Apresentacao arte moderna e contemporânea v grupo

1,746 views
1,318 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,746
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
116
Actions
Shares
0
Downloads
41
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Apresentacao arte moderna e contemporânea v grupo

  1. 1. Historia de arte Arte Moderna e Contemporânea 2014
  2. 2. Arte africana moderna e contemporânea
  3. 3. Arte africana A arte africana exprime usos e costumes das tribos africanas. É uma arte extremamente voltada ao espírito religioso, característica marcante dos povos africanos.
  4. 4. Arte africana As máscaras sempre foram protagonistas indiscutíveis da arte africana. Para os africanos, a máscara representava um disfarce místico em rituais fúnebres, cerimónias de iniciação, casamentos e nascimentos
  5. 5. ARTE MODERNA AFRICANA Arte Moderna: designação referente a produção artística desde os finais do século XIX até aproximadamente 1970. Arte Moderna Africana: arte africana que sofreu influencias da arte moderna europeia por via do colonialismo.
  6. 6. ARTE MODERNA AFRICANA Durante muito tempo, a arte moderna foi considerada fenómeno exclusivamente europeu. Algumas fontes indicam que o despertar da consciência africana em relação à modernidade das suas obras, está muito ligada à:  Missão civilizadora e disciplinadora do Projecto Europeu.  Introdução de currículos convencionais europeus nas escolas secundárias coloniais no início do século XX.
  7. 7. Características da Arte Moderna A Maternidade Africana (Bertina Lopes – 1971) Realistas;  Impressionismo;  Postimpressionismo.  Cubismo;  Expressionismo;  Futurismo;  Obras deste período Medrano- uma obra em madeira, vidro e zinco Alexandre Archipenko (1912)
  8. 8. NA ARTE MODERNA AFRICANA DESTACARAM-SE DUAS FASES  Oficialização I. As artes antes da independência do apoio aos africanos anti coloniais pelo Congresso Pan-Africano, em 1945 em Manchester na Inglaterra;  Intenso movimento de migração de artistas africanos para as metrópoles europeias, devido à relutância da administração colonial em criar um sistema de educação artística
  9. 9. NA ARTE MODERNA AFRICANA DESTACARAM-SE DUAS FASES  Criação II. Década da independência de escolas de arte, o que levou ao aparecimento de mais artistas;  O trabalho de alguns exilados;  A consciência política e cultura incentivada pelo pan-africanismo, pan-arabismo e Negritude.
  10. 10. ALGUNS ARTISTAS DA ARTE MODERNA AFRICANA Aina Onabolu (1882 – 1963) – Primeiro artista moderno da Nigéria do Sul que solitariamente lutou para convencer a administração do Lagos a criar curso de arte nas escolas Secundárias. Ernest Mancoba (1904) – Sul africano, emigrou para paris em 1938. Ben Enwonwu (1908-1994) – Nigeriano, emigrou para Dinamarca. Gerard Sekoto (1913-1993) – Sul africano, emigrou para Dinamarca. John Mufangejo (1943-87), Namibiano. Malangatana (1936) –foi encorajado pelo português Amâncio Guedes, que organizou na então Lourenço Marques um workshop para jovens artistas. Os primeiros trabalhos de Ngwenha eram vividamente realistas e abrangiam uma vasta gama de temas: religião,conflitos violentos, Feitiçaria e outros.
  11. 11. ALGUNS ARTISTAS DA ARTE MODERNA AFRICANA O príncipe Yusef Kamal - criou a escola de Belas-Artes do Cairo, primeira escola de arte no egipto colonial e que abriu em 1908. Sam Ntiro (1923) – Tanzaniano, emigrou para Roma. Sidney Kumalo (1943-88) - Sul africano. Twins Seven-Seven (1994) - Nigeriano. Uso Egonu(1932-1994) – Nigeriano, emigrou para Inglaterra.
  12. 12. Malangatana
