produzido pela investigação científica, através de seus métodos. Sur-problemas sociais, culturais, econômicos, políti- ge não apenas da necessidade de encontrar soluçõescos, etc. para problemas de ordem prática da vida diária, mas do desejo de fornecer explicações sistemáticas que possam ser testadas e criticadas por meio de provas empíricas. TEMA 02 A investigação científica inicia-se quando desco- brimos que os conhecimentos existentes, originá- CONHECIMENTO E FONTES rios quer do senso comum, quer do científico, são DE INFORMAÇÃO insuficientes para explicar os problemas surgidos. “O pensamento faz a grandeza do homem. (...) O conhecimento prévio que nos lança a um pro- O homem não passa de um caniço, o mais fraco blema pode ser tanto do conhecimento ordinário da natureza, mas é um caniço pensante. Não é quanto do científico. 12
  • 8. Metodologia do Estudo – Universidade e PesquisaQuando o homem sai de uma posição meramente reções e aperfeiçoamentos, muitas vezes, induzin-passiva, de testemunha dos fenômenos, sem po- do ao erro, às fraudes, à ignorância e ao compor-der de ação ou controle dos mesmos, para uma tamento intolerante. É, portanto, errôneo acharatitude racionalista e lógica, que busca entender que a dogmatização de um conhecimento é supe-o mundo por meio de questionamentos, é que sur- rior só porque é imutável.ge a necessidade de se propor um conjunto de O verdadeiro espírito científico consiste, justamen-métodos que funcionem como uma ferramenta te, em não dogmatizar os resultados de uma pes-adequada para essa investigação e compreensão quisa, mas em tratá-los como eternas hipótesesdo mundo que o cerca. O homem quer ir além da que merecem constante investigação. Ter espíritorealidade imediatamente percebida e lançar prin- científico é estar, sobretudo, numa busca perma-cípios explicativos que sirvam de base para a or- nente da verdade, com consciência da necessi-ganização e a classificação que caracterizam o dade dessa busca, expondo as suas hipóteses àconhecimento. constante crítica, livre de crenças e dos interessesPor meio desses métodos, obtêm-se enunciados, pessoais, das conclusões precipitadas e dos pre-teorias, leis, que explicam as condições que deter- conceitos. Muito embora não se possam alcançarminam a ocorrência dos fatos e dos fenômenos todas as respostas, o esforço por conhecer e aassociados a um problema, sendo possível fazer busca da verdade continuam a ser as razões maispredições sobre esses fenômenos e construir um fortes da investigação científica.corpo de novos enunciados, quiçá novas leis e Para fins didáticos, podemos dizer que há quatroteorias, fundamentados na verificação dessas pre- tipos básicos de conhecimento: popular (sensodições e na correspondência desses enunciados comum), religioso (teológico), filosófico e cientí-com a realidade fenomenal. fico, como serão detalhados posteriormente.O método científico permite a construção concei-tual de imagens da realidade que sejam verdadei-ras e impessoais, passíveis de serem submetidas atestes de falseabilidade. TEMA 03A exigência do confronto da teoria com os dadosempíricos deve poder ser submetida a testes, em A PESQUISA E SUA FORMULAÇÃOqualquer época e lugar, e por qualquer pessoa,pois uma explicação é algo sempre incompleto, Para Santos (2002, p. 17), “pesquisar é o exercíciosuscetível de um outro questionamento, podendo intencional da atividade intelectual, visando melho-levar-nos à elaboração de uma nova teoria, que rar as condições práticas de existência”. O autornão só explique, mas corrija a anterior. É justamen- assinala que é devido à necessidade humana dete por estar submetida a constantes retomadas de conhecer que a história avança. Pesquisa significarevisões críticas, que uma teoria científica é aper- alguma forma produtiva de conhecimento, traduzi-feiçoada e corrigida, garantindo seu enriqueci- da na capacidade de digerir criticamente, impri-mento e sua confiabilidade. A ciência vale-se da mindo ao conhecimento absorvido interpretaçãocrítica persistente que persegue a localização dos própria capaz de orientar a intervenção histórica.erros, por meio de procedimentos rigorosos de Também não se reduz à construção absolutamen-testagem que a própria comunidade científica rea- te original de conhecimento, mas já existe no usovalia e aperfeiçoa constantemente. Esse método produtivo de conhecimento disponível, desde quecrítico de constante localização de dificuldades, crítico e autocrítico.contradições e erros de uma teoria garante à ciên- A pesquisa científica, tal qual se pratica hoje,cia confiabilidade e autocrítica. A autocrítica siste- estruturou-se como base na organização e namática da ciência proporciona a reformulação das sistematização que alguns cientistas fizeram pa-teorias e evita os dogmatismos. ra solucionar os problemas que decidiram en-O espírito dogmático bloqueia a crítica por se jul- frentar. O sucesso dessas práticas de procura egar auto-suficiente e clarividente na sua compreen- recolha de informações, os modos que se pro-são do mundo, e acaba por impedir eventuais cor- puseram para resolver os problemas garantiram 13
  • 9. UEA – Licenciatura em Matemática alguns processos que se tornaram exemplares Além das características acima citadas, destaca- e eficazes. Esses autores introduziram meios mos também a capacidade de o matemático anali- práticos e técnicas criativas na solução dos pro- sar, formular e gerir políticas públicas e sociais em blemas que deram uma coerência e uma con- conformidade com as características do local. Sua sistência cada vez maiores a essa prática, sob área de atuação vai desde a participação em con- o nome de pesquisa (CASTANHO; CASTANHO, 2001, selhos deliberativos e comunitários, em órgãos p. 105). governamentais e organizações não-governamen- tais, assessoria parlamentar, comunitária até osO conceito de pesquisa é polêmico. Primeiro, dis- institutos de pesquisa de opinião.tingue-se nele dupla face: a face científica em que Pesquisa é o mesmo que busca ou procura. Pes-aparece a produção criativa de conhecimento; a quisar, portanto, é buscar ou procurar respostaface educativa engloba a capacidade de ques- para alguma coisa. Em se tratando de Ciênciastionar a realidade, aplicar conhecimento e inter- Exatas, a pesquisa é a busca de solução a umvir na prática. Segundo, pesquisa não se reduz a problema que alguém queira saber a resposta.produtos e a momentos, mas seria atitude básica e Não parece correto dizer que se faz ciência, mascotidiana de questionamento crítico e autocrítico que se produz ciência através de uma pesquisa.diante da realidade. Pesquisa é, portanto, o caminho para se chegar àA pesquisa atende pelo menos a dois objetivos, o ciência, ao conhecimento.científico e o educativo. Trabalhada como objeti- Quanto aos tipos de pesquisa, Santos (2002) defi-vo científico, constitui o instrumento indispensável ne-se desta forma:para a construção técnica do conhecimento. Como objetivo de educar, ela orienta, abre as portas pa- ! Pesquisa Exploratória – Visa criar maior familiari- dade em relação a um fato ou fenômeno. É quasera uma compreensão de mundo e fortalece o edu- sempre feita como levantamento bibliográfico, entre-cando para saber relacionar-se com o seu mundo vistas com profissionais que estudam/atuam na área,e com o seu tempo. Qualquer profissional deve ter visita a web sites, etc.consciência desses dois objetivos da pesquisa, Exemplo: Saber o perfil do educador no Estado dosobretudo se ele visa ao domínio produtivo do Amazonas.conhecimento e ao exercício da cidadania, que ! Pesquisa Experimental – É toda pesquisa que envol-não se reduzem a exercícios políticos e a cultivo ve algum tipo de experimento.de ideologias preferenciais. Cidadania também, Exemplo: Pinga-se uma gota de ácido numa placa dena Universidade, pode significar política mediada metal para observar o resultado.pela produção científica. Sendo assim, a Universi- ! Pesquisa Social – É toda pesquisa que busca res-dade torna-se o lugar, por excelência, da criação postas de um grupo social.e produção do conhecimento, problematizando a Exemplo: Saber quais os hábitos alimentares de umasociedade que a sustenta e tendo na pesquisa um comunidade específica.dos instrumentos que deve estar presentes no ! Pesquisa Histórica – É toda pesquisa que estuda oprocesso de ensino-aprendizagem. passado.Mas qual a importância de se fazer pesquisa no Exemplo: Saber os fatores que desencadearam aCurso de Matemática? O educador ou matemático Cabanagem.devem propor alternativas de intervenção planeja- ! Pesquisa Teórica – É toda pesquisa que analisa umada e estratégica na realidade social, mas antes de determinada teoria.qualquer intervenção, precisa conhecer cientifica- Exemplo: Saber o que é a Neutralidade Científica.mente a realidade onde pretende intervir. Neces-sita acompanhar, analisar, conhecer movimentos e Conhecemos os tipos de pesquisa. Agora é neces-associações, o comportamento e os ideais de gru- sário definir os instrumentos para se chegar a umapos, verificando a reação pública a essas tendên- resposta mais precisa, por meio da escolha docias e, muitas vezes estimulando-a. Além dessas melhor caminho. O instrumento ideal deverá serfunções, o matemático deve ter efetiva participa- estipulado pelo pesquisador para se atingir osção em projetos sociais, cabendo a ele analisar a resultados ideais. Num exemplo grosseiro, não sesociedade da qual faz parte, de forma mais exata. poderia procurar um tesouro numa praia cavando 14
  • 10. Metodologia do Estudo – Universidade e Pesquisaum buraco com uma picareta: precisar-se-ia de é, estritamente, inovação como processo; distouma pá. Da mesma forma não se poderia fazer um resulta que formação científica e permanenteburaco no cimento com uma pá: precisar-se-ia de coincidem, baseadas na capacidade de produ-uma picareta. Por isso, a importância de se definir ção criativa, ou no aprender a aprender. A merao tipo de pesquisa e da escolha do método a ser absorção de conhecimento não realiza a eman-utilizado. Bastos e Keller (1999) observam que pa- cipação, porque não passa de insumo neces-ra repensar o mundo (ou fazer pesquisa), a esco- sário (CAMPOS, 1999, p.4).lha do método é de suma importância. A Universidade é instituição indispensável para oOs caminhos consistem basicamente em: desenvolvimento humano sustentável do país, lu-a) Pesquisa de campo – Visa dirimir dúvidas, ou obter gar privilegiado onde a sociedade e a economia informações e conhecimentos no local que expresse, discutem e constroem chances de futuro, celeiro com maior proximidade, a realidade investigada. da educação que pode humanizar a técnica. Porb) Pesquisa de laboratório – Visa ao domínio do conta disso, não se justifica universidade e muito controle sobre o fenômeno estudado, exigindo local menos pública e gratuita, para apenas transmitir apropriado – laboratório – e instrumentação especial. mecanicamente. Sua função é promover a ciência,c) Pesquisa bibliográfica – Visa ao exame ou à consul- a tecnologia e principalmente a promoção dos ta de livros ou de documentação escrita que se faz seres humanos. sobre determinado assunto. Sabemos que, no Brasil, em nível federal, cerca de 70% dos recursos públicos alocados à educação destinam-se ao custeio do ensino superior, porém, levando-se em conta a totalidade dos recursos TEMA 04 gastos em educação (federal, estadual e municipal juntos), menos de 20% vão para o ensino superior. DESAFIOS E POSSIBILIDADES Há consenso de que esses recursos destinados ao DA UNIVERSIDADE BRASILEIRA ensino superior e à pesquisa científica estão muito aquém das reais necessidades de trabalhar ensi-A crise que assola as sociedades manifesta-se nas no, pesquisa e extensão.múltiplas dimensões: política, cultural, administrati- As agruras por que passa a Universidade Brasileirava e organizacional. Nas Universidades, os proble- decorrem, em grande parte, da falta de ummas organizacionais estão ligados à estrutura e ao entendimento a que se deve chegar sobre o seufuncionamento. Os currículos são atomizados, e verdadeiro papel. Servimos, em grande parte, aos estudantes adquirem formação fragmentada, uma elite que se reproduz e que pouco se alargaprovocada pelo sistema de matrículas por disci- com processo de inclusão dos muitos que ficam, aplinas, o que aponta para a tendência à formação cada ano, fora do sistema. Acredita-se que, com aunilateral desprovida de uma visão de conjunto do universalização do Ensino Médio, as exigências docurso e principalmente da sociedade nacional e mercado, as exigências de qualidade e as novasglobal, com conseqüências imediata na práxis visões sobre a competência, Estado e Sociedadesocial. terão que negociar um novo pacto, uma reformaA pesquisa poderia ocupar o centro do desafio total do sistema, o que já foi feito em vários países,educacional em termos de inovação a serviço do pois não se concebe mais o desenvolvimento so-homem, como princípio científico e educativo, em cial, econômico e cultural sem um sistema univer-particular, no caso da Universidade, pois domínio sitário sólido.científico e tecnológico é a vantagem comparativa Um projeto de democracia social implica vencerdiferencial, no atual contexto econômico e político. desafios. O primeiro deles é a criação de uma A formação básica qualitativa e a produção cien- aliança entre a inteligência acadêmica e a popu- tífica e tecnológica são fatores que melhor lação que está à margem do processo social na garantem a estratégia de desenvolvimento busca de saberes diversos. Em segundo lugar, humano próprio, moderno, sustentável. Ciência desta aliança reforça-se a necessidade da ligação não é estoque de conhecimentos repassados; orgânica daqueles que manejam o saber específi- 15
  • 11. UEA – Licenciatura em Matemáticaco com os movimentos sociais emergentes, imbuí-dos da responsabilidade de participar da discus-são daquilo que interessa à coletividade e constru-ir coletivamente uma perspectiva de Brasil feito portodos. 16
  • 12. UNIDADE IIConhecimento e leitura na universidade
  • 13. Metodologia do Estudo – Conhecimento e leitura na universidade desenvolvimento de técnicas podem reformular o acervo de teoria existente, portanto nem sem- TEMA 05 pre a verdade de ontem é a de hoje. O conheci- mento científico é um eterno construtor. TIPOS DE CONHECIMENTO 2. Conhecimento Filosófico1. Conhecimento Científico Segundo Marconi e Lakatos (2000) o conheci- A produção do conhecimento está ligada a três mento filosófico tem algumas características referenciais: específicas. a) concepção dialética da realidade; a) É valorativo – Seu ponto de partida consiste em b) processo do pensar reflexivo; hipóteses que não poderão ser submetidas à c) problematização. observação. As hipóteses filosóficas baseiam-se Problematizar é muito mais profundo do que a na experiência, portanto este conhecimento emer- ge da experiência e não da experimentação. simples formulação do problema de pesquisa, porque leva a pessoa a questionar. São tantas b) Não é verificável – Os enunciados das hipóteses filosóficas, ao contrário do que ocorre no campo as interrogações: O quê? Como? Por quê? Para da ciência, não podem ser refutados nem confir- quê? Onde? Quando? Quantos? Quais? Assim, mados. problematizar é interrogar o mundo, a realidade c) É racional – consiste num conjunto de enunciados em que o pesquisador está inserido, ele próprio logicamente correlacionados. e mais especificamente o seu objeto de estudo. d) Tem organização sistemática – Há coerências Problematizar, enfim, é interrogar, e só o ser entre as hipóteses e os enunciados. humano é capaz de fazê-lo. e) É exato – Seus postulados e suas hipóteses não Segundo Bunge (1965) somente o homem in- são submetidos ao decisivo teste da observação venta problemas novos: é o único ser proble- (experimentação). matizador, o único que pode sentir a necessi- dade e o gosto de acrescentar dificuldades às 3. Conhecimento de senso comum que já se apresentam no meio natural ou no O senso comum também é conhecido como meio social. O homem é um ser de criação, de conhecimento popular. Geralmente, ele é trans- produção, de evolução, de questionamentos. mitido de geração a geração, por meio da edu- Em sua trajetória de vida, ele tem que interpretar cação informal, baseado em imitação e expe- a si e ao mundo em que vive, atribuindo-lhes riência pessoal; portanto, empírico e despro- significado. Cria representações significativas vido de conhecimento técnico. Podemos citar, da realidade, as quais denominamos conheci- como exemplo, o conhecimento de um barco mento. Dependendo da forma pela qual se che- popular. Na construção, são aplicados conheci- ga a essa representação, o conhecimento pode mentos adquiridos por tradição oral, tais como: ser classificado em diversos tipos (filosófico, mí- a madeira mais apropriada, a largura, a altura tico, dogmático, etc). Já o conhecimento cientí- e o peso do motor para que ele agüente os ban- fico é aquele que é produzido pela investigação zeiros, etc. Ou seja, ele é construído no “olhô- científica. Portanto, ele é FACTUAL porque lida metro”, portanto, de forma empírica. Mas, nem com ocorrências ou fatos reais. É SISTEMÁ- por isso deixa de ter o seu valor, até porque TICO, pois ordena logicamente as idéias (teoria) muito dos conhecimentos ali aplicados são e não conhecimentos dispersos e desconexos. baseados em observações, e a ciência não é, Possui a característica da VERIFICABILIDADE, como muitos pensam, o único caminho de aces- de modo que, as afirmações (hipóteses) que so ao conhecimento e à verdade. Um mesmo não podem ser comprovadas não pertencem ao objeto pode ser matéria de observação tanto âmbito da ciência. Constitui-se em conhecimen- para o cientista quanto para o um cidadão to FALÍVEL, em virtude de não ser definitivo, comum; o que leva um ao conhecimento cientí- absoluto ou final e, por este motivo, APROXI- fico e outro ao conhecimento popular é a forma MADAMENTE EXATO: novas proposições e o de observação. 19
  • 14. UEA – Licenciatura em Matemática O conhecimento baseado no senso comum tem Para que se produza conhecimento, é necessária algumas características básicas: uma sólida base de leitura. O hábito do estudo de- a) É superficial – Conforma-se com a aparência, não ve ser incutido desde cedo no estudante, pois para busca o que se oculta por trás das coisas. desenvolver o espírito científico é importante que b) É sensitivo – Ou seja, referente a vivências, esta- esse hábito já esteja consolidado. Aprender a ler dos de ânimo e de emoções do cotidiano. exige uma postura crítica, sistemática, reflexiva, além de disciplina intelectual. É interessante ter c) É subjetivo – O próprio sujeito organiza suas ex- periências. em mente que ler é uma prática básica, essencial, para aprender e produzir. d) É assistemático – Está organizado com base nas experiências e não na sistematização das idéias A leitura propicia: a ampliação do conhecimento, a e/ou na forma de adquiri-las, muito menos na ten- obtenção de informações básicas e específicas, a tativa de validá-las; abertura de novos horizontes, a sistematização do e) É acrítico – Não há preocupação com a veracida- pensamento, o enriquecimento do vocabulário, o de dos fatos e sim com a funcionalidade. melhor entendimento das idéias dos autores, além, é claro, de uma constante atualização. Uma boa4. Conhecimento religioso leitura é sempre bem-vinda. Assim sendo, a pri- meira etapa que um estudante universitário precisa O conhecimento religioso, também conhecido vencer é conhecer e utilizar procedimentos ade- como teológico, apóia-se em teses que contêm quados de leitura. Quais são eles? proposições sagradas, ou seja, VALORATIVAS, que por terem sido reveladas pelo sobrenatural O tempo: (INSPIRACIONAL), tais verdades são conside- ! Planeje seu tempo. Essa é a forma correta de ganhar radas EXATAS. É um conhecimento que tem mais tempo para a leitura. SISTEMATIZAÇÃO, pois seus relatos têm iní- ! Programe a utilização de períodos vazios em sua cio, meio e fim, ou seja: introdução, desenvolvi- atividade. mento e conclusão, ou melhor, já que estamos ! Substitua o horário de uma ou mais atividades não referindo-nos ao conhecimento religioso: ori- essenciais, dilatando o tempo destinado à leitura. gem, significado, finalidade e destino. Suas evi- ! Não estabeleça períodos muito longos para a leitura, dências NÃO SÃO VERIFICÁVEIS, pois são sem pausa para descanso. obras do Criador Divino e, portanto, necessitam O propósito: de crença, de fé, perante o conhecimento reve- lado. Toda leitura tem um propósito, podendo ser: ! o da investigação; ! o da comparação; ! o da crítica; TEMA 06 ! o da verificação; ! o da ampliação do conhecimento. A LEITURA COMO PROCESSO DE Os tipos de leitura: APREENSÃO DO CONHECIMENTO ! Verbal – Que pode ser informativa, seletiva (tambémA Universidade diferencia-se das demais institui- conhecida como analítica ou formativa) e técnica.ções de ensino pelas suas características específi- ! Icônica – Que consiste na decodificação de índices,cas: indissociabilidade entre a pesquisa, o ensino símbolos e ícones.e a extensão. Universidade que não tem pesquisa ! Gestual – Que consiste em decodificar a linguagemnão produz conhecimento, não responde aos de- dos gestos. Ex.: a linguagem dos surdos-mudos.safios do contexto em que está inserida, não pode ! Casual – É bem espontânea. Ex.: a leitura de anún-ser considerada uma Universidade, mas apenas cios, cartazes, outdoors, placas de trânsito.um estabelecimento de ensino superior. Portanto ! Sonora – Que consiste em decodificar os sons queproduzir conhecimento é condição sine qua non comunicam algo, tais como: uma buzina, uma sirena,para a consolidação de uma Universidade. um apito, o som do triângulo do cascalheiro. 20
