Assistência de enfermagem ao paciente portador de anemia falciforme e asma  marcia
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Assistência de enfermagem ao paciente portador de anemia falciforme e asma marcia

on

  • 24,923 views

 

Statistics

Views

Total Views
24,923
Views on SlideShare
24,923
Embed Views
0

Actions

Likes
2
Downloads
138
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Assistência de enfermagem ao paciente portador de anemia falciforme e asma marcia Document Transcript

  • 1. ITPAC – INSTITUTO TOCANTINENSE PRESIDENTE ANTONIO CARLOSDISCIPLINA : CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO ADULTO IPROFESSORA: TATIANE COMMINACADEMICOS: EURIPEDES ALVES, ERICA ALESSANDRA, MARCIA GUIMARAES,RAAB ARAUJO. PLANOS DE CUIDADOS DE ENFERMAGEM A PACIENTES COM CRISE FALCIFORMEDEFINICAO – Crise falciforme, descreve a pessoa que apresenta anemia falciforme comoclusão vascular pelas células falciformes que danifica as células e o tecido e causaanemia hemolítica, esplenomegalia massiva e choque hipovolêmico, síndrome torácicaaguda, acidentes cerebrovasculares.Um paciente com crise falciforme deve ser avaliado para os fatores que poderiam terprecipitado a crise, como sintomas de infecção ou desidratação, ou situações quepromovem a fadiga ou estresse emocional.DIAGNOSTICOS DE ENFERMAGEM1 - Dor aguda relacionada com a hipoxia tissular devido a aglutinação das celulasafoiçadas dentro dos vasos sanquineos.2 - risco de infecçao, relacionado a baixa imunidadeMETAS DE ENFERMAGEM • O enfermeiro deverá controlar e minimizar a crise falciforme • O individuo deverá ter alivio satisfatorio apos intervençoes • Ausencia de processo infecciosoINTERVENCOES DE ENFERMAGEM1.1- Monitorar os sinais e os sintomas de anemia: letargia, fraqueza, fadiga, palidezaumentada, dispneia ao esforço1.2 - Realizar uma avaliação abrangente da dor, inclusive localização, características,inicio,duração,frequência,tipo,gravidade e fatores precipitantes.1.3 - Monitorar os valores laboratoriais, incluindo a contagem sanguinea completa1.4 - Assegurar que o cliente receba cuidados precisos de analgesia.1.5 - Observar os indícios não verbais.(p.ex., como o cliente anda, mantém o corpo,senta-se, expressão facial). 1.6 - Rever experiências pregressas do cliente com a dor e os métodos consideradosúteis ou inúteis para controlar a dor no passado. aplicando durante a crise a escala de dor,separando as intervençoes para leve, moderada e severa.1.6.1- No caso de dor leve aplicar medidas de conforto. elevação de MMII mudança deposição, aplicação de calor local através de compressas.1.6.2 - Dor moderada: Anterior mais analgesia prescrita, reavaliação a cada 1 hora.1.6.3 - Dor severa: anteriores mais reavaliação a cada 30 minutos, se preciso consultar omedico
  • 2. 1.7 - Providenciar repouso/sono adequados,liquidos e alimentos ricos em acido folico.1.8 - Considerar as influencias culturais sobre a resposta a dor.2.1 - Avaliar sinais de troboembolis perifericos2.2 - Inspeção do aspecto geral da pele e tegumentos, sinais flogisticos, cianoses com oualta temperatura2.3 - Avaliar pulsos perifericos:PTP,PP,PF,PPD.2.4 - Aumentar a oferta hídrica2.5 - Administrar antibióticos profiláticos e imunizações indicadas. 2.6 - Ensinar ao cliente/família as técnicas para preservar a integridade da pele, cuidardas lesões e evitar disseminação da infecção.2.7 - Lavar as mãos antes e após cada atividade de cuidado ao paciente.2.8 - Assegurar o manuseio asséptico em todos os procedimentos invasivos2.9 - Ensinar o paciente e a familia como evitar a infecçoes, especialmente a pneumonia ea osteomielite2.10 - Orientar o paciente e ou a familia da importancia da continuidade do tratamentocom antibioticos de forma correta2.11 - Monitorar a contagem sanguine completa, os globulos brancosdiferenciais(neutrofilos, linfocitos) e a contagem absoluta de neutrofilos.2.12 - Evitar ou minimizar procedimentos invasivos (sondagem urinaria, etc.)Possíveis Diagnósticos de Enfermagem e principais intervenções a pacientes