EducaçãO Do Campo
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

EducaçãO Do Campo

on

  • 16,747 views

 

Statistics

Views

Total Views
16,747
Views on SlideShare
16,736
Embed Views
11

Actions

Likes
3
Downloads
531
Comments
3

2 Embeds 11

http://www17.jimdo.com 9
http://www.slideshare.net 2

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel

13 of 3 Post a comment

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    EducaçãO Do Campo EducaçãO Do Campo Presentation Transcript

    • EDUCAÇÃO DO CAMPO NÚCLEO REGIONAL DE FRANCISCO BELTRÃO CEC - MARIZETE
    • Por que educação do campo? • A educação do campo vem para resgatar uma divida histórica dos sujeitos do campo. • Valorizar e contribuir para a preservação das especificidades culturais e econômica, religiosa, social do sujeito do campo. • Para dar garantia a efetivação do direito do individuo em escolarizar-se.
    • Por que educação do campo? • Os saberes da escola do campo, dever ser contextualizado a partir da realidade do campo. • Abrangem populações bem diversificadas, por isso a importância de se respeitar e valorizar esta diversidade. • É resultado de uma soma de fatores, de entidade governamental, sociedade civil organizada
    • • A educação do Campo é objeto de estudo, fruto de articulação da SEED, das Universidades, prefeituras, MST, CUT, ASSESOAR, UFPR, poder público e a sociedade civil organizada entre outros. • É legitima a luta por políticas públicas especificas e por um projeto educativo próprio para seus sujeitos.
    • Concepção do rural Concepção do Campo Visto como algo atrasado, Valorizar a identidade do alheio a sociedade como se indivíduo do campo, sua os sujeitos que nele moram, cultura, conhecimentos, sejam responsáveis apenas especificidades e vê-lo como em produzir, abastecer o um sujeito importante na urbano, que os que sociedade. moram no rural não seja necessário . Cidade referencia modernidade e progresso.
    • Para melhor compreendermos a trajetória da Educação do Campo • 1º período: As contradições sociais apresentadas desde o inicio do século XXI – fome miséria, exploração, exclusão... regime escravocrata, oligarquias entre outros, • na Constituição de 1824 a 1891 não era mencionado e nem se demonstrava preocupação com a educação do campo. • Em 1930 surgiu o ruralismo pedagógico e a inversão das classes emergentes – elite agrária X elite industrial- objetivo fixar o homem no campo. • 2º Período: Em 1937, foi criada a Sociedade Brasileira de Educação Rural para expandir o ensino e preservar a cultura do homem do campo; • Em 1940, foi criada a Imprensa de Assistência Técnica em expansão Rural; • Em 1950, foi criada a Companhia Nacional de Educação e o Serviço Social Rural especifica a formação de técnicos responsáveis por projetos e programas de melhoria de vida, mas sem discutir os problemas do campo.
    • • 3º Período: Em 1960, a LDB 4024/61, deixou a educação rural a cargo dos municípios. Aparece as primeiras contribuições de Paulo Freire, no qual buscou valorizar, por meio de suas propostas, o sujeito do campo (alfabetização de adultos). • Com a LDB 5692/71, momento de estagnação da educação rural......discussão de ensino médio, para o rural, nem pensar???
    • • 4º Período: Em 1988, com a LDBN. 9394/96 são estabelecidos vários artigos – 23,26 e 28, com orientações para atender esta realidade, levando em conta seu contexto, sua cultura, seu espaço, seu modo de viver políticas publicas educacionais que ainda continuavam muito precárias. • Em 1990, são efetivados os primeiros debates, movimentos para pensar a educação pública a partir do mundo do campo. • Em 1998, realizado por diversas parcerias foi realizada a primeira Conferencia Nacional por uma educação básica do Campo – MST, UNESCO, UNISEF, CNBB. • Em 2002, as diretrizes operacionais foram aprovadas. • Nesta breve retrospectiva, fica explicito que a educação rural esteve as margens da política educacional brasileira e que somente a partir de 1980-90 houve sinais de mudanças.
    • Grandes desafios do século XXI quanto a efetivação da educação do campo • Muitas escolas foram retiradas das proximidades da comunidade e localizadas na sede dos municípios, e a escola privilegia somente a cultura do urbano. • Resistência por parte dos educadores que não se identificam com o campo; • Priorizar as escolas que possuem características de vida do campo, e proporcionar o questionamento a reflexão, despertar a consciência de reconhecer-se como sujeito social e de pertencimento: • Incentivar a construção de relações baseadas no respeito, na valorização dos sujeitos que tiram seu sustento da terra. • Desmistificar o conceito de “escolinha rural”, “professor (a) do interior.” • Contemplar instrumentos que apóiam pedagogicamente projetos de Educação Profissional no campo. • Desenvolver processos educativos, que gerem a emancipação humana. •
    • • Pensar a escola do campo a partir das peculiaridade dos povos dos campos. • Constar conteúdos e debates sobre temas direcionados as especificidades do campo • Adaptações na forma de funcionamento e atendimento, para garantir a continuidade funcional dos estabelecimentos existentes no campo; Necessidade de pensar uma legislação especifica da educação aos povos do campo. • Implementar uma política de transporte que venha atender as necessidades do sujeito do campo, que não contrarie os interesses da ed. do campo;
    • Pensar a educação a partir do mundo do campo e para o campo, levando em conta seu contexto em termos de cultura, maneira de conceber o tempo, espaço, meio ambiente, modo de vida, organização familiar, trabalho, amparados pelo artigo 28 da LDB, que estabelece: a oferta da educação básica para população rural deve ser adaptada, adequada as suas particularidades da vida rural de cada região (com metodologia, avaliação calendário....diferenciados)
    • O que determina a especificidade escola do campo? • local de apropriação de conhecimentos científicos; local de produção de conhecimentos das novas relações entre o mundo e a ciência e o mundo da vida cotidiana; • - na escola local que possibilita a ampliação do conhecimentos não pode e nem deve reduzir suas discussões somente a realidade camponesa e desconsiderar a interdependência campo-cidade; • Além de ser um local de produção e socialização de conhecimento, é espaço de convívio social (acontecem festas, reuniões, vacinação, bazar, celebrações religiosas)
    • Quanto ao professor: • -deve identificar-se com o meio, ter disposição para pensar e fazer diferente; • -é necessário que o professor seja sujeito, sinta-se sujeito e queira ser sujeito do processo pedagógico; • -envolver-se na interdisciplinaridade • -o professor deve definir os conhecimentos locais e científicos a serem trabalhados, bem como as - estratégias metodológicas, avaliação continua, diagnostica, proposta para cada momento pedagógico em diversas maneiras
    • Principais documentos da Educação do Campo • DCE • Caderno Temático; • Diretrizes Operacionais da Educação do Campo; • LDB
    • Tipos de sujeitos do campo. posseiros, bóias-frias, ilhéus, ribeirinhos, assentados, acampados, arrendatários, sitiante, pequenos proprietários, quilombola, faxinalenses, indígenas, meeiros
    • E o que os caracteriza • Seu jeito de ser, relacionar-se com a natureza, trabalho com a terra, organização de suas atividades, relações familiares e vizinhança, rotina de trabalho, religiosidade, identidade política organizada em forma de sindicalismo, conforme suas categorias sociais...
    • Concepções teóricas: • Paulo Freire; • Miguel Arroyo; • Roseli Caldart; • Gramsci; • Damasceno;