  • 15. Metodologia do Estudo – Conhecimento e leitura na universidade Do ponto de vista técnico e enquanto método pes- TEMA 07 soal de estudo, pode-se falar em três formas de documentação: MODALIDADES DE LEITURA ! a temática; ! a bibliográfica;Os tipos de leitura têm estreita ligação com a fina- ! a geral.lidade. Eis as modalidades de leitura:a) Silenciosa – Individual ou coletiva, podendo ter As grandes aliadas da documentação são as técni- tempo delimitado. cas de leitura; sem elas, corremos o risco de con-b) Oral – Podendo ser individual, coletiva ou em mu- siderar que tudo é relevante e documentar sem tirão. critérios de seletividade. As principais técnicas dec) Especializada – Pode ser uma leitura política, semi- leitura são: ológica, social, médica, etc. ! sublinhar;d) De estudo – visa à aquisição de conhecimento; ! esquematizar;e) Distração – Leitura de revistas, romances. ! fichar;f) Dinâmica – Modalidade avançada para se ler rápido, ! resumir. ganhando tempo. 1. Sublinhar É a técnica indispensável para elaborar esque- mas, resumos e ressaltar as idéias importantes TEMA 08 de um texto. O requisito fundamental para apli- car a técnica de sublinhar é a compreensão do TÉCNICAS DE LEITURA – DOCUMENTAÇÃO assunto. Não se deve sublinhar parágrafos ou frases inteiras, mas apenas palavras chaves ouAs técnicas de leitura são importantíssimas no frases significativas.processo de estudo e pesquisa. É válido frisar quea leitura é uma das maneiras mais utilizadas para Para a utilização adequada dessa técnica deconhecer a realidade. Ao ler, a pessoa tem a pos- leitura, é importante observar alguns pontos:sibilidade de conhecer o mundo. Portanto o gosto a) Não sublinhar durante a primeira leitura.pela leitura é fundamental para a formação de b) É necessário que se tenha um primeiro contatoespírito científico. Para produzir conhecimento, vo- com a leitura, fazendo-se um sinal à margem.cê tem de ter um ponto de partida; a leitura docu- c) Quando for feita a segunda leitura, buscar a idéiamentada pode ser ou sugerir esse ponto. Daí a im- principal, os detalhes significativos, os conceitos,portância da documentação, do fichamento como as classificações, etc.formas de organizar aquilo que foi selecionado pe- Observação – Sublinhe apenas o que for rele-las técnicas de leitura. A prática da documentação vante, de maneira que, ao reler o que foi desta-pessoal deve, pois, tornar-se uma constante na cado, a idéia principal tenha sido delimitada cor-vida do estudante. Para isso, é preciso convencer- retamente.se da sua necessidade e utilidade, colocá-la comointegrante do processo de estudo, criando um 2. Esquematizarconjunto de técnicas para organizá-las. O esquema é uma representação sintética doA documentação de tudo que for julgado impor- texto através de:tante e útil em função dos estudos e do trabalho GRÁFICOSprofissional deve ser feita sobre fichas. O tomarnotas em cadernos é desaconselhável devido à CÓDIGOSsua pouca funcionalidade. PALAVRAS 21
  • 16. UEA – Licenciatura em Matemática Não há fórmulas mágicas para um bom que consiste em: esquema, mas um pouco de criatividade e a) Estabelecer a unidade de leitura. organização são bem-vindas. O esquema b) Destacar as idéias principais. deve ser organizado dentro de uma c) Destacar os pormenores importantes. seqüência lógica, onde aparecem: e) Elaborar um esquema utilizando sinais (chaves, As idéias principais. colchetes, etc). O inter-relacionamento de fatos e idéias. Utilizando as técnicas de sublinhar, esque- matizar, fichar e resumir, o aluno está pre- A elaboração de um bom esquema exige a par- parado para fazer uma leitura analítica. ticipação ativa do leitor na assimilação do con- teúdo, levando-o, também, a uma avaliação do texto. Embora não haja um modelo de esquema padrão, pode-se avaliar um esquema por meio de algumas características básicas: FIDELIDADE AO TEXTO ESTRUTURA LÓGICA UTILIDADE CUNHO PESSOAL ADEQUAÇÃO AO ASSUNTO3. Fichar É uma forma de facilitar o trabalho de pesquisa, colocando ordem às informações obtidas. À me- dida que o pesquisador tem em mãos as fontes de referência, deve transcrever os dados em fi- chas, de forma sistematizada, com o máximo de exatidão e cuidado. O fichamento traz diversas vantagens: a) Oportuniza a informação precisa na hora exata. b) Permite o manuseio, a remoção ou o acréscimo de informação. c) Ocupa pouco espaço e são de fácil transporte. d) Permite analisar o material selecionado. e) Identifica a obra. f) Facilita as citações. g) Favorece as críticas consolidadas nos autores.4. Resumir O resumo é uma condensação do texto. Ele apresenta as idéias essenciais e pode, também, trazer a interpretação do leitor, desde que este o faça separadamente. O objetivo do resumo é abreviar as idéias do autor, sem, contudo, a con- cisão de um esquema. Entretanto pode-se jun- tar o resumo e o esquema, tendo como resulta- do uma técnica mista: o resumo esquemático, 22
  • 17. UNIDADE IIIAs dimensões da aprendizagem e o ensino da matemática
  • 18. Metodologia do Estudo – As dimensões da aprendizagem e o ensino da matemáticaA aprendizagem é um processo e, como tal, vai-se hoje, amanhã), a consciência da duração, da con-consolidando aos poucos, relacionando suas di- tinuidade. A memória acaba sendo o sentimentomensões, que não são estanques. Elas coincidem do eu que dura, que permanece, enquanto tudono ato de aprender, como se fossem vários cami- em volta se modifica, e o próprio eu se transforma.nhos que se cruzam, se perpassam, se misturam É por isso que a doença de Alzheimer é terrível. Elae, finalmente, tornam-se um só. Esses caminhos é degenerativa. Aos poucos, o indivíduo vai desa-são as denominadas dimensões da aprendiza- parecendo, ficando encarcerado, preso na memó-gem: a biológica, a cognitiva e a social. Tais di- ria. Existe e não existe. Acha-se representado pelamensões acabam corroborando com o conceito presença física, mas perde-se na ausência psíqui-de que o homem é uma estrutura biopsicossocial, ca, perde a consciência do eu. Entretanto o poderque funciona integralmente no processo de apren- da mente é ainda um grande mistério. O filme Umadizagem. A separação das dimensões é apenas Mente Brilhante conta a história de um físicoum recurso didático para melhor entendê-las. inteligentíssimo que venceu a esquizofrenia uti- lizando-se da lógica matemática, desafiando a Medicina com seus tratamentos convencionais. TEMA 09 DIMENSÃO BIOLÓGICA DO TEMA 10 PROCESSO DE APRENDIZAGEM FASES DA MEMÓRIASegundo Barbosa (2005) a dimensão biológica es- O fenômeno da memória caracteriza-se por quatrotá ligada às estruturas internas, às formas hereditá- fases sucessivas:rias programadas para a sobrevivência como o atode sugar, que é um reflexo instintivo, à capacidade 1. Fixação – É a impressão produzida no indivíduode reter informações, ou seja, a memória. Aqui re- pelas percepções, emoções, etc.side um grande equívoco, pois decorar não é sa- 2. Conservação – Quando são registrados os fa-ber. Muitos professores obrigam, sob a pressão da tos vivenciados e informações recebidas.nota, num ato de terrorismo pedagógico, os alu- 3. Evocação – Quando o indivíduo traz ao planonos a decorar páginas e mais páginas de livros, da consciência os fatos registrados e conserva-para recitar depois na sala. Puro verbalismo. A me- dos; são as lembranças.mória só tem valor quando guarda não apenas asformas das palavras, mas seu sentido, a sua com- 4. Esquecimento – Consiste em abandonar aspreensão. A memória é a faculdade de conservar, lembranças, transferi-las do consciente para oreproduzir e reconhecer os estados de consciên- inconsciente. Esquecê-las, como se costumacia anteriores, relacionando-os com as nossas ex- falar. Em verdade, o esquecimento, sem causasperiências passadas. Um dos aspectos mais signi- patológicas, não existe nas fases que antece-ficativos da memória é a sua capacidade de rela- dem o envelhecimento. O que acontece é quecionar os fatos. Além de reter a informação, o indi- os fatos velhos vão cedendo lugar aos novos, evíduo conserva-a, recupera-a quando dela neces- o indivíduo pensa que esqueceu. Mas ele estásita e ainda sabe localizá-la numa espécie de lá, bem arquivado. Basta qualquer fato ou infor-quadro geral. Ele lembra do fato, como ele ocor- mação que possa fazer uma conexão com oreu, quais as circunstâncias que o cercaram e qual fato, aparentemente esquecido, para ele vir àa impressão que o fato causou ao seu eu. Ou seja, tona, com todas as cores e nuanças que a eleele se lembra das coisas em relação a ele ou dele pertencem e com as quais foi registrado e con-em relação às coisas. Sem memória, não haveria servado. O esquecimento propriamente ditopersonalidade, ciência, tecnologia, progresso. A ocorre no processo de envelhecimento, o acer-memória é tão importante que dá ao indivíduo a vo léxico cerebral é perdido de forma lenta econsciência de que ele é ele mesmo. É ela que gradativa. As últimas palavras e signos aprendi-proporciona ao indivíduo a idéia de tempo (ontem, dos são os primeiros a serem esquecidos e o 25
  • 19. UEA – Licenciatura em Matemática inverso também é verdadeiro. Tal degeneraliza- das umas ás outras. Por isso, é mais fácil guardar ção senil do cérebro ocasiona uma atrofia corti- um fato na memória estruturando-o a outros ante- cal difusa perfeitamente observável em exames riores. Este recurso é denominado de “mnemotéc- de laboratório, tais como tomografia e ressonân- nica” ou “recurso mnemônico”. Se se quer gravar cia magnética. os verbos que dobram a vogal quando fazem o plural, pode-se estruturá-los numa frase codifica-A memória também tem as suas “leis”. Ela é uma da: Leda crer e ver. Quando se lembra dessafaculdade natural, o indivíduo não precisa apren- frase, recordam-se as formas dos verbos ler, dar,der a “guardar de memória”. Basta aguçar a per- crer e ver, ou seja, lêem, dêem, crêem e vêem. Ocepção. Entretanto algumas condições facilitam o processo de aprendizagem ganhou concretude. Oregistro, são as denominadas “leis da memória” mesmo ocorre com os números. Pode-se associarque são: o número do telefone de um amigo, ou seja, 3236! A repetição – Guardamos uma informação ou um 12 06, o prefixo já está memorizado, pois é o fato qualquer tão melhor quanto mais vezes o repeti- mesmo de todos os telefones. O número doze (12) mos. É por isso que quem estudou a tabuada na pode ser associado a uma dúzia de latas empi- infância não esquece as quatro operações e tem habilidades com os números. É rápido no raciocínio lhadas em um parque de diversões que deveriam matemático, respondendo, muitas vezes, por auto- ser derrubadas por uma bola, que no caso repre- matismo, pois sabe decorado que 6 x 5 = 30. senta o zero (0); ao jogar, a metade foi derrubada:! A atenção – Um fenômeno fixa-se na memória de um seis (6); com isso, estãofixados o 12 e o 06. Vejam indivíduo tão mais depressa quanto maior for a aten- como é fácil preparar um cenário para a memória ção que ele dispensa ao tal fenômeno. É importante visualizar os fatos e associá-los aos números que que o professor incentive os alunos a prestar atenção queremos memorizar. aos cálculos e às operações matemáticas para que eles percebam como se processa a logicidade des- sas operações.! A emoção – Despertada quando o indivíduo vivencia TEMA 12 um fato; é, sem dúvida, importante para a fixação do fato na memória. A lógica matemática pode ser asso- TIPOS DE MEMÓRIA ciada à emoção, e para isso o professor precisa usar a criatividade, utilizando histórias que registrem como É importante que todos aqueles envolvidos no as operações matemáticas são importantes para a processo educativo conheçam, também, os tip- nossa vida. os de memória. Conhecendo-os, podem explorar! O interesse – Se o indivíduo se interessa pela infor- aquele ou aqueles com que se têm mais afinidade mação, pelo fato, a probabilidade de registrá-los em e que proporcionam melhor fixação. São eles: detalhes é acentuada. Nessa questão, é fundamental 1. visual; que o professor estimule os alunos a ter interesse 2. auditiva; pela disciplina. A matemática precisa deixar de ser o 3. motora; bicho-papão da matriz curricular, pois ela está pre- 4. afetiva; sente em nossa vida, e precisamos dela para viver melhor. 5. locativa; 6. nominativa; 7. gustativa; 8. tátil; TEMA 11 9. olfativa. Vejamos cada um. A ESTRUTURA DO ARQUIVO CEREBRAL 1. O visual é aquele tipo de memória queOs fenômenos psíquicos estão estruturados em retém com facilidade as coisas que vê. Os fision-nossa consciência. Não existem, em nossa mente, omistas têm memória visual, lembram facil-gavetas ou arquivos classificatórios típicos de es- mente das feições dos outros, da forma da sen-critórios. As informações estão estruturadas, liga- tença mate-mática. 26
  • 20. Metodologia do Estudo – As dimensões da aprendizagem e o ensino da matemática2. A memória do tipo auditiva guarda principal- 6. O tipo nominativo é aquele relacionado à facili- mente os sons. Indivíduos que, ao ouvirem uma dade de guardar nomes. Este tipo é comum na frase, uma aula ou uma conversa e, na primeira criança que repete os nomes das coisas. Dizem oportunidade, repetem o conteúdo inteiro têm que Camões possuía uma memória nominativa memória auditiva. Os músicos também têm es- acentuadíssima, tanto que, quando escreveu Os sa memória bem acentuada. No caso de me- Lusíadas, expôs centenas de nomes mitológicos morização de operações lógicas é recomendá- sem consultar livros, pois ele os conhecia de vel explicar várias vezes, usando vocabulário cor, do tempo em que estudou em Portugal. claro e procurando observar se os alunos ou- Quem tem esse tipo de memória bem desen- vem bem e têm conhecimento do vocabulário volvido terá facilidade para assimilar fórmulas, técnico que é utilizado pelo professor. É salutar localizar determinado problema desenvolvido solicitar que os alunos expliquem o que assimi- pelo autor em um livro didático, indo, inclusive, laram com as suas próprias palavras, pois o pro- direto à página onde se encontra o registro. fessor pode avaliar como o conteúdo foi assimi- 7. A memória gustativa está relacionada com a fi- lado, e os alunos ouvem a sua própria voz e a xação do gosto que os alimentos têm. Se eu dos pares, ressignificando a explicação dada penso em um tacacá, posso ficar “com água na pelo professor. boca”, ou seja, a memória gustativa acessou o3. O tipo motor é responsável pelos movimentos, arquivo mental do gosto saboroso do tacacá. pelos atos. Ou seja, depois que o indivíduo exe- Temos registro do que é doce, salgado, picante, amargo, etc. No caso do ensino da Matemática, cuta aquela tarefa, faz quantas vezes forem ne- o professor pode usar frutas para explicar, por cessárias, pois registrou a seqüência dos movi- exemplo, a teoria dos conjuntos e depois para mentos. O dançarino, os operários e os artesãos ajudar na fixação, convidar as crianças a provar conhecem bem esse tipo de memória. Os exer- os frutos e relatar suas experiências gustativas, cícios de “resolver problemas” são auxiliares fazendo sempre a ponte com a disciplina: se para facilitar esse tipo de memória. Paulo comeu seis tucumãs, podemos também4. A memória afetiva está ligada à facilidade de dizer que ele comeu meia dúzia. guardar fatos emotivos, tanto positivos quanto 8. A memória tátil está relacionada ao o ato de negativos. O “guardar mágoas” insere-se aqui. pegar nas coisas para sentir a sua consistência, A relação de afeto que o professor tem com a textura, etc. A criança adora pegar nas coisas. Aí matemática, também. O professor precisa gos- vem o adulto e diz: não mexa! E ela pára, olha tar do que faz e passar isso para os alunos. e, daqui a pouco, torna a mexer. A memória tátil Muitas vezes, o aluno não gosta de uma disci- é muito utilizada na infância e pouco explorada plina porque transfere a antipatia que sente pelo pelos pais e professores. Conceitos como quen- professor para a disciplina que ele leciona. O te, frio, mole, duro, gelatinoso, fino, grosso, liso, terrorismo pedagógico traz conseqüências áspero, macio, dentre outros, poderiam ser mais funestas; um clima harmônico em sala de aula explorados, utilizando-se experiências que for- favorece a fixação da aprendizagem. talecessem a memória tátil. O professor pode5. A memória locativa é aquela que registra os fazer uso de material de sucata para dar concre- lugares das coisas. Para eu me lembrar de um tude às suas aulas, estimulando a aprendiza- aluno devo antes me lembrar do lugar onde ele gem através da memória tátil. O Lego é um se senta na sala de aula. De uma citação que li excelente brinquedo pedagógico que fortalece no livro, eu me lembro primeiro do lugar onde o pensamento lógico, por meio da estimulação ela estava. No início, meio e fim do livro. Em da memória tátil. cima, em baixo ou no meio da página; à direita 9. Há, ainda, a memória olfativa, que reconhece e ou à esquerda. Aí fica fácil localizar. Nas ope- seleciona os aromas. Esse tipo de memória é rações concretas, o lugar dos elementos, ou a acentuadíssimo em peritos e especialistas em ordem dos fatores não altera o produto. Mas bebidas e perfumes. No caso da Matemática, outras alterações podem ser observadas como ela pode servir para fixar – e até classificar e no caso do uso de expoentes e outros elemen- quantificar – o próprio material de sucata pelos tos matemáticos que têm lugar cativo. seus respectivos odores. 27
  • 21. UEA – Licenciatura em MatemáticaPercebe-se o quanto a memória é importante para 4. Diversas habilidades podem ficar prejudicadas coma aprendizagem e o quanto a dimensão biológica esse Transtorno, tais como: as habilidades lingüísti-é determinante no processo de reter as informa- cas (compreensão e nomeação de termos, opera-ções e aplicá-las quando se precisa. O grande pro- ções ou conceitos matemáticos e transposição de problemas escritos em símbolos matemáticos), per-blema é o uso inadequado da memória. Quando o ceptuais (reconhecimento de símbolos numéricos ouindivíduo decora o que lê, em vez de raciocinar a aritméticos, ou agrupamento de objetos em conjun-respeito, ele cai no verbalismo. Como já foi men- tos), de atenção (copiar números ou cifras, observarcionado, decorar não é saber, e o valor da me- sinais de operação) e matemáticas (dar seqüência amória não está em guardar somente a forma de etapas matemáticas, contar objetos e aprender a mul-palavras, mas também o seu conteúdo, o seu sig- tiplicar).nificado no contexto social.Com os avanços das pesquisas no âmbito da psi-copedagogia, hoje temos conhecimento de algunstranstornos e dificuldades que envolvem o apren- TEMA 14dizado da Matemática e que necessitam não só daajuda do professor da disciplina, mas também de AMNÉSIAtratamento com pessoal especializado. É o casodo Transtorno da Matemática que será abordado Vale ressaltar que a perda da memória é um dosbrevemente neste material com a finalidade de graves problemas para a aprendizagem, e não de-alertar os docentes e mostrar-lhes que as fronteiras vemos confundir esquecimento com amnésia. Odas metodologias não são tão delimitadas como esquecimento, como já falamos anteriormente, éimaginamos ser, pois necessita de um olhar mais um processo natural, uma espécie de esvaziamen-ampliado dos que dela fazem uso como instru- to dos nossos arquivos, para ceder lugar a novosmento não apenas facilitador da aprendizagem, registros. Temos a impressão de que apagamos,mas também alavancador da construção do co- deletamos a informação, mas ela está lá, arquiva-nhecimento. da no pré-consciente ou inconsciente. Basta uma palavra chave, uma música, um cheiro, enfim, alguma coisa que funcione como o “abrir arquivo”, e a informação ressurge. TEMA 13 Já a amnésia é patológica e varia conforme sua extensão, podendo ser geral (quando o indivíduo TRANSTORNO DA MATEMÁTICA esquece todos os fatos de sua vida) e parcial (quando o indivíduo esquece determinados acon-É também conhecido como Discalculia. Não é rela- tecimentos e lembra outros).cionado à ausência de habilidades matemáticas Existem outras classificações de amnésia segundobásicas, como contagem, mas à forma com que a a sua duração. A retrógrada, quando o indivíduocriança faz associações, analogias com o contexto esquece todo o seu passado. A amnésia lacunar,em que está inserida. O Transtorno da Matemática, quando apenas parte da vida é esquecida. Ocor-segundo o DSM-IV, é caracterizado por: re, principalmente, com fases traumatizantes da1. A capacidade matemática para realização de ope- existência do indivíduo, daí os desmemoriados de ração aritmética, cálculo e raciocínio matemático guerra, que não lembram o que ocorreu nos cam- encontra-se substancialmente inferior à média espe- rada para a idade cronológica, capacidade intelec- pos de batalha; fica uma lacuna, um espaço em tual e nível de escolaridade do indivíduo. branco na memória, quebrando a continuidade das lembranças. Isso ocorre devido à dor psíquica,2. As dificuldades da capacidade matemática apresen- tadas pelo indivíduo trazem prejuízos significativos causada pelas lembranças, ser tão grande que se em tarefas da vida diária que exigem tal habilidade; torna insuportável.3. Em caso de presença de algum déficit sensorial, as A amnésia acidental é um outro tipo e ocorre de- dificuldades matemáticas excedem aquelas conside- vido a acidentes com traumatismo craniano ou pe- radas mais comuns. la dor psíquica que, em níveis insuportáveis, acaba 28
  • 22. Metodologia do Estudo – As dimensões da aprendizagem e o ensino da matemáticapor acionar os mecanismos de defesa do indiví-duo. Apagam-se as lembranças para apagar a dor.Há um outro tipo de amnésia considerada natural,devido ao envelhecimento do cérebro. É comum oidoso esquecer os fatos recentes, a memória ante-róloga é prejudicada. Daí porque o passado é exal-tado (No meu tempo...).Finalmente, vale trazer à tona o conceito poucodiscutido da paramnésia – espécie de pseudome-mória. O indivíduo lembra-se de fatos que, na real-idade, nunca vivenciou. Vê um objeto novo, eparece-lhe que já o tinha registrado na memória.Vê as pessoas desconhecidas e tem a sensaçãode que já as conhece de longos tempos. É adenominada ilusão do “já visto” ou “fenômeno dojá visto”. A paramnésia é polêmica devido à falta,ainda, de uma explicação científica para tal, sendoclassificada como patológica por alguns teóricos ecomo “lembranças de vidas passadas” pelosadeptos da parapsicologia. 29
  • 23. UNIDADE IVMetodologia do estudo na universidade