comasmaDEFINIÇÃO : A asma é uma doença inflamatória cronica das vias aéreas que provoca ahiper responsividade dessas vias, edema de mucosas, e produção de muco, levando asintomas de tosse,pressão torácica, sibilos e dispneia. A alergia é o mais forte fatorpredisponente para a asma. As complicações da asma podem incluir o estado asmatico, afalência respiratória, pneumonia e atelectasia.Antes de qualquer tratamento, intervenções ou controle é necessário realizar aclassificação da gravidade e a freqüência dos sintomas, pois os cuidados de enfermagemimediato depende da gravidade dos sintomas. O paciente pode ser tratado com sucessocomo paciente externo quando os sintomas da asma são brandos ou podem requererhospitalização, quando são agudos e gravesD.E.1 - PADRÃO RESPIRATORIO ineficaz relacionado hipoventilação e ao broncoespasmo.2 - DESOBSTRUÇÂO ineficaz DAS VIAS RESPIRATORIAS, relacionada com a produçãode muco secundária a inflamação.3- ANSIEDADE relacionada com o risco percebido de morrer.- Nenhuma limitação daatividade;
  • 3. 4 -TROCA DE GASES PREJUDICADA relacionado a inflamação, dispneia e cianoseMETAS DE ENFERMAGEMControle da asmaRestabelecer a função pulmonar normal, para que o indivíduo tenha uma freqüênciarespiratória normalRelato de alivioReduzir a Ansiedade.Controlar e minimizar as complicações das reações alérgicas.Uso minimo de de agonista beta de ação curta inalatoria.INTERVENÕES DE ENFERMAGEM1.1 - Manter o ambiente livre de alérgenos (p.ex. Poeira, travesseiros de penas, fumaça).1.2 - Administrar/Monitorar a resposta a fármacos que ampliam o calibre das viasrespiratórias e facilitam a troca de gases.1.3 - Avaliar a umidade e a temperatura do gás inspirado.1.4 - Posicionar paciente em posição fowler para permitir o máximo de expansãopulmonar.1.5 – Avaliar frequentemente a resposta à terapia; investigando:sinais vitais, nível deconsciência, ruídos pulmonares, fluxo de pico, função cardíaca, ingestão e eliminação,valores da gasometria arterial.2.1 - Aumentar a ingestão de líquidos para o volume minimo de 2.000ml/dia, de acordocom o nível de tolerância cardíaca( pode ser necessário usar infusão IV) para ajudar adissolver as secreções.2.2 - Proporcionar umidificação adicional, se for necessária (umidificador de ambiente).2.3 - Desestimular a utilização de produtos oleosos ao redor do nariz.2.4 - Ficar atento a sinais de angustia respiratória ( aumento da frequência respiratória,inquietude/ansiedade, utilização dos músculos acessórios para respirar).2.4 - Registar a resposta ao tratamento farmacológico e/ou o desenvolvimento de efeitoscolaterais adversos ou interações entre antimicrobianos, corticoides, expectorantes ebroncodilatadores.2.5 - Fornecer informações quanto a necessidade de o cliente liberar e expectorar assecreções em vez de degluti-las, para examinar e descrever alterações da coloração evolume autotratável.2.6 – Para a obstrução nasal, usar gotas de solução fisiológica, evitar outrosmedicamentos nasais devido o efeito rebote.
  • 4. 3.1 - Ajudar o cliente a aplicar técnicas de relaxamento.3.2 - Fornecer um ambiente arejado e sem ruídos.3.3 - Identificar a percepção do cliente quanto a ameaça representada pela situação.3.4 - Monitorar as respostas físicas; por exemplo: palpitações/pulsos rápidos, movimentosrepetitivos e ritmados.3.5 - Estabelecer uma relação terapêutica transmitindo empatia e respeito incondicionalpositivo.3.6 - Permanecer junto ao cliente e manter uma atitude calma e confiante.3.6 - Após a recuperação, discutir com o cliente e a família medidas preventivas para aanafilaxia e a necessidade de carregar um kit anafilático para uso na reação alérgica eeducar o paciente para o autotratamento4.1 - Investigar, eliminar ou reduzir os fatores causadores da crise asmática4.2 – Aumentar gradualmente a atividade4.3 - Auxiliar com exercicios e movimentos que promovem a expansão pulmonar e amobilização das secreções. A espirometria de incentivo promove a respiração profunda,fornecendo uma indicação visual da eficacia do esforço respiratório.