Estação troca de dispositivo de proteção da traqueostomia TURMA "A"
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Estação troca de dispositivo de proteção da traqueostomia TURMA "A"

on

  • 2,182 views

Acadêmicas: Monique Mota, Pollyana Sena, Vitória Pereira.

Acadêmicas: Monique Mota, Pollyana Sena, Vitória Pereira.

Statistics

Views

Total Views
2,182
Views on SlideShare
2,182
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
4
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Estação troca de dispositivo de proteção da traqueostomia TURMA "A" Estação troca de dispositivo de proteção da traqueostomia TURMA "A" Document Transcript

  • Acadêmicos: Monique Mota, Pollyana Sena, Vitória Pereira.4º período de EnfermagemEstação: 2Paciente de sexo masculino de 53 anos de idade no dia vinte e sete de dezembro de 2005 sofreuum acidente automobilístico onde resultou num TCE ( Traumatismo Crânio-Encefálico), tendoextenso ferimento corto - contuso parietal à esquerda, fratura de clavícula esquerda e pneumoniaaspirativa. Foi submetido a craniotomia no mesmo dia da traqueostomia.Pede-se:Que seja executado o procedimento de troca de dispositivos de proteção de traqueostomia.Os principais diagnósticos de enfermagem e intervenções.Respostas: ANTES Diagnósticos de Enfermagem:  Risco de infecção relacionado a procedimento invasivo (craniotomia e traqueostomia).  Integridade da pele prejudicada relacionado a acidente automobilístico evidenciado por ferimento corto – contuso parietal a esquerda. Intervenções:  Realizar limpeza de traqueóstomo 3 vezes ao dia;  Trocar gaze de traqueóstomo sempre que for realizado a limpeza;  Realizar troca de curativo do ferimento sempre que necessário ou estiver sujo ou úmido;  Realizar aspiração 3 vezes ao dia ou sempre que necessário;  Realizar ausculta pulmonar 3 vezes ao dia;  Observar sinais vitais;
  • DepoisProcedimento: Foi realizado troca de dispositivos de proteção (cadarço e curativo);Descrição do procedimento: 1. Lavar as mãos; 2. Checar montagem do material necessário: luvas de procedimento e luva estéril, pacotes de gaze estéril, solução fisiológica, mascara, óculos, gorro, cadarço e esparadrapo; 3. Preparar identificação para o cadarço; (data, nome do paciente, nº do leito, assinatura de quem realizou o procedimento.) 4. Calçar luva estéril; 5. Realizar limpeza de inserção do traqueóstomo, com solução fisiológica; (observando sinais flogisticos) 6. Trocar o curativo; (a trocar de curativo de ser realizada com gaze, sem cortá-la, para evitar a presença de fios soltos.) 7. Retirar luva estéril, e colocar luvas de procedimento; 8. Trocar cadarço (fita); (remover cadarço antigo e colocar o novo entrelaçando-o pelas fendas da placa do traqueóstomo, amarrar o cadarço fixando-o ao pescoço, sem deixá-lo muito apertado, amarrar de forma que não solte facilmente, mas sem dá nó). 9. Colocar identificação no cadarço (fita); 10. Anotar e assinar o procedimento realizado no prontuário do paciente;Diagnósticos e intervenções: Risco de infecção relacionado a perda de barreiras protetoras e procedimentos invasivos (craniotomia e traqueostomia);  Monitorar sinais e sintomas sistêmicos e locais de infecção;  Limitar número de visitas, quando apropriado;  Providenciar cuidado adequado à pele em áreas edemaciadas;  Examinar a pele e as mucosas em busca de sinais flogisticos;  Encorajar a injestão de líquidos, quando adequado;  Orientar o paciente e a família a como evitar infecções;  Realizar limpeza de traqueóstomo 3 vezes ao dia;  Trocar curativo de traqueóstomo e ferimento corto - contuso parietal à esquerda 3 vezes ao dia ou sempre que necessário;  Obter culturas, se necessário; Integridade tissular prejudicada relacionado a trauma músculo esquelético evidenciado por ferimento corto-contuso parietal a esquerda;
  •  Avaliar a irrigação sanguínea e a sensibilidade (lesão nervosa) da área afetada;  Manter área limpa;  Cobrir cuidadosamente a ferida com curativos, para evitar infecções;  Examinar a pele adjacente para evitar eritema.  Irrigar lesões;  Monitorar injestão hídrica; Troca de gases prejudicada relacionado a desequilíbrio na vetilação-perfusão evidenciado por dispnéia (Pneumonia aspirativa)  Auscultar sons respiratórios e detectar as áreas de redução do murmúrio vesicular;  Elevar a cabeceira do leito/ posicionar o paciente adequadamente;  Realizar aspiração 3 vezes ao dia ou sempre que nescessário;  Monitorar os efeitos terapêuticos e adversos;  Manter o ambiente livre de alérgenos / poluentes para atenuar o efeito irritativo nas vias respiratórias.