  • 24. Metodologia do Estudo – Metodologia do estudo na universidade devem ser considerados na organização do estu- do, para a construção de hábitos positivos de es- TEMA 15 tudo. Dentre os elementos condicionantes do estudo, destacam-se: tempo, material, local ou O QUE É ESTUDAR ambiente e a organização para a aula, que inclui aEstudar pressupõe uma ação, individual ou em preparação, a postura do estudante durante a aulagrupo, de inter-relação com o conhecimento pro- e a revisão da aula. Outro elemento a ser consider-duzido pela humanidade. Envolve, ainda, análise ado é o trabalho em grupo.crítica da realidade, buscando, muitas vezes, com-preendê-la, desmistificá-la ou modificá-la. Tenta- Será que você que entrou agora na UEA sabese, assim, encontrar soluções para os problemas orientar os seus estudos particulares? Sabesociais enfrentados, criando e reinventando cien- como participar ativa e produtivamente dastificamente o mundo. aulas? Enfim, sabe com adquirir autonomia no seu estudo? Sabe como trabalhar em equipe?Essa ação requer uma aplicabilidade da inteligên-cia, construída por processos de reflexões de en-frentamento com o mundo, que se convergem na 1. Planejamento e tempopostura crítica do estudante, no que diz respeito àhumildade, ao diálogo com o conhecimento pro- Alguns alunos consideram inócuo pensar noduzido e seus autores, à tomada de consciência planejamento do tempo com tantos afazeresenquanto sujeito do ato de estudar e à responsa- pessoais e de trabalho. Justificam esse pensa-bilidade com a aplicabilidade do conhecimento mento com a dificuldade de planejar suas pró-aprendido (FREIRE, 1987). Como processo intermi- prias vidas, a partir de um mundo globalizadonável, estudar caracteriza-se ainda pela seriedade onde o ser humano tem de dar contar de múlti-e curiosidade de quem estuda, na socialização do plas atividades no seu cotidiano. No entanto oconhecimento, numa troca dialógica do aprendiza- planejamento do próprio tempo e de suas ativi-do, trabalho este nada fácil (FREIRE, 2001). dades é essencial para destacar o que é priori- tário, além de servir de auxílio no limite das suas Estudar corresponde a trabalhar. É trabalho possibilidades, inclusive para que outras pes- duro, penoso e exaustivo. Exige empenho res- soas respeitem o tempo destinado ao estudo. ponsável e dedicação generosa. Conseqüen- temente, pressupõe sacrifícios e escolhas Se você não consegue planejar o seu tempo conscientes. Quem de fato quer estudar deve de estudo e de pesquisa, nenhuma Metodo- estabelecer uma hierarquia de valores em sua logia do Trabalho será suficiente para a sua vida (MATOS, 2001, p.15). aprendizagem. Nesse sentido, há dois espa- ços de tempo necessários: o de freqüência àsQuando o estudo é realizado na Universidade, de- aulas e o de estudos particulares (RUIZ, 1996).vem-se considerar alguns elementos na sua orga-nização, pois fazer um curso superior não é sim- O primeiro passo consciente no planejamentoplesmente ouvir as aulas, anotá-las e reproduzi-las do tempo é separar as atividades essenciais dasem testes e provas. Na Universidade, é primordial atividades não-essenciais. Para isso, é precisoinstrumentar-se para o Trabalho Científico. Isso sig- que você reconheça as suas atividades cotidi-nifica que terá feito um bom curso superior não anas, por meio da sistematização de uma agen-aquele que foi capaz de repetir o que aprendeu, da diária, para que você possa analisar as suasmas que, diante de problemas completamente prioridades no que diz respeito ao estudo.novos da realidade (vida), tiver nível e método para Outro item importante é o tempo a ser reserva-empreender um estudo sério e profundo sobre do ao estudo. “Toma-se por regra que o total deesses problemas. horas reservado ao estudo não seja inferior aoA construção de uma responsabilidade e autodis- conjunto de tempo de aula, que significa con-ciplina em relação aos estudos é uma tarefa de difí- cretamente ter cada dia pelo menos três horascil realização; por isso, há alguns elementos que dedicadas ao trabalho intelectual” (MATOS, 2001, 33
  • 25. UEA – Licenciatura em Matemática p.22). Já João Álvaro Ruiz (1996) estabelece o O silêncio é precioso; aconselha-se não ligar tempo mínimo para os estudos particulares de a TV ou aparelhos sonoros, pois isso ajuda a 30 minutos diários, tendo em média 3 horas e obter uma boa concentração ao estudar. En- meia por semana. De qualquer forma, é impre- fim, cada um deve averiguar suas próprias scindível que haja pequenos intervalos entre 5 a condições de concentração para criar uma 15 minutos em cada hora de estudos intensivos, “[...] ‘zona de silêncio’ que o capacite para para relaxar a mente e haver maior rendimento o trabalho intelectual” (MATOS, 2001, p. 17). no aprendizado. 4. Preparando, vivenciando e revisando a aula O tempo de estudo serve para: A aula sempre é vista no momento de sua reali- a) Rever os assuntos trabalhados na aula pelo pro- zação com o professor. A princípio, o aluno pen- fessor. sa que deve apenas concentrar-se neste mo- b) Preparar-se para as próximas aulas, com autono- mia de pesquisa em determinados temas. mento, quando muito revisando o assunto antes c) Realizar pequenos trabalhos, como esquemas, ou de um exercício de verificação. Este entendi- trabalhos mais elaborados, como resenhas e mo- mento restrito sobre a aula limita a ação do es- nografias. tudante. Nessa relação com o tempo, é importante que o É lógico que o tempo em que o aluno assiste à aluno conheça o seu limite quanto à sua capaci- aula é precioso e vital, devendo ser intensa- dade de concentração e de aprendizagem, pois mente aproveitado, tendo em vista os hábitos as sugestões existentes não se generalizam em positivos a serem cultivados. regras para todos os casos. Postura do aluno na sala de aula:2. Organizando o material ou instrumental de a) Manter-se em silêncio, sobretudo o silêncio inte- estudo rior. Não basta ter tempo de estudo, é preciso orga- b) Aguçar a sua atenção, esforçando-se para reter as nizar o material destinado a estudar. Primeiro, é informações, mediante o exercício da compreen- necessário ter objetividade ao estudar. Muitos são e reflexão. alunos se perdem na seleção do material para c) Anotar os dados relevantes e as idéias centrais das estudar um determinado assunto, ou ainda que- temáticas da aula. rem estudar vários assuntos ao mesmo tempo, d) Dialogar e questionar as dúvidas, as premissas e o que causa uma desorganização e perda de as inserções colocadas pelo professor. tempo. Deve-se selecionar somente o impres- Antes da aula, há o momento de sua prepa- cindível: nada de revistinhas, bugingangas, ali- ração, quando o aluno deve pesquisar sobre o mentos, principalmente se forem líquidos, ou assunto a ser trabalhado na aula, pois este con- quaisquer outros objetos que distraiam a mente. teúdo a ser desenvolvido é o ponto de partida Sempre é importante um bom dicionário, papel, para o estudo. Ao pesquisar sobre o assunto fichas, caderno, lápis, borracha, caneta, marca- que ainda será objeto de discussão da aula, o dor de texto, régua, cola, clipes, grampeador, aluno pode não apenas notar as suas dúvidas etc. acerca do tema, mas abrir um espaço maior Quanto aos livros ou textos, estes devem ser para um aprofundamento por meio do debate previamente selecionados de acordo com o com o professor em sala de aula. Quando o assunto a ser aprofundado para que não haja aluno não realiza essa pesquisa preliminar, confusão no momento do estudo. recebe, com maior passividade, as informações3. Determinando o local ou ambiente de estudo do professor, ou ainda, quando manifesta dúvi- As condições ambientais podem servir como es- das, expõe-na, em sua maioria, no nível de tímulo para o estudante quando o espaço é tran- senso comum. qüilo, silencioso e privativo. O lugar deve ser Outro fator importante a favor da preparação sossegado, bem arejado, iluminado (seja de dia prévia para a aula é o conjunto de relações que ou de noite). são estabelecidas com as informações novas. 34
  • 26. Metodologia do Estudo – Metodologia do estudo na universidade Ao debater o que foi pesquisado com o profes- sor no momento da aula, há maiores possibili- TEMA 16 dades de reelaborar o conhecimento através das discussões e das exposições na sala. A DIVERSIDADE DO CONHECIMENTO: Finalmente, ao revisar a aula, o aluno deve-se DISCIPLINARIDADE, INTERDISCIPLINARI- propor a repensar os tópicos que foram desen- DADE E TRANSDISCIPLINARIDADE volvidos, pois neste momento, há a possibili- A dinâmica de produção do conhecimento cientí- dade de releitura e compreensão de detalhes fico é caracterizada incessantemente pela cons- importantes que não foram bem esclarecidos ou trução e reconstrução do saber construído, enfati- destacados durante a aula, complementando-a zando um conhecimento-processo, diferenciando- com pesquisas auxiliares. se de um conhecimento-estado: limitado, restrito, fragmentado e isolado. Desse modo, não há um “Revisar é reconstruir, de preferência mental- único conceito sobre o conhecimento, este é diver- mente, os conteúdos de aula. Esta recons- so e apresenta-se de diferentes maneiras a partir trução cumpre o ideal de estudar pouco, da sua própria historicidade e das interpretações, durante muito tempo, evitando desgastes físi- linguagens, abordagens, práticas e sistematiza- cos e emocionais, economizando assim noi- ções de quem se utiliza para interligar os saberes tes em claro em vésperas de provas” (BASTOS; produzidos pela humanidade. KELLER, 2000, p. 37). Tanta diversidade pode ser organizada em campos paradigmáticos da disciplinaridade, interdiscipli- Neste sentido, a revisão serve para: naridade e transdisciplinaridade, que correspon- a) Conhecer os conceitos imprescindíveis à com- dem a concepções de conhecimento fundamenta- preensão da matéria. das nas visões sobre a realidade e o modo de conhecê-la. b) Decodificar termos e vocábulos técnicos contidos nos textos. 1. Disciplinaridade c) Rever, organizar e/ou reorganizar os apontamen- A disciplinaridade, seja como forma de pensa- tos feitos durante as aulas. mento ou organização, fundamenta-se no para- d) Ler os textos complementares e fazer os traba-lhos digma da disciplina, cuja origem positivista e exercícios didáticos. apresenta uma visão de mundo fundamentada em Descartes e Newton, que associam o empi-5. Trabalhando em grupo rismo à lógica formal. Nesse sentido, disciplina Na Universidade, os trabalhos de grupo podem significa ciência ou ainda um ramo especializa- ser aqueles tanto dirigidos para o estudo, em do do conhecimento, que deve ser transmitido que os estudantes se reúnem para aprofundar às novas gerações, através da escola, num todo um tema ou realizar um trabalho solicitado pelo organizado linear, fragmentado e atomizado, professor, quanto para a pesquisa e as ativida- traduzido em conteúdo escolar. des de extensão, em que os estudantes ingres- Disciplina (ciência), entendida como conjunto sam em determinados projetos orientados pelo específico de conhecimento de característi- menos por um professor. cas próprias, obtido por meio de método Para os estudos em grupo, aconselha-se que o analítico, linear e atomizador da realidade, produz um conhecimento aprofundado e par- número de componentes não exceda a cinco celar (as especializações). Ela corresponde, pessoas, “[...] dada a facilidade de dispersão e portanto, a um saber especializado, ordena- ‘parasitismo’ ” (BASTOS; KELLER, 2000, p.37). Ainda, do e profundo que permite ao homem o cada grupo deve ter um coordenador para dire- conhecimento da realidade, a partir de espe- cionar os trabalhos e cobrar a responsabilidade cificidades, ao mesmo tempo em que se dei- dos demais membros da equipe. xa de levar em consideração o todo de que 35
  • 27. UEA – Licenciatura em Matemática faz parte. Disciplina e Ciência, portanto, cor- mento, que se aprofunda numa discussão teóri- respondem-se e têm como elemento básico ca na década de 70 sobre o papel humanizador a referência e o estudo de objetos de uma da ciência, cuja força motriz foi o debate sobre a mesma natureza (LÜCK, 2000, p.37-38). totalidade. Não só como concepção, mas como prática O movimento da interdisciplinaridade surge organizacional, a disciplinaridade pode ser en- na Europa, principalmente na França e na tendida como um movimento de afirmação do Itália, em meados da década de 1960 [...], conhecimento científico que quer solidificar-se época em que insurgem os movimentos estu- como tal, separando-se dos demais tipos de dantis, reivindicando um novo estatuto de uni- conhecimento: religioso, popular (vulgar, senso versidade e de escola [...] através do compro- comum) e filosófico. É a separação entre a ciên- misso de alguns professores em certas uni- cia e a magia, numa busca de identidade da versidades, que buscavam, a duras penas, o primeira, caracterizada pela divisão e especia- rompimento a uma educação por migalhas lização dos saberes. (FAZENDA, 2002, p.18). É nesse prisma que a disciplinaridade apresen- Um dos principais precursores da interdiscipli- ta-se com os seguintes pressupostos: naridade foi Georges Gusdorf que apresentou à a) A compreensão de um universo mecânico com- Unesco um projeto nesta perspectiva em 1961. preendido pelas relações de causa e efeito, expli- No fim dos anos 60, a idéia sobre interdiscipli- citadas pela mecânica newtoniana. naridade chega ao Brasil com diversos equívo- b) A possibilidade de compreender a realidade a par- cos teóricos, expondo-a numa vitrina pedagógi- tir do estudo quantificado de partes isoladas para ca como se fosse a moda do momento, princi- chegar ao entendimento do todo. É a fragmenta- palmente para as reformas educacionais do ção do conhecimento. período de 1968 a 1971. c) A absolutização da verdade, assim como a sua objetividade e existência independente do homem. Um dos primeiros estudos sérios sobre o tema d) A ciência como produtora da verdade e o seu co- foi desenvolvido por Hilton Japiassu, em 1976, nhecimento tido como neutro. com a obra “Interdisciplinaridade e patologia do e) A adoção do método científico para dar significado saber”, em que expõe as controvérsias acerca à matéria, caracterizado pela experimentação e da interdisciplinaridade enquanto linguagem medição do objeto, para garantir a objetividade e a única para a comunicação entre as ciências e a generalização do estudo. metodologia interdisciplinar, expostas num pro- jeto de investigação interdisciplinar. O conhecimento, numa perspectiva disciplinar, fragmenta a realidade em subconjuntos. Orga- Existem, tanto em Japiassu quanto em nizado em disciplinas, cria diferentes campos Gusdorf, indicações detalhadas sobre os cui- científicos, muitas vezes ambíguos e dicotômi- dados a serem tomados na constituição de cos que por vezes se justapõem ou se sobre- uma equipe interdisciplinar, falam da neces- põem em saberes dissociados. Nessa perspec- sidade do estabelecimento de conceitos-cha- tiva, a prática também se torna setorizada e iso- ve para facilitar a comunicação entre os mem- lada de outros condicionantes sociais. bros da equipe, dizem das exigências em se delimitar o problema ou a questão a ser de-2. Interdisciplinaridade senvolvida, de repartição de tarefas e de co- A interdisciplinaridade é pensada a partir da municação de resultados (FAZENDA, 2002, p.25). crítica sobre o conhecimento produzido e orga- nizado numa perspectiva disciplinar. Tecendo A década de 80 é marcada pelas explicações dúvidas à epistemologia particular, busca supe- teóricas a partir das experiências reais, cujo do- rar a dicotomia entre ciência/existência, objetivi- cumento mais significativo foi: “Interdisciplinari- dade/subjetividade, acerto/erro. Trata-se de um dade e ciências humanas” (1983), elaborado movimento, a princípio, contra a estrutura disci- por Gusdorf, Apostel, Bottomore, Dufrenne, plinar de produção e divulgação do conheci- Mommsen, Morin, Palmarini, Smirnov e Ui. O 36
  • 28. Metodologia do Estudo – Metodologia do estudo na universidadedocumento aborda as interfaces de comuni- gradas, criam-se slogans, apelidos, hipótesescação e inter-relação entre os diversos conheci- de trabalho, muitas vezes improvisados e im-mentos, buscando unificar as ciências. pensados” (FAZENDA, 2002, p.34). São práticas queNo final da década de 90, Edgar Morin e outros se colocam como científicas (sem o ser), reafir-com a obra: A religação dos saberes: o desafio mam a dicotomia teoria/prática e configuram-sedo século XXI aprofunda pressupostos científi- no pólo da experiência sem reflexão teórica.cos numa perspectiva interdisciplinar, em vistas Verifica-se que, como tema complexo, a interdis-à teoria da complexidade: “Não basta enunciar ciplinaridade apresenta os seguintes pressupos-as necessidades de contextualizar e de religar tos:os saberes; é preciso ainda encarar os méto- Quanto à óticados, instrumentos, operadores e conceitos ! realidade é construída mediante uma teia de even- Aaptos a produzir essa reunião” (MORIN et al, 2002, tos e fatores com conseqüências encadea-das ep.21). recíprocas.Essa pequena contextualização serve para elu- ! realidade é dinâmica, tudo está em contínuo mo- Acidar o porquê da existência de equívocos teóri- vimento, sendo construída socialmente.cos acerca da interdisciplinaridade. No Brasil, ! verdade é relativa e a realidade não tem significa- Amuito já se fez com a justaposição de antigas do próprio, precisando da atribuição humana.práticas com a denominação interdisciplinar, po- Quanto ao métodorém sem romper com o paradigma da discipli- !Um único fenômeno se caracteriza pelo estudo dasnaridade. Se a interdisciplinaridade se constitui forças interativas que o interligam em váriasnum novo modelo de se conceber as ciências e dimensões.as suas inter-relações, não se pode condensá-la ! construção desse conhecimento processa-se por Anum modelo de organização ainda pautado na estágios e etapas de maturação de consciência.estrutura disciplinar. Há de se construir essa ! realidade é una com aspectos interdependentes. Ainter-relação numa estrutura interdisciplinar que, ! conhecimento é uno e as diversas ciências pren- Opor sinal, não se encontra pronta e acabada. dem-se umas às outras por vínculos de profunda afinidade. Há na literatura indicação do que não é inter- ! conhecimento produzido sempre é parcial e limi- O disciplinaridade, como alerta para se evitar tado, necessitando ir além dessa limitação. que se usem as velhas práticas com nova de- !Tudo está relacionado com tudo, pois tudo tem a sua nominação. Aponta-se que ela é erroneamen- duplicidade. te confundida com: ! trabalho cooperativo e em equipe; 3. Transdisciplinaridade ! visão comum do trabalho, pelos participan-tes A transdisciplinaridade deve ser compreendida de uma equipe; como avanço da práxis interdisciplinar, funda- ! integração de funções; mentada na teoria da complexidade. A comple- ! cultura geral; xidade caracteriza-se pela necessidade de esta- ! justaposição de conteúdos; belecer uma rede de relações com as partes ! adoção de um único método de trabalho por que integralizam a totalidade nos processos de várias disciplinas (LÜCK, 2000, p.54). formação cognitiva, por meio dos múltiplos as- pectos na sistematização do pensar/agir.Outro erro é pensar que a interdisciplinaridade érealizada com a sistematização de diversas ex- O pensamento não é estático, indica movi-periências sem fundamentos, reflexões e apro- mento; e é este ir e vir que permite a criaçãofundamentos teóricos das ações realizadas. Tal e com ela a elaboração do conhecimento. É oproliferação de experiências educacionais intui- que justifica o rompimento do sujeito com otivas marca a década de 90 no Brasil, que com pensamento linear e reducionista presente noo pressuposto de romper com a dicotomia teo- paradigma da simplicidade, privilegiando naria/prática e “em nome da interdisciplinaridade atualidade, o paradigma da complexidadeabandonam-se e condenam-se rotinas consa- (PETRAGLIA, 2001, p. 69). 37
  • 29. UEA – Licenciatura em Matemática A idéia de complexidade, por mais que tenha cada uma. Já por “transdisciplinaridade” sua origem dispersa, tem com Edgard Morin, entende o intercâmbio e as articulações entre por meio dos fundamentos de G. Bachelard elas. Na transdisciplinaridade, há a superação e em O novo espírito científico e nas teorias da o desmoronamento de toda e qualquer fronteira informação e cibernética de Shannon e Warren que inibe ou reprime, reduzindo e fragmentando Weawer (anos 50), uma identidade de constru- o saber e isolando o conhecimento em ter- ção do pensamento complexo, tanto pela inter- ritórios delimitados. disciplinaridade quanto pela transdisciplinari- Diante disso, o desenvolvimento das atividades, dade. ligado às pesquisas científicas, necessita da Para Edgard Morin, o mundo e a realidade em si integração multidisciplinar e interdisciplinar são complexos, e a complexidade significa reli- associada aos processos metodológicos que gar, tecer junto, metamorfosear conhecimentos otimizem a produção do conhecimento, “[...] de campos de saberes disciplinares. “Poder-se- que privilegia a conjunção transdisciplinar, que ia afirmar com convicção que, se um tal sistema transpõe as fronteiras do isolamento e do redu- de idéias é reconhecido por vários especialistas cionismo do saber, que o fragmenta e o inibe” como uma ‘transposição’ de cada uma de suas (PETRAGLIA 2001, p.16). áreas, é porque as contém a todas e, portanto, Assim, são necessárias todas as técnicas que é tout court, transdisciplinar, complexo, aberto” proporcionem uma melhor desenvoltura nos (ALMEIDA, 1997, p. 33). processos ligados ao conhecimento, ou seja, de A complexidade deve ser compreendida a partir como devemos estabelecer as prioridades para de três princípios. O primeiro, a Dialógica, impli- as considerações em torno do ato de estudar, ca expor que em tudo há uma troca, uma duali- por meio dos pressupostos necessários para o dade na unicidade, uma simbiose e não uma processo analítico de sistematizar a ação neces- oposição, como aparenta existir: ordem e desor- sária, a ser impressa, para se obter o máximo de dem, natureza e cultura, homem e sociedade aproveitamento nos estudos para o verdadeiro são concomitantes, antagônicos e complemen- conhecimento/ação. tares, pertencentes à unidade. O segundo princípio é o da Recursividade Organizacional que “[...] nega a cadeia linear TEMA 17 causa-efeito, produtor-produto, infra-estrutura- superestrutura e fundamenta a idéia de que a causalidade é necessariamente recursiva, de FONTES DE CONSULTA USUAIS modo que uma causa produz um efeito, que se E DISPONÍVEIS NA UNIVERSIDADE torna causa novamente, e assim sucessiva- Grande parte dos estudantes que ingressam na mente” (ALMEIDA,1997, p.33). Universidade pensa que deve apenas receber uma O terceiro princípio está na relação entre todo e gama de informações dos professores, dentro de parte, onde o todo não é a junção das partes e uma estruturação curricular do curso. Poder-se-ia esta pertence ao todo que também está na afirmar que estes são estudantes que, ao termina- parte. rem o curso superior, passaram pela Universidade, Enquanto que na interdisciplinaridade há as mas não viveram intensamente o que ela represen- fronteiras entre os saberes, na transdisciplinari- ta. Não se trata apenas de assistir às aulas e dade estas não mais existem, e o conhecimen- preparar-se para elas, estudar para os exames e as to, assim como a ciência, só podem oferecer provas e passar pelas disciplinas. suas contribuições para a humanidade nesta A postura de um estudante universitário vai além perspectiva transdisciplinar. Petraglia (2001, p. dos tradicionais bancos escolares, requer a real- 74) define “interdisciplinaridade” como colabo- ização de diversos trabalhos individuais e em ração e comunicação entre as disciplinas, guar- grupo, o que o predispõe a diferentes consultas e dadas as especificidades e particularidades de intervenções à realidade, cujas principais são: 38