  13. 13. Arte contemporânea A arte contemporânea é um período artístico que surge na segunda metade do século XX e se prolonga até aos dias de hoje.
  14. 14. CUBISMO fim da estética Surge na França, por volta de 1908-1909, envolvendo artistas como Pablo Picasso, George Braque, Jean Metzinger, e mais tarde, Juan Gris
  15. 15. CUBISMO Fernando (1909) (obra de Picasso)
  16. 16. DADAISMO contra a separação da arte e vida Surge em 1916, assumese como um movimento de ruptura com todas as formas culturais do passado (Marcel Duchamp)
  17. 17. DADAISMO (Anesia Manjate) A pureza da Paz Usou também instrumentos do quotidiano africano - as enxadas.
  18. 18. SURREALISMO defende o sonho, e as visões alucinadas, como uma forma de conceber a realidade Começa a ser teorizado em 1924, por André Breton.
  19. 19. SURREALISMO Idealizou uma Mascara-mouse (Muthewuye)
  20. 20. HIPERREALISMO “mais verdadeiro que o real” Surge nos anos sessenta, como um novo retorno à pintura e escultura realista. Não se trata todavia agora de representar a realidade de uma forma ilusória, mas de provocar um novo olhar no espectador sobre a própria realidade.
  21. 21. OP ART dedica-se a experiências de modelação de formas Iniciada por Víctor Vasarely, nos anos cinquenta criando por vezes verdadeiros "alfabetos" que se combinam no espaço, produzindo efeitos ópticos com um ilusório dinamismo.
  22. 22. LAND ART espaços naturais e paisagens alteradas artisticamente Nasceu em 1967, e prosseguiu também a ruptura com os objectos.
  23. 23. INSTALACOES o artista recorre a meios como a fotografia, escultura, o vídeo ou o computador (Gemuce) Deixa andar Vídeo, o fundo são as chapas
  24. 24. PERMORMARTE Body Art, onde o corpo é utilizado como meio expressivo Prosseguindo objectivos estético-expressivos, o artista pode mutilar-se (Gina Pane), suicidar-se (Schwarkorgler, 1969), ou assumir a sua própria vida como arte (J. Beuys).
  25. 25. ARTE DE ENVOLVIMENTO E PARTICIPACAO Concepção de um espaço tridimensional onde se criam obras do imaginário artístico (Jorge Dias)
  26. 26. ARTE CONCEPTUAL também denominada "arte da ideia" Culmina todo um percurso de transformações na arte contemporânea que começou no Dadaísmo. Prosseguindo a ruptura com os suportes tradicionais que se vinha fazendo em todos os movimentos artísticos, Procuram desta forma estimular a imaginação dos espectadores, juntando muitas vezes indicações precisas para a reflexão ou acção.
  27. 27. ARTE CONCEPTUAL (Mbeve)
  28. 28. ARTE CONCEPTUAL (Jorge Dias)
  29. 29. ARTE CONCEPTUAL (Jorge Dias)
  30. 30. ARTE CONCEPTUAL (Cármen Muianga)
  31. 31. ARTE CONCEPTUAL (Anesia Manjate)
  32. 32. ARTE CONCEPTUAL (Vania Lemos)
  33. 33. ARTE CONCEPTUAL (Muthewuye) Tragedia do século
  34. 34. Conclusão Neste breve percurso a grande constante da arte do século XX, parece ser a reflexão sobre a própria arte. Os artistas não tem parado de questionarem os seus próprios conceitos e dicotomias que sustentaram a linguagem artística durante séculos: representação / realidade; ideia/forma; obra de arte / objecto quotidiano; arte / vida; razão / emoção; mundo exterior / mundo interior; criador / espectador; forma / fundo; superfície / suporte... Nestas pesquisa laboriosas, a "arte" tornou-se uma reflexão actuante sobre o próprio sentido que enforma o mundo. A significação que desponta em cada gesto, cada objecto. Por fim, podemos ainda concluir que embora as influências locais estejam sempre presentes na arte, actualmente fruto de uma globalização incontornável, os artistas seguem maioritariamente ideias e estilos internacionais.
  35. 35. Obrigado! fim Prof. Avatar

×