Práticas Pedagógicas em Língua Portuguesa <ul><li>Professora </li></ul><ul><li>Maria de Fátima Medeiros e Silva </li></ul>...
PRÁTICA DE LEITURA E ESCRITA <ul><li>A leitura deve ser o ponto de partida e o ponto de chegada dos estudos literários, qu...
PRÁTICA DE LEITURA E ESCRITA <ul><li>Objetos de estudos: </li></ul><ul><li>Gêneros textuais: </li></ul><ul><li>Conto; </li...
Atividade O texto que você lê e escreve <ul><li>A primeira atividade efetiva no estudo de um texto é a sua leitura. </li><...
O ATO DE LER <ul><li>O ato de ler é o processo de “construir significado” a partir do texto. Isso se torna possível pela i...
DISCURSO <ul><li>Toda atividade comunicativa de um interlocutor, numa situação comunicativa determinada, englobando não só...
TEXTUALIDADE <ul><li>Conjunto de características que fazem com que o texto seja um texto, e não apenas uma sequência de fr...
Fatores responsáveis pela textualidade de um discurso qualquer <ul><li>Coesão  – Modo como os elementos presentes no texto...
Fatores responsáveis pela  textualidade de um discurso qualquer <ul><li>Aceitabilidade  –  Conjunto de elementos que faz c...
Ação do PDE – 2008 Descrição da ação: Analisar, interpretar e aplicar recursos expressivos das linguagens dentro de uma “a...
Ação do PDE – 2008 Aspectos relevantes e / ou observações ocorridas A leitura do livro enfoca um tema essencial: a saúde. ...
 
Ações do PDE – 2009 Descrição da ação: Realizar semestralmente momentos de leitura contextualizada, enfatizando a importân...
GÊNERO – POESIA VIVER DE CARA LIMPA Viver de cara limpa Não é uma questão de imposição Mas, sim de escolha. Viver de cara ...
GÊNERO - PROSA VIVER DE CARA LIMPA Viver de cara limpa é uma obra que  faz refletir sobre o uso das drogas e sobre a violê...
MENSAGEM REFLEXIVA Portas Se você abre uma porta, você pode ou não entrar em uma nova sala. Você pode não entrar e ficar o...
Não existe a segurança do acerto eterno. A vida é generosa, a cada sala que se vive, descobre-se tantas outras portas. E a...
PRODUÇÃO DE TEXTO COM USO DE GÊNEROS TEXTUAIS RAP DOS GÊNEROS TEXTUAIS É prosa, é prosa, é prosa. Veja só pessoal vamos co...
PRÁTICAS COM USO DE GÊNEROS TEXTUAIS Tem agenda fácil de manipular / armazenar informações importantes / telefones e dados...
PENSE POSITIVO !!! O QUE FAZ TODA A DIFERENÇA É A MANEIRA COMO VOCÊ SE VÊ...
CRÉDITOS COLÉGIO ESTADUAL JORGE AMADO ROSIANE BARROS MORAES MARQUES Diretora Pedagógica JACIRA PEREIRA DA SOLIDADE E SILVA...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Seminário Do E

654
-1

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
654
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
11
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Seminário Do E

  1. 1. Práticas Pedagógicas em Língua Portuguesa <ul><li>Professora </li></ul><ul><li>Maria de Fátima Medeiros e Silva </li></ul>NOVEMBRO DE 2009 SEMINÁRIO DO ENSINO MÉDIO
  2. 2. PRÁTICA DE LEITURA E ESCRITA <ul><li>A leitura deve ser o ponto de partida e o ponto de chegada dos estudos literários, que se utilizam de elementos históricos, políticos, sociais e estilísticos para a sua compreensão prática. </li></ul>
  3. 3. PRÁTICA DE LEITURA E ESCRITA <ul><li>Objetos de estudos: </li></ul><ul><li>Gêneros textuais: </li></ul><ul><li>Conto; </li></ul><ul><li>Crônica; </li></ul><ul><li>Poesia. </li></ul>
  4. 4. Atividade O texto que você lê e escreve <ul><li>A primeira atividade efetiva no estudo de um texto é a sua leitura. </li></ul><ul><li>A leitura é, na prática, um processo cheio de pequenos obstáculos, que muitas vezes acabam desestimulando sua presença constante nas aulas de língua portuguesa. </li></ul>
  5. 5. O ATO DE LER <ul><li>O ato de ler é o processo de “construir significado” a partir do texto. Isso se torna possível pela interação dos elementos textuais com os conhecimentos do leitor. Quanto maior for a concordância entre eles, maior a probabilidade de êxito na leitura. </li></ul>