  • 30. Metodologia do Estudo – Metodologia do estudo na universidade1. O uso da biblioteca manência na cidade, manutenção de sua sobre- vivência, idas a bibliotecas e horas disponíveis pa- O ingresso no curso superior requer a utilização ra o seu uso. da biblioteca. No entanto o seu uso não pode acontecer de forma intuitiva e fortuita, sem que c) Chegando à Biblioteca – O estudante enfrenta alguns desafios para o acesso à biblioteca: desco- haja uma preocupação com a postura metodo- nhece o bibliotecário; falta de cadastro para em- lógica investigativa do estudante ao pesquisar. préstimo; e não sabe como consultar o tema a ser Além da dificuldade do estudante quanto ao pesquisado. Quanto ao bibliotecário, é importante tema de sua pesquisa, um dos grandes proble- que o estudante perca a timidez: deve-se apresen- mas do Estado do Amazonas reside na inexis- tar, identificando-se com a carteira estudantil, expli- tência de boas bibliotecas e em quantidade por cando o seu propósito em relação ao tema a ser municípios. Em muitos locais, não há sequer pesquisado e perguntando sobre as regras de uma biblioteca municipal, sem dizer da imensa acesso ao acervo. Sendo universitário, deve ainda dificuldade dos que moram em zonas rurais, em levar a sua confirmação de matrícula e duas fotos, comunidades ribeirinhas que, dependendo da na necessidade de fazer o cadastro para emprés- distância em relação à sede do município e das timo. condições de transporte, chegam a viajar por d) Pesquisando o tema – Há duas formas de se diri- quatro dias ou mais para ter acesso aos centros gir à biblioteca com esse propósito. Primeiro, com urbanos. Outro fato surpreendente é a desati- a bibliografia pronta, para consultar sobre a exis- vação de algumas bibliotecas nas sedes muni- tência dos livros contidos no acervo. Segundo, cipais, onde os livros ou foram perdidos ou quando não há uma bibliografia específica, o estu- ainda distribuídos para as escolas públicas, dante tem de organizá-la. descentralizando-os. Organizar uma bibliografia significa buscar Com tantos problemas, há quem pense ser aquilo cuja existência ainda se ignora. O bom inviável fazer uma pesquisa, seja pela falta de pesquisador é aquele que é capaz de entrar uma boa biblioteca ou inexistência desta na numa biblioteca sem ter a mínima idéia sobre cidade, seja pelas idéias vagas acerca do tema um tema e sair dali sabendo um pouco mais a ser pesquisado, seja pela falta de condições sobre ele (ECO, 2001, p. 42). logísticas, ambientais ou ainda econômicas e) Organizando uma bibliografia – Toda biblioteca para freqüentar uma ou mais bibliotecas. Tais que se preze tem que possuir um conjunto de peculiaridades devem-se constituir num desafio catálogos, que são organizados, em geral, por as- a ser trabalhado pelo estudante. Afinal, há difi- suntos, títulos e autoria. Há ainda catálogos anti- culdades, mas também há soluções. gos e novos de acordo com a aquisição da obra a) Pensando em pesquisar o tema – Deve-se pla- pela biblioteca. nejar um tempo para a busca do tema. Há estu- Quando não se tem a bibliografia organizada, dantes que desejam, em um mês, realizar um Tra- deve-se, primeiramente, pesquisar nos catálogos balho de Conclusão que deveria, no mínimo, ser por assuntos, que se encontram organizados em desenvolvido em dois anos. Quanto mais cedo for ordem alfabética, e anotar as obras pertinentes ao decidido o tema de sua investigação, mais tempo tema, preferencialmente em fichas, para compor o terá para planejar a pesquisa à biblioteca. Trata-se arquivo bibliográfico de pesquisa. da possibilidade de organizar a ida à biblioteca: em que período e quantas horas serão disponíveis Em seguida, de posse da lista de obras sele- para a pesquisa. cionadas, verificar a existência destas na biblio- teca. O estudante pode ainda verificar quais os b) Planejando a ida à biblioteca – Esta tem que ser autores que são mais citados nas obras para ter planejada com antecedência, sempre com datas e horário de permanência pré-estabelecidos. Se não uma indicação mais precisa das mais importantes na capital, pelo menos na cidade mais próxima para o estudo. Caso o tema não tenha sido encon- que tenha um melhor acervo. Quem mora em Eiru- trado, ainda há a possibilidade da pesquisa na nepé, por exemplo, tem uma média de dez dias de “[...] seção ou sala de Consultas, onde se encon- barco até Manaus. O estudante tem de se planejar tram as enciclopédias, histórias universais e catá- quanto à viagem, hospedagem, tempo de per- logos bibliográficos” (ECO, 2001, p.43). 39
  • 31. UEA – Licenciatura em Matemática Todo esse exercício serve para construir o rol tica, informática, imagem e movimento e assim de obras a serem estudadas, que devem ser orga- por diante. Em geral, todo laboratório tem seus nizadas no arquivo de fichas bibliográficas. Essas objetivos e regras de uso, conforme a Unidade fichas devem ser pequenas (diferentes das fichas de leitura que são de formato grande) e, de prefe- Acadêmica a que pertence, mas sempre há a rência, conter a referência à obra e poucas ano- necessidade de um projeto de pesquisa coorde- tações para o direcionamento do estudo. É um nado por um professor orientador que inter-rela- arquivo que pode servir para a construção das re- ciona a sua pesquisa com o uso do laboratório. ferências no fim do trabalho acadêmico. Esse mes- Assim, é importante que o estudante tome co- mo arquivo serve também para que o estudante possa encontrar a obra que procura, sem ter de nhecimento das regras de uso do laboratório e voltar aos arquivos da biblioteca. participe de algum projeto de pesquisa que uti- Abaixo, um exemplo de ficha para o arquivo pes- lize esse espaço. soal bibliográfico: Em educação, além de espaços reservados na Universidade, pode-se utilizar a própria sala de aula na escola como um laboratório de pesqui- sa. Nessa situação, a espacialidade é bem mais rica e pode produzir diversos resultados na ex- perimentação a ser realizada. Algumas regras de uso de um laboratório de f) Fazendo consultas interbibliotecas, a catálo- pesquisa da Universidade Federal da Bahia: gos computadorizados e fazendo empréstimos a outras bibliotecas – Há serviços que podem ser a) O laboratório é destinado exclusivamente para solicitados por meio do bibliotecário como a con- as atividades de pesquisa do usuário e só sulta ao acervo em bibliotecas que possuem um deve ser usado para tal. Assim, o usuário é sistema informatizado e o intercâmbio nacional e desencorajado a usar o espaço da sala e os internacional entre as bi-bliotecas, onde o estu- computadores para: trabalhos de disciplinas, dante pode tanto solicitar uma consulta quanto o estudos para outras disciplinas, navegação na empréstimo de uma obra, ou até mesmo solicitar Internet, leitura de e-mails, e demais atividades cópia da mesma. que não tenham relação com a pesquisa. b) O laboratório é destinado exclusivamente para Finalmente, a biblioteca é um espaço de pes- a parte da pesquisa que necessita do uso do quisa onde não se permite fumar, ingerir alimen- computador. Assim não são: tos ou conversar. Como santuário de estudo, i. Reuniões (mesmo relacionadas com a pes- suas regras e acervo devem ser respeitados quisa). para que sirvam de suporte para o estudo das ii. Orientações com os professores. futuras gerações. c) Cada usuário terá um horário de uso prioritá-2. O uso de laboratórios de pesquisa rio que deve ser informado ao coordenador. Neste horário, ele terá garantia de equipamen- Os laboratórios de pesquisa têm grande im- to. Todos devem respeitar os horários priori- portância na Universidade por se tratar de um tários e ceder sua máquina quando estiver fora espaço onde se realizam experiências num am- do horário prioritário para um colega que che- biente controlado. Possuem a coordenação de gue no horário estipulado. um professor (responsável pelo laboratório) e d) A mesa do laboratório deve ser usada para orientação de professores que estejam vincula- estudo relacionado à pesquisa. dos a projetos de pesquisa. Os estudos resul- e) Evite comer e/ou beber no laboratório. tantes das pesquisas em laboratório devem sub- f) Nenhum equipamento pode sair do laboratório sidiar as práticas na realidade. sem o conhecimento do coordenador. Pode-se pensar em diversos tipos de labora- g) Mantenha o laboratório arrumado e limpo. tórios na educação: leitura e escrita, de matemá- 40
  • 32. Metodologia do Estudo – Metodologia do estudo na universidade3. Oficinas de estudo A Internet oferece uma imensidão de pesquisas nos chamados não-lugares, pois apresenta São espaços criados dentro da Universidade tudo, desde sites de busca, comerciais, organi- para o aprofundamento de temas específicos e zacionais a governamentais. Como uma espa- produção acadêmico-científica. As oficinas são cialidade nova e ferramenta de pesquisa no desenvolvidas geralmente por temas de interes- mundo inteiro, da mesma forma que há sites se, e os interessados da comunidade acadêmi- interessantes, como bibliotecas de diversas ca podem inscrever-se ou ainda sugerir deman- universidades, há outros que não condizem das de criação desses espaços. com o rigor científico de tratamento a um deter- Um exemplo de oficina de estudo é o PROES- minado tema. Assim, cabe ao estudante procu- TUDO da Universidade Federal de São Carlos rar, pesquisar com olho clínico e com criticidade (2003), que cria oportunidades para o desenvol- os documentos na web. vimento de habilidades de estudo por meio de Quando não se sabe o endereço certo para atividades práticas oferecidas na forma de ofici- pesquisar alguma informação, o ideal é utilizar nas de estudo, realizadas em função de deman- os sistemas de busca na Internet, que são das apresentadas ao programa, por diferentes acionados por um motor de busca. Entre os usuários (aluno, grupos de alunos, entidades sites de consulta mais completos (com textos, estudantis, coordenações de curso, etc). Estão livros inteiros, imagens e outros dados) pode-se disponíveis, nesse programa, as seguintes ofici- aconselhar a navegação pelo Google. nas: “Escolha e uso de agenda como recurso de planejamento” e “Escolha, adaptação e uso O motor de busca é uma espécie de catálogo de local de estudo”. Outras oficinas estão sendo mágico. Mas, diferente dos livros de referên- ou podem ser desenvolvidas a partir de deman- cia comuns, nos quais está acessível a infor- das encaminhadas ou identificadas. mação que alguém organizou e registrou, o catálogo do motor de busca está em bran-4. Uso da Internet co, como um livro vazio. Ao se realizar uma A criação da Internet, a princípio, suscitou uma consulta, a lista de ocorrência de assunto é aversão dos professores pela chamada “compe- criada em poucos segundos por meio do tra- tição” aos livros, já que os estudantes poderiam balho de um conjunto de softwares de com- retirar seus trabalhos das páginas navegadas na putador, conhecidos como spiders (aranhas), web, com rapidez e sem o trabalho da digitação. que vasculham toda a Web em busca das No entanto esse temor inicial serviu para que ocorrências de um determinado assunto em muitos professores repensassem o seu cotidia- uma página. Ao encontrar uma página com no em sala de aula e aperfeiçoassem os tipos de muitos links, os spiders embrenham-se por trabalho solicitados, modificando inclusive cer- eles, conseguindo, inclusive, vasculhar os di- tos conceitos avaliativos acerca dos temas estu- retórios internos – desde que eles sejam pú- dados. blicos, ou seja, tenham permissão de leitura para usuários – dos sites nos quais estão tra- A Internet é um conjunto de redes de com- balhando. Motores de busca muito refinados putadores interligados no mundo inteiro, per- são capazes de saber exatamente que atual- mitindo o acesso dos interessados a milhares izações há em um site usando esse método de informações que estão armazenadas em de scanner (SEGREDOS DO GOOGLE, 2004, p.7). seus websites. Permite a seus interessados navegar por essa malha de computadores, Não apenas nas página s da Internet, o correio podendo consultar e colher elementos infor- eletrônico serve como canal de comunicação e mativos, de toda ordem, aí disponíveis. troca de idéias acerca de um determinado tema, Permite ainda aos pesquisadores de todo o o que é muito salutar. Há também as salas de planeta trocar mensagens e informações, debates no mundo inteiro, onde diversos assun- com rapidez estonteante, eliminando assim tos são discutidos. Contudo deve-se ter cuidado as barreiras de tempo e de espaço (SEVERINO, com os vírus e os invasores dos sistemas, seja 2002, p. 133-134). nos sites ou por meio dos correios eletrônicos. 41
  • 33. UEA – Licenciatura em Matemática Termos usados na Internet: ! www – world wide web (rede mundial de computadores). ! http – protocolo de transporte de hipertexto. ! sites – endereços na Internet.5. Fontes externas de consulta As fontes externas são imprescindíveis para o estudo na Universidade e apresentam-se com múltiplas funções, seja na complementa- ção de estudos teóricos, na contribuição pa- ra a modificação de uma realidade, seja para o crescimento cultural e intelectual dos estudan- tes. As fontes externas complementam os es- tudos inclusos na Universidade. São, ainda, o olhar da Universidade para a sociedade, mate- rializado nas atividades de extensão, nas visitas a museus, exposições, arquivos públicos e par- ticulares, feiras científicas e culturais. 42
  • 34. UNIDADE VProdução do conhecimento
  • 35. Metodologia do Estudo – Produção do conhecimento Para que o método esteja relacionado com o mo- TEMA 18 do de fazer ciência, exige-se rigor, consistência lógica, coerência de procedimentos racionais para que se possa chegar à verdade das coisas. MÉTODO DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA – A SINGULARIDADE, Em que sentido então, o método científico difere A ABRANGÊNCIA DO CONCEITO, dos demais métodos? Talvez a melhor maneira A CLASSIFICAÇÃO E A APLICABILIDADE para responder a esta questão seja recorrendo ao senso comum, isto é, àquilo que nos ocorre paraO termo método tem sua origem na palavra grega resolver, de forma prática, no dia-a-dia, nossas difi-methodos, que significa caminho para chegar a um culdades e afirmar: “tenho um método particularfim. Esta palavra é freqüente em nosso vocabu- para resolver essa questão!”. Ou, ainda: “vou re-lário, seja quando nos expressamos em linguagem solver isto à minha maneira, com os meus próprioserudita, seja quando nos expressamos em lingua- métodos!”. Como se pode observar, a verdade e ogem menos formal, em nosso cotidiano. Nas nos- método de cada um diferem, substancialmente, da verdade e do método científico porque tanto a ver-sas reflexões, nos momentos de sistematização dade quanto o método, próprios da ciência, pre-de nossas experiências, nas formulações de estra- tendem ser únicos e universais. Por isso, para quetégias para superação de dificuldades ou desco- uma verdade científica seja reconhecida como lei,nhecimento, ou mesmo para explicar as coisas é necessário que tenha sido obtida com rigor, commais simples do mundo em que vivemos, nós re- demonstração a todo tempo das provas que a sus-corremos, portanto, a um método para alcançar os tentam, e só enquanto sustentada por estes requi-resultados desejados. sitos é que goza o estado de lei universal, ou ver-A idéia de caminho é interessante para o nosso dade universal. Por exemplo: enquanto não ficou provado que a Terra movia-se ao redor do Sol,entendimento, porém não podemos entendê-la acreditava-se que ela era plana, parada e única.apenas como algo já construído, mas também co- Para a fé, basta acreditar. Para o senso comum,mo caminho que se prolonga, que se constrói basta parecer verdadeiro. Para a ciência, são ne-a partir de alguma coisa já dada como existente. cessários método, prova e resultados incontes-Por esta razão, é que o verbete “método”, nos táveis, até se que prove ao contrário por meio dodicionários, comporta várias acepções. A que nos próprio método de fazer ciência. Como a busca dainteressa, neste momento, é a noção de método verdade não se esgota, se voltarmos à idéia decomo meio para se chegar ao conhecimento cien- método como caminho, podemos formar uma ima-tífico. E nessa acepção, o método é singular como gem dinâmica do caminho, do passo firme e deci-forma para conhecer as coisas em profundidade. dido para o avançar do caminheiro que, nas buscaChegamos, então, à regra de ouro de nosso de conhecimentos, a partir de certo ponto, abreaprendizado sobre o método: não pode haver novas veredas que mais tarde se tornam novos caminhos. A metáfora do caminho e do caminheirociência sem método, pois é este que funda o ajuda-nos a traçar um mapa geral das ciênciasconhecimento científico. É por meio dele que ex- enquanto esforço humano para conhecer o des-perimentamos a forma de conhecer, de como conhecido.organizar o conhecimento que constituirá objetode busca e finalidade das ciências em geral e de Há métodos de prova, de composição, de pro- gresso social, de terapia, de ensino, como os hácada uma em particular. para a fraude, a evasão, a guerra, a simulação eConsiderando esta singularidade do método cien- o delito. Há métodos recomendáveis e métodostífico, podemos, ainda, afirmar que nem tudo que diabólicos; métodos proveitosos e estéreis;descobrimos, utilizando um método, pode ser con- todos eles por desgraça igualmente metódicossiderado como parte da ciência ou das ciências. (BUCHLER, 1961, p.16, tradução livre). 45
  • 36. UEA – Licenciatura em MatemáticaUm questionamento pode ser feito com muita pro- GALILEU GALILEI – Físico, astrônomo e ma-priedade. Considerando que o método científico temático italiano, nasce em Pisa, em 15 -11-distingue-se dos métodos de senso comum, só 1564 e falece em Arcetri, perto de Florença,existe, então, um método válido para todas as em 8-1-1642. Filho de família nobre, estudaciências? Medicina, doutora-se em Matemática e é umFalamos da singularidade do conceito de método, dos fundadores da Física como ciência.mas temos que nos reportar à sua aplicação no Leciona na Academia Florentina e na Univer-âmbito das ciências. Ao fazermos isso, constata- sidade de Pisa. Galileu faz grandes descober-mos que cada ciência vai agregando certos pro- tas no campo da Astronomia, muitas das quaiscedimentos que se ajustam melhor à busca do relatadas no livro que publicou com o título deconhecimento a que se propõem para a expli- Mensageiro Celeste. Defensor do sistemacação dos problemas que levantam. As combi- heliocêntrico, exposto por Copérnico, e dononações, o uso de técnicas de investigação e o de um diálogo fácil para propagar as novasprocesso de investigação em si terminam por esta- descobertas, Galileu assombra os poderososbelecer uma tipologia ou variações que nos levam e aguça a ira da Igreja Católica que terminaa falar não mais de um único método de investi- por condená-lo à prisão perpétua em seugação, mas em “métodos de investigação” mais castelo (condenação revista somente agoraou menos utilizados por uma ou mais ciências, pelo pontificado de João Paulo II).sem perder as características fundamentais, comoo rigor, a busca de provas e a comprovação dos Ao observar os fenômenos, Galileu descrevia osresultados. seus elementos constitutivos e, ao analisá-los, es-Apenas para rememorar, voltemos um pouco no tabelecia as relações existentes entre eles. De pos-tempo e lembremo-nos do que já conhecemos se desses elementos, ele formulava hipóteses (afir-sobre a evolução do método científico. A vontade mações feitas a priori) que iam do particular para ode conhecer é antiga, mas o aparecimento das geral, por isso chamadas de indutivas, e eramciências, como as conhecemos hoje, é recente, submetidas à verificação por meio de experiênciasum pouco mais de quinhentos anos. Foi Galileu instrumentais e de cálculos matemáticos para veri-Galilei (ver informações no próximo box) quem for- ficar se os resultados tinham mesmo consistênciamulou as diretrizes primeiras do método científico, lógica, quando necessário, e se podiam ser apli-na Modernidade, demonstrando que a experimen- cadas para todos os casos semelhantes. A issotação era o caminho por excelência para as chamava de generalização, confirmando, assim,Ciências da Natureza, o que permitia estabelecer as hipóteses iniciais, cujos enunciados, agora pro-uma ruptura com o conhecimento teológico e o vados e testados, assumiam o valor de uma Verda-conhecimento filosófico vigentes até aquele mo- de ou Lei, válida enquanto não se constituir e semento e, ao mesmo tempo, abria a oportunidade aceitar nova explicação.para conhecer e proclamar leis explicativas para os O Método Científico recebeu ampla contribuiçãofenômenos, fazendo o mundo sair do obscuran- de Francis Bacon (22-01-1561 a 09-04-1626), paratismo, da crença exagerada no sobrenatural e nas quem o conhecimento científico era o caminhofantasias que povoavam a imaginação da quase mais seguro para se chegar à verdade dos fatos.totalidade das pessoas. E foi por contrariar a ma- Suas etapas eram: experimentação, formulaçãoneira vigente de pensar, em sua época, que este de hipóteses, repetição dos experimentos, testa-precursor da ciência moderna pagou caro. O Mé- gem das hipóteses e formulação de generaliza-todo Experimental criado por Galileu começa com ções e leis.a seleção dos fenômenos, objeto de investigação, O pensamento formal e sistematizado notabilizaformando, com isso, um campo de investigação Descarte (31-03-1596/11-02-1650), autor da céle-que delimita o âmbito de um ramo do conhecimen- bre obra Discurso sobre o Método. Para ele, o co-to, seguindo-se a: observação, análise, indução, nhecimento absoluto só pode ser obtido por meioverificação, generalização e confirmação. da Razão. E para atingir a certeza das coisas 46
  • 37. Metodologia do Estudo – Produção do conhecimento(o conhecimento), devem-se seguir as seguintes Alinhando e sintetizando as idéias de Bunge,regras: Marconi e Lakatos (2000, p. 51-52) reuniram asa) a da Evidência; concepções gerais sobre o método científico e asb) a da Análise; denominaram de “Concepção Atual do Método”: oc) a da Síntese; método científico é a teoria da investigação e,d) a da Enunciação. como tal, deve cumprir as seguintes etapas: a) Descobrimento do problema.Esses aperfeiçoamentos do Método Científico ter- b) Colocação precisa do problema.minaram por se tornar dominantes e conferiram à c) Procura de conhecimentos ou instrumentos relevan-ciência o status de conhecimento superior como tes ao problema.prova de verdade expressa em leis regentes das d) Tentativa de solução do problema com auxílio doscoisas do mundo vivido e experimentado pelos meios identificados.humanos. Por essa razão, o Método Científico tor- e) Invenção de novas idéias (hipóteses, teorias ou técni-nou-se o “Paradigma Dominante”, isto é, nenhum cas) ou produção de novos dados empíricos.outro conhecimento que não seja obtido através f) Obtenção de uma solução.dele alcança a condição de Verdade, e o que está g) Investigação das conseqüências da solução obtida.fora da ciência é mera crença, senso comum, é h) Prova (comprovação) da solução.arte, dogma de fé, especulação ou visão subjetiva i) Correção das hipóteses, das teorias, dos procedi-de um fato que, por mais verdadeiro que nos mentos ou dos dados empregados na obtenção dapareça, ainda não é verdade porque não é ciência. solução incorreta. O modelo de racionalidade que preside a ciência crise do Paradigma Dominante, sobretudo com o moderna constituiu-se a partir da revolução científi- aparecimento das Ciências Sociais, da nova Física ca do século XVI e foi desenvolvido nos séculos e das revoluções do mundo contemporâneo. Fala, seguintes basicamente no domínio das Ciências ainda, dos Paradigmas Emergentes, estes que es- Naturais. [...] Sendo um modelo global, a nova ra- tão a marcar o pensamento pós-moderno. cionalidade científica é também um modelo totali- A forma de operar os métodos científicos pode ser tário, na medida em que nega o caráter racional a entendida como caminho que o pensamento faz todas as formas de conhecimento que se não pau- para atingir a verdade dos fatos e das coisas. É tarem pelos seus princípios epistemológicos e pe- com esta compreensão e com a convicção de que las suas regras metodológicas. É esta a sua carac- as transformações ocorridas nos últimos cinco sé- terística fundamental e a que melhor simboliza a culos também abalaram os alicerces do Método ruptura do novo paradigma científico com os que o Científico Dominante – o paradigma – torna-se pos- precedem. Está consubstanciada, com crescente sível falar em uma classificação para os métodos definição, na Teoria Heliocêntrica de Copérnico, existentes : nas Leis de Kepler sobre a órbita dos planetas, nas a) Método Indutivo; Leis de Galileu sobre a queda dos corpos, na gran- b) Método Dedutivo; de Síntese da Ordem Cósmica de Newton e final- c) Método Hipotético-Dedutivo; mente na consciência filosófica que lhe conferem d) Método Dialético. Bacon e sobretudo Descarte. Esta preocupação em Cada um tem a sua história de aperfeiçoamento e testemunhar uma ruptura fundante que possibilita de aplicação e não nos cabe fazer juízo de valor so- uma e só uma forma de conhecimento verdadeiro bre qual deles é o melhor ou mais adequado. O uso está bem patente na atitude mental dos protago- de cada método depende em última análise do pro- nistas, no seu espanto perante as próprias desco- blema que é levantado e o referencial teórico mais bertas e a extrema e ao mesmo tempo serena apropriado no âmbito de cada ciência. O conheci- arrogância com que se medem com os seus con- mento ou referências mesmo indiretas ao proble- temporâneos. (SANTOS, 2002, p, 10-11). Mais adiante, ma deve pesar bastante na decisão do pesquisa- Boaventura de Souza Santos vai nos falar sobre a dor para a sua escolha. 47
  • 38. UEA – Licenciatura em MatemáticaÉ importante saber que todos os métodos apre- Depois de toda essa reflexão sobre o método, assentam vantagens e desvantagens que podem ser suas variações e as técnicas mais usuais empre-aproveitadas pela crítica para fortalecer o seu uso, gadas na pesquisa, podemo-nos inquirir nova-aperfeiçoamento ou a sua aplicabilidade. mente: como poderemos denominar esse tipo deNão há como negar que um traço distintivo entre reflexão discursiva? Uma só palavra é a respostaos tipos de método que acima enumeramos ocor- correta: METODOLOGIA.re, também, em função do conjunto de procedi- Embora o nosso estudo seja ainda uma introduçãomentos que cada ciência adota e articula para ao estudo dos métodos científicos, ele já pode ins-melhor atingir e cercar o seu objeto de estudo: crever-se no campo dos estudos sobre a metodo-preponderância ou não da observação, valoriza- logia da pesquisa, porque mostrou que o métodoção ou não da experimentação, uso de métodos é o caminho que se constrói para chegar ao co-estatísticos, técnicas de análise e interpretação de nhecimento do mundo físico e sensível, para co-conteúdo. A esse conjunto de procedimentos que nhecer as relações tecidas pelos seres humanosvariam em ordem de importância, de presença ou na trajetória de construção de sua história e da busca incessante de saber sobre as coisas queausência, em cada método, damos o nome de nos inquietam ou que estão subjacentes aos fatosTécnicas de Pesquisa. que observamos em nossa vida cotidiana.Para melhor compreensão e conhecimento das Quando falamos das contribuições para o aper-principais técnicas usadas em pesquisa, podemos feiçoamento dos métodos de investigação e dascitar: técnicas de pesquisa, estamos também adentran-! Documentação indireta. do na seara da Metodologia, mesmo que não! Pesquisa Bibliográfica. tenhamos feito aqui uma crítica às diversas con-! Observação direta intensiva. cepções de método e nem tenhamos feito análises! Observação direta extensiva. comparativas sobre eficácia, por não ser esse o! Análise de conteúdo. nosso propósito.! História de vida. Vale, no entanto, guardar a estreita relação entre! Técnicas mercadológicas. Metodologia e Epistemologia, uma vez que ambasA escolha das técnicas de pesquisa adequadas têm como objeto o estudo crítico dos métodos epara o plano de pesquisa é de fundamental impor- dos resultados alcançados pelas ciências consti-tância para se chegar a resultados fidedignos. O tuídas e contribuem para uma Teoria do Conheci-pesquisador deve buscar dominar o uso das técni- mento.cas que empregará em seu estudo. Como nemsempre é possível dominar todas, o pesquisadorrecorre à ajuda técnica de especialistas. Há casos,ainda, em que os pesquisadores são obrigados a TEMA 19recorrer a laboratórios sofisticados para produçãode provas ou testes, imprescindíveis à sustentação A PESQUISA COMO INVESTIMENTOdos resultados almejados. DE PRODUÇÃO DO CONHECIMENTOPara aqueles que não possuem conhecimentos Consideremos que já está bastante claro que pes-aprofundados nas técnicas quantitativas, por quisamos para ampliar o conhecimento existenteexemplo, o mais aconselhável é que procurem um sobre as coisas. Sabemos, também, que esta bus-especialista em estatística, caso a sua pesquisa ca é sempre guiada por objetivos e que o conheci-assim o exija. Há que se levar sempre em conta a mento pelo conhecimento é bastante questionado,afinidade, a confiabilidade e o entendimento entre mas, na verdade, por baixo dessa falsa polêmica,o pesquisador e o especialista consultado. Nas constatamos as relações sempre existentes entreequipes ou nos grupos de pesquisa, é comum, conhecimento, desenvolvimento material e desen-quando de sua formação, ajuntar pessoas que volvimento espiritual da humanidade. A prova ca-dominam as variadas técnicas, suprindo, assim, o bal de tudo é que somente essa relação explicagrupo com as competências necessárias. o desenvolvimento tecnológico, econômico, artísti- 48
  • 39. Metodologia do Estudo – Produção do conhecimentoco, político e social dos povos. Tem-se, também, o dade científica. Nenhum profissional, hoje, poderegistro histórico de que um dos fatores da desi- desconhecer os avanços em sua área sob pena degualdade sempre se relacionou com o saber. Há, perecer intelectualmente. Isso basta para que refli-portanto, uma forte convicção de que o domínio do tamos sobre a importância da disciplina que tratasaber (o conhecimento) é parte integrante das re- da Metodologia, sobre a nossa responsabilidadelações políticas construídas pelos homens e, com ao ajudá-los a chegar a esse tipo de conhecimen-isso, a evidência de que a ciência nunca foi neutra. to refinado e a lidar com os desdobramentos queO conhecimento expresso pelas ciências é um isso acarreta.bem tão valioso quanto tantos outros que circulam Assim como a ciência não é neutra, os pesqui-no meio social. Sua posse e o seu progresso exi- sadores não estão isentos de exercer a sua subje-gem organização, formulação de estratégias, in- tividade, fazendo julgamentos de valor ou juízosvestimentos, determinação, administração de apli- ideológicos para acatar ou rejeitar resultados decação e de resultados. Espera-se que sempre seja pesquisa. Um exemplo claro de preconceito mani-usado em benefício de todos e da natureza, o que festa-se quando alguém desqualifica o trabalhonem sempre ocorre, em função de vários fatores científico, apenas, por seus resultados terem sidoou variáveis que cabe, inclusive, às Ciências da obtidos através de métodos ou orientações deEducação analisar. pensamento com os quais não tem afinidade ouFrancis Bacon já se posicionava contra o conheci- discorda.mento diletante propugnando a aplicabilidade que Essa discussão aparece com maior freqüênciapermitisse o domínio dos homens sobre a natu- entre metodólogos ou pesquisadores nas áreas dereza. De um certo modo, foi essa a idéia que pros- humanidades. Como todos sabemos, por lidarperou e a ciência aplicada, isto é, o emprego do com fatos humanos, com as relações sociais econhecimento científico a serviço das práticas e simbólicas, a questão dos métodos e das orien-das ações humanas ajudou o progresso da huma- tações de pensamento são ainda bastante perme-nidade e, num sentido restrito ao campo econômi- adas pela reflexão filosófica, pela discussão ideo-co, não se pode negar, ajudou o desenvolvimento lógica e pelas relações de poder que subsistemdo Capitalismo. É claro que essa vitória também paralelamente à produção científica. Simplesmen-tem um preço que se expressa na devastação te desconhecer esses fatores e excluir as Huma-em larga escala dos recursos naturais e de rela- nidades ou as Ciências Sociais do quadro dasções desiguais entre os povos. A bomba atômica, ciências ou considerá-las como ciências menores,a produção de germes em laboratório para a guer- com tais argumentos, é um erro. As Ciências dora biológica e os modelos econômicos cientifica- Homem ou Humanidades chegaram a aspirar a sermente estruturados para destruir as economias frá- uma Física Social, com Augusto Comte. Temosgeis mostram-se como exemplos deploráveis de que entender esses momentos como uma etapausos indevidos dos resultados alcançados pelas de constituição da Sociologia e dessa área de es-ciências. tudos como ciência. A experimentação de méto-O desenvolvimento da pesquisa, no entanto, é o dos e técnicas por uma dada ciência faz parte detraço distintivo da chamada civilização ocidental sua dinâmica. Contudo é demonstração de igno-que, desde os gregos, vem-se apropriando dos rância, tendenciosidade, falácia ou viés quererconhecimentos armazenados por todas as civiliza- desqualificar métodos ou técnicas com pressupos-ções. Por isso é que não podemos prescindir da tos puramente políticos, ideológicos ou religiosos.pesquisa para manter os nossos fundamentos, asnossas instituições e para conduzir o nosso cotidi- Ciências Formais: Lógica e Matemática.ano. É por essa razão que a Escola, até então difu- Ciências Factuais Naturais: Física, Química, Bio-sora do conhecimento científico, passa a ser, tam- logia e outras.bém, produtora de tal conhecimento, a partir do Ciências Factuais Sociais: Antropologia Cultural,nível superior, da mesma forma que as empresas Direito, Economia, Política, Psicologia Social eprivadas, tradicionais consumidoras de conheci- Sociologia.mento científicos e tecnológicos, começam a ter Fig. 1.: Quadro das Ciênciasos seus próprios laboratórios e investir na ativi- Fonte: Bunge (apud MARCONI; LAKATOS, 2000, p. 28) 49
  • 40. UEA – Licenciatura em MatemáticaA pesquisa, como atividade sistemática enecessária, deve ter sempre objetivos finalísticos TEMA 20bem definidos, dos mais gerais aos mais específi-cos. Não exclui os gênios e os seus dotes privile-giados, mas é exercida com profissionalismo den- TIPOLOGIA DA PESQUISA Etro das corporações universitárias, dos institutos FORMATO DE ESTUDOS CIENTÍFICOSde pesquisa, das corporações econômicas e dos Trataremos, aqui, apenas da pesquisa científica, oaparatos do Estado e nas redes ou estações de que já comporta uma série de divisões diferentes.trabalho que ligam amplamente estes setores. A mais antiga e até certo ponto a mais combatidaO industrial precisa ter acesso a resultados de é aquela que cria dois tipos: Pesquisa Pura e Pes-pesquisas para conhecer as propriedades e quali- quisa Aplicada. Marconi e Lakatos (2002, p.20-23)dades dos insumos com os quais trabalha, o mer- mostram várias das classificações mais usuais.cado, os avanços tecnológicos, a mão-de-obra Apesar de todas serem peremptórias e, por issoque emprega, além de outros agentes econômi- mesmo, dificultarem o enquadramento de algunscos. Os profissionais liberais, incluídos os cientis- gêneros de trabalhos científicos, a tipologia detas, não podem desligar-se um só dia do que há de Best (1972) tem o mérito de ser bem simples:novo. As instituições do Estado e os seus diri- Histórica (descreve o que era); Descritiva (des-gentes, pa-ra tomar as decisões mais importantes, cre-ve o que é); Experimental (descreve o quepara formular políticas públicas, para avaliar o será). A de Rummel (1977) tipifica sem entrar nodesempenho institucional, para a produção diária mérito de uma classificação aliada a métodosde análises de conjuntura (isto é, conhecer a inter- restritos: Pesquisa Bibliográfica; Pesquisa deferência das variáveis na dinâmica social em deter- Ciências da Vida e Ciência Físico-Experimental;minado momento), para a análise das macroestru- Pesquisa Social; Pesquisa Tecnológica ou Aplica-turas e dos sistemas operacionais da máquina da-Prática.estatal es-tão constantemente alimentados por É preciso não perder de vista que essas classifi-resultados de pesquisa. Por sua vez, os meios de cações ou tipologias nem sempre são precisas, ecomunicação social buscam, pela investigação jor- um trabalho de pesquisa pode avançar em váriasnalística, os re-sultados de pesquisa nas diversas direções, usando vários instrumentos metodológi-áreas e deles se apropriam para a difusão do con- cos para alcançar a explicação do problema. Nes-hecimento ao grande público, às vezes, antes que te caso, não vale o enquadramento, mas o esforçoa discussão entre os pares esteja concluída, crian- do(s) pesquisador(es) para chegar a bons resul-do, assim, muitas vezes, problemas para os cien- tados.tistas, visto que o tempo da ciência não é o mesmoda mídia, que está interessada em dar a notícia em Ressaltemos, ainda, a distinção que nem sempre éprimeira mão, mesmo que isso possa ser desmen- feita entre pesquisa e formato de estudo científico.tido de-pois por uma outra notícia. É comum ouvirmos afirmações desse tipo: minhaFace a tais questões, surgem os problemas da pesquisa de fim de curso, meu trabalho de fim decredibilidade que a ciência deve manter e da fide- curso (TCC), minha monografia, minha tese ou mi-dignidade das informações que devem chegar nha dissertação. O que há de comum entre todosaos pares e aos demais interessados. Por isso, os eles? É que para realizá-los é necessário que sepesquisadores devem munir-se de alguns cuida- faça um esforço de pesquisa. Todos exigem trabal-dos: rigor metodológico, ética na atividade de pes- ho de pesquisa e algo mais.quisador e no relacionamento com os pares e Os resultados de uma pesquisa podem ser sim-usuários, consciência de suas responsabilidades plesmente apresentados em um RELATÓRIO DEsociais, respeito aos princípios que regem o res- PESQUISA que tem um formato próprio. As TESESguardo de dados sobre pessoas ou instituições, e as DISSERTAÇÕES são trabalhos acadêmicoshumildade para não se erigirem donos da verdade, para obtenção de títulos acadêmicos de doutor ousubmeterem-se ao crivo da crítica especializada e mestre, respectivamente, e são apresentadas emdar as explicações necessárias em espaços apro- exames públicos perante uma banca de Doutores.priados para este fim (congressos, encontros, sim- O TCC ou monografia são trabalhos acadêmicospósios, revistas científicas, etc.). submetidos ou não a exame público, mas sempre 50
  • 41. Metodologia do Estudo – Produção do conhecimentoapreciados por uma banca, para obtenção do grau tal, integra a grade curricular e o processo de ava-de bacharel ou licenciado nos cursos universitá- liação do aluno. Mas a atividade de pesquisa narios. O grau de exigência nesses vários tipos de Universidade pode e deve ser desenvolvida pelotrabalho é progressivo, no entanto não é raro en- estudante nos núcleos de pesquisa existentes nascontrar monografias de fim de curso de gra- Universidades ou Faculdades isoladas e relaciona-duação bem feitas e que revelam talentos de jo- dos com seus respectivos cursos. Com isso, aovens pesquisadores. Não podemos esquecer, tam- chegar a hora da Monografia, estará preparado pa-bém, que Monografia é um formato de estudo ra cumprir, sem dificuldades, este requisito.científico que busca a aplicação de método de in- A monografia não é coisa para aluno irresponsá-vestigação voltado para o conhecimento em pro- vel, mas também não é uma obra do outro mundo.fundidade de um tema específico e lançado por Le Deve-se colocar à altura do nível de estudo uni-Play, primeiramente, no estudo de famílias operá- versitário e revelar a competência acumulada aorias, na Europa. longo do curso. Diz Umberto Eco (2002, p.7) queEmbora o delineamento, o projeto e a execução da “a primeira tentação do estudante é fazer uma tesepesquisa obedeçam às normas gerais da pesquisa (monografia) que fale de muitas coisas... Tesescientífica, a de apresentação dos resultados, em desse tipo são perigosíssimas.” Para evitar essecada um dos formatos acima referidos, é diferente. vexame, o autor, no mesmo trabalho, aponta o queHá variações, mesmo que pequenas, de uma insti- chama de “quatro regras óbvias” para a escolhatuição para outra que devem ser levadas em con- do tema que será objeto da monografia:sideração. Todas, no entanto, não podem trans- Primeira – Que o tema responda aos interesses dogredir as normas, no caso, nacional ou interna- candidato (ligado tanto ao tipo de exame quantocional de apresentação de trabalhos científicos. No às suas leituras, sua atitude política ou religiosa).Brasil, deve-se obediência às normas da Asso- Segunda – Que as fontes de consulta sejam aces-ciação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), ins- síveis, isto é, estejam ao alcance material do can-tituição ligada à ISO (International Organization for didato.Standardizartion), que é uma associação interna- Terceira – Que as fontes de consulta sejam mane-cional responsável pela padronização das normas jáveis, ou seja, estejam ao alcance cultural do can-técnicas. didato. Quarta – Que o quadro metodológico da pesquisa esteja ao alcance da experiência do candidato. (ECO, 2002, p. 6). TEMA 21 Como se vê, a escolha do tema é de fundamental A MONOGRAFIA DE FIM DE CURSO importância para o sucesso da empreitada e re- E A ESCOLHA DE UM TEMA quer de nós uma reflexão profunda, antes de deli- near ou esboçar um projeto de pesquisa. A refle-Muitos universitários começam a pensar na mono- xão sobre o seu curso, o objeto de estudo quegrafia já na segunda metade do curso. Alguns até mais o caracteriza, as disciplinas com as quaistomam um susto quando têm a vaga noção do que teve maior afinidade, os temas que mais lhe cha-lhes será cobrado no final do curso e desesperam- maram a atenção, os problemas discutidos emse. Devem saber que o ensino universitário sala de aula que geraram polêmica mas não che-brasileiro consagra, em sua lei máxima, a Lei de garam a uma solução, as suas curiosidades eDiretri-zes e Bases da Educação Nacional (LDB), a inquietações, os seus desejos de ampliar conheci-indissociabilidade entre ensino, pesquisa e exten- mento numa determinada área (a sua especializa-são. Portanto todo universitário, para concluir seu ção), devem ser levados em conta para amadure-cur-so, deve cumprir os requisitos nessas três cer uma idéia e colocá-la em esboço. A produçãoáreas. Assim sendo, deve, desde o primeiro dia de científica é, também, um ato de criação, de cons-seu curso, procurar interessar-se pela monografia. trução de idéias que se vão aclarando, ganhandoNo curso superior brasileiro, esse tipo de estudo é consistência, coerência, princípios fundamentaisrequisito parcial para conclusão de curso e, como da sistematização. 51
  • 42. UEA – Licenciatura em Matemática i) definimos o método de estudo, deixamos claro qual é o caminho que vamos percorrer em busca daquilo a TEMA 22 que nos propomos, com as técnicas mais adequadas para chegarmos a bom resultado; O PROJETO DE PESQUISA j) quantificamos o volume de trabalho intelectual e oLembre que não existe monografia sem pesquisa e material necessário para empreender nossas bus-não se faz pesquisa sem um projeto que contem- cas, vislumbramos os recursos humanos, materiais eple os elementos essenciais concernentes ao pro- financeiros como fontes de suprimento indispen-cesso de descoberta, ou seja, ao processo de bus- sáveis;ca do conhecimento. A escolha do tema, o esboço l) asseguramos todas as condições intelectuais e mate-ou o delineamento, como passos que antecedem riais para realização da pesquisa, traçamos um cro-ao projeto, facilitam a sua execução. nograma de execução contemplando os prazos paraO projeto de pesquisa é também uma carta de execução das etapas e finalização do trabalho com aintenções ou de compromissos firmados com nós entrega dos resultados.mesmos e com as instituições a quem presta-remos conta de nosso desempenho. Deve ser o A explicitação dos requisitos, expostos em reda-mais objetivo possível e dizer, de maneira clara, as ção objetiva e clara, constitui-se no PROJETO DEnossas intenções. Portanto, quando: PESQUISA, que deve, dentre outras coisas, seguira) escolhemos o tema, definimos também o campo de as normas da ABNT, em primeiro lugar, e as nor- estudo; mas da instituição para a qual será apresentado.b) levantamos os dados preliminares, tomamos cons- ciência da magnitude do problema levantado; 1. Itens que devem constar num projeto dec) formulamos o problema, temos a consciência de que pesquisa vislumbramos as possibilidades de sua elucidação !Tema. por meio do esforço metódico que vamos empreen- der; !Formulação do problema.d) definimos os termos, estamos estabelecendo os con- !Definição dos termos e dos conceitos fundamen- tornos do problema levantado e, ao mesmo tempo, tais (caso necessário). estamos agregando os conceitos fundamentais que !Formulação das hipóteses de trabalho e obje- ajudam a explicar e a tornar claro o problema, a bus- ca de sua solução e o contexto em que se insere. tivos. Podemos até dizer que os termos e os conceitos !Variáveis (em consonância com as hipóteses e os apontam para o referencial teórico e, às vezes, para objetivos). os métodos e as técnicas; !Objeto de estudo (possibilidades em avançar aléme) formulamos hipóteses de trabalho ou os objetivos, do que é possível na resolução do problema levan- estamos fazendo afirmações a priori, isto é, anteci- tado). padas, do que pretendemos provar, alcançar ou des- crever; !Universo da pesquisa, da amostragem.f) definimos as variáveis em consonância com as !Método de estudo (definir as técnicas mais ade- hipóteses ou os objetivos, estamos identificando as quadas para chegar a um bom resultado). forças que intervêm ou podem intervir sobre o prob- lema em estudo; !Recursos humanos, materiais e financeiros.g) delimitamos o objeto de estudo, estamos falando do !Cronograma de execução (modelo). limite de nossas possibilidades em avançar além do que é possível na resolução do problema levantado;h) definimos o universo, a amostragem, o corpus, (con- forme a modalidade do estudo), fazemos um recorte significativo da realidade que contém os elementos fundamentais para aprofundar a busca e chegar às provas; 52
  • 43. Metodologia do Estudo – Produção do conhecimento O papel do orientador, porém, não se limita ape- A aventura da pesquisa exige perseverança e nas a ajudar na escolha do tema: sua função é determinação. O resultado do trabalho científi- acompanhar seu pupilo também nas outras eta- co, via de regra, impele o pesquisador para pas da pesquisa, que veremos a seguir. Sem nova aventura, e assim por diante. Se houver dúvida, para que a orientação seja eficiente e perseverança, a contribuição será cada vez produtiva, são necessários encontros con- maior para o progresso da humanidade; se stantes e periódicos com o fim de dirimir dúvi- houver determinação, o cientista não cairá das e superar as dificuldades que irão surgir ao no vão desnudo da vaidade e tampouco no longo do desenvolvimento do trabalho. Isso só egoísmo desmedido dos pedantes que pen- será possível se se estabelecer uma relação sam saber tudo. “simpa-tética” entre orientador e orientando. É o Quando escolhemos uma carreira profissional, respeito e a admiração mútua que tornam estamos também escolhendo um modo de agradáveis os encontros. [...] Na maioria das vida que pode não preencher todos os nossos vezes, o discí-pulo aprende mais pelas longas momentos, mas, pelo menos, a sua maior conversas que tem com o orientador do que parte. Escolhas bem feitas geram satisfação, pelas leituras de livros. Lembramos que o diálo- realização pessoal. Um cientista político, por- go entre mestre e alunos era a forma pedagógi- tanto, é um cidadão com responsabilidades ca mais desenvolvida na Grécia antiga. As aulas iguais às de outros profissionais. No entanto a eram ministradas na forma dialógica de pergun- vigilância sobre as questões sociais não deve tas e respostas en-tre o sábio e seus torná-lo mero militante, pois isto é pouco e seguidores, durante as atividades corriqueiras pode até obnubilar a sua visão científica das da vida: banquetes, passeios públicos, banhos questões políticas, seu objeto de estudo, mui- coletivos (SALOMON, 2000). to próximo – poderíamos dizer quase lado a lado – das paixões da política. É salutar lem- brar sempre que ciência não é paixão, não pode ser dogma nem muito menos anulação da subjetividade. A ciência é o rigor do méto- do que se dissolve na compreensão das coi- sas do mundo; utilizada adequadamente pe- las forças humanas que compõem o corpo social, proporciona um bem maior a todos e torna-se, assim, ação generosa.2. Orientação do trabalho científico O trabalho científico requer o auxílio de um pro- fessor orientador para ajudar durante todo o processo, que se inicia pela escolha do tema. O orientador e orientado, em diálogo comum, devem: a) formular um plano provisório das atividades da pesquisa; b) Estabelecer o quadro metodológico da pesqui-sa ao alcance do aluno; c) julgar o interesse do tema para a sociedade; d) fazer a dosagem dos tópicos do tema, tendo em vista o tempo disponível. 53
  • 44. UNIDADE VI Técnicas para difusão edivulgação do conhecimento
  • 45. Metodologia do Estudo – Técnicas para difusão e divulgação do conhecimentoAs técnicas utilizadas para fins de difusão e divul- da área ou de áreas afins por meio da exposiçãogação do conhecimento científico são variadas e dos seus trabalhos e das articulações que ocorremprecisam ser analisadas em suas especificidades a posteriori. Geralmente, a apresentação de umpara que se obtenham delas os resultados espera- trabalho científico acontece em Congressos, Con-dos. Apesar das diferenças no que se refere à ferências, Jornadas, Mesas-Redondas, Painéis,forma e à operacionalidade, elas têm alguns ele- Simpósios, Seminários, Fóruns, Palestras, Work- shops, etc.mentos em comum, tais como: o planejamento, aorganização, a coordenação, o controle, o co- Independentemente do tipo de evento escolhidomando e a avaliação. para difundir e divulgar o trabalho científico, alguns pontos são interessantes e merecem ser obser-É importante divulgar o conhecimento, aliás, é vados:necessário. Conhecimento que jaz na gaveta nãoserve para nada. Ele precisa ganhar o mundo, ser Conteúdo – O que abordar num evento científico?criticado, comentado, avaliado, modificado e pos- Geralmente, são observações sistemáticas tradu- zidas em pesquisa original, ou seja, o resultadoto em prática, e para que isso aconteça, a difusão de uma pesquisa, detalhando os passos impor-e a divulgação do trabalho científico é condição tantes que foram dados para se chegar àquelasine qua non. conclusão.O conhecimento científico pode ser difundido e Finalidade – Qual a finalidade de um evento cien-divulgado por meio de eventos científicos ou de tífico? Ela pode traduzir-se em: Comunicar aostécnicas específicas, tais como: artigos, briefing participantes o resultado de seu trabalho. Influ-para sites científicos, painéis, etc. enciar ou motivar outras pessoas para produzir conhecimento, ou até atualizar profissionais da Briefing: Resumo em inglês. Documento con- área. tendo um resumo do trabalho, apresentando a Apresentação oral – É importante um planeja- descrição da situação, os problemas enfrenta- mento específico para quem for apresentar oral- dos, as oportunidades, os objetivos, os resul- mente um trabalho. É sempre bom treinar antes. tados já alcançados, os recursos para atingi- Uma boa apresentação oral valoriza o trabalho que los, as limitações e os obstáculos relaciona- está sendo apresentado. Uma apresentação de dos à análise dos dados, etc. Denomina-se improviso pode gerar insegurança, favorecer o brifar o ato de passar o briefing para outro gru- esquecimento, “o famoso branco”, e desvalorizar o po envolvido no trabalho científico.Tais termos trabalho, deixando, no pesquisador e no público, são característicos da linguagem publicitária, uma sensação de frustração, devido à expectativa mas muitos teóricos da metodologia já os uti- não correspondida. A regra número um é preparar- lizam, principalmente on-line. se. Aliás, ela vale para tudo. Desde o visual, até as técnicas de leitura. É importante ler com clareza eOs eventos científicos devem sempre ser bem formalmente o que está escrito.Os verbos e osplanejados e, para evitar falhas que podem com- advérbios devem ser pronunciados com um poucoprometê-los, é recomendável que se busque ajuda mais de ênfase, pois eles trazem a mensagem aode profissional da área, no caso, um bacharel em texto. Igual atenção deve ser dada às palavras-relações públicas, até porque o objetivo de tais chave visando demarcar bem as delimitações doeventos é transmitir informações, idéias, fatos, opi- trabalho, como, também, prender a atenção doniões, compartilhar experiências e conhecimentos. público.Vale lembrar que a troca de experiência é um dos Estrutura do trabalho – Às vezes, quando umexercícios intelectuais dos mais salutares e que ela evento é planejado em seus mínimos detalhes, ase processa de modo sistematizado nos eventos comissão organizadora responsável pelo eventocientíficos, ocasião em que há interação entre es- científico já envia aos participantes um modelotudantes, professores, especialistas, profissionais estrutural de apresentação, objetivando obter uma 57
  • 46. UEA – Licenciatura em Matemáticacerta padronização e facilitar a edição dos anais. Tempo de apresentação – É fundamental, numQuando isso não ocorre – pode-se seguir o esque- evento científico, que o tempo seja respeitado. Sema seguinte: o expositor tem vinte minutos para apresentar seu trabalho, cabe a ele verificar se o tempo destinado Título ao debate é adicional. Caso não seja, ele deve Autor apresentar seu trabalho em quinze minutos, Introdução deixando cinco para o debate, contribuições, ou Objetivos para dirimir possíveis dúvidas. Metodologia Para não extrapolar o tempo, pode-se ensaiar em Resultados casa, de preferência na presença de um amigo Conclusões que fique cronometrando o tempo, observando os Referências vícios de linguagem, a postura, a repetição exces- Não se esquecer de colocar endereço, inclu- siva de algumas palavras, os tiques nervosos, etc. sive o eletrônico, e telefones para contato e, Ensaiar em frente ao espelho também é recomen- obviamente, o nome da instituição ou do dável. Gravar para depois verificar e corrigir falhas órgão que fomentou a pesquisa. é um recurso utilizado pelos especialistas em marketing para orientar seus clientes. Os grandesLinguagem – Deve ser acadêmica, técnica e obje- palestrantes fazem isso, e nada impede que ostiva. Nada mais desagradável do que um expositor pesquisadores também invistam um pouco nofazendo rodeios com as palavras. Ou seja, pode- marketing pessoal, afinal todos ganham com isso.se resumir numa frase o que foi dito com mais de O pesquisador porque se sente mais seguro aomil palavras. Às vezes, o expositor peca pelo ex- expor seu trabalho, e o público porque fica encan-cesso de beletrismo, apenas para mostrar erudi- tado com o trabalho e com o show de exposição.ção e demarcar a distância entre ele e o público.Vale ressaltar que, no processo de comunicação, a Distribuição do tempo – Distribuir o tempo nãofigura mais importante é a do receptor, pois é para é complicado. É uma questão de organização, deele que a mensagem é destinada. Se ele não deco- um planejamento rápido, momento em que o ex-dificar a mensagem, não há comunicação. positor deve selecionar e priorizar, dentro do tem-Argüição – O expositor deve estar preparado para po limite, aquilo que lhe parece mais relevante.os questionamentos. Queira ou não, eles virão. Já Segue uma tabela como exemplo.que virão, é bem melhor preparar-se para eles comnaturalidade. É de suma importância ser atenciosonas respostas e, caso não saiba o que responder,seja honesto. Ninguém é obrigado a saber tudosobre o seu objeto de estudo, a pesquisa não épanorâmica, ela é sempre delimitada e sempre vaificar algo de fora que o pesquisador não se propôsa explorar, mas que pode ser aprofundado em ou- Obs.: O tempo total pode ser modificado, dependendo das normas do evento. Tabela 01: Distribuição do tempotros estudos. A credibilidade é decisiva num traba-lho científico, e ela é conquistada com honestida- Vale ressaltar que, com um pouco de planejamen-de. Portanto alguém vai sempre perceber algo que to, a auto-estima do expositor fica elevada e, como pesquisador não viu. Isso é bom, é ótimo, é aconstatação de que não há conhecimento acaba- isso, ele se sente mais seguro. A segurança, alia-do, ele é um eterno construto, até porque a verda- da ao domínio do conteúdo, é a mola propulsorade de ontem nem sempre é a de hoje. Foucault de uma boa exposição. Agora, cabe delimitar qual(1985) ressalta que: “Por mais que se tente dizer o o tipo de evento mais apropriado para a difusão eque se vê, o que se vê jamais reside no que se a divulgação do trabalho científico. Eles são varia-diz.” Ou seja, as palavras não são as coisas, elas dos e, sem a pretensão de esgotar o assunto, valeapenas as representam. sinalizar alguns deles: 58
  • 47. Metodologia do Estudo – Técnicas para difusão e divulgação do conhecimento TEMA 23 TEMA 24 SEMINÁRIO PAINELConsiste em uma exposição verbal, com auxílio de É um outro tipo de reunião onde se divulga o tra-ferramentas tecnológicas, para pessoas colocadas balho científico. O painel tem como característicanum mesmo plano que possuem algum conheci- básica a composição da mesa com especialistasmento prévio do assunto a ser debatido. no assunto a ser discutido. Cada um dos partici-Um seminário divide-se em cinco fases: pantes expõe uma parte do assunto ou o analisa dentro de uma perspectiva particular. Após a expo-! O planejamento, quando o coordenador (pode ser um professor ou um especialista no assunto) sele- sição de todos, a platéia pode ter um conjunto de ciona o tema central, os temas circundantes do tema informações que completam a compreensão do te- central, a bibliografia pertinente, os grupos de pes- ma abordado e pode, assim, formular questão ou quisa e a metodologia do seminário. pedir esclarecimentos a todos, a alguns ou, ape-! A exposição, quando alguém ou a equipe escalada nas, a um dos painelistas. Como exemplo pode- leva a sua contribuição ao grupo maior. ríamos citar um Painel sobre o ensino da Matemá-! A discussão, quando o assunto em pauta é debatido tica: quatro painelistas poderiam discorrer sobre o e esmiuçado em seus aspectos mais significativos. ensino da matemática na América Latina, na Eu-! A conclusão, quando o Coordenador, polarizando as ropa, nos Estados Unidos da América do Norte e opiniões dominantes, propõe à aprovação do grupo na África. as recomendações finais do seminário. Há uma outra modalidade de painel, o tipo pôster,! A avaliação, quando o Coordenador emite suas ob- servações, à guisa de contribuição do grupo, como muito utilizado na divulgação de trabalhos científi- um todo e abre espaço para os participantes também cos. Vejamos: avaliarem as equipes e o seminário em geral, num 1. Apresentação e divulgação de projetos de processo de feedback. pesquisa sob a modalidade de painel: defi-Feedback – Em comunicação, todo o processo de nição e vantagensretorno da mensagem. Funciona como um mecan- O painel é uma modalidade de apresentação deismo de resposta que retroalimenta o sistema de trabalhos em eventos científicos, tendo comomaneira espontânea ou formal (SAMPAIO, 1999). característica básica a disposição dos elemen-O seminário é muito utilizado no Ensino Superior e tos dos trabalhos sobre o painel/pôster, dentrotem grandes vantagens, pois aprofunda uma gran- de medidas padronizadas. O autor permanecede temática; oportuniza o ensino com pesquisa; junto ao painel durante o horário programadopossibilita aos estudantes caminharem sozinhos para a exposição, visando esclarecer as dúvidasna pesquisa bibliográfica, cotejando vários auto- dos interessados e responder aos questiona-res; leva a equipe a interagir, a superar as limita- mentos feitos pela comissão avaliadora.ções e os obstáculos no uso das ferramentas Itens do painel:tecnológicas; ensina a planejar, a resumir, a delimi- 1. Título centralizado.tar o tempo; evidencia os talentos e aqueles que 2. Autores e demais dados de identificação desloca-precisam de um atendimento individualizado e dos para a margem direita.contempla a avaliação processual (o antes, o du- 3. Problema.rante e o após). Ou seja, o seminário prepara os 4. Hipótese.alunos para os eventos científicos de maior porte. 5. Justificativa.As desvantagens de um seminário ficam por conta 6. Objetivos.da falta de comprometimento de alguns elementos 7. Fundamentação teórica.do grupo, o que compromete seriamente a equipe, 8. Metodologia.e por conta da falta de articulação dos professores 9. Cronograma de execução.que marcam os seminários em períodos coinci- 10. Orçamento.dentes, sobrecarregando os alunos que chegam a 11. Fonte financiadora.ter dois seminários num único dia. 12. Referências. 59
  • 48. UEA – Licenciatura em Matemática Normatização: ! O painel terá as dimensões de 0,90m x 1,20m. TEMA 25 ! Tamanho de letra: no mínimo 14 e máximo 18 (no Word). MESA REDONDA ! Tipo de letra ARIAL. A mesa redonda é conhecida, também, como uma Orientações gerais: “briga de leões”. Em torno da mesa redonda colo- ! Cada expositor montará seu painel no horário cam-se sempre pessoas que têm opiniões diver- combinado. gentes sobre um tema, assunto ou acontecimento. ! O autor pode elaborar um resumo para distribuir A apresentação dos pontos de vistas divergentes aos interessados. enriquecerão o debate que ocorrerá primeiramen- ! O autor deve ficar próximo ao painel para for-necer te entre os convidados que fazem parte da me- explicações e dirimir dúvidas. sa, tendo um moderador para controlar o debate. ! O painel pode ser acompanhado de material ilus- O debate, em seguida, pode ser aberto à platéia. trativo, visando despertar mais interesse, chamar a Esta deve ater-se ao que ouviu dos diversos deba- atenção. tedores e formular questões, estabelecer nexos entre o que foi dito pelos participantes ou pedir, Avaliação: ainda, mais esclarecimentos. O papel do modera- ! A Comissão Avaliadora é composta de pessoas dor, neste tipo de evento é muito importante, pois especialistas no assunto, podendo ser incluído, deve ser pessoa que conheça o assunto, que te- também, um pedagogo. nha experiência na condução de eventos abertos a ! A Comissão Avaliadora pode fazer perguntas alusi- públicos variados e tenha domínio suficiente da si- vas ao conteúdo e à metodologia. tuação para evitar que, no calor do debate, sejam extrapoladas as regras estabelecidas, que se colo- Critérios de avaliação: que em risco o bom nível dos debates e se garan- Devem ser repassados com bastante ante- ta a divergência respeitosa. cedência para os autores, podendo ser: ! Coerência interna. ! Redação científica. ! Normas Técnicas da ABNT. TEMA 26 ! Correção gramatical. FÓRUM ! Presença do autor. ! Domínio do conteúdo e da metodologia. Tem por objetivo conseguir efetiva participação ! Estética do painel. de um público numeroso, que deve ser motivado. O Fórum está-se popularizando devido à necessi-2. Modelo de painel dade crescente de sensibilizar a opinião pública para certos problemas sociais, como, por exem- plo, a violência urbana, a pedofilia, o menor aban- donado, a escassez da água no Planeta, a clona- gem humana, etc. O Fórum deve ser realizado em grandes recintos e possuir um coordenador e vários subcoordenado- res que levantam um problema de interesse geral em busca da participação da coletividade. Geral- mente, o debate é livre, e as opiniões são colhidas pelo coordenador, que, ao considerar o grupo es- clarecido, apresenta a sua conclusão, represen- tando a opinião da maioria. Depois de aprovada, 60
  • 49. Metodologia do Estudo – Técnicas para difusão e divulgação do conhecimentotransforma-se no objetivo a ser perseguido pelo ração profissional, de muita informação e de con-grupo, orientando seu comportamento. Os sub- graçamento. Ou seja, tudo de que um pesquisadorcoordenadores funcionam como assessores e precisa.agentes multiplicadores da conclusão do Fórum. TEMA 28 TEMA 27 PALESTRA CONGRESSOS É um tipo de evento científico bastante conhecidoSão eventos científicos promovidos por institui- e difundido nos meios acadêmicos. Em geral, umções, órgãos, entidades associativas, institutos de expositor de renome é convidado para falar depesquisa, etc., visando debater assuntos que inte- um tema de sua matriz ocupacional. A palestraressam a um determinado ramo profissional. Os tem sempre duas fases. Na fase inicial, o exposi-profissionais de determinada área costumam rea- tor, após as devidas apresentações feitas pelolizar seus Congressos anualmente. Coordenador do evento, é colocado num plano deOs Congressos são de âmbito nacional ou interna- destaque e, durante um tempo determinado pelacional. Os nacionais podem ter caráter regional, coordenação, discorre sobre a temática que lhe foiquando interessam a um grupo restrito, mas em apresentada. Na segunda fase, o palestrante res-geral contam com a participação de profissionais ponde às perguntas formuladas pelo público. Co-de todo o país. Os internacionais podem ser deter- mo a platéia nem sempre é homogênea, aquelesminados geograficamente (congressos latino-ame- pontos referidos no início dessa unidade devemricanos, congressos europeus, etc.) ou de âmbito ser considerados. Portanto nada de improviso.mundial, quando reúnem países de todos os con- O lema é:tinentes. PLANEJAR SEMPREDe todos os eventos científicos, os Congressos Outros tipos de eventos, inclusive os mencionadossão os mais abrangentes, pois abrigam, em sua neste texto, podem ser compreendidos tanto noestrutura organizacional, muito dos outros eventos que se refere à conceituação, quanto à especifici-já mencionados. Um grande Congresso contempla dade em bibliografias especializadas em eventosmesas-redondas, painéis, conferências, oficinas científicos. Vale frisar, sempre, a importância detemáticas, mesas demonstrativas, etc. Os temas aprender a aprender. Aprender pesquisando é umde discussão podem ser oficiais, o que permite excelente método. Vale a pena tentar; os resul-não só a participação plena e formal de todos os tados são surpreendentes.congressistas regularmente escritos, como tam- Autonomia intelectual não cai do céu, é um proces-bém que estes façam a apresentação de seus tra- so histórico; portanto construído cotidianamente.balhos, sendo livre a participação dos demais. Parece, inicialmente, difícil, mas aos poucos tudoPara que um trabalho científico seja exposto num começa a fluir como por encanto. Só que o encan-congresso, é necessário que o autor se inscreva tamento aqui tem uma única tradução: o esforçodentro do período fixado pela comissão organiza- do pesquisador. Sem ele, parece que o freio quedora do Congresso e que seu trabalho seja apre- bloqueia o pensamento criativo fica acionado,ciado e aprovado por uma equipe de avaliadores e ninguém, além do próprio pesquisador, podeque expede a APROVAÇÃO do trabalho. A seguir, soltá-lo. Alguma orientação é necessária sim, maso autor prepara a sua apresentação dentro dos pa- esperar que o conhecimento chegue às mãos to-drões estabelecidos pelos organizadores. talmente esmiuçado é impedir, no mínimo, que oÉ importante que todos aqueles que produzem pesquisador se torne autônomo. Na maioria dasconhecimento participem de Congressos, como vezes, o que deixa as pessoas dependentes é oexpositores ou não, pois eles efetivamente são medo de errar. A educação formal e informal é re-espaços de atualização, de capacitação, de inte- pressora. Se a criança faz algo errado em casa, o 61