  6. 6. DISCURSO <ul><li>Toda atividade comunicativa de um interlocutor, numa situação comunicativa determinada, englobando não só o conjunto de enunciados por ele produzidos em tal situação – ou os seus e os de seu interlocutor, no caso de diálogo – como também o evento de seus anunciação. </li></ul>
  7. 7. TEXTUALIDADE <ul><li>Conjunto de características que fazem com que o texto seja um texto, e não apenas uma sequência de frases. (Maria da Graça Costa Val). </li></ul>
  8. 8. Fatores responsáveis pela textualidade de um discurso qualquer <ul><li>Coesão – Modo como os elementos presentes no texto se ligam e se articulam; recursos que estabelecem articulação entre partes. </li></ul><ul><li>Coerência – O fator responsável pelo significado do texto. Sem coerência, um texto não é texto. É apenas um grupo de palavras sem funcionamento comunicativo. </li></ul><ul><li>Intencionalidade – Forma como o produto organiza a mensagem para produzir determinado efeito sobre interlocutor. </li></ul>
  9. 9. Fatores responsáveis pela textualidade de um discurso qualquer <ul><li>Aceitabilidade – Conjunto de elementos que faz com que o texto corresponde às expectativas do leitor. </li></ul><ul><li>Situacionalidade – São os elementos responsáveis pela pertinência do texto quanto ao contexto em que ocorre. É a adequação do texto a situação sociocomunicativa. </li></ul><ul><li>Informatividade – Grau de informações apresentáveis em um texto. O grau de informatividade de um texto é medido pela quantidade de informações novas ou já conhecidas pelo leitor. </li></ul><ul><li>Intertextualidade – Ativação dos conhecimentos adquiridos através da leitura de outros textos. </li></ul>
  10. 10. Ação do PDE – 2008 Descrição da ação: Analisar, interpretar e aplicar recursos expressivos das linguagens dentro de uma “aprendizagem contextualizada e significativa”, utilizando os gêneros textuais – os tipos de leitura. Detalhes da realização da ação (Como? Quando? Onde?) No 1º bimestre, os alunos tiveram vários momentos de leitura com os modos de discursos narrativos, descritivos, expositivos e dissertativos. A sala de aula tornou- se um convite para “Vamos ler”!. O livro “O fantástico redutor de moléculas”, foi lido individual, depois formando grupos para a “oficina de textos”.
  11. 11. Ação do PDE – 2008 Aspectos relevantes e / ou observações ocorridas A leitura do livro enfoca um tema essencial: a saúde. Tem a função paradidática, possui uma linguagem simples e divertida, que levou os jovens a perceberem a importância da saúde coletiva e como cada pessoa pode contribuir para o bem estar geral da comunidade.
  12. 13. Ações do PDE – 2009 Descrição da ação: Realizar semestralmente momentos de leitura contextualizada, enfatizando a importância da escrita e da interpretação dos gêneros textuais, crônicas e contos. Descrição da ação: Realizar aulas no laboratório de informática para pesquisar e produzir artigo com base nas aulas de vídeo e livros paradidáticos. Detalhes da realização da ação (Como? Quando? Onde?) No decorrer de 2009 os alunos tiveram vários momentos de leitura utilizando os livros “O Quati”, “Viver de Cara Limpa” e os vídeos: O Adolescente e o cigarro; O Adolescente e o álcool; Ética; Violência que rola e Bonezinho Vermelho. Na sala de aula os alunos tiveram momentos para debates e produção de textual. Incluindo as tecnologias os alunos utilizaram o laboratório de informática para finalizar as produções de textos.
  13. 14. GÊNERO – POESIA VIVER DE CARA LIMPA Viver de cara limpa Não é uma questão de imposição Mas, sim de escolha. Viver de cara limpa, é nascer de novo, E voltar à vida. Cara limpa! Vida limpa! E alma limpa! E a cada dia um novo começo Com consciência de ser livre Sem se colocar num mundo diferente Ou seja, no momento das drogas. Mas, Ricardo fez uma escolha: Viver de cara limpa. Alunas: Mikaely Mota, Adriana Alves, Hedylaine Nunes. 2ª série “A” – E. M.