  • 50. UEA – Licenciatura em Matemáticaque acontece? Ela recebe um castigo. Se falha telas, etc. O correto é seguir as normas; caso con-na escola, recebe uma nota baixa, um sermão trário, o trabalho corre o riso de não passar pelohumilhante, um rótulo e por aí vai. O castigo e crivo dos avaliadores. Entretanto, caso elas nãoa recompensa sempre fizeram parte do sistema sejam delimitadas pela revista, pode-se seguir oeducacional. O medo que o aluno tem de pensar, modelo apresentado a seguir. Não é uma camisapesquisar e criar faz da incerteza uma coisa apa- de força, é um modelo aceito hoje e que podevorante, quando, na verdade, ela deveria ser con- mudar amanhã. Daí a necessidade de constantesiderada maravilhosa. Quando alguém se depara atualização.com um artigo publicado numa revista científica fi-ca, na maioria das vezes, imaginando que o cien- Normas técnicas para atista o escreveu em uma ou duas horas. Mas a apresentação de um artigocoisa não se processa dessa forma. Geralmente, 1. Ser digitado em editor de texto compatível com PCele escreve, reescreve, corta aqui, ajeita ali, verifica (tipo Microsoft Word, Star Office ou similar) em fontea ortografia, pede para um colega da área fazer Times New Roman, corpo 12, espaçamento 1½,uma leitura crítica, enxuga o texto, cortando os ex- margem superior de 3,5cm, inferior de 3cm, esquer-cessos de adjetivos, as repetições desnecessá- da de 3cm, e direita de 2,5cm, com extensão rtf (richrias, define melhor os conceitos, etc. Entrega para text format) – usar o recurso Salvar Como no menua editora e, quando o artigo é publicado, ele sente Arquivo do Editor de Textos utilizado, escolhendo aum misto de prazer e desprazer. Prazer pela pro- opção rich text format – rtf.dução e desprazer por verificar que o artigo pode- 2. Não conter nenhum tipo de formatação. Os títulos eria ser melhorado. Nem todos têm a compreensão subtítulos devem ser destacados com um duplode que aquele artigo é fruto de um momento his- enter antes e depois do texto.tórico; tinha, certamente, um tempo limite, e que o 3. As citações com mais de três linhas deverão serautor fez o melhor dentro desse tempo. Depois, destacadas com recuo de texto (uma tabulação) emjá relaxado, distanciado emocionalmente do tra- fonte Times New Roman, corpo 10.balho, as idéias afloram com mais facilidade. São 4. Observar a ortografia oficial e fazer constar, naos “ossos do ofício”. Que tal sentir essa emoção? primeira lauda do original, o título do artigo, o(s)Escrever um artigo sem medo de se expor, de nome(s) do(s) autor(es), vínculo institucional, maior“errar”. Que tal começar a encarar o “erro” como titulação acadêmica e endereço para correspon-uma tentativa de acerto? Mas, para isso, algumas dência, inclusive eletrônico.orientações a respeito de como escrever um artigo 5. Conter, no máximo, 32.000 caracteres (com espa-são necessárias. ço) equivalente a aproximadamente 15 páginas. 6. Colocar os quadros, mapas, gráficos, entre outros, em folhas separadas do texto e em arquivo à parte (indicando os locais onde serão inseridos) devendo TEMA 29 ser numerados, titulados corretamente e com indi- cação das fontes correspondentes. Esse material deverá ser forma-tado para a sua reprodução direta, ARTIGO estando de acordo com a NBR 12.256.Um artigo científico é um informe escrito que 7. Incluir resumo informativo e palavras-chave em por-descreve os resultados originais de uma investiga- tuguês e inglês. O resumo deverá conter, no máxi-ção. Geralmente, são publicados em revista cientí- mo, até 100 palavras (com espaço) de acordo comfica e seguem normas editoriais que podem ser as normas específicas da ABNT.as definidas pela ABNT ou pela própria revista. 8. As palavras-chave, no máximo cinco, são termosÉ extremamente importante publicar em revista que indicam o conteúdo tratado no texto.científica, pois elas garantem a memória da ciência 9. Apresentar as referências no fim do texto, de acordoe disseminam o conhecimento em escala. com a NBR 6023, de agosto de 2000.As revistas científicas costumam divulgar normas 10. Enviar à Editoria da Revista, dentro do prazo esta-quanto ao formato, às notas de rodapé, às ilustra- belecido, em disquete 3,5", ou via e-mail.ções, às fotografias, às figuras, aos quadros, às 11. Checar se chegou e solicitar confirmação. 62
  • 51. Metodologia do Estudo – Técnicas para difusão e divulgação do conhecimento12. Aguardar comunicação de aceite. Cabe lembrar, ! Introdução – Inclui: objetivos, justificativa e hipóteses no caso de uma negativa, que nenhum trabalho sobre os quais se ocupa o trabalho. pode ser modificado em seu estilo, conteúdo ou ! Referencial teórico – É o texto resultante da revi-são estrutura sem o consentimento do autor. Outras da literatura corrente a respeito do fato/fenômeno/ informações podem ser adquiridas através do site processo estudado. Indica ao leitor o tratamento cien- http:/www.abnt.org.br tífico atual do tema/problema. Inclui definição de con- ceitos, menção de trabalhos já reali-zados a respeito do assunto, teoria ou teorias que dão sustentação científica ao trabalho realizado. É também chamado TEMA 30 de marco teórico ou revisão de literatura. ! Metodologia – É a descrição detalhada e rigorosa RELATÓRIO dos procedimentos de campo ou laboratório utiliza- dos, bem como dos recursos humanos e materiaisO relatório é um trabalho descritivo que apresen- envolvidos, do universo da pesquisa, dos critérios pa-ta os resultados de uma pesquisa de campo ou ra seleção da amostra, dos instrumentos de coleta,de laboratório. É a apresentação final de estudo, dos métodos de tratamento dos dados, etc. Tambémpesquisa, atividade. Além dos dados coletados, o freqüentemente chamada de materiais e métodos.autor comunica os resultados, as conclusões e as ! Apresentação dos resultados – É a exposição dosrecomendações a respeito do assunto trabalhado. resultados obtidos, ordenada em torno dos objetivosAs partes essenciais do corpo do relatório de pes- da pesquisa. Ressaltamos, normalmente, os aspec-quisa são: tos quantitativos, sendo comum a utilização abun- dante de gráficos, tabelas e gráficos tipo pizzas que! Apresentação – Capa e folha de rosto. ilustrem esses aspectos.! Resumo ou abstract – Pequeno resumo da natureza da pesquisa a ser incluído entre o sumário e o corpo ! Análise dos resultados – É a interpretação analítica do relatório. dos dados obtidos, feita conforme o referencial teóri- co, que posicionou o problema pesquisado, bem co-! Sumário – Consiste na enumeração dos capítulos do mo dos resultados a que se chegou. É a palavra do trabalho, na ordem em que aparecem no texto, com a perito, a visão do olho clínico do pesquisador. página inicial de cada capítulo. Deve ser elaborado de acordo com a Norma ABNT/NBR-6027. ! Sugestões/recomendações – O pesquisador suge- Os capítulos devem ser numerados em algarismos re/recomenda possíveis utilizações teórico-práticas arábicos, a partir da Introdução até a última página. daquilo que acabou de desenvolver. Havendo subdivisão nos capítulos, deve ser adotada ! Apêndice – Texto ou documento elaborado pelo au- a numeração progressiva, sempre em número arábi- tor, a fim de completar sua argumentação, sem prejuí- co, de acordo com a Norma ABNT/NBR-6024. Não zo da unidade nuclear do trabalho. deve ser usado algarismo romano, nem letra. ! Anexo – Texto ou documento não elaborado pelo autor, que serve de fundamentação, comprovação e ilustração. ! Referências – Relação de obras e documentos con- sultados. TEMA 31 MONOGRAFIA O prefixo grego -monos corresponde ao latino -solus (solteiro, solitário...) e significa “um só”; graphein (grego) significa “escrever”. Etmologica- mente, monografia define um trabalho intelectual concentrado em um único assunto. Qualquer 63
  • 52. UEA – Licenciatura em Matemáticapesquisa pode ser chamada de monográfica se Quanto aos aspectos materiais, também chama-versar sobre um tema único, focalizando um tema dos ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS, são apresen-peculiar. tados: ! Capa – Em papel simples, mole ou em cartolina ou Todos os trabalhos que apresentam uma es- ainda encadernação. A padronização cabe à Institui- trutura geral básica são chamados de MONO- ção fazê-lo. A capa deve conter os elementos textuais GRAFIA. básicos, a saber: – Nome da Instituição a que está vinculado o curso. – Nome do Curso, logo abaixo do nome da Institui-Inicialmente, Monografia é o resultado de uma ção, separado por um espaço simples.pesquisa, isto é, de uma investigação. É a pesqui- – Título do trabalho centralizado e em caixa alta.sa passada a escrito e, geralmente, após a sua – Nome do autor, logo abaixo do título, somente asaprovação, transforma-se, muitas vezes, em livro. iniciais maiúsculas.Monografia é, pois, um conjunto de folhas, dati- – No rodapé, local e ano.lografadas ou digitadas, impressas, grampeadas,costuradas ou coladas, cujo conteúdo versa so- Exemplo:bre um tema razoavelmente específico, isto é, de-limitado. Monografia significa escrever com a preocu- pação de limitar-se a um único tema, ou seja, dissertar a respeito de um assunto único. [...] A delimitação de um único assunto dá à mono- grafia a objetividade necessária ao pesquisa- dor/estudante para alcançar a profundidade de- sejada de acordo com o grau de exigência que seu nível acadêmico requer. Dessa maneira, o mesmo estilo de trabalho pode ser utilizado pelo estudante de graduação, de pós-graduação latu sensu e stricto sensu, ou mesmo por pesquisa- dores profissionais, sendo que o diferencial se encontra na qualidade do trabalho produzido, uma vez que se espera maior aprofundamento e ! Folha de rosto – Contém os elementos essenciais autonomia acadêmica daqueles mais experien- para identificação do trabalho científico: tes (TRALDE ; DIAS, 2001, p. 12). a) nome do autor: responsável intelectual pelo tra- balho;A monografia é formada por um conjunto compos- b) título principal do trabalho: deve ser claro e pre-to de três partes, organizadas de modo a destacar ciso, identificando o seu conteúdo e possibilitandoa seqüência lógica do trabalho: INTRODUÇÃO, a indexação e a recuperação da informação;DESENVOLVIMENTO e CONCLUSÃO. c) subtítulo: se houver, dever ser evidenciada a sua subordinação ao título principal, precedido deQuanto à formatação de uma monografia, o que dois-pontos;diz a ABNT e a experiência institucional? d) número de volumes: se houver mais de um, deve constar em cada folha de rosto a especificação doSobre formatação de uma Monografia, a ABNT diz respectivo volume;que ela apresenta aspectos materiais e elemen- e) natureza: tese, dissertação, trabalho de conclu-tos textuais que devem ser expostos na ordem. são de curso e outros; e objetivo: aprovação em 64
  • 53. Metodologia do Estudo – Técnicas para difusão e divulgação do conhecimento disciplina, grau pretendido e outros; nome da insti- ELEMENTOS TEXTUAIS – Trata-se do desenvolvi- tuição a que é submetido; área de concentração; mento propriamente dito do trabalho. Compreen- f) nome do orientador (se houver) e do do co-orien- de três partes lógicas, indispensáveis, também tador; chamadas de elementos textuais: g) local (cidade) da instituição onde deve ser apre- ! Introdução – É um prólogo onde se argumenta sobre sentado; o tema escolhido, sobre os objetivos e sobre como se h) ano de depósito (da entrega). pretende desenvolver o estudo. Costuma-se dizer que uma boa justificativa apresentada no projeto é uma introdução. ! Corpo do trabalho – Pode ser constituído por ca- pítulos, partes ou tópicos, e consiste na descrição do tema delimitado para estudo, que pode ser um “prob- lema”, isto é, um fenômeno social ou uma teoria e/ou um estudo de caso, etc. ! Conclusão – Parte do trabalho que conclui e contém as deduções a respeito do tema estudado e pesqui- sado. Às vezes, a conclusão é uma síntese de tudo o que foi abordado ao longo do desenvolvimento do corpo do trabalho. ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS ! Anexos – Trata-se de material suplementar que, ajun- tado ao trabalho, esclarece e documenta. Quando os anexos pouco acrescentam, é melhor omiti-los. Só fazem volume e dão trabalho sem grandes resulta- dos.! Prefácio – Em monografias ele é opcional. Cos-tuma ! Glossário – Lista de palavras pouco conhecidas, de ser elaborado pelo próprio autor ou por outra pessoa. sentido obscuro ou de uso muito restrito, acompa- O prefácio não substitui a introdução. nhadas de definição. Fica a critério do autor a sua! Lista de ilustrações: tabelas, quadros e gráficos – inclusão, Recomenda-se selecionar aquelas mais importantes ! Referências – Lista da literatura pesquisada, seja e que acrescentam alguma coisa a mais ao texto. É oriunda de livros, revistas ou de outras fontes escri- mais didático e interessante ao leitor distribuí-las ao tas e documentadas. As referências vêm em ordem alfabética, pelo sobrenome do autor, conforme previs- longo dos capítulos. to pela norma NBR 6023 da ABNT.! Lista de abreviaturas – É também mais interessante, sempre que se fizer uso delas, recorrer às notas de rodapé.! Sumário – Não confundir com índice. Sumário é uma lauda que apresenta as principais divisões, seções e capítulos do trabalho e respectiva página, conforme exemplo apresentado anteriormente. Embora ainda muito usado, mas indevidamente pelos autores e edi- toras, índice é uma lista detalhada de assuntos, no- mes de pessoas, nomes geo-gráficos, acontecimen- tos, etc., com indicação de sua localização no texto e aparece no fim de livros técnicos e científicos (ver NBR 6034).! Resumo – Redigido em língua vernácula e em outra língua, normalmente em inglês, francês ou espanhol, é uma apresentação concisa do conteúdo. 65
  • 54. ANEXOS
  • 55. Metodologia do Estudo – Anexos vação da identidade. Esta era, também, uma das conquistas políticas em resposta ao cambaleante ANEXO 01 colonialismo opressor nos anos setenta. Saquea- dos pelas constantes guerras, pela venda, por um EM SUAVES PRESTAÇÕES pouco mais de nada, de sambaquis, de totens, deMorre lentamente quem não troca de idéias, não riquezas naturais, os pobres pareciam reivindicar otroca de discurso, evita as próprias contradições. seu lugar na história. Muitas coisas pertencentes aos vencidos constituem, hoje, patrimônio de ou-Morre lentamente quem vira escravo do hábito, tros povos e estão em seus museus e praças públi-repetindo todos os dias o mesmo trajeto e as mes- cas. Outras deram origem a produtos patenteadosmas compras no supermercado. por empresas, que descobriram as propriedadesQuem não troca de marca não arrisca vestir uma intrínsecas de suas substâncias constituintes ecor nova, não conversa com quem não conhece. hoje embolsam milhões de dólares em royaltiesMorre lentamente quem faz da TV o seu guru e o dos consumidores.seu parceiro diário. Como pode 14 polegadas ocu- Convenções, tratados, regulamentos e leis termi-par tanto espaço em uma vida? naram prevalecendo nos países membros dasMorre lentamente quem evita a paixão, quem pre- Nações Unidas para regular essas relações e evi-fere o preto no branco e os pingos nos is a um tur- tar o saque internacional de uns sobre os outrosbilhão de emoções indomáveis, justamente as que povos, sobretudo dos que têm mais poder sobreresgatam brilho nos olhos, sorrisos e soluços, os menos favorecidos. Mesmo assim, essa pirata-coração aos tropeços, sentimentos. ria parece não ter fim. Poucos podem enfrentar oMorre lentamente quem não vira a mesa quando problema de frente, custa caro e os investimentosestá infeliz no trabalho, quem não arrisca o certo são de longo prazo. Para piorar, não basta terpelo incerto atrás de um sonho, quem não se per- dinheiro, precisa deter o conhecimento científicomite, uma vez na vida, fugir dos conselhos sen- e tecnológico para realizar, antes dos outros, asatos. proeza de valorizar os seus bens naturais e cultu-Morre lentamente quem não viaja, quem não lê, rais. Em vigor há muitos anos, a Convenção dequem não ouve música, quem não acha graça de Direitos de Propriedade Intelectual e de Patentessi mesmo. foi sendo, paulatinamente, assumida por paísesMorre lentamente quem destrói seu amor próprio, membros da Organização das Nações Unidasquem não se deixa ajudar. (ONU) e, mesmo assim, ainda existem países queMorre lentamente quem passa o dia queixando-se não a reconhecem.da má sorte ou da chuva incessante, desistindo de No calor da hora, estamos a discutir, no Brasil, trêsum projeto antes de iniciá-lo, não perguntando coisas relacionadas com esse tema: a biopiratariasobre um assunto que desconhece e não respon- (feita sobretudo sobre os produtos da floresta); adendo quando lhe indagam o que sabe. cópia e venda de discos piratas, que está levandoEvitemos a morte em suaves prestações, lembran- a pique a indústria fonográfica nacional; e da apro-do sempre que estar vivo exige um esforço bem priação de idéia por meio de plágio, de colagem emaior do que simplesmente respirar! outros expedientes, que tornam o País uma área (autor desconhecido) crítica para a garantia do direito autoral, mesmo sendo o Brasil um dos signatários da convenção internacional que regula a questão. Para ilustrar os casos já citados, podemos men- ANEXO 02 cionar a cobiça decorrente da divulgação do valor potencial de nossa biodiversidade, gerando inú- O ROUBO INTELECTUAL COMO meros casos em que pessoas, passando-se por PRAGA DO NOSSO TEMPO turistas ou pesquisadores instalados em institui- ções de respeito, fazem o contrabando de bens Walmir Albuquerque genéticos (como o caso dos primatas, ainda emNão faz muito tempo que se discutia o direito dos apreciação judicial, envolvendo um renomadopovos sobre o seu patrimônio cultural para preser- cientista ligado ao Instituto Nacional de Pesquisas 71
  • 56. UEA – Licenciatura em Matemáticada Amazônia (INPA), objeto de divulgação nacio- conhecidos eufemisticamente por camelódromos.nal); os milhares de discos piratas esmigalhados Como brecar a ação de apropriação de peçasem praça pública com o objetivo de coibir a práti- musicais pelas novas emissoras improvisadas deca criminosa da cópia ilegal; a apropriação indébi- rádio, via Internet? A extinta União Soviética con-ta de rituais de povo indígena para incluí-los em trolou, até onde pôde, o uso das máquinas repro-espetáculo profano, que leva a marca de folclore; gráficas para impedir que se fizessem cópias deo caso de um intérprete idolatrado da Música Po- material ofensivo à hegemonia do partido comu-pular Brasileira que foi condenado por plágio em nista e do governo soviético, nem com isso con-uma das músicas de seu repertório; o plágio de seguiu o seu intento. O muro de Berlim caiu em 89.monografias, dissertações e teses doutorais defen- As máquinas reprográficas, com qualidade ou não,didas em famosas universidades brasileiras, colo- estão em todas as esquinas do Brasil como meiocando em alerta a comunidade científica nacional; de vida de muitas pessoas que, muitas vezes, nãoas cópias indecentes e às vezes descaradas de sabem o que estão copiando ou sobre o crime quetrabalhos escolares recortados ou copiados de estão cometendo. Além do mais, somos um paíssites da Internet; a reprografia ilegal de textos para de poucas bibliotecas e as que temos nem sempreusos didáticos como prática corriqueira nas univer- estão aparelhadas para servir às necessidadessidades e escolas de todos os graus. da população. Não temos o hábito de investir emOs problemas, ao nosso ver, vêm-se tornando uma livros e em leitura. Desenvolvemos a cultura daquestão. O que significa isso? Quando um proble- pressa, do fragmento de texto e ainda temos ama se torna uma questão, significa que ele não veleidade de propalarmos que conhecemos o pen-está mais isolado e que suas ramificações compro- samento de seus autores. Esta conduta acadêmi-metem a estrutura que o sustenta e o reproduz; ca chinfrim vem sendo passada de mestres parapor isso se torna complexo, e tudo que se faça e alunos que se tornam mestres e assim por diante.se diga nem sempre contribui para a sua solução. Essas coisas disseminam a insegurança para osQuanto à pirataria de nossos bens genéticos, sa- produtores de saber, de arte, de entretenimento,bemos que o Brasil, apesar de ser uma das dez enfim, de cultura e, por isso, podemos falar emmaiores economias do mundo, ainda não desen- uma questão que deverá ser resolvida com umavolveu a capacidade de fazer pesquisa e a auto- tomada coletiva de consciência, para saber atésuficiência tecnológica para realizar a empreitada onde podemos ir, uma vez que existe um outroque os grandes laboratórios, os grandes institutos lado da moeda que deve também ser avaliado,de pesquisa mundiais e os grandes consórcios de como, por exemplo: até onde é justo impedir quepesquisa, envolvendo grupos financeiros, grupos várias pessoas morram por não poderem pagartecnológicos e científicos, já vêm fazendo. Para o preço exigido por um laboratório que patenteouatingir o seleto grupo que hoje seqüencia o DNA, um bem da natureza – portanto bem universal –o famoso grupo Genoma, o Brasil teve que buscar para si ? Como negar a um povo o conhecimentocompetência fora do país e associar-se a esses só por que não pode comprar livro e seu únicogrupos para não perder o bonde da história. acesso ao saber é através de cópias de livros ouAo se falar em pirataria, temos um problema que de fragmentos de textos importantes para seuparece marginal, mas não é. O computador criou aprendizado? Como impedir aqueles que têm oas facilidades incomensuráveis para a produção e domínio tecnológico e científico de desenvolvergravação caseira e até mesmo de qualidade em um remédio que cura o câncer só porque o paíssuporte de CD. Controlar a produção e uso dessa detentor da matéria-prima impede a sua exploraçãotecnologia seria brecar o desenvolvimento de ou- por questões estratégicas? Como aprender a pro-tras coisas positivas que podem ser feitas com tal duzir e inovar sem repetir, sem compilar ou imitartecnologia. os passos dos mais experientes?No Brasil, a atividade informal na economia cres- Essa questão pode começar a ser deslindadaceu, fato que possibilitou uma frouxidão nos meca- com um processo educativo para desenvolvernismos de controle de produção e comercialização uma consciência de honestidade intelectual, umade bens nos mercados livres das grandes cidades, consciência cívica e uma consciência universal 72