  14. 15. GÊNERO - PROSA VIVER DE CARA LIMPA Viver de cara limpa é uma obra que faz refletir sobre o uso das drogas e sobre a violência. Ricardo Ribeirinha é um exemplo para todos, pois ele sentiu na pele o que é viver no mundo das drogas e da violência, a vida dele não era fácil e com isso ele achava que nas drogas acharia uma saída para os seus problemas, pois na sua adolescência ele sofreu ao descobrir que era adotado. Com essa descoberta ele se revoltou muito, se tornou um garoto rebelde, e nas ruas com os amigos ele acabou experimentando o primeiro cigarro de maconha, e a partir daí ele não conseguiu parar, se tornou um viciado. [...] O processo da limpeza do organismo não é fácil pra nenhum dos recuperantes pois eles não estão acostumados a ficar sem usar drogas, e o comportamentos deles se torna agressivo e nervoso todos os integrantes tem que cumprir uma serie de regras e obrigações e ajudar nos serviços, eles tem que trabalhar para o próprio sustento. [...] Sendo assim, concluímos que o mundo das drogas, é um mundo horrível, onde as pessoas matam, roubam, e morrem por causa do vício, perde família, amigos, e o bem mais precioso que é o amor pela vida. ALUNAS: IAMARA ALVES VELOSO, HEDYLAINE ALVES NUNES, SAMARA ALVES VELOSO. SERIÉ:2 ANO “A” PROFESSORA: MARIA DE FÁTIMA MEDEIROS E SILVA
  15. 16. MENSAGEM REFLEXIVA Portas Se você abre uma porta, você pode ou não entrar em uma nova sala. Você pode não entrar e ficar observando a vida. Mas se você vence a dúvida, o temor, e entra, dá um grande passo: nesta sala vive-se! Mas, também, tem um preço... São inúmeras outras portas que você descobre. Às vezes curte-se mil e uma. O grande segredo é saber quando e qual porta  deve ser aberta. A vida não é rigorosa, ela propicia erros e acertos. Os erros podem ser transformados em acertos quando com eles se aprende.
  16. 17. Não existe a segurança do acerto eterno. A vida é generosa, a cada sala que se vive, descobre-se tantas outras portas. E a vida enriquece quem se arrisca  a abrir novas portas. Ela privilegia quem descobre seus segredos e generosamente oferece afortunadas portas. Mas a vida também pode ser dura e severa. Se você não ultrapassar a porta, terá sempre a mesma porta pela frente. É a repetição perante a criação, é a monotonia monocromática perante a multiplicidade das cores, é a estagnação da vida... Para a vida, as portas não são obstáculos mas diferentes passagens!&quot; (Içami Tiba) Do Livro: Amor, Felicidade & Cia. Professora: Maria de Fátima Medeiros e Silva
  17. 18. PRODUÇÃO DE TEXTO COM USO DE GÊNEROS TEXTUAIS RAP DOS GÊNEROS TEXTUAIS É prosa, é prosa, é prosa. Veja só pessoal vamos conhecer agora Os gêneros textuais que fazem parte de nossa história (2v) (ref) Tem a fábula Retrata animais e as narrativas que fazem parte do tempo real Tem a lenda- é exagero na história com heróis criados na nossa memória. (ref)
  18. 19. PRÁTICAS COM USO DE GÊNEROS TEXTUAIS Tem agenda fácil de manipular / armazenar informações importantes / telefones e dados pessoas/ tem diário registra o dia-a-dia/ é utensílio muito individual/ registro próprios/ e resultados pessoais. (ref) Tem as memórias que são textos narrativos e expõem fatos da nossa história. Tem o conto – relato falso e enganoso/ é infantil, encantador e maravilhoso.(ref) Tem a crônica – é literário e muito breve com a trama e muito pouco definida/ com relatos retirados da vida diária. É prosa, é prosa, é prosa. Letra: Alunos do 1ª Série “B” – E.M. Música: Prof. Hugo Rodrigues de Figueiredo
  19. 20. PENSE POSITIVO !!! O QUE FAZ TODA A DIFERENÇA É A MANEIRA COMO VOCÊ SE VÊ...
  20. 21. CRÉDITOS COLÉGIO ESTADUAL JORGE AMADO ROSIANE BARROS MORAES MARQUES Diretora Pedagógica JACIRA PEREIRA DA SOLIDADE E SILVA Diretora Adjunta MARIA DE FÁTIMA MEDEIROS E SILVA Professora de Língua Portuguesa – E. M.
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×