  • 57. Metodologia do Estudo – Anexossobre o valor, a disponibilidade e o usufruto do sabendo que ele fez uma cópia fraudulenta de umsaber como patrimônio da humanidade. Por aí, trabalho via Internet; sabendo que ele “colou” davemos que essa é uma proposta de longo prazo. prova do colega; que ele copiou de um texto, semA forma coercitiva nos parece exagerada, quando citar a fonte, que o próprio pai trouxe e o deu paranão impositiva, sem atenuantes. O caso da lei de este fim. O crime se completa, quando o professor,direito autoral de obra musical é tão complicado e ao fazer a correção de forma descuidada e despre-absurdo que, se cumprido a risca, não nos permite parada intelectual ou tecnicamente, ou até de for-fruir publicamente nenhuma obra musical sem o ma criminosa, não percebe que o texto está acimarespectivo pagamento de direito de autor, recolhi- da capacidade cognitiva do aluno e não toma ne-do por uma instituição comandada por terceiros, nhuma providência. Assim, o criminoso sai da es-cuja transparência tem sido objeto de constantes cola com boas notas e pode vir até a ser professor.críticas, sem falar da ganância de conglomerados Segundo matéria veiculada pela revista Saber: re-fonográficos nacionais e que facilitam a corrupção vista do livro universitário, ano I, n. 8, julho/agosto,encobrindo as trocas de autoria dos pobres faze- 2002, intitulada “Estelionato Intelectual”, umadores de música, desde os velhos tempos. pesquisa da Rutgers University entre seus 4500A lei que regula o direito autoral na reprodução de alunos, mais da metade revelou já ter copiado tra-textos é draconiana. A mesma fala em prisão em balhos na Internet e entregue como seus. Nosflagrante, em crime inafiançável, para quem for EUA, segundo a mesma revista e matéria, há maissurpreendido copiando um texto sem pagar o cor- de 600 sites vendendo trabalhos. E para se identi-respondente à taxa de reprodução, se até dez pá- ficar um trabalho plagiado já existem até empresasginas, e autorização do detentor do direito autoral especializadas em identificação por computadorpara quem ultrapassar a isto. Significa dizer que da autenticidade da obra.você poderá ser detido por flagrante delito ao re-produzir um texto no seu fax, no seu scaner, na No Brasil, a “picaretagem” pela Internet já vem“xerox” ao lado de sua casa ou de sua faculdade, sendo feita com um certo sucesso. O que maisse esta não estiver devidamente autorizada pela cresce mesmo é a cópia descarada de trabalhosassociação encarregada de recolher os direitos resultante de busca em Home Pages abertas paraautorais. divulgação autoral de professores ou pseudoes-Por outro lado, escolas, professores e alunos, se critores em busca de fama ou até mesmo de cer-não podem fomentar a ilegalidade não podem tos autores que desejam partilhar a sua obra comtambém interromper o processo de aprendizagem outros. Para infelicidade nossa, já é possível verquando textos e livros são escassos. Da mesma anúncios em jornais oferecendo serviços para real-forma como o Brasil enfrentou corajosamente os ização de trabalhos escolares. Como diz o bordãolaboratórios internacionais que cobravam custo do Boris Casoy: “Isto é uma vergonha”! A revistaexorbitante para os remédios de cura da AIDS, Saber, (op. cit., p. 11), cita os tipos de “rapinagemquebrando as patentes dos mesmos e impondo intelectual” mais comuns: plágio literal, cópia deuma negociação mais equilibrada, o mesmo pode obra alheia sem alteração; “tradução” de versãoser feito não só para evitar os absurdos com portuguesa, quando se toma uma obra ou textorelação à reprografia, mas também conter o exa- escrito em português de Portugal e faz uma “ver-gero e a banalidade da cópia, que nem sempre é são” para o português do Brasil; plágio de lógicaa solução mais adequada para o processo de e idéias, quando a estrutura de raciocínio é apro-aprendizagem. veitada e contada com outras palavras, sem citar oResta, no entanto, o ato de consciência para não autor ou citando-o marginalmente; plágio de caro-plagiar. Este só pode ser resolvido pela sólida for- na, quando o trabalho coletivo termina divulgadomação moral, pois plagiar revela falta de caráter, e ou publicado como se fosse apenas de um autor;caráter não se vende, não se compra, adquire-se plágio em conversas informais, quando colegaspor formação. O ladrão de idéias forma-se nas es- conversam sobre projetos de futuros trabalhos ecolas com a complacência dos professores e dos um deles se apropria da idéia do outro ou dos ou-pais, que às vezes aplaudem a boa nota do filho tros para produzir antes dele ou deles. 73
  • 58. UEA – Licenciatura em Matemática esperando contribuir para o melhor entendimento das questões ligadas ao nosso desenvolvimento ANEXO 03 com sustentabilidade. O VALOR DA BIODIVERSIDADE Entre outras coisas disse o Professor Weber: “ ... Para começar, vamos falar de bananas e da bana- Ozório Fonseca* nada inventada (ou projetada) pela nossa vovozi-Tenho plena consciência da importância econômi- nha lá em casa, depois que várias receitas nãoca dos pólos Industrial e Comercial de Manaus, deram certo ... A banana é um recurso natural quemas não consigo entender o abandono de mais não sofreu nenhuma transformação. A bananada éde 30 anos a que foi submetido o Pólo Agropecuá- banana + outros ingredientes + energia térmicario. Sei também que empresas internacionais têm do fogão + trabalho da vovó + conhecimento oumuito mais agilidade para se instalar em qualquer tecnologia da vovó. A bananada é um produtolugar do mundo e isto certamente foi um fator deci- pronto que se pode chamar de riqueza e a vovósivo para a configuração do perfil industrial nos é a dona do conhecimento, uma espécie de enge-primórdios da Zona Franca. nheiro da culinária.”O que me incomoda é o fato de que os “... incen- “Usando o dólar como referência sabe-se que otivos fiscais para implantação de um pólo indus- quilo da banana custa US$ 0.30 e o da bananadatrial, comercial e agropecuário...” (Decreto Lei 288- US$ 1.4. A razão dessa diferença é que para co-29106167) que configuraram uma tríade de espe- lher um cacho de banana se cria um empregorança, não tenham sido direcionados também para (colhedor de bananas) e quando a vovó (ou a in-o pólo da nossa verdadeira redenção econômica e dústria) faz a bananada, são criados empregosambiental. nas plantações de cana, nas indústrias do açúcar, do gás de cozinha, de fogões, de panelas, de em-Não há dúvida de que a importação de tecnologia balagens etc.”foi a solução viável e o caminho inteligente na faseinicial, mas agora, depois de 35 anos, é urgente “Em resumo, 1 quilo de bananada é mais caro querever as prioridades e direcionar parte significativa um quilo de banana porque a bananada é igual ados incentivos para indústrias com sustentabili- banana + tecnologia agregada e sua fabricaçãodade. gerou mais empregos que o de colhedor de ba- nanas.”Muitas pessoas afirmam que a assimetria nadistribuição dos benefícios fiscais com evidente “No comércio mundial de mercadorias a questão épreferência pelo Pólo Industrial foi e é conseqüên- similar. Um quilo de soja custa em média US$ 0.10,cia da falta de tecnologias adequadas para o pro- um quilo de automóvel custa US$ 10, um quilo decessamento dos produtos naturais. Refuto vee- aparelho eletrônico custa US$100, um quilo dementemente essa acusação, pois a comunidade avião custa US$ 1,000 e um quilo de satélite custacientífica brasileira sempre respondeu com muita US$50,000.” Portanto, quanto mais tecnologiarapidez e extrema eficiência aos investimentos no agregada maior o preço, maior a quantidade desetor, sendo o pró-álcool uma das provas irrefu- empregos gerados e maior o lucro.táveis dessa afirmativa. O impossível é exigir ino- “Os países detentores de tecnologia espalhamvação tecnológica sem prover recursos para suas fábricas ao redor do Mundo para manufatu-pesquisa. rar, com baixos custos e altos incentivos, produtosA respeito desse assunto, recebi pela Internet, tecnologicamente avançados como, por exemplo,cópia de um discurso atribuído ao Professor We- certas placas de computador que pesam 100 gra-ber Figueiredo paraninfo da turma de engenheiros mas e custam US$250. Para comprar a tal placa oda UERJ e proferido na solenidade de formatura Brasil precisa exportar 20 toneladas de minério deem 13/08/2002. Não conheço o professor e não sei ferro, lembrando que a indústria de placas criacomo lhe pedir licença para transcrever parte do bons empregos, enquanto a extração de minérioseu texto, mas como o conteúdo me pareceu rele- de ferro cria péssimos postos de trabalho.”vante para o tema deste artigo, resolvi divulgar O discurso do Prof. Weber (ou a ele atribuído)(com modificações de estilo) partes do discurso, mostra que produtos “in natura” são um péssimo 74
  • 59. Metodologia do Estudo – Anexosnegócio e que precisamos urgentemente de tec- Assim como a ciência não dispõe de neutralidadenologias próprias (brasileiras) para agregar valor na investigação dos problemas da realidade so-aos produtos de nossa biodiversidade. É claro que cial, a Matemática, partindo da premissa do pro-não podemos prescindir do atual Pólo Industrial cesso ensino-aprendizagem, do ponto de vistada ZFM, mas não dá para permanecermos reféns epistemológico, apresenta diversas concepçõesde tecnologias, de conhecimentos e de matérias de acordo com a visão de educação defendida.primas do exterior, pois esse é o pulo do gato dos Duas destas concepções apresentam pólos queverdadeiros donos dos negócios, dos processos se contrapõem, as quais podemos didaticamenteindustriais, das decisões econômicas, das rique- denominá-las de tradicional e progressista.zas e do dinheiro. Na visão tradicional, a matemática é consideradaA melhoria real da qualidade de vida da nossa gen- uma ciência pronta, acabada, focalizada nos con-te passa obrigatoriamente pelos produtos de nos- teúdos que devem ser repassados aos alunos,sa biodiversidade (como a banana) que precisam estes meros reprodutores de fórmulas e demons-de conhecimento científico e tecnologia para ter trações que exercitam a memória através de exer-em maiores valores de mercado (como a banana- cícios mecânicos e repetitivos. “A conseqüênciada). Se houver investimentos adequados, a comu- dessa visão em sala de aula é a imposição auto-nidade científica responderá com extrema rapidez. ritária do conhecimento matemático por um pro- fessor que, supõe-se, domina e o transmite a um * Professor da UEA e ex-diretor do Inpa aluno passivo, que deve se moldar à autoridade da JORNAL DO COMMERCIO. Manaus, 07 de outubro de 2]002, p. 08. ‘perfeição científica’” (CARVALHO, 1994, p.15). Esta concepção defende, ainda, o grau de inteli- gência dos alunos em relação ao sucesso ou insu- cesso na Matemática, por acreditar que somente ANEXO 04 àqueles que possuem intelecto privilegiado podem realmente aprender esta ciência, considerada pura CIÊNCIA E MATEMÁTICA: INTERFACES e abstrata. ACERCA DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO Na concepção progressista, o conhecimento ma- Prof a. MSc. Pérsida da Silva Ribeiro Miki temático é dinâmico e não pode ser simplesmente ensinado, já que o pensamento lógico matemáticoO conhecimento científico tem como premissa é um processo de construção interna do indiví-maior a descoberta dos fenômenos, no que diz duo. Dois mitos são literalmente desmistificados: arespeito a sua interpretação, reinterpretação, aná- compreensão de que a Matemática é uma ciêncialise e crítica da realidade, face à necessidade do meramente exata, abstrata e perfeita e a Matemá-homem no processo de descoberta, o que predis- tica como uma ciência comum a todos os povospõe um agir intencional acerca de um problema de do mundo.pesquisa. Para o aluno universitário cabe a cons- Ora, cada povo tem sua própria cultura, compreen-cientização do ato intencional da pesquisa e do são e formas de sobrevivência no mundo. Obje-estudo, sua condição de sujeito do processo de tivando a resolução de seus problemas da reali-aprendizagem, conquistando a autonomia acerca dade, constrói elementos representativos e con-do que estudar e, mais ainda, dos problemas que cretos na busca de solução de seus problemas.compõem as áreas do conhecimento. É o caso de uma sociedade indígena que possui seus próprios processos de contagem, tempo de “O conhecimento científico surge da necessi- corte e outros mecanismos para a confecção de dade do homem não assumir uma posição uma canoa, diferentemente das sociedades oci- meramente passiva, de testemunha dos fenô- dentais que produziram outros mecanismos para a menos, sem poder de ação ou controle dos construção de embarcações. mesmos” (KÖCHE, 2002, p.29). Nesta perspectiva, os alunos ao adentrarem no en- sino formal já possuem sua bagagem cultural acer- 75
  • 60. UEA – Licenciatura em Matemáticaca do conhecimento matemático, já que não é com um conjunto de conhecimentos novos quesomente a escola que ensina a Matemática aos consolidam esta ciência, o professor em formaçãoalunos. Esta deve proporcionar um diálogo entre o necessita contextualizar esses conhecimentos,conhecimento trazido pelos alunos e o conheci- tanto historicamente quanto a sua aplicabilidademento a ser trabalhado pedagogicamente na sala para a vida para elaborar formas de favorecer ode aula. processo ensino-aprendizagem em sala de aula. “Essa aquisição de conhecimentos lhes per- 1. Contextualizando a Matemática mite transformar suas ações e, portanto, alte- A matemática que conhecemos hoje não é a rar suas interações com esse mesmo mundo a mesma do início da humanidade. Ela vem se nível de qualidade. Assim, a sala de aula não desenvolvendo na história e entre os diversos é o ponto de encontro de alunos totalmente povos recebeu inúmeras contribuições para o ignorantes com o professor totalmente sábio, que se encontra hoje. Primeiramente é impor- e sim um local onde interagem alunos com tante conceber a matemática como uma ciên- conhecimentos do senso comum, que alme- cia construída pelo homem conforme as suas jam a aquisição de conhecimentos sistemati- necessidades com o mundo social. Rosa Neto zados, e um professor cuja competência está (2002) aborda que a matemática utilizada pelo em mediar o acesso do aluno a tais conheci- homem do paleolítico inferior refletia a sua ne- mentos”(CARVALHO, 1994, p.15-16). cessidade de sobrevivência como um nômade- predador com noções de mais-menos, maior-Tais concepções configuram não apenas uma pos- menor, formas e simetria para produzir os seustura do professor em sala de aula, mas entrelaçam instrumentos de caça e pesca, por exemplo.aspectos essenciais acerca da Matemática en- O processo de evolução humana, marcadoquanto ciência. Isso significa que a postura do pro- pelas modificações das estruturas biológicas,fessor em formação do curso de licenciatura em sociais e ambientais, fez com que houvesse ela-Matemática, tendo como ponto de defesa a con- borações mais refinadas a respeito dessa áreacepção progressista desta ciência, não pode ser do conhecimento. Assim, podemos estruturaranulada pela transmissão de conteúdos, deve, um pequeno quadro evolutivo representativo dasim, ser questionadora e crítica. Ao se deparar matemática. Período Características Principais Esquemas Mentais Tamanho, quantidade, formas, algumas classifica- Paleolítico Inferior Durou 2 milhões de anos ções e seriações. Números até cinco, interior e exterior, conjuntos, Paleolítico Superior Existência do Homo sapiens medidas, geometria e representações. Construção de calendários, trabalho com números Neolítico Ideografia maiores, ábaco com os dedos. Egípcios: medidas de tempo e massa, decimal, fra- ções e operações com números naturais, geome- tria, cálculo de área e volume. Sociedades mais complexas e é Antiguidade Gregos e Romanos: sistematização e dedução atra- criada a escrita fonética silábica vés da lógica. Árabes: sistema de numeração arábico, a álgebra, ser decimal e posicional. Cálculo de números negativos, raiz quadrada de nú- meros negativos (números complexos), universali- Modernidade Renascimento e capitalismo zação e avanços dos conhecimentos matemáticos já existentes e mais ainda produzidos. 76
  • 61. Metodologia do Estudo – Anexos O homem desenvolve a matemática de acordo Justamente para não repetir esse cotidiano com as suas necessidades sociais, ela é o resul- encontrado nas escolas é que o professor em tado das práticas e elaborações históricas de formação de licenciatura em Matemática deve modificação do ambiente e das relações sociais estar comprometido com o seu aprendizado e entre os homens, sendo considerada a mais de seus alunos. No decorrer do curso, constan- antiga das ciências. O que estudamos nas esco- tes desafios irão amedrontar o questionamento, las tem seu fundamento histórico e o porquê seja pela falta de base no conhecimento, seja das estruturas dos conteúdos nos currículos es- pela falta de compreensão acerca de determina- colares traduzidas nos livros didáticos. do conteúdo. Infelizmente, geralmente os professores não sa- O compromisso está em estabelecer a dúvida bem por que determinado conteúdo matemático como ponto de partida para o esclarecimento e está sendo abordado no livro e simplesmente o diálogo, com os professores auxiliares e titu- tentam transmiti-lo ao aluno através do proces- lares das disciplinas, concatenados com os ins- so de memorização, desconsiderando a origem trumentos mediadores de comunicação que o dessa ciência que sempre foi servir o homem curso oferece. Assim, estabelece-se uma que- em sua vida. Neste sentido, se os alunos não bra do silêncio, este é o pacto pedagógico! Que conseguem aprender os conteúdos de mate- a dúvida, seja ela qual for, deva ser colocada no mática, tem-se que refletir sobre a didática do espaço de discussão pedagógica para que as professor em sala de aula. Esta está reconhe- lacunas sejam trabalhadas e superadas, tanto cendo a importância da contextualização da no estudo em sala de aula quanto em processos matemática para o aprendizado do aluno? Con- individuais e coletivos de pesquisa. textualização não apenas da evolução histórica desta ciência, mas, sobretudo, da vida diária do aluno, respeitando a sua cultura, os seus valo- REFERÊNCIAS res, enfim, a vivência do aluno. Este é o princí- pio abordado pela etnomatemática. CARVALHO, D. L. de. Metodologia do Ensino da Matemática. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1994.2. O Ensino da Matemática KÖCHE, J.C. Fundamentos de metodologia científi- Uma das grandes dificuldades do professor diz ca: teoria da ciência e iniciação à pesquisa. 20. ed. respeito ao ensino da matemática para os seus Petrópolis, RJ: Vozes, 2002. alunos. Muitos alunos chegam a detestar esta ROSA NETO, E. Didática da Matemática. São Pau- área de conhecimento e não são raros os depoi- lo: Ática, 2002. mentos de pessoas adultas que sempre viveram com a matemática como um tormento, cheia de castigos e reprovações na vida escolar. Os professores, por outro lado, também sofre- ram seus traumas em relação à matemática e muitos ensinam matemática ou como foram ensinados quando crianças e adolescentes, ou ainda repassam uma metodologia aprendida em pequenos cursos de atualização, sem, no entanto, conhecer as características epistemo- lógicas desta ciência. Por estes aspectos encontramos professores com os seguintes questionamentos: Meu aluno não consegue multiplicar! Ou ainda ele não re- solve os problemas porque não sabe ler, é mes- mo um problema de interpretação de leitura e não de matemática! O que fazer? 77
  • 62. BIBLIOGRAFIAALMEIDA, Maria da Conceição de. Complexidade, do casulo à borboleta. In: CASTRO, Gustavo; CARVA-LHO, Edgard de Assis; ALMEIDA, Maria da Conceição de. (Org.). Ensaios de complexidade. Porto Alegre:Sulina, 1997.ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Disponível em: http:/www.abnt.org.br. Acesso em07 jan. 2003.BARBOSA, Ierecê. Tempo de aprender: uma abordagem psicopedagógica sobre dificuldades e ostranstornos da aprendizagem. Manaus: BK Editora, 2005.BASTOS, Cleverson; KELLER, Vicente. Aprendendo a aprender: introdução à metodologia científica. 12. ed.Petrópolis, RJ: Vozes, 1999, b.______. ______. 14. ed. Petrópolis: Vozes, 2000.BOFF, Leonardo. A função da Universidade na construção da soberania nacional e da cidadania. Disponívelem: http://www.culturavozes.com.br/revistas/0292.html. Acesso em: 10 out. 2002.BUARQUE, Cristovam. A aventura da universidade. São Paulo: Ed.UNESP; Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1994.BUCHLER, Justus. El concepto de método. 17. ed. Buenos Aires: Editorial Aires, 1961.CAMPOS, Marilson Gonçalves. Desafios da universidade brasileira na virada do milênio. VIÇOSA – MG,JULHO, 1999. Disponível em: http://www.ufv.br/dpe/edu660/edu660.htm.ECO, Umberto. Como se faz uma tese. 16. ed. São Paulo: Perspectiva, 2001.______.______. 17. ed. São Paulo: Perspectiva, 2002.FAZENDA, Ivani Catarina Arantes. Interdisciplinaridade: história, teoria e pesquisa. 10. ed. Campinas, SP:Papirus, 2002.FOUCAULT, Michel. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. São Paulo: MartinsFontes, 1985.FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.______. Ação cultural para a liberdade e outros escritos. 8. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.______. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. 42. ed. São Paulo: Cortez, 2001.LAKATOS, Eva Marina; MARCONI, Marina de Andrade. Metodologia científica. São Paulo: Atlas, 2000.______.______. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2002.LÜCK, Heloísa. Pedagogia interdisciplinar: fundamentos teórico-metodológicos. 8. ed. Rio de Janeiro: Vo-zes, 2000.LUCKESI, Cipriano Carlos et al. Fazer universidade: uma proposta metodológica. 7. ed. São Paulo: Cortez,1995.MATOS, Henrique Cristiano José. Aprenda a estudar. 9. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2001.MORIN, Edgard et al. A religação dos saberes: o desafio do século XXI. 3. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil,2002.PAÍN, Sara. Diagnóstico e tratamento dos problemas de aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1985.PETRAGLIA, Izabel Cristina. Edgard Morin: a educação e a complexidade do ser e do saber. 5. ed. Petrópo-lis, RJ: Vozes, 2001.
  • 63. PROESTUDO. Programa de Capacitação Discente para o Estudo. Disponível em: https://www.ne-xos.ufscar.br: 7070/prograd/proestudo.htm. Acesso em: 11 dez. 2003.RUIZ, João Álvaro. Metodologia científica: guia para eficiência nos estudos. 4.ed. São Paulo: Atlas, 1996.SAMPAIO, Mariana. A pesquisa interdisciplinar. Porto Alegre: Globo. 1999.SANTOS, Boaventura de Souza. Um discurso sobre as ciências.13. ed. Porto: Edições Afrontamento, 2002.SEGREDOS DO GOOGLE. São Paulo: Digerati Books, 2004.SEVERINO, Antonio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 22. ed. São Paulo: Cortez, 2002.TRALDE, Maria Cristina; DIAS, Reinaldo. Monografia passo a passo. 3. ed. Campinas, SP: Alínea, 